• Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • Este regime foi alterado em janeiro de 2013. Porem é em nosso entender inconstitucional o novo diploma.
    A saber:

    Em nosso entender e salvo melhor opinião, o Decreto Lei 10/2013 de 25 de Janeiro - que cria o novo quadro societário desportivo - admitindo nomeadamente sociedades desportivas por quotas e mesmo sociedades desportivas uninominais - está ferido de inconstitucionalidade pois à data da sua publicação do Governo não tinha poderes para legislar em sentido contrário ao da Lei n.o 5/2007, de 16 de Janeiro (Lei de Bases da Actividade Física e do Desporto), que apenas permite a existência de sociedades desportivas anónimas. E isso não é superável.
    A inconstitucionalidade de um diploma afere-se à data da entrada em vigor do diploma, depois do vacacio legis. Os poderes legislativos devem ser avaliados no momento em que se legisla / entra em vigor o diploma.
    Mesmo que os efeitos, em termos de campeonatos e Liga só se façam sentir dois ou quatro meses depois, o diploma está em vigor com a publicação e o decurso do prazo previsto para tanto.
    Deste modo, mesmo que a constitucionalidade do Decreto Lei 10/2013 de 25 de Janeiro seja avaliada em data posterior à alteração do diploma hierarquicamente superior que violava (a Lei n.o 5/2007, de 16 de Janeiro ), o diploma que quando publicado feriu materialmente uma lei de caracter superior à data da sua entrada em vigor será, em nosso entender e salvo melhor opinião, sempre inconstitucional.
    Em matéria de hierarquia de leis por força do principio da aplicação das leis no tempo, não existe novação.
    Nem mesmo um critério de economia de meios ou do estado de emergência/necessidade pode aqui ser evocado pelo facto de nesta matéria nada justificar a violação do principio da legalidade e da não retroactividade das leis.
    Nestes termos, em nosso entender este Decreto Lei 10/2013 de 25 de Janeiro está ferido de inconstitucionalidade formal e de ilegalidade material, pois viola a Lei n.o 5/2007, de 16 de Janeiro (Lei de Bases da Actividade Física e do Desporto) - que apenas admite que as Sociedades Desportivas tenham apenas a forma de Sociedades Anónimas - à data da publicação do referido decreto-lei.
    Com efeito, à data da publicação do Decreto Lei 10/2013 de 25 de Janeiro, o executivo não tinha poderes para determinar o que determinou, ou seja legislar em sentido contrario à Lei n.o 5/2007, de 16 de Janeiro (Lei de Bases da Actividade Física e do Desporto). E isso, em nosso entender, não se supera com a alteração da referida Lei de Bases.

    Santos, Rui Teixeira, Lições de Direito Desportivo (pptx, ISEIT, 2013).
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
1,292
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
23
Comments
1
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide
  • O desporto, emgeral, e o futebol, em particular, atingiramumadimensão de negócio-espectáculonosúltimosanos, a qualnãosóéamplamentereconhecidapelasociedadecomoétambém um reflexodessemesmasociedade. A análise da evolução do desportoaolongo do tempo demonstraefectivamente a íntimarelaçãoexistente entre o ambiente social e a actividadedesportiva. O futebolque no início do século XX era praticado a títuloamador, desenvolveu-se de tal forma quehojerepresentaumaindústriaquemovimentamilhões de euros, ondeosjogadoresconstituemosseusmaioresvalores. O nascimento das sociedadesanónimasdesportivasresultou da necessidade de darexpressãoàcrescentecomplexidade do fenómenodesportivo. Com efeito, a necessidade de tratarcontabilisticamenteelementosqueaté antes nãohaviammerecido a devidaatenção da contabilidade, comoé o caso dos ¿novos¿ activosintangíveis, nomeadamente dos direitossobreosjogadores de futebol, criounovosproblemas. Osdireitosdesportivos de jogadoresadquiridosexternamente (istoé, a outros clubes) e osdireitosdesportivos de jogadoresdesenvolvidosinternamente (formadosnasescolas dos clubes), contribuem de forma semelhantepara a sociedadeanónimadesportiva, no entanto, as normascontabilísticaspropõemdiferentestratamentosparacadauma das situações. A análise das DemonstraçõesFinanceiras das principaissociedadesanónimasdesportivas de Portugal, nomeadamente do Porto, Sporting e Benfica, emconjunto com osresultados do inquéritorealizadoaosclubesqueparticipamnascompetiçõesprofissionaisportuguesas da Super Liga e SegundaLiga, sobre as práticascontabilísticasrelativamenteàcontabilização dos jogadores de futebol, permitiuconcluirpelaheterogeneidade de tratamentossobre as mesmasrealidades, o queprejudica a comparabilidade das DemonstraçõesFinanceirasdeste sector de actividade.
  • Artigo 5.o DL 67/97 de 3 de AbrilDireitosubsidiário1 - Àssociedadesdesportivassãoaplicáveis, subsidiariamente, as normasqueregulam as sociedadesanónimas.2 - No que se refereàsubscriçãopública das acções das sociedadesdesportivas e aomaisemquepelosseustermossejaaplicável o disposto no Código do Mercado de ValoresMobiliários, com as adaptaçõesnecessárias.
  • ASSEMBLEIA DA REPÚBLICALei n.o 27/2009 de 19 de JunhoEstabelece o regime jurídico da luta contra a dopagem no desportoA Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.o da Constituição, o seguinte:CAPÍTULO IDisposições geraisArtigo 1ºObjectoA presente lei estabelece o regime jurídico da luta contra a dopagem no desporto.
  • 1 AprovadopeloDecreto-Lei n.o 262/86 de 2 de Setembro. RectificadopelaDeclaração de 29/11/1986 (DR 276/86, Série I, 1.o Suplemento)
  • Artigo 9.o (Elementos do contrato)1. Do contrato de qualquertipo de sociedadedevemconstar:Código das SociedadesComerciais - 25a) Osnomesoufirmas de todosossóciosfundadores e os outros dados de identificaçãodestes;b) O tipo de sociedade;c) A firma da sociedaded) O objecto da sociedade;e) A sede da sociedade;f) O capital social, salvo nassociedadesemnomecolectivoemquetodosossócioscontribuamapenas com a suaindústria;g) A quota de capital e a natureza da entrada de cadasócio, bemcomoospagamentosefectuadosporconta de cada quota;h) Consistindo a entradaem bens diferentes de dinheiro, a descriçãodestes e a especificação dos respectivosvalores.i) Quando o exercícioanual for diferente do ano civil, a data do respectivoencerramento, a qualdevecoincidir com o últimodia do mês de calendário, semprejuízo do previsto no artigo 7.o do Código do Impostosobre o Rendimento das PessoasColectivas.2. São ineficazes as estipulações do contrato de sociedaderelativas a entradasemespéciequenãosatisfaçamosrequisitosexigidosnasalíneas g) e h) do n.o 1.3. Ospreceitosdispositivosdesta lei sópodemserderrogadospelocontrato de sociedade, a nãoserqueesteexpressamenteadmita a derrogaçãopordeliberação dos sócios.
  • Do Código das SociedadesComercais
  • Artigo 11.o (Objecto)1. A indicação do objecto da sociedadedevesercorrectamenteredigidaemlínguaportuguesa.2. Como objecto da sociedadedevemserindicados no contrato as actividadesqueossóciospropõemque a sociedadevenha a exercer.Código das SociedadesComerciais - 263. Compete aossóciosdeliberarsobre as actividadescompreendidas no objectocontratualque a sociedadeefectivamenteexercerá, bemcomosobre a suspensãooucessação de umaactividadequevenhasendoexercida.4. A aquisiçãopelasociedade de participaçõesemsociedades de responsabilidadelimitadaabrangidosporesta lei cujoobjectosejaigualàqueleque a sociedadeestáexercendo, nostermos do número anterior, nãodepende de autorização no contrato de sociedadenem de deliberação dos sócios, salvo disposiçãodiversa do contrato.5. O contratopodeaindaautorizar, livreoucondicionalmente, a aquisiçãopelasociedade de participaçõescomosócio de responsabilidadeilimitadaou de participaçõesemsociedades com objectodiferente do acimareferido, emsociedadesreguladaspor leis especiais e emagrupamentoscomplementares de empresas.6. A gestão de carteira de títulospertencentesàsociedadepodeconstituirobjectodesta.
  • Artigo 11.oRealização do capital socialSemprejuízo do disposto no artigo 31.o, o capital social deveserintegralmenterealizadoemdinheiro, podendoserdiferida a realização de 50% do valor nominal das acçõespor um períodonão superior a doisanos.
  • Artigo 11.oRealização do capital socialSemprejuízo do disposto no artigo 31.o, o capital social deveserintegralmenterealizadoemdinheiro, podendoserdiferida a realização de 50% do valor nominal das acçõespor um períodonão superior a doisanos.
  • Artigo 15.oRegisto e publicidadeO registo e publicidade das sociedadesdesportivasrege-se pelasdisposiçõesconstantes da legislaçãoaplicávelàssociedadescomerciais, devendo o notáriooficiosamente e a expensasdaquelascomunicaraoInstituto do Desporto a suaconstituição, osrespectivosestatutos e suasalterações.Artigo 16.oInício da actividade1 - As sociedadesdesportivasgozam de personalidadejurídica e existemcomotais a partir da data do registodefinitivo do contratopeloqual se constituem, nostermos do artigo anterior.2 - A eficácia dos actos de alteração dos estatutos das sociedadesdesportivasdepende, da mesmamaneira, de registonostermos do número anterior.
  • Artigo 21.o DL 67/97 de 3 de AbrilLimitesàtransmissão de acções das SADO contrato de sociedadenãopodelimitar a transmissão de acções.
  • 3 - Osmembros da administraçãodevemapresentar a propostaprevista no n.o 1 naassembleiageralqueapreciar as contas do exercício, ouemassembleiaconvocadaparaos 90 diasseguintesà data do início da assembleia, ouàaprovação judicial, noscasosprevistos no artigo 67.o4 - Mantendo-se a situação de perda de metade do capital social no final do exercícioseguinteàquele a que se refere o n.o 1, considera-se a sociedadeimediatamentedissolvida, desde a aprovação das contasdaqueleexercício, assumindoosadministradores, a partirdessemomento, as competências de liquidatários, nostermos do artigo 151º.
  • Excepç\\ao dos Municipiosrelativamenteàs SADsArtigo 26.o DL 67/97 de 3 de AbrilRegiõesAutónomas e associações de municípiosAs RegiõesAutónomas, osmunicípiosou as associações de municípiospodemparticipar no capital social das sociedadesdesportivassediadasnasuaárea de jurisdição, nãopodendo, contudo, talparticipaçãoexceder 50% do capital social.
  • Artigo 5.o DL 67/97 de 3 de AbrilDireitosubsidiário1 - Àssociedadesdesportivassãoaplicáveis, subsidiariamente, as normasqueregulam as sociedadesanónimas.2 - No que se refereàsubscriçãopública das acções das sociedadesdesportivas e aomaisemquepelosseustermossejaaplicável o disposto no Código do Mercado de ValoresMobiliários, com as adaptaçõesnecessárias.
  • Artigo 26.oRegiõesAutónomas e associações de municípiosAs RegiõesAutónomas, osmunicípiosou as associações de municípiospodemparticipar no capital social das sociedadesdesportivassediadasnasuaárea de jurisdição, nãopodendo, contudo, talparticipaçãoexceder 50% do capital social.
  • Nota:A redacção do artigo 22.o foialteradapeloartigoúnico da Lei n.o 107/97, de 16 de Setembro. A redacçãoprimitiva o artigo 22.o era a seguinte:«Artigo 22.o Destino do patrimónioemcaso de extinçãoSemprejuízo do disposto no artigo 34.o, o remanescente do património da sociedadeextinta tem o destino a fixarpelosestatutosoupordeliberação dos accionistas, devendopermanecer, semprequepossível, afecto a fins desportivosanálogosaos da sociedadeextinta»
  • Nota:A redacção do artigo 24.o foialteradapeloartigoúnico da Lei n.o 107/97, de 16 de Setembro. A redacçãoprimitiva o artigo 24.o era a seguinte:«Artigo 24.o Regime fiscalSão consideradoscustosouperdas do exercício, nasuatotalidade, as importânciasconcedidasaoclubeoriginárioquegoze do estatuto de utilidadepública, desdeque as mesmassejaminvestidaseminstalaçõesouemformaçãodesportiva»
  • Nota:A redacção do artigo 25.o foialteradapeloartigoúnico da Lei n.o 107/97, de 16 de Setembro. A redacçãoprimitiva o artigo 25.o era a seguinte:«Artigo 25.o ExercícioeconómicoO exercício social das sociedadesdesportivascorrespondeaoano civil.»
  • DisposiçõesparticularesArtigo 31.oRealização do capital social subscritopeloclubefundadorO capital social subscritopeloclubefundadorpodeserrealizadoemespécie.
  • 2 - Aorevisoroficial de contaséaplicável, com as necessáriasadaptações, o disposto no artigo 446.o do Código das SociedadesComerciais.3 - O parecerdeveserobrigatoriamentedifundido entre ossóciosouassociações do clube antes da realização da assembleiageraldestinada a apreciar as referidascontas.
  • Artigo 15.o Igualdade de tratamentoA sociedadeabertadeveassegurartratamentoigualaostitulares dos valoresmobiliáriosporelaemitidosquepertençamàmesmacategoria
  • 3 - Para efeitos dos númerosanteriores:a) Presume-se que o participante tem conhecimento do facto determinante do dever de comunicação no prazomáximo de doisdias de negociaçãoapós a ocorrênciadaquele;b) Osdireitos de votosãocalculados com base natotalidade das acções com direitos de voto, nãorelevandopara o cálculo a suspensão do respectivoexercício.4 - A comunicaçãoefectuadanostermos dos númerosanterioresinclui:a) A identificação de toda a cadeia de entidades a quem a participaçãoqualificadaéimputadanostermos do n.o 1 do artigo 20.o, independentemente da lei a que se encontremsujeitas;b) A percentagem de direitos de votoimputáveisao titular de participaçãoqualificada, a percentagem de capital social e o número de acçõescorrespondentes, bemcomo, quandoaplicável, a discriminação da participaçãoporcategoria de acções;c) A data emque a participaçãoatingiu, ultrapassououfoireduzidaaoslimiaresprevistosnosn.os 1 e 2.5 - Caso o dever de comunicaçãoincumba a mais de um participante, podeserfeitaumaúnicacomunicação, queexoneraosparticipantes do dever de comunicarnamedidaemque a comunicação se considerefeita.6 - Quando a ultrapassagem dos limiaresrelevantesresultar, nostermos da alínea e) do n.o 1 do artigo 20.o, da detenção de instrumentosfinanceirosqueconfiramaoparticipante o direitoàaquisição, exclusivamenteporsuainiciativa, porforça de acordo, de acções com direitos de voto, jáemitidasporemitentecujasacçõesestejamadmitidasànegociaçãoemmercadoregulamentado, o participantedeve:a) Agregar, nacomunicação, todososinstrumentosquetenham o mesmoactivosubjacente;b) Fazertantascomunicaçõesquantososemitentes dos activossubjacentes de um mesmoinstrumentofinanceiro;c) Incluirnacomunicaçãoreferida no número anterior, a indicação da data ouperíodoemqueosdireitos de aquisiçãoque o instrumentoconferepodemserexercidos, e da data emque o instrumentoexpira.7 - Quando a reduçãoouultrapassagem dos limiaresrelevantesresultar, nostermos da alínea g) do n.o 1 do artigo 20.o, da atribuição de poderesdiscricionáriosparaumaúnicaassembleiageral:a) Quemconferepoderesdiscricionáriospode, nessemomento, fazerumacomunicaçãoúnica, desdequeexplicite a informaçãoexigida no n.o 4 referenteaoinício e aotermo da atribuição de poderesdiscricionáriospara o exercício do direito de voto;b) Aquele a quemsãoimputadososdireitos de votopodefazerumacomunicaçãoúnica, no momentoemquelhesãoconferidospoderesdiscricionários, desdequeexplicite a informaçãoexigida no n.o 4 referenteaoinício e aotermo dos poderesdiscricionáriospara o exercício do direito de voto.8 - Osdeveresestabelecidos no presenteartigonão se aplicam a participaçõesresultantes de transacçõesenvolvendomembros do SistemaEuropeu de BancosCentrais, actuandonaqualidade de autoridadesmonetárias, no âmbito de umagarantia, de um acordo de recompraou de um acordo similar de liquidezautorizadoporrazões de políticamonetáriaou no âmbito de um sistema de pagamentos, desdeque as transacções se realizemdentro de um período de tempo curto e desdequenãosejamexercidososdireitos de votoinerentesàsacçõesemcausa.9 - Ostitulares de participaçãoqualificadaemsociedadereferidanasubalíneai) da alínea a) do n.o 2 devemprestarà CMVM, a pedidodesta, informaçãosobre a origem dos fundosutilizadosnaaquisiçãoou no reforçodaquelaparticipação.
  • c) Informações a prestarpelasentidadesqueintegram o sistema; d) Integração dos valoresmobiliários no sistema e suaexclusãoe) Conversão da forma de representação; f) Ligação com sistemas de liquidação;g) Medidas de segurança a adoptarquantoaoregisto de valoresmobiliáriosregistadosemsuporteinformático;h) Prestação do serviço de registoou de depósito de valoresmobiliáriosporentidades com estabelecimento no estrangeiro;i) Procedimentos a adoptarnasrelaçõesoperacionais entre sistemascentralizados a funcionarem Portugal ou no estrangeiro;j) Termosemquepodeserilidida a presunção a que se refere o n.o 3 do artigo 74.o
  • Artigo 92.o Controlo dos valoresmobiliáriosemcirculação1 - A entidadegestora do sistemacentralizadodeveadoptar as medidasnecessáriasparaprevenir e corrigirqualquerdivergência entre a quantidade, total e porcategorias, de valoresmobiliáriosemitidos e a quantidade dos que se encontramemcirculação.2 - Se as contas a que se refere o n.o 1 do artigo anterior respeitaremapenas a uma parte da categoria, o controlo da totalidade da categoriaéasseguradoatravés de coordenaçãoadequada com outros sistemascentralizados.Artigo 93.o Informações a prestaraoemitenteA entidadegestora do sistemacentralizadodeveforneceraoemitenteinformaçãosobre:a) A conversão de valoresmobiliáriosescrituraisemtituladosoudestesemescriturais;b) Oselementosnecessáriospara o exercício dos direitospatrimoniaisinerentesaosvaloresmobiliáriosregistados e para o controlodesseexercíciopeloemitente.
  • DepósitoArtigo 99º Modalidades de depósito1 - O depósito de valoresmobiliáriostituladosefectua-se: a) Emintermediáriofinanceiroautorizado, poriniciativa do seu titular;b) Emsistemacentralizado, noscasosemque a lei o imponhaouporiniciativa do emitente.2 - Osvaloresmobiliáriostituladossãoobrigatoriamentedepositados:a) Emsistemacentralizado, quandoestejamadmitidosànegociaçãoemmercadoregulamentado;b) Emintermediáriofinanceiroouemsistemacentralizado, quandotoda a emissãoousériesejarepresentadapor um sótítulo.3 - A entidadedepositáriadevemantercontas de registoseparadaspor titular.4 - Ostítulosnominativosdepositadosemintermediáriofinanceiromantêm o seunúmero de ordem.5 - Aosvaloresmobiliários a que se refere a alínea b) do n.o 2, quandonãoestejamintegradosemsistemacentralizado, aplica-se o regime dos valoresmobiliáriosescrituraisregistadosnumúnicointermediáriofinanceiro.Artigo 100º Titularidade dos valoresmobiliáriosdepositados1 - A titularidadesobreosvaloresmobiliáriostituladosdepositadosnão se transmitepara a entidadedepositária, nemestapodeutilizá-los para fins diferentes dos queresultem do contrato de depósito.2 - Emcaso de falência da entidadedepositária, osvaloresmobiliáriosnãopodemserapreendidospara a massafalida, assistindoaostitulares o direito de reclamar a suaseparação e restituição.
