O Bandeirante - 257 - Abril 2014
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

O Bandeirante - 257 - Abril 2014

on

  • 159 views

Publicação mensal da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - SOBRAMES-SP, com noticiário e textos literários de seus escritores - Editores: Josyanne Rita de Arruda Franco e Marcos Gimenes ...

Publicação mensal da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - SOBRAMES-SP, com noticiário e textos literários de seus escritores - Editores: Josyanne Rita de Arruda Franco e Marcos Gimenes Salun

Statistics

Views

Total Views
159
Views on SlideShare
159
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

O Bandeirante - 257 - Abril 2014 O Bandeirante - 257 - Abril 2014 Document Transcript

  • 257257257257257 ABRIL 2014 O BandeirantePublicação mensal da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - Regional S.Paulo Skol, senhora! “Sem demora o senhor espanhol, erguendo o seu copo, elegantemente e olhando para sua conterrânea à sua frente, proferiu muito compenetrado: Skol, senhora! Ela o olhou um pouco assustada, mas erguendo o copo tocou no do seu companheiro de viagem, repetindo a saudação. Mas não podia desapontá-lo. Deveria retribuir o seu brinde e deixar o copo vazio...” Leia a crônica de MARIA DO CÉU COUTINHO LOUZÃ na p. 4 “Eu, também, tentei voar Nas asas do pensamento, Mas vi que havia defeito, Talvez, falta de alimento, No sonho que foi desfeito, Que feriu meu sentimento.” A poesia de NELSON JACINTHO está na p. 5 À procura do meu eu As coisas boas da vida “Na verdade, a vida é muito curta por mais tempo que se tenha para se viver em comparação com a infinidade de coisas boas e de prazeres que se apresentam na existência para usufruí-los. Com certeza, o ser humano desde tempos imemoriais procura a felicidade. Mas será que ela se confunde com a aquisição de produtos que a sociedade de consumo vende?” A crônica de HELIO BEGLIOMINI está na p. 3 Visite nosso BLOG: http://sobramespaulista.blogspot.com.br SINFONIA Sônia Andruskevicius 6 PENSAMENTOS Isamar Rizzo 6 ELA Flerts Nebó 6 PAIXÃO Aida Begliomini 5
  • 2 O Bandeirante - Abril 2014 Jornal O Bandeirante ANO XXIII - nº. 257 Abril 2014 Publicação mensal da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - Regional do Estado de São Paulo SOBRAMES-SP. Sede: Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 278 - 7º. Andar - Sala 1 (Prédio da Associação Paulista de Medicin a) - São Paulo - SP Editores: Josyanne Rita de Arruda Franco e Marcos Gimenes Salun (MTb 20.405-SP) Jornalista Responsável e Revisora: Ligia Terezinha Pezzuto (MTb 17.671-SP). Redação e Correspondência: Rua Francisco Pereira Coutinho, 290, ap. 121 A – V. Municipal – CEP 13201-100 – Jundiaí – SP E-mail: josyannerita@gmail.com Tels.: (11) 4521-6484 Celular (11) 99937-6342. Colaboradores desta edição: (Textos literários):Aída Lúcia Pullin Dal Sasso Begliomini,Helio Begliomini, Flerts Nebó, Isamar Rizzo Falanga, Maria do Céu Coutinho Louzã, Nelson Jacintho e Sônia Andruskevicius de Castro. (Fatos & Olhares): Márcia Etelli Coelho. Tiragem desta edição: 300 exemplares (papel) e mais de 1.000 exemplares PDF enviados por e-mail. Diretoria - Gestão 2013/2014 - Presidente: Josyanne Rita de Arruda Franco. Vice-Presidente: Carlos Augusto Ferreira Galvão. Primeiro-Secretário: Márcia Etelli Coelho. Segundo- Secretário: Maria do Céu Coutinho Louzã. Primeiro- Tesoureiro: José Alberto Vieira. Segundo-Tesoureiro:Aida Lúcia Pullin Dal Sasso Begliomini. Conselho Fiscal Efetivos:Hélio Begliomini, Luiz Jorge Ferreira e Marcos Gimenes Salun. Conselho Fiscal Suplentes: José Jucovsky, Rodolpho Civile e José Rodrigues Louzã. . Matérias assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam, necessariamente, a opinião da Sobrames-SP Editores de O Bandeirante Flerts Nebó - novembro a dezembro de 1992 Flerts Nebó e Walter Whitton Harris - 1993-1994 Carlos Luis Campana e Hélio Celso Ferraz Najar - 1995-1996 Flerts Nebó e Walter Whitton Harris - 1996-2000 Flerts Nebó e Marcos Gimenes Salun - 2001 