Your SlideShare is downloading. ×
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

222383 a-arte-de-operar-na-bolsa-pregao-e-internet

840

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
840
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
66
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Manuel Meireles Como investir na Bolsa e ganhar Dinheiro. SÃO PAULO 2 0 0 0
  • 2. 2000, by Editora Arte & Ciência Direção Geral Henrique Villibor Flory Editor e Projeto Gráfico Karel Henricus Langermans Arte-Final e Diagramação Alain F. Nascimento Capa K. Langer Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 5988 de 14/12/73 É proibida a reprodução total ou parcial, por quaisquer meios, sem autorização prévia, por escrito, da editora. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) A277t MEIRELES, Manuel. -(1949) A arte de operar na Bols@ pela Internet/ Manuel António Meireles da Costa; São Paulo: Arte&Ciência, 2000 — São Paulo: Arte & Ciência - Villipress, 2000. Bibliografia ISBN Nº 85-7473-017-3 1.Bolsa de Valores. 2. Ações 3. Mercado Financeiro 4. Gestão de portfólios 5. Seleção e acompanhamento de ativos 6. Indicador Kanitz-Morante 7. Oscilador SMI — Stress Market Index CDU: 332.679(81) Este texto destina-se a proporcionar orientação básica sobre a arte de operar nas Bolsas de Valores. Nem o Autor nem a Editora se responsabilizam por quaisquer resultados colhidos pelo Leitor em decorrência da aplicação de técnicas aqui oferecidas. Editora Arte & Ciência - Villipress Rua Treze de Maio, 71 – Bela Vista São Paulo – SP - CEP 01327-000 Tel/fax: (011) 257-5871 Na internet: http://www.arteciencia.com.br
  • 3. COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Capítulo 4 Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9
  • 4. A Edmar Figueiroa - meu mestre na arte de especular com ações.
  • 5. Dez coisas que você pode aprender com este livro Parte 1: Prepare-se para operar 1. -Adquira conceitos básicos 2. -Tenha postura adequada 3.-Saiba ler os Relatórios da Bolsa 4. -Aprenda a construir o INDAÇ de uma ação 5. -Cadastre-se numa Corretora Parte 2: Entenda os métodos 6. -Como selecionar ações pelo indicador KM 7. -Como acompanhar ações pelo SMI 8. -Outras técnicas de seleção de ações 9. -Métodos para acompanhar ações Glossário Bibliografia Obras recomendadas Outras obras Revistas e jornais Referências bibliográficas Websites
  • 6. A quem este livro se destina? Este livro pode ajudar tanto aquele que não conhece absolutamente nada sobre o mercado de ações, como o que é experiente e conhecedor dos seus aspectos mais relevantes e do seu jargão. Para o primeiro oferece, passo a passo, as noções conceituais e as ferramentas técnicas que o capacitarão a selecionar e acompanhar ações; para o segundo, oferece subsídios adicionais e um conjunto sistematizado de técnicas. O objetivo geral desta obra é lhe possibilitar (caso não o tenha), o entendimento do mercado de ações como um todo sua linguagem especifica e suas características operacionais - e capacitá-lo a direcionar seus investimentos para este segmento do mercado de capitais com razoável grau de sucesso. Dei ênfase especial ao modo de operar via Internet - modo que se está rapidamente difundindo - na medida em que permite um fácil acesso aos dados que o investidor técnico requer. O tema é apresentado em duas partes: na primeira preparálo-ei para operar; na segunda lhe mostrarei métodos para você selecionar e acompanhar ações. Fundamentalmente este livro consta de 9 capítulos. No capítulo 1, serão apresentados alguns conceitos básicos, especialmente lhe mostrarei como o mercado de ações funciona e os motivos disso. No capítulo 2, chamo a sua atenção para a necessidade de você adotar uma postura adequada - seja como investidor, seja como especulador - uma espécie de filosofia de ação. Recomendo-lhe a Filosofia do Dançarino. No capítulo 3, você aprenderá a buscar e entender dados para, a partir deles, decidir em quais ações investir seu tempo e seu dinheiro. Um aspecto muito
  • 7. importante é saber como se constrói os índices das ações que você administrará. Isso será visto no capítulo 4. No capítulo 5, você vai ver como deve proceder para se cadastrar numa corretora Home Broker a fim de poder operar - comprando e vendendo ações. O cadastramento não é instantâneo, pois requer uma série de procedimentos. Depois de ler os primeiros capítulos, leia o capítulo 5 e escolha uma Corretora para operar. Depois de ter efetuado o cadastro estude os capítulos 6 a 9, que constituem a segunda parte deste livro, com o objetivo de definir seus métodos de seleção e acompanhamento de ações. O método CAPM é o método "clássico", reputado por muitos acadêmicos como o único consistente metodologicamente para definir a melhor carteira de ações. É um método indicado, digamos, para profissionais, considerando a complexidade da sua metodologia. De qualquer forma, um livro que apresente métodos de selecionar e acompanhar ações não pode deixar de o mencionar. Ele foi considerado ainda que resumidamente. Há um jargão, um linguajar todo especial no que se refere ao mercado acionário. Não deixe de consultar o Glossário para buscar a compreensão de algum termo que não compreenda. Me esforcei para cobrir todas as dúvidas que um leitor sem experiência no mercado pode ter, incorporando muito da experiência obtida em cursos para alunos universitários. Espero que, após a leitura do livro não lhe restem muitas dúvidas. Boa leitura, Boa sorte e Bons investimentos.
  • 8. Dez coisas que você pode aprender com este livro: 1. conceitos básicos referente ao mercado de ações; 2. a diferença significativa entre as posturas de investidor e de especulador; 3. a importância de ter uma filosofia de ação para atuar no mercado; 4. como se cadastrar numa corretora Home Broker, para operar via Internet; 5. as melhores fontes dos dados que necessita para operar com ações; 6. como ler e interpretar as listagens das Bolsas; 7. como construir índices para as ações; 8. como investir e especular com ações; 9. como selecionar empresas lucrativas; 10. como acompanhar, de forma especulativa, as ações de empresas selecionadas.
  • 9. A arte de operar na Bols@ pela Internet # PREPARE-SE PARA OPERAR COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 4 PARTE 1
  • 10. A arte de operar na Bols@ pela Internet PREPARE-SE PARA OPERAR % Está preparado? Desde já cabe um alerta: as técnicas de operação enfocadas nestas obra são apenas orientativas de procedimentos para minimizar prejuízos. Entretanto, qualquer técnica por si só não garante ganhos em todas as aplicações. Você deve estar ciente de que o mercado acionário é um mercado de risco e que, portanto, há a possibilidade de que as operações lhe causem prejuízo. O assunto é tão importante que vale a pena destacar duas informações: a) 72,0 % das pessoas físicas que investem ma Bolsa de Valores de Nova York perdem dinheiro; b) 70,0 % das operações realizadas na Bolsa de Valores de São Paulo dão prejuízo ao investidor. “Ao longo do tempo, perdem feio” 1 Você deve levar em conta o seguinte: A) Nenhum método é absolutamente certo nas suas “informações”. No entanto, os métodos têm-se revelado muito melhores do que as ordens ao simples acaso. B) Você deve escolher um dos métodos — e aplicá-lo. Usar mais de um método na maioria das vezes é desaconselhável. Entretanto, há investidores que usam um método básico e um outro para “confirmação”. Basicamente tal investidor só executa a ordem recomendada pelo método básico se o de confirmação também estiver recomendando ou com tendência para tal. C) Os outros investidores técnicos fazem também uso de métodos. Possivelmente todos os métodos abordados neste livro 1 BAZIN, Décio. Faça Fortuna com Ações — antes que seja tarde. São Paulo: JMJ, 1992, p. 219
  • 11. MANUEL MEIRELES PREPARE-SE PARA OPERAR estão sendo usados pelos investidores. Os resultados deles não são coincidentes, isto é: nem todos dão ordens de compra ou de venda ao mesmo tempo. D) Nem todos os investidores possuem a mesma abordagem face ao mercado. Isto quer dizer que há investidores cujo horizonte de aplicação é a longo prazo, outros, de médio prazo e outros de curto ou curtíssimo prazos. Os de curtíssimo prazo — alguns dias ou semanas — são designados de especuladores, mas este termo deve ser lido sem nenhuma conotação pejorativa. E) A maioria dos métodos adota um certo período de análise. Por exemplo, quando se trabalha com o método das Médias Móveis podemos ter como base a média móvel dos últimos 9 dias, ou 15 ou 21 ou 60 ou 200 dias. Isto, por si só, já define o tipo de abordagem que se está fazendo. Embora o método seja o mesmo, como as bases temporais são diferentes, as ordens de compra e venda também não são coincidentes. F) Os investidores técnicos não só se defrontam contra outros investidores técnicos2 , mas contra milhares e milhares de investidores individuais que não seguem método algum, que vão ao sabor das ondas do mercado: entram comprando quando ele já subiu ou parou de subir; correm vendendo ao primeiro sinal de queda. Portanto, em épocas de “boom” os métodos — qualquer deles — são menos eficientes, pois não conseguem captar as loucuras que os “especuladores” andam fazendo. Qual dos métodos é o melhor? É uma pergunta que talvez não tenha resposta. Eu, por exemplo, uso o indicador KM para selecionar as ações com as quais vou operar e o oscilador SMI— Stress Market Index ( Índice de Tensão de Mercado) para saber quando devo comprar e vender as ações que acompanho. Estes métodos são melhores do que os outros? Não sei responder a esta questão — nem sei se alguém sabe. Para isso, seria necessário efetuar uma pesquisa, usando todos os métodos sobre um grupo específico de ações e comparar os resultados. 2 O que representa um método enfrentar outro método
  • 12. A arte de operar na Bols@ pela Internet PREPARE-SE PARA OPERAR ' Investidor versus Especulador Inicialmente devemos considerar a diferença entre um investidor e um especulador. Não é uma diferença qualitativa; não se trata de afirmar que um é, eticamente, melhor do que o outro. Não se trata disso: a diferença reside essencialmente no horizonte da aplicação e na forma como buscam os ganhos. O investidor tem prazos longos de atuação, medidos em anos: compra uma ação com a intenção de permanecer longo tempo com ela. Seus ganhos ou rendimentos provêm basicamente dos dividendos proporcionados pela ação. A seleção da ação é feita primordialmente com base no indicador Cash-yield, que considera a relação do dividendo anualizado pelo preço de mercado da ação; o acompanhamento é feito também pelo mesmo indicador. Veremos adiante, ao estudar o indicador Cash-yield, que, para o investidor, a queda do mercado pode constituir-se em algo desejável, e é possível que, muitas vezes, provoquem quedas acentuadas nas Bolsas gerando prejuízos consideráveis para os especuladores. O investidor orienta-se pelo dividendo da ação não pela cotação da ação na Bolsa. O especulador tem prazos curtos de atuação, medidos em dias ou semanas: compra uma ação com a intenção de se desfazer dela rapidamente, aproveitando sua possível valorização na cotação. A seleção e o acompanhamento da ação é feita por meio de indicadores que mostrem possível variação no preço da ação na Bolsa. O especulador orienta-se pela cotação da ação — não pelos dividendos. Uma queda acentuada na Bolsa geralmente tende a lhe causar grandes prejuízos. Este livro é destinado especialmente a especuladores — aplicadores com horizonte curto, orientados pela variação das cotações das ações na Bolsa — embora possa ser usado, também, pelos investidores. Uma pessoa, aliás, pode adotar estas duas posturas: pode gerir parte dos seus fundos disponíveis numa postura de investidor e outra parte com uma postura de especulador. É óbvio que a postura de especulador traz um maior risco mas proporciona, de forma geral, um retorno maior.
  • 13. MANUEL MEIRELES PREPARE-SE PARA OPERAR A propósito do termo especulador convém anotar as palavras de Tamer3 : O que é um especulador? Esta é uma palavra decididamente marcada no Brasil — onde se explora sem pudor — com um sentido popular e generalizado extremamente negativo. Para o público, o especulador é aquele que aproveita as oportunidades para auferir grandes lucros prejudicando outros. O Dicionário Aurélio é muito contraditório ao definir as palavras especular e especulador, refletindo talvez o duplo sentido que se dá a elas. Vemos ali que especular é examinar com atenção; averiguar minuciosamente; observar; indagar; pesquisar. É também valer-se de certa posição, de circunstância, de qualquer coisa para auferir vantagens; explorar. Ou meter-se em negócios mirando lucros; agenciar, traficar, negociar. Para nós do mercado de capitais o Aurélio tem uma definição: Especular é operar na Bolsa, jogando na alta ou na baixa de títulos. Neste sentido, todos os que entram na Bolsa, de uma forma ou de outra, poderiam ser classificados como especuladores, já que têm como objetivo comprar na baixa e vender na alta, ou até mesmo comprar na alta esperando que a ação suba mais ainda. Ninguém entra na Bolsa para perder. Todos para ganhar. Portanto, todos estão especulando, segundo a definição do Aurélio. Miguel Delmar de Oliveira, na sua obra Introdução ao mercado de ações afirma que o especulador é um protagonista ativo do mercado, porém ele não forja o mercado, criando condições artificiais que venham facilitar o objetivo de realização de lucro a curto prazo. A especulação não se reveste de qualquer ilegalidade, quando praticada dentro das regras de jogo, e garante certo grau de liquidez às Bolsas. 3 TAMER, Alberto. Os caminhos do dinheiro. São Paulo: Ática, 1988.
  • 14. A arte de operar na Bols@ pela Internet ! ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 4 CAPÍTULO 1
  • 15. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS # Você não pode operar com ações se não dominar um conjunto mínimo de conceitos que são abordados neste capítulo. Tais conceitos são básicos para a compreensão do mercado como um todo e para o entendimento de como os investidores atuam. Inicialmente, você vai ver como o mercado funciona, isto é: o que dá origem à negociação de ações. Você deve entender claramente que há o mercado primário— no qual a empresa vende suas ações aos investidores — e o mercado secundário — no qual os investidores atuam. A Bolsa auxilia o processo de compra e venda de ações entre investidores — o que corresponde ao mercado secundário — mas também é um instrumento importante para as empresas levantarem recursos vendendo ações para novos acionistas ou acionistas existentes. Uma vez compreendido isto, você vai ver que grande parte dos investidores compra e vende ações apoiada em algumas técnicas, técnicas estas que ajudam o investidor a selecionar e acompanhar ações. Tais técnicas, pelas suas características, são divididas em duas grandes correntes ou Escolas. Neste capítulo, você verá um resumo das técnicas de cada Escola. Se você pretende ser um investidor consciencioso, obviamente você deve operar com ações baseado em alguma técnica. Caso contrário, você estará operando com base na intuição, nos conselhos de amigos, nas leituras de jornais, em boatos ou qualquer outra fonte. E isso não costuma fazer o capital do investidor aumentar. Como o mercado funciona? Entenda, agora, como funciona o mercado de ações. Para tal vamos imaginar uma empresa e simular algumas situações, incluindo o lançamento de ações por parte dessa empresa e, depois, a negociação dessas ações pelos seus portadores. Vamos ver, por meio deste exemplo, os motivos que levam os portadores de ações (investidores e especuladores) a vender ou com-
  • 16. MANUEL MEIRELES $ ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS prar certas ações. Veremos que a negociação de ações está muito associada ao preço das mesmas que depende, substancialmente, das perspectivas de lucratividade atribuídas à empresa. O exemplo abaixo é detalhado, pois tenho percebido, pela experiência dos cursos que dei sobre operação no mercado de ações, que a maioria das pessoas tem dificuldade de entender os aspectos básicos do mercado. Costumo propor a criação de uma empresa — que geralmente leva o nome de Franguix SA. Imagine que alguém pretende constituir uma empresa de grande porte para produzir carne e derivados de frango, buscando suprir especialmente os mercados externos. Consideremos que a empresa venderá para Portugal, Irã e Iraque. A empresa será de grande porte, exigindo um capital de $30 milhões. Os organizadores da empresa, aqueles que inicialmente a estão constituindo, não possuem esse dinheiro, pelo que necessitam de o captar de outras pessoas. Para isso eles preparam um briefing1 , e, com a autorização da CVM—Comissão de Valores Mobiliários e a cooperação de sociedades distribuidoras2 e Bancos oferecem suas ações ao público. A esta operação de fazer o lançamento de ações ao público dá-se o nome de underwriting3 . As sociedades distribuidoras e os bancos entram em contato com seus principais clientes e lhes oferecem as ações da Franguix SA. É assim que as ações chegam ao público. Uma ação4 nada mais é do que uma fração do capital social da empresa. Embora possam não ter valor de face, isto é, embora possam não ter escrito o seu valor, há sempre um valor de lançamento. Admita-se que o capital de $30 milhões é representado por 30 milhões de ações, cada uma valendo $1 no seu lançamento. O investidor que adquirir 1000 ações pagará $1000 e 1 Um caderno sobre a empresa, mostrando especialmente a potencialidade de lucros do negócio, com vistas a obter interessados em se associar à empresa. O mesmo que prospecto. 2 As chamadas DTVM—Sociedades Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, criadas pela Lei 4595 e regulamentadas pela resolução 76 do Banco Central 3 É o mesmo que subscrição. Veja no Glossário os diversos tipos de underwriting existentes. 4 Veja no Glossário o conceito de ação e os diversos tipos de ações que existem.
  • 17. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS % será um acionista detendo uma parcela do capital social5 . Observe-se que todo o dinheiro arrecadado via sociedades distribuidoras e Bancos, no lançamento das ações, chega à empresa Franguix SA, que passa a dispor de $30 milhões. É eleita uma diretoria (pelos acionistas 6) e, com parte desse dinheiro arrecadado a empresa compra os ativos (terrenos, máquinas, etc) necessários à produção de carne e derivados de frango. Parte do dinheiro é destinado a outras despesas, incluindo o pagamento de salários aos funcionários. No presente estágio a empresa Franguix SA está operando e muitas pessoas possuem ações — ações que indicam que seus titulares são co-proprietários da empresa tendo direito à divisão dos lucros. A administração da empresa está agora ocupada com a produção de frangos, com o objetivo de exportar carne e derivados para o mercado externo: Portugal, Irã e Iraque. A diretoria estima que as vendas serão de 50% para Portugal; 20% para o Irã; 10% para o Iraque e 20% para o mercado nacional. Estima a diretoria, também, que, ao término do primeiro ano de operação a empresa terá um lucro bruto de $10 milhões. Pagando-se o imposto de renda ($3,5 milhões) e retendo-se $2,0 milhões para reinvestimentos, serão distribuídos aos acionistas dividendos no valor total de $4,5 milhões. Sabendo-se que a Franguix SA tem 30 milhões de ações, estima-se que cada ação receberá de dividendo $0,15 7 . Repare que eu disse: estima-se. É preciso atentar que, provavelmente, ninguém compraria uma ação da Franguix SA — no mercado primário — se não soubesse que, a qualquer momento pode desfazer-se dela, vendendo-a. Para facilitar a venda e compra das ações, a Franguix SA, com autorização da CVM inscreve-se numa Bolsa de Valo5 Neste caso o investidor teria $1.000/$30.000.000, ou seja, 1/30.000 do capital social da empresa, tendo direito a receber 1/30.000 dos lucros gerados pela empresa. 6 Só os acionistas portadores de ações ordinárias (ON) possuem direito a voto. Cada acionista tem tantos votos quantas ações ON tiver 7 Ou seja: quem adquiriu a ação por $1,00 receberá $0,15 de dividendos —o que corresponde a uma taxa de 15% ao ano.
  • 18. MANUEL MEIRELES ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS res — por exemplo, na Bolsa de Valores de São Paulo — e suas ações passam a ser negociadas no pregão de tal Bolsa8 . A partir do momento em que as ações da Franguix SA são distribuídas ao público, via underwriting, a empresa passa a ser de capital aberto, isto é: a participação no seu capital social é facilitada amplamente e suas ações podem passar a ser negociadas numa ou mais Bolsas de Valores9 . Mas quem pode vender ações da Franguix SA? Quem as possui. E onde as venderá? No pregão da Bolsa de Valores onde a empresa Franguix SA está inscrita. Portanto, os titulares das ações da Franguix SA podem vender suas ações para qualquer pessoa que as queira comprar. A negociação (venda e compra), entretanto, só é possível por meio de intermediários especiais — as chamadas Corretoras de Valores Mobiliários10 . Imaginemos o investidor Alfredo que tem 1000 ações da empresa Franguix SA e deseja vende-las. Para isso, ele deve procurar uma corretora, cadastrar-se nela, e solicitar que seja feita a venda das 1000 ações da Franguix SA. E a que preço? Qual o valor que o sr. Alfredo deve pedir pelas suas 1000 ações? O que ele desejar, mas, fundamentalmente, o valor que alguém estiver disposto a pagar. Admita-se que o sr. Alfredo diga para a sua corretora vender cada ação a $1,10. A corretora passa para o setor de operações da Bolsa a informação de que alguém quer vender 1000 ações da Franguix SA a $1,10 cada uma, procedendo a uma espécie de leilão. Admitamos que um outro investidor, o sr. Batista, por meio de uma outra corretora11, aceita comprar as 1000 ações a esse 8 Para que uma companhia possa ter suas ações negociadas em Bolsa ela deve cumprir certas exigências legais e institucionais que exigem a divulgação de um conjunto de informações periódicas e eventuais. Ver no Glossário, Informações das companhias abertas. 9 Uma empresa, sociedade anônima, é considerada de capital fechado se tiver 20 ou menos acionistas. Neste caso, está dispensada de fazer convocação dos acionistas pelos jornais e de publicar suas Demonstrações Financeiras pela imprensa. 10 As Sociedades Corretoras foram criadas pela Lei 4728 de 14.07.1965. As corretoras têm o privilégio legal de operar com exclusividade nas bolsas de valores. 11 Poderia até ser a mesma corretora do sr. Alfredo.
