Economia Política`12
Prof. Doutor Rui Teixeira Santos
"First they ignore you, then they
ridicule you, then they fight you,
then you win.”
(Ghandi)
O Que é a Economia?
 A Economia, ou atividade económica, consiste na produção,

distribuição e consumo de bens e serviços...
Economista
A profissionalização da economia, refletida no crescimento dos cursos
de graduação, tem sido descrita como "a p...
Micro e Macro economia
 A economia é geralmente dividida em dois grandes ramos: a

microeconomia, que estuda os comportam...
Microeconomia
 Para Paul Krugman e Robin Wells,"uma das principais

questões da microeconomia é a busca da validade da in...
MICROECONOMIA
A microeconomia estuda as interações que ocorrem nos
mercados em função da informação existente e da regulaç...
Teoria microeconómica
A teoria compara os agregados da quantidade global demandada
pelos compradores e da quantidade forne...
Fluxo circular da Economia
Princípios da Economia (Mankiw)
Como as pessoas tomam decisões?
A economia reflete o comportamento das pessoas que a
compõ...
Como as pessoas interagem?
#5

O comércio pode ser benéfico para todos

#6
Os mercados são normalmente uma boa forma de
or...
Como a economia funciona?
#8
Os padrões de vida de um país dependem da sua
capacidade de produzir bens e serviços
#9
Os pr...
Como as pessoas tomam decisões?
1.As pessoas enfrentam tradeoffs
“Nada é de graça”. Para se conseguir algo é necessário to...
Casos clássicos de tradoffs
Quando os indivíduos agrupam-se em sociedade surgem outros tipos de tradeoffs. Alguns
clássico...
Como as pessoas tomam decisões?
2.O custo de alguma coisa é aquilo que você desiste para
obtê-la
Quanto custa para um estu...
Como as pessoas tomam decisões?
3.As pessoas racionais pensam na margem
As decisões que tomamos na vida raramente são “pre...
Como as pessoas tomam decisões?
4.As pessoas reagem a incentivos
Como as pessoas tomam decisões por meio de comparação de
...
Como as pessoas interagem?
5.O Comércio pode ser bom para todos
O comércio não é uma prática esportiva; a vitória de um nã...
Como as pessoas interagem?
6. Os Mercados são Geralmente uma Boa Maneira de
Organizar a Atividade Económica
Foi Adam Smith...
Como as pessoas interagem?
7.Às vezes os Governos Podem Melhorar os Resultados do
Mercado
Para que a mão invisível funcion...
Como a economia funciona
8.O Padrão de Vida de um País Depende de sua
Capacidade de Produzir Bens e Serviços
Quase todas a...
Como a economia funciona
9.Os Preços Sobem Quando o Governo Emite Moeda
Demais
Trata-se da inflação, a elevação de preços ...
Como a economia funciona
10.A Sociedade Enfrenta um Tradeoff de Curto Prazo entre
Inflação e Desemprego
Por uma série de m...
Teoria Clássica
A teoria microeconómica standard assume que os agentes
económicos, as famílias ou as empresas, são "racion...
Teoria microeconómica clássica
Esta teoria deve sua existência à síntese feita pela economia matemática
neoclássica das dé...
Produção
 Em microeconomia, produção é um processo que usa insumos para

criar produtos, destinados ao comércio ou ao con...
Custo de Oportunidade
 O custo de oportunidade, relacionado com o custo económico, é o

valor da melhor alternativa dispo...
Fronteira de Possibilidades
 A fronteira de possibilidades de produção (FPP) é uma ferramenta

analítica que representa a...
Curva de possibilidades
Escassez
 A escassez é representada na figura pela impossibilidade de

se poder produzir para além da FPP. São os pontos ...
Políticas Públicas
 Estar na curva pode ainda não satisfazer completamente a

eficiência alocativa (também apelidado de e...
Especialização
 A especialização é considerada um aspecto chave para a

eficiência económica, devido a diferentes agentes...
Especialização
 A teoria defende que desta forma se consegue obter um

maior total de produtos e utilidade, comparando co...
Divisão do Trabalho
 A Riqueza das Nações (1776), de Adam Smith faz uma discussão

notável dos benefícios da divisão do t...
Ganhos de comércio
 De forma mais geral, a teoria diz que fatores do mercado,

como os custos de produção e os preços dos...
Oferta e Procura
 A teoria de oferta e procura explica os preços e as

quantidades dos bens transacionados numa economia ...
Procura
 Para o mercado de um bem, a procura mostra a quantidade que os

possíveis compradores estariam dispostos a compr...
Curva da procura
Lei da procura
 A lei da procura diz que, regra geral, o preço e a quantidade

procurada num determinado mercado estão in...
Leis da Oferta (S) e da Procura (D)
Oferta
 Oferta é a relação entre o preço de um bem e a quantidade

que os fornecedores colocam à venda para cada preço de...
Lei da Oferta
 Quanto maior for o preço pelo qual uma mercadoria pode ser

vendida, mais produtores estarão dispostos a f...
Excesso de Oferta
Curva da Procura e Valor
 Para uma determinada quantidade de um bem, o ponto do

preço na curva da procura permite determ...
Oferta e elasticidade
 Do lado da oferta, alguns fatores de produção são relativamente

fixos no curto prazo, o que pode ...
Elasticidade-preço da procura
Elasticidade-preco da oferta
Elasticidade-preço da procura nos
impostos
 É bastante comum ouvirmos dizer que esse tipo de coisa é “imoral, injusto”, e...
Perda de bem estar nos impostso de
baixa elastecidade é menor
 Quando o governo cria um imposto sobre um produto, o

preç...
Aplicação:
Elasticidade dos impostos
Efeitos económicos do Imposto
 Em termos económicos, portanto, a introdução de um

imposto implica a criação de uma inefi...
O que acontece quando se introduz um
imposto?
 Desde há muito tempo que os Estados usam os impostos

para arrecadar os me...
Impostos Indiretos
 Os impostos que vamos analisar aqui são deste segundo

tipo, impostos indiretos. Este tipo de imposto...
Duas formas de analisar o efeito dos
impostos sobre o preço
Efeitos do Impostos
A análise dos efeitos económicos do imposto pode fazer-se de duas
formas que são equivalentes. A prime...
Impostos com oferta inalterada
A segunda forma de analisar o efeito do imposto é considerar que a oferta
se mantém inalter...
Quem paga o imposto
- a incidência fiscal
 Quando se discute uma alteração fiscal - a introdução de um imposto

ou altera...
O ónus do imposto
 A distribuição do ónus associado ao imposto que é

arrecadado pelo Estado entre compradores e vendedor...
Quem paga?
Incidência dos Impostos
Aplicação ao Comercio Internacional
 A teoria clássica de comércio exterior procura explicar o comércio

internacional a ...
Crítica de Porter
 Aquilo que Michael Porter denomina teoria econômica

consagrada é alvo de suas críticas. Segundo esse ...
TEORIAS CLÁSSICAS DE COMÉRCIO
INTERNACIONAL
 A partir da segunda metade do século XVIII surgiram os

debates sobre comérc...
Adam Smith
 Smith, A Riqueza das Nações , publicado originalmente em

1776, desenvolveu a teoria das vantagens absolutas ...
Adam Smith:
“Eis uma máxima que todo chefe de família prudente deve seguir:
nunca tentar fazer em casa aquilo que seja mai...
Conclusão
Dessa forma, cada país deve se concentrar na produção
dos bens que lhe oferecem vantagem absoluta. Aquilo que
ex...
David Ricardo
 Ricardo aprimorou essa teoria, ao estender a

possibilidade de ganhos de comércio também
para países que n...
Vantagem comparativa
 A vantagem comparativa reflete o custo de oportunidade relativa,

isto é, a relação entre as quanti...
David Ricardo:
“Num sistema comercial perfeitamente livre, cada país
naturalmente dedica seu capital e seu trabalho à ativ...
Conclusão
 Portanto, Ricardo mostrou que o comércio internacional não tem

necessariamente de ser estabelecido com base e...
David Ricardo:
“A Inglaterra exportava tecidos em troca de vinho porque, dessa
forma, sua indústria se tornava mais produt...
Stuart Mill
 Mill corroborou a noção de Ricardo sobre a vantagem

comparativa ao afirmar que um país com custos reais alt...
Criticas ao modelo de Ricardo
Apesar de toda sua importância teórica e, sobretudo, histórica, o modelo clássico
apresenta ...
O TEOREMA DE HECKSCHER E OHLIN
De acordo com Krugman e Obstefeld (2001), a teoria de
Heckscher e Ohlin difere do modelo ri...
Vantagem do nivel de stock dos fatores
de produção
Ricardo (1982) atribuiu a existência de vantagens comparativas a
difere...
Conclusão
 Nos termos de Ohlin (1933), a Austrália, por possuir maior

extensão de terras agricultáveis que a Grã-Bretanh...
Efeitos nos políticos
Este modelo teve grande aceitação principalmente no meio
político, mas também foi dominante na expli...
Falhas da teoria das vantagens
comparativas
A teoria baseada na vantagem comparativa gerada pela
disponibilidade relativa ...
Criticas de Krugman e Obstefeld
 Para Krugman e Obstefeld (2001), há três fatos recentes

sobre o comércio que contribuír...
Limitações da vantagem comparativa
Além disso, os limites da capacidade explicativa desse modelo surgem
de seus pressupost...
AS TEORIAS DE COMÉRCIO DE
PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS
As teorias de comércio de produtos industrializados tentam
explicar tr...
Economias de escala e domínio dos
mercados
 A vertente teórica que privilegia a existência de economias

de escala afirma...
Linder
 Linder (1961) estabeleceu uma distinção entre o comércio de

produtos primários e o comércio de produtos industri...
Vermon
 A terceira vertente teórica da teoria de comércio de produtos

industrializados é a do ciclo do produto, que foi ...
Migração da produção para países menos
desenvolvidos quando se deixa de usar a
tecnologia de ponta (Krugman)
 No momento ...
Conclusão
da Teoria dos Bens Industrializados
 Quem investir mais em pesquisa e desenvolvimento

conseguirá obter produto...
Critica de Porter
Os modelos de comércio de produtos industrializados
conseguem explicar pontos que até então eram contrad...
A VANTAGEM COMPETITIVA,
PRODUTIVIDADE E INOVAÇÕES
 Porter (1989), ao contestar as teorias clássicas, propõe uma nova

abo...
Conceito de Produtividade
 Para Porter (1999), o único conceito significativo de

competitividade nacional é o de produti...
Nenhuma nação pode ser competitiva em
tudo
Os recursos humanos de um país, assim como o capital, são
necessariamente limit...
Porter
 “O comércio internacional permite ao país aumentar sua

produtividade, eliminando a necessidade de produzir todos...
Exportação e baixos salários
 Por outro lado, o comércio internacional pode também ameaçar

o crescimento da produtividad...
Conclusão de Porter
 Ao contrário do pensamento predominante, que atribui a

vantagem competitiva aos custos da mão- de-o...
Schumpeter e a inovação
 Schumpeter num trabalho originalmente publicado em 1911, foi o

primeiro a enfatizar a importânc...
Inovações
 As inovações, diz Schumpeter, rompem esse quadro de

equilíbrio lentamente mutável, possibilitando a expansão
...
Schumpeter
“O capitalismo é, por natureza, uma forma ou método de
transformação económica e não apenas não se reveste de u...
Destruição criadora
 Desse modo, ocorre o processo de destruição criadora, que

“revoluciona incessantemente a estrutura ...
Inovação e vantagem competitiva
 Para Schumpeter, após uma inovação, a firma irá ganhar uma

vantagem competitiva no prim...
Manutenção da Competitividade
 Sobre essa questão, Porter (1999) afirma que a vantagem

competitiva só é mantida pela mel...
Estratégia para Schumpeter
 Segundo Schumpeter, uma empresa que, pela introdução de

inovação no seu processo produtivo, ...
Pressões e desafios como razões de
inovação
Apesar de corroborar a importância dada por Schumpeter à inovação
no processo ...
Periodo da inovação e ciclos económicos
ou ondas schumpeterianas
Na visão de Schumpeter (1984), as atividades de inovação
...
As ondas schumpeterianas
Forma da Inovação
 Os investimentos em inovação ocorrem de forma

descontínua, em grupos ou bandos, dando dinamismo à
exp...
Aceleração das ondas
Inovação e dinamismo do capitalismo
 Sinteticamente, Schumpeter atribuiu às inovações a

responsabilidade de o capitalism...
DETERMINANTES DA VANTAGEM
COMPETITIVA
 Porter (1989), por meio de sérias pesquisas sobre as nações e

indústrias, identif...
Êxito internacional depende de 4
determinantes – Diamante Nacional
 Segundo Porter, o êxito internacional numa determinad...
Vantagem competitiva
e fatores criados
 As condições de fatores no diamante nacional são determinadas

pela dotação de fa...
Crítica de Porter a Heckscher-Ohlin
Os modelos de Ricardo e Heckscher-Ohlin são estáticos, isto é, a
produtividade do trab...
Porter – inovação e mudança
 Na competição real, o caráter essencial é inovação e

mudança. Em lugar de limitar-se e tran...
Porter e Linder
Porter (1989) concorda com Linder (1961) ao defender a
importância da procura interna na determinação do f...
Condições da procura interna
 Além disso, Porter (1989) postula que as condições de procura

interna ajudam a construir a...
Vantagem dos fornecedores internos
A presença de indústrias fornecedoras e de indústrias correlatas que
tenham vantagem co...
Porter
“Talvez o benefício mais importante dos fornecedores internos
esteja no processo de inovação e aperfeiçoamento. A v...
Determinante do contexto em que as
empresas sao criadas
 A quarta determinante do diamante nacional é o contexto no

qual...
Existencia de concorrência
 Como condição de existência da concorrência e da

competitividade entre as empresas, com a fi...
O Papel dos Governos
 Após a descrição das quatro determinantes da vantagem

competitiva nacional, resta uma questão: a d...
Políticas Públicas e condições dos fatores
 As condições de fatores são influenciadas por políticas de

educação, polític...
Critica a Porter
 Aktouf (2002), levanta alguns pontos, dentre os mais

discutíveis e mais intelectualmente duvidosos, no...
Critica a Porter
2. a noção de “clusters industriais”, espécie de epicentro do modelo
porteriano, parece estranha a certos...
Critica a Porter
Algumas falhas científicas e epistemológicas, constatadas por Aktouf (2002), na
obra porteriana, são por ...
Critica a Porter
Fazendo do planeta um vasto campo de batalha pela infinita
competitividade, sob a única obrigação de maxi...
Neo-Conservadorismo (Neo-Com)
Neoconservadorismo (ou neocon) é uma corrente da filosofia política que
surgiu nos Estados U...
Neo-com no comércio internacional
- Regresso ao modelo das vantagens comparativas dos factores
- Caso da Troika em Portuga...
Conclusão
 As diferenças entre as teorias tradicionais de comércio

internacional e a teoria de vantagem competitiva das ...
Leis da Oferta e da Procura
e Macroeconomia
 A oferta e demanda são usadas para explicar o

comportamento dos mercados de...
Oferta e procura e teoria da renda
(salários)
 A oferta e procura também pode ser usada para modelar a

distribuição de r...
Concorrência perfeita
e ciclos económicos
 A teoria elementar da oferta e demanda prediz que o equilíbrio será

alcançado...
Utilidade marginal
 A teoria económica do marginalismo aplica os conceitos de

marginalidade na economia. O conceito de m...
Utilidade marginal nos salários
Utilidade marginal zero
 O marginalismo, tal como a teoria económica clássica, descreve os

consumidores como agentes que...
Falhas de mercado
Mercado e imperfeições de mercado
 Agir pelo interesse individual conduz muitas vezes ao

interesse ger...
Falha de mercado
 A falha de mercado, no sentido de alocação económica, é um conceito

diferente da anomalia de mercado, ...
Três causas principais da falha do
mercado:
1.

de estruturas de mercado sub-optimas (falta de transparência,
latência, et...
Novas teorias: compreendendo melhor
a concorrência imperfeita
A partir dos dos anos 1970, o paradigma dominante na microec...
Nova microeconomia
(informação e teoria dos jogos)
 A nova microeconomia enfatiza os problemas relativos aos estímulos, à...
Nova Microeconomia
(teoria dos contratos)
 A extensão da abordagem microeconómica conduziu também ao

desenvolvimento da ...
Teoria da Negociação
 Um aspecto importante dos contratos é, regra geral, serem

"incompletos", isto é, não conseguem esp...
Macroeconomia
 A macroeconomia, também conhecida como "cross-section",

examina a economia como um todo, "de cima para ba...
PIB (Produto Interno Bruto)
O produto interno bruto (PIB) representa a soma (em valores
monetários) de todos os bens e ser...
PIB real e PIB nominal
Quando se procura comparar ou analisar o comportamento do PIB de um país ao longo do
tempo, é preci...
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2

5,934 views
5,737 views

Published on

Economia Política I - Introdução à economia.
(1º semestre)

