Your SlideShare is downloading. ×
O Bandeirante - nº 251 - outubro de 2013
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

O Bandeirante - nº 251 - outubro de 2013

84
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
84
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 251251251251251 OUTUBRO 2013 O BandeirantePublicação mensal da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - Regional S.Paulo A Moça de Cinza “Não me lembro do nome da jovem. Aliás, pensando bem, eu nunca soube. Sempre a tratávamos como a louca da rua de baixo que saía pela manhã e à tarde para comprar pão cantando ‘Santa Lucia’. E só. O restante do tempo era como se ela não existisse.” O conto premiado de MÁRCIA ETELLI COELHO está na p. 3 “Conhecer alguns segredos desse caminho seria interessante. Nossa! Isso seria imprescindível! Teria algo a mais que só seria adquirido na própria prática. Tudo isso era muito intrigante. Será que conseguiria enfrentar todos os medos? ” A crônica de SUZANA GRUNSPUN você lê na p. 6 Bastidores Bodas de Diamante “É preciso cultivar a alegria, em lugar de revolver a tristeza. Sessenta anos de união, conquistada dia a dia com respeito, cuidado, atenção, carinho. Diálogo sempre presente e o calor dos filhos, noras, netas e bisnetos. O progresso dos filhos e netas é orgulho sadio que os alimenta de renovada confiança em direção ao futuro vivido pelo presente no dia a dia.” O relato de LIGIA TEREZINHA PEZZUTO na p. 5 6 4 COMEÇAR DE NOVO Márcia Etelli Coelho COMPANHIA Carlos Augusto F. Galvão PESCADOR Sônia Regina A. de Castro 4 O registro de nossa festa literária em Botucatu está na p. 7
  • 2. 2 O Bandeirante - Outubro 2013 Jornal O Bandeirante ANO XXIII - nº. 251 - Outubro 2013 Publicação mensal da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - Regional do Estado de São Paulo SOBRAMES-SP. Sede: Av. Brigadeiro Luiz Antonio, 278 - 7º Andar - Sala 1 (Prédio da Associação Paulista de Medicin a) - São Paulo - SP Editores: Josyanne Rita de Arruda Franco e Marcos Gimenes Salun (MTb 20.405-SP) Jornalista Responsável e Revisora: Ligia Terezinha Pezzuto (MTb 17.671-SP). Redação e Correspondência: Rua Francisco Pereira Coutinho, 290, ap. 121 A – V. Municipal – CEP 13201-100 – Jundiaí – SP E-mail: josyannerita@gmail.com Tels.: (11) 4521-6484 Celular (11) 99937-6342. Colaboradores desta edição (textos literários): Carlos Augusto Ferreira Galvão, Ligia Terezinha Pezzuto, Márcia Etelli Coelho, Sônia Regina Andruskevicius de Castro e Suzana Grunspun. Tiragem desta edição: 300 exemplares (papel) e mais de 1.000 exemplares PDF enviados por e-mail. Diretoria - Gestão 2013/2014 - Presidente: Josyanne Rita de Arruda Franco. Vice-Presidente: Carlos Augusto Ferreira Galvão. Primeiro-Secretário: Márcia Etelli Coelho. Segundo- Secretário: Maria do Céu Coutinho Louzã. Primeiro- Tesoureiro: José Alberto Vieira. Segundo-Tesoureiro:Aida Lúcia Pullin Dal Sasso Begliomini. Conselho Fiscal Efetivos:Hélio Begliomini, Luiz Jorge Ferreira e Marcos Gimenes Salun. Conselho Fiscal Suplentes: José Jucovsky, Rodolpho