  • 19. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS ' preço. A negociação é fechada: o sr. Alfredo, por meio da corretora X, vendeu 1000 ações da Franguix SA ao sr. Batista, representado pela corretora Y. As corretoras informam aos seus clientes que a operação foi realizada. A corretora Y informa ao sr. Batista — comprador —que ele deve depositar: • $1.100,00 referente às 1000 ações (a $1,10 cada) • +$ 18,99 referente a taxa de corretagem12 ; • +$ 0,39 referentes a emolumentos (0,035%); • +$ 0,45 referente ao ANA 13 • =$1.119,63 total a pagar14 . A corretora X informa ao sr. Alfredo —vendedor —que ele irá receber líquido: • $1.100,00 referente às 1000 ações (a $1,10 cada) • - $ 18,99 referente à taxa de corretagem; •-$ 0,39 referentes a emolumentos (0,035%); •-$ 0,45 referente ao ANA • =$1.080,17 total a receber. Cabe observar que a empresa Franguix SA nada tem a ver com a transação das suas ações na Bolsa: a transação é feita, por intermédio de corretoras, entre investidores. Um vende as ações, e, por isso, recebe o valor correspondente à venda (no exemplo: $1.080,17); o outro compra as ações, e, por isso, paga o valor correspondente (no exemplo: $1.119,63). Este tipo de negociação caracteriza o mercado secundário. Fato semelhante ocorre cotidianamente no mercado de automóveis usados: alguém vende um veículo Ford para um terceiro por um determinado valor: esta transação não tem relação com a empresa Ford SA, salvo pelo fato de o veículo ter sido fabricado por essa empre12 A tabela de corretagem para compra e venda de ações depende do valor da operação. Consulte seu corretor para obter tal tabela. Muitas corretoras dão descontos em função do volume operado pelo cliente. 13 ANA—Aviso de Negociação de Ações emitido pela Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) informando os termos da negociação. 14 É necessário considerar ainda o valor correspondente à CPMF decorrente da movimentação bancária
  • 20. MANUEL MEIRELES ! ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS sa. A Ford SA recebeu apenas quando vendeu o veículo para o primeiro proprietário (mercado primário); quando este revendeu para um terceiro a Ford SA fica à margem do negócio (mercado secundário). Deve-se também atentar que outras operações de compra e venda podem ser feitas, com a mesma ação, no mesmo dia. Ao término do pregão a Bolsa emite uma listagem onde todas as negociações são computadas. Para cada ação a Bolsa informa uma série de elementos, tais como: preço mínimo, preço máximo, preço médio, etc. Estes preços orientarão, certamente, futuras negociações. Você vai ver quais as informações que a Bolsa divulga e como elas devem ser entendidas no capítulo 3: Saiba ler os relatórios da Bolsa. O que se pode depreender daqui é que a empresa Franguix SA não tem prejuízo pelo fato das suas ações caírem na Bolsa; nem lucra, tampouco, se elas subirem. Observe-se que o comprador, o sr. Batista, comprou 1000 ações da Franguix SA pagando um total de $1119,63. O preço de cada ação, para ele, foi de, praticamente $1,12. Ele sabe que a Franguix SA estima pagar o primeiro dividendo de $0,15 referente ao exercício corrente, e isto significa que, para ele, cada ação renderá cerca de 13,39% de dividendos 15 no ano — o que é uma excelente taxa. O que pode afetar a variação do preço da ação Franguix SA no mercado, ou seja, na Bolsa? Obviamente algo que esteja ligado à geração de dividendos. Por exemplo: as concorrentes da Franguix SA, no Brasil, pressionam o mercado baixando o preço do frango. A empresa, para manter a sua fatia de mercado tem de acompanhar a redução de preço. É possível que isso diminua os lucros. Se se esperava lucros de $10 milhões no total, é possível que os lucros reduzam para $9,5 milhões. O dividendo previsto já 15 O Sr. Batista, como titular das ações receberá os dividendos. Como dito anteriormente, é previsto que cada acionista deverá receber $0,15 de dividendos, por ação.
  • 21. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS ! não é mais de $0,15 mas de $0,14. Faria sentido que certos investidores se desfizessem das suas ações da Franguix SA face a este evento. Ao se desfazerem das ações eles forçam a queda do preço, talvez para $1,05. Por outro lado, o fechamento de novos contratos para Portugal, aumentando o volume de vendas, pode significar mais lucros, mais dividendos e desejo dos investidores adquirirem mais ações da Franguix SA o que pressionaria o preço da ação para cima. O surgimento de um conflito envolvendo o Irã — que é um grande comprador da Franguix SA — poderia significar redução nas vendas, redução nos lucros e nos dividendos, levando os titulares das ações da Franguix SA a se desfazer delas. Quando os investidores pretendem se desfazer de ações, o preço destas tende a cair no mercado. É fácil entender que o preço de uma ação tenderia a acompanhar a direção do volume de dividendos que a empresa vá distribuir — e estes, por sua vez, derivam dos lucros, dos resultados das operações das empresas. Eventos que podem afetar os lucros das empresas podem provocar reflexos nos preços das ações. Aumento de juros, nível da inflação, taxa de desemprego, taxa de câmbio, conflitos, etc. são alguns dos eventos que podem afetar, de algum modo, para mais ou para menos, os lucros de empresas e, por conseguinte, o nível dos dividendos. Tais eventos, assim, podem explicar a variação dos preços das ações nas Bolsas. Desta forma, o preço de uma ação na Bolsa não tende a ter uma relação lógica com o preço das demais, e, muito menos com o desempenho das outras Bolsas de Valores de outros países. Não tem qualquer fundamento lógico pretender explicar uma queda generalizada na Bolsa de Valores de São Paulo porque a Bolsa de Tóquio desceu 1,5%. O que significa dizer que a Bolsa de Tóquio desceu 1,5%? Significa dizer que o preço de uma dada cesta de ações negociadas na Bolsa de Tóquio baixou 1,5% em relação ao dia anterior. Acaso isto afetará os negócios da Franguix SA? Por que, então, o preço das ações da Franguix SA deveria cair?16 16 Você encontrará muitas pessoas tentando justificar o injustificável inserindo tudo no contexto de uma globalização da economia. Na maioria das vezes as explicações são ilógicas, inconsistentes ou fundamentadas em dados equivocados. Não estou exagerando. Se tiver tempo leia Paul Krugman: Internacionalismo pop. São Paulo: Publifolha, 1999. Você ficará admirado das bobagens que os economistas dizem. Não pense que estou exagerando: Robert Samuelson em uma das suas Cartas de Washington, afirmou que a a estupidez dos editores em economia produz lixo jornalístico.
  • 22. MANUEL MEIRELES ! ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS Entretanto, a justificativa da queda da Bolsa de São Paulo decorrente da queda da Bolsa em Tóquio, Nova York ou qualquer outra parte do mundo é freqüentemente usada. Mas é uma justificativa sem sustentação lógica. Escolas de investidores Os investidores, como viu, operam no mercado secundário de ações, comprando e vendendo ações. O que leva um investidor a comprar uma ação? E o que o leva a vendê-la? Neste livro você vai ver alguns dos inúmeros métodos que os investidores técnicos utilizam para operar no mercado de ações. Cada método estrutura-se sobre um determinado pressuposto e aplica um algoritmo específico - uma fórmula específica. Investidores estruturados seguem métodos para selecionar e acompanhar ações, como por exemplo, os tradicionais métodos CAPM, Markowitz e Sharpe (que possuem o mesmo fundamento, distinguindo-se apenas entre si quanto à operacionalização). Tais modelos podem ser utilizados pelo investidor para selecionar carteiras de títulos. Além dos modelos tradicionais há muitos outros — mais ou menos refinados — que os investidores consideram para selecionar e acompanhar títulos. Tais modelos são agrupados em duas grandes escolas: a Fundamentalista e a Técnica. Neste capítulo, você verá o conjunto das principais técnicas e as características de tais escolas. As técnicas são descritas em detalhe na parte 2 desta obra: Entenda os métodos. A Escola Fundamentalista Esta escola repousa na tese de que existe uma correlação lógica entre o valor intrínseco de uma ação e seu preço de mercado. O valor intrínseco para a Escola Fundamentalista é representado pela avaliação do patrimônio da empresa, seu desempenho e sua posição no respectivo setor de atuação, pela intensidade da concorrência e pela existência de produtos ou ser-
  • 23. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS !! viços alternativos, pelo grau de utilização tecnológica do empreendimento, pelo nível de intervenção estatal na área de atuação (controle de preços, proteção tributária, subsídios, etc), por seu programa de investimentos, por sua política de distribuição de lucros e pelo cálculo do valor presente dos lucros futuros estimados17. Os investidores fundamentalistas podem ser genericamente divididos em dois grupos: I) os que trabalham prioritariamente sobre as previsões de lucros futuros das diversas empresas, e procuram localizar no mercado as que, tendo boas perspectivas, tenham cotações baixas à luz dos resultados esperados; e II) os que procuram empresas com baixas cotações em relação a seus ativos e que não tenham seu controle acionário concentrado com o objetivo muitas vezes de concretizar um takeover18 , reunindo um lote expressivo de ações suficiente para garantir a participação no processo decisório da empresa. A Escola Fundamentalista aprimorou diversos métodos e indicadores que se tornaram clássicos para a avaliação de empresas. Eis alguns: 1. Índice Preço-Lucro - PL, que decorre da divisão entre o preço de mercado de um determinado papel, em certo momento, pelo lucro líquido anualizado19 da ação; 2. Cash-yield: relação do dividendo anualizado pelo preço de mercado da ação. Este é o método que a maior parte dos investidores, com horizonte de longo prazo, adota; 17 DEHNER, Paulo. Análise Fundamentalista. Investidor Profissional - Caderno de Análise Técnica, Investidor Profissional Editora, Rio de Janeiro, 1994 18 Aquisição de uma companhia por outra, em geral amigavelmente, mas por vezes com uma proxy fight (luta de procurações). 19 Anual ou anualizado por alguma técnica adequada.
  • 24. MANUEL MEIRELES ! ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS 3. Cotação/Valor patrimonial: quociente entre o preço de mercado da ação e o valor patrimonial da mesma; 4. Análise Estrutural da Indústria: fundamentada na proposta de Michael Porter. Proponho a inclusão da Análise Estrutural da Indústria como um método adequado não só para selecionar empresas mas também, especialmente, selecionar indústrias — técnica esta que é, essencialmente, fundamentalista. A origem da Análise Estrutural da Indústria é de cunho estratégico; 5. Índice Sharpe: mede o grau de risco de uma carteira em relação à sua rentabilidade. O índice é calculado pela diferença entre a rentabilidade da carteira Rc e do ativo Ri utilizado como comparação, dividido pelo desvio padrão da carteira. O ativo i pode ser um certificado de depósito bancário (CDB-over) ou semelhante: 6. Capital Asset Pricing Model: que relaciona os preços das ações com taxas de retorno, determinando uma linha característica para o título i, genericamente na forma Ri= bi Rm, onde Ri o retorno excessivo esperado no título genérico i pode ser calculado pelo produto de bi pelo ß21 do título i pelo Rm retorno excessivo20 esperado na carteira de mercado. Este método, pela sua complexidade não recomendo para investidores individuais22 ; 7. Indicador KM: indicador que eu elaborei, fundamentado nos estudos de Kanitz e Morante. É a técnica que recomendo para a seleção de empresas cujas ações devem ser compradas. Este indicador é visto com detalhe no Capítulo 6. 20 O retorno excessivo é o retorno acima ou abaixo do retorno de um investimento sem risco - normalmente considerado o retorno de uma letra de câmbio. 21 ß é o nível de risco não diversificável da ação. É a tangente da linha que indica a sensibilidade do analista em acreditar que o retorno excessivo da ação seja afetado por variações no retorno excessivo do mercado. Um valor igual a um (ß=1) significa que o título é do tipo médio; ß1 significa que o título é defensivo; ß1 significa que o título é agressivo. 22 Conceito que se opõe ao de investidor profissional.
  • 25. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS !# A Escola Técnica Os primeiros métodos usados pelos investidores eram essencialmente grafistas, isto é: levavam em conta não só os gráficos como as formações específicas que os gráficos faziam. Por este motivo, esta Escola Técnica - cujos defensores usam essencialmente gráficos para se orientarem nas aplicações na Bolsa - é chamada de Grafista. Esta escola faz repousar seus fundamentos nos seguintes fatores apontados por Paulo Dehner23 : a) a conotação psicológica básica (e permanente) do conjunto da massa de investidores é de avidez na busca de lucros e medo de sofrer prejuízos; b) essa circunstância coletiva é identificável pelos analistas técnicos por ser um padrão de comportamento seguidamente verificado na realidade, sendo uma informação de extrema importância na previsão de tendências; c) os fatos relevantes referentes às empresas com ações negociadas em bolsas de valores não são imediatamente divulgados para todo o mercado e, portanto, a intensidade da reação dos investidores a esses fatos é variável ao longo do tempo; e d) as oscilações de preços decorrem dessas reações, e podem ser representadas por gráficos que facilitam sua visualização e acompanhamento. Os principais métodos usados pelos Tecnicistas, são: 1. Teoria de Dow - considerado o fundador da Escola Técnica - que afirma que, antes de um movimento significativo de alta ou de baixa nas cotações de um determinado papel, ocorrem formações que sinalizam previamente a movimentação que deverá ocorrer; 23 DEHNER, Paulo. Análise Técnica. Investidor Profissional - Caderno de Análise Técnica, Investidor Profissional Editora, Rio de Janeiro, 1994
  • 26. MANUEL MEIRELES !$ ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS 2. Teoria de Elliot - ou Teoria das Vagas - que se fundamenta teoricamente nas propriedades de uma série numérica estudada no século XIII pelo matemático italiano Leonardo Fibonacci; 3. Gráfico de Barras, no qual se faz análise das linhas e se identificam configurações denotadoras da tendência dos preços; 4. Gráfico Ponto-Figura, atemporal, que faz uso de dois símbolos (o ponto • e a figura 6) para indicar movimentos de baixa e de alta das ações; 5. Médias móveis: simples, ponderadas ou exponenciais usadas para determinar reversões de tendências, em especial a Linha dos 200 dias (L200D); 6. Osciladores: que permitem detectar o enfraquecimento ou fortalecimento do mercado antes que as mudanças ocorram. Os mais comuns deste método são: o oscilador do momento - relacionado à velocidade de subida ou queda do valor de uma ação; o oscilador de avanços e declínios - que mede os avanços e retrações do mercado, através da acumulação da diferença entre o número de ações em alta e o número de ações em queda; o oscilador de pressão do pregão, que se baseia na diferença entre os preços de oferta de compra e venda e os preços reais de compra e venda; o IFR - Índice de Força Relativa, que varia de 0 a 100, e que indica se um papel está excessivamente comprado ou excessivamente vendido; 7. Estocástico: elaborado por George Lane sob o pressuposto de que, quando os preços sobem, os valores de fechamento devem estar próximos dos valores máximos alcançados no período e, quando os preços descem, os valores de fechamento devem estar próximos aos valores mínimos alcançados no período; 8. On-balance-volume (Preço-Volume): desenvolvido por J. Granville, que associa o volume negociado com a evolução do preço do mercado. Também é conhecido por OBV ou CVICumulative Volume Indicator;
  • 27. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS !% 9. Candlestick: método que data de 1750 - usado pelos japoneses nas suas transações com arroz- pretende antecipar a oscilação dos preços da commodity. É conhecido, também, pelo nome de Teoria das Velas; 10. Regras de Donchian, que orientam de forma geral o investidor, sem necessidade de cálculos complexos; 11. Esotéricos, como é o caso dos Ciclos da lua: sem pressuposto metodológico; 12. Opinião contrária, que parte do pressuposto que o público está quase sempre errado ( o que é provado por estatísticas que indicam que 70% das ordens de compra e venda são erradas); 13. Teoria das Caixas, de Nicolas Darvas; 14. Buy-and-Hold: método passivo de administração de portfólio que consiste em comprar e guardar títulos, incorporando à carteira os benefícios recebidos; 15. Indicador SMI, um oscilador do tipo pressão de pregão que leva em consideração o nível das Ofertas de Compra e de Venda para antecipar altas ou quedas nas ações. Este método é desenvolvido detalhadamente na Segunda parte deste livro (Capítulo 7). Premissas das Escolas Os modelos da escola Fundamentalista pretendem ser superiores aos modelos da escola Técnica ou Grafista. Embora a transcrição seja longa, o texto de Cláudio Contador24 é significativo para que se possa perceber o tipo de crítica que as escolas técnicas ou grafistas recebem: A melhor maneira de identificar as origens de um desempenho satisfatório superior à média do mercado é registrar os fatores que determinam a performance: 1. habilidade na seleção dos ativos; 2. flexibilidade de mudanças na carteira; 24 CONTADOR, Cláudio R. Os investidores institucionais no Brasil. p89.
  • 28. MANUEL MEIRELES ! ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS 3. ausência de limitações ou restrições orçamentárias; 4. eficiência na diversificação; 5. qualidade das estratégias de predição; e 6. capacidade de reduzir custos de transação e de informação. Dentre os fatores mencionados, a habilidade na seleção dos ativos tem recebido maior atenção e mais recursos financeiros para pesquisas. Pode-se mesmo dizer que a escolha ótima do investimento vem preocupando os investidores há mais de um século. Como resultado, surgiu um número razoável de teorias algumas ditas infalíveis. É interessante atentar para o fato de ainda hoje o mercado brasileiro preocupar-se com técnicas já ultrapassadas e demonstradas falíveis em outros países, e até mesmo, investir nelas. Será interessante discutir algumas das estratégias historicamente mais importantes, e de aceitação mais generalizada pelos técnicos do Brasil. São elas, basicamente, quadro.: •Sistema Filtro; •Teoria Dow; •Sistema Preço-Volume; e •Técnica Buy-and-Hold A técnica do Filtro baseia-se na idéia de que se o preço de uma ação está subindo deverá continuar subindo, e se estiver caindo, deverá continuar caindo. O Filtro é aplicado quando o preço da ação apresenta uma reversão. Se o preço tiver atingido o mínimo, e então subir uma determinada porcentagem (por exemplo 5%), diz-se que esta ação continuará subindo. A estratégia consiste em comprar ações que estão subindo e vender aquelas em queda. Os defeitos deste sistema compreendem desde os gastos excessivos em despesas de transação, até à suspeita da validade da técnica. A idéia de uma tendência nos retornos ou ponto de reversão nos preços tem sido adotada em outros métodos, sendo a mais conhecida a técnica gráfica, amplamente empregada ainda hoje pelos analistas brasileiros. A teoria Dow tem diversas variantes, sendo a mais recente a que afirma que, quando o mercado de uma ação atinge um pico e declina em seguida, o pico atingido define uma
  • 29. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS !' área ou linha de resistência. Toda a vez que o mercado ou a ação aproxima-se do pico de resistência, a atenção deve ser redobrada. Se o mercado ou a ação rompe a linha de resistência, é provável que prossiga avançando por mais algum tempo, devendo o administrador atentar para este fato na sua estratégia de transações. Analogamente, esta teoria define também uma linha de resistência para o mercado ou ação em baixa, sendo as sugestões similares às anteriores. Assim, diz-se que o mercado ou ação oscila entre linha de resistência — uma inferior e outra superior — e qualquer ocorrência de rompimento dos limites pré-estabelecidos é uma alerta para os técnicos. Acadêmicamente (grifo meu), a teoria Dow é rejeitada sobe a alegação de que os picos, anti-picos, etc. nada significam em termos de movimentos de mercados ou de ações. Empiricamente, os resultados são igualmente duvidosos. Naturalmente, é sempre possível encontrar inúmeros casos em que esta teoria propiciou resultados satisfatórios, mas seria possível encontrar um grande número de casos, infelizmente não anotados e facilmente esquecidos pelos analistas, nos quais os resultados foram negativos. De acordo com a técnica Preço-Volume, o preço de uma ação, ao crescer paralelamente a um grande volume de transações, reflete um excesso de demanda pela ação, que deve perdurar nos períodos seguintes. Conseqüentemente, o preço deve continuar crescente. Por outro lado, um preço em queda, paralelamente a um volume amplo de transações, indica um excesso de oferta que deverá refletir-se em quedas subseqüentes nos preços. A falácia da técnica resume-se em ignorar que o volume de transações decorre da divergência de expectativas quanto a preços futuros, e que, portanto, deve ser distribuído independentemente do nível de preço. A estratégia Buy-and-Hold é, sem dúvida, o método mais simples de seleção de ativos e formação de Carteiras. Com esta estratégia, a atuação do administrador é puramente passiva. Após selecionar os títulos, deve mantêlos, por um certo horizonte, incorporando os retornos daí provenientes (dividendos, desdobramentos, subscrições etc) sem modificar a composição da carteira. O acréscimo de recursos adicionais de novos investidores implica num crescimento proporcional no valor de todos os títulos e no
  • 30. MANUEL MEIRELES ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS patrimônio da Carteira. As vantagens da técnica buy-andHold são basicamente três: 1. considerável economia no que diz respeito às despesas de transações e de obtenção de novas informações presumivelmente úteis; 2. avaliação contínua mais fácil das condições de retorno e risco da carteira em comparação com a do mercado, se não ocorrem mudanças freqüentes na composição da Carteira. De fato, nestas condições, a carteira estará posicionada ao longo da linha de mercado. Se todos os investidores e/ou seus administradores acreditam que o mercado é eficiente e aceitam, com algumas restrições, os fundamentos teóricos de Markowitz, Sharpe e outros, eles buscarão Carteiras extremamente diversificadas nas quais o risco diversificável ou evitável é praticamente nulo. Este comportamento implica no fato de os retornos da carteira estarem perfeitamente correlacionados com os retornos do mercado;: 3. crescente evidência de que sua performance é, com maior freqüência, superior a outras técnicas. A desconfiança acadêmica (grifo meu) com relação às propaladas vantagens de estratégias imaginosas sobre a técnica pura e simples Buy-and-Hold, não deve ser confundida com a afirmativa de que aquelas estratégias conduzem sistematicamente a um desempenho inferior ao da técnica Buy-and-Hold. Simplesmente, argumenta-se que o seu desempenho é, na maioria das vezes, inferior ao da técnica Buy-and-Hold. Ademais, implícita em toda esta argumentação está a hipótese de que as informações sobre uma ação são de domínio público, ou seja, não existem insiders sistematicamente bem informados. Toda essa discussão não pretende desestimular a criação de novas técnicas. Qualquer que seja a nova técnica, existem alguns procedimentos fáceis, capazes de testar a sua eficiência. Em primeiro lugar, desde que a técnica não tenha sido criada a partir da observação sobre dados passados, é conveniente testá-la nos dados existentes. É necessário alguma atenção quanto ao período utilizado para o teste. Se possível, devemos adotar períodos nas mais distintas condições. As críticas às teorias grafistas parecem possuir um foco
  • 31. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS que se assenta em algumas premissas de atuação do mercado e dos administradores: mercado eficiente, administradores racionais e ausência de insiders sistematicos. As teorias grafistas, salvo melhor juízo, não devem ser sujeitas a críticas de tal jaez, porquanto elas são construídas sobre bases fundamentalmente diferentes: fundamentam-se na atuação psicológica dos sujeitos e rejeitam, em princípio, mercados eficientes e administradores de Carteiras racionais. Uma análise da crise do mercado acionário mundial nos anos de 1997-1998 pode vir a dar substancial razão aos grafistas. Não se pode esquecer que os academicamente corretos Black e Scholes , literalmente, faliram. Justificando as técnicas propostas Recomendo, nesta obra, particularmente o uso de uma técnica para selecionar um conjunto de ações (o indicador KM) e de uma outra para acompanhar a evolução de tais ações, determinando o melhor momento de compra ou de venda (o oscilador SMI). Quaisquer outras técnicas, dentre as muitas indicadas nesta obra, podem ser usadas. O que reitero é a necessidade de você fazer uso consciente, sistemático e preciso de técnicas evitando desastres econômicos. Considero as duas técnicas que destaco, simples e adequadas à maioria dos investidores ou especuladores, embora não deixe de apresentar muitas outras técnicas de domínio do mercado. A escolha das ações ou de outros ativos financeiros que poderão ser objeto de investimento, por parte de um investidor, num dado período de tempo, é feita mediante vários métodos, mas nem sempre eles são coincidentes quanto aos resultados que produzem. A prova disso é que, periodicamente, analistas econômicos emitem seus pareceres recomendando a compra ou não de determinados ativos. Por exemplo, a Gazeta Mercantil25 dava a conhecer que os analistas da Robert Fleming, Bear Sterms e Banco Bozano Simonsen recomendavam a compra de ações da Companhia Siderúrgica Paulista; os analistas do ING Barings não recomendavam tal compra e os analistas da Merrill Lynch estavam neutros quanto ao assunto. Que recomendação o investidor deveria seguir? 25 14-01-97 p.C-4, Relatórios recentes sobre o setor siderúrgico
  • 32. MANUEL MEIRELES ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS No mesmo periódico26 , o analista Rodrigo Bresser, do Banco Matrix, recomendava a compra de ações da Bosh Continental, da Marisol, e da Indústrias Vilares. O analista Sidney Chameh, do Banco Fator, recomendava a compra de ações da Arno, da Inepar e da Renner-Hermann. Flávio Teles de Menezes, do Banco Patrimônio, indicava a compra de ações da Lorenz, da Mangels, da Trafo, da Fras-Le e da Agrale. Observa-se, assim, que a subjetividade dos processos de avaliação de empresas está muito presente na maioria deles. Existe algum indicador que permita ver a justeza de tais recomendações? A seleção e acompanhamento de ações pode ser feita fundamentada, como vimos acima, em métodos propostos pelas chamadas escolas Técnica e Fundamentalista. É o que ocorre quando se usam métodos tais como: cash-yield ou IFR-Índice de Força Relativa. É sabido que todo investimento assenta, geralmente, num tripé constituído pela segurança, lucratividade e liquidez. É possível gerir ativos com lucratividade, resguardada a segurança e a liquidez dos mesmos? Um método hábil na seleção de ativos que venha a desenvolver uma satisfatória performance, é pois do interesse dos investidores, e, com freqüência novos métodos são sujeitos a investigação. Um deles, por exemplo, é o Modelo de previsão de rentabilidade com base em controles proposto por Armando de Santi Filho e José Olinquevitch27. Tal método tem como proposta prever a rentabilidade/lucro com base na utilização de controles gerenciais, mas sua operacionalização parece pouco prática, porquanto requer uma entrevista de coleta de dados para cada empresa em estudo. Dizem os autores: Para que fosse possível medir a qualidade dos controles gerenciais, tivemos de atribuir pontos a cada tipo de controle previsto no modelo. O critério utilizado para a atribuição dos pontos partiu da seguinte premissa: quanto mais recente for a infor26 27 Edição de 13-02-97, p.B1, Analistas mostram melhores opções Análise de balanços para controle gerencial. São Paulo: Atlas, 1995. P.227-273
  • 33. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS ! mação, menor será a possibilidade de ela estar defasada; com isso a probabilidade de o tomador de decisões falhar será minimizada. Será mostrado o roteiro, bem como a planilha, a ser utilizado na entrevista de coleta de dados... Não parece muito prático tal modelo. Na Bolsa de Valores de São Paulo, por exemplo, cerca de 50 empresas costumam compor o índice Ibovespa — que engloba as ações mais negociadas e, portanto, com maior liquidez. Se o investidor pretender selecionar seus ativos dentre este universo, ele teria de aplicar 50 entrevistas e, para cada uma delas, elaborar uma planilha com o objetivo de quantificar o termômetro da rentabilidade— um número entre 0 e 96,01, sendo que as empresas com rentabilidade satisfatória teriam de obter 50 ou mais pontos. O que ofereço, nesta obra, são dois métodos que considero mais simples e tão ou mais eficientes. Um deles, elaborado por mim, o indicador KM, tem origem na fusão de dois indicadores: • termômetro de insolvência de Kanitz28 (TIK), e o • estipulador do Limite de Crédito de Morante29 (LCM). O indicador de Kanitz, quando aplicado a uma determinada empresa por um investidor, mostra a potencial segurança que tal investidor tem em não perder o valor investido em decorrência de falência da empresa. É um indicador que pode relativizar duas ou mais empresas quanto à ameaça de uma insolvência. A fórmula de Morante indica qual o limite de crédito (LCM) 28 KANITZ, Stephen Charles. Indicadores contábeis e financeiros de previsão de insolvência: a experiência da pequena e média empresa brasileira. Tese apresentada à Faculdade de Economia e Administração da USP para obtenção do título de Livre Docente em 1976. 29 MORANTE, Antonio Salvador. Uma contribuição ao estudo de indicadores de limite de crédito. Dissertação apresentada à Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, para obtenção do título de mestre em Ciências Contábeis.
