• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Artigo publicado rea
 

Artigo publicado rea

on

  • 1,074 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,074
Views on SlideShare
1,074
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Artigo publicado rea Artigo publicado rea Document Transcript

    • Mata Cavalo: o negro e a identidade quilombola no mundo globalizado Silvânio Paulo de Barcelos* Resumo: Este artigo discorre sobre questões de africanidade, negritude e os processos de manutenção da identidade quilombola na comunidade do Quilombo Mata Cavalo localizadas no município de Livramento – MT. Assentados naquela localidade a mais de cento e vinte anos os descendentes dos escravos que herdaram essa área de terra resistem, ainda hoje, à pressão dos fazendeiros daquela região pela disputa em torno da sua posse. Esta singular identidade possibilita pelas vias jurídicas a legitimação da propriedade das terras em litígio ao mesmo tempo em que coloca esses atores históricos no centro da convergência de seus próprios valores étnicos e culturais. Ao admitirem-se negros e ao mesmo tempo quilombolas assumem, numa certa medida, o controle de suas próprias vidas. Em pleno século XXI os integrantes dessa comunidade tradicional lutam pela preservação de uma memória afro- referenciada enquanto sonham conquistar seu espaço primordial, um espaço de negro, numa sociedade marcada por interesses difusos e pelo estigma da globalização. Palavras-chave: Identidade, quilombola, diáspora, negritude, globalização. Abstract: This article discusses issues of African, blackness and maintenance processes of identity maroon in community of Quilombo Mata Cavalo located in the town of Livramento – MT. Settlers in that area to over one hundred and twenty years, the descendants of slaves who inherited the land area resist, even today, of pressure from the farmers of that region by the dispute over the possession. This unique identity enables the legal channels to legitimate ownership of land in dispute at the same time as it makes these historical actors at the center of convergence of their own ethnic and cultural values. By admitting to black and descendant of slave at the same time assume a certain extent, control their own lives. In twenty-first century the members of this community traditional fight for the preservation of a memory african-referenced achieve your dream as a primary space, an area of black in a society marked by common interests and the stigma of globalization. Key words: Identity, maroon, diáspora, blackness, globalization. * SILVÂNIO PAULO DE BARCELOS é Mestrando em História pela Universidade Federal de Mato Grosso. 101
    • Apresentação do Grupo de Dança do Congo da Comunidade de Remanescentes do Quilombo Mata Cavalo em comemoração do dia da Consciência Negra – 20/11/2009. Acervo particular do autor. O Atlântico Negro Condicionados ao sofrimento inevitável Paul Gilroy defende a tese da pela perda, dor e a distância essas necessidade de se pensar sobre uma culturas desenvolvidas no circuito cultura negra desenvolvida nos dois transatlântico criaram mecanismos de consolação, apoiando-se em valores lados do Atlântico. Este conceito explica a experiência vivida pelos povos estéticos e simbólicos construídos por intermédio da recordação que se que, embora separados pela distância consolidaram na memória coletiva física estão unidos pela simetria cultural perpetuando-se através das gerações. O que os identificam, possibilitando outras interpretações dessa espécie de mundo ancestral criado pelas vias da imaginação coletiva constitui consciência negra coletiva trans- territorial. Segundo Gilroy (2001, p. 13) patrimônio imaterial de considerável importância para a manutenção do ethos As culturas do Atlântico Negro e dos signos culturais que identificam criaram veículos de consolação um determinado grupo em sua através da mediação do sofrimento. singularidade. Elas especificam formas estéticas e contra-estéticas e uma distinta Quando somos desapropriados de dramaturgia da recordação que nossos lugares de origem criamos caracteristicamente separam a mentalmente um território conceitual genealogia da geografia, e o ato de que entra para o imaginário coletivo lidar com o de pertencer. como o lugar ideal concebido a partir dos mecanismos da recordação 102
