Your SlideShare is downloading. ×
O Bandeirante - n.234 - 05 2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

O Bandeirante - n.234 - 05 2012

123
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
123
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Jornal O Bandeirante Ano XX - no 234 - maio de 2012 Publicação Mensal da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - Regional do Estado de São Paulo - SOBRAMES-SP Josyanne Rita de Arruda Franco Médica Pediatra Presidente da Sobrames SP / Biênio 2011-2012 A existência humana acusa do tipo grande mal: há o traba- que nos sucederem se não foremmilhares de anos, mas existir é lho escravo no mundo globali- transmitidos a eles os conceitosmuito pouco perto do que signi- zado, a oscilação tresloucada da que alicerçarão seu viver huma-fica viver. Questionamentos sobre economia mundial, os produtos no, se oferecermos apenas aces-a vida e seu significado datam de encalhando em pátios e pratelei- so ao conforto e à tecnologia doslongo tempo, ultimamente inda- ras, as máquinas paradas, o abu- novos tempos? Retornaremos aogamos mais sobre a evolução que so de drogas tão generalizado, tempo das cavernas, cheios de ta-nos tirou dos galhos e atualmen- religiosos mais preocupados com petes e confortáveis almofadas.te nos obriga à reclusão das co- o estrelato do que com suas ove- No berço chora uma criança,pas envidraçadas nas gigantescas lhas, corrupção fora de controle, pedindo colo e alimento. No diaárvores de pedra. Até nossa pos- perversidade exibicionista, cinis- seguinte visitará o pediatra à pro-tura, que contabilizou milênios mo e indiferença. Não vivemos: cura de um remédio para dormir,para ficar ereta, hoje se encurva existimos. pois já não é tolerável chorar. Énovamente diante das telas de No céu da cidade, pássaros apenas um novo ser para existir,computador por horas extensas, metálicos circulam entre libélu- para que seus pais exerçam o di-quase intermináveis. Será que es- las de aço e vidro, transportando reito de ter um filho, sem o com-tamos de fato evoluindo? passageiros, empresários e cine- promisso com a responsabilida- Viver tem sido um grande grafistas de plantão. No chão, de. O pequeno ser, encastelado,exercício de equilíbrio e auto- carros, motos, ônibus e congestio- olhará pela janela de seu paláciocontrole nos desafios do faroeste namento. Algum refúgio paradi- de vidro a vida passando lá fora...moderno. O que tem provocado síaco receberá os afortunados que A televisão ligada em alto volumetanta desordem e prometido o fugirão da confusa cidade grande chamará novamente sua atençãocaos? O descompromisso cultiva- para assistir às imagens do caos depois do intervalo. Seus paisdo desde o berço nas famílias dis- transmitidas pela internet: pon- retornarão do trabalho à noite,persadas em afazeres e ganhos de tos de incêndio que assolam o ela já terá voltado da escolinha.capital ou a falta de projetos mais mundo, índices de poluição e tra- Serão permissivos por estaremhumanizados dentro dos interes- gédias naturais em vários lugares cheios de culpa, explicarão oses pessoais? Quantos pais estão do planeta, violência e atentados inexplicável e quase pedirão per-conseguindo educar e orientar transmitidos em tempo real. dão. A criança, sozinha com seuseus filhos para o futuro? Quan- As conquistas da humanida- universo fantástico, inventará al-tos filhos podem olhar para seus de são grandiosas, expressivas, guma coisa para continuar viven-pais e reconhecer neles um mo- incontestáveis e necessárias, não do como criança, pois já existedelo a seguir? acontecem apenas tragédias e cri- como gente... Quando será que O mundo está em convulsão ses. No entanto, o que restará aos viverá como pessoa?