Published in: Education
0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
5,934
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
101
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • O gráficonailustraçãoexemplificaumacurva com todosospontoseconomicamenteeficientes. O pontoA no gráfico, porexemplo, indica-nosque a produção de FA de comida e CA de computadoreséeficiente. O mesmo se passa com FB de comida e CB de computadores (pontoB). Ospontosabaixodessalinhasãoineficientes, poisépossívelaumentar a produção de um dos bens semserforçado a reduzir a produção do outro.
  • O modelo de oferta e demandadescrevecomoospreçosvariam de acordo com o equilíbrio entre a disponibilidade e a procura. O gráficomostra um aumentonademanda de D1 para D2 e o consequenteaumento no preço e naquantidadenecessáriopara se atingir um novo ponto de equilíbrionacurva de oferta (S).
  • Osgráficosabaixoexplicitam de forma visual o argumento. Ostriângulosemcinzaclaroindicam o que  oseconomistaschamam de peso-morto. É um bem-estarqueexistia, mas que, com o imposto, éperdido; nãoéapropriadonempelosconsumidores, produtores e nempelogoverno. Éumaperda de bem-estar total. Vejaqueelaémenor no caso de umademandamenoselástica:(a diferença entre as linhasazuishorizontaisé o valor do imposto, igualem ambos oscasos)
  • A introdução de um impostofaz com quepasse a existirumadivergência entre o preçosque o clientepaga e o preçoque a empresarecebe. A diferença entre estesdoispreçosé, naturalmente a receita fiscal que o Estado arrecadaporcadaunidadetransaccionada. As decisões dos compradoressãodeterminadaspelopreço a pagar, enquantoque as dos vendedorespelopreçoquerecebem.
  • Emgeral, quantomaior a elasticidade, menor o efeito do imposto. Se a procura for muitoelástica e a oferta for inelástica (painel da esquerda da Figura), o imposto levará a uma ligeira subida no preço pago e uma grande redução do preço recebido pelas empresas. Se a procura for muito inelástica e a oferta for elástica (painel da direita), a introdução de um imposto vai provocar uma redução ligeira no preço recebido pelas empresas e um grande aumento no preço pago pelos compradores.
  • Na próximaseção, apresentamos as chamadasteoriasclássicas de comérciointernacional, istoé, a teoria da vantagemabsoluta, elaboradapor Adam Smith, e a teoria da vantagemcomparativaemfunção da produtividade do trabalho, descritapor David Ricardo. Na terceiraseção, serãoanalisadas a teoria da vantagemcomparativabaseadanadisponibilidaderelativa de fatores, atribuída a Heckscher e Ohlin, e as críticasqueelaenfrentaatualmente. Na quartaseçãoserãoapresentadas as teorias de comércio de produtosindustrializados. As idéias de vantagemcompetitiva de umanação, de produtividade e de inovaçõessãoexpostasnaquintaseção, fazendo-se um paralelo com Schumpeter naquestão das inovações. A sextaseçãodesenvolve o pensamento de Porter, contrapondo-o àsteoriasanteriores. Assim, as seçõescinco e seisdiscutem a teoria da vantagemcompetitiva de Porter. Finalmente, a sétimaseçãotraz a síntese dos pontossemelhantes e dos divergentes, além das conclusõesfinais do trabalho.
  • Entretanto, apesar das restriçõesapontadas, diversosestudosempíricostêmconfirmado o prognósticobásico do modelo de Ricardo, istoé, queospaísestenderiam a exportar bens cujaprodutividadeérelativamentealta e importaraquelescujaprodutividadeérelativamentebaixa.
  • conformeKrugman & Obstefeld (2001)
  • Segundo Willianson (1989),
  • Segundo Krugman e Obstefeld (2001),
  • Ainda de acordo com o autor, todopaíslimitariasuaproduçãoaos bens queestivessemdentro da faixa de qualidade dos produtosconsumidosinternamente, e issoportrêsrazões: peladificuldadeencontradapelosempresáriosparadescobrir a existência de umademandaquenãoexistissedomesticamente; pelafalta de familiaridade com essademanda, o queimpediria a invenção de um produto com característicasdesejadas; pelamaiordificuldade de adaptar as qualidades do produtonecessáriaspara o êxitocomercial, emvirtude da distância do mercado. Assim, Linder chegaàconclusão de que o comércio de produtosindustrializadosémaior entre países com níveis de rendasemelhantes. Essaconclusãoécontráriaaomodelo de Heckscher-Ohlin, queprevê um maiorpotencial de comércio entre países com diferentesníveis de rendaper capita, o quesignificadiferentesrazões capital-trabalho. Ouseja, o potencial de comércio de manufaturasémaior entre países com estrutura de demanda similar, ouainda, com rendaper capita similar.
  • Contra estavisãoesta a troika (2011)
  • Em “A vantagemcompetitiva das nações”, Porter (1993, p.1) iniciasuaanálise com umaindagação “porquealgumasnaçõestêmêxito e outrasfracassamnacompetiçãointernacional?”, para logo emseguidadizerque, se o objetivoémostrar as bases quesustentam a prosperidadeeconômicaseja de empresasouseja de nações, estaéumaindagaçãoequivocada, que a indagaçãocorretaseria “porqueumanação se torna base paracompetitidoresinternacionaisbemsucedidos?”, ou “porque as empresassediadasnumdeterminadopaíssãocapazes de criar e manterumavantagemcompetitivaemcomparação com osmelhorescompetitidores do mundonumdeterminado campo?”, ouainda, “porqueumasónaçãoé, com freqüência, sede de tantasempresaslíderesmundiais de umaindústria?”.A explicação, segundo Porter (1993), reside no papeldesempenhadopeloambienteeconômico, pelasintituições e pelaspolíticasnacionais, ouseja, sãoosatributos de umanaçãoqueestimulam a vantagemcompetitivaemumaindústria.Um conceitoessencialnaanálise de Michael Porter é o conceito de competitividade. Atéindicar o seuentendimento do queécompetitividade, elemencionadiversasconsideraçõessobre o termoque, aoseuver, nãoconstituemfundamentos de vantagemcompetitiva: fenômenomacroeconômicoimpulsionadoporvariáveiscomo taxa de câmbio, taxa de juros e déficitgovernamental; função da disponibilidade de mão-de-obrabarata e abundante; existência de recursosnaturaisabundantes; influenciadaporpolíticasgovernamentais; explicadapelasdiferenças de práticasadministrativas, incluindo as relações capital-trabalho.Para Porter (1993, p. 6-7), “[...] o únicoconceitosignificativo de competitividade a nívelnacionalé a produtividadenacional. Um padrão de vidaemelevaçãodepende da capacidade das empresas do país de atingir altos níveis de produtividade e aumentá-la, com o tempo [...]”.Nestesentido, Porter sugereque se deveabandonartoda a idéia de “naçãocompetitiva” comoexpressãoquetenhagrandesignificadopara a prosperidadeeconômica. A produtividade das empresasé o querealmenteinfluencia e determinaosníveis da prosperidadeeconômica de um país. Por outro lado, eleafirmaquenenhumanaçãopodesercompetitivaemtudo, ouserexportadoralíquida de tudo, o quecaracteriza o focosetorial de suaanálise.Explicar a “competitividade” a nívelnacionalé, portanto, responder àperguntaerrada. O quedevemoscompreender, emlugar disso, sãoosdeterminantes da produtividade e o ritmo do crescimentodessaprodutividade. Para encontrar as respostas, devemosfocalizarnão a economiacomo um todo, mas indústriasespecíficas e segmentos da indústria , [grifo do autor]. (PORTER, 1993, p. 9-10).As característicasdecisivas de umanaçãoquepermitemàssuasempresascriar e manter a vantagemcompetitivaemdeterminadoscamposconstituempara Porter, a vantagemcompetitiva das nações. Porter analisaque a globalização das indústrias e a internacionalização de empresasresultamem um paradoxo, estaria a naçãoperdendosuaimportância no sucessointernacional de suasempresas?, as empresasestariamtranscendendoospaíses?A vantagemcompetitivaécriada e mantidaatravés de um processoaltamentelocalizado. Diferençasnasestruturaseconômicas, valores, culturas, instituições e históriasnacionaiscontribuemprofundamentepara o sucessocompetitivo. O papel do paíssedeparecesertão forte quantosemprefoi, maisainda. Embora a globalização da competiçãopossa, aparentemente, tornar a naçãomenosimportante, emlugar disso parecefazê-la maisimportante. Com menosimpedimentosaocomércioparaproteger as empresas e indústriasinternasnãocompetitivas, a naçãosedeadquiresignificaçãocrescente, porqueéfonte do conhecimento e da tecnologiaquesustenta a vantagemcompetitiva. [...] Desdeque a companhia local permaneçacomo a verdadeirasede, conservando o controleefetivo, estratégico, criativo e técnico, a naçãocontinuarácolhendo a maioria das vantagenspara a suaeconomia, mesmoque a empresaseja de propriedade de investidoresestrangeirosou de uma firma estrangeira. Explicarporque um paísé a sede de competidoresbemsucedidosemsegmentos e indústriassofisticadosé, portanto, de importânciadecisivapara o nível de produtividade do país e suacapacidade de melhorar a produtividade com o tempo. (PORTER, 1993, p. 20).
  • Paul Dundes Wolfowitz (Nova Iorque, 22 de dezembro de 1943) é um professor e político norte-americano. Ex-presidente do Banco Mundial, arquiteto da política externa do governo de George W. Bush e da Guerra do Iraque. Renunciou ao cargo após escândalo no qual era acusado de lotear os altos cargos da instituição entre ex-companheiros de governo Bush. Foram os funcionários da banco que vazaram a informação de que Wolfowitz havia promovido suanamorada
  • Condições e consideraçõesrelacionadas se aplicam de forma maisgeral a qualquertipo de sistema econômico, baseados no mercado ou não, onde existeescassez.A escassez é definida pela quantidade de bens produzíveis ou comerciáveis, tanto necessários quanto desejados, maior do que capacidade de produção.[30] As condições são em forma de restrições à produção de fatores finitos disponíveis. Tais restrições dos recursos descrevem um conjunto depossibilidades de produção. Para consumidores ou outros agentes, as possibilidades de produção e a escassez implicam que, mesmo que os recursos seja plenamente utilizados, existemtrade-offs, quer seja de rabanetes por cenouras, tempo livre por salário ou consumo presente por consumo futuro. A noção marginalista de custo de oportunidade é um instrumento para medir o tamanho do trade-off entre alternativas competidoras. Tais custos, refletidos nos preços, são usados para prever as reaçõesápolítica pública, mudanças ou perturbações numa economia de mercado. Também são usadas para avaliar a eficiência econômica. De forma parecida, em uma economia planejada, relações de preço-sombra devem ser satisfeitas para um uso eficiente dos recursos.[31] Nesse caso também, o marginalismo pode ser usado como ferramenta, tanto para modelar unidades ou setores de produção quanto em relação aos objetivos do planejador central.
  • Um aspectoimportante dos contratosé, regrageral, serem "incompletos", istoé, nãoconseguemespecificartotalmente as obrigações das partesemtodas as situaçõespossíveis.[44] O desenvolvimentodestateoriagerounaturalmente um aprofundamento das teorias da negociação e renegociação. De facto, o seupropósitoénãosóexplicarcomo e porquêoscontratossãoformados entre osagentes, mas também as razõespelasquaiselesospõem, ounão, emcausa com o decorrer do tempo.A nova microeconomiapodeserusadapela economia industrial, economia do trabalho e pela economia pública, devido à sua capacidade para se aproximar das preocupações práticas de certos industriais
  • PIB per capita ajustadoaopoder de compra dos cidadãosequivale a 80% da média da UniãoEuropeia a 27, revelamos dados do Eurostat.Portugal é o terceiro País da Zona Euro com menor PIB per capita quandoajustadoaopoder de compra dos cidadãos, a seguiràEstónia e àEslováquia.Os dados hojedivulgadospeloInstitutoNacional de Estatística e pelo Eurostat revelamqueem 2010, o PIB per capita portuguêsemparidades de poder de comprasituou-se em 80% da média da União Europeia. Esta percentagem, que era de 75% em 2004, aumentou ligeiramente deste então.O INE apresentaumatabelacompartiva de 37 países, liderdapeloLuxemburgo, com um PIB per capita emparidades de poder de compraqueequivale a mais do dobro (272%) da médiaeuropeia. A Noruega, a Suíça, a Holanda e a Irlandasãoospaísesseguintes, com taxassuperiores a 100%.Inversamente, surgem no final da tabela a Albânia, a Bósnia-Herzegovina, a Sérvia e a Macedónia, com percentagensinferiores a 40%.Entre ospaíses da UniãoEuropeia, Portugal é o 10º com a percentagemmaisbaixa. Malta e a Eslovéniasuperam Portugal.
  •  The contraction in the global manufacturing sector continued in November. The global manufacturing PMI that I calculate on a GDP-weighted basis for the major economic regions was virtually unmoved at 49.6 from October’s 49.5. The relatively unchanged PMI masks significant changes in the individual countries and regions, though.The global manufacturing sector was saved by a higher than expected showing in the U.S. as my calculations show the global PMI excluding the U.S. fell from 48.7 in October to 47.8 In November. The ISM Manufacturing PMI surged by 1.9 to 52.7 from 50.8 in October. Outside the U,S., South Africa, Russia, Turkey and India were the only other economies where manufacturing expanded. The contraction in Brazil’s manufacturing sector eased significantly.The downturn in the Eurozone is gathering pace as the contraction in France and Germany, the two major economies in the region, is deepening. The Markit Eurozone Manufacturing PMI fell to 46.4 in November from 47.1 in October. After Ireland fell back into contraction, the manufacturing sectors of all countries in the Eurozone are now in recession while the contagion widened to emerging European economies. In both China and Japan the expansion ended abruptly. Elsewhere in the Far East the contraction in Taiwan continues and the contraction in South Korea has deepened.Manufacturing PMIDirectionRate of ChangeCountryNov11 Oct11U.S.*****52.750.8GrowingFasterEurozone*46.447.1 Contracting Faster Germany* 47.9 49.1 Contracting Faster France* 47.3 48.5 Contracting Faster Greece* 40.9 40.5 Contracting Slightly slower Italy* 44.0 43.3 Contracting Slight slower Spain* 43.8 43.9 Contracting Slightly faster Ireland* 48.5 50.1 Contracting From growing U.K.*47.647.4 Contracting Slightly slower Japan*49.150.6 Contracting From growing Australia* 47.8 47.4 Contracting Slightly slower Emerging Economies         Brazil* 48.7 46.5 Contracting Slower China** 49.0 50.4 Contracting From growing China S/A 48.3 50.6 Contracting From growing Czech* 48.6 51.7 Contracting From growing Poland* 49.5 51.7 Contracting From growing Turkey* 52.3 53.3 Growing Slower India* 51.0 52.0 Growing Slower Russia*52.650.4GrowingFasterTaiwan* 43.9 43.7 Contracting Slightly slower RSA***51.650.5GrowingFasterS Korea 47.1 48.0 Contracting Faster Global****49.649.5ContractingSlightly slower
  • Sources: Markit*; Li & Fung**; Plexus Asset Management****; ISM*****
  • http://www.financialsense.com/node/7042?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+fso+%28Financial+Sense%29&utm_term=FSO#.TtpUGJ6w5Bc.facebook
  • "A riquezaéparaajudarquem a não tem, nãoparadesfrutaregoisticamentedela", comenta González Faus. Em Jesus, antes do Cristianismo (ed. Paulinas), o sul-africano Albert Nolan, biblista e padre da Ordem dos Pregadores, oudominicanos, concorda: "A busca de riquezaestádiametralmenteopostaàbusca de Deus ou do "Reino" de Deus." E acrescentaque, além de se teropostoàsautoridadesreligiosas do judaísmo, Jesus também se confrontou com oshomens de negócios e as autoridadesjudaicas de Jerusalém.
  • 2012
  • No século XIX, Richard Cobden e John Bright, que baseavam as suas crenças sobre a escola de Manchester, iniciou um movimento para tarifas mais baixas. Em 1840, o Reino Unido adotou uma política menos protecionista, com a revogação das Leis do Milho e do Ato de Navegação.Os britânicos reduziram as tarifas e quotas, de acordo com Adam Smith e David Ricardo, para o livre comércio.Karl Polanyi argumenta que o capitalismo não surgiu até a mercantilização progressiva da terra, dinheiro e trabalho, culminando no estabelecimento de um mercado de trabalho generalizado no Reino Unido na década de 1830. Para Polanyi, "o alargamento do mercado para os elementos da indústria - terra, trabalho e dinheiro - foi a conseqüência inevitável da introdução do sistema fabril numa sociedade comercial.”Outrasfontesalegaramque o mercantilismocaiuapós a revogação dos Atos de Navegação, em 1849.
  • 14 Janeiro de 2012:John Lewis and a new vision for capitalismThis year looks set to be the one when all three major political parties compete to be the standard-bearers of “responsible capitalism”.There are far more employee-owned firms than the emphasis on John Lewis suggests, including Arup engineers, Make architects and Scott Bader chemical manufacturers. Photo: EPABy William Davies7:45PM GMT 14 Jan 20123 CommentsEd Miliband may have claimed this territory first, in his Labour Party conference speech distinguishing “producer” from “predatory” businesses. But the Conservatives and Liberal Democrats are now developing their own strategies for claiming this cause.The ownership of businesses is a crucial element of this. Miliband used the example of Southern Cross, a care-home business bought out by a private equity fund, to illustrate “predatory” capitalism. David Cameron has talked about empowering plc shareholders in order to restrict executive pay. More responsible and engaged forms of ownership are rightly viewed as a basis for a more sustainable business culture.Employee ownership can make a significant contribution in this respect. But it has largely figured in public-policy debate as a possible model for public-service delivery, not for private enterprise. It is odd that there has been so much talk of “John Lewises” in the public sector, and so little of “John Lewises” in the private sector, even though the latter are worth an estimated £30bn to the UK economy. There are also far more of these firms than the emphasis on John Lewis suggests, including Arup engineers, Make architects and Scott Bader chemical manufacturers.The ownership model is particularly well suited to medium-sized enterprises, which often struggle with business succession when their founders retire. Many of these businesses face a choice between family ownership (which typically fails within two to three generations), private equity ownership or being gobbled up by a competitor.As I argue in a new report published tomorrow by the Employee Ownership Association, All Of Our Business, there are two types of business value that will be crucial to the renewal of the British economy in the future. And both are integral to how employee-owned firms operate.
  • O capitalismocomo um sistemaintencional de umaeconomiamistadesenvolvida de forma incremental a partir do século XVI na Europa, embora organizações proto-capitalistas já existissem no mundo antigo e os aspectos iniciais do capitalismo mercantil já tivessem florescido durante a Baixa Idade Média. O capitalismo se tornou dominante nomundo ocidental depois da queda do feudalismo. O capitalismo gradualmente se espalhou pela Europa e, nos séculos XIX e XX, forneceu o principal meio da industrialização na maior parte do mundo.[7] As variantes do capitalismo são: o anarco-capitalismo, o capitalismo corporativo, o capitalismo de compadrio, o capitalismo financeiro, o capitalismo laissez-faire, capitalismo tardio, o neo-capitalismo, o pós-capitalismo, o capitalismo de estado, o capitalismo monopolista de Estado e o tecnocapitalismo.
  • Governoalemãonãoexclui a possibilidade de nacionalizar o banco Commerzbank, segundo a revista Der Spiegel.Citandofontes do Governoalemão, o Der Spiegel escrevequeBerlimpoderáreactivar um fundo de ajudaàbanca no caso de o Commerzbank nãoconseguirangariar capital suficientenospróximosseismeses, talcomoexige a AutoridadeBancáriaEuropeia (EBA)A revistaalemãacrescentaque um novo investimentoestatal no Commerzbank iráprovavelmentesignificar a nacionalização do banco. O Estado alemãojádetém 25% do capital do banco.Segundo a agência France Presse, o banco de Frankfurt foifortementeafectadopelacrise da dívidasoberanagrega.A EBA calculou as necessidades de recapitalização do Commerzbank atéao final de Junho de 2012 em 2.900 milhões de euros. Este valor representa 60% das necessidades de todo o sector bancárioalemão. (4 DEZ 2011)