a abril de 2009 Helio Begliomini - maio a dezembro de 2009 Roberto A.Aniche e Carlos Augusto F. Galvão - 2010 Josyanne R.A.Franco e CarlosAugusto F.Galvão - 2011-2012 Josyanne R.A.Franco e Marcos Gimenes Salun - 2013-2014 Presidentes da Sobrames-SP 1º. Flerts Nebó (1988-1990) 2º. Flerts Nebó (1990-1992) 3º. Helio Begliomini (1992-1994) 4º. Carlos Luiz Campana (1994-1996) 5º. Paulo Adolpho Leierer (1996-1998) 6º. Walter Whitton Harris (1999-2000) 7º. Carlos Augusto Ferreira Galvão (2001-2002) 8º. Luiz Giovani (2003-2004) 9º. Karin Schmidt Rodrigues Massaro (jan a out de 2005) 10º. Flerts Nebó (out/2005 a dez/2006) 11º. Helio Begliomini (2007-2008) 12º. Helio Begliomini (2009-2010) 13º. Josyanne Rita deArruda Franco (2011-2012) 14º. Josyanne Rita de Arruda Franco (2013-2014) Editores: Josyanne R.A.Franco e Marcos Gimenes Salun Revisão: Ligia Terezinha Pezzuto Diagramação: Marcos Gimenes Salun | Rumo Editorial Produções e Edições Ltda. E-mail: rumoeditorial@uol.com.br Impressão e Acabamento: Expressão e Arte Gráfica Editora - São Paulo Josyanne Rita de Arruda Franco Médica Pediatra Presidente da Sobrames-SP As Pizzas Literárias da SOBRAMES-SP acontecem na terceira quinta-feira de cada mês, a partir das 19h00 na PIZZARIA BONDE PAULISTA Rua Oscar Freire, 1.597 - Pinheiros - S.Paulo 04/04 – Sérgio Perazzo 04/04 – Thereza Freire Vieira 06/04 - Wladimir do Carmo Porto 07/04 - Carlos Augusto Ferreira Galvão A Sobrames-SP está vivendo um ano de intensa atividade. A sede na APM recebeu importantes doações sobre a história da entidade e seu precioso acervo está sendo organizado. As Pizzas têm sido concorridas, com muitos visitantes dispostos a usufruir da alegria e do calor da amizade. Novos associados vêm chegando e brilhando; poetas estão se aventurando pela prosa, enquanto prosadores desnudam sua verve poética. Há ainda a crítica social do observador do cotidiano, e filósofos mostram suas faces no seio de uma sociedade literária que floresce a cada encontro. Diferentes fontes e variados estilos tem a dinâmica regional paulista! E ainda prepara a II Balada Literária; com uma diretoria incansável e dedicada, entusiasma os sócios a se mobilizarem em prol de uma sociedade cada vez mais vibrante. É um ano de Coletânea, de Congressos em Recife e de eleições para o próximo biênio. Muitos eventos, prêmios, concursos, lançamentos e novidades esperam cada associado durante 2014. Não perca a oportunidade de viver intensamente esta aventura literária com seus pares: a Sobrames-SP espera sua visita de braços abertos. Josyanne torna-se membro da AMEAM Eleições na regional São Paulo Coletânea 2014: ainda há tempo Foi adiado até 20 de abril o prazo para a inscrição de textos em prosa ou verso para a Coletânea 2014 da SOBRAMES-SP, “A Pizza Literária - décima terceira fornada”. Cada autor poderá contratar um mínimo de 5 (cinco páginas) da obra, não havendo limite máximo de participação. Para cada página contratada, o autor receberá 5 (cinco) volumes do livro. O custo por página contratada é de R$ 70,00 (setenta reais) e o total da quota do autor poderá ser parcelado em até 6 (seis) vezes. Não deixe passar esta oportunidade e inscreva-se hoje mesmo! http://coletanea2014.blogspot.com.br/ Acontecerão no dia 18 de setembro de 2014, em Assembleia Geral Ordinária a ser convocada, as eleições para a nova diretoria da Sobrames- SP para o biênio 2015/2016. A inscrição de chapas completas, conforme art.34 a 41 do Estatuto (disponível no BLOG da entidade), deverão ser inscritas impreterivelmente até o dia 1º. de agosto de 2014. Convidamos a todos para participarem deste importante processo eleitoral. A presidente Josyanne Rita de Arruda Franco tornou-se membro da Associação de Médicos Escritores e Artistas de Moçambique (AMEAM), conso- lidando assim um importante intercâmbio que já acontecia entre a SOBRAMES-SP e aquela associação literária africana. Na edição do boletim AMEAM n.4 onde foi noticiado o fato, registra-se também a filiação da confreira Celina Corte Pinheiro de Sousa, da regional cearense.
