O Bandeirante - n.209 - Abril de 2010

250 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
250
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O Bandeirante - n.209 - Abril de 2010

  1. 1. Jornal O Bandeirante Ano XVIII - no 209 - abril de 2010 Publicação Mensal da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - Regional do Estado de São Paulo - SOBRAMES-SP da Pr em ia Filosofias, Relativismo ão Ed iç e Sobrames – SP “Tanto nos tornaríamos sábios conservando no pensamento os diversos resíduos de todas as filosofias humanas, como teríamos saúde engolindo todos os fundos de garrafa de uma farmácia antiga” Victor Marie Hugo (1802-1885) – poeta, escritor, dramaturgo e político francês. Helio Begliomini Médico urologista Presidente da SOBRAMES-SP (2009-2010). Por mais utilitarista e pragmático a circunstâncias ou a uma época. Pa- e o utilitarismo, muito atrelado ao ceti-que seja a geração contemporânea glo- rece não haver o certo e o errado, e a cismo e ao hedonismo, que consiste nobalizante, caracterizada pela sociedade diferença entre ambos torna-se tênue aceitar como verdadeira a satisfação doda praticidade do descartável – draga- ou individualista. Assim, inexistem pre- bem-estar no aqui e no agora.do goela adentro por estrangeirismos ceitos morais ou éticos basilares válidos Fazendo grande oposição ao rela-como available, fast food, delivery, drive- para todos os homens, uma vez que se tivismo, tem-se o fundamentalismo,throu, rôtisserie, happy hour, hot dog, milk- volatilizam com o passar do tempo. O conjunto de práticas originárias nashake, part time, check list, check in, check homem torna-se o paradigma e a medi- segunda metade do século XIX emout, check up, marketing, market share, da de tudo, e até se coloca no lugar de ambientes protestantes dos Estadosbudget, merchandising, mix, outlet, outdoors, Deus. Os críticos sentenciam essa situa- Unidos da América, que objetivam in-jeans, mousse, mouse, show, data show, ção como “ditadura do relativismo”. terpretar as Sagradas Escrituras ao “péshopping center, call center, contact center, Em suma, a verdade deixa de ser da letra”, prescindindo de pesquisasbig boss, “Big Brother”, vernissage, chef, objetiva e universal, uma vez que não linguísticas, arqueológicas, históricas,motoboy... etc., etc. –, e embasada na lei se torna a conformação do intelecto geográficas e científicas. O fundamen-de Gerson, aquela de sempre levar van- com a realidade em si, como ensina a talismo permeia setores mais ou menostagem, o ser humano tem agido, desde filosofia clássica, mas, adversamente, expressivos de todas as crenças: do ca-priscas eras através dos tempos, por um torna-se subjetiva e pessoal, pois pre- tolicismo às mais de trezentas denomi-conjunto de ideias e de pensamentos tende conformar a realidade com o in- nações protestantes consequentes daque perfazem uma filosofia de vida. telecto. Mais explicitamente se anui o fragmentação do cristianismo oriundas Hoje em dia, em nosso mundo emi- postulado aquiniano de “adaequatio rei da Reforma luterana; do islamismo aonentemente eclético, sobremodo no et intellectus”, ou seja, a verdade como judaísmo.lado ocidental, esbanjam-se diversas uma correspondência entre a realidade A filosofia da Sobrames é o incenti-correntes filosóficas que se entrecru- e o pensamento. vo e o cultivo da arte literária entre seuszam, se complementam, se contrapõem, Entre as causas do relativismo os associados. Eles sabem que estatutaria-se contradizem ou se anulam. Assim, os experts apontam a filosofia imanentista mente a entidade não é confessional ouventos do pensamento já sopraram do que nega todo o valor alheio à experiên- sectária, e que não se atrela a nenhu-marxismo ao liberalismo ou libertinis- cia humana e, com isso, opõe-se às elu- ma religião, seita ou partido político.mo; do coletivismo ao individualismo cubrações atinentes ao transcendente; o Constitui-se num areópago modernoradical; do ateísmo ao misticismo; do historicismo que prega que tudo é provi- onde seus membros gozam de plenaagnosticismo ao sincretismo... sório, variável ou mutável; a busca des- liberdade de expressão, a qual deve, Entretanto, o tufão da virtualida- mesurada do progresso lato sensu, pelo necessariamente, ser exercida de ma-de do pensamento não para por aí. progresso, como se essa condição por si neira responsável, ou seja, respeitandoAssim, tem-se o relativismo, que é um só fosse preencher todos os anseios ou os sagrados limites da alteridade.dos espécimens do pensamento con- daria todas as respostas à alma humana; A convivência democrática e salutartemporâneo que mais permeiam nossa o ceticismo que defende a ausência de estabelece-se quando, peremptoria-civilização. Caracteriza pela recusa de verdades objetivas e normas morais pe- mente, se respeitam crenças e valoresqualquer proposição filosófica ou ética renes, mas sim, que as teorias válidas e mui caros a outrem, ainda que para osde valor universal e absoluto. Tudo o verdadeiras são aquelas que proporcio- autores de seus trabalhos eles sejam in-que se diga ou se faça torna-se relativo nam resultados concretos e satisfatórios; significantes ou mesmo desprezíveis.
