222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet

1,262 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,262
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
71
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet

  1. 1. Manuel Meireles Como investir na Bolsa e ganhar Dinheiro. SÃO PAULO 2 0 0 0
  2. 2. 2000, by Editora Arte & Ciência Direção Geral Henrique Villibor Flory Editor e Projeto Gráfico Karel Henricus Langermans Arte-Final e Diagramação Alain F. Nascimento Capa K. Langer Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 5988 de 14/12/73 É proibida a reprodução total ou parcial, por quaisquer meios, sem autorização prévia, por escrito, da editora. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) A277t MEIRELES, Manuel. -(1949) A arte de operar na Bols@ pela Internet/ Manuel António Meireles da Costa; São Paulo: Arte&Ciência, 2000 — São Paulo: Arte & Ciência - Villipress, 2000. Bibliografia ISBN Nº 85-7473-017-3 1.Bolsa de Valores. 2. Ações 3. Mercado Financeiro 4. Gestão de portfólios 5. Seleção e acompanhamento de ativos 6. Indicador Kanitz-Morante 7. Oscilador SMI — Stress Market Index CDU: 332.679(81) Este texto destina-se a proporcionar orientação básica sobre a arte de operar nas Bolsas de Valores. Nem o Autor nem a Editora se responsabilizam por quaisquer resultados colhidos pelo Leitor em decorrência da aplicação de técnicas aqui oferecidas. Editora Arte & Ciência - Villipress Rua Treze de Maio, 71 – Bela Vista São Paulo – SP - CEP 01327-000 Tel/fax: (011) 257-5871 Na internet: http://www.arteciencia.com.br
  3. 3. COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Capítulo 4 Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9
  4. 4. A Edmar Figueiroa - meu mestre na arte de especular com ações.
  5. 5. Dez coisas que você pode aprender com este livro Parte 1: Prepare-se para operar 1. -Adquira conceitos básicos 2. -Tenha postura adequada 3.-Saiba ler os Relatórios da Bolsa 4. -Aprenda a construir o INDAÇ de uma ação 5. -Cadastre-se numa Corretora Parte 2: Entenda os métodos 6. -Como selecionar ações pelo indicador KM 7. -Como acompanhar ações pelo SMI 8. -Outras técnicas de seleção de ações 9. -Métodos para acompanhar ações Glossário Bibliografia Obras recomendadas Outras obras Revistas e jornais Referências bibliográficas Websites
  6. 6. A quem este livro se destina? Este livro pode ajudar tanto aquele que não conhece absolutamente nada sobre o mercado de ações, como o que é experiente e conhecedor dos seus aspectos mais relevantes e do seu jargão. Para o primeiro oferece, passo a passo, as noções conceituais e as ferramentas técnicas que o capacitarão a selecionar e acompanhar ações; para o segundo, oferece subsídios adicionais e um conjunto sistematizado de técnicas. O objetivo geral desta obra é lhe possibilitar (caso não o tenha), o entendimento do mercado de ações como um todo sua linguagem especifica e suas características operacionais - e capacitá-lo a direcionar seus investimentos para este segmento do mercado de capitais com razoável grau de sucesso. Dei ênfase especial ao modo de operar via Internet - modo que se está rapidamente difundindo - na medida em que permite um fácil acesso aos dados que o investidor técnico requer. O tema é apresentado em duas partes: na primeira preparálo-ei para operar; na segunda lhe mostrarei métodos para você selecionar e acompanhar ações. Fundamentalmente este livro consta de 9 capítulos. No capítulo 1, serão apresentados alguns conceitos básicos, especialmente lhe mostrarei como o mercado de ações funciona e os motivos disso. No capítulo 2, chamo a sua atenção para a necessidade de você adotar uma postura adequada - seja como investidor, seja como especulador - uma espécie de filosofia de ação. Recomendo-lhe a Filosofia do Dançarino. No capítulo 3, você aprenderá a buscar e entender dados para, a partir deles, decidir em quais ações investir seu tempo e seu dinheiro. Um aspecto muito
  7. 7. importante é saber como se constrói os índices das ações que você administrará. Isso será visto no capítulo 4. No capítulo 5, você vai ver como deve proceder para se cadastrar numa corretora Home Broker a fim de poder operar - comprando e vendendo ações. O cadastramento não é instantâneo, pois requer uma série de procedimentos. Depois de ler os primeiros capítulos, leia o capítulo 5 e escolha uma Corretora para operar. Depois de ter efetuado o cadastro estude os capítulos 6 a 9, que constituem a segunda parte deste livro, com o objetivo de definir seus métodos de seleção e acompanhamento de ações. O método CAPM é o método "clássico", reputado por muitos acadêmicos como o único consistente metodologicamente para definir a melhor carteira de ações. É um método indicado, digamos, para profissionais, considerando a complexidade da sua metodologia. De qualquer forma, um livro que apresente métodos de selecionar e acompanhar ações não pode deixar de o mencionar. Ele foi considerado ainda que resumidamente. Há um jargão, um linguajar todo especial no que se refere ao mercado acionário. Não deixe de consultar o Glossário para buscar a compreensão de algum termo que não compreenda. Me esforcei para cobrir todas as dúvidas que um leitor sem experiência no mercado pode ter, incorporando muito da experiência obtida em cursos para alunos universitários. Espero que, após a leitura do livro não lhe restem muitas dúvidas. Boa leitura, Boa sorte e Bons investimentos.
  8. 8. Dez coisas que você pode aprender com este livro: 1. conceitos básicos referente ao mercado de ações; 2. a diferença significativa entre as posturas de investidor e de especulador; 3. a importância de ter uma filosofia de ação para atuar no mercado; 4. como se cadastrar numa corretora Home Broker, para operar via Internet; 5. as melhores fontes dos dados que necessita para operar com ações; 6. como ler e interpretar as listagens das Bolsas; 7. como construir índices para as ações; 8. como investir e especular com ações; 9. como selecionar empresas lucrativas; 10. como acompanhar, de forma especulativa, as ações de empresas selecionadas.
  9. 9. A arte de operar na Bols@ pela Internet # PREPARE-SE PARA OPERAR COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 4 PARTE 1
  10. 10. A arte de operar na Bols@ pela Internet PREPARE-SE PARA OPERAR % Está preparado? Desde já cabe um alerta: as técnicas de operação enfocadas nestas obra são apenas orientativas de procedimentos para minimizar prejuízos. Entretanto, qualquer técnica por si só não garante ganhos em todas as aplicações. Você deve estar ciente de que o mercado acionário é um mercado de risco e que, portanto, há a possibilidade de que as operações lhe causem prejuízo. O assunto é tão importante que vale a pena destacar duas informações: a) 72,0 % das pessoas físicas que investem ma Bolsa de Valores de Nova York perdem dinheiro; b) 70,0 % das operações realizadas na Bolsa de Valores de São Paulo dão prejuízo ao investidor. “Ao longo do tempo, perdem feio” 1 Você deve levar em conta o seguinte: A) Nenhum método é absolutamente certo nas suas “informações”. No entanto, os métodos têm-se revelado muito melhores do que as ordens ao simples acaso. B) Você deve escolher um dos métodos — e aplicá-lo. Usar mais de um método na maioria das vezes é desaconselhável. Entretanto, há investidores que usam um método básico e um outro para “confirmação”. Basicamente tal investidor só executa a ordem recomendada pelo método básico se o de confirmação também estiver recomendando ou com tendência para tal. C) Os outros investidores técnicos fazem também uso de métodos. Possivelmente todos os métodos abordados neste livro 1 BAZIN, Décio. Faça Fortuna com Ações — antes que seja tarde. São Paulo: JMJ, 1992, p. 219
  11. 11. MANUEL MEIRELES PREPARE-SE PARA OPERAR estão sendo usados pelos investidores. Os resultados deles não são coincidentes, isto é: nem todos dão ordens de compra ou de venda ao mesmo tempo. D) Nem todos os investidores possuem a mesma abordagem face ao mercado. Isto quer dizer que há investidores cujo horizonte de aplicação é a longo prazo, outros, de médio prazo e outros de curto ou curtíssimo prazos. Os de curtíssimo prazo — alguns dias ou semanas — são designados de especuladores, mas este termo deve ser lido sem nenhuma conotação pejorativa. E) A maioria dos métodos adota um certo período de análise. Por exemplo, quando se trabalha com o método das Médias Móveis podemos ter como base a média móvel dos últimos 9 dias, ou 15 ou 21 ou 60 ou 200 dias. Isto, por si só, já define o tipo de abordagem que se está fazendo. Embora o método seja o mesmo, como as bases temporais são diferentes, as ordens de compra e venda também não são coincidentes. F) Os investidores técnicos não só se defrontam contra outros investidores técnicos2 , mas contra milhares e milhares de investidores individuais que não seguem método algum, que vão ao sabor das ondas do mercado: entram comprando quando ele já subiu ou parou de subir; correm vendendo ao primeiro sinal de queda. Portanto, em épocas de “boom” os métodos — qualquer deles — são menos eficientes, pois não conseguem captar as loucuras que os “especuladores” andam fazendo. Qual dos métodos é o melhor? É uma pergunta que talvez não tenha resposta. Eu, por exemplo, uso o indicador KM para selecionar as ações com as quais vou operar e o oscilador SMI— Stress Market Index ( Índice de Tensão de Mercado) para saber quando devo comprar e vender as ações que acompanho. Estes métodos são melhores do que os outros? Não sei responder a esta questão — nem sei se alguém sabe. Para isso, seria necessário efetuar uma pesquisa, usando todos os métodos sobre um grupo específico de ações e comparar os resultados. 2 O que representa um método enfrentar outro método
  12. 12. A arte de operar na Bols@ pela Internet PREPARE-SE PARA OPERAR ' Investidor versus Especulador Inicialmente devemos considerar a diferença entre um investidor e um especulador. Não é uma diferença qualitativa; não se trata de afirmar que um é, eticamente, melhor do que o outro. Não se trata disso: a diferença reside essencialmente no horizonte da aplicação e na forma como buscam os ganhos. O investidor tem prazos longos de atuação, medidos em anos: compra uma ação com a intenção de permanecer longo tempo com ela. Seus ganhos ou rendimentos provêm basicamente dos dividendos proporcionados pela ação. A seleção da ação é feita primordialmente com base no indicador Cash-yield, que considera a relação do dividendo anualizado pelo preço de mercado da ação; o acompanhamento é feito também pelo mesmo indicador. Veremos adiante, ao estudar o indicador Cash-yield, que, para o investidor, a queda do mercado pode constituir-se em algo desejável, e é possível que, muitas vezes, provoquem quedas acentuadas nas Bolsas gerando prejuízos consideráveis para os especuladores. O investidor orienta-se pelo dividendo da ação não pela cotação da ação na Bolsa. O especulador tem prazos curtos de atuação, medidos em dias ou semanas: compra uma ação com a intenção de se desfazer dela rapidamente, aproveitando sua possível valorização na cotação. A seleção e o acompanhamento da ação é feita por meio de indicadores que mostrem possível variação no preço da ação na Bolsa. O especulador orienta-se pela cotação da ação — não pelos dividendos. Uma queda acentuada na Bolsa geralmente tende a lhe causar grandes prejuízos. Este livro é destinado especialmente a especuladores — aplicadores com horizonte curto, orientados pela variação das cotações das ações na Bolsa — embora possa ser usado, também, pelos investidores. Uma pessoa, aliás, pode adotar estas duas posturas: pode gerir parte dos seus fundos disponíveis numa postura de investidor e outra parte com uma postura de especulador. É óbvio que a postura de especulador traz um maior risco mas proporciona, de forma geral, um retorno maior.
