Interação Humano-Computador - História, Conceitos e Heurísticas de Nielsen
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Interação Humano-Computador - História, Conceitos e Heurísticas de Nielsen

on

  • 11,152 views

Ergonomia Informacional e IHC (Interação Humano-computador) - ...

Ergonomia Informacional e IHC (Interação Humano-computador) -
Design - UFMA

Prof. Dr. Carlos de Salles Soares Neto

Estágio a docência
Professor Auxiliar: Rosendy Jess Fernandez Galabo

Statistics

Views

Total Views
11,152
Views on SlideShare
11,115
Embed Views
37

Actions

Likes
7
Downloads
356
Comments
1

5 Embeds 37

http://wendermanoel.webege.com 20
http://www.wendermanoel.webege.com 7
http://www.wendermanoel91.xpg.com.br 6
http://wendermanoel91.xpg.com.br 3
https://twitter.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Interação Humano-Computador - História, Conceitos e Heurísticas de Nielsen Interação Humano-Computador - História, Conceitos e Heurísticas de Nielsen Presentation Transcript

  • ERGONOMIAINFORMACIONAL E IHCInteração Humano-ComputadorRosendy Jess Fernandez Galaborj@fgalabo.com@zndgalabo
  • Ementa da discplina5.5 Ergonomia e usabilidade de programas einteração homem-computador• 5.5.1 Usabilidade e utilidade de interfaces• 5.5.2 Navegação em sistemas multimídia ehipertexto• 5.5.3 Projeto de telas• 5.5.4 Compreensibilidade de signos• 5.5.5 Legibilidade de textos eletrônicos
  • Bibliografia1. BARBOSA, S.D.J.; SILVA,B.S. Interação Humano-Computador. EditoraCampus - Elsevier, 2010.2. CYBIS, W. A.; BETIOL, A.H.; FAUST, R . Ergonomiae Usabilidade:conhecimentos, métodos eaplicações. 2. ed. SãoPaulo: Novatec Editora,2010. 422p.3. KRUG, Steve. Não me façapensar. 2 ed. Rio deJaneiro: Alta Books. 2011.201p.
  • Bibliografia4. KRUG, Steve. SimplificandoCoisas que ParecemComplicadas. 1 ed. Rio deJaneiro: Alta Books. 2010.168p.5. GARRETT, Jesse James. Theelements of user experience:user-centered design for theweb. New York: News Riders,2003.6. NIELSEN, Jakob; LORANGER,Hoa. Usabilidade na Web:projetando websites comqualidade. Rio de Janeiro:Campus, 2007.
  • Bibliografia4. PREECE, J.; ROGERS, Y.;SHARP, H. Design deinteração: além da interaçãohomem-computador. PortoAlegre: Bookman, 2005.5. SANTA ROSA, JoséGuilherme; MORAES,Anamaria de. Avaliação eprojeto no design deinterfaces. 1. Ed. Teresópolis,RJ: 2AB, 2008.6. UNGER, R. CHANDLER, C. OGuia para Projetar UX: AExperiência do Usuário (UX)para projetistas deconteúdodigital, aplicações eweb sites. Rio de Janeiro: AltaBooks, 2009. 268p.
  • Origens da Interação Humano-Computador• Durante os anos 1960 e início dos 1970, pesquisadoresdas ergonomia passaram a dar mais atenção a mapear oprocessamento da informação e de habilidadesdecisórias do usuário típico. (SANTA ROSA eMORAES, 2008)
  • Origens da Interação Humano-Computador• Final dos anos 1970, o amplo projeto de ciênciacognitiva, que incorporou a psicologia cognitiva,inteligência artificial, lingüística, antropologiacognitiva e a filosofia da mente, havia se formado.Parte do programa era articular as aplicaçõessistemáticas e cientificamente informada a serconhecida como “engenharia cognitiva” (CARROLL,2009)
  • Origens da Interação Humano-Computador• Até final de 1970 –Profissionais datecnologia dainformação eprofissionaisdedicados• Computação gráficasurgiu na década de1970.
  • Origens da Interação Humano-Computador• 1973 - Primeirocomputador pessoal,Alto, desenvolvido noXerox Palo AltoResearch Center(PARC) o primeirosistema comercial comum editor de texto,mouse, e interfacegráfica.
  • Origens da Interação Humano-Computador• Computação Pessoal• Aplicações deprodutividade• Editores de texto eplanilhas• Jogos de computador• Sistemas operacionais
