Your SlideShare is downloading. ×
Histórico da china
Histórico da china
Histórico da china
Histórico da china
Histórico da china
Histórico da china
Histórico da china
Histórico da china
Histórico da china
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Histórico da china

249

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
249
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Escola estadual prof ° jaceguaiu reis cunha Professor: Michel Santana Aluna: Larissa Silva Santos turma: 72 Assunto: O Dragão e os tigres asiaticos. Boa Vista- RR 22/11/ 2012
  • 2. Escola estadual prof° jaceguai reis cunha Assunto: O Dragão e os tigres asiaticos. Boa Vista- RR 22/11/2012 Trabalho apresentado para a obtenção de media na disciplina de geografia, ministrado pelo professor Michel Santana.
  • 3. Introdução O país asiático que iniciou esse ciclo rápido de crescimento foi o Japão, com uma bem sucedida reforma agrária, seguida de um aumento rápido da renda dos fazendeiros, que criou um mercado local para novas fábricas. O Japão atuou não só como estímulo, mas também como exemplo. A imensa e ininterrupta expansão da economia japonesa foi decisiva para criar um dinâmico mercado em toda a área circundante do pacífico. A seguir veremos mais sobre a O Dragão e os tigres asiaticos. Podemos compreender que o dragão ao que o texto se refere é a China. E veremos também sobre a econômia da China e dos tigres asiaticos, ou seja, dos demaia países.Falaremos também sobre o relevo da china, e entre outras coisas. Então vamos adiquerir conhecimento.Nesse trabalho falaremos também sobre aChina, seus pontos turístico, suas características naturais, seu desenvolvimento social, sua potencialidade econômica e seu histórico de povoamento. Localizada na Ásia, tem como sua maior cidade Pequim, sendo a mesma sua capital. A língua oficial é mandarim, e é comandada em regime socialista. Veremos a seguir um pouco mais sobre esse interessante país.
  • 4. Desenvolvimento: Os Tigres Asiaticos. A expressão Tigres asiáticos refere-se às economias de Hong Kong, Singapura, Coréia do Sul e Taiwan (Formosa); esses territórios e países apresentaram grandes taxas de crescimento e rápida industrialização entre as décadas de 1960 e 1990. A partir da década de 80, alguns países do Pacífico começaram a apresentar altos índices de crescimento mundial e interferência no mercado mundial, sendo por isso designados como tigres asiáticos. Os termos lembram agressividade e é exatamente essa a característica fundamental dos quatro países que formam esse grupo. Eles utilizaram estratégia arrojada de atração de capital estrangeiro - apoiada na mão-de-obra barata e disciplinada, na isenção de impostos e nos baixos custos de instalação de empresas. A imensa e ininterrupta expansão da economia japonesa foi decisiva para criar um dinâmico mercado em toda a área circundante do Pacifico. O Japão atuou não só como estímulo, mas também como exemplo. O crescimento mais marcante foi o apresentado pela Coréia do Sul, um dos mais pobres países em desenvolvimento na década de 1960, que se transformou numa semi- industrializada nação de renda média. O progresso de Taiwan seguiu o mesmo rumo. O país asiático que iniciou esse ciclo rápido de crescimento foi o Japão, com uma bem sucedida reforma agrária, seguida de um aumento rápido da renda dos fazendeiros, que criou um mercado local para novas fábricas. No final da década de 1990, as exportações chegavam a 202% do PNB (produto nacional bruto) em Singapura e a 132% em Hong Kong. O índice de crescimento era alto nos tigres, e, a despeito da crise asiática, a população tinha um alto nível de alfabetização e a economia girava em torno da construção naval, produtos têxteis, petroquímicos e equipamentos elétricos. O crescimento mais notável ocorreu principalmente na economia de entrepostos. Hong Kong, graças à economia de mercado puro e, apesar de sobrecarregada pelas desvantagens do colonialismo (anteriormente existente enquanto colônia britânica), elevou sua renda per capita para cerca de seis vezes mais que a da China continental. Os Tigres compartilham muitas características com outras economias asiáticas, como Japão e China. Iniciaram o que