O Bandeirante 092006

236 views
135 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
236
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O Bandeirante 092006

  1. 1. “Informativo Mensal da Sociedade Brasileira de Médicos EscritoresSOBRAMES-SP - Regional do Estado de São PauloOBandeirante15Ano XV - n° 166 - Setembro de 2006Muitos homens iniciaram uma nova era na sua vidaa partir da leitura de um livro.Henry David Thoreau - escritor, ensaista, poeta e naturalista - (1817-1862)“Com a participação de 30 autoresencerrou-se no último dia 31 deagosto o prazo para adesão àcoletânea “A Pizza Literária - nonafornada”, obra que tem previsão delançamento em novembro. Todas asinformações podem ser vistastambém num BLOG criadoexclusivamente para divulgar acoletâneadurante toda suaprodução. Saiba o que vem sendofeito para tornar essa publicaçãomais um sucesso editorial daSOBRAMES-SP. Veja na página 8.Uma publicação feita porMédicosEscritoresTudo sobre aColetânea 2006O médico urologista Helio Begliominié o único candidato ao cargo depresidente da SOBRAMES-SP para obiênio 2007/2008, encabeçando achapa denominada “Amor àSOBRAMES-SP”. No próximo dia 21de setembro deve acontecer aAssembléia Geral Ordinária ondehaverá a eleição. Saiba o queBegliomini espera de todos osmembros da entidade, além deoutros detalhes sobre a eleição desetembro. Leia as informações napágina 8.Tudo sobre asEleições 2006Suplemento Literáriovem com estes autoresA cada edição procuramos fazer doSuplemento Literário uma mostra doque há de melhor de nossos autores.Neste mês selecionamos textos deJosé R. Louzã, Evanil P. de Campos,Karin S. R. Massaro, Camilo A. M.Xavier, Arary da C.Tiriba, Carlos A.F. Galvão, Alitta G. C. R. R. da Silva,Wilma L. S. Moraes, Mário de M.Faro, Rodolpho Civile e TatianaBelinky. Você é nosso convidadopara participar desta festa de letras,que está nas páginas 3 a 6.De repente recebo umtelefonema: do outro lado da linha o meuconfrade da SOBRAMES-SP, Gimenes, nomede guerra de um guerreiro jornalista.“Jucovsky, você acaba de ser convocadopara apresentar o texto da capa do nossojornal”.Isso é bom, pensei depois dedesligar, é um sinal de dupla mão, daenergia universal que torna o homemgregário e sociável movido sempre pelanecessidade de não estar sozinho.E ainda assim nos grandescentros, populações alienadas vivem emflorestas de concreto, num misto devulnerável contemplação envoltos numtorpor incorpóreo. Imagens casuaisvieram à minha memória em estágios desucessivos sentimentos presentes num lúcido torpor, projetandoentre nuvens apagadas significativos encontros que procuro dequando em vez, com saudades, revivê-los para não esquecê-los.Encontros em venturosos instantes, mesmo distantes,fixaram-se na minha mente sempre com o maior carinho. Vejo-me“de repente, não mais que de repente” em comunhão com líricoscolegas escritores, poéticos trovadores declamando e confessandocomo fiéis e incondicionais amantes da literatura e da poesia.Quem, senão eu mesmo, poderia em pensamento cavalgarna direção de um passado remoto, para me ver numa visão desonhos, retirar das brumas um conjunto de emoções sensoriais doestudante que um dia fui?Relembrando na penumbra de minha juventude, flutuandoletárgico, época colorida onde imperava e só fazia sentido viverna plenitude de se poder estar em toda parte onde tudo pareciaestar sempre impregnado do alegre vital vigor.Fugidias e sinuosas lembranças desaguam indeléveis nocoração do meu eu sensorial, tomando forma de um pulsar fecundoe abrangente dos laços de ternura do passado.EncontrosJosé JucovskyJosé Jucovsky é médico ginecologista - São PauloAinda hoje revelam inspiraçõesinconscientes resultantes da seiva motoradeste universos há muito esmaecido. Ambientefértil, mescla de várias culturas e classes sociaisem tons coloridos, moldam um espaço históricoa conquistar e construir, deixando um legadoespiritual inestimável.Trago ainda hoje na minha pele o cálidosopro impregnado de maresia e poesiaaconchegante e envolvente brando vento,fugaz ou persistente, acariciando a vida compujança, alegria e esperança.Com um longo suspiro de alívio e umaagradável sensação física, chego aocomputador para reproduzir algumas destaslembranças.Idéias e ideais são sempre pessoais;a essência humana e social de quem tenha vividona segunda metade do século passado ou mesmo nos dias de hojetem que buscar, decifrar, ordenar e escrever com vontade ededicação. Adotar critérios de fidelidade, boa-fé e determinaçãoem cada nova geração para que possam introduzir normasequilibradas válidas consolidando fragmentos de leveza espiritualsem deixar de reverenciar o passado.Nosso jornal “O Bandeirante” acolhe e publica as idéiasdos sobramistas desenhando de forma sutíl e perspicaz acomplexidade do ideal coletivo. Representa bens maiores de formalúcida, não só o orgulho democrático como não admiteparcialidades, intolerâncias e preconceitos: é alvo e porta abertaao amor e à sabedoria universal.E, em atenção especial ao pedido do confrade amigo,entre cliques, tiques e toques compulsivos, na paisagem de umanoite fria paulistana, após um dia de trabalho, vou digitando natentativa de lograr atender o telefonema recebido, conscienteque há o momento de parar para o leitor não cansar.