  • 34. MANUEL MEIRELES ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS que um investidor pode dar a determinada empresa. Um uso extrapolativo de tal fórmula é o de indicador do potencial de lucratividade de uma empresa: quanto maior é a capacidade da empresa honrar créditos maior é a potencialidade de tal empresa gerar recursos para tal e, portanto, maior é a potencialidade de produzir resultados. Em outras palavras: lógica e empiricamente há uma associação positiva muito forte entre o Limite de Crédito atribuído segundo Morante (LCM), com base em Balanço Patrimonial de uma empresa, e o resultado que essa empresa tem no exercício imediatamente subseqüente. As propostas de Kanitz e de Morante, devidamente adequadas, constituem um único e eficiente indicador para a seleção de ativos. Estudos exploratórios mostraram que efetivamente o indicador KM30 é eficiente como método de seleção de ativos potencialmente seguros e lucrativos. Com base em estudos exploratórios, fazendo uso do método estatístico denominado Q de Yule, pode-se afirmar: • Há uma associação positiva muito forte (71,43%) entre o índice KM de uma empresa e o LL/PL (Lucro Líquido/Patrimônio Líquido), no exercício imediatamente subseqüente. Um valor de Q de 0,7143 significa que se faria 71,43% melhor do que ao acaso ao predizer a ordem na variável LL/PL a partir da ordem na variável KM; ou, em outras palavras: as empresas de melhor índice KM, no exercício subseqüente tendem a ter uma relação LL/ PL também melhor do que as demais; • Há uma associação positiva muito forte (74,40%) entre LCM/PL e LL/PL no exercício imediatamente subseqüente. Em outras palavras: as empresas para as quais Morante recomenda atribuir maior Limite de Crédito em relação ao seu Patrimôno Líquido, no exercício subseqüente tendem a ter a melhor relação LL/PL. • Há uma associação positiva substancial (63,60%) entre o Limite de Crédito negativo (-LCM) e o prejuízo no exercicio subse30 Doravante se denotará de KM o indicador construído a partir das fórmulas propostas por Kanitz e Morante, como se verá adiante.
  • 35. A arte de operar na Bols@ pela Internet ADQUIRA CONCEITOS BÁSICOS # qüente, ou seja: quanto pior for o Limite de Crédito que uma empresa pode obter, segundo Morante, pior será o seu Lucro Líquido no exercício imediatamente subseqüente. • Há uma associação positiva muito forte (72,7%) entre LCM/ AT e LL no exercício imediatamente subseqüente. Isto é: quanto maior for a proporção do Limite de Crédito que uma empresa pode obter em relação ao seu Ativo Total, maior será o seu Lucro Líquido no exercício imediatamente subseqüente. O SMI é um oscilador que propõe ao investidor, informar o momento para compra ou venda de um título negociado em Bolsa de Valores. O pressuposto deste método assenta numa relação entre os preços de oferta e os preços reais praticados no mercado. A tensão entre estes dois valores tende a determinar para onde se deslocará o preço da ação. As pesquisas exploratórias do método SMI, realizadas sobre o comportamento de ações na Bolsa de Valores de São Paulo, também mostram que ele traz vantagens em relação à técnica Buy-and-Hold. Cabe ressaltar que o investidor teria executado operações com um acerto em 88% das ordens.
  • 36. A arte de operar na Bols@ pela Internet % TENHA POSTURA ADEQUADA COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 4 CAPÍTULO 2
  • 37. A arte de operar na Bols@ pela Internet TENHA POSTURA ADEQUADA ' Para operar na Bolsa de Valores, comprando e vendendo ações, não basta conhecer técnicas. É preciso algo mais: é preciso ter uma postura, adotar e acatar um conjunto de princípios de ação, ter o que costumeiramente se denomina de filosofia. A filosofia do investidor nada mais é do que um padrão comportamental, um conjunto de hábitos, um estilo de atuar. Você pode pretender adotar uma técnica qualquer de operar, mas se não a respeita, se não a acata, se entra em pânico ao menor sinal de fraqueza, pode-se dizer que não tem técnica alguma. Neste capítulo você vai ver que além de técnica você precisa ter uma filosofia orientativa de ação. Sucesso na Bolsa exige uma filosofia Para ter sucesso nas operações das Bolsas de Valores - e sempre falamos de um sucesso relativo, em relação à média do mercado - o investidor deve ter, entre outras coisas:1 a) técnica para selecionar ativos; b) técnica para acompanhar os ativos selecionados; c) flexibilidade para mudar a constituição da carteira. Além desse conhecimento técnico, deve ter uma determinada postura frente ao mercado - uma espécie de filosofia de especulador. Quanto a esta filosofia eu sempre recomendei e apliquei a filosofia do dançarino. Nicolas Darvas, era um dançarino quando herdou alguns lotes de ações. Ele não entendia nada de ações e começou a operar na Bolsa, inicialmente como um tolo comum, um desses tolos que topamos sempre pela frente e contra os quais precisamos defender nossos negócios. Tinha todas as características 1 Ver também, Contador, p. 88
  • 38. MANUEL MEIRELES # TENHA POSTURA ADEQUADA dos tolos especuladores: era crédulo, altamente influenciável e achava que entendia do negócio. Perdeu dinheiro, até que descobriu, por acaso, como podia deixar de ser tolo. A vida de dançarino o levava a ficar distante da Bolsa, dos corretores e dos jornais. Por esse motivo ele ficou impossibilitado de agir como um tolo. E foi o que lhe garantiu o sucesso: começando com uns poucos milhares de dólares herdados acabou por ganhar dois milhões de dólares na Bolsa. E escreveu um livro2, que lhe deve ter dado mais alguns milhões, pois tornou-se um best-seller. Efetivamente Darvas ganhou esse dinheiro, pois todas as operações foram checadas e confirmadas por uma comissão independente. Nessa obra ele mostra a sua Teoria das Caixas que veremos adiante. Nesse livro, ele também divulgou a postura que adotava frente ao mercado. Eu tenho usado essa teoria - à qual dei o nome de Teoria do Dançarino - pois foi esta a condição que o levou a descobrir como enfrentar o mercado. Disse Darvas: -Não siga nenhum serviço de informações: eles não são infalíveis. Eu não sigo. Mas de vez em quando dou uma espiada nas revistas especialistas e confirmo a assertiva desta norma: tais serviços pouco mostram de útil. -Tenha cautela com conselhos dos corretores: eles podem estar errados. Nunca peço conselhos ou indicações ao meu corretor. Mas sempre que podia ele me recomendava Acesita. Me parece que ele é um especialista nessa ação. Coincidentemente nunca comprei Acesita. -Ignore ditados da Bolsa. Eu ignoro ditados e comentários. Nada mais absurdo do que comentários de jornalistas sobre o comportamento da Bolsa. Quando a Bolsa de Nova York cai e, por simples coincidência, a Bovespa também cai - lá vem a globalização do mercado financeiro mundial para explicar isto; mas quando a de Wall Street cai e a daqui sobe, ninguém diz nada. Parece que a globalização do mercado financeiro só se aplica em certos dias. -Não negocie no mercado paralelo. Negociar no mercado paralelo significa comprar ações fora da Bolsa, por outras vias. Costuma dar mais trabalho. Eu não negocio no mercado paralelo e, dentro da Bolsa tenho uma forte tendência para negociar ape2 ´DARVAS, Nicolas. Como ganhei dois milhões de dólares na Bolsa.
  • 39. A arte de operar na Bols@ pela Internet TENHA POSTURA ADEQUADA # nas com ações componentes do IBOVESPA - quase todas com presença diária nos pregões. -Não dê ouvidos a boatos. Nem é preciso comentar isto. -Tenha uma orientação básica de operação. Traduzido em miúdos isto significa: tenha uma técnica para selecionar ações e uma técnica para acompanhar ações. Com a técnica de seleção de ações se escolhe uma meia dúzia de ações que se deve acompanhar; com a técnica de acompanhamento se vê quando se deve comprar e vender as ações. Seguir técnica significa ter um método definido para operar na Bolsa de Valores, deixando de lado quaisquer palpites e intuições. A respeito disto, costumo contar o seguinte caso. Numa dada ocasião tinha aplicado algum dinheiro em ações da Paranapanema e, certo dia, quando me dirigia para o escritório, comentei com a minha esposa3 , que achava que o preço da Paranapanema ia cair. - Então porque não vendes? — perguntou ela. Respondi que o gráfico de acompanhamento não mandava vender. E foi assim que surgiu uma pequena discussão - coisa corriqueira e trivial - com minha mulher. Expliquei-lhe que se desse ouvidos à minha intuição, estaria vendendo por intuição e comprando também por intuição. Donde, concluí, não necessitaria de nenhuma técnica para selecionar e acompanhar ações - mas me tornaria exatamente igual aos milhares e milhares de investidores que operam sem qualquer técnica. Eu sei que a minha técnica não é infalível, já que está 70% das vezes certa; mas não a troco pela técnica do palpite que costuma estar 70% das vezes errada. Claro que não vendi a Paranapanema. Esperei a ordem do gráfico, que só ocorreu três dias depois. Ela tinha caído de preço. -O jogo da Bolsa é contra fortes adversários. Eu digo que o jogo da bolsa é contra adversários tolos ou loucos incomprensíveis, ilógicos - que se comportam como as mulheres4. -Nada existe seguro no mercado - metade do tempo estamos errados. Bom: se for metade do tempo é excelente. Como se 3 4 Sublime jararaca Le Bon é quem afirma isto: uma multidão de homens comporta-se com os mesmos caprichos de uma mulher. Se você entender de mulheres - o que não é o meu caso - tem a possibilidade de entender a ilógica atuação dos especuladores nas Bolsas.
  • 40. MANUEL MEIRELES # TENHA POSTURA ADEQUADA sabe, a maioria dos investidores está errada 70 % do tempo. -Lide apenas com ações de grande volume: não se grudam nas mãos na hora da venda. Aqui, Darvas, recomenda que se lide com ações que têm presença constante nos pregões. Desta forma são fáceis de comprar e vender. Isto é importante para uma atuação como especulador; como investidor, com prazo longo, não. -Não leia nenhum comentário. Eu não leio. Quando estou errado estou por conta própria. -Não existe relação entre as tendências do mercado e as tendências de uma ação considerada isoladamente: podem ser coincidentes ou opostas. É uma verdade. Mas, estatisticamente, sabe-se que o mercado como um todo afeta 80 % o desempenho de uma ação. Estatistamente, também se pode avaliar a correlação que uma ação tem com o mercado como um todo, que é representado pelo índice IBOVESPA ou semelhante. O aviso de Darvas só serve para lembrar que o mercado pode subir e a ação descer. Ou vice versa. Warren Buffett é um bem sucedido investidor e divilgou sua filosofia — a Value Oriented — que, de uma forma geral propõe o seguinte: 1. Compre um negócio, não uma ação. Compre ações de empresas que tenham rentabilidade superior à média do setor; 5 2. Administre uma carteira de negócios, não de ações. Invista em ações de empresas cujo negócio você entenda e tenham boas perspectivas a longo prazo; 3. Não diversifique exageradamente a sua carteira: um portfólio com ações de meia duzia de empresas pode ser acompanhado melhor do que contiver muitas empresas; 4. Desligue-se do mercado de ações. Não se preocupe muito com as variações de curto prazo, nem com opiniões alarmistas sobre a tendência do mercado. O mais importante de seguir uma filosofia de ação que você deve ter como investidor é evitar fazer o papel de tolo. 5 Para isto consulte revistas especializadas como Quem é Quem da Revista Exame e Balanço Anual da gazeta Mercantil. Mas não esqueça que sucesso passado não assegura sucesso futuro.
  • 41. A arte de operar na Bols@ pela Internet TENHA POSTURA ADEQUADA #! Quase todo especulador é um tolo Não é fácil entender a irracionalidade que norteia os especuladores, quando julgados como um todo. Nenhum observador, quando analisa os especuladores à distância, acredita que as ações desenvolvidas por eles no mercado de ações sejam de homens de negócios. Este homem de negócios - que perde, como as estatísticas mostram, em mais de 70 % dos casos - talvez possa ser entendido pela leitura de Viana6 , Le Bon7 ou Gasset8 . As massas têm características muito semelhantes às multidões. Elas são: -crédulas - acreditam no noticiário dos jornais, acreditam nas calúnias mais absurdas, nas promessas mais utópicas, acreditam na propaganda, etc.; -fortemente sugestionáveis: submetem-se facilmente a uma doutrina, a uma técnica, a uma moda, a um homem; -enfátuas, cheias de si: julgam-se de nível superior não obstante a sua mediocridade e insuficiência. Podemos afirmar que a maioria dos especuladores é composta de tolos e pretensiosos; pessoas crédulas, altamente sugestionáveis e que se julgam de inteligência superior. Na maioria das vezes - acima de 70 % - perdem dinheiro. Negociar com tolos - não o sendo - não é uma tarefa fácil. São eles que conduzem os negócios nas bolsas. Quando menos se espera, uma ação, sem nada de substancial para isso, começa a subir; outra, nas mesmas condições, começa a cair. Por quê? Ninguém, absolutamente ninguém, conseguirá responder a esta questão. O governo brasileiro — ao contrário do que ocorre nos outros países — ainda é o grande acionista do país9: 6 VIANA, Mário Gonçalves. Psicologia das massas multitudinárias. Porto: Domingos Barreira, 1944. 7 LE BON, Gustave. As opiniões e as crenças, São Paulo: Brasil Editora, 1956 e, Psychologia política, Rio de Janeiro: Garnier, 1910 8 GASSET, José Ortega. A rebelião das massas. São Paulo: Publicações Brasil, 1933. 9 Nelson Niero, O governo ainda reina nas bolsas. Gazeta Mercantil, 30.06.99, p.1.
  • 42. MANUEL MEIRELES # TENHA POSTURA ADEQUADA Em meados de junho, a União possuía sozinha R$26,5 bilhões em participações, o equivalente a 9,9 do valor total das ações das maiores companhias de capital aberto do país. Na condição de grande acionista, o Governo é também um grande investidor — com presença constante na Bolsa por meio de diversas instituições. A pessoa física, no mercado à vista, representa cerca de 16% do volume negociado10 ; as instituições financeiras representam cerca de 40% e os investidores estrangeiros cerca de 25%. Os investidores do tipo pessoa física representam uma substancial parcela capaz de tumultuar o mercado. Tenha um plano de investimento Zaremba11, recomenda que você tenha um plano de investimento que nada mais é do que um esforço consciente e ordenado de aplicar seu dinheiro. Você deverá acompanhar resultados, diversificar investimentos, procurar atender objetivos de renda e crescimento do patrimônio que respondam aos seus anseios pessoais. Ter um plano de investimento significa pensar no melhor modo de alocar as suas poupanças em investimentos. Operar com ações, a longo prazo, tende a trazer mais benefícios do que quaisquer outros tipos de aplicação12 . Mas, você deve operar 10 Soma dos volumes de compra e venda. Para conhecer o grau da participação dos investidores na Bolsa de São Paulo, consulte: www.bovespa.com.br þ INFORMAÇÕES DO MERCADO þ PARTICIPAÇÃO DOS INVESTIDORES. 11 ZAREMBA, Victor. Cuidando do seu dinheiro. São Paulo: Saraiva, 1997 12 O que é compatível com o risco: maior o risco maior a lucratividade.
  • 43. A arte de operar na Bols@ pela Internet TENHA POSTURA ADEQUADA ## como investidor e como especulador. Destine parte da sua poupança e a administre como investidor13 ; outra parte administre-a como especulador — é mais arriscado, mas muito mais emocionante. Dez regras para você seguir Não é difícil ser um tonto despassarado no mercado de ações. Você evitará isso tendo um conjunto de regras balizando suas atitudes. Acho de bom alvitre seguir os seguintes conselhos: 1. - Tenha uma orientação básica de operação: tenha uma técnica para selecionar ações e uma técnica para acompanhar ações; 2. - Não siga nenhum serviço de informações: Limite-se, de vez em quando, a dar uma espiada nas revistas especialistas; 3. - Não dê ouvidos a boatos; 4. - Não leia comentários sobre as Bolsas; 5. - Lide apenas com ações de grande liquidez — aquelas que pertencem ao índice da Bolsa — para operar como especulador. Ações com baixa liquidez só podem ser operadas como investidor; 6. - Não diversifique exageradamente a sua carteira: no máximo acompanhe dez ações; 7. - Tenha um plano de investimento : planeje o que vai aplicar em ações, dividindo a poupança em duas estratégias: uma de longo prazo — administrada pelos princípios dos investidores — outra de curto prazo — administrada mais dinâmica e emocionantemente sob os princípios do especulador; 8. - Aplique na bolsa apenas o que tiver poupado. Jamais venda algo ou tome empréstimos para aplicar na Bolsa; 13 Buscando empresas com bons dividendos, orientando-se pelo cash-yield, por exemplo.
