Codesign de Cenários
Patricia Hartmann Hindrichson
contato@patriciahartmann.com

para promover o 

compartilhamento de
con...
1. Contexto: aspectos sociais e tecnológicos
Nos anos 90, uma permeabilidade inédita das fronteiras e as novas
possibilida...
Construção de uma nova cultura baseada na
comunicação multimodal e no
processamento digital de informações.
A maioria das ...
De acordo com Morin (2008), os paradigmas
são princípios “supralógicos” de organização do
pensamento que governam a nossa ...
o paradigma da rede
A lógica das redes constitui a
nova morfologia social de nossas cidades
alterando profundamente os pro...
A lógica das redes também passou a organizar os
ambientes corporativos: através da mediação
online, as organizações contem...
a inovação aberta
Segundo Chesbrough a “inovação aberta é o paradigma
que assume que as empresas podem e devem usar
ideias...
Qual é o papel do design nas redes que
formam as organizações contemporâneas?
Para operar nesse contexto, a convergência d...
Definição de Design (ICSID)
Design é uma atividade criativa cujo objetivo é estabelecer as
qualidades multifacetadas de sis...
2. Design Thinking: pensar por projetos
De acordo com Cross (2001, 2007), existe uma maneira própria para
solucionar probl...
A dedução prova algo que deve ser e a indução conduz a
premissas e conclusões empíricas.
!

A abdução é o processo para fo...
O designer é tradicionalmente
considerado como um mediador
das empresas (MALDONADO,
1976). O design faz a mediação
entre q...
!

Diversos estudos (BERTOLA, TEIXEIRA, 2003; VERGANTI, 2009; BROWN,
KATZ, 2010) têm buscando identificar como o designer e...
2.1. Rede de mediação aos limites da
empresa (Bertola, Teixeira, 2003)
No contexto das empresas multinacionais, o design a...
Rede de mediação aos
limites da empresa
(Bertola, Teixeira, 2003)
O conhecimento construído
internamente flui

para o exter...
Rede de mediação aos
limites da empresa
(Bertola, Teixeira, 2003)
Essa rede também se estrutura
através de um movimento
ce...
2.2. Rede de mediação no sistema do
design (Verganti, 2009)
A inovação resulta de um processo de pesquisa em rede, onde as...
Rede de mediação no
sistema do design
(Verganti, 2009)
Trata-se de um movimento
que busca a centralização
do conhecimento ...
2.3. Rede de mediação entre equipes
colaborativas (Brown, Katz, 2010)
As pessoas com a capacidade de trabalhar em ambiente...
Rede de mediação entre
equipes colaborativas
(Brown, Katz, 2010)
A transversalidade é a
característica principal da rede
q...
Então, como promover o
compartilhamento de conhecimentos
em redes de projeto complexas?
Nesse momento, a CONSTRUÇÃO DE CEN...
3. Cenários
Os exércitos da Antiguidade já utilizavam os cenários como uma técnica para

elaborar estratégias de guerra. C...
Na Escola de Guerra Naval, especificamente no Centro de Jogos de Guerra, há
décadas são realizadas simulações de conjuntura...
As origens do conceito de cenário pertencem à

ficção teatral. No teatro, o cenário representa
frequentemente mundos fictíci...
Com diversas aplicações no teatro, na música, na dança e no cinema, os cenários

conectam o real e o imaginário. O cenário...
Desta forma, o cenário oferece a possibilidade
de simular ações no mundo real ou em
mundos possíveis, inclusive futuros.

...
4. Cenários no Planejamento Estratégico
Nos últimos quarenta anos, em razão da crescente incerteza e

complexidade, as gra...
“Se tudo fosse previsível não haveria
espaço para a estratégia. Se nada fosse
previsível a estratégia não faria sentido.
C...
Patricia Hartmann/Design de Cenários

29
“Um cenário é a descrição das possibilidades
de futuros e alternativas cujo objetivo é a promoção
de ações concretas no pr...
Conforme Moutinho (2006), o processo de construção
de cenários nas organizações é um exercício de
liberdade, onde o sujeit...
P.O.S.- Policy Oriented Scenarios
Características
!

1. macroescala (mundo)
2. amplo horizonte temporal
3. desafios em uma ...
5. Cenários no Design
Manzini e Jégou (2000) foram os responsáveis por iniciar o desenvolvimento
de um quadro teórico para...
Os cenários utilizados nos processos de projeto, tem por objetivo enfatizar o
seu papel como espaço destinado a facilitar ...
D.O.S.- Design Oriented Scenarios
Características
!

1. microescala
2. curto horizonte temporal - projeto
3. visualização ...
A construção de cenários no âmbito do design
compreende as histórias que fundamentam o projeto
dos futuros sistemas de pro...
5.1. Arquitetura
Visão

Motivação

Proposta

Imagem hipotética do futuro (como será o mundo se?).

Objetivos gerais/especí...
Como será o mundo se?

