Uma velhacanção deJobim“Informativo Mensal da Sociedade Brasileira de Médicos EscritoresSOBRAMES-SP - Regional do Estado d...
O Bandeirante - ANO XIV - nº 159 - Fevereiro 2006 - Publicação da SOBRAMES-SP - Sociedade Brasileira de MédicosEscritores ...
Murmúrios3O BandeiranteFevereiro 2006SuplementoSuplementoSuplementoSuplementoSuplementoLiterárioLiterárioLiterárioLiterári...
4O BandeiranteFevereiro 2006 SuplementoSuplementoSuplementoSuplementoSuplementoLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioLiterár...
O BandeiranteFevereiro 2006 5SuplementoSuplementoSuplementoSuplementoSuplementoLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioLiterár...
6O BandeiranteFevereiro 2006 SuplementoSuplementoSuplementoSuplementoSuplementoLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioLiterár...
Chegou também na redação a edição de dezembro de 2005da revista “Destaque Metropolitano”, da cidade de Santos,que comemora...
É tempo de contribuir,pagando a anuidade de 2006XXI Congresso Nacional:inscrições vão até dia 15Até o próximo dia 15 de fe...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

O Bandeirante 022006

187 views
100 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
187
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O Bandeirante 022006

  1. 1. Uma velhacanção deJobim“Informativo Mensal da Sociedade Brasileira de Médicos EscritoresSOBRAMES-SP - Regional do Estado de São PauloO BandeiranteUma publicaçãofeita porMédicosEscritores15Ano XIV - n° 159 - Fevereiro de 2006Suplemento LiterárioSuplemento LiterárioSuplemento LiterárioSuplemento LiterárioSuplemento LiterárioNão deixe de apreciar ostalentos desta ediçãoMarco Antonio Fabiani,Aldo Miletto, Josef Tock,Mário de Mello Faro, Geováh Pauloda Cruz, Thereza Freire Vieira,Alcione Alcântara Gonçalves, CarlosJosé Benatti, Arlete M.M.Giovani,Hélio José Déstro.Os livros têm os mesmosinimigos que o homem: ofogo, a umidade, osbichos, o tempo; e o seupróprio conteúdo.Paul Valéry (1871-1945), inLiteratura“ Sabe aquele seu colegacardiologista, que vivefalando do coração emversos? Traga-o para aSOBRAMES-SP!Sérgio PerazzoAcordo sem motivoaparente na madrugada deverão. Mais que alucinaçõesauditivas, mais que a voz desonhos perdidos, alguns acordesda memória. Um samba-cançãodo Tom com mais umadeclaração de amor do Viníciuscomo letra.Vem de longe, vemde dentro, lá dos anos 50, umacolagem de frases: “...eu sei evocê sabe que a distância nãoexiste...assim como viver semter amor não é viver... não há você sem mim e eunão existo sem você.”Não sei bem porque, nesse trem decoisas, nesses vagões associativos que nostransportam para não se sabe onde, lá fui euaterrisar bem no meio da mesa em “u” das nossas“Pizzas Literárias.”Escuto nossas risadas. Algumas piadas.Meia dúzia de avisos. Pequenas homenagens.Descontração e até um pouquinho de formalidade.Faz parte da festa.De repente, como um rio a murmurar,uma corrente cristalina de poesias, contos,crônicas, ensaios, sátiras, textos de guardanapos.De novo um outro vagão da memória elá estou, também na madrugada, nos plantões depronto-socorro há mais de 30 anos, naquela horadeserta em que até o sofrimento dá uma folga eem que nós, o pessoal daquele turno, vamos todospara a cozinha tomar café requentado e comerpão dormido.É a hora da verdadedesarmada. Hora de nãosentir sono. Algumasconfidências, algumaspiadas, alguns causos,algumas risadas no intervalodo circo de horrores, quefingimos não ser horror, dasemergências que manchamde sangue o nosso uniformebranco. E a gente pensavaque ia somente praMaracangalha!Ficamos felizesquando conseguimos dar um tempo. Adiar a mortepara depois de amanhã. Lutamos a cada minutocontra o embrutecimento que esta guerraconstante e inglória, que esta formolização deanfiteatro de anatomia nua e crua, que estaarmadura de cruzados enfiada goela abaixo, tentaafastar qualquer vestígio de uma perspectivapoética de viver. Mesmo assim sobrevivemos.Mesmo cercados por todos os lados pelo lodo dasdesigualdades sociais. Sobramizamos.Por isso a mesa em “u” com um ladoaberto para a entrada da poesia, do conto, dacrônica, do ensaio, da sátira, do texto deguardanapo, convivas retardatários emborasempre a tempo, cabelos brancos, um poucomancos, talvez, mas que não nos faltam jamais,pulverizando qualquer distância numa trajetóriade amor que dá sentido ao viver. Não há vocêsem mim. Tenho certeza. Eu sei e você sabe.Sérgio Perazzo é médicopsicodramatista em São Paulo