  • 2. 2 O BANDEIRANTE - Maio de 2012 EXPEDIENTE Sobrames Paulista nos Jornal O Bandeirante ANO XX - no 234 - Maio 2012 40 Anos de Fundação da Publicação mensal da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - Regional do Estado de São Paulo SOBRAMES-SP Sede: Rua . Sobrames Pernambuco Alves Guimarães, 251 - CEP 05410-000 - Pinheiros - São Paulo - SP Telefax: (11) 3062-9887 / 3062-3604 Editores: Josyanne Vive-se em uma época em que a rede de relações Rita de Arruda Franco e Carlos Augusto Ferreira Galvão. Jornalista Responsável e Revisora: Ligia Terezinha Pezzuto humanas é cada vez mais intensa. Basta abrir a tela (MTb 17.671-SP). Redação e Correspondência: Rua Francisco Pereira Coutinho, 290, ap. 121 A – V. Municipal – CEP 13201- do computador, acessar a internet, para uma conexão 100 – Jundiaí – SP E-mail: josyannerita@gmail.com Tels.: (11) 4521-6484 Celular (11) 9937-6342. Colaboradores desta edição: direta com o mundo. As distâncias foram encurtadas Aida Lucia Pullin Dal Sasso Begliomini, Alitta Guimarães Costa Reis, Carlos Augusto Ferreira Galvão, Josyanne Rita de uma forma absurda. Diariamente pode-se acom- de Arruda Franco, Márcia Etelli Coelho, Roberto Antônio Aniche, Suzana Grunspun. panhar a vida de pessoas, não pertencentes ao círculo íntimo em detalhes, através das mídias sociais, o que em outros tempos seria Tiragem desta edição: 300 exemplares (papel) e mais de 1.000 exemplares PDF enviados por e-mail. inviável. Diretoria - Gestão 2011/2012 - Presidente: Josyanne Rita Claro, para isso paga-se um preço alto chamado solidão. Por comodismo de Arruda Franco. Vice-Presidente: Luiz Jorge Ferreira. Primeiro-Secretário: Márcia Etelli Coelho. Segundo- muitas vezes senta-se em frente à tela teclando durante horas, visitando varia- Secretário: Maria do Céu Coutinho Louzã. Primeiro- Tesoureiro: José Alberto Vieira. Segundo-Tesoureiro: Aida dos sites, respondendo e enviando mensagens, bisbilhotando a vida alheia e Lúcia Pullin Dal Sasso Begliomini. Conselho Fiscal Efetivos: Hélio Begliomini, Carlos Augusto Ferreira Galvão e Roberto substituindo dessa forma o contato físico pelo virtual. Quantos beijos e abraços Antonio Aniche. Conselho Fiscal Suplentes: Alcione Alcântara Gonçalves, Flerts Nebó e Manlio Mário Marco Napoli. são enviados diariamente via e-mail, mas efetivamente não sentidos. Matérias assinadas são de responsabilidade de seus Ao mesmo tempo em que o avanço tecnológico beneficia a humanidade autores e não representam, necessariamente, a opinião da Sobrames-SP de forma imensurável, por outro lado o grande paradoxo contemporâneo é Editores de O Bandeirante estar só, no meio da multidão. Flerts Nebó – novembro a dezembro de 1992 Flerts Nebó e Walter Whitton Harris – 1993-1994 Aida Lucia Pullin Dal Sasso Begliomini Carlos Luiz Campana e Hélio Celso Ferraz Najar – 1995-1996 Flerts Nebó e Walter Whitton Harris – 1996-2000 Flerts Nebó e Marcos Gimenes Salun – 2001 a abril de 2009 Helio Begliomini – maio a dezembro de 2009 Roberto A. Aniche e Carlos A. F. Galvão - 2010 Josyanne R. A. Franco e Carlos A.F. Galvão - janeiro 2011 Presidentes da Sobrames – SP 1º. Flerts Nebó (1988-1990) 2º. Flerts Nebó (1990-1992) 3º. Helio Begliomini (1992-1994) 4º. Carlos Luiz Campana (1994-1996) 5º. Paulo Adolpho Leierer (1996-1998) O Malho 6º. Walter Whitton