  2. 2. O Bandeirante - ANO XIV - nº 166 - Setembro 2006 - Publicação da SOBRAMES-SP - Sociedade Brasileira de MédicosEscritores Regional do Estado de São Paulo - Sede: Rua Alves Guimarães, 251 - CEP 05410-000 - Pinheiros - São Paulo - SP - telefax (11)3062.9887 / 3062-3604 - Projeto Gráfico e Diagramação: Rumo Editorial Produções e Edições Ltda. - E-mail: rumoeditorial@uol.com.brEditores: Flerts Nebó, Marcos Gimenes Salun. Redatores: Luiz Giovani, Marcos Gimenes Salun. Jornalista Responsável: Marcos GimenesSalun - MTb 20.405 - SP - Correspondência: Av.Prof. Sylla Mattos, 652 - apto. 12 - Jardim Santa Cruz - São Paulo - SP - CEP 04182-010 -E-mail: sobrames@uol.com.br - Diretoria Gestão 2005/2006 - Presidente: Flerts Nebó. Primeiro-secretário: Marcos Gimenes SalunSegundo-secretário: Maria do Céu Coutinho Louzã. Tesoureiro: Milton Maretti. Conselho Fiscal Efetivos: Luiz Giovani, MadalenaJ.G.M.Nebó, José Rodrigues Louzã. Suplentes: Sérgio Perazzo, José Jucovsky, Arlete M.M.Giovani.Matérias assinadas são de responsabilidade de seus autores e não significam, necessariamente, a opinião da SOBRAMES-SPO BandeiranteSetembro 2006Algo sobre independênciaHOSPITAL METROPOLITANOServiços de Pronto-socorroe tratamentos de ambulatório.Rua Marcelina, 441 - Vila Romana - SP(11) 3677.20002LIFE SYSTEMASSISTÊNCIA MÉDICA E ODONTOLÓGICAAvenida Brasil, 598 – Jardim América – SP(11) 3885 – 8000lifesystem@uol.com.brFlerts NebóMEMÓRIA VIVA NA INTERNET - Quem procura informaçõessobre algumas publicações antigas como as revistas O Cruzeiro(1928), O Malho (1902) e Careta (1908) e quiser ver areprodução de artigos e de algumas de suas edições nãopode deixar visitar o site MEMÒRIA VIVA emwww.memoriaviva.com.br. No ar desde abril de 1998, o sitejá recebeu prêmios e elogios da imprensa. Contém aindainúmeras biografias de personalidades ligadas à cultura, àsartes, à literatura e à política, tais como Camara Cascudo,Luz del Fuego, Elis Regina, Heitor Villa-Lobos, MonteiroLobato, Zila Mamede, Nísia Floresta e Gregório de Matos,para citar apenas alguns. Em outro link do site é possível verfotos antigas das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro eNatal. Vale a pena um passeio por esse recanto virtual.ExpedienteEditorial RápidasSuperpizzaSetembro é o mês em que, no dia 7, secomemora a “Independência” de nossa terra...Na realidade o célebre “Grito do Ipiranga” jamaisfoi proferido, não passando de um “gritoliterário”, de algum autor que, infelizmente, nãoconheço. Foi esse autor quem “colocou” na bocado Príncipe Regente a célebre frase“Independência ou Morte!”, quando D.Pedro Ivoltava de Santos, onde fora abafar uma revoltado povo daquela cidade.Todos sabemos que o rei de Portugal, D.João VI, havia recomendado ao filho Pedro, quese encontrava na Regência de nossa terra, que“colocasse sobre sua cabeça a coroa” antes quealgum aventureiro a tomasse.Bem, se o grito existiu ou não poucoimporta, mas o fato é que nunca fomosindependentes!Digo isto porque desde que o Brasilfoi “descoberto” (outra das mentiras inventadaspor algum escritor) alguém colocou na carta dePero Vaz de Caminha: “nela, se plantando, tudodá!”. Isto é um fato e podemos constatarrealmente que “tudo dá”: desde exploradores denossa terra até políticos desonestos. Estes sempreexistiram e continuarão a existir, enquanto o Brasiltiver um território no qual cabem e sobramespaços maiores que toda a Europa junta, eenquanto essa imensidão tiver tantas e tantasriquezas a serem exploradas e “espoliadas”.De qualquer maneira é bom quecomemoremos a nossa “pretensa” Independência,pois o poeta já disse: “Ama com fé e orgulho aterra onde nascestes”. E aqui vai o nosso grito:VIVA O BRASIL AMADO!Resultado sai mês que vemO resultado do desafio literário da SUPERPIZZA nº 14, queteve como tema o mote “Pai e família”, e cujasapresentações aconteceram na Pizza Literária do dia 17 deagosto, será divulgado no dia 20 de outubro, a partir das19h30, na Pizzaria Bonde Baulista, na Rua Oscar Freire 1597.O autor de um dos seis textos sobre o tema que foramapresentados receberá uma garrafa de vinho.Na próximaedição devulgaremos o resultado e publicaremos o textoescolhido por um leitor convidado.ATUALIZE SEU CADASTRO E NÃO PERCA O CONTATO - Sempreque você tiver alterações em seu endereço (residencial ouprofissional), telefones e especialmente endereços de e-mail (o que acontece com muita freqüência), envie-nos asinformações atuais para atualização. Você pode nos enviaras informações para o e-mail SOBRAMES@UOL.COM.BR oupara o endereço da redação deste jornal, indicado abaixo.UNIÃO BRASILEIRA DE ESCRITORES - Fundada em janeiro de1958 a UBE - União Brasileira de Escritores congrega hojemais de 3000 escritores associados em todo o Brasil. Dentreeles existem vários autores que também pertencem àSOBRAMES, em suas várias regionais. No site da UBE emwww.ube.org.br você poderá conhecer inúmeros detalhese informações sobre essa entidade, além de poder associar-se a ela. Há também dezenas de informações de interessede escritores além de links para diversos sites ligados àliteratura. Recomendamos uma visita ao site da UBE.
