O Bandeirante - n.260 - julho 2014

228 views
132 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
228
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O Bandeirante - n.260 - julho 2014

  1. 1. 260260260260260 JULHO 2014 O BandeirantePublicação mensal da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - Regional S.Paulo O que a viúva não sabia “O banho poderia ser tomado começando-se por cima da cabeça como também poupando-se os cabelos com o banho lateral ou ainda com as estruturas conjuntamente abertas que, segundo o vendedor, ter-se-ia a sensação de uma verdadeira cachoeira. Realmente uma aquisição por demais moderna, útil e, por que não dizer, futurística.” SÔNIA ANDRUSKEVICIUS DE CASTRO p.3 “Deixou para trás tudo. Sentiu aquela dor pungente no coração ao se despedir dos companheiros de tela. Todos ficaram tristes ao perceberem a agitação de quem está partindo. Eles pediram para o amigo ficar. Com lágrimas escorrendo, disse ter sido grato por tudo que passaram, mas era importante atravessar junto com o tempo e adentrar a era da computação.” SUZANA GRUNSPUN p.5 O pequeno Tuck’s Caminhando sem destino “Comparando como os fatos são percebidos e narrados por cada um, percebemos a importância de relativizar cada uma das versões. Sempre achei muito difícil obter narrativas totalmente concordantes, mesmo de pessoas muito próximas. Mesmo quando não há interesses em jogo, o mundo que cada um filtra é muito diferente.” SHEILA REGINA SARRA p. 4 Visite nosso BLOG: http://sobramespaulista.blogspot.com.br EXPERIMENTOS José Alberto 5 PÉROLAS Carlos Benatti 6 F.C.M.B.B. Sérgio Marun 6 HISTÓRIAS Alitta Guimarães 4
  2. 2. 2 O Bandeirante - Julho 2014 Jornal O Bandeirante ANO XXIII - nº. 260 Julho 2014 Publicação mensal da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - Regional do Estado de São Paulo SOBRAMES-SP. Sede: Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 278 - 7º. Andar - Sala 1 (Prédio da Associação Paulista de Medicin a) - São Paulo - SP Editores: Josyanne Rita de Arruda Franco e Marcos Gimenes Salun (MTb 20.405-SP) Jornalista Responsável e Revisora: Ligia Terezinha Pezzuto (MTb 17.671-SP). Redação e Correspondência: Rua Francisco Pereira Coutinho, 290, ap. 121 A – V. Municipal – CEP 13201-100 – Jundiaí – SP E-mail: josyannerita@gmail.com Tels.: (11) 4521-6484 Celular (11) 99937-6342. Colaboradores desta edição: (Textos literários): Alitta Guimarães Costa Reis, Carlos José Benatti, José Alberto Vieira, Sérgio Pelegrino Marun, Sheila Regina Sarra, Sônia Regina Andruskevicius de Castro e Suzana Grunspun. (Fatos & Olhares): Márcia Etelli Coelho. Tiragem desta edição: 300 exemplares (papel) e mais de 1.000 exemplares PDF enviados por e-mail. Diretoria - Gestão 2013/2014 - Presidente: Josyanne Rita de Arruda Franco. Vice-Presidente: Carlos Augusto Ferreira Galvão. Primeiro-Secretário: Márcia Etelli Coelho. Segundo- Secretário: Maria do Céu Coutinho Louzã. Primeiro- Tesoureiro: José Alberto Vieira. Segundo-Tesoureiro:Aida Lúcia Pullin Dal Sasso Begliomini. Conselho Fiscal Efetivos:Hélio Begliomini, Luiz Jorge Ferreira e Marcos Gimenes Salun. Conselho Fiscal Suplentes: José Jucovsky, Rodolpho Civile e José Rodrigues Louzã. . Matérias assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam, necessariamente, a opinião da Sobrames-SP Editores de O Bandeirante Flerts Nebó - novembro a dezembro de 1992 Flerts Nebó e Walter Whitton Harris - 1993-1994 Carlos Luis Campana e Hélio Celso Ferraz Najar - 1995-1996 Flerts Nebó e Walter Whitton Harris - 1996-2000 Flerts Nebó e Marcos Gimenes Salun - 2001 a abril de 2009 Helio Begliomini - maio a dezembro de 2009 Roberto A.Aniche e CarlosAugusto F. Galvão - 2010 Josyanne R.A.Franco e CarlosAugusto F.Galvão - 2011-2012 Josyanne R.A.Franco e Marcos Gimenes Salun - 2013-2014 Presidentes da Sobrames-SP 1º. Flerts Nebó (1988-1990) 2º. Flerts Nebó (1990-1992) 3º. Helio Begliomini (1992-1994) 4º. Carlos Luiz Campana (1994-1996) 5º. Paulo Adolpho Leierer (1996-1998) 6º. Walter Whitton Harris (1999-2000) 7º. Carlos Augusto Ferreira Galvão (2001-2002) 8º. Luiz Giovani (2003-2004) 9º. Karin Schmidt Rodrigues Massaro (jan a out de 2005) 10º. Flerts Nebó (out/2005 a dez/2006) 11º. Helio Begliomini (2007-2008) 12º. Helio Begliomini (2009-2010) 13º. Josyanne Rita deArruda Franco (2011-2012) 14º. Josyanne Rita de Arruda Franco (2013-2014) Editores: Josyanne R.A.Franco e Marcos Gimenes Salun Revisão: Ligia Terezinha Pezzuto Diagramação: Marcos Gimenes Salun | Rumo Editorial Produções e Edições Ltda. E-mail: rumoeditorial@uol.com.br Impressão e Acabamento: Expressão e Arte Gráfica Editora - São Paulo Josyanne Rita de Arruda Franco Médica Pediatra Presidente da Sobrames-SP As Pizzas Literárias da SOBRAMES-SP acontecem na terceira quinta-feira de cada mês, a partir das 19h00 na PIZZARIA BONDE PAULISTA Rua Oscar Freire, 1.597 - Pinheiros - S.Paulo Termina em 1.