  • 44. MANUEL MEIRELES #$ TENHA POSTURA ADEQUADA 9. - Espere o fechamento do pregão para ver as cotações: evite ficar on-line, acompanhando a todo o instante as cotações. Isto gera ansiedade e tenderá a fazer com que você comece a atuar como um tolo. Poupe-se. Tenha calma. Não se angustie. Se você não for capaz disto caia fora do mercado: você não é suficientemente forte para o negócio da Bolsa; 10. - Não comente seus negócios com ninguém nem divulgue a composição da sua carteira. Luís Eduardo de Assis14 recomenda algumas regras práticas de sobrevivência na selva financeira: 1. Estabeleça um objetivo. Saiba o que você quer; 2. Conheça seu perfil de risco. A cada perfil corresponde um produto — ou uma combinação de produtos — diferente; 3. Espere o seu momento. O tempo é seu aliado: nos últimos dez anos, um investidor que permaneceu 18 meses na bolsa teve 4,5 vezes mais chances de dobrar o capital investido que outro aplicador que tenha ficado apenas 6 meses; 4. Confie seus investimentos a um administrador profissional; 5. Diversifique suas aplicações; 6. Rejeite dicas em geral; 7. Seja disciplinado. Invista regularmente. Recomendações Nesta obra, você verá inúmeros métodos para seleção e acompanhamento de ações. Siga um dos métodos recomendados ou quaisquer outros, mas siga. Tenha uma filosofia de atuação e não se deixe levar por boatos ou informações especiais. Não abandone a sua postura perante o mercado: investi14 ASSIS, Luís Eduardo. A ansiedade mata. Exame, 697 (suplemento), p.32-3
  • 45. A arte de operar na Bols@ pela Internet TENHA POSTURA ADEQUADA #% dor ou especulador. Recomendo que especule com apenas uma parte do seu dinheiro. Como investidor você deve orientar-se pelo Cash-yield, tendo um horizonte de longo prazo; como especulador oriente-se fazendo uso de quaisquer outros indicadores. Mas, siga o que o indicador informa. Outra coisa: não aplique na Bolsa dinheiro que não constitua sua poupança. Bolsa é investimento; investimento é poupança. Aplique, portanto, as sobras do seu orçamento doméstico. Uma vez selecionadas as ações que deve acompanhar com atenção — de 6 a 10 — atualize as suas planilhas diariamente e compre ou venda de acordo com o que indica a técnica. Não seja ansioso: não antecipe compras ou vendas. Se o seu indicador não mandar comprar, não compre — fique fora do mercado. O investidor em ações, que é cuidadoso, via de regra segue três recomendações básicas: 1. Careful selection (seleção cuidadosa); 2. Wide diversification (ampla diversificação); 3. Constant supervision (supervisão constante). Uma seleção cuidadosa, significa escolha de boas empresas - empresas que possam gerar resultados positivos e, desta forma, ter suas ações crescendo, em valor, na bolsa. As técnicas para uma seleção cuidadosa você verá adiante, no Capítulo 6. Ampla diversificação, significa seguir o ditado de não colocar todos os ovos na mesma cesta. Há autores que afirmam que nenhuma ação deve representar mais do que 5% de toda a carteira - o que significa ter pelo menos uma carteira de 20 títulos. Análises estatísticas, porém, demonstraram que cinco ou seis ações, de empresas de setores diferentes, são suficientes para constituir uma carteira adequadamente diversificada. Embora devamos ter uma meia dúzia de ações na nossa carteira, devemos fazer o acompanhamento de uma dezena delas. Constante supervisão, significa acompanhar o desempenho das ações no mercado. Operando ou não pela Internet você deve ter bem presente estas recomendações.
  • 46. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA #' COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 4 CAPÍTULO 3
  • 47. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA $ Não faz sentido você pretender operar no mercado de ações e não possuir um adequado banco de dados, porquanto o mercado de ações é muito técnico e exige do investidor uma atenção especial. Desta forma, você deve ter um banco de dados sobre o mercado de ações: um conjunto de dados racionalmente armazenados que expressem os itens mais importantes sobre as ações, os indicadores de mercado e as empresas. Você pode, obviamente, operar com base na intuição, em palpites de terceiros ou por algum outro meio. Claro que pode. Mas é algo que sai muito caro. Se pretender operar no mercado de ações sem estar apoiado em um método, sugiro que gaste seu dinheiro de outra forma: apostando em cavalos. Pelo menos é mais emocionante. A necessidade de informação Um investidor - seja qual for o seu holding period1 necessita de informações, e o tipo de informações depende do método que usa. Quando se opera com ações deve-se ter dois métodos: a) um para escolher as empresas das quais deve operar com ações na Bolsa de Valores — é o método de seleção de ações b) outro para saber quando comprar e vender ações das empresas escolhidas — é o método de acompanhamento de ações. Dependendo dos métodos que faça uso, você necessitará de um conjunto de informações. Se você fizer uso do indicador 1 Período de tempo em que um investidor mantém ações de uma empresa
  • 48. MANUEL MEIRELES $ SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA KM e do oscilador SMI — como recomendo, você deve obter algumas informações específicas, a saber: a) o indicador KM exige os balanços das empresas; b) o método do oscilador SMI requer o comportamento diário da ação na Bolsa, isto é: os preços mínimo, máximo, médio, de fechamento, oferta de compra e oferta de venda. Requer também o valor de um deflator, que geralmente é um índice como o IGP-M ou semelhante. Considerando estes dois métodos, para operar você precisa ter: I) Balanços de todas as empresas constituintes do Ibovespa (para através deles fazer o ranking do indicador KM) Os dados necessários ao cálculo deste indicador devem estar armazenados em planilhas no computador. Você só acompanhará as 10 empresas com o melhor indicador KM. Trimestralmente, com novos balanços, você recalculará o ranking. Recomendo uma planilha para cada empresa, onde os balanços sucessivos vão sendo gravados. II) Informações Gerais e Eventos das empresas. Estas informações podem estar na mesma planilha dos balanços. São dados referentes à empresa e ao setor em que a empresa atua, e informações úteis para tomada de decisão: quantidade de ações, dividendos, bonificações, subscrições, etc. III) Deflator diário. Você construirá um deflator diário fundamentado no IGP-M, que é mensal. Deve-se usar uma planilha para conter o deflator. IV) Dados dos pregões: Ibovespa e as 10 ações sob acompanhamento diário. E onde você encontra as informações de que necessita? Em alguns veículos, a saber: q No jornal diário Gazeta Mercantil; q Na Internet O objetivo principal deste capítulo é capacitá-lo a encontrar e entender as informações que precisará para operar.
  • 49. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA $! Bolsas Bolsas No mercado financeiro encontramos dois tipos de bolsas: a) as Bolsas de Valores - nas quais são negociadas ações, opções, recibos e outros direitos referentes ao capital social das Sociedades Anônimas de capital aberto; e b) as Bolsas de Mercadorias Futuros - bolsas onde se negociam os chamados derivativos, commodities (mercadorias) e índices. Nas Bolsas de Mercadorias os investidores negociam: a) metais: ouro, prata, platina, cobre, paládio, alumínio, chumbo, estanho, zinco, etc. b) carnes: gado em pé, suínos, frango, etc. c) moedas estrangeiras: franco suíço, marco alemão, iene japonês, libra esterlina, dólar canadense, etc. d) taxas de juros: letras do tesouro, letras hipotecárias, obrigações do tesouro, etc, e) cereais: soja, milho, trigo, aveia, cevada, centeio, óleo de soja, farelo de soja, etc. f) outros produtos: café, cacau, algodão, suco de laranja, lã, ovo, batata, açúcar, borracha, madeira bruta, madeira compensada, etc. g) índices: diversos índices, como o Ibovespa. Aqui não nos ocuparemos disso. Vamo-nos ocupar, nesta obra, essencialmente das Bolsas de Valores e da negociação de ações. Fontes de Dados Para você, que pretende operar com ações, há duas grandes fontes de dados, como viu: a Gazeta Mercantil e alguns sites na Internet. Tradicionalmente os jornais são as principais fontes de da-
  • 50. MANUEL MEIRELES $ SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA dos para os investidores. O Boletim da Bolsa de Valores de São Paulo é publicado no jornal Gazeta Mercantil. É deste jornal que você pode extrair os dados que os métodos de seleção e acompanhamento de ações requerem. Dispondo de computador você, via Internet, pode acessar também os dados de que necessita. Os dados, essencialmente são os mesmos: unicamente muda a fonte. Desta forma, para cada tipo de dado informarei onde ele pode ser encontrado dentro da Gazeta Mercantil e dentro da Internet. Gazeta Mercantil A Gazeta Mercantil é um dos mais importantes jornais do Brasil - se não o mais importante - e deve ser de leitura obrigatória por parte do investidor. Ele é editado simultaneamente em diversas capitais (São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Porto Alegre, Belo Horizonte e Belém), o que lhe dá um caráter nacional. Além de inúmeros suplementos a Gazeta Mercantil é constituída basicamente por 3 cadernos: a) Caderno A, que se ocupa do noticiário Nacional, Política, Legislação e Internacional; b) Caderno B: Finanças Mercados, que se ocupa de: Finanças, Bolsas, Fundos, Commodities, Indicadores e Agribusiness; c) Caderno C: Empresas Carreiras que se ocupa de: Empresas, Informática Telecomunicações, Administração Marketing. Os cadernos B e C são muito importantes para os investidores, pois eles possuem os dados primários para alimentar os algoritmos (isto é, as fórmulas) das técnicas de seleção e acompanhamento de ações. Particularmente eu coleciono, há anos, o caderno B Finanças Mercados, além de uma página do caderno Empresas Carreiras: aquela que contém a seção Bovespa. Veremos adi-
  • 51. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA $# ante o motivo disto. Além disto, a Gazeta Mercantil possui um centro de informações eletrônicas que presta alguns serviços aos leitores, a saber: — InvestNews: serviço de informações eletrônicas em tempo real dividido em módulos; — Gazeta Mercantil On Line: resumo das principais notícias da Gazeta Mercantil, a partir das 5 horas da manhã; — Real Time News: divulga ao longo do dia notícias de economia, negócios e política; — Cotações: fornece em tempo real as flutuações dos principais ativos financeiros negociados no Brasil: dólar, CDB, ouro, interbancário, etc., bem como taxas de empréstimos; — Fundos: informações sobre o desempenho de todos os fundos de investimento; — Balanços: possibilita a consulta das 17 principais contas do balanço de 11 mil empresas, a partir de 1990; - Banco de Dados: Centro de Informações que dispõe de séries históricas dos indicadores econômicos publicados no jornal; - Balanços de Empresas: Balanços completos de empresas, a partir de 1996. O caderno B da Gazeta Mercantil - Finanças Mercados, é a principal fonte de dados para o investidor que não dispõe da Internet. Abra um desses cadernos e observe as partes principais em que ele se divide, lendo os títulos que dividem o caderno. Você verá, numa edição típica, algo como: — Finanças — Finanças Internacionais — Bolsas Nacionais — Bolsas Internacionais — Fundos de Investimentos — Commodities Minerais — Commodities Agrícolas — Agribusiness
  • 52. MANUEL MEIRELES $$ SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA — Indicadores Nacionais Para o nosso propósito nos interessa a parte Bolsas Nacionais - e mesmo assim só algumas seções. O conteúdo de cada uma dessas partes do caderno pode ser assim descrito: • -Finanças Informações sobre o mercado financeiro. De importante para o nosso objetivo o box que contém os principais indicadores da inflação. • -Finanças Internacionais Ocupa-se do mercado financeiro internacional: câmbio em outros países, juros externos, taxas de juros Libor, etc • -Bolsas Nacionais É a parte que mais interessa ao investidor do mercado de ações. Contém o desempenho das ações e opções nas Bolsas de Valores - especialmente da Bovespa. Fornece também outras informações aos investidores. • -Bolsas Internacionais Informa sobre os índices de fechamento das principais Bolsas de valores em todo o mundo e os preços das ações mais importantes negociadas nas bolsas de: Buenos Aires, Caracas, Madrid, México, Nova York, Santiago, Taipé, Tóquio e Toronto. • -Fundos de Investimentos Informa o desempenho de diversos fundos: Fundos de Renda Fixa, Fundos de Ações e de Carteira Livre. • -Commodities Minerais Faz o acompanhamento dos preços das commodities minerais negociadas nas Bolsas Mercantis estrangeiras: petróleo, metais, etc. • -Commodities Agrícolas Faz o acompanhamento dos preços das commodities agrícolas negociadas nas Bolsas Mercantis nacionais e estrangeiras: boi, frango, lã, laticínios, ovos, suínos, derivados de suínos; produtos vegetais: açúcar, algodão, alho, amendoim, arroz, aveia, batata, borracha, cacau, café, cebola, farinha de mandioca, fei • — Agribusiness
  • 53. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA $% • — Indicadores Nacionais Resumo dos principais indicadores e outras informações. A hemeroteca de um investidor Para quem, além da Internet, pretende acompanhar a Gazeta Mercantil, é interessante constituir uma hemeroteca específica. A palavra hemeroteca veio do grego hemera que significa dia e de theke, que significa local ou depósito. Hemeroteca é o local onde se guardam, conservam e são consultados os jornais e revistas ou outras publicações periódicas. O investidor deve possuir a sua hemeroteca onde possa pesquisar dados. Particularmente eu coleciono: 1. O caderno Finanças Mercados colocando na parte superior direita, com uma caneta de ponta grossa, a data do pregão; 2. Dentro desse caderno coloco a folha inteira que contém a seção Bovespa e que está no caderno Empresas e Carreiras; 3. Coleciono também os balanços (e demonstrativos financeiros) das empresas que fazem parte do Ibovespa - Índice da Bolsa de Valores de São Paulo. Particularmente, nunca recorto o balanço ou a seção: eu arquivo a página completa. Os balanços podem ter sido publicados em qualquer caderno (A, B ou C). A técnica consiste em colocar dentro do caderno B (Finanças e Mercados) as páginas inteiras, contendo recortes dos outros cadernos. Minha hemeroteca de investidor, portanto, consta, do caderno Finanças Mercados da Gazeta Mercantil, complementado por folhas inteiras destacadas de outros cadernos. Essas folhas contêm: a seção Bovespa e Balanços das empresas que me interessam. Internet As mesmas informações disponibilizadas pela Gazeta
  • 54. MANUEL MEIRELES $ SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA Mercantil você pode encontrar na Internet. Os websites que possuem os dados que você vai necessitar são: www.bovespa.com.br e www.cvm.gov.br. Mapa do www.bovespa.com.br Este é o site da Bolsa de Valores de São Paulo. Nele você poderá encontrar na página A BOVESPA a história da instituição e outras informações, como as regras de negociação em pregão. Na página INFORMAÇÕES DO MERCADO, você pode encontrar as cotações e os índices, incluindo o de até nove pregões anteriores. Encontra também nesta página os títulos negociáveis na Bolsa ou na página CIAS LISTADAS, você encontrará informações sobre as empresas ou na página SOCIEDADES CORRETORAS, você encontra a lista de todas as Sociedades Corretoras (Membros e Permissionárias) com assento na Bovespa, mas é na página HOME BROKER que você encontra a lista das corretoras que operam via Internet2 . Mapa do site www.bovespa.com.br A CVM — Comissão de Valores Mobiliários, tem a função de disciplinar, fiscalizar e promover o mercado de valores mobiliários, de forma a assegurar o exercício de práticas eqüitativas e coibir quaisquer tipos de irregularidades. É para esta instituição que as companhias abertas devem enviar os seus relatórios, cujo tipo, prazo e periodicidade de entrega obedecem à seguinte tabela: 2 No momento em que escrevo — final de janeiro de 2000 — existem 15 sociedades corretoras que possuem Home Broker, isto é, permitem que o cliente opere via Internet. Obviamente que a tendência é todas as corretoras se conectarem ao sistema.
  • 55. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA TIPO PERIOCIDADE IAN: Informações anuais anualmente DFP: Demonstrações Financeiras Anualmente Padronizadas DF: Demonstrações Financeiras anualmente ITR: Informações Trimestrais trimestralmente $' PRAZO DE ENTREGA Até 31.05 Até 31.03 Até 31.03 Até 30.03; 30.06 e 30.09 São estes relatórios, que as companhias enviam para a CVM, que devem ser consultados de forma a se buscar os dados necessários às técnicas de seleção. Os relatórios podem ser também obtidos no site www.cvm.gov.br/pub/cvm O site da CVM na sua página CIAS ABERTAS, apresenta as Demonstrações Financeiras das empresas que operam na Bolsa. Para fazer, entretanto, a leitura de tais relatórios é necessário fazer uso de um programa especial, que a própria CVM fornece3 . Portanto, as informações vitais podem ser buscadas na Internet ou na Gazeta Mercantil. O foco da leitura de um investidor nas Bolsas de Valores são as notícias referentes às empresas de capital aberto, cujas ações são negociadas no pregão. Programas de Leituras dos Relatórios A CVM disponibiliza no seu site o programa que permite ao investidor consultar os relatórios das companhias abertas. Para obter a versão integral basta fazer um download do Divext: Sistema de Divulgação Externa. Este programa permite o acesso aos relatórios que as companhias abertas enviam periodicamente à CVM. O Sistema de Divulgação Externa — ITR/DFP/IAN, foi desenvolvido pela Bovespa em apoio à CVM. Uma vez obtido este 3 Os programas do Sistema de Divulgação Externa possuem versões para Windows 95 e para DOS.
  • 56. MANUEL MEIRELES % SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA programa, no site da CVM www.cvm.gov.br þ COMPANHIAS ABERTAS e indique o tipo de consulta: n Demonstrações Financeiras ou n Dados cadastrais. Na janela de Busca, coloque a palavra chave referente à empresa que deseja. Por exemplo: Perdigao (não use acentos). Clique em Busca e aguarde o resultado da pesquisa. Serlhe-á informado a quantidade de companhias selecionadas. Selecione a companhia que deseja e clique em Entrar. Surge uma lista de diversos relatórios do tipo ITR, DFP ou IAN com o indicativo do tamanho do arquivo em Bytes e a data de disponibilização. Clique sobre o relatório desejado e automaticamente começa a fazer-se o download. Para arquivar adequadamente o subdiretório de destino, clique no diretório DIVEXT, na pasta DADOS e selecione a subpasta correspondente. No caso de um relatório ITR selecione a subpasta ITR. Complete o download. O arquivo é gravado com uma definição do tipo: 01629999.wtl, onde: n As primeiras 5 posições (no exemplo: 01629) contêm o código de registro da empresa na CVM. É o caso da Perdigão SA; n As 2 posições seguintes (no exemplo: 99) indicam o ano do término do período informado; n A última posição indica o mês de término do período informado, utilizando 1 a 9 para os meses de janeiro a setembro e A, B, 0, para os meses de outubro, novembro e dezembro. A extensão dos arquivos contém 3 letras: © W na primeira posição; © T, F ou A na segunda posição: T indica ITR; F indica DFP e A indica IAN; © L, M ou N na terceira posição: L indica demonstrações financeiras apresentadas, segundo o critério da Legislação societária; M indica demonstrações financeiras, segundo o critério de Moeda de capacidade aquisitiva constante (nos casos de ITR ou DPF); N para IAN. Para ter acesso ao arquivo gravado, você deve fazer uso do
  • 57. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA % programa Divext. Feche inicialmente todos os programas que estiver usando e abra Divext. Selecione em Abrir, Carregar Arquivo. Com o cursor selecione o arquivo que deseja abrir nos subdiretórios ITR, DFP ou IAN. O arquivo selecionado será descompactado. Por meio do Divext, é possível ter acesso (para visualizar ou imprimir) a todo o relatório ou qualquer parte dele — o que se denomina quadro Um relatório típico, como o ITR, constitui-se em cerca de 30 páginas. Por exemplo, o relatório 01629999.wtl, da Perdigão SA, referente às informações trimestrais (ITR) com data base em 30/ 09/99, constitui-se num total de 32 páginas, comportando alguns quadros tais como: composição do capital social; características da empresa; balanço patrimonial; demonstração do resultado; notas explicativas; comentário do desempenho, entre outros. Dados que o investidor deve procurar Você cotidianamente deve estar atento ao mercado. E isso exige que você procure informações que possam ser relevantes para a gestão da sua carteira. Essas informações podem ser tanto procuradas na Gazeta Mercantil quanto na Internet. Abaixo listarei as informações que devem ser alvo da sua atenção e o local onde elas são encontradas Lendo os Relatórios da Bolsa www.bovespa.com.br þ INFORMAÇÕES DO MERCADO GM: BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO Para o investidor que opera nas Bolsas de Valores, importa sobretudo esta parte, que, usualmente se divide em alguns boxes, ou páginas: • Índice BOVESPA: Comportamento • Mercado à Vista -Cotações Unitárias • Mercado à Vista- Lote de Mil Ações • Concordatárias
  • 58. MANUEL MEIRELES % SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA • • • • • • • • Fundos e Certificados Mercado a Termo (30, 60, ... dias) Opções (de compra, venda) Avisos Ajustes e proventos Custódia e Liquidação Bolsa de Valores do Rio de Janeiro SENN Nosso estudo está limitado às ações e à Bolsa de Valores de São Paulo. Desconsideraremos, portanto, tudo quanto diga respeito a outros títulos, como as opções, e a outras Bolsas de Valores. Também não nos ocuparemos dos Fundos (mesmo os Fundos Mútuos de Ações) nem das operações nas Bolsas de Mercadorias (commodities e derivativos). Vamos ver, portanto, os principais boxes da Bolsa de Valores de São Paulo. BOVESPA- Informações do mercado www.bovespa.com.br þINFORMAÇÕES DO MERCADO þ ÍNDICES þGM: BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO þ RESUMO Na página referente a Informações do Mercado, em Índices, podem ser vistas diversas variáveis, tais como : q Comportamento do dia, (dos índices Ibovespa, IBX e IEE); q Máximo e mínimo no ano; q Comportamento das ações que compõem os índices; q Evolução do fechamento; q Gráficos; q Mais informações sobre os índices. Comportamento do dia Nesta página, você pode ver como ocorreu a evolução de
  • 59. A arte de operar na Bols@ pela Internet %! SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA três índices: o Ibovespa, o IBX e o IEE. Eis um exemplo4 : Comportamento no Dia Abertura Mínimo Máximo Fechamento Médio IBOVESPA 16.777 16.777 17.104 17.091 16.989 IBX 3.166 3.166 3.238 3.238 3.204 IEE 3.560 3.480 3.591 3.591 3.529 A primeira coluna mostra os pontos de referência mais importantes de um pregão: o de Abertura que, contraposto ao de Fechamento mostra a tônica geral do mercado como um todo; o Mínimo e o Máximo além do valor Médio. Observar que o valor Médio não é a média dos valores apresentados, mas um valor ponderado5 . Recomendo que você confronte especialmente a Abertura e o Mínimo bem como o Máximo com o Fechamento. Observe no exemplo dado que, no caso do Ibovespa, a Abertura constituiu o preço Mínimo e que o Fechamento esteve muito próximo do valor Máximo, denotando um mercado ascendendo firmemente. O valor do Índice Bovespa, (bem como os dos outros índices) é mostrado em pontos6. O número de pontos representa de certa forma o valor monetário das ações que constituem uma cesta especial de ações. Tal cesta constitui uma carteira teórica de ações, e seu valor serve como indicador do comportamento do mercado. A carteira teórica é integrada pelas ações que, em conjunto, representam 80% do valor transacionado à vista nos 12 meses anteriores à formação da carteira. A ação também deve estar presente, no mínimo, em 80% dos pregões realizados no período. Ou seja: a carteira teórica constitui-se das ações mais negociadas na Bolsa. Quadrimestralmente é feita uma reavaliação que pode incluir ou excluir ações de tal carteira. O Ibovespa, assim, não tem um número fixo de ações — pois constitui-se do conjunto de ações que representam 80% do valor transacionado 4 Referente ao pregão do dia 30.12.1999. 5 Considera o preço médio das ações que constituem o índice e a quantidade negociada. 6 Equivalente a um montante em moeda corrente
  • 60. MANUEL MEIRELES % SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA — mas seus número, ao longo dos últimos anos, tem oscilado entre 47 e 53. Podemos dizer que cerca de 50 ações respondem por 80% do valor transacionado e constituem o Ibovespa. O Índice não ultrapassa o valor de 100.000 pontos: quando ele está próximo de ultrapassar este limite o Ibovespa é dividido por 10. Assim, quando o índice chega a 98710, por exemplo, ele passa para 9871. Isto ocorreu diversas vezes ao longo dos anos, unicamente para efeito de divulgação, de forma que não podemos comparar o índice atual com algum índice no passado, sem sabermos quantas vezes ocorreu este ajuste7 . Os outros índices — o IBX, Índice Brasil, constituído pelas 100 ações mais negociadas e o IEE, Índice setorial composto pelas ações do setor elétrico — devem ser analisados da mesma forma. O valor de Fechamento do Ibovespa deve ser acompanhado por meio de gráficos de médias móveis, como veremos adiante. É aqui que você deve vir buscar a informação. Máximo e mínimo no ano Este box dá uma informação geral sobre o comportamento do mercado como um todo, mostrando como está o pregão corrente em relação aos pontos Máximo e Mínimo. O box indica não só os valores para esses dois pontos mas, também, as datas em que eles ocorreram. Pelo exemplo, observa-se que o Ibovespa e o IBX fecharam o ano de 1999 no climax. O mesmo não ocorreu com o IEE, cujo ponto máximo ocorreu em 30/3/99. Máximo e Mínimo no Ano Máximo Mínimo 7 IBOVESPA M 17.091 30/12/99 5.057 14/1/99 IBX 3.238 30/12/99 972 14/1/99 IEE 5.291 30/3/99 1.075 14/1/99 Consulte a página www.bovespa.com.br þA BOVESPA þMERCADOS E ÍNDICES DA BOVESPA para ver a Carteira Teórica do Índice Bovespa vigente e a Metodologia do Cálculo. Na Metodologia você poderá ver as datas em que ocorreram ajustes no Índice.