  13. 13. MANUEL MEIRELES PREPARE-SE PARA OPERAR A propósito do termo especulador convém anotar as palavras de Tamer3 : O que é um especulador? Esta é uma palavra decididamente marcada no Brasil — onde se explora sem pudor — com um sentido popular e generalizado extremamente negativo. Para o público, o especulador é aquele que aproveita as oportunidades para auferir grandes lucros prejudicando outros. O Dicionário Aurélio é muito contraditório ao definir as palavras especular e especulador, refletindo talvez o duplo sentido que se dá a elas. Vemos ali que especular é examinar com atenção; averiguar minuciosamente; observar; indagar; pesquisar. É também valer-se de certa posição, de circunstância, de qualquer coisa para auferir vantagens; explorar. Ou meter-se em negócios mirando lucros; agenciar, traficar, negociar. Para nós do mercado de capitais o Aurélio tem uma definição: Especular é operar na Bolsa, jogando na alta ou na baixa de títulos. Neste sentido, todos os que entram na Bolsa, de uma forma ou de outra, poderiam ser classificados como especuladores, já que têm como objetivo comprar na baixa e vender na alta, ou até mesmo comprar na alta esperando que a ação suba mais ainda. Ninguém entra na Bolsa para perder. Todos para ganhar. Portanto, todos estão especulando, segundo a definição do Aurélio. Miguel Delmar de Oliveira, na sua obra Introdução ao mercado de ações afirma que o especulador é um protagonista ativo do mercado, porém ele não forja o mercado, criando condições artificiais que venham facilitar o objetivo de realização de lucro a curto prazo. A especulação não se reveste de qualquer ilegalidade, quando praticada dentro das regras de jogo, e garante certo grau de liquidez às Bolsas. 3 TAMER, Alberto. Os caminhos do dinheiro. São Paulo: Ática, 1988.
  14. 14. A arte de operar na Bols@ pela Internet ! ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 4 CAPÍTULO 1
  15. 15. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS # Você não pode operar com ações se não dominar um conjunto mínimo de conceitos que são abordados neste capítulo. Tais conceitos são básicos para a compreensão do mercado como um todo e para o entendimento de como os investidores atuam. Inicialmente, você vai ver como o mercado funciona, isto é: o que dá origem à negociação de ações. Você deve entender claramente que há o mercado primário— no qual a empresa vende suas ações aos investidores — e o mercado secundário — no qual os investidores atuam. A Bolsa auxilia o processo de compra e venda de ações entre investidores — o que corresponde ao mercado secundário — mas também é um instrumento importante para as empresas levantarem recursos vendendo ações para novos acionistas ou acionistas existentes. Uma vez compreendido isto, você vai ver que grande parte dos investidores compra e vende ações apoiada em algumas técnicas, técnicas estas que ajudam o investidor a selecionar e acompanhar ações. Tais técnicas, pelas suas características, são divididas em duas grandes correntes ou Escolas. Neste capítulo, você verá um resumo das técnicas de cada Escola. Se você pretende ser um investidor consciencioso, obviamente você deve operar com ações baseado em alguma técnica. Caso contrário, você estará operando com base na intuição, nos conselhos de amigos, nas leituras de jornais, em boatos ou qualquer outra fonte. E isso não costuma fazer o capital do investidor aumentar. Como o mercado funciona? Entenda, agora, como funciona o mercado de ações. Para tal vamos imaginar uma empresa e simular algumas situações, incluindo o lançamento de ações por parte dessa empresa e, depois, a negociação dessas ações pelos seus portadores. Vamos ver, por meio deste exemplo, os motivos que levam os portadores de ações (investidores e especuladores) a vender ou com-
  16. 16. MANUEL MEIRELES $ ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS prar certas ações. Veremos que a negociação de ações está muito associada ao preço das mesmas que depende, substancialmente, das perspectivas de lucratividade atribuídas à empresa. O exemplo abaixo é detalhado, pois tenho percebido, pela experiência dos cursos que dei sobre operação no mercado de ações, que a maioria das pessoas tem dificuldade de entender os aspectos básicos do mercado. Costumo propor a criação de uma empresa — que geralmente leva o nome de Franguix SA. Imagine que alguém pretende constituir uma empresa de grande porte para produzir carne e derivados de frango, buscando suprir especialmente os mercados externos. Consideremos que a empresa venderá para Portugal, Irã e Iraque. A empresa será de grande porte, exigindo um capital de $30 milhões. Os organizadores da empresa, aqueles que inicialmente a estão constituindo, não possuem esse dinheiro, pelo que necessitam de o captar de outras pessoas. Para isso eles preparam um briefing1 , e, com a autorização da CVM—Comissão de Valores Mobiliários e a cooperação de sociedades distribuidoras2 e Bancos oferecem suas ações ao público. A esta operação de fazer o lançamento de ações ao público dá-se o nome de underwriting3 . As sociedades distribuidoras e os bancos entram em contato com seus principais clientes e lhes oferecem as ações da Franguix SA. É assim que as ações chegam ao público. Uma ação4 nada mais é do que uma fração do capital social da empresa. Embora possam não ter valor de face, isto é, embora possam não ter escrito o seu valor, há sempre um valor de lançamento. Admita-se que o capital de $30 milhões é representado por 30 milhões de ações, cada uma valendo $1 no seu lançamento. O investidor que adquirir 1000 ações pagará $1000 e 1 Um caderno sobre a empresa, mostrando especialmente a potencialidade de lucros do negócio, com vistas a obter interessados em se associar à empresa. O mesmo que prospecto. 2 As chamadas DTVM—Sociedades Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, criadas pela Lei 4595 e regulamentadas pela resolução 76 do Banco Central 3 É o mesmo que subscrição. Veja no Glossário os diversos tipos de underwriting existentes. 4 Veja no Glossário o conceito de ação e os diversos tipos de ações que existem.
  17. 17. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS % será um acionista detendo uma parcela do capital social5 . Observe-se que todo o dinheiro arrecadado via sociedades distribuidoras e Bancos, no lançamento das ações, chega à empresa Franguix SA, que passa a dispor de $30 milhões. É eleita uma diretoria (pelos acionistas 6) e, com parte desse dinheiro arrecadado a empresa compra os ativos (terrenos, máquinas, etc) necessários à produção de carne e derivados de frango. Parte do dinheiro é destinado a outras despesas, incluindo o pagamento de salários aos funcionários. No presente estágio a empresa Franguix SA está operando e muitas pessoas possuem ações — ações que indicam que seus titulares são co-proprietários da empresa tendo direito à divisão dos lucros. A administração da empresa está agora ocupada com a produção de frangos, com o objetivo de exportar carne e derivados para o mercado externo: Portugal, Irã e Iraque. A diretoria estima que as vendas serão de 50% para Portugal; 20% para o Irã; 10% para o Iraque e 20% para o mercado nacional. Estima a diretoria, também, que, ao término do primeiro ano de operação a empresa terá um lucro bruto de $10 milhões. Pagando-se o imposto de renda ($3,5 milhões) e retendo-se $2,0 milhões para reinvestimentos, serão distribuídos aos acionistas dividendos no valor total de $4,5 milhões. Sabendo-se que a Franguix SA tem 30 milhões de ações, estima-se que cada ação receberá de dividendo $0,15 7 . Repare que eu disse: estima-se. É preciso atentar que, provavelmente, ninguém compraria uma ação da Franguix SA — no mercado primário — se não soubesse que, a qualquer momento pode desfazer-se dela, vendendo-a. Para facilitar a venda e compra das ações, a Franguix SA, com autorização da CVM inscreve-se numa Bolsa de Valo5 Neste caso o investidor teria $1.000/$30.000.000, ou seja, 1/30.000 do capital social da empresa, tendo direito a receber 1/30.000 dos lucros gerados pela empresa. 6 Só os acionistas portadores de ações ordinárias (ON) possuem direito a voto. Cada acionista tem tantos votos quantas ações ON tiver 7 Ou seja: quem adquiriu a ação por $1,00 receberá $0,15 de dividendos —o que corresponde a uma taxa de 15% ao ano.
  18. 18. MANUEL MEIRELES ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS res — por exemplo, na Bolsa de Valores de São Paulo — e suas ações passam a ser negociadas no pregão de tal Bolsa8 . A partir do momento em que as ações da Franguix SA são distribuídas ao público, via underwriting, a empresa passa a ser de capital aberto, isto é: a participação no seu capital social é facilitada amplamente e suas ações podem passar a ser negociadas numa ou mais Bolsas de Valores9 . Mas quem pode vender ações da Franguix SA? Quem as possui. E onde as venderá? No pregão da Bolsa de Valores onde a empresa Franguix SA está inscrita. Portanto, os titulares das ações da Franguix SA podem vender suas ações para qualquer pessoa que as queira comprar. A negociação (venda e compra), entretanto, só é possível por meio de intermediários especiais — as chamadas Corretoras de Valores Mobiliários10 . Imaginemos o investidor Alfredo que tem 1000 ações da empresa Franguix SA e deseja vende-las. Para isso, ele deve procurar uma corretora, cadastrar-se nela, e solicitar que seja feita a venda das 1000 ações da Franguix SA. E a que preço? Qual o valor que o sr. Alfredo deve pedir pelas suas 1000 ações? O que ele desejar, mas, fundamentalmente, o valor que alguém estiver disposto a pagar. Admita-se que o sr. Alfredo diga para a sua corretora vender cada ação a $1,10. A corretora passa para o setor de operações da Bolsa a informação de que alguém quer vender 1000 ações da Franguix SA a $1,10 cada uma, procedendo a uma espécie de leilão. Admitamos que um outro investidor, o sr. Batista, por meio de uma outra corretora11, aceita comprar as 1000 ações a esse 8 Para que uma companhia possa ter suas ações negociadas em Bolsa ela deve cumprir certas exigências legais e institucionais que exigem a divulgação de um conjunto de informações periódicas e eventuais. Ver no Glossário, Informações das companhias abertas. 9 Uma empresa, sociedade anônima, é considerada de capital fechado se tiver 20 ou menos acionistas. Neste caso, está dispensada de fazer convocação dos acionistas pelos jornais e de publicar suas Demonstrações Financeiras pela imprensa. 10 As Sociedades Corretoras foram criadas pela Lei 4728 de 14.07.1965. As corretoras têm o privilégio legal de operar com exclusividade nas bolsas de valores. 11 Poderia até ser a mesma corretora do sr. Alfredo.
