Escherichia coli PATOGÊNICAS ISOLADAS DE CARNE BOVINA
     ADQUIRIDA NOS MUNICÍPIOS DE NITERÓI E RIO DE JANEIRO:
         ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Escherichia Coli PatogêNicas Isoladas De Carne Bovina Adquirida Nos MunicíPios De NiteróI E Rio D

957

Published on

Minhas publicações na II Mostra UFF em Higiene e Tecnologia de Alimentos
2009

Published in: Health & Medicine, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
957
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Escherichia Coli PatogêNicas Isoladas De Carne Bovina Adquirida Nos MunicíPios De NiteróI E Rio D

  1. 1. Escherichia coli PATOGÊNICAS ISOLADAS DE CARNE BOVINA ADQUIRIDA NOS MUNICÍPIOS DE NITERÓI E RIO DE JANEIRO: RESISTÊNCIA ANTIMICROBIANA. SAMIRA PIROLA SANTOS MANTILLA1; MARIA CARMELA KASNOWSKI1; ANGELA DA CONCEIÇÃO LORDÃO1; ROBSON MAIA FRANCO2; LUIZ ANTÔNIO TRINDADE DE OLIVEIRA2 1 Alunas do Programa de Pós-Graduação em Higiene Veterinária e Processamento Tecnológico de Produtos de Origem Animal. Faculdade de Veterinária- Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ. samiramantilla@yahoo.com.br 2 Prof. Dr. do Departamento de Tecnologia de Alimentos. Faculdade de Veterinária- Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ. RESUMO As diferentes cepas de Escherichia coli são consideradas patógenos emergentes, e vêm sendo relacionadas a diversos surtos de doenças de origem alimentar. A infecção por E. coli O157:H7 é severa, sendo um dos microrganismos mais envolvidos em doenças veiculadas por alimentos em humanos. O objetivo dessa pesquisa foi verificar a resistência antimicrobiana de E. coli patogênicas isoladas a partir de 60 amostras de acém adquiridas no comércio varejista dos municípios de Niterói (30 amostras) e Rio de Janeiro (30 amostras). Foi determinada a sensibilidade “in vitro” das cepas isoladas nas análises bacteriológicas, segundo a metodologia do “National Committee for Clinical Laboratory Standards”. Os antimicrobianos testados foram Cloranfenicol, Aztreonam, Sulfazotrim, Ceftadizima, Cefotaxima e Amicacina, Netilmicina, Ampicilina, Cefalotina, Cefoxitina, Gentamicina e Tetraciclina. Nas amostras oriundas de Niterói, das 113 cepas de E. coli isoladas, sendo 94,7% (107/113) pertencentes ao grupo EPEC e 5,3% (6/113) ao EIEC, as cepas se mostraram resistentes à maioria dos antimicrobianos testados, sendo que a Tetraciclina demonstrou melhor eficiência, com 81,41% (92/113) das cepas testadas apresentando sensibilidade, seguido pela Gentamicina com 76,5% (86/113) de cepas sensíveis. Por outro lado, a Cefoxitina demostrou ser o antimicrobiano menos eficaz, dentre os testados, pois apresentou maior percentual de cepas resistentes 92,56% (104/113). Nas amostras adquiridas no Rio de Janeiro, as 63 cepas de E. coli patogênicas apresentaram grande espectro de resistência, principalmente a ampicilina 85,7% (54/63), cefalotina 84,12% (53/63) e amicacina 76,2% (48/63), sendo que a maior susceptibilidade foi observada para os antimicrobianos cefoxitina, gentamicina e tetraciclina 31,7% (20/63). A variação da resistência aos antimicrobianos testados coloca em alerta a comunidade científica, em função dos perigos que o consumidor pode sofrer ao consumir carnes, cujas cepas contaminantes apresentam este perfil. Estes microrganismos podem conjugar-se com a microbiota intestinal do ingestor, transportando a resistência antimicrobiana, que dificultará o tratamento nos processos infecciosos.

×