NASA's Psychedelic Concepts From The
1970s (Disponível em: http://
www.fastcodesign.com/1669597/nas...
5.2. Funções
Construir um mapa de possibilidades; 

Viabilizar a tomada de decisões; 

Facilitar a aprendizagem organizaci...
5.3. Processo de Construção
Os cenários são construídos através de informações e estímulos
provenientes da análise do cont...
O contexto do projeto pode ser:
!
1) PESQUISADO: considerando a entrada de informações através de dados
contextuais e não ...
Contexto

Pesquisado

Síntese

Representação

Processo de construção de cenários por Manzini e Jégou (2000; 2003)
Contexto
Imaginado

Representação
Processo de construção de cenários por Morales (2004)

Síntese
Contexto

Interpretado

Representação
Síntese

Processo de construção de cenários por Celaschi e Deserti (2007)
Contexto

Imaginado

Síntese

Representação

Processo de construção de cenários por Lora (2011)
Contexto

Pesquisado

Síntese

Representação

Processo de construção de cenários por Reyes (2011)
Contexto

Pesquisado

Síntese
Representação

Processo de construção de cenários por Jégou et. al. (2011; 2012)
Existe um modelo a seguir?
Os processos descritos apresentam diferentes técnicas para chegar em cada
etapa, utilizando-se ...
5.4. Representação
Sobre este tema François Jégou vem coordenando o desenvolvimento
de formas visuais de cenários na organ...
-> Com a vista frontal (what), os cenários mostram a identidade e as características da oferta dos
novos produtos e serviç...
Com a vista frontal é possível simular o produto ou o
serviço em seu contexto de mercado, sendo
anunciado nos mais diverso...
Nesse ponto de vista pode-se explorar uma tentativa de
visualizar a solução em uma única imagem, com a
escolha de uma inte...
Utilização de exposições como uma ferramenta para
solicitar uma conversa social com um grande número de
visitantes: XX Exp...
Outra possibilidade é explorar a visualização
dos relacionamentos entre as estruturas que
compõem o projeto de uma forma a...
Os mapas são baseados em uma biblioteca de
elementos gráficos (ícones, imagens, setas) e
um conjunto de regras (sintaxe, la...
Produzir kits para que as pessoas possam realizar uma
determinada atividade de forma mais autônoma:
instruções e listas de...
os atores envolvidos
o contexto onde a história se desenvolve

as ações/interações entre produtos/serviços

o tempo

Ao ev...
Outra alternativa é a elaboração de histórias em quadrinhos
através de uma série de cenas que utilizam o texto e a
fotogra...
Projeto “Sustainable Energy for Mine Clearance”. Nesse
projeto, os designers utilizaram modelos em escala para
testar como...
O projeto de uma série de evidências, ou seja pontos de contato
entre os novos produtos/serviços e o usuário, também pode
...
Entre storyboards e roteiros, essa representação mostra
a jornada do usuário através de um número limitado de
esboços e co...
Os filmes apresentados não mostraram
protótipos de telefones reais ou de
dispositivos em que a Nokia estaria
trabalhando ou...
Visão de futuro Microsoft
para 2020.
Então, por que construir cenários?
Enquanto tecnologia, o codesign de cenários compreende as técnicas e o

conjunto de con...
1. Cenários como tecnologia de
compartilhamento de conhecimentos para
redes de múltiplas camadas online/offline
2. Empoderam...
http://patriciahartmann.com
http://www.redesdeprojeto.com

66
Obrigada!
Patricia Hartmann Hindrichson
contato@patriciahartmann.com

Codesign de Cenários
para promover o 

compartilhame...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Design Estratégico - Codesign de Cenários para promover o compartilhamento de conhecimentos

962 views
800 views

Published on

Patrícia Hartmann – Design Estratégico - Codesign de Cenários para promover o compartilhamento de conhecimentos
Seminário RS de GC - 2013
21/11/13 em Porto Alegre - RS

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
962
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
32
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Design Estratégico - Codesign de Cenários para promover o compartilhamento de conhecimentos

