Your SlideShare is downloading. ×
O Bandeirante - n.193 - Dezembro de 2008
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

O Bandeirante - n.193 - Dezembro de 2008

239
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
239
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Jornal O Bandeirante Informativo Mensal da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores Regional do Estado de São Paulo Ano XVII - nº. 193 - DEZEMBRO de 2008 Redação: sobrames@uol.com.br - (11) 9182-4815 Natal: ateus, crentes e ciência “Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. Mas, no que diz respeito ao universo, ainda não adquiri a certeza absoluta”. Albert Einstein (1879-1955), conhecido por desenvolver a teoria darelatividade, mas ganhou o Prêmio Nobel de Física de 1921 pela correta explicação do efeito fotoelétrico. por Helio Begliomini Médico urologista Presidente da SOBRAMES-SP Dezembro é o mês da celebração do Natal, onascimento de Jesus Cristo, Aquele que foi umgrande marco na história da civilização, dividindo- O genial filósofo, santo Aurélio Agostinhoa em antes e depois de Seu aparecimento. Embora (354-430 d.C.), bispo de Hipona, alinhava com umanão seja a maior festa da cristandade como sói ser singela, porém densa oração, essa questão em seufreqüentemente difundida nos mass media, é um mês livro Confissões I 1: “Senhor, Tu nos fizeste paraem que, inequivocamente, no Ocidente, se transpira Ti, e inquieto é o nosso coração enquanto nãomuita espiritualidade. repousar em Ti”. Embora 97,5% da humanidade seja crente Tampouco há contradição entre religião eem Deus – um Ser de capacidade infinita; criador, ciência. Ao contrário, há até complementaridade deatemporal e todo-poderoso – a pequena parcela dos misteres. Para o insigne Albert Einstein “Deus é aque se declaram ateus ou agnósticos, por vezes, faz, lei e o legislador do universo”; “A ciência sem aproporcionalmente, muito mais barulho do que a religião é coxa, a religião sem a ciência é cega”. Aliás,insignificância numérica que representa. como o próprio Agostinho asseverou que Deus A fé independe do quociente de inteligência, fascina, Einstein, com toda a sua formação eescolaridade, status social, condição de saúde, curiosidade científicas, chegou a afirmar: “Querosituação geográfica ou da era de existência do homo conhecer os pensamentos de Deus... O resto ésapiens no planeta. detalhe”. O homem não se contenta em reverenciar, a E Einstein era tão profundo em sua reflexãoseu modo e de acordo com sua cultura, seu Criador. que, com relação à existência, assim sintetizou: “HáNo imo de sua razão, em perfeita sintonia com seus duas formas para viver a sua vida: Uma é acreditarsentimentos, clama que a vida inerente ao seu ser que não existe milagre. A outra é acreditar que todastem predicados transcendentais, independen- as coisas são um milagre”.temente do substrato material, perecível ou reciclável Para aqueles que estudaram anos a fio ados elementos de seu corpo. Embora não consiga ciência de Hipócrates, não há muita dificuldade emexpressar ou mensurar essa sensação nitidamente, compreender, paradoxalmente, a razoabilidade daele percebe, ainda que velada e sutilmente, que segunda assertiva deste seu brocardo, pois, sãonasceu para viver eternamente. E o valor intrínseco inúmeras as variáveis que harmônica ee inestimável do homem emana de sua sagradatranscendência. (Continua na página 3)
  • 2. 2 O Bandeirante - Dezembro de 2008expediente Sobre a convergência de idéias e ideaisJornal O BandeiranteANO XVII - nº. 193 - Dezembro 2008 O ser humano é essencial- Baruch Von Espinoza, mente social, além de ser dotado filósofo holandês que viveu dePublicação mensal da SOBRAMES-SP - de características únicas que oSociedade Brasileira de Médicos 1632 a 1677 disse que “toda idéiaEscritores - Regional do Estado de São Paulo diferem dos demais seres vivos, que é absoluta em nós, ou seja, fazendo-o interagir com seu meio adequada e perfeita, é verda-Sede: Rua Alves Guimarães, 251 -CEP 05410-000 - Pinheiros - São Paulo - SP e com seus semelhantes de ma- deira”. A se deduzir, portanto,Telefax: (11) 3062-9887 / 3062-3604 neira muito peculiar. que a longevidade de nossa Para manter um nível ideal sociedade cultural, coisa extre-Editores: Flerts Nebó e Marcos GimenesSalun. de sociabilidade e para obter dessa mamente rara num país como oRedatores: Helio Begliomini, Marcos interação o melhor para si mesmo, Brasil, que pouco valoriza ouGimenes Salun, Flerts Nebó. instintivamente o homem estabe-Jornalista Responsável: Marcos Gimenes incentiva a cultura, é conse-Salun - (MTb 20.405 - SP). lece metas e objetivos. Alguns de qüência da adequação e daRev isão: Ligia Terezinha Pezzuto natureza bastante íntima, visam perfeição da idéia e dos ideais que(MTb 17.671 - SP).Redação e Correspondência: Av.Prof. satisfazer desejos e necessidades a regem e para onde convergemSylla Mattos, 652 - ap. 12 - Jardim Santa pessoais. Outros, comuns à seus associados.Cruz - São Paulo - SP - CEP 04182-010. maioria, visam primordialmente a O ano de 2008 foi marcadoE-mail: sobrames@uol.com.br.Tels.: (11) 9182-4815 / 2331-1351 sobrevivência enquanto espécie. A por momentos extremamente convergência de objetivos, sejam gratificantes para os membros da eles pessoais ou essenciais, é o que regional paulista da Sobrames,Colaboradores desta edição: MarcosGimenes Salun, Ligia Terezinha Pezzuto, torna possível a convivência que completou, em setembroMercedes Gomes, Lêda Maria Resende de harmoniosa entre os seres último, seus primeiros 20 anos deAlmeida, Josef Tock, Denise Máximo LellisGarcia e José Jucovsky humanos. história. Todas as conquistas e A Sociedade Brasileira de alegrias vividas só foram possíveisDiretoria - Gestão 2007/2008 - Presidente: Médicos Escritores é um típico graças à convivência harmoniosaHelio Begliomini; Vice-Presidente:Josyanne Rita de Arruda Franco; Primeiro- exemplo dessa convergência. dos objetivos pessoais de satis-Secretário: Maria do Céu Coutinho Louzã; Originada do ideal de seu fação de cada um dos associados,Segundo-Secretário: Evanir da Silva fundador, Dr. Eurico BrancoCarvalho; Primeiro-Tesoureiro: Marcos ao respeito às individualidades e,Gimenes Salun; Segundo-Tesoureiro: Ligia Ribeiro, em 1965, a Sobrames vem principalmente, ao esforçoTerezinha Pezzuto; Conselho Fiscal demonstrando, ao longo de sua conjunto para a consecuçãoEfetivos: Flerts Nebó, Arary da Cruz Tiriba,Luiz Jorge Ferreira; Conselho Fiscal profícua existência, sua missão de desses