  • Artigo 113.o Intermediaçãoobrigatória1 - As ofertaspúblicasrelativas a valoresmobiliáriosemquesejaexigívelprospectodevemserrealizadas com intervenção de intermediáriofinanceiro, queprestapelomenososseguintesserviços:a) Assistência e colocação, nasofertaspúblicas de distribuição;b) Assistência a partir do anúnciopreliminar e recepção das declarações de aceitação, nasofertaspúblicas de aquisição.2 - As funçõescorrespondentesàsreferidas no número anterior podemserdesempenhadaspelooferente, quandoestesejaintermediáriofinanceiroautorizado a exercê-las.
  • Artigo 134.o Exigibilidade de prospecto1 - A realização de qualquerofertapúblicarelativa a valoresmobiliáriosdeveserprecedida de divulgação de um prospecto.
  • Artigo 128.o Alteração das circunstânciasEmcaso de alteraçãoimprevisível e substancial das circunstânciasque, de modocognoscívelpelosdestinatários, hajamfundado a decisão de lançamento da oferta, excedendoosriscos a estainerentes, pode o oferente, emprazorazoável e medianteautorização da CMVM, modificar a ofertaourevogá-la.Artigo 136.o Conteúdocomum do prospectoO prospectodeve, nomeadamente, incluirinformaçõessobre:a) As pessoasque, nostermos do artigo 149.o, sãoresponsáveispeloseuconteúdo;b) Osobjectivos da oferta;c) O emitente e a actividadeporestedesenvolvida;d) O oferente e a actividadeporestedesenvolvida;e) A estrutura de administração e fiscalização do emitente;f) A composição dos órgãos do emitente e do oferente;g) Osintermediáriosfinanceirosqueintegram o consórcio de colocação, quandoexista.
  • Artigo 178.o Ofertapública de troca1 - Osvaloresmobiliáriosoferecidoscomocontrapartida, quejátenhamsidoemitidos, devemserregistadosoudepositadosàordem do oferenteemsistemacentralizadooujunto de intermediáriofinanceiro, procedendo-se aoseubloqueio.2 - O anúnciopreliminar e o anúncio de lançamento de ofertapública de aquisiçãocujacontrapartidaconsistaemvaloresmobiliáriosquenãosejamemitidospelooferentedevemtambémindicaroselementosrespeitantesaoemitente e aosvaloresmobiliáriosporesteemitidosou a emitir, quesãoreferidos no artigo 176.o e no n.o 1 do artigo 183.o-A.
  • Artigo 185.o-A Processo das ofertasconcorrentes1 - A ofertaconcorrentedeveserlançadaatéao 5.o dia anterior àqueleemquetermine o prazo da ofertainicial.2 - Éproibida a publicação de anúnciopreliminaremmomentoquenãopermita o cumprimento do prazoreferido no número anterior.3 - Com o lançamentotempestivo de ofertaconcorrente, o prazo das ofertasdevesercoincidente, devendocada OPA concorrenterespeitar o prazomínimoprevisto no n.o 1 do artigo 183.o4 - O pedido de registo de ofertaconcorrenteéindeferidopela CMVM se estaentidadeconcluir, emfunção da data da apresentação do pedido de registo da oferta e do examedesteúltimo, pelaimpossibilidade de decisãoem tempo quepermita o lançamentotempestivo da oferta, de acordo com o estabelecido no n.o 1.5 - Quando o anúnciopreliminar da ofertaconcorrentesejapublicadoapós o registo da ofertainicialou de ofertasconcorrentesanteriores, sãoreduzidosparaoitodias e quatrodias, respectivamente, osprazosfixadosnaalínea b) do n.o 2 do artigo 175.o e no n.o 1 do artigo 181.o6 - Emcaso de ofertasconcorrentes, as aceitaçõespodemserrevogadasatéaoúltimodia do período de aceitações.Artigo 185.o-B Direitos dos oferentesanteriores1 - O lançamento de ofertaconcorrente e a revisão de qualquerofertaemconcorrênciaconferem a qualqueroferente o direito de procederàrevisão dos termos da suaoferta, independentemente de o terounãofeitoaoabrigo do artigo 184.o2 - Casopretendaexercer o direitoreferido no número anterior, o oferentecomunica a suadecisãoà CMVM e publica um anúncio no prazo de quatrodiasúteis a contar do lançamento da ofertaconcorrenteou da revisão da oferta, considerando-se paratodososefeitos, nafaltadessapublicação, quemantémostermos da suaoferta.3 - Àrevisão da ofertaemconcorrênciaéaplicável o disposto no n.o 5 do artigo 185.o4 - O lançamento de ofertaconcorrenteconstituifundamento de revogação de ofertasvoluntáriasnostermos do artigo 128.o5 - A decisão de revogaçãoépublicada logo quesejatomada, devendosê-lo atéquatrodias a contar do lançamento da ofertaconcorrente.
  • Artigo 188.o Contrapartida1 - A contrapartida de ofertapública de aquisiçãoobrigatórianãopodeser inferior aomaiselevado dos seguintesmontantes:a) O maiorpreçopagopelooferenteouporqualquer das pessoasque, emrelação a ele, estejamemalguma das situaçõesprevistas no n.o 1 do artigo 20.o pelaaquisição de valoresmobiliários da mesmacategoria, nosseismesesimediatamenteanterioresà data da publicação do anúnciopreliminar da oferta;b) O preçomédioponderadodessesvaloresmobiliáriosapuradoemmercadoregulamentadodurante o mesmoperíodo.2 - Se a contrapartidanãopuderserdeterminadaporrecursoaoscritériosreferidos no n.o 1 ou se a CMVM entenderque a contrapartida, emdinheiroouemvaloresmobiliários, propostapelooferentenão se encontradevidamentejustificadaounãoéequitativa, porserinsuficienteouexcessiva, a contrapartidamínimaseráfixada a expensas do oferentepor auditor independentedesignadopela CMVM.3 - A contrapartida, emdinheiroouemvaloresmobiliários, propostapelooferente, presume-se nãoequitativanasseguintessituações:a) Se o preçomaiselevadotiversidofixadomedianteacordo entre o adquirente e o alienanteatravés de negociação particular;b) Se osvaloresmobiliáriosemcausaapresentaremliquidezreduzidaporreferênciaaomercadoregulamentadoemqueestejamadmitidosànegociação;c) Se tiversidofixada com base no preço de mercado dos valoresmobiliáriosemcausa e aqueleou o mercadoregulamentadoemqueestesestejamadmitidostiveremsidoafectadosporacontecimentosexcepcionais.4 - A decisão da CMVM relativaàdesignação de auditor independentepara a fixação da contrapartidamínima, bemcomo o valor da contrapartidaassimquefixadoporaquele, sãoimediatamentedivulgadosaopúblico.5 - A contrapartidapodeconsistiremvaloresmobiliários, se estesforem do mesmotipo do queosvisadosnaoferta e estiveremadmitidosouforem da mesmacategoria de valoresmobiliários de comprovadaliquidezadmitidosànegociaçãoemmercadoregulamentado, desdeque o oferente e pessoasque com eleestejamemalguma das situações do n.o 1 do artigo 20.o nãotenham, nosseismesesanterioresaoanúnciopreliminar e atéaoencerramento da oferta, adquiridoquaisqueracçõesrepresentativas do capital social da sociedadevisada com pagamentoemdinheiro, casoemquedeveserapresentadacontrapartidaequivalenteemdinheiro.
  • Artigo 193.o Responsabilidade civilO infractoréresponsávelpelosdanoscausadosaostitulares dos valoresmobiliáriossobreosquaisdeveriaterincididoofertapública de aquisição.
  • Artigo 196.o Alienaçãopotestativa1 - Cada um dos titulares das acçõesremanescentes, nostrêsmesessubsequentesaoapuramento dos resultados da ofertapública de aquisiçãoreferida no n.o 1 do artigo 194.o, exercer o direito de alienaçãopotestativa, devendo antes, para o efeito, dirigirporescritoaosóciodominanteconviteparaque, no prazo de oitodias, lhefaçaproposta de aquisição das suasacções.

Transcript

  • 1. Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Mercado de Capitaise Sociedades Anónimas Desportivas Universidade Lusófona Pós Graduação em Direito Desportivo 18 de Junho de 2011
  • 2. Bibliografia• Jorge Manuel Coutinho de Abreu, Curso de Direito Comercial, Vol. I e II, 7º Edição, Almedina, Coimbra, 2009• Paulo Olavo Cunha, Direito das Sociedades Comerciais, Almedina, Coimbra, 2008• Paulo Olavo Cunha, Lições de Direito Comercial, Almedina, Coimbra, 2010• Maria do rosário Epifânio, Manual de Direito da Insolvência, 2ª Edição, Almedina, 2010• Constituição da República Portuguesa 1976• Código Comercial• Código das Sociedades Comerciais• Código da Insolvência e da Recuperação das empresas• Lei de Bases da atividade física e do desporto• Regime das Sociedade Anónimas Desportivas (DL 67/97 de 3 de Abril)
  • 3. Objectivo do programa• Num sector, onde para o bom desempenho das suas funções, é fundamental um profissional usufruir de conhecimentos sólidos nas mais diversas valências, com óbvia predominância para o domínio jurídico, é essencial sensibilizar os discentes para a importância da área do direito no ramo empresarial desportivo e transmitir-lhes os conhecimentos indispensáveis para uma plena e integral ocupação dos cargos profissionais que poderão ocupar futuramente.• Assim, é finalidade deste programa, dotar os estudantes, das ferramentas técnico-científicas e jurídicas necessárias, relacionadas com as Sociedades Anónimas Desportivas e a captação de fundos no Mercado de Capitais.
  • 4. O que são Sociedades Anónimas Desportivas?• As Sociedades Anónimas Desportivas (SADs) são empresas criadas pelos clubes portugueses para um regime de gestão com as regras básicas das sociedades anónimas, como a divisão do seu capital social em acções, mas com algumas especificidades exigidas pela actividade desportiva.• -As principais finalidades das SADs são a participação numa modalidade desportiva, a disputa de competições desportivas profissionais e a promoção e organização de espectáculos desportivos.• -Ao contrário das associações desportivas tradicionais, as SADs têm na sua ação fins lucrativos.• -Os dirigentes dos clubes são desresponsabilizados, pois os que não integrem uma SAD estão sujeitos a um "regime especial de gestão" das respectivas secções profissionais nos termos do qual passarão a ser responsáveis de forma pessoal, ilimitada e solidária, pelas quantias que os clubes deixarem de entregar para pagamentos ao fisco ou à segurança social.
  • 5. Direito Aplicável• REGIMENTO DAS SOCIEDADES ANÓNIMAS DESPORTIVAS (DL 67/97 de 3 de Abril)• SUBSIDIÁRIAMENTE, O DIREITO COMERCIAL, NOMEADAMENTE O CÓDIGO COMERCIAL (Carta Lei de 28 de Julho de 1888) E O CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS (Decreto-Lei no 262/86, de 2 de Setembro, republicado no Decreto-Lei no 76-A/2006, de 29 de Março)• O MERCADO DE CAPITAIS É REGULADO PELO CÓDIGO DOS VALORES MOBILIÁRIOS (Decreto-Lei n.º 486/99, de 13 de Novembro e republicado pelo Decreto-Lei n.º 357-A/2007, de 31 de Outubro).
  • 6. Direito Comercial• O direito comercial pode ser observado de duas ópticas diferentes:• Objectiva, é o direito dos comerciantes; (compra e venda comercial);• Subjectiva, é o direito da prática exercida pelos comerciantes;
  • 7. Noções de Direito Comercial• De acordo com o nosso quadro jurídico-positivo, pode-se definir direito comercial como o sistema jurídico-normativo que disciplina de modo especial os atos de comércio e as Sociedades Comerciais.• O direito mercantil é um ramo do direito privado, uma vez que regula uma organização dos sujeitos (singulares e colectivos) privados e as relações estabelecidas entre eles ou entre eles e entidades públicas, atuando como particulares.• As leis comerciais contêm também disposições de direito público. Por exemplo, as que consagram os deveres dos comerciantes, relativos às firmas, escrituração mercantil e inscrições no registo comercial.• Dentro do direito privado (comum), o direito comercial é globalmente considerado especial e não excepcional. É um ramo jurídico aplicável somente a certos sujeitos, objetos ou relações. O comércio em sentido jurídico, abarca não apenas o comércio em sentido económico, mas também industrias e serviços, assim como o Desporto profissional.• Os atos jurídico-mercantis no sector desportivo não se situam somente nos domínios do comércio, economicamente entendido.• São Sociedades Comerciais as Sociedades Desportivas (Regime definido no DL nº 67/97 de 3 de Abril)
  • 8. Direito Comercial• O Direito Comercial português atual, além de admitir comerciantes não empresários, regula atos de comércio esporádicos que não têm a ver com empresas mercantis que não sejam determinadas por interesses ligados à empresarialidade• São exemplos actos de:• - Fiança (Art. 101º do Código Comercial «Solidariedade do fiador», “Todo o fiador de obrigação mercantil, ainda que não seja comerciante, será solidário com o respectivo afiançado”).
  • 9. • - Mandato (Art. 231º do Código Comercial «Conceito de mandato comercial», “Dá-se mandato comercial quando alguma pessoa se encarrega de praticar um ou mais actos de comércio por mandado de outrem”. O mandato comercial, embora contenha poderes gerais, só pode autorizar actos não mercantis por declaração expressa”).• - Empréstimo (Art. 394º do Código Comercial «Requisitos da comercialidade do empréstimo», “Para que o contrato de empréstimo seja havido por comercial é mister que a cousa cedida seja destinada a qualquer acto mercantil”).• - Penhor (Art. 397º do Código Comercial «Requisitos da comercialidade do penhor», “Para que o penhor seja considerado mercantil é mister que a dívida que se cauciona proceda de acto comercial”).• - Depósito (Art. 403º do Código Comercial «Requisitos da comercialidade do depósito», “Para que o depósito seja considerado mercantil é necessário que seja de géneros pu de mercadorias destinados a qualquer acto de comércio”).• - Aluguer (Art. 481º do Código Comercial «Requisitos da comercialidade do aluguer», “O aluguer será mercantil, quando a coisa tiver sido comprada para se lhe alugar o uso”).
  • 10. O direito comercial é um ramo direito que ganhaautonomia a partir do século XIV, XV, sendo que oprimeiro código que surgiu no sec. XIX foi um códigoobjectivista, que ia na linha de definir os actos decomércio, como classificá-los e que quem faz actos decomércio deve ser considerado comerciante.O código de 1888 redigido por Veiga Beirão, Ministro daJustiça, que veio a tomar o lugar do Código Comercial deFerreira Borges, datado de 1833. Este novo documentolegal foi aprovado a 28 de Junho de 1888 em Lisboa, apósum longo período de discussões nas sessões da Câmara, ena sequência da adopção de um novo CódigoAdministrativo em vigor desde 1886, código que seencontra em vigor hoje e faz junção objectivista dos actosde comércio, que são os comerciantes ou aqueles que alei diz que são comerciais.
  • 11. Hoje o direito Comercial é basicamente o direitodas empresas.As SADs foram previstas na lei de bases daatividade física e do desporto (Lei nº 5/2007, de16 de Janeiro) e depois têm o seu regimento noDL 67/97 de 3 de Abril.
  • 12. Lei de Bases da Atividade Física e do Desporto• Lei nº 5/2007, de 16 de Janeiro• Objecto: A presente lei define as bases das políticas de desenvolvimento da actividade física e do desporto.
  • 13. Fontes do Direito Comercial Desportivo Português• Fontes Externas:• - Convenções Internacionais (Art. 8º, nº 2 da Constituição da República Portuguesa «Direito Internacional, “As normas constantes de convenções internacionais regularmente ratificadas ou aprovadas vigoram na ordem interna após a sua publicação oficial e enquanto vincularem internacionalmente o Estado Português”).• - Regulamentos e Directivas da Comunidade Europeia (Art. 8º, nº 3 da C.R.P., “As normas emanadas dos órgãos competentes das organizações internacionais de que Portugal seja parte vigoram directamente na ordem interna, desde que tal se encontre estabelecido nos respectivos trabalhos constitutivos”).• As normas da generalidade das convenções internacionais e as citadas normas de “direito supranacional” prevalecem sobre a lei ordinária interna.
  • 14. Fontes do Direito Comercial Desportivo PortuguêsFontes Internas:- Leis (leis, decretos-lei, decretos legislativos regionais);- Regulamentos (governo, regiões autónomas, autarquias locais, etc.).As principais fontes do direito comercial são as leis ordinárias (da Assembleiada República, decretos-lei do governo);Outras fontes são, também, a jurisprudência e a doutrina. As decisõesjudiciais participam na criação ou constituição do direito;A doutrina é o resultado do estudo que é feito a respeito do direito;Pode-se, também, considerar os usos e costumes (Códigos Deontológicos):● Regras morais;● Regras de formalidade;● Regras de etiqueta.Os Usos e Costumes são as mais importantes para um Gestor.
  • 15. A constituição económica Portuguesa considera que odireito fundamental dos cidadãos, e a livre iniciativa,sendo o pressuposto da modernidade a liberdade e aigualdadeA vida económica assenta em instituições, como referemos artigos da constituição: Artigo 62.º (Direito de propriedade privada)1. A todos é garantido o direito à propriedade privada e àsua transmissão em vida ou por morte, nos termos daConstituição.2. A requisição e a expropriação por utilidade pública sópodem ser efectuadas com base na lei e mediante opagamento de justa indemnização.
  • 16. Artigo 80.º Princípios fundamentaisA organização económico-social assenta nos seguintes princípios:a) Subordinação do poder económico ao poder político democrático;b) Coexistência do sector público, do sector privado e do sectorcooperativo e social de propriedade dos meios de produção;c) Liberdade de iniciativa e de organização empresarial no âmbito deuma economia mista;d) Propriedade pública dos recursos naturais e de meios de produção,de acordo com o interesse colectivo;e) Planeamento democrático do desenvolvimento económico e social;f) Protecção do sector cooperativo e social de propriedade dos meiosde produção;g) Participação das organizações representativas dos trabalhadores edas organizações representativas das actividades económicas nadefinição das principais medidas económicas e sociais.
  • 17. Artigo 82.º Sectores de propriedade dos meios de produção1. É garantida a coexistência de três sectores de propriedade dos meios deprodução.2. O sector público é constituído pelos meios de produção cujas propriedadee gestão pertencem ao Estado ou a outras entidades públicas.3. O sector privado é constituído pelos meios de produção cuja propriedadeou gestão pertence a pessoas singulares ou colectivas privadas, sem prejuízodo disposto no número seguinte.4. O sector cooperativo e social compreende especificamente:a) Os meios de produção possuídos e geridos por cooperativas, emobediência aos princípios cooperativos, sem prejuízo das especificidadesestabelecidas na lei para as cooperativas com participação pública,justificadas pela sua especial natureza;b) Os meios de produção comunitários, possuídos e geridos por comunidadeslocais;c) Os meios de produção objecto de exploração colectiva por trabalhadores;d) Os meios de produção possuídos e geridos por pessoas colectivas, semcarácter lucrativo, que tenham como principal objectivo a solidariedadesocial, designadamente entidades de natureza mutualista.
  • 18. Artigo 86.º Empresas privadas1. O Estado incentiva a actividade empresarial, em particular daspequenas e médias empresas, e fiscaliza o cumprimento dasrespectivas obrigações legais, em especial por parte das empresas queprossigam actividades de interesse económico geral.2. O Estado só pode intervir na gestão de empresas privadas a títulotransitório, nos casos expressamente previstos na lei e, em regra,mediante prévia decisão judicial.3. A lei pode definir sectores básicos nos quais seja vedada aactividade às empresas privadas e a outras entidades da mesmanatureza.• A empresa é uma organização criada por um empresário com um determinado património, que visa o lucro, sendo a empresa um agente jurídico.
