SENSIBILIDADE ANTIMICROBIANA DE CEPAS DE Escherichia coli
             PATOGÊNICAS ISOLADAS DE CARNE SUÍNA.

  ROBSON MAIA...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Sensibilidade Antimicrobiana De Cepas De Escherichia Coli PatogêNicas Isoladas De Carne SuíNa.

1,512 views

Published on

Minhas publicações na II Mostra UFF em Higiene e Tecnologia de Alimentos
2009

Published in: Business, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,512
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Sensibilidade Antimicrobiana De Cepas De Escherichia Coli PatogêNicas Isoladas De Carne SuíNa.

  1. 1. SENSIBILIDADE ANTIMICROBIANA DE CEPAS DE Escherichia coli PATOGÊNICAS ISOLADAS DE CARNE SUÍNA. ROBSON MAIA FRANCO1; SAMIRA PIROLA SANTOS MANTILLA2; ISABELA BERLANDEZ DE AZEVEDO ALVES3 1 Prof. Dr. do Departamento de Tecnologia de Alimentos - Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ. robsonmf@vm.uff.br 2 Doutoranda em Higiene Veterinária e Processamento Tecnológico de Produtos de Origem Animal - Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ. 3 Aluna de Graduação em Medicina Veterinária- Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ. RESUMO A resistência bacteriana aos antimicrobianos é um tema amplamente pesquisado por diversos autores devido à grande importância desta condição para a saúde pública. À medida que os antimicrobianos vão sendo utilizados indiscriminadamente, aumenta-se o número de bactérias resistentes aos fármacos mais utilizados na terapia humana, incluindo as do gênero Escherichia. O objetivo deste estudo foi avaliar a resistência antimicrobiana de cepas de Escherichia coli patogênicas isoladas de amostras de carne suína em diferentes regiões da carcaça. As 17 cepas de E. coli patogênicas dos sorogrupos EPEC-B: O125; EPEC-C: O86, O126, O128; EIEC-A: O29 e EHEC-O157 isoladas de amostras de carne suína obtida em abatedouro frigorífico, sob a Inspeção Estadual, provenientes dos estados do Rio de Janeiro (Magé e Rio Bonito), Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina, foram testadas com os seguintes antimicrobianos: Amicacina, Ampicilina, Carbenicilina, Cefalexina, Cefalotina, Cefotaxina, Cefoxitina, Ceftazidina, Ceftriaxona, Ciprofloxacina, Clindamicina, Cloranfenicol, Eritromicina, Gentamicina, Netilmicina, Nitrofurantoina, Norfloxacina, Oxacilina, Penicilina, Rifampicina,Tetraciclina, Tobramicina, Trimetropin sulf e Vancomicina. Utilizou-se a metodologia Kirb-Bauer descrita por Bauer et al., 1976. Todas as cepas de Escherichia coli patogênicas foram resistentes a carbenicilina, ceftazidina, clindamicina, cloranfenicol, eritromicina, penicilina e rifampicina. Como as cepas de Escherichia coli patogênicas apresentaram resistência à pelo menos sete antimicrobianos usados rotineiramente no tratamento das enfermidades transmitidas por alimentos e foram sensíveis apenas à gentamicina e à tobramicina, observa-se que estes resultados podem ter implicações importantes em relação ao uso prudente de agentes antimicrobianos e à possível propagação de resistência antimicrobiana em populações bacterianas, o que dificultaria um tratamento de doenças de origem alimentar e até mesmo de outros tipos de enfermidades em humanos.

×