Civile e José Rodrigues Louzã. . Matérias assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam, necessariamente, a opinião da Sobrames-SP Editores de O Bandeirante Flerts Nebó - novembro a dezembro de 1992 Flerts Nebó e Walter Whitton Harris - 1993-1994 Carlos Luis Campana e Hélio Celso Ferraz Najar - 1995-1996 Flerts Nebó e Walter Whitton Harris - 1996-2000 Flerts Nebó e Marcos Gimenes Salun - 2001 a abril de 2009 Helio Begliomini - maio a dezembro de 2009 Roberto A.Aniche e Carlos Augusto F. Galvão - 2010 Josyanne R.A.Franco e CarlosAugusto F.Galvão - 2011-2012 Josyanne R.A.Franco e Marcos Gimenes Salun - janeiro 2013 Presidentes da Sobrames SP 1º. Flerts Nebó (1988-1990) 2º. Flerts Nebó (1990-1992) 3º. Helio Begliomini (1992-1994) 4º. Carlos Luiz Campana (1994-1996) 5º. Paulo Adolpho Leierer (1996-1998) 6º. Walter Whitton Harris (1999-2000) 7º. Carlos Augusto Ferreira Galvão (2001-2002) 8º. Luiz Giovani (2003-2004) 9º. Karin Schmidt Rodrigues Massaro (jan a out de 2005) 10º. Flerts Nebó (out/2005 a dez/2006) 11º. Helio Begliomini (2007-2008) 12º. Helio Begliomini (2009-2010) 13º.Josyanne Rita deArruda Franco (2011-2012) 14º.Josyanne Rita de Arruda Franco (2013-2014) Editores: Josyanne R.A.Franco e Marcos Gimenes Salun Revisão: Ligia Terezinha Pezzuto Diagramação: Marcos Gimenes Salun | Rumo Editorial Produções e Edições Ltda. Impressão e Acabamento: Expressão e Arte Gráfica Editora Expediente Editorial Josyanne Rita deArruda Franco Médica Pediatra Presidente da Sobrames-SP NESTADATAQUERIDA, NOSSOSPARABÉNS! No mês de aniversário de 25 anos da Sobrames-SP, a Jornada de Botucatu transcorreu embalada pelo aprazível clima fraterno de amizade e doce enlevo literário. Entre o encantamento da boa literatura e os risos francos da estreita amizade, confrades e confreiras de vários Estados usufruíram da temperatura fria na cidade com o aconchego do calor humano. Esta edição mostrará em textos e imagens um pouco da beleza dos três dias de alegre convívio para sempre guardados no coração. Aos participantes do evento, nossos agradecimentos por terem ilustrado o feliz encontro com seu talento, criatividade, especial apoio e simpatia. Nas próximas páginas, teremos a oportunidade de recordar com deleite nossos bons momentos. Boa leitura! Feliz retorno às lembranças amáveis de Botucatu! 15/10 – RobertoAntonioAniche 23/10 – WalterWhitton Harris As Pizzas Literárias da SOBRAMES-SP acontecem na terceira quinta-feira de cada mês, a partir das 19h00 na PIZZARIA BONDE PAULISTA Rua Oscar Freire, 1.597 - Pinheiros - S.Paulo Jubileu de Prata da Sobrames-SP Comemorado na Pizza Literária de 19 de setembro, o aniversário dos 25 anos da Sobrames-SP contou com a presença de muitos confrades e foi repleta de belos textos em prosa e verso. A presidente Josyanne, Helio Begliomini, Carlos Galvão, Luiz Jorge e Paulo Leierer representaram todos os membros da Regional Paulista na hora de apagar as velinhas do bolo dos 25 anos. No final do encontro, a tradicional foto do grupo marcando o momento festivo e histórico.