Harris (1999-2000) Brilhante no comparecimento: velhas figuras que há muito não víamos, 7º. Carlos Augusto Ferreira Galvão (2001-2002) 8º. Luiz Giovani (2003-2004) novos associados. Mas – e sempre tem um mas – desta vez houve muitos 9º. Karin Schmidt Rodrigues Massaro (jan a out de 2005) 10º. Flerts Nebó (out/2005 a dez/2006) preâmbulos antes da leitura dos textos (que, por sinal, “bem comportados”) 11º. Helio Begliomini (2007-2008) 12º. Helio Begliomini (2009-2010) e longas cerimônias de entronização... 13º. Josyanne Rita de Arruda Franco (2011-2012) Não foi chata, mas em alguns momentos bateu um cheiro de chatice... Editores: Josyanne R. A. Franco e Carlos A.F. Galvão Revisão: Ligia Terezinha Pezzuto Diagramação: Mateus Marins Cardoso Impressão e Acabamento: Expressão e Arte Gráfica  CUPOM DE ASSINATURAS* Preço de 12 exemplares impressos: R$ 36,00 Aniversário Nome:___________________________________________________________ End.completo: (Rua/Av./etc.) _______________________________________ abr: nesta data querida, ________________________________ nº. _______ complemento _________ nossos parabéns! Cidade:_____________ Estado:_____ E-mail:___________________________ Ester Maria Bittencourt - 27/05 Grazielly Martins Peixoto – 02/05 Grátis: Além da edição impressa que será enviada por correio, o assinante receberá por e-mail 12 edições coloridas em arquivo digital (PDF) Leda Maria Rezende de Almeida – 05/05 Márcia Etelli Coelho – 03/05 *Disponível para o público em geral e para não sócios da SOBRAMES-SP Preencha este cupom, recorte e envie juntamente com cheque nominal à SOBRAMES-SP para REDAÇÃO Maria do Céu Coutinho Louzã – 20/05 “O Bandeirante” R. Francisco Pereira Coutinho, 290, ap. 121 A - V. Municipal - CEP 13201-100 - Jundiaí - SP Wilma Lúcia da Silva Moraes – 30/05 Dê uma assinatura de “O BANDEIRANTE” de presente para um colegal
  • 3. SUPLEMENTO LITERÁRIO O BANDEIRANTE - Maio de 2012 3 Fatos e olharesMárcia Etelli Coelho40 Anos de Sobrames-PE Durante reunião da Sobrames-PE do dia 2 de abril, HelioBegliomini proferiu palestra sobre sua vivência na Sobrames-SP. Ocarisma do casal Begliomini já é conhecido nos meios sobramistas erotarianos. Admirável foi saber que o evento ocorreu na cidade praianado Recife, em uma bela manhã de segunda-feira, com participaçãode quase 60 pessoas. Qual o segredo para atrair tanta gente?Sabatina Literária Se a reunião da Sobrames-PE foi um sucesso, o mesmo nãoaconteceu com a programada Sabatina Literária na APM.Compromissos profissionais e familiares impediram a adesão, o quemotivou seu cancelamento. Perdemos uma ótima oportunidade deconfraternização. Por que será que o dia é tão curto que não dá parafazer tudo o que queremos? Ou somos nós que não conseguimosadministrar o tempo de modo mais eficiente.Reportagem Excelente a reportagem da revista DOC (edição março-abril) queentrevistou nossa presidente Josyanne Rita de Arruda Franco e osmembros da diretoria Helio Begliomini e Márcia Etelli Coelho. É aSOBRAMES-SP expandindo seus horizontes.Pizza Literária Dia 19 de abril, durante a Pizza Literária, a médica psiquiatraSuzana Grunspun tomou posse como membro titular da Sobrames-SP.Para o progresso de uma Sociedade, não basta reforçar seus alicerces,é preciso também se abrir para novos integrantes. Seja bem-vinda!Lançamento de