Mpsbr

608 views
496 views

Published on

Published in: Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
608
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
238
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Os modelos CMMI e MPS.BR não são processos.
    Um modelo é uma representação simplificada do mundo real. Os modelos de maturidade de capacitação (Capability Maturity Models - CMMs) contêm os elementos essenciais de processos eficientes para uma ou mais áreas de conhecimento.
    Os modelos integrados de maturidade de capacitação (Capability Maturity Model Integration - CMMI) fornecem direcionamentos a serem utilizados no desenvolvimento de processos.
    Um processo é um ponto de apoio da melhoria sustentada de uma organização. O objetivo do CMM Integration é fornecer direcionamentos para melhorar os processos de sua organização e sua capacidade de gerenciar o desenvolvimento, aquisição e manutenção de produtos e serviços.
  • http://longhigh.wordpress.com/2008/05/15/principais-diferencas-entre-o-mps-br-e-o-cmmi/
  • http://www.gizmodo.com.br/conteudo/a-120-metros-do-chao-pouso-de-um-aviao-e-abortado-porque-o-piloto-estava-mexendo-no-celular/
  • Existem no mercado brasileiro hoje, cerca de 8.520 empresas envolvidas com desenvolvimento, produção e distribuição de software e prestação de serviços, sendo que 94% são classificadas como micro e pequenas empresas.
    Para Laporte et al (2008) essas empresas podem ser definidas como “qualquer serviço de TI, organização e projeto que possua de 1 a 25 empregados”. No mercado atual, essas organizações têm ocupado uma posição de destaque. Na Europa, por exemplo, 85% das companhias do setor de TI possuem entre 1 a 10 empregados, no Canadá 78% possuem menos que 25 funcionários (Laporte et al, 2008).
    Recentemente o Projeto de Lei Complementar 77/2011 que prevê, entre outras mudanças, o reajuste de 50%, nas tabelas de enquadramento das micro e pequenas empresas no Simples Nacional (Supersimples) a partir de 1º de janeiro de 2012, foi sancionado sem alterações pela presidente no dia 10 de novembro de 2011. Com esse reajuste, os valores da receita bruta anual foram alterados. A tabela 2 ilustra os novos valores.
  • MR-MPS: Contém os requisitos que os processos das unidades organizacionais devem atender para estar em conformidade MR-MPS. Contém as definições dos níveis de maturidade, processos e atributos do processo.
    MA-MPS: Contém o processo e o método de avaliação MA-MPS, os requisitos para os avaliadores líderes, avaliadores adjuntos e instituições avaliadoras.
    MN-MPS: Descreve regras de negócio para: implementação e avaliação do MPS, organização de grupos de empresas para implementação e avaliação do MPS, certificação de consultores de aquisição e programas anuais de treinamento por meio de cursos, provas e workshops.
    Guia Geral:
    Contém a descrição do modelo MPS e detalha o Modelo de Referência MPS para Software (MR-MPS-SW);
    Guia de Aquisição:
    Descreve o processo de aquisição do software e serviços correlatos, com foco na satisfação da necessidade do cliente;
    Guia de Implementação:
    Serie de documentos que fornecem orientações para implementar nas organizações os níveis de maturidade descritos no modelo de referência MR-MPS-SW;
  • MR-MPS: Contém os requisitos que os processos das unidades organizacionais devem atender para estar em conformidade MR-MPS. Contém as definições dos níveis de maturidade, processos e atributos do processo.
    MA-MPS: Contém o processo e o método de avaliação MA-MPS, os requisitos para os avaliadores líderes, avaliadores adjuntos e instituições avaliadoras.
    MN-MPS: Descreve regras de negócio para: implementação e avaliação do MPS, organização de grupos de empresas para implementação e avaliação do MPS, certificação de consultores de aquisição e programas anuais de treinamento por meio de cursos, provas e workshops.
    Guia Geral:
    Contém a descrição do modelo MPS e detalha o Modelo de Referência MPS para Software (MR-MPS-SW);
    Guia de Aquisição:
    Descreve o processo de aquisição do software e serviços correlatos, com foco na satisfação da necessidade do cliente;
    Guia de Implementação:
    Serie de documentos que fornecem orientações para implementar nas organizações os níveis de maturidade descritos no modelo de referência MR-MPS-SW;
  • http://www.blogcmmi.com.br/avaliacao/lista-de-empresas-mps-br-no-brasil
  • http://www.blogcmmi.com.br/avaliacao/lista-de-empresas-mps-br-no-brasil
    http://www.blogcmmi.com.br/avaliacao/infografico-das-empresas-mps-br-no-brasil
  • http://www.blogcmmi.com.br/avaliacao/lista-de-empresas-mps-br-no-brasil
  • Mpsbr