  2. 2. 2 O BANDEIRANTE - Abril de 2010 EXPEDIENTE Entramos no mês de abril com um desafio: man- ter nosso Boletim não significa alimentá-lo apenas Jornal O Bandeirante ANO XVIII - no 209 - Abril 2010 de matérias dos nossos confrades, mas também ter uma administração financeira sadia, que permita Publicação mensal da Sociedade Brasileira de Médicos perpetuá-lo ao longo da nossa existência. Escritores - Regional do Estado de São Paulo SOBRAMES-SP . Sede: Rua Alves Guimarães, 251 - CEP 05410-000 - Pinheiros Com esse intuito, conclamamos nossos confrades - São Paulo - SP Telefax: (11) 3062-9887 / 3062-3604 Editores: Carlos A. F. Galvão, Roberto A. Aniche. Jornalista a nos auxiliarem nessa tarefa, por exemplo, quitando Responsável e revisora: Ligia Terezinha Pezzuto (MTb as anuidades que nos permitem apenas a subsistên- 17.671 - SP). Colaboradores desta edição:Aída Lucia Pulin Dal Sasso Begliomini, Carlos Augusto F. Galvão, Geovah cia. Outra maneira de contribuir com nosso Boletim Paulo da Cruz, Helio Begliomini, José Jucovsky, Josyanne é anunciando seu consultório ou sua clínica como Rita A. Franco, Luiz Jorge, Roberto Antonio Aniche, Sergio Perazzo e Sônia Andruskevicius.Tiragem desta edição: forma de colaboração à Sobrames. 300 exemplares (papel) e mais de 1.000 exemplares PDF enviados por e-mail. Reflita sobre nossas necessidades. Escreva! Diretoria - Gestão 2009/2010 - Presidente: Helio Anuncie! Begliomini. Vice-Presidente: Josyanne Rita de Arruda Carlos Augusto F. Galvão Franco. Primeiro-Secretário: Ligia Terezinha Pezzuto. Segundo-Secretário: Maria do Céu Coutinho Louzã. Roberto Antonio Aniche Primeiro-Tesoureiro: Marcos Gimenes Salun. Segundo- Tesoureiro: Roberto Antonio Aniche. Conselho Fiscal Efetivos: Flerts Nebó, Carlos Augusto Ferreira Galvão, Luiz Jorge Ferreira. Conselho Fiscal Suplentes: Geovah Paulo da Cruz; Rodolpho Civile; Helmut Adolf Mataré. Matérias assinadas são de responsabilidade de seus O Malho autores e não representam, necessariamente, a opinião da Sobrames-SP Hoje é dia de resmungos... Afinal nossa principal produção literária ficou espremida em termos de tempo e a primeira regra que a velha Sampa impõe Editores de O Bandeirante a quem chega é que tempo é ouro, e não pode ser desperdiçado. Flerts Nebó – novembro a dezembro de 1992 Flerts Nebó e Walter Whitton Harris – 1993-1994 Claro que faz parte da programação de nosso tempo as informações Carlos Luiz Campana e Hélio Celso Ferraz Najar – 1995-1996 inerentes à sociedade, pois todos devemos nos inteirar do que acontece no Flerts Nebó e Walter Whitton Harris – 1996-2000 seio de nossa sociedade. Mas haver debates sobre as informações é muito. O Flerts Nebó e Marcos Gimenes Salun – 2001 a abril de 2009 Helio Begliomini – maio a dezembro de 2009 malho aqui no cantinho cronometrou mais de vinte minutos sobre debates Roberto A. Aniche e Carlos A. F. Galvão - janeiro 2010 - relacionados ao Congresso de Belo Horizonte. Nada contra... Mas convenha- Presidentes da Sobrames – SP mos que era tempo para poesias, contos e por aí. Achei que desperdiçamos o tempo de algo muito importante: a Literatura. 1 Flerts Nebó (1988-1990;1990-1992 e out/2005 a dez/2006) o 2o Helio Begliomini (1992-1994; 2007-2008 e 2009-2010) Chato. Muito chato. 3o Carlos Luiz Campana (1994-1996) 4o Paulo Adolpho Leierer (1996-1998) 5o Walter Whitton Harris (1999-2000) 6o Carlos Augusto Ferreira Galvão (2001-2002) 7o Luiz Giovani (2003-2004) 8o Karin Schmidt Rodrigues Massaro (jan a out de 2005) Clínica Benatti Walter Whitton Harris Cirurgia do Pé e Tornozelo Ginecologia Ortopedia e Traumatologia Geral Editores: Carlos A. F. Galvão, Roberto A. Aniche Obstetrícia CRM 18317 Av. República do Líbano, 344 Revisão: Ligia Terezinha Pezzuto Mastologia 04502-000 - São Paulo - SP Diagramação: Mateus Marins Cardoso Tel. 3885 8535 Impressão e Acabamento: Expressão e Arte Gráfica (11) 2215-2951 Cel. 9932 5098 CUPOM DE ASSINATURAS* Preço de 12 exemplares impressos: R$ 36,00 Nome:___________________________________________________________ Rua Luverci Pereira de Souza, 1797 - Sala 3 Cidade Universitária - Campinas (19) 3579-3833 End.completo: (Rua/Av./etc.) _______________________________________ www.veridistec.com.br ________________________________ nº. _______ complemento _________ Cidade:_____________ Estado:_____ E-mail:___________________________ longevità Grátis: Além da edição impressa que será enviada por correio, o assinante (11) 3531-6675 receberá por e-mail 12 edições coloridas em arquivo digital (PDF) Estética facial, corporal e odontológica * *Disponível para o público em geral e para não-sócios da SOBRAMES-SP Massagem * Drenagem * Bronze Spray * Preencha este cupom, recorte e envie juntamente com cheque nominal a SOBRAMES-SP para REDAÇÃO Nutricionista * RPG “O Bandeirante” R. Costa Rego, 29 - V. Guilhermina - CEP 03542-030 - São Paulo - SP Rua Maria Amélia L. de Azevedo, 147 - 1o. andar Dê uma assinatura de “O BANDEIRANTE” de presente para um colega
  3. 3. SUPLEMENTO LITERÁRIO O BANDEIRANTE - Abril de 2010 3CONCURSO FLERTS NEBÓ – EDIÇÃO 2009/2010 Criado em 2000 para eleger a melhor prosa dentre todas as apresentadas nas Pizzas Literárias. Homenageia o Dr. Flerts Nebó,médico reumatologista nascido em 1920 e um dos fundadores da Sobrames São Paulo. Trabalho premiado no Concurso “Flerts Nebó” edição 2009 Pequeno Inventário de uma Grande Paixão Sergio Perazzo serzzo@terra.com.br Vê-la esperando na calçada, celular na mão e sempre de vestido florido, sempre atrasada, não importa o quanto, era uma garantia de que um milagre se fez. Um bálsamo imediato pelas horas de espera. Nada mais tinha importância. Ela estava ali, radiante, luminosa, irradiando um frescor puro, uma alegria sem qualquer contestação ou constrangimento, raros nesses dias tristes de felicidade falsa esculpida a bens de consumo, a eletrônicos de ultíssima geração, a farol de milha do carro do ano. Uma mulher preenche a casa, calafeta frestas onde há pouco sumia a lembrança do aconchego. Sacode os tapetes empoeirados de dores antigas, reumatismos de solidão que nem o unguento da funcionalidade, pondo tudo no lugar de sempre é capaz de disfarçar. Uma mulher deixa rastros de ninfa no ladrilho do banheiro, rastros do amor que levou da cama amarfanhada até a borda aindaúmida da banheira, assim como úmido é o seu desejo. Rastros do seu perfume no dorso da toalha de banho. Uma mulher deixa o cabide vazio pendurado na maçaneta da porta para que o vestido fique pairando no quarto como fantas-ma benfazejo, ali mesmo onde há cinco minutos repousava a calcinha minúscula incapaz de conter o impulso do gesto sensual detirá-la com a delicadeza abrupta que se abre à carícia e ao orgasmo. Ela vende o corpo e ele vende a alma mesmo quando se recusa a dar uma de lobo solitário uivando para a lua. Mesmo assim,ainda sobram corpo e alma para os dois, tão plenos de doação um para o outro, doação inesgotável a nunca deixá-los exaustos. Olhar-se nos olhos ainda é um doce mistério sem começo e sem fim e, ao mesmo tempo, presente está a sensação de eterni-dade de uma intimidade que sempre esteve ali e não foi notada. Instalou-se simplesmente. De repente, uma timidez deslocada,quase envergonhada, no instante mesmo em que o corpo se despe e é despido porque despe a alma e em que o corpo penetra eé penetrado porque penetra essa mesma alma. Fusões de corpos. Fusões de almas. Interpenetrações. Na calçada em frente, lá embaixo, reina a paz absoluta, regida por um início de tarde colorido pelos raios de um sol que bempodia ser, em sua palidez enluarada, o de um outono antecipado no calendário. Texto 1 Prêmio Flerts Nebó – Menção Honrosa Luiz Jorge O mundo ia acabar em dois mil. A única pessoa que eu conheci que tinha muito medo foi o Henrique e para ele acabou mesmo, a primeiro de janeiro de 2000. Sumiu no medo. Muito mais cedo que a sua mãe que tinha um enredo monstruoso de doenças e enfer- midades, aquelas que ficam no rodapé das enciclopédias médicas e recebem três a quatro nomes de ilus- tríssimos doutores. Médicos e professores, que descobriram seus sintomas, suas entranhas e suas estranhas formas de tomarem o corpo do ser humano. E a elas dão seus nomes. Delas, ela tinha medo, mas não tinha medo da Mudança do Século, coisa que ela nem sabia o certo