  • Origens da Interação Humano-Computador• Meados de 1980• A engenharia de fatores humanos, que desenvolveu muitastécnicas para a análise empírica do sistema de interaçõeshumanas em domínios chamados de controle, tais como aviação efabricação, passou a ver IHC como um domínio importante edesafiador no qual os operadores humanos regularmenteexerciam maior resolução de descrição problemas.(CARROLL, 2009)
  • Origens da Interação Humano-Computador• 1990• Tim Berners-Lee desenvolve a World-Wide Web (WWW)
  • Origens da Interação Humano-Computador• 1993• Lançamento do Mosaic, o primeiro browser amplamente utilizado.
  • O que é IHC?• IHC é um campo de estudo interdisciplinar que temcomo objetivo geral entender como e por que as pessoasutilizam (ou não utilizam) a tecnologia da informação.(SANTA ROSA e MORAES, 2008).
  • HCIErgonomiaPsicologiaSocial e Orga-nizacionalPsicologiaCognitivaCiência daComputaçãoInteligênciaArtificialLinguística FilosofiaSociologiaAntropologiaDesignEngenhariaPREECE, 1993IHC
  • O que é IHC?• É a área da ergonomia que estuda formas de aumentara compatibilidade entre as característicascomportamentais humanas e o processamento /representação das informações através docomputador” (SCAPIN, 1993)• Complementando... Rocha e Baranauskas (2003)afirmam que:• “HCI trata do design de sistemas computacionais que auxiliemas pessoas de forma que possam executar suas atividadesprodutivamente e com segurança”.
  • O que é IHC?• IHC é a disciplina preocupada com o design,avaliação e implementação de sistemascomputacionais interativos para uso humano ecom o estudo dos principais fenômenos ao redordeles
  • Benefícios do IHC• Aumentar a produtividade;• Reduzir o número e a gravidade dos erroscometidos pelos usuários;• Reduzir o custo de treinamento;• Reduzir o custo de suporte técnico;• Aumentar as vendas e fidelidade do cliente;
  • Elementos envolvidos na interaçãousuário-sistema• Interface - é o meio peloqual o diálogo entre ocomputador e o ser humanoé estabelecido. Este diálogoacontece em harmonia,quando fatores humanossão considerados.(PRESSMAN, 1995).
  • Elementos envolvidos na interaçãousuário-sistema• Interação Usuário-Sistema – Pode serconsiderada como tudo oque acontece quando umapessoa e um sistemacomputacional se unempara realizar tarefas,visando um objetivo (Hix eHartson, 1993)
  • Elementos envolvidos na interaçãousuário-sistema• Affordance – conjunto das características de um objetocapazes de revelar aos seus usuários as operações emanipulações que eles podem fazer com ele (Norman,1988)
  • UsabilidadeUsabilidadeInteraçãoHomem-ComputadorDesign deInterfacesDesignde TelasUsabilidadede Produto
  • Usabilidade• Em IHC, comumente utiliza-se a usabilidade como umdos critérios de qualidade de uso em sistemas interativos.(BARBOSA e SILVA, 2010)• No intuito de facilitar o acesso e a navegação dentro emum website ou um sistema, estudos na área de InteraçãoHumano-Computador (IHC) são frequentementeutilizados sob a forma de recomendações de usabilidade.(SANTA ROSA e MORAES, 2008).
  • Usabilidade• Nielsen (2003) define usabilidade como “uma medida daqualidade da experiência do usuário ao interagir comalguma coisa – seja um site na Internet, um aplicativo desoftware tradicional, ou outro dispositivo que o usuáriopossa operar de alguma forma”.
  • Usabilidade• Um atributo de qualidade relacionado à facilidade douso de algo. Refere-se à rapidez com que os usuáriospodem aprender a usar alguma coisa, a eficiência delesao usá-la, o quanto lembram daquilo, seu grau depropensão a erros e o quanto gostam de utilizá-las. Seas pessoas não utilizarem um recurso, ele pode muitobem não existir. (NIELSEN e LORRANGER, 2007).