  1. 1. Codesign de Cenários Patricia Hartmann Hindrichson contato@patriciahartmann.com para promover o 
 compartilhamento de conhecimentos
  2. 2. 1. Contexto: aspectos sociais e tecnológicos Nos anos 90, uma permeabilidade inédita das fronteiras e as novas possibilidades oferecidas pelo desenvolvimento das tecnologias da informação e da comunicação, geraram um aumento na troca transnacional de mercadorias e na circulação dos homens e das suas ideias. CASTELLS, M. A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura, Vol. 1. 6 edição. São Paulo: Paz e Terra, 1999. 2
  3. 3. Construção de uma nova cultura baseada na comunicação multimodal e no processamento digital de informações. A maioria das mudanças contemporâneas nas economias, na cultura e na vida social das cidades parece estar relacionada à aplicação de novas infra-estruturas de telecomunicações e serviços ligadas a computadores ou equipamentos computadorizados que facilitam a formação de redes (GRAHAM, 2002). GRAHAM, S. Bridging Urban Digital Divides? Urban Polarisation and Information and Communications Technologies. In: Urban Studies. Routlegde, New York, 2002. 3
  4. 4. De acordo com Morin (2008), os paradigmas são princípios “supralógicos” de organização do pensamento que governam a nossa visão de MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Coleção Epistemologia e Sociedade. 5a edição Lisboa: Instituto Piaget, 2008. mundo, sem que tenhamos consciência disso. 4
  5. 5. o paradigma da rede A lógica das redes constitui a nova morfologia social de nossas cidades alterando profundamente os processos de CASTELLS, M. A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura, Vol. 1. 6 edição. São Paulo: Paz e Terra, 1999. produção, experiência, poder e cultura. 5
  6. 6. A lógica das redes também passou a organizar os ambientes corporativos: através da mediação online, as organizações contemporâneas conseguem formar equipes de trabalho com a participação de pessoas em diferentes locais – físicos. Os princípios de organização do pensamento na sociedade em rede têm sido discutidos a partir dos modelos de inovação aberta e do crescente número de processos de coprodução. 6
  7. 7. a inovação aberta Segundo Chesbrough a “inovação aberta é o paradigma que assume que as empresas podem e devem usar ideias externas assim como ideias internas, e percursos internos e externos para alcançar o mercado, enquanto elas Chesbrough, H. W. Open Innovation: The new imperative for creating and profiting from technology. Boston: Harvard Business School Press, 2003. procuram desenvolver suas tecnologias” (2003, p. XXIV). 7
  8. 8. Qual é o papel do design nas redes que formam as organizações contemporâneas? Para operar nesse contexto, a convergência de todos os envolvidos em cada processo de decisão, concepção e produção é fundamental. Além disso, as organizações contemporâneas envolvem uma multiplicidade de atores internos e externos em projetos cada vez mais complexos.
  9. 9. Definição de Design (ICSID) Design é uma atividade criativa cujo objetivo é estabelecer as qualidades multifacetadas de sistemas de produtos, processos e serviços em todo o ciclo de vida. Portanto, o design é o fator central na humanização de tecnologias inovadoras e o fator crucial de intercâmbio cultural e econômico. DEFINITION OF DESIGN - The International Council of Societies of Industrial Design (Icsid). http://www.icsid.org/about/about.htm 9
  10. 10. 2. Design Thinking: pensar por projetos De acordo com Cross (2001, 2007), existe uma maneira própria para solucionar problemas a partir do desenvolvimento de projetos. Para o autor, o pensamento de projeto é abdutivo, ou seja desenvolve-se através conjecturas e planejamentos para o futuro. Esta faculdade reside em todos os indivíduos, entretanto é mais trabalhada naqueles que, de certa forma, a treinam – como, por exemplo, designers, arquitetos e engenheiros. CARDOSO, R. Design para um mundo complexo. São Paulo: Cosac Naify, 2012. MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Coleção Epistemologia e Sociedade. 5a edição Lisboa: Instituto Piaget, 2008. VASCONCELLOS, M. E. Pensamento Sistêmico: O novo paradigma da ciência. Papirus: São Paulo, 2002. 10
  11. 11. A dedução prova algo que deve ser e a indução conduz a premissas e conclusões empíricas. ! A abdução é o processo para formar hipóteses explicativas desenvolvendo uma mera sugestão de algo que pode ser. O raciocínio abdutivo são as hipóteses que formulamos antes da confirmação (ou negação) do caso. (PEIRCE, 1975) PEIRCE, S. Charles. Semiótica e filosofia. Tradução de Octanny Silveira da Mota e Leônidas Hegenberg. São Paulo: Cultrix, 1975. 11
  12. 12. O designer é tradicionalmente considerado como um mediador das empresas (MALDONADO, 1976). O design faz a mediação entre quatro sistemas do conhecimento que normalmente dialogam com dificuldade: os sistemas dos estudos humanísticos, da tecnologia e da engenharia, da arte e da criatividade e, enfim, da economia e da gestão (CELASCHI, 2007) MALDONADO, T. Disegno Industriale: um riesame. Milano: Feltrinelli, 1976. CELASCHI, F.; DESERTI, A. Design e Innovazione. Strumenti e pratiche per la ricerca applicata. Milão: Carocci, 2007. ! 12