  2. 2. O Bandeirante - ANO XIV - nº 159 - Fevereiro 2006 - Publicação da SOBRAMES-SP - Sociedade Brasileira de MédicosEscritores Regional do Estado de São Paulo - Sede: Rua Alves Guimarães, 251 - CEP 05410-000 - Pinheiros - São Paulo - SP - telefax (11)3062.9887 / 3062-3604 - Projeto Gráfico e Diagramação: Rumo Editorial Produções e Edições Ltda. - E-mail: rumoeditorial@uol.com.brEditores: Flerts Nebó, Marcos Gimenes Salun. Redatores: Luiz Giovani, Marcos Gimenes Salun. Jornalista Responsável: Marcos GimenesSalun - MTb 20.405 - SP - Correspondência: Av.Prof. Sylla Mattos, 652 - apto. 12 - Jardim Santa Cruz - São Paulo - SP - CEP 04182-010 -E-mail: sobrames@uol.com.br - Diretoria Gestão 2005/2006 - Presidente: Flerts Nebó. Primeiro-secretário: Marcos Gimenes SalunSegundo-secretário: Maria do Céu Coutinho Louzã. Tesoureiro: Milton Maretti. Conselho Fiscal Efetivos: Luiz Giovani, MadalenaJ.G.M.Nebó, José Rodrigues Louzã. Suplentes: Sérgio Perazzo, José Jucovsky, Arlete M.M.Giovani.O BandeiranteFevereiro 2006Lado a lado outra vezHOSPITAL METROPOLITANOServiços de Pronto-socorroe tratamentos de ambulatório.Rua Marcelina, 441 - Vila Romana - SP(11) 3677.20002EditorialLIFE SYSTEMASSISTÊNCIA MÉDICA E ODONTOLÓGICAAvenida Brasil, 598 – Jardim América – SP(11) 3885 – 8000lifesystem@uol.com.brFlerts NebóExpedienteRápidas12ª SuperpizzaMinha sogra, meu amor...Cada um de nós tem seu conceito sobre o valor dascoisas. Por algumas dessas coisas temos um amor ou carinhotodo especial. Digo isto porque foi exatamente o que sentiao receber a edição 158, de janeiro de 2006, de nosso jornal“O Bandeirante”, do qual tenho a honra de ser co-editorhá vários anos.Mantenho todos os números que foram editadosaté hoje devidamente encadernados, ano após ano, assimcomo também estão encadernadas as edições de “PáginasSobramicas” editadas durante a gestão do Walter Harris napresidência desta regional. Hoje a denominação dessa partedo jornal, dedicada aos textos literários dos associados,continua com a mesma filosofia e objetivo, nas páginascentrais de cada edição, porém com o título de SuplementoLiterário.O prazer de poder, a qualquer instante, ter em nossasmãos aquilo que os colegas escreveram, seja como artigoscontos ou poesias, ou qualquer outro tipo de literatura,nos faz voltar ao passado bem próximo. Nossa Regional foifundada em 1988 e foi graças às reuniões mensais, tornadascélebres com o nome de PIZZAS LITERÁRIAS, que nossentimos sempre perto de nossos companheiros.Ao reler estas edições antigas, volto a vivermomentos de alegria e de prazer por termos estado tãopróximos, embora os anos tenham se passado. E o tempo,dizem, não volta mais. Mentira! Reler as edições que guardoé reviver, voltar no tempo, é estar lado a lado com oscompanheiros outra vez. Isto sem falar das Antologias e dasColetâneas, que nos enchem de orgulho e prazer, além deperpetuar nossa obra e nosso pensamento para sempre.É por isso que insisto em chamar os ausentes. Você,que está um tanto afastado de nossas reuniões mensais,VOLTE e torne a sentir o prazer do convívio com nossosamigos, que muito mais que simples amigos, tornam-se nossosirmãos. Alegra-nos o coração poder ouví-los e trocar palavrase comentários sobre nossas coisas e nossas vidas.Lembro também que neste ano teremos a realizaçãodo XXI Congresso Nacional, em Alagoas, no mês de abril.Esta é mais uma oportunidade de encontro com os confradesde todo o Brasil. Quem puder, participe! Valerá a pena!O importante mesmo é que possamos manter sempreo vínculo que temos e o compromisso que firmamos com aliteratura. E através dela, consolidar o elo inseparável comnossos verdadeiros amigos.DISQUETES - Os confrades que já se habituaram a entregarseus textos literários gravados em disquetes para facilitar otrabalho dos editores deste jornal, voltarão a receber o“vasilhame” a partir de fevereiro. Quem entregar seu textogravado receberá disquete formatado.ETIMOLOGIA - Uma edição especial da revista “LINGUAPortuguesa” da Editora Segmento, está nas bancas e prometedesvendar alguns mistérios e segredos da matéria-primaessencial de todos os escritores: a origem das palavras.Procure nas bancas. Custa R$ 7,90. Também pode serconhecida em www.revistalingua.com.br.ENTRELIVROS - Outra publicação que não pode serdesprezada pelos amantes da palavra e dos livros é a revistaENTRELIVROS da Editora Dueto. A edição nº 9 custa R$ 9,90e está nas bancas desde janeiro, com destaque para ogrande João Guimarães Rosa. www.revistaentrelivros.com.brCONCURSOS - Os concursos literários permanentes daSOBRAMES-SP para textos de poesia e prosa apresentadosnas Pizzas Literárias continuam a todo vapor. Para participar,os concorrentes precisam entregar uma cópia do trabalhoaos organizadores - em disquete ou impressa - logo após suaapresentação nos encontros mensais.Apesar do inevitável estigma que acompanha estepersonagem de nossas relações familiares - alguns até dizemque sogra não é parente - há por certo muitos casos emque o amor e a afinidade entre a sogra e seus genros ounoras superam qualquer outro sentimento mais hostil oumenos amistoso. É isto o que pretendemos ouvir de nossosautores na próxima quinta-feira, 16 de fevereiro, durante aPizza Literária, quando nossos confrades poderão apresentartextos em prosa ou poesia inspirados no tema AMOR DESOGRA, sugerido para a 12ª edição do desafio literário daSUPERPIZZA. Os textos apresentados sob este tema serãoavaliados por leitores convidados e o que for apontado comoo melhor deles receberá um pequeno “regalo”. Os autoresque não tenham intenção de participar do desafio poderãoapresentar textos com temas livres, como sempre acontece.O importante, acima de tudo, é manter sempre ativa a chamada criação literária.