  • Here's how we got saddled with this monstrosity: In the early 1900s — during the so-called Progressive Era — the US government began a radical program of intervention into the economy. Pundits hailed this as fostering a new "spirit of cooperation" between business and government. In fact, the new system was a precursor of socialism and fascism.Government-business cooperation took several forms, all of which conferred special privileges on favored firms, insulating them from the competition of the free market. Individual businesses and whole industries lobbied and bribed government officials for laws that benefited them at the expense of the consumer, and the whole operation was sold to the public as antimonopoly measures. This illegitimate and unconstitutional process happened time and time again, and government intervention became a permanent part of manufacturing, railroads, agriculture, and many other industries in the United States.This was the era when the US free market received a beating, and, for lovers of liberty, its effect was much worse than the New Deal's.In the free market, opportunity is granted to all and privilege to none. Laws affect all equally, businesses seek to meet the needs of the people, and the consumer is king. But in a system of government intervention, industries are no longer accountable to the needs of the people. They receive special privilege and status from the state. They are guaranteed profits, prices, and sales. Liberated from the dictates of the people, businesses are free to indulge themselves in plundering consumers.These were the years of many evils: the income tax, "making the world safe for democracy" through World War I, centralization through direct election of senators, the imperial presidency, Prohibition, and the Federal Reserve System. Academics, as is still the case, provided intellectual cover for these crimes. Thornton Cooke, writing in the pro-big-government American Economic Review in 1911, explained why banking needs to be centralized: "American banking has made little use of the principle of cooperation, yet for a generation that principle has been the greatest single factor in American economics." The railroads have their "community of interest arrangements" and manufacturing "has been integrated" so now, he said, it's time to consolidate banking.
  • Cooke's arguments were typical, repeated again and again by promoters of the Fed. They said, the current system was inadequate, it was out of step with the times, it caused banker isolation, and most importantly, bankers needed stronger guarantees of monetary inflation when it was needed; i.e., they wanted bailouts and guaranteed profits.About the then-current National Banking System (NBS), Cooke was lying. In fact a true gold standard monetary system with almost-free banking had not existed since two decades before the Civil War. The NBS actually represented a halfway point between free banking and central banking. And it did have problems, but these existed because of the government.Chiefly responsible for passing the National Banking Act of 1863 was Ohio investment banker Jay Cooke, who gained a government-granted monopoly on public debt underwriting. His success in the bond business gained him enormous influence with the Republican administrations during the Civil War and after, and especially with Salmon Chase, secretary of the Treasury, from Ohio, and Senator John Sherman from Ohio. Together they were able to push through Congress and past the public the National Banking Acts, all of which would benefit banking tremendously. Fractional-reserve banking was guaranteed by the government at 15 and 25 percent reserves. A 10 percent annual tax on state bank note issues was required, to force state banks into the NBS. Legal tender status was imposed on the national-bank notes.
  • Most of these vocal political movements had died out and were rejected by both parties by 1914. From the beginning of the debate, the business and banking community who wanted cartelization opposed the agenda of the political movements without any equivocation. Bankers wanted reform of the banking system, but of their own kind, for their own ends.Many proposals for monetary reform were presented to Congress after the NBS-generated monetary panic of 1893, all of them designed by elements within the banking community. There was ignorance concerning the complexities of banking from virtually every other sector. Typical was Theodore Roosevelt who, like many politicians, bragged of his ignorance saying: "I do not intend to speak … on the financial question — because I am not clear what to say." Among the first to call for a modern totally centralized bank was Lyman J. Gage, President McKinley's secretary of the Treasury and former president of the American Bankers Association.
  • Also associated directly or indirectly with the NMC were the most vocal advocates of centralized banking reform: O.M.W. Sprague of Harvard, Edwin W. Kemmerer of Princeton, M.L. Muhleman, James Laurence Laughlin of the University of Chicago, H. Parker Willis of Washington & Lee University, Thornton Cooke, William A. Scott, and many others.The commission produced a huge pro-central-bank document, assumed to be definitive, though really a boring monetary history under the National Banking System. The document's real function was to serve as the unanswerable critique of the status quo. Today, the Federal Reserve's own "Purposes and Functions of the Federal Reserve System" identifies the commission's research as the primary historical case for establishing the Federal Reserve.The commission was given an unlimited budget and broad investigative power, and they used them in part to travel to Europe to observe their central-banking systems. It was during these travels that Senator Aldrich educated himself about the intricacies of central banking and became an open advocate of central banking.
  • Warburg argued, as do current advocates of central banking, that certain sectors of the economy are unnecessarily strained during some seasons but not in others. For example, he argued, certain crops like wheat are harvested seasonally, and merchants and buyers are strained for sufficient cash to purchase what they might need for supplying the commodity during the upcoming months. The farmers then sell the wheat for below market prices, "dumping" it, which ultimately causes cyclical price fluctuations within the market for crucial commodities. These market fluctuations cause losses in all sectors, producers and sellers, and provide a disincentive to produce.
  • Warburg always insisted his plan did not provide for a central bank, but rather a "modified" version. His plan, though, contained the elements considered to be part of centralization: all reserves would be controlled by central authority, enforced through governmental, i.e., coercive, means.Warburg's brother-in-law became the chief advocate of the plan, Edwin R.A. Seligman of the investment banking family J. & W. Seligman and Company. Seligman was chiefly responsible for assuring the public that Warburg's plan did not involve total bank centralization and that his modified version would not be controlled by Wall Street. (A poll recently showed 59 percent of the bankers wanted a system that appeared to be free from "Wall Street or any monopolistic interest.")
  • The authority over the quality maintenance of notes would rest entirely with the NRA. On the issue of the quantity of notes in circulation, the commission again adopted the view of Warburg: market demand for money would determine that by member banks' rediscounting their commercial paper with the National Reserve Association and issuing notes on that basis. The paper would mature and the notes expire after demand returned to normal.
  • Among the shady participants at the important Jekyll Island meeting wereSenator Nelson W. Aldrich (Rockefeller in-law) Henry P. Davison (Morgan partner)Paul M. Warburg (Kuhn, Loeb & Co.)
Frank A. Vanderlip (VP of Rockefeller's National City Bank)Charles D. Norton (president of Morgan's First National Bank of New York)A. Piatt Andrew (Harvard economist, assistant to Aldrich on the National Monetary Commission, and banking expert)
  • For the first time, during the year 1911, academic, economic, and banking journals were overflowing with praise for the Aldrich Plan. In June, William Scott of the University of Wisconsin wrote that the Aldrich Plan would solve the "most fundamental defects in our currency system, namely: its lack of elasticity; the uneconomical use of banking reserves, their connection with the stock market, and their control by Wall Street." The plan would "greatly increase the efficiency of our banking reserves" and would eliminate the "evil effects of our present independent Treasury system."According to Scott,Persons who suspect that any measure proposed by Senator Aldrich must necessarily be designed to play into the hands of 'the interests' will look for a joker in his plan. They will have considerable difficulty, however, in finding it.Further,Wall Street could control the new institution only by absolutely controlling a majority of the banks that will purchase stock in the new institution, and even then its control would be tempered by the influence of the federal government … which will be great.
  • Thornton Cooke's echo argued for the plan in the same manner. He had glowing praise for the plan and assured the reader that "Wall Street cannot 'make money' out of the activities of the Association." The bank will only "furnish sufficient reserve of credit for ordinary seasonal needs," just as Warburg argued. In May of that year, the American Bankers Association approved the Aldrich Plan and endorsed a broader number of notes eligible for rediscounting.Only later in the year did a split occur within the ranks. The split was not over the goals of cartelizing the banking industry, of course, but again over political tactics of doing so. President of the Citizen's League J. Laurence Laughlin was a political realist and knew that Aldrich's name had to be removed from the bill. H. Parker Willis, his good friend and close aide, had warned him about this earlier and now Laughlin was convinced. Even Warburg later separated himself in public from the name Aldrich but, of course, this had no bearing on the facts.The Aldrich plan was presented to Congress in January of 1912, but with Aldrich about to retire and the Democrats about to win a victory later in the year, the bill never came to a vote; and banking reform was a dead issue for a while. The Citizens League continued, though, to function as a powerful and large-scale propagandist for banking reform, issuing pamphlets and brochures all over the country, especially in the South and West, educating people on the evils of the National Banking System and the benefits of centralized banking reform and a conglomerate banking cartel.The league's periodical "banking reform" was made into a book with 23 chapters dealing with all aspects of banking reform, but 11 were written by H. Parker Willis, a student of Laughlin's, who received $1,000 (over $9,100 in real terms). Willis had taught at Washington and Lee University, and two of his ex-students recommended Parker to their father to be his administrative assistant. Their father was Carter Glass of Virginia, ranking member of the House Committee on Banking and Currency. Willis accepted. Glass needed an assistant for two reasons: first he had no technical knowledge of the banking business, and secondly, he was given responsibility of considering monetary reform and working against the efforts of Arsene P. Pujo to assign the problem of banking reform to the Pujo Subcommittee who was soon to hold hearings on the "Money Trust."
  • E estãotodos no euro desde o início?Não. Portugal faz parte do grupo de 11 fundadoresqueestánamoedaúnicadesde o seuinício. A Grécianãocumpriainicialmenteoscritérios de adesão, e só se juntouàuniãomonetáriaem 2001.Com a expansão da UniãoEuropeia a Leste a partir de 2004, a zona euro tambémganhouváriosnovosmembros. Em 2007, aderiu a Eslovénia; em 2008, Chipre e Malta; em 2009, a Eslováquia; e, em 2011, a Estónia.Queméquefabrica as notas e moedas do euro?A produção de notasédescentralizadapordenominações e está a cargo dos bancoscentrais dos 17 estados-membros. As moedas de cadapaíssãoproduzidasporentidadesnacionais; em Portugal, a cunhagem de moedas de euro cabeà Casa da Moeda.Como éque se pode saber se uma nota foifabricadaem Portugal?Verifique o número de série da nota; a letra antes do númeroidentifica o paísondeelafoiproduzida. A letra “U”, porexemplo, refere-se àFrança; a letra “X” significanotas da Alemanha. Se a letra for “M”, a nota foifabricadaem Portugal.Ondeficamosedifíciosretratadosnasnotas de euro?Emladonenhum. As pontes, janelas, pórticos e fachadasretratadosnos euros saíram da imaginação do artistaaustríaco Robert Kalina, e retratamestilosarquitectónicos da história da Europa. Quantomaisvaliosa a nota, maisrecente o estilo. Porexemplo: a nota de 5 euros éilustradapormotivosarquitectónicos no estilo “clássico”, a 20 é de estilo “gótico”, a de 50 é “renascentista”, e a nota de 500 tem arquitectura “moderna”.E osdesenhos das moedas?As moedas de euro têmuma face comum e uma face nacional. As faces nacionais das moedasportuguesasforamdesenhadasporVítor Manuel Fernandes dos Santos, queutilizouostrêsselosreais de D. AfonsoHenriques, rodeadosporcastelos e escudos de Portugal, e pelas 12 estrelas da União.Épossívelhaver euros de paísesquenãopertencemàzona euro?Hámoedas de euro de paísesquenemsequersãomembros da UniãoEuropeia: Mónaco, São Marino e Vaticano.Ainda se pode trocar notas e moedas de escudo?Para as moedas, o prazoacabou no fim de 2002. Para as notas, o prazoestipuladoé 20 anosdepois da data de retirada de circulação da chapa. Ouseja, paranotasmaisrecentes, como a de 2000 escudos com Bartolomeu Dias, o período de trocaainda se prolongapelospróximosdezanos.Porqueéque o euro se chama euro?Segundo um panfleto da ComissãoEuropeia, considerou-se a possibilidade de usar a designação do cabaz de moedas do sistemamonetárioeuropeu - Ecu – para a moedaúnica.No entanto, Ecufoirejeitadoporque «a Françajátinhatidoumamoeda com essenome», a palavra «lembrava o escudo português» e «o somemalemãoéparecido com a expressão «umavaca». Acaboupor se chegaraonome «euro», quecumpreosrequisitos de serpronunciávelemtodas as línguas da União, fácil de escreveremtodososalfabetos, e nãoternenhumareferênciaóbviaàsantigasdivisas (marco, franco, florim, etc.).Qualé a maisvaliosamoeda de euro?O euro éumadivisarecente, mas algumas das suasmoedasjásãopeças de colecção. Segundo o site www.2euro-preise.de, a moeda de euro mais preciosa foi emitida pelo Mónaco em 2007, uma edição comemorativa de uma moeda de dois euros com a efígie da princesa e antiga actriz Grace Kelly. Estas moedas são transaccionadas por mais de mil euros cada.E a nota maisvaliosa?As notasnãodespertam o mesmointeresse dos numismatas. No entanto, a nota de maiordenominação, a de 500 euros tem umagrandeprocura, porquepermiteconcentrar um grande valor monetárionumnúmerorelativamentepequeno de notas.Isso fez com que a nota de 500 euros se tornasse popular entre criminosos. Em 2006, um quarto de todas as notas de 500 euros estavamemEspanha, obrigando as autoridadesespanholas a empreenderacções contra o tráfico e o branqueamento de capitais.E quantovalia um euro em escudos?A taxa de conversão do escudo para euros foifixadadefinitivamente a 31 de Dezembro de 1998: um euro valia 200,482 escudos.
  • O Pacto de Estabilidade e Crescimento (ou PEC) é um acordo entre ospaíses da União Europeia. O PEC é consubstanciado nos artigos 99° e 104° do Tratado de Roma (tal como alterado pelo Tratado da União Europeia ou de Maastricht), num Protocolo anexo ao referido Tratado, nos regulamentos nº 1466/97 e 1467/97 e uma resolução do Conselho Europeu, publicados no Jornal Oficial das Comunidades Europeias (entretanto designado como Jornal Oficial da União Europeia) em 2 de Agosto de 1997.O PEC foiadoptadoparaevitarquepolíticasfiscaisirresponsáveistivessemefeitosnocivossobre o crescimento e a estabilidademacroeconómica dos países da UniãoEuropeia, em particular aquelesqueadoptaram o Euro como sua moeda.De acordo com o PEC, todosospaíses da UniãoEuropeiadevemapresentarregularmenteprogramas de estabilidadeouprogramas de convergência (aquelesparaospaísesquefazem parte da área do euro, estesparaosqueaindanãoadoptaram o euro), devemrespeitarosobjectivosmacroeconómicoscontidos nesses programas e devemevitardéficespúblicossuperiores a 3% do PIB, bem como valores da dívida pública superiores a 60% do PIB (valores do PIB a preços de mercado). Défices superiores àquele valor podem levar a sanções, incluindo pagamento de multas.Do PEC destacam-se as seguintesintenções a concretizaratravés de legislação posterior.Emtermos de IRS/IRC:1) Sujeiçãoà taxa de 20% de todas as maisvaliasmobiliárias, ficandoexcluídososinvestidoresqueobtenhammaisvaliasnum valor anualaté 500 €.2) O valor das deduçõesàcolecta do IRS serádiferenciadotendoemconta o rendimentocolectável dos contribuintes. Para o efeitoserãoestabelecidoslimites, correspondentes a umapercentagem do rendimentocolectável, paracadaescalão de rendimentos. Ficamexcluídosdestaregraosdoisprimeirosescalões de IRS e as deduçõesrelativasàspessoas com deficiência.3) Eliminação da dedução com seguros de vida e de acidentespessoais.4) Redução da deduçãoespecífica, actualmente de 6.000 €, pararendimentos de pensões de valor anual superior a 22.500 €.5) Criação de uma nova taxa marginal de IRS de 45%, aplicávelaossujeitospassivosqueobtenham um rendimentoanual superior a 150.000 €.6) Congelamento das deduçõesactualmenteindexadasà RMMG (RetribuiçãoMínima Mensal Garantida), atéque o IAS (Indexante dos ApoiosSociais) correspondaà RMMG em vigor em 2010.7) Sujeição a tributaçãoautónoma dos saláriosouquaisquerretribuições, acima de um determinadolimite de referência, aosAdministradores, SóciosouGerentes de empresasqueapresentemprejuízos.8) Reforço da tributaçãoautónomaaplicável a benefíciosacessórios, designadamentepara as empresasquepaguemajudas de custo, atribuamviaturasaosseuscolaboradores, oupratiquemoutrasformas de retribuiçãoemespécie.9) Criação de estímulosfiscaisàaquisição de veículoseléctricospor parte das empresas.10) O incentivoao abate ficaráprogressivamentereservadoàcompra de veículoseléctricosou com emissõesaté 100 g/Km.Emtermos de Segurança Social:1) O PEC prevêumamedida de carácterprogramático, queconsiste no alargamento e controlo da base contributiva.2) O Objectivoacimamencionadojá se encontravaprevisto no CódigoContributivoaprovado o anopassado e cujaentradaem vigor foiadiadapara um de Janeiro de 2011.3) Reforço de cruzamento de dados com a Administração Fiscal.4) Processoautomatizado de declarações de remuneraçõesoficiosas.Um dos principaisobjectivos do PEC é a distribuiçãoequitativa do esforço de consolidaçãoorçamental e a promoção do reforço da equidade fiscal.
  • Além disso, notava um relatório do Banco Central Europeu (BCE) em 2008, "a actual percentagem do euro nasreservasoficiais a nívelmundialémaiselevada do que a percentagem da soma de todas as moedasque o euro substituiu - incluindo o marcoalemão - quecorrespondia a cerca de 18% em 1998".Marc Chandler consideracontudoqueeste valor é "artificial": "Esses dados foraminfluenciadospor [osbancoscentrais] se estarem a ajustarpara a entrada do euro, e játinhamcomeçado a reduzirsuasreservas de outrasmoedaseuropeias. Era melhorolharpara o quehavia antes de o tratado Maastricht tersidoassinado [em 1992].E aí, o marco e o francotinhamàvolta de 25% [das reservasmundiais], o mesmoque agora."Éprecisoaindaconsiderar as reservas de composiçãodesconhecida - quetêmvindo a crescer a um ritmomuitomais forte que as conhecidas. Em 2001, as reservasdesconhecidasrepresentavammenos de 23,5% do total; em 2010, jáeramquase 45%, 
sempresegundoos dados da COFER.As reservascujacomposiçãonãoédivulgadapertencemsobretudo a países do MédioOriente (particularmenteosexportadores de petróleo) e da Ásia (sobretudo a China).Marc Chandler consideraque "o grosso" do crescimentonasreservasnãoconhecidasestána China e em Taiwan."Diriaqueos dados que se conhecemapontamparaque as reservaschinesassejammaisoumenosdoisterçosemdólares dos EUA, outrafatia [de perto de um quarto] em euros, e o restoemoutrasdivisas, como o dólaraustraliano", acrescenta Chandler. Ouseja, umadivisãomuitosemelhanteàrepartição das reservasmundiaisconhecidas.Aindaquantoàsreservasconhecidas, note-se que a proporção do euro jáatingiuos 27,5% em 2009 - mas reduziu-se no anopassado, àmedidaque se desenrolava a crise das dívidassoberanaseuropeias.