objetivos.Suplentes: Carlos Augusto Ferreira Galvão; ser um polo catalisador de idéiasGeovah Paulo da Cruz; Helmut Adolf e ideais. Marcos Gimenes Salun - EditorMataré. Projeto Gráfico e Diagramação: Rumo Editorial Produções e Edições REVISÃO Ltda. CNPJ.07.268.251/0001-09 de textos em geral E-mail: rumoeditorial@uol.com.br Ligia Pezzuto Rua Luverci Pereira de Souza, 1797 - Sala 3 Especialista em Língua Portuguesa Cidade Universitária - Campinas (19) 3579-3833 Matérias assinadas são deresponsabilidade de seus autores e não (11) 3864-4494 ou 8546-1725 representam, necessariamente, a opinião da Sobrames-SP Anuncie aqui! Walter Whitton HarrisPRESTIGIE E COLABORE. AS INICIATIVAS DA SOBRAMES-SP PODERÃO SER MUITO MELHORES SE VOCÊ TAMBÉM Cirurgia do Pé e Tornozelo PARTICIPAR. OS ACONTECIMENTOS PODEM ESTAR TABELA DE PREÇOS Ortopedia e Traumatologia Geral DEPENDENDO DE UMA AÇÃO POSITIVA SUA. (valor do anúncio por edição) CRM 18317 Tiragem desta edição: 250 exemplares Av. República do Líbano, 344 (papel) e mais de 1.000 exemplares 04502-000 - São Paulo - SP enviados por e-mail. 1 módulo horizontal R$ 30,00 Tel. 3885 8535 / Cel. 9932 5098 2 módulos horizontais R$ 60,00 Envie Textos Digitais 3 módulos horizontais 2 módulos verticais R$ 90,00 R$ 60,00 longevità Para facilitar o trabalho de edição deste jornal e de seu suplemento literário, envie 4 módulos R$ 120,00 sempre os seus textos em meio magnético, 6 módulos R$ 180,00 Estética facial, corporal e odontológica * Massagem * entregando-o gravado em disquete ou Outros tamanhos sob consulta Drenagem * Bronze Spray * Nutricionista * RPG enviando-o para o e-mail da redação sobrames@uol.com.br Rua Maria Amélia L. de Azevedo, 147 - 1º. andar sobrames@uol.com.br (11) 3531-6675
  • 3. O Bandeirante - Dezembro de 2008 3 Natal: ateus, crentes e ciência (Continuação da página 1)sinergicamente ocorrem a todo instante na do que os ateus e agnósticos, visto que conseguemmanutenção da vida, quer na intimidade de uma conceber pela intuição e/ou dedução através daúnica célula, num órgão, num sistema isolado ou articulação da razão – ainda que de forma imperfeitaem todo o seu conjunto, perfazendo um mesmo e parcial –, a noção do Todo-Poderoso, uma vez queser que, em cada segundo, se opera num novo as evidências a seu favor são muito maiores do quemilagre da existência. as contrárias. Daí, forçosamente, pode-se inferir que a Por fim, os crentes são mais honestos consigohomeostase, termo forjado pelo grande fisiologista mesmos através de um simples exame defrancês Claude Bernard (1813-1878), no século consciência ou auto-análise, termo este preferidoXIX, pai da medicina experimental, que poderia pelos ateus e agnósticos por julgarem que “exameser definido como as propriedades auto-reguladoras de consciência” tenha conotação e influênciade um sistema ou organismo religiosas. Na verdade, boa parteque permitem manter através dos ateus e agnósticos preferede centenas ou milhares de não ter consciência nem de sireações físico-químicas própria e nem da alteridade,simultâneas, subseqüentes e condições essas que a nivela e aininterruptas o estado de confronta inexoravelmente comequilíbrio de suas variáveis seus semelhantes, cuja quaseessenciais no meio interno ou totalidade é constituída deem seu meio ambiente, é um crentes.outro nome da taumaturgia Que as celebrações destede estar vivo, condição essa Natal possam trazer maiorque se repete a todo instante. lucidez imediata e trans- Ou ainda – com cendental aos crédulos e incréus,palavras próprias – homeos- ligados ou não à causa da ciência,tase é o milagre da existência que se repete da cultura e da intelectualidade!ininterruptamente. Outrossim, por ensejo do término desta As virtudes que diferenciam os crentes dos gestão e início de um outro mandato subseqüenteateus e agnósticos podem ser assim sumariadas: na querida Sociedade Brasileira de Médicosboa parte dos ateus e agnósticos é mais Escritores do Estado de São Paulo (Sobrames – SP),presunçosa, soberba, atrevida e arrogante, pois na condição de homem de ciência, mas também dese acha mais “iluminada”, privilegiada, evoluída, fé, agradeço a Deus por esses dois anos repletos deconsiderando-se “bright” (brilhantes, aliás, como saúde, intenso trabalho e de muitas realizaçõesos neo-agnósticos e os neo-ateus preferem se através da atual diretoria. Ademais, plagio o Criadorautodenominar, embora não queiram se – com consciência, mas também com humildade ecomparar, tal qual os esotéricos), por des- sinceridade – a trimilenar oração de Salomão, filhoconsiderar a necessidade de um Ser superior, ou de David e rei de Israel entre 970 a.C.-931 a.C.: “Dai,mesmo por advogar, com ou sem proselitismo, a pois, (Senhor!) ao vosso servo um coração sábio, capazinsensatez de se acreditar em Deus. de julgar o vosso povo e discernir entre o bem e o mal”. Já, a maioria dos crentes é mais humilde, (1 Rs 3, 9).solidária, resignada e altruísta frente aos mistérios Dessa forma, não almejo pessoalmentedos ciclópicos macro e microuniversos, assim como vanglória e jactância inúteis, insossas, passageiras ediante da vida lato sensu e da Sabedoria da criação. desagregadoras, mas, sim, o desejo sincero de ver aAliás, “criação” é um vocábulo preterido pelos ateus Sobrames – SP cada vez maior em número de sóciose agnósticos, pois, sem nada de convincente explicar adimplentes e eficazes; mais unida em torno de seuconcernente à Causa primeira, dizem simplesmente Estatuto; mais forte em suas metas; mais profícuaque tudo faz parte de um contínuo estado de em seus empreendimentos; e mais representativa eexpansão e retração; tudo faz parte de uma influente dentre as entidades culturais paulistas.mutação, de uma evolução... São desejos puros e bons. Conto com a Do ponto de vista biológico, provavelmente colaboração não somente da diretoria, mas tambémos crentes tenham maior densidade de neurônios de todos os seus diletos membros. E que Deus nospor milímetro quadrado de cérebro, ou, ao menos, seja favorável!maior número de células neuronais funcionantes