  • 61. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA %# Comportamento das ações que compõem os Índices Este box é muito importante para o investidor que acompanha a Bolsa, e fonte de informação relevante para a LAD — Linha de Ascensões e Declínios, técnica que veremos adiante. Eis um exemplo: Comportamento das Ações que compõem os Índices Altas Baixas Estáveis Sem Neg. Total IBOVESPA 33 9 2 44 44 IBX 71 22 10 106 106 IEE 11 3 2 16 16 Neste box tem importância decisiva a quantidade de ações, do Ibovespa, que subiram (Altas) e desceram (Baixas). Observe, no exemplo, que todas as ações do índice foram negociadas. Evolução dos fechamentos Este box fornece informações sobre a variação dos índices em relação a alguns períodos temporais. Considerando o exemplo abaixo, observa-se que o Ibovespa, em relação ao dia anterior, teve seu Fechamento incrementado em 2,41% e no ano incrementou 151,92%. É preciso tomar atenção ao título da informação disponibilizada: q No dia, significa a evolução ocorrida no índice entre a Abertura e o Fechamento; Ontem, expressa a evolução entre o Fechamento q de hoje e o Fechamento do pregão anterior; q Na semana, indica a evolução ocorrida na semana que está correndo, e cujo início foi a última segunda-feira. Se você se encontrar numa quinta-feira, o indicador expressa a variação ocorrida desde segunda-feira;
  • 62. MANUEL MEIRELES %$ SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA q Em uma semana, indica a evolução ocorrida nos últimos 7 dias; No mês, indica a evolução considerando o iníq cio do mês corrente. Se você se encontrar no dia 12, o indicador exprimirá a evolução dos 12 primeiros dias do mês corrente; Em um mês, considera a evolução do índice q nos últimos 30 dias, ou, mais precisamente, a variação experimentada em relação ao mesmo dia do mês anterior; No ano, indica a variação tomando como refeq rência o dia primeiro de janeiro; q Em uma ano, toma como referência os 365 dias anteriores. No exemplo abaixo, como se refere ao pregão de 30/12/1999, obviamente a variação no ano e em um ano coincidem. Evolução dos Fechamentos No dia IBOVESPA +1,89% IBX +2,33% IEE +1,92% Ontem Na semana Em uma semana +2,41% +7,13% +7,13% +2,23% +6,67% +6,67% +0,48% +5,56% +5,56% No mês Em um mês +24,04% +24,04% +22,68% +22,68% +12,32% +12,32% No ano Em um ano +151,92% +151,92% +153,96% +153,96% +132,56% +132,56% Gráficos Nesta página você pode observar os gráficos do dia, do mês e de 120 dias, referentes aos índices Ibovespa, IBX e IEE. Obviamente, é uma página para consulta rápida. Mais informações sobre os Índices Nesta página, você encontra informações sobre a compo-
  • 63. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA %% sição e metodologia dos índices Ibovespa, IBX e IEE. Para cada um destes índices você encontrará os seguintes tópicos: q q q q q Introdução; Índice Ibovespa (ou IBX ou IEE); Aspectos Metodológicos do Índice; Ajustes do Índice; Composição Atual da Carteira (período de vigência). É claro que esta é uma página que você não pode deixar de consultar, especialmente se não conhecer muito bem como os índices são constituídos e operados. Nesta página, você encontra também informações complementares sobre o funcionamento do mercado. Veja, por exemplo o que é e como opera cada um dos mercados: q Mercado a Vista; q Mercado a Termo; q Mercado de Opções: • Opção Ibovespa; • Opção IBX. VOLUMES NEGOCIADOS www.bovespa.com.br þINFORMAÇÕES DO MERCADOþ OPERAÇÕES þGM: BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO þ RESUMO Na página Operações, é possível tomar pulso do montante negociado pelo mercado. No box Resumo do Dia, pode-se ver a participação de cada tipo de negócio: ações, opções, mercado a termo, etc. BOLETIM www.bovespa.com.br þ INFORMAÇÕES DO MERCADO þBOLETIM GM: EMPRESAS CARREIRAS þ BOVESPA
  • 64. MANUEL MEIRELES % SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA Esta página contém informações muito importantes para o investidor. O próprio site indica o seu conteúdo e sua finalidade: O Boletim é um novo serviço que a BOVESPA está colocando à sua disposição e que reúne Comunicados recebidos das Empresas negociadas na BOVESPA, informações sobre Subscrições, Assembléias, Proventos, Leilões, Mercados de Opções e a Termo, Custódia e Liquidação, além de muitas outras. Para obter essas novas informações, basta transferir os arquivos abaixo, através de download: Estão disponibilizados os Boletins referentes aos últimos dez pregões. O download é um arquivo zipado nomeado bolxxyy, por exemplo: bol3012. Algumas informações disponibilizadas referem-se a: q Informativo; q Comunicados; q Empresas. INFORMATIVO Este box contém informações que interessam aos investidores e aos corretores. São informações sobre algumas alterações que ocorrem nas ações, geralmente decorrentes de proventos, previstas para o próprio ou próximo pregão. Alterações no pregão A leitura atenta desta seção permite extrair informações referentes aos lotes padrão de cada ação. Na Bolsa de Valores, para cada ação, há um determinado lote padrão - quantidade mínima de ações que podem ser negociadas no pregão, sem que a operação seja considerada no mercado fracionário. Um investidor pode comprar ou vender um ou mais lotes padrões; se a quantidade não alcançar o lote padrão as ações devem ser negociadas no mercado fracionário - geralmente a preços inferiores.
  • 65. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA %' A lista do lote padrão, para cada ação, é periodicamente publicada pela Bolsa; mas também pode ser obtida parcialmente pela leitura dos quadros alterações. De qualquer forma, se o investidor pretender dar uma ordem que não seja lote padrão ou múltiplo inteiro deste o Corretor informa isso. Exemplos: Alterações no pregão de 30/12/99 BANESTADO - Ações nominativas ex-subscrição. As ações ex continuam sendo negociadas com distinção de dividendo. Direitos até 20/1/2000. MERC BRASIL/MERC FINANC - Ações escriturais ex-juros. Alterações previstas para o pregão de 3/1/2000 ANTARCT NORD/DROGASIL/ELETROBRÁS/POLAR/ EMBRATEL PAR/TELE CL SUL/TELE CTR SUL/TELE NORD CL - Ações escriturais ex-juros. BRAHMA - Ações escriturais ex-juros. As ações PN ex continuam a ser negociadas com distinção de dividendo. CIM ITAÚ/MAGNESITA/SEG MIN BRAS - Ações nominativas ex-juros. RCTB 31 e 41 - Ex-juros. ITAUBANCO - Ações escriturais ex-juros mensais. ITAUTEC - As ações PNA passam a ser negociadas com distinção de dividendo. MERC S PAULO - Ações escriturais ex-dividendo mensal. PETROBRÁS BR - Os atuais bloqueios em circulação no mercado perdem a validade para negociação em razão da adoção do sistema escritural OT-1 Bradesco. COMUNICADOS No Boletim, você também toma conhecimento de comunicados das empresas ao público. Eis um exemplo de comunicado:
  • 66. MANUEL MEIRELES SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA LEILÃO DE VENDA DE AÇÕES DE PROPRIEDADE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE OLIVENÇA/AL NA BOVESPA Papel/Tipo/Código/ Quantidade/ Preço Mínimo R$ Petrobrás ONPETR3 /23.786 335,00/mil ações Petrobrás PN/PETR4/8.853 420,00/mil ações Dia, horário e local: 4/1/2000, das 13h35 às 13h50, no Sistema Eletrônico; Intermediadora: SLW CVC Ltda. (110). A Corretora informou que se trata de ações de propriedade da Prefeitura Municipal de Olivença, Estado de Alagoas, e que a venda dessas ações foi autorizada conforme Lei 0018/99, de 23/11/99, de acordo com as Instruções CVM 286, de 31/7/98, e 318, de 15/10/99. Notas da BOVESPA: será permitida a livre interferência de Corretoras compradoras e vendedoras no leilão; caso ocorra rateio entre as Corretoras, o mesmo critério deverá ser observado para os clientes. EMPRESAS Neste box, são encontradas as informações de interesse geral dos acionistas das empresas, tais como: avisos, distribuição de proventos, resumos das Atas das Reuniões das Assembléias Gerais e semelhantes. Avisos aos acionistas www.bovespa.com.br þ INFORMAÇÕES DO MERCADO þBOLETIM GM: EMPRESAS E CARREIRAS þ BOVESPA As companhias de capital aberto têm milhares (e muitas delas: milhões) de acionistas. E a Lei das Sociedades Anônimas obriga que os acionistas sejam informados, através de anúncios veiculados em jornais de grande circulação, de certos eventos. Eis um exemplo de um Aviso aos Acionistas:
  • 67. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA PETROBRÁS DISTRIBUIDORA • Atendimento aos Acionistas. Em decorrência da rescisão contratual da prestação de serviço pelo Banco Itaú, a partir de 3/1/2000 o atendimento aos acionistas da Empresa será prestado pelo Banco Bradesco S.A. Os atuais bloqueios em circulação no mercado terão validade para liquidar as operações realizadas até 30/12/99, inclusive, e serão aceitos para depósito até 6/1/2000. Após essa data os bloqueios não depositados perderão sua validade, devendo ser substituídos. Nota: a partir de 3/1/2000, os atuais bloqueios em circulação no mercado perdem a validade para negociação, em razão da adoção do sistema escritural OT- 1 Bradesco. Fonte: www.bovespa.com.br þ Informações do mercado þ Boletim (dia 29.12.1999) Distribuição Pública de Ações Os acionistas, ou potenciais acionistas, são informados de que a empresa está recorrendo ao mercado para aumentar o seu capital social. Ás vezes, tais avisos são acompanhados de artigos. Por exemplo, ao lado do aviso de distribuição pública de ações da Lorenz, numa determinada edição, a Gazeta Mercantil noticiava: Lorenz emitirá ações para investir. E continuava: Companhia quer captar $18 milhões e montar uma nova fábrica de amidos especiais. Por um bom tempo, a Lorenz foi uma das companhias abertas que os investidores mal davam atenção. Sua linha de produtos ajudava a situação. Ela incluía conservas, condimentos, adesivos vegetais e até máquinas para a indústria alimentícia. No ano passado foram acrescidos novos itens: os amidos modificados de milho e mandioca. Poderia ser uma forma de complicar ainda mais seu entendimento, mas foi justamente aí que a empresa resolveu sair a campo para mostrar que é um bom negócio. A reportagem, de autoria de Hilton Hida, ainda trazia a evolução das cotações das ações Lorenz PN, que estavam beirando o valor $20,00 por lote de 1000 ações. A subscrição pelos investidores a R$16,00 o lote de 1000, era interessante para os atuais
  • 68. MANUEL MEIRELES SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA acionistas. Caso um acionista não tivesse interesse em subscrever as ações a que tem direito, ele poderia vender esse seu direito de subscrição a um terceiro. Observe-se que a Companhia Lorenz estava captando dinheiro ($18 milhões) para ampliar seus negócios - no caso, montar uma nova fábrica. Ela estava dando 1000 ações ao investidor e, em troca, recebia $16 do investidor. Este negócio opera-se no mercado primário. O investidor, de posse das 1000 ações pode recorrer ao mercado acionário para negociar as ações que possui, vendendo-as para outro investidor no pregão da Bolsa de Valores ao preço que desejar. No primeiro caso, a Lorenz capta dinheiro, inverte-o numa nova fábrica para realizar lucros de forma a distribuir dividendos aos acionistas - aos portadores das suas ações no momento em que ela distribuir os dividendos. No segundo caso, o investidor, na Bolsa de Valores negocia as ações que possui. Os mercados primário e secundário são diferentes - mas interdependentes. As empresas de capital aberto desejam ter um mercado secundário ativo, que garanta liquidez aos seus acionistas - que garanta que eles, a qualquer tempo, possam comprar e vender ações sem dificuldade. Embora a empresa não tenha a ver com o lucro auferido pelo investidor na compra ou venda das suas ações, ela sabe que um mercado acionário com liquidez possibilita que novos lançamentos de ações sejam levados a cabo com mais facilidade. Se um investidor não vê a possibilidade de converter em dinheiro o dinheiro que aplicou na compra de ações de uma dada empresa a tendência é não adquirir ações de tal empresa. Nesta caso, a empresa tem muita dificuldade para fazer novos lançamentos. Fatos relevantes As empresas também comunicam aos seus acionistas, ou potenciais acionistas, fatos importantes para ela e para eles. É o que se chama de disclosure: revelação de informações, por parte da empresa, aos acionistas. É um instrumento imprescindível,
  • 69. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA ! não só para a tomada de decisão pelo investidor, como para sua proteção. Exemplo de informação de fato relevante: ELETROBRÁS • Fato Relevante Informou que, com fundamento no disposto nos incisos I, II e III do art. 31 da Medida Provisória 1.985-22, de 10/12/99, a União foi autorizada a reembolsar à Eletrobrás valores correspondentes a: custo excedente de geração de energia nucleoelétrica pela Usina de Angra I, determinado em relação ao custo de geração de energia hidrelétrica por usina de semelhante capacidade; investimentos complementares efetuados na Usina Angra I, a partir de 1º/1/85; e gastos efetuados, com recursos próprios, na construção das usinas nucleoelétricas de Angra II e Angra III, até 31/12/80. Em virtude dessas disposições legais foi assinado, em 17/12/99, contrato de confissão e quitação de dívidas entre a União e a Eletrobrás, com a interveniência de Furnas Centrais Elétricas S.A. e Eletrobrás Termonuclear S.A. - Eletronuclear, no valor de R$ 2.487.988.146,60, posição em 30/11/99, para equacionamento do pagamento das referidas dívidas, em conformidade com o previsto no art. 32, incisos I e II, da Medida Provisória citada. Informou ainda que, do montante acima, R$ 1.805.865.120,56 foram pagos mediante a desobrigação das dívidas, registradas na Secretaria do Tesouro Nacional - STN, em nome de Furnas, inclusive aquelas transferidas para a Eletronuclear, decorrentes dos acordos de refinanciamento das dívidas, firmados pela República Federativa do Brasil. O valor remanescente de R$ 682.123.026,04 foi pago mediante a emissão de ativos securitizados, por meio do efetivo registro escritural de 677.425 ativos JSTN_A005, no Cetip. Fonte: www.bovespa.com.br þ Informações do mercado þBoletim (dia 23.12.1999) Editais de Convocação e Resumo de Atas de Assembléias Gerais www.bovespa.com.br þINFORMAÇÕES DO MERCADO þBOLETIM GM: Em página indeterminada Anualmente, os acionistas devem reunir-se para apreciar o
  • 70. MANUEL MEIRELES SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA Relatório da Administração (Balanço, Demonstração do Resultado e outras informações). Tal reunião deve ocorrer nos primeiros 4 meses após o encerramento do exercício social - que geralmente é no último dia útil do ano. A essa reunião dos Acionistas se dá o nome de AGO - Assembléia Geral Ordinária. Mas, a qualquer altura os acionistas podem se reunir para discutir outros assuntos, segundo uma prévia Ordem do Dia. A essa reunião se dá o nome de AGE - Assembléia Geral Extraordinária. Na maioria das vezes a Administração da empresa convoca os acionistas para uma AGOE- Assembléia Geral Ordinária e Extraordinária. Para a convocação a Administração da empresa publica Editais. Observe-se que nesse Edital deve constar a Ordem do Dia e o alerta de que, para participarem da AG deverão observar o disposto no artigo 126 da lei 6404/76 8 . Uma vez realizada a Assembléia Geral a companhia publica um resumo da Ata dessa Assembléia. Abaixo alguns exemplos extraídos do site da Bovespa. DATAMEC • Deliberações de Assembléia Na AGE de 28/12/99 foi aprovado o cancelamento de registro de companhia aberta de que trata o artigo 21 da Lei 6.385/76. O acionista controlador Unisys Brasil Ltda. pretende realizar oferta pública para aquisição da totalidade das ações do capital social, ao preço de R$ 1.019,00/mil ações a ser pago a vista. Se você tivesse ações da Datamec em carteira, este aviso seria extremamente relevante, porquanto o acionista controlador decidiu adquirir todas as ações da Datamec em mãos do público, pagando R$1019 por lote de 1000 ações. TELE CENTRO OESTE • Deliberações de Assembléia Na AGE de 23/12/99 foi aprovada a incorporação da Coverage Participações S.A. (controladora), sem alteração do capital social, nos seguintes termos. O ágio que poderá ser amortizado pela TCO é de 8 A lei das SA exige que as pessoas presentes à assembléia devem provar a sua qualidade de acionistas arrolando algumas normas.
  • 71. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA # R$ 322.673.331,00, estimando-se a sua utilização integral em cinco anos, contados da incorporação. Os acionistas da Coverage receberão, em substituição aos direitos de sócios que se extinguirão, ações de emissão da TCO em igual número, mesma espécie e com iguais direitos das ações de emissão da TCO atualmente detidas pela Coverage, que serão canceladas em razão da incorporação. Pagamento de Dividendos e de Juros www.bovespa.com.br þINFORMAÇÕES DO MERCADO þBOLETIM GM: EMPRESAS E CARREIRAS þ BOVESPA Quem investe dinheiro numa aplicação de renda fixa recebe juros; quem investe dinheiro adquirindo o capital social de uma empresa aufere dividendos (no caso das sociedades anônimas) ou lucros no caso das demais empresas. O dividendo é, desta forma, um dos elementos importantes para o acionista, quando ele adquire ações de uma empresa. Ele pode ter a estratégia de adquirir a ação e guardá-la - adotando a filosofia buy and put away 9 - ou de permanecer um curto período de tempo com a ação, esperando que ela suba de preço no mercado. Mas a subida de preço está, pelo menos teoricamente, associada ao desempenho futuro da empresa, isto é, à distribuição de dividendos. Os dividendos são uma parte do lucro que a empresa obteve num dado período, parte do lucro essa que é entregue aos acionistas na proporção do capital social que cada um tem. A título de exemplo, admitamos que uma empresa - a Batatix SA - tenha constituído seu capital, arrecadando $100. Três acionistas entraram com o capital: o acionista A que subscreveu $40, o acionista B que subscreveu $30 e o acionista C que subscreveu $30. A empresa recebeu o dinheiro e entregou ao acionista A 400 ações, ao acionista B 300 ações e ao acionista D 300 ações num total de 1000 ações. A empresa ficou com o dinheiro e começou a fazer os seus negócios - por exemplo, comprar e vender batatas. Os acionistas 9 Filosofia de investimento: a melhor maneira de ganhar é comprar ações e guardá-las.