  • Muitasdessasteoriaschamam a atençãopara as diversaspráticaseconômicasque se tornaraminstitucionalizadasna Europa entre os séculos XVI e XIX, especialmente envolvendo o direito dos indivíduos e grupos de agir como "pessoas legais" (ou corporações) na compra e venda de bens, terra, mão-de-obra e moeda, em um mercado livre, apoiados por um Estado para o reforço dos direitos da propriedade privada, de forma totalmente diferente ao antigo sistema feudal de proteção e de obrigações.
  • Muitasreligiões têm criticado ou sido contra elementos específicos do capitalismo. O judaísmo tradicional, o cristianismo e o islamismo proíbem emprestar dinheiro a juros, embora os métodos bancários tenham sido desenvolvidos em todos os três casos e adeptos de todas as três religiões são autorizados a emprestar para aqueles que estão fora de sua religião. O cristianismo tem sido uma fonte de louvor para o capitalismo, bem como uma fonte de críticas ao sistema, particularmente em relação aos seus aspectos materialistas. O filósofo indiano P.R. Sarkar, o fundador do movimento Ananda Marga, desenvolveu a Lei do Ciclo Social para identificar os problemas do capitalismo.Oscríticosargumentamque o capitalismoestáassociadoàdesigual distribuição de renda e poder, uma tendência de monopólio ou oligopólio no mercado (e do governo pela oligarquia) imperialismo, a guerra contra-revolucionária e várias formas de exploração econômica e cultural, a repressão dos trabalhadores e sindicalistas e fenômenos como a alienação social, desigualdade econômica, desemprego e instabilidade econômica. O capitalismo é considerado por muitos socialistas um sistema irracional em que a produção e a direção da economia não são planejadas, criando muitas incoerências e contradições internas.Osambientalistas argumentam que o capitalismo exige crescimento econômico contínuo, e, inevitavelmente, esgota os recursos naturais finitos da Terra e outros recursos amplamente utilizados. Historiadores e estudiosos, como Immanuel Wallerstein, argumentam que o trabalho não-livre, por escravos, servos, prisioneiros e outras pessoas coagidas, é compatível com as relações capitalistas.
  • O anarquismo, tambémconhecidocomo "comunismolibertário", e o socialismocientíficode Marx coincidemquantoaoobjetivo final: atingir o comunismo, estagioemquenãoexistemmaisdivisões de classes, exploração, e nemmesmo o Estado.Entretanto, paraosmarxistas, antes dessa meta faz-se necessáriaumafaseintermediária, a ditadura do proletariado.[10] Jánaconcepção dos anarquistas, as classes, as instituições e as tradiçõesdevemsererradicadasimediatamente, tendocomofinalidade a aniquilação do Estado.Ascríticasmútuas entre anarquistas e marxistaslevaram a umaconvivência de choques e divergências, comprovadapelasrivalidadesqueocorreramposteriormentenospaísesondeambas as facçõescoexistiramnaluta contra a ordemestabelecida,taiscomona Rússia após a Revolução e na Espanha durante a Guerra Civil.
  • Murray Newton Rothbard (2 de março de 1926 - 7 de janeiro de 1995) foi um economista americano da Escola Austríaca que ajudou a definir o conceito de moderno libertarianismo e fundou uma vertente de capitalismo baseada no livre mercado, denominada "anarco-capitalismo". Rothbard utilizou a ênfase da Escola Austríaca na ordem espontânea e condenação do planejamento central para chegar a uma conclusão anarco-individualista.A EscolaAustríacaapoia a economia de livre mercado e critica as caracterizadas pelo comando estatal por destruir a função de informação dos preços e inevitavelmente levar ao totalitarismo. Influentes austríacos foram Eugen von Böhm-Bawerk, Friedrich Hayek e Ludwig von Mises. Rothbard argumentou que toda a teoria econômica austríaca nada mais é do que o desenvolvimento de todas as implicações lógicas do fato de que os seres humanos agem de forma proposital.Rothbardtambém era versadoem história e filosofia política. Os livros de Rothbard, como Man, Economy, and State (Homem, Economia, e Estado), Power and Market (Poder e Mercado), The Ethics of Liberty (A Ética da Liberdade), e For a New Liberty (Por uma Nova Liberdade), são considerados por alguns como clássicos do pensamento jusnaturalista libertário. Ele também estudou as escolas econômicas pré-Adam Smith, tais como os escolásticos de Salamanca e os fisiocratas e os discutiu em seu trabalho inacabado multi-volume, Uma Perspectiva Austríaca sobre a História do Pensamento Económico.Rothbardseparaosdiferentestipos de intervençãoemtrêscategorias: intervenção "autista", queé a interferênciasemenvolvertrocas, comorestringir a liberdade de expressão; intervenção "binária", queéforçartrocas entre o agressor e indivíduos, como no caso da tributação, e intervenção "triangular", queconsisteemforçartrocas entre osindivíduos, comoatravés do controle de preços. De acordo com Sanford Ikeda, a tipologia de Rothbardelimina as lacunas e inconsistênciasqueaparecemnaformulação original de Mises.Rothbardfoi um ardentecrítico do influenteeconomista John Maynard Keynes e do pensamentoeconómicokeynesiano. SeuensaioKeynes, o homem, é um ataque as idéiaseconómicas e aopersonagem Keynes. Rothbardfoitambém um críticosevero do, entre outros, filósofoutilitarista Jeremy Bentham emseuensaioJeremy Bentham: The Utilitarian as Big Brother, publicadoemsuaobra, Classical Economics (EconomiaClássica).Rothbardenunciou "a lei de Rothbard", segundo a qualosacadémicostenderiam a se especializar no queelessãopiores. Henry George, porexemplo, foigrandeemtudo, exceto no quedizrespeito a terra, sendoassim, eleescreveusobre terra, 90% do tempo. Milton Friedman foiexcelente, excetoemteoriamonetária, entãofoinissoqueele se concentrou.Murray Rothbarddedica um capítuloemPower and Marketpara o papeltradicional do economista. Rothbard nota que as funções do economista no livremercado, diferemmuito das do economistaem um mercadoobstruído. "O quepodefazer um economista no livremercadopuro?" Rothbardpergunta. "Elepodeexplicar o funcionamento da economia de mercado (umatarefa vital, especialmenteporque a pessoaignorantetende a considerar a economia de mercadocomomerocaosdesordenado), mas nãopodefazermuitomais.”
  • Rothbard "combinou a economialaissez-faire de seu professor Ludwig von Mises com os pontos de vista absolutistas dos direitos do homem e a rejeição do estado que ele tinha absorvido a partir do estudo dos anarquistas individualistas americanos do século XIX, como Lysander Spooner e Benjamin Tucker". De Spooner e Tucker, Rothbard escreveu:Rothbard "combinou a economia laissez-faire de seu professor Ludwig von Mises com os pontos de vista absolutistas dos direitos do homem e a rejeição do estado que ele tinha absorvido a partir do estudo dos anarquistas individualistas americanos do século XIX, como Lysander Spooner e Benjamin Tucker". De Spooner e Tucker, Rothbard escreveu:“ Lysander Spooner e Benjamin T. Tucker foraminsuperáveiscomofilósofospolíticos e nada émaisnecessáriohoje do que um relançamento e desenvolvimento do amplamenteesquecidolegadoquedeixaram a filosofiapolítica ... Existe, no corpo de pensamentoconhecidocomo 'economiaaustríaca", umaexplicaçãocientífica do funcionamento do livremercado (e das consequências da intervençãogovernamental no mercado), queanarquistasindividualistaspoderiamfacilmenteincorporaremseupolítico e social Weltanschauung. ” Rothbard fez oposiçãoaoqueconsiderouuma super especialização da academia e tentoufundir as disciplinas de economia, história, ética e ciência política para criar uma "ciência da liberdade." Rothbard descreve a base moral para a sua posição anarco-capitalista em dois de seus livros: For New Liberty, publicado em 1972, e The Ethics of Liberty, publicado em 1982. No Power and Market (1970), Rothbard descreve como uma economia sem Estado funcionaria.
  • De maneirasemelhanteaoocorridonaUniãoSoviética, o regime socialistaimplementadoem outros paísestrouxeconsequênciasbrutaispara o povo. No Camboja, cerca de 1,5 milhão foram executados como consequência do regime do Khmer Vermelho] Na Coreia do Norte, estima-se que de 900 mil a duas milhões de pessoas tenham morrido de fome após o colapso do regime soviético.[21] Antes disso, de 700 mil a mais de 3,5 milhões de pessoas teriam sido assassinadas pelo regime de Kim Il-sung. Cerca de 2,5 milhões morreram como vítimas de perseguição política durante o período conhecido como Grande Salto Adiante na China. No Vietname, o regime comunista teria feito de 200.000 a 900.000 vítimas na década de 1950. Na Etiópia, cerca de meio milhão de pessoas foram assassinadas durante o Terror Vermelho de 1977 e 1978.Como consequência do socialismo real, a semântica do termo "socialismo" foi alterada profundamente ao longo do século XX, sendo hoje associada por alguns ao totalitarismo e ao desrespeito aos direitos humanos. A Igreja Católica, por exemplo, afirma ter "rejeitado as ideologias totalitárias e ateias, associadas, nos tempos modernos, ao comunismo ou ao socialismo”. O desafio que enfrentam alguns teóricos atualmente é associar a ideia de socialismo à democracia e devolver valores humanísticos em seus ideais, que apesar de serem incluídos na teoria marxista original, nunca foram postos em prática. De fato, atualmente, muitas correntes de pensamento divergem acerca do socialismo. Algumas não crêem que as experiências taxadas de socialistas (a União Soviética sendo o maior exemplo) possam realmente ser assim consideradas, por não terem se mantido fiéis às propostas dos pensadores originais - já que os meios de produção pertenciam ao Estado controlado por burocratas e não pelo povo trabalhador. Além disso, o Estado aumentou o seu controle ao invés de diminuir, ainda havia salários e, portanto, a existência da mais-valia, fonte de lucro da burguesia. Deste modo, não acabou a exploração e sim modificou-se quem explorava, conservando os mesmos instrumentos de exploraçãocapitalista.Outrascorrentesconsideramnecessária a adequação do socialismoaocontextoatual e crêemquetanto as definições dos pensadoresoriginaiscomo o socialismopostoempráticanão se adequamàatualidade. O grandeconsensoqueháé o de trabalharparaalcançar a justiça social, o quefaz com que as definiçõesclássicas de socialismo, bemcomo as publicações a seurespeito, sirvammaiscomoorientaçãohistórica do quecomo "manuaisideológicos" oudefiniçõesexatas (pelomenospara a maioria dos pensadores).Sendoassim, algunscríticos do socialismoclássico (e aí se incluemnãoapenasdefensores de outros sistemas político-econômicos, mas também uma significativa parcela dos socialistas modernos) acreditam que o modelo de transição proposto por Marx em sua teoria[2] não tenha mais fundamento nos tempos de hoje. Por outro lado, muitas correntes socialistas ainda procuram se manter fiéis aos conceitos de Marx a respeito da Revolução Socialista e da fase de transição ao comunismo, conceitos que ainda consideram válidos em sua essência, com uma ou outra atualização para os dias atuais.
  • Anthony Giddens, (born 8 January 1938) is a British sociologist who is known for his theory of structuration and his holistic view of modern societies. He is considered to be one of the most prominent modern contributors in the field of sociology, the author of at least 34 books, published in at least 29 languages, issuing on average more than one book every year. In 2007, Giddens was listed as the fifth most-referenced author of books in the humanities.Three notable stages can be identified in his academic life. The first one involved outlining a new vision of what sociology is, presenting a theoretical and methodological understanding of that field, based on a critical reinterpretation of the classics. His major publications of that era include Capitalism and Modern Social Theory (1971) and New Rules of Sociological Method (1976). In the second stage Giddens developed the theory of structuration, an analysis of agency and structure, in which primacy is granted to neither. His works of that period, such as Central Problems in Social Theory (1979) and The Constitution of Society (1984), brought him international fame on the sociological arena.The most recent stage concerns modernity, globalization and politics, especially the impact of modernity on social and personal life. This stage is reflected by his critique of postmodernity, and discussions of a new "utopian-realist”third way in politics, visible in the Consequence of Modernity (1990), Modernity and Self-Identity (1991), The Transformation of Intimacy (1992), Beyond Left and Right (1994) and The Third Way: The Renewal of Social Democracy (1998). Giddens's ambition is both to recast social theory and to re-examine our understanding of the development and trajectory of modernity.Giddens served as Director of the London School of Economics 1997–2003, where he is now Emeritus Professor.
  • Giddens's theory of structuration explores the question of whether it is individuals or social forces that shape our social reality. He eschews extreme positions, arguing that although people are not entirely free to choose their own actions, and their knowledge is limited, they nonetheless are the agency which reproduces the social structure and leads to social change. His ideas find an echo in the philosophy of the modernist poet Wallace Stevens who suggests that we live in the tension between the shapes we take as the world acts upon us, and the ideas of order that our imagination imposes upon the world. Giddens writes that the connection between structure and action is a fundamental element of social theory, structure and agency are a duality that cannot be conceived of apart from one another and his main argument is contained in his expression "duality of structure". At a basic level, this means that people make society, but are at the same time constrained by it. Action and structure cannot be analysed separately, as structures are created, maintained and changed through actions, while actions are given meaningful form only through the background of the structure: the line of causality runs in both directions making it impossible to determine what is changing what. In Giddens own words (from New rules...) :“ "social structures are both constituted by human agency, and yet at the same time are the very medium of this constitution."[11] ” 
In this regard he defines structures as consisting of rules and resources involving human action: the rules constrain the actions, the resources make it possible. He also differentiates between systems and structures. Systems display structural properties but are not structures themselves. He notes in his article Functionalism: après la lutte (1976) that:“ "To examine the structuration of a social system is to examine the modes whereby that system, through the application of generative rules and resources is produced and reproduced in social interaction.” ”This process of structures (re)producing systems is called structuration. Systems here mean to Giddens "the situated activities of human agents” (The Constitution of Society.) and "the patterning of social relations across space-time” (ibid.). Structures are then "...sets of rules and resources that individual actors draw upon in the practices that reproduce social systems’” (Politics, Sociology and Social Theory) and "systems of generative rules and sets, implicated in the articulation of social systems"[11] (The Constitution of Society.), existing virtually "out of time and out of space”(New rules....). Structuration therefore means that relations that took shape in the structure, can exist "out of time and place": in other words, independent of the context in which they are created. An example is the relationship between a teacher and a student: when they come across each other in another context, say on the street, the hierarchy between them is still preserved.Structure can act as a constraint on action, but it also enables action by providing common frames of meaning. Consider the example of language: structure of language is represented by the rules of syntax that rule out certain combinations of words.[7] But the structure also provides rules that allow new actions to occur, enabling us to create new, meaningful sentences. Structures should not be conceived as "simply placing constrains upon human agency, but as enabling.”(New rules....) Giddens suggests that structures (traditions, institutions, moral codes, and other sets of expectations - established ways of doing things) are generally quite stable, but can be changed, especially through the unintended consequences of action, when people start to ignore them, replace them, or reproduce them differently.Thus, actors (agents) employ the social rules appropriate to their culture, ones that they have learned through socialisation and experience. These rules together with the resources at their disposal are used in social interactions. Rules and resources employed in this manner are not deterministic, but are applied reflexively by knowledgeable actors, albeit that actors’ awareness may be limited to the specifics of their activities at any given time. Thus, the outcome of action is not totally predictable.
  • POLITICA: Diferentemente da União Soviética que tentou fazer a transição política para um regime democrático liberal simultâneamente à transição econômica para o capitalismo de mercado, a China vem fazendo reformas econômicas em ritmo muito mais acelerado do que as reformas políticas. O governo continua controlado políticamente pelo Partido Comunista, pois mesmo com a permissão de funcionamento de outros partidos, estes são insignificantes. O Partido Comunista chinês controla o ritmo e a velocidade da abertura econômica, garantindo altas taxas de crescimentoeconómico, sem grande desgaste político. A prioridade política de longo prazo do partido não é implementar um processo de abertura rápida para um regime democrático, que é considerado algo de alto risco. A estratégia adotada tem sido a de manutenção da integridade territorial chinesa e a defesa da reunificação da China, que tem pautado a lógica de "um país, dois regimes" (para Hong Kong e Macau), e direciona os processos de abertura política de forma lenta e gradual para permitir a reaproximação com Taiwan.
  • Nãointeressaexportarquandomuitodaquiloque se exportavem de fora. E éeste o problema da economiaportuguesa, segundo o economista Augusto Mateus.O preço base do iPhone nos Estados Unidos ronda os 499 dólares (384 euros). A China exporta-o por 135 dólares (103 euros). E destes 135 dólares, os chineses pagam 112 dólares (86 euros) à Coreia – pelo ecrã –, a Taiwan e ao Japão – pelos componentes e chips. Resumindo, quem mais fica a ganhar são os Estados Unidos e não quem exporta o produto, neste caso a China. O exemplo foi dado ao Negócios pelo economista e professor Augusto Mateus, para ilustrar aquilo que acontece em Portugal.“Portugal anda a fazer um pouco de China. Portugal émais China do quepensamos”, frisou o economista, sustentando a afirmação com os dados apresentados no estudoquelhefoiencomendadopelaCaixaGeral de Depósitos (CGD), “Exportação, valor e crescimento”. De acordo com o estudo, antecipadoaoNegócios, entre 1986 e 2008 registou-se um aumento do conteúdoimportado da produçãonacional de 12,6% para 14,6%. Estatrajectóriaassumiuumaexpressãomaissignificativanaexportação (20,2% em 1986 e 25,9% em 2008) e se nosfocarmosapenasnasecçãoexportadoranaindústria, a análiserevelaque, nesteperíodo, o conteúdoimportadosubiu de 25,5% para 38,2%. Nestasduasdécadas, porcadacincoexportações a maisefectuadaspelaindústriaportuguesa, quatroforam de conteúdoimportado. As indústrias de baixatecnologiatêmsido, de resto, as únicas com maior peso naincorporação de valor acrescentadonacional do quenaincorporação de importaçõesintermédias. O contributo global da exportaçãopara o valor acrescentadodesceu de 21% em 1986 paramenos de 17% em 2005.E éna forte componente da importaçãonos bens exportadosque reside um dos principaisproblemas da economianacional, resumiu Augusto Mateus, pois “o quefaz a competitividade de umaempresaé o quevendesemsercomprado”.
  • Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano, ULHT 2011/2