  • 4. 4 SUPLEMENTO LITERÁRIO - O Bandeirante - Dezembro de 2008 O Natal estragado Marcos Gimenes Salun - Jornalista - São Paulo - SP Bruninho estava que não via a Explicaram que naquela vez já todos já estavam lá, bem debaixo dahora de chegar de noite. Bem de noite. era a véspera de Natal e que o papai- arvorezinha, toda enfeitada com anjinhos,Quando todo mundo fosse dormir. Só noel já havia passado por lá. Por isso já sinos, estrelas douradas, renas e o papai-assim é que poderia dar certo. Mas na havia todos aqueles pacotes. Aí Bruninho noel gordão. Então ele falou de novo emcozinha sua mãe, sua tia, sua irmã e pensou assim: será que todos os meus voz muito alta, quase acordando todotambém a vó Dora preparavam doces, irmãos acreditam mesmo no papai-noel? mundo: “Papai-noel já passou! Queassavam carnes, faziam quitutes. Cada Sentou-se no sofá e ficou droga, viu!”uma com seu afã. “E o fermento, quem é pensando nisso. Olhava o papai-noel Mas rapidamente percebeuque trouxe?” que não estava assim tão Era como se ninguém contrariado por ter perdido oouvisse naquele burburinho da melhor da história. Se o papai-casa, mas o fermento aparecia, noel já passara, pelo menos osaparecia a farinha e aparecia um presentes estavam lá. E se osbolo de chocolate, todo vestido de presentes já estavam lá, o seumorangos. Mexe que mexe na também já estava. Animou-sepanela, mexe na vasilha, mexe para bem rapidinho outra vez: “ Voutudo quanto é lado. “Alguém pode saber qual é o meu presente!”desligar o forno? O assado já estáno ponto!” VII E Bruninho impaciente, Assim pensou e assimnão vendo a hora de chegar a mesmo agiu. Olhou para aquelehora. De chegar aquela hora bem montão de pacotes, todos muitode noitão mesmo, quando nin- bem embrulhados com papelguém mais estivesse acordado na colorido, um bem diferente docasa. Aí sim! outro na cor e no tamanho, e todos com fitas coloridas. Estava II gordão, lá no topo da árvore, olhava para com um sorriso até aqui de contente! A árvore já estava montada desde a correria dos irmãos pela casa. Sentia Certamente um deles era o seu. Mas comovários dias atrás. Foi o pai de Bruninho um cheirinho bom de rabanada com descobrir qual, se nenhum tinha umquem a armou e a encheu de bolinhas canela em cima. E pensava a que horas cartão ou o nome do dono? Papai-noelcoloridas. Tinha anjo, tinha estrela, tinha iriam botar os presentes ao pé da árvore. se esqueceu dos cartões. E agora?um casal de renas, tinha sino e tinha um “Desembrulhando!” – pensou nova-monte de enfeite dourado. Cada um mais IV mente em voz tão alta que quase acordoubonito que o outro. Tinha também o Mas para aquele Natal ele havia todo mundo.papai-noel, que ficava lá no topo da feito um plano. Quando todo mundo E foi assim que Bruninho tomouárvore, gordão daquele jeito, olhando fosse dormir naquela véspera de Natal a decisão de abrir todos os presentespra todo mundo. ele iria descobrir tudo, tudinho sobre daquele Natal, até descobrir qual era o Todos os irmãos de Bruninho papai-noel e sobre como os presentes seu.deram palpites sobre onde colocar os aparecem lá. Até já dormira um pouco àenfeites, mas a maioria foi mesmo o pai tarde, que era para não ficar com sono VIIIde Bruninho quem colocou. Eram de na hora “h”. Abriu primeiro a caixa grandona,vidro e tinham que ficar em lugar bem Ajeitou-se no sofá da sala, nem de papel pintadinho de rosa, com umaalto. Só o pai de Bruninho era quem ligando para a correria dos irmãos pela fita bem larga de cetim. Rasgou o papel epunha a mão em mimos tão delicados. casa. Azar o deles! Iriam perder o melhor espalhou tudo pelo chão. Era uma Mas tinha um problema nisso da história. bicicleta! Aí Bruninho pensou assim: -tudo: a árvore ficou lá um tempão, depois “Este presente não é o meu, pois já ganheide pronta, mas sem nenhum presente V uma bicicleta no ano passado. Deve serembaixo. Tanta coisa bonita enfeitando Então aconteceu da casa ficar da minha irmã Anacleta, pois a dela sea árvore e nenhum presente? Bruninho silenciosa. Ainda podia sentir o cheirinho quebrou noutro dia. Deve ser dela” –achava isso um desaforo. Achava que as bom dos quitutes que vinha da cozinha. pensou. E logo que pensou assim, ouviuárvores de natal já deveriam vir com Mas sabia que todo mundo tinha ido uma voz lhe dizendo:presentes embaixo. dormir. Levantou do sofá na sala que, de luz, tinha só um pisca-pisca das pequenas “Foi logo abrindo o grande pacotão III lâmpadas da árvore de Natal. Mais nada. e num instante ficou com um carão: Todos os irmãos de Bruninho Pisando na ponta do pé, para não fazer viu que era a bicicletatentaram explicar porque a árvore ainda barulho, foi em direção à árvore. de sua irmã Anacleta.não tinha presentes embaixo. Só que ele Aí, Bruninho! Que belo papelão!”não queria saber de conversa. Como é VIque pode uma árvore sem presentes? “Ah! Que droga, viu!” Bruninho Bruninho olhou assustado paraComo é que pode? “Lembra na casa da quase acordou todo mundo, reclamando todos os lados da sala, mas não soubetia Clara? Tava cheia de presentes...” em voz tão alta assim! É que os presentes quem lhe falava, nem de onde vinha a
  • 5. O Bandeirante - Dezembro de 2008 - SUPLEMENTO LITERÁRIO 5voz. Esperou por um tempo, vendo as árvore de Natal, por cima do papai-noel avisei... Vou abrir todos esses presentesluzinhas pisca-pisca e mais nada. E os gordão. E ficou lá, quietinha, quietinha... até descobrir o meu!”papéis do presente que ele abriu ficaram Bruninho estava com a boca E nem bem terminou de dizerespalhados pelo chão. aberta com tudo o que estava acon- isso já foi rasgando o pacotão vermelho, tecendo. Só olhava para a árvore de onde pulou um palhaço que não IX enfeitada pelo seu pai e para os papéis parava de gargalhar. E gargalhava tão Depois de passado o susto, Bru- de presentes rasgados que já estavam alto, mas tão alto, que certamente irianinho achou muito bonito um pacote espalhados pelo chão. acordar todo mundo. “Esse não é o seu”,verde de papel crepom, fechado com laço gritou a voz. Abriu outro pacote. “Esseescuro, de outro verde brilhante. Abriu. XI não é o seu”. E mais outro: “Esse não é oComeçou uma ventania, dessas de “Agora, sim, é que eu sei qual é o seu”.temporais, querendo derrubar as coisas meu presente. Lógico! É o que estáe assobiando para todos os lados. embrulhado de azul!” E foi pensando XIII Bruninho levou outro susto! Que assim que Bruninho foi abrindo outro E assim foi por um longo tempo,vento era esse que vinha dessa caixinha? pacote. Era de todos o mais cheiroso. que Bruninho nem sabe quanto. OsNem bem tinha acabado essa pergunta, Foi rasgando papel, arrancando fita e papéis de presente iam ficando espa-ouviu a mesma voz que já ouvira no outro tirando coisa da caixa. Uma caixa de lhados pela sala enfeitada de estrelas nopresente: bombons. Cereja coberta com chocolate. teto. A voz continuava dizendo “esse não Ai, que bom! Então ele comeu bombom, é o seu” e o papai-noel gordão já não “Abriu outro presente errado. comeu bombom, comeu bombom... estava mais no alto