  • 72. MANUEL MEIRELES $ SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA ficaram com as suas ações - podendo fazer com elas o que desejassem. O acionista A adotou a a filosofia buy and put away e permaneceu com as 400 ações; o acionista B, que tinha inicialmente adquirido 300 ações, ficou com 100 e vendeu 200 para o (novo) acionista D, na Bolsa, pelo valor de $22; o acionista C, que inicialmente havia adquirido 300 ações vendeu todas para um outro (novo) acionista E, pelo valor de $34. Encerrou-se o exercício social e a Administração da Batatix SA apurou um lucro de $40. Convocou os acionistas para uma Assembléia Geral Ordinária. Reunidos, os acionistas deliberaram o seguinte: do lucro ($40), $20 seriam distribuídas aos acionistas e o restante seria reaplicado na empresa. Alguns dias depois da AGO a Batatix publicou um resumo da Ata da Assembléia Geral e, mais tarde, um aviso de distribuição de dividendos, em que informava que cada ação tinha direito a receber $0,02 de dividendo (correspondente a $20 dividido por 1000 ações). Desta forma, os acionistas receberam, de dividendos, os seguintes valores: A: 400 ações. $0,02 = $8,00 B: 100 ações. $0,02 = $2,00 C: (não é mais acionista) D: 200 ações. $0,02 = $4,00 E:: 300 ações.$0,02 = $6,00 Cabe lembrar que os acionistas atuais não só receberam dinheiro (os dividendos distribuídos), mas as próprias ações que possuem também valorizaram. Vamos ver por quê. A empresa Batatix SA começou com um patrimônio de $100 - correspondente ao valor inicial entregue à empresa pelos acionistas. No primeiro exercício a empresa teve um lucro de $40, e distribuiu $20 de dividendos. O patrimônio líquido da empresa, após a distribuição dos dividendos pode ser assim descrito:
  • 73. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA Balanço em 30.12.199x Capital Social % em $ 100 Lucros do Exercício 40 Dividendos distribuídos -20 Total do Patrimônio Líquido 120 Quantidade de Ações Valor Patrimonial de Cada Ação 1000 0,12 Se analisarmos o caso do acionista A, por exemplo, verificamos que ele, logo após ter embolsado os dividendos, possui: a) 400 ações, cada uma com o valor patrimonial $0,12, no total de $48,00 b) $8,00 em dinheiro provenientes dos dividendos recebidos Total: $56,00 . Lembremo-nos que o acionista A, inicialmente, havia comprado as 400 ações por $40. A título de exemplo, podemos ver abaixo o aviso de distribuição de dividendos da COFAP que, em 28.12.1999, deu início à distribuição de um dividendo de R$0,01606 por ação - por conta de lucros apurados no exercício social de 1998. COFAP • Pagamento de Dividendo Em 28/12/99 dará início ao pagamento de dividendo referente ao exercício/98, aprovado na AGO de 15/3/99, no valor de R$ 0,015823686/ação, sem retenção de IR na fonte. Sobre esse montante houve correção via Ufir, resultando no valor de R$ 0,000236314/ação, no qual incidirá IR à alíquota de 20%. O valor total corrigido é de R$ 0,01606/ação. Observando-se o que estatui a Lei das Sociedades Anônimas, a companhia somente pode pagar dividendos à conta de lucro líquido do exercício, de lucros acumulados e de reserva de lucros. Os acionistas têm direito de receber como dividendo obrigatório, em cada exercício, a parcela dos lucros estabelecida no estatuto, ou, se este for omisso, metade do lucro líquido do exercício diminuído ou acrescido das quotas destinadas à constitui-
  • 74. MANUEL MEIRELES SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA ção da reserva legal, da reserva para contingências e lucros a realizar. A companhia que levantar balanço semestral, poderá pagar dividendo à conta do lucro apurado nesse balanço. O pagamento de dividendo de ações nominativas será feito à pessoa que, na data do ato de declaração do dividendo, estiver inscrita como proprietária ou usufrutuária da ação. Os proprietários de uma empresa, independen-temente do tipo dela, seja uma sociedade anônima, seja uma sociedade por quotas devem, a rigor, apenas receber a sua quota-parte dos lucros. Não faz sentido que um acionista ou um quotista receba juros do capital investido. Porém10 , as companhias pagam juros aos acionistas, que são, para efeitos práticos, equivalentes a dividendos. O exemplo abaixo11 mostra o pagamento de juros a acionistas: PERDIGÃO S.A. o Distribuição de Juros Na RCA de 22/12/99 foi aprovada a distribuição de juros sobre capital próprio, no valor de R$ 0,025062/mil ações, a ser pago em 29/2/2000. Haverá retenção de IR na fonte à alíquota de 15%, exceto para os acionistas pessoas jurídicas imunes ou isentas, que deverão apresentar documentação comprobatória até 29/12/99 Nota: desde 23/12/99, ações nominativas ex-juros. Obs.: no pregão de 23/12/99 foi adiada para as 11h30 a abertura dos negócios com as ações de emissão dessa Empresa Observe-se que as ações da Perdigão SA, na Bolsa passaram a ser negociadas EJ - Ex-Juros - a partir da data de 23.12.1999, isto é, no dia imediatamente subseqüente à decisão da RCA12 . O comprador da ação Perdigão PN*EJ não tem direito a receber os juros distribuídos pela companhia. 10 Com base no Decreto-Lei 1598 de 26.12.1977, que alterou a legislação do imposto sobre a renda. 11 Extraído de www.bovespa.com.br do dia 23.12.1999. 12 RCA: Reunião do Conselho de Administração.
  • 75. A arte de operar na Bols@ pela Internet ' SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA Acompanhe um extrato das listagens13 das negociações das ações PN (Preferenciais Nominativas)14 da Perdigão (Código PRGA4) alguns dias antes e depois desta data: Perdigão SA Data 14.12.99 15.12.99 16,12,99 17.12.99 20.12.99 21.12.99 22.12.99 23.12.99 27.12.99 28.12.99 29.12.99 30.12.99 Código Ação Méd. Negs. Qtde. Realiz. Títulos PRGA4 PN * 3,01 15 104.500.000 PRGA4 PN * 3,07 27 75.100.000 PRGA4 PN * 3,08 17 47.600.000 PRGA4 PN * 3,00 19 1.193.700.000 PRGA4 PN * 3,09 26 299.700.000 PRGA4 PN * 3,26 15 62.100.000 PRGA4 PN * 3,32 43 389.700.000 PRGA4 PN *EJ 3,29 23 285.200.000 PRGA4 PN *EJ 3,29 23 285.200.000 PRGA4 PN *EJ 3,24 15 509.200.000 PRGA4 PRGA4 PN *EJ PN *EJ 3,21 3,27 21 15 505.700.000 100.000.000 Pela figura acima, observa-se que os negócios após EJ foram feitos em 23.12.1999 ao preço médio de $3,29 por lote de mil ações. O acionista que vendeu a ação nessa data a $3,29 embolsou este valor e ainda tem mais R$0,025062 a receber da Perdigão SA. Desta forma, o investidor que vendeu a ação em 23.12.99, tem no seu bolso o correspondente a $3,29+$0,025 = $3,315. Se dividirmos este valor pelo valor médio do dia anterior ($3,32) verifica-se que, ocorreu uma queda no preço médio de $3,32 para $3,315, ou seja, de seja, de -0,15%. Você verá adiante que, por ocasião de proventos estes ajustes devem ser considerados. Seria errôneo considerar a variação existente entre os dois valores médios. 13 As listagens dos dias 14.12.99 ao dia 29.12.99, foram extraídas de www.bovespa.com.br þINFORMAÇÕES DO MERCADO þPREGÕES ANTERIORES þ COTAÇÕES (HORÁRIO REGULAR) þ MERCADO À VISTA þ LOTE PADRÃO: COTAÇÃO POR LOTE DE MIL. Como se pode observar, a Bolsa, dia 31.12.99, disponibilizava 12 pregões: o do dia 30 e 11 anteriores a essa data. Selecionando com o cursor os dados da ação e copiando, é possível arquivar tais dados numa planilha. 14 O asterisco * indica que o preço se refere a lote de mil ações.
  • 76. MANUEL MEIRELES ' SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA Informações Financeiras www.cvm.gov.br (para obter as informações) www.bovespa.com.br þINFORMAÇÕES DO MERCADO þ BOLETIM (para saber as empresas que disponibilizaram seus relatórios na Bovespa) GM: Balanços publicados em páginas indeterminadas. Em EMPRESAS CARREIRAS þBOVESPA pode-se ver as empresas que disponibilizaram seus relatórios. Os relatórios contábeis são peças muito importantes para os acionistas e público em geral. É através desses relatórios que muitos acionistas ou potenciais acionistas definem suas políticas de investimento, determinando quais ações devem comprar e quanto de cada ação. A CVM- Comissão de Valores Mobiliários exige que a cada trimestre as empresas de capital aberto, emitam um relatório contábil: Balanço e Demonstração de Resultados. É preciso atentar para o fato de as informações contidas nos Balanços conterem, potencialmente pelo menos, algum desvio. Isso se deve ao fato de o governo brasileiro, no esforço de acabar com a indexação da economia, ter extinto, em 1966, a correção monetária nos balanços - o que acabou por gerar algumas distorções. Até 1995, as companhias abertas eram obrigadas a fazer balanços para divulgação ao mercado de capitais com correção integral - em que todas as contas eram reajustadas para a moeda do último dia do exercício, eliminando as distorções provocadas pela inflação. Além desse balanço, as empresas, de acordo com a legislação societária, devem emitir um outro. Neste, não se aplica a correção integral. Desta forma, as companhias abertas divulgam geralmente dois balanços: um com Correção Monetária Integral e outro segundo a Legislação Societária. As distorções entre tais balanços acabam sempre por surgir - e, às vezes, são expressivas. Por exemplo, no balanço do primeiro trimestre de 1966, a Cesp pela Legislação Societária teve um prejuízo de $117 milhões e, pela Correção Integral, lucrou $100 milhões. No balanço do trimestre seguinte, essa mesma empresa apresentava, pela Legislação Societária um prejuízo de $293 milhões e, pela Correção Integral um lucro de $157 milhões.
  • 77. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA ' Jorge Kotani, da Lafis, uma prestadora de serviços ao mercado de capitais diz que em qualquer circunstância, a correção integral é um retrato mais fiel da situação das empresas. A realidade da Cesp não é um prejuízo de quase R$300 milhões, mas um lucro, observa. Outros analistas, como Marcelo Audi, do Banco Patrimônio, consideram que, por isso mesmo haverá uma tendência de o mercado dar desconto para as ações de companhias que não divulguem seus balanços pelo método da moeda constante. Elas podem alegar razões econômicas para calcular apenas as demonstrações pela legislação societária.15 Sob o título Demonstrações financeiras recebidas pela Bovespa, no site www.bovespa.com.br, encontra-se a lista das empresas que entregaram suas demonstrações financeiras obedecendo à lei 6404/76 16 Deflator Você necessita de um deflator que torne possível expressar os valores das ações em termos de moeda constante. Usando um deflator, você pode comparar os preços de uma ação ao longo do tempo, pois os valores estão expressos em uma moeda forte com poder aquisitivo razoavelmente constante. O deflator que uso - e veremos adiante como isso é feito - é a MF$ (moeda forte) derivada do IGP-M — Índice Geral de Preços- Mercado. EVOLUÇÃO DO CAPITAL SOCIAL www.bovespa.com.brþCIAS LISTADASþDEMONSTRAÇÃO DA EVOLUÇÃO DO CAPITAL SOCIAL 15 HIDA, Hiltom, Distorções de balanço aumentam. Gazeta Mercantil 30.8.96, p.C-4 16 Também conhecida como Lei das SA
  • 78. MANUEL MEIRELES ' SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA GM: FINANÇAS E MERCADOS þ BOLSAS NACIONAIS þ Demonstrativo da Evolução do Capital Social das Empresas (Alterações da Semana)17 Esta página é de vital importância para você obter informações sobre os proventos das ações das empresas que você acompanha. O demonstrativo da evolução do capital social informa ao acionista como se distribui o capital social e quais os direitos que têm sido distribuídos aos acionistas. A maioria das vezes o investidor atento sabe, através dos Editais ou de outras fontes, quais os valores dos direitos referentes a Dividendos, Bonificações e Subscrições. Mas este quadro faz um resumo completo. O demonstrativo é apresentado em forma de um quadro sinóptico com as seguintes colunas: 3 Empresa / Código - Data — indica o nome da empresa e o código da empresa, Por exemplo: FOSFÉRTIL FFTL Uma data após o código da empresa indica a partir de quando as ações passaram a ser cotadas por unidade. Exemplo: SUL TEPA SULT 01/09/94 A partir desta data as ações da Sultepa passaram a ser cotadas por unidade, e todas as informações referentes a proventos (dividendos, subscrições, bonificações) estão com seus valores expressos por unidade. Capital Social R$ - Quantidade de ações/mil — Indi3 ca o capital social da empresa e a quantidade de ações correspondentes. Este valor está dividido por mil, pelo que o número total de ações deve ser multiplicado por mil. Por exemplo, no caso da SUL AMER NAC, cujo código é SASG: 246.837.639 17 Na Gazeta Mercantil este box sai apenas nas edições de segunda -feira
  • 79. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA 3 3 3 3 3 n n '! 1.250.847 Significa isto que a empresa tem um Capital Social de R$246.837.639,00 dividido por 1.250.847.000 ações. Forma — indica o modo como as ações foram emitidas: ES significa ações escriturais; NO significa ações nominativas. BON - SUB - DIV — indica a ocorrência de proventos correspondentes a bonificações, subscrições e dividendos. Aprovado em — indica a data da Assembléia Geral na qual o provento foi aprovado. Por exemplo, no caso da SULTEPA temos: BON 09/12/94 SUB 03/07/95 DIV 30/04/99 O relatório apresenta sempre o último evento. O conteúdo não significa que a SUTELPA apenas concedeu uma bonificação, uma subscrição e uma distribuição de dividendos, mas sim, que, a última vez que ocorreram tais eventos foram nessas datas. Negócios com até — indica a data do pregão no qual foram realizadas negociações com proventos. No pregão seguinte ao da data anunciada as ações foram negociadas ex-proventos. Percentagens e preços — esta coluna é única para BON e tripla para SUB e DIV. Convém ler os valores e as observações contidas na coluna seguinte. Consideremos caso a caso: BON — Percentagem: indica a percentagem da bonificação. Por exemplo, um valor de 4900 indicaria que o acionista receberia 4900 ações por lote de 100 ações das quais fosse titular, passando a ter, portanto, 5000 ações. SUB — Percentagem / Preço emissão / Negociac. Direitos: indica, no caso de subscrição qual a per-
  • 80. MANUEL MEIRELES ' SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA n centagem que o acionista poderia subscrever, qual o preço que ele deveria pagar pela ação subscrita (ou lote de mil ações, conforme o caso) e o período de negociação dos direitos de subscrição na Bovespa18 . Quando a companhia aumenta seu capital social, permite que seus acionistas subscrevam ações, isto é, comprem ações a um determinado preço — preço de emissão. Obviamente este preço de emissão tende a ser inferior ao valor de mercado, já que não faria sentido um acionista comprar uma ação a $10 da empresa se pudesse comprá-la a $8 na Bolsa. Ocorre justamente o oposto: o acionista pode comprar a $8 quando a ação está a $10 no mercado, o que constitui uma boa vantagem. Se o acionista não quiser subscrever as ações, poderá vender este direito a terceiros, negociando-os na Bolsa no prazo indicado. Por exemplo, no caso da SUTELPA: SUB 0,09523809 1.000,00 6/7/95 a 28/7/95 Significa isto que o acionista que possuísse um milhão de ações poderia comprar 952,38 ações ao preço de $1000 cada uma delas. DIV — Valor p/ ord. / Valor p/ pref / relativo a: indica o valor dos dividendos relativos às ações ordinárias, o valor relativo às ações preferenciais e a descrição do exercício aos quais os dividendos se referem. Por exemplo, no caso da USIMINAS temos: DIV 0,177436 0,1951796 INTERM/99 Isto significa uma distribuição de um dividendo de $0,177436 para a ação ordinária, um dividendo de $0,1951796 para a ação preferencial, referentes ao Balanço intermediário levantado em 1999. Em observações pode-se verificar que o início do pagamento ocorreu em 20/09/99. Veremos que os dados constantes do Demonstrativo da Evolução do Capital Social das Empresas são muito importantes 18 Se o acionista não quiser fazer uso do direito de subscrever ações ele pode vender esse direito na Bolsa.
  • 81. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA '# para o estabelecimento correto do INDAÇ — o índice da ação, que será visto no capítulo seguinte. COTAÇÕES www.bovespa.com.br þINFORMAÇÕES DO MERCADO ÞCOTA-ÇÕESþ HORÁRIO REGULAR GM: FINANÇAS MERCADOS þ BOLSAS DE VALORES Na Bolsa de Valores de São Paulo, são feitos inúmeros tipos de negócios. E esses negócios são agrupados por alguma das suas características. As operações que envolvem o maior volume de dinheiro são aquelas que representam negociação de ações em Lotes Padrão e Opções de Compra. Estes tipos de negócios representam, na maioria das vezes 98%, do volume de tudo o que foi negociado. Mas há outros tipos de negócios, como por exemplo: a) concordatárias - referentes a empresas que pediram concordata (acordo com os credores). Há um quadro que mostra os negócios feitos com empresas nesta situação b) Direitos e Recibos: direitos de subscrição ou recibos representando ações. c) Fracionário: negociações fora do lote padrão. Mercado à Vista Vamo-nos apenas ocupar do mercado à vista -portanto, do mercado em que a liquidação se faz praticamente no dia seguinte. Na verdade, aquele que compra as ações deve liquidar19 o negócio no terceiro dia útil não feriado bancário após a ordem de compra. Por exemplo, se o investidor realizou a ordem na segunda feira(D+0), deve pagar na quinta-feira (D+3). Com o que vendeu acontece o mesmo: vende na Segunda, mas só recebe na quinta. As informações do quadro Mercado à Vista são muito importantes para o investidor. Não as informações referentes a 19 O valor total é correspondente ao valor das ações, mais a taxa de corretagem, mais as taxas da Bolsa.
  • 82. MANUEL MEIRELES '$ SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA um único pregão, mas as informações referentes a vários pregões. Desta forma, o investidor consegue definir a tendência da ação. Por herança dos sucessivos Planos Econômicos a Bolsa de Valores herdou diversos problemas. Entre eles, destaca-se o fato de certas ações serem negociadas unitariamente e outras em lotes de 1000. O Boletim da Bolsa separa as listagens. Por convenção, um asterisco (*) após o tipo da ação significa que o preço indicado se refere a um lote de 100020 ações. Por exemplo: ON* significa um lote de mil ações ordinárias nominativas. Na página Cotações — Mercado à Vista , a Bovespa disponibiliza um conjunto de listagens, a saber: n Lote padrão: cotação por lote de mil; n Lote padrão: cotação unitária; n Concordatárias: cotação por lote de mil; n Direitos e recibos: cotação por lote de mil; n Direitos e recibos: cotação unitária; n Bônus (Privados): cotação por lote de mil; n Leilão: cotação unitária; n Outros: cotação por lote de mil; n Lote fracionário: cotação por lote de mil; n Lote fracionário: cotação unitária. Interessa-nos, sobremaneira, as cotações dos Lotes Padrão. Tanto para as cotações por lote de mil quanto para cotações unitárias, as listagens apresentam-se em 12 colunas: 1. Cód. : informa o código da ação na Bolsa de Valores de São Paulo21 . O código da ação é composto por quatro letras seguido de um número que indica o tipo de ação. O número 3 indica ON, o número 4 indica PN, os números 5 ou 6 indicam ações do tipo PN de séries distintas; PNA ou PNB, por exemplo. Ao dar uma ordem de compra ou de venda o investidor deve fazer uso do nome e código da ação - para evitar confusões. Na Gazeta 20 Não confundir isto com Lote Padrão. O lote padrão de uma ação unitária pode ser 1, 10, 100 ou 1000 ações. 21 Que pode ser diferente do código da mesma ação em outra Bolsa.
  • 83. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA '% Mercantil, antes do código da ação pode aparecer um símbolo, cujo significado é o seguinte: indica ações negociadas no META — programa de incentivo à liquidez; • indica preço por ação unitária; * indica cotação ou preço de exercício por lote de mil; $ indica opções referenciadas em dólar; @ indica ação componente do Índice Bovespa. Eis alguns códigos de ações: ACES3 Acesita ON* ACES4 Acesita PN ARCZ6 Aracruz PNB CRUZ3 Souza Cruz ON 2.Emp/Ação: indica o nome da empresa emitente da ação e o tipo da ação, que geralmente é ON (Ordinária Nominativa) ou PN (Preferencial Nominativa). Se a indicação do tipo da ação vier acompanhada de um asterisco, por exemplo, PN*, você já sabe que indica que a cotação refere-se a um lote de mil ações. A descrição do tipo de ação pode vir acompanhada de outras informações, como por exemplo: • PN*INT — indicando ação que faz juz a dividendo integral, para a distinguir de outra que faz juz a dividendo parcial.22 . Às vezes em vez de INT vem a expressão I99, por exemplo, para significar que a ação faz juz a todos os benefícios referentes ao exercício de 1999. As ações não integrais - pró-rata - fazem juz apenas a uma parte dos resultados. Neste caso, são destacadas com a letra R; • PNA ou PNB: ações de séries distintas (série A ou série B); • ON ED — ação ordinária nominativa ex-dividendo: não faz juz ao dividendo; 22 Isto ocorre porque muitas vezes novas ações são subscritas com parte de um exercício social já transcorrido. Uma ação que foi lançada em junho não pode ter direito, obviamente, ao mesmo dividendo de uma ação que já existia em janeiro. Esta última faz juz ao dividendo integral.
  • 84. MANUEL MEIRELES ' SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA • PN EJ — ação preferencial nominativa ex-juros; • ON ES — ação ordinária nominativa ex-subscrição: o comprador não tem direito a subscrever ações; • PN EB — ação preferencial nominativa ex-bonificação. 3. Abt.: indica o preço de abertura, ou seja, o valor do primeiro negócio feito no pregão com a ação. Enquanto não ocorre o primeiro negócio, diz-se que a ação não abriu. Para ocorrer o primeiro negócio, é necessário que um vendedor encontre um comprador e que ambos acertem preço e quantidade. No site da Bovespa, as cotações apresentadas são apenas das ações negociadas. Na Gazeta Mercantil, você encontra a listagem integral, podendo ver as ofertas de compra e venda de ações que não chegaram a ser negociadas. Por exemplo, a ação CEPE5 (Celpe PNA*), num dos pregões em que não ocorreu negociação, havia um comprador disposta a pagar $5,00 por um lote de mil ações, mas o vendedor só vendia por $5,47. Não foi realizado negócio: a ação não abriu. 4. Min.: indica o preço mínimo, o preço mais baixo que a ação atingiu no pregão. O preço de uma ação, isoladamente, não dá qualquer atributo de qualidade à ação. Por exemplo, no último pregão de 1999, um lote de mil ações BCAL6 (Bic Caloi PNB*), foi adquirido ao mínimo de $0,16; no mesmo pregão mil ações da BDLL4 (Bardella PN), foram negociadas ao preço mínimo de $67.000,0023. Isto não significa dizer que a ação mais cara é melhor do que a mais barata: significa dizer que o Capital Social de cada uma das empresas está dividido de forma diferente. Uma empresa com um capital social de $100 milhões pode ter 100 milhões de ações — cada uma com o valor de $1,00; outra empresa com o mesmo capital social pode emitir apenas um milhão de ações — cada uma com o valor de $1000. A qualidade da ação se verifica pelos resultados da empresa. 5. Méd.: representa o preço médio de todas as ações negociadas no pregão. É um preço ponderado. Por exemplo, se 1000 ações foram negociadas a $10 cada uma e 2000 ações a 23 Cada ação unitária foi negociada a $67,00.