    1. 1. Economia Política`12 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos
    2. 2. "First they ignore you, then they ridicule you, then they fight you, then you win.” (Ghandi)
    3. 3. O Que é a Economia?  A Economia, ou atividade económica, consiste na produção, distribuição e consumo de bens e serviços. O termo economia vem do grego οικονομία (de οἶκος , translit. oikos, 'casa' + νόμος , translit. nomos, 'costume ou lei', ou também 'gerir, administrar': daí "regras da casa" ou "administração doméstica”.  É também a ciência social que estuda a atividade económica, através do desenvolvimento da teoria económica, e que tem na administração a sua aplicação. Os modelos e técnicas atualmente usados em economia evoluíram da economia política do final do século XIX, derivado da vontade de usar métodos mais empíricos à semelhança das ciências naturais. Pode representar, em sentido lato, a situação económica de um país ou região; isto é, a sua situação conjuntural (relativamente aos ciclos da economia) ou estrutural.
    4. 4. Economista A profissionalização da economia, refletida no crescimento dos cursos de graduação, tem sido descrita como "a principal mudança na economia desde 1900”. A maioria das principais universidades e faculdades tem um curso, escola ou departamento que atribui títulos académicos na área. O Prémio Nobel de Economia é um prémio anual concedido a economistas que tenham feito contribuições notáveis à disciplina. No mundo profissional, os economistas encontram ocupação como consultores, principalmente nos setores bancário e financeiro. No setor público podem trabalhar em várias agências e departamentos como o tesouro nacional, o Banco Central, e entidades oficiais de estatística, entre outros.
    5. 5. Micro e Macro economia  A economia é geralmente dividida em dois grandes ramos: a microeconomia, que estuda os comportamentos individuais, e a macroeconomia que estuda o resultado agregado dos vários comportamentos individuais. Atualmente, a economia aplica o seu corpo de conhecimento para análise e gestão dos mais variados tipos de organizações humanas (entidades públicas, empresas privadas, cooperativas etc.) e domínios (internacional, finanças, desenvolvimento dos países, ambiente mercado de trabalho, cultura, agricultura, etc.).  Outras formas de divisão da disciplina são: a distinção entre economia positiva ("o que é", que tenta explicar o comportamento ou fenómeno econômico observado) e economia normativa ("o que deveria ser", frequentemente relacionado com políticas públicas); a distinção entre economia ortodoxa, aquela que lida com o nexo "racionalidadeindividualismo-equilíbrio", e a economia heterodoxa, que pode ser definida por um nexo "instituições-história-estrutura social”.
    6. 6. Microeconomia  Para Paul Krugman e Robin Wells,"uma das principais questões da microeconomia é a busca da validade da intuição deAdam Smith, saber se os indivíduos na busca dos seus interesses próprios contribuem para promover os interesses da sociedade no seu conjunto”.  Efetivamente, o foco de interesse da microeconomia é, antes de tudo, o estudo das escolhas dos agentes económicos, isto é, da forma estes procedem dado um conjunto de diferentes opções, comparando os benefícios e inconvenientes para a prossecução dos seus objetivos ou para a satisfação dos seus interesses - o postulado utilitarista.
    7. 7. MICROECONOMIA A microeconomia estuda as interações que ocorrem nos mercados em função da informação existente e da regulação estatal. Distinguem-se os mercado de bens e serviços dos mercados de fatores de produção, capital e trabalho, por terem diferentes agentes e formas de funcionamento
    8. 8. Teoria microeconómica A teoria compara os agregados da quantidade global demandada pelos compradores e da quantidade fornecida pelos vendedores, o que determina o preço. Constrói modelos que descrevem como o mercado pode conseguir o equilíbrio entre o preço e a quantidade, ou como pode reagir a alterações do mercado ao longo do tempo, que é o que se denomina de mecanismo da oferta e da procura. As estruturas de mercado, como a concorrência perfeita e o monopólio, são analisadas para tirar conclusões sobre o seu comportamento e a sua eficiência económica. A análise de um mercado é feita a partir de hipóteses simplificadoras, como por exemplo a racionalidade dos agentes e equilíbrio parcial (parte-se do pressuposto de o mercado não é afetado pelo que se passa em outros mercados ). Uma análise em equilíbrio geral é um estudo mais abragente, que permite avaliar as consequências sobre os outros mercados, para compreender as interações e os mecanismos que podem levar a uma situação de equilíbrio.
    9. 9. Fluxo circular da Economia
    10. 10. Princípios da Economia (Mankiw) Como as pessoas tomam decisões? A economia reflete o comportamento das pessoas que a compõe. Os quatro primeiros princípios da economia estão relacionados com as decisões individuais. #1 As pessoas defrontam-se com escolhas #2 O custo de uma coisa é aquilo de que abdicamos para obtê-la #3 As pessoas racionais pensam marginalmente #4 As pessoas respondem aos incentivos
    11. 11. Como as pessoas interagem? #5 O comércio pode ser benéfico para todos #6 Os mercados são normalmente uma boa forma de organizar a actividade económica #7 Os governos podem por vezes melhorar os resultados dos mercados
    12. 12. Como a economia funciona? #8 Os padrões de vida de um país dependem da sua capacidade de produzir bens e serviços #9 Os preços aumentam quando o governo imprime demasiado dinheiro #10 A sociedade defronta-se com um compromisso de curto prazo entre a inflação e o desemprego
    13. 13. Como as pessoas tomam decisões? 1.As pessoas enfrentam tradeoffs “Nada é de graça”. Para se conseguir algo é necessário tomar decisões. A tomada de decisão exige escolher algo em detrimento de outra opção. Um exemplo é a alocação do tempo, o recurso mais precioso de um estudante. Este pode usá-lo para estudar história. Ou pode usá-lo para estudar economia. Ou uma combinação de ambos. O mais importante é que ao fazer a opção por história, estará deixando de estudar economia. Usar o dinheiro agora ou poupá-lo? Usar um Euro agora significa que não terá este Euro no futuro. Guardá-lo significa que não poderá usá-lo agora.
    14. 14. Casos clássicos de tradoffs Quando os indivíduos agrupam-se em sociedade surgem outros tipos de tradeoffs. Alguns clássicos •“armas ou manteiga”. Quando se gasta com defesa nacional, obtém-se armas e uma sociedade mais protegida. No entanto, diminui-se a produção e menos se poderá gastar com os bens de consumo representados pela manteiga.
•poluição e alto nível de renda. Políticas de proteção ambiental custam caro e causam três efeitos: diminuição da margem de lucro do empreendedor, salários menores ou preços mais altos. Normalmente uma combinação dos três. Para proporcionar um meio ambiente menos poluído e com evidentes benefícios para a saúde é preciso encarar o custo de um menor padrão de renda para empresários, trabalhadores e clientes.
•eficiência e equidade. Eficiência refere-se ao melhor uso possível do recurso disponível. Equidade à distribuição do recurso pela sociedade. A primeira refere-se ao tamanho do bolo construído e a segunda à distribuição deste bolo. As políticas sociais, o imposto de renda, levam à uma maior equidade; no entanto, diminuem a recompensa pelo trabalho produtivo e com isso as pessoas trabalham menos e produzem menos. Quando um governo tenta dividir um bolo em fatias iguais, o bolo diminui de tamanho. Reconhecer que as pessoas enfrentam tradeoffs são significa dizer como deverão proceder, apenas que devem considerar este fator ao tomar decisões pois terão uma melhor visão de suas opções.
    15. 15. Como as pessoas tomam decisões? 2.O custo de alguma coisa é aquilo que você desiste para obtê-la Quanto custa para um estudante fazer uma universidade? Se pensar em mensalidade, moradia e alimentação estará ainda longe deste custo. Moradia e alimentação ela teria de qualquer jeito, talvez até mais barato. Quando custo o fato desta pessoa não estar trabalhando? Para a maioria dos estudantes o salários que deixam de ganhar, enquanto estão na faculdade são o maior custo de sua educação. • O custo de oportunidade de um item é o que se abre mão ao escolhê-lo.
    16. 16. Como as pessoas tomam decisões? 3.As pessoas racionais pensam na margem As decisões que tomamos na vida raramente são “preto no branco”; elas geralmente envolvem diversos tons de cinza. A decisão não é de jejuar ou comer até estourar, a decisão é se comemos mais um bife ou não, mais uma colher de arroz ou não. São as mudanças marginais, vale a penas comer esta colher a mais? Qual será meu benefício marginal? Qual será meu custo marginal? Em muitos casos as pessoas tomam melhores decisões quando pensam na margem. Um tomador de decisão executa uma ação se, e somente se, o benefício marginal da ação ultrapassa o custo marginal.
    17. 17. Como as pessoas tomam decisões? 4.As pessoas reagem a incentivos Como as pessoas tomam decisões por meio de comparação de custos e benefícios, seu comportamento pode mudar quando os custos e benefícos mudam. Quando o preço da maçã sobe, as pessoas passam a comer mais pêra. Ao mesmo tempo, os produtores contratam mais pessoas e passam a produzir mais maçãs. O resultado é uma pressão para diminuição do preço pelo aumento da oferta e diminuição da procura. Muitas políticas afetam os benefícios e os custos para as pessoas, muitas vezes de maneira indireta. Ao analisarmos qualquer política, precisamos considerar não apenas seus efeitos diretos, mas também aos efeitos indiretos que operam por meios de incentivos.
    18. 18. Como as pessoas interagem? 5.O Comércio pode ser bom para todos O comércio não é uma prática esportiva; a vitória de um não significa a derrota do outro. Empresas concorrem umas com as outras, países concorrem uns com os outros, indivíduos concorrem um com os outros. No entanto, ao mesmo tempo em que são concorrentes, conseguem se beneficiar do comércio entre eles. O comércio pode ser um jogo em que os dois jogadores ganham. O comércio permite que as pessoas se especializem nas atividades em que são melhores, permitindo que desfrutem de uma maior variedade de bens e serviços.
    19. 19. Como as pessoas interagem? 6. Os Mercados são Geralmente uma Boa Maneira de Organizar a Atividade Económica Foi Adam Smith quem primeiro sistematizou este princípio. Por mais que indivíduos e empresas procurem o lucro pessoal e pensem individualmente, o resultado final é favorável à sociedade como um todo. Smith usou o termo mão invisível do mercado para descrever este paradoxo. Para que este efeito aconteça, a competição é fundamental pois gera preços menores e maior eficiência na produção. Em contraste, a teoria do planejamento central era de que apenas o governo poderia organizar a atividade econômica de uma maneira que promovesse o bem-estar económico de todo o país. O principal mecanismo para organizar a atividade econômica é o preço. Quando ele pode flutuar livremente, permite os ajustes automáticos do sistema. No planejamento centralizado, os preços eram fixados por agentes do estado que impedia o ajuste automático dos preços e, em consequência, que a mão invisível atuasse coordenando as milhões de famílias e empresas que compõe a economia.
    20. 20. Como as pessoas interagem? 7.Às vezes os Governos Podem Melhorar os Resultados do Mercado Para que a mão invisível funcione, é preciso que o governo a proteja. Os mercados só funcionam bem se o direito à propriedade é respeitado. Ninguém investe na produção se não tiver garantias que este investimento estará protegido. Além disso, existem dois motivos genéricos para que o governo intervenha na economia: 1.Externalidade. São os impactos das ações de uma pessoa ou empresa no bem- estar do próximo. Um exemplo é a poluição. O governo precisa agir para conter as externalidades.
 2.Poder de Mercado. É a capacidade de algumas pessoas ou empresas de influírem indevidamente nos preços. O poder de mercado é nocivo à concorrência.
 Quanto há externalidades ou poder de mercado, políticas públicas bem concebidas podem aumentar a eficiência económica.
    21. 21. Como a economia funciona 8.O Padrão de Vida de um País Depende de sua Capacidade de Produzir Bens e Serviços Quase todas as variações de padrão de vida podem ser atribuídas a diferenças de produtividade entre os países _ ou seja, a quantidade de bens e serviços produzidos em uma hora de trabalho. A taxa de crescimento da produtividade de um país determina a taxa de crescimento de sua renda média. Para elevarem os padrões de vida, é preciso elevar a produtividade garantindo: •melhor nível de educação •ferramentas adequadas •tecnologia
    22. 22. Como a economia funciona 9.Os Preços Sobem Quando o Governo Emite Moeda Demais Trata-se da inflação, a elevação de preços que ocorre na sociedade de forma geral. Ela é causada principalmente pela elevação da quantidade de moeda em circulação. Um dos vilões é o governo que muitas vezes precisar emitir dinheiro para saudar seus próprios compromissos. Seu efeito é nocivo para a sociedade. Manter a inflação em níveis baixos é um objetivo permanente das autoridades econômicas.
    23. 23. Como a economia funciona 10.A Sociedade Enfrenta um Tradeoff de Curto Prazo entre Inflação e Desemprego Por uma série de motivos, pelo menos no curto prazo, a diminuição da inflação leva ao aumento do desemprego e viceversa. Este efeito é medido por um gráfico chamado curva de Philips. A escolha entre desemprego e inflação é apenas temporária, mas pode levar alguns anos. Por isso, reduzir a inflação torna-se ainda mais difícil para os governos pois pode gerar um recessão temporária.
    24. 24. Teoria Clássica A teoria microeconómica standard assume que os agentes económicos, as famílias ou as empresas, são "racionais”, isto é, supõe-se terem habilidades cognitivas e informações suficientes para, por um lado, construir critérios de escolha entre diferentes opções possíveis, por outro, para maximizar a sua satisfação dadas as restrições a que estão sujeitos. Presume-se que são capazes de identificar as restrições sobre estas escolhas, tanto restrições "internas" (as sua capacidade tecnológica, no caso das empresas, por exemplo), como as "externas" (por exemplo, as resultantes da conjuntura económica). É o paradigma do homo economicus, que não implica a priori que os critérios de escolha dos indivíduos sejam puramente egoístas. Podem perfeitamente ser "racionalmente" altruístas.
    25. 25. Teoria microeconómica clássica Esta teoria deve sua existência à síntese feita pela economia matemática neoclássica das décadas de 1940 e 1950, entre os contributos da corrente marginalista do século XIX e da teoria do quilíbrio geral de Walras e Pareto John Hicks e Paul Samuelson são considerados os pais da microeconomia tradicional atual , que podemos dividir em quatro áreas: 1. A teoria do consumidor, que estuda o comportamento das famílias ao fazer opções de consumo sujeitas a restrições orçamentais; 2. A teoria da firma, que estuda o comportamento de empresas que pretendem maximizar seus lucros sujeitos a restrições tecnológicas; 3. A teoria das trocas dos mercados, que podem ou não ser concorrenciais; 4. A teoria do ótimo económico, que recorre ao conceito de Pareto para avaliar a eficiência económica das interações coletivas entre os agentes, através do comércio.
    26. 26. Produção  Em microeconomia, produção é um processo que usa insumos para criar produtos, destinados ao comércio ou ao consumo. A produção é um fluxo, logo é mensurável através de um rácio por unidade de tempo. É comum distinguir entre a produção de bens de consumo (alimentos, cortes de cabelo, etc.) vs. bens de investimento (novos tratores, edifícios, estradas, etc.), bens públicos (defesa nacional, segurança pública, proteção civil, etc.) ou bens privados (computadores novos, bananas, etc.).  As entradas para o processo de produção incluem fatores de produção básicos como o trabalho, capital (bens duradouros usados na produção, como uma fábrica) e terra (incluindo recursos naturais). Outros fatores incluem bens intermédios usados na produção dos bens finais, como por exemplo o aço no fabrico de um carro novo.
    27. 27. Custo de Oportunidade  O custo de oportunidade, relacionado com o custo económico, é o valor da melhor alternativa disponível quando se tem que fazer uma escolha entre duas opções mutuamente exclusivas. É descrita como sendo a expressão da "relação básica entre escassez e escolha". O custo de oportunidade é um fator que garante a utilização eficiente dos recursos escassos, pois o custo é ponderado face ao valor gerado, no momento de decidir aumentar ou reduzir uma atividade. Os custos de oportunidade não se restringem a custos monetários. Podem também ser medidos em tempo (de lazer, por exemplo) ou qualquer outra coisa que corresponda a um benefício alternativo (utilidade, no vocabulário microeconómico) A eficiência económica descreve o quanto um sistema utiliza bem os recursos disponíveis, dada a tecnologia disponível. A eficiência aumenta se conseguirmos obter um maior resultado sem aumentar os recursos usados, ou seja, se conseguirmos reduzir o "desperdício". Dizemos que temos uma eficiência de Pareto quando estamos num ponto onde nenhuma alteração na forma como usamos os recursos disponíveis consegue melhorar o resultado para alguém sem piorar a situação de outro.
    28. 28. Fronteira de Possibilidades  A fronteira de possibilidades de produção (FPP) é uma ferramenta analítica que representa a escassez, custo e eficiência. No caso mais simples, estudamos uma economia que produz apenas dois bens. A FPP é uma tabela ou gráfico (ver ilustração) que mostra as várias combinações de quantidades dos dois produtos que é possível ter, dado a tecnologia e os fatores de produção disponíveis.  Cada ponto na curva mostra uma produção potencial total máxima para a economia, que é a produção máxima possível para um bem, dada uma quantidade de produção para o outro bem. É um ponto de eficiência produtiva por maximizar a produção para um total dado de insumos. Um ponto "dentro" da curva é possível mas representa ineficiência produtiva (uso de insumos com desperdício), no sentido de que é possível aumentar a produção de um ou ambos os bens no sentido nordeste em direção a um ponto na curva.
    29. 29. Curva de possibilidades
    30. 30. Escassez  A escassez é representada na figura pela impossibilidade de se poder produzir para além da FPP. São os pontos acima da linha, impossíveis de atingir com os recursos e tecnologia disponíveis. É também representada pelo declive da curva, que representa o quanto da produção de um bem diminui quando a produção do outro aumenta, numa relação inversa.[14] Isso ocorre porque uma maior produção de um bem requer a transferência de insumos da produção do outro bem, forçando a sua diminuição. É um exemplo de custo de oportunidade e significa que escolher mais de um bem implica ter menos do outro.
    31. 31. Políticas Públicas  Estar na curva pode ainda não satisfazer completamente a eficiência alocativa (também apelidado de eficiência de Pareto) se a curva não consistir numa combinação de produtos que os consumidores tenham preferência face a outros pontos ou combinações. Numa economia de mercado, o ponto da curva onde a economia se posiciona pode ser explicado pela escolha que os agentes acham mais preferível.  Muito da economia aplicada em políticas públicas está preocupada em determinar como a eficiência de uma economia pode ser aumentada.Encarar a realidade da escassez para então perceber como podemos organizar a sociedade para ter o uso mais eficiente dos recursos tem sido descrito como sendo a "essência da economia", onde a disciplina "faz a sua contribuição ímpar”
    32. 32. Especialização  A especialização é considerada um aspecto chave para a eficiência económica, devido a diferentes agentes (indivíduos ou países) terem diferentes vantagens comparativas. Mesmo que um país detenha vantagem absoluta em todos os setores, tem vantagem em se especializar nas áreas onde tenha as maiores vantagens comparativas, efetuando depois trocas comerciais com outros países. Consegue desta forma obter uma maior quantidade dos produtos onde não se especializou comparado com a opção de produzir tudo por si. Um exemplo disso é a especialização dos países desenvolvidos em produtos de alta tecnologia, preferindo adquirir os bens de manufatura aos países em desenvolvimento, onde a mão-de-obra é barata e abundante.
    33. 33. Especialização  A teoria defende que desta forma se consegue obter um maior total de produtos e utilidade, comparando com a situação em que cada país decide pela produção própria de todos os produtos. A teoria da vantagem comparativa é responsável pela crença generalizada dos economistas nos benefícios do comércio livre. O conceito aplica-se a indivíduos, fazendas, fábricas, fornecedores de serviços e a economias. Em qualquer um destes sistemas produtivos podemos ter (1) uma divisão do trabalho onde cada trabalhador é responsável por uma tarefa distinta e (2) especializada fazendo parte do esforço produtivo, ou diferentes formas de uso do capital fixo e da terra.
    34. 34. Divisão do Trabalho  A Riqueza das Nações (1776), de Adam Smith faz uma discussão notável dos benefícios da divisão do trabalho. A forma como os indivíduos podem aplicar da melhor forma o seu trabalho, ou qualquer outro recurso, é um tema central do primeiro livro da obra. Smith afirmava que um indivíduo deveria investir recursos, por exemplo, terra e trabalho, de forma a obter o maior retorno possível. Desta forma, as várias aplicações de um mesmo recurso devem ter uma taxa de retorno igual (ajustada pelo risco relativo associado a cada atividade). Caso contrário, acabaria por ocorrer uma realocação de recursos melhorando o retorno. O economista francês Turgot fez o mesmo raciocínio dez anos antes, em 1766. Estas ideias, escreveu George Stigler, são a proposição central da teoria econômica.
    35. 35. Ganhos de comércio  De forma mais geral, a teoria diz que fatores do mercado, como os custos de produção e os preços dos insumos, determinam a alocação dos fatores de produção tendo em conta a vantagem comparativa. São escolhidos os insumos mais baratos, de forma a ter o mais baixo custo de oportunidade para cada tipo de produto. Com este processo, a produção agregada aumenta como efeito colateral. Esta especialização da produção cria oportunidades para ganhos com o comércio em que os detentores dos recursos beneficiam do comércio vendendo um tipo de produto contra outros bens de maior valor. Uma medida dos ganhos de comércio é o aumento na produção (formalmente, a soma do acréscimo do excedente do consumidor e dos lucros do produtor) resultante da especialização na produção e do consequente comércio.
    36. 36. Oferta e Procura  A teoria de oferta e procura explica os preços e as quantidades dos bens transacionados numa economia de mercado e as respetivas variações.  Na teoria microeconômica em particular, refere-se à determinação do preço e quantidade num mercado de concorrência perfeita, que tem um papel fundamental na construção de modelos para outras estruturas de mercado, como monopólio, oligopólio e competição monopolística) e para outras abordagens teóricas.