    • transmitida pela cultura oral de geração experiência diaspórica, longe o a geração. No mundo idealizado e suficiente para experimentar o recriado a partir da oralidade no interior sentimento de exílio e perda, perto o das comunidades do Atlântico Negro a suficiente para entender o enigma de África, desde os movimentos de uma chegada sempre adiada” (HALL, dispersão de africanos escravizados, 2003, p. 415). constitui-se na fonte de inspiração A impossibilidade de se voltar para casa primordial para essas culturas negras. marca profundamente todas as pessoas Não se trata objetivamente do território que saem de seus lugares de origem geográfico, e sim da apropriação para habitar outras regiões, coletiva de um conjunto de elementos influenciando a formação de suas míticos e imaginários. De acordo com identidades. Esse autor identifica uma Pinho (2004, p. 27): nova conformação cultural e aponta que A África da qual se fala aqui não é “de uma forma curiosa, o pós-colonial o imenso continente africano, que prepara o indivíduo para viver uma abriga dezenas de diferentes países relação pós-moderna ou diaspórica com e centenas de diferentes povos. É a identidade” (HALL, 2003, p. 416). uma África que pode até ser muitas Segundo ele a experiência diaspórica Áfricas, mas que permanece una. África que é tribal, vinculada ao teve sua origem na bíblia que narra a passado e aos ancestrais, mas que recuperação de uma terra já habitada seria sobretudo fiel aos seus por mais de um povo. Ele relaciona descendentes, quer estes habitem ou vários pontos em comum entre a não em suas terras, pois o que Diáspora Judaica e a Diáspora Negra, importa é que a África, possuindo a entre eles a experiência de sofrimento, totalidade indivisível de um signo, exílio, cultura do livramento e da resida no campo fértil e criativo dos redenção. Isso explica em larga medida imaginários afrodescendentes. porque os seguidores do movimento Stuart Hall, um dos expoentes da teoria Rastafári1 usa a bíblia, pois ela “Conta a cultural, utiliza o conceito “diáspora história de um povo no exílio dominado negra” para explicar o universo por um poder estrangeiro, distante de compreendido pela experiência dos casa e do poder simbólico do mito Africanos que foram desterritorializados redentor” (HALL, 2003, p. 417). Sem em seus lugares de origem. Jamaicano 1 de classe média, Hall viveu as No final dos anos 1960, à margem contradições culturais provocadas pelo economicamente do sistema capitalista, muitos Rastas procuraram sua subsistência financeira conflito entre o local e o imperial no através da arte, particularmente o artesanato, contexto colonizado da Jamaica, um tornando-se habilidosos em esculpir peças mundo social marcado nitidamente por inspiradas em motivos africanos. Mas, onde a políticas ideológicas de branqueamento cultura Rasta se propagou, tanto na Jamaica racial. Em 1951 mudou-se para a quanto no mundo ocidental, foi na música, com o surgimento de um novo estilo, o Reggae . Em Inglaterra para estudar em Oxford, onde sua origem o Reggae é o Ska, um ritmo mais tarde filiou-se à “Nova Esquerda frenético ao som de instrumentos metálicos Inglesa”. Com a maturidade intelectual inspirados na Black music americana deste entendeu sua condição de ser-no- mesmo período histórico. No final desta década, mundo, conhecendo intimamente os o Ska agora mais lento, originou o Rocksteady. Com a inserção da percussão africana acrescida dois lugares – a Jamaica e a Inglaterra - de batidas da guitarra no estilo Rock, no início percebeu que na verdade não pertencia a da década de 1970 o antigo Rocksteady passa a nenhum deles, “e esta é exatamente a se chamar Reggae. 103