  • 3. O Bandeirante - Outubro 2013 3 Márcia Etelli Coelho A Moça de Cinza Pelas ruas tranquilas da Lapa nos anos 60, uma moça vivia cantarolando a música italiana “Santa Lucia”. De cabelos louros lisos e compridos, pele branca e pálida, quase sempre trajava um vestido cinza cobrindo os joelhos. – Ela é louca – dizia minha mãe. Fiquem longe dela. Pode ser perigoso. A jovem praticamente não saía de casa, mas ia comprar pão pela manhã bem cedo e ao findar da tarde. E, de vez em quando, rondava o quarteirão. Tão grande era o medo que minha mãe só deixava que eu fosse para a escola depois que a jovem regressasse da padaria. Com frequência eu ficava pronta com o uniforme azul marinho impecável, lancheira a tiracolo, sapatos lustrosos e permanecia sentada no banco do jardim da frente, aguardando a liberação da rua. Tudo para evitar que nos cruzássemos pelo caminho. Acontece que aos nove anos de idade eu ainda não entendia o perigo que ela pudesse representar. Seria contagioso? Ninguém me explicava. Apenas sabia que ela era assim devido a uma complicação do sarampo. Mas, assim como? Não exatamente louca como tantos casos psiquiátricos que muitos anos depois presenciei na Faculdade de Medicina com delírios, exageradas desinibições e gritos agressivos. Na verdade ela era simplesmente esquisita e solitária em sua ininterrupta cantoria napolitana. Decerto deveria provocar irritabilidade para quem ouvisse o tempo todo a mesma música. Porém, como ela se isolava em sua casa, quem mais sofria provavelmente era sua mãe que, por sinal, também pouco aparecia. Apesar de ser simpática e educada, a matriarca não conversava muito e limitava suas saídas para compras de sobrevivência. Ambas não trabalhavam e... O que será que elas faziam o dia inteiro sozinhas dentro de casa? Não me lembro do nome da jovem. Aliás, pensando bem, eu nunca soube. Sempre a tratávamos como a louca da rua de baixo que saía pela manhã e à tarde para comprar pão cantando “Santa Lucia”. E só. O restante do tempo era como se ela não existisse. Vez ou outra os meninos zombavam dela, se bem que às escondidas. Acho que ela é uma bruxa, supôs um dos garotos. E essa leve hipótese fez com que todos se afastassem com receio de que seus olhos lançassem algum feitiço. Da minha parte, na época, eu só desejava brincar e estudar. Mesmo porque tinha um incentivo extra para ir bem na escola. Todo início de mês, ao ver notas altas no boletim, minha mãe, satisfeita com o meu empenho, me recompensava dando algumas moedas para que eu comprasse doces na padaria, dinheiro suficiente para escolher três guloseimas. Como era agradável ver a vitrine repleta de doce de abóbora em forma de coração, pirulito puxa-puxa, caramelo de leite, cigarrinho de chocolate, maria-mole, doces em borracha, dadinho, além, é claro, dos atraentes potes rotativos de vidros com diversificadas balas. A dúvida para escolher tornava o prêmio mais atraente. Eis que em uma tarde, na indecisão costumeira, meu coração acelerou ao ouvir uma voz cantando “Santa Lucia”. Sim, era a louca que se aproximava, antecipando seu horário de compra, talvez para fugir de uma chuva que prenunciava desabar a qualquer instante. Pela primeira vez não tive como fugir do encontro. O curioso foi que ela entrou na padaria exalando um perfume suave de jasmim. Ora, na minha concepção, eu sinceramente a imaginava fedida... Se ela usava quase sempre o mesmo vestido cinza, deveria não tomar banho, não é mesmo? Qual o quê. Seu cabelo estava limpo, bem penteado, usava um discreto batom rosa e pela aparência eu julguei que ela devia ter menos que 30 anos de idade. Com calma ela entregou para o seu Teixeira, o dono da padaria, um caderninho em que se anotavam as compras para pagar tudo no final do mês. Não disse uma palavra, preferindo continuar com sua canção. Num relance olhou para mim e eu pude perceber seus grandes olhos verdes que pareciam bolas de gude... Bem que eu tentei puxar alguma conversa para satisfazer minha curiosidade infantil. Mas minha voz travou e não foi por hipnotismo ou maldição e, sim, por pura timidez. Apenas consegui sorrir, mas ela permaneceu