    37. 37. Procura  Para o mercado de um bem, a procura mostra a quantidade que os possíveis compradores estariam dispostos a comprar para cada preço unitário do bem. A demanda é frequentemente representada usando uma tabela ou um gráfico relacionando o preço com a quantidade demandada (ver figura). A teoria da procura descreve os consumidores individuais como entidades "racionais" que escolhem a quantidade "melhor possível" de cada bem, em função dos rendimentos, preços, preferências, etc. Uma expressão para isso é 'maximização da utilidade restringida' (sendo a renda a "restrição" da procura). Para esse contexto, "utilidade" refere-se às hipotéticas preferências relativas dos consumidores individuais. A utilidade e a renda são então usadas para modelar os efeitos de mudanças de preço nas quantidades procuradas.
    38. 38. Curva da procura
    39. 39. Lei da procura  A lei da procura diz que, regra geral, o preço e a quantidade procurada num determinado mercado estão inversamente relacionados. Por outras palavras, quanto mais alto for o preço de um produto, menos pessoas estarão dispostas ou poderão comprá-lo ( tudo o resto inalterado). Quando o preço de um bem sobe, o poder de compra geral diminui (efeito renda) e os consumidores mudam para bens mais baratos (efeito substituição). Outros fatores também podem afetar a procura. Por exemplo, um aumento na renda desloca a curva da procura em direção oposta à origem, como é exemplificado na figura.
    40. 40. Leis da Oferta (S) e da Procura (D)
    41. 41. Oferta  Oferta é a relação entre o preço de um bem e a quantidade que os fornecedores colocam à venda para cada preço desse bem. A oferta é normalmente representada através de um gráfico relacionando o preço com a quantidade ofertada. Assume-se que os produtores maximizam o lucro, o que significa que tentam produzir a quantidade que lhes irá dar o maior lucro possível. A oferta é tipicamente representada como uma relação diretamente proporcional entre preço e quantidade (tudo o resto inalterado).
    42. 42. Lei da Oferta  Quanto maior for o preço pelo qual uma mercadoria pode ser vendida, mais produtores estarão dispostos a fornecê-la. O preço alto incentiva a produção. Em oposição, para um preço abaixo do equilíbrio, há uma falta de bens ofertados em comparação com a quantidade demandada pelo mercado. Isso faz com que o preço desça. O modelo de oferta e demanda prevê que, para curvas de oferta e demanda dadas, o preço e quantidade irão se estabilizar no preço em que a quantidade ofertada é igual à quantidade demandada. Esse ponto é a intersecção das duas curvas no gráfico acima, o equilíbrio do mercado.
    43. 43. Excesso de Oferta
    44. 44. Curva da Procura e Valor  Para uma determinada quantidade de um bem, o ponto do preço na curva da procura permite determinar o valor, ou utilidade marginal para os consumidores para essa unidade de produto. Ele indica a quantia que um consumidor estaria disposto a pagar por aquela unidade específica do bem: o seu custo marginal.  O preço no ponto de equilíbrio é determinado pela conjugação da oferta e demanda. Por isso podemos dizer que, em mercados perfeitamente competitivos, a oferta e a demanda conseguem um equilíbrio entre o custo e o valor.
    45. 45. Oferta e elasticidade  Do lado da oferta, alguns fatores de produção são relativamente fixos no curto prazo, o que pode afetar os custos em caso de alteração do nível de produção. Por exemplo, equipamentos ou maquinaria pesada, espaço de fábrica adequado, e pessoal qualificado. Um fator de produção variável pode ser alterado facilmente, para se adequar ao nível de produção escolhido. Exemplos incluem: o consumo de energia elétrica, a maioria das matérias primas, horas extraordinárias e trabalhadores temporários. No longo prazo, todos os fatores de produção podem ser ajustados pela gestão. Mas estas diferenças podem resultar numa diferente elasticidade (rapidez de resposta) da curva da oferta no curto prazo, que podem implicar diferenças face aos resultados de longo prazo previstos pelo modelo.
    46. 46. Elasticidade-preço da procura
    47. 47. Elasticidade-preco da oferta
    48. 48. Elasticidade-preço da procura nos impostos  É bastante comum ouvirmos dizer que esse tipo de coisa é “imoral, injusto”, e sei lá mais o quê. Por exemplo: remédios têm elevadíssimas cargas tributárias. Alimentos básicos também. Os itens alimentícios mais taxados são os da cesta básica. Pois é, parece realmente injusto, não é?  Mas existem explicações econômicas para isso. Estes produtos (presentes mais procurados para mães, remédios, cesta básica) têm elasticidade-preço da demanda muito baixa, por serem bens de necessidade e não terem substitutos próximos.  Elasticidade-preço da procura indica quanto varia (em percentagem) a quantidade demandada de um produto, dada uma variação percentual do preço. Quando a demanda é mais elástica, pequenas variações nos preços provocam reduções mais do que proporcionais da quantidade demandada. E vice-versa.  Isso ocorre porque as pessoas precisam de comer, mesmo que o preço da cesta básica tenha subido; precisam tomar seus remédios, mesmo que o preço tenha subido muito; e querem comprar determinados presentes para suas mães, pois a cultura impõe isso, independentemente do preço, de quantas parcelas será o financiamento ou o nível de extorsão do cartão de crédito…
    49. 49. Perda de bem estar nos impostso de baixa elastecidade é menor  Quando o governo cria um imposto sobre um produto, o preço dele sobe no mercado, reduzindo a quantidade demandada. Quando a demanda por ele é menos elástica, no entanto, essa redução é proporcionalmente menor, o que pode dar uma renda de tributação maior ao governo.  Mas essa não é a única razão para taxarmos mais os produtos de baixa elasticidade. Sim, o governo está interessado em maximizar a sua receita tributária. Mas, para a sociedade, em geral, a perda de bem-estar gerada por um imposto sobre produtos de baixa elasticidade é menor do que para produtos de mais elevada elasticidade.
    50. 50. Aplicação: Elasticidade dos impostos
    51. 51. Efeitos económicos do Imposto  Em termos económicos, portanto, a introdução de um imposto implica a criação de uma ineficiência, de uma perda líquida de bem-estar. Compradores e vendedores perdem mais do que o montante que o Estado arrecada. A criação de impostos é pois mais do que uma simples transferência de riqueza de uns agentes para outros na Economia o que, no mínimo, sugere que o Estado deve ter uma convicção forte de que vai dar bom uso à receita fiscal gerada com um imposto antes da sua criação.
    52. 52. O que acontece quando se introduz um imposto?  Desde há muito tempo que os Estados usam os impostos para arrecadar os meios de que necessitam para fazer face aos seus gastos. Existem dois grandes tipos de impostos. O primeiro tipo são os impostos directos, tais como o IRS ou IRC. Estes impostos são cobrados directamente aos indivíduos e empresas, em função das características destes indivíduos e empresas (nestes casos em particular, dos rendimentos que eles auferiram durante o ano). O segundo grande tipo de impostos são os impostos indirectos, de que o IVA é um exemplo. Estes são cobrados com base nas transacções efectuadas, independentemente dos agentes envolvidos nessas transacções.
    53. 53. Impostos Indiretos  Os impostos que vamos analisar aqui são deste segundo tipo, impostos indiretos. Este tipo de impostos tem um impacto imediato sobre o preço dos produtos sobre os quais incide. Se um determinado produto tem uma taxa de IVA de 23%, todas as vezes que uma unidade desse produto é transaccionada, 23% do seu preço destina-se aos cofres públicos, independentemente do rendimento ou de outra qualquer características da pessoa que o compra. Isto faz com que o preço do produto seja (quase sempre) diferente do que seria caso não existisse o imposto.  (Como veremos adiante, na maior parte dos casos, a subida de preços será inferior ao montante do imposto).
    54. 54. Duas formas de analisar o efeito dos impostos sobre o preço
    55. 55. Efeitos do Impostos A análise dos efeitos económicos do imposto pode fazer-se de duas formas que são equivalentes. A primeira forma é considerar uma nova curva da oferta, uma curva que reflicta o facto de que, para além de suportarem os seus custos, as empresas têm agora que pagar também o imposto. Por conseguinte, só aceitarão vender uma dada quantidade se, além dos seus custos, o preço que recebem cobrir também o imposto a pagar (Figura 1). A curva encontra-se acima da curava da oferta original . Isto reflecte o facto de que, para estarem dispostas vender uma quantidade , as empresas no mercado exigem agora receber um preço enquanto que antes estariam dispostas a vender essa quantidade por um preço inferior. Antes da existência do imposto, as empresas venderiam a quantidade ao preço . Com a introdução do imposto, a quantidade transaccionada reduzse para e o preço sobre para . Repare-se, contudo, que a subida do preço é inferior ao montante do imposto, uma vez que também as empresas assumem parte do ónus associado à introdução do imposto. Na Figura 1, isto manifesta-se no facto de as empresas passarem a receber apenas e não como inicialmente.
    56. 56. Impostos com oferta inalterada A segunda forma de analisar o efeito do imposto é considerar que a oferta se mantém inalterada, que as alterações se encontram ao nível da procura. Em rigor, e tal como anteriormente a oferta não se alterava, a procura não se altera. A procura não sofre alteração, uma vez que os consumidores continuam a tomar as suas decisões com base nas mesmas preferências. Porém, do ponto de vista da empresa, o que é relevante não é quanto é que os consumidores estão dispostos a pagar por uma dada quantidade, mas quanto é que a empresa irá receber pela venda dessa unidade. A procura líquida de imposto representa isso mesmo. Para obter a procura líquida de imposto, aos preços constantes da curva da procura para cada quantidade, subtrai-se o valor do imposto respectivo. No painel da direita da Figura 1, se o comprador pagar um preço , a empresa só fica com um valor equivalente a . As suas decisões serão pois tomadas com base nesta procura líquida de impostos (). Estas duas formas de analisar o problemas são equivalentes e, como se pode ver, o resultado é idêntico. No que se segue, vamos usar a abordagem da esquerda. Para analisar o efeito dos impostos em mercados para os quais não está definida uma curva da oferta usa-se a abordagem da direita.
    57. 57. Quem paga o imposto - a incidência fiscal  Quando se discute uma alteração fiscal - a introdução de um imposto ou alteração da sua taxa - é comum ouvir as empresas do sector ou as suas associações fazer campanha contra essa introdução em nome dos interesses dos compradores desse produto. Segundo normalmente afirmam, serão os compradores quem, em última análise, irá pagar o imposto. É compreensível que as empresas façam campanhas nesta base. Porém, o argumento não é inteiramente correcto, e é útil saber até que ponto ele é correcto.  Uma das questões mais importantes na análise económica dos impostos é a questão da incidência do imposto, isto é, de quem paga o imposto. Naturalmente que não estamos a pensar na questão de saber quem é que entrega o dinheiro do imposto às Finanças, o que normalmente é feito pelas empresas por uma questão de facilidade processual. A questão mais importante é a de saber sobre quem recaem os efeitos da existência do imposto.
    58. 58. O ónus do imposto  A distribuição do ónus associado ao imposto que é arrecadado pelo Estado entre compradores e vendedores pode não ser igual e, em geral, não o é. A parte que é suportada pelos compradores corresponde à redução do excedente dos consumidores, a parte suportada pelos vendedores à redução do excedente dos vendedores. Como veremos de seguida, a distribuição deste ónus depende das elasticidades da procura e da oferta.
    59. 59. Quem paga? Incidência dos Impostos
    60. 60. Aplicação ao Comercio Internacional  A teoria clássica de comércio exterior procura explicar o comércio internacional a partir da produtividade relativa dos fatores de produção, determinando que o fluxo do comércio resulta de uma dotação inicial desses fatores. Ou seja, os países devem se especializar na produção dos bens para os quais possuam vantagens comparativas, oriundas da abundância dos fatores utilizados na produção desses bens. Por outro lado, a teoria das vantagens competitivas buscou elucidar empiricamente as determinantes da capacidade competitiva de determinados países, com o objetivo de verificar como emergem as vantagens obtidas no comércio internacional. Trata-se de buscar uma resposta para aquela que parece ser a pergunta central a ser respondida: por que é que empresas sedeadas em determinadas nações alcançam sucesso internacional em segmentos e indústrias distintos? Diante disso, importa realizar uma análise comparativa entre as teorias clássicas de comércio internacional e seus desenvolvimentos posteriores, os modelos baseados no desenvolvimento do mercado interno e na concorrência monopolística e a contribuição de Porter para o assunto.
    61. 61. Crítica de Porter  Aquilo que Michael Porter denomina teoria econômica consagrada é alvo de suas críticas. Segundo esse autor, as teorias clássicas de comércio internacional devem ser consideradas, na melhor das hipóteses, incompletas, e, na pior das hipóteses, incorretas.
    62. 62. TEORIAS CLÁSSICAS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL  A partir da segunda metade do século XVIII surgiram os debates sobre comércio internacional que influenciaram a teoria econômica moderna. Até aquela época, o conhecimento acerca do comércio exterior derivava apenas dos escritos da escola mercantilista, que justificavam o comércio internacional pela oportunidade que ele oferecia de se obter um excedente na balança comercial. O objetivo era o superávit comercial, que deveria ser atingido a qualquer custo.
    63. 63. Adam Smith  Smith, A Riqueza das Nações , publicado originalmente em 1776, desenvolveu a teoria das vantagens absolutas como a base do comércio internacional. A vantagem absoluta de um país na produção de um bem resulta de uma maior produtividade, ou seja, da utilização de uma menor quantidade de fatores para produzir esse bem enfrentando menores custos. O autor postulou que nem sempre é necessário que um país obtenha excedentes de comércio exterior para que as trocas comerciais internacionais sejam vantajosas, e que as trocas voluntárias entre países podem beneficiar todos os envolvidos na operação.
    64. 64. Adam Smith: “Eis uma máxima que todo chefe de família prudente deve seguir: nunca tentar fazer em casa aquilo que seja mais caro fazer do que comprar. O alfaiate não tenta fabricar seus sapatos, mas os compra do sapateiro. Este não tenta confeccionar seu traje, mas recorre ao alfaiate. O agricultor não tenta fazer nem um nem outro, mas se vale desses artesãos. Todos consideram que é mais interessante usar suas capacidades naquilo em que têm vantagem sobre seus vizinhos e comprar, com parte do resultado de suas atividades, ou o que vem a dar no mesmo, com o preço de parte das mesmas, aquilo de que venham a precisar.” (SMITH, 1985:380).
    65. 65. Conclusão Dessa forma, cada país deve se concentrar na produção dos bens que lhe oferecem vantagem absoluta. Aquilo que exceder o consumo interno do bem produzido deveria ser exportado, e a receita equivalente ser utilizada para importar os bens produzidos em outro país. Como a capacidade de consumo dos países envolvidos no comércio internacional será maior após a efetivação das trocas, Adam Smith concluiu que o comércio exterior eleva o bemestar da sociedade.
    66. 66. David Ricardo  Ricardo aprimorou essa teoria, ao estender a possibilidade de ganhos de comércio também para países que não possuem vantagens absolutas em relação a outros. Segundo Ricardo, não é o princípio da vantagem absoluta que determina a direção e a possibilidade de se beneficiar do comércio, mas a vantagem comparativa
    67. 67. Vantagem comparativa  A vantagem comparativa reflete o custo de oportunidade relativa, isto é, a relação entre as quantidades de um determinado bem que dois países precisam deixar de produzir para focar sua produção noutro bem. Segundo a teoria ricardiana, as vantagens comparativas, também denominadas vantagens relativas, são oriundas das diferenças de produtividade do fator trabalho para distintos bens. Ele as atribui à distinção no clima e no ambiente de cada nação. Os países deveriam especializar-se em bens nos quais tivessem vantagem comparativa, aumentando sua produção doméstica. Assim, a produção que não fosse vendida no mercado doméstico de um país deveria ser exportada. Os outros bens seriam adquiridos no mercado internacional a um preço menor que o de produzi-los internamente. Dessa forma, o comércio seria benéfico para todos.
    68. 68. David Ricardo: “Num sistema comercial perfeitamente livre, cada país naturalmente dedica seu capital e seu trabalho à atividade que lhe seja mais benéfica. Essa busca de vantagem individual está admiravelmente associada ao bem universal do conjunto dos países. Estimulando a dedicação ao trabalho, recompensando a engenhosidade e propiciando o uso mais eficaz das potencialidades proporcionadas pela natureza, distribui-se o trabalho de modo mais eficiente e mais econômico, enquanto, pelo aumento geral do volume de produtos difunde-se o benefício de modo geral e une-se a sociedade universal de todas as nações do mundo civilizado por laços comuns de interesse e de intercâmbio.” (RICARDO, 1982:104).
    69. 69. Conclusão  Portanto, Ricardo mostrou que o comércio internacional não tem necessariamente de ser estabelecido com base em vantagens absolutas. Pode ser vantajoso para um país especializar-se na produção de bens que são produzidos com menor esforço em outro lugar. Adicionalmente, pode não haver benefícios em especializarse na produção de bens que propiciam vantagem absoluta se houver uma vantagem ainda maior na produção de outros.  Dessa forma, o modelo de Ricardo prevê uma direção para o comércio exterior: os países exportarão os bens nos quais têm maior produtividade relativa do trabalho (têm vantagem comparativa na sua produção) e importarão os bens nos quais apresentam menor produtividade relativa do trabalho (não têm vantagem comparativa na sua produção).
    70. 70. David Ricardo: “A Inglaterra exportava tecidos em troca de vinho porque, dessa forma, sua indústria se tornava mais produtiva; teria mais tecidos e vinhos do que se os produzisse para si mesma; Portugal importava tecidos e exportava vinho porque a indústria portuguesa poderia ser mais beneficamente utilizada para ambos os países na produção de vinho.” (RICARDO, 1982:107) Assim, conforme ressaltaYoung (1951), o custo de mão-de-obra não governa as condições de troca em comércio exterior, mas sim os custos comparativos existentes na produção de diferentes mercadorias.
    71. 71. Stuart Mill  Mill corroborou a noção de Ricardo sobre a vantagem comparativa ao afirmar que um país com custos reais altos exportaria artigos de algum tipo, mesmo para países que os poderiam produzir com menos trabalho do que ele. Esses países, na suposição de terem vantagem sobre ele em todos os produtos, teriam vantagem maior em algumas mercadorias do que em outras, e importariam artigos em que sua vantagem fosse mínima, para que pudessem empregar quantidade maior de sua própria mão-de-obra e de seu capital nas mercadorias em que a vantagem fosse máxima.
    72. 72. Criticas ao modelo de Ricardo Apesar de toda sua importância teórica e, sobretudo, histórica, o modelo clássico apresenta lacunas que são alvo de contestação. ConformeYoung (1951), as críticas se dirigiram às suposições do modelo, tais como competição perfeita dentro de cada país, imobilidade completa de trabalho e capital entre os países, mas mobilidade doméstica, e custos constantes. Segundo Krugman e Obstefeld (2001), os principais motivos dos erros das previsões implícitas no modelo de Ricardo são: •a suposição de um grau extremo de especialização, que não se observa no mundo real; • os efeitos indiretos do comércio internacional sobre a distribuição de renda dentro dos países e portanto, a presunção de que os países como um todo sempre ganharão por meio do comércio; •o fato de o autor ignorar o papel das economias de escala como uma causa do comércio, o que torna impossível explicar os grandes fluxos comerciais entre nações aparentemente similares.
    73. 73. O TEOREMA DE HECKSCHER E OHLIN De acordo com Krugman e Obstefeld (2001), a teoria de Heckscher e Ohlin difere do modelo ricardiano por distinguir o comércio internacional do comércio inter-regional e na identificação dos fatores que determinam a existência de vantagens comparativas. Complementarmente, Young (1951) afirma que a teoria de comércio internacional deve ser desenvolvida essencialmente do mesmo modo que a teoria de comércio entre regiões. Isso está em contraste com a perspectiva clássica, que enfatizou as diferenças entre o comércio dentro das nações e o comércio entre nações (internacional).
    74. 74. Vantagem do nivel de stock dos fatores de produção Ricardo (1982) atribuiu a existência de vantagens comparativas a diferentes produtividades do trabalho entre os países. Já o modelo de Heckscher- Ohlin diz que as vantagens comparativas são oriundas dos diferentes níveis de estoques relativos dos distintos fatores de produção, influenciando os custos de produção desses bens. As nações têm tecnologia equivalente, mas diferem na disponibilidade dos fatores de produção, como terra, recursos naturais, mão-deobra e capital. Por exemplo, o país no qual o fator trabalho for relativamente abundante poderá produzir um bem intensivo em trabalho a um custo relativamente baixo; assim, terá uma vantagem comparativa em sua produção. Então, diminuindo a produção do bem intensivo em capital, esse país irá conseguir um grande incremento marginal da produção do bem intensivo em trabalho.
    75. 75. Conclusão  Nos termos de Ohlin (1933), a Austrália, por possuir maior extensão de terras agricultáveis que a Grã-Bretanha, mas menos trabalho, capital e minas, estaria mais adaptada à produção de bens queexigem grandes quantidades de terra agricultável. A Grã-Bretanha, por sua vez, apresentaria vantagens na produção de bens manufaturados.  Assim, a conclusão do modelo de Heckscher- Ohlin é que os países especializar-se-ão na produção dos bens que utilizam fatores de produção com abundância relativa, exportando esses bens e importando outros cujos fatores produtivos intensivos sejam relativamente escassos em seu território.
    76. 76. Efeitos nos políticos Este modelo teve grande aceitação principalmente no meio político, mas também foi dominante na explicação do comércio internacional no meio acadêmico. Com isso, a teoria da vantagem comparativa influenciou bastante na determinação das políticas governamentais, ao admitir que os governos podem alterar a vantagem comparativa de fatores por meio de várias formas de intervenção, e justificou a utilização de políticas com o objetivo de diminuir os custos relativos das empresas de um país em comparação com os custos dos rivais internacionais. Alguns exemplos de políticas com essa finalidade são a redução das taxas de juros, esforços para conter os custos salariais, desvalorização para afetar os preços relativos, subsídios, margens de depreciação especiais e financiamento de exportação para setores específicos.
    77. 77. Falhas da teoria das vantagens comparativas A teoria baseada na vantagem comparativa gerada pela disponibilidade relativa de fatores vem apresentando, muitas vezes, falhas ao tentar explicar os padrões de comércio. Os principais motivos são as características do comércio atual e a falta de realismo dos pressupostos desse modelo.