  3. 3. 3O BandeiranteSetembro 2006SuplementoSuplementoSuplementoSuplementoSuplementoLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioAção e intençãoEvanil Pires de CamposMédico infectologista - Botucatu - SPParaíso perdidoJosé Rodrigues LouzãMédico - São Paulo - SPO paraíso está sempre escondido,passamos toda a vida a procurá-lomas é muito difícil encontrá-loe ele para nós parece perdido!Paraíso, por que fazes assim?Por que na vida nunca te alcançamos?Por que nunca obtemos o que almejamos?Por que esta procura eterna, sem fim?Procurei-te muito, em casas e laresem escolas e hospitais, a esmo,em toda religião e toda grei,procurei-te por todos os lugares,mas estavas, só, dentro de mim mesmo,“paraíso perdido que eu achei!” **Guilherme de Almeida, do livro “Poesia Vária” - As chaves de ouroA intenção não demanda a açãoPossui, creio, parca e tênue interaçãoO propósito verdadeiro, concebe.No coração, o intelecto embebe.A perspicaz percepção ativada,Da ação ignara foge imaculada.Na face, os olhos singelos do atoMostram a imagem real do fato.Na fala, a expressão fugaz e servilRevela a real volição ocultaNo volúvel e débil frase estulta.O escárnio entrevê o covil e o vilA falsidade posta no gesto, proveraIlídima ação e/ou núbil intenção vera.do livro “Florilégio Poético e crônicas Seletas - 2000Anjo blindadoKarin Schmidt Rodrigues MassaroMédica hematologista - São Paulo - SPComo não poderia ser,fui afetada.Sua fascinação.Seu gesto.Sempre.Helpless.Homeless.Sou homeotérmica.Febres me tomam.Queimo em pensamentos.Minhas pernas trememe me apertam.Alta freqüência.Danço até cair.Mas você é indecifrável.Não é permitido.Anjo blindado.Blind!Eu falo estranhos sinais,estranhas palavraspara lhe aguçar.Mas Deus!Você não falou,pois é proibido.Desencantada, estou.Eu, a obcecada,preciso de um tempopra me recompor.OficinaCamilo André Mércio XavierMédico ortopedista - Ribeirão Preto - SPa oficina para você treinar o olhartem um furo no fundo da lataa superfície é lisao buraco é estreitomas não impede visão amplavocê vê imagens novastransformadassoltas simples despojadasquase aladasleve descuidoaltera tudoa luz fica escassavocê não divisa mais nadatudo vira sombraseu universo fica escurovocê fica perdidopara voltar a enxergarvocê tem que re-aprender etreinara fixar seu olharpara dentro de si mesmoe acreditarque você deve sero principal foco de seu treinado olhar.
  4. 4. 4O BandeiranteSetembro 2006 SuplementoSuplementoSuplementoSuplementoSuplementoLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioA medicina literáriade Fernando NamoraArary da Cruz TiribaMédico infectologista - São Paulo - SPLiteratura médica é uma expressão corrente,a qual tenho repudiado. Para mim, literatura é aexpressão artística das letras, em prosa ou poesia, ondeestá embarcado o sentimento, enquanto que amensagem médica, em oposição, e necessariamente,é objetiva e fria. Por isso, à literatura médica, prefirochamar ‘comunicação médica’ ou ‘imprensa médica’,mas estou certo de estar sozinho nessa defesa. Umsinônimo, esquecido, soaria mais em sintonia queliteratura médica: ‘letradura’ médica.Na defesa solitária da observação que acabo deformular, aponto aquilo que se identifica como medicinaliterária. Aí, sim, inscrevem-se os médicos-literatos,os escritores não-médicos que têm preenchido páginaselegantes sobre temas médicos ou sobre biografias demédicos.A reunião de julho 2006 da Sociedade Brasileirade Médicos Escritores, denominada ‘Pizza Literária’ foidedicada a escritores consagrados. Escolhi FernandoGonçalves Amora, médico e escritor português (1919-89). Fernando Amora em ‘Deuses e demônios damedicina’ elegeu 20 médicos, vinte paradigmas. Dentreeles pinço alguns episódios sobre Robert Koch,descobridor do bacilo de tuberculose, fonte dos‘postulados de Koch’, produtor da tuberculina edescobridor, também, do vibrião colérico. Não medeterei nos sucessos do Nobel-1905, mas repetireiFernando Amora.Quando menino, Koch achou entre os pertencespaternos uma lupa, descoberta logo disputada entre osirmãos, mas barganhou-a pela coleção de selos. Passouentão a estudar as formas exteriores e interiores deanimaizinhos. Seu quarto cheirava a ratos, rãs esalamandras; seu refúgio, para os parentes, passou aser indesejável menos para a pequena Emy, horrorizadacom os bichos, mas entusiasmada com as descobertas.Quando no campo, deitada