Your SlideShare is downloading. ×
Marketing - Vantagem Relativa
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Marketing - Vantagem Relativa

478
views

Published on

Soluções na visão de marketing para auxiliar na decisão do processo de compra. Citações do marketing 3.0, precisão, relacional e os 3Is.

Soluções na visão de marketing para auxiliar na decisão do processo de compra. Citações do marketing 3.0, precisão, relacional e os 3Is.

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
478
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Decisão Forma Preço Qualidade 1 Rafael Junqueira – MBA Gestão de Marketing e Comunicação Empresarial E-mail: Adm.rafaeljunqueira@gmail.com
  • 2. O que é vantagem relativa? Diferenciação é o termo mais adequado para explicar o que é vantagem relativa. Tudo que optamos por adquirir sofre uma comparação entre dois pontos da questão. O que me favorece, o custo-benefício, durabilidade, vantagem, qualidade, propósito, necessidade e desejo. Imagine comprar uma pasta de arquivos, qual seria a escolha ideal? Nós definimos critérios para obter uma resposta. Qual cor, tamanho, tipo, qual marca, de qual loja, o custo, a manutenção e etc. A simples comparação entre estes critérios nos fazem decidir se iremos comprar uma pasta da Marca X ou da Marca Y.
  • 3. Papel do Marketing Os gestores de marketing tem a principal função de elevar o padrão destes critérios para criar uma chamada atrativa por parte do público. E criar no mental que a marca X é melhor „nisso, naquilo e isso‟ do que a marca Y. E como fazem para tornar os critérios mais vantajosos? É natural que o marketing crie uma provocação ao seu concorrente – quem nunca leu a chamada da L‟Oreal – “Antes havia coloração, agora existe Inoa”? No contexto observamos que os demais produtos de coloração apenas „colorem‟, Inoa vai mais além disso. É mais do que estética. Naturalmente há uma percepção que a marca atacou as demais de forma indireta.
  • 4. Chamariz O público se encanta com a jogada de marketing da L‟Oreal com sua marca Inoa. Naturalmente o público feminino nota a diferença de qualidade dos produtos para coloração, e dará seu veredicto baseado em uso e preferência.
  • 5. Posicionamento do público Imagem mental que o cliente (você) cria na cabeça da marca. Podemos destacar que para os ambientalistas marcas que agridem o meio ambiente são vistas como um flagelo da humanidade, e são constantemente vistos segurando placas e fazendo manifestações conta qualquer ação da empresa. Com esta „imagem‟ o público define os graus nos critérios que definiram para escolher qual marca irá consumir. Ela é tão importante ao ser formada que esta intimamente ligada com que a pessoa acredita, há uma transcendentalismo no processo, ligado mais ao lado „humano‟ do consumidor.
  • 6. Momento da decisão Tudo que foi citado como “Vantagem relativa”, “Chamariz” e “Posicionamento” se encaixam numa pirâmides formada por 3is (com os acadêmicos conhecem). Marca Diferenciação 3is Posicionamento Integridade da marca „Chamariz‟ „Imagem mental‟ Marca L‟Oreal Produto: Inoa
  • 7. Processo de decisão Nós escolhemos um produto diante de várias variáveis (critérios) baseado na diferenciação que um produto nos apresenta. O que de fato o Inoa tem de vantagem competitiva para ser comprado no lugar das demais marcas?  O que o marketing pode auxiliar neste processo de decisão?  Que critérios o público valoriza mais na hora da compra?  Qual é a tendência do mercado atual?  O que a concorrência está apresentando ao público?  Como o produto precisa ser apresentado: Como venda ou satisfação?
  • 8. Perfil do público Como é definido em manuais para o marketing, definir o perfil é construir o persona do cliente. Nada mais do que descobrir quais suas preferências, quem é o seu cliente, o que ele é, para que time torce, que religião segue, para onde vai quando esta de férias. Citado pelo guru do marketing – Philip Kotler em seu livro – Marketing 3.0 – „Crie uma relação com seu cliente, e não vai precisar vender o produto‟. Construir este mapa do perfil garante a empresa que a estratégia esteja mais centrada no que o público realmente quer absorver para o seu dia-a-dia. E de fato „acertar‟ no alvo na hora da diferenciação (decisão).
  • 9. Marketing Cultural I Como a empresa pode realizar este estreitamento com o público para obter um perfil preciso? Nada mais difícil do que conhecer uma pessoa apenas em apenas uma conversa. O convívio é uma das fontes mais poderosas para entender um pouco sobre o seu parceiro de diálogo. Para uma empresa que precisa entender as necessidades e desejos do cliente, e entender como ele pensa e a sua razão de viver e se divertir em tão pouco tempo parece ser um desafio um tanto. Conversar ainda é o melhor remédio. Assim é realizado uma aproximação da empresa com o público, antes de tudo, os dois lados, são formados por pessoas.
