Intregracao de serra da estrela
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Intregracao de serra da estrela

on

  • 2,948 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,948
Views on SlideShare
2,948
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
27
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Intregracao de serra da estrela Intregracao de serra da estrela Presentation Transcript

  • Serra da estrela
  • História da Serra da Estrela
    A Serra da Estrela é a maior elevação de Portugal Continental, e a segunda maior em território da República Portuguesa (apenas o Pico, nos Açores, a supera). Tem 1993 metros de altitude e está situada entre os municípios de Seia e da Covilhã.. A real altitude da serra da Estrela, no seu cume, a Torre, é de 1993 m, conforme rectificações introduzidas por medições realizadas pelo Instituto Geográfico do Exército, já surgidas em folha à escala 1:25.000 que editou em 1993 (carta nº. 223). Assim, a altitude correntemente aceite de 1991 m, ainda muito divulgada, deve ser abandonada. Para completar os 2000 m foi construída uma torre de 7 m.
    Julga-se que corresponda à elevação a que os tratadistas romanos da Antiguidade chamavam de Montes Hermínios (HerminiusMons), e ter sido o berço do guerreiro lusitano Viriato.
    O ponto mais alto, a Torre, situa-se no concelho de Seia, distrito da Guarda. Também no concelho de Seia se situa a Estância de Esqui Vodafone, a única estância de esqui de Portugal, desenvolvendo-se a mesma nas encostas da serra que pertencem à freguesia de Loriga. As temperaturas mais baixas de Portugal são registadas no cume da Serra, com mínimas que atingem a marca de -20°C no Inverno.
    Na Serra da Estrela situa-se o Parque Natural da Serra da Estrela.
  • Flora
    FLORA: cervum, urgueira, sargaço, giesta, junco, cardo, serradela, feto.                 
            Muitas das flores da serra da estrela, desaparecem, porque arrancam-nas sem usos . Alguns animais estão a ser caçados. O lobo está quase a desaparecer, porque os caçadores matam-no, sem uso. Só os matam, por causa do medo. Então devemos protege-los dos caçadores. As plantas da Serra da Estrela situam-se a menos de 1900 m de altitude. 0 cão da serra protege os rebanhos dos  lobos, com as suas coleiras de picos, muito afiados. No Verão, os pastores tosquiam as suas ovelhas para fazer as camisolas de lã. Com as ovelhas os pastores fazem o famoso queijo da Serra da Estrela e também o requeijão, o leite, o queijo fresco e os iogurtes.
              Na serra da estrela, há plantas  insectívoras, elas prendem os insectos de que se alimentam segregando gotículas . No Parque Natural da Serra da Estrela, protegem-se as mais raras plantas da Serra da Estrela. Nela existem muitos gatos-bravos, salamandras -de -pintas,  lobos, lebres, etc. O  requeijão e o queijo da Serra da Estrela é muito procurado, por todas as pessoas do mundo (turistas).
  • Fauna
                FAUNA: gato - bravo,  lagartixa da montanha, garça real, javali, rã, lobo, salamandra de pintas, milhafre preto, cão da serra, tritão.
  • Turismo
    Porta aberta à Serra da Estrela e à sua imponência natural. Ás suas delícias, às emoções da neve e à pureza das paisagens que nos fazem sonhar.
    Cidade de origem antiga, desde sempre serrana e panorâmica, a quem os romanos deram o nome de CivitatemSennam. A pastorícia e o fabrico do queijo remontam à Proto-História, tal como os Lusitanos, povo de pastores e guerreiros dos Montes Hermínios, cuja bravura e resistência a Roma é relatada desde o séc. IV d.C., por historiadores gregos e latinos. Esses tempos revelam-se hoje no Castro de S. Romão, a 4 kms de Seia. Aqui ainda se vêem três muralhas em volta de um Tor granítico, de grandes blocos. No centro da cidade a história é mais recente. Do seu antigo castelo medieval que foi conquistado aos Mouros por D. Afonso Henriques, em 1132, só resta o terreiro rochoso, hoje ocupado pela Igreja Matriz e envolvido por belo panorama e pelo Bairro do Castelo, todo ele cruzado de ruelas estreitas e casario de rosto antigo. Mais abaixo pode ver a Casa das Obras, edifício apalaçado do séc. XVIII, onde estão os actuais Paços do Concelho e que foi o antigo Solar dos Albuquerques e quartel-general de Wellington durante a última invasão napoleónica. A capela de S. Pedro, tem um portal românico, séc. XIII, e o corpo da nave é de reedificação manuelina, séc. XVI, demonstrada no fecho da abóboda pelo florão com a Cruz de Cristo, símbolo de D. Manuel I. Em frente da Capela situa-se o Solar dos Botelhos, também decorado com três belas janelas manuelinas. Ao lado, a Igreja da Misericórdia do séc. XVIII.