na relva, admirava comternura, o adolescente excêntrico e sonhador. Manteve-se, até então, a fã incondicional.Em 1862 ingressou, Koch, na Universidade deGottingen para estudar medicina. profissão que exerceupor pouco tempo: sua vocação para a pesquisa na áreadas ciências naturais foi mais forte; abandonou oexercício galênico. Pretendia ajudar os necessitados,de outra forma, indagando e descobrindo causas dedoenças e respectivos meios de prevenção.Emy finalmente casou-se com o homem queamara desde a infância. Mas a continuidade dos hábitosde seu marido − habitante permanente do laboratório −levou à mudez de Emy e ao esfriamento do matrimônio.Ele não a fizera companheira; ela não realizara afelicidade com que sonhara. O romance se extinguiucom o divórcio.Passo a episódio outro. Pasteur e Koch foramconvidados pelo governo do Egito para estudare controlar a epidemia da cólera que dizimavaos descendentes dos coptas. Pasteur, quedesdenhava os alemães, recusou. Ademais,para elucidar a questão seriam bastantes doisde seus assistentes, Thuillier e Roux. Assim,os três se empenharam nas investigações. Os franceseschegaram a anunciar a descoberta do agente da cólera oque não passava de artefato microscópico, enquanto,Koch, imperturbável, já identificara o vibrião virulento. Aessa altura Thuillier tinha contraído a cólera, estava àmorte; Koch foi visitá-lo. Thuillier, ainda consciente,balbuciando, interrogou: ‘era.. o bacilo ...da... cólera?’Responde Koch: “sim, era. Você o descobriu”.Koch, depositou coroas sobre a sepultura: ‘elassão muito simples, mas são de louros, como se dão aosbravos’.Mais tarde, depois de estacionar na Índia,devotado sempre à ciência, extasiou-se diante de umretrato num cavalete; o da rapariguinha fresca e loira, deolhos curiosos; Hedwig Freiburg, em pessoa, viria adesfazer a solidão do valoroso combatente.Ainda tentou recuperar, com argumentos, suacrença na cura da tuberculose pela tuberculina. Quandoadoeceu pediu para que o levassem para um lugar ondehouvesse floresta e o céu imenso. Morreu dias depois naFloresta Negra.A Ordem dos Médicos de Berlim inscreve na‘Medalha Robert Koch: “Das pequenas coisas do Mundocrias, tu, a tua grandeza”.São Paulo pode ParáCarlos Augusto Ferreira Galvão*Médico psiquiatra - São Paulo - SPTodas as terras têm um encantoPara vê-los basta ter raciocínioOs do Pará te envolvem como um mantoPois é a terra cujo nome é fascínioCada terra tem sua particularidadeA cultura, a dança, a comida, a tradiçãoO Pará é a seara da alacridadeDe um povo que pensa com o coraçãoA SOBRAMES de São Paulo é vibranteTem mineiro, argentino e até paulistaTambém Evanir, Luiz Jorge e Josyanne à vistaRepresentantes de um Pará brilhante.* Carlos Galvão também é paraense e completa o timede escritores desse Estado, membros da SOBRAMES-SP.Esta poesia é uma das muitas “poesias de guardanapo”escritas pelo autor durante as reuniões da Pizza Literária.
  5. 5. O BandeiranteSetembro 20065SuplementoSuplementoSuplementoSuplementoSuplementoLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioValsaAlitta Guimarães C.R.R.da SilvaMédica psiquiatra - São Lourenço - MGDo Danúbio Azul aos Bosques deViena bastavam apenas alguns passos,alguns rodopios. As maiores distâncias,naquela noite, sumiam sob os seus pés.A vertigem da valsa corava de carmim, fazia brilharos rostos. Seus pés marcavam, levemente, e se soltavam,puro encanto. Maravilha! Até quem não sabia valsar seempolgava e ia para a pista, a início tímido, depoistambém fazendo bonito. Incrível noite! Em tonturas, comose tivessem tomado champanhe, felizes, elas valsavam.Embalados pela música, quase hipnotizados, mas fortes,eles valsavam.Os pés voavam e giravam, os corações pulsavam,faltava-lhes até o ar, de vez em quando. Então, eranecessário ir para fora, nas varandas, e de lá assistir,descansando, os pares rodopiando em sincronia, juntos enum grande círculo. Após respirarem fundo, disfarçaremo brilho do rosto, conterem a excitação crescente, eratempo de voltar e valsarem de novo todos, vertiginososrodopios. Era pura mágica, todas elas estavam lindas esoltas, todos eles elegantes e com ar de caçadores. Epara todos, o tempo se soltava dos relógios,passava célere, voava e também valsava,esquecido de quem era, com pés envoltos emfantasia, mal tocando o chão. Envolvia os paresenlaçados, deixava um gostinho de