º de agosto o prazo para a inscrição de chapas completas, conforme previsto nos artigos 34 a 41 do Estatuto (disponível no BLOG da entidade), para participar do processo eleitoral que escolherá a nova diretoria da Sobrames-SP para o biênio 2015/2016. Será convocada uma Assembleia Geral Ordinária para o dia 18 de setembro, data em que ocorrerão as eleições. É muito importante a participação dos associados neste momento em que se pretende manter a SOBRAMES em pleno vigor nos anos que virão. Participe! ELEIÇÕES: ÚLTIMAOPORTUNIDADE PARA INSCREVER UMACHAPAE PARTICIPAR “A Pizza Literária - décima terceira fornada” http://coletanea2014.blogspot.com.br/ A edição de 2014 da tradicional coletânea da Sobrames-SP terá 26 autores que fazem, desta, mais uma primorosa edição. O lançamento está previsto para 7 de novembro de 2014 VEJA MAIS INFORMAÇÕES DE NOSSA COLETÂNEA 2014 NESTE BLOG Encontro e ponte entre movimento e arte, destreza, suor, sorriso e emoção! Renovado anseio de vencer desafios, superar limites, encontrar o bafejo da sorte, avançar ideias. Fortalecer a equipe, receber o abraço, compartilhar sempre. Copa do Mundo? Talvez... Sim... Também! É a nossa Sobrames-SP há mais de 25 anos! Arena de talentos, universo criativo de potencialidades, o centro de um mundo especial uma vez por mês! Aqui, a bola é a musa, o passe a inspiração! O gol é a arte produzindo efeito! A taça do mundo é nossa, sorvamos juntos: brindaremos por muito tempo! 01/07 – Jacyra da Costa Funfas Nelson Jacintho 11/07 – Luiz Jorge Ferreira 12/07 – Ligia Terezinha Pezzuto 17/07 – Mario Name 19/07 – Roberto Caetano Miraglia
  3. 3. O Bandeirante - Julho 2014 3 SôniaAndruskevicius de Castro O que a viúva não sabia Fazia calor, apesar do inverno, o sol brilhava e a temperatura era de verão, como sempre acontecia naquele país tropical e de tempo confuso. Ela olhou a caixa no canto da sala e a vontade de instalar aquele novo chuveiro fez brilhar seus olhos. Não era um chuveiro comum. Era branco e elegante, de contornos delicados e com uma circunferência bastante grande por onde deveria sair muita água. Não bastando, aquela enorme circunferência ainda apresentava outra de menor tamanho acoplada em sua extensão por onde poderia sair ainda mais água direcionada obliquamente. O banho poderia ser tomado começando-se por cima da cabeça como também poupando-se os cabelos com o banho lateral ou ainda com as estruturas conjuntamente abertas que, segundo o vendedor, ter-se-ia a sensação de uma verdadeira cachoeira. Realmente uma aquisição por demais moderna, útil e, por que não dizer, futurística. De posse do telefone, solicitou para a empresa de seguro que mandasse um encanador para instalar aquela preciosidade, uma vez que não havia quem o fizesse e era para isso que escolhera um seguro que lhe desse estes benefícios domiciliares. Pediu ainda que lhe arrumassem a torneira do jardim que às vezes teimava em ficar pingando, sendo necessário muita força e por que não dizer, uma certa brutalidade para fechá-la. Em pouco tempo a campainha tocou. Um rapaz de estatura muito baixa e uniformizado disse apenas boa tarde. Ela sorriu e abriu o portão rapidamente dizendo que poderia começar pela torneira. O moço trazia duas maletas de ferro que eram pesadas demais ou foram colocadas no chão com muita força fazendo estalar o piso. A primeira coisa que disse era que não sabia se conseguiria arrumar a torneira, pois vendo o modelo foi logo justificando que era de manutenção difícil. Não foi o que ela constatou presenciando o rápido conserto. Onde está o chuveiro, ele perguntou. Foi encaminhado ao banheiro e, ao visualizar a majestosa caixa e o local onde deveria ser instalado, foi logo dizendo que era o chuveiro errado. Os olhos dela abriram-se de espanto enquanto perguntava por que errado. O rapaz então, não