  • O Bandeirante - Abril 2014 3 Helio Begliomini As coisas boas da vida “A abundância das coisas, ainda que boas, faz com que não se estimem.” - Provérbio popular Não é incomum o jovem e o adulto de hoje protelarem ao máximo o casamento e a pretensão em ter filhos com a alegação de que ainda há muito para se aproveitar da vida: viagens para conhecer cidades, estados, países e povos de outras culturas; cursos sem-fim para o crescimento profissional; idas a restaurantes com diversificadas e saborosas gastronomias; troca de parceiros e de experiências sexuais sem compromissos sérios; entretenimento em museus, cinemas, teatros e espetáculos prediletos; poupança financeira para se comprar carros da moda, além dos mais modernos e requintados recursos tecnológicos disponíveis; desincumbência de pagar aluguel e de abdicar de outras mordomias gratuitas da casa dos pais; liberdade de decidir e não dividir nada com ninguém – são alguns dos itens apontados dentre as coisas boas da vida, atualmente. Da mesma forma, não é infrequente receber no consultório casais na faixa dos quarenta ou cinquenta anos, que por vezes se apresentam como namorados (!), buscando ajuda para ter um filho, os quais, por diversos motivos e justificativas, gozaram a vida a seu modo. Será que esse anjinho que outrora fora preterido, pois era tido como estorvo, seria benéfico numa idade quando os progenitores estariam mais para avôs do que para pais?! Será que mais uma vez não se esteja procurando o próprio interesse do que o da pretendida prole? Na verdade, a vida é muito curta por mais tempo que se tenha para se viver em comparação com a infinidade de coisas boas e de prazeres que se apresentam na existência para usufruí-los. Com certeza, o ser humano desde tempos imemoriais procura a felicidade. Mas será que ela se confunde com a aquisição de produtos que a sociedade de consumo vende? Será que se identifica com o sibaritismo disponível a qualquer preço? Com a irresponsabilidade e a licenciosidade reinantes? Lembro de saudosa memória, meu sogro, Guido Dal Sasso. Ele, que sabia como poucos congregar seus filhos e parentes ao redor de uma mesa e de uma boa conversa, dizia que uma das melhores combinações culinárias que tinha prazer em saborear era arroz com feijão bem temperado, acompanhados por um suculento picadinho de carne! Acredito que dentre as coisas boas da vida – e porque não dizer prazerosas – estejam momentos que nos passam despercebidos. Como é bom não sentir os dentes e unhas, pois quando eles inflamam manifestam suas existências. Que delícia apreciar o contraste de um céu azul anil, sem nuvens, com o verde viçoso das folhas das árvores e a policromia das flores! Que satisfação poder utilizar uma latrina e esvaziar o intestino e a bexiga, pois só se sabe quão salutares são esses órgãos quando se tornam incompetentes para suas funções! Como é bom poder curtir uma chuva torrencial tendo uma moradia para se abrigar! Que lindo escutar de descendentes palavras como “papai”, “mamãe”, “vovó”, “vovô”! Como é prazeroso saber que se pode ser útil a alguém através de um trabalho, ação ou empreendimento! Que maravilha poder sentir o ar entrando e saindo livremente dos pulmões... a água limpando e refrescando o corpo no banho... o ouvido detectando sons produzidos por diferentes animais da fauna... a boca se enchendo de saliva diante de um acepipe... os pelos dos braços eriçando e os olhos lacrimejando diante de uma emoção! Há dinheiro que pague a inocência de uma criança; a esperança restabelecida a um idoso; a cura ou controle de uma enfermidade do corpo ou da mente?! Quem não experienciou que existe maior alegria em se doar despretensiosamente ao próximo do que dele receber alguma retribuição, ainda, peremptoriamente, não degustou todas as boas coisas e os prazeres da vida. Certamente muitos encarcerados ou habitantes de nações escravocratas pagariam – se pudessem – fortunas para que se lhes restituíssem a liberdade através do singelo direito de ir e vir que a imensa maioria dos indivíduos usufrui. Há muitas coisas boas na vida e grande parte delas é graciosa e acessível a um considerável contingente de indivíduos, pois lhes são inerentes. Basta apenas detectá-las; aprender a admirá-las e saboreá-las diuturnamente ao longo da existência.