    • dúvida o que marcou de forma indelével cultural do negro nos Estados Unidos da o rastafarianismo foi o fato de ter América: o ser americano e negro. Ao tornado definitivamente negra a desenvolver essa questão fundamental Jamaica, descolonizando as mentes. produz um conceito capaz de elucidar a “Como todos os movimentos, o experiência dos povos no contexto rastafarianismo se representou como um histórico da pós-escravidão. Essa teoria retorno. Mas, aquilo a que ele nos discute a edificação e a plasticidade das retornou foi a nós mesmos. Ao fazê-lo identidades negras, emergindo das produziu a África, novamente, na experiências de deslocamento e re- diáspora”. (HALL, 2003, P. 417). territorialização, que por sua dinâmica singular redefine o sentimento de Outro fator essencial na formação da pertença à um determinado lugar. identidade diaspórica relaciona-se com Assim, a diáspora negra desloca a os processos de transculturação, onde seqüência dos pontos de explicação grupos subordinados ou marginais entre lugar, posição e consciência, selecionam e inventam novas rompendo a predominância do território identidades, readaptando-se às na formação da identidade condições do meio, a partir dos desenraizada, desterritorializada e materiais a eles transmitidos pela profundamente marcada pelo viés de cultura dominante nas chamadas zonas uma cultura em constante mutação, em de contato culturais. Tal como no oposição à idéia de uma cultura sentido atribuído por Stuart Hall à pretensamente fechada. "Sob a idéia- identidade diaspórica o conceito de chave da diáspora, poderemos ver não a identidade, segundo Zigmunt Bauman, raça, e sim formas geopolíticas e geo- surgiu devido à crise do pertencimento e culturais de vida resultantes da do esforço em se consolidar enquanto interação entre sistemas comunicativos individualidade num local em constante e contextos que elas não só incorporam, mudança, recriando sua própria mas também modificam e realidade ao nível da idéia. De acordo transcendem". (GILROY, 2001, p. 25). com Bauman (2005, p. 26), “a identidade só poderia ingressar na Terras do Quilombo: um espaço de lebenswelt – conceito de vida no mundo negros humano na sua auto-definição e A terra funciona como catalisadora do experiência – como uma tarefa ainda sentimento de pertença a um não realizada, incompleta, um estímulo, determinado território onde, por ela e a um dever e um ímpeto à ação”. partir dela esses negros constituem-se Paul Gilroy utiliza-se do conceito enquanto comunidade afro-referenciada. “Dupla Consciência” desenvolvido por Historicamente, seus ancestrais W. E. B. Du Bois, para analisar os fincaram neste pedaço de terra suas processos culturais de formação da raízes, construindo através delas os identidade nas comunidades do elementos culturais de suas identidades Atlântico Negro. Du Bois, sociólogo e singulares, o ser negro e quilombola. O historiador, ansiando dar uma modo peculiar de vida dos membros conotação mundial às experiências pós- desta comunidade, seus costumes, a escravidão dos negros ocidentais, religiosidade, os aspectos da vida projeta as concepções assimétricas de comunitária, o culto às tradições raça, nação, cultura e comunidade herdadas dos seus ancestrais e o esforço desvelando a dualidade filosófico- na manutenção de suas identidades 104
    • produzem o que se poderia denominar reflete no cotidiano dessa comunidade territorialidade étnica, edificando-a que ao rebuscar os elementos culturais enquanto território real e simbólico, de uma possível essência africana simultaneamente. recriam seus modos de vida na diáspora, ressignificando seu espaço e Impossível dissociar essa comunidade delimitando-o como um território de do seu espaço geográfico primordial. O negro, um mundo conceitual chão, expressão de sonhos e quilombola. possibilidades, que muitas vezes foi irrigado com o vermelho tom da O quilombola e a globalização. intolerância, testemunha o vigor e a Discutir a situação social e política do determinação dos homens, mulheres e Quilombo Mata Cavalo é confrontar o crianças gerados na mais pura têmpera antigo e o novo numa interação dialética dos ideais da resistência, criando e entre a tradição, que se quer estática, e a recriando constantemente um modo de mudança que oscila entre desejo e vida peculiar. Esse mundo conformação. A tradição, portanto, dinamicamente dividido entre o velho e constitui-se no grande objetivo a ser o novo conserva a “aura da negritude” consolidado por essa comunidade que de seu universo quilombola cultivando se utiliza de todos os meios disponíveis tradições