    1. 1.  Maturidade e Capabilidade do Processo de Software: Definição  Modelo: Definição  MPS.BR: O Modelo  MPS.BR: Capacidade do Processo  Processos do Nível G, primeiro nível do modelo  Método de Avaliação (MA-MPS) para o Nível G
    2. 2.  Processo – um conjunto de atividades inter-relacionadas, que transforma entradas em saídas (ABNT, 1998)  Processo de Software – um conjunto de atividades, métodos, práticas e transformações que as pessoas utilizam para desenvolver e manter software e seus produtos relacionados (CMMI)
    3. 3.  A qualidade do sistema de software é altamente influenciada pela qualidade do processo ou maturidade utilizado para seu desenvolvimento e sua manutenção.  Esta premissa implica em um foco no processo, bem como no produto.
    4. 4.  Focando somente no produto são perdidos: ◦ O conhecimento de como executar da melhor forma. ◦ A ideia de tamanho e complexidade (de projeto, de problemas, de esforços, etc.).  Focando no processo são previsíveis: ◦ Repetibilidade dos resultados. ◦ Tendências dos projetos. ◦ Características do produto (custo, qualidade, esforço e tempo).
    5. 5. Modelo é uma representação simplificada do mundo real.
    6. 6.  Estabelece uma linguagem comum.  Estabelece uma visão em níveis.  Provê uma estrutura para priorização de ações.  Agrega as melhores práticas de uma ampla comunidade de software.  Provê uma estrutura para desempenhar diagnósticos (appraisals) consistentes e confiáveis.  Suporta as organizações (reativa → pró-ativa)
    7. 7.  Modelos são simplificações do mundo real.  Modelos não são completos / abrangentes.  Sua interpretação e adaptação (CMMI-tailoring) devem estar alinhadas com os objetivos (estratégia) dos negócios da organização.  Análises e Julgamentos são necessários para utilizar os modelos corretamente e com perspicácia.  O modelo não deve ser considerado como uma “bíblia”.
    8. 8.  “Toda empresa ou indivíduo que desenvolve software já faz isso por meio de algum processo. Esse processo pode ser caótico, obscuro e até mudar constantemente, mas não deixa de ser um processo. E isso nada mais é do que uma sequencia de atividades. Mesmo que você não se dê conta disto, tudo que você faz no trabalho de desenvolvimento de software segue uma sequencia de atividades. Às vezes essa sequencia não é fixa. Às vezes essa sequencia não segue uma ordem lógica. Às vezes essa sequencia provoca algum retrabalho. Mas perceba que sempre existirá uma sequencia. Às vezes essa sequencia já é eficiente, mas ninguém mais além de você sabe como funciona. Um modelo de maturidade de processos serve para corrigir esses e muitos outros problemas.”
    9. 9.  CMM
    10. 10.  CMM Processo continuamente melhorado Processo previsível e controlado Processo consistente e padronizado Processo disciplinado 1- Inicial 2- Repetível 3- Definido 4- Gerenciado 5- Otimizado Processo imprevisível e sem controle
    11. 11.  CMM
    12. 12.  CMMI
    13. 13.  CMM
    14. 14.  Visa a melhoria de processos de software em empresas brasileiras, a um custo acessível, especialmente na grande massa de micro, pequenas e médias empresas.
    15. 15.  Micro e Pequenas Empresas (MPEs) Tipo Receita Bruta Anual Microempresa Igual ou inferior a R$ 240.000,00 (duzentos e quarenta mil reais) Empresa de Pequeno Porte Superior a R$ 240.000,00 (duzentos e quarenta mil reais) e igual ou inferior a R$ 2.400.000,00 (dois milhões e quatrocentos mil reais). Tipo Receita Bruta Anual Microempresa Igual ou inferior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) Empresa de Pequeno Porte Superior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) e igual ou inferior a R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais). Reajuste em 10/11/2011 Valerá em 01/01/2012
    16. 16.  “Define e aprimora um modelo de melhoria e avaliação de processo de software, visando preferencialmente as micro, pequenas e médias empresas, de forma a atender as suas necessidades de negócio e ser reconhecido nacional e internacionalmente como um modelo aplicável à indústria de software.”
    17. 17.  MPS.BR também estabelece um processo e um método de avaliação, o qual dá sustentação e garante que o MPS.BR está sendo empregado de forma coerente com as suas definições.