passou a ser visto como uma particular aproximação asiática do desenvolvimento econômico. Alguns desses países estavam na década de 1960 com indicadores sociais semelhantes a de países africanos altamente estagnados; as principais transformações basearam-se em acesso à educação e criação de infraestrutura de transportes (fundamental para a exportação competitiva). Com o tempo, o termo Tigre tornou-se sinônimo de nação que alcançou o crescimento com um modelo econômico voltado para exportação. Recentemente, nações do Sudeste asiático, como Indonésia, Malásia, Filipinas e Tailândia também passaram a ser consideradas Tigres. Os Tigres asiáticos alcançaram o desenvolvimento com um modelo econômico
  • 5. exportador; esses territórios e nações produzem todo tipo de produto para exportá-los a países industrializados. O consumo doméstico é desestimulado por altas tarifas governamentais. Eles encaram a educação como um meio de aumentar a produtividade. Os países melhoraram o sistema educacional em todos os níveis, assegurando que toda criança frequente o ensino fundamental e o ensino médio. Também investiu-se na melhoria do sistema universitário. Como os Tigres eram relativamente pobres durante a década de 1960, tinham abundância de mão-de-obra barata. Juntamente com a reforma educacional eles conseguiram aproveitar essa vantagem, criando uma força de trabalho de baixo custo, mas muito produtivo. Os mesmos promoveram a igualdade na forma de reforma agrária, para promover o direito de propriedade e para assegurar que os trabalhadores rurais não se prejudicassem. Também foram implantadas políticas de subsídios à agricultura. Além de um sério planejamento econômico, outros fatores favoreceram o desenvolvimento destes países. Alguns fatores muito importantes: - Investimento de capital estrangeiro, principalmente norte-americano e japonês, que via nesses países uma localização estratégica para fortalecer o capitalismo contra o socialismo, na época da Guerra Fria; - Exploração da força de trabalho, relativamente barata, que compensava a falta de matérias-primas - as férias são muito reduzidas, a jornada de trabalho elevada e a previdência social restrita; - Distribuição mais equilibrada de renda em relação a outros países capitalistas; - Estados altamente centralizados e ditatoriais; - Economias voltadas fundamentalmente para o mercado externo; - Ética confucionista - estabelece um modelo socioeconômico que enfatiza o equilíbrio social, a consciência de grupo, a hierarquia, a disciplina e o nacionalismo. As grandes empresas são vistas como grandes famílias, viabilizando, muitas vezes, a ordem e a maior produtividade. Uma das principais críticas ao sistema econômico dos Tigres é o foco exclusivo na exportação, deixando de lado a importação. Com isso, essas economias tornam-se extremamente dependentes da saúde econômica de suas nações compradoras. Além disso, esses países passam por dificuldades por não terem mais a competitividade inicial. Índia e China são economias emergentes atualmente, usando o modelo baseado na mão-de-obra barata, substituindo os Tigres
  • 6. Histórico da China A civilização chinesa tem uma longa história, cuja principal característica foi, até o século XIX, a imutabilidade de determinados elementos como o cultivo de cereais, a escrita, a importância da família ou o culto aos antepassados. Assim como outros povos da antiguidade, os chineses pensavam que a melhor forma de viver não consistia em modernizar-se, mas em repetir arquétipos do passado. Pré-história Sítios paleontológicos de Zhou Koudian (Chou Kou-tien), próximo de Pequim, demonstram a presença de hominídeos primitivos, os chamados sinantropos, há mais de 200.000 anos. São pouco documentadas as origens da civilização chinesa. Na Mongólia e na Manchúria desenvolveu-se uma cultura mesolítica de caçadores e agricultores no período pós-glacial. Em Linxia e Chifeng apareceram as primeiras colônias agrícolas sedentárias. No início do quarto milênio antes da era cristã, surgiu na fértil região do vale do Amarelo a civilização neolítica de Yangzhou, caracterizada pela pintura em cerâmica, pelo aperfeiçoamento das técnicas agrícolas (cultivo de cereais) e pela