  19. 19. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS ' preço. A negociação é fechada: o sr. Alfredo, por meio da corretora X, vendeu 1000 ações da Franguix SA ao sr. Batista, representado pela corretora Y. As corretoras informam aos seus clientes que a operação foi realizada. A corretora Y informa ao sr. Batista — comprador —que ele deve depositar: • $1.100,00 referente às 1000 ações (a $1,10 cada) • +$ 18,99 referente a taxa de corretagem12 ; • +$ 0,39 referentes a emolumentos (0,035%); • +$ 0,45 referente ao ANA 13 • =$1.119,63 total a pagar14 . A corretora X informa ao sr. Alfredo —vendedor —que ele irá receber líquido: • $1.100,00 referente às 1000 ações (a $1,10 cada) • - $ 18,99 referente à taxa de corretagem; •-$ 0,39 referentes a emolumentos (0,035%); •-$ 0,45 referente ao ANA • =$1.080,17 total a receber. Cabe observar que a empresa Franguix SA nada tem a ver com a transação das suas ações na Bolsa: a transação é feita, por intermédio de corretoras, entre investidores. Um vende as ações, e, por isso, recebe o valor correspondente à venda (no exemplo: $1.080,17); o outro compra as ações, e, por isso, paga o valor correspondente (no exemplo: $1.119,63). Este tipo de negociação caracteriza o mercado secundário. Fato semelhante ocorre cotidianamente no mercado de automóveis usados: alguém vende um veículo Ford para um terceiro por um determinado valor: esta transação não tem relação com a empresa Ford SA, salvo pelo fato de o veículo ter sido fabricado por essa empre12 A tabela de corretagem para compra e venda de ações depende do valor da operação. Consulte seu corretor para obter tal tabela. Muitas corretoras dão descontos em função do volume operado pelo cliente. 13 ANA—Aviso de Negociação de Ações emitido pela Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) informando os termos da negociação. 14 É necessário considerar ainda o valor correspondente à CPMF decorrente da movimentação bancária
  20. 20. MANUEL MEIRELES ! ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS sa. A Ford SA recebeu apenas quando vendeu o veículo para o primeiro proprietário (mercado primário); quando este revendeu para um terceiro a Ford SA fica à margem do negócio (mercado secundário). Deve-se também atentar que outras operações de compra e venda podem ser feitas, com a mesma ação, no mesmo dia. Ao término do pregão a Bolsa emite uma listagem onde todas as negociações são computadas. Para cada ação a Bolsa informa uma série de elementos, tais como: preço mínimo, preço máximo, preço médio, etc. Estes preços orientarão, certamente, futuras negociações. Você vai ver quais as informações que a Bolsa divulga e como elas devem ser entendidas no capítulo 3: Saiba ler os relatórios da Bolsa. O que se pode depreender daqui é que a empresa Franguix SA não tem prejuízo pelo fato das suas ações caírem na Bolsa; nem lucra, tampouco, se elas subirem. Observe-se que o comprador, o sr. Batista, comprou 1000 ações da Franguix SA pagando um total de $1119,63. O preço de cada ação, para ele, foi de, praticamente $1,12. Ele sabe que a Franguix SA estima pagar o primeiro dividendo de $0,15 referente ao exercício corrente, e isto significa que, para ele, cada ação renderá cerca de 13,39% de dividendos 15 no ano — o que é uma excelente taxa. O que pode afetar a variação do preço da ação Franguix SA no mercado, ou seja, na Bolsa? Obviamente algo que esteja ligado à geração de dividendos. Por exemplo: as concorrentes da Franguix SA, no Brasil, pressionam o mercado baixando o preço do frango. A empresa, para manter a sua fatia de mercado tem de acompanhar a redução de preço. É possível que isso diminua os lucros. Se se esperava lucros de $10 milhões no total, é possível que os lucros reduzam para $9,5 milhões. O dividendo previsto já 15 O Sr. Batista, como titular das ações receberá os dividendos. Como dito anteriormente, é previsto que cada acionista deverá receber $0,15 de dividendos, por ação.
  21. 21. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS ! não é mais de $0,15 mas de $0,14. Faria sentido que certos investidores se desfizessem das suas ações da Franguix SA face a este evento. Ao se desfazerem das ações eles forçam a queda do preço, talvez para $1,05. Por outro lado, o fechamento de novos contratos para Portugal, aumentando o volume de vendas, pode significar mais lucros, mais dividendos e desejo dos investidores adquirirem mais ações da Franguix SA o que pressionaria o preço da ação para cima. O surgimento de um conflito envolvendo o Irã — que é um grande comprador da Franguix SA — poderia significar redução nas vendas, redução nos lucros e nos dividendos, levando os titulares das ações da Franguix SA a se desfazer delas. Quando os investidores pretendem se desfazer de ações, o preço destas tende a cair no mercado. É fácil entender que o preço de uma ação tenderia a acompanhar a direção do volume de dividendos que a empresa vá distribuir — e estes, por sua vez, derivam dos lucros, dos resultados das operações das empresas. Eventos que podem afetar os lucros das empresas podem provocar reflexos nos preços das ações. Aumento de juros, nível da inflação, taxa de desemprego, taxa de câmbio, conflitos, etc. são alguns dos eventos que podem afetar, de algum modo, para mais ou para menos, os lucros de empresas e, por conseguinte, o nível dos dividendos. Tais eventos, assim, podem explicar a variação dos preços das ações nas Bolsas. Desta forma, o preço de uma ação na Bolsa não tende a ter uma relação lógica com o preço das demais, e, muito menos com o desempenho das outras Bolsas de Valores de outros países. Não tem qualquer fundamento lógico pretender explicar uma queda generalizada na Bolsa de Valores de São Paulo porque a Bolsa de Tóquio desceu 1,5%. O que significa dizer que a Bolsa de Tóquio desceu 1,5%? Significa dizer que o preço de uma dada cesta de ações negociadas na Bolsa de Tóquio baixou 1,5% em relação ao dia anterior. Acaso isto afetará os negócios da Franguix SA? Por que, então, o preço das ações da Franguix SA deveria cair?16 16 Você encontrará muitas pessoas tentando justificar o injustificável inserindo tudo no contexto de uma globalização da economia. Na maioria das vezes as explicações são ilógicas, inconsistentes ou fundamentadas em dados equivocados. Não estou exagerando. Se tiver tempo leia Paul Krugman: Internacionalismo pop. São Paulo: Publifolha, 1999. Você ficará admirado das bobagens que os economistas dizem. Não pense que estou exagerando: Robert Samuelson em uma das suas Cartas de Washington, afirmou que a a estupidez dos editores em economia produz lixo jornalístico.
  22. 22. MANUEL MEIRELES ! ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS Entretanto, a justificativa da queda da Bolsa de São Paulo decorrente da queda da Bolsa em Tóquio, Nova York ou qualquer outra parte do mundo é freqüentemente usada. Mas é uma justificativa sem sustentação lógica. Escolas de investidores Os investidores, como viu, operam no mercado secundário de ações, comprando e vendendo ações. O que leva um investidor a comprar uma ação? E o que o leva a vendê-la? Neste livro você vai ver alguns dos inúmeros métodos que os investidores técnicos utilizam para operar no mercado de ações. Cada método estrutura-se sobre um determinado pressuposto e aplica um algoritmo específico - uma fórmula específica. Investidores estruturados seguem métodos para selecionar e acompanhar ações, como por exemplo, os tradicionais métodos CAPM, Markowitz e Sharpe (que possuem o mesmo fundamento, distinguindo-se apenas entre si quanto à operacionalização). Tais modelos podem ser utilizados pelo investidor para selecionar carteiras de títulos. Além dos modelos tradicionais há muitos outros — mais ou menos refinados — que os investidores consideram para selecionar e acompanhar títulos. Tais modelos são agrupados em duas grandes escolas: a Fundamentalista e a Técnica. Neste capítulo, você verá o conjunto das principais técnicas e as características de tais escolas. As técnicas são descritas em detalhe na parte 2 desta obra: Entenda os métodos. A Escola Fundamentalista Esta escola repousa na tese de que existe uma correlação lógica entre o valor intrínseco de uma ação e seu preço de mercado. O valor intrínseco para a Escola Fundamentalista é representado pela avaliação do patrimônio da empresa, seu desempenho e sua posição no respectivo setor de atuação, pela intensidade da concorrência e pela existência de produtos ou ser-
  23. 23. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS !! viços alternativos, pelo grau de utilização tecnológica do empreendimento, pelo nível de intervenção estatal na área de atuação (controle de preços, proteção tributária, subsídios, etc), por seu programa de investimentos, por sua política de distribuição de lucros e pelo cálculo do valor presente dos lucros futuros estimados17. Os investidores fundamentalistas podem ser genericamente divididos em dois grupos: I) os que trabalham prioritariamente sobre as previsões de lucros futuros das diversas empresas, e procuram localizar no mercado as que, tendo boas perspectivas, tenham cotações baixas à luz dos resultados esperados; e II) os que procuram empresas com baixas cotações em relação a seus ativos e que não tenham seu controle acionário concentrado com o objetivo muitas vezes de concretizar um takeover18 , reunindo um lote expressivo de ações suficiente para garantir a participação no processo decisório da empresa. A Escola Fundamentalista aprimorou diversos métodos e indicadores que se tornaram clássicos para a avaliação de empresas. Eis alguns: 1. Índice Preço-Lucro - PL, que decorre da divisão entre o preço de mercado de um determinado papel, em certo momento, pelo lucro líquido anualizado19 da ação; 2. Cash-yield: relação do dividendo anualizado pelo preço de mercado da ação. Este é o método que a maior parte dos investidores, com horizonte de longo prazo, adota; 17 DEHNER, Paulo. Análise Fundamentalista. Investidor Profissional - Caderno de Análise Técnica, Investidor Profissional Editora, Rio de Janeiro, 1994 18 Aquisição de uma companhia por outra, em geral amigavelmente, mas por vezes com uma proxy fight (luta de procurações). 19 Anual ou anualizado por alguma técnica adequada.
  24. 24. MANUEL MEIRELES ! ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS 3. Cotação/Valor patrimonial: quociente entre o preço de mercado da ação e o valor patrimonial da mesma; 4. Análise Estrutural da Indústria: fundamentada na proposta de Michael Porter. Proponho a inclusão da Análise Estrutural da Indústria como um método adequado não só para selecionar empresas mas também, especialmente, selecionar indústrias — técnica esta que é, essencialmente, fundamentalista. A origem da Análise Estrutural da Indústria é de cunho estratégico; 5. Índice Sharpe: mede o grau de risco de uma carteira em relação à sua rentabilidade. O índice é calculado pela diferença entre a rentabilidade da carteira Rc e do ativo Ri utilizado como comparação, dividido pelo desvio padrão da carteira. O ativo i pode ser um certificado de depósito bancário (CDB-over) ou semelhante: 6. Capital Asset Pricing Model: que relaciona os preços das ações com taxas de retorno, determinando uma linha característica para o título i, genericamente na forma Ri= bi Rm, onde Ri o retorno excessivo esperado no título genérico i pode ser calculado pelo produto de bi pelo ß21 do título i pelo Rm retorno excessivo20 esperado na carteira de mercado. Este método, pela sua complexidade não recomendo para investidores individuais22 ; 7. Indicador KM: indicador que eu elaborei, fundamentado nos estudos de Kanitz e Morante. É a técnica que recomendo para a seleção de empresas cujas ações devem ser compradas. Este indicador é visto com detalhe no Capítulo 6. 20 O retorno excessivo é o retorno acima ou abaixo do retorno de um investimento sem risco - normalmente considerado o retorno de uma letra de câmbio. 21 ß é o nível de risco não diversificável da ação. É a tangente da linha que indica a sensibilidade do analista em acreditar que o retorno excessivo da ação seja afetado por variações no retorno excessivo do mercado. Um valor igual a um (ß=1) significa que o título é do tipo médio; ß1 significa que o título é defensivo; ß1 significa que o título é agressivo. 22 Conceito que se opõe ao de investidor profissional.