  • 19. Empresas• Classificação das empresas:• Agrícolas (as organizações produtivas dos agricultores);• Comerciais (abrangem todas as que desempenham uma das actividades qualificadas na lei como comerciais; e, em sentido restrito, apenas as que se dedicam ao comércio em sentido económico, pois no ponto de vista jurídico-privado estão na quase totalidade abrangidas no sentido lato e jurídico da classe empresas comerciais); É o caso das SADs.• Tendo em conta a dimensão das empresas, estas aparecem, com grande frequência, classificadas em pequenas, médias e grandes empresas – PME.
  • 20. Sociedades Comerciais• - Sociedades comerciais: São pessoas colectivas.• Art. 13º/2º do Código Comercial, “As sociedades comerciais”.•• - A natureza dos comerciantes não se compra, vende. O comerciante é comerciante porque pratica actos de comércio, se dedicam a essa área e preenchem os requisitos legais.• Art. 18º do Código Comercial «Obrigações especiais dos comerciantes».• D.L. 339/95•• Por exemplo: Se eu comprar ações de uma empresa, esse ato rege-se pela lei comercial, mas não faz de mim um comerciante, pois essa não é a minha profissão.•• - As pessoas colectivas (S.A., Sociedades Colectivas) que praticam atos de comércio e fazem dela uma profissão.• Art. 160º/1º do Código Civil «Capacidade», “A capacidade das pessoas colectivas abrange todos os direitos e obrigações necessários ou convenientes à prossecução dos seus fins”.
  • 21. Sociedades Civis e Empresas Públicas• - Sociedades Civis (ex: casamento) não são comerciantes.• - Nas Empresas Públicas, há atos praticados pelas E.P.E. que são actos de comércio.• As entidades públicas empresariais não são sociedades comerciais, mas regem-se pela lei comercial comum.• D.L. 558/95 – A partir de 1999 do Art. 558º, as empresas públicas em sentido estrito são constituídos com base no direito comercial, mas estão sujeitos à dinâmica do Estado.• Art. 17º do Código Comercial «Condição do Estado e dos corpos e corporações administrativas».• Art. 25º do Código Comercial• As empresas públicas são constituídas com base no direito comercial, mas dominadas pelo Estado. Diferente é o regime das E.P.E. a quem se aplica as normas de direito publico
  • 22. Regime incompatibilidades e impedimentos• A lei define certas incompatibilidades e impedimentos, proibindo o exercício do comércio às pessoas que exerçam certas funções ou detenham posições que poderiam ser prejudicadas por esse exercício, por motivos éticos ou de politica legislativa.• Dividem-se em dois grupos:• - Os decorrentes de disposições de direito público, por ex. as que inibem do comércio: os juízes, os magistrados do Ministério Público, os funcionários das secretárias judiciais, cargos políticos, etc.• - Os estabelecidos por disposições de direito comercial – logo, de direito privado – como são os casos seguintes: Os administradores das sociedades anónimas, os membros do conselho geral e de supervisão das sociedades anónimas, arbitros, etc.
  • 23. SumárioObrigações Especiais do Comerciante• 1. A Firma. Os princípios. A obrigatoriedade. A tutela.• 2. O RNPC• 3. A Escrituração Mercantil.• 4. A Prestação de Contas.• 5. O Registo Comercial. Âmbito e princípios. Efeitos. Recursos.
  • 24. Obrigações dos comerciantes• Art. 18º «Obrigações especiais dos comerciantes».• Sem esgotarem os deveres profissionais dos comerciantes, todavia têm a peculiar importância de definirem um estatuto jurídico-comercial da profissão mercantil.
  • 25. Firma• A Firma é o nome comercial dos comerciantes, o sinal que os individualiza ou identifica.• Tem a obrigação de ter um nome, identificação.• O comerciante pode vender a própria firma, mas em nome individual, a firma não se vende porque o nome é do próprio comerciante.• Art. 38º do Código Comercial «Quem pode fazer a escrituração», “Todo o comerciante pode fazer a sua escrituração mercantil por si ou por outra pessoa a quem para tal fim autorizar”.• “Se o comerciante por si próprio não fizer a escrituração, presumir-se-á que autorizou a pessoa que a fizer”.
  • 26. Constituição da firma• A firma, consoante os casos, pode ser formada com o nome de uma ou mais pessoas (firma-nome), com uma expressão relativa ao ramos de atividade, aditada ou não de elementos de fantasia (firma-denominação ou simplesmente denominação), ou englobar uns e outros desses elementos (firma mista).• Em todo o caso, ele será um sinal nominativo e nunca emblemático: sempre uma expressão verbal, com exclusão de qualquer elemento figurativo.
  • 27. Princípios associados à firma•• São três os princípios que a lei estabelece:•• 1. O princípio da verdade: Os elementos componentes das firmas e denominações devem ser verdadeiros e não induzir em erro sobre a identificação, natureza ou identificação, natureza ou actividade do seu titular.• Art. 32º/1º do RRNPC «Princípio da verdade», “Os elementos componentes das firmas e denominações devem ser verdadeiros e não induzir em erro sobre a identificação, natureza ou actividade do seu titular”.•• Inclui o nome do comerciante ou dos empresários, inclui o tipo e a natureza da sociedade (individual ou por quotas (Lda), anónima (S.A.), sociedade comandita (sociedade por comandita por acções ou sociedade por comandita, por ex. Filipe Construções e Comandita por acções).• A sociedade de seguros (a cooperativa) também se aplica às sociedades.•• Como se faz a transmissão da firma?• - Tem que haver transmissão do estabelecimento;• - O acordo dos interessados.
  • 28. Princípios associados à firma• 2. O princípio da novidade ou exclusivo: “As firmas e denominações devem ser distintas e não susceptíveis de confusão ou erro com as registadas ou licenciadas no mesmo âmbito da exclusividade, mesmo quando a lei permita a inclusão de elementos utilizados por outras já registadas, ou com designações de instituições notoriamente reconhecidas” Art. 33º/1º do RRNPC.• E o nº2 do mesmo artigo explicita os elementos a ter em conta para apurar tal distinção e susceptibilidade de confusão ou erro: “Os juízos sobre a distinção e a não susceptibilidade de confusão ou erro devem ter em conta o tipo de pessoa, o seu domicilio ou sede, a afinidade ou proximidade das suas actividades e o âmbito territorial destas”.•• No comerciante individual, o âmbito da protecção é correspondente territorial.• Se ele aditar ao nome uma expressão distintiva já pode ser reconhecida em todo o território nacional.
  • 29. Princípios associados à firma• 3. O princípio da unidade: Embora o art. 3º do Reg-RNPC «Extinção», tenha omitido o princípio da unidade, a verdade é que o Art. 38º do mesmo diploma refere que «Comerciantes individuais», “O comerciante individual deve adoptar uma só firma, composta pelo seu nome, completo ou abreviado, conforme seja necessário para identificação da pessoa, podendo aditar-lhe alcunha ou expressão alusiva à actividade exercida”.•• Art. 62º do Reg-RNPC «Uso ilegal de firma ou denominação», “O uso ilegal de uma firma ou denominação confere aos interessados o direito de exigir a sua proibição, bem como a indemnização pelos danos daí emergentes, sem prejuízo da correspondente acção criminal, se ela houver lugar”.•• Art. 433º do Código Civil, «Efeitos entre as partes», “Na falta de disposição especial, a resolução é equiparada, quanto aos seus efeitos, ou anulabilidade do negócio jurídico”.•• Art. 829º do Código Civil «Prestação de facto negativo»•• Art. 317º do Código da propriedade industrial «Concorrência desleal»
  • 30. Extinção da firma•• ● Quanto aos comerciantes em nome individual:• - a cessação da atividade, com a liquidação do estabelecimento ou, se este não for liquidado, pela transmissão do estabelecimento sem a firma;• - a morte, se não prosseguirem os sucessores com a atividade do de cujus, e se não alienarem a firma e o estabelecimento;• - a insolvência.•• ● Quanto às sociedades:• - se se dissolverem e liquidarem e não for transmitida a sua firma com o estabelecimento (na fase de liquidação, à firma deve acrescentar-se a expressão “sociedade em liquidação” ou “em liquidação” – Art. 146º/3º do Código das Sociedades Comerciais «Liquidação das Sociedades, Regras Gerais».•• - Art. 18º do Código Comercial «Obrigações especiais dos comerciantes»:• Os comerciantes são especialmente obrigados:• 1º A adoptar uma firma;•• 2º A ter escrituração mercantil;• 3º A fazer inscrever no registo comercial os atos a ele sujeitos;• 4º A dar balanço e, a prestar contas.•• - Art. 29º do mesmo código «Obrigatoriedade da escrituração mercantil»;• - Art. 30º do Código Comercial «Liberdade de organização da escrituração mercantil».•
  • 31. Escrituração mercantilA escrituração mercantil é o registo dos factos que podem influir nasoperações e na situação patrimonial dos comerciantes. A suaobrigatoriedade decorre dos factos:• Dos comerciantes necessitarem de conhecer os seus direitos e obrigações e a sua situação patrimonial (“as suas operações comerciais e fortuna”, segundo rezava a anterior redação original do Art. 29º do Código Comercial «Obrigatoriedade da escrituração mercantil»);• De ser um importante meio de prova dos factos registados, nos litígios entre os comerciantes (Art. 44º do Código Comercial «Força probatória da escrituração»);• De ser um meio de verificação da regularidade da conduta do comerciante, no caso de insolvência e em todos os casos em que isso estiver em causa;• De servir de base à liquidação de impostos e à fiscalização do cumprimento das normas tributárias.
  • 32. A escrituração abrange registos e arquivos: atas, contratos, correspondência e demaisdocumentação do comerciante:• Art. 30º do Código Comercial «Liberdade de organização da escrituração mercantil»;• Art. 31º do Código Comercial «Livros obrigatórios»: 1 – As sociedades comerciais são obrigadas a possuir livros para atas. 2 – Os livros de atas podem ser constituídos por folhas soltas numeradas sequencialmente e rubricadas pela administração ou pelos membros do órgão social a que respeitam ou, quando existam, pelo secretário da sociedade ou pelo presidente da mesa da Assembleia Geral da Sociedade, que lavram, igualmente, os termos de abertura e de encerramento, devendo as folhas soltas ser encadernadas depois de utilizadas.• Art. 42º do Código Comercial «Exibição judicial da escrituração mercantil»;• Art. 44º do Código Comercial (descrito anteriormente);• Art. 181º do Código das Sociedades Comerciais «Direito dos sócios à informação»;• Art. 214º do Código Cooperativo;• Art. 70º do Código Comercial, revogado pelo Art. 24º do DL nº 142-A/91, de 10 de Abril• Art. 167º do Código Comercial, revogado pelo DL nº 262/86, de 2 de Setembro que regulamenta e aprova-o no Código das Sociedades Comerciais.• Art. 18º do Código Comercial (já citado anteriormente).
  • 33. Comerciante em nome individual• Requisitos de acesso à qualidade de comerciante em nome individual:• Vimos que o nº 1 do Art. 13º do Código Comercial «Quem é comerciante são comerciantes», só abrange pessoas físicas: os usualmente denominados comerciantes em nome individual.• Quando é que uma pessoa física se diz comerciante? Que requisitos estabelece a lei para que um indivíduo tenha acesso a essa qualificação jurídica?• Poderia pensar-se que existiria um critério formal simples para determinar se certa pessoa tem esta qualidade. É que, de acordo com o Art. 18º, nº 3, do Código Comercial, “ os comerciantes são especialmente obrigados: a fazer inscrever no registo comercial os atos a ele sujeitos”. Ora, um desses actos é a própria aquisição da qualidade de comerciante, que dá origem à matrícula no registo comercial.• Ou seja: bastaria verificar se uma dada pessoa está matriculada no registo comercial para verificar se ela é ou não comerciante.• Para serem comerciantes, as pessoas, têm de ter a capacidade para praticar os atos de comércio.
  • 34. • Personalidade jurídica:•• Quanto a este requisito, não há aqui a considerar quaisquer especialidades face ao regime geral do direito civil: o direito comercial não exclui a personalidade jurídica de nenhum ente que a tenha segundo as normas do direito civil, ou mercê de qualquer outra norma legal de outro ramo de direito.•• A lei comercial atribui-a às sociedades comerciais:• - Art. 5º do Código das Sociedades Comerciais « Personalidade»;• - Art. 253º do Código Comercial «Proibição de concorrência do gerente».
  • 35. Situações duvidosas quanto à qualidade de comerciante- Mediadores: A mediação é um contrato pelo qual uma pessoa – omediador – se obriga a prestar uma atividade de intervenção,mediante remuneração, nas negociações entre duas ou mais pessoas.Os mediadores são comerciantes, pessoa colectiva ou singular.- Os gerentes de comércio são profissões mercantis.São mandatários comerciais com poderes de representação docomerciante para quem trabalham subordinadamente. Logo, comoatuam em nome e por conta de outrem, a sua atividade, não sendopessoal e independente, não é apta para lhes atribuir a qualidade decomerciantes.- Os corretores são comerciantes, agem em nome individual
  • 36. O empresário pessoa casada: responsabilidade dos bens dos cônjuges por dividas comerciais• No atual regime dos efeitos do casamento sobre os direitos patrimoniais dos cônjuges, prevalece o princípio da igualdade de direitos e deveres, a ambos pertencendo a orientação da vida em comum e a direção da família (Artº. 1671º do Código Civil «Igualdade dos cônjuges». No tocante às dívidas contraídas pelos cônjuges, aquele principio tem como• corolário o disposto no nº 1 do Artº. 1690º do Código Civil «Legitimidade para contrair dívidas»; qualquer dos cônjuges tem legitimidade para contrair dívidas sem o consentimento do outro.• Entretanto o Artº. 1691º do Código Civil enuncia quais são as dividas que são da responsabilidade de ambos os cônjuges, pelas quais respondem os bens comuns do casal e, na falta ou insuficiência deles, solidariamente, os bens próprios de ambos os cônjuges (Artº. 1695º, nº 1 do Código Civil). E o Artº. 1692ª do Código Civil, enumera os casos de dívidas da exclusiva responsabilidade do cônjuge a que dizem respeito. Por estas dívidas respondem os bens próprios do cônjuge devedor e, solidariamente, a sua meação nos bens comuns (Artº. 1696º, nº 1, do Código Civil).
  • 37. • Sociedade AnónimaÉ uma sociedade de responsabilidade limitadaporquanto os sócios limitam a suaresponsabilidade ao valor das acções por sisubscritas.• Artigo 11º do DL 67/97 de 3 de AbrilRealização do capital social das SADs:O capital social deve ser integralmente realizadoem dinheiro, podendo ser diferida a realizaçãode 50% do valor nominal das ações por umperíodo não superior a dois anos.
  • 38. Sociedades Anónimas Desportivas• Artigo 27º (Lei nº 5/2007, de 16 de Janeiro – lei de Bases da actividade fisica e do desporto)• 1 - São sociedades desportivas as pessoas colectivas de direito privado, constituídas sob a forma de sociedade anónima, cujo objecto é a participação em competições desportivas, a promoção e organização de espectáculos desportivos e o fomento ou desenvolvimento de actividades relacionadas com a prática desportiva profissionalizada no âmbito de uma modalidade.• 2 - A lei define o regime jurídico das sociedades desportivas, salvaguardando, entre outros objectivos, a defesa dos direitos dos associados do clube fundador, do interesse público e do património imobiliário, bem como o estabelecimento de um regime fiscal adequado à especificidade destas sociedades.
  • 39. Relevância• A constituição das Sociedades Anónimas Desportivas em Portugal foi recente, tal como no resto da Europa, com excepção do Reino Unido. Porém, este fenómeno nem sempre foi atractivo para os potenciais investidores. A imagem fornecida pelo futebol tem capacidade para influenciar a sua capitalização bolsista, como tal, torna-se fundamental profissionalizar este sector, transformando os clubes/associações em sociedades desportivas (Tenreiro, 2000).• Desta forma, parece relevante estudar as sociedades anónimas desportivas, uma década depois do aparecimento da primeira Sociedade Anónima Desportiva (SAD) em Portugal.• AS SADs são pessoas jurídicas com responsabilidade penal
  • 40. Ilicito criminal Lei n.o 27/2009 de 19 de Junho Artigo 46.o Responsabilidade penal das pessoas colectivas e equiparadas1 — As pessoas colectivas e entidades equiparadas,incluindo as pessoas colectivas desportivas, sãoresponsáveis, nos termos gerais, pelos crimesprevistos na presente lei.2 — O estatuto de utilidade pública ou de utilidadepública desportiva não exclui a responsabilidadepenal das pessoas colectivas desportivas.
  • 41. Ilicito criminal Lei n.o 27/2009 de 19 de Junho I 70.o Artigo Efeitos para equipas, clubes ou sociedades anónimas desportivas1 — Caso mais do que um praticante de uma equipa, clube ousociedade anónima desportiva tenha sido notificado dapossibilidade da violação de uma norma antido- pagem noâmbito de uma competição desportiva, a equipa deve sersujeita a um controlo direccionado.2 — Se se apurar que mais do que um praticante de umaequipa, clube ou sociedade anónima desportiva cometeu umaviolação de uma norma antidopagem durante um eventodesportivo, podem as entidades atrás menciona- das serdesclassificadas ou ficar sujeitas a outra medida disciplinar.
  • 42. Lei n.º 50/2007, de 31 de Agosto REGIME DE RESPONSABILIDADE PENAL POR COMPORTAMENTOS ANTIDESPORTIVOSEstabelece um novo regime de responsabilidade penal porcomportamentos susceptíveis de afectar a verdade, a lealdade e acorrecção da competição e do seu resultado na actividade desportiva(caso da corrupção): Artº 3º Responsabilidade penal das pessoas colectivas e equiparadas1 - As pessoas colectivas e entidades equiparadas, incluindo as pessoascolectivas desportivas, são responsáveis, nos termos gerais, peloscrimes previstos na presente lei.2 - O estatuto de utilidade pública ou de utilidade pública desportivanão exclui a responsabilidade penal das pessoas colectivas desportivas.
  • 43. Lei n.º 50/2007, de 31 de Agosto Artº 14º PrevençãoAs federações, as sociedades e os clubesdesportivos promovem anualmente acçõesformativas, pedagógicas e educativas com afinalidade de sensibilizar todos os agentesdesportivos para os valores da verdade, da lealdadee da correcção e prevenir a prática de factossusceptíveis de alterarem fraudulentamente osresultados da competição.
  • 44. Responsabilidade Civil (Codigo Civil) Responsabilidade por factos ilícitos ARTIGO 483.o (Princípio geral)1. Aquele que, com dolo ou mera culpa, violar ilicitamente o direito de outrem ou qualquerdisposição legal destinada a proteger interesses alheios fica obrigado a indemnizar o lesado pelosdanos resultantes da violação.2. Só existe obrigação de indemnizar independentemente de culpa nos casos especificados na lei. ARTIGO 484.o (Ofensa do crédito ou do bom nome)Quem afirmar ou difundir um facto capaz de prejudicar o crédito ou o bom nome de qualquerpessoa, singular ou colectiva, responde pelos danos causados. ARTIGO 485.o (Conselhos, recomendações ou informações)1. Os simples conselhos, recomendações ou informações não responsabilizam quem os dá, aindaque haja negligência da sua parte.2. A obrigação de indemnizar existe, porém, quando se tenha assumido a responsabilidade pelosdanos, quando havia o dever jurídico de dar conselho, recomendação ou informação e se tenhaprocedido com negligência ou intenção de prejudicar, ou quando o procedimento do agenteconstitua facto punível. ARTIGO 486.o (Omissões)As simples omissões dão lugar à obrigação de reparar os danos, quando, independentemente dosoutros requisitos legais, havia, por força da lei ou do negócio jurídico, o dever de praticar o actoomitido.
