Your SlideShare is downloading. ×
OCORRÊNCIA DE DIFERENTES SOROTIPOS DE Escherichia coli EM
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

OCORRÊNCIA DE DIFERENTES SOROTIPOS DE Escherichia coli EM

1,493

Published on

III Congresso Nacional de Saúde Publica Veterinária e I Encontro Internacional de Saúde Pública Veterinária. Bonito, MS. 25 a 28 de outubro 2009.

III Congresso Nacional de Saúde Publica Veterinária e I Encontro Internacional de Saúde Pública Veterinária. Bonito, MS. 25 a 28 de outubro 2009.

Published in: Business, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,493
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. OCORRÊNCIA DE DIFERENTES SOROTIPOS DE Escherichia coli EM CARNE BOVINA E COXA DE FRANGO COMERCIALIZADOS EM NITERÓI E NO RIO DE JANEIRO. Mantilla, Samira Pirola Santos; Leite, Analy Machado de Oliveira; Franco, Robson Maia; Cunha, Fernanda Lima. Universidade Federal Fluminense. Niterói-RJ. samiramantilla@yahoo.com.br As diferentes cepas de Escherichia coli são consideradas patógenos emergentes, e vêm sendo relacionadas a diversos surtos de doenças de origem alimentar. Os surtos decorrentes da infecção por E. coli são sempre severos e o sorotipo O157:H7 tem sido reconhecido mundialmente como um dos microrganismos mais envolvidos em doenças veiculadas por alimentos. O objetivo do estudo foi verificar a ocorrência de diferentes sorotipos patogênicos de E. coli em carne bovina e de frango obtidas em estabelecimentos com e sem inspeção sanitária, comercializadas no município de Niterói e do Rio de Janeiro. Trinta amostras de carne bovina (corte acém) e trinta de coxas de frango foram analisadas através de três metodologias a saber: Isolamento e identificação de Escherichia coli baseada em Merck (2000); Isolamento e identificação de cepas E.coli patogênicas (EIEC, ETEC, EPEC, EAEC) de acordo com Mehlman e Lovett (1984) e Isolamento e identificação de E.coli O157:H7 (EHEC) segundo Merck (1996). Os cultivos estocados foram sorotipados para verificação de E. coli pertencentes ao grupo EPEC, EIEC, EHEC- O157. Utilizou-se anti–soros polivalentes da Probac do Brasil LTDA. Para a soroaglutinação em placa seguiu-se metodologia descrita por Ewing (1986). Das amostras analisadas foram isoladas E. coli pertencentes às seguintes classes: EPEC A, EPEC B, EPEC C, EIEC A e EIEC B. A partir das amostras de carne bovina, foram isoladas e caracterizadas bioquímica e sorologicamente 113 cepas de E. coli patogênicas, sendo 107 (94,7%) pertencentes ao grupo EPEC e 6 (5,3%) ao EIEC. Das 30 amostras de coxa de frango analisadas, foram isoladas 150 colônias de E. coli patogênicas, sendo que 18 (12%) apresentaram-se contaminadas com os sorogrupos EPEC e EIEC, das quais 13 (72,2%) estirpes pertenciam ao sorogrupo EPEC e 5 (27,8%) ao EIEC. Os resultados indicam que a existência de um serviço de inspeção eficiente, em todas as fases do processo tecnológico de carne bovina e de frango, é muito importante para obtenção de um produto de qualidade e seguro. Desse modo, durante o processamento da carne o controle microbiológico apresenta-se como uma etapa essencial para o fornecimento de um alimento aceitável e seguro ao consumo, uma vez que a presença de microbiota contaminante e patogênica provoca alterações que podem descaracterizar o produto e até tornar o seu consumo perigoso para a saúde humana.

×