    Pelos vales encantados do Alva, Loriga e Alvoco
    Em tempo de férias, venha ver os encantos do nosso mundo rural, onde brilha o chão verde dos socalcos, as águas límpidas da Serra da Estrela e o sorriso das gentes que fizeram dos velhos vales glaciares novas terras de pão.
  • Cão Serra da Estrela
    Altas penedias, solo granítico, vegetação arbustiva, vida dura e difícil, foram os grandes moldadores da bela raça «Cão Serra da Estrela».
    As terras que hoje formam o Parque Natural da Serra da Estrela foram o seu solar – foi aqui que ela se fixou e adaptou.
    Animais de grande beleza, de avantajada corpulência e de nobres sentimentos, foram companheiros do homem desta região, através de milénios, no seu labor quotidiano.
    Desde sempre, estes garbosos cães, as mais das vezes sustentados parcamente, tiveram a incumbência de zelar pela segurança de pastores e rebanhos, ante o ataque das feras que infestavam estas paragens.
    Nas épocas de invernia, em que homens e rebanhos eram obrigados a abandonar a serra e a deslocar-se, nas suas rotas de transumância, em busca de pastos viçosos, percorrendo por vezes quilómetros infinitos, lá iam os fiéis cães a seu lado, cuidando para que nada de mal lhes acontecesse.
  • O «Cão Serra da Estrela» foi como que um elemento vivo adoçante da agreste e altiva paisagem rochosa da serra – era nele que o pastor confiava, era com ele que o pastor falava.
    Também, nos nossos dias, longe do seu «habitat» original, pode ser um agente neutralizante da vida nervosa e agitada que se leva. Possuir-se um ou mais cães desta raça, calma e segura, e com eles conviver-se pode ser uma ajuda, e grande, para nos defendermos dos efeitos nefastos do «stress» contemporâneo, pela alegria e paz de espírito que eles nos trazem.
    O«CãoSerra da Estrela» é daqueles em que se pode ter confiança e que, além disso, é capaz de proporcionar momentos de prazer, a si e aos seus, protegendo-os simultaneamente.
  • Queijo da Serra da Estrela
    Trata-se de um queijo produzido exclusivamente com leite de ovelha da raça Bordaleira, coalhado pela flor do cardo Cinaracardunculus L., planta espontânea característica da nossa Região que tem como finalidade coalhar a massa que dará origem ao Queijo da Serra. A coalha é posta no cincho, pressionada manualmente até esgotar todo o soro e maturada, durante nunca menos de trinta dias, em câmaras de cura com controlo de humidade e temperatura. Apresenta-se com a forma de cilindro baixo, abaulado lateralmente e na face superior, portanto sem bordos definidos.
  • Gastronomia
  • Entradas
    Farinheira com Míscaros
    Grelos à Pastor
    Torresmos
    Farinheira de Gouveia com Ovo
    Prova de Chouriças
    Farinheiros de Todo o Ano
    Morcela da Guarda
    Míscaros
    Maranhos ou Borlhões
    Morcela para Todo o Ano
    Bucho
    Bucho Recheado
    Migas de Farinheiro
    Chouriças de Bofe
    Farinheiros
    Serrabulho à Moda da Beira
  • Sopas
    Caldo Verde com Bagudos
    Pastel de Molho da Covilhã
    Sopa da Beira Baixa
    Caldo de Grão à Moda da Guarda
  • Peixes
    Bacalhau à Assis
    Tiborna
    Bacalhau à Conde da Guarda
    Bacalhau com Broa
    Trutas à Moda de Manteigas
    Bacalhau à Lagareiro
    Migas de Grão de Alpedrinha
    Trutas Recheadas com Presunto
    Peixe do Rio
  • CARNES
    Chispe à Moda de Trancoso
    Caldeirada de Cabrito
    Febras à Moda da Feira
    Arroz de Carqueja
    Cabrito à Serrana
    Grão de Bico à Moda da Arrifana
    Cabrito em Brasa de Azinho
    Feijoca à Senhora do Monte
    Panela no Forno
    Cabrito na Telha
    Feijoada de Cabritinho com Grelos
  • SOBREMESAS
    Biscoitos
    Gargantas de Freira
    Talassas
    Queijadinhas Serranas
    Bolo de Azeite
    Lampreia de Ovos
    Filhós
    Massapães
    Arroz Doce
    Doce de Requeijão com Amêndoa
    Rapsódia
    Sardinhas Doces de Trancoso
    Rabanadas da Beira
    Pudim de Requeijão de Trancoso
    Órgão
    Leite-creme
    Papas de Carolo
    Requeijão à Moda da D. Rosalina
    Cavacas de Pinhel
  • Trabalho Elaborado por:
    Rui Santos
    Mónica Henriques
    Rompida Batista