que vão se obliterando sem, para a sua manutenção, quer contudo, perder sua essência primeira, recuperando antigos elementos uma essência que não é somente constitutivos da tradição afro- africana, mas afro-brasileira, resultante referenciada, quer reconstruindo novos do encontro de etnias e do caráter elementos culturais que permitam híbrido de sua sociedade. Segundo perpetuá-la. Entretanto, a necessidade Haesbaert (2006, p. 344), “teríamos de subsistência econômica leva parte vivido sempre uma dos seus integrantes, em sua maioria multiterritorialidade”, onde percebemos jovens, a procurar sua inserção no que em toda relação social há uma mundo do trabalho, geralmente nos implicação, uma interação territorial, meios urbanos onde buscam a um entrecruzamento de diferentes realização de sonhos de independência territórios. Nesse quadro sócio cultural financeira e reconhecimento social. o indivíduo vive ao mesmo tempo ao seu nível particular, ao nível da Uma das características principais da sociabilidade entre seus familiares, do globalização é o estado de contínuo seu grupo social, e da sua própria movimento em que o mundo se comunidade. A dinâmica das encontra, produzindo desequilíbrios e transformações sociais e culturais em alargando o fosso que separa ricos de conseqüência do estado de violência e pobres. Segundo Bauman (1999, p. 8), instabilidade pela disputa da posse das “Todos nós estamos, a contragosto, por terras do Quilombo determinam, num desígnio ou à revelia, em movimento. certo grau, não a crise mas a própria Estamos em movimento mesmo que constituição da identidade do grupo, fisicamente estejamos imóveis.” Essa como Bauman aponta em seus tratados noção de movimento polariza a balança teóricos. Para ele o próprio conceito do poder aumentando a capacidade de “identidade” nasce em função da crise operação dos que são globalizados, de pertencimento e da necessidade de se estendendo as fronteiras de seus adaptar criando novas identidades. Toda domínios ao mesmo tempo em que uma tradição herdada das senzalas aumentam o nível de exclusão social 105
    • dos localizados. “Ser local num mundo os negros e para a sociedade, a globalizado é sinal de privação e identidade dos negros como degradação social” (BAUMAN, 1999, sujeitos e como produtores de p. 8). Nesse contexto globalizado a cultura. Como um fenômeno educativo de alcance étnico, mobilidade constitui-se na peça chave apresenta o negro como concretude com a qual os privilegiados da na sociedade local, regional e sociedade combinam os fatores nacional; apreende sua existência essenciais hegemônicos dominando o como real e viva. Evidencia-se a mundo dos negócios, das finanças, do possibilidade de ser-no-mundo – comércio e de controle dos fluxos de negro, com outros negros, com informações. A falta da mobilidade outros brancos. Uma forma de estratégica, a redução à condição de aprender a ser negro no arrepio dos “local” são os fatores que determinam a parâmetros racistas, mantendo uma exclusão social de pobres no mundo saída para fora do vínculo do contemporâneo promovendo um estado branqueamento e da integração da imagem branca do negro. de insegurança e incertezas. Apesar de todas as dificuldades Obliterada quase em sua totalidade no enfrentadas pela comunidade, o caráter passado a Dança do Congo foi retomada intrínseco de sua sociedade tradicional pela comunidade do Quilombo Mata faz com que todos os seus componentes Cavalo como parte das ações de busquem na ressignificação de antigas recuperação de valores de sua cultura tradições de origem africana, o caminho negra. Segundo depoimento de D. que permita situá-la no interior do Tereza, presidente desta comunidade universo de representação quilombola. quilombola, ao autor desse artigo em 12 A Dança do Congo é uma das de setembro de 2008, toda forma de manifestações culturais que mais tradição é crucial para a sobrevivência exemplificam a força dessa tradição da comunidade. Entre apertos de mão, ancestral. Em Nossa Senhora do abraços e saudações afetuosas a Livramento essa dança foi uma tradição venerável matriarca, amavelmente, importada historicamente da antiga descrevia os pormenores da festa e da “comunidade dos