Relevo Brasileiro

11,715 views
11,227 views

Published on

Aula de geografia sobre o relevo brasileiro

Published in: Education
0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
11,715
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
15
Actions
Shares
0
Downloads
400
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Relevo Brasileiro

  1. 1. Relevo brasileiro<br />Brasil<br />Prof.ª :Sônia Farias <br />Estagiário UFAL:Elias dos Santos<br />
  2. 2. Relevo<br />São as formas variadas da superfície terrestre.<br />O Brasil, mesmo sendo bastante extenso, apresenta poucas áreas elevadas, sendo essa uma característica do nosso relevo. O ponto mais elevado é o pico da Neblina, com 3.014 metros, localizado na fronteira da Venezuela.<br />O relevo é o resultante da ação de dois agentes:os internos e externos.<br />
  3. 3. Classificações do relevo  brasileiro<br />Uma das classificações mais atuais é do ano de 1995, de autoria do geógrafo e pesquisador Jurandyr Ross, do Departamento de Geografia da USP (Universidade de São Paulo). Seu estudo fundamenta-se no grande projeto Radambrasil, um levantamento feito entre os anos de 1970 e 1985. O Radambrasil tirou diversas fotos da superfície do território brasileiro, através de um sofisticado radar acoplado em um avião. Jurandyr Ross estabelece 28 unidades de relevo, que podem ser divididas em planaltos, planícies e depressões. <br />
  4. 4. Características do relevo brasileiro <br />O relevo do Brasil tem formação muito antiga resultado das principais atividades internas do planeta Terra e de vários ciclos climáticos. A erosão, por exemplo, foi provocada pela mudança constante de climas úmido, quente, semi-árido e árido. Outros fenômenos da natureza (ventos e chuvas) também contribuíram no processo de erosão.<br />
  5. 5. O relevo brasileiro apresenta-se em : <br />Planaltos<br />Planícies<br />Depressão<br />*Depressão Absoluta <br />*Depressão Relativa<br />
  6. 6.
  7. 7. Os planaltos<br />- Também chamados de platôs, são áreas de altitudes variadas e limitadas, em um de seus lados, por superfície rebaixada. Os planaltos são originários das erosões provocadas por água ou vento. Os cumes dos planaltos são ligeiramente nivelados. Exemplo: Planalto Central no Brasil, localizado em território dos estados de Goiás, Minas Gerais, Tocantins, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.<br />
  8. 8. Planaltos em destaque<br />Baixo planalto da amazônia<br />Planalto e chapada da bacia do Parnaíba<br />Planalto e chapada da bacia do Paraná<br />Planalta residuais da Amazônia<br />Planalto da Borborema<br />Planalto e Chapada dos Parecis<br />Planaltos e serras do Atlântico Leste<br />
  9. 9. RoraimaPacaraima (Roraima)2.875<br />
  10. 10. Planícies<br />É uma área geográfica caracterizada por superfície relativamente plana (pouca ou nenhuma variação de altitude). São encontradas, na maioria das vezes, em regiões de baixas altitudes. As planícies são formadas por rochas sedimentares. Nestas áreas, ocorre o acúmulo de sedimentos.Exemplos: Planície Litorânea, Planície Amazônica e Planície do Pantanal.<br />
  11. 11. Planícies em destaques<br />Planície Litorânea<br />Planície Amazônica <br />Planície do Pantanal.<br />
  12. 12.
  13. 13.
  14. 14. Depressões<br />As depressões são regiões geográficas mais baixas do que as áreas em sua volta. Quando esta região situa-se numa altitude abaixo do nível do mar, ela é chamada de depressão absoluta. Quando são apenas mais baixas do que as áreas ao redor, são chamadas de depressões relativas. As crateras de vulcões desativados são consideradas depressões. É comum a formação de lagos nas depressões.Exemplo: Depressão Sul Amazônica, Depressão Sertaneja-São Francisco<br />
  15. 15. Depressões importantes<br />Depressão Periférica da borda Leste da Bacia do Paraná<br />Depressão Sertaneja e do São Francisco<br />
  16. 16. Depressão Sertaneja /São Francisco<br />
  17. 17. Fontes de pesquisa<br />http://upload.wikimedia.org<br />www.suapesquisa.com<br />COELHO. M. A. & TERRA. L.. Geografia Geral: O espaço natural e socioeconômico (em português). 4.ed. Editora Moderna, 2001. pp. p. 68 a 103. ISBN 34523432 <br />

×