WCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e Treinamento

3,942 views
3,453 views

Published on

Este trabalho foi apresentado no Congresso WCM 2009 realizado no Instituto de Engenharia de S. Paulo. A SABESP apresenta a Matriz de Habilidades do Pilar Educação e Treinamento do TPM.

Published in: Technology
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,942
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
58
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

WCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e Treinamento

  1. 1. PILAR DE EDUCAÇÃO E TREINAMENTO PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL Estação de Tratamento de Água CUBATÃO Unidade de Negócio Baixada Santista
  2. 2. Apresentação da Planta Estação de Tratamento de Água (ETA) – Cubatão • 1960 início de sua construção • 1963 início funcionamento com capacidade de 1,0 m³/s. • 1969 sua capacidade foi duplicada com a construção da 2ª etapa do projeto • 1985 sua capacidade nominal foi ampliada, apresentando hoje condições de tratamento de 4,0 m³/s. • A ETA.3/Cubatão distribui água para os municípios de Cubatão, parte de São Vicente, Santos, Parte de Praia Grande e na estiagem abastece também uma parte de Guarujá
  3. 3. TPM na ETA Cubatão Equipamento Centrifuga 2 - Estação de Tratamento de Efluentes Líquidos - ETEL Lançamento 13/6/2007 Mudança de Passo: 8/4/2008 Áreas Envolvidas Estação de Tratamento de Água de Cubatão e a Divisão de Manutenção da UN Baixada Santista nº Total de empregados 127 % de empregados no TPM 20% nº de LUPs 67 Plano de Expansão Melhores Práticas já implantadas em equipamentos similares na Estação de tratamento de Esgoto de Humaitá e Estação de Tratamento de Esgoto de Samaritá no município de São Vicente Tempo em Operação de 82 para 92%
  4. 4. PILAR DE EDUCAÇÃO E TREINAMENTO A MATRIZ DE HABILIDADES COMO FERRAMENTA PARA O PLANEJAMENTO DE CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO
  5. 5. QUEM SOMOS Pilar de Educação e Treinamento Equipe formada por representantes da Operação, Manutenção, Recursos Humanos e Qualidade Total: 5 participantes Coordenador: Engº Roberto Ferreira
  6. 6. POLÍTICAS E DIRETRIZES ETAPA 1 POLÍTICA BÁSICA A Política Básica deste Pilar é apoiar a elaboração de um Planejamento anual de Capacitação e Desenvolvimento (PCD) alinhado à Matriz de Habilidades, otimizando, desta forma, os investimentos em CD com foco no atendimento às reais necessidades da unidade, inclusive no que diz respeito ao Programa de Manutenção Produtiva Total e ao Planejamento Tático e Operacional da UN.
  7. 7. METAS Concluir em 2009 a Etapa 4 (Matriz de Habilidades) para os cargos- chave das plantas envolvidas no programa TPM (ETA e Divisão de Manutenção) num total de 72% dos empregados dessas unidades avaliados.
  8. 8. PRIORIDADES - Desenvolver a Matriz de Habilidades da planta para sustentação do programa de Manutenção Produtiva Total - Reforçar a motivação e a importância dos recursos humanos no processo - Alinhar a Matriz de Habilidades ao Planejamento de Capacitação e Desenvolvimento - Integrar os diversos Pilares e Times do Programa de Manutenção Produtiva Total
  9. 9. PLANEJAMENTO 2009 DEFINIÇÃO DE CARGOS MASTER PLAN DO PILAR
  10. 10. AREAS ENVOLVIDAS DIVISÃO DE ETA CUBATÃO MANUTENÇÃO: 50 empregados 77 empregados Técnico em Sistema de Oficial Mecânico de Saneamento : 21 Manutenção : 20 Ajudante Geral : 12 Oficial Eletricista de Manutenção : 17 Oficial de Sistema de Saneamento : 06 Técnico em Manutenção: 13 Operador de Equipamento: 03 Total : 92 empregados, representando 72 %
  11. 11. EXEMPLO Oficial Mecânico de Manutenção FASE 1: Descrição do Cargo FASE 2: Perfil do Cargo FASE 3: Matriz de Habilidade (montagem) FASE 4: Avaliação dos Empregados FASE 5: Revisão do Planejamento de Capacitação e Desenvolvimento