  3. 3. Murmúrios3O BandeiranteFevereiro 2006SuplementoSuplementoSuplementoSuplementoSuplementoLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioMarco Antonio FabianiMédico cardiologista - Londrina - PR“Você é quem diz que a vida flui. Como umremanso, desliza suave. Não flui, digo eu. Vida não flui,enrosca. Vida mesmo, corcoveia, empaca. Faz que vai,volta. Prepara armadilha, espreita. E quando se passa,seguro e certo, sem esperar, e aí? Aí aparece o canguçutraiçoeiro, rosnando, se transformando em serpente ete ataca. Se enrosca e te beija com língua de brasa.Instila o fel do fracasso. Acha que tudo anda no comandoda tua rédea? Acha que vida é cavalo domado, obediente,que sente teu mando? Ah! Não vem com essa. Na primeiracurva, salta as pedras e te carrega no lombo para ondeela quer.Você, com tua boquinha sagrada, essa voz depassarinho, é que diz que na vida há um doce, espalhadono vento, colhido da flor. Eu te falo com franqueza: Vaise acostumando com o amargo, porque esse é o gostodo dia a dia. Pode ser que um diazinho ou outro vem láum docinho. Mas não espere. A gente olha e vê alegriapululando na casa. Criança brincando, cachorro correndo,movimento dos vivos de corpo e de alma. Quando menosse espera e num repente assim sem que se explique eaparece o bafo da morte, preto, grosso, entrandosorrateiro e espalhando que nem fumaça e leva o quevocê mais quer. Aquilo que você um dia dizia: “Não ficosem”. É o que ela tira e leva. Não tem um macio, quevocê pode encostar o corpo e deixar o cansaço ir emborae depois de um tempo levantar pronto para tudo. A vidate faz correr nas pedras com bolhas nos pés e não adiantaqueixa. Aceita a dor e enfrenta. Pois não foiassim com o Leonino Peres? Saiu de manhãcom a vida a prumo. Cabeça assentada, filhosna escola , a mulher cozinhando e esperandopara o almoço. Naquele dia mesmo conheceu aMariana, A cabeça virou e o coração que vinhano manso se destemperou. Largou os filhos na rua, amulher não quis mais ver. Pensou só na Mariana e nacachaça. Brigou um dia e morreu de tiro. Quem destrilhoua vida dele? Mistério. Você é quem me fala que em tudo oque se perde vem uma compensação. Do que é tiradovem a reposição. É só esperar, com paciência e alma leveque tudo volta. Toda a vez que me fala isso, logo depois,com sorriso manso, se levanta e com esse andar graciosoque mais parece o vôo da tarde da garcinha branca. Evem, paciente, estendendo um quitute feitinho na hora,cheiroso, que quando a gente põe na boca acha queparaíso é aqui mesmo. E aí mansinha me fala que navida tudo se explica. Mesmo que no agora, aqui mesmona terra, entre os viventes, não se ache o porquê, umdia e em algum lugar tudo se encaixa. Não se explicanão. Tudo acontece no acaso e no desencontrado. Se nãoporque tantas vezes os velhos é que enterram os moços.Quando na ordem seria sempre o contrário. E aí vem vocêcom a costa da mão, como seda e passa em meu rosto ediz que é melhor não correr atrás do que a vida esconde.Aceita com o coração em paz, que ela acontece sem pulos.E eu fico calado, corpo solto e adormeço sonhando quesai voando por aí. Acordo pensando que a vida espreita,traidora, mas mesmo pra mim, que não espero o bom,ela me entregou, assim, generosamente, você”Do livro de estréia do autor, “Trilhas do Fogo”,dezembro de 2004Musa paradisíacaAldo MilettoMédico psiquiatra - São Paulo - SPVocê sabe qual o nomeoficial dessa banana,que é gostosa e que se comesete dias por semana...cheia de mil vitaminasde Potássio... o Kalium,que, ideográfica, tu assinascom a letra “K” comum?Pois então fica sabendo:nessa escrita que se usaabreviar co’a letra “K”,acabamos sempre lendoa chamada e rica “musa”a “Paradisia... K!”DesejoJosef TockMédico oftalmologista - São Paulo - SPOlho para o céu, vejo teus olhos,olho para a chuva, também os vejo.Em qualquer lugar eles me olham,em qualquer lugar com o mesmo desejo.Procuro teus olhos, mas vejo a chuva.Olho para o céu, mas o sol me cega.Procuro teu amor, mas tu o negas.Oh, Deus! Por que a mim torturas?Noites e dias em ti pensando,nas ruas desertasteus olhos procurando.Trilhei caminhos desejando,em cada cruzamento, nas esquinas,amar-te loucamente em te achando.