  • 4 O Bandeirante - Abril 2014 Skol, senhora! Maria do Céu Coutinho Louzã Na sala de embarque do aeroporto de Madri, uma grande movimentação. Uma guia baixinha corria de um lado para o outro. Simpática, usava um chapéu com uma flor grande e bem colorida. Explicava a todos que era assim espalhafatoso, para que não a perdessem de vista. Com umas páginas na mão tinha a sua lista de excursionistas e corada pela agitação ia conferindo no seu calhamaço de muitas páginas. Tentava encontrar os turistas novos. Estes deveriam se agregar ao grupo que já havia feito os passeios pela Espanha. A excursão agora tomaria o rumo dos países nórdicos. Podia-se observar como o grupo era interessante e bem heterogêneo, como costuma ser quando se reúnem pessoas dos mais variados países. Chegavam novos excursionistas e como não poderia deixar de haver, também alguns espanhóis. No saguão bem movimentado podia-se observar casais jovens ou mais velhos. Viam-se brasileiros, japoneses e também casais dos países árabes, quando as esposas muito bem vestidas, traziam a cabeça coberta por lenços coloridos enrolados pelo pescoço, de maneira a esconder os cabelos. A guia se preocupava em verificar passaportes e responder às perguntas que lhe dirigiam, dando as boas-vindas sempre falando em inglês. A animação pressagiava dias interessantes no convívio dos excursionistas. Naturalmente havia olhares curiosos, mas disfarçados, mas que certamente aprovavam a algazarra muito animadora. O que é comum entre pessoas que estariam convivendo e até fazendo novos conhecimentos pelos próximos dias. A excursão dirigia-se a Oslo primeiramente. E depois de visitar toda a Noruega, partiria para visitar os demais países da Escandinávia. De repente a tão esperada chamada para embarque. Formadas as filas, partia assim um grupo de pessoas que certamente com grandes expectativas e curiosidade, esperava aproveitar a sua viagem. Tudo corria como era esperado. Um voo tranquilo de poucas horas Assim, depois do avião pousado, retirada das malas e o embarque em ônibus que levaria os excursionistas para o hotel, mais uma vez a guia se deteve em explicações quanto ao horário das refeições, partidas para excursões e hotéis. Porém, era importante o jantar, de boas-vindas, que se daria dali a poucos momentos Era a ocasião bem propícia onde todos poderiam se conhecer e aproveitar para se apresentarem, visto que passariam duas semanas de convívio agradável e repleto de surpresas muito bonitas. Timidamente, à hora marcada, os turistas chegavam para o jantar e todos iam se acomodando nas longas mesas muito bem enfeitadas com flores. Os copos de um tamanho maior do que o costume. Uma jovem senhora, pequenina, simpática e até mesmo bonita buscou lugar à mesa. Ela deveria ter seus quarenta anos, e à sua frente sentou-se um senhor alto, elegante, bem simpático, um pouco mais velho. Logo se identificaram nascidos na Espanha e, viajando pela primeira vez. Ela, modista em uma pequena cidade, escolhera a Escandinávia por ter uma grande curiosidade. Ele, elegantemente vestido, de terno e gravata, logo explicou que era filho de noruegueses. Mas havia nascido e vivido sempre em Madri. Chegara finalmente o momento de conhecer a pátria dos pais. A guia, sempre alegre e preocupada fez alguns comentários a respeito do jantar. E enfatizou o costume de se fazer um brinde como faziam os antigos povos nórdicos, da Noruega. Ao levantar o copo com cerveja, a palavra para saudar era Skol que significava saúde e após, deveriam bebê-la de uma só vez. Sem demora o senhor espanhol, erguendo o seu copo, elegantemente e olhando para sua conterrânea à sua frente, proferiu muito compenetrado: Skol, senhora! Ela