  • 45. ARTIGO 494.o (Limitação da indemnização no caso de mera culpa)Quando a responsabilidade se fundar na mera culpa, poderá a indemnizaçãoser fixada, equitativamente, em montante inferior ao que corresponderia aosdanos causados, desde que o grau de culpabilidade do agente, a situaçãoeconómica deste e do lesado e as demais circunstâncias do caso ojustifiquem. ARTIGO 495.o (Indemnização a terceiros em caso de morte ou lesão corporal)1. No caso de lesão de que proveio a morte, é o responsável obrigado aindemnizar as despesas feitas para salvar o lesado e todas as demais, semexceptuar as do funeral.2. Neste caso, como em todos os outros de lesão corporal, têm direito aindemnização aqueles que socorreram o lesado, bem como osestabelecimentos hospitalares, médicos ou outras pessoas ou entidades quetenham contribuído para o tratamento ou assistência da vítima.3. Têm igualmente direito a indemnização os que podiam exigir alimentos aolesado ou aqueles a quem o lesado os prestava no cumprimento de umaobrigação natural.
  • 46. ARTIGO 496.o (Danos não patrimoniais)1. Na fixação da indemnização deve atender-se aos danos não patrimoniais que, pela sua gravidade,mereçam a tutela do direito.2. Por morte da vítima, o direito à indemnização por danos não patrimoniais cabe, em conjunto, aocônjuge não separado judicialmente de pessoas e bens e aos filhos ou outros descendentes; na faltadestes, aos pais ou outros ascendentes; e, por último aos irmãos ou sobrinhos que os representem.3. O montante da indemnização será fixado equitativamente pelo tribunal, tendo em atenção, emqualquer caso, as circunstâncias referidas no artigo 494.o; no caso de morte, podem ser atendidos nãosó os danos não patrimoniais sofridos pela vítima, como os sofridos pelas pessoas com direito aindemnização nos termos número anterior. ARTIGO 497.o (Responsabilidade solidária)1. Se forem várias as pessoas responsáveis pelos danos, é solidária a sua responsabilidade.2. O direito de regresso entre os responsáveis existe na medida das respectivas culpas e dasconsequências que delas advieram, presumindo-se iguais as culpas das pessoas responsáveis. ARTIGO 498.o (Prescrição)1. O direito de indemnização prescreve no prazo de três anos, a contar da data em que o lesado teveconhecimento do direito que lhe compete, embora com desconhecimento da pessoa do responsável eda extensão integral dos danos, sem prejuízo da prescrição ordinária se tiver decorrido o respectivoprazo a contar do facto danoso.2. Prescreve igualmente no prazo de três anos, a contar do cumprimento, o direito de regresso entre osresponsáveis.3. Se o facto ilícito constituir crime para o qual a lei estabeleça prescrição sujeita a prazo mais longo, éeste o prazo aplicável.4. A prescrição do direito de indemnização não importa prescrição da acção de reivindicação nem daacção de restituição por enriquecimento sem causa, se houver lugar a uma ou a outra.
  • 47. Responsabilidade pelo risco ARTIGO 499.o (Disposições aplicávei)São extensivas aos casos de responsabilidade pelo risco, na parte aplicável e na faltade preceitos legais em contrário, as disposições que regulam a responsabilidade porfactos ilícitos. ARTIGO 500.o (Responsabilidade do comitente)1. Aquele que encarrega outrem de qualquer comissão responde, independentementede culpa, pelos danos que o comissário causar, desde que sobre este recaia também aobrigação de indemnizar.2. A responsabilidade do comitente só existe se o facto danoso for praticado pelocomissário, ainda que intencionalmente ou contra as instruções daquele, no exercícioda função que lhe foi confiada.3. O comitente que satisfizer a indemnização tem o direito de exigir do comissário oreembolso de tudo quanto haja pago, excepto se houver também culpa da sua parte;neste caso será aplicável o disposto no no 2 do artigo 497.o.ARTIGO 501.o (Responsabilidade do Estado e de outras pessoas colectivas públicas)O Estado e demais pessoas colectivas públicas, quando haja danos causados a terceiropelos seus órgãos, agentes ou representantes no exercício de actividades de gestãoprivada, respondem civilmente por essesdanos nos termos em que os comitentes respondem pelos danos causados pelos seuscomissários.
  • 48. Contrato de sociedadesAplicação às sociedades colectivas: Código Comercial Art 13º«São comerciantes»: 1º (...) 2º As sociedades comerciais. CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS 1 ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo 1.o1. A presente lei aplica-se às sociedades comerciais.2. São sociedades comerciais aquelas que tenham por objecto a prática de actos decomércio e adoptem o tipo de sociedade em nome colectivo, de sociedade porquotas, de sociedade anónima, de sociedade em comandita simples ou de sociedadeem comandita por acções.3. As sociedades que tenham por objecto a prática de actos de comérciodevemadoptar um dos tipos referidos no número anterior.4. As sociedades que tenham exclusivamente por objecto a prática de actos nãocomerciais podem adoptar um dos tipos referidos no n.o 2, sendo-lhes, nesse caso,aplicável a presente lei.1 Aprovado pelo Decreto-Lei n.o 262/86 de 2 de Setembro. Rectificado pela Declaração de 29/11/1986 (DR 276/86, Série I, 1.o Suplemento)
  • 49. Contrato de Sociedade• Qual o objecto da sociedade comercial?• Art. 1º, nº 2 do Código das Sociedades Comerciais (já citado anteriormente).•• O que é uma sociedade comercial?• O termo sociedade é juridicamente utilizado em três sentidos distintos: como negócio jurídico, como relação jurídica e como instituição.• Art. 980º do Código Civil «Noção da Sociedade», “Contrato de sociedade é aquele em que duas ou mais pessoas se obrigam a contribuir com bens ou serviços para o exercício em comum de certa actividade económica, que não seja de mera fruição, a fim de repartirem os lucros resultantes dessa actividade”.•• Este artigo está articulado com o Art. 5º do Código das Sociedades Comerciais «Personalidade», “As sociedades gozam de personalidade jurídica e existem como tais a partir da data do registo definitivo do contrato pelo qual se constituem, sem prejuízo do disposto quanto à constituição de sociedades por fusão, cisão ou transformação de outras”.•• Também se encontra articulado com o Art. 6º do Código das Sociedades Comerciais «Capacidade».
  • 50. Contratos de SociedadeElementos estruturais da noção genérica das sociedades comerciais:● Elemento pessoal: pluralidade pessoal;● Elemento patrimonial: obrigação de contribuir com bens ou serviços;● Elemento finalístico (fim imediato ou objecto): exercício em comum decerta actividade económica que não seja de mera fruição;● Elemento teleológico (fim imediato ou fim stricto sensu): repartição doslucros resultantes dessa actividade (aplica-se o Art. 980º do Código Civil, járeferido anteriormente).- Primeiro aplica-se o Art. 2 do Código das Sociedades Comerciais «Direitosubsidiário», depois faz-se analogia.Aplica-se o Código Civil se forem violados os:Princípios gerais;Princípios típicos.
  • 51. PERSONALIDADE E CAPACIDADE Artigo 5.o (Personalidade)As sociedades gozam de personalidade jurídica e existem como tais a partir da data doregisto definitivo do contrato pelo qual se constituem, sem prejuízo do dispostoquanto à constituição de sociedades por fusão, cisão ou transformação de outras. Artigo 6.o (Capacidade)1. A capacidade da sociedade compreende os direitos e as obrigações necessários ouconvenientes à prossecução do seu fim, exceptuados aqueles que lhe sejam vedadospor lei ou sejam inseparáveis da personalidade singular.2. As liberalidades que possam ser consideradas usuais, segundo as circunstâncias daépoca e as condições da própria sociedade, não são havidas como contrárias ao fimdesta.3. Considera-se contrária ao fim da sociedade a prestação de garantias reais oupessoais a dívidas de outras entidades, salvo se existir justificado interesse próprio dasociedade garante ou se se tratar de sociedade em relação de domínio ou de grupo.4. As cláusulas contratuais e as deliberações sociais que fixem à sociedadedeterminado objecto ou proíbam a prática de certos actos não limitam a capacidadeda sociedade, mas constituem os órgãos da sociedade no dever de não excederemesse objecto ou de não praticarem esses actos.5. A sociedade responde civilmente pelos actos ou omissões de quem legalmente arepresente, nos termos em que os comitentes respondem pelos actos ou omissõesdos comissários.
  • 52. Contratos de Sociedade• Normas imperativas (se o contrato não cumprir estas normas, é nulo); Por exemplo:• Artigo 13.o do DL 67/97 de 3 de Abril• Administração da sociedade• O órgão de administração da sociedade é composto por um número ímpar de membros, fixado nos estatutos, com o mínimo de três elementos, que serão gestores profissionais.• Artigo 14.o• Incompatibilidades• Não podem ser administradores de sociedades desportivas:• A)Os que, no ano anterior, tenham ocupado cargos sociais em outra sociedade desportiva constituída para a mesma modalidade;• b) Os titulares de órgãos sociais de federações ou associações desportivas de clubes da mesma modalidade;• C)Os praticantes profissionais, os treinadores e árbitros, em exercício, da respectiva modalidade.• Normas dispositivas (que podem ser escolhidas pelos sócios para constarem no contrato).
  • 53. CONTRATO DE SOCIEDADE Celebração e registo Artigo 7.o (Forma e partes do contrato)1. O contrato de sociedade deve ser celebrado por escritura pública.2. O número mínimo de partes de um contrato de sociedade é de dois, exceptoquando a lei exija número superior ou permita que a sociedade seja constituída poruma só pessoa.3. Para os efeitos do número anterior contam como uma só parte as pessoas cujaparticipação social for adquirida em regime de contitularidade.4. A constituição de sociedade por fusão, cisão ou transformação de outras sociedadesrege-se pelas respectivas disposições desta lei. Artigo 8.o (Participação dos cônjuges em sociedades)1. É permitida a constituição de sociedades entre cônjuges, bem como a participaçãodestes em sociedades, desde que só um deles assuma responsabilidade ilimitada.2. Quando uma participação social for, por força do regime matrimonial de bens,comum aos dois cônjuges, será considerado como sócio, nas relações com asociedade, aquele que tenha celebrado o contrato de sociedade ou, no caso deaquisição posterior ao contrato, aquele por quem a participação tenha vindo ao casal.3. O disposto no número anterior não impede o exercício dos poderes deadministração atribuídos pela lei civil ao cônjuge do sócio que se encontrarimpossibilitado, por qualquer causa, de a exercer nem prejudica os direitos que, nocaso de morte daquele que figurar como sócio, o cônjuge tenha à participação.
  • 54. Contratos de SociedadeArt. 9º do Código das Sociedades Comerciais «Elementosdo contrato».No nº 3 do mesmo código temos “Os preceitosdispositivos desta lei só podem ser derrogados pelocontrato de sociedade, a não ser que este expressamenteadmita a derrogação por deliberação dos sócios”.Por exemplo: O pacto social definiu que cada sócio nãopode ter mais de 10%, situação que contraria a lei geral.Neste caso aplica-se o nº 3 do Art. 9 do C.S.C..Só se pode alterar esta situação alterando o pacto social.
  • 55. Artigo 9.o (Elementos do contrato)1. Do contrato de qualquer tipo de sociedade devem constar:a) Os nomes ou firmas de todos os sócios fundadores e os outros dados deidentificação destes;b) O tipo de sociedade;c) A firma da sociedaded) O objecto da sociedade;e) A sede da sociedade;f) O capital social, salvo nas sociedades em nome colectivo em que todos os sócioscontribuam apenas com a sua indústria;g) A quota de capital e a natureza da entrada de cada sócio, bem como os pagamentosefectuados por conta de cada quota;h) Consistindo a entrada em bens diferentes de dinheiro, a descrição destes e aespecificação dos respectivos valores.i) Quando o exercício anual for diferente do ano civil, a data do respectivoencerramento, a qual deve coincidir com o último dia do mês de calendário, semprejuízo do previsto no artigo 7.o do Código do Imposto sobre o Rendimento dasPessoas Colectivas.2. São ineficazes as estipulações do contrato de sociedade relativas a entradas emespécie que não satisfaçam os requisitos exigidos nas alíneas g) e h) do n.o 1.3. Os preceitos dispositivos desta lei só podem ser derrogados pelo contrato desociedade, a não ser que este expressamente admita a derrogação por deliberaçãodos sócios.
  • 56. Elementos da Sociedade ComercialEm relação aos elementos que caracterizam as sociedades comerciais:- Elemento pessoal: O Art. 980º do Código Civil define a sociedade, como o contrato«em que duas ou mais pessoas se obrigam...».A associação, em sentido lato, tem como todo e qualquer agrupamento de pessoasreunidas para a realização de um fim comum, comportando duas espécies:1) Associações, são agrupamentos sem fins lucrativos;2) Sociedades têm fins lucrativos.- Elemento patrimonial: Através do capital social define-se a responsabilização.Art. 14º do Código das Sociedades Comerciais «Expressão do capital», “O montantedo capital social deve ser sempre e apenas expresso em moeda com curso legal emPortugal”.- Elemento finalístico (exercício comum de uma atividade económica – objecto):Tem que ser uma atividade económica.O objecto (a definição da sociedade) só pode ser alterado através do pacto social.- Elemento Teleológico (repartição dos lucros pelos sócios):Consiste na obtenção de um enriquecimento patrimonial, de um lucro, e não deoutras vantagens ideais ou mesmo materiais.
  • 57. As sociedades comerciaisO nº 2 do Art. 13º do Código Comercial «Quemé comerciante são comerciantes», refere-se àspessoas colectivas comerciantes, que denominade sociedades comerciais. Este artigoestabelece, como se vê, uma clara dicotomiaentre os empresários individuais e osempresários colectivos, sendo estesprecisamente as sociedades comerciais.
  • 58. A forma das sociedades comerciaisArt. 1º, nº 2 do Código das Sociedades Comerciais «Âmbito geral deaplicação», “São sociedades comerciais aquelas que tenham por objecto aprática de actos de comércio e adoptem o tipo de sociedade em nomecolectivo, de sociedade por quotas, de sociedade anónima, de sociedade emcomandita simples ou da sociedade em comandita por acções”.Art. 2º do Código Comercial das Sociedades «Direito subsidiário», “Os casosque a presente lei não preveja são regulados segundo a norma desta leiaplicável aos casos análogos e, na sua falta, segundo as normas do CódigoCivil sobre o contrato de sociedade no que não seja contrário nem aosprincípios gerais da presente lei nem aos princípios informadores do tipoadoptado”.Por exemplo, o Código Civil diz que são as pessoas que podem ou nãocelebrar contratos comerciais: Menores; Incapacitados; Inabilitados.
  • 59. Art. 184º, nº 4 do C.S.C. «Falecimento de um sócio»,prevê que “Se algum dos sucessores da parte do falecidofor incapaz para assumir a qualidade do sócio, podem osrestantes sócios deliberar nos 90 dias seguintes aoconhecimento do facto a transformação da sociedade, demodo que o incapaz se torne sócio de responsabilidadelimitada”.Art. 180º do Código Civil «Natureza pessoal da qualidadede associado», “Salvo disposição estatuária em contrário,a qualidade de associado não é transmissível, quer poracto entre vivos, quer por sucessão; o associado nãopode incumbir outrem de exercer os seus direitospessoais”.
  • 60. Art. 474º do Código Civil «Natureza subsidiária da obrigação», “Nãohá lugar à restituição por enriquecimento, quando a lei facultar aoempobrecido outro meio de ser indemnizado ou restituído, negar odireito à restituição ou atribuir outros efeitos ao enriquecimento”.Quem tem capacidade/legitimidade para fazer sociedades (pessoascasadas):Art. 1682º, nº 2 e 3 do Código Civil «Alienação ou oneração demóveis»: 1. A alienação ou oneração de móveis comuns cuja administração caiba aos dois cônjuges carece do consentimento de ambos, salvo se se tratar de acto de administração ordinária. (…)Art. 1690, nº 1 do Código Civil «Legitimidade para contrairdívidas», “Tanto o marido como a mulher têm legitimidade paracontrair dívidas sem o consentimento do outro cônjuge”.
  • 61. Existe uma excepção (sociedades entre cônjuges):Art. 1714º, nº 3 do Código Civil «Imutabilidade das convenções antenupciaise do regime de bens resultantes da lei», “É lícita, contudo, a participação dosdois cônjuges na mesma sociedade de capitais, bem como a dação emcumprimento feita pelo cônjuge devedor ao seu consorte”.Sociedade entre pessoas em união de factos (aplica-se o mesmo para ocasamento):Art. 953º do Código Civil «Casos de indisponibilidade relativa», “É aplicávelàs doações, devidamente adaptado, o disposto nos artigos 2192º a 2198º).Art. 2196º do Código Civil «Cúmplice do testador adúltero»:É nula a disposição a favor da pessoa com quem o testador casado cometeuadultério.Não se aplica o preceito do número anterior:Se o casamento já estava dissolvido, ou os cônjuges estavam separadosjudicialmente de pessoas e bens ou separados de facto há mais de seis anos,à data da abertura da sucessão;Se a disposição se limitar a assegurar alimentos ao beneficiário.Nas sociedades civis e sem capital não pode, mas nas socieddes comerciaiscom capital já pode (quotas, anónimas).
  • 62. Pessoas colectivasSão organizações constituídas por uma colectividade depessoas ou por uma massa de bens, dirigidos à realização deinteresses comuns ou colectivos, às quais a ordem jurídicaatribui a Personalidade Jurídica.É um organismo social destinado a um fim lícito que o Direitoatribui a susceptibilidade de direitos e vinculações.Trata-se de organizações integradas essencialmente porpessoas ou essencialmente por bens, que constituem centrosautónomos de ralações jurídicas.Há, duas espécies fundamentais de Pessoas Colectivas: asCorporações e as Fundações.Também podem estabelecer contratos comerciais
  • 63. Elementos dos Contratos de SociedadeArt. 9º, nºs 1, 2, 3 do Código das Sociedades Comerciais «Elementosdo contrato da sociedade».Por exemplo, não se pode criar uma firma com o nome “Sporting” ou“Futebol”, porque esse nome já existe e de acordo com o Art. 10º, nº 4do Código das Sociedades Comerciais «Requisitos da firma», “Não sãoadmitidas denominações constituídas exclusivamente por vocábulosde uso corrente, que permitam identificar ou se relacionem comatividade, técnica ou produto, bem como topónimos e qualquerindicação de proveniência geográfica”.Outro exemplo, “Benfica” não pode ser, mas “Sociedade Desportiva doBenfica” ou “Benfica SAD”já pode porque sugere a atividade.
  • 64. Firma e denominação• Artigo 6º DL 67/97 de 3 de Abril1 - A firma e a denominação das sociedadesdesportivas conterá a indicação da respectivamodalidade desportiva, concluindo ainda pelaabreviatura SAD.2 - Nos casos previstos nas alíneas a) e b) doartigo 3º, a denominação das sociedades incluiobrigatoriamente menção que as relacione como clube que lhes dá origem.
  • 65. Artigo 10º (Requisitos da firma)1. Os elementos característicos das firmas das sociedades não podem sugeriractividade diferente da que constitui o objecto social.2. Quando a firma da sociedade for constituída exclusivamente por nomes oufirmas de todos, algum ou alguns sócios deve ser completamente distinta dasque já se acharem registadas.3. A firma da sociedade constituída por denominação particular ou pordenominação e nome ou firma de sócio não pode ser idêntica à firmaregistada de outra sociedade, ou por tal forma semelhante que possa induzirem erro, e deve dar a conhecer quanto possível o objecto da sociedade.4. Os vocábulos de uso corrente e os topónimos, bem como qualquerindicação de proveniência geográfica, não são considerados de uso exclusivo.5. Da denominação das sociedades não podem fazer parte:a) Expressões que possam induzir em erro quanto à caracterização jurídica dasociedade, designadamente expressões correntemente usadas na designaçãode organismos públicos ou de pessoas colectivas sem finalidade lucrativa;b) Expressões que sugiram de forma enganadora uma capacidadetécnica, financeira ou âmbito de actuação manifestamentedesproporcionados relativamente aos meios disponíveis ou quecorrespondam a qualidades e ou excelências em detrimento de outrem;c) Expressões proibidas por lei ou ofensivas da moral ou dos bons costumes.