  12. 12. O MÉTODO….... 3 Reuniões com duração de 2 horas cada, entre o Pilar E & T e 2 representantes do cargo de oficial mecânico de manutenção que fazem parte do TPM. •Técnica de brainstorming •Confronto com a descrição de cargo Sabesp •Elaboração do Perfil, incluindo Cursos Correlatos e Situação do Treinamento
  13. 13. DESCRIÇÃO DO CARGO Elevação e movimentação de carga Desmontagem, montagem, revisão e reparo de equipamentos (bombas submersíveis, bombas centrífugas, motores elétricos, motores a combustão, compressores, evaporadores, comportas, cloradores e outros) Confecção de peças Instalação de Peças Instalação de equipamentos Soldagem de materiais (Elétrica e oxiacetileno) Balanceamento de peças Confecção de isométricos Interpretação e confecção de desenho técnico ETAPA 2 Leitura de instrumentos de medição Planejamento das atividades Atualização de planilhas de controle Dirigir Veículos Relacionar-se com cliente interno e externo Atuar como membro de Pilar e Time do programa de Manutenção Produtiva Total (TPM) Capacitar novos membros do TPM Realizar análise de quebra-falha Manutenção e reparo em instalações (Estação Elevatória de água e de Esgoto e Reservatórios) Realizar Manutenção Preventiva nos equipamentos (limpeza, lubrificação e inspeção) Organizar e conservar a oficina de manutenção Apoiar a revisão de Planos de Preventiva Propor e apoiar a implantação de melhorias no processo de manutenção Preenchimento de Ordens de Serviço FUTURO Manutenção Preditiva Operação Sistema de Gerenciamento da Manutenção (SGM) ou similar Fiscalização de Serviços Contratados
  14. 14. ETAPA 3
  15. 15. MATRIZ DE HABILIDADES Submeter à aprovação do Gerente da Planta Montar Matriz Treinar avaliadores Avaliação dos empregados Feedback
  16. 16. 0 Não pratica A avaliação do Nível de Habilidade deverá ser feita por profissional habilitado, isto é, que conheça as atividades que serão avaliadas, sua prática, seus referenciais teóricos (procedimentos, instruções, normas etc). Preferencialmente deve tratar-se de um profissional do Nivel 3 ou 4 e que conviva com o avaliado no seu dia a dia. É importante que o avaliador tenha sido treinado 1 Conhece a teoria sobre a definição dos níveis, suas características e forma de avaliação. Para avaliar o nível de uma habilidade o avaliador deverá, se necessário solicitar ao empregado que: 2 Realiza com supervisão 1- Descreva teoricamente como se executa a atividade (o que fazer, como fazer e porque fazer). Caso necessário solicitar que localize a referência teórica (procedimento, instrução, norma, portaria etc) 3 Realiza sozinho 2- Descreva a atividade e evidencie sua execução. Esta forma de avaliação é indicada quando o avaliador quer formalizar o processo de avaliação, mas não pode desconsiderar o conhecimento que tem acerca do desempenho do avaliado. 3- Execute a atividade a ser avaliada para observar seu desempenho (caso seja necessário), confrontando a prática com a 4 Pode ensinar referência teórica (procedimentos, instruções, normas), se houver. Conceito Definição Avaliação Não pratica Empregado não possui a habilidade que é exigida para sua função Representa o Nível Inicial da Matriz de Habilidades. Ao ser solicitado que NÍVEL 0 por não ter sido treinado ou por não fazer parte de suas atribuições execute a atividade demonstra ignorar sua execução ou alega que tal habilidade atuais não faz parte de suas atribuições. Conhece e Empregado conhece a teoria mas não pratica a habilidade por não Neste Nível ao ser questionado a respeito da habilidade requerida, consegue teoria fazer parte de suas atribuições atuais ou por nunca ter sido descrever sua execução teoricamente, conhece o procedimento ou qualquer NÍVEL 1 treinado. outro instrumento que oriente a correta realização da atividade, mas nunca