da árvore de Natal. E estava de novo enganado. E já estava tão estufado de tanto Lá só havia a estrela rabuda, brilhando Era só um secador, comer bombom quando ouviu, vindo mais, muito mais que todas as outras que girando a todo vapor. sabe-se lá de que lugar da sala, que já era ficaram presas no teto. “Esse não é o Você não está muito apavorado?” um brilhar só, de tanta estrela que tinha seu!”, cuco, “Esse não é o seu!”, cuco... escapado do outro presente, uma frase Bruninho não descobriu o Bruninho só então desconfiou que que o deixou preocupado: mistério do papa-noel e nem achou seuaquele presente era o de sua irmã mais presente naquela grande confusão. Evelha, a Carina, que vivia pedindo um “Eu sabia que não era seu agora estava tudo estragado. O Natalsecador de cabelos novo, só seu. E, de esse doce que você comeu. estava estragado. Todos os presentesnovo, os papéis do presente que ele abriu Se tivesse perguntado, abertos, estrelas para todo lado, vozesficaram espalhados pelo chão. eu teria lhe falado... vindo não sabia de onde, “esse não é o Mas agora, o doce derreteu.” seu!”, e Bruninho achou que tinha X estragado o Natal. Mas como Bruninho não desistia Bruninho tentou fechar a caixade abrir presentes para descobrir qual bem depressa, pensando que a voz vinha XIVera o seu, resolveu abrir mais um: era de dentro dela. Mas, cadê a tampa? “Bruninho, acorda que o papai-uma caixa branca, tão branca que até Perdida no meio de tanto papel de noel já passou...”brilhava. Então ele se assustou de uma presente colorido, rasgado e jogado novez. Tirou a tampa e... Era uma caixa cheia chão. XVde estrelas. Quando Bruninho abriu a No ar havia um cheirinho bom dostampa, aconteceu. Todas as estrelinhas XII assados e do bolo de chocolate. Os irmãospresas na caixa, quando viram a tampa Então era assim que funcionava? de Bruninho já não corriam pela casa.aberta, escaparam. Foram todas parar no A cada presente errado que se abria, Abriam presentes. Bruninho esfregou osteto, pois estrelas gostam de lugares bem vinha aquela voz de recriminação, e ainda olhos e só então percebeu que dormiraaltos. por cima fazendo um versinho? Foi aí que no sofá. Olhou para o teto e não viu Bruninho gritou assim, tão alto Bruninho teve uma idéia: “Vou conversar estrelinhas grudadas. Olhou para o péque quase acordou todo mundo outra com essa voz”. E Bruninho quase gritou da árvore de Natal e viu que havia umvez: “Desce daí todo mundo, que eu não “Voz estranha, voz estranha, estou atrás monte de presentes ali. Correu os olhosmandei ninguém subir!” do meu presente. Quer dizer, por favor, para o topo da árvore e não viu o papai- Mas todas as estrelinhas ficaram onde ele está?” noel gordão, sorrindo como estava antes.lá no teto, brilhando. Ninguém queria Esperou um pouco e não ouviu Ali havia apenas uma estrela rabuda,descer. E Bruninho já estava muito nada. Só havia silêncio na sala e a brilhando intensamente.preocupado com seu plano. “Quem é que luminosidade de todas as estrelinhas E foi então que o pai de Bruninho,vai acreditar que o papai-noel é o meu fugidas, pregadas lá no teto.“Voz esticando a mão com um pacote muitopai se eu não explicar isso direitinho? E estranha, voz estranha. Se você não bem embrulhado, falou assim: “Toma,quando eu disser que todas as estrelas disser onde está meu presente, eu vou Bruninho! Este é que é o seu! Felizforam parar no teto só porque eu continuar abrindo... Olha que eu já Natal!”desembrulhei o presente errado, que era avisei...”de minha irmã, o que é que todo mundo E nada! O papai-noel gordãovai dizer?” estava quietinho no topo da árvore, E ainda por cima aquela coisa de sorrindo. A única diferença era aquelatodas as estrelas que escaparam da caixa estrela rabuda que foi parar quase sobrebranca estarem lá no teto. Todas! sua cabeça. Bruninho já estava muitoNenhuma queria saber de descer. Tinha impaciente e fez seu último aviso: “Vozuma delas, até com um rabão bem grande estranha, voz estranha. Bem que eu lhee luminoso, que pousou bem no alto da
  • 6. 6 SUPLEMENTO LITERÁRIO - O Bandeirante - Dezembro de 2008 Vem, contornando e colorindo, Crescimento passo a passo, o caminho desenhado Ligia Terezinha Pezzuto pelo facho de sol. Jornalista São Paulo - SP Onde inseguranças, medos, ansiedades e incertezas transbordam em lágrimas a refletirem a pureza de um desejo insatisfeito, desconhecido No entardecer calmo e ligeiro e ávido por encontrar respostas. de estreita amizade inconteste, deparo-me com inesgotável riqueza Sentindo, sem saber, a adolescência de princípios e valores. exigir a sua vez, duro caminho enevoado e íngreme Onde estradas aparecem prazerosas, faz-se necessário percorrer. rumo ao leito de um rio de gargalhadas, gorjeiam passarinhos de afinados silvos, Perguntas a fervilhar o pensamento relebrando o parquinho das velhas brincadeiras. angustiam a alma dolorida por tantos desconfortos. Os trinados, aliados aos gemidos das gangorras, vai-e-vens e balancinhas, Nos amigos, o apoio necessário, fazem emergir da lembrança sentimento de saudável euforia, doces sons longínquos e loquazes. a cada resposta recolhida com entusiasmo, em partilha, Encantadoras vozes infantis, muito mais comemorada. envolvidas pelo aroma salutar da inocência, recheado de E, assim, de conquistas em conquistas, vida, sonhos e desejos, queda e recomeço, erros e tropeços, nutrem o pensamento segue a vida construída com com a aurora de tempos o esforço que adiante se fará presente mais tranqüilos. em sorrisos, preces e gritos de vitória. Apenas um olhar Mercedes Gomes Empresária Luanda - Angola Apenas um olhar! Mas, isso não foi tudo, Um olhar medido no tempo, pois, ao tomares minhas mãos entre as tuas,uma grande e repentina empatia a provocar a simbiose o calor que tua pele me transmitiu do tato, do cheiro, da sonoridade, foi como um renascer para a vida… do sonho e do amor. Ao mesmo tempo que me olhavas Então, falavas coisas que eu, sem que eu soubesse o porquê, projetou-se, em êxtase, não entendia. num ponto perdido lá no horizonte, Meus ouvidos sorviam tua fala com emoção… a realidade impossível, Teu olhar singelo, tuas mãos fortes e firmes contida nas caixinhas de emoções e tua voz rouquenha e harmoniosa que se abriram em meu coração. revelaram-me a ternura que existe em teu Ser, Aí surgiu a mulher emocionada, carente, criança, Guerreiro da Paz… absolutamente comovida com o espanto do encanto Se líder fostes entre os homens, que teu olhar despertou. em meu coração és para sempre Apenas um singelo olhar… o Presidente!...