  4. 4. 4O BandeiranteFevereiro 2006 SuplementoSuplementoSuplementoSuplementoSuplementoLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioArte de viverMário de Mello FaroMédico pneumologista - São Paulo - SPViver sem preconceitos e muitaliberalidade, meta para que possamos sairda ficção e penetrar na realidade. Todavia, para queisso ocorra é necessário muito imaginação e sacrifício,ingredientes perfeitos para uma boa fantasia e formade viver, nesse mundo ameaçado por inúmeros fatoresagressivos, levando ao indivíduo mensagensinquietantes, com pesadelos e delírios. Assimprocedendo, penetramos na trama filosófica da vida,onde são estabelecidos os parâmetros do bem viver, commuita transparência e eficiência.Enfrentamos então, a crueza dos acontecimentos,que contam uma história fascinante, melódica e tambémcuriosa e inquietante. Levando assim, o portador ameditar, expondo o seu íntimo, tornando-o aberto aoconhecimento contemporâneo e às novas conquistas domundo moderno.Dar azo à imaginação, sem pudor, revelando todaa sua plenitude e grandeza. Atingimos então o concreto,passando pelo abstrato, como etapa primeira de umprocesso de evolução, que caminha com harmonia emagnitude, para a franqueza da vida, deixando para trazos fatores adversos e salientando a corrida dos elementosprogressivos, margeando o caminho da verdade, dasegurança e da certeza.Para afinal, sentir de forma retumbante e sonora,os ruídos múltiplos captados pela mente e armazenadosno subconsciente, projetados em seguida, como umconceito real de vida, carregando um aprendizadoconcreto e harmonioso.O corpo humano repleto de energia física conduzimagens que transportam o presente para um passadopróximo ou remoto, de tal forma que o indivíduo,integrante da sociedade vigente, possa enviar à mesmaa mensagem do que é viver em harmonia, constituindoelemento de aglutinação do núcleo familiar, passandopor evoluções, seguindo a trilha de Darwin... até chegarao homem moderno, rico em conhecimentos, que saindoda caverna, se implantou nos espaços abertos pelorompimento da Pagéia, formando os vários continentes,com as suas características peculiares e padrões deevolução e desenvolvimento, até chegar aos povos dehoje. Percurso trilhado, extremamente discutível,controvertido e de difícil comprovação, apesar dosestudos sobre o DNA e seus mitocôndrios.Muitos sacrifícios serão ainda exigidos doindivíduo e da sociedade para que, com transparência eeficiência, deixem para traz o pesadelo e cheguem aoporvir, com grandeza e luminosidade, gerando completalucidez. Os preconceitos serão superados com pertinácia,atingindo etapas sucessivas, tendo como meta derradeiraa apoteose, com todo o seu esplendor. Permeando fluídosque chegarão ao âmago, para em seguida abrir suasportas e formar torrentes de sabedoria, que serãocaptadas pelo ser humano, saindo da época da caverna,caminhando para o asfalto, com brilho e satisfação,sentindo a missão terrena cumprida, em buscade caminhos cruzados para chegar a novosdestinos, de percursos variáveis.O ser humano aprendeu a lidar com osfenômenos da natureza, conseguiu dominá-lose superá-los, incorporando-os no seu própriobem estar, transportando característicasestimulantes e criativas, que do nada, tudo realizam econcretizam.Utilizando a imaginação, sem metáforas,procurando criar dogmas de vida, enriquecidos no tempo,através da mistura da subserviência e do poder exageradode indivíduos ou de países, que com prepotênciaostensiva, procuram sufocar sentimentos, destruirculturas e afogar seres humanos no mar da especulação eda arbitrariedade.Infelizmente, vivemos à sombra do podereconômico, que em seu benefício próprio arrasa povos eculturas.Depoimento no parlamento(tributo a Kafka)Geováh Paulo da CruzMédico oftalmologista - São Paulo - SPEu não disse que disseComo disse quem o disse.Repilo!Não fi-lo!E nem qui-lo.Nunca diria aquilo...Como poderia di-lo?Mesmo que quisesse e fizesseE dissesse o que não disse,Ou fizesse o que quisesse,E dissesse o que se disse,Isso é meu compromisso,Jamais nisso seria omisso.Se eu dissesse o que dizemE dizem que eu dissera,Eu digo que não disse.Digam: eu disse a quem?Sou discreto e sou de bem,Além de muito honesto comigo:Nunca disse que não digo.Espero que quem disseE disse que eu o fizeraDesdisse o que disseE dissesse que eu não era.Ou explicasse com que fitoFez espalhar o mito,Como se dito eu houvera.Que acabasse o diz que diz,Como eu sempre quis.Se desse por fim ao conflitoE ficasse o dito pelo não dito.Proclamo em alto brado,Deixando tudo claro e bem explícito:Nada a negar... nem a confirmar!Pois como diz o ditado:A verdade cabe em todo lugar.Tenho dito!