    18. 18.  O propósito do Programa MPS.BR é a Melhoria de Processo do Software Brasileiro, compreendendo 2 processos: ◦ Desenvolvimento e aprimoramento do Modelo MPS:  Baseado nas melhores práticas da Engenharia de Software  Em conformidade com as normas ISO/IEC 12207 E ISO/IEC 15504  Compatível com o modelo CMMI, do SEI/CMU  Adequado à realidade das empresas brasileiras ◦ Disseminação e adoção do Modelo MPS, a um custo razoável, em todas as regiões do país  Tanto em pequenas e médias empresas (PME)  Como em grandes organizações públicas e privadas
    19. 19. Níveis de maturidade Processo Capacidade Propósito Atributo de Processo AP Resultados Resultados Práticas Atributo de Processo é uma característica mensurável da capacidade do processo aplicável a qualquer processo [ISO/IEC 15504- 1, 2003] RAP – Resultado do Atributo do Processo Cada AP está detalhado em termos dos resultados para alcance completo do atributo (RAP)
    20. 20. Em OtimizaçãoEm Otimização Gerenciado QuantitativamenteGerenciado Quantitativamente DefinidoDefinido Largamente DefinidoLargamente Definido Parcialmente DefinidoParcialmente Definido GerenciadoGerenciado Parcialmente GerenciadoParcialmente Gerenciado AA BB CC DD EE FF G 2 3 4 5 Relacionamento com o CMMI MR-MPS
    21. 21.  Processos básicos de gerenciamento de projetos são estabelecidos para monitoramento de custo, prazo e funcionalidade.  É necessário uma disciplina do processo que seja adequada para repetir sucessos anteriores em projetos com aplicações similares.  Principais características: ◦ Garantia que os requisitos são gerenciados ◦ Processos são planejados, desempenhados, medidos e controlados ◦ As práticas são mantidas em período de crise ◦ Projetos são desempenhados e gerenciados conforme planos documentados ◦ O controle gerencial permite a visibilidade em ocasiões definidas (“milestones”) ◦ Compromissos estabelecidos e revisados com stakeholders relevantes ◦ Produtos de trabalhos apropriadamente controlados
    22. 22.  O propósito da GRE é gerenciar os requisitos dos produtos do projeto e componentes do produto e identificar inconsistências entre estes requisitos e os planos de projeto e produtos de trabalho.  Envolve: ◦ Obtenção e entendimento dos requisitos; ◦ Obter os compromissos para atendimento dos requisitos; ◦ Gerenciar mudanças de requisitos; ◦ Manter rastreabilidade bidirecional dos requisitos (da origem dos requisitos para o nível mais baixo de detalhamento e vice-versa) ◦ Identificar inconsistência entre produtos de trabalho e requisitos.
    23. 23.  Existência de uma gerência adequada dos conjuntos de requisitos para suportar o planejamento e necessidades de execução do projeto.  Os requisitos são analisados criticamente com o provedor dos requisitos (requirements provider) para solucionar questões e mal entendimentos antes de sua incorporação nos planos de projeto.  Obtenção dos compromissos sobre os requisitos dos participantes do projeto.  Gerência nas mudanças dos requisitos quando envolvem ou são identificadas inconsistências ocorridas nos planos, produtos de trabalho e requisitos.
    24. 24.  Os requisitos alocados, a engenharia de software por exemplo, devem ser documentados.  A documentação, dependendo do tamanho e complexidade do projeto, pode ser de forma simples (memorando) ou elaborada (vários documentos do cliente).  Se os requisitos mudam, estas mudanças devem ser documentadas e os documentos relacionados também, devendo ser acompanhados e verificados.
    25. 25.  O processo é executado ◦ Medida do quanto o processo atinge seu propósito.  Resultado esperado: ◦ RAP 1. O processo atinge seus resultados definidos.
    26. 26.  O processo é gerenciado ◦ Medida do quanto a execução do processo é gerenciada.  Resultados esperados: ◦ RAP 2. Existe uma política organizacional estabelecida e mantida para o processo; ◦ RAP 3. A execução do processo é planejada; ◦ RAP 4 (Para o Nível G). A execução do processo é monitorada e ajustes são realizados; ◦ RAP 5. (Até o Nível F) As informações e os recursos necessários para a execução do processo são identificados e disponibilizados; ◦ RAP 6. (Até o Nível F) As responsabilidades e a autoridade para executar o processo são definidas, atribuídas e comunicadas.
    27. 27.  Resultados esperados (cont.): ◦ RAP 7. (Até o Nível F) As pessoas que executam o processo são competentes em termos de formação, treinamento e experiência; ◦ RAP 8. A comunicação entre as partes interessadas no processo é gerenciada de forma a garantir o seu envolvimento; ◦ RAP 9. (Até o Nível F) Os resultados do processo são revistos com a gerência de alto nível para fornecer visibilidade sobre a sua situação na organização. ◦ RAP 10 (Para o Nível G). O processo planejado para o projeto é executado.

    ×