  • 7. O Bandeirante - Dezembro de 2008 - SUPLEMENTO LITERÁRIO 7 Café prismático Lêda Maria Resende de Almeida Médica pediatra São Paulo - SP seja pago antecipado. Acompanhado de uma parcela de prazer. Procede. E vai ver sempre tem uma forma de evitar juros. Não dava para acreditar. Aliás. Dava para acreditar. Era alta. Magra. Elegante. Porte ereto. GestualNão dava era para compreender. Minha avó sempre me delicado. Fugia ao comum. Tinha cabelos brancos. Nãodisse isso. Fique atenta no que acredita e não compreende, tingidos. Longos. Presos com uma fivela sofisticada. Umamenina, fique atenta. Às vezes penso que escutei pouco a roupa despojada e adequada. Já sentada, sorriu. Para quem ,minha avó. Vai ver por isso encontro mais problemas. Que estava em volta. Eu me incluí. Elogiei a decisão. Fez uma - t msoluções. olhar de surpresa. Não se imaginava observada. Agradeceu. Com singeleza. Com tranqüilidade. b é m O lugar era adequado. A cafeteria, uma delicadeza.Isso sem falar naquele burburinho. Vozes sussurradas fazem Ele vinha em direção dela. Segurando a bandeja.mais efeito que gritadas. Todos ali sussurravam. Dando seu Tentando equilibrar irritação, aceitação, cobrança futura,estilo musical nas entonações. Nos pequenos silêncios. café e bolinhos. Não devia ser fácil. A expressão estavaComo uma partitura. Numa sequência sem maestro. Mas insegura. Desta vez ela o recebeu com um outro olhar. Olharcom cadência. Assim era o ambiente. Uma quase orquestra. de irreverência.De sons. E tons. Até de sotaques. Uma exposição cautelosa Sabe-se lá por que perguntei se era escritora. Nemdas idéias. Em pianíssimo. Em allegretto. Até cabia um allegro sei de onde tirei essa idéia. Mas perguntei. Ela respondeu.ma non troppo. Com serenidade. Com uma voz firme. Não. Sou atriz. Devo O olhar veio antes. Era um olhar lúdico. O corpo ter feito uma coletânea de todos os olhares dela. Em mim.todo veio depois. Mas tinha uma sintonia com o olhar. Ao mesmo tempo. Pelo jeito com que ela me olhou. Sorri.Deveria ser mesmo um lugar de que gostava. Que E parabenizei. Com entusiasmo.freqüentava. Ou que tentava freqüentar. Com o olhar, Lembrei-me da minha avó. Agora, sim. Acreditei epercorria os lugares. E buscava o seu. Vago. Uma mesa. compreendi. E o contrário também vale.Uma cadeira. Um assento. Onde pudesse abrigá-los. Corpoe olhar. E o riso. Ria como se para alguém. Conclui. Deveriaser o alguém interior. Uma daquelas comemorações festivas.Entre ego e superego. Ou entre ego e alter ego. Vai lá saber. Sobrames Algo de repente ficou errado. Nesse momento oolhar mudou. Já não era mais lúdico. Era um olhar vinte anosenvelhecido. Ele veio na direção dela. Com ar dedesagrado. Gesticulando para ela. Com desaprovação. Ocorpo em sintonia com o olhar. Desagradável. O dedo Josef Tocksubstituiu a fala e apontou faltas. Muitas faltas. Faltava lugar. Médico oftalmologistaFaltava tempo. Faltava espaço. Parecia que apenas sobrava São Paulo - SPespera. Desconforto. E dedos. Ele gesticulava. Elaobservava. Parecia hesitante, mas atenta. Por segundosretirava o olhar dele e olhava o espaço. O ambiente. Eleinsistiu.O olhar dela mudou. Era agora um olhar resignado. Somos todos unidos pelo mesmo ideal. Ele foi à frente. Deu as costas. Ela o seguiu. Iam Obreiros do escrever e do versejar.sair. Fiquei pensando no por que da concessão. Nas mil Brasileiros, verde-amarelo – o amor pela pátria.razões das concessões. Durou pouco meu pensamento. Nãocheguei nem na segunda razão. Até respirei aliviada. Vi Recitamos nossas mensagens nas Pizzas Literárias.que ela voltou. Voltou. Quase dei um pulinho da cadeira. Ano após ano, vinte anos são passados.Que teria acontecido? E com ela um novo olhar. Olhar dedecisão. Ia ficar. Quase aplaudi. Contive-me. Ele ainda Médicos e não médicos, amizades consolidadas.ficou por um instante de pé. Diante dela. Reprovou. E o sonho de Flerts Nebó foi realizadoApontou. Resmungou. Acatou. – a árvore cresceu e frutificou. Enquanto ela sentava, ele foi buscar o café. Estavairritado. Expressão de tédio, como ela diria se o estivesse Saudades dos que se foram evendo. Pensei. Este deverá ser o café mais caro do planeta. de outros que estão distanciadosMas ela deve saber o que faz. E se tudo tem um preço, que marcaram a nossa Sobrames.