eternidadenos olhares e toques de mãos.E o tempo valsava, distraído, com todos,esquecia-se de passar. Até que, de chôfre, voltouvelozmente aos relógios, abalando todos em seu transe.Recolheram suas coisas, foram embora tristemente,envolvidos pela saudade dos fatos recentes e por um luarde alumínio. Sabiam todos que o encanto não se repetiria,quem sabe tão cedo, quem sabe nunca mais.Os pés, antes cheios de leveza, pesaram nos passos,começaram a doer, voltando para casa cheios de mávontade. Mas nos ouvidos ainda ressoavam as melhoresvalsas.Um ou outro, apesar da chuva fina, apesar da horatardia e do visível cansaço, mesmo sem par, ainda valsavamnas ruas.Os outros, ah, os outros, que ainda se despediam,olhavam aquilo e sorriam nostalgicamente, talvezpensando como Capuleto: “For you and I are past ourdancing days” (Shakespeare, 1564-1616, “Romeu eJulieta”, Ato I).Onde o viverWilma Lucia da Silva MoraesMédica anestesiologista - Americana - SPDe sonhos vivi,quando em ti celebrei o prazer,ao te buscar no amor.Da dor não morri,quando de ti me afastei,a fugir deste amor.Na lembrança encontrei,razão de viver na ilusão,de tua presença viva, ainda.Meu sofrer apaziguei,quando em ti busquei,paz no teu conforto.Os sentidos acalmeiquando sem tua luzfoi um buscar inconstante,de apenas instantes,para alimento d’almaaplacando a fome de ti.Buscando o viver,entreguei-me à lembrança,e te encontrei em mim.Coletânea desentenças médicasMário de Mello FaroMédico pneumologista - São Paulo - SP“O peso da vida não é mensurável.”“A árvore da vida não tem folhas e nem galhos.”“A vida é como um açude: quando cheio, transborda.”“A boca é a porta de entrada do exagero.”“A gordura não é saúde, é peso somente.”“Os suores frios não se aquecem com facilidade.”“O sangue azul dos fidalgos é vermelho.”“O nó cego é sempre visível.”“A queda da pressão não é uma cascata.”“Os nervos de aço são frágeis. E não enferrujam.”“O pulmão é a Amazônia do ser humano.”“A catarata é a queda da visão.”“Não há agasalho que acabe com aquele frio nabarriga.”
  6. 6. 6O BandeiranteSetembro 2006 SuplementoSuplementoSuplementoSuplementoSuplementoLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioPedro e PauloRodolpho CivileMédico - São José dos Campos - SP“Tu é Pedro e sobre esta pedraedificarei a minha Igreja, e as portas do inferno nãoprevalecerão contra ela. E Eu te darei as chaves do reinodos céus, e tudo o que ligares sobre a terra, será ligadotambém nos céus”.E Paulo... Perseguindo os cristãos ao aproximar-sede Damasco, subitamente o cercou uma luz vinda do céu.E caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: “Paulo,Paulo, por que me persegues?”. Mas... Não cabe aqui, aum simples e modesto escrevinhador de poucas palavras,descrever e comentar o apostolado destes dois queridosdiscípulos de Jesus Cristo...Limita-se, na saudosa reminiscência de outrostempos... Tempos idos e vividos que não voltarão mais...Lembranças de um bairro, de gente que ali viveu, trabalhoue sofreu, semelhante a todo mortal em qualquer tempo eem qualquer lugar... Conheceu bem de perto as agrurasdos seus semelhantes, tentou dar-lhes, como médico, umpouco de paz, saúde e amor. Se conseguiu, ainda nãosabe... De novo, o estalo e as imagens dos irmãos Pedroe Paulo. Vindos do norte para tentarem melhorar de vidaem São Paulo. Doce ilusão... Escolheram o bairro dosimigrantes calabreses, o Bexiga, que os recebeu de braçosabertos. Modestamente, se arrumaram num cortiço daRua Conselheiro Carrão. Pedro, mais capacitado, arranjouemprego como pedreiro numa construtora. Não perdeutempo e, logo, amasiou-se com uma cabrocha da Vai-Vai.Amor à primeira vista e, de samba em samba, ia tocandoa vida da melhor maneira possível. Pouco dinheiro, masmuito entusiasmo, alegria e vontade de vencer.Paulo, ao contrário, apesar de forte, alto,musculoso, carregava nas suas costas e na sua cabeça oretardo que o atingiu desde criança. Raciocínio lento,arrastado, falava pouco, entrecortado, reflexosdiminuídos. Olhos parados, sem brilho, lábios caídos, semvida. Para comer, trabalhava como carregador de pacotes,encomendas do açougueiro, do padeiro, do vendeiro.Ajudava nas feiras, as mulheres nas compras, lavavaquintais e carros e recebia em troca, algumas miseráveismoedas. Mal e mal conhecia os números e algumaspalavras. E, assim, ia arrastando a sua sina, sem outraspretensões. Não