  13. 13. ! Diversos estudos (BERTOLA, TEIXEIRA, 2003; VERGANTI, 2009; BROWN, KATZ, 2010) têm buscando identificar como o designer exercita o seu papel de mediador das empresas, contribui para a troca de conhecimento através das organizações e, dessa forma, dirige o processo para a inovação. !BERTOLA, P.; TEIXEIRA, C. Design as a knowledge agent. How design as a knowledge processes embedded into organizations to foster innovation. Design Studies, v. 24, n. 2, 2002, p. 181-194. BROWN, T. Design Thinking. Harvard Business Review. Junho, 2008, p. 84-96. BROWN, T.; KATZ, B. Design Thinking: uma Metodologia Poderosa para decretar o fim das velhas ideias. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. DELL’ERA, C.; VERGANTI, R. Design-driven laboratories : organization and strategy of laboratories specialized in the development of radical design-driven innovations. R&D Management, v. 39, n. 1, 2009, p. 1-20. HARTMANN, P.; BORBA, G. S.; FRANZATO, C. As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. In: 10° P&D Design – Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São Luis, Outubro de 2012. Anais 10° Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São Luis: UFMA, 2012. VERGANTI, R. Design Driven Innovation: Changing the Rules of Competition by Radically Innovating What Things Mean. Boston: Harvard Business Press. 2009 13
  14. 14. 2.1. Rede de mediação aos limites da empresa (Bertola, Teixeira, 2003) No contexto das empresas multinacionais, o design atua como um integrador de conhecimentos (knowledge integrator), promovendo a negociação de critérios e conceitos através da codificação do conhecimento interno às organizações. Nas empresas com operações locais, o design atua como intermediador (knowledge broker) sendo responsável pela captura e representação de um conhecimento informal e descentralizado fora da organização. BERTOLA, Paola; TEIXEIRA, Carlos. Design as a knowledge agent. How design as a knowledge processes embedded into organizations to foster innovation. Design Studies, v. 24, n. 2, 2002, p. 181-194. 6
  15. 15. Rede de mediação aos limites da empresa (Bertola, Teixeira, 2003) O conhecimento construído internamente flui para o exterior da organização ao apresentar novas propostas de significados para a sociedade (inovação radical). Knowledge Integrator BERTOLA, P.; TEIXEIRA, C. Design as a knowledge agent. How design as a knowledge processes embedded into organizations to foster innovation. Design Studies, v. 24, n. 2, 2002, p. 181-194. HARTMANN, P.; BORBA, G. S.; FRANZATO, C. As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. In: 10° P&D Design – Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São Luis, Outubro de 2012. Anais 10° Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São Luis: UFMA, 2012. 15
  16. 16. Rede de mediação aos limites da empresa (Bertola, Teixeira, 2003) Essa rede também se estrutura através de um movimento centralizador (captação de sinais) e em seguida um movimento vertical (internalização do conhecimento), mas a ocorrência se dá no sentido Knowledge Broker inverso. BERTOLA, P.; TEIXEIRA, C. Design as a knowledge agent. How design as a knowledge processes embedded into organizations to foster innovation. Design Studies, v. 24, n. 2, 2002, p. 181-194. HARTMANN, P.; BORBA, G. S.; FRANZATO, C. As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. In: 10° P&D Design – Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São Luis, Outubro de 2012. Anais 10° Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São Luis: UFMA, 2012. 16
  17. 17. 2.2. Rede de mediação no sistema do design (Verganti, 2009) A inovação resulta de um processo de pesquisa em rede, onde as empresas e os intérpretes externos compartilham e desenvolvem coletivamente o conhecimento sobre a linguagem e o significado de novos produtos e serviços. O processo de inovação dirigido pelo design caracteriza-se por diálogos entre a empresa e a sua rede de intérpretes. VERGANTI, R. Design Driven Innovation: Changing the Rules of Competition by Radically Innovating What Things Mean. Boston: Harvard Business Press.2009 7
  18. 18. Rede de mediação no sistema do design (Verganti, 2009) Trata-se de um movimento que busca a centralização do conhecimento na rede, para posterior interpretação e difusão, configurando um formato radial de captação dos fluxos de conhecimento. Rede de Intérpretes VERGANTI, R. Design Driven Innovation: Changing the Rules of Competition by Radically Innovating What Things Mean. Boston: Harvard Business Press. 2009 HARTMANN, P.; BORBA, G. S.; FRANZATO, C. As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. In: 10° P&D Design – Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São Luis, Outubro de 2012. Anais 10° Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São Luis: UFMA, 2012. 18