  5. 5. O BandeiranteFevereiro 2006 5SuplementoSuplementoSuplementoSuplementoSuplementoLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioLiterário“Os pobres querem se passar por ricos e os ricosquerem se passar por pobres...”. “Certas dores o temponão cura”. “Ver seu filho no caixão é contra qualquer leida natureza”. “Nosso país jamais andará para frenteenquanto uma bomba não destruir a burocracia”. “Nuncadesperdice um convite para trabalhar”.Todas estas frases você encontrará no livro deDanuza Leão, “Quase tudo”. Um livro excepcional.Humano. Realista. Atraído pelo anúncio do Premio Jabutide 2005 iniciei minha leitura do livro de Nélida Piñon“Vozes do Deserto” e estava no capítulo 11 achando olivro chatíssimo e manótono e aí me cai nas mãos essamaravilha de biografia. Para quem não acredita emastrologia que aponta o planeta Plutão em cima de nossacasa por aquelas fases de baixo astral que todos temosna vida basta dizer que Danuza Leão interrompe umavida gloriosa por nada mais, nada menos, que váriosacontecimentos seguidos, tipo: tumor cerebral e mortede sua irmã Nara Leão, morte do marido Samuel Weiner(jornalista fundador da Última Hora e autor de ummaravilhoso livro chamado “Minha razão de viver”),assalto violento no Rio de Janeiro, defronte de sua casa,morte de seu filho Samuca, morte de seu segundo marido,Antonio Maria, morte de seu pai por suicídio, morte desua mãe. E agora, o que acha de Plutão?A vida de artistas, empresários, boêmios é contadaem detalhes na convivência que teve com eles e com as“socialites”. Danuza fez coisas inacreditáveis como viajartodo fim de semana para Paris durante 39 semanasseguidas! Seu terceiro e último casamento foi com RenatoMachado, hoje na Globo, de quem veio a se separar porachá-lo muito “mulherengo”. Foi amicíssima de Lily deCarvalho e consolo dela na morte de seu marido Horácioe do filho Horacinho. Mais tarde Lily viria a se casar comRoberto Marinho. Ganhou de presente do ex-casal umapartamento em Copacabana pelos longos anos desolidariedade.Há momentos no livro extremamente comoventes.A descrição da morte do filho Samuca me fez chorar poismuitas vezes tive amigos que perderam filhos e nuncapude avaliar a extensão e profundidade deste sofrimento.Chorei por todas as mães e pais que deixei de consolar.Nunca uma leitura me marcou tão profundamente pelasinceridade dos sentimentos de Danuza e seu grandesofrimento. Danuza várias vezes mergulhou no mundodo álcool e das drogas pesadas e soube se reerguer. Hojeé uma bem sucedida cronista da Folha de São Paulo.Enfim, um livro imperdível para quem gosta defofocas, da vida dos ricos, de grandes emoções e querentender um pouco do outro lado da meia-noite. Um livrocom alma.Um homem oua liberdadeCarlos José BenattiMédico ginecologista - São Paulo - SPImagem no espelhoretrato da gentereflete o semblantedo ente que passadaquele que olhacontornos do corpobuscando um confortoao ver na pantalhaa bela figurasorriso aberto!Alegria que espalhanas faces rosadasnos olhos brilhantes.Cabelos sedososum busto que arfacintura delgadano corpo esbeltomãos afiladaspernas torneadasque vulto mirabolantesurgiu num relâmpagoe sumiu de repenteno espelho quebrado.Espelho quebradoAlcione Alcântara GonçalvesMédico psiquiatra - Tupã - SPA lágrima e a florThereza Freire VieiraMédica geriatra - Taubaté - SPA flor balançando na haste,sacudida pelo vento, estremece.Dança, passeia de lá para cáE quase sufocada pelo vento,Vai chorando em pétalas de amor...A lágrima pendente nas pálpebras,passeando nos olhos e no rostoem anseios, vibrando em súplicasao coração amante, que se abredesabrochando em flor...A natureza inquieta procurandomaravilhas de esperança e alegriadesabrocha em flores coloridas.A flor é a lágrima da natureza,a lágrima é a flor do amor...