domesticação de animais. Primeiras dinastias No começo do segundo milênio antes da era cristã, a China entrou na idade do bronze. A descoberta desse metal teve conseqüências importantíssimas. Formou-se uma vasta civilização caracterizada pela divisão da sociedade entre os nobres, habitantes das cidades-palácios, e os camponeses. A nobreza reconhecia a autoridade de um soberano, embora o poder deste, na prática, se limitasse ao campo religioso. Assim surgiu a primeira dinastia conhecida, denominada Shang (séculos XVIII-XII a.C.), da qual se tem notícia pelas inscrições encontradas nas escavações de Anyang. Essa dinastia, enfraquecida pela pressão dos povos vizinhos, foi substituída entre os séculos XII e III a.C. pela dinastia Zhou (Chou), que transferiu a capital para Luoyang, na região de Henan (Honan). Desde o século VIII a.C., a vasta civilização chinesa já ocupava o curso médio do rio Amarelo. Esse amplo território era de dificílimo controle. A unidade cultural do início viu-se ameaçada pelas tendências desagregadoras dos principados periféricos e pela pressão dos povos bárbaros vizinhos, sobretudo os do norte, os mongóis, pois os do sul foram vencidos e assimilados. Graças à descoberta do ferro foi possível conter as hordas que ameaçavam as fronteiras. As guerras desse período vieram acompanhadas de grande florescimento cultural. Foi nessa época que surgiram as duas principais correntes filosóficas da China: o confucionismo, que ressaltava os princípios morais, e o taoísmo, criado por Laozi (Lao-tzu ou Lao-tsé), que defendia uma vida em harmonia com a natureza. Outra escola importante foi a de Mêncio (em chinês Mengzi,
  • 7. Mengtse ou Meng Ko), que destacava a importância da educação como meio para aperfeiçoar a natureza humana. Primeira unificação chinesa: dinastias Qin e Han. Os últimos reis Zhou viveram retirados em Luoyang. Entre os anos 230 e 221 a.C., o estado de Qin (ou Ch'in) destronou a dinastia Zhou e se impôs aos príncipes locais. Embora de curta duração (221-206 a.C.), a dinastia Qin foi de vital importância para a China, pois lançou as bases de um império que haveria de se manter durante mais de dois milênios. O império consistia em um território unificado sob controle religioso e político de um soberano. Mas a dispendiosa política defensiva e centralizadora dos Qin (construção da Grande Muralha, estradas) provocou uma sublevação generalizada da qual saiu vencedor o proprietário de terras Liu Pang, que impôs sua autoridade e fundou a dinastia Han (206 a.C.-220 da era cristã). A política dessa dinastia se voltou para o fortalecimento do poder real, o que tornava imprescindível enfraquecer os príncipes feudais. O governo central apoiava-se em um funcionalismo fiel; este provinha de um corpo de letrados recrutados mediante concurso.
  • 8. Conclusão: Diante das informações expostas acima, nota-se que os países chamados tigres asiáticos, obtiveram um rápido crescimento econômico, adotando uma política de baixos impostos, investimentos em tecnologia e educação, forte participação na economia de mercado e, como estratégia de desenvolvimento, esses países direcionaram-se, principalmente, para o mercado externo. A China é o país mais populoso do mundo e o terceiro maior em área e está localizado na Ásia oriental. Graças à uma política de mercado de base socialista, a China é hoje a segunda potência comercial do mundo e apresenta um dos melhores índices de desenvolvimento tecnológico, industrial, comercial, e educacional. País de uma população superior a 1 bilhão e 300 mil habitantes com cultura milenar, constitui um mercado potencial para gerar grandes negócios, para onde hoje estão se voltando os interesses de grandes investidores do mercado mundial. A República Popular da China contém uma grande diversidade de paisagens, relevo (65% da superfície continental) e de conjuntos climáticos. Possui quatro climas diferentes: de montanha; continental árido; subtropical; temperado continental. Nesse país existe também a presença de bastantes vulcões e uma atividade tectônica instável.
  • 9. Bibliografia: Livro: geografia ensino fundamental 8° ano. www.amigonerd.net.com www.brasilescola.com www.conhecaolivreiro.com.br

×