Crises e ciclos financeiros portugueses, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos

  • 316 views
Uploaded on

Conferencia

Conferencia

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
316
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
5
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Ciclos e CrisesCrises financeiras portuguesas e fuga de capitais da Peninsula Ibérica
  • 2. CRISE SOBERANA• Portugal teve a longo da sua História 10 bancarrotas.• Elas existem sempre que o País toma uma opção estratégica continental, quer por via da integração ibérica, quer por via a integração europeia política ou tecnológica.• Todas as Crises da Divida Soberana e Bancárias em Portugal corresponderam a crises na Iberia e a fugas de capitais em toda a peninsula ibérica, incluindo na crise da 2007-2011• O País evita a bancarrota sempre que a solução externa é ultramarina (pirataria e saque das cidades do Norte de Africa, comércio de especiarias na India, exploração do ouro no Brasil e tráfico de escravos da costa africana.
  • 3. Ciclos e Crises em Portugal• DESTAQUE HISTÓRICO• Quadro de ocorrências em relação a Portugal• Defaults de dívida externa: 5 episódios: 1560; 1828; 1837-1841; 1850-1856; 1892-1901• Crises bancárias graves (primeiro ano): 1828; 1846; 1890; 1920; 1923; 1931; 2011• Quebras do PIB mais elevadas: 1928 (-9,7%); 1936 (-7,6%); 1940 (-6,5%); 1935 (-5,3%); 1918 (- 5,1%)• Programas com o FMI: 1977; 1978; 1983; 2011
  • 4. Crise da Dívida Soberana Portuguesa• A dívida pública do Estado português vai subir 4,5 pontos percentuais em 2011, atingindo, segundo o Orçamento do Estado, os 86,6% do PIB. Este valor não inclui a dívida das Empresas Públicas e das Parcerias Publico-Privadas que podem representar mais de 2,5 mil milhões de euros por ano nos proximos 20 anos (50 mil milhões).• Ao todo a Dívida Pública, no final de 2012, poderá chegar aos 110% do PIB, se incluirmos as PPP e os apoios adicionais da Troika FMI-BCE-CE
  • 5. Quadro 1 Bancarrotas externas em Portugal, Grécia e Espanha• País Número de episódios Ano de começo•• Espanha 12 1557• 1575• 1596• 1607• 1627• 1647• 1809• 1820• 1831• 1837• 1851• 1877•••• Portugal 5 1560• 1828• 1837 1850 1892•••••• Grécia 5 1826• 1843• 1860• 1894• 1932•Fonte: Kenneth Rogoff e Carmen Reinhart, “This Time is Different” (Princeton University Press, 2009) e “This Time is different Chartbook 2010” (NBER)
  • 6. Quadro 225 Mais da Dívida Externa total em % do PIB (2009) • • • País Dívida total ($mil milhões) % do PIB Irlanda 2387 1050 • Islândia 109 924 • Reino Unido 9088 413 • Holanda 2452 310 • Hong Kong 631 303 • Bélgica 1350 293 • Suíça 1340 273 • Portugal 507 230 • Áustria 832 222 • Dinamarca 607 197 • França 5021 190 • Espanha 2410 168 • Suécia 669 168 • Grécia 553 164 • Alemanha 5208 160 • Letónia 38 158 • Finlândia 365 151 • Noruega 548 149 • Estónia 23 125 • Hungria 150 121 • Bulgária 49 110 • Eslovénia 53 107 • Lituânia 36 101 • Austrália 920 100 • EUA 13450 94 • • Obs: Dívida pública e privada em 30 de Junho de 2009 • Fontes: Photius.com e CIA World Fact Book 2009 e 2010
  • 7. Quadro 320 Mais da Dívida externa total (2009) • • País Dívida externa • ($ mil milhões) • • EUA 13450 • Reino Unido 9088 • Alemanha 5208 • França 5021 • Holanda 2452 • Espanha 2410 • Irlanda 2387 • Japão 2132 • Luxemburgo 1994 • Bélgica* 1350 • Suíça 1339 • Austrália 920 • Canadá 834 • Áustria 832 • Suécia 669 • Hong Kong 631 • Dinamarca 607 • Grécia 553 • Noruega 548 • Portugal 507 • • Obs: Dívida pública e privada em 30 de Junho de 2009 • Fontes: Photius.com e CIA World Fact Book 2009 e 2010 • Nota: * Valores relativos a 2008
  • 8. Divida Pública/PIB em Portugal
  • 9. Evolução de Dívida no seculo XXI
  • 10. MoU Portugal-Troika• 1. Política Orçamental• Objectivos:• Reduzir o défice das Administrações Públicas para menos de 10.068 milhões de euros (equivalente a 5,9% do PIB baseado nas projecções actuais) em 2011, para 7.645 milhões de euros (4,5% do PIB) em 2012 e para 5.224 milhões de euros (3,0% do PIB) em 2013, através de medidas estruturais de elevada qualidade e minimizando o impacto da consolidação orçamental nos grupos vulneráveis; trazer o rácio dívida pública/PIB para uma trajectória descendente a partir de 2013; manter a consolidação orçamental a médio prazo até se obter uma posição de equilíbrio orçamental, nomeadamente através da contenção do crescimento da despesa; apoiar a competitividade através de um ajustamento da estrutura de impostos que seja neutral do ponto de vista orçamental.
  • 11. FIM