o que era. Às vezes confundia essa denominação com a mudança do itinerário do ônibus Pedreira Nazaré, que na sua cabeça em vez de ir pela Praça Batista Campos poderia margear Belém pela margem do Rio Guamá. Isto ela imaginava enquanto dava os nós nos arremates dos chuleios de alfaiate que aprendera em Oriximina. Para terminar osbordados e entregá-los a tempo de festas e formaturas, chamava Henrique para entregá-los a tempo de dar tempo. Recomendava cautela e abrigo das chuvas, que naquela região cuidam de cair aos montões, assim que um incauto sai à rua todoengomado de branco, de sapato recém-engraxado ou comendo tapioca. Henrique dobrava as roupas pelo avesso para conservar o passamento e saía sempre acocado para que a chuva não o visse. Levava um saquinho com carvão moído, uma simpatia para espantar as chuvas da tarde. Não tinha medo de aguaceiros, sabia as rezas contra trovão, faísca, relâmpagos e corisco. Só não sabia de reza contra mudança de continua na próxima página
  4. 4. 4 O BANDEIRANTE - Abril de 2010 SUPLEMENTO LITERÁRIOcontinuação da página anteriorSéculo. Isto ele não sabia. Consigo sempre pensava que se mudasse o século ele podia virar mulher. Ou nascer catita e ser apedrejadopelos meninos do bairro. Ou nascer vala, cheia de água podre e rãs. Tornar-se parte das águas empoçadas, protegidas pela Mãed’água. Riu pensando em nascer Sabiá. Amava as mangas coloridas e cheirosas, em que eles todos prosa passavam as manhãs, saltandode uma para outra, enchendo o papo e gorjeando felizes. O tempo fechou enquanto ele pensava nos Sabiás. Caiu uma chuva que não respeitou nem as rezas nem as promessas e muito menos o pó de carvão soprado com força na rua,ela toda virando um rio. As roupas estavam ensopadas, as dele e as da entrega. Henrique começou a chorar. Só piorou as coisas porque lágrimas eram mais água. Pensou em subir em uma das mangueiras da Praça, subir bem alto, mais alto que o alto da chuva. Passar de onde os Sabiásficavam, chegar o mais próximo do sol. Primeiro colocou a roupa embrulhada em sua camisa, que para não atrair chuva, não era de cor vistosa, o que não havia adiantadomuito. Colocou um pé após o outro e foi subindo como pôde, passando pelos galhos mais grossos, depois pelos mais finos, cruzoucom os Sabiás em seus ninhos, assustados com aquele intruso e foi subindo aos galhos mais e mais finos, enquanto a última noitedo moribundo século se ia. Ninguém viu se ele voltou. Mas as entregas foram feitas. Todos foram às festas, com roupas de festa de fim de ano e de fim deséculo. Eu mesmo recebi um lenço de seda que deixei sobre a mesa. Cheio de estórias como esta. Viúvas da Seca Prêmio Flerts Nebó – Menção Honrosa José Jucovsky Tonha despertara como sempre cansada e ainda com sono, parecendo ter o peso de uma pedra sobre a cabeça. Levantou-se lentamente da cama, estrado sem pés com colchão de paina, colocado no canto oposto ao fogão onde dormia. Magra, morena e de baixa de estatura tinha a pele ressecada tisnada pelo sol e o rosto marcado por um marrom acastanhado decorrente de sucessivas gestações. Pé ante pé passou pelos filhos que dormiam agrupados, procurando não acordá-los, caminhando em direção à porta; abriu-a bem devagar, saindo para o relento. Olhando ao redor apesar da semiescuridão, notou que a abóbada celeste espalhava indefinível brilho impregnando o ar de levetransparência do crepúsculo matutino. Somente o horizonte mostrava-se milagrosamente avermelhado, invadido pelos invisíveisraios da luz do Sol. No lusco-fusco, o amanhecer gradativo até onde a vista alcançava, ia vencendo a escuridão, afastando o vazioimpenetrável da noite. Tonha agora completamente consciente sentia o sopro frio da fresca aragem a bafejar o seu delgado corpo precocementeenvelhecido que tiritava coberto pelo largo vestido de chita molhado de suor, causando-lhe arrepios como se sua alma estivesse ase evaporar. Naquele momento, inquieta e desamparada, mergulhara num profundo estado de submissão paciente, disposta a enfrentar como máximo de força e boa vontade para ultrapassar e vencer obstáculos, frustrações, pesadelos e medos que não podia decifrar. Com-pletamente