alheia e saiu com uma bengala de pão debaixo do braço. Raios e trovões alertavam sobre a chuva, e eu resolvi não esperar e também fui para casa. Fiquei atrás da moça que andava devagar, arrastando os pés pela rua deserta, marcando o ritmo da velha canção. Assim que se iniciaram as férias de julho eu e minha família viajamos para o litoral e ao retornar soubemos que a jovem havia se mudado com a mãe. Depois de um ano de vizinhança saíram sem despedidas e sem ter conquistado nenhuma amizade. Nunca mais tivemos notícias. Até hoje quando lá em casa colocamos um CD e ouvimos Pavarotti ou Andrea Bocelli cantar Santa Lucia, minha mãe se inquieta: – Não gosto dessa música. Ela me lembra da louca. Interessante como passados quase cinquenta anos, grande parte morando em outro bairro e com tantos acontecimentos já vivenciados, não conseguimos nos esquecer dela. Uma moça que se isolou da vida e o mundo reforçou esse isolamento. Ao contrário da minha mãe, eu gosto de ouvir aquela canção. Sem dúvida, pela beleza da melodia. No fundo, talvez por querer acreditar que aquela jovem tenha conseguido, a sua maneira, encontrar um jeito de ser feliz. (Primeiro lugar no concurso de prosas da XII Jornada Médico-Literária Paulista)
  • 4. 4 O Bandeirante - Outubro 2013 Sônia ReginaAndruskevicius de Castro Pescador Com os olhos do corpo eu vi Vindo do mar o pescador Num barco antigo, incolor. E na areia a mulher que ri Com os pés descalços no chão Agitando, em aceno, a mão. (Terceiro lugar no concurso de poesias da XII Jornada Médico-Literária Paulista) Com os olhos do espírito eu vi Humildade no corpo sem jeito A fé na medalha do peito. No riso redondo alegria A saudade no abraço apertado E um amor descabelado. Preparo uma andança e nessa travessia recolho os sonhos, retalhos de cetim. No chão de estrelas, apenas eu e a brisa, coração leviano, caçador de mim. Corsário de Sampa, guerreiro menino que na roda viva aprendi a chorar. Saudade chegando, fiquei tão sozinho na ingênua certeza de sempre te amar. Mas olhos nos olhos, as rosas se calam, o tempo separa, fugaz é o amor. Detalhes, deslizes, nas brigas se exaltam, qual fera ferida ponteando o rancor. Dos bailes da vida restou acalanto. Dos anos dourados, fascinação. No conto de areia rolou esse pranto. Das velas içadas, porto solidão. A banda passou em total disparada. E eu, carinhosa não fiz parte do show. Castigo? Ilusão? Fim de caso? Que nada! Risquei a tristeza... E o mar serenou. Ao ver pastorinhas voltando com flores quis logo enfeitar a noite do meu bem. Brindar primavera que no trem das cores, bem antes das onze, emociona o viver. A minha aquarela dourou asa branca. No baila comigo são só dois pra cá. Que festa de arromba, feitio, força estranha: o mel do aconchego sem mais carcará. A chuva de prata das águas de março seduz a minha alma, só quer um xodó. Tu estavas tão lindo naquele abraço que o meu rancho fundo virou luxo só. Trocando em miúdos: Há séculos te amo! Eu não aprendi a dizer-te adeus. E como eterna onda que ronda o oceano, por ti, começaria tudo outra vez. Márcia Etelli Coelho Começar de Novo (Primeiro lugar no concurso de prosas da XII Jornada Médico-Literária Paulista)
  • 5. O Bandeirante - Outubro 2013 5 PRIMAVERA Ela, 11 anos de idade. Ele, 15 e já não se interessava mais em só brincar com o irmão dela. Passou a notar aquela loirinha graciosa e a tentar uma aproximação. Deu certo, era recíproco.Ambos começaram um inocente namorinho, daqueles de só pegar na mão. Tinha dias em que ela ficava observando pela janela de sua casa os meninos voltarem da escola e, no meio deles, o seu menino passar. Trocavam acenos e iam embora, levando cada qual, um pouco de carinho um do outro. Entre sorrisos, olhares e certezas, os dois, um pouco mais crescidos, iam amadurecendo seu relacionamento e conhecimento mútuo. As conversas no portão, as idas ao cinema, os passeios pela cidade. Muito proseavam entre si, interessados em seus gostos, sonhos, desejos. No tom róseo e clima ameno do alvorecer naquela estação, o início de duas vidas que se encontraram, plenas de esperança e encantamento. VERÃO