  • 10. Marketing Cultural II A maioria das organizações oferecerem espaços interativos, promoções, colaboração entre colaboradores internos (funcionários) e externos (parceiros e clientes). Este espaço garante que haja satisfação em fazer parte. Aos estudos de nossa história e pela psicologia humana, a necessidade mais forte é que gostamos de integrar grupos (tribalismo). E estamos numa época que fazer parte de um grupo é „Vibe‟. Este é o ponto maior que uma empresa possa usufruir para por fim criar a „conexão‟ com o cliente. É o primeiro passo para nutrir uma confiança.
  • 11. Marketing Cultural III Quando a confiança é instalada, o cliente acredita na marca. Passou a toma-la como sua. É um efeito natural de acontecer. Literalmente o cliente veste a camisa da empresa e passar a falar e respirar á todo momento. Este é o passo que o cliente num determinado nível de intimidade com a empresa passa a colaborar com seus „sonhos‟, neste passo é como se fosse um amigo íntimo. O medo de oferecer segredos não é uma realidade. É óbvio que chegar a este resultado é preciso um engajamento muito bem planejado. Não adianta oferecer ao cliente conforto em palavras descritas em valores, missão e visão, e o deixa-lo pendurado no telefone. A palavra de ordem é:
  • 12. Marketing Cultural IV Ainda que descrito no slide anterior seja um cenário próximo da perfeição que uma empresa gostaria de chegar no futuro breve com o seu público, o objetivo é tornar o que a empresa „fala‟ em algo „concreto‟ que o cliente possa „sentir‟. Este concreto cria o posicionamento. Uma empresa não pode ser esforçar a criar uma imagem que não consiste na cabeça do público. Se o público a vê como uma incentivadora de trabalho escravo, a ação para mudar isso não é uma frase feita nas redes sociais, é na prática o respeito pela ética e trabalho. Nestes casos a reparação do dano costuma durar anos, uma das características que se assume como uma faca de dois gumes, é a memória do público. Estima-se que no mercado brasileiro, o público seja esquecido, mas basta que se cite a empresa mesmo em tom de brincadeira ou meme, vão se lembrar da gafe.
  • 13. Entendido o público, e agora? Vantagem relativa não torna-se uma vantagem absoluta, ainda estamos vivendo fora da Matrix. Não somos controlados por máquinas e não vivemos um mundo computadorizado. E todas as pessoas são e continuam sendo imprevisíveis. Mesmo com a preferência na marca, com todos os valores cultivados pela empresa, pelo espaço de colaboração cedido, por fazer parte da criação e a tradição de várias empresas, as pessoas ainda irão carregar dentro de si favoritismos e necessidades que não irão em hipótese alguma abrir para alguém. Este fator „relativo‟ mantém que a vantagem da empresa ainda persista na relatividade. E embora atualmente um dos fatores que é o preço não determine de forma absoluta uma compra, ou mesmo uma cor, ainda sim pode ser em vários casos uma decisão de compra. E o departamento de marketing se pergunta – “Por quê?”
  • 14. Cultura pessoal Se determinar o perfil da pessoa se constitui-se numa trivialidade, não haveriam muitas empresas repetidas por aí. Bastariam algumas que suprimem-se as necessidades de alimentação, higiene, saúde e diversão. A cada geração que passa, as pessoas ficam mais complexas do que antes. Até no começo do século 20, ter um carro igual a qualquer pessoa no país era um símbolo único de poder. No começo do século 21 ter um computador personalizável com acesso a internet não era mais uma diferença, e sim uma necessidade. Um século bastou para termos exigências que superam a cada dia uma nova etapa de dificuldade e em alguns casos beiram a soluções impensáveis. Tudo porque as pessoas querem ter um estilo, personalidade, espiritualidade, crenças, fé e tomar partido de ideologias e grupos, próprios. Este é o lema do século 21: .
  • 15. E agora José? Não tem como fugir desta realidade, todas as empresas estão presas a relatividade do público. Ainda é muito válido o investimento no marketing relacional. Mas sua garantia em reter dependerá do acompanhamento preciso e constante do seu público, as tendências nascem a qualquer „tweet‟ que ressoe bem aos „ouvidos‟ e que se tornam „jingles‟ por semanas. É o mesmo que fala na passagem de Coríntios 13:1 – “Ainda que eu fale a língua dos anjos, se não tiver amor, nada serei (...)”. A frase elucida bem o comportamento do Marketing – mesmo que saiba o que o cliente pensa, e nutre. Se não dispor do investimento contínuo na relação empresa-cliente, não vai adiantar nada. Conhecimento não é absoluto, apenas contínuo.
  • 16. Conclusão Comprar é apenas uma conseqüência. O Marketing atual trabalha com „criar sonhos e valores‟ do que etiquetar um produto e colocar na prateleira com mais visibilidade. O cliente bem informado acha o produto embaixo de qualquer pilha, mas ele precisa ter o incentivo e motivação que a marca lhe proporciona. Pare e pense que um público motivado acha agulhas em palheiros todos os dias. Sem qualquer entendimento do cliente, e não haver a cultura do relacionamento contínuo, não adianta abaixa preço, queimar estoque, promoção, a maior publicidade de uma empresa é o cliente satisfeito. “O lucro está fora da empresa. Que é o cliente” (Peter Drucker)