  25. 25. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS !# A Escola Técnica Os primeiros métodos usados pelos investidores eram essencialmente grafistas, isto é: levavam em conta não só os gráficos como as formações específicas que os gráficos faziam. Por este motivo, esta Escola Técnica - cujos defensores usam essencialmente gráficos para se orientarem nas aplicações na Bolsa - é chamada de Grafista. Esta escola faz repousar seus fundamentos nos seguintes fatores apontados por Paulo Dehner23 : a) a conotação psicológica básica (e permanente) do conjunto da massa de investidores é de avidez na busca de lucros e medo de sofrer prejuízos; b) essa circunstância coletiva é identificável pelos analistas técnicos por ser um padrão de comportamento seguidamente verificado na realidade, sendo uma informação de extrema importância na previsão de tendências; c) os fatos relevantes referentes às empresas com ações negociadas em bolsas de valores não são imediatamente divulgados para todo o mercado e, portanto, a intensidade da reação dos investidores a esses fatos é variável ao longo do tempo; e d) as oscilações de preços decorrem dessas reações, e podem ser representadas por gráficos que facilitam sua visualização e acompanhamento. Os principais métodos usados pelos Tecnicistas, são: 1. Teoria de Dow - considerado o fundador da Escola Técnica - que afirma que, antes de um movimento significativo de alta ou de baixa nas cotações de um determinado papel, ocorrem formações que sinalizam previamente a movimentação que deverá ocorrer; 23 DEHNER, Paulo. Análise Técnica. Investidor Profissional - Caderno de Análise Técnica, Investidor Profissional Editora, Rio de Janeiro, 1994
  26. 26. MANUEL MEIRELES !$ ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS 2. Teoria de Elliot - ou Teoria das Vagas - que se fundamenta teoricamente nas propriedades de uma série numérica estudada no século XIII pelo matemático italiano Leonardo Fibonacci; 3. Gráfico de Barras, no qual se faz análise das linhas e se identificam configurações denotadoras da tendência dos preços; 4. Gráfico Ponto-Figura, atemporal, que faz uso de dois símbolos (o ponto • e a figura 6) para indicar movimentos de baixa e de alta das ações; 5. Médias móveis: simples, ponderadas ou exponenciais usadas para determinar reversões de tendências, em especial a Linha dos 200 dias (L200D); 6. Osciladores: que permitem detectar o enfraquecimento ou fortalecimento do mercado antes que as mudanças ocorram. Os mais comuns deste método são: o oscilador do momento - relacionado à velocidade de subida ou queda do valor de uma ação; o oscilador de avanços e declínios - que mede os avanços e retrações do mercado, através da acumulação da diferença entre o número de ações em alta e o número de ações em queda; o oscilador de pressão do pregão, que se baseia na diferença entre os preços de oferta de compra e venda e os preços reais de compra e venda; o IFR - Índice de Força Relativa, que varia de 0 a 100, e que indica se um papel está excessivamente comprado ou excessivamente vendido; 7. Estocástico: elaborado por George Lane sob o pressuposto de que, quando os preços sobem, os valores de fechamento devem estar próximos dos valores máximos alcançados no período e, quando os preços descem, os valores de fechamento devem estar próximos aos valores mínimos alcançados no período; 8. On-balance-volume (Preço-Volume): desenvolvido por J. Granville, que associa o volume negociado com a evolução do preço do mercado. Também é conhecido por OBV ou CVICumulative Volume Indicator;
  27. 27. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS !% 9. Candlestick: método que data de 1750 - usado pelos japoneses nas suas transações com arroz- pretende antecipar a oscilação dos preços da commodity. É conhecido, também, pelo nome de Teoria das Velas; 10. Regras de Donchian, que orientam de forma geral o investidor, sem necessidade de cálculos complexos; 11. Esotéricos, como é o caso dos Ciclos da lua: sem pressuposto metodológico; 12. Opinião contrária, que parte do pressuposto que o público está quase sempre errado ( o que é provado por estatísticas que indicam que 70% das ordens de compra e venda são erradas); 13. Teoria das Caixas, de Nicolas Darvas; 14. Buy-and-Hold: método passivo de administração de portfólio que consiste em comprar e guardar títulos, incorporando à carteira os benefícios recebidos; 15. Indicador SMI, um oscilador do tipo pressão de pregão que leva em consideração o nível das Ofertas de Compra e de Venda para antecipar altas ou quedas nas ações. Este método é desenvolvido detalhadamente na Segunda parte deste livro (Capítulo 7). Premissas das Escolas Os modelos da escola Fundamentalista pretendem ser superiores aos modelos da escola Técnica ou Grafista. Embora a transcrição seja longa, o texto de Cláudio Contador24 é significativo para que se possa perceber o tipo de crítica que as escolas técnicas ou grafistas recebem: A melhor maneira de identificar as origens de um desempenho satisfatório superior à média do mercado é registrar os fatores que determinam a performance: 1. habilidade na seleção dos ativos; 2. flexibilidade de mudanças na carteira; 24 CONTADOR, Cláudio R. Os investidores institucionais no Brasil. p89.
  28. 28. MANUEL MEIRELES ! ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS 3. ausência de limitações ou restrições orçamentárias; 4. eficiência na diversificação; 5. qualidade das estratégias de predição; e 6. capacidade de reduzir custos de transação e de informação. Dentre os fatores mencionados, a habilidade na seleção dos ativos tem recebido maior atenção e mais recursos financeiros para pesquisas. Pode-se mesmo dizer que a escolha ótima do investimento vem preocupando os investidores há mais de um século. Como resultado, surgiu um número razoável de teorias algumas ditas infalíveis. É interessante atentar para o fato de ainda hoje o mercado brasileiro preocupar-se com técnicas já ultrapassadas e demonstradas falíveis em outros países, e até mesmo, investir nelas. Será interessante discutir algumas das estratégias historicamente mais importantes, e de aceitação mais generalizada pelos técnicos do Brasil. São elas, basicamente, quadro.: •Sistema Filtro; •Teoria Dow; •Sistema Preço-Volume; e •Técnica Buy-and-Hold A técnica do Filtro baseia-se na idéia de que se o preço de uma ação está subindo deverá continuar subindo, e se estiver caindo, deverá continuar caindo. O Filtro é aplicado quando o preço da ação apresenta uma reversão. Se o preço tiver atingido o mínimo, e então subir uma determinada porcentagem (por exemplo 5%), diz-se que esta ação continuará subindo. A estratégia consiste em comprar ações que estão subindo e vender aquelas em queda. Os defeitos deste sistema compreendem desde os gastos excessivos em despesas de transação, até à suspeita da validade da técnica. A idéia de uma tendência nos retornos ou ponto de reversão nos preços tem sido adotada em outros métodos, sendo a mais conhecida a técnica gráfica, amplamente empregada ainda hoje pelos analistas brasileiros. A teoria Dow tem diversas variantes, sendo a mais recente a que afirma que, quando o mercado de uma ação atinge um pico e declina em seguida, o pico atingido define uma
  29. 29. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS !' área ou linha de resistência. Toda a vez que o mercado ou a ação aproxima-se do pico de resistência, a atenção deve ser redobrada. Se o mercado ou a ação rompe a linha de resistência, é provável que prossiga avançando por mais algum tempo, devendo o administrador atentar para este fato na sua estratégia de transações. Analogamente, esta teoria define também uma linha de resistência para o mercado ou ação em baixa, sendo as sugestões similares às anteriores. Assim, diz-se que o mercado ou ação oscila entre linha de resistência — uma inferior e outra superior — e qualquer ocorrência de rompimento dos limites pré-estabelecidos é uma alerta para os técnicos. Acadêmicamente (grifo meu), a teoria Dow é rejeitada sobe a alegação de que os picos, anti-picos, etc. nada significam em termos de movimentos de mercados ou de ações. Empiricamente, os resultados são igualmente duvidosos. Naturalmente, é sempre possível encontrar inúmeros casos em que esta teoria propiciou resultados satisfatórios, mas seria possível encontrar um grande número de casos, infelizmente não anotados e facilmente esquecidos pelos analistas, nos quais os resultados foram negativos. De acordo com a técnica Preço-Volume, o preço de uma ação, ao crescer paralelamente a um grande volume de transações, reflete um excesso de demanda pela ação, que deve perdurar nos períodos seguintes. Conseqüentemente, o preço deve continuar crescente. Por outro lado, um preço em queda, paralelamente a um volume amplo de transações, indica um excesso de oferta que deverá refletir-se em quedas subseqüentes nos preços. A falácia da técnica resume-se em ignorar que o volume de transações decorre da divergência de expectativas quanto a preços futuros, e que, portanto, deve ser distribuído independentemente do nível de preço. A estratégia Buy-and-Hold é, sem dúvida, o método mais simples de seleção de ativos e formação de Carteiras. Com esta estratégia, a atuação do administrador é puramente passiva. Após selecionar os títulos, deve mantêlos, por um certo horizonte, incorporando os retornos daí provenientes (dividendos, desdobramentos, subscrições etc) sem modificar a composição da carteira. O acréscimo de recursos adicionais de novos investidores implica num crescimento proporcional no valor de todos os títulos e no
  30. 30. MANUEL MEIRELES ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS patrimônio da Carteira. As vantagens da técnica buy-andHold são basicamente três: 1. considerável economia no que diz respeito às despesas de transações e de obtenção de novas informações presumivelmente úteis; 2. avaliação contínua mais fácil das condições de retorno e risco da carteira em comparação com a do mercado, se não ocorrem mudanças freqüentes na composição da Carteira. De fato, nestas condições, a carteira estará posicionada ao longo da linha de mercado. Se todos os investidores e/ou seus administradores acreditam que o mercado é eficiente e aceitam, com algumas restrições, os fundamentos teóricos de Markowitz, Sharpe e outros, eles buscarão Carteiras extremamente diversificadas nas quais o risco diversificável ou evitável é praticamente nulo. Este comportamento implica no fato de os retornos da carteira estarem perfeitamente correlacionados com os retornos do mercado;: 3. crescente evidência de que sua performance é, com maior freqüência, superior a outras técnicas. A desconfiança acadêmica (grifo meu) com relação às propaladas vantagens de estratégias imaginosas sobre a técnica pura e simples Buy-and-Hold, não deve ser confundida com a afirmativa de que aquelas estratégias conduzem sistematicamente a um desempenho inferior ao da técnica Buy-and-Hold. Simplesmente, argumenta-se que o seu desempenho é, na maioria das vezes, inferior ao da técnica Buy-and-Hold. Ademais, implícita em toda esta argumentação está a hipótese de que as informações sobre uma ação são de domínio público, ou seja, não existem insiders sistematicamente bem informados. Toda essa discussão não pretende desestimular a criação de novas técnicas. Qualquer que seja a nova técnica, existem alguns procedimentos fáceis, capazes de testar a sua eficiência. Em primeiro lugar, desde que a técnica não tenha sido criada a partir da observação sobre dados passados, é conveniente testá-la nos dados existentes. É necessário alguma atenção quanto ao período utilizado para o teste. Se possível, devemos adotar períodos nas mais distintas condições. As críticas às teorias grafistas parecem possuir um foco