desperta dentro deste clima de dramática realidade de sofrimento e fome, sentia que em todas as manhãs havia sempreum instante agradável, espaço este que logo iria se transformar num intolerável ar quente e pesado sob um Sol abrasador. Sozinha ali ao olhar para o céu sussurrava para si mesma uma antiga canção de amor diante da imensidão da paisagem quelhe parecia estar no limiar de outro mundo.De repente uma súbita volta à realidade reaproximou-a do desespero por não enxergarsinais de chuva que, pelo visto, não deveria ocorrer tão cedo. Ficou por um instante parada em frente da casa, construída como milhões de outras existentes no sertão, feita com a mesmaargamassa indestrutível que acompanha a existência dos sertanejos. Baixa e feia há muito perdera a sua caiação, seu teto grosseiroformado por extensas vigas que sustentam telhas de vários tipos, enegrecidas pela fumaça do velho fogão a lenha. A escassa criaçãoem torno da casa consistia em duas cabras soltas e galinhas ciscando no terreiro. continua na próxima página
  5. 5. SUPLEMENTO LITERÁRIO O BANDEIRANTE - Abril de 2010 5continuação da página anterior À medida que ia reconhecendo a vegetação de pequeno porte, aumentava o mal-estar e a dor no estômago. A claridade cruado Sol, cada vez mais presente, duplica o sentimento incorporado do medo da morte e ao mesmo tempo a firme convicção danecessidade de se manter viva. Só dela dependia superar as grandes dificuldades impostas pela natureza adversa. Na sua fé ina-balável, teve a convicção imposta pela sua religiosidade de que conseguirá passar mais um ano, na esperança de chuvas e na voltade seu marido. Dia a dia reconhece em detalhes a luta da terra-mãe para fugir do vazio desértico. Ao andar em volta do seu pedaço de chão,sente a terra secando aos seus pés. O calor causticante semelhante a labaredas de fogo sedentas vai sugando parte da vida noconjunto de plantas que cobre a região, exaurindo como um beijo da morte, lentamente, parte da seiva ainda existente. Mesmoassim e com a ajuda de parentes conseguia sobreviver com os seus filhos, amparada pela graça de Deus. `Há mais de quatro anos João partira para tentar encontrar trabalho no sul, mandava esporádicas notícias e, de quando emvez, pequenas quantidades de dinheiro. Sua mãe e suas tias tinham tido o mesmo destino, viveram grande parte de suas existên-cias com os homens da casa longe, na busca de melhorar o padrão de vida. Com os frequentes e intensos movimentos migratóriosdecorrentes de cíclicos anos de seca no nordeste, muitos desses migrantes conseguiram se fixar nos centros urbanos das grandescidades, mandando buscar a mulher e os filhos; outros constituíram novas famílias e ainda outros, após penarem anos nos grandescentros, voltaram ao local de origem. Tonha no seu tímido e cismático pensar começa a perceber que ela é viúva de marido vivo, ou, como já ouvira falar: mais umavez viúva da seca. Apesar de semianalfabeta incorporara nos seus 28 anos de vida o conjunto de tradições, crenças, ladainhas ecantos sacros, novenas e festividades que fazem parte do contexto da região. Altamente intuitiva, olhando pela lente feminina,guarda na memória que tanto ela como as mulheres da família enfrentam um grande desafio: conciliar a lida na roça com a ma-ternidade e com o trabalho doméstico. Mesmo assim com esta tripla jornada de trabalho as mulheres encontram-se inferiorizadasna interação social da cultura nordestina. As frustrações não abalam sua enorme fé interior. Apesar de ter mãos calosas e endurecidas pelo espinhoso rude lidar com aenxada, sente-se obsessivamente capaz de qualquer sacrifício para sobreviver. Os limites impostos pela sua fragilidade feminina fo-ram retemperados pelo trabalho braçal desde menina. Passa pela sua mente que grande parte de seus vizinhos são de mulheres queconseguem prover seus sustentos e dos filhos com a labuta diária da terra. O conformismo que traz de berço não encontra revoltaou lágrimas para continuar a chorar a morte de dois dos seis filhos que tivera. Relembra com tristeza e resignação tão desastrosasperdas, porém reconfortada na sua fervorosa crença em Deus e agradecida pela solidariedade humana dos parentes e amigos que nosmomentos de dor estiveram presentes, contribuindo para amenizar seu sofrimento. Sabe que tem que começar seu dia de trabalho.Após um profundo suspiro, contorna a casa dirigindo-se para o quintal, sussurrando com profunda devoção uma série de preces esúplicas que revigoram sua alma. Aos poucos, recolhida nos seus afazeres e pensamentos, seus olhos tristes pesados e baços começama apresentar uma luz diferente: é a luz da esperança de dias melhores, tributo à fantástica vontade de viver.PRêMIO BERNARDO DE OLIVEIRA MARTINS Premia a melhor poesia dentre as apresentadas nas Pizzas Literárias do ano. Criado em 1997, homenageia o médico Bernardode Oliveira Martins, ginecologista, nascido em 1919. Ingressou na Sobrames em 1991, falecendo em 1997, tendo escrito poesiasbrilhantes que mereceram este título. Cio no FrioGeovah Paulo da Cruzgeovahcruz@uol.com.brChegou o frio de esfriar. Chegou o frio de esfriar,Chegou o frio de esquentar. Nosso clima vai esquentar. Um queijo fundindo na grelha Um amplexo bem colante Um vinho rubro, uma face vermelha Um cheiro de cio morno inebriante Um coração e uma centelha Um desejo latejando pulsante Um fungado ao pé da orelha Um impulso penetrante Um tapete de pele de ovelha Um roçar gozoso excitante Um vendo chão, outro vendo telha Um edredom e uma amante Dois na fogosa parelha Dois orgasmos no mesmo instante Lá fora pode gear. O frio chegou pra nos abrasar.
  6. 6. 6 O BANDEIRANTE - Abril de 2010 SUPLEMENTO LITERÁRIO Relatividade Prêmio Bernardo de Oliveira Martins – Menção HonrosaJosyanne Rita A. FrancoNão envelheço, remoço, e só meu cansaço me pode vencer.porque são moços meus pensamentos. Prefiro viver desperta,São guardiões da eternidade revigorada em horas rubras,fluindo à noite com ecos da tarde, sem qualquer pressa, nenhuma culpa,orvalho deixado na cinza paisagem, querendo a messe do florescer.passado remoto no findo presente! No entanto não amo,São galhos e árvores do recomeço, eu só enlouqueçobarulho de água singrando rochedos, porque amar nunca admiteazul horizonte da grande viagem compartilhar sentimento.se brisa ou se vento, Amar exige ser exclusivo,sem freio ou cabresto! ser presa e garra do que é divinoPor isso não morro, eu desapareço. e ser divino eu não mereço.Aquele que houve é remanescente Eu vivo o eterno e não conheçona boca da noite, no brilho dos olhos, o medo da vida, o medo da sorte!no ouvido do mouco ouvindo a prece Criando versos eu sou mais fortena fala que disse do corpo ausente. e me concedo fazer sandices,Portanto não durmo... desfaleço, buscar o intenso e o que resisteporque dormir atrasa o viver ao abissal tempo final,e só o cansaço me vence... viver além da rascoeira superfície. O Mar Sou Eu Prêmio Bernardo de Oliveira Martins – Menção HonrosaSergio Perazzoserzzo@terra.com.brO mar me abraça me embala turvo e límpidome enlaça cabala salgado e insípidome alarga a prumome aluga reto e torto Tudo navega prenúncio de chuvame amassa nau sem rumo tudo afunda em marulhar amenome engole sem chão tudo passa o leme e o cascome traga sem teto tudo singra a mão e a luvame traça sem mastro tudo mínguado raso ao fundo sem rastro tudo solta Noite de lua descoradano peito e na raça tufão tudo volta de lua descarnadana areia da praia brisa tudo laça de lua descaradano aplauso e na vaia calmaria tudo ameaça dia de sol nascentena onda quebrada apagado farol vela e remo de sol morrentena espuma ramada recife nessa barcaça de sol pálidona orla do porto atol teimo e temo de sol cálidona fronteira do mundo nos confins de Tenerife lanço ferros de sol morenomar vivo de Casablanca dessa âncora navio fantasmaMar Morto de Alexandria nessa Arca de Noé vivo e morro ardente sarça urros e berros naufrágio e morteO mar me embaraça bólido nesse vento máscara de Zorrome embarca mistério volátil nessa maré capuz de mongeme abarca em estado sólido suspiro e asmachalana enquanto avança Mas navegar é preciso pincel de azulchalupa minério ao relento em céu de artistachalaça líquido da boa esperança norte-sulsargaço fumaça como o cabo e o Vasco terra ao longemormaço fumo no sereno terra à vista