Após quatro anos de namoro responsável, a decisão pelo noivado. Ele, de terno, na casa dos pais dela. Ela, em outro cômodo com as primas, a esperar. Por fim, a resposta positiva. Festa, alegria, comemoração. Casamento à vista. Preparativos, convites, cerimônia civil e religiosa, vestido de noiva, terno e gravata. Início de uma vida a dois, repleta de alegrias, mas também dificuldades. Ele a trabalhar o dia todo e estudar à noite. Ela a cuidar da casa e mais tarde, do primeiro filho. Dureza, sacrifícios, mas amenizados pelo amor que ia se aprofundando cada vez mais. Mudança de emprego, mais um filho, as responsabilidades aumentando, mas ambos apoiando-se um no outro, com dedicação e diálogo crescentes. Bodas de Diamante - uma história real Ligia Terezinha Pezzuto Terceiro filho, uma menina. E, após cinco anos, o quarto filho. Mudança para um apartamento, bem maior que a casa onde moravam. Novas oportunidades no trabalho. Dificuldades, sim, mas muita fé também, aliada ao cultivo de atenções e cuidados de um para com o outro. Bodas de Prata. Vinte e cinco anos comemorados com grande entusiasmo, em cerimônia religiosa e festa. Alegria, todos juntos, música e detalhes organizados com desvelo. O calor às vezes forte, outras vezes cálido daqueles dias servira para forjar o relacionamento e amalgamar dois corações em um só, cada um respeitando a individualidade do outro, mistério insondável de bênção celestial. OUTONO Ele e ela envolvidos em atividades voluntárias, doando seu tempo para quem mais precisava, além do cuidado dos quatro filhos, dos negócios, dividindo atenções e multiplicando o amor, até completarem Bodas de Ouro. Cinquenta anos de uma convivência madura e firme. As refeições feitas com toda a família, os diálogos constantes, o cuidado mútuo, a renúncia, a doação foram elementos importantes para chegarem até ali. Quando as folhas começam a amarelar e as árvores se preparam para a grande renovação da natureza, o alimento da fé vem em boa hora solidificar o que já era firme porque construído no terreno sólido da verdade e da abertura ao transcendente. INVERNO Dias difíceis. Perda de um filho querido. A morte, entretanto, é vencida pela esperança. É preciso cultivar a alegria, em lugar de revolver a tristeza. Sessenta anos de união, conquistada dia a dia com respeito, cuidado, atenção, carinho. Diálogo sempre presente e o calor dos filhos, noras, netas e bisnetos. O progresso dos filhos e netas é orgulho sadio que os alimenta de renovada confiança em direção ao futuro vivido pelo presente no dia a dia. As decisões com base em discernimento reto e pleno dão a consistência que uma vida inteira construída juntos possibilitou realizar. Ao chegar a estação do frio, em que tudo pareceria cinzento, obscurecido pelas chuvas e neblinas dos dias úmidos, o que fora plantado com esmero trouxe o calor do afeto que muda toda a paisagem graças à fé, ao diálogo, amor, dedicação, renúncia, doação, cuidado, carinho, respeito; ingredientes que, utilizados com sabedoria, fizeram de duas vidas uma só, plena de frutos, sonhos realizados, superação e luz a iluminar outras vidas. Sonho de muitos, sonho possível...
  • 6. 6 O Bandeirante - Outubro 2013 Como nos sonhos, podia andar naquele vasto corredor largo. Cada porta guardava uma história; ela sabia. Ao abri-las os personagens se iluminariam e subindo no palco iriam representar suas vidas. Perguntava-se: cada porta poderia ser acionada inúmeras vezes? Iniciar essa visita seria um trajeto instigante; levada pela curiosidade sentia-se estimulada ao abrir uma a uma, cada porta, e se entregar de corpo e alma a cada visita. Não era muito claro o procedimento dos personagens se instalarem lá dentro. Realmente havia uma grande porta central, no fundo, com certeza era por lá onde tudo começava. Outra inquietação: como esses personagens eram aceitos? Quais seriam as condições; talvez sofrimentos, alegrias, ou até mesmo algum particular problema que teria influenciado suas vidas e até mudado o curso natural delas. Apesar de certo receio poder impedir sua investigação, esse era logo dissipado. Além do forte