sabendo justificar, disse que abriria a caixa e verificaria. Aí então despejou uma série de defeitos. A marca era das melhores, mas a primeira remessa precisou ser toda recolhida por apresentar vazamentos, a instalação precisava ser especializada e era necessário um adaptador especial que por sorte ele teria em uma das suas maletas. Vou tentar, mas não garanto o serviço. Um rapaz de altíssimo grau de mau humor, ela pensou. Pediu um banquinho para alcançar o encanamento e começou o serviço reclamando tanto que ela fechou o sorriso, cruzou os braços e não fez nenhum comentário às suas lamentações, nem mesmo quando ele, ouvindo o barulho da máquina de lavar desligando automaticamente, perguntou do que se tratava. Conseguiu finalmente fazer a água sair por tão precioso aparelho, não sem dizer que se desse defeito era preciso voltar à loja e pedir um novo. Ela não sabia por que tamanha rabugice, visto que não conhecia o rapaz, mas não deixou de fazer conjecturas. Cansaço, doença, finanças, namorada? Foi quando se ouviram rojões ensurdecedores, aos montes, como estouro de pipoca na panela e ele finalmente sorriu, dizendo: foi gol do Brasil.
  4. 4. 4 O Bandeirante - Julho 2014 Alitta Guimarães Costa Reis Sempre a antiga e a nova história Caminhando sem destino Sheila Regina Sarra É sempre a antiga história, todos nós seremos pó. Alguns de nós se adiantam, morrem antes do previsto impedidos de falar, de trabalhar, de viver... Calam-se, mortos de medo, têm raquítica coragem, e até bajulam, servis, a uns poucos sem razão. São tantos assim, prostrados colando a testa no chão... Mas é sempre a nova história, todos nós somos amor. Somos como a primavera, gestando renovação, somos como o fogo oculto esperando em meio às brasas, e como o pássaro novo sentindo o crescer das asas... Somos o pelo cortado que recupera os fios, Somos a chuva constante que faz transbordar os rios. Uma boa tarde para andar sem rumo e pensar sem limites. Enquanto o corpo se exercita, o pensamento flui livremente, brincando com as emoções. No decorrer do trajeto, vão brotando sen- timentos antigos, lembranças de tempos que há muito se passaram. É um momento único, no qual o presente se conecta com o passado, mesclando o atual com o que restou de tantas experiências vividas. No fervilhar de tantas emoções, é natural que ocorram distorções dos fatos, principalmente dos mais antigos, com alterações de detalhes e mudanças de proporções, num processo que os aproxima da versão gravada no inconsciente. É comum aparecerem lembranças de enormes cachorros bravos correndo atrás de uma minúscula criança indefesa; diretoras de escola com mais de três metros de altura que falavam com a propriedade de um deus ameaçador; comidas deliciosas cujo sabor jamais se conseguirá reproduzir; perfumes inigualáveis que dominavam totalmente os ambientes. Um pensamento me vem, então, à mente. Afinal, o que seria de fato a realidade? Uma narrativa do acontecimento, despojada de emoções e interpretações pessoais, ou o evento lembrado e contextualizado de acordo com a realidade própria de cada um. Poderíamos, até mesmo, dizer que a realidade assumiria aspectos diferentes de acordo com os olhos de quem a vê. Não seria uma realidade diferente, mas uma percepção diferente da realidade, própria de cada indivíduo. Comparando como os fatos são percebidos e narrados por cada um, percebemos a importância de relativizar cada uma das versões. Sempre achei muito difícil obter narrativas totalmente concordantes, mesmo de pessoas muito próximas. Mesmo quando não há interesses em jogo, o mundo que cada um filtra é muito diferente. Dentro desta linha de pensamento, passou- me à mente que seria interessante fazer uma verificação periódica de como está nossa capacidade de apreensão dos fatos. Analisar de que forma a nossa visão do mundo poderia divergir da percepção dos outros e se esta divergência de percepção poderia se tornar um fator de atrito e de confrontos desnecessários. Afinal, faz parte da vida, a compreensão de outras formas de enxergar e de valorizar os fatos. Ao final da caminhada, percebi que o pensamento fica mais livre quando nos permitimos divagar durante um passeio sem rumo. É como se a mente se aproveitasse também da liberdade dada ao corpo, buscando novos caminhos, alternativas nunca desbravadas que podem se revelar muito úteis.