  • 8. 8 SUPLEMENTO LITERÁRIO - O Bandeirante - Dezembro de 2008 Rima que reanima Denise Máximo Lellis Garcia Médica pediatra São Paulo - SP Por uma rima com sol, Meu feio virou medonho, entendi o que é bemol o chato ficou enfadonho. ou nunca teria aprendido Proponho depois me oponho o que vem a ser sustenido. pra rimar tudo com sonho. Agora não temo, trepido E eu, que nem sou de beber, e até acredito em cupido. pra usar a palavra tranqüila No calor usei cachecol. e fazer rima aparecer, Combinou com um girassol. aceito até uma tequila. Tentei uma rima pra súmula. Ela dá ritmo ao clima, Fórmula, flâmula, trêmula. dá um certo balanço que anima. Então conheci a plúmula Quem estima o verso acima que é tão planta quanto a ênula. faz de tudo por uma rima. Histórico mito da felicidade José Jucovsky Médico ginecologista São Paulo - SP II I Após a guerra, com a ajuda divina, A homérica “Ilíada” trajetória. o lendário Ulisses se põe a navegar Épico poema jônico elaborado. por ínvios caminhos e mística sina. Lírico pináculo de eterna glória. Atravessa o mar para ao seu lar retornar... Humano belicoso ânimo endeusado! Retido por tempestades nebulosas, O rapto de Helena consumado por sereias e ciclópicas figuras, transforma-se em lutas renitentes. superando em lutas milagrosas Gregos e troianos exaltados, humanas metafóricas aventuras! empunhando espadas reluzentes! III A “Guerra de Tróia” em narrativa Venerando o seu amor distante, dividida em 24 “Cantos” permanece “Penélope” em diuturna atividade dramatizada em esdrúxula inventiva, tecia um símbolo fascinante: traz da tradição oral dialética prece! o histórico mito da fidelidade! Conflito em inóspita adversidade Ulisses vinte anos ausente com estratégica destreza e ousadia. consegue à “Ilha de Ítaca” chegar, Ao sabor da minerval sagacidade, eliminando um a um os pretendentes o famoso “Cavalo de Pau” acontecia! que queriam “Penélope” desposar.
  • 9. O Bandeirante - Dezembro de 2008 9 Diretoria aprova calendário de de atividades para 2009 Em sua última reunião administrativa, “Flerts Nebó” para a melhor prosa do ano. DEZEMBRO DE 2008 - Reunião dea diretoria da Sobrames-SP aprovou o Em ambos concorrerão os autores que diretoria no dia 4; Lançamento dacalendário de atividades para o ano de 2009. apresentarem seus textos durante as Pizzas coletânea “A Pizza Literária - décimaAs reuniões mensais de diretoria serão Literárias. A cada três meses, serão realizados fornada” no dia 12, na Casa das Rosas;realizadas na primeira quinta-feira de cada mês também os já tradicionais desafios da Pizza Literária no dia 18.e as Pizzas Literárias, na terceira quinta-feira. Superpizza, nos quais os autores exercitam-Em caso desses dias recaírem em feriados ou se escrevendo sobre temas propostos.se houver algum impedimento, as datas Como pauta básica da segunda gestãopoderão ser remanejadas da melhor maneira da diretoria, que tomou posse em 18 depossível. Este jornal manterá uma coluna com dezembro, permanecem algumas metas daas informações mensais dessa agenda. gestão anterior, sem data definida para Como destaque especial, em 2009 acontecer, mas contando com o firme apoioestá programada para setembro a realização de todos. Dentre elas destaca-se a obtençãoda X Jornada Médico-Literária Paulista em de uma sede e a conquista de novos associadosconjunto com a V Jornada da Sobrames (veja mais detalhes no relatório anual daNacional. Em breve as notícias e informações diretoria de 2008, páginas 10 e 11).sobre esse evento começarão a ser publicadas. Vale lembrar que em todas as Outras atividades que merecem atividades programadas haverá contagem dedestaque são o lançamento da VI Antologia pontos para a terceira edição dos prêmiosPaulista durante os encontros programados motivacionais “Rodolpho Civile” depara o mês de setembro e a realização dos FEVEREIRO DE 2009 - A reunião de assiduidade e “Aldo Miletto” de melhortradicionais prêmios literários “Bernardo de diretoria será no dia 5 e a Pizza desempenho. Acompanhe a agenda, participeOliveira Martins” para a melhor poesia e Literária, no dia 19. e prestigie as atividades de 2009! As Pizzas Literárias acontecem na Pizzaria BONDE PAULISTA, na Rua Oscar Freire, 1.597 - Pinheiros - 19h30. As reuniões da diretoria acontecem no Centro de Estudos do Hospital São Camilo - Av. Pompéia - 1.178 - Pompéia - 19h30. Vem aí a X Jornada Prêmios de assiduidade e desempenho Médico-Literária de 2008 serão entregues em janeiro Está prevista para setembro de Encerra-se em 18 de dezembro duas categorias). Na categoria interior,2009 a realização da X Jornada Médico- a segunda edição dos prêmios de lideram Geovah Paulo da Cruz eLiterária Paulista que desta vez assiduidade e de melhor desempenho Rodolpho Civile (ambos com 10 pontos),acontecerá em conjunto com a deste ano. Criados pela atual diretoria seguidos por Alcione AlcântaraV Jornada Nacional da Sobrames, para estimular a participação dos Gonçalves (9 pontos). Na categoriaconforme ficou decidido no último associados nas diversas atividades da Grande São Paulo, estão à frente Josécongresso nacional, realizado em Sobrames-SP, os certames levam em Rodrigues Louzã, Marcos GimenesFortaleza, em junho deste ano. conta a presença nas Pizzas Literárias, Salun, Maria do Céu Coutinho Louzã, A comissão de trabalhos já está a edição de livros dos associados, a Roberto Antonio Aniche (todos com 10composta e vem se empenhando há participação em antologias, coletâneas pontos), seguidos de Helio Begliomini,algum tempo para definir local de sua e em Jornadas e Congressos promovidos Luiz Jorge Ferreira e Sérgio Perazzorealização e alguns dos pontos pela entidade, entre outros quesitos. (com 9 pontos).essenciais para que o evento aconteça A contagem dos pontos obtidos pelos O “Prêmio Aldo Miletto” deda melhor maneira possível. associados adimplentes durante o ano melhor desempenho de 2008 tem a Algumas decisões já foram já está sendo finalizada. seguinte posição até o momento:tomadas pela comissão organizadora, O anúncio dos vencedores e a Marcos Gimenes Salun lidera com 27no entanto a divulgação do evento com entrega dos certificados acontecerá pontos, seguido de Helio Begliomini (26detalhes somente deverá ter início a na Pizza Literária de 15 de janeiro de pontos); Flerts Nebó (20 pontos); Josépartir de janeiro. 