  • Usabilidade• De acordo com a ISO 9241-11, a usabilidade é umamedida na qual um produto pode ser usado por usuáriosespecíficos para alcançar objetivos específicos comeficácia, eficiência e satisfação em um contextoespecífico de uso.EFETIVIDADEEFICIÊNCIASATISFAÇÃOUSABILIDADEUsuários específicosTarefas específicasAmbientes específicos
  • Critérios e princípios para o projeto deinterfaces• Segundo Cybis et al. (2010), há uma configuração basea partir da qual uma interface pode favorecer oestabelecimento da usabilidade na relação usuário-sistema. Essa configuração se faz respeitando critérios,princípios ou heurísticas de usabilidade propostos pordiversos autores e instituições nas últimas décadas.• Regras de Ouro (Ben Shneiderman)• Princípios de diálogo (ISO 9241:10)• Critérios ergonômicos (Bastien & Scapin)• Heurísticas de usabilidade (Jakob Nielsen)
  • Critérios e princípios para o projeto deinterfaces• Regras de ouro (Ben Shneiderman)1. Perseguir a consistência;2. Fornecer atalhos;3. Fornecer feedback informativo;4. Marcar o final dos diálogos;5. Fornecer prevenção e manipulação simples de erros;6. Permitir o cancelamento de ações;7. Fornecer controle e iniciativa ao usuário;8. Reduzir a carga de memória de trabalho.
  • Critérios e princípios para o projeto deinterfaces• Princípios de diálogo (ISO 9241:10)• Adaptação à tarefa;• Autodescrição (feedback);• Controle ao usuário;• Conformidade às expectativas do usuário;• Tolerância aos erros;• Facilidade de individualização;• Facilidade de aprendizagem
  • Critérios e princípios para o projeto deinterfaces• Critérios ergonômicos (Bastien & Scapin)• Adaptação à tarefa;• Autodescrição (feedback);• Controle ao usuário;• Conformidade às expectativas do usuário;• Tolerância aos erros;• Facilidade de individualização;• Facilidade de aprendizagem
  • Critérios e princípios para o projeto deinterfaces• Critérios ergonômicos (Bastien & Scapin)• Condução• Carga de trabalho• Controle explícito• Adaptabilidade• Gestão de erros• Homogeneidade/consistência• Compatibilidade
  • Critérios e princípios para o projeto deinterfaces• Heurísticas de usabilidade (Nielsen e Molich)• Visibilidade do estado do sistema;• Mapeamento entre o sistema e o mundo real;• Liberdade e controle ao usuário;• Consistência e padrões;• Prevenção de erros;• Reconhecer em vez de relembrar;• Flexibilidade e eficiência de uso;• Design estético e minimalista;• Suporte para o usuário reconhecer, diagnosticar erecuperar erros;• Ajuda e documentação
  • Heurísticas de usabilidade• Visibilidade do estado do sistema;• O sistema precisa manter os usuários informados sobretudo o que acontece por feedbacks em tempo adequado.Deve-se informar aos usuários onde eles estão, de ondeveem e para onde vão enquanto navegam pelas telas dosistema.
  • Heurísticas de usabilidade• Mapeamento entre o sistema e o mundo real;• Deve-se utilizar terminologia familiar ao usuário, e nãotermos específicos de processamento de dados ou dosistema em questão. As instruções devem aparecer deforma lógica e natural, que faça sentido para o usuário
  • Heurísticas de usabilidade• Liberdade e controle ao usuário;• O sistema deve apresentar um certo grau de liberdade,permitindo que o usuário possa fazer escolhas e sair desituações inesperadas, como por exemplo, engano dousuário ou erros do sistema.
  • Heurísticas de usabilidade• Consistência e padrões;• O sistema deve ser previsível. Padrões para terminologia,cores, posicionamento e outros atributos de elementosdevem ser estabelecidos com coerência ao longo de todaa interface gráfica do usuário.• A consistência não é apenas uma questão de design detela, mas inclui considerações sobre a tarefa e a estruturade funcionalidade do sistema
  • Heurísticas de usabilidade• Prevenção de erros;• Melhor do que boas mensagens de erro é um projetocuidadoso que previne a ocorrência de problemas