  31. 31. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS que se assenta em algumas premissas de atuação do mercado e dos administradores: mercado eficiente, administradores racionais e ausência de insiders sistematicos. As teorias grafistas, salvo melhor juízo, não devem ser sujeitas a críticas de tal jaez, porquanto elas são construídas sobre bases fundamentalmente diferentes: fundamentam-se na atuação psicológica dos sujeitos e rejeitam, em princípio, mercados eficientes e administradores de Carteiras racionais. Uma análise da crise do mercado acionário mundial nos anos de 1997-1998 pode vir a dar substancial razão aos grafistas. Não se pode esquecer que os academicamente corretos Black e Scholes , literalmente, faliram. Justificando as técnicas propostas Recomendo, nesta obra, particularmente o uso de uma técnica para selecionar um conjunto de ações (o indicador KM) e de uma outra para acompanhar a evolução de tais ações, determinando o melhor momento de compra ou de venda (o oscilador SMI). Quaisquer outras técnicas, dentre as muitas indicadas nesta obra, podem ser usadas. O que reitero é a necessidade de você fazer uso consciente, sistemático e preciso de técnicas evitando desastres econômicos. Considero as duas técnicas que destaco, simples e adequadas à maioria dos investidores ou especuladores, embora não deixe de apresentar muitas outras técnicas de domínio do mercado. A escolha das ações ou de outros ativos financeiros que poderão ser objeto de investimento, por parte de um investidor, num dado período de tempo, é feita mediante vários métodos, mas nem sempre eles são coincidentes quanto aos resultados que produzem. A prova disso é que, periodicamente, analistas econômicos emitem seus pareceres recomendando a compra ou não de determinados ativos. Por exemplo, a Gazeta Mercantil25 dava a conhecer que os analistas da Robert Fleming, Bear Sterms e Banco Bozano Simonsen recomendavam a compra de ações da Companhia Siderúrgica Paulista; os analistas do ING Barings não recomendavam tal compra e os analistas da Merrill Lynch estavam neutros quanto ao assunto. Que recomendação o investidor deveria seguir? 25 14-01-97 p.C-4, Relatórios recentes sobre o setor siderúrgico
  32. 32. MANUEL MEIRELES ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS No mesmo periódico26 , o analista Rodrigo Bresser, do Banco Matrix, recomendava a compra de ações da Bosh Continental, da Marisol, e da Indústrias Vilares. O analista Sidney Chameh, do Banco Fator, recomendava a compra de ações da Arno, da Inepar e da Renner-Hermann. Flávio Teles de Menezes, do Banco Patrimônio, indicava a compra de ações da Lorenz, da Mangels, da Trafo, da Fras-Le e da Agrale. Observa-se, assim, que a subjetividade dos processos de avaliação de empresas está muito presente na maioria deles. Existe algum indicador que permita ver a justeza de tais recomendações? A seleção e acompanhamento de ações pode ser feita fundamentada, como vimos acima, em métodos propostos pelas chamadas escolas Técnica e Fundamentalista. É o que ocorre quando se usam métodos tais como: cash-yield ou IFR-Índice de Força Relativa. É sabido que todo investimento assenta, geralmente, num tripé constituído pela segurança, lucratividade e liquidez. É possível gerir ativos com lucratividade, resguardada a segurança e a liquidez dos mesmos? Um método hábil na seleção de ativos que venha a desenvolver uma satisfatória performance, é pois do interesse dos investidores, e, com freqüência novos métodos são sujeitos a investigação. Um deles, por exemplo, é o Modelo de previsão de rentabilidade com base em controles proposto por Armando de Santi Filho e José Olinquevitch27. Tal método tem como proposta prever a rentabilidade/lucro com base na utilização de controles gerenciais, mas sua operacionalização parece pouco prática, porquanto requer uma entrevista de coleta de dados para cada empresa em estudo. Dizem os autores: Para que fosse possível medir a qualidade dos controles gerenciais, tivemos de atribuir pontos a cada tipo de controle previsto no modelo. O critério utilizado para a atribuição dos pontos partiu da seguinte premissa: quanto mais recente for a infor26 27 Edição de 13-02-97, p.B1, Analistas mostram melhores opções Análise de balanços para controle gerencial. São Paulo: Atlas, 1995. P.227-273
  33. 33. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS ! mação, menor será a possibilidade de ela estar defasada; com isso a probabilidade de o tomador de decisões falhar será minimizada. Será mostrado o roteiro, bem como a planilha, a ser utilizado na entrevista de coleta de dados... Não parece muito prático tal modelo. Na Bolsa de Valores de São Paulo, por exemplo, cerca de 50 empresas costumam compor o índice Ibovespa — que engloba as ações mais negociadas e, portanto, com maior liquidez. Se o investidor pretender selecionar seus ativos dentre este universo, ele teria de aplicar 50 entrevistas e, para cada uma delas, elaborar uma planilha com o objetivo de quantificar o termômetro da rentabilidade— um número entre 0 e 96,01, sendo que as empresas com rentabilidade satisfatória teriam de obter 50 ou mais pontos. O que ofereço, nesta obra, são dois métodos que considero mais simples e tão ou mais eficientes. Um deles, elaborado por mim, o indicador KM, tem origem na fusão de dois indicadores: • termômetro de insolvência de Kanitz28 (TIK), e o • estipulador do Limite de Crédito de Morante29 (LCM). O indicador de Kanitz, quando aplicado a uma determinada empresa por um investidor, mostra a potencial segurança que tal investidor tem em não perder o valor investido em decorrência de falência da empresa. É um indicador que pode relativizar duas ou mais empresas quanto à ameaça de uma insolvência. A fórmula de Morante indica qual o limite de crédito (LCM) 28 KANITZ, Stephen Charles. Indicadores contábeis e financeiros de previsão de insolvência: a experiência da pequena e média empresa brasileira. Tese apresentada à Faculdade de Economia e Administração da USP para obtenção do título de Livre Docente em 1976. 29 MORANTE, Antonio Salvador. Uma contribuição ao estudo de indicadores de limite de crédito. Dissertação apresentada à Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, para obtenção do título de mestre em Ciências Contábeis.
  34. 34. MANUEL MEIRELES ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS que um investidor pode dar a determinada empresa. Um uso extrapolativo de tal fórmula é o de indicador do potencial de lucratividade de uma empresa: quanto maior é a capacidade da empresa honrar créditos maior é a potencialidade de tal empresa gerar recursos para tal e, portanto, maior é a potencialidade de produzir resultados. Em outras palavras: lógica e empiricamente há uma associação positiva muito forte entre o Limite de Crédito atribuído segundo Morante (LCM), com base em Balanço Patrimonial de uma empresa, e o resultado que essa empresa tem no exercício imediatamente subseqüente. As propostas de Kanitz e de Morante, devidamente adequadas, constituem um único e eficiente indicador para a seleção de ativos. Estudos exploratórios mostraram que efetivamente o indicador KM30 é eficiente como método de seleção de ativos potencialmente seguros e lucrativos. Com base em estudos exploratórios, fazendo uso do método estatístico denominado Q de Yule, pode-se afirmar: • Há uma associação positiva muito forte (71,43%) entre o índice KM de uma empresa e o LL/PL (Lucro Líquido/Patrimônio Líquido), no exercício imediatamente subseqüente. Um valor de Q de 0,7143 significa que se faria 71,43% melhor do que ao acaso ao predizer a ordem na variável LL/PL a partir da ordem na variável KM; ou, em outras palavras: as empresas de melhor índice KM, no exercício subseqüente tendem a ter uma relação LL/ PL também melhor do que as demais; • Há uma associação positiva muito forte (74,40%) entre LCM/PL e LL/PL no exercício imediatamente subseqüente. Em outras palavras: as empresas para as quais Morante recomenda atribuir maior Limite de Crédito em relação ao seu Patrimôno Líquido, no exercício subseqüente tendem a ter a melhor relação LL/PL. • Há uma associação positiva substancial (63,60%) entre o Limite de Crédito negativo (-LCM) e o prejuízo no exercicio subse30 Doravante se denotará de KM o indicador construído a partir das fórmulas propostas por Kanitz e Morante, como se verá adiante.
  35. 35. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS # qüente, ou seja: quanto pior for o Limite de Crédito que uma empresa pode obter, segundo Morante, pior será o seu Lucro Líquido no exercício imediatamente subseqüente. • Há uma associação positiva muito forte (72,7%) entre LCM/ AT e LL no exercício imediatamente subseqüente. Isto é: quanto maior for a proporção do Limite de Crédito que uma empresa pode obter em relação ao seu Ativo Total, maior será o seu Lucro Líquido no exercício imediatamente subseqüente. O SMI é um oscilador que propõe ao investidor, informar o momento para compra ou venda de um título negociado em Bolsa de Valores. O pressuposto deste método assenta numa relação entre os preços de oferta e os preços reais praticados no mercado. A tensão entre estes dois valores tende a determinar para onde se deslocará o preço da ação. As pesquisas exploratórias do método SMI, realizadas sobre o comportamento de ações na Bolsa de Valores de São Paulo, também mostram que ele traz vantagens em relação à técnica Buy-and-Hold. Cabe ressaltar que o investidor teria executado operações com um acerto em 88% das ordens.
  36. 36. A arte de operar na Bols@ pela Internet % TENHA POSTURA ADEQUADA COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 4 CAPÍTULO 2
  37. 37. A arte de operar na Bols@ pela Internet TENHA POSTURA ADEQUADA ' Para operar na Bolsa de Valores, comprando e vendendo ações, não basta conhecer técnicas. É preciso algo mais: é preciso ter uma postura, adotar e acatar um conjunto de princípios de ação, ter o que costumeiramente se denomina de filosofia. A filosofia do investidor nada mais é do que um padrão comportamental, um conjunto de hábitos, um estilo de atuar. Você pode pretender adotar uma técnica qualquer de operar, mas se não a respeita, se não a acata, se entra em pânico ao menor sinal de fraqueza, pode-se dizer que não tem técnica alguma. Neste capítulo você vai ver que além de técnica você precisa ter uma filosofia orientativa de ação. Sucesso na Bolsa exige uma filosofia Para ter sucesso nas operações das Bolsas de Valores - e sempre falamos de um sucesso relativo, em relação à média do mercado - o investidor deve ter, entre outras coisas:1 a) técnica para selecionar ativos; b) técnica para acompanhar os ativos selecionados; c) flexibilidade para mudar a constituição da carteira. Além desse conhecimento técnico, deve ter uma determinada postura frente ao mercado - uma espécie de filosofia de especulador. Quanto a esta filosofia eu sempre recomendei e apliquei a filosofia do dançarino. Nicolas Darvas, era um dançarino quando herdou alguns lotes de ações. Ele não entendia nada de ações e começou a operar na Bolsa, inicialmente como um tolo comum, um desses tolos que topamos sempre pela frente e contra os quais precisamos defender nossos negócios. Tinha todas as características 1 Ver também, Contador, p. 88
  38. 38. MANUEL MEIRELES # TENHA POSTURA ADEQUADA dos tolos especuladores: era crédulo, altamente influenciável e achava que entendia do negócio. Perdeu dinheiro, até que descobriu, por acaso, como podia deixar de ser tolo. A vida de dançarino o levava a ficar distante da Bolsa, dos corretores e dos jornais. Por esse motivo ele ficou impossibilitado de agir como um tolo. E foi o que lhe garantiu o sucesso: começando com uns poucos milhares de dólares herdados acabou por ganhar dois milhões de dólares na Bolsa. E escreveu um livro2, que lhe deve ter dado mais alguns milhões, pois tornou-se um best-seller. Efetivamente Darvas ganhou esse dinheiro, pois todas as operações foram checadas e confirmadas por uma comissão independente. Nessa obra ele mostra a sua Teoria das Caixas que veremos adiante. Nesse livro, ele também divulgou a postura que adotava frente ao mercado. Eu tenho usado essa teoria - à qual dei o nome de Teoria do Dançarino - pois foi esta a condição que o levou a descobrir como enfrentar o mercado. Disse Darvas: -Não siga nenhum serviço de informações: eles não são infalíveis. Eu não sigo. Mas de vez em quando dou uma espiada nas revistas especialistas e confirmo a assertiva desta norma: tais serviços pouco mostram de útil. -Tenha cautela com conselhos dos corretores: eles podem estar errados. Nunca peço conselhos ou indicações ao meu corretor. Mas sempre que podia ele me recomendava Acesita. Me parece que ele é um especialista nessa ação. Coincidentemente nunca comprei Acesita. -Ignore ditados da Bolsa. Eu ignoro ditados e comentários. Nada mais absurdo do que comentários de jornalistas sobre o comportamento da Bolsa. Quando a Bolsa de Nova York cai e, por simples coincidência, a Bovespa também cai - lá vem a globalização do mercado financeiro mundial para explicar isto; mas quando a de Wall Street cai e a daqui sobe, ninguém diz nada. Parece que a globalização do mercado financeiro só se aplica em certos dias. -Não negocie no mercado paralelo. Negociar no mercado paralelo significa comprar ações fora da Bolsa, por outras vias. Costuma dar mais trabalho. Eu não negocio no mercado paralelo e, dentro da Bolsa tenho uma forte tendência para negociar ape2 ´DARVAS, Nicolas. Como ganhei dois milhões de dólares na Bolsa.
