DEMANDAS PARA PESQUISA: CORRELAÇÃO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS
PEDOLÓGICAS E A VEGETAÇÃO EM FLORESTAS ESTACIONAIS DECIDUAIS
T...
As palavras chave utilizadas na busca foram
florestas estacionais deciduais e matas secas.

estacionais deciduais.

RESULT...
Dissertação de Mestrado da Universidade
Federal Rural de Pernambuco, 2007.
[10] SANTOS, M. F.; SERAFIM, H. & SANO,
P.T. Fi...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Demandas para pesquisa: a necessidade de estudos sobre a correlação entre as características pedológicas e a vegetação em florestas estacionais deciduais

275 views
188 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
275
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Demandas para pesquisa: a necessidade de estudos sobre a correlação entre as características pedológicas e a vegetação em florestas estacionais deciduais

  1. 1. DEMANDAS PARA PESQUISA: CORRELAÇÃO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS PEDOLÓGICAS E A VEGETAÇÃO EM FLORESTAS ESTACIONAIS DECIDUAIS Thamyres Sabrina Gonçalves(1, 3), Maria das Dores Magalhães Veloso (2, 3) 1 2 Graduanda em Geografia, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES, e-mail: sabrina5thamy@yahoo.com.br; - Professora do 3 Departamento de Biologia Geral da Universidade Estadual de Montes Claros; Laboratório de Ecologia e Propagação Vegetal. RESUMO – Esse trabalho aborda a necessidade de pesquisas que correlacionem informações sobre as características do solo e a ecologia da vegetação em áreas de florestas estacionais deciduais. Desse modo, o objetivo proposto é apontar para a necessidade de uma maior atenção da pesquisa científica para a relação existente entre o solo e a espécies da floresta estacional decidual. Apesar de constituírem uma parcela muito importante da biota brasileira, as florestas estacionais deciduais são por muitas vezes negligenciadas em termos de pesquisas científicas. A ausência de trabalhos que mostrassem resultados sobre a ecologia dessas florestas aliada á complexidade dos diferentes interesses econômicos que envolvem o uso e ocupação da terra foram durante muitos anos empecilhos à conservação desses ambientes. Todavia nos últimos anos, esforços para pesquisas têm sido realizados a fim de solucionar o problema do desconhecimento das relações ecológicas que envolvem essa vegetação. Entretanto um levantamento de publicação dessas pesquisas mostra que apesar do avanço na geração de conhecimentos, as informações acerca de tal fitofisionomia continuam restritas a alguns temas específicos de modo que há uma escassez de trabalhos publicados sobre o papel do solo no desenvolvimento das espécies que compõem essas florestas secas, bem como na composição florística da vegetação, distribuição, diversidade e riqueza de espécies. O avanço das estratégias de conservação prescinde da geração de informações que ratifiquem sobre a importância da biodiversidade desses ambientes. Gerar conhecimento sobre a relação solo-planta nessas florestas pode contribuir na preservação de ambos. Palavras- chave: matas secas, relação solo-planta, conservação. INTRODUÇÃO Conhecidas como Florestas Estacionais Deciduais (FED’s) no campo da pesquisa, como matas secas na nomenclatura popular estas mesmas formações são definidas na escala global como Florestas Tropicais Secas (ESPÍRITO-SANTO et al, 2006 [1]) e representam uma parcela importante da biota brasileira. A definição destas florestas é bastante ampla, referem-se de um modo geral às formações arbóreas que ocorrem em regiões com duas estações bem definidas, uma seca e outra chuvosa (MURPHY & LUGO, 1986; NASCIMENTO et al, 2004[2,3]). A história da humanidade a partir da ciência do solo mostra que o desenvolvimento das sociedades se relaciona ao conhecimento do homem acerca dos diferentes tipos de solo, de modo que a fixação humana e o adensamento populacional se concentram em áreas de solos considerados mais ricos e férteis (LEPSCH, 2010[4]). Assim, as áreas de FED’s constituem-se geralmente em zonas de intensa utilização humana de modo que as pressões antrópicas devastaram imensas áreas de vegetação nativa de FED’s (DRUMMOND et al., 2005[5]). O objetivo desse trabalho foi avaliar sobre a disponibilidade de informações existentes correlacionando os atributos e características do solo com as espécies que compõem a vegetação. MATERIAL E MÉTODOS A metodologia desta pesquisa consiste em um levantamento de publicações científicas sobre estudos desenvolvidos em florestas estacionais deciduais onde se verificou nas temáticas abordadas pelos trabalhos a relação dos temas das pesquisas.