Livro Em 27 de abril, Itu foi palco de palestra e lançamento do livro “Postura é Fundamental” de Nelson Jacintho,reforçando o vínculo da Sobrames com a Academia Ituana de Letras (ACADIL), sob a presidência de BernardoJerônimo. Um exemplo a ser seguido: em vez de ficar esperando passivamente a venda de um livro, Nelson Jacinthopromove encontros em diversas cidades, angariando cada vez mais leitores. Ele também comanda o Movimento dosEscritores junto à Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto, cuja décima segunda edição se realizará de 24 de maioa 03 de junho com leitura de textos, debates e apresentações musicais. Vale a pena conferir o site feiradolivroribeirao.com.br
  • 4. 4 O BANDEIRANTE - Maio de 2012 SUPLEMENTO LITERÁRIO Outras notícias O Dr. Manlio Mario Marco Napoli recebeu merecida homenagempor ocasião de seu nonagésimo aniversário, na edição de no 62 doBoletim da ABTPÉ, publicação da Associação Brasileira de Medicina eCirurgia do Tornozelo e Pé. Reconhecimento justo ao trabalho de umprofissional dedicado, exigente e estudioso, competente e renomadocirurgião que engrandece a Medicina e nos concede a honra e oprivilégio de pertencer à Sociedade Brasileira de Médicos EscritoresRegional São Paulo. Obrigado, doutor! A Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto contará com aparticipação de nosso associado Carlos Roberto Ferriani. Diversoseventos assinalarão a presença do escritor, que fará o lançamento deseu livro Fragmentos de Uma Vida em território ribeirão-pretano. Sucesso e muitas alegrias na prestigiadafeira literária é o que desejam seus confrades e confreiras. A Rumo Editorial está organizando e já diagramandoos trabalhos enviados para a Décima Segunda Fornadade “A Pizza Literária”, coletânea que apresenta trabalhosem prosa e verso escolhidos pelos associados para a suaedição bienal. A obra recebe o tratamento profissionale artístico do nosso grande sócio colaborador MarcosSalun e brindará os escritores com uma surpresa quemarcará a trajetória da publicação na edição 2012. Nãodeixe de participar desse momento histórico! As Pizzas Literárias estão acontecendo com a casacheia, onde viceja a amizade e desabrocham afetos. Vá-rios associados que residem no interior estão voltando às atividades, enriquecendo as noites literáriasda nossa SOBRAMES-SP com suas queridas presenças. Encontre um intervalo em seu cotidiano atribu-lado e venha confraternizar com nossos talentosos escritores, as portas estão abertas.Perfil 2012 Sobrames-SPHildette Rangel EngerAtuação: Médica anestesiologista, aposentada.Cidade de nascimento: Salvador / Bahia.Comida preferida: Bem simples: arroz, feijão, bife, batatas fritas esalada.Esporte: nenhum.Livro de cabeceira atual: Palavras para Desatar Nós (Rubem Alves).Filme: Morangos Silvestres (Ingmar Bergmann).Fim de semana: em casa, fazendo churrasco com filhos e netos no meuquintal.Viagem inesquecível: de trem pelos Alpes suíços, com a primaverachegando!Sonho: ver meu País livre destes corruptos.Intolerância: com a impunidade.Características pessoais: sou curiosa com a vida, uma eterna aprendiz.Filosofia de vida: viver o mais livre que puder.Projeto futuro: nunca tive, simplesmente vou vivendo o que dá para viver. Bom é viver de verões... Julho na Suécia,janeiro em Salvador; ficarmos cheios de sol e de luz!