  19. 19. 2.3. Rede de mediação entre equipes colaborativas (Brown, Katz, 2010) As pessoas com a capacidade de trabalhar em ambientes interdisciplinares precisam apresentar pontos fortes em duas dimensões, cruzando a especialização de sua área de atuação com a generalização de outras disciplinas de interesse (design thinkers). A transversalidade presente nesse modelo subtrai a figura do facilitador ou do mediador, pois é na horizontalidade que a rede está contida. BROWN, T.; KATZ, B. Design Thinking: uma Metodologia Poderosa para decretar o fim das velhas ideias. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. 8
  20. 20. Rede de mediação entre equipes colaborativas (Brown, Katz, 2010) A transversalidade é a característica principal da rede que atua a partir das relações horizontais entre os atores. Com relação à sua forma, esta rede considera equipes colaborativas através de uma geometria expressa em múltiplas células de trabalho. Equipes de Equipes BROWN, T.; KATZ, B. Design Thinking: uma Metodologia Poderosa para decretar o fim das velhas ideias. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. HARTMANN, P.; BORBA, G. S.; FRANZATO, C. As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. In: 10° P&D Design – Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São Luis, Outubro de 2012. Anais 10° Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São Luis: UFMA, 2012. ! 20
  21. 21. Então, como promover o compartilhamento de conhecimentos em redes de projeto complexas? Nesse momento, a CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS pode promover uma linguagem compartilhada entre os múltiplos atores que constituem as redes de projeto contemporâneas. Isso porque os cenários podem ser usados para aproximar diversos atores ao redor de determinadas questões permitindo o compartilhamento de múltiplos pontos de vista.
  22. 22. 3. Cenários Os exércitos da Antiguidade já utilizavam os cenários como uma técnica para elaborar estratégias de guerra. Com o mesmo propósito, o governo dos Estados Unidos utilizou o planejamento por cenários na preparação de sua estratégia bélica durante a Segunda Guerra Mundial. Patricia Hartmann/Design de Cenários 22
  23. 23. Na Escola de Guerra Naval, especificamente no Centro de Jogos de Guerra, há décadas são realizadas simulações de conjunturas, reais ou fictícias. Estas têm sido utilizados como instrumentos de treinamento e o caráter didático os torna um meio fundamental para a diminuição dos riscos pertinentes ao processo decisório em que estão envolvidos estes atores. Patricia Hartmann/Design de Cenários 23
  24. 24. As origens do conceito de cenário pertencem à ficção teatral. No teatro, o cenário representa frequentemente mundos fictícios e, mesmo que represente o mundo real, as ações que acontecem Cenografia de Medéia e Édipo para o 
 teatro grego de Siracusa, Itália (Fuksas, 2009) nestes mundos são sempre fictícias. Patricia Hartmann/Design de Cenários 24
  25. 25. Com diversas aplicações no teatro, na música, na dança e no cinema, os cenários conectam o real e o imaginário. O cenário é o "lugar da cena" e tem como sinônimo o termo panorama que significa uma visão geral, ou seja, uma composição de objetos para proporcionar uma visão. Patricia Hartmann/Design de Cenários 25
  26. 26. Desta forma, o cenário oferece a possibilidade de simular ações no mundo real ou em mundos possíveis, inclusive futuros. Na passagem da arte para as organizações, os cenários passam a configurar um modo de pensar que conecta o presente e o futuro. Nas organizações, buscase expressar visualmente esse modo de pensar com elementos gráficos cujas histórias podem ser compartilhadas a partir de narrativas. Nesse caso, pode-se observar que os cenários deixam de ser o plano de fundo da peça para assumir o primeiro plano nos processos organizacionais. Patricia Hartmann/Design de Cenários 26
  27. 27. 4. Cenários no Planejamento Estratégico Nos últimos quarenta anos, em razão da crescente incerteza e complexidade, as grandes empresas e outras organizações globais começaram a desenvolver e aplicar processos mais sofisticados. GODET, M. The Art of Scenario and Strategic Planning. Technological Forecasting and Social Change, v. 65, 2000, pp. 3- 22, HEIJDEN, K. V. D. Planejamento de Cenários. Bookman: Porto Alegre, 2009. KAHN H.; WIENER A. J. The Year 2000: A Framework for Speculation on the Next Thirty-Three Years. New York: MacMillan, 1967. MOUTINHO, M. Cenários e Visão de Futuro. In: ANDRADE, A. Pensamento Sistêmico: caderno de campo. Porto Alegre: Bookman, 2006. SCHWARTZ, P. The Art of the Long View: Planning for the Future in an Uncertain World. Doubleday, New York 1991. SHELL. Shell Global Scenarios to 2025. Executive Summary and Excepts, Shell International Limited, s. l. 2005. Patricia Hartmann/Design de Cenários 27