  6. 6. 6O BandeiranteFevereiro 2006 SuplementoSuplementoSuplementoSuplementoSuplementoLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioLiterárioA sentençaArlete M.M.GiovaniMestre em Ciências - São Paulo - SPTento me concentrar, porém emvão. Sentidos todos acionados, coração a galopeconstante e mãos ávidas por uma ocupaçãoqualquer.Escuro absoluto. Visão e audição em alerta.Ouço cochichos: “Que coisa, heim!!! Cabeçasguardadas no freezer! Que estranho! Nunca ouvifalar... será que é isto mesmo que entendi? Li ereli várias vezes... parece que é isto mesmo. Tematé algumas guardadas em um outro negócio, achoque é glicerol, se é que entendi bem! A gente nãoestá acostumado com isso, não é mesmo?”Fixei meu olhar naqueles olharesinterrogativos e me dispus a explicar. Então,disseram: “Vossa Senhoria tem trinta minutos!”.Tinha tanto para falar, será que poderiame demorar mais alguns minutos? Talvez não,melhor me ater ao tempo estipulado. Quanto maisse fala, maior o risco de dizer bobagens.Explico com convicção! Como as cabeçasforam arrancadas, meticulosamente embrulhadase guardadas no gelo ou na tal substância. Observoconvicção nos olhos dos ouvintes, acredito que osconvenci: “Sim! Elas ficaram ótimas, todas elasperfeitamente conservadas!”.Respondo todas as perguntas comconhecimento de causa. Afinal, não fora eu mesmaquem fizera tudo sozinha? Mas assumo todos osriscos: “Sim, fui eu! Bem, Vossa Excelência, souobrigada a confessar alto e em bom tom, paraque todos me ouçam, e sem acusações. Nuncaestive só, muitos participaram, não consigo nemprecisar quantos. Alguns nem sabem que ajudarame muito! Afinal, como poderia eu fazer istosozinha?”.Respondo com firmeza: “Sim, Excelência!Os mais próximos vibraram e vibraram muito,quando conseguimos a primeira cabeça. Era oinício de tudo!”.Durante o debate intenso, perguntas erespostas, palavras em algum lugar de meucérebro: “Calma, ninguém melhor do que vocêpara saber o que fez! Respire fundo e respondacom firmeza, sem arrependimentos! Aresponsabilidade é toda sua, não é mesmo? Sim,a idéia foi minha, é este meu entusiasmo pelodesconhecido! Assumo!”.E de repente lá estou de pé, calada,aguardando as palavras finais de Vossa Excelência.Sinto o silêncio e o respirar das pessoas em volta.Olhos parados, a respiração superficial,uma vibração intensa, um mar de energiame atingindo aos poucos como flecha ese dissipando por todo o meu ser, umasensação desconhecida, nuncaexperimentada antes.Enfim, o impacto. Abruptamente, me curvodiante do veredicto final de meu júri tão peculiar:“Concedemos a Vossa Senhoria, após a avaliaçãofeita, segundo as normas desta casa, o título deMestre em Ciências”.E engulo o choro diante dos aplausos eassovios de viva.Bem-te-viHélio José DéstroDentista - São Paulo - SPAli... Bem ali...Olha o Bem-te-viVocê viu ou não viu.- Eu vi... Eu vi.Bem-te-vi de peito amarelo.Canta feliz o seu trinado.O belo canto cadenciado.Valente, igual nunca viu.O dono dos espaços.A perseguir outros pássaros.Do alto do pessegueiroAbaixo a colméia de abelhas.Num mergulho.Apanha zangões na sua refeiçãoBem-te-vi.Na mira certeira.Leva no peito um pedregulho.Bem-te-vi... Bem-te-vi.De estilingue nas mãos.O moleque daquiA pedra certeira estilhaços de penasÉ morte a ti.Protegendo os zangões.Obedecendo ao pai.Apicultor.Na grama o bem-te-vi.Morto, e estilhaçado. Sem dor.O canto é, e está mudo.As abelhas, sem perigo de ti,voam no seu bailado.