  5. 5. O Bandeirante - Julho 2014 5 JoséAlberto Vieira Experimentos O pequeno Tuck’s Suzana Grunspun Vestir o que jamais ousou. Amar a quem nunca amou. Abraçar a quem jamais abraçou. Entender a quem não te entende. Mudar de opinião. Dançar e contar sem saber. Tocar a terra, cheirar o mato, sentir a chuva. Ser criança, ainda que velho. Rir de si mesmo e de seus defeitos. Sentir sem medo de se ferir. Despir-se de si para ser alguém que não você. Não ter medo de errar. Não temer o ridículo. Tirar o contido, para viver o surpreendente. Aprender, experimentar, viver... E depois? Morrer. Sem tédio, sem máscaras, sem culpas. Desnudo e verdadeiro. Fazer da última a mais rica, a mais nobre. E no final dizer a si mesmo: valeu a pena! Nasceu Tuck’s há muito tempo. No século passado. O mundo não estava na era digital. Tuck’s era forte e corajoso; sobreviveu a muitas mudanças. Já havia o cinema e ele vivia lá; dentro das telas, praticamente dentro dos filmes. Quando dava uma brecha ele olhava interessado para a plateia. Seu corpo era como o de um feijão e suas formas arredondadas deixavam-no hábil para escorregar tela abaixo quando se deparava com algo que o atraía lá fora. Aos poucos sentia que o mundo estava se modificando. Procurava aquelas plateias lotadas e não as encontrava mais. E o público alegre que se lambuzava de pipoca e balas coloridas como antes, onde estaria? Foi então que tomou uma grande decisão... Um dia migrou, sentiu uma tristeza profunda, o mundo vivera transformações, era necessário procurar outros universos. Deixou para trás tudo. Sentiu aquela dor pungente no coração ao se despedir dos companheiros de tela. Todos ficaram tristes ao perceberem a agitação de quem está partindo. Eles pediram para o amigo ficar. Com lágrimas escorrendo, disse ter sido grato por tudo o que passaram, mas era importante atravessar junto com o tempo e adentrar a era da computação. Talvez ele não conheceria amigos tão fiéis quanto esses; mas seria importante enfrentar a solidão da viagem e do desconhecido. Foi com o vento, as telas dos cinemas se fecharam para sempre em torno dele. Conheceu muitos espaços que se modificavam. Tinham linguagens diferentes e em cada lugar havia um responsável por difundir como instalar esses novos elementos. O mundo da linguagem D.O.S. lá o pequeno Tuck’s transitou com uma certa dificuldade,tudo era incipiente, mal conseguia sentar na sua cadeirinha e procurar os espectadores, agora sabia se encontrar na Era Virtual. As coisas ficavam em branco e preto, tudo muito triste. O pequeno Tuck’s então voltou a deslizar no tempo e alcançou outras dimensões, talvez tridimensionais, foi para o Windows. Nossa que mudança! As cores eram vivas, dava para derrubar a tinta com um pincel e num programa especial tudo ficava maravilhosamente interessante. Mesmo estando no espaço virtual, entrava pelo chamado DVD e podia compartilhar e se aproximar de uma nova plateia. Certo que bem reduzida em relação às antigas do cinema. Desenhos, músicas, até notícias vinham instantaneamente. Agora tudo seria possível na Internet. As mudanças repentinas continuaram e ele foi percebendo a velocidade aumentar. Num piscar de olhos, estava entrando e saindo das mãos das pessoas através dos Ipod, Ipad, Iphone. Quando se deparou com uma enorme maçã foi dragado por ela. Suas partículas agora fazem parte de todo universo digital. O pequeno Tuck’s está virtual em todas as nossas ações... Eu sou Tuck’s em 1972...