  28. 28. “Se tudo fosse previsível não haveria espaço para a estratégia. Se nada fosse previsível a estratégia não faria sentido. Como decidimos o que é previsível e como lidamos com a incerteza irredutível que sobrou?” (Kees Van der Heidjen) PREVISÃO CENÁRIOS ESPERANÇA Incerteza Predeterminados Distância no Futuro Patricia Hartmann/Design de Cenários 28
  29. 29. Patricia Hartmann/Design de Cenários 29
  30. 30. “Um cenário é a descrição das possibilidades de futuros e alternativas cujo objetivo é a promoção de ações concretas no presente que podem controlar e orientar aquilo que será o futuro efetivo.” A primeira definição do termo cenário no universo corporativo foi introduzida nos anos cinquenta por Kahn (HEIDJEN, 2000). Fonte: http://www.shell.com/bra/futuro-daenergia/shell-cenarios.html
  31. 31. Conforme Moutinho (2006), o processo de construção de cenários nas organizações é um exercício de liberdade, onde o sujeito pode livrar-se das amarras da incerteza e conquistar o direito de pensar desafiando os modelos mentais vigentes. MOUTINHO, M. Cenários e Visão de Futuro. In: ANDRADE, A. Pensamento Sistêmico: caderno de campo. Porto Alegre: Bookman, 2006. ! Fonte: http://www.shell.com/bra/futuro-daenergia/shell-cenarios.html
  32. 32. P.O.S.- Policy Oriented Scenarios Características ! 1. macroescala (mundo) 2. amplo horizonte temporal 3. desafios em uma agenda proativa 4. narrativas, sequências de decisões e suas prováveis consequências Objetivo: discutir decisões administrativas e econômicas de grande impacto a serem tomadas P.O.S.- Policy Oriented Scenarios Construção de cenários para orientar políticas. (MANZINI; JÉGOU, 1998). para minimizar o risco e maximizar as oportunidades. Patricia Hartmann/Design de Cenários 32
  33. 33. 5. Cenários no Design Manzini e Jégou (2000) foram os responsáveis por iniciar o desenvolvimento de um quadro teórico para a construção de cenários aplicados aos processos projetuais, com o termo Design Orienting Scenarios (DOS) . CELASCHI, F.; DESERTI, A. Design e innovazione. Strumenti e pratiche per la ricerca applicata. Roma: Carocci Editore, 2007. CELI, M. Advance Design: Visioni, percorsi e strumenti per predisporsi all’innovazione continua. McGraw-Hill Companies: Milano, 2010. MANZINI, E.; JÉGOU, F. Scenarios For Sustainable Household. CIR.IS. Politecnico di Milano: p.1-12, Setembro, 1998. __________. Sustainable Everyday. In: Design Philosophy Papers. Technology as environment. Issue 4, Março 2003. __________. Design degli scenari. In: MANZINI, E. e BERTOLA:Design Multiverso. Milano: Edizioni POLI.design, 2004. MORALES, L. R. M. Diseño: Estratégia y Tática. Diseño y Comunicación. Siglo XXI Editores: México, 2004. REYES, P. Processo de Projeto em Design: uma proposição crítica. In: Metodologias em Design: Interseções. Bauru: UNESP, 2011. 33
  34. 34. Os cenários utilizados nos processos de projeto, tem por objetivo enfatizar o seu papel como espaço destinado a facilitar o processo projetual. Isso porque promovem a habilidade de combinar um conjunto de disposições de modo perspicaz no desenvolvimento de estratégias. Patricia Hartmann/Design de Cenários 34
  35. 35. D.O.S.- Design Oriented Scenarios Características ! 1. microescala 2. curto horizonte temporal - projeto 3. visualização de múltiplos contextos, alternativos ao presente ou futuros, onde é possível ambientar virtualmente novos produtos e serviços 4. expressão visual através de simulações projetuais que exploram a forma narrativa Objetivo: atividade que visa explorar o campo das possibilidades, enfatizando o confronto e a discussão D.O.S.- Design Oriented Scenarios Os cenários que orientam o processo de projeto. (MANZINI; JÉGOU, 1998). nas organizações através de práticas projetuais. Patricia Hartmann/Design de Cenários 35
  36. 36. A construção de cenários no âmbito do design compreende as histórias que fundamentam o projeto dos futuros sistemas de produtos e serviços. Os cenários utilizados nos processos de projeto, tem por objetivo enfatizar o seu papel como espaço destinado a facilitar o processo projetual. Isso porque promovem a habilidade de combinar um conjunto de disposições de modo perspicaz no desenvolvimento de estratégias. Patricia Hartmann/Design de Cenários 36
  37. 37. 5.1. Arquitetura Visão Motivação Proposta Imagem hipotética do futuro (como será o mundo se?). Objetivos gerais/específicos que significam e legitimam a existência do cenário (porque este cenário é significativo?). Sistema de produtos e serviços necessários para implementar essa visão (como se articula concretamente esse sistema?). MANZINI, E. The construction of Design Orienting Scenario Final Report. Delft: TU Delft, 2000. MANZINI, E.; JÉGOU, F. Scenarios For Sustainable Household. CIR.IS. Politecnico di Milano: p.1-12, Setembro, 1998. __________. Sustainable Everyday. In: Design Philosophy Papers. Technology as environment. Issue 4, Março 2003. __________. Design degli scenari. In: MANZINI, E. e BERTOLA:Design Multiverso. Milano: Edizioni POLI.design, 2004. 37