o olhou um pouco assustada, mas erguendo o copo tocou no do seu companheiro de viagem, repetindo a saudação. Mas não podia desapontá-lo. Deveria retribuir o seu brinde e deixar o copo vazio... A excursão seguiu seu rumo e naturalmente enfeitou e cumulou de surpresas agradáveis e enriquecedoras todos os seus participantes. Como de costume, no final, as despedidas. Os excursionistas educadamente trocavam cartões de endereços próprios e promessas de manterem correspondência. Ou talvez encontros em seus próprios países. Afinal a convivência de poucas semanas propiciara alguns bons e simpáticos conhecimentos. Algum tempo depois, em uma praça de Madri, em uma calçada, viam-se lindos guarda-sóis, enfeitando algumas mesinhas. Um senhor elegante, sentado à frente de um copo de cerveja, aguardava a chegada da excursionista companheira, que o havia encantado na viagem à terra dos seus ancestrais.
  • O Bandeirante - Abril 2014 5 Paixão Aida Lúcia Pullin Dal Sasso Begliomini Das estrelas roubei o brilho e com ele iluminei o nosso caminho. Fugi das trevas e das noites escuras e me aninhei confiante nos braços teus. Senti o calor quente dos teus sussurros urgentes e da tua boca o beijo ardente. Por inteiro me entreguei. Desprevenida que estava, de ti me tornei refém e em sonhos vivi plenamente essa paixão louca. Dentro do meu peito em brasa esse fogo me consumiu por inteira. Em uma noite fria e sem lua De forma abrupta, inesperada tu partiste. Meu coração amargurado sem entender quase parou e minhas lágrimas secaram. Alucinada senti a ausência do chão, desabei. No desespero percebi que na tua fuga desenfreada, carregaste sorrateiramente todo o brilho que das estrelas eu havia roubado. Acordei... Pulei da cama... A praia estava deserta Tal como a minha ilusão... Fui andando na hora certa, Mas, com falha na emoção... A gaivota alçou voo À procura de alimento Para seu jejum quebrar No peixe que vem do mar, Seu permanente sustento. Eu, também, tentei voar Nas asas do pensamento, Mas vi que havia defeito, Talvez, falta de alimento, No sonho que foi desfeito, Que feriu meu sentimento. O sol despontou seus raios Beijando a terra e o mar, Com seu olhar feiticeiro, Para o mundo despertar. Também tentei despertar Para achar meu eu sumido Que deixei p’ra trás um dia, Na ilusão do amor perdido. Na escuridão de minha alma Vi uma centelha acender Como fonte de esperança P’ra minh’alma renascer... Naquela praia deserta Com emoção inda incerta Vi meu eu aparecer... À procura do meu eu Nelson Jacintho
  • 6 O Bandeirante - Abril 2014 SoniaAndruskevicius de Castro Piano na sala As mãos enrugadas Um tímido acorde. Notas enlaçadas Em harmonia Renasce a melodia Alastra-se Incendeia-se Em lembranças indomáveis Em soberbos movimentos Que o coração mobiliza Como se fosse possível Silenciar a saudade. O passado em sinfonia Ela Flerts Nebó Pensamentos Isamar Rizzo Falanga Ele a viu pela primeira vez quando houve uma reunião dos diferentes departamentos da mesma firma onde ambos trabalhavam. Viu-a de longe e ficou impressionado com o seu porte elegante, mas, sobretudo, pelo seu olhar. Quando ela tomou a palavra, encantou-se com o timbre de sua voz e o modo e ternura com os quais apresentou seu trabalho muito bem elaborado e conciso. Procurou saber quem era ela e o que fazia. - É casada, possui curso superior - disse-lhe um de seus companheiros de trabalho. - Então ela pertence ao grupo dos “intocáveis”. - É isso mesmo – completou o informante. Os anos foram passando e só se encontravam nos momentos em que havia aquelas reuniões gerais promovidas pela firma. Havia, como é natural, a troca de cumprimentos gentis e sempre uma ou outra troca de palavras