  6. 6. 6 O Bandeirante - Julho 2014 Sérgio Pelegrini Marun Querida Botucatu e minha F.C.M.B.B.* Carlos José Benatti Não sei se sabem que as amo muito, uma por ter me acolhido com carinho, outra, por ter participado do seu nascimento, de suas primeiras dificuldades, dos seus primeiros e trôpegos passos que creio também ajudei a se firmarem sobre seus próprios pés. Aos meus e aos olhos de muitos outros sonhadores, era linda e como não podia deixar de *Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu - o autor pertence à primeira turma da FCMBB (foto). ser por sua formosura, frágil, mas que linda e encantadora era. Linda donzela, com tantas mãos a ajudá-la e a se darem por inteiro a você, não poderia deixar de crescer e porque não tornar-se até bem dengosa e cobiçada. Que pena, a vida nos levou por caminhos distantes, mas mesmo assim em nenhum momento a esquecemos e deixamos de amar. Os mesmos caminhos que nos afastaram voltaram a nos unir e então descobri que você cresceu e como eu também envelheceu, mas por sua formosura e encanto conquistou milhares de outros admiradores também apaixonados, possessivos que se julgavam seus próprios donos. Não os critico e tampouco os invejo, pois que quando a tive, apesar de tantos a cortejarem, era só minha, e quero ter a certeza que você bem sabe disso. Eu envelheci, e já não me sinto com forças e coragem para querer disputá-la, F.C.M.B.B., mas a amo e não quero mal nem invejo aqueles que também a amam, porém me reservo ao direito de ter e guardar comigo ciúmes, muito ciúmes de todos os que se acercam de você! Pérolas Negras Vi um passarinho numa cachoeira se banhando, num lugar maravilhoso e pensei: é preciso mesmo sorte para nascer passarinho no meio deste paraíso. Para ele o mundo todo é assim, um paraíso, tendo nenhuma importância a existência de outros lugares infernais. *** Quem tem dificuldade de um contato direto com a vida tem dificuldades de fazer amigos, de fazer uma família, e tem necessidade de se apegar a algo que faça intermediação com a vida. *** Com a moderna tecnologia já não se discute a existência do milagre. Discute-se qual será o próximo milagre. Talentos são reprimidos, mediocridades são promovidas, porque líderes institucionais fazem gestão para o grupo que representam dentro da instituição e não para a instituição. Empresas honestas dão chances aos talentos e prosperam. ***
  7. 7. O Bandeirante - Julho 2014 7 Livros em destaque JOSYANNE RITA DE ARRUDA FRANCO “Florfinha, a flormiguinha” Ilustrações: Ostan Editora in house - Jundiaí - SP Trata-se de uma singela historinha infantil contada em versos com muita delicadeza pela autora. No volume, ricamente ilustrado, a autora trata de um tema também delicado e muito importante para adultos e crianças, que é o respei- to às diferenças existentes entre as pessoas, sejam aquelas físicas, sociais ou culturais. Vale a pena ler e reler esta obra. Aquisições e informações pelo e-mail: josyannerita@gmail.com GEOVAH PAULO DA CRUZ “hERESIA - Mistério no Sinai” Edição do autor Uma polêmica obra desse autor, médico e biólogo e que tem forma- ção teológica e filosófica. Numa re- leitura do Velho Testamento, de forma irreverente e bastante descompromissada com dogmas e crenças e sem nenhum cunho religio- so, ele se propõe a desmistificar os fatos e personagens alí contidos. Há um toque de romance, de ensaio histórico, político e sociológico sobre aquele tempo e sobre aqueles povos, hebreu e egípcio. Aquisições e informações: geovahcruz@uol.com.br O trecho abaixo é parte de uma crônica de um dos autores da SOBRAMES-SP, já publicado anteriormente numa de nossas ANTOLOGIAS. Você consegue identificar o autor? Resposta na próxima edição. Esta agenda está sujeita a alterações em decorrência de fatores não previstos quando de sua elaboração Endereços e horários Pizzas Literárias: Pizzaria Bonde Paulista. Rua Oscar Freire, 1.597 - a partir de 19h00. Balada Literária: APM - Espaço Maracá - Av. Brigadei- ro Luís Antônio, 278 - 11.