  • 66. Elementos das Sociedades ComerciaisArt. 11º do Código das Sociedades Comerciais«Objecto».O objecto social é a atividade da empresa(exploração da atividade desportiva profissional defutebol).Além da atividade da empresa, o pacto social deveincluir outros âmbitos, que a atividade possa vir apraticar (ex: compra e venda de imóveis).Se não está deliberado, nº 3 do mesmo artigo, temque ir aos sócios para deliberação.
  • 67. SEDE Artigo 12.o (Sede)1. A sede da sociedade deve ser estabelecido emlocal concretamente definido.2. O contrato da sociedade pode autorizar aadministração, com ou sem consentimento deoutros órgãos, a deslocar a sede dentro do mesmoconcelho ou para concelho limítrofe.3. A sede da sociedade constitui o seu domicílio,sem prejuízo de no contrato se estipular domicílioparticular para determinados negócios.
  • 68. VíciosVícios da causa:No que toca à causa-função do contrato de sociedade, o vício que nos parece concebível será, nocaso de uma sociedade comercial, a não constituição da sociedade segundo um tipo legal, o quegerará nulidade, por ofensa do Art. 1º, nºs 2 e 3 do Código das Sociedades Comerciais «Âmbitogeral da aplicação» (Art. 281º do Código Civil «Fim contrário à lei à ordem pública ou ofensivodos bons costumes», “Se apenas o fim do negócio jurídico for contrário à lei ou à ordem pública,ou ofensivo dos bons costumes, o negócio só é nulo quando o fim for comum a ambas aspartes”).Quanto à causa-motivo, se forem os desígnios dos contraentes que forem lesivos da lei, daordem pública ou dos bons costumes, o contrato será nulo, nos termos do Art. 281º do CódigoCivil (já citado), cujo comando é aplicável no domínio das sociedades comerciais mercê dodisposto nos Arts. 41º, nº 1 «Invalidade do contrato antes do negócio», 42º, nº1 «Nulidade docontrato da sociedades por quotas, anónima ou comandita por ações registado», e 43º, nº 1«Invalidade do contrato de sociedade em nome colectivo e em comandita simples».Um outro vício que diz respeito à causa-motivo é o de leonismo, ou seja, de estipulação de umacláusula leonina ou pacto leonino.“Cláusula leonina”:Art. 994º do Código Civil «Pacto leonino», “É nula a cláusula que exclui um sócio da comunhãonos lucros ou que o isenta de participar nas perdas da sociedade, salvo o disposto no nº 2, doartigo 992º.Note-se, aliás, que, como aqueles preceitos referem, apenas será nula a cláusula leonina, masnão é afectado o restante do contrato, nem mesmo a participação do sócio ao qual ela disserrespeito.
  • 69. Vicios se houver violação da lei• Artigo 13.o DL 67/97 de 3 de Abril• Administração da sociedade• O órgão de administração da sociedade é composto por um número ímpar de membros, fixado nos estatutos, com o mínimo de três elementos, que serão gestores profissionais.• Artigo 14.o• Incompatibilidades• Não podem ser administradores de sociedades desportivas:• a) Os que, no ano anterior, tenham ocupado cargos sociais em outra sociedade desportiva constituída para a mesma modalidade;• b) Os titulares de órgãos sociais de federações ou associações desportivas de clubes da mesma modalidade;• c) Os praticantes profissionais, os treinadores e árbitros, em exercício, da respectiva modalidade.
  • 70. Contrato de sociedadeArt. 7º do Código das Sociedades Comerciais «Forma e partes do contrato»:- O contrato deve ser escrito e as assinaturas reconhecidas;- O número mínimo de partes de um contrato de sociedade Anonima Desportiva é decinco;- A constituição da sociedade por fusão, cisão ou transformação de outras sociedadesrege-se pelas respectivas disposições desta lei.Art. 176º do Código Civil «Privação do direito de voto»:O associado não pode votar, por si ou como representante de outrem, nas matériasem que haja conflito de interesses entre a associação e ele, seu cônjuge, ascendentesou descendentes.As deliberações tomadas com infracção do disposto no número anterior são anuláveisse o voto do associado for essencial à existência da maioria necessária.
  • 71. DL 67/97 de 3 de Abril Artigo 20.o Limitação do exercício de direitos sociais nas SADs1 - Os accionistas de mais de uma sociedade desportiva,uma vez exercidos os seus direitos sociais numa delas,não os poderão exercer em outras que se dediquem àmesma modalidade, exceptuados os direitos à repartiçãoe percepção de dividendos e à transmissão de posiçõessociais.2 - A restrição prevista no número anterior aplica-se,também, ao cônjuge, parente ou afim em linha recta,qualquer pessoa com quem viva em economia comum,ou a sociedades relativamente às quais se encontre emposição de domínio ou de grupo.
  • 72. Conteúdo Obrigatório do Contrato das SADsArt. 272º do Código das Sociedades Comerciais «Conteúdo obrigatório do contrato».Por exemplo:- O valor nominal e o número de ações;- A autorização, se for dada, para a emissão de obrigações;- Artigo 12º DL 67/97 de 3 de Abril• Acções das SADs1 - As ações das sociedades desportivas são de duas categorias:A)Categoria A, as que se destinam a ser subscritas pelo clube fundador, nos casos emque a sociedade tenha sido constituída nos termos da alínea b) do artigo 3.o;B)Categoria B, as restantes.2 - As acções da categoria A só são susceptíveis de apreensão judicial ou oneração afavor de pessoas colectivas de direito público.3 - As acções são sempre nominativas.Ações – títulos que constituem o capital de uma sociedade.Obrigações – títulos de dividas.
  • 73. Valor das acçõesArt. 276º do Código das Sociedades Comerciais«Valor nominal do capital e das acções».Por exemplo:- A ação é indivisível;- O valor nominal mínimo do capital das SADs é de100.000 ou 200.000 euros;- Todas as ações têm o mesmo valor nominal, comum mínimo de um cêntimo;- O capital social e as ações devem ser expressosnum valor nominal.
  • 74. Capital social mínimo nas competições profissionais de futebol• Artigo 7.o DL 67/97 de 3 de Abril1 - No momento da respectiva constituição, o valor mínimo docapital social das sociedades que participem nas competiçõesprofissionais de futebol não pode ser inferior a:a) 200 000 000$, para as sociedades desportivas queparticipem na 1.a divisão;b) 100 000 000$, para as sociedades desportivas queparticipem na 2.a divisão de honra.2 - As sociedades desportivas que ascendam da 2.a divisão dehonra para a 1.a divisão não poderão ingressar nesta se nãodispuserem de capital social igual, pelo menos, ao montantereferido na alínea a) do número anterior.
  • 75. Acções sem valor nominal• Alteração ao Código Comercial promovida pelo DL 49/2010 de 19 de Maio• Uma oportunidade para aumentos de capital em situação de crise, quando o valor das cotações é inferior ao valor nominal
  • 76. EntradasArt. 277º do Código das Sociedades Comerciais«Entradas».Por exemplo:Capital social 100.000 euros, mas o patrimónioda empresa vale 1.000.000 euros. Se eu quiserentrar no capital social da empresa, as açõestêm que incluir o prémio de emissão (valor amais, além do valor de ação).
  • 77. Reforço do capital social das SADs• Artigo 9.º DL 67/97 de 3 de Abril• 1 - O capital social mínimo das sociedades desportivas referido nos artigos 7.º e 8.º deve ser sucessivamente reforçado por forma a perfazer, cinco anos após a respectiva criação, um montante igual a 30% da média do orçamento da sociedade nos primeiros quatro anos da sua existência, sob pena de exclusão das competições profissionais.• 2 - Caso no final ou no decurso do prazo referido no número anterior a sociedade desportiva tenha deixado de participar nas competições profissionais, fica dispensada de efectuar o reforço de capital, mas não pode voltar a participar em tais competições se tal reforço se não mostrar efectuado.
  • 78. Regime da sociedade antes do registoArt. 36º do Código das Sociedades Comerciais e seguintes «Relaçõesanteriores à celebração do contrato da sociedade»:Se dois ou mais indivíduos, quer pelo uso de uma firma comum quer porqualquer outro meio, criarem a falsa aparência de que existe entre eles umcontrato de sociedade responderão solidária e ilimitadamente pelasobrigações contraídas nesses termos por qualquer deles.Se for acordada a constituição de uma sociedade comercial, mas, antes dacelebração do contrato de sociedade, os sócios iniciarem a sua atividade, sãoaplicáveis às relações estabelecidas entre eles e com terceiros as disposiçõessobre sociedades civis.Sociedades aparentes – respondem às pessoas em primeira linha.Sociedade irregular (ainda não celebrada) – responde primeiro os bens dasociedade e só depois os bens dos sóciosA sociedade, mesmo irregular, não responde pelas dívidas dos sócios.
  • 79. Personalidade jurídica das SADs• Art. 5º do Código das Sociedades Comerciais «Personalidade», “As SADs gozam de personalidade jurídica e existem como tais a partir da data do registo definitivo do contrato pelo qual se constituem, sem prejuízo do disposto quanto à constituição de sociedades por fusão, cisão ou transformação de outras”.
  • 80. Capacidade jurídicaArt. 6º do Código das Sociedades Comerciais «Capacidade».O nº 3 do mesmo artigo, “Considera-se contrária ao fim da sociedade a prestação degarantias reais ou pessoais a dívidas de outras entidades, salvo se existir justificadointeresse próprio da sociedade garante ou se tratar de sociedade em relação dedomínio ou de grupo”.Tem carácter imperativo.Por exemplo, se for uma empresa de exploração marítima pode dar como garantia umbarco que compre.O nº 4 do mesmo artigo, “As cláusulas contratuais e as deliberações sociais que fixemà sociedade determinado objecto ou proíbam a prática de certos actos não limitam acapacidade da sociedade, mas constituem os órgãos da sociedade no dever de nãoexcederem esse objecto ou de não praticarem esses actos”. A violação de um pactosocial leva à responsabilidade civil.Havendo descapitalização de uma empresa (sociedade Lda), os credores é que ficamprejudicados.Art. 483º do Código Civil «Principio geral» e seguintes.
  • 81. Responsabilidade por factos ilícitos ARTIGO 483.o (Princípio geral)1. Aquele que, com dolo ou mera culpa, violar ilicitamente o direito de outrem ouqualquer disposição legal destinada a proteger interesses alheios fica obrigado aindemnizar o lesado pelos danos resultantes da violação.2. Só existe obrigação de indemnizar independentemente de culpa nos casosespecificados na lei. ARTIGO 484.o (Ofensa do crédito ou do bom nome)Quem afirmar ou difundir um facto capaz de prejudicar o crédito ou o bom nome dequalquer pessoa, singular ou colectiva, responde pelos danos causados. ARTIGO 485.o (Conselhos, recomendações ou informações)1. Os simples conselhos, recomendações ou informações não responsabilizam quemos dá, ainda que haja negligência da sua parte.2. A obrigação de indemnizar existe, porém, quando se tenha assumido aresponsabilidade pelos danos, quando havia o dever jurídico de dar conselho,recomendação ou informação e se tenha procedido com negligência ou intenção deprejudicar, ou quando o procedimento do agente constitua facto punível. ARTIGO 486.o (Omissões)As simples omissões dão lugar à obrigação de reparar os danos, quando,independentemente dos outros requisitos legais, havia, por força da lei ou do negóciojurídico, o dever de praticar o acto omitido. (…)
  • 82. • Património (casas, terrenos, marcas,...) – é variável.•• Capital social (é o que está no contrato da sociedade, o que pertence aos sócios) – é estável.• O capital social serve para demonstrar o património mínimo das sociedades, quantificar o direito dos sócios como garantia para terceiros.• Não se pode tocar no capital social (intangibilidade), salvo se for:• - Aumentar o capital;• - Diminuir o capital.
  • 83. Artigo 31 CSC (Deliberação de distribuição de bens e seu cumprimento)1. Salvo os casos de distribuição antecipada de lucros e outros expressamente previstos na lei,nenhuma distribuição de bens sociais, ainda que a título de distribuição de lucros de exercício oude reservas, pode ser feita aos sócios sem ter sido objecto de deliberação destes.2. As deliberações dos sócios referidas no número anterior não devem ser cumpridas pelosmembros da administração se estes tiverem fundadas razões para crer que:a) Alterações entretanto ocorridas no património social tornariam a deliberação ilícita, nostermos do artigo 32.o;b) A deliberação dos sócios viola o preceituado nos artigos 32.o e 33.o;c) A deliberação de distribuição de lucros de exercício ou de reservas se baseou em contas dasociedade aprovadas pelos sócios, mas enfermando de vícios cuja correcção implicaria aalteração das contas de modo que não seria lícito deliberar a distribuição, nos termos dos artigos32.o e 33.o3. Os membros da administração que, por força do disposto no número anterior, tenhamdeliberado não efectuar distribuições deliberadas pela assembleia geral devem, nos oito diasseguintes à deliberação tomada, requerer, em nome da sociedade, inquérito judicial paraverificação dos factos previstos nalguma das alíneas do número anterior, salvo se entretanto asociedade tiver sido citada para a acção de invalidada de deliberação por motivos coincidentescom os da dita resolução.4. Sem prejuízo do disposto no Código de Processo Civil sobre o procedimento cautelar desuspensão de deliberações sociais, a partir da citação da sociedade para a acção de invalidada dedeliberação de aprovação do balanço ou de distribuição de reservas ou lucros de exercício nãopodem os membros da administração efectuar aquela distribuição com fundamento nessadeliberação.5. Os autores da acção prevista no número anterior, em caso de improcedência desta e provando-se que litigaram temerariamente ou de má fé, serão solidariamente responsáveis pelos prejuízosque a demora daquela distribuição tenha causado aos outros sócios.
  • 84. Os sócios podem deliberar, mas a administração pode não aprovar aoabrigo dos Artigos 32º «Limite da distribuição de bens aos sócios» e33º «Lucros e reservas não distribuíveis» do Código das SociedadesComerciais.Art. 297º do Código das Sociedades Comerciais «Adiantamentos sobrelucros no decurso do exercício» - exceção a esta situação.Art. 34º do Código das Sociedades Comerciais «Restituição de bensindevidamente recebidos».Uma coisa é desconhecer a lei, no entanto isso não faz com que osactos praticados saiam impunes.Outra coisa é desconhecer certas condições ou deliberações, aí apessoa fica isenta de responsabilidade.
  • 85. Os sócios podem deliberar, mas a administração pode não aprovar ao abrigo dosArtigos 32º «Limite da distribuição de bens aos sócios» e 33º «Lucros e reservas nãodistribuíveis» do Código das Sociedades Comerciais. Artigo 32.o (Limite da distribuição de bens aos sócios)Sem prejuízo do preceituado quanto à redução do capital social, não podem serdistribuídos aos sócios bens da sociedade quando a situação líquida desta, tal comoresulta das contas elaboradas e aprovadas nos termos legais, for inferior à soma docapital e das reservas que a lei ou o contrato não permitem distribuir aos sócios ou setornasse inferior a esta soma em consequência da distribuição. Artigo 33.o (Lucros e reservas não distribuíveis)1. Não podem ser distribuídos aos sócios os lucros do exercício que sejam necessáriospara cobrir prejuízos transitados ou para formar ou reconstituir reservas impostas pelalei ou pelo contrato de sociedade.2. Não podem ser distribuídos aos sócios lucros do exercício enquanto as despesas deconstituição, de investigação e de desenvolvimento não estiverem completamenteamortizadas, excepto se o montante das reservas livres e dos resultados transitadosfor, pelo menos, igual ao dessas despesas não amortizadas.3. As reservas cuja existência e cujo montante não figuram expressamente no balançonão podem ser utilizadas para distribuição aos sócios.4. Devem ser expressamente mencionadas na deliberação quais as reservasdistribuídas, no todo ou em parte, quer isoladamente quer juntamente com lucros deexercício
  • 86. Art. 297º do Código das Sociedades Comerciais «Adiantamentos sobre lucros nodecurso do exercício» - exceção a esta situação. Artigo 297º (Adiantamentos sobre lucros no decurso do exercício)1. O contrato de sociedade pode autorizar que, no decurso de um exercício, sejamfeitos aos accionistas adiantamentos sobre lucros, desde que observadas as seguintesregras:a) O conselho de administração ou a direcção, com o consentimento do conselho fiscalou do conselho geral, resolva o adiantamento,b) A resolução do conselho de administração ou de direcção seja precedida de umbalanço intercalar, elaborado com a antecedência máxima de 30 dias e certificadopelo revisor oficial de contas, que demonstre a existência nessa ocasião deimportâncias disponíveis para os aludidos adiantamentos, que deverão observar, noque for aplicável, as regras dos artigos 32.o e 33.o, tendo em conta os resultadosverificados durante a parte já decorrida do exercício em que o adiantamento éefectuado;c) Seja efectuado um só adiantamento no decurso de cada exercício e sempre nasegunda metade deste;d) As importâncias a atribuir como adiantamento não excedam metade das queseriam distribuíveis, referidas na alínea b).2. Se o contrato de sociedade for alterado para nele ser concedida a autorizaçãoprevista no número anterior, o primeiro adiantamento apenas pode ser efectuado noexercício seguinte àquele em que ocorrer a alteração contratual.
  • 87. Art. 34º do Código das Sociedades Comerciais «Restituição de bensindevidamente recebidos». Artigo 34.o (Restituição de bens indevidamente recebidos)1. Os sócios devem restituir à sociedade os bens que dela tenhamrecebido com violação do disposto na lei, mas aqueles que tenhamrecebido a título de lucros ou reservas importâncias cuja distribuiçãonão era permitida pela lei, designadamente pelos artigos 32.o e 33.o,só são obrigados à restituição se conheciam a irregularidade dadistribuição ou, tendo em conta as circunstâncias, deviam não aignorar.2. O disposto no número anterior é aplicável ao transmissário dodireito do sócio, quando for ele a receber as referidas importâncias.Uma coisa é desconhecer a lei, no entanto isso não faz com que osactos praticados saiam impunes.Outra coisa é desconhecer certas condições ou deliberações, aí apessoa fica isenta de responsabilidade.
  • 88. Art. 35º do Código das Sociedades Comerciais «Perda de metade do capital».Não pode haver perda de metade do capital social: Artigo 35º (Perda de metade do capital)1 - Os membros da administração que, pelas contas do exercício, verifiquemestar perdida metade do capital social devem mencionar expressamente talfacto no relatório de gestão e propor aos sócios uma ou mais das seguintesmedidas:a) A dissolução da sociedade;b) A redução do capital social;c) A realização de entradas em dinheiro que mantenham pelo menos em doisterços a cobertura do capital social;d) A adopção de medidas concretas tendentes a manter pelo menos em doisterços a cobertura do capital social.2 - Considera-se estar perdida metade do capital social quando o capitalpróprio constante do balanço do exercício for inferior a metade do capitalsocial.
  • 89. Art. 96º, nº 1 do Código das Sociedades Comerciais «Tutela dos credores»,“Sem prejuízo do disposto no número seguinte,qualquer credor social pode, no prazo de um mêsapós a publicação do registo da redução do capital,requerer ao tribunal que a distribuição de reservasdisponíveis ou dos lucros de exercício seja proibidaou limitada, durante um período a fixar, a não serque o crédito do requerente seja satisfeito, se já forexigível, ou adequadamente garantido, nosrestantes casos”.
  • 90. Art. 87º do Código das Sociedades Comerciais «Requisitos dadeliberação».Capital social = é intangível, não pode ser mexido.Reservas = podem ser mexidas pelos sócios.As entradas podem ser em dinheiro ou bens (nº 3 do mesmo artigo).Art. 88º do Código das Sociedades Comerciais «Eficácia interna doaumento de capital».Pode-se deliberar o aumento do capital através dos suprimentos, jáexistentes na empresa.A data do efeito é a da deliberação.Art. 89º do Código das Sociedades Comerciais «Entradas e aquisiçãode bens».Os bens devem ser avaliados por um revisor oficial de contas –R.O.C..