2009. A última contagem parcial tinha Rodrigues Louzã (18 pontos); Alcione Desde já recomendamos a todos a seguinte posição: Alcântara Gonçalves e Luiz Jorgeos que queiram participar desse “Prêmio Rodolpho Civile” de Ferreira (ambos com 17 pontos). Nesteencontro que preparem seus melhores maior assiduidade (premiará a todos os prêmio apenas o que tiver maior númerotextos em prosa e verso para inscrição que obtiverem maior pontuação, em de pontos receberá o certificado.nas sessões de temas livres quetradicionalmente são realizadas. Neste momento, além das ROBERTO CAETANO MIRAGLIAúltimas definições quanto ao local da ADVOGADO - OAB-SP 51.532realização, a comissão organizadora jáestá elaborando um variado programa ADVOCACIA – ADMINISTRAÇÃO DE BENS NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS – LOCAÇÃOcultural e turístico para que a COMPRA E VENDA DE IMÓVEISX Jornada Médico-Literária Paulista ASSESSORIA E CONSULTORIA JURÍDICArepita o sucesso das últimas edições. TELEFONES: (11) 3277-1192 – 3207-9224
  • 10. 10 O Bandeirante - Dezembro de 2008 Relatório da Diretoria da Sobrames – SP Biênio 2007-2008 A fim de se cumprir determinação estatutária, eiso relatório dos dois anos da presente gestão (2007-2008). 8. Realização de diversos contatos e ofícios para aOs feitos podem ser assim sumariados: obtenção de uma sede. Projeto ainda sem resultados concretos. Entretanto, desde março de 2008, a atual 1. Realização de 24 reuniões oficiais da diretoria, diretoria conseguiu um espaço no Centro de Estudos doacrescidas de outras 3 oficiosas antes da posse. Hospital São Camilo – Pompéia para suas reuniões de diretoria. 2. Organização de 24 Pizzas Literárias. 9. Realização de 8 (oito) Concursos SuperPizzas 3. Campanha, com sucesso, para redução do (um a cada três meses).número de inadimplentes; acolhimento de membros queestavam afastados e admissão de novos sócios. 10. Realização de 2 (duas) versões (2007 e 2008) do Prêmio Bernardo de Oliveira Martins, a melhor 4. Publicação de 24 edições de O Bandeirante poesia do ano.com oito páginas, sendo 4 delas com doze páginas. Foramrealizadas campanhas para aumento de anunciantes em 11. Realização de 2 (duas) versões (2007 e 2008)nosso O Bandeirante, com sucesso crescente. Decidiu- do Prêmio Flerts Nebó, a melhor prosa do ano.se que só seriam aceitos para publicação trabalhos demembros adimplentes com a entidade. O Bandeirante 12. Criação de mais dois prêmios com 2 (duas)começou também a ser enviado em quatro cores pela versões (2007 e 2008): a) Prêmio Aldo Miletto deInternet, desde janeiro de 2007, para um universo de Melhor Desempenho na Sobrames – SP.; b) Prêmioaproximadamente 1.000 pessoas e instituições. O Rodolpho Civile de Assiduidade – Modalidades:Bandeirante, além de contar, há anos, com o trabalho Grande São Paulo e Interior.esmerado de diagramação e de composição do jornalista esócio Marcos Gimenes Salun, passou a contar também, 13.Confecção de dois banners da Sobrames –desde o início de 2007, com o serviço de digitação da SP para as Pizzas Literárias.sócia Maria do Céu Coutinho Louzã e de revisão ortográficada jornalista e sócia Ligia Terezinha Pezzuto. Embora seja 14. Adequação dos Estatutos da Sobrames –do conhecimento de todos, torna-se significativo mencionar SP ao novo Código Civil. Convocação de Assembléia Geralque estes serviços, assim como todos os demais realizados Extraordinária que foi realizada em dezembro de 2007 epelos diretores da entidade foram e são sem-remuneração. efetuado o respectivo registro do Estatuto em cartório. 5. Organização da IX Jornada Médico-Literária Paulista na cidade de Jundiaí de 27 a 30 de 15. Organização de uma Sabatina Literáriasetembro de 2007. Houve 4 idas da Comissão Organizadora realizada na cidade de Jundiaí, em 26 de abril de 2008.a Jundiaí; escolha esmerada de roteiro gastronômico-cultural diverso (não repetitivo) e diário; estabelecimento 16. Divulgação e apoio aos membros dade concursos em prosa e em verso com seleção de duas Sobrames – SP em seus lançamentos literários.comissões julgadoras, respectivamente uma para cadamodalidade literária; confecção de 60 cartazes coloridos 17. Estímulo para que o maior número depublicitários que foram afixados em hospitais, faculdades membros da Sobrames – SP participasse do XXIIde medicina e instituições culturais; diversos contatos e Congresso Nacional da Sobrames realizado de 4 a 7ofícios com autoridades e entidades políticas, educacionais, de junho de 2008, na cidade de Fortaleza, Ceará. Os 9culturais e empresariais; e confecção dos Anais dos (nove) representantes paulistas foram: Flerts Nebó,trabalhos previamente inscritos que foram entregues aos Marcos Gimenes Salun, Maria Imaculada Gomes Gimenes,participantes. Aida Lúcia Pullin Dal Sasso Begliomini, Helio Begliomini, Alcione Alcântara Gonçalves, Carlos Augusto Ferreira 6. Edição da VI Antologia Paulista lançada por Galvão, Luiz Jorge Ferreira e Michel Herbert Alvesocasião da IX Jornada Médico-Literária Paulista. Trata-se Florêncio, que apresentaram cerca de 19 trabalhos em versode um florilégio no qual foram reunidos todos os trabalhos e em prosa. Flerts Nebó teve a honra de estar na mesa depublicados em O Bandeirante nos últimos dois anos. abertura do evento ao lado de eminentes figuras, como oEsse projeto é custoso e foi patrocinado exclusivamente ex-governador do Estado do Ceará, Lúcio Alcântara. Marcospela Sobrames – SP. Gimenes Salun secretariou uma mesa-redonda e ganhou o 1o lugar no concurso de contos com o trabalho “Ramalhete”. 7.Participação no Corredor Cultural Paulis- Carlos Augusto Ferreira Galvão e Helio Begliominita na Fiesp – 8 a 14 de outubro de 2006. presidiram, cada qual, sessões de temas livres em prosa.