  2. 2. As palavras chave utilizadas na busca foram florestas estacionais deciduais e matas secas. estacionais deciduais. RESULTADOS E DISCUSSÃO AGRADECIMENTOS Foram analisados 23 trabalhos entre artigos de revistas científicas, resumos publicados em anais de eventos, dissertações, teses e monografias de conclusão de cursos. Dentre os quais apenas 8 (34%) apresentaram resultados de pesquisas que abordassem processos de relação entre solo e vegetação em florestas estacionais deciduais. Dos trabalhos analisados alguns possuem versões impressas, todavia estão todos disponíveis também na versão digital. A maior parte das publicações analisadas trazia resultados de levantamentos florísticos (ALMAZÁN-NUÑEZ et al, 2012; OLIVEIRA-FILHO et al, 2005; SILVA, 2011; LOPES, 2007; SANTOS et al, 2011; RIBEIRO et al, 2009; SANTOS, 2009; MADEIRA et al, 2008; MOREIRA et al, 2008; VIEIRA, 2006, [6, 7, 8, 9, 10,11,12,13,14,15]). Esses estudos tratavam da composição de espécies e suas relações com diversos fatores como diversidade, similaridade, distribuição e localização geográfica, sucessão ecológica, ecologia de populações e regeneração natural. Já os estudos que mostraram resultados de trabalhos correlacionando a vegetação ao tipo de solo sobre o qual se desenvolvem foram (KILCA et al, 2009; SILVA, 2011; GONZAGA, 2011; SKORUPA et al, 2012; CARNEIRO, 2011; SHINZATO, 1998; PEÑA-CLAROS, 2012; SOUZA, 2007 [16,17,18,19,20,21,22,23]). À Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES. Ao Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq). Ao Laboratório de Ecologia e Propagação Vegetal (LEPV). Estes trabalhos abordavam temas como: a influência do tipo de solo na estrutura e diversidade das FED’s, aspectos pedológicos da floresta, a relação entre o solo, a florística e a fitogeografia, influência das propriedades do solo na distribuição fitofisionômica, relação entre as características do solo e a regeneração natural, interação solo e litologia e classificação de uso e cobertura. Os demais abordavam temas como a conservação das matas secas (ESPÍRITO-SANTO et al, 2008; [24]). Lima et al, (2008) [25] aborda sobre germinação, Pezzini et al, (2008) [26] estudou fenologia. Neves (2008) [27] e Leite (2008) [28] trabalharam com insetos e pássaros. Esses resultados, embora muito relativos, mostram que há uma falta de informações acessíveis sobre a relação entre as características do solo e a composição e distribuição das espécies em florestas estacionais deciduais. Desse modo se faz necessário que haja um esforço dos pesquisadores a fim de gerar conhecimentos que possam subsidiar a tomada de decisões no tocante as estratégias de conservação das matas secas. A conservação do solo é de primordial importância na preservação das florestas REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] ESPÍRITO-SANTO, M.M.; FAGUNDES, M.; NUNES, Y.R.F.; FERNANDES, G.W.; AZOFEIFA, G.A.S.; QUESADA, M. Bases para a conservação e uso sustentável das florestas estacionais deciduais brasileiras: a necessidade de estudos multidisciplinares. Revista Unimontes Científica, vol. 8, n. 1, 2006. [2] MURPHY. P.G. & LUGO, A.E. Ecology of tropical dry forest. Annual review of ecologic and sistematics, v. 17, n.1, p. 67-88. 