  7. 7. SUPLEMENTO LITERÁRIO O BANDEIRANTE - Abril de 2010 7PRÊMIO ALDO MILLETO Prêmio por desempenho no exercício da arte de escrever, criado em 2007, englobando pontuação em frequência nas PizzasLiterárias, textos e livros publicados. Homenageia o Dr. Aldo Milleto, médico psiquiatra, falecido em 2008.• Helio Begliomini Um dia especial Prêmio Super Pizza de Novembro de 2009 Aída Lucia Pulin Dal Sasso Begliomini Acordei com muita calma e comecei a escutar um barulho anormal. Havia um ruído de fundo constante, incômodo e um ou outro som mais alto. Espreguicei, bocejei, esfreguei os olhos ou o que parecia ser e coloquei a cabeça para fora. O dia estava claro, ensolarado apesar do horário. A agitação iniciou muito cedo. Crianças corriam de um lado para o outro, brincando de pega-pega. Não sabia ao certo quais eram visitantes e quais eram moradoras de tão animadas que estavam. Algumas pessoas cabisbaixas, chorosas pareciam transportar sobre suas cabeças o peso do mundo, outras serelepes transbordavam alegria. Os pequenos jardins estavam em festa. Uma variedade enorme de cores e aromas produzidos pelas azaleias, margaridas, rosas, cravos,flores do campo e tantas outras formando um belo tapete perfumado e bonito. Uma brisa refrescante roçava em minha face, trazendoesses agradáveis perfumes da natureza que rapidamente se dissipavam no ar. Respirei fundo, estiquei meu esbelto corpo, leve, bonito...,também assim é demais , para ser mais honesto digamos “bem apresentado” e observei a vizinhança. Do lado esquerdo, vi o Pedrinho todo limpinho, arrumadinho, dentes escovados, bem penteado, sentado entre as margaridas, pro-curando atentamente seus pais que não tardariam a aparecer como todos os anos desde 1985. Do lado direito Ana “a Louca” como eraconhecida na sua época de juventude observava com um profundo amor o velhinho magro e triste que insistia em acender uma vela queo Pedrinho vindo rapidamente do outro lado, insistia em apagar. Ana não se conteve e deu uma gargalhada debochada como era de seufeitio. Em frente o Janjão, a Tica e o Juninho sabiam que não receberiam ninguém, pois os seus há muito já haviam partido. Caminhei, flutuei um pouco, fui até a capela cheia de gente numa mistura de sons em que se sobressaíam alguns pai-nossos e ave-marias. Agachada em um canto uma menininha chorava desconsolada. Seu pai afagava seus cabelos longos e com os olhos vermelhos procu-rava conter as suas próprias lágrimas com palavras doces e suaves. Pairando no ar, um pouco acima de suas cabeças, flutuava uma jovemmulher que não sabia direito o que lhe tinha acontecido, parecendo mais perdida e desamparada do que eles. Voltei rapidamente para o meu canto na esperança de receber minhas visitas, mas ainda não havia ninguém . Sentei-me um pouco cansado das andanças e relembrei com ternura breves momentos da minha vida. O nascimento da Sandy, emseguida do Cacá, o fim do meu primeiro casamento, tão rápido e inesperado quanto o início dele, depois meu segundo, terceiro e quartocasamento. Por último a Bia, que mulher, que formosura, perto dela eu sumia . É o que chamam de mulherão. Não havia quem não aolhasse e cobiçasse quando passávamos. Encantava a todos os homens com sua beleza, juventude e desenvoltura. Foi também o que meatraiu nela. Fiquei completamente apaixonado e entregue a seus caprichos. E olha que foram muitos. Grandes viagens, jantares, algumasjoias caras, incontáveis finais de semana, agitação diurna e noturna. Alguns até a culpam pela minha inesperada partida. Mas, eu nuncaacreditei, pois sempre confiei no grande amor que ela tem por mim. Distraio-me com a constante movimentação. É um entra e sai de gente como nunca vi. Apesar de tudo, estava sozinho. Não havia recebido ainda nenhuma visita. Onde estaria a Bia, com suas juras de amor eterno sussurra-das em meu ouvido em nosso último jantar à luz de velas na marina de Ilhabela? A Sandy e o Cacá com certeza deverão estar acordandoagora com ressaca depois da balada de ontem à noite, ou quem sabe se perderam no caminho. Também não estão acostumados a viremme visitar aqui tão longe de casa. O dia vai transcorrendo