  • 11. O Bandeirante - Dezembro de 2008 11Helio Begliomini conferenciou sobre “Vida e Obra do Dr. das demais regionais, assim com a outras entidadesEurico Branco Ribeiro” e foi convidado para presidir a culturais.Comissão Eleitoral do disputado pleito, único na históriada entidade com duas chapas. Michel Herbert Alves 26. Realização da coletânea Pizza Literária –Florêncio lançou seu livro O Verbo em Ebulição – décima fornada. Foi lançada no dia 12 de dezembro deOrações, Salmos e Poesias que, a pedido, foi 2008, na glamourosa Casa das Rosas, na av. Paulista no 37,apresentado aos congressistas por Helio Begliomini. Paraíso, e custeada pelos seus participantes.Ademais, a Sobrames – SP foi escolhida porunanimidade para sediar e organizar a V Jornada Todas essas realizações – muitíssimo além do queNacional da Sobrames que coincidirá com sua X Jornada fora planejado executar no início da gestão – deveu-se aMédico-Literária Paulista. um trabalho coletivo, coeso, altruísta e quase anônimo dos membros da diretoria, apoiados por sócios diletantes à 18. Sorteio e doação de livros aos participantes causa da entidade, aos quais, em nome dela, a diretoriaem várias Pizzas Literárias. agradece emocionada. 19. Racionalização de duas bebidas por Helio Begliominipessoa nas Pizzas Literárias. Medida que contribuiu para Presidente da Sobrames-SPequilibrar os déficits das contas das reuniões sociais e Gestão 2007-2008aumento, no início de 2008, de apenas R$ 5,00 no valorper capita das Pizzas Literárias – de R$ 25, 00 há anos (!)para R$ 30,00 reais. Participação Paulista 20. Representação da Sobrames – SP em 11 na Abrames(onze) eventos patrocinados por outras entidades científicase culturais. A tradicional Semana da Academia Brasileira de Médicos Escritores (Abrames) contou, nos dias 27 e 28 de 21. Acolhida, na Pizza Literária de agosto, do Dr. novembro, com a presença de Nelson Jacintho e sua esposa,Simão Arão Pecher e sua esposa, Nina, representantes da Dumara, residentes em Ribeirão Preto, e do presidente daSobrames do Amazonas e reunião no dia 8 de setembro Sobrames – SP, Helio Begliomini.com o Dr José Maria Chaves, presidente da Sobrames Ceará Essa foi a primeira vez que a solenidade foi realizadae organizador do próximo Congresso Nacional da no belo e confortável salão nobre do Conselho Regional deSobrames. Acolhida na reunião de setembro da confreira Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj). Quatro membros da Sobrames paulista foramMaria de Fátima Calife, da Sobrames pernambucana. premiados na sessão solene do dia 28 em várias modalidades através de concursos realizados sob pseudônimo. Ei-los: 22. Organização do Concurso da Letra do Nelson Jacintho recebeu o 2o lugar em trovas com oHino da Sobrames – SP (segundo semestre de 2008). tema “sonho”; 3o lugar em trovas com o tema “azar”; o 4o lugarSob pseudônimo e facultado a todos os membros (menção honrosa) com o conto “A Agenda”; o 5o lugar (mençãoadimplentes da entidade. Ademais, todos os membros honrosa) com a crônica “Este País que não mais Conhecemos”adimplentes da entidade foram convidados para serem e o 5o lugar (menção honrosa) com o ensaio “Suicídio”.juízes. Houve 6 (seis) trabalhos inscritos. Evanil Pires de Campos recebeu o 5o lugar com a poesia “Memórias Póstumas” e o 3o lugar com o ensaio “Machado de Assis”. 23. Organização do I Concurso de Poesias da Thereza Freire Vieira recebeu o 3o lugar com a crônicaRede São Camilo de Assistência (segundo semestre “Caça às Rãs”.de 2008). Helio Begliomini recebeu o 1o lugar com a poesia “Passagem”; o 4o lugar (menção honrosa) com a crônica “Lição 24. Organização do Jantar em Comemoração de Anatomia e Arte” e o 4o lugar (menção honrosa) com odo 20o aniversário da entidade. Foi realizado no dia 26 ensaio “Vieira, um Homem Além do seu Tempo”.de setembro de 2008 no restaurante Mare D’Itália na RuaJoaquim Floriano, no 211, no bairro do Itaim Bibi. A adesãofoi de R$ 30,00 por pessoa, excetuando-se bebidas. Quer publicar seu livro? 25. Pesquisa, organização, diagramação e edição,pelos diretores Helio Begliomini e Marcos Gimenes Salun, Não deixe de consultar ado livro Sobrames Paulista – Compêndio dos seus RUMO EDITORIAL.Vinte Anos de História – 1988-2008 (setembro de Qualidade impecável, pelos2008). Esse projeto foi totalmente custeado por seus autores, melhores preços.isentando a entidade de quaisquer ônus. Esse livro marcoude forma indelével essa efeméride e foi distribuído rumoeditorial@uol.com.brgraciosamente aos sócios da Sobrames – SP, a outros sócios (11) 9182-4815
  • 12. 12 O Bandeirante - Dezembro de 2008 Casa das Rosas acolhe escritores da Sobrames Em noite memorável, cerca de 150 pessoas entre autores e convidadosparticiparam do lançamento da coletânea “A Pizza Literária - décima fornada”,realizada no último dia 12 de dezembro na Casa das Rosas, Espaço CulturalHaroldo de Campos, na mais paulista das avenidas de São Paulo. Um excelente grupo musical animou a festa com MPB da melhor quali-dade enquanto era servido um coquetel e os autores autografavam e distribuíama mais recente obra publicada pela Sobrames-SP (detalhes ao lado). Veja abaixo Ficha Técnica: 274 páginas (14 x 21 cm.);alguns dos momentos desta festa literária inesquecível. 33 autores; Editora: Rumo Editorial Produções e Edições; ISBN 978-85-60380- 09-1; Organizador: Marcos Gimenes Salun; Edição de Capa: Marcos Gimenes Salun; Prefácio: Helio Begliomini; Revisão: Ligia Terezinha Pezzuto; Data e local de lançamento: 12.12.2008 – Casa das Rosas – Espaço Cultural Haroldo de Campos de Poesia e Literatura – Avenida Paulista, 37 – Cerqueira César – SP; Tiragem: 1.400 exemplares. Requinte e tradição da Casa das Rosas como palco da festa literária. Autores participantes: Aída Lúcia Pullin Dal Sasso Begliomini; Alcione Alcântara Gonçalves; Alípio Augusto Bordalo; Alitta Guimarães Costa Reis; Carlos Augusto Ferreira Galvão; Carlos José Benatti; Denise Máximo Lellis Garcia; Evandro Guimarães de Sousa; Evanir da Silva Carvalho; Fernando Batigália; Flerts Nebó; Geovah Paulo Música Popular Brasileira da melhor qualidade animou o público. da Cruz; Guaracy Lourenço da Costa; Helio Begliomini; Hélio José Destro; Jacyra da Costa Funfas; José Jucovsky; José Rodrigues Louzã; Josyanne Rita de Arruda Franco; Lêda Maria Rezende de Almeida; Ligia Terezinha Pezzuto; Luiz Jorge Ferreira; Marcos Gimenes Salun; Maria do Céu Coutinho Louzã; Mercedes Gomes; Michel Herbert Alves Florêncio; Nelson Jacintho; Roberto Antonio Aniche; Roberto Caetano Cerca de 150 pessoas circularam pelos salões da casa. Miraglia; Rodolpho Civile; Sérgio Perazzo; Walter Whitton Harris; e Wilma Lúcia da Silva Moraes. Aquisições: Para adquirir a obra, entre em contato com qualquer um dos autores, com a Sobrames, através do e-mail (sobrames@uol.com.br) ou com a editora (rumoeditorial@uol.com.br). Autógrafos e muita emoção dos escritores participantes. Informações: Para maiores detalhes sobre a série de coletâneas publicadas pela Sobrames-SP, consulte o livro “Sobrames Paulista - compêndio dos seus vinte anos de história (1988- 2008)”, de Helio Begliomini e Marcos Gimenes Salun, ou procure o verbete “A Pizza Literária” na enciclopédia virtual Wikipédia no endereço: http:// pt.wikipedia.org, onde você encontrará também outras informações sobre a Mais de 350 exemplares entregues durante o lançamento. Sobrames e seus membros.