  7. 7. Chegou também na redação a edição de dezembro de 2005da revista “Destaque Metropolitano”, da cidade de Santos,que comemora 29 anos de publicação. Voltada para divulgaçãode fatos culturais e sociais da cidade, a presente ediçãotraz, entre outras, reportagem sobre o lançamento do livro“Meu Jardim de Emoções” da nossa confreira Gessilda PortoAlegre Falcão, realizada no dia 22 de outubro.Confira e anote nossoscompromissos para 2006O BandeiranteFevereiro 2006 7Certamente você não vai querer perder nenhuma dasatividades da SOBRAMES-SP para 2006. Esta coluna não deixavocê esquecer desses compromissos. Anote e participe!AgendaRegistroComeçamos 2006 muito bem!Se 2005 foi algo tenebroso para a SOBRAMES-SP, 2006 nãopoderia ter iniciado com melhor augúrio. Da 186ª PizzaLiterária realizada em 19.01.2006 participaram 26 pessoas.Além dos confrades da regional tivemos também aparticipação dos convidados Priscila Faria de Almeida e docasal Reinaldo Musetti Naccache e Silvia Maria LouzãNacache. Na reunião foram apresentados 14 textos literáriosem prosa e verso, todos da melhor qualidade, como decostume. Eles serão divulgados ao longo de nossas ediçõese participarão dos concursos literários em vigor. Mas o maisimportante foi o clima de intensa harmonia e grandeconfraternização vivido pelos participantes. O grande poderreinante foi o do culto à boa e velha literatura brasileira. Agrande magia, infalível, foi a do amor e a do respeito aosconvivas. Por essas coisas, apenas, é que nos encontramose sempre nos confraternizamos.Movimento Poético NacionalRecebemos mais uma edição do jornal “A Voz da Poesia”, ade nº 72, de outubro a dezembro de 2005, publicação que éeditada pelo Movimento Poético Nacional, com sede nacidade de São Paulo e presidido atualmente pelo poetaWalter Argento. Além da produção de seus associados apublicação traz ainda o noticiário do período e um convitepara admissão de novos poetas. A entidade literária reune-se duas vezes por mês, aos sábados. Os interessados poderãoobter maiores informações na sede do MPN, na Rua dosBogaris, 183 - CEP 04047-020 - Mirandópolis - SP. Fone (11)5072-1665.Novo romance de Thereza FreireAcabamos de receber o mais novo livro de Thereza FreireVieira, médica geriatra residente em Taubaté, membro daSOBRAMES-SP. Trata-se do romance “Encontro com oPassado” (172 pgs. - Scortecci Editora - SP - 2005), onde aautora mostra uma história comovente, carregada de lancesde emoção e mistério. Valendo-se quase que exclusivamentede diálogos, a autora desenvolve ao longo dos 63 capítuloscurtos da obra toda a trama de sua história, com agilidade emaestria. Aquisições do livro e contatos com a Dra. TherezaFreire Vieira poderão ser feitos escrevendo-se para Rua 29de Agosto, 177 - Morumbi - Taubaté - SP, CEP 12060-410.Revista Destaque Metropolitano Endereços, horários e referênciasPizza Literária: São realizadas na Rua Oscar Freire, 1597 -Pizzaria Bonde Paulista - a partir de 19h30Reunião de Diretoria: São realizadas na sede dasociedade, na Rua Alves Guimarães, 251 - a partir de 20h30XXI Congresso Brasileiro de Médicos Escritores: Serárealizado de 20 a 22 de abril de 2006, na cidade de Maceió.Informações com os organizadores: (082) 3221-532307.02.2006 Reunião de Diretoria16.02.2006 187ª Pizza Literária12ª Superpizza (apresentação de textos)07.03.2006 Reunião de diretoria16.03.2006 188ª Pizza LiteráriaPremiação da Superpizza anterior04.04.2006 Reunião de diretoria20.04.2006 XXI Congresso Brasileiro de MédicosEscritores (Maceió - AL)27.04.2006 189ª Pizza LiteráriaDivulgação do tema da próxima Superpizza02.05.2006 Reunião de diretoria18.05.2006 190ª Pizza Literária13ª Superpizza (apresentação de textos)06.06.2006 Reunião de diretoria22.06.2006 191ª Pizza LiteráriaPremiação da Superpizza anterior04.07.2006 Reunião de diretoria20.07.2006 192ª Pizza Literária dedicada a EscritoresConsagrados, favoritos dos membros.Divulgação do tema da próxima Superpizza01.08.2006 Reunião de diretoria17.08.2006 193ª Pizza Literária14ª Superpizza (apresentação de textos)05.09.2006 Reunião de diretoria21.09.2006 194ª Pizza LiteráriaPremiação da Superpizza anteriorAssembléia Geral Ordinária.Eleições de diretoria para biênio 2007/2008.03.10.2006 Reunião de diretoria.19.10.2006 195ª Pizza LiteráriaEntrega do PRÊMIO FLERTS NEBÓ (prosa)Divulgação do tema da próxima Superpizza07.11.2006 Reunião de diretoria16.11.2006 196ª Pizza Literária15ª Superpizza (apresentação de textos)05.12.2006 Reunião de Diretoria21.12.2006 197ª Pizza LiteráriaEntrega do PRÊMIO BERNARDO DE OLIVEIRAMARTINS (poesia)Premiação da SUPERPIZZA anteriorTransmissão de cargos para Diretoria EleitaENDOMED MEDICINALABORATORIALSede: Av. Eng. George Corbisier, 746Pq. Jabaquara - SPCAC 0800-170-004O envio de notícias, publicações ou informações sobrelançamentos de livros para a redação do jornal “OBandeirante” pode ser feito para um dos seguintesendereços: Redação: Av. Prof.Sylla Mattos, 652 - apto.12- Jardim Santa Cruz - São Paulo - SP - CEP 04182-010 *Sede: Rua Alves Guimarães, 251 - Pinheiros - São Paulo -SP - CEP 05410-000