se queixava e nem se revoltava quandoa criançada o chamava de bobo e, os adultos, de idiota.Já se acostumara com os impropérios. Às vezes, procuravao padre Carmelo, da Igreja de Nossa Senhora Achiropita,para saber por que Deus o tinha esquecido e recebia dosacerdote palavras de conforto, compreensão e amor:“Meu filho! Deus não se esqueceu de você! As privaçõesque você está passando agora serão recompensadas naeternidade, no Paraíso, onde estão os justos, os bons!Deus, na Sua misericórdia, estará sempre ao seu lado!”Paulo baixava a cabeça, beijava a mão do sacerdotee, lentamente, se retirava, com as lágrimas descendopelo rosto. E continuava na sua vidinha... Na sua labuta,com muito trabalho e perseverança, dentro dos limitesde sua capacidade intelectual. Paulo, freqüentemente,lavava o piso da casa lotérica “Felicidade”,situada nas esquinas das ruas ConselheiroRamalho e Manuel Dutra. Recebia algumasmoedas e frações de bilhetes da loteriafederal. De tanto ser chamado de “burro” e“bosta de vaca” pelo irmão Pedro, Paulo pediue ganhou do dono da lotérica, pedaços de “burro” (números09, 10, 11 e 12) e da “vaca” (97, 98, 99, 00).O destino e a sorte são caprichosos... Não deu outra:1º prêmio, o “burro” com o número 10, 2º prêmio, a“vaca” com o 99 e os milhares acompanhando os bilhetespremiados. Foi uma emoção para um pobre retardado...Custou-lhe a acreditar que fosse o abonado pela sorte.Recebeu a “Bolada” de dinheiro meio aparvalhado e,aconselhado pelo dono da lotérica, abriu uma cadernetade poupança na Caixa Edonômica Federal. Que mudançana sua vida! comprou algumas roupas e sapatos. Cortouo cabelo à “americana”. Com outro visual, aparentavaser outro homem... E agora? E o trabalho? Continuar comobiscateiro? Não tinha mais necessidade...Abrir uma firma?Não tinha capacidade e nem tirocínio. Procurou o irmão,que lhe deu vários palpites, inclusive o de administrar osseus bens. Desconfiado, não cedeu aos conselhosfraternais, mas aceitou de imediato, convencido da vozmelíflua de Marcolina, a amante de Pedro: “Você precisagozar a vida! Que adianta ter dinheiro se você não sabeaproveitá-lo?A vida é curta... Você agora é outro homem.Eu sei como deixá-lo feliz!”O resultado foi extraordinário!Paulo e Marcolinasumiram do Bexiga com a deliciosa finalidade de gozar avida. Pedro ficou a “ver navios”. Tempos depois, Pauloretornou ao Bexiga, tão pobre quanto era antes, espoliadopela cabrocha. O dinheiro? “O vento levou”... “Mondocane”... Roubar de um pobre diabo! Destino cruel de certascriaturas... Vieram ao mundo só para sofrer... O tempopassou e com ele os nossos sonhos... Hoje, ao recordar afigura dolente de Paulo, não consigo segurar as minhaslágrimas...Limeriques para SOBRAMESTatiana BelinkyEscritora - São Paulo - SPEu quero que este limeriqueA minha opinião comunique:o que eu sei bemé que não há quemO charme da Pizza expliqueDoutores de corpos e de almas(‘té dores de amor deixam calmas!)Médicos autoresPoetas escritores,Merecem aplausos e palmasRepleta de alegres “etcéteras”Viceja a Pizza das Letrasséria e hiláriafesta extraordináriaQue viva a Pizza Literária!
  7. 7. Arlinda Lamego convida para a noite de autógrafos elançamento de seu mais novo livro, “A Poética das Emoções”.O evento acontecerá no dia 28 de setembro, às 19h30, noCentro Cultural APSEN, na Casa da Fazenda do Morumbi(Av.Morumbi, 5554) e marca também a abertura da exposiçãode telas da médica Lindinalva Borges. A exposiçãopermanecerá aberta ao público de 29 se setembro a 15 deoutubro, de terça a sábado das 12h00 às 20h00 e domingosdas 12h00 às 18h00. Informações (11) 3739-5110 ou pelo e-mail arlindalamego@uol.com.br Atividades até o final de 2006O BandeiranteSetembro 2006 7Restando pouco mais de três meses para o final doano e também da gestão 2005/2006 da atual diretoria, aSOBRAMES-SP ainda tem muita coisa a ser feita. Anote emsua agenda as atividades programadas até dezembro e nãodeixe de participar.AgendaRegistroConferência de Begliomini no RJHelio Begliomini proferiu no dia 31 de agosto, a convite doProf. Dr. Ronaldo Damião, titular de urologia da Universidadedo Estado do Rio de Janeiro, uma conferência cultural nainsigne Academia Nacional de Medicina, sediada na cidademaravilhosa, sobre o “O Médico e a Arte de Escrever”. Alémdos acadêmicos da vetusta instituição estiveram presentes,prestigiando o evento, os seguintes