º andar - das 18h30 às 22h00 Reuniões de Diretoria: Sede da SOBRAMES-SP na APM - Av. Brigadeiro Luís Antônio, 278 - 7º. andar - Sala 1 - às 19h00 PIZZAS LITERÁRIAS JAN - 16 FEV - 20 MAR - 2O ABR - 24* MAI - 15 JUN - 26* JUL - 17 AGO - 21 SET - 18 OUT - 16 NOV - 13* DEZ - 18 Realizadas na terceira quinta-feira de cada mês *ATENÇÃO Em virtude de feriados, as datas das reuniões de Abril, Junho e Novembro foram modificadas CONGRESSO NACIONAL OUT - 08 a 12 Recife - PE ELEIÇÕES JUL - 17 - Prazo final para a inscrição de chapas concorrentes SET - 18 - Eleição BALADA LITERÁRIA MAI - 30 NOV - 07 COLETÂNEA 2014 FEV Divulgação das regras e início das adesões de autores NOV - 07 Lançamento REUNIÕES DE DIRETORIA Primeira quinta-feira do mês O trecho da edição anterior pertence ao ensaio “Fada verde - a bebida dos poetas - amor e álcool”, de José Jucovsky, que foi publicado na página 75 da coletânea “A Pizza Literária - décima primeira fornada” de 2010. Que tal reler esse ensaio na íntegra, além de outros textos dos talentosos autores da SOBRAMES presentes naquela edição? Relendo REALIZADOCONFIRMADO “No Brasil temos a cachaça, vulgarmente conhecida como pinga, pelo fato de o destilado do melaço da cana-de-açúcar resultar persistente gota a gota de aguardente que sai do alambique”. Aquele domingo parecia que não iria diferir de nenhum outro e lá se foi Julinho para seu futebol. Seu pai lia o jornal tranquilamente, tendo-o buscado no jornaleiro de manhãzinha. Sua mãe varria o quintal e sua irmã ainda dormia.
  8. 8. CLIMA DE COPA Em clima de Copa do Mundo, a Pizza Literária de 26 de junho acolheu um bom número de participantes que apresentaram inspirados textos literários em verso e prosa. Destaque-se ainda a presença dos visitantes que nos prestigiaram e abrilhantaram ainda mais a noite festiva: Tania de Abreu Carvalho, médica psiquiatra, Same Jorge Goés, médico ginecologista e Carla Dórea Bartz, editora da Revista On-Line “Sala dos Médicos”. REVISTA OPINIAS Idealizada pelo sobramista Marcos Gimenes Salun, a Revista OPINIAS, disponível exclusivamente em meio virtual, pretende divulgar cultura e compartilhar ideias que possam, de alguma forma, contribuir para melho- rar o mundo em que vivemos. Visite o BLOG da revista, baixe as edições em arquivos PDF e participe enviando seu artigo ou sugestão de pauta: http://opinias2014.blogspot.com.br SERVIÇO DE ESCUTA Quem não teve oportunidade de assistir a entrevista de Ligia Terezinha Pezzuto no programa Tribuna Independente, na REDE VIDA, no último dia 10 de junho, sobre seu livro, poderá ter acesso ao programa no link a seguir. Vale a pena! http://www.redevida.com.br/programa/tribuna-independente/ entrevistas/servico-de-escuta-o-que-e-e-como-implanta-lo.html CONGRESSOS EM PERNAMBUCO Estão abertas as inscrições para o XXV Congresso Brasileiro de Médicos Escritores que acontecerá de 8 a 11 de outubro em Recife-PE, juntamente com o IX Congresso da UMEAL. Informações no site da regional pernambucana da SOBRAMES: http://sobrames-pe.webnode.com AIDA O prêmio Superpizza de tema “Fim de Festa”, avaliado pela enfermeira Flávia Toledo, foi conquistado por Aida Lúcia Pullin Dal Sasso Begliomini, que recebeu o mimo (uma garrafa de vinho) durante a Pizza Literária de junho. NELSON O sobramista Nelson Jacintho, coordenador do Movimento dos Escritores de Ribeirão Preto e região, promoveu um sarau comemorativo ao dia do escritor de Ribeirão Preto no último dia 4 de julho. BAGGIO A Sobrames-SP registra e lamenta o falecimento, no dia 26 de maio, do Dr. Marco Aurelio Baggio, sobramista mineiro e ex-presidente da Sobrames Nacional, notável por sua inteligência e vasta cultura.

×