  8. 8. É tempo de contribuir,pagando a anuidade de 2006XXI Congresso Nacional:inscrições vão até dia 15Até o próximo dia 15 de fevereiro estarãosendo recebidas pelos organizadores as inscriçõespara o XXI Congresso Brasileiro de MédicosEscritores, que acontecerá de 20 a 22 de abril de2006 na cidade de Maceió, Alagoas. No materialpromocional do evento encontra-se a programaçãobásica e as regras de participação. O folder enviadorecentemente aos membros da SOBRAMES em todoBrasil traz ainda as indicações e sugestões dehospedagem, com preços e condições deparcelamento, além de indicação de agencia deturismo (Mangabeira Turismo) e companhia aérea(Gol) escolhidas para o evento e que oferecemserviços e condições especiais.As taxas de inscrição variam de R$ 50,00para os acadêmicos e estudantes que seinscreverem antecipadamente, até R$ 200,00 paramédicos que se inscreverem no local. Para conhecertodos os valores os interessados podem consultaro material recebido ou então fazer contato comos organizadores, pelos telefones (082) 3221.5323ou 3336.3532. Também poderá ser encaminhadacorrespondência para Rua Afonso Pena, 82 - Maceió- Alagoas - CEP 57021-040. Está disponível aindapara esclarecer dúvidas e atender os interessados,o e-mail conepaki@uol.com.br.Além da programação literária, cultural eturística, no XXI Congresso Brasileiro de MédicosEscritores acontecerá a importante eleição do novopresidente da SOBRAMES Nacional para o próximobiênio, além de escolher a sede do XXII CongressoNacional, em 2008. Prestigie e participe.8O BandeiranteFevereiro 2006Finanças CongressoEndereços, horários e referênciasPizza Literária: Rua Oscar Freire, 1597 - Pizzaria BondePaulista - a partir de 19h30 / Reunião de Diretoria: RuaAlves Guimarães, 251 - Pinheiros - a partir de 20h30FEVEREIRO 200607 - Reunião de Diretoria16 - 187ª Pizza Literária - Apresentação de textoscom temas livres. Apresentação de textos da 12ªSuperpizza.MARÇO 200607 - Reunião de Diretoria16 - 188ª Pizza Literária - Apresentação de textoscom temas livres. Divulgação do texto vencedor da 12ªSuperpizza.Nossos próximos eventosAnoteÚnica fonte de receitas da SOBRAMES-SP,a anuidade cobrada de seus associados visa darcontinuidade às atividades básicas da regional,principalmente em relação às publicaçõesperiódicas que mantém, às despesas com correio,honorários contábeis e outras despesasindispensáveis ao seu funcionamento. Daí afundamental importância de que todos os membroscolaborem pagando a anuidade.Valores para 2006. Até 31 de janeiro de2006 o valor pago pelos associados foi de R$120,00. De 01 a 28 de fevereiro a anuidade poderáser quitada pelo valor de R$ 130,00. A partir de01.03.2006 este valor ficará fixado em R$ 140,00.Saliente-se que os membros acadêmicos pagam50% do valor da anuidade, estando dispensadosdo pagamento os membros honorários, eméritose beneméritos.Como pagar. Envie um cheque cruzado enominal a SOBRAMES-SP para a sede da entidade,no seguinte endereço: Rua Alves Guimarães, 251- CEP 05410-000 - São Paulo - SP. Para fins dedeterminação dos valores, será considerada a datade postagem nos correios. Assim, não será maispossível o pagamento pelo valor de R$ 120,00,válido apenas para o mês de janeiro. O reciboserá enviado pelo correio. Quem preferir poderáefetuar o pagamento diretamente ao tesoureiro,Dr. Milton Maretti, nas Pizzas Literárias.Quem já contribuiu. Até a data dofechamento desta edição já haviam contribuídopagando a sua anuidade os seguintes confrades:Aída Lúcia P.S.Begliomini,AlcioneA.Gonçalves,AldoMiletto, Arlete M.M.Giovani, Fernando Batigália,Geováh P.da Cruz, Hélio J.Déstro, Helio Begliomini,Helmut A.Mataré, José Jucovsky, José R.Louzã,Lígia T. Pezutto, Luiz Giovani, MadalenaJ.G.M.Nebó, Manlio M.M.Napoli, Marcos G.Salun,Maria da Glória Civile, Maria do Céu C.Louzã,Maria Virgínia Bosco, Mario de Mello Faro, MiltonMaretti, Rodolpho Civile, Sérgio Perazzo e WalterW.Harris. Colabore você também para que asatividades da regional São Paulo continuemacontecendo. Qualquer dúvida sobre o pagamentoda anuidade poderá ser esclarecida pelo e-mailSOBRAMES@UOL.COM.BR ou pelo telefone (11)9182-4815.

×