interesse, alguma coisa a movia; ao mesmo tempo ela participava de um modo diferente de quem só assistisse a um espetáculo. A sensação de sonhar se criava e se evanescia. Por detrás de tudo isso havia uma tradição que alimentava seu desassossego a ponto de vencer os medos. O que havia de tão interessante? Uma atividade humana tão antiga e recente, simultaneamente, quase um paradoxo. Perdia-se em reflexões de como alguém poderia escolher tal ocupação. Providenciar para aqueles personagens adentrarem as portas mediante um conhecimento prévio de suas histórias e depois se dedicar a cada um especificamente. Quantas promessas de quem vem se ocupando de tal tarefa! Seriam essas suficientes para a incitar prosseguir e enfrentar todos os seus receios? Comprometer-se com essa atividade seria uma experiência única, humana, gratificante e consagrada. Assim plantou a semente da coragem; prosseguir jornadas novas quando abrisse cada porta. Dividiria seu tempo compartilhando cada vida que os personagens reviveriam. Poderiam até renascer no encontro humano e verdadeiro que se daria ao iluminar o palco acionado pelo toque de cada maçaneta. Estavam batizadas a da mitologia, a dos contos de fadas, a das alegorias. Do tempo, dos bebês; da inconstância, eram consagradas; mas a porta denominada outrora, por ser considerada um tabu, era muito interessante. Algumas passariam despercebidas, se não fosse a insistência de seus habitantes que faziam questão de marcar sua presença, nem que fosse por causa de um pequeno grito ou barulhinho mínimo. Outras, anônimas, ainda esperavam seus personagens adentrarem. O que era inusitado? As histórias só seriam entrelaçadas se ela soubesse tecer um fio que desse um sentido particular a todas. Isso dependeria de suas capacidades pessoais e também de seu interesse em cada personagem. Haveria um amadurecimento e preparos a serem providenciados. Como se daria tudo isso? Conhecer alguns segredos desse caminho seria interessante. Nossa! Isso seria imprescindível! Teria algo a mais que só seria adquirido na própria prática. Tudo isso era muito intrigante. Será que conseguiria enfrentar todos os medos? Nas profundezas de cada personagem, haveria uma aprendizagem. Essas histórias já teriam sido vividas e permaneciam fechadas ou até trancadas; só voltando à ação, como se dizia, quando os enredos fossem retomados. Cada imagem voltaria novamente toda vez que se reabrisse a porta? Seria uma questão de memória? Ou estaríamos simplesmente diante da vida? No âmbito da memória estaria ela e os seus personagens somente relembrando; ou o diferencial dessa atividade é vê- -los brilhar no palco onde a vida se reconstrói em seu mais alto quesito do desenvolvimento humano. Companhia CarlosAugusto Ferreira Galvão Sigo minha vida bem acompanhado Às vezes tento trocar, saio, me revolto Procuro outro alguém, um outro lado, Mas sempre muito me arrependo e volto. Ela é assim, em nada me atormenta, Fica ao meu lado silente e quieta; Monotonia ninguém quer nem aguenta. Mas o que fazer se não há mais meta? Ela sempre inspira o pensamento, Agonia que estimula meu coração; Tão forte que repito todo momento: Não vivo sem ti, minha amada solidão. Bastidores Suzana Grunspun
  • 7. O Bandeirante - Outubro 2013 7 Nossa Festa Literária em Botucatu Confraternização e bem-querência foram a tônica da XII Jornada Médico-Literária Paulista realizada em Botucatu de 26 a 29 de setembro, com sessões literárias agradabilíssimas na variedade de estilos, mas uníssonas em talento e harmonia. Sem dúvida os sobramistas das diversas regionais comprovaram a tradicional acolhida paulista e acrescentaram em sua bagagem novas amizades e inspiração criativa. Coube à Academia Botucatuense de Letras selecionar os textos e eleger os premiados para receberem o Troféu “O Bandeirante” (veja foto no box) para os vencedores de cada categoria e os certificados para segunda e terceira colocações. Foi uma difícil tarefa devido à excelência dos escritos, a respeito dos quais a opinião unânime de participantes e julgadores era de que todos eram merecedores dos maiores elogios e poderiam ser os