1986. [3] NASCIMENTO, R.T.; FELFILI, J.M; & MEIRELES. M.A. Florística e estrutura da comunidade arbórea de um remanescente de floresta estacional decidual de encosta, Monte Alegre, GO, Brasil. Acta Botânica Brasilica, v.18, n.3, p.650-669. 2004. [4] LEPSCH, I. F. Formação e conservação dos solos. 2ª Ed. São Paulo, Oficina de textos, 2010. [5] DRUMMOND G.M., MARTINS C.S., MACHADO A.B.M.; SEBAIO F.A.; ANTONINI Y. Biodiversidade em Minas Gerais. Fundação Biodiversitas,Belo Horizonte, 2005. [6] ALMAZÁN-NUÑEZ, R.C.; ARIZMENDI, M.D.C.; EGUIARTE, L.E.; CORCUERA, P. Changes in composition, diversity and structure of woody plants in successional stages of tropical dry forest in southwest México. Revista Mexicana de Biodiversidad, vol. 83, pg.10961109, 2012. [7] OLIVEIRA-FILHO, A. T.; JARENKOW, J.A.; RODAL, M.J.N. Floristic relationships of seasonally dry forest of eastern south America based on tree species distribuition patterns. In: PENNINGTON, R.T., LEWIS, G.P.; RATTER, J. A. (Orgs.). Neotropical savannas and dry forests: Plant diversity, biogeography and conservation. Boca Raton: Taylor & Francis. p.151-184, 2005. [8] SILVA, I. C. Caracterização da vegetação arbórea em área de contato Savana/Floresta Estacional. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Pós Graduação em Ciências Florestais, 2011. [9] LOPES, C.R. Relações florísticas e estruturais entre fragmentos de florestas secas e úmidas (floresta atlântica), nordeste do Brasil.
  3. 3. Dissertação de Mestrado da Universidade Federal Rural de Pernambuco, 2007. [10] SANTOS, M. F.; SERAFIM, H. & SANO, P.T. Fisionomia e composição da vegetação florestal na Serra do Cipó, MG, Brasil. Acta Botânica. Brasilica, vol.25, n.4, pp. 793814. 2011. [11] RIBEIRO, K.T; NASCIMENTO, J.S.; MADEIRA, J.A.; RIBEIRO, L.C. Aferição dos limites da mata atlântica na Serra do Cipó, MG, Brasil, visando maior compreensão e proteção de um mosaico vegetacional fortemente ameaçado. Revista Natureza e Conservação, vol.7, n.1, pg.30-49, 2009. [12] SANTOS, M. F. Análise florística em floresta estacional semidecidual na encosta leste da Serra do Cipó, MG. Dissertação de Mestrado do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. [13] MADEIRA, B.G.; ESPÍRITO-SANTO, M.M.; NETO, S.D; NUNES, Y.R.F.; AZOFEIFA, A.S.; FERNANDES, G.W.; QUESADA. M. Mudanças sucessionais nas comunidades arbóreas e de lianas em matas secas: entendendo o processo de regeneração natural. Revista MG Biota, vol.1, n.2, pg.28-36, 2008. [14] MOREIRA, P.A.; BRAGA, A.C.; COLLEVATI, R.G.; FERREIRA, M.F.M.; SILVA, G.M.; JÚNIOR, A.F.M. A genética da conservação nas matas secas. Revista MG Biota, vol.1, n.2, pg.61-67, 2008. [15] VIEIRA, D. L. M. Regeneração natural de florestas secas: implicações para restauração. Tese de doutorado do Instituto de Biologia da Universidade de Brasília, 2006. [16] KILCA, R. V.; SCHIAVINI, I.; ARAÚJO, G. M.; FELFILI, J. M. Diferenças