  • Heurísticas de usabilidade• Reconhecimento em vez de memorização• Devem-se tornar visíveis objetos, ações e opções. Ousuário não deve ter que se lembrar de informações deuma para outra parte do diálogo. Instruções para uso dosistema devem estar visíveis e facilmenterecuperáveis quando necessário.
  • Heurísticas de usabilidade• Flexibilidade e eficiência de uso• Aceleradores de tarefa, como teclas de atalho,comandos escritos por fala, podem não ser visualizadospelos novatos, mas aumenta a velocidade de interaçãoentre os usuários experientes e o sistema. Isso faz comque o sistema possa atender tanto aos usuáriosexperientes quanto aos novatos. É importante lembrar queos usuários novatos de hoje tornar-se-ão experientes aolongo do uso do sistema
  • Heurísticas de usabilidade• Design estético e minimalista;• Devem ser apresentadas apenas informações que ousuário necessite, excluindo as irrelevantes ouraramente necessárias, pois qualquer unidade deinformação extra no diálogo competirá com unidadesrelevantes de informação e diminuirá sua visibilidaderelativa. As informações devem aparecer em uma ordemnatural de acordo com as expectativas do usuário.Informações relacionadas devem estar agrupadasgraficamente.
  • Heurísticas de usabilidade• Ajudar os usuários a reconhecer, diagnosticar erecuperar ações erradas• Mensagens de erro devem ser expressas em linguagemclara (sem códigos), indicando precisamente o problema esugerindo construtivamente uma solução.
  • Heurísticas de usabilidade• Help e documentação• É necessário prover help e documentação. Essasinformações devem ser de fácil busca e acesso,focalizadas na tarefa do usuário, organizadas comopassos concretos para realização da tarefa em questão enão devem ser muito longas.
  • Referências bibliográficas• ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO 9241-11/1998 -Requisitos Ergonômicos para Trabalho de Escritórios com Computadores:Orientações sobre Usabilidade. Rio de Janeiro, ABNT, 2000.• BARBOSA, S.D.J.; SILVA, B.S. Interacao Humano-Computador. EditoraCampus - Elsevier, 2010.• Carroll, John M. (2009): Human Computer Interaction (HCI). In: Soegaard,Mads and Dam, Rikke Friis (eds.). "Encyclopedia of Human-ComputerInteraction". Aarhus, Denmark: The Interaction-Design.org Foundation. Disponívelem: http://www.interaction-design.org/encyclopedia/human_computer_interaction_hci.html• CYBIS, W. A.; BETIOL, A. H.; FAUST, R . Ergonomia e Usabilidade:conhecimentos, métodos e aplicações. 2. ed. São Paulo: Novatec Editora, 2010.422p.• GALABO, R. J. Avaliação da usabilidade de website da Universidade Federaldo Maranhão: percepção do corpo discente. 2011. 108f. Monografia(Graduação em Desenho Industrial) – Universidade Federal do Maranhão.• HIX, D. & HARTSON, H. Developing User Interfaces: Ensuring UsabilityThrough Product and Process. New York, NY: John Wiley & Sons, 1993.
  • Referências bibliográficas• MORAES, A. Design e Avaliação de interfaces, Rio de Janeiro: iUsEr, 2002.148p.• NORMAN, D. A. Psychology of Everyday Things. Basic Books, 1988.• PREECE, J.; ROGERS, Y.; SHARP, H. Design de interação: além da interaçãohomem-computador. Porto Alegre: Bookman, 2005.• PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software. 3 ed. São Paulo: MakronBooks, 1995. p. 602-606.• ROCHA, H. V.; BARANAUSKAS, M. C. C. Design e avaliação de InterfacesHumano-Computador. Campinas, SP: NIED – UNICAMP, 2003.• SANTA ROSA, José Guilherme; MORAES, Anamaria de. Avaliação e projeto nodesign de interfaces. 1. Ed. Teresópolis, RJ: 2AB, 2008.• UNGER, R. CHANDLER, C. O Guia para Projetar UX: A Experiência do Usuário(UX) para projetistas de conteúdo digital, aplicações e web sites. Rio de Janeiro:Alta Books, 2009. 268p.