  39. 39. A arte de operar na Bols@ pela Internet TENHA POSTURA ADEQUADA # nas com ações componentes do IBOVESPA - quase todas com presença diária nos pregões. -Não dê ouvidos a boatos. Nem é preciso comentar isto. -Tenha uma orientação básica de operação. Traduzido em miúdos isto significa: tenha uma técnica para selecionar ações e uma técnica para acompanhar ações. Com a técnica de seleção de ações se escolhe uma meia dúzia de ações que se deve acompanhar; com a técnica de acompanhamento se vê quando se deve comprar e vender as ações. Seguir técnica significa ter um método definido para operar na Bolsa de Valores, deixando de lado quaisquer palpites e intuições. A respeito disto, costumo contar o seguinte caso. Numa dada ocasião tinha aplicado algum dinheiro em ações da Paranapanema e, certo dia, quando me dirigia para o escritório, comentei com a minha esposa3 , que achava que o preço da Paranapanema ia cair. - Então porque não vendes? — perguntou ela. Respondi que o gráfico de acompanhamento não mandava vender. E foi assim que surgiu uma pequena discussão - coisa corriqueira e trivial - com minha mulher. Expliquei-lhe que se desse ouvidos à minha intuição, estaria vendendo por intuição e comprando também por intuição. Donde, concluí, não necessitaria de nenhuma técnica para selecionar e acompanhar ações - mas me tornaria exatamente igual aos milhares e milhares de investidores que operam sem qualquer técnica. Eu sei que a minha técnica não é infalível, já que está 70% das vezes certa; mas não a troco pela técnica do palpite que costuma estar 70% das vezes errada. Claro que não vendi a Paranapanema. Esperei a ordem do gráfico, que só ocorreu três dias depois. Ela tinha caído de preço. -O jogo da Bolsa é contra fortes adversários. Eu digo que o jogo da bolsa é contra adversários tolos ou loucos incomprensíveis, ilógicos - que se comportam como as mulheres4. -Nada existe seguro no mercado - metade do tempo estamos errados. Bom: se for metade do tempo é excelente. Como se 3 4 Sublime jararaca Le Bon é quem afirma isto: uma multidão de homens comporta-se com os mesmos caprichos de uma mulher. Se você entender de mulheres - o que não é o meu caso - tem a possibilidade de entender a ilógica atuação dos especuladores nas Bolsas.
  40. 40. MANUEL MEIRELES # TENHA POSTURA ADEQUADA sabe, a maioria dos investidores está errada 70 % do tempo. -Lide apenas com ações de grande volume: não se grudam nas mãos na hora da venda. Aqui, Darvas, recomenda que se lide com ações que têm presença constante nos pregões. Desta forma são fáceis de comprar e vender. Isto é importante para uma atuação como especulador; como investidor, com prazo longo, não. -Não leia nenhum comentário. Eu não leio. Quando estou errado estou por conta própria. -Não existe relação entre as tendências do mercado e as tendências de uma ação considerada isoladamente: podem ser coincidentes ou opostas. É uma verdade. Mas, estatisticamente, sabe-se que o mercado como um todo afeta 80 % o desempenho de uma ação. Estatistamente, também se pode avaliar a correlação que uma ação tem com o mercado como um todo, que é representado pelo índice IBOVESPA ou semelhante. O aviso de Darvas só serve para lembrar que o mercado pode subir e a ação descer. Ou vice versa. Warren Buffett é um bem sucedido investidor e divilgou sua filosofia — a Value Oriented — que, de uma forma geral propõe o seguinte: 1. Compre um negócio, não uma ação. Compre ações de empresas que tenham rentabilidade superior à média do setor; 5 2. Administre uma carteira de negócios, não de ações. Invista em ações de empresas cujo negócio você entenda e tenham boas perspectivas a longo prazo; 3. Não diversifique exageradamente a sua carteira: um portfólio com ações de meia duzia de empresas pode ser acompanhado melhor do que contiver muitas empresas; 4. Desligue-se do mercado de ações. Não se preocupe muito com as variações de curto prazo, nem com opiniões alarmistas sobre a tendência do mercado. O mais importante de seguir uma filosofia de ação que você deve ter como investidor é evitar fazer o papel de tolo. 5 Para isto consulte revistas especializadas como Quem é Quem da Revista Exame e Balanço Anual da gazeta Mercantil. Mas não esqueça que sucesso passado não assegura sucesso futuro.
  41. 41. A arte de operar na Bols@ pela Internet TENHA POSTURA ADEQUADA #! Quase todo especulador é um tolo Não é fácil entender a irracionalidade que norteia os especuladores, quando julgados como um todo. Nenhum observador, quando analisa os especuladores à distância, acredita que as ações desenvolvidas por eles no mercado de ações sejam de homens de negócios. Este homem de negócios - que perde, como as estatísticas mostram, em mais de 70 % dos casos - talvez possa ser entendido pela leitura de Viana6 , Le Bon7 ou Gasset8 . As massas têm características muito semelhantes às multidões. Elas são: -crédulas - acreditam no noticiário dos jornais, acreditam nas calúnias mais absurdas, nas promessas mais utópicas, acreditam na propaganda, etc.; -fortemente sugestionáveis: submetem-se facilmente a uma doutrina, a uma técnica, a uma moda, a um homem; -enfátuas, cheias de si: julgam-se de nível superior não obstante a sua mediocridade e insuficiência. Podemos afirmar que a maioria dos especuladores é composta de tolos e pretensiosos; pessoas crédulas, altamente sugestionáveis e que se julgam de inteligência superior. Na maioria das vezes - acima de 70 % - perdem dinheiro. Negociar com tolos - não o sendo - não é uma tarefa fácil. São eles que conduzem os negócios nas bolsas. Quando menos se espera, uma ação, sem nada de substancial para isso, começa a subir; outra, nas mesmas condições, começa a cair. Por quê? Ninguém, absolutamente ninguém, conseguirá responder a esta questão. O governo brasileiro — ao contrário do que ocorre nos outros países — ainda é o grande acionista do país9: 6 VIANA, Mário Gonçalves. Psicologia das massas multitudinárias. Porto: Domingos Barreira, 1944. 7 LE BON, Gustave. As opiniões e as crenças, São Paulo: Brasil Editora, 1956 e, Psychologia política, Rio de Janeiro: Garnier, 1910 8 GASSET, José Ortega. A rebelião das massas. São Paulo: Publicações Brasil, 1933. 9 Nelson Niero, O governo ainda reina nas bolsas. Gazeta Mercantil, 30.06.99, p.1.
  42. 42. MANUEL MEIRELES # TENHA POSTURA ADEQUADA Em meados de junho, a União possuía sozinha R$26,5 bilhões em participações, o equivalente a 9,9 do valor total das ações das maiores companhias de capital aberto do país. Na condição de grande acionista, o Governo é também um grande investidor — com presença constante na Bolsa por meio de diversas instituições. A pessoa física, no mercado à vista, representa cerca de 16% do volume negociado10 ; as instituições financeiras representam cerca de 40% e os investidores estrangeiros cerca de 25%. Os investidores do tipo pessoa física representam uma substancial parcela capaz de tumultuar o mercado. Tenha um plano de investimento Zaremba11, recomenda que você tenha um plano de investimento que nada mais é do que um esforço consciente e ordenado de aplicar seu dinheiro. Você deverá acompanhar resultados, diversificar investimentos, procurar atender objetivos de renda e crescimento do patrimônio que respondam aos seus anseios pessoais. Ter um plano de investimento significa pensar no melhor modo de alocar as suas poupanças em investimentos. Operar com ações, a longo prazo, tende a trazer mais benefícios do que quaisquer outros tipos de aplicação12 . Mas, você deve operar 10 Soma dos volumes de compra e venda. Para conhecer o grau da participação dos investidores na Bolsa de São Paulo, consulte: www.bovespa.com.br þ INFORMAÇÕES DO MERCADO þ PARTICIPAÇÃO DOS INVESTIDORES. 11 ZAREMBA, Victor. Cuidando do seu dinheiro. São Paulo: Saraiva, 1997 12 O que é compatível com o risco: maior o risco maior a lucratividade.
  43. 43. A arte de operar na Bols@ pela Internet TENHA POSTURA ADEQUADA ## como investidor e como especulador. Destine parte da sua poupança e a administre como investidor13 ; outra parte administre-a como especulador — é mais arriscado, mas muito mais emocionante. Dez regras para você seguir Não é difícil ser um tonto despassarado no mercado de ações. Você evitará isso tendo um conjunto de regras balizando suas atitudes. Acho de bom alvitre seguir os seguintes conselhos: 1. - Tenha uma orientação básica de operação: tenha uma técnica para selecionar ações e uma técnica para acompanhar ações; 2. - Não siga nenhum serviço de informações: Limite-se, de vez em quando, a dar uma espiada nas revistas especialistas; 3. - Não dê ouvidos a boatos; 4. - Não leia comentários sobre as Bolsas; 5. - Lide apenas com ações de grande liquidez — aquelas que pertencem ao índice da Bolsa — para operar como especulador. Ações com baixa liquidez só podem ser operadas como investidor; 6. - Não diversifique exageradamente a sua carteira: no máximo acompanhe dez ações; 7. - Tenha um plano de investimento : planeje o que vai aplicar em ações, dividindo a poupança em duas estratégias: uma de longo prazo — administrada pelos princípios dos investidores — outra de curto prazo — administrada mais dinâmica e emocionantemente sob os princípios do especulador; 8. - Aplique na bolsa apenas o que tiver poupado. Jamais venda algo ou tome empréstimos para aplicar na Bolsa; 13 Buscando empresas com bons dividendos, orientando-se pelo cash-yield, por exemplo.