  • 5. SUPLEMENTO LITERÁRIO O BANDEIRANTE - Maio de 2012 5 Guerra e PazMárcia Etelli Coelho Cheguei ao Memorial da América Latina ansiosa para conhecer “Guerra e Paz” de Cândido Portinari. Assim que entrei no Salão dos Atos, fiquei perdida sem saber para onde olhar e com uma grande dúvida: Qualdos painéis é a “Guerra”, qual é a “Paz”? A verdade é que a minha tendência convencional esperava encontrar um quadro com o vermelho do sangue eoutro com azul celeste. Mas o que eu via eram dois imensos murais. E ambos em azul. Confesso que me senti desconfortável naquele ambiente. Muitas figuras embaralhavam minha visão. Provavelmentepelo cansaço de ter ficado vinte minutos na fila para entrar, eu quase me desapontei com as linhas geométricas deuma arte cubista que, por sinal, nunca foi meu estilo preferido. Se não fosse o extraordinário tamanho (14 metros dealtura por 10 metros de comprimento), eu até poderia considerar estar diante de uma pintura comum. Comum?! Como pode ser comum a obra-prima do mais famoso pintor brasileiro que dedicou quatro anos de sua vida paraconcretizar seu projeto mesmo sabendo que a intoxicação pelas tintas estragaria ainda mais a sua saúde? Como pode ser comum uma tela que representa o Brasil na sede da ONU em Nova Iorque? Comum era eu, espremida entre oitenta pessoas, sob um forte ar condicionado que contrastava com o calor intensodo lado de fora. Óbvio que eu sabia que aquela era uma oportunidade única e eu seria uma tola se saísse dali sem aproveitá-la. Porisso detive-me em um dos painéis e percebi tigres com bocas abertas e dentes afiados em posição de ataque. Pronto! Havia descoberto. Aquele era o painel da “Guerra”. Perto dos tigres, uma mulher cabisbaixa carregava no colo um menino morto. A comparação com a Pietá deMichelangelo foi inevitável. Ali, porém, não se via o rosto triste da mulher, totalmente encoberto pelos longoscabelos pretos. Seria uma adolescente com sonhos destruídos por uma gravidez precoce e que se encurvava sobreo filho caquético? Teria sido a desnutrição a causa da sua morte? É! Diferente de Picasso que no quadro Guernica representou o bombardeio alemão de 1937, Portinari não assi-nalou nenhuma batalha em especial, nenhuma arma nem soldados. A guerra ficou simbolizada pela vida sofrida deum povo. – Nossa, parecem aqueles retirantes nordestinos fugindo da seca! – comentou uma moça ao meu lado. De fato notei que na tela as pessoas ou cobriam seus rostos com as mãos ou erguiam os braços para o céu como aperguntarem: Por que, meu Deus? Poucas olhavam para a frente e o que eu via nelas era um inegável semblante dedor, talvez pela injustiça social, quem sabe pela fome... Epa! O que era aquilo? Um cavaleiro do Apocalipse? Sempre tive medo do fim... Se o término de um relacionamento já me deixa angustiada, o que dizer da possibili-dade de o mundo se acabar... Uma súbita inquietude me fez virar o rosto para a parede do outro lado da sala procurando a “Paz”. E olha que curioso: Se à primeira vista eu achei os dois murais semelhantes, naquela hora as nuances das coresficaram mais evidentes. Sim! O painel da “Guerra” carregava-se de azul forte e preto ao passo que no painel da “Paz”o azul tornava-se mais claro, intercalando-se com amarelo e tons pastéis. Como eu não percebi isso antes? Por certo as cores leves me transmitiram uma sensação agradável: crianças lendo, brincando em gangorras, cam-balhotas, coral unindo várias raças. Imaginei que Portinari teria se inspirado na sua infância em Brodowski. Aí então moças bailarinas e homens trabalhando no campo desfilaram diante dos meus olhos. E eu reconhecianimais, porém domesticados: duas cabras dançavam, um cavalo branco conduzia recém-casados. Para mim toda noiva é bonita, mesmo sendo tão simples como aquela. Até parecia a encarnação da esperança etalvez ela, como eu, acreditava que somente com o amor o futuro poderá ser mais feliz. Enquanto meus pensamentos divagavam, as luzes se apagaram para a projeção de um vídeo com imagens deCândido Portinari no seu ateliê. Ao ouvir trechos dos belíssimos poemas de Carlos Drummond de Andrade e Fernando Brant, eu finalmente meidentifiquei. Sem dúvida a literatura é a forma artística que mais me emociona e as palavras me sensibilizavam àmedida que muitos esboços eram exibidos acompanhados do resultado final. “Uma pintura que não fala ao coração não é arte porque só ele a entende” afirmou Portinari diversas vezes dedi-cando seu gigantesco trabalho para a humanidade. E assim aconteceu comigo. Terminado o vídeo, eu pude apreciar melhor tudo o que diante de mim se apresentavanaquela tarde de sábado. Os painéis criaram vida com cenas do cotidiano que bem poderiam ser as minhas, que também tenho os meusmomentos de discórdia, união, lamúria e sorrisos... Às vezes guerra... Quase sempre paz...