  38. 38. Como será o mundo se? NASA's Psychedelic Concepts From The 1970s (Disponível em: http:// www.fastcodesign.com/1669597/nasaspsychedelic-concepts-from-the-1970s-arestill-inspiring-today#14) Patricia Hartmann/Design de Cenários 38
  39. 39. 5.2. Funções Construir um mapa de possibilidades; Viabilizar a tomada de decisões; Facilitar a aprendizagem organizacional; Simular e avaliar os impactos de ações futuras; Representar possíveis referências em termos de contexto, situações de uso, relações usuário-produto, significados e efeitos de sentido. CAUTELA, C. Strumenti di design management. Franco Angeli: Milão, 2007. Patricia Hartmann/Design de Cenários 39
  40. 40. 5.3. Processo de Construção Os cenários são construídos através de informações e estímulos provenientes da análise do contexto externo ao ato projetual. Para abordar os processos encontramos hoje seis metodologias aplicadas ao design e descritas na literatura. ! MANZINI, JÉGOU (2000; 2003; 2004); MORALES (2004); CELASCHI, DESERTI (2007); LORA (2011); REYES (2011, 2012); E JÉGOU ET. AL. (2012). ! Patricia Hartmann/Design de Cenários 40
  41. 41. O contexto do projeto pode ser: ! 1) PESQUISADO: considerando a entrada de informações através de dados contextuais e não contextuais (MANZINI, 2003; REYES, 2011; JÉGOU ET. AL, 2012); ! 2) INTERPRETADO: a partir dos elementos variáveis que tensionam a sociedade contemporânea e do aprofundamento dos elementos fixos que condicionam o comportamento humano – macrotendências e superconstantes (CELASCHI; DESERTI, 2007); ! 3) IMAGINADO: a partir da seleção de forças motrizes de acordo com a clareza das mesmas sobre os impactos futuros, sendo elementos predeterminados ou incertezas críticas (MORALES, 2004; LORA, 2011). Patricia Hartmann/Design de Cenários 41
  42. 42. Contexto
 Pesquisado Síntese Representação Processo de construção de cenários por Manzini e Jégou (2000; 2003)
  43. 43. Contexto Imaginado Representação Processo de construção de cenários por Morales (2004) Síntese
  44. 44. Contexto
 Interpretado Representação Síntese Processo de construção de cenários por Celaschi e Deserti (2007)
  45. 45. Contexto
 Imaginado Síntese Representação Processo de construção de cenários por Lora (2011)
  46. 46. Contexto
 Pesquisado Síntese Representação Processo de construção de cenários por Reyes (2011)
  47. 47. Contexto
 Pesquisado Síntese Representação Processo de construção de cenários por Jégou et. al. (2011; 2012)
  48. 48. Existe um modelo a seguir? Os processos descritos apresentam diferentes técnicas para chegar em cada etapa, utilizando-se de instrumentos que oscilam entre o planejamento estratégico e o desenvolvimento de projetos criativos. A construção de cenários no âmbito do projeto deve contemplar diversas técnicas privilegiando processos caracterizados pela flexibilidade. Patricia Hartmann/Design de Cenários 48
  49. 49. 5.4. Representação Sobre este tema François Jégou vem coordenando o desenvolvimento de formas visuais de cenários na organização Strategic Design Scenarios (JÉGOU et. al., 2011; 2012) há vinte anos. Os cenários podem ser observados a partir de três dimensões: 
 de frente; de cima e/ou em uma linha de tempo. ! JÉGOU, F. et. al. Solutioning Network. 2011. Disponível em: http://www.solutioning-design.net/, acessado em: 25/02/2012. __________. Strategic Design Scenarios. 2012. DESIS Europe: Brussels. Disponível em: http:// www.strategicdesignscenarios.net/, acessado em 19/02/2012. Patricia Hartmann/Design de Cenários 49
  50. 50. -> Com a vista frontal (what), os cenários mostram a identidade e as características da oferta dos novos produtos e serviços. -> Se analisamos a vista superior (who), os cenários podem ser expressos a partir de sistemas que mostram a rede de atores envolvidos na implementação do projeto. -> Através de uma série de eventos (how), os cenários podem apresentar visualmente uma narrativa das interações mais significativas reforçando a noção de cenários como processo. ! HARTMANN, P. H. Entrevista com a Prof. Dr. Anna Cavalleri. Porto Alegre: Setembro, 2011. Patricia Hartmann/Design de Cenários 50
  51. 51. Com a vista frontal é possível simular o produto ou o serviço em seu contexto de mercado, sendo anunciado nos mais diversos meios de comunicação. A gama de produtos IKEA está centrada no bom design e na funcionalidade a um preço baixo. Oferece soluções para mobilar e decorar para todas as divisões da casa. 51
  52. 52. Nesse ponto de vista pode-se explorar uma tentativa de visualizar a solução em uma única imagem, com a escolha de uma interação emblemática ou através da captação de um ângulo específico. Conceito “Phone Battle”, Domus Academy Research & Consulting DARC (Disponível em: http:// darc.domusacademy.it/) 52
  53. 53. Utilização de exposições como uma ferramenta para solicitar uma conversa social com um grande número de visitantes: XX Exposição Internacional sobre "Memória e Futuro" produzida pela Triennale di Milano. Sustaintable Everyday: Scenarios of Urban Life (MANZINI e JÉGOU, 2003) 53
  54. 54. Outra possibilidade é explorar a visualização dos relacionamentos entre as estruturas que compõem o projeto de uma forma abrangente através de mapas de sistema. Mapa das redes de atores http://netmap.wordpress.com/ 54
  55. 55. Os mapas são baseados em uma biblioteca de elementos gráficos (ícones, imagens, setas) e um conjunto de regras (sintaxe, layout) que constituem o desenho técnico de uma solução. Mapa de sistema do cenário E-meal (JÉGOU; MANZINI; MERONI, 2002). 55
  56. 56. Produzir kits para que as pessoas possam realizar uma determinada atividade de forma mais autônoma: instruções e listas de verificação, cadernos manuais e diretrizes; entre outros - Abordagem por Cultural Probes. Para desenvolver a dinâmica “O que eu registro?”, os participantes receberam máquinas fotográficas descartáveis e uma ficha com instruções. (HARTMANN, 2013). 56
  57. 57. os atores envolvidos o contexto onde a história se desenvolve
 as ações/interações entre produtos/serviços o tempo Ao evidenciar a passagem do tempo, a forma narrativa dos cenários representa os principais momentos de interação através de pequenas histórias e vídeos, valendose da tecnologia e de avançados meios de comunicação. 57
  58. 58. Outra alternativa é a elaboração de histórias em quadrinhos através de uma série de cenas que utilizam o texto e a fotografia. Foto-histórias desenvolvidas com seis famílias para a exposição City-Eco-Lab na International Design Biennale, 2008 Cité du Design, France International Design Biennale, France (JÉGOU et. al., 2011; 2012) 58
  59. 59. Projeto “Sustainable Energy for Mine Clearance”. Nesse projeto, os designers utilizaram modelos em escala para testar como os técnicos poderiam instalar o novo gerador - comunicar a interação entre um novo produto/serviço e os potenciais usuários no contexto. Video Scenarios (BUUR; OINONEN, 2011) 59
  60. 60. O projeto de uma série de evidências, ou seja pontos de contato entre os novos produtos/serviços e o usuário, também pode expressar visualmente um cenário. Representação de ações ao longo do tempo que relaciona as evidências físicas e os processos de suporte necessários para implementar a solução. Linha do tempo com ações, evidências e processos (BERGER et. al, 2011). 60
  61. 61. Entre storyboards e roteiros, essa representação mostra a jornada do usuário através de um número limitado de esboços e colagens aplicadas em um fundo fotográfico. HARTMANN, P. ; FRANZATO, C. ; SCALETSKY, C. C. 2012. 61
  62. 62. Os filmes apresentados não mostraram protótipos de telefones reais ou de dispositivos em que a Nokia estaria trabalhando ou planejando lançar. O objetivo foi explorar conceitos futuristas e novas ideias que poderiam ou não ser produzidas nos próximos anos, além de inspirar e estimular a discussão em torno de como os dispositivos móveis do futuro poderiam ser em função dos estilos de vida simulados. ! ! Connect - Connecting Simply: Nós visitamos uma avó que é virtualmente cercada por sua família enquanto prepara a refeição da noite através de interfaces simples em telas sensíveis ao toque. Uma frase falada é rapidamente traduzida em uma grande mensagem de texto, legível e fácil de enviar para toda a família. Conectar é simplesmente honrar aquilo que mais valorizamos como seres humanos: estar perto daqueles que importam. Conferência Nokia World: a place to explore, live, achieve and connect realizada em novembro de 2006. No final da conferência, Alistair Curtis, diretor da Nokia, apresentou quatro filmes desenvolvidos pela empresa. Imagens do filme Nokia Connect – Connecting Simple, desenvolvido em 2006 pelo Centro Nokia Design, (Disponível em: http://www.youtube.com/ user/NokiaDesign).
  63. 63. Visão de futuro Microsoft para 2020.
  64. 64. Então, por que construir cenários? Enquanto tecnologia, o codesign de cenários compreende as técnicas e o conjunto de conhecimentos que permitem o seu aproveitamento prático na resolução dos problemas contemporâneos. ! Hindrichson, Patricia Hartmann. Cenários: uma tecnologia para suportar a complexidade das redes de projeto. Dissertação (mestrado) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Programa de Pós-Graduação em Design Estratégico, Porto Alegre, RS, 2013. Patricia Hartmann/Design de Cenários 64
  65. 65. 1. Cenários como tecnologia de compartilhamento de conhecimentos para redes de múltiplas camadas online/offline 2. Empoderamento/Aprendizagem 3. Design is making sense [of technology] (Krippendorf) No âmbito do projeto, significam uma tecnologia de suporte às decisões que viabiliza o compartilhamento de conhecimentos entre os múltiplos atores envolvidos em um projeto através de narrações imagéticas.
  66. 66. http://patriciahartmann.com http://www.redesdeprojeto.com 66
  67. 67. Obrigada! Patricia Hartmann Hindrichson contato@patriciahartmann.com Codesign de Cenários para promover o 
 compartilhamento de conhecimentos

×