confrades cariocas daSOBRAMES-RJ e da Abrames: Abílio Kac, Luiz Gondim deAraújo Lins, Zilda Cormack e Tito de Abreu Fialho.Arlinda no Centro Cultural APSENENDOMED MEDICINA LABORATORIALSede:Av.Eng.GeorgeCorbisier,746Pq.Jabaquara-SPCAC0800-170-004E-mail: endomed@terra.com.brO envio de notícias, publicações ou informações sobre lançamentos de livros para a redação do jornal“O Bandeirante” pode ser feito para um dos seguintes endereços: Redação: Av. Prof.Sylla Mattos,652 - apto.12 - Jardim Santa Cruz - São Paulo - SP - CEP 04182-010 * Sede: Rua Alves Guimarães,251 - Pinheiros - São Paulo - SP - CEP 05410-000Autores no Congresso de UrologiaDurante o IX Congresso Paulista de Urologia realizado de 06 a09 de setembro no Hotel Gran Meliá, em São Paulo, doisautores da SOBRAMES-SP lançaram novos livros. Paulo Rodarteapresentou ao público “Resmundos e Gracejos”, seu novolivro de contos e crônicas. Helio Begliomini lançou a obra“Urologia, Vida e Ética”, que contém estudos, ensaios,artigos e pareceres sobre ética médica escritos pelo autornos últimos vinte anos. Maiores informações sobre a obrados dois autores, ou aquisição das mesmas poderá ser feitoentrando-se em contato com Paulo Rodarte pelo e-mailpera@navinet.com.br e com Helio Begliomini pelo e-mailheomini.ops@terra.com.br. A Ambos os parabéns.Endereços, horários e referênciasPizza Literária: São realizadas na Rua Oscar Freire, 1597 -Pizzaria Bonde Paulista - a partir de 19h30Reunião de Diretoria: São realizadas na sede dasociedade, na Rua Alves Guimarães, 251 - a partir de 20h30Mais livros na estante da SOBRAMESRecebemos na redação três novos livros recém-editados pornossos confrades. São eles: “Considerações sobre a obra deMachado de Assis” - ensaio de Evanil Pires de Campos, ediçãodo autor que poderá ser contactado para aquisições emaiores informações pelo e-mail btclaipi@terra.com.br. DeThereza Freire Vieira, também edição da autora, recebemoso romance “O Castelo de Pedra e as Cerejeiras em Flôr”.Para aquisições do livro e contato com a autora escreva paraR.29 de Agosto, 177 - Jd.Morumbi - Taubaté - SP - CEP. 12060-410. Recebemos ainda o romance “De Quem a Culpa...?”, deNelson Jacintho, FUNPEC Editora. Informações e contatoscom o autor: njacinto@convex.com.br.05.09.2006 Reunião de diretoria21.09.2006 194ª Pizza LiteráriaAssembléia Geral Ordinária.Eleições de diretoria para biênio 2007/2008.03.10.2006 Reunião de diretoria.19.10.2006 195ª Pizza LiteráriaPremiação da 14ª SuperpizzaDivulgação do tema da próxima Superpizza07.11.2006 Reunião de diretoria16.11.2006 196ª Pizza Literária15ª Superpizza (apresentação de textos)ESPECIAL em NOVEMBRO, em dia a confirmar:Lançamento da coletânea“ A Pizza Literária - nona fornada”05.12.2006 Reunião de Diretoria21.12.2006 197ª Pizza LiteráriaEntrega do PRÊMIO BERNARDO DE OLIVEIRAMARTINS (poesia) e do PREMIO FLERTS NEBÓ(prosa) - edição 2005/2006.Transmissão de cargos para a DiretoriaEleita para o biênio 2007/2008.Entrega dos prêmios em dezembroConcursosPara melhor adequar sua agenda de atividades, adiretoria da SOBRAMES-SP decidiu, em sua reunião do últimodia 5 de setembro, que a entrega dos prêmios de prosa epoesia de 2005/2006 será realizada no dia 21.12.2006. Naúltima Pizza Literária do ano serão anunciados: vencedor do“Prêmio Bernardo de Oliveira Martins”, para a melhor poesiado ano, e mais duas menções honrosas; vencedor do“Prêmio Flerts Nebó”, para o melhor texto em prosa doano, e mais duas menções honrosas.Estão participando do concurso de prosa, que chegaesta ano à sua sétima edição, todos os textos apresentadosnas Pizzas Literárias entre agosto de 2005 e junho de 2006.Da nona edição do concurso de poesias participam aquelasapresentadas no período de novembro de 2005 a outubrode 2006. São convidados para compor o juri dessesconcursos, confrades de outras regionais da SOBRAMES, queoportunamente serão anunciados neste jornal.Recebemos na caixa do correioDe Daniel Marun (Lençóis Paulista-SP) convite paralançamento da coletânea “Emoções na Trajetória de umMédico” - 23.09.2006; do Conselho Regional de Contabilidade(Departamento Cultural-SP) convite para recital de violão deRafael Altro e exposição de Gil Sabino - 13.09.2006; daSOBRAMES-PE a edição nº 33, de setembro 2006, do BoletimSOBRAMES editado por aquela regional. Registramos aindavários e-mails recebidos em sobrames@uol.com.br.