  • 91. Art. 91º do Código das Sociedades Comerciais «Aumento porincorporação de reservas».Art. 92º do Código das Sociedades Comerciais «Aumento dasparticipações dos sócios».O nº 2 do mesmo artigo infringe a igualdade de tratamentodos acionistas, mas só se o sócio for a própria sociedade.O Art. 321º do Código das Sociedades Comerciais «Igualdadede tratamento dos acionistas», está relacionado com o artigoanteriormente mencionado, “As aquisições e as alienações deações próprias devem respeitar o principio do igualtratamento dos acionistas, salvo se a tanto obstar a próprianatureza do caso”.Pode-se deliberar que uma determinada ação só recebe X%dos lucros, no entanto não se pode deliberar quem nãorecebe nada (devido à cláusula leonina).
  • 92. Excepção ao princípio da igualdade• Sociedades constituídas a partir de transformação de um clube desportivo e sociedades que resultem da personalização jurídica das equipas.• Artigo 28.o DL 67/97 de 3 de Abril: Direito de preferência1 - Caso a sociedade desportiva seja constituída, nos termos do artigo3.o, alíneas a) e b), com apelo a subscrição pública, têm direito depreferência, na aquisição de participações sociais, os associados doclube em transformação ou fundador que, em assembleia geral,devem graduar esse direito de preferência em função da titularidadedos seus direitos de voto.2 - A subscrição pelo público em geral pode ser feita em condiçõesmais onerosas do que as estabelecidas para a subscrição porassociados do clube em transformação ou fundador.
  • 93. Redução de capital:Art. 94º do Código das Sociedades Comerciais «Convocatória da assembleia».Quando se verifica a redução do capital: Secção III do C.S.C.:- Quando reduz a garantia de terceiros;- Para mostrar a situação liquida.Art. 95º do Código das Sociedades Comerciais «Deliberação de redução do capital». Ocapital pode estar abaixo do mínimo, mas tem 60 dias para realizar – DL 8/2007.O capital social de uma S.A.D não pode ser inferior a 200.000 euros, salvo se secumprir o disposto no nº 1 do Art. 96 do Código das Sociedades Comerciais «Tutelados credores», ou seja tem que realizar o capital no prazo de 60 dias. Também nãopode ser inferior a 200.000 euros, a não ser que seja deliberado a redução de capital,pelos sócios, previsto no Art. 95º, nº 2 (já mencionado anteriormente).Art. 96 do Código das Sociedades Comerciais (já mencionado), em caso de redução decapital:O credor pode exigir, se o crédito ainda não tiver vencido, que os lucros não sejamdistribuídos aos acionistas.
  • 94. • Regime das sociedades desportivas• Decreto-Lei n.o 67/97 de 3 de Abril• (Alterado pela Lei n.o 107/97, de 16 de Setembro e pelo Decreto-Lei n.o 303/99, de 6 de Agosto)
  • 95. Justificação• A antiga Lei de Bases do Sistema Desportivo – Lei n.o 1/90, de 13 de Janeiro, na redacção que lhe foi dada pela Lei n.o 19/96, de 25 de Junho - veio estabelecer que os clubes desportivos profissionais poderiam optar por assumir o estatuto de sociedade desportiva ou por manter o seu actual estatuto de pessoa colectiva sem fins lucrativos, ficando, neste último caso, sujeitos a um regime especial de gestão.• O Decreto-Lei n.o 146/95, de 21 de Junho, regulamentou esta matéria em termos que foram geralmente considerados inadequados, na medida em que, desde logo, interditava às sociedades desportivas a distribuição de lucros, retirando-lhes, assim, um dos principais atractivos para a sua constituição.• Nesta medida e em consonância com o disposto na Lei n.o 19/96, de 25 de Junho, o governo reviu em 1997 aquele regime jurídico, concedendo àquelas sociedades os instrumentos necessários para que venham a constituir, no futuro, um importante elemento dinamizador do desporto profissional em Portugal.
  • 96. Subsidiaridade• As sociedades desportivas são um tipo novo de sociedades, regido subsidiariamente pelas regras gerais aplicáveis às sociedades anónimas, mas com algumas especificidades decorrentes das especiais exigências da actividade desportiva que constitui o seu principal objecto. De entre tais especificidades são de realçar as referentes ao capital social mínimo e à sua forma de realização; ao sistema especial de fidelização da sociedade ao clube desportivo fundador, através, designadamente, da atribuição de direitos especiais às acções tituladas pelo clube fundador, a possibilidade de as Regiões Autónomas, os municípios e as associações de municípios poderem subscrever até 50% do capital das sociedades sediadas na sua área de jurisdição; e o estabelecimento de regras especiais para a transmissão do património do clube fundador para a sociedade desportiva.
  • 97. Regime especial para os clubes• Os clubes desportivos que participem em competições de natureza profissional e que não optem opor este novo figurino jurídico ficam, nos termos do presente diploma, sujeitos a um regime especial que visa, essencialmente, estabelecer regras mínimas que assegurem a indispensável transparência e rigor na sua gestão. De tal regime são de realçar o princípio da responsabilização pessoal dos executivos dos clubes por certos actos de gestão efectuados, a exigência de transparência contabilística, (Fair Play Financeiro) através da certificação das contas por um revisor oficial; a adopção obrigatória do Sistema Nacional de Contas; e a prestação de garantias bancárias ou seguros de caução que respondam pelos actos praticados em prejuízo daqueles clubes.
  • 98. Decreto-Lei n.o 67/97 de 3 de Abril REGIME DAS SADs CAPÍTULO I Das sociedades desportivas em geral Artigo 1º Objecto1 - O presente diploma estabelece o regime jurídico dassociedades desportivas, bem como o regime especial degestão, a que ficam sujeitos os clubes desportivos quenão optarem pela constituição destas sociedades.2 - Para efeitos do presente diploma, são competiçõesdesportivas profissionais as que, como tais, são definidasnos termos dos artigos 35º a 38º do Decreto-Lei n.o144/93, de 26 de Abril.
  • 99. Sociedade desportiva• Para efeitos do presente diploma, entende-se por sociedade desportiva a pessoa colectiva de direito privado, constituída sob a forma de sociedade anónima, cujo objecto é a participação numa modalidade, em competições desportivas de carácter profissional, salvo no caso das sociedades constituídas ao abrigo do artigo 10.o, a promoção e organização de espectáculos desportivos e o fomento ou desenvolvimento de actividades relacionadas com a prática desportiva profissionalizada dessa modalidade.
  • 100. Classificação das sociedades desportivasArtigo 3ºA sociedade desportiva pode resultar:a) Da transformação de um clube desportivo que participe, oupretenda participar, em competições desportivas profissionais;b) Da personalização jurídica das equipas que participem, oupretendam participar, em competições desportivas profissionais;c) Da criação de raiz, que não resulte da transformação de clubedesportivo ou da personalização jurídica de equipas. Artigo 4º IrreversibilidadeO clube desportivo que tiver optado por constituir uma sociedadedesportiva ou por personalizar a sua equipa profissional não podevoltar a participar nas competições desportivas de carácter profissionala não ser sob este novo estatuto jurídico.
  • 101. Direito subsidiário• Artigo 5º• 1 - Às sociedades desportivas são aplicáveis, subsidiariamente, as normas que regulam as sociedades anónimas.• 2 - No que se refere à subscrição pública das acções das sociedades desportivas e ao mais em que pelos seus termos seja aplicável o disposto no Código do Mercado de Valores Mobiliários, com as adaptações necessárias.
  • 102. Capital mínimo Artigo 7º Capital social mínimo nas competições profissionais de futebol1 - No momento da respectiva constituição, o valor mínimo do capital socialdas sociedades que participem nas competições profissionais de futebol nãopode ser inferior a:a) 200 000 000$, para as sociedades desportivas que participem na 1.a divisão;b) 100 000 000$, para as sociedades desportivas que participem na 2.a divisão de honra.2 - As sociedades desportivas que ascendam da 2.a divisão de honra para a1.a divisão não poderão ingressar nesta se não dispuserem de capital socialigual, pelo menos, ao montante referido na alínea a) do número anterior. Artigo 8º Capital social mínimo nas competições profissionais de basquetebolO capital social mínimo das sociedades que se constituam para participar nascompetições profissionais de basquetebol é de 50 000 000$.
  • 103. Reforço do capital socialArtigo 9.º1 - O capital social mínimo das sociedades desportivasreferido nos artigos 7.º e 8.º deve ser sucessivamentereforçado por forma a perfazer, cinco anos após arespectiva criação, um montante igual a 30% da média doorçamento da sociedade nos primeiros quatro anos dasua existência, sob pena de exclusão das competiçõesprofissionais.2 - Caso no final ou no decurso do prazo referido nonúmero anterior a sociedade desportiva tenha deixado departicipar nas competições profissionais, fica dispensadade efectuar o reforço de capital, mas não pode voltar aparticipar em tais competições se tal reforço se nãomostrar efectuado.
  • 104. Sociedades desportivas em competições não profissionais• Artigo 10º• 1 - É lícita a constituição das sociedades desportivas fora do âmbito das competições profissionais.• 2 - Nos casos referidos no número anterior, o capital social mínimo dessas sociedades é de 50 000 000$.
  • 105. Realização do capital social• Artigo 11º• Sem prejuízo do disposto no artigo 31º, o capital social deve ser integralmente realizado em dinheiro, podendo ser diferida a realização de 50% do valor nominal das acções por um período não superior a dois anos.
  • 106. Realização do capital social• Artigo 11º• Sem prejuízo do disposto no artigo 31º, o capital social deve ser integralmente realizado em dinheiro, podendo ser diferida a realização de 50% do valor nominal das acções por um período não superior a dois anos.
  • 107. Ações das SADs• Artigo 12º1 - As acções das sociedades desportivas são de duascategorias:a) Categoria A, as que se destinam a ser subscritas peloclube fundador, nos casos em que a sociedade tenha sidoconstituída nos termos da alínea b) do artigo 3.o;b) Categoria B, as restantes.2 - As acções da categoria A só são susceptíveis deapreensão judicial ou oneração a favor de pessoascolectivas de direito público.3 - As acções são sempre nominativas.
  • 108. Administração da sociedade• Artigo 13º• O órgão de administração da sociedade é composto por um número ímpar de membros, fixado nos estatutos, com o mínimo de três elementos, que serão gestores profissionais. Artigo 14º Incompatibilidades• Não podem ser administradores de sociedades desportivas:• a) Os que, no ano anterior, tenham ocupado cargos sociais em outra sociedade desportiva constituída para a mesma modalidade;• b) Os titulares de órgãos sociais de federações ou associações desportivas de clubes da mesma modalidade;• C) Os praticantes profissionais, os treinadores e árbitros, em exercício, da respectiva modalidade.
  • 109. Registo e publicidade• Artigo 15.oO registo e publicidade das sociedades desportivas rege-se pelasdisposições constantes da legislação aplicável às sociedadescomerciais, devendo o notário oficiosamente e a expensas daquelascomunicar ao Instituto do Desporto a sua constituição, os respectivosestatutos e suas alterações. Artigo 16.o Início da actividade1 - As sociedades desportivas gozam de personalidade jurídica eexistem como tais a partir da data do registo definitivo do contratopelo qual se constituem, nos termos do artigo anterior.2 - A eficácia dos actos de alteração dos estatutos das sociedadesdesportivas depende, da mesma maneira, de registo nos termos donúmero anterior.
  • 110. Aumento de capital• Artigo 17º• Nos aumentos de capital têm direito de preferência os que já forem accionistas da sociedade e os associados do clube fundador, se for caso disso, nos termos determinados pelos estatutos da sociedade.
  • 111. Autorizações especiais• Artigo 18º• 1 - A alienação ou oneração, a qualquer título, de bens que integrem o património imobiliário da sociedade tem de ser autorizada por deliberação da assembleia geral.• 2 - Carecem igualmente de autorização da assembleia geral os actos que excedam as previsões inscritas no orçamento.• 3 - Para que a assembleia geral possa deliberar, em primeira convocação, sobre as matérias referidas nos números anteriores devem estar presentes ou representados accionistas com, pelo menos, dois terços do total dos votos.• 4 - Em segunda convocação, assembleia pode deliberar seja qual for o número de accionistas presentes ou representados.• 5 - A assembleia geral delibera sobre tal alienação ou oneração por maioria de dois terços dos votos emitidos, em primeira ou em segunda convocação.
  • 112. Proibição de aquisição de participações• Artigo 19º• A sociedade desportiva não pode participar no capital social de sociedade com idêntica natureza.
  • 113. Limites à transmissão de acções• Artigo 21º• O contrato de sociedade não pode limitar a transmissão de acções.
  • 114. Liquidação da SAD Artigo 22º Destino do património em caso de extinçãoSem prejuízo do disposto no artigo 34º, oremanescente do património da sociedadeextinta tem o destino a fixar pelos estatutos oupor deliberação dos accionistas, devendopermanecer afecto a fins análogos aos dasociedade extinta.
  • 115. Destino dos lucros de exercício• Artigo 23.o• A sociedade desportiva pode repartir entre os accionistas o lucro legalmente distribuível.
  • 116. Regime fiscal excecional• Artigo 24º• São considerados custos ou perdas do exercício, na sua totalidade, as importâncias concedidas pela sociedade desportiva ao clube originário que goze do estatuto de utilidade pública, desde que as mesmas sejam investidas em instalações ou em formação desportiva.• Aplica-se o regime de contabilidade das Sociedades Comerciais às SADs (Sistema de Normalização Contabilistica SNC)
  • 117. Exercício económico• Artigo 25º• 1 - O exercício social das sociedades desportivas corresponde ao ano civil, excepto quando a sociedade desportiva adopte um período anual de imposto não coincidente com o ano civil, caso em que o exercício social coincidirá com o período anual de imposto adoptado.• 2 - No caso previsto no número anterior aplicar- se-á o disposto no artigo 65º-A do Código das Sociedades Comerciais.
  • 118. Regiões Autónomas e Associações de Municípios• Artigo 26º• As Regiões Autónomas, os municípios ou as associações de municípios podem participar no capital social das sociedades desportivas sediadas na sua área de jurisdição, não podendo, contudo, tal participação exceder 50% do capital social.
  • 119. Sociedades constituídas a partir da transformação de um clube desportivo e sociedades que resultem da personalização jurídica das equipas. Geral Artigo 28º Direito de preferência1 - Caso a sociedade desportiva seja constituída, nostermos do artigo 3.o, alíneas a) e b), com apelo asubscrição pública, têm direito de preferência, naaquisição de participações sociais, os associados do clubeem transformação ou fundador que, em assembleia geral,devem graduar esse direito de preferência em função datitularidade dos seus direitos de voto.2 - A subscrição pelo público em geral pode ser feita emcondições mais onerosas do que as estabelecidas para asubscrição por associados do clube em transformação oufundador.
  • 120. Relações com a federação desportiva• Artigo 29º• 1 - Nas relações com a federação que, relativamente à modalidade desportiva em causa, beneficie do estatuto de utilidade pública desportiva, e no âmbito da competição desportiva profissional, a sociedade desportiva, quando constituída nos termos das alíneas a) e b) do artigo 3º, representa ou sucede ao clube que lhe deu origem.• 2 - Nos 30 dias subsequentes à sua aprovação pelos órgãos sociais competentes, a sociedade desportiva deve remeter as suas contas à federação referida no número anterior.• 3 - As relações da sociedade desportiva com a federação referida no nº 1 processam-se através da respectiva liga profissional de clubes.
  • 121. Sociedades que resultem da personalização jurídica das equipas. Artigo 30º Participação do clube fundador1 - No caso referido na alínea b) do artigo 3.o, a participação directa do clube fundador nocapital social não poderá ser, a todo o tempo, inferior a 15% nem superior a 40% dorespectivo montante.2 - No caso referido no número anterior, as acções de que o clube fundador seja titularconferem sempre:a) O direito de veto das deliberações da assembleia geral que tenham por objecto afusão, cisão, transformação ou dissolução da sociedade e alteração dos seus estatutos, oaumento e a redução do capital social e a mudança da localização da sede;b) O poder de designar pelo menos um dos membros do órgão de administração, quedisporá de direito de veto das deliberações de tal órgão que tenham objecto idêntico ao daalínea anterior.3 - Para além do disposto no número anterior, os estatutos da sociedade desportiva podemsubordinar à autorização do clube fundador as deliberações da assembleia geral relativas àsmatérias neles especificadas.4 - O clube fundador pode participar no capital social da respectiva sociedade desportivaatravés de uma sociedade gestora de participações sociais, desde que nesta detenha amaioria do capital social.
  • 122. Sociedades desportivas e equipas profissionaisArtigo 32º1 - O clube fundador pode transferir para a sociedade desportiva, no acto deconstituição desta, ou em momento posterior, a totalidade ou parte dosdireitos e obrigações de que é titular que se encontrem afectos à participaçãonas competições desportivas profissionais da modalidade que integra oobjecto da sociedade.2 - Para efeitos do disposto no número anterior, o clube fundador deveelaborar um inventário dos direitos e obrigações objecto da transferência, oqual deve constar de documento escrito, que figurará em anexo à escriturapública de constituição da sociedade e que será verificado por revisor oficialde contas.3 - A transferência de passivos deve ser acompanhada de transferência deactivos, devidamente avaliados nos termos do número anterior, de valor, pelomenos, equivalente àqueles.4 - A transferência dos direitos e obrigações do clube fundador não dependede consentimento da contraparte, sendo a sociedade desportiva responsávelperante os credores do clube pela diminuição da garantia patrimonial quevier a resultar da transferência, a favor da sociedade, da posição contratualdo clube em quaisquer contratos.
  • 123. Transferência obrigatória• Artigo 33º• São obrigatoriamente transferidos para a sociedade desportiva os direitos de participação no quadro competitivo em que estava inserido o clube fundador, bem como os contratos de trabalho desportivos e os contratos de formação desportiva relativos a praticantes da modalidade profissional que constitui objecto da sociedade.
  • 124. Artigo 34º Destino do património em caso de extinçãoQuando tenha lugar a extinção da sociedade desportiva, asinstalações desportivas são atribuídas ao clube desportivofundador. Artigo 35º Instalações desportivasA utilização das instalações do clube desportivo pelasociedade desportiva sua participada deve ser titulada porcontrato escrito no qual se estabeleça adequadacontrapartida, não podendo esta ser superior a 30% doorçamento anual da sociedade. Artigo 36º BingoNo caso referido na alínea b) do artigo 3.o, o clube fundadorque seja concessionário da exploração de uma sala de jogo dobingo pode transferir para a sociedade desportiva aconcessão, subordinando-se tal transmissão às regrasdefinidas no artigo 18º.
  • 125. Clubes em Ligas Profissionais Do regime especial de gestão Artigo 37º Autonomização das secções profissionais dos clubes desportivosOs clubes desportivos participantes em competições denatureza profissional que não optem por constituirsociedades desportivas devem estruturar-se por formaque as suas secções profissionais sejam autónomas emrelação às restantes, nomeadamente organizando umacontabilidade própria para cada uma dessas secções, comclara discriminação das receitas e despesas imputáveis acada uma
  • 126. Garantias que a lei exige aos ClubesArtigo 38º - Dirigentes responsáveis pelas secções profissionais• Da constituição doscorpos gerentes dos clubes desportivos referidos no artigo anterior deverão constar os directores responsáveis pela gestão de cada uma das secções profissionais desses clubes.Artigo 39º - Regime de responsabilidade• 1 - Para efeitos do presente diploma, são considerados responsáveis pela gestão efectuada, relativamente às secções profissionais dos clubes desportivos referidos no artigo 37.o, o presidente da direcção, o presidente do conselho fiscal ou o fiscal único, o director responsável pela área financeira e os directores encarregados da gestão daquelas secções profissionais.Artigo 40º - Garantias• 1 - Até ao início da ceda época desportiva, a direcção dos clubes desportivos referidos no artigo 37º deve apresentar à respectiva liga profissional de clubes uma garantia bancária, seguro de caução ou outra garantia equivalente que cubra a respectiva responsabilidade perante aqueles clubes, nos mesmos termos em que os administradores respondem perante as sociedades anónimas.• 2 - O montante da garantia é fixado pela liga profissional de clubes, não podendo ser inferior a 10% do orçamento do departamento profissional do clube.Artigo 41º - Revisor oficial de contas• 1 - O balanço e demais contas dos clubes desportivos referidos no artigo 37º, não podem ser aprovados pelas respectivas assembleias gerais sem terem sido sujeitos a prévio parecer de um revisor oficial de contas ou de uma sociedade revisora de contas.