  44. 44. MANUEL MEIRELES #$ TENHA POSTURA ADEQUADA 9. - Espere o fechamento do pregão para ver as cotações: evite ficar on-line, acompanhando a todo o instante as cotações. Isto gera ansiedade e tenderá a fazer com que você comece a atuar como um tolo. Poupe-se. Tenha calma. Não se angustie. Se você não for capaz disto caia fora do mercado: você não é suficientemente forte para o negócio da Bolsa; 10. - Não comente seus negócios com ninguém nem divulgue a composição da sua carteira. Luís Eduardo de Assis14 recomenda algumas regras práticas de sobrevivência na selva financeira: 1. Estabeleça um objetivo. Saiba o que você quer; 2. Conheça seu perfil de risco. A cada perfil corresponde um produto — ou uma combinação de produtos — diferente; 3. Espere o seu momento. O tempo é seu aliado: nos últimos dez anos, um investidor que permaneceu 18 meses na bolsa teve 4,5 vezes mais chances de dobrar o capital investido que outro aplicador que tenha ficado apenas 6 meses; 4. Confie seus investimentos a um administrador profissional; 5. Diversifique suas aplicações; 6. Rejeite dicas em geral; 7. Seja disciplinado. Invista regularmente. Recomendações Nesta obra, você verá inúmeros métodos para seleção e acompanhamento de ações. Siga um dos métodos recomendados ou quaisquer outros, mas siga. Tenha uma filosofia de atuação e não se deixe levar por boatos ou informações especiais. Não abandone a sua postura perante o mercado: investi14 ASSIS, Luís Eduardo. A ansiedade mata. Exame, 697 (suplemento), p.32-3
  45. 45. A arte de operar na Bols@ pela Internet TENHA POSTURA ADEQUADA #% dor ou especulador. Recomendo que especule com apenas uma parte do seu dinheiro. Como investidor você deve orientar-se pelo Cash-yield, tendo um horizonte de longo prazo; como especulador oriente-se fazendo uso de quaisquer outros indicadores. Mas, siga o que o indicador informa. Outra coisa: não aplique na Bolsa dinheiro que não constitua sua poupança. Bolsa é investimento; investimento é poupança. Aplique, portanto, as sobras do seu orçamento doméstico. Uma vez selecionadas as ações que deve acompanhar com atenção — de 6 a 10 — atualize as suas planilhas diariamente e compre ou venda de acordo com o que indica a técnica. Não seja ansioso: não antecipe compras ou vendas. Se o seu indicador não mandar comprar, não compre — fique fora do mercado. O investidor em ações, que é cuidadoso, via de regra segue três recomendações básicas: 1. Careful selection (seleção cuidadosa); 2. Wide diversification (ampla diversificação); 3. Constant supervision (supervisão constante). Uma seleção cuidadosa, significa escolha de boas empresas - empresas que possam gerar resultados positivos e, desta forma, ter suas ações crescendo, em valor, na bolsa. As técnicas para uma seleção cuidadosa você verá adiante, no Capítulo 6. Ampla diversificação, significa seguir o ditado de não colocar todos os ovos na mesma cesta. Há autores que afirmam que nenhuma ação deve representar mais do que 5% de toda a carteira - o que significa ter pelo menos uma carteira de 20 títulos. Análises estatísticas, porém, demonstraram que cinco ou seis ações, de empresas de setores diferentes, são suficientes para constituir uma carteira adequadamente diversificada. Embora devamos ter uma meia dúzia de ações na nossa carteira, devemos fazer o acompanhamento de uma dezena delas. Constante supervisão, significa acompanhar o desempenho das ações no mercado. Operando ou não pela Internet você deve ter bem presente estas recomendações.
  46. 46. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA #' COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 4 CAPÍTULO 3
  47. 47. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA $ Não faz sentido você pretender operar no mercado de ações e não possuir um adequado banco de dados, porquanto o mercado de ações é muito técnico e exige do investidor uma atenção especial. Desta forma, você deve ter um banco de dados sobre o mercado de ações: um conjunto de dados racionalmente armazenados que expressem os itens mais importantes sobre as ações, os indicadores de mercado e as empresas. Você pode, obviamente, operar com base na intuição, em palpites de terceiros ou por algum outro meio. Claro que pode. Mas é algo que sai muito caro. Se pretender operar no mercado de ações sem estar apoiado em um método, sugiro que gaste seu dinheiro de outra forma: apostando em cavalos. Pelo menos é mais emocionante. A necessidade de informação Um investidor - seja qual for o seu holding period1 necessita de informações, e o tipo de informações depende do método que usa. Quando se opera com ações deve-se ter dois métodos: a) um para escolher as empresas das quais deve operar com ações na Bolsa de Valores — é o método de seleção de ações b) outro para saber quando comprar e vender ações das empresas escolhidas — é o método de acompanhamento de ações. Dependendo dos métodos que faça uso, você necessitará de um conjunto de informações. Se você fizer uso do indicador 1 Período de tempo em que um investidor mantém ações de uma empresa
  48. 48. MANUEL MEIRELES $ SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA KM e do oscilador SMI — como recomendo, você deve obter algumas informações específicas, a saber: a) o indicador KM exige os balanços das empresas; b) o método do oscilador SMI requer o comportamento diário da ação na Bolsa, isto é: os preços mínimo, máximo, médio, de fechamento, oferta de compra e oferta de venda. Requer também o valor de um deflator, que geralmente é um índice como o IGP-M ou semelhante. Considerando estes dois métodos, para operar você precisa ter: I) Balanços de todas as empresas constituintes do Ibovespa (para através deles fazer o ranking do indicador KM) Os dados necessários ao cálculo deste indicador devem estar armazenados em planilhas no computador. Você só acompanhará as 10 empresas com o melhor indicador KM. Trimestralmente, com novos balanços, você recalculará o ranking. Recomendo uma planilha para cada empresa, onde os balanços sucessivos vão sendo gravados. II) Informações Gerais e Eventos das empresas. Estas informações podem estar na mesma planilha dos balanços. São dados referentes à empresa e ao setor em que a empresa atua, e informações úteis para tomada de decisão: quantidade de ações, dividendos, bonificações, subscrições, etc. III) Deflator diário. Você construirá um deflator diário fundamentado no IGP-M, que é mensal. Deve-se usar uma planilha para conter o deflator. IV) Dados dos pregões: Ibovespa e as 10 ações sob acompanhamento diário. E onde você encontra as informações de que necessita? Em alguns veículos, a saber: q No jornal diário Gazeta Mercantil; q Na Internet O objetivo principal deste capítulo é capacitá-lo a encontrar e entender as informações que precisará para operar.
  49. 49. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA $! Bolsas Bolsas No mercado financeiro encontramos dois tipos de bolsas: a) as Bolsas de Valores - nas quais são negociadas ações, opções, recibos e outros direitos referentes ao capital social das Sociedades Anônimas de capital aberto; e b) as Bolsas de Mercadorias Futuros - bolsas onde se negociam os chamados derivativos, commodities (mercadorias) e índices. Nas Bolsas de Mercadorias os investidores negociam: a) metais: ouro, prata, platina, cobre, paládio, alumínio, chumbo, estanho, zinco, etc. b) carnes: gado em pé, suínos, frango, etc. c) moedas estrangeiras: franco suíço, marco alemão, iene japonês, libra esterlina, dólar canadense, etc. d) taxas de juros: letras do tesouro, letras hipotecárias, obrigações do tesouro, etc, e) cereais: soja, milho, trigo, aveia, cevada, centeio, óleo de soja, farelo de soja, etc. f) outros produtos: café, cacau, algodão, suco de laranja, lã, ovo, batata, açúcar, borracha, madeira bruta, madeira compensada, etc. g) índices: diversos índices, como o Ibovespa. Aqui não nos ocuparemos disso. Vamo-nos ocupar, nesta obra, essencialmente das Bolsas de Valores e da negociação de ações. Fontes de Dados Para você, que pretende operar com ações, há duas grandes fontes de dados, como viu: a Gazeta Mercantil e alguns sites na Internet. Tradicionalmente os jornais são as principais fontes de da-
  50. 50. MANUEL MEIRELES $ SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA dos para os investidores. O Boletim da Bolsa de Valores de São Paulo é publicado no jornal Gazeta Mercantil. É deste jornal que você pode extrair os dados que os métodos de seleção e acompanhamento de ações requerem. Dispondo de computador você, via Internet, pode acessar também os dados de que necessita. Os dados, essencialmente são os mesmos: unicamente muda a fonte. Desta forma, para cada tipo de dado informarei onde ele pode ser encontrado dentro da Gazeta Mercantil e dentro da Internet. Gazeta Mercantil A Gazeta Mercantil é um dos mais importantes jornais do Brasil - se não o mais importante - e deve ser de leitura obrigatória por parte do investidor. Ele é editado simultaneamente em diversas capitais (São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Porto Alegre, Belo Horizonte e Belém), o que lhe dá um caráter nacional. Além de inúmeros suplementos a Gazeta Mercantil é constituída basicamente por 3 cadernos: a) Caderno A, que se ocupa do noticiário Nacional, Política, Legislação e Internacional; b) Caderno B: Finanças Mercados, que se ocupa de: Finanças, Bolsas, Fundos, Commodities, Indicadores e Agribusiness; c) Caderno C: Empresas Carreiras que se ocupa de: Empresas, Informática Telecomunicações, Administração Marketing. Os cadernos B e C são muito importantes para os investidores, pois eles possuem os dados primários para alimentar os algoritmos (isto é, as fórmulas) das técnicas de seleção e acompanhamento de ações. Particularmente eu coleciono, há anos, o caderno B Finanças Mercados, além de uma página do caderno Empresas Carreiras: aquela que contém a seção Bovespa. Veremos adi-
  51. 51. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA $# ante o motivo disto. Além disto, a Gazeta Mercantil possui um centro de informações eletrônicas que presta alguns serviços aos leitores, a saber: — InvestNews: serviço de informações eletrônicas em tempo real dividido em módulos; — Gazeta Mercantil On Line: resumo das principais notícias da Gazeta Mercantil, a partir das 5 horas da manhã; — Real Time News: divulga ao longo do dia notícias de economia, negócios e política; — Cotações: fornece em tempo real as flutuações dos principais ativos financeiros negociados no Brasil: dólar, CDB, ouro, interbancário, etc., bem como taxas de empréstimos; — Fundos: informações sobre o desempenho de todos os fundos de investimento; — Balanços: possibilita a consulta das 17 principais contas do balanço de 11 mil empresas, a partir de 1990; - Banco de Dados: Centro de Informações que dispõe de séries históricas dos indicadores econômicos publicados no jornal; - Balanços de Empresas: Balanços completos de empresas, a partir de 1996. O caderno B da Gazeta Mercantil - Finanças Mercados, é a principal fonte de dados para o investidor que não dispõe da Internet. Abra um desses cadernos e observe as partes principais em que ele se divide, lendo os títulos que dividem o caderno. Você verá, numa edição típica, algo como: — Finanças — Finanças Internacionais — Bolsas Nacionais — Bolsas Internacionais — Fundos de Investimentos — Commodities Minerais — Commodities Agrícolas — Agribusiness
  52. 52. MANUEL MEIRELES $$ SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA — Indicadores Nacionais Para o nosso propósito nos interessa a parte Bolsas Nacionais - e mesmo assim só algumas seções. O conteúdo de cada uma dessas partes do caderno pode ser assim descrito: • -Finanças Informações sobre o mercado financeiro. De importante para o nosso objetivo o box que contém os principais indicadores da inflação. • -Finanças Internacionais Ocupa-se do mercado financeiro internacional: câmbio em outros países, juros externos, taxas de juros Libor, etc • -Bolsas Nacionais É a parte que mais interessa ao investidor do mercado de ações. Contém o desempenho das ações e opções nas Bolsas de Valores - especialmente da Bovespa. Fornece também outras informações aos investidores. • -Bolsas Internacionais Informa sobre os índices de fechamento das principais Bolsas de valores em todo o mundo e os preços das ações mais importantes negociadas nas bolsas de: Buenos Aires, Caracas, Madrid, México, Nova York, Santiago, Taipé, Tóquio e Toronto. • -Fundos de Investimentos Informa o desempenho de diversos fundos: Fundos de Renda Fixa, Fundos de Ações e de Carteira Livre. • -Commodities Minerais Faz o acompanhamento dos preços das commodities minerais negociadas nas Bolsas Mercantis estrangeiras: petróleo, metais, etc. • -Commodities Agrícolas Faz o acompanhamento dos preços das commodities agrícolas negociadas nas Bolsas Mercantis nacionais e estrangeiras: boi, frango, lã, laticínios, ovos, suínos, derivados de suínos; produtos vegetais: açúcar, algodão, alho, amendoim, arroz, aveia, batata, borracha, cacau, café, cebola, farinha de mandioca, fei • — Agribusiness
  53. 53. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA $% • — Indicadores Nacionais Resumo dos principais indicadores e outras informações. A hemeroteca de um investidor Para quem, além da Internet, pretende acompanhar a Gazeta Mercantil, é interessante constituir uma hemeroteca específica. A palavra hemeroteca veio do grego hemera que significa dia e de theke, que significa local ou depósito. Hemeroteca é o local onde se guardam, conservam e são consultados os jornais e revistas ou outras publicações periódicas. O investidor deve possuir a sua hemeroteca onde possa pesquisar dados. Particularmente eu coleciono: 1. O caderno Finanças Mercados colocando na parte superior direita, com uma caneta de ponta grossa, a data do pregão; 2. Dentro desse caderno coloco a folha inteira que contém a seção Bovespa e que está no caderno Empresas e Carreiras; 3. Coleciono também os balanços (e demonstrativos financeiros) das empresas que fazem parte do Ibovespa - Índice da Bolsa de Valores de São Paulo. Particularmente, nunca recorto o balanço ou a seção: eu arquivo a página completa. Os balanços podem ter sido publicados em qualquer caderno (A, B ou C). A técnica consiste em colocar dentro do caderno B (Finanças e Mercados) as páginas inteiras, contendo recortes dos outros cadernos. Minha hemeroteca de investidor, portanto, consta, do caderno Finanças Mercados da Gazeta Mercantil, complementado por folhas inteiras destacadas de outros cadernos. Essas folhas contêm: a seção Bovespa e Balanços das empresas que me interessam. Internet As mesmas informações disponibilizadas pela Gazeta
  54. 54. MANUEL MEIRELES $ SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA Mercantil você pode encontrar na Internet. Os websites que possuem os dados que você vai necessitar são: www.bovespa.com.br e www.cvm.gov.br. Mapa do www.bovespa.com.br Este é o site da Bolsa de Valores de São Paulo. Nele você poderá encontrar na página A BOVESPA a história da instituição e outras informações, como as regras de negociação em pregão. Na página INFORMAÇÕES DO MERCADO, você pode encontrar as cotações e os índices, incluindo o de até nove pregões anteriores. Encontra também nesta página os títulos negociáveis na Bolsa ou na página CIAS LISTADAS, você encontrará informações sobre as empresas ou na página SOCIEDADES CORRETORAS, você encontra a lista de todas as Sociedades Corretoras (Membros e Permissionárias) com assento na Bovespa, mas é na página HOME BROKER que você encontra a lista das corretoras que operam via Internet2 . Mapa do site www.bovespa.com.br A CVM — Comissão de Valores Mobiliários, tem a função de disciplinar, fiscalizar e promover o mercado de valores mobiliários, de forma a assegurar o exercício de práticas eqüitativas e coibir quaisquer tipos de irregularidades. É para esta instituição que as companhias abertas devem enviar os seus relatórios, cujo tipo, prazo e periodicidade de entrega obedecem à seguinte tabela: 2 No momento em que escrevo — final de janeiro de 2000 — existem 15 sociedades corretoras que possuem Home Broker, isto é, permitem que o cliente opere via Internet. Obviamente que a tendência é todas as corretoras se conectarem ao sistema.