amáveis e formais. Um dia, por mero acaso, ambos chegaram mais cedo ao local da reunião e então, sem haver outras pessoas presentes, puderam conversar mais longamente, falando sobre o que cada um fazia. Assim como os diferentes aspectos e pontos de vista. Sem saber como ou por que, ele sentiu que estava se apaixonando por ela, mas não teve coragem de manifestar seus sentimentos. Diz o ditado: “O homem põe e Deus dispõe”. Outras vezes tornaram a se encontrar e conversando, ele soube que ela enviuvara. Terminaram por se amarem, pois os pensamentos dela e dele estavam sempre um no outro. DEVANEIOS... Quero ficar contente quando ele sai, totalmente indiferente, quando ele volta. Nem alegre, nem triste! Quero navegar outros mares, só precisam ser outros, velhos conhecidos ou não. Sempre descobrimos algo novo em velhos caminhos, quando o nosso olhar muda a direção! Os caminhos podem ser os mesmos, com novos olhares de magia e encantamento! BUSCA... Parei? Cheguei? Não sei! Sinto que não fiz as viagens que viajei. Não enlouqueci as loucuras que vivi. Não senti as palavras que falei. Porque sempre era feriado dentro de mim! O que fazer dos meus sentimentos, se não sei das minhas emoções que há muito tempo estão escondidas? Procuro nas batidas do meu coração? DIVAGANDO... Você critica, desdenha do meu medo, mal sabe que ele me mantém ao seu lado. Medo cruel, que submete, enfraquece, imobiliza! Quando enfim o afasto, ele retorna com novas vestes e fantasias, me acalenta, me protege. Do que o medo me protege? Dos meus sonhos, da minha alegria? Não sei se só ilusões, mas são sonhos, simples assim. O medo me leva para um lugar seguro e frio, confunde a minha mente. A noite é longa e me encontra desperta com suas promessas. Que o dia quando chega leva sem compaixão, desmancha em meio ao barulho das ilusões. E o medo, travestido de segurança por fora é na realidade, por dentro, escravidão!
  • O Bandeirante - Abril 2014 7 Livros em destaque HELIO BEGLIOMINI “Prógonos da Academia de Medicina de São Paulo” Ed.Expressão e Arte - SP Livro concebido com a intenção de contribuir com a história dessa singular e querida entidade. Após pesquisa que demandou dois anos e meio de diuturno e intenso trabalho para vir a lume, essa obra reúne as biografias dos patronos das 130 cadeiras desse centenário sodalício, diversas delas literalmente resgatadas do esquecimento coletivo ocasionado pelos bolores do tempo. Mais uma obra valiosa do autor. Aquisições e contatos: heomini.ops@terra.com.br ROBERTO CAETANO MIRAGLIA “Dicionário Prático das Locações” Editora IOB Thompson - SP É um trabalho que proporciona ao leitor uma visão prática e objetiva dos temas abordados, facilitando o estudo e a pesquisa. A obra é composta de 238 verbetes relacio- nados ao direito imobiliário, com definição, legislação, doutrina, direito comparado e dezenas de jurisprudências de todos os tribu- nais do País, enunciados e ementários do Segundo Tribunal de Alçada Civil de São Paulo. Contém inúmeros modelos de petições e documentos sobre a matéria. Aquisições: www.livrariasaraiva.com.br O trecho abaixo é parte de uma crônica de um dos autores da SOBRAMES-SP, já publicado anteriormente numa de nossas COLETÂNEAS. Você consegue identificar o autor? Resposta na próxima edição. Esta agenda está sujeita a alterações em decorrência de fatores não previstos quando de sua elaboração Endereços e horários Pizzas Literárias: Pizzaria Bonde Paulista. Rua Oscar Freire, 1.597 - a partir de 19h00. Balada Literária: APM - Espaço Maracá - Av. Brigadei- ro Luís Antônio, 278 - 11º. andar - das 18h30 às 22h00 Reuniões de Diretoria: Sede da SOBRAMES-SP na APM - Av. Brigadeiro Luís Antônio, 278 - 