  • 127. Orçamentos equilibrados foram revogados• Artigo 42º• Nota:• O artigo 42º do Decreto-Lei n.o 67/97, de 3 de Abril foi revogado pelo artigo 14º do Decreto-Lei nº 303/99, de 6 de Agosto, o qual estabelece os parâmetros para o reconhecimento da natureza profissional das competições desportivas. O texto deste artigo era o seguinte:• «Artigo 42º Orçamentos equilibrados• Os clubes desportivos referidos no artigo 37º não podem aprovar orçamentos em que o montante das despesas exceda o das receitas previsíveis.»
  • 128. Convocação das assembleias gerais dos clubes desportivos• Artigo 43º• 1 - As assembleias gerais dos clubes desportivos referidos no artigo 37º, bem como dos clubes que procedem à personalização jurídica das suas equipas, são convocadas por aviso, contendo os termos da convocatória, publicado no jornal ou boletim do clube, se o houver, e em dois jornais de grande expansão, sem prejuízo de outros requisitos que sejam estabelecidos pelos estatutos.• 2 - Entre a primeira publicação e a data da reunião da assembleia devem mediar oito dias, se prazo mais longo não for estabelecido.
  • 129. Mercado de Capitais• Regulador: CMVM• Mercado de capitais é um sistema de distribuição de valores mobiliários que proporciona liquidez aos títulos de emissão de empresas e viabiliza o processo de capitalização. É constituído pelas bolsas de valores, sociedades corretoras e outras instituições financeiras autorizadas.
  • 130. Mercado de créditoPode ser divididos em:• curto prazo• médio e longo prazo (mercado de capitais)O mercado de curto prazo pode ser dividido em três segmentosprincipais:• mercado monetário interbancário• mercado de dívida pública e• mercado de dívida das empresas.O mercado de médio e longo prazo ou mercado de capitais divide-seem:• mercado de capitais próprios (equity) e• mercado de dívida.
  • 131. Mercado de títulos• Os contratos são mais genéricos e padronizados de forma que podem ser transferíveis a terceiros, ou seja, tais contratos podem ser negociáveis em mercados secundários, ganhando liquidez. Não há intermediação financeira, o banco apenas promove o encontro entre investidores e tomadores com a cobrança de uma taxa de corretagem.• Divide-se em:• Títulos de Propriedade (Ações)• Títulos de Dívidas (Obrigações, Certificados de aforro, Commercial Papers, etc.)
  • 132. Mercado primário e secundário• Mercado primário• Refere-se a colocação inicial de um título, é aqui que o emissor toma e obtém os recursos. Os lançamentos de ações novas no mercado, de forma ampla e não restrita à subscrição pelos atuais acionistas, chamam-se lançamentos públicos de ações. É um esquema de lançamento de uma emissão de ações para subscrição pública, no qual a empresa encarrega a um intermediário financeiro a colocação desses títulos no mercado. Para colocação de ações no mercado primário, a empresa contrata os serviços de instituições especializadas, tais como: bancos de investimento, sociedades corretoras e sociedades distribuidoras, que formarão um pool de instituições financeiras para a realização de uma operação, que pode ser conceituada como sendo um contrato firmado entre a instituição financeira líder do lançamento de ações e a sociedade anônima, que deseja abrir o capital social.
  • 133. Mercado primário e secundário• Mercado secundário• Onde ocorre a negociação contínua dos papéis emitidos no passado EX: Bolsa de valores e BM&F Para operar no mercado secundário, é necessário que o investidor se dirija a uma Sociedade corretora membro de uma bolsa de valores, na qual funcionários especializados poderão fornecer os mais diversos esclarecimentos e orientação na seleção do investimento, de acordo com os objetivos definidos pelo aplicador. Se pretender adquirir ações de emissão nova, ou seja, no mercado primário, o investidor deverá procurar um banco, uma corretora ou uma distribuidora de valores mobiliários, que participem do lançamento das ações pretendidas. Mais recentemente, tem se popularizado no Brasil o uso do home-broker, ferramenta de uso da internet para a operação de compra e venda de ativos financeiros junto às corretoras que oferecem o serviço.Funções• a) Proporcionar liquidez• b) Estabelecer preço para o mercado primário.
  • 134. Ações• Títulos de renda variável, emitidos por sociedades anónimas, que representam a menor fração do capital da empresa emitente. Podem ser escriturais ou representadas por cautelas ou certificados.• investidor em ações é um co-proprietário da sociedade anónima da qual é acionista, participando dos seus resultados.• As ações são conversíveis em dinheiro, a qualquer tempo, pela negociação em bolsas de valores ou no mercado de balcão.As Ações podem ser:- Ordinárias: São as que conferem direito comuns aos sócios (incluindo odireito de voto), sem restrições ou privilégios. Nas companhias fechadas asações poderão ser dividias em classes diferentes, já nas abertas serão todasiguais- Preferenciais: São aquelas que dão as seus titulares alguns privilégio oupreferência, como a prioridade da distribuição dos dividendos no mínimosuperior a 10% do que foi atribuído às ordinárias.- Fruição: Ao invés de distribuir dividendos, resolve amortizar um lote deações, geralmente por sorteio, pagando o valor nominal para seus titulares.Em seguida, permite-se que aqueles antigos titulares adquiram outras açõesem substituição.
  • 135. Código dos Valores Mobiliários• (republicado pelo Decreto-Lei n.o 357-A/2007, de 31 de Outubro e alterado pelo Decreto-Lei n.o 211-A/2008, de 3 de Novembro, pela Lei n.o 28/2009, de 19 de Junho, pelo Decreto-Lei n.o 185/2009, de 12 de Agosto, pelo Decreto- Lei n.o 49/2010, de 19 de Maio, pelo Decreto- Lei n.o 52/2010, de 26 de Maio e pelo Decreto- Lei n.o 71/2010, de 18 de Junho)
  • 136. Valores mobiliáriosArtigo 1.ºSão valores mobiliários, além de outros que a lei como talqualifique:a) As acções;b) As obrigações;c) Os títulos de participação;d) As unidades de participação em instituições deinvestimento colectivo;e) Os warrants autónomos;f) Os direitos destacados dos valores mobiliários referidos nasalíneas a) a d), desde que o destaque abranja toda a emissãoou série ou esteja previsto no acto de emissão;g) Outros documentos representativos de situações jurídicashomogéneas, desde que sejam susceptíveis de transmissãoem mercado.
  • 137. Âmbito de aplicação materialArtigo 2.o 1 - O presente Código regula:a) Os valores mobiliários e as ofertas públicas a estes respeitantes;b) Os instrumentos do mercado monetário, com excepção dos meios depagamento;c) Os instrumentos derivados para a transferência do risco de crédito;d) Os contratos diferenciais;e) As opções, os futuros, os swaps, os contratos a prazo e quaisquer outroscontratos derivados relativos a:i) Valores mobiliários, divisas, taxas de juro ou de rendibilidades ou relativos aoutros instrumentos derivados, índices financeiros ou indicadores financeiros,com liquidação física ou financeira; (…)f) Quaisquer outros contratos derivados, nomeadamente os relativos aqualquer dos elementos indicados no artigo 39.o do Regulamento (CE) n.o1287/2006, da Comissão, de 10 de Agosto, desde que tenham característicasanálogas às de outros instrumentos financeiros derivados nos termos doartigo 38.o do mesmo diploma;g) As formas organizadas de negociação de instrumentos financeiros referidosnas alíneas anteriores, a liquidação e a compensação de operações àquelesrespeitantes e as actividades de intermediação financeira;h) O regime de supervisão e sancionatório relativo aos instrumentos e àsactividades mencionadas nas alíneas anteriores.
  • 138. Forma Artigo 4.o Forma escritaA exigência ou a previsão de forma escrita, de documento escrito ou deredução a escrito, feita no presente Código em relação a qualquer actojurídico praticado no âmbito da autonomia negocial ou do procedimentoadministrativo, considera-se cumprida ou verificada ainda que o suporte empapel ou a assinatura sejam substituídos por outro suporte ou por outro meiode identificação que assegurem níveis equivalentes de inteligibilidade, dedurabilidade e de autenticidade. Artigo 5.o Publicações1 - Na falta de disposição legal em sentido diferente, as publicaçõesobrigatórias são feitas através de meio de comunicação de grande difusão emPortugal que seja acessível aos destinatários da informação. Artigo 6.o Idioma1 - Deve ser redigida em português ou acompanhada de tradução paraportuguês devidamente legalizada a informação divulgada em Portugal queseja susceptível de influenciar as decisões dos investidores, nomeadamentequando respeite a ofertas públicas, a mercados regulamentados, aactividades de intermediação financeira e a emitentes.
  • 139. As SADs podem ser Sociedades abertas Artigo 13.o Critérios1 - Considera-se sociedade com o capital aberto ao investimento do público,abreviadamente designada neste Código «sociedade aberta»:a) A sociedade que se tenha constituído através de oferta pública de subscriçãodirigida especificamente a pessoas com residência ou estabelecimento em Portugal;b) A sociedade emitente de acções ou de outros valores mobiliários que confiramdireito à subscrição ou à aquisição de acções que tenham sido objecto de ofertapública de subscrição dirigida especificamente a pessoas com residência ouestabelecimento em Portugal;c) A sociedade emitente de acções ou de outros valores mobiliários que confiramdireito à sua subscrição ou aquisição, que estejam ou tenham estado admitidas ànegociação em mercado regulamentado situado ou a funcionar em Portugal;d)A sociedade emitente de acções que tenham sido alienadas em oferta pública devenda ou de troca em quantidade superior a 10 % do capital social dirigidaespecificamente a pessoas com residência ou estabelecimento em Portugal;e) A sociedade resultante de cisão de uma sociedade aberta ou que incorpore, porfusão, a totalidade ou parte do seu património.2 - Os estatutos das sociedades podem fazer depender de deliberação da assembleiageral o lançamento de oferta pública de venda ou de troca de acções nominativas deque resulte a abertura do capital social nos termos da alínea d) do número anterior.
  • 140. Participações qualificadasArtigo 16º Deveres de comunicação1 - Quem atinja ou ultrapasse participação de 10 %, 20 %,um terço, metade, dois terços e 90 % dos direitos de votocorrespondentes ao capital social de uma sociedadeaberta, sujeita a lei pessoal portuguesa, e quem reduza asua participação para valor inferior a qualquer daqueleslimites deve, no prazo de quatro dias de negociação apóso dia da ocorrência do facto ou do seu conhecimento:a) Informar desse facto a CMVM e a sociedadeparticipada;b) Dar conhecimento às entidades referidas na alíneaanterior das situações que determinam a imputação aoparticipante de direitos de voto inerentes a valoresmobiliários pertencentes a terceiros, nos termos do nº 1do artigo 20º
  • 141. 2 - Fica igualmente sujeito aos deveres referidos no número anterior:a) Quem atinja ou ultrapasse participação de 5 %, 15 % e 25 % dos direitos devoto correspondentes ao capital social e quem reduza a sua participação paravalor inferior a qualquer daqueles limites, relativamente a:i) Sociedade aberta, sujeita a lei pessoal portuguesa, emitente de acções oude outros valores mobiliários que confiram direito à sua subscrição ouaquisição, admitidos à negociação em mercado regulamentado situado ou afuncionar em Estado membro da União Europeia;ii) Sociedade, com sede estatutária noutro Estado membro, emitente deacções ou de outros valores mobiliários que confiram direito à sua subscriçãoou aquisição, exclusivamente admitidos à negociação em mercadoregulamentado situado ou a funcionar em Portugal;iii) Sociedade cuja sede social se situe fora da União Europeia, emitente deacções ou de outros valores mobiliários que confiram direito à sua subscriçãoou aquisição, admitidos à negociação em mercado regulamentado situado oua funcionar em Portugal, em relação à qual a CMVM seja autoridadecompetente nos termos do artigo 244º-A; eb) Quem atinja ou ultrapasse participação de 2 % e quem reduza a suaparticipação para valor inferior àquela percentagem dos direitos de votocorrespondentes ao capital social de sociedade aberta prevista na subalínea i)da alínea anterior.
  • 142. Artigo 16º-B Participação qualificada não transparente1 - Na ausência da comunicação prevista no artigo 16.o, se esta não respeitar odisposto na alínea a) do n.o 4 do artigo ou se, em qualquer, existirem fundadasdúvidas sobre a identidade das pessoas a quem possam ser imputados os direitos devoto respeitantes a uma participação qualificada, nos termos do n.o 1 do artigo 20.o,ou sobre o cumprimento cabal dos deveres de comunicação, a CMVM notifica destefacto os interessados, os órgãos de administração e fiscalização e o presidente damesa da assembleia geral da sociedade aberta em causa.2- Até 30 dias após a notificação, podem os interessados apresentar prova destinada aesclarecer os aspectos suscitados na notificação da CMVM, ou tomar medidas comvista a assegurar a transparência da titularidade das participações qualificadas.3 - Se os elementos aduzidos ou as medidas tomadas pelos interessados não puseremfim à situação, a CMVM informa o mercado da falta de transparência quanto àtitularidade das participações qualificadas em causa.4 - A partir da comunicação ao mercado feita pela CMVM nos termos do númeroanterior, fica imediata e automaticamente suspenso o exercício do direito de voto edos direitos de natureza patrimonial, com excepção do direito de preferência nasubscrição em aumentos de capital, inerentes à participação qualificada em causa, atéque a CMVM informe o mercado e as entidades referidas no nº 1 de que a titularidadeda participação qualificada é considerada transparente.5 - Os direitos patrimoniais referidos no número anterior que caibam à participaçãoafectada são depositados em conta especial aberta junto de instituição de créditohabilitada a receber depósitos em Portugal, sendo proibida a sua movimentação adébito enquanto durar a suspensão.
  • 143. Acordos parassociais• Artigo 19º• 1 - Os acordos parassociais que visem adquirir, manter ou reforçar uma participação qualificada em sociedade aberta ou assegurar ou frustrar o êxito de oferta pública de aquisição devem ser comunicados à CMVM por qualquer dos contraentes no prazo de três dias após a sua celebração.• 2 - A CMVM determina a publicação, integral ou parcial, do acordo, na medida em que este seja relevante para o domínio sobre a sociedade.
  • 144. Perda da qualidade de sociedade aberta Artigo 27º Requisitos1 - A sociedade aberta pode perder essa qualidade quando:a) Um accionista passe a deter, em consequência de oferta pública deaquisição, mais de 90 % dos direitos de voto calculados nos termos donº 1 do artigo 20º;b) A perda da referida qualidade seja deliberada em assembleia geralda sociedade por uma maioria não inferior a 90 % do capital social eem assembleias dos titulares de acções especiais e de outros valoresmobiliários que confiram direito à subscrição ou aquisição de acçõespor maioria não inferior a 90 % dos valores mobiliários em causa;c) Tenha decorrido um ano sobre a exclusão da negociação das acçõesem mercado regulamentado, fundada na falta de dispersão pelopúblico.2 - A perda de qualidade de sociedade aberta pode ser requerida àCMVM pela sociedade e, no caso da alínea a) do número anterior,também pelo oferente.
  • 145. Investidores Artigo 30º Investidores qualificados1 - Sem prejuízo do disposto nos números subsequentes, consideram-seinvestidores qualificados as seguintes entidades:a) Instituições de crédito;b) Empresas de investimento;c) Empresas de seguros;d) Instituições de investimento colectivo e respectivas sociedades gestoras;e) Fundos de pensões e respectivas sociedades gestoras;f) Outras instituições financeiras autorizadas ou reguladas, designadamentefundos de titularização de créditos, respectivas sociedades gestoras e demaissociedades financeiras previstas na lei, sociedades de titularização decréditos, sociedades de capital de risco, fundos de capital de risco erespectivas sociedades gestoras;g) Instituições financeiras de Estados que não sejam membros da UniãoEuropeia que exerçam actividades semelhantes às referidas nas alíneasanteriores;h) Entidades que negoceiem em instrumentos financeiros sobre mercadorias;i) Governos de âmbito nacional e regional, bancos centrais e organismospúblicos que administram a dívida pública, instituições supranacionais ouinternacionais, designadamente o Banco Central Europeu, o Banco Europeude Investimento, o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial.
  • 146. Mediação de conflitos• Artigo 33º• 1 - A CMVM organiza um serviço destinado à mediação voluntária de conflitos entre investidores não qualificados, por uma parte, e intermediários financeiros, consultores para investimento, entidades gestoras de mercados regulamentados ou de sistemas de negociação multilateral ou emitentes, por outra.• 2 - Os mediadores são designados pelo conselho directivo da CMVM, podendo a escolha recair em pessoas pertencentes aos seus quadros ou noutras personalidades de reconhecida idoneidade e competência.
  • 147. Modalidades dos Valores MobiliariosArtigo 52.o Valores mobiliários nominativos e ao portador• 1 - Os valores mobiliários são nominativos ou ao portador, conforme o emitente tenha ou não a faculdade de conhecer a todo o tempo a identidade dos titulares.• 2 - Na falta de cláusula estatutária ou de decisão do emitente, os valores mobiliários consideram-se nominativos. Artigo 53.o Convertibilidade• Salvo disposição legal, estatutária ou resultante das condições especiais fixadas para cada emissão, os valores mobiliários ao portador podem, por iniciativa e a expensas do titular, ser convertidos em nominativos e estes naqueles.
  • 148. RegistosCabe à CMVM a regulamentação do registo dos valoresmobiliários escriturais que sigam o regime do artigo 63º Artigo 60º Regulamentação do sistema centralizado de valores mobiliáriosA CMVM elabora os regulamentos necessários àconcretização e ao desenvolvimento das disposiçõesrelativas aos valores mobiliários escriturais e tituladosintegrados em sistema centralizado, ouvidas as entidadesgestoras, nomeadamente quanto aos seguintes aspectos:a) Sistema de contas e regras a que deve obedecer;b) Exercício dos direitos inerentes aos valores mobiliários;
  • 149. Transmissão, constituição e exercício de direitosArtigo 80º Transmissão1 - Os valores mobiliários escriturais transmitem-se pelo registo na conta doadquirente.2 - A compra em mercado regulamentado de valores mobiliários escrituraisconfere ao comprador, independentemente do registo e a partir da realizaçãoda operação, legitimidade para a sua venda nesse mercado.Artigo 81º Penhor1 - O penhor de valores mobiliários constitui-se pelo registo na conta dotitular dos valores mobiliários, com indicação da quantidade de valoresmobiliários dados em penhor, da obrigação garantida e da identificação dobeneficiário.2 - O penhor pode ser constituído por registo em conta do credorpignoratício, quando o direito de voto lhe tiver sido atribuído.Artigo 82º PenhoraA penhora e outros actos de apreensão judicial de valores mobiliáriosescriturais realizam-se preferencialmente mediante comunicação electrónicaà entidade registadora, pelo agente de execução, de que os valoresmobiliários ficam à ordem deste.
  • 150. Valores mobiliários tituladosTítulosArtigo 95º Emissão e entrega dos títulosA emissão e entrega dos títulos ao primeiro titular constitui dever doemitente, que suporta os respectivos encargos.Artigo 96º CautelasEnquanto não forem emitidos os títulos, a posição jurídica do titular pode serprovada através de cautelas passadas pelo emitente ou pelo intermediáriofinanceiro colocador da emissão.Artigo 97º Menções nos títulos1 - Dos títulos devem constar, além das menções referidas nas alíneas a) e b)do nº 1 do artigo 44º, os seguintes elementos:a) Número de ordem, excepto os títulos ao portador;b) Quantidade de direitos representados no título e, se for o caso, valornominal global;c) Identificação do titular, nos títulos nominativos.2 - Os títulos são assinados, ainda que através de chancela, por um titular doórgão de administração do emitente.3 - A alteração de qualquer dos elementos constantes do título pode ser feitapor substituição do título ou, desde que subscrita nos termos do númeroanterior, no respectivo texto.