  8. 8. 8O BandeiranteSetembro 2006O Dr.Helio Begliomini, médico urologista que jáocupou a presidência da SOBRAMES-SP (1992-1994) etambém a da SOBRAMES Nacional (1998-2000), além dediversos outros cargos na diretoria de ambas, foi o únicocandidato a apresentar a inscrição de uma chapacompleta para concorrer às eleições de setembro de 2006,para o comando da SOBRAMES-SP durante o biênio 2007-2008, conforme determina o Estatuto da Sociedade.Com o nome de “Amor à SOBRAMES-SP”, a chapaé assim composta: Presidente: Helio Begliomini; Vice-presidente: Josyanne Rita de Arruda Franco; Primeira-Secretária: Maria do Céu Coutinho Louza; Segundo-Secretário: Evanir da Silva Carvalho; Primeiro-Tesoureiro: Marcos Gimenes Salun; Segunda-Tesoureira: Lígia Terezinha Pezzuto; Conselho Fiscal -Titulares: Flerts Nebó, Arary da Cruz Tiriba, Luiz JorgeFerreira; Conselho Fiscal - Suplentes: CarlosA. FerreiraGalvão; Geovah Paulo da Cruz; Helmut Adolf Mataré.As eleições serão realizadas durante aAssembléia Geral Ordinária convocada para o dia 21 desetembro de 2006. Poderão votar os Membros Titulares,Acadêmicos e Colaboradores quites com a tesouraria daentidade e os Membros Eméritos, Honorários eBeneméritos. O edital de convocação foi publicado nasedições de julho e agosto deste jornal e espera-se aparticipação de todos neste importante momento demanifestação democrática da liberdade semprepreservada pela SOBRAMES-SP.EleiçõesEleja a nova diretoriapara o biênio 2007/200830 autores presentes nestaedição da obra paulistaEsgotado o prazo de adesão em 31 de agosto, foiregistrada a participação de 30 autores na coletânea “APizza Literária - nona fornada” organizada pelaSOBRAMES-SP e que neste ano será publicada pela RumoEditorial Produções e Edições Ltda.Confira a lista dos escritores: Alcione AlcântaraGonçalves (Tupã-SP); Arlete Miranda Mazzini Giovani(São Paulo-SP); Carlos José Benatti (São Paulo-SP);Evandro Guimarães de Sousa (São Paulo-SP); EvanilPires de Campos (Botucatu-SP); Evanir da Silva Carvalho(São Paulo-SP); Fernando Batigália (São José do Rio Preto-SP); Flerts Nebó (São Paulo-SP); Guaracy Lourenço daCosta (Araraquara-SP); Helio Begliomini (São Paulo-SP);Hélio José Déstro (São Paulo-SP); HelmutAdolph Mataré(Bertioga-SP); Humberto Golfieri Jr. (Cascavél- PR); JoséJucovsky (São Paulo-SP); José Rodrigues Louzã (SãoPaulo-SP); Josyanne Rita de Arruda Franco (Jundiaí-SP); Luiz Giovani (São Paulo-SP); Luiz Jorge Ferreira(Osasco-SP); Manlio Mario Marco Napoli (São Paulo-SP);Marcos Gimenes Salun (São Paulo-SP); Maria VirgíniaBosco (São Paulo-SP); Mélida Francisca VelascoCassanello (São Paulo - SP); Nelson Jacintho (RibeirãoPreto-SP); Rodolpho Civile (São José dos Campos-SP);Rubens Paulo Gonçalves (São Paulo-SP); Sérgio Perazzo(São Paulo-SP); Sônia Regina Andruskevicius de Castro(São Paulo-SP); Thereza Freire Vieira (Taubaté-SP);Walter Whitton Harris (São Paulo-SP) e Wilma Lúcia daSilva Moraes (Americana-SP).No momento os trabalhos encontram-se em fasede confirmação da quantidade de textos com que cadaautor está participando, bem como o de assinatura decontrato e pagamento das quotas de participação. Nospróximos dias, concluída a fase atual, os autoresreceberão seus textos já editorados, para efetuarem arevisão e aprovação final.Você poderá acompanhar todas as etapas sobre acoletânea no BLOG criado especialmente para a obra,onde constam informações sobre as fases de produção,além de informações sobre as outras oito edições. Visite:http://coletanea2006.blogspot.com.Em breve a diretoria estará definindo a data elocal de lançamento da obra. Cada autor receberá umlote de convites para que distribua a quem queiraconvidar para essa ocasião. A recepção para o dia dolançamento já vem sendo planejada pela diretoria daSOBRAMES-SP e pela Rumo Editorial. Maiores detalhesserão divulgados oportunamente a todos, através destejornal e também de comunicados por e-mail ou por notasdivulgadas no BLOG da COLETÂNEA.Certamente a nona edição dessa série decoletâneas que vem sendo publicada pela SOBRAMES-SPdesde 1990 será mais um grande marco editorial nahistória das publicações da regional paulista, graças aotalento dos autores participantes e à seriedade eexcelente qualidade das produções.ColetâneaEmpenho e colaboração detodos é muito importanteO Dr.Helio Begliomini tem participado dasreuniões da atual diretoria, na condição de candidato etambém como colaborador. Em todas as oportunidadesHélio tem se manifestado bastante animado e ao mesmotempo apreensivo com o novo desafio que terá queenfrentar caso se confirme sua eleição.Entusiasta e amante inveterado da SOBRAMESde longa data, tendo participado inclusive da fundaçãoda regional Paulista, Begliomini prevê que haverá muitotrabalho pela frente e espera contar com a colaboraçãode todos os membros para a obtenção de um bomresultado. Conta também com o empenho de todos osdiretores que estarão consigo na direção da associaçãodurante dos próximos dois anos, caso seja confirmadasua eleição: “Acho que, independentemente do cargoque ocuparem na diretoria, todos devem se empenharpara dividir tarefas, executar trabalhos e colaborar noque for possível para o progresso e para o bem daSOBRAMES-SP. Isso é extensivo a todos os demaismembros da entidade, mesmo não estando na diretoria.”- ressalta Hélio Begliomini.

×