    78. 78. Criticas de Krugman e Obstefeld  Para Krugman e Obstefeld (2001), há três fatos recentes sobre o comércio que contribuíram para a incapacidade da teoria em explicar a realidade atual. O primeiro é o crescente comércio de produtos cuja produção envolve proporções de fatores semelhantes. O segundo é a existência de grande volume de comércio internacional entre países industrializados com a dotação de fatores semelhantes. O terceiro é a ascensão da empresa multinacional, que criou um novo tipo de fluxo de comércio: a importação e a exportação entre diferentes subsidiárias de uma mesma firma, o que enfraqueceu ainda mais as explicações tradicionais sobre os padrões do comércio.
    79. 79. Limitações da vantagem comparativa Além disso, os limites da capacidade explicativa desse modelo surgem de seus pressupostos: a inexistência de economias de escala e a homogeneidade das tecnologias empregadas e dos produtos. Como pode ser facilmente observado, na maioria das vezes a existência de economia de escalas é freqüente nas indústrias; a mudança tecnológica é constante e se dá através de inovações por parte das empresas individuais, fazendo com que haja emprego de tecnologia diferente até mesmo dentro da mesma indústria; e há diferenciação na grande maioria dos produtos. A falta de realismo dos pressupostos em relação a muitas indústrias é a causa mais relevante do fracasso do modelo Heckscher-Ohlin em explicar o comércio internacional de produtos industrializados.
    80. 80. AS TEORIAS DE COMÉRCIO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS As teorias de comércio de produtos industrializados tentam explicar três aspectos relacionados com o comércio mundial que parecem paradoxais do ponto de vista das teorias clássicas de Ricardo e Heckscher-Ohlin: a existência de um comércio intenso e em rápida expansão entre nações com a mesma dotação de fatores, o grande volume de troca de produtos muito similares e o mínimo de conflito social que se seguiu à vasta liberalização do comércio no período do pós-guerra. As principais vertentes teóricas são as que enfatizam: as economias de escala, o papel central da procura, os ciclos do produto e a concorrência monopolística.
    81. 81. Economias de escala e domínio dos mercados  A vertente teórica que privilegia a existência de economias de escala afirma que os custos da empresa ou do mercado se reduzem à medida que aumenta a quantidade produzida, o que leva à formação, não de um mercado de concorrência perfeita, mas de um mercado no qual as firmas tenham um certo grau de poder. Assim, cada país produziria uma variedade restrita de bens, beneficiando-se dos retornos crescentes de escala, semsacrificar,contudo,avariedadenoconsumo possibilitada pelo comércio internacional. Dessa forma, países idênticos em suas dotações de fatores e gostos podem, mesmo assim, ganhar com o comércio.
    82. 82. Linder  Linder (1961) estabeleceu uma distinção entre o comércio de produtos primários e o comércio de produtos industrializados. Segundo o economista sueco, o comércio de produtos primários é explicado pelo modelo de Heckscher-Ohlin, enquanto a estrutura da procura, caracterizada pelas qualidades dos produtos diferenciados procurados num país, é a determinante do padrão de comércio de produtos industrializados.  A principal determinante da estrutura da procura é o nível de renda per capita: os países de renda per capita mais elevada tenderiam a consumir maior quantidade de produtos sofisticados e também produtos com um grau de sofisticação maior que os consumidos em países menos desenvolvidos. Por exemplo, os EUA consomem não só uma maior quantidade de carros, mas também de carros mais sofisticados que outros países menos desenvolvidos.
    83. 83. Vermon  A terceira vertente teórica da teoria de comércio de produtos industrializados é a do ciclo do produto, que foi elaborada por Vernon (1972). A ideia central é que a inovação de produto ocorre nas economias mais avançadas e desenvolvidas, pois a alta especialização da mão-de-obra dá uma vantagem comparativa ao desenvolvimento e à produção inicial, além do fato da procura aparecer primeiro onde as rendas são altas e os gostos sofisticados.  Para o autor, a predisposição de um país para desenvolver novos produtos não é uma simples questão de oportunidade. Para que as inovações sejam implementadas é necessário que haja disponibilidade de engenheiros treinados e homens de negócio interessados, que irão concentrar seus esforços naquilo que presumem ser a procura. Ou seja, eles produzirão os bens para os quais haja procura no mercado local.
    84. 84. Migração da produção para países menos desenvolvidos quando se deixa de usar a tecnologia de ponta (Krugman)  No momento em que a procura por esses novos bens se tornar internacional, o país avançado exportará esses produtos. Porém, à medida que a produção desses bens vai deixando de utilizar a tecnologia de ponta, o local de produção migra para países menos desenvolvidos, que passam a exportar para os países mais ricos.  A ênfase na existência de um mercado de concorrência monopolística para entender o comércio de produtos industrializados tem entre seus principais defensores Paul Krugman. Na vertente teórica de concorrência monopolística a inovação ocorre com o objetivo de promover a diferenciação do produto, fazendo com que ele demonstre em algum aspecto superioridade sobre os demais e, conseqüentemente, que sua procura aumente seja. Essa vantagem decorrente da diferenciação do produto dá origem a uma corrida entre as empresas, com a finalidade de inovar.
    85. 85. Conclusão da Teoria dos Bens Industrializados  Quem investir mais em pesquisa e desenvolvimento conseguirá obter produtos inovadores e melhores retornos, mesmo que esses novos produtos demonstrem menos diferenças no que se refere à funcionalidade do que atributos subjetivos, como, por exemplo, inovação em padrões estéticos.  As principais conclusões contrastam tanto com o modelo de Heckscher-Ohlin quanto com o de Linder (1961), uma vez que prevêem um padrão de comércio independente da semelhança de fatores, no qual grande parte do comércio é intra-industrial. Isso explica a troca de grandes quantidades de bens que apresentam características semelhantes.
    86. 86. Critica de Porter Os modelos de comércio de produtos industrializados conseguem explicar pontos que até então eram contraditórios à economia internacional. Não têm, no entanto, o mesmo poder explicativo para questões como as propostas por Porter (1989): “A questão mais geral é: por que as empresas de determinadas nações estabelecem uma liderança em certas indústrias novas? O que acontece quando a procura se origina simultaneamente em diferentes países, como é comum hoje? [...] Por que a inovação é contínua em muitas indústrias nacionais e não um acontecimento que se realiza de uma só vez, seguida pela inevitável padronização da tecnologia, como a teoria do ciclo do produto diz? [...] Como explicar por que as empresas de certos países podem manter a vantagem numa indústria e outras não podem?” (PORTER, 1989:18).
    87. 87. A VANTAGEM COMPETITIVA, PRODUTIVIDADE E INOVAÇÕES  Porter (1989), ao contestar as teorias clássicas, propõe uma nova abordagem, que deve ir além do conceito de vantagem comparativa, para se concentrar na vantagem competitiva dos países, refletindo o conceito de competição, que inclui mercados segmentados, produtos diferenciados, diversidades tecnológicas e economias de escala.  O autor concentra-se em responder aquela que lhe parece ser a pergunta central: por que empresas baseadas em determinadas nações alcançam sucesso internacional em segmentos e indústrias distintos? O que se deve procurar são as características decisivas de uma nação que permitem às suas empresas criar e manter a vantagem competitiva em determinados campos, isto é, a vantagem competitiva das nações.
    88. 88. Conceito de Produtividade  Para Porter (1999), o único conceito significativo de competitividade nacional é o de produtividade. A produtividade é o termo que define o valor do que é produzido por uma unidade de trabalho ou de capital, e depende da qualidade, características dos produtos e eficiência com que são produzidos. Segundo o autor, a prosperidade económica das empresas e das nações depende da produtividade com a qual os recursos nacionais (trabalho e capital) são empregados. Sendo assim, a produtividade é a determinante principal do nível de rendimento per capita de um país e, portanto, do padrão de vida. Um alto padrão de vida depende da capacidade das empresas de um determinado país de atingir altos níveis de produtividade e aumentá-lo com o tempo. Então, competitividade a nível nacional deve ser entendida como produtividade nacional.
    89. 89. Nenhuma nação pode ser competitiva em tudo Os recursos humanos de um país, assim como o capital, são necessariamente limitados. O importante é que esses recursos sejam aproveitados nas atividades mais produtivas, possibilitando um comércio que traga ganhos de produtividade para a nação. A integração comercial entre os países tem um grande impacto sobre a sua produtividade. Tal princípio, apesar de postulado por Porter (1989), foi anteriormente descrito por Smith e Ricardo.
    90. 90. Porter  “O comércio internacional permite ao país aumentar sua produtividade, eliminando a necessidade de produzir todos os bens e serviços dentro do próprio país. Com isso, a nação pode especializar-se nas indústrias e segmentos nos quais suas empresas são relativamente mais produtivas e importar os produtos e serviços em relação aos quais suas empresas são menos produtivas do que as rivais estrangeiras, aumentando dessa forma a produtividade média da economia. As importações, portanto, bem como as exportações são parte integrante do crescimento da produtividade.” (PORTER, 1989).
    91. 91. Exportação e baixos salários  Por outro lado, o comércio internacional pode também ameaçar o crescimento da produtividade. As Empresas são expostas ao teste dos padrões de competitividade nacional e serão derrotadas se não forem competitivas internacionalmente, o que poderá comprometer a sua capacidade de exportação e o padrão de vida do país.  Assim, acrescenta Porter (1989), a obtenção de um excedente comercial ou um comércio equilibrado não significa competitividade nacional. O aumento das exportações devido a baixos salários e a uma moeda fraca leva a uma redução do nível de vida do país. Em lugar de se vangloriar com o excedente comercial, o país deve se preocupar em exportar bens fabricados com alta produtividade, pois é isso que traz maior produtividade nacional e, portanto, maior renda per capita.
    92. 92. Conclusão de Porter  Ao contrário do pensamento predominante, que atribui a vantagem competitiva aos custos da mão- de-obra, às taxas de juros, às taxas de câmbio e às economias de escala, para Porter (1989) as empresas atingem a vantagem competitiva através do aumento da produtividade, que se dá por meio de inovações, decorrentes de novas tecnologias, novos métodos de formação, novas abordagens de marketing ou aprimoramento dos processos produtivos e de gestão. Portanto, um país obtém um alto padrão de vida e consegue mantê-lo mediante a produtividade e o ritmo do crescimento dessa produtividade. Isto é, um elevado rendimento per capita está relacionado com a frequência de inovações na economia.
    93. 93. Schumpeter e a inovação  Schumpeter num trabalho originalmente publicado em 1911, foi o primeiro a enfatizar a importância da inovação como fonte principal da dinâmica do desenvolvimento capitalista. A sua análise parte de um sistema de reprodução económica sob condição de equilíbrio estático, objetivando verificar a condição pela qual ele se torna dinâmico. Afirma o autor que o sistema económico tem tendência ao equilíbrio geral, a um estado em que não existe estímulo ou motivo para mudar de posição, salvo pela necessidade de uma suave adaptação às alterações existentes. Segundo esse ponto de vista, o sistema económico apresenta apenas mudanças contínuas ou friccionais e não produz alterações importantes com as variações na população, consumo, preferência do consumidor, poupança, investimento, etc. Tais mudanças não provocam convulsões no sistema económico e não levam ao rompimento do seu estado de equilíbrio.
    94. 94. Inovações  As inovações, diz Schumpeter, rompem esse quadro de equilíbrio lentamente mutável, possibilitando a expansão económica, dando lugar ao desenvolvimento, ao progresso e à evolução. As inovações possibilitam o deslocamento da função de produção, com mudança na curva de custos, ou a criação de novas funções de produção por meio de novas combinações, resultando em modos novos, mais eficientes e baratos de produzir mercadorias e serviços. Tais combinações resultam do emprego de recursos e de formas de fazer coisas distintas, gerando descontinuidades e quebrando rotinas no sistema económico.
    95. 95. Schumpeter “O capitalismo é, por natureza, uma forma ou método de transformação económica e não apenas não se reveste de um caráter estacionário, como jamais poderia tê-lo. Não se deve esse caráter evolutivo do processo capitalista apenas ao fato de que a vida económica transcorre em um meio natural e social que se modifica e que, em virtude dessa mesma transformação, altera a situação económica. [...] O impulso fundamental que põe e mantém em funcionamento a máquina capitalista procede dos novos bens de consumo, dos novos métodos de produção ou transporte, dos novos mercados e das novas formas de organização industrial criadas pela empresa capitalista.” (SCHUMPETER, 1984:105).
    96. 96. Destruição criadora  Desse modo, ocorre o processo de destruição criadora, que “revoluciona incessantemente a estrutura económica a partir de dentro, destruindo incessantemente o antigo e criando elementos novos. Este processo de destruição criadora é básico para se entender o capitalismo. É dele que se constitui o capitalismo e a ele deve se adaptar toda a empresa capitalista para sobreviver” (SCHUMPETER). Assim, o processo de destruição criadora fundamenta a dinâmica concorrencial capitalista, uma vez que determina superioridade decisiva de custos e de padrão de qualidade, altera a margem de lucro, eleva o nível de produção e, sobretudo, abala os alicerces e a própria existência da concorrência.
    97. 97. Inovação e vantagem competitiva  Para Schumpeter, após uma inovação, a firma irá ganhar uma vantagem competitiva no primeiro instante, quando ainda suas concorrentes não aderiram ao novo processo. Essa vantagem temporal a focalizará diante de seu mercado, com diferenciais em face das concorrentes estabelecidas, e, consequentemente, ela receberá um rendimento pelo diferencial de desempenho.  Logo que a inovação seja lançada no mercado, irá surgir uma grande atração de inovadores adicionais, isto é, de imitadores. A ação de um empresário individual será seguida pela de outros empresários, fazendo com que a nova combinação introduzida por um seja multiplicada por ações imitativas de outros. Dessa forma, os lucros provenientes da inovação serão cada vez menores, já que estarão sendo divididos com mais firmas. Os ganhos vão se exaurindo e os efeitos cumulativos da expansão do crescimento cessam.
    98. 98. Manutenção da Competitividade  Sobre essa questão, Porter (1999) afirma que a vantagem competitiva só é mantida pela melhoria constante, já que a vantagem competitiva pode, frequentemente, ser imitada.  Caso não haja uma constante inovação, as empresas estacionárias acabam sendo ultrapassadas pelas empresas que buscam mais eficientemente contornar as adversidades e superar as concorrentes. A manutenção da vantagem competitiva pode se dar por diferentes meios. Esta pode ser conseguida por diferenciação de produto, mudanças de estratégia dentro da empresa, formaçao profissional da mão-de-obra, suporte ao consumidor, atendimento pós-venda, direitos de propriedade sobre o produto, tradição na comercialização do bem, planeamento de custos em todos os segmentos da empresa, programas de fidelidade do cliente para com a empresa, qualidade, entre outros. Cabe à empresa em vantagem definir as suas metas e a sua estratégia para manter a sua posição e ampliar as suas fontes de vantagem.
    99. 99. Estratégia para Schumpeter  Segundo Schumpeter, uma empresa que, pela introdução de inovação no seu processo produtivo, obtenha uma vantagem competitiva pela redução da sua estrutura de custos poderá seguir várias estratégias, como a diminuição dos preços praticados, para chegar a uma situação de monopólio. Da mesma forma, a inovação de um produto origina uma posição monopolista, estando a empresa a produzir ou prestar um serviço único no mercado, e que apenas ela pode disponibilizar aos consumidores. Estas estratégias permitem um acréscimo no lucro, possibilitando, preferencialmente, a realização de novos investimentos em pesquisa e desenvolvimento, com vista em novas inovações, permitindo a manutenção do monopólio.
    100. 100. Pressões e desafios como razões de inovação Apesar de corroborar a importância dada por Schumpeter à inovação no processo económico, Porter (1989) discorda relativamente aos aspetos referentes aos tipos de indústrias que seriam mais capazes de inovar: “Schumpeter (1942), embora ressaltando a importância da inovação, argumenta que uma empresa grande com poder de mercado será mais inovadora, não um grupo de rivais. Os trabalhos sobre a inovação não apoiam tal opinião, nem ela é confirmada nas indústrias que estudamos. A inovação não é feita devido a estabilidade e só com grandes recursos, como argumenta Schumpeter, mas devido a pressões e desafios. É necessário um limite mínimo de escala para que a pesquisa e desenvolvimento sejam eficientes, o que varia com a indústria, mas são as empresas menores e as de fora os verdadeiros motores da destruição criadora. (PORTER, 1989:158).
    101. 101. Periodo da inovação e ciclos económicos ou ondas schumpeterianas Na visão de Schumpeter (1984), as atividades de inovação ocorrem em determinado período. Trata-se de um processo que não é contínuo e sofre descontinuidade temporal, fazendo com que a economia se desenvolva através de períodos de expansão e de depressão. Nas palavras do autor: “Essas revoluções não são permanentes, num sentido estrito: ocorrem em explosões discretas, separadas por períodos de calma relativa. O processo, como um todo, no entanto, jamais pára, no sentido de que há sempre uma revolução ou absorção dos resultados da revolução, ambos formando o que é conhecido como ciclos económicos.” (SCHUMPETER).
    102. 102. As ondas schumpeterianas
    103. 103. Forma da Inovação  Os investimentos em inovação ocorrem de forma descontínua, em grupos ou bandos, dando dinamismo à expansão.  A introdução de uma novidade de produtos ou processos vem alterar as condições competitivas daqueles empreendimentos já estabelecidos. As inovações, ao se colocarem como alternativas a produtos e processos antigos, fazem com que esses últimos percam espaço no mercado, tornando obsoleta a capacidade instalada e destruindo postos de trabalho, espraiando-se para outros se-ores relacionados e àqueles mais distantes atingidos pelo efeitorenda negativo.
    104. 104. Aceleração das ondas
    105. 105. Inovação e dinamismo do capitalismo  Sinteticamente, Schumpeter atribuiu às inovações a responsabilidade de o capitalismo ser dinâmico e não estático.  Porter, de modo similar, constrói sua teoria de vantagem competitiva das nações com base no caráter dinâmico do capitalismo, decorrente de inovações, mas ultrapassa Schumpeter ao investigar os motivos que levam algumas empresas de certos países a inovarem mais que outras. Segundo este autor, Schumpeter ficou aquém da resposta à sua pergunta central.
    106. 106. DETERMINANTES DA VANTAGEM COMPETITIVA  Porter (1989), por meio de sérias pesquisas sobre as nações e indústrias, identificou as determinantes fundamentais da vantagem competitiva numa indústria, além de elucidar como tais determinantes funcionam em conjunto e os papéis que exercem em uma nação. Assim, sua teoria ressalta o valor da inovação, descrevendo os atributos com os quais uma nação deve contar para incentivar as empresas a inovar.
    107. 107. Êxito internacional depende de 4 determinantes – Diamante Nacional  Segundo Porter, o êxito internacional numa determinada indústria depende de quatro amplas determinantes, que modelam o ambiente nacional no qual as empresas competem, formando o chamado Diamante Nacional. A posição do país nos fatores de produção, como trabalho especializado ou infra-estrutura, é a primeira determinante. A segunda é a condição da procura, isto é, a natureza da procura interna para os produtos ou serviços da indústria. A presença ou ausência, no país, de indústrias correlatas e indústrias fornecedoras que sejam internacionalmente competitivas é a terceira determinante. A quarta é dada pela estratégia e estrutura das empresas, mais a natureza da rivalidade interna.
    108. 108. Vantagem competitiva e fatores criados  As condições de fatores no diamante nacional são determinadas pela dotação de fatores e pela sua capacidade de criação. Ao contrário da teoria clássica de Heckscher e Ohlin, que descreve os fatores em termos muito amplos, a teoria da vantagem competitiva agrupa-os em várias categorias: recursos humanos, recursos físicos, recursos de conhecimento, recursos de capital e infra-estrutura. As firmas de um país conquistam vantagem competitiva se dispuserem de fatores de baixo custo ou de qualidade excepcional, além da eficiência e efetividade com que são distribuídos. Uma importante distinção entre os fatores consiste no fato de serem herdados pelo país, assim como os recursos naturais ou a localização, ou de terem sido criados por ele. Os fatores mais importantes para o alcance e sustento da vantagem competitiva precisam de ser criados.
    109. 109. Crítica de Porter a Heckscher-Ohlin Os modelos de Ricardo e Heckscher-Ohlin são estáticos, isto é, a produtividade do trabalho ou o stock de fatores são dados. Assim, mão-de-obra, território, recursos naturais, capital e infra-estrutura determinam o fluxo do comércio. Em oposição a esse ponto de vista, Porter (1989) acredita na criação de fatores. Assim, a competitividade de um país ou indústria vai depender da capacidade de criar, de inovar e de melhorar. E essa capacidade é um reflexo de investimentos feitos em recursos humanos bem qualificados ou em base científica. A velocidade e a eficiência com que um país gera os fatores, os desenvolve e os distribui entre os diferentes setores são mais importantes que o simples stock de fatores num determinado momento.
    110. 110. Porter – inovação e mudança  Na competição real, o caráter essencial é inovação e mudança. Em lugar de limitar-se e transferir passivamente os recursos para os pontos onde os rendimentos são maiores, a questão real é como as empresas aumentam os rendimentos possíveis através de novos produtos e processos. Em lugar de simplesmente maximizar dentro de limites fixos, a questão é como as empresas podem ganhar vantagem competitiva mudando esses limites. Em lugar de apenas distribuir um total fixo de fatores de produção, a questão mais importante é como empresas e países melhoram a qualidade dos fatores, aumentam a produtividade com que são utilizados e criam outros novos. (PORTER, 1999:21).
    111. 111. Porter e Linder Porter (1989) concorda com Linder (1961) ao defender a importância da procura interna na determinação do fluxo do comércio internacional: “A teoria de Linder esclarece a importância que a procura local tem para o comércio e o fato de que as semelhanças amplas da procura são necessárias para o comércio” (PORTER, 1989:153). Entretanto, aponta falhas ao afirmar: “Isso, porém, não prevê a direção do comércio ou expõe os atributos específicos da demanda local que permitem a um país obter vantagem numa determinada indústria. São as diferenças específicas na demanda entre países, dentro das estruturas de demanda que se sobrepõem amplamente, que têm importância crucial para a obtenção da vantagem competitiva.” (PORTER, 1989:153).