7º. andar - Sala 1 - às 19h00 PIZZAS LITERÁRIAS JAN - 16 FEV - 20 MAR - 2O ABR - 24* MAI - 15 JUN - 26* JUL - 17 AGO - 21 SET - 18 OUT - 16 NOV - 13* DEZ - 18 Realizadas na terceira quinta-feira de cada mês *ATENÇÃO Em virtude de feriados, as datas das reuniões de Abril, Junho e Novembro foram modificadas CONGRESSO NACIONAL OUT - 08 a 12 Recife - PE ELEIÇÕES JUL - 17 - Prazo final para a inscrição de chapas concorrentes SET - 18 - Eleição BALADA LITERÁRIA MAI - 30 NOV - 07 COLETÂNEA 2014 FEV Divulgação das regras e início das adesões de autores NOV - 07 Lançamento REUNIÕES DE DIRETORIA Primeira quinta-feira do mês O trecho da edição anterior pertence à poesia “AO QUERIDO, AMADO AMIGO”, de Allita Guimarães Costa Reis, que foi publicada na página 222 da coletânea “A Pizza Literária – décima fornada” (2008). Que tal reler essa poesia na íntegra, além de outros textos de Allita e dos talentosos autores da SOBRAMES daquela edição? Relendo REALIZADO “...Tu eras a joia viva Em corpo esguio engastada, De imaginação ativa, Bom companheiro de estrada, Pura alma abençoada!...” Os componentes da patrulha sabiam o dia e hora da saída, mas não o de retorno à base. Assim, recebiam em seus bornais, além de mapas, bússolas, suprimentos de água, também, como medida de cautela, bolotas em número suficiente para subsistência por dois ou mais dias.
  • MANLIO NAPOLI NA SOMIB No dia 24 de março, Dr. Manlio Napoli tomou posse como presidente da SOMIB (Associação Médica Ítalo-Brasileira). Em cerimônia solene, o membro benemérito da Sobrames- SP comprovou sua vitalidade com projetos científicos, culturais e assistenciais. A presidente da Sobrames-SP, Josyanne Rita de Arruda Franco, foi convidada a se pronunciar, exaltando as qualidades humanísticas do Dr. Manlio, motivo de orgulho e exemplo para todos nós. COM MUITA ENERGIA Bem que a falta de energia elétrica no início da noite tentou atrapalhar a Pizza Literária de março. Sempre animados, situação contornada, os textos foram apresentados com inabalável disposição. Entre muitos convidados, a Sobrames do Maranhão se fez representar pelo seu presidente, Arquimedes Vale, um dos avaliadores dos poemas do prêmio Bernardo de Oliveira Martins a ser entregue na Pizza Literária do dia 24 de abril. Não percam. NOVOS ASSOCIADOS CONGRESSO EM PERNAMBUCO Estão abertas as inscrições para o XXV Congresso Brasileiro de Médicos Escritores que acontecerá de 8 a 11 de outubro em Recife-PE, juntamente com o IX Congresso da UMEAL. Informações no site da regional: sobrames-pe.webnode.com ISAMAR RIZZO FALANGA Odontologia Reside na capital paulista e é natural da cidade de Cruzeiro no estado de São Paulo. Nasceu em 14 de novembro de 1952. Graduada pela Faculdade de Odontologia da USP em 1975, com especialização em Saúde Pública. E-mail: isamar.falanga@uol.com.br MÁRCIA ETELLI NA REBRA A Rede de Escritoras Brasileiras (REBRA) comemorou 15 anos de existência com o lançamento do livro “Lindas Lendas Brasileiras”. A sobramista Márcia Etelli Coelho, além de participar da Antologia, foi uma das homenageadas com o Prêmio “Excelência Literária”. No evento, Joyce Cavalcante, presidente da REBRA, elogiou as atividades da Sobrames-SP, em mais um salutar intercâmbio cultural. BEGLIOMINI LANÇA LIVRO Na Pizza Literária de 20 de março, Helio Begliomini ofertou a todos os presentes seu novo livro “Prógonos da Academia de Medicina de São Paulo” que reúne as biografias dos patronos das 130 cadeiras dessa centenária entidade. Um excelente trabalho de pesquisa e resgate histórico. Para ler e guardar. (veja p. 7) A Sobrames dá as boas-vindas a Isamar, na certeza de que o seu talento literário vem enriquecer ainda mais nossas fileiras.