ganhadores. MÁRCIA ETELLI COELHO de São Paulo foi a grande vencedora do evento, ficando com 1º. lugar nas duas categorias. Ela levou para casa o Troféu Bandeirante de Prosa (A Moça de Cinza) e de Poesia (Começar de Novo). Os textos estão publicados no suplemento literário nesta edição nas páginas 3 e 4 respectivamente. Eis nossos campeões de prosa e verso: Márcia - SP Arquimedes - MA José Arlindo - PE Sônia - SP Hélio - GO ARQUIMEDES VIEGAS VALLE, do Maranhão ficou com o 2º. lugar no concurso de Prosa. Seu texto A Vingança dos Inocentes está publicado no BLOG da Sobrames-SP (veja detalhes no box). O segundo lugar da categoria Poesia ficou com o pernambucano JOSÉ ARLINDO GOMES DE SÁ, com seu poema Inventário Sertanejo, publicado no BLOG da Sobrames-SP. SÔNIA REGINA ANDRUSKEVICIUS DE CASTRO, da regional São Paulo, ficou com a terceira colocação no concurso de poesias com Pescador, texto que está na página 4 desta edição. Na categoria prosa, a terceira colocação coube a HÉLIO MOREIRA, da regional goiana, pela crônica Caminhar pelas Ruas de Paris, que também pode ser lido no BLOG. Troféu “O Bandeirante” http:// www.recantodasletras.com.br/e- livros/4517755 ANAIS DA JORNADA (baixe PDF completo neste link) http:// sobramespaulista.blogspot.com.br/ BLOG SOBRAMES-SP (Todos os textos vencedores)
  • 8. FATOS & OLHARES Pizza Literária de Natal A reunião festiva de Natal já tem data confirmada para 19 de dezembro. Não perca! 2014 IX Congresso da UMEAL De 12 a 15 de março de 2014, será realizado na cidade de Maputo (Moçambique) o IX Congresso da UMEAL. Presença confirmada de Paulina Chiziane e do premiadíssimo Mia Couto. Em breve maiores informações! “QUEM é QUEM” Resposta na próxima edição. Participe desta seção enviando uma foto sua bem antiga para a redação. DESAFIO DO MÊS Você sabe quem é esta menina? A foto antiga pode precisar de algum retoque, mas sua poesia é bela e irrepreensível! JUBILEU DE PRATA O suplemento cultural da revista da APM (Associação Paulista de Medicina), edição 250, setembro de 2013, em sua matéria de capa, publicou um depoimento da presidente da Sobrames-SP, Josyanne Rita de Arruda Franco, sensível, realista, pontuando o caminho encontrado pela Sobrames a fim de conciliar a atribulada vida médica com o universo criativo literário. O texto na íntegra pode ser lido através do Blog sobramespaulista.blogspot.com, ou baixado de em PDF do site http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/4486836 A comemoração dos 25 anos da Sobrames São Paulo durante a Pizza Literária de 19 de setembro não poderia ser diferente: fraterna, animada, com textos criativos, muitos deles manifestando sinceras homenagens... Reaproximação de confrades distantes como Wladimir do Carmo Porto e Alitta Guimarães Costa Reis... Reencontro de sobramistas que há tempo não víamos: Mércia Lúcia de Melo Chade (e seu marido Sérgio), Paulo Adolpho Leierer (ex-presidente da Sobrames-SP 1996-1998) e sua esposa Sandra... Escritores que pela primeira vez nos visitaram como Pierre Joseph Chamoun, Eliana Batista Reis e Sérgio Siqueira da Cruz (do Sindicato dos Escritores)... E a presença, é claro, dos sobramistas assíduos que alicerçam e impulsionam nossa Sociedade. SUPLEMENTO CULTURAL DA APM BALADA LITERÁRIA A Sobrames-SP realizará no dia 08 de novembro de 2013, sexta-feira, às 20 horas, no Espaço Maracá, na APM (Av.Brigadeiro Luis Antonio, 278) uma “Balada Literária”, com muita literatura e música ao vivo ilustrando seu fim de semana! Participe e traga seus amigos para viver esse momento de amizade e emoção.Confirme presença pelos e-mails: josyannerita@gmail.com / marciaetelli@ig.com.br ENTRADA FRANCA ACADEMIA TUPÃENSE DE LETRAS Alcione Alcântara Gonçalves é o mentor e criador da Academia Tupãense de Letras, que já tem data marcada para sua fundação: 14 de novembro de 2013. Contando com o apoio total da Prefeitura e da Secretaria Municipal de Cultura, os escritores da cidade de TUPÃ passarão a contar com esse sodalício que terá Alcione como seu primeiro presidente. Nosso decano FLERTS NEBÓ era o menino com o seu cãozinho Chuquel da edição de SETEMBRO