estruturais e edáficas entre duas florestas estacionais no bioma cerrado. Revista Neotropical Biology and Conservation, v.4, n.3, p.150-163, 2009. [17] SILVA, A.R. Aspectos fitossociológicos e pedológicos em remanescente florestal e florística em afloramento rochoso no município de Campo Mourão, Paraná, Brasil. Dissertação de Mestrado da Universidade Federal do Paraná, 2011. [18] GONZAGA, A. P. D.; Padrões fitogeográficos de florestas estacionais deciduais na bacia do rio São Francisco: análise florístico-estrutural e suas relações com o ambiente. Tese de Doutorado em Ciências Florestais. PPGEFL, Brasília – DF, 2011. [19] SKORUPA, A. L. A.; GUILHERME, L. R. G.; CURI, N.; SILVA, C. P. C.; SCOLFORO, J. R. S; MARQUES, J. J. G. S. M. Propriedades de solos sob vegetação nativa em Minas Gerais: distribuição por fitofisionomia, hidrografia e variabilidade espacial. Revista Brasileira de Ciência do Solo, vol.36, n.1, pg.11-22, Viçosa, 2012. [20] CARNEIRO, L. F. C. Análise de solos eutróficos da região de Janaúba – MG em áreas de regeneração natural de mata seca. Monografia do curso de Agronomia. Universidade Estadual de Montes Claros, 2011. [21] SHINZATO, E. O carste da Área de Proteção Ambiental de Lagoa Santa (MG) e sua influência na formação dos solos. Dissertação de Mestrado da Universidade Estadual do Norte Fluminense, Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, 1998. [22] PEÑA-CLAROS, M.; POORTER, L.; ALARCÓN, A.; BLATE, G.; CHOQUE, U.; FREDERICKSEN, T.S. et al. Soil effects on forest structure and diversity in a moist and a dry tropical forest. Biotropica, vol.44, n.3, pg.276-283, 2012. [23] SOUZA, E. Classificação da cobertura e uso do solo utilizando redes neurais artificiais como subsidio ao plano de manejo do Parque Nacional da Serra do Cipó e Área de Proteção Ambiental Morro da Pedreira. Monografia do curso de Geografia da Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais, 2007. [24] ESPÍRITO-SANTO, M. M.; FAGUNDES, M.; SEVILHA, A. C.; SCARIOT, A. O.; AZOFEIFA, G. A. S.; NORONHA, S. E.; FERNANDES, G. W. Florestas estacionais deciduais brasileiras: distribuição e estado de conservação. MG Biota, v.1, n.2, 2008. [25] LIMA, V. V.F.; VIEIRA, D.L.M.; SEVILHA, A.C.; SALOMÃO, A.N. Germinação de espécies arbóreas de floresta estacional decidual do vale do rio Paraná em Goiás após três tipos de armazenamento por até 15 meses. Biota Neotropica, vol.8, n.3, 2008. [26] PEZZINI, FF.; BRANDÃO, D.O.; RANIERI, B.D.; ESPÍRITO-SANTO, M. M.; JACOBI, C.M.; FERNANDES, G. W. Polinização, dispersão de sementes e fenologia das espécies arbóreas no Parque Estadual da Mata Seca. Revista MG Biota, vol.1, n.2, pg.37-45, 2008. [27] NEVES, F.S.; MADEIRA, B.G.; OLIVEIRA, V.HF.; FAGUNDES, M. Insetos como bioindicadores dos processos de regeneração em matas secas. Revista MG Biota, vol.1, n.2, pg.46-55, 2008. [28] LEITE, L.O.; BORGES, M.A.Z.; LIMA, C.A.; GONÇALVES, R.M.M.; SIQUEIRA, P.R. Variação espaço-temporal do uso de recursos pela avifauna do Parque Estadual da Mata Seca. Revista MG Biota, vol.1, n.2, pg.54-60, 2008.

×