e eu me inquieto cada vez mais. Observo o céu. Está carregado de nuvens escuras que rapidamente vãose acumulando, prenunciando uma tempestade que em poucos minutos desaba com forçatotal. As poucas pessoas que ainda insistiam em ficar correm para se abrigar ou tentam sairdo parque. Terminou de A chuva que se precipitou lavou da minha mente a última esperança de rever hoje meus escrever seuentes queridos. Acalmo-me e percebo que isso não me incomoda mais. Se não puderam virhoje, quem sabe na próxima semana venham me fazer uma surpresa. Afinal para quem mora livro? Entãoaqui como eu, todo dia é dia de finados. publique!REVISÃO ROBERTO CAETANO MIRAGLIA ADVOGADO - OAB-SP 51.532 Nesta hora importante, não deixe de consultar a RUMO EDITORIAL. Publicações com qualidade impecável, de textos em geral ADVOCACIA – ADMINISTRAÇÃO DE BENS dedicação, cuidado artesanal e preço NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS – LOCAÇÃO justo. Você não tem mais desculpas Ligia Pezzuto COMPRA E VENDA DE IMÓVEIS para deixar seu talento na gaveta. Especialista em Língua Portuguesa rumoeditorial@uol.com.br ASSESSORIA E CONSULTORIA JURÍDICA (11) 3864-4494 ou 8546-1725 TELEFONES: (11) 3277-1192 – 3207-9224 (11) 9182-4815
  8. 8. 8 O BANDEIRANTE - Abril de 2010 SUPLEMENTO LITERÁRIO PRÊMIO RODOLPHO CIVILE Trata-se de prêmio para os frequentadores mais assíduos da nossa Pizza Literária, dividido em duas categorias: capital e interior.Criado em 2007, homenageia o Dr. Rodolpho Civile, médico clínico aposentado e frequentador assíduo. Os ganhadores são sempreduplamente premiados: pelo prêmio e pelo prazer de conviver um ano inteiro com todos os confrades, saboreando as pizzas emsituações divertidas e com boa leitura.Categoria São Paulo• Hélio Begliomini• Luiz Jorge Ferreira• Roberto Antonio AnicheCategoria Interior• Rodolpho Civile Qualquer Coisa Prêmio Superpizza de Fevereiro de 2010 – Tema FantasiasSônia Andruskevicius Subi no muro, caminhei devagar, desequilibrando caí para o lado errado. A grama molhada tinha gostode chuva. Matei a sede com extratos encantados. Matei o tempo ouvindo histórias fantásticas. Não conseguimatar a fome sem ser cruel. Cada vez que eu tentava sobreviver, aprendia uma lição. Foram muitas. Algumasinúteis. Libertei os negros acorrentados dentro de mim. Criei um antídoto para as segundas-feiras. Levei asério mensagens idiotas. Das brigas em que me envolvi, saí vestindo fantasias variadas. Tenho tempo pararespirar, ainda. Sigo os passos dos que estão na fila, pisando em tapetes azuis porque os vermelhos estãosempre ocupados. Quando a temperatura esquenta, viro macumbeira. Conheço o segredo das cartas marcadas. Mostro os dentespara esconder a mordida. Sou civilizada. Mudo os meses no calendário do meu guarda-roupa. O tempo é que me obriga. Minhaenergia é pouca. O suficiente para andar em círculos no meu quarto. Fico de mau humor quando os aviões entram pela janelasem pedir licença. Não como carne na sexta-feira santa. Não quero brigar com Deus. Continuo querendo entender as minhasnecessidades individuais. Gosto de matemática. Não o suficiente para entrar no infinitésimo. Não tenho feito grandes acertosultimamente. Gostaria de ter um sem número de amigos. Muitos amigos, quem sabe alguns. Não tenho um grande conteúdo aoferecer, somente pequenos detalhes. É decepcionante empurrar sozinha as nuvens do céu. Notícias Alcione é Destaque Nosso confrade, o poeta Alcione Alcântara Gonçalves, ingressou no Movimento Poético Nacional e foi honrado com a nomeaçãode se tornar Delegado Regional dessa tradicional instituição literária, representando Tupã e toda a região circunvizinha. Em consequência recebeu, em 8 de fevereiro passado, uma Moção de Congratulações pela Câmara Municipal da EstânciaTurística de Tupã. XXIII Congresso Nacional da Sobrames 3 a 6 de junho de 2010 – Ouro Preto – Minas Gerais www.sobramesmg.org.br/congress Congresso da Umeal – União de Médicos e Artistas Lusófonos 15 a 19 de setembro de 2010 – Lisboa – Portugal 54o Congresso da Umem – Union Mondiale des Écrivains Médecins Plock (a 100 Km de Varsóvia), de 22 a 26 de Setembro de 2010 www.umem.net/pt

×