  • 151. Transmissão, constituição e exercício de direitos Artigo 101º Transmissão de valores mobiliários titulados ao portador1 - Os valores mobiliários titulados ao portadortransmitem-se por entrega do título ao adquirente ou aodepositário por ele indicado.2 - Se os títulos já estiverem depositados junto dodepositário indicado pelo adquirente, a transmissãoefectua-se por registo na conta deste, com efeitos a partirda data do requerimento do registo.3 - Em caso de transmissão por morte, o registo referidono número anterior é feito com base nos documentoscomprovativos do direito à sucessão.
  • 152. Transmissão de valores mobiliários titulados nominativosArtigo 102º1 - Os valores mobiliários titulados nominativostransmitem-se por declaração de transmissão,escrita no título, a favor do transmissário,seguida de registo junto do emitente ou juntode intermediário financeiro que o represente.
  • 153. Valores mobiliários titulados em sistema centralizadoArtigo 105º Regime aplicávelAos valores mobiliários titulados integrados em sistemacentralizado é aplicável o disposto para os valores mobiliáriosescriturais integrados em sistema centralizado.Artigo 106º Integração em sistema centralizado1 - Após o depósito dos títulos no sistema centralizado, osvalores mobiliários são registados em conta, devendomencionar-se nos títulos a integração em sistema centralizadoe respectiva data.2 - A entidade gestora do sistema centralizado pode entregaros títulos junto dela depositados à guarda de intermediáriofinanceiro autorizado a recebê-los, mantendo aquela entidadea totalidade dos seus deveres e a responsabilidade para com odepositante.
  • 154. Ofertas públicas Artigo 109º Oferta pública1 - Considera-se pública a oferta relativa a valores mobiliários dirigida,no todo ou em parte, a destinatários indeterminados.2 - A indeterminação dos destinatários não é prejudicada pelacircunstância de a oferta se realizar através de múltiplas comunicaçõespadronizadas, ainda que endereçadas a destinatários individualmenteidentificados.3 - Considera-se também pública:a) A oferta dirigida à generalidade dos accionistas de sociedade aberta,ainda que o respectivo capital social esteja representado por acçõesnominativas;b) A oferta que, no todo ou em parte, seja precedida ou acompanhadade prospecção ou de recolha de intenções de investimento junto dedestinatários indeterminados ou de promoção publicitária;c) A oferta dirigida a, pelo menos, 100 pessoas que sejam investidoresnão qualificados com residência ou estabelecimento em Portugal.
  • 155. Ofertas Particulares Artigo 110º Ofertas particulares1 - São sempre havidas como particulares:a) As ofertas relativas a valores mobiliários dirigidas apenas ainvestidores qualificados;b) As ofertas de subscrição dirigidas por sociedades com ocapital fechado ao investimento do público à generalidade dosseus accionistas, fora do caso previsto na alínea b) do n.o 3 doartigo anterior.2 - As ofertas particulares dirigidas por sociedades abertas epor sociedades emitentes de valores mobiliários negociadosem mercado ficam sujeitas a comunicação subsequente àCMVM para efeitos estatísticos.
  • 156. Igualdade de tratamento• Artigo 112º• 1 - As ofertas públicas devem ser realizadas em condições que assegurem tratamento igual aos destinatários, sem prejuízo da possibilidade prevista no nº 2 do artigo 124º• 2 - Se a quantidade total dos valores mobiliários que são objecto das declarações de aceitação pelos destinatários for superior à quantidade dos valores mobiliários oferecidos, procede-se a rateio na proporção dos valores mobiliários cuja alienação ou aquisição for pretendida pelos destinatários, salvo se critério diverso resultar de disposição legal ou não merecer oposição da CMVM na aprovação do prospecto.
  • 157. Aprovação de prospecto, registo e publicidadeArtigo 114ºAprovação de prospecto e registo prévio1 - Os prospectos de oferta pública dedistribuição estão sujeitos a aprovação pelaCMVM.2 - A realização de oferta pública de aquisiçãoestá sujeita a registo prévio na CMVM.
  • 158. Lançamento e execução Artigo 124º Conteúdo da oferta• 1 - O conteúdo da oferta só pode ser modificado nos casos previstos nos artigos 128º, 172º e 184º.• 2 - O preço da oferta é único, salvo a possibilidade de preços diversos consoante as categorias de valores mobiliários ou de destinatários, fixados em termos objectivos e em função de interesses legítimos do oferente.• 3 - A oferta só pode ser sujeita a condições que correspondam a um interesse legítimo do oferente e que não afectem o funcionamento normal do mercado.
  • 159. Autoridade competente em ofertas públicas de aquisiçãoArtigo 145º-A1 - A CMVM é competente para a supervisão de ofertas públicas deaquisição que tenham por objecto valores mobiliários emitidos porsociedades sujeitas a lei pessoal portuguesa, desde que os valoresobjecto da oferta:a) Estejam admitidos à negociação em mercado regulamentadosituado ou a funcionar em Portugal;b) Não estejam admitidos à negociação em mercado regulamentado.2 - A CMVM é igualmente competente para a supervisão de ofertaspúblicas de aquisição de valores mobiliários em que seja visadasociedade sujeita a lei pessoal estrangeira, desde que os valoresmobiliários objecto da oferta:a) Estejam exclusivamente admitidos à negociação em mercadoregulamentado situado ou a funcionar em Portugal; oub) Não estando admitidos à negociação no Estado membro onde sesitua a sede da sociedade emitente, tenham sido admitidos ànegociação em mercado regulamentado situado ou a funcionar emPortugal em primeiro lugar.
  • 160. Oferta pública de subscrição Artigo 168º Oferta pública de subscrição para constituição de sociedade• Além dos documentos exigidos nas alíneas j) a n) do nº 1 do artigo 115º, o pedido de aprovação de prospecto de oferta pública de subscrição para constituição de sociedade deve ser instruído com os seguintes elementos:• a) Identificação dos promotores;• b) Documento comprovativo da subscrição do capital social mínimo pelos promotores;• c) Cópia do projecto do contrato de sociedade;• d) Certidão comprovativa do registo comercial provisório.
  • 161. Oferta pública de vendaArtigo 170.o Bloqueio dos valores mobiliáriosO pedido de aprovação de prospecto de oferta pública devenda é instruído com certificado comprovativo do bloqueiodos valores mobiliários oferecidos.Artigo 171.o Dever de cooperação do emitenteO emitente de valores mobiliários distribuídos em ofertapública de venda deve fornecer ao oferente, a expensas deste,as informações e os documentos necessários para aelaboração do prospecto.Artigo 172.o Revisão da oferta1 — O oferente pode reduzir em pelo menos 2 % o preçoinicialmente anunciado.2 - À revisão da oferta é aplicável o disposto no artigo 129.o
  • 162. Ofertas públicas de aquisição Artigo 173º Objecto da oferta1 - A oferta pública de aquisição é dirigida a todos os titulares dosvalores mobiliários que dela são objecto.2 - Se a oferta pública não visar a aquisição da totalidade das acções dasociedade visada e dos valores mobiliários que conferem direito à suasubscrição ou aquisição, emitidos pela sociedade visada, não épermitida a aceitação pelo oferente ou por pessoas que com esteestejam em alguma das situações previstas no n.o 1 do artigo 20.o3 - À oferta pública de aquisição lançada apenas sobre valoresmobiliários que não sejam acções ou valores mobiliários que conferemdireito à sua subscrição ou aquisição não se aplicam as regras relativasao anúncio preliminar, aos deveres de informação sobre transacçõesefectuadas, aos deveres do emitente, à oferta concorrente e à ofertapública de aquisição obrigatória.
  • 163. Artigo 174º Segredo nas OPAsO oferente, a sociedade visada, os seus accionistas e os titulares deórgãos sociais e, bem assim, todos os que lhes prestem serviços atítulo permanente ou ocasional devem guardar segredo sobre apreparação da oferta até à publicação do anúncio preliminar. Artigo 175º Publicação do anúncio preliminar das OPAs1 - Logo que tome a decisão de lançamento de oferta pública deaquisição, o oferente deve enviar anúncio preliminar à CMVM, àsociedade visada e às entidades gestoras dos mercadosregulamentados em que os valores mobiliários que são objecto daoferta ou que integrem a contrapartida a propor estejam admitidos ànegociação, procedendo de imediato à respectiva publicação.2 - A publicação do anúncio preliminar obriga o oferente a:a) Lançar a oferta em termos não menos favoráveis para osdestinatários do que as constantes desse anúncio;b) Requerer o registo da oferta no prazo de 20 dias, prorrogável pelaCMVM até 60 dias nas ofertas públicas de troca.c) Informar os representantes dos seus trabalhadores ou, na sua falta,os trabalhadores sobre o conteúdo dos documentos da oferta, assimque estes sejam tornados públicos.
  • 164. Transacções na pendência da oferta• Artigo 180º1 - A partir da publicação do anúncio preliminar e até ao apuramento doresultado da oferta, o oferente e as pessoas que com este estejam em algumadas situações previstas no artigo 20.o:a) Não podem negociar fora de mercado regulamentado valores mobiliáriosda categoria dos que são objecto da oferta ou dos que integram acontrapartida, excepto se forem autorizados pela CMVM, com parecer prévioda sociedade visada;b) Devem informar diariamente a CMVM sobre as transacções realizadas porcada uma delas sobre valores mobiliários emitidos pela sociedade visada ouda categoria dos que integram a contrapartida.2 - As aquisições de valores mobiliários da categoria daqueles que são objectoda oferta ou dos que integram a contrapartida, feitas depois da publicação doanúncio preliminar, são imputadas no cálculo da quantidade mínima que oadquirente se propõe adquirir.3 - Caso ocorram as aquisições referidas no número anterior:a) No âmbito de ofertas públicas de aquisição voluntárias, a CMVM podedeterminar a revisão da contrapartida se, por efeito dessas aquisições, acontrapartida não se mostrar equitativa;b) No âmbito de ofertas públicas de aquisição obrigatórias, o oferente éobrigado a aumentar a contrapartida para um preço não inferior ao preçomais alto pago pelos valores mobiliários assim adquiridos.
  • 165. Deveres da sociedade visada• Artigo 181º• 1 - O órgão de administração da sociedade visada deve, no prazo de oito dias a contar da recepção dos projectos de prospecto e de anúncio de lançamento e no prazo de cinco dias após a divulgação de adenda aos documentos da oferta, enviar ao oferente e à CMVM e divulgar ao público um relatório elaborado nos termos do artigo 7.o sobre a oportunidade e as condições da oferta.
  • 166. Limitação dos poderes da sociedade visada• Artigo 182º1 - A partir do momento em que tome conhecimento dadecisão de lançamento de oferta pública de aquisição queincida sobre mais de um terço dos valores mobiliários darespectiva categoria e até ao apuramento do resultado ouaté à cessação, em momento anterior, do respectivoprocesso, o órgão de administração da sociedade visadanão pode praticar actos susceptíveis de alterar de modorelevante a situação patrimonial da sociedade visada quenão se reconduzam à gestão normal da sociedade e quepossam afectar de modo significativo os objectivosanunciados pelo oferente.
  • 167. Prazo da oferta• Artigo 183º• 1 - O prazo da oferta pode variar entre 2 e 10 semanas.• 2 - A CMVM, por sua própria iniciativa ou a pedido do oferente, pode prorrogar a oferta em caso de revisão, lançamento de oferta concorrente ou quando a protecção dos interesses dos destinatários o justifique.
  • 168. Revisão da ofertaArtigo 184º• 1 - Até cinco dias antes do fim do prazo da oferta, o oferente pode rever a contrapartida quanto à sua natureza e montante.• 2 - A oferta revista não pode conter condições que a tornem menos favorável e a sua contrapartida deve ser superior à antecedente em, pelo menos, 2 % do seu valor.
  • 169. Artigo 185º Oferta concorrente1 - A partir da publicação do anúncio preliminar de oferta pública deaquisição de valores mobiliários admitidos à negociação em mercadoregulamentado, qualquer outra oferta pública de aquisição de valoresmobiliários da mesma categoria só pode ser realizada através de ofertaconcorrente lançada nos termos do presente artigo.2 - As ofertas concorrentes estão sujeitas às regras gerais aplicáveis às ofertaspúblicas de aquisição (…)3 - Não podem lançar uma oferta concorrente as pessoas que estejam com ooferente inicial (…)4 - As ofertas concorrentes não podem incidir sobre quantidade de valoresmobiliários inferior àquela que é objecto da oferta inicial.5 — A contrapartida da oferta concorrente deve ser superior à antecedenteem pelo menos 2 % do seu valor e não pode conter condições que a tornemmenos favorável6 - A oferta concorrente não pode fazer depender a sua eficácia de umapercentagem de aceitações por titulares de valores mobiliários ou de direitosde voto em quantidade superior ao constante da oferta inicial ou de ofertaconcorrente anterior, salvo se, para efeitos do número anterior, essapercentagem se justificar em função dos direitos de voto na sociedade visadajá detidos pelo oferente e por pessoas que com este estejam em alguma dassituações previstas no nº 1 do artigo 20º.7 - A sociedade visada deve assegurar igualdade de tratamento entreoferentes quanto à informação que lhes seja prestada.
  • 170. Sucessão de ofertas• Artigo 186º• Salvo autorização concedida pela CMVM para protecção dos interesses da sociedade visada ou dos destinatários da oferta, nem o oferente nem qualquer das pessoas que com este estejam em alguma das situações previstas no n.o 1 do artigo 20.o podem, nos 12 meses seguintes à publicação do apuramento do resultado da oferta, lançar, directamente, por intermédio de terceiro ou por conta de terceiro, qualquer oferta pública de aquisição sobre os valores mobiliários pertencentes à mesma categoria dos que foram objecto da oferta ou que confiram direito à sua subscrição ou aquisição.
  • 171. Oferta pública de aquisição obrigatória Artigo 187º Dever de lançamento de oferta pública de aquisição1 - Aquele cuja participação em sociedade aberta ultrapasse,directamente ou nos termos do nº 1 do artigo 20º, um terçoou metade dos direitos de voto correspondentes ao capitalsocial tem o dever de lançar oferta pública de aquisição sobrea totalidade das acções e de outros valores mobiliáriosemitidos por essa sociedade que confiram direito à suasubscrição ou aquisição.2 - Não é exigível o lançamento da oferta quando,ultrapassado o limite de um terço, a pessoa que a ela estariaobrigada prove perante a CMVM não ter o domínio dasociedade visada nem estar com esta em relação de grupo.
  • 172. Derrogações• Artigo 189º• 1 - O disposto no artigo 187º não se aplica quando a ultrapassagem do limite de direitos de voto relevantes nos termos dessa disposição resultar:• a) Da aquisição de valores mobiliários por efeito de oferta pública de aquisição lançada sobre a totalidade dos valores mobiliários referidos no artigo 187º emitidos pela sociedade visada, sem nenhuma restrição quanto à quantidade ou percentagem máximas de valores mobiliários a adquirir e com respeito dos requisitos estipulados no artigo anterior;• b) Da execução de plano de saneamento financeiro no âmbito de uma das modalidades de recuperação ou saneamento previstas na lei;• c) Da fusão de sociedades, se da deliberação da assembleia geral da sociedade emitente dos valores mobiliários em relação aos quais a oferta seria dirigida constar expressamente que da operação resultaria o dever de lançamento de oferta pública de aquisição.• 2 - A derrogação do dever de lançamento de oferta é objecto de declaração pela CMVM, requerida e imediatamente publicada pelo interessado.
  • 173. Suspensão do dever• Artigo 190º• 1 - O dever de lançamento de oferta pública de aquisição fica suspenso se a pessoa a ele obrigada, em comunicação escrita dirigida à CMVM, imediatamente após a ocorrência do facto constitutivo do dever de lançamento, se obrigar a pôr termo à situação nos 120 dias subsequentes.
  • 174. Inibição de direitosArtigo 192º1 - O incumprimento do dever de lançamento de oferta pública de aquisiçãodetermina a imediata inibição dos direitos de voto e a dividendos inerentes às acções:a) Que excedam o limite a partir do qual o lançamento seria devido;b) Que tenham sido adquiridas por exercício de direitos inerentes às acções referidasna alínea anterior ou a outros valores mobiliários que confiram direito à suasubscrição ou aquisição.2 - A inibição vigora durante cinco anos, cessando:a) Na totalidade, com a publicação de anúncio preliminar de oferta pública deaquisição mediante contrapartida não inferior à que seria exigida se o dever tivessesido cumprido atempadamente;b) Em relação a cada uma das acções referidas no número anterior, à medida da suaalienação a pessoas que não estejam em nenhuma das situações previstas no n.o 1 doartigo 20.o3 - A inibição abrange, em primeiro lugar, as acções de que a pessoa obrigada aolançamento é titular directo e, sucessivamente, na medida do necessário, aquelas deque são titulares as pessoas indicadas no n.o 1 do artigo 20.o, segundo a ordem dasrespectivas alíneas, e, em relação a pessoas referidas na mesma alínea, na proporçãodas acções detidas por cada uma delas.4 - São anuláveis as deliberações dos sócios que, sem os votos inibidos, não teriamsido aprovadas.5 - Os dividendos que tenham sido objecto de inibição revertem para a sociedade.
  • 175. Aquisição tendente ao domínio totalArtigo 194º Aquisição potestativa1 - Quem, na sequência do lançamento de oferta públicade aquisição geral em que seja visada sociedade abertaque tenha como lei pessoal a lei portuguesa, atinja ouultrapasse, directamente ou nos termos do n.o 1 doartigo 20.o, 90 % dos direitos de voto correspondentes aocapital social até ao apuramento dos resultados da ofertae 90 % dos direitos de voto abrangidos pela oferta pode,nos três meses subsequentes, adquirir as acçõesremanescentes mediante contrapartida justa, emdinheiro, calculada nos termos do artigo 188.o
  • 176. OPAs sobre SADs• Problema da manutenção da posição inicial dos clubes de futebol nas SADs• Posição de Pragal Colaço: a obrigação mantem-se mesmo depois, o que nos parece ser um absurdo, pois prejudica o mercado.• A nossa posição: os clubes só tem que manter posições a quando da constituição das SADs (ter em atensão o Direito Comparado, nomeadamente o inglês).• Porém a lei admite que as ações do grupo A apenas podem ser penhoradas a favor do Estado
  • 177. NegociaçãoArtigo 198º Formas organizadas de negociação1 - É permitido o funcionamento em Portugal,sem prejuízo de outras que a CMVM determinepor regulamento, das seguintes formasorganizadas de negociação de instrumentosfinanceiros:a) Mercados regulamentados;b) Sistemas de negociação multilateral;c) Internalização sistemática.
  • 178. Artigo 199º Mercados regulamentados• 1 - São mercados regulamentados os sistemas que, tendo sido autorizados como tal por qualquer Estado membro da União Europeia, são multilaterais e funcionam regularmente a fim de possibilitar o encontro de interesses relativos a instrumentos financeiros com vista à celebração de contratos sobre tais instrumentos.Artigo 200º Sistemas de negociação multilateral• 1 - São sistemas de negociação multilateral os sistemas que têm essa qualidade e possibilitam o encontro de interesses relativos a instrumentos financeiros com vista à celebração de contratos sobre tais instrumentos.Artigo 201º Internalização sistemática• 1 - É internalização sistemática a negociação, por intermediário financeiro, de instrumentos financeiros por conta própria em execução de ordens de clientes fora de mercado regulamentado e de sistema de negociação multilateral, de modo organizado, frequente e sistemático.
  • 179. Criação de grupos de trabalho em três matérias essenciais em Agosto de 2011:• Protecção ao jogador português, sob a coordenação de José Luís Arnaut;• Avaliação de eventuais alterações ao regime jurídico e fiscal das Sociedades Anónimas Desportivas, com Paulo Olavo Cunha como coordenador do grupo;• Profissionalização da arbitragem ou outro enquadramento legal com João Leal Amado a dirigir o grupo de trabalho.• Os três grupos terão 45 dias (até Outubro de 2011) para apresentar as avaliações e propostas, conforme despacho Governamental
  • 180. FIM