Metabolismo do potássio

839 views
727 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
839
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Metabolismo do potássio

  1. 1. Resumo de aula Prof. LéoMetabolismo do PotássioPaciente, 24 anos com lesão de c3 e c4, artodese, chega em parada respiratória. No andar, começou aapresentar confusão mental e flacidez. Chegou em GEG, parada respiratória, RCI, PA não mensurável,normotérmica. Conduta inicial: hidratação. HD: Lesão de troncoExame Laboratorial: Hipocalemia.K corporal total: 50 mEq/kgK sérico: 3,5 a 5,0. É o que se trabalha no dia-a-diaO artifício que mantém a maior parte do K dentro das céls (98%) é a bomba Na/K ATPase. O magnésioé o cofator.Cetoacidose diabética- Fisiopatologia: Mais comum em DM tipo 1, o paciente tem déficit de glicose, oorganismo realiza neoglicogênese, seja a partir da glicólise, ou lipólise ou proteólise, e desse processoresulta a formação de corpos cetônicos. Esses corpos cetônicos em grande quantidade levam opaciente a uma condição hiperosmolar, uma acidose metabólica grave, a cetoacidose diabética. Seesse paciente apresenta uma dosagem sérica de K=4,0, a princípio NÃO há déficit de K. Quando háuma condição de déficit de insulina, há neoglicogênese, e a condição de cetonemia se estabelece atéchegar a um limiar que passa a ser excretada na urina (cetonúria). O potencial hidrogeniônico está altoe o pH baixo. Com isso, sai água do meio intra para o meio extracelular. O organismo tenta substituir oH pelo K, forçando sua saída para o meio extracelular. Com a condição de volemia aumentada, o ADHvai ser inibido e o paciente vai urinar (diurese hiperosmótica). Com isso, haverá grande perda deeletrólitos (Na, Mg, Ca,etc), incluindo o K. Por isso, não se pode dizer que o K corporal total vai estarnormal, apesar do valor do K sérico estar na faixa considerada normal.Cetoacidose leve: K sérico normal, K total diminuído; (3,0<k<3,5). Perda de Kt =300mEq.Cetoacidose moderada: K sérico normal a baixo, K total mais diminuído ainda; (2,0<k<3). Perda de Kt=700mEq.Cetoacidose grave: K sérico baixo, K total mais baixo ainda. K<2,0. Perda de Kt>700mEq.Ureia e creatinina estarão elevadas. Pode fazer necrose tubular aguda, consequente de IRA pré-renal.Se a primeira conduta num paciente com acidose diabética for administrar insulina, esse paciente vaicomplicar (ERRADO), porque o K que já era baixo voltou para o meio intracelular, diminuindo aindamais. O paciente vai fazer uma hipocalemia grave e ter PCR. Correto: A primeira conduta é hidratação,para depois avaliar K.HIPOCALEMIA: Insuficiência respiratória, arritmia, flacidez, íleo paralítico.A cada 24h, excretamos 100 mEq de K. Pra não haver déficit, precisamos absorver 100mEq diários. É ovalor que se pode repor sem risco, mesmo sem saber os valores de Ks do paciente.Hidratação: há 25mEq por ampola de KCl, diluindo em SF(500ml). Reposição máxima na primeira horade 5omEq. Insulinoterapia só deve ser feita se Ks>3,3.
  2. 2. Resumo de aula Prof. Léo

×