  • 85. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA '' $11, significa que 3000 ações foram negociadas por um total de $32000, o que dá um preço médio de $10,67 6. Máx.: indica o preço máximo que a ação atingiu. 7. Fech.: indica o preço da ação no último negócio realizado. É considerado o preço mais importante da ação no pregão. Geralmente, ao nos referirmos a uma ação num determinado dia, costumamos dizer, por exemplo, que ela fechou a $3,80. 8.Oscil. (%): Indica a variação da ação considerando os preços de fechamento do dia e os do pregão imediatamente anterior. É calculado dividindo o preço de fechamento do atual pregão pelo preço de fechamento do último pregão na qual ela foi negociada. Se a última negociação foi há mais de 15 dias a oscilação não é apontada; também não é apontada se a ação distribuiu benefícios: dividendos ou subscrição. Também não é apontada se a variação tiver sido nula. Neste caso, dizemos que a ação permaneceu estável, o que é indicado, na coluna variação, pelo símbolo (=). Não é muito significativo o valor referente a uma oscilação diária, porquanto a ação pode simplesmente estar se recuperando de uma queda maior ocorrida no pregão anterior. A oscilação de um dia é pouco representativa da tendência da ação. 9. Oferta Compra: indica o mais alto valor que alguém estava ofertando para comprar a ação quando o pregão encerrou. 10. Oferta Venda: indica o menor valor que alguém estava ofertando para vender a ação, quando o pregão encerrou. 11. Negs.Realiz.: indica a quantidade de negócios realizados. Não indica o número de investidores que participaram do negócio. Uma corretora para comprar ações para um único investidor pode ter feito 2, 3 ou mais negócios. Isso é comum quando as ordens são grandes. Se você der uma ordem de compra de 10.000 ações, é provável que a Corretora a execute em partes: compra 1000 a um preço, mais 5000 a outro e ainda mais 4000 a outro preço.
  • 86. MANUEL MEIRELES SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA 12.Quantidade de títulos: indica a quantidade de ações que foram negociadas no pregão. A quantidade de títulos negociada, multiplicada pelo preço médio, dá o volume negociado com a ação. Esta listagem é a mais importante para o investidor, pois é dela que ele extrai as informações que o orientarão nas suas decisões de comprar ou vender. Observe que praticamente todas as ações do Índice Bovespa são altamente negociadas; têm o que se chama de liquidez. Muitas ações não são negociadas: aparecem apenas ofertas para comprar ou vender - sem que o negócio se concretize. Por exemplo, no último pregão de 1999, a ação PRGA4 (Perdigão PN*) foi listada desta forma: Código Empresa Ação Abert. Min. Máx. PRGA4 PERDIGAO S/A PN *EJ 3,29 3,21 3,29 Méd. Fech. Osc. 3,27 3,29 3,13 Ofertas Compra 3,30 Ofertas Venda 3,40 Negs. Realiz. 15 Qtde. Títulos 100.000.000 A ação é negociada em lotes de mil ações, o que é indicado pelo asterisco (*) após o tipo de ação (Preferencial Nominativa). Recentemente distribuiu juros e está sendo negociada ex-juros. Abriu a $3,29, atingindo um mínimo de 3,21. O seu preço máximo foi de $3,29, que foi também o preço de fechamento. Seu preço médio foi de $3,27. Em relação ao fechamento anterior a ação teve um incremento de 3,13%. Apesar do fechamento a $3,29, havia comprador a $3,30, mas os vendedores queriam $3,40. Foram feitos 15 negócios movimentando um total de 100 milhões de títulos. Cabe destacar que as ofertas, tanto de compra quanto de venda, são sempre as melhores que existem no momento: é a de preço de venda mais baixo e a de preço de compra mais alto. Supondo que existia, para essa ação, três investidores, pretendendo compra a $3,25, $3,28 e $3,30 e dois investidores pretendendo vender a $3,40 e $3,50, no quadro surge apenas $3,30 e $3,40.
  • 87. A arte de operar na Bols@ pela Internet SAIBA LER OS RELATÓRIOS DA BOLSA Concordatárias As empresas que entraram em concordata continuam sendo negociadas na Bolsa, mas é feita uma listagem particular. As concordatárias - embora pela possibilidade de falência representem um alto risco - costumam ser um excelente negócio a longo prazo. O que é que se faz com um centavo hoje em dia? Pois bem: esse foi o preço média de mil ações das Lojas Hering PN* no último pregão de 1999. Mil ações da Tectoy foram negociadas nessa mesma data a cinco centavos. Outras Negociações Há outras negociações das quais não vou me ocupar aqui, e que envolvem: • Direitos e recibos; • Fundos e certificados; • Bônus privados; • Mercado a termo (30, 60, 90, 150 e 180 dias); Também não nos ocuparemos do mercado de opções, nem do mercado fracionário. CONCLUSÃO Você viu, neste capítulo a informação que é relevante para um investidor, especialmente onde ela se encontra disponível e o que ela significa. A informação que você deve buscar depende fundamentalmente do método que adotar para selecionar e acompanhar ações. Os diversos métodos serão vistos adiante.
  • 88. A arte de operar na Bols@ pela Internet APRENDA A CONSTRUIR O INDAÇ DE UMA AÇÃO ! COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 4 PARTE 4
  • 89. A arte de operar na Bols@ pela Internet APRENDA A CONSTRUIR O INDAÇ DE UMA AÇÃO # O INDAÇ de uma ação Quando se olha as cotações de uma ação ao longo do tempo, pelos jornais, não se pode falar nada sobre o desempenho dessa ação. Os preços nos pregões retratam as negociações da ação na Bolsa - mas não informam sobre os benefícios que os investidores receberam. Considere-se o exemplo da Magnesita PNA: a figura 4.1 mostra os preços: mínimo, máximo e de fechamento, num determinado período. Nessa figura o preço de fechamento da Magnesita passou, dia 2/5 de $2,05 para $2,00. Pode-se afirmar que, neste caso, o valor da ação caiu? Para se dar uma resposta segura a esta pergunta é necessário construir o INDAÇ — Índice da Ação. Este índice nada mais é do que o valor de um certo número de ações, no caso, Magnesita PNA - como se fosse a carteira de um investidor - que sofre os efeitos dos preços do mercado e dos benefícios que o investidor recebe - e se expressa em moeda forte (MF$)1 . Por isso, para se construir o Índice da Ação, é preciso saber: o valor diário do deflator e todos os benefícios distribuídos aos investidores no período: bonificações, subscrições, dividendos. Com tal índice é possível discorrer sobre a evolução real da ação ao longo do tempo - por mais longo que este seja. 1 Dê o nome que desejar à sua moeda forte. O conceito, independente do nome, é que é uma moeda com poder aquisitivo constante, isto é: comprar sempre o mesmo conjunto de bens, independentemente dos efeitos da inflação.
  • 90. MANUEL MEIRELES $ APRENDA A CONSTRUIR O INDAÇ DE UMA AÇÃO Data 22/4 24/4 28/4 2/5 5/5 6/5 7/5 8/5 9/5 12/5 13/5 14/5 Magnesita PNA Min Máx 2,05 2,05 2,05 2,05 2,05 2,05 2,00 2,00 2,00 2,00 2,00 2,00 2,02 2,02 2,01 2,10 2,01 2,12 2,08 2,10 2,10 2,10 2,01 2,01 Fech 2,05 2,05 2,05 2,00 2,00 2,00 2,02 2,10 2,12 2,10 2,10 2,01 Figura 4.1 Fonte: Gazeta Mercantil. Dados compilados pelo Autor A figura 4.2 amplia a anterior, mostrando o valor da moeda forte MF$ e o INDAÇ da Magnesita PNA. Observe a presença de uma coluna intitulada Dir, de direitos. O INDAÇ é construído basicamente da seguinte forma: Escolhe-se um lote de ações (100, 500, 1000 ou um outro valor que seja conveniente), e multiplica-se esse lote de ações pelo Preço de Fechamento, dividindo-se o resultado pelo valor da MF$. INDAÇ= (Lote * Fech) / MF$ Se o Lote for igual a 1000: INDAÇ= (1000 * Fech) / MF$ Olhando a última coluna na figura 4.2, pode-se ver que a ação no dia 2/5 subiu o seu INDAÇ de $13,41 para $13,62: esta foi a verdadeira evolução da Magnesita PNA no período considerado. A MF$, no período considerado, passou de MF$152,82 para MF$154,04.
  • 91. A arte de operar na Bols@ pela Internet APRENDA A CONSTRUIR O INDAÇ DE UMA AÇÃO % O INDAÇ leva em conta, portanto, a inflação, a evolução do preço de fechamento da ação e os direitos percebidos pelo investidor. Observe que em 2/5 a ação passou a ser negociada exdividendos. Data 22/4 24/4 28/4 2/5 5/5 6/5 7/5 8/5 9/5 12/5 13/5 14/5 Min 2,05 2,05 2,05 2,00 2,00 2,00 2,02 2,01 2,01 2,08 2,10 2,01 Magnesita PNA Máx Fech 2,05 2,05 2,05 2,05 2,05 2,05 2,00 2,00 2,00 2,00 2,00 2,00 2,02 2,02 2,10 2,10 2,12 2,12 2,10 2,10 2,10 2,10 2,01 2,01 DIR ed ed ed ed ed ed ed ed MF$ 150,40 151,60 152,82 154,04 155,27 156,51 157,77 159,03 160,30 161,58 162,87 164,18 INDAÇ 13,63 13,52 13,41 13,62 13,51 13,40 13,43 13,85 13,87 13,63 13,52 12,84 Figura 4.2 O princípio do INDAÇ é a constituição de um índice teórico em que o investidor recebe benefícios e os aplica na própria ação. No caso de Dividendos, Bonificação ou Subscrição o investidor vê sua carteira alterada. Ele necessita, portanto, de fazer ajustes no INDAÇ. Abaixo mostro como isso ocorre. I)—no caso de Dividendos: Pode-se ver que em 2/5, a Magnesita PNA passou a ser negociada ex-dividendos. Consultando o quadro Evolução do Capital Social das Empresas, (www.bovespa.com.brþCIAS LISTADAS þDEMONSTRAÇÃO DA EVOLUÇÃO DO CAPITAL SOCIAL) o investidor veria que ocorrera uma distribuição de dividendos: $0,0977 por ação preferencial. Neste caso, deve-se calcular os dividendos recebidos pelo investidor que tem um determinado Lote de ações. No exemplo dado, partiu-se de um lote inicial de 1000 ações Dividendos a receber= Lote * Ddistribuído D= 1000 * $0,0977 = $97,70
  • 92. MANUEL MEIRELES APRENDA A CONSTRUIR O INDAÇ DE UMA AÇÃO Que faz o investidor com esse dinheiro? O que faz o investidor com os $97,70? Vai ao mercado e compra mais ações, isto é: ele reinveste os dividendos recebidos. Quantas ações esse investidor pode comprar? Basta dividir o valor recebido ($97,70) pelo Preço de Fechamento da ação2: sLote= D/Fech sLote= $97,70 / $2,00 = 48,85 ações. O preço de Fechamento é o correspondente ao do primeiro dia ex-dividendo (ed). Observa-se assim, que o Lote original de 1000 ações, em 2/ 5, passou para 1048,85 ações . A partir desta data, o INDAÇ é calculado considerando este lote: 1048,85 ações3: INDAÇ= (Lote * Fech) / MF$ INDAÇ= (1048,85 * Fech) / MF$ Pode-se ver a diferença que ocorre, na figura 4.2. No dia 28/ 4, a ação fechou em $2,05, com um INDAÇ de 13,41; no dia seguinte, 2/5, a ação fechou ex-dividendo a $2,00 e o seu INDAÇ era de 13,62. O INDAÇ efetivamente aumentou porquanto ele incorporou os dividendos recebidos. E se os dividendos não forem recebidos na data ex-dividendos? E se eles forem recebidos posteriormente? Uma alternativa é trazer o valor a receber no futuro para o valor presente - usando uma taxa de desconto corrente no mercado. Equivaleria ao investidor fazer um empréstimo para comprar ações no primeiro dia, e de pagar tal empréstimo no dia em que efetivamente recebesse o dividendo. Essa situação, conquanto teoricamente correta, não é muito prática. O mais próximo do real é o investidor receber os dividendos na data definida pela empresa e nessa data ir a mercado para adquirir mais ações. Neste caso, o Lote só se altera no dia do efetivo recebimento dos dividendos. O INDAÇ considera esta prática. 2 Embora o preço médio seja o mais representativo, por tradição, usa-se o preço mais significativo, que é o de Fechamento. 3 Como o lote é teórico, usamos sempre as casas decimais.
  • 93. A arte de operar na Bols@ pela Internet APRENDA A CONSTRUIR O INDAÇ DE UMA AÇÃO ' II) no caso de Bonificação: Quando um acionista recebe uma bonificação ele recebe da empresa, sem quaisquer ônus, uma determinada quantidade de ações. Uma bonificação geralmente é expressa pela forma x% no tipo. Por exemplo, a Mangnesita em uma determidada época deu uma bonificação de 1,16279069% ON em ON e PNA em PNC. Significa que quem tinha 100 ações ON recebeu mais 1,6279069 ações ON, e quem tinha 100 ações PNA recebeu 1,16279069 ações, mas do tipo PNC. Os casos mais comuns são bonificação em ações do mesmo tipo. Só para ilustrar suponha-se que o investidor de Magnesita PNA recebeu uma bonificação de 5% em ações do mesmo tipo no caso PNA, num determinado dia. Neste caso, seu lote de 1048,85 ações passará a conter mais 5% (0,05) de ações: Lote ex-bonificação = Lotecorrente * (1+Bonificação) Lote ex-bonificação = 1048,85 * (1+ 0,05) Lote ex-bonificação = 1048,85 * (1,05)= 1101,293 A partir da data do recebimento da bonificação o INDAÇ passaria a ser calculado pela fórmula: INDAÇ= (Lote * Fech) / MF$ INDAÇ= (1101, 203 * Fech) / MF$ E se a bonificação não é no tipo? Teoricamente o investidor recebe n ações de outro tipo e, na mesma data, vende-as e compra ações do tipo que possui. III) no caso de Subscrição: Suponha que o investidor, que agora está com 1101,203 ações PNA, tem direito a subscrever x% de ações do mesmo tipo a um determinado preço. Suponha, também, que a ação esteja cotada no mercado a $2,15 e o investidor possa subscrever 8% de ações ao preço de subscrição $2,02. O pressuposto deste ajuste é que o investidor deve vender n
  • 94. MANUEL MEIRELES APRENDA A CONSTRUIR O INDAÇ DE UMA AÇÃO ações cheias4 para arranjar dinheiro para subscrever 8% das ações que lhe restaram (Lote - n). O cálculo deste ajuste é o seguinte: [(L - n) . S] ps = pc .n onde : L= Lote de ações que o investidor possui; n= quantidade de ações que o investidor precisa vender para realizar a subscrição; S= percentual da subscrição; ps = preço de cada ação a subscrever; Pc= preço da ação cheia (com direito a subscrição). No exemplo: [(L - n) . S] ps = pc . n [(1101,293 - n) 0,08] 2,02 = 2,15 .n [(88,103 - 0,08n) ] 2,02 = 2,15.n [(177,969 - 0,1616n) ] = 2,15.n 177,969 - 0,1616n = 2,15.n 177,969 = 2,15.n + 0,1616n 177,969 = 2,3116 n 177,969 / 2,3116 = n 76,990 = n Isto significa que o investidor deve vender 76,990 ações a $2,15 5 , auferindo pela venda um total de (76,990 * 2,15=) $165,50. Desta forma o investidor ficou com: 1101,203 - 76,990 = 1024,213 ações Destas ações ele pode subscrever 8%, ou seja: 1024,213 * 0,08 = 81,937 ações A subscrição é feita ao preço de $2,02, pelo que o investidor deve pagar: 81,937 * 2,02 = R$165,50 4 5 Com direito a subscrição. Preço da ação cheia.
  • 95. A arte de operar na Bols@ pela Internet APRENDA A CONSTRUIR O INDAÇ DE UMA AÇÃO Este dinheiro ele já possui decorrente da venda de 76,990 ações. Desta forma o Lote do investidor foi diminuído de 76,990 ações e incrementado de 81,937 ações. Lote após a subscrição: 1101,203 - 76,99 + 81,937 = 1106,150 A partir da data ex-sub o INDAÇ passa a ser calculado da seguinte forma: INDAÇ= (Lote * Fech) / MF$ INDAÇ= (1106,150 * Fech) / MF$ Observe que, embora você possua um indicador denominado MF$ — moeda forte — comum a todas as suas ações, o INDAÇ é peculiar a cada uma delas. Cada ação tem o seu INDAÇ. Sua Moeda Forte MF$ A concepção mais simples e mais próxima de nós, de moeda forte, é a do dólar norte-americano. Você poderia usar o valor comercial desta moeda como indicador direto: neste caso sua MF$ seria igual a US$. O problema é que esta moeda é intensamente especulativa — subindo e descendo — não tendo uma relação muito direta com a nossa inflação. Você precisa construir este indicador. A melhor forma para construir a sua moeda forte é considerar um índice de preços. Há muitas instituições que calculam e divulgam índices de preços, entre elas o IBGE, o DIEESE e a FGV. Considerando um período relativamente longo, os índices são coerentes: a curto prazo podem apresentar discrepâncias, porquanto as metodologias de cálculo diferem. O DIEESE — Departamento Intersindical de Estudos e Estatísticas Sócio-Econômicas, calcula o ICV — Índice de Custo de Vida, — na região metropolitana de São Paulo, a partir de duas amostras da população: um dos índices refere-se a famílias com renda entre um e cinco salários mínimos e o outro refere-se a famílias com rende mensal entre um e trinta salários mínimos. O IGP-DI (Índice Geral de Preços — disponibilidade inter-
  • 96. MANUEL MEIRELES APRENDA A CONSTRUIR O INDAÇ DE UMA AÇÃO na), é calculado pela FGV. É um índice ponderado que leva em consideração três outros índices6 . O IGP-DI é calculado entre os dias primeiro e 30 de cada mês. O IGP-M é semelhante ao IGPDI, diferenciando-se no período de coleta de informações: o IGPM vai do dia 21 do mês anterior ao dia 20 do mês de referência. Pela sua mais rápida disponibilidade é muito utilizado no mercado financeiro. Aconselho-o a considerar o IGP-M, cujo valor você encontra em muitos sites: o da sua corretora possivelmente o terá. Ocorre contudo que você tem a necessidade de estabelecer uma projeção para o mês seguinte e também de calcular a evolução diária da sua MF$. É isso o que você vai ver como se faz, a seguir. Projetando a inflação Para projetar a inflação do mês seguinte, você necessita ter uma planilha e fazer uso de um algoritmo7 . A primeira planilha que você deve construir é a Planilha 1. Na figura 4.3 mostro o seu layout e, depois, o algoritmo (fórmulas). Você pode facilmente reproduzir tal planilha no seu computador. Faça uso dos dados já disponíveis, insira as fórmulas como mostra o algoritmo e atualize-a mensalmente. Veja como é o algoritmo da Planilha 1: 6 O IGP-DI é composto por 0,6 do IPA (Índice de Preços por Atacado), 0,3 do IPC(Índice de Preços ao Consumidor) e 0,1 do INCC — Índice Nacional da Construção Civil. 7 Por comodidade se considera o software Microsoft Excel, por ser um dos mais difundidos.
  • 97. A arte de operar na Bols@ pela Internet APRENDA A CONSTRUIR O INDAÇ DE UMA AÇÃO ! B 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 C D Ano/Mês IGP-M IGPMac Alfa= 2/(n+1)=0,2 100,00 1998-Out 0,08 100,08 1998-Nov -0,32 99,76 1998-Dez 0,45 100,21 1999-Jan 0,84 101,05 1999-Fev 3,61 104,70 1999-Mar 2,83 107,66 1999-Abr 0,71 108,43 1999-Mai -0,29 108,11 1999-Jun 0,36 108,50 1999-Jul 1,55 110,18 1,56 111,90 1999-Ago 1999-Set 1,45 113,52 1999-Out 1,70 115,45 1999-Nov 2,39 118,21 1999-Dez 1,81 120,35 2000-Jan Figura 4.3 E F G Cálculo da MF$ MF$ St-9 Tend 105,03 104,96 105,50 106,09 106,49 106,89 107,55 108,42 -0,07 -0,07 0,06 0,16 0,21 0,25 0,33 108,24 109,92 112,12 114,17 116,29 119,21 121,67 H I Minha estimativa de inflação (variação da MF$) 1,55 2,00 1,82 1,86 2,50 2,07 J Pregões Variação diária da MF$ no mês 22 21 20 20 22 21 0,07 0,10 0,09 0,09 0,11 0,10 • Na coluna B, em Ano/Mês coloque o ano e o mês. A coluna B é uma coluna de texto. • Na coluna C introduza o valor do IGP-M correspondente ao mesmo. Use o formato comum. Se a inflação for de 3,5% digite 3,5. • Na coluna D, sob o nome IGPMac (índice IGPM acumulado), você tem um acumulado geral. Neste caso, a base 100 é considerada em primeiro de outubro de 1998. Em D4, coloque o valor base (=100) e em D5, a fórmula: =D4*(1+(C5/100)). A partir daí repita-a. • Na coluna E, St-9, você tem o valor da média móvel ponderada com alisamento exponencial. O alisamento exponencial é um método comum de análise de séries temporais, e é um caso específico de média móvel que faz uso de um fator de alisamento que representa a sensibilidade da média. O fator de alisamento exponencial é dado por α = 2 / (n+1) onde n representa o comprimento da média. Aqui se usa n igual a 9 meses, pelo que o fator α = 0,2. A média móvel ponderada faz referência à média móvel ponderada anterior. Como você não tem este valor em E12, calcule a média simples, usando a fórmula = MÉDIA(D7:D12). Em E13, insira a fórmula da média móvel ponderada e repita-a: =0,2*D9+0,8*E12. • Na coluna F, você encontra a tendência (Tend) da inflação. Em F13, coloque a fórmula inicial = E13-E12; em F14, a fórmula ponderada: = (0,2*(E13-E12))+(0,8*F13). Repare que o valor 0,8 corresponde a 1-a. Repita esta fórmula, depois.