  • 6. 6 O BANDEIRANTE - Maio de 2012 SUPLEMENTO LITERÁRIO GalileiaSuzana Grunspun Fiz uma boa viagem sentindo-me adaptada ao grupo que acabara de conhecer. Ao mesmo tempo, os reais compa-nheiros naquele momento eram os pensamentos, repercutiam a história de uma vida inteira. O primeiro dia foi muito intenso. Passear nas imediações do Mar Galileia seria uma imersão no tempo. Disse o guiaser a paisagem semelhante à época de Jesus. Adentramos nele com um barco turístico, mas com garantias de assemelhar-se aos originais. Experiência intensa, que fomentou fantasias, parecendo que iria levitar naquelas águas claras e doces. A paisagem ao fundo, além de tranquila era rica em tradições bíblicas, via-se Tiberíades! Como os integrantes eramde credos variados, o rapaz que nos explicava a região fez um esforço para nos integrar. Ele nos absorveu por completo,tanto com suas informações detalhadas da região, como em relação aos costumes e conhecimento religioso. Ficamos num Hotel Resort, muito agradável, as janelas do quarto se abriam para um campo e o limite eram as águasdesse mar. O anoitecer calmo nos contaminou, celebramos o início da viagem com um jantar típico regado a vinhoaromatizado. Os integrantes foram se conhecendo, asafinidades se tocaram e arranjos naturais facilitaram en-contros, eu me inseri entre quatro pessoas. Três da mesmaárea profissional e outra com habilidades sociais e boacomunicação. Ficamos juntos até o final da viagem. Dia seguinte: Rio Jordão. Ele se estende do mar da Ga-lileia até o Mar Morto. São águas políticas, pois alimentamoutros países que podem manter relações cordiais comsua pátria. Lá pessoas também se batizam, águas transpa-rentes, local para fotos, muita gente. Lugar de peregrinosonde a Terra Santa pode literalmente ser transportada empequenos vidros para casa. Já tendo visto essas imagenspela TV, constatei sensorialmente querer respirar o local;e não somente marcar as imagens mentais. Fomos nesse dia ao espaço dito Anunciação, lembrei-me dos pintores italianos, Giotto, Da Vinci, pensei comose aproximaram dessa paisagem da Galileia... Pertovisitamos onde Pedro vivia como discípulo, eram ruínas Modus vivendide sinagogas. Rapidamente a paisagem mudou e estávamos nas Alitta Guimarães Costa ReisColinas de Golan, cercas, bunkers! Nosso guia marcou-meprofundamente. Jovem, loiro, cabelo rastafári, ex-comba-tente do exército; contou da guerra, dos treinos, de suas A ausência presente era uma tortura.histórias imiscuídas com a do seu povo. Disse a todos: a Tu não me querias... nem me tocavas!guerra? Como se luta? Coragem, estratégia e Fé! A proximidade distante causava Mil feridas narcísicas... sem suturas. Meu coração batia forte... e escutavas? Ficavas perto de mim, inatingível. E eu, como um brinquedo quebrado, ao seu lado, As faces do amor Esperava que me desses atestado. De validade! Que me tornasses visível... Mas, se eu chorava, ficavas impassível. Carlos Augusto Ferreira Galvão Tanta indiferença beirava à crueldade! E, por não privar de tua intimidade, Muita emoção quedou desperdiçada. O amor une, o desamor desune. Porque fomos bons companheiros de estrada, O coração sofre, mas fica imune. Aguentei firme teus modos arredios, Novamente o amor desperta, Sob o silêncio dos dias tão vazios, Pedaços se unem o amor concerta. Sob a ressaca das noites mal dormidas, Mais uma vez o amor junta, Mas sou alguém que não se rende. Jamais, Mas esta vida só desconjunta O desejo, envolto em xale de tristeza, Com coisas provincianas, de internato. Dentro da névoa de dor e estranheza, Então, rotulam-no de Concubinato. Sempre esperou que tu me quisesses mais...
  • 7. SUPLEMENTO LITERÁRIO O BANDEIRANTE - Maio de 2012 7 BaúRoberto Antônio Aniche Morava na casa velha de paredes cinza perto da esquinade uma rua qualquer, junto com o avô e um tio que nãofazia a mínima diferença. Desde que se conhecera porgente vivia ali naquela casa sombria, cheirando a gentevelha e a pinga barata. Não entendia porque com ele eraassim, porque, se todos os outros meninos tinham pai, mãe,irmãos e um cachorro, com ele era diferente. Um avô rude beirando a estupidez, a barba sempre porfazer, uma camiseta suada por baixo da camisa que tambémnunca trocava. Não adiantava ser bom ou ruim, era trata-do como se fosse de favor, aos gritos e palavrões, como seaquele comportamento espantasse o cheiro de urina secaque ele exalava. Um dia perguntara por que não conheciasua mãe e a resposta não foi boa. O velho chamou a mãedo garoto de vagabunda, à toa e desandou uma série deofensas. No final ainda o acusou de ser o filho dela. Não era possível e nem acreditava que a mãe fosseassim, tudo o que o avô gritara na sala. Mas ainda venceria o velho, pegaria suas coisas e iria embora, assim, simplesassim. Mesmo não sendo tão adulto para trabalhar, nem muito criança para fugir. Não aguentava mais aquela casa,aquela mesmice, o avô maldizendo a vida, o tio, sempre bêbado, caindo pelos cantos da casa, arrotando no meio dasrefeições. O tio nunca tomava partido de nada, aliás, muitas vezes sequer sabia onde estava, somente existia para beber, co-mer o que visse pela frente quando sentia fome, às vezes até sem usar o garfo. O menino olhava assustado e não via ahora de ir dormir em seu quarto. Trancava a porta por dentro com medo do zumbi em que o tio se transformava. Àsvezes, tarde da noite em que não conseguia dormir, ouvia o tio reclamar da vida, urinando de porta aberta e voltandopara a sala do próximo gole. Bastava amanhecer para o avô arrebentar a porta de pancadas, e lá começava tudo de novo. Tomar café preto emcopo sujo, comer o pão amanhecido, pegar os cadernos e ir para a escola sozinho, a pé, seis quadras acima. Um diairia ganhar do avô, subir ao sótão e abrir o velho baú da família... Voltou da escola mais cedo, ainda não eram cinco horas. A casa estava mais silenciosa do que de costume. Adentrou;o tio deitado de barriga para baixo, roncava aos borbotões, um pé calçado e o outro com a mesma meia velha e furada.Andou pelo corredor até o quintal e encontrou o avô na cadeira de balanço, barba por fazer, os olhos parados e fixosem qualquer lugar. Nunca lembrara ter visto o avô de barba feita ou penteado. Foi pedir a bênção. Beijou uma mãofria e cinzenta, assustou-se, gritou, pulou para trás enquanto a cabeça do velho pendia para o lado. Não sabe quantotempo ficou olhando, pasmado, sem saber o que fazer. Lembrou-se do tio bêbado. Foi ao quarto, mexeu, chamou, o tio xingou, virou de lado e continuou roncando como um porco velho. O meninovoltou, sentou no degrau da escada e ficou a contemplar o velho. E agora? Lembrou-se do baú proibido, terminan-temente proibido. Correu e subiu as escadas para o sótão, contemplou um baú antigo, fechado a cadeado. A chave!Desceu correndo as escadas e foi ter com o avô, que continua com o olhar rude, como se fosse novamente gritar, maso neto fala mais alto: “Você não pode comigo agora!”. Mergulhou a mão direita dentro da camiseta suja e no meio de um monte de pelos grisalhos achou a chave. Con-seguiu retirá-la, não sem dificuldades enquanto o avô babava em sua mão. Saiu correndo limpando a mão na blusa esubiu as escadas de novo. De frente para o baú, o coração aos saltos, tremia ao colocar a chave no cadeado enferrujado.Fez força, conseguiu girá-la, soltou o cadeado. Colocou as duas mãos na tampa. O coração salta pela boca. A dúvida: abre ou não abre? Tenta pensar, mas as mãos são mais rápidas e levantam atampa do baú proibido. Olha para dentro, espanto! Fica paralisado como se o avô morto estivesse agora ao seu lado. Melhor não saber o que tem dentro do baú, melhor ainda teria sido não querer saber o que havia dentro do baú.Melhor teria sido não ter a curiosidade e a coragem de abri-lo. Melhor fechar, fechou. Desce do sótão, corre ao cadá-ver do avô, totalmente paralisado, frio, inerte e recoloca a chave no peito dentro da camiseta. O tio continua a roncarsem a percepção do mundo ao seu redor. Corre ao quarto, coloca algumas roupas na mala da escola e sai para a ruasem fechar a porta. Anoitece, recebe no rosto o vento fresco da noite, livre, livre para a vida nova. Deixa o avô morto na cadeira debalanço, deixa o tio bêbado que só vai descobrir a morte do velho no dia seguinte e deixa o baú. Baús, nunca mais...
  • 8. 8 O BANDEIRANTE - Maio de 2012 SUPLEMENTO LITERÁRIO Quem é? Quem é? (Resposta da edição anterior) Carlos Augusto Ferreira Galvão, nosso querido associado e dedicadíssimo profissional da Medicina.Lembretes e notas de rodapé Nossas Pizzas Literárias: terceiras 5a feiras do mês, Rua Oscar Freire, 1.597, piso superior da Pizzaria BondePaulista, a partir das 19h30. Nosso blog: http://sobramespaulista.blogspot.com Nosso e-mail: escritoressobramespaulista@gmail.com Endereços eletrônicos da diretoria: josyannerita@gmail.com (presidente). marciaetelli@ig.com.br (secretária). jafmvieira@hotmail.com (tesoureiro).Eventos da sociedade no calendário 2012 • Próxima Pizza Literária: dia 21 de junho. • Eleições SOBRAMES-SP Biênio 2013-2014: setembro • Congresso SOBRAMES em Curitiba - PR: outubro • Coletânea SOBRAMES-SP (Décima Segunda Fornada): novembro • Posse da nova diretoria SOBRAMES-SP: dezembro Dr. Carlos Augusto Galvão Psiquiatria e Psicoterapia REVISÃO Anuncie Aqui Para anunciar em nosso Boletim Literário O Rua Maestro Cardim, 517 de textos em geral Bandeirante, entre em contato conosco. Paraíso – Tel: 3541-2593 Ligia Pezzuto Especialista em Língua Portuguesa Terminou de longevità (11) 3864-4494 ou 8546-1725 escrever seu (11) 3531-6675 Estética facial, corporal e odontológica * livro? Então Massagem * Drenagem * Bronze Spray * PUBLICIDADE publique! Nutricionista * RPG Rua Maria Amélia L. de Azevedo, 147 - 1o. andar TABELA DE PREÇOS 2009 (valor do anúncio por edição) Nesta hora importante, não deixe de 1 módulo horizontal R$ 30,00 consultar a RUMO EDITORIAL. 2 módulos horizontais R$ 60,00 Walter Whitton Harris 3 módulos horizontais R$ 90,00 Publicações com qualidade impecável, dedicação, cuidado artesanal e preço Cirurgia do Pé e Tornozelo 2 módulos verticais R$ 60,00 Ortopedia e Traumatologia Geral justo. Você não tem mais desculpas 4 módulos R$ 120,00 CRM 18317 para deixar seu talento na gaveta. 6 módulos R$ 180,00 Av. Pacaembu, 1.024 Outros tamanhos sob consulta rumoeditorial@uol.com.br 01234-000 - São Paulo - SP Tel.: 3825-8699 josyannerita@gmail.com (11) 9182-4815 Cel.: 9932-5098