a executou na prática, ou por não ter sido treinado ou por não fazer parte de suas atribuições atuais. Realiza com Empregado conhece a teoria, mas necessita de orientação para O Nível 2 pode ser observado em empregados que não executam a atividade Supervisão praticar a habilidade. com segurança, recorrendo ao supervisor ou a um colega mais experiente para o NÍVEL 2 esclarecimento de dúvidas. Quando executa sozinho, seu desempenho pode comprometer os resultados, interferindo negativamente no processo ou mesmo causando prejuizos ao produto final. O empregado não possui autonomia. Realiza Empregado conhece a teoria e a pratica com segurança e O Nível 3 caracteriza-se pela aquisição da autonomia. O empregado conhece a sozinho autonomia teoria e desenvolve a habilidade na prática com qualidade garantindo o bom NÍVEL 3 andamento do processo e um produto que atende aos requisitos. Sua prática está de acordo com normas, procedimentos, instruções, portarias, enfim, qualquer instrumento que normatize ou apresente diretrizes ou requisitos ao processo ou ao produto. Pode ensinar Empregado domina a habilidade ao ponto de poder ensinar a teoria Neste último Nível o empregado destaca-se por sua maturidade profissional no NÍVEL 4 e/ou a prática exercício da habilidade avaliada, tendo total domínio teórico e prático sendo , inclusive, solicitado pelos colegas a orientá-los e supervisioná-los, papel que executa com segurança. Sua capacitação o habilita a exercer a função de mestre.
  17. 17. ETAPA 4 SABESP Unidade: RSOM Cargo: Máquina: Oficial Mecânico de Manutenção toda planta Legenda Colaboradores 0 Não pratica I - Situação inicial 1 Conhece a teoria Meta alcançada ou maior Meta = Futuro Acréscimo Situação Atual= A 2 Realiza com supervisão A - Situação Atual 76 a 90% da meta OFICIAL1 OFICIAL2 OFICIAL3 OFICIAL4 3 Realiza sozinho < 75% da meta 4 Pode ensinar F - Futuro - Situação desejada Habilidades requeridas A F A F A F A F ESPECÍFICA X X X X X X X X Elevar e Movimentar Cargas X X X X X X X X X X X X X X 12 10 0,83 -17% Desmontar, montar, revisar e reparar equipamentos (bombas submersíveis, bombas centrífugas, motories elétricos, X X X X X X X X motores a combustão, compressores, evaporadores, comportas, cloradores e outros) X X X X X X X X X X X x X X X 12 11 0,92 -8% X X X X X X X X Confeccionar Peças X X X X X X X X X X X X 12 8 0,67 -33% X X X X X X X X Instalar Peças X X X X X X X X X X X X X X 12 10 0,83 -17% X X X X X X X X Instalar Equipamentos X X X X X X X X X X X X X X X 12 11 0,92 -8% QUALIDADE TÉCNICA Soldar materiais (Elétrica e oxiacetileno) 0 0 0 0% x X Balancear Peças X X 3 1 0,33 -67% Confeccionar Isométricos 0 0 0 0% x x x x Interpretar e executar desenho técnico x x x x x x 5 5 1 0% X X X X X X Manusear e Ler instrumentos de medição X X X X X X X X 9 5 0,56 -44% X X X X X X X X Manter e reparar instalações (Estação Elevatória de Água e Esgoto e Reservatórios) X X X X X X X X X X X 11 8 0,73 -27% X X X X X X X X Realizar manutenção Preventiva nos Equipamentos (limpeza, lubrificação e inspeção) X X X X X X X X X X X X 12 8 0,67 -33% X X Executar manutenção Preditiva X X X X 6 0 0 -100% x PLANEJ ACOMPA CONTRO NHEMEN Fiscalizar os Serviços Contratados TO E x x 3 0 0 -100% X X X X X X X X AMENT Planejamento das Atividades X X X X X X X X X 11 6 0,55 -45% O
  18. 18. ETAPA 5
  19. 19. RESULTADOS Melhoria do desempenho global da unidade devido treinamentos melhor direcionados às demandas da unidade Redução de custos com treinamentos mal dimensionados/direcionados Redução de custos com re-treinamentos Melhoria do clima organizacional no item “oportunidades de treinamento” Utilização Eficaz do orçamento para Treinamento na UN
  20. 20. OBRIGADA Silvia Helena Bartié Fernandes Gomes – Recursos Humanos sgomes@sabesp.com.br www.sabesp.com.br

×