  • 98. MANUEL MEIRELES APRENDA A CONSTRUIR O INDAÇ DE UMA AÇÃO • Na coluna G, você obtém o valor da sua moeda forte MF$: corresponde ao IGP-M incorporando a tendência. Em G14, insira a fórmula: = D13+4*F13. O valor 4 corresponde ao resultado de (1-α )/α , onde þ=0,2. Observe na figura 4.3 que a sua MF$ em dezembro de 1999 valia 119,21 contra uma inflação acumulada de 120,35 pelo IGP-M. Quanto mais próximos estiverem estes valores melhor: significa que sua MF$ evolui de acordo com o IGP-M. • Na coluna H, você obtém a estimativa da inflação para o mês subsequente. Insira em H5 a fórmula: = 100*((G15/G14)-1). Observe que você, por volta do dia 25 de cada mês, já tem disponibilizado o IGP-M desse mês. Introduzindo esse valor na coluna C, você encontra o valor da MF$ para o mês seguinte. Desta forma, você estima a inflação que irá ocorrer: é o valor que surge na coluna H. • Na coluna I, Pregões, introduza a quantidade de dias úteis no mês, isto é, a quantidade de pregões que a Bolsa terá. • Na coluna J, você obtém o incremento diário que a sua MF$ deve ter. Em J15, insira a fórmula:=H15/I15. Este incremento será usado para o cálculo do INDAÇ de cada uma das ações que você controlar. Você viu, neste capítulo, como pode construir o seu próprio indicador; viu também que é capaz de projetar a inflação para o mês seguinte. Tão bem como qualquer economista.
  • 99. A arte de operar na Bols@ pela Internet CADASTRE-SE NUMA CORRETORA % COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 4 CAPÍTULO 5
  • 100. A arte de operar na Bols@ pela Internet CADASTRE-SE NUMA CORRETORA ' Preparando-se para operar As Bolsas de Valores representam um mercado secundário - um mercado no qual os investidores negociam a compra ou a venda de ações com outros investidores. Mas, a negociação entre dois investidores não é feita diretamente. É necessário que ambos usem uma Corretora de Títulos e Valores Mobiliários (CTVM) que tenha assento na Bolsa onde o investidor quer operar. Portanto, um investidor que queira operar na Bovespa, deve cadastrar-se previamente numa Corretora que atue na Bovespa, isto é, que seja uma Sociedade Membro1 ou Permissionária da Bovespa. Para o investidor — como é o seu caso — operar via Internet precisa estar cadastrado numa corretora Home Broker reconhecida pela Bovespa, isto é, precisa estar devidamente inscrito numa corretora que esteja interligada ao sistema Home Broker da Bovespa. O sistema Home Broker2 é semelhamte ao sistema Home Banking, por meio do qual os bancos oferecem diversos serviços aos seus clientes. Os sistemas Home Brokers, das corretoras, são interligados aos sistemas da Bovespa, e permite que o investidor faça o papel de corretor, isto é, envie, automaticamente, através da Internet, ordens de compra e de venda de ações. Para operar com ações via Internet é necessário que você seja cliente de uma corretora Home Broker, isto é: uma corretora que possua tal sistema. Há inúmeras Sociedades Corretoras que já possuem esse serviço. Por ordem alfabética3: • Agora CTVM: www.agoractvm.com.br 1 Sociedades Corretora filiada à Bolsa de Valores. 2 A palavra inglesa broker [broukâr] significa corretor 3 Sociedades Corretoras Home Brokers no início de 2000
  • 101. MANUEL MEIRELES CADASTRE-SE NUMA CORRETORA • Bancocidade CVMC: www.bancocidade.com.br • Bandeirantes CCVM: www.bandeirantes2000.com.br • Bozano Simonson CCVM: www.investshop.com.br • Coinvalores CCVM: www.coinvalores.com.br • Comercial CVC: www.comercialcvc.com.br • Hedging-Griffo CV: www.griffo.com.br • Indusval: www.indusvaltrade.com.br • Novação CCVM: www.navacao.com.br • Safra CVM: www.safra.com.br • SLW CVC: www.netacoes.com.br • Socopa SC Paulista: www.socopa.com.br • Souza Barros CT: www.souzabarros.com.br • Planibanc CV: www.planibanc.com.br • Título CV: www.titulo.com.br O caminho mais curto para descobrir todas as sociedades corretoras Home Brokers existentes é na página Home Broker do site da Bovespa: www.bovespa.com.brþHOME BROKER. Nem todas as Sociedades Corretoras são iguais nos serviços que prestam aos clientes e nas facilidades que oferecem. São como os Bancos, que selecionam seus clientes pelas exigências que impõem. Por isso, aconselho-o a dar uma boa pesquisada em todas elas. Há corretoras que limitam aos seus clientes um montante para uma ordem de compra ou de venda; outras não estabelecem tais limites. Isto faz parte da política interna da corretora. Pesquise cada uma das corretoras e decidase por uma delas. Pense na comodidade que é de você poder operar com uma corretora ligada a um Banco do qual você seja correntista: isso pode facilitar o trâmite dos pagamentos e recebimentos. A NetTrade é um produto da Bancocidade CVMC que apenas faz corretagem via Internet. Por exemplo, esta corretora disponibiliza um impresso por meio do qual o investidor pode fazer o seu cadastro. Eis, a título de exemplo, as recomendações
  • 102. A arte de operar na Bols@ pela Internet CADASTRE-SE NUMA CORRETORA que a Bancocidade (NetTrade) dá ao investidor para este se cadastrar4: 1. Preencha os campos da ficha cadastral; 2. Não esqueça de preencher um endereço de e-mail. Este será nosso principal canal de comunicação e será utilizado para o recebimento de confirmações, notícias e posições5; 3. Tenha à mão o nome, agência e número da conta corrente de um banco do qual você seja correntista. Para sua proteção, este será o endereço para o qual você fará suas movimentações. Você pode cadastrar até três bancos diferentes; 4. Escolha um nome de usuário e senha; 5. Leia com atenção o contrato no final do documento; 6. Se você tiver impressora, imprima a ficha cadastral em sua casa. Se você preferir nós lhe enviaremos a ficha cadastral pelo correio; 7. Assine e reconheça firma na ficha cadastral; anexe uma cópia autenticada dos documentos listados abaixo e envie tudo isso para a NetTrade Banco Cidade CVMC. (os documentos para pessoa física são: RG, CPF e comprovante de residência: conta de água, luz, telefone); 8. Envie os recursos para abrir uma conta. Se quiser faça um DOC para a conta corrente da NetTrade. Uma diferença significativa entre as corretoras ocorre no item recursos para abrir uma conta: algumas corretoras exigem valores que podem ser considerados altos; outros não colocam quaisquer limites. Ao se cadastrar numa Corretora, além de assinar alguns contratos e declarações, o investidor recebe algumas informações que deve ter sempre presente ao emitir ordens de compra e 4 5 modo é praticamente o mesmo para todas as Home Brokers. O termo posições significa um balanço da sua carteira: quantidade de ações, tipo e valor; o termo status refere-se à situação das ordens de compra e venda dadas.
  • 103. MANUEL MEIRELES CADASTRE-SE NUMA CORRETORA venda. Geralmente a Corretora dá informações sobre Impostos que incidem nas operações e a Tabela de Corretagem. Uma típica corretora Home Broker, além de oferecer serviços práticos e rapidez nas negociações, ainda oferece vantagens permitindo que o investidor: • consulte a posição da sua carteira e as ações que tem custodiadas; • acompanhe sua carteira de ações; • acesse cotações de todas as ações negociadas; • obtenha algumas análises do mercado; e muito mais. Para mandar comprar ou vender você precisa cadastrar-se numa corretora, isto é, deve preencher uma ficha que será sujeita à apreciação da diretoria da Corretora, pois esta é responsável perante a Bolsa por eventuais prejuízos que você venha a causar decorrentes de inadimplência ou algo semelhante6. Há corretoras que estipulam o mínimo que você deve aplicar, ou o mínimo da sua carteira; outras não. Mas lembre-se: quanto menor for o valor das suas ordens mais você paga de corretagem proporcionalmente. Veja uma típica tabela de corretagem para compra e venda de ações em vigor em dezembro de 19997: Valor da operação Até $135,07 De $135,07 a $498,62 De 498,63 a $1514,69 De 1514,50 a $3029,38 Acima de $3029,38 Corretagem $2,70 2,0% 1,5% + $2,49 1,0% + $10,06 0,5% + $25,21 Emolumentos: 0,035% Taxa ANA (Bovespa) ou AMA (BVRJ): $0,45 Portanto, o primeiro passo é cadastrar-se numa Sociedade Corretora que permita operações por meio da Internet — as chama6 Em se tratando de compra e venda de ações o risco é praticamente nulo para a Corretora e para a Bolsa, mas isso já é bem diferente no caso de Opções. Nesta obra não abordo Opções que merecem um tratamento especial dada a sua complexidade. 7 Compra e venda de ações on-line da BB DTVM — Banco do Brasil.
  • 104. A arte de operar na Bols@ pela Internet CADASTRE-SE NUMA CORRETORA ! das corretoras Home Brokers. Embora o número de corretoras com essa característica esteja aumentando, a lista não é muito grande, como viu. Uma vez cadastrado numa corretora, através dessa, você passa a dar ordens de compra ou venda de ações. Para fazer isso, você se servirá da página de operações fornecida pela corretora — um documento e-mail que deve ser preenchido e enviado. Para indicar a ação a comprar você deve digitar o código dela. As ordens podem ser colocadas no sistema a qualquer hora do dia — entretanto elas apenas são efetuadas durante o funcionamento do pregão. A Bolsa de Valores lhe enviará o ANA- Aviso de Negociação de Ações, apontando as operações feitas em seu nome na Bolsa, num determinado dia. É um documento comprobatório da operação. A corretora lhe enviará a Nota de Corretagem, informando o total que você deve pagar (no caso de compra de ações) ou a receber — no caso de venda de ações. Nesse total são incluídos: o valor das ações, a taxa de corretagem - que depende do montante do negócio - o custo do aviso ANA e Emolumentos. Recebida a Nota de Corretagem resta ao investidor efetuar o pagamento. Através de um DOC ou uma Ordem Bancária o pagamento pode ser efetuado. O dinheiro é enviado para a conta bancária da corretora. No caso de venda de ações a corretora deposita o valor na conta corrente do investidor. Observe, assim, que o investidor opera na Bolsa, por meio da sua Corretora: ele não tem contato com a outra parte, com o outro investidor. Tanto o pagamento quanto o recebimento são em D+3, isto é, no terceiro dia subsequente à operação. A liquidação de uma operação é física e financeira: física no que tange ao títulos (papéis) envolvidos; financeira no que diz respeito aos valores. No mercado à vista vigora o seguinte calendário de liquidação: • D+0: dia da operação; • D+1: as corretoras especificam as operações que executaram na Bolsa; • D+2: entrega e bloqueio dos títulos para liquidação física da operação, caso eles não estejam na custódia da CBLC — Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia;
  • 105. MANUEL MEIRELES CADASTRE-SE NUMA CORRETORA • D+3: liquidação física e financeira da operação. Você deve estar bem ciente que uma corretora é apenas uma entidade que o representa perante a Bolsa de Valores, nas ordens de compra ou de venda. Uma corretora não é uma consultora de investimentos. Embora ela possa pretender agradar ao cliente, fornecendo certas informações, deve-se ter em conta que este é um serviço subsidiário. As operações de compra e venda - pelo investidor técnico são ditadas por indicadores especiais. Você deve fazer o mesmo caso pretenda ter sucesso na Bolsa. Informações de terceiros bem ou mal intencionados - não costumam produzir bons efeitos. Por isso, escolha um método que seja razoavelmente eficiente esteja mais certo do que errado8 - e siga esse método. Cabe, portanto, a você, dar ordens de compra e venda ao seu corretor, sem ocupá-lo com outras questões. Como o investidor dá uma ordem Um investidor técnico segue um determinado método seja um dos que indico, seja um outro qualquer. O método deve acompanhar algumas ações9 , pois não tem sentido - salvo se o montante do investimento for imenso - acompanhar todas as ações listadas na Bolsa ou que fazem parte do Ibovespa. O método de seleção indica a dezena de ações - não mais - que o investidor deve acompanhar diariamente. Para esta dezena de ações o investidor constrói um Banco de Dados. Através de um algoritmo especial, o método de acompanhamento10 indica qual a ação que deve ser comprada ou vendida. A título de exemplo, admitamos que o investidor verificou 8 Ou, dizendo de uma outra forma, tenha uma esperança matemática positiva. 9 Selecionadas através de um indicador qualquer. No meu caso, uso o indicador KM, mas você pode usar um outro método qualquer. A premissa desta técnica é que não vale a pena acompanhar todas as ações mas apenas aquelas que tiverem melhores perspectivas de resultados.
  • 106. A arte de operar na Bols@ pela Internet CADASTRE-SE NUMA CORRETORA # um sinal de compra num gráfico de acom-panhamento de uma determinada ação. Ele deve comprar, portanto, nesse dia, ações da empresa indicada. Seja, a título ilustrativo, ações da Siderúrgica Tubarão PN (CSTB4). O investidor verifica qual foi o último preço de fechamento — que é um preço meramente orientativo da provável cotação da ação — e o dinheiro que tem para aplicar. Com base nisso, acessa o site da sua corretora e preenche a boleta de compra, especificando o código da ação, a quantidade a comprar e o tipo de ordem. No mercado de ações, ordem é o ato mediante o qual o cliente determina à corretora a compra ou a venda de ações. As ordens podem ser transmitidas verbalmente (desde que não haja manifestação contrária por escrito do cliente) ou por escrito. As ordens transmitidas por carta, fax e e-mail são consideradas ordens escritas. As ordens podem ser de alguns tipos, sendo as mais comuns: 1. Ordem a mercado: o investidor especifica apenas a ação e a quantidade a comprar ou a vender. Não estipula nenhum preço limitativo. Por exemplo: comprar 1000 ações CSTB4. 2. Ordem limitada: o investidor especifica não só a ação, a quantidade mas também um valor. A corretora deve executar a ordem a um preço melhor do que o valor estipulado: Por exemplo: comprar 1000 ações CSTB4 a $25,90. Neste caso, na ordem de compra, $25,90 é o preço máximo que o investidor está disposto a pagar. Num caso de venda de ações este seria o preço mínimo. 3. Ordem casada: o investidor faz uma ordem de venda e uma de compra aproximadamente no mesmo valor. Os negócios devem ser executados simultâneamente. O princípio desta ordem é que o dinheiro da venda deve suportar a compra. Uma ordem verbal — caso não disponha da rede no momento — é feita, geralmente, mediante ligação telefônica. O investidor liga para a corretora e fala com algum dos corretores. Pode travar-se um diálogo semelhante a este: -Bom dia, Mário. Aqui é Meireles. -Tudo bem, Meireles? O que manda? -Como está a Siderúrgica Tubarão CSTB4?11 10 11 No meu caso aplico o método SMI. 11 Fornecer o código da ação ajuda o corretor a consultar o terminal.
  • 107. MANUEL MEIRELES $ CADASTRE-SE NUMA CORRETORA -Até agora tivemos poucos negócios. Abriu a $25,80 mas agora está a $25,70. -Ok. Compra mil delas. -A que preço? -A mercado. Faz o melhor que puderes. Recomendo que não limite a ordem de compra ou de venda a um dado preço: dê sempre ordens a mercado mostrando que confia na sua corretora. Uma ordem ao mercado — como vimos — significa que a corretora deverá vender pelo melhor preço, mais alto possível ou comprar pelo preço mais baixo que puder. Há boas razões para isso: a operação de compra e venda tem mais chance de ocorrer se você não colocar limitações para a corretora12. De qualquer forma é bom você controlar o grau de eficiência da sua corretora: compare o valor médio com que ela comprou ou vendeu suas ações (sem incluir a corretagem, obviamente) com o valor médio do dia, que a ação obteve. Se você ganhou, coloque um sinal (+); se perdeu, adote um sinal (-). Uma corretora que atua adequadamente deve ter distribuídos de forma praticamente igual sinais (+) e (-). Se houver preponderância de (-) envie sua análise para a corretora e peça-lhes um pouco mais de dedicação no atendimento das suas ordens. Um outro aspecto a considerar é que o investidor não deve importunar seu corretor ligando repetidas vezes para ele para saber se fez ou não a operação, ou ficando pendurado na rede para ver se veio ou não a confirmação do negócio. Operar com ações requer do investidor calma e paciência e muito respeito pelo corretor: este é um parceiro e está interessado em trabalhar da melhor forma para o seu cliente - devendo, portanto, fazer o melhor serviço. A Internet, está possibilitando uma maior comodidade para o investidor, na medida em que este pode operar, a qualquer hora, por meio dela. Esta simplificação, se por um lado beneficia o investidor, por outro possibilita um uso intensivo e desordenado de ordens que podem redundar em grandes prejuízos. A minha intenção, com este livro é orientar os investidores de forma a obter ganhos nas operações com ações — especialmente aqueles 12 Lembre-se que você deve comprar ou vender no dia recomendado pelo indicador e não no dia seguinte.
  • 108. A arte de operar na Bols@ pela Internet CADASTRE-SE NUMA CORRETORA % que não possuem experiência alguma. A dinâmica permitida pela Internet pode ser facilitadora de ordens inadequadas e prejudiciais. Recomendo que, ao operar com ações, o investidor ou o especulador saiba muito bem o que está fazendo, ciente dos riscos de perda e das potencialidades de ganho. O dinamismo é a marca do investidor on-line. Foi assim que Josette Goulart13 intitulou seu artigo no qual aborda o investimento em ações pelo sistema Home Broker. O jornal já havia feito uma chamada na primeira página na qual alertava: Os investidores que começam a aplicar em ações aproveitando as facilidades da Internet são mais agressivos do que aqueles que operam através das mesas corretoras. Eles mudam mais vezes suas carteiras, estratégia nem sempre bem-sucedida. 13 Gazeta Mercantil de 27-09-1999 p. B1
  • 109. A arte de operar na Bols@ pela Internet ' ENTENDA OS MÉTODOS COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 4 PARTE 2
  • 110. A arte de operar na Bols@ pela Internet ! ENTENDA OS MÉTODOS Nesta parte, você vai ver alguns métodos para selecionar e acompanhar ações. Particularmente recomendo o indicador KM, para selecionar as melhores empresas e o oscilador SMI, para fazer o acompanhamento especulativo das ações selecionadas. Mas, é claro, você pode adotar outro método qualquer. Eu não recomendo o uso de dois métodos simultâneamente — salvo se você adotar estratégias diferentes. Isso evita ansiedade1. Você sabe que pode adotar duas posturas no mercado de ações — e, para cada uma delas, ter técnicas diferentes tanto para selecionar ações quanto como para acompanhá-las. Por exemplo: Postura Investidor Especulador Técnica para selecionar Indicador KM Cash-yield Técnica para acompanhar Oscilador SMI Buy-and-Hold As técnicas, conquanto sejam relativamente eficientes, estruturam-se sob premissas distintas e, obviamente, geram resultados diferentes. Assim você pode adotar técnicas que apresentam resultados conflitantes — e isso prejudicará a sua operação, pois o tornará indeciso e inseguro. Veja os resultados que poderia colher num simulador de aplicações: o Investiment Challenge. Você receberá um crédito fictício e opera de acordo com os movimentos reais do mercado. Esse software você pode encontrar no site da NetTrade: www.nettrade.com.br. 1 Se puder leia o artigo intitulado A ansiedade mata, de Luís Eduardo de Assis, ex-diretor de Política Monetária do Banco Central, num (Exame N 697, encarte : Os melhores fundos de investimento de 1999).
  • 111. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO SELECIONAR AÇÕES PELO INDICADOR KM !! COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 4 CAPÍTULO 6
  • 112. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO SELECIONAR AÇÕES PELO INDICADOR KM !# Seleção de ações Na Bovespa estão listadas mais de 600 ações; perto de meia centena delas - as mais negociadas - constituem o índice Ibovespa. Para comprar e vender ações, você precisa saber que elas estão no ponto de compra ou no ponto de venda - e, para tal, você tem de acompanhar cada ação diariamente. Acompanhar uma ação significa: introduzir no banco de dados da ação os valores referentes aos preços dessa ação no pregão do dia anterior e processar tais dados por meio de um algoritmo específico. Dependendo do resultado fornecido pelo algoritmo, você se mantém na posição, ou compra ou vende. Implica isto dizer que, para cada ação que você acompanha, deve introduzir, diariamente dados no computador e observar os sinais emitidos pelo algoritmo. Fazer isto para meia dúzia de ações não consome muito tempo mas acompanhar 600 ações não é fácil: consome tempo, espaço na memória do computador e a nossa paciência. Se você for um investidor profissional, com grandes recursos para aplicar, pode e deve acompanhar as ações constituintes do Ibovespa e mais algumas. Para um investidor individual basta acompanhar uma dezena de ações - não mais do que isso. Mas que ações devem ser acompanhadas? Ações de que empresas? A resposta é simples: acompanham-se ações das empresas que têm uma maior probabilidade de ter bons resultados nos próximos 12 meses. Para selecionar as empresas listadas na Bolsa, cujas ações seriam alvo da minha observação diária, desenvolvi um indicador ao qual dei o nome de KM, porquanto ele é construído a partir de dois outros indicadores: do termômetro de insolvência de Kanitz e do estipulador do limite de crédito de Morante. Vamos ver, inicialmente, o que significam estas duas coisas, e, depois, como elas se juntam para fazer o indicador KM. Neste capítulo, você vai ver a base teórica do indicador KM
  • 113. MANUEL MEIRELES !$ COMO SELECIONAR AÇÕES PELO INDICADOR KM e como ele é operado; no capítulo 8, são mostrados outros métodos para selecionar ações. Para entender a estrutura teórica do indicador KM, você precisa conhecer o termômetro de insolvência, proposto por Kