Escherichia coli EM AMOSTRAS DE CARNE SUÍNA DA REGIÃO INTERNA
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Escherichia coli EM AMOSTRAS DE CARNE SUÍNA DA REGIÃO INTERNA

on

  • 1,687 views

III Congresso Nacional de Saúde Publica Veterinária e I Encontro Internacional de Saúde Pública Veterinária. Bonito, MS. 25 a 28 de outubro 2009.

III Congresso Nacional de Saúde Publica Veterinária e I Encontro Internacional de Saúde Pública Veterinária. Bonito, MS. 25 a 28 de outubro 2009.

Statistics

Views

Total Views
1,687
Views on SlideShare
1,682
Embed Views
5

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

1 Embed 5

http://microdealimentos.blogspot.com 5

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Escherichia coli EM AMOSTRAS DE CARNE SUÍNA DA REGIÃO INTERNA Document Transcript

  • 1. Escherichia coli EM AMOSTRAS DE CARNE SUÍNA DA REGIÃO INTERNA DA PAPADA (FERIDA DE SANGRIA). Franco, Robson Maia; Mantilla, Samira Pirola Santos; Gouvêa, Raquel; Cunha, Fernanda Lima. Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ. robsonmf@vm.uff.br Cepas de Escherichia coli podem ocasionar surtos de enfermidades transmissíveis por alimentos colocando em alerta o serviço de vigilância sanitária e a comunidade científica. A carne suína, principalmente a região de ferida de sangria, pode ser veiculadora desse patógeno devido às práticas ineficientes de higiene pessoal e esterilização de facas. A pesquisa teve como objetivo enumerar, isolar e identificar sorogrupos de E. coli em amostras da região de ferida de sangria de suínos mediante aplicação de quatro metodologias diferentes. Foram analisadas, após a divisão em meias carcaças, 20 amostras de carne suína da região interna da papada correspondente à área de ferida de sangria obtidos de suínos clinicamente saudáveis e julgados aptos para o consumo, abatidos em frigoríficos sob inspeção estadual do Grande Rio. Foram utilizados 4 métodos a saber: 1- Enumeração de coliformes (Hitchins et al., 1995; Kornacki e Johnson, 2001), 2- Método SimplateTM para coliformes totais e Escherichia coli (Townsend et al., 1996) , 3- Isolamento e diferenciação de cepas enterohemorrágicas (EHEC) e Escherichia coli O157:H7 (Merck, 1996) , 4- Pesquisa de colônias de Escherichia coli enteropatogênica (Mehlman e Lovett, 1984). Para o método 1 a variação de coliformes, coliformes fecais e Escherichia coli foi respectivamente < 2 NMP/g a 46 NMP/g, < 2 NMP/g a 33 NMP/g e de ausência a 33 NMP/g, sendo que cinco (25%) amostras, quatro (20%) amostras e quatro (20%) amostras estavam contaminadas por coliformes, coliformes fecais e Escherichia coli, respectivamente. O NMP para o método 2 teve variação, respectiva, de coliformes totais e Escherichia coli de zero a 28 e de zero a 18. Pelo método 3, foram isoladas 18 colônias suspeitas de Escherichia coli, sendo nenhuma EHEC e nem EPEC. O número de colônias de Escherichia coli isoladas pelo método 4 foi 121. Do total de 20 amostras duas amostras da ferida de sangria estavam contaminadas por EPEC (C O86). O método que possibilitou o isolamento de maior número de colônias foi o de Mehlman e Lovett (1984). A presença dos sorogrupos de E. coli nas amostras ressalta a necessidade de se colocar em prática o sistema nacional e internacional da inocuidade de produtos de origem animal, para que a carne suína não seja veiculadora de enfermidades transmissíveis por alimentos, tendo como agente etiológico sorogrupos patogênicos ou oportunistas de E. coli, e que através de dejetos industriais, não tratados, estas cepas, inclusive O157:H- , não seja inserida na cadeia alimentar.