  55. 55. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA TIPO PERIOCIDADE IAN: Informações anuais anualmente DFP: Demonstrações Financeiras Anualmente Padronizadas DF: Demonstrações Financeiras anualmente ITR: Informações Trimestrais trimestralmente $' PRAZO DE ENTREGA Até 31.05 Até 31.03 Até 31.03 Até 30.03; 30.06 e 30.09 São estes relatórios, que as companhias enviam para a CVM, que devem ser consultados de forma a se buscar os dados necessários às técnicas de seleção. Os relatórios podem ser também obtidos no site www.cvm.gov.br/pub/cvm O site da CVM na sua página CIAS ABERTAS, apresenta as Demonstrações Financeiras das empresas que operam na Bolsa. Para fazer, entretanto, a leitura de tais relatórios é necessário fazer uso de um programa especial, que a própria CVM fornece3 . Portanto, as informações vitais podem ser buscadas na Internet ou na Gazeta Mercantil. O foco da leitura de um investidor nas Bolsas de Valores são as notícias referentes às empresas de capital aberto, cujas ações são negociadas no pregão. Programas de Leituras dos Relatórios A CVM disponibiliza no seu site o programa que permite ao investidor consultar os relatórios das companhias abertas. Para obter a versão integral basta fazer um download do Divext: Sistema de Divulgação Externa. Este programa permite o acesso aos relatórios que as companhias abertas enviam periodicamente à CVM. O Sistema de Divulgação Externa — ITR/DFP/IAN, foi desenvolvido pela Bovespa em apoio à CVM. Uma vez obtido este 3 Os programas do Sistema de Divulgação Externa possuem versões para Windows 95 e para DOS.
  56. 56. MANUEL MEIRELES % SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA programa, no site da CVM www.cvm.gov.br þ COMPANHIAS ABERTAS e indique o tipo de consulta: n Demonstrações Financeiras ou n Dados cadastrais. Na janela de Busca, coloque a palavra chave referente à empresa que deseja. Por exemplo: Perdigao (não use acentos). Clique em Busca e aguarde o resultado da pesquisa. Serlhe-á informado a quantidade de companhias selecionadas. Selecione a companhia que deseja e clique em Entrar. Surge uma lista de diversos relatórios do tipo ITR, DFP ou IAN com o indicativo do tamanho do arquivo em Bytes e a data de disponibilização. Clique sobre o relatório desejado e automaticamente começa a fazer-se o download. Para arquivar adequadamente o subdiretório de destino, clique no diretório DIVEXT, na pasta DADOS e selecione a subpasta correspondente. No caso de um relatório ITR selecione a subpasta ITR. Complete o download. O arquivo é gravado com uma definição do tipo: 01629999.wtl, onde: n As primeiras 5 posições (no exemplo: 01629) contêm o código de registro da empresa na CVM. É o caso da Perdigão SA; n As 2 posições seguintes (no exemplo: 99) indicam o ano do término do período informado; n A última posição indica o mês de término do período informado, utilizando 1 a 9 para os meses de janeiro a setembro e A, B, 0, para os meses de outubro, novembro e dezembro. A extensão dos arquivos contém 3 letras: © W na primeira posição; © T, F ou A na segunda posição: T indica ITR; F indica DFP e A indica IAN; © L, M ou N na terceira posição: L indica demonstrações financeiras apresentadas, segundo o critério da Legislação societária; M indica demonstrações financeiras, segundo o critério de Moeda de capacidade aquisitiva constante (nos casos de ITR ou DPF); N para IAN. Para ter acesso ao arquivo gravado, você deve fazer uso do
  57. 57. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA % programa Divext. Feche inicialmente todos os programas que estiver usando e abra Divext. Selecione em Abrir, Carregar Arquivo. Com o cursor selecione o arquivo que deseja abrir nos subdiretórios ITR, DFP ou IAN. O arquivo selecionado será descompactado. Por meio do Divext, é possível ter acesso (para visualizar ou imprimir) a todo o relatório ou qualquer parte dele — o que se denomina quadro Um relatório típico, como o ITR, constitui-se em cerca de 30 páginas. Por exemplo, o relatório 01629999.wtl, da Perdigão SA, referente às informações trimestrais (ITR) com data base em 30/ 09/99, constitui-se num total de 32 páginas, comportando alguns quadros tais como: composição do capital social; características da empresa; balanço patrimonial; demonstração do resultado; notas explicativas; comentário do desempenho, entre outros. Dados que o investidor deve procurar Você cotidianamente deve estar atento ao mercado. E isso exige que você procure informações que possam ser relevantes para a gestão da sua carteira. Essas informações podem ser tanto procuradas na Gazeta Mercantil quanto na Internet. Abaixo listarei as informações que devem ser alvo da sua atenção e o local onde elas são encontradas Lendo os Relatórios da Bolsa www.bovespa.com.br þ INFORMAÇÕES DO MERCADO GM: BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO Para o investidor que opera nas Bolsas de Valores, importa sobretudo esta parte, que, usualmente se divide em alguns boxes, ou páginas: • Índice BOVESPA: Comportamento • Mercado à Vista -Cotações Unitárias • Mercado à Vista- Lote de Mil Ações • Concordatárias
  58. 58. MANUEL MEIRELES % SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA • • • • • • • • Fundos e Certificados Mercado a Termo (30, 60, ... dias) Opções (de compra, venda) Avisos Ajustes e proventos Custódia e Liquidação Bolsa de Valores do Rio de Janeiro SENN Nosso estudo está limitado às ações e à Bolsa de Valores de São Paulo. Desconsideraremos, portanto, tudo quanto diga respeito a outros títulos, como as opções, e a outras Bolsas de Valores. Também não nos ocuparemos dos Fundos (mesmo os Fundos Mútuos de Ações) nem das operações nas Bolsas de Mercadorias (commodities e derivativos). Vamos ver, portanto, os principais boxes da Bolsa de Valores de São Paulo. BOVESPA- Informações do mercado www.bovespa.com.br þINFORMAÇÕES DO MERCADO þ ÍNDICES þGM: BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO þ RESUMO Na página referente a Informações do Mercado, em Índices, podem ser vistas diversas variáveis, tais como : q Comportamento do dia, (dos índices Ibovespa, IBX e IEE); q Máximo e mínimo no ano; q Comportamento das ações que compõem os índices; q Evolução do fechamento; q Gráficos; q Mais informações sobre os índices. Comportamento do dia Nesta página, você pode ver como ocorreu a evolução de
  59. 59. A arte de operar na Bols@ pela Internet %! SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA três índices: o Ibovespa, o IBX e o IEE. Eis um exemplo4 : Comportamento no Dia Abertura Mínimo Máximo Fechamento Médio IBOVESPA 16.777 16.777 17.104 17.091 16.989 IBX 3.166 3.166 3.238 3.238 3.204 IEE 3.560 3.480 3.591 3.591 3.529 A primeira coluna mostra os pontos de referência mais importantes de um pregão: o de Abertura que, contraposto ao de Fechamento mostra a tônica geral do mercado como um todo; o Mínimo e o Máximo além do valor Médio. Observar que o valor Médio não é a média dos valores apresentados, mas um valor ponderado5 . Recomendo que você confronte especialmente a Abertura e o Mínimo bem como o Máximo com o Fechamento. Observe no exemplo dado que, no caso do Ibovespa, a Abertura constituiu o preço Mínimo e que o Fechamento esteve muito próximo do valor Máximo, denotando um mercado ascendendo firmemente. O valor do Índice Bovespa, (bem como os dos outros índices) é mostrado em pontos6. O número de pontos representa de certa forma o valor monetário das ações que constituem uma cesta especial de ações. Tal cesta constitui uma carteira teórica de ações, e seu valor serve como indicador do comportamento do mercado. A carteira teórica é integrada pelas ações que, em conjunto, representam 80% do valor transacionado à vista nos 12 meses anteriores à formação da carteira. A ação também deve estar presente, no mínimo, em 80% dos pregões realizados no período. Ou seja: a carteira teórica constitui-se das ações mais negociadas na Bolsa. Quadrimestralmente é feita uma reavaliação que pode incluir ou excluir ações de tal carteira. O Ibovespa, assim, não tem um número fixo de ações — pois constitui-se do conjunto de ações que representam 80% do valor transacionado 4 Referente ao pregão do dia 30.12.1999. 5 Considera o preço médio das ações que constituem o índice e a quantidade negociada. 6 Equivalente a um montante em moeda corrente

×