pretos”2 do Mata tradição religiosa de sua comunidade. Cavalo. Essa dança, ensinada e De acordo com suas palavras “A praticada na Casa São Benedito, religião nossa é coisa de nosso passado, naquela cidade, assume dimensão então tudo isso é nosso futuro, é nossa educacional empírica na medida em que lembrança e nossa recordação dos resgata valores afro-referenciados do nossos antepassados.” universo quilombola. Segundo Dantas A consciência da necessidade de (1995, p. 93): perpetuação da comunidade quilombola O reconhecimento social do Congo fica evidente quando D. Tereza afirma como um conhecimento que “tudo isso é o nosso futuro”, isso é eminentemente negro, na relevante na medida em que o futuro da perspectiva do processo comunidade se garante pelas vias da ensino/aprendizagem, recupera para tradição ancestral do Quilombo. Muito além da questão subjetiva da 2 Utilizamos essa expressão para indicar a forma preservação do universo quilombola, as como os integrantes do Quilombo Mata Cavalo tradições ancestrais conferem eram reconhecidos pelos habitantes da cidade de Nossa Senhora do Livramento, de acordo com a juridicamente a posse e propriedade da tradição oral da região. terra em consonância com as políticas 106
    • de terras da Constituição Federal de amálgama que fixou as bases da 1988, desde que produza em identidade quilombola e o tempo se conseqüência, a manutenção de sua encarregou de forjar o ideal da identidade conformada pela sociedade negritude racionalizando o seu espaço tradicional negra e quilombola. Não há primordial, o espaço de negro, uma como agregar maior ou menor valor à África reterritorializada na diáspora. questão dos interesses dos remanescentes quilombolas entre a preservação da memória ancestral e a Referências simples posse da terra. Ambas possuem BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as grande valor objetivo e também conseqüências humanas. Tradução Marcus simbólico, pois traduzem no tempo Penchel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1999. todas as lutas, anseios, sofrimentos, __________. Modernidade Líquida. Rio de sonhos, ódios e amores que Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2001. ultrapassaram as vidas de várias __________. Identidade: entrevista a gerações mantendo viva a chama da Benedetto Vecchi / Zygmunt Bauman; tradução tradição quilombola forjada no ideal da Carlos Alberto Medeiros. – Rio de Janeiro: esperança. Jorge Zahar Ed., 2005. DANTAS, Triana de Veneza Sodré e. Hoje a sociedade do Quilombo Mata Educação do negro: a pedagogia do Congo de Cavalo aguarda a decisão judicial que Livramento, MT. / Triana de Veneza Sodré e formalizará a definitiva propriedade de Dantas. –Cuiabá: Instituto de Educação, 1995. suas terras, herança de direito, herança GILROY, Paul. O Atlântico Negro : de fato. Frente ao mundo convulsionado Modernidade e dupla consciência. tradução de pela globalização esses quilombolas Cid Knipel Moreira. São Paulo; Ed. 34, 2001. buscam a preservação do seu mundo, HAESBAERT, Rogério. O mito da pois mantendo-se a tradição conserva-se desterritorialização: do “fim dos territórios” a identidade que os une ao mesmo à multiterritorialidade. 2ª. Ed. – Rio de tempo em que os fortalece. Dessa forma Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. a história que se projeta no presente HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e determinará o destino da comunidade mediações culturais. organização Liv Sovik; quilombola. De fato ao debruçarmos os tradução Adelaine La Guardia Resende... [et. al.]. – Belo Horizonte: Ed. UFMG; Brasília: olhos sobre o passado percebemos o Representação da UNESCO no Brasil, 2003. caminho tortuoso percorrido, desde as PINHO, Patrícia de Santana. Reinvenções da senzalas, por homens e mulheres em África na Bahia / Patrícia de Santana Pinho – constante luta pela sobrevivência, num São Paulo : Annablume, 2004. processo continuo de adaptação ao SILVA, José Orlando Muraro, Mata Cavalos: meio, utilizando-se do possível no Escravos e proprietários de suas terras. movimento de resistência. Nesse Artigo publicado no Informe ao X congresso de contexto violento a terra forneceu o direito agrário – Quilombos. 107