    112. 112. Condições da procura interna  Além disso, Porter (1989) postula que as condições de procura interna ajudam a construir a vantagem competitiva por duas razões. A primeira é que, quando a procura é mais sofisticada e exigente, as empresas encontrarão maior dificuldade em agradar os consumidores, necessitando, então, de constantes aprimoramentos no produto. A segunda razão ocorre quando um país pode identificar uma situação nítida das necessidades dos compradores nacionais que tem tendência a se tornar mundial. Assim, esse país pode obter vantagens competitivas na produção, antecipando-se aos demais.  Os países obtêm vantagem competitiva em indústrias ou segmentos de indústrias em que a procura interna dá às empresas locais um quadro mais claro e antecipado das necessidades do comprador do que o quadro de que dispõem as empresas estrangeiras rivais. (PORTER, 1989:103).
    113. 113. Vantagem dos fornecedores internos A presença de indústrias fornecedoras e de indústrias correlatas que tenham vantagem competitiva internacional é a terceira determinante ampla da vantagem nacional numa indústria. Um exemplo seria o de uma empresa que adquire seus insumos de maneira eficiente, com custos reduzidos, com prazos precisos e com preferência de entrega. Essa boa relação entre os membros de um aglomerado torna cada uma das indústrias interdependentes mais eficiente e mais competitiva. A presença no país de indústrias competitivas correlatas leva, com freqüência, a novas indústrias competitivas, pois oferece oportunidades de informação e intercâmbio técnico. A presença de indústrias abastecedoras internacionalmente competitivas cria vantagens nas outras indústrias correlacionadas de duas principais formas. A primeira é pelo acesso eficiente, precoce e rápido à maioria dos insumos. A segunda é a vantagem que os fornecedores internos proporcionam em termos de coordenação constante, promovendo melhoras.
    114. 114. Porter “Talvez o benefício mais importante dos fornecedores internos esteja no processo de inovação e aperfeiçoamento. A vantagem competitiva surge de estreitas relações de trabalho entre fornecedores de classe mundial e a indústria. Os fornecedores ajudam as empresas a ver novos métodos e oportunidades de aplicar tecnologia nova. As empresas têm acesso fácil à informação, às novas idéias e conhecimentos e às inovações do fornecedor. Têm a oportunidade de influenciar os esforços técnicos dos fornecedores, bem como servir como local de testes para o trabalho de desenvolvimento. O intercâmbio de pesquisa e desenvolvimento e a solução conjunta dos problemas levam a resultados mais eficientes.” (PORTER, 1989:121).
    115. 115. Determinante do contexto em que as empresas sao criadas  A quarta determinante do diamante nacional é o contexto no qual as firmas são criadas, organizadas e dirigidas, bem como a natureza da rivalidade interna. Embora nenhum país tenha uniformidade, as estratégias e as estruturas das empresas dependem de circunstâncias nacionais, o que acaba levando cada país a ter vantagem competitiva em indústrias específicas.  Sobre a rivalidade de empresas do mesmo setor, Porter afirma que “A competitividade num setor específico decorre da convergência das práticas gerenciais e dos modelos organizacionais mais adotados no país que possui as fontes de vantagem competitiva no setor” (PORTER, 1999:190).
    116. 116. Existencia de concorrência  Como condição de existência da concorrência e da competitividade entre as empresas, com a finalidade de haver benefícios para o consumidor e obtenção da vantagem competitiva, necessita-se de uma aplicação eficaz de medidas ou políticas antitruste; caso contrário, os concorrentes tenderiam a se fundir, de uma forma que privilegiaria os produtores e prejudicaria os consumidores. Desse modo, a política antitruste serve para garantir que o mercado continue livre, aberto e competitivo, resultando numa maior rivalidade doméstica e, conseqüentemente, maior competitividade do país no mercado internacional.
    117. 117. O Papel dos Governos  Após a descrição das quatro determinantes da vantagem competitiva nacional, resta uma questão: a de compreender o papel do governo. Segundo Porter (1989), o papel real do governo é influenciar positivamente essas quatro determinantes. “As políticas governamentais bem-sucedidas são aquelas que criam um ambiente em que as empresas são capazes de ganhar vantagem competitiva, e não aquelas que envolvem o governo diretamente no processo” (PORTER, 1999:197).
    118. 118. Políticas Públicas e condições dos fatores  As condições de fatores são influenciadas por políticas de educação, políticas com o intuito de aprimorar o mercado de capitais, política de subsídios, entre outras. O governo pode moldar a demanda por meio do estabelecimento de padrões ou regulamentos locais para os produtos e, também, por ser uma parte significativa da demanda interna, já que é um importante comprador de muitos produtos do país. Através de políticas regulatórias, fiscais e leis antitruste, o governo é capaz de afetar a estrutura da estratégia das empresas, além da rivalidade interna. As circunstâncias de indústrias correlatas e de apoio podem ser modeladas de muitas formas, como, por exemplo, através da regulamentação de serviços de apoio.
    119. 119. Critica a Porter  Aktouf (2002), levanta alguns pontos, dentre os mais discutíveis e mais intelectualmente duvidosos, no seu entendimento, que caracterizam posições adotadas por Porter, dos quais se apresenta a seguir aqueles que mais interessam ao objeto desta tese: 1. o simplismo caricatural do modelo do “losango a quatro variáveis”, o diamante competitivo, pode dar conta da enorme complexidade de fatos e processos reais a exemplo dos que se tem levantado aqui? Se não, porque continuar a fazer como se pudesse assegurar previsões, formulações, planificações e decisões estratégicas com conhecimento de causa, a partir da aplicação desse modelo?
    120. 120. Critica a Porter 2. a noção de “clusters industriais”, espécie de epicentro do modelo porteriano, parece estranha a certos conceitos como o de “pólos de desenvolvimento”, elaborado por François Perroux, ou o de complexos de “indústrias-industrializantes”, levado adiante por Estanne De Bernis? Sem falar da analogia com as redes da indústria japonesa. Tudo isso, sustentaria infinitamente mais cooperação do que competição, mais intervencionismo e de presença do Estado do que de laisser-faire, mais diálogo do que concorrência, mais colaboração mútua do que lutas de enfrentamento entre firmas e nações. Tudo, absolutamente tudo, desde o papel do Estado e o contexto intra e inter-empresas, opõe, por exemplo, as redes inter-organizacionais do tipo japonês ao que Porter apresenta como os clusters. Como uns e outros podem preencher o mesmo ofício competitivo para as respectivas nações?
    121. 121. Critica a Porter Algumas falhas científicas e epistemológicas, constatadas por Aktouf (2002), na obra porteriana, são por exemplo:  uma projeção sistemática do modelo de Harvard, construído pela tradicional interação desta Universidade com os grandes escritórios de consultoria da região de Boston, na pretendida teorização dos mecanismos da estratégia das vantagens competitivas;  uma simbiose entre a arquitetura de sua teoria e os serviços que podem entregar os escritórios de consultoria aos quais Porter e a Harvard sempre estiveram em parte ligados. A única escolha é recorrer aos porterianos como consultores, uma vez que se admite a sua teoria. O que pode legitimamente levar a pensar que essa teoria foi montada oportunamente e sustentada para servir a esses fins;  uma omissão, com conseqüências incalculáveis, da seguinte evidência: se as empresas aplicassem efetivamente os princípios das vantagens competitivas e estivessem obtendo sucesso, mais ninguém poderia pretender recorrer a tais vantagens; a teoria chegaria a uma auto-destruição que decorreria de sua generalização.
    122. 122. Critica a Porter Fazendo do planeta um vasto campo de batalha pela infinita competitividade, sob a única obrigação de maximização de lucros e dividendos de firmas colocadas como a finalidade histórica das nações, Porter simplesmente nos conduz a submeter a macroeconomia a uma dependência da microeconomia e as políticas nacionais das decisões empresariais! O tratamento da economia é concebido somente em curto prazo e em agravamento exponencial de desequilíbrios, já desastrosos, entre norte e sul e entre os próprios fatores de produção (capital, trabalho e natureza). Submetamos, finalmente, a lógica porteriana a seus limites: uma vez nosso planeta tornado competitivo pela graça dos losangos e diamantes porterianos, teremos direito a uma teoria da competitividade interplanetária ou intergaláctica? A uma teoria das vantagens competitivas das galáxias? [A um cluster galáctico?], [grifo nosso]. (AKTOUF, 2002, p. 52).
    123. 123. Neo-Conservadorismo (Neo-Com) Neoconservadorismo (ou neocon) é uma corrente da filosofia política que surgiu nos Estados Unidos a partir da rejeição do liberalismo social, relativismo moral e da contracultura da Nova Esquerda dos anos sessenta. O neoconservadorismo influenciou os governos de Ronald Reagan e George W. Bush, representando um realinhamento da política americana e a conversão de alguns membros da esquerda para a direita no espectro político. O Neoconservadorismo americano enfatiza a política externa como aspecto mais importante nas responsabilidades de um governo, com o fim de manter o papel dos Estados Unidos como única superpotência, condição indispensável para a manutenção da ordem mundial. O primeiro neoconservador declarado foi Irving Kristol, que explicitou sua condição em um artigo de 1979, intitulado "Confessions of a True, SelfConfessed 'Neoconservative.'"
    124. 124. Neo-com no comércio internacional - Regresso ao modelo das vantagens comparativas dos factores - Caso da Troika em Portugal e Grécia
    125. 125. Conclusão  As diferenças entre as teorias tradicionais de comércio internacional e a teoria de vantagem competitiva das nações podem ser resumidas na forma do tratamento do problema: dinâmico ou estático. As teorias tradicionais tratam de uma realidade muito simplificada, na qual o estoque de fatores e a produtividade são dados e nada se pode fazer a esse respeito. No mundo real, isso não ocorre. Em busca de maior lucro, as empresas inovam, mudando tanto o estoque relativo de fatores quanto a produtividade.
    126. 126. Leis da Oferta e da Procura e Macroeconomia  A oferta e demanda são usadas para explicar o comportamento dos mercados de concorrência perfeita, mas sua utilidade como modelo de referência é extensível a qualquer outro tipo de mercado. A oferta e demanda também pode ser generalizada para explicar a economia como um todo. Por exemplo a quantidade total produzida e o nível geral de preços (relacionado com a inflação) estudados pela macroeconomia.
    127. 127. Oferta e procura e teoria da renda (salários)  A oferta e procura também pode ser usada para modelar a distribuição de renda pelos fatores de produção, como o capital e trabalho, através de mercados de fatores. Num mercado de trabalho competitivo, por exemplo, a quantidade de trabalho empregada e o preço do trabalho (o salário) são modelados pela demanda por trabalho (pelas firmas) e pela oferta de trabalho (pelos potenciais trabalhadores). A economia do trabalho estuda as interações entre trabalhadores e empregadores através desses mercados, para explicar os níveis de salários e outros rendimentos do trabalho, o desenvolvimento de competências e capital humano, e o (des)emprego.
    128. 128. Concorrência perfeita e ciclos económicos  A teoria elementar da oferta e demanda prediz que o equilíbrio será alcançado, mas não a velocidade de ajuste que pode ser provocado por alterações na oferta e/ou procura. Em muitas áreas, alguma forma de "inércia" do preço é postulada para explicar porque quantidades - e não preços - sofrem ajustes no curto prazo, devido a alterações tanto no lado da oferta quanto no da demanda. Isso inclui análises padrão de ciclos econômicos na macroeconomia. A análise frequentemente gira em torno de identificar as causas para essa inércia e suas implicações para que se alcance o equilíbrio de longo prazo previsto pela teoria. Exemplos em mercados específicos incluem níveis de salário nos mercados de trabalho e preços estabelecidos em mercados que se desviam da competição perfeita.
    129. 129. Utilidade marginal  A teoria económica do marginalismo aplica os conceitos de marginalidade na economia. O conceito de marginalidade dá relevância ao significado da variação da quantidade de um bem ou serviço, por oposição ao significado da quantidade como um todo. Mais especificamente, o conceito central ao marginalismo propriamente dito é a utilidade marginal, mas uma corrente seguidora de Alfred Marshall baseou-se mais fortemente no conceito de produtividade marginal física para a explicação do custo. A corrente neoclássica que emergiu do marginalismo britânico trocou o conceito de utilidade pelo de taxa marginal de substituição no papel central da análise.
    130. 130. Utilidade marginal nos salários
    131. 131. Utilidade marginal zero  O marginalismo, tal como a teoria económica clássica, descreve os consumidores como agentes que almejam alcançar a posição mais desejada, sujeita a restrições como renda e riqueza. Descreve os produtores como agentes que buscam a maximização do lucro, sujeitos às suas próprias restrições (inclusive à procura pelos bens produzidos, tecnologia e o preço dos insumos). Assim, para um consumidor, no ponto onde a utilidade marginal de um bem alcança zero, não há mais incremento no consumo desse bem. De forma análoga, um produtor compara a receita marginal contra o custo marginal de um bem, com a diferença sendo o lucro marginal. No ponto onde o lucro marginal alcança zero, cessa o aumento na produção do bem. Para o movimento em direção ao equilíbrio e para mudanças no equilíbrio, o comportamento também muda "na margem" - geralmente mais-ou-menos de algo, ao invés de tudoou-nada.
    132. 132. Falhas de mercado Mercado e imperfeições de mercado  Agir pelo interesse individual conduz muitas vezes ao interesse geral, mas nem sempre é assim. Paul Krugman e Robin Wells notam que "a mão invisível não é sempre nossa aliada”.  Uma falha de mercado é um situação na qual o mercado não consegue a alocação óptima dos recursos económicos e dos bens e serviços. Isso pode acontecer, por exemplo, no caso de um monopólio (ou de um cartel), ou de uma situação em que coexista desemprego e falta de mão-de-obra, ou ainda a existência de poluição.
    133. 133. Falha de mercado  A falha de mercado, no sentido de alocação económica, é um conceito diferente da anomalia de mercado, que tem um caráter mais financeiro, não da falta de eficiência do mercado. A anomalia de mercado diz respeito ao rendimento financeiro e a uma anomalia nos preços devida a fenómenos comportamentais. Estes dois fenómenos podem ser a causa ou a consequência um do outro, ou resultar de uma causa comum.  O conceito de falha tem também um aspecto político, e por isso algo controverso, na medida em que serve para justificar intervenções políticas para “corrigir”, ou até mesmo suprimir, o mercado. Apesar disso, a generalidade dos economistas utiliza o termo mas para se referir às situações em que o funcionamento real de um mercado se afasta significativamente do mercado perfeito, devido ao efeito de três causas principais:de estruturas de mercado sub-optimais (falta de transparência, latência, etc.
    134. 134. Três causas principais da falha do mercado: 1. de estruturas de mercado sub-optimas (falta de transparência, latência, etc.) 2. da não internalização de custos (como nos casos de externalidades, bens públicos e assimetria de informação, seleção adversa, risco moral e do problema do principal-agente) 3. das ineficiências de preço (não consideração de informação na formação dos preços) devidas a desvios comportamentais . O autores liberais, após o surgimento da teoria da escolha pública, acrescentam uma quarta causa, que na sua opinião tem consequências bem mais graves: as intervenções estatais. A expressão falha do Estado (no sentido de falha do governo, em inglês government failure), surge por analogia com a "falha de mercado".
    135. 135. Novas teorias: compreendendo melhor a concorrência imperfeita A partir dos dos anos 1970, o paradigma dominante na microeconomia sofre uma inflexão de modo a melhor integrar todas as anomalias e imperfeições do mercado. Para Pierre Cahuc "a nova microeconomia foi construída progressivamente, a partir de críticas dispersas, muitas inicialmente de forma isolada, ao modelo walrasiano” . De uma forma mais geral, para a economista Anne Perrot, o edifício teórico da microeconomia tradicional deixava "desarmado o economista que procurasse uma representação positiva do funcionamento do mercado” . Esta mudança aconteceu num momento em que a macroeconomia buscava os seus fundamentos microeconómicos, de forma que iria gerar alguma convergência entre os dois campos. O quadro geral da nova microeconomia é preferencialmente reduzido à análise de um só mercado e o seu estudo científico baseia-se mais em constatações que se julga serem representativas do funcionamento da economia (que são apelidados de "factos estilizados"
    136. 136. Nova microeconomia (informação e teoria dos jogos)  A nova microeconomia enfatiza os problemas relativos aos estímulos, à informação e à teoria dos jogos. Por "estímulo" entende-se toda a ação de um agente económico (incluindo o Estado) que levem a certos agentes económicos adotar este ou aquele comportamento. Esta noção tem todo o sentido se considerarmos que a informação disponível é inevitavelmente limitada por um agente económico desejoso de incentivar outros agentes a ter comportamentos do seu interesse. A teoria dos jogos, por seu lado, é um ramo da matemática aplicada que estuda as interações estratégicas entre agentes. Segundo essa teoria, os agentes escolhem as estratégias que maximizam os seus benefícios, sendo dadas as estratégias que os outros agentes irão escolher. Propõem um modelo formal das situações em que os decisores interagem com outros agentes. A teoria dos jogos generaliza a abordagem de maximização desenvolvida anteriormente para a análise de mercados. Foi desenvolvida a partir do livro de 1944 Theory of Games and Economic Behavior, de John von Neumann e Oskar Morgenstern. É também empregue em numerosos domínios não económicos: estratégia nuclear, ética, ciência política e teoria evolucionista
    137. 137. Nova Microeconomia (teoria dos contratos)  A extensão da abordagem microeconómica conduziu também ao desenvolvimento da "teoria dos contratos". Esta teoria conceptualiza as organizações, instituições, famílias e empresas como conjuntos de contratos (nós de contratos, na terminologia económica). Uma empresa é, por exemplo, um nó composto por contratos de trabalho, ligando-a aos seus assalariados, por contratos ligando-a aos seus clientes e fornecedores, por contratos de produtos bancários e financeiros, por contratos legais ligando-a ao seu Estado ou região em matéria fiscal e de regulação. os mercados são outro caso particular de nós de contratos, neste caso de contratos de comércio. Os Estados, no sentido das organizações políticas que administram determinados espaços geográficos, são um outro exemplo de nó contratual, representando as Constituições contratos gerais ligando estas organizações ao povo que governam.
    138. 138. Teoria da Negociação  Um aspecto importante dos contratos é, regra geral, serem "incompletos", isto é, não conseguem especificar totalmente as obrigações das partes em todas as situações possíveis. O desenvolvimento desta teoria gerou naturalmente um aprofundamento das teorias da negociação e renegociação. De facto, o seu propósito é não só explicar como e porquê os contratos são formados entre os agentes, mas também as razões pelas quais eles os põem, ou não, em causa com o decorrer do tempo.  A nova microeconomia pode ser usada pela economia industrial, economia do trabalho e pela economia pública, devido à sua capacidade para se aproximar das preocupações práticas de certos industriais
    139. 139. Macroeconomia  A macroeconomia, também conhecida como "cross-section", examina a economia como um todo, "de cima para baixo", para explicar amplos agregados e suas interações. Tais agregados incluem as medições do produto nacional bruto, a taxa de desemprego, e inflação dos preços e subagregados como o consumo todas e os gastos com investimento e seus componentes. Ela também estuda os efeitos da política monetária e política fiscal. Desde pelo menos os anos 1960, a macroeconomia tem sido caracterizada pela integração cada vez maior com a modelagem de base micro de setores, inclusive a racionalidade dos agentes, o uso eficiente da informação no mercado, e a competição imperfeita. Isso tem abordado uma antiga preocupação sobre as inconsistências no desenvolvimentos da disciplina. A análise macroeconómica também considera fatores que afetem o nível de crescimento da renda nacional no longo-prazo. Tais fatores incluem a acumulação de capital, mudança tecnológica e crescimento da força de trabalho
    140. 140. PIB (Produto Interno Bruto) O produto interno bruto (PIB) representa a soma (em valores monetários) de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região (quer seja, países, estados, cidades), durante um período determinado (mês, trimestre, ano, etc). O PIB é um dos indicadores mais utilizados na macroeconomia com o objetivo de mensurar a atividade econômica de uma região. Na contagem do PIB, considera-se apenas bens e serviços finais, excluindo da conta todos os bens de consumo de intermediário. Isso é feito com o intuito de evitar o problema da dupla contagem, quando valores gerados na cadeia de produção aparecem contados duas vezes na soma do PIB
    141. 141. PIB real e PIB nominal Quando se procura comparar ou analisar o comportamento do PIB de um país ao longo do tempo, é preciso diferenciar o PIB nominal do PIB real. O primeiro diz respeito ao valor do PIB calculado a preços correntes, ou seja, no ano em que o produto foi produzido e comercializado, já o segundo é calculado a preços constantes, onde é escolhido um anobase onde é feito o cálculo do PIB eliminando assim o efeito da inflação. Para avaliações mais consistentes, o mais indicado é o uso de seu valor real, que leva em conta apenas as variações nas quantidades produzidas dos bens, e não nas alterações de seus preços de mercado. Para isso, faz-se uso de um deflator (normalmente um índice de preços) que isola o crescimento real do produto daquele que se deu artificialmente devido ao aumento dos preços da economia. Deflator do PIB O deflator do PIB é uma estatística simples calculada pela divisão do PIB nominal pelo PIB real multiplicados por cem. Como o PIB nominal e o PIB real serão iguais nos anos base, o deflator do PIB neste ano deve ser igual a cem. A importância do deflator do PIB é refletir as mudanças que ocorrem nos preços do mercado e, portanto, é usado para controlar o nível médio de preços em dada economia. O cálculo da taxa de inflação de um determinado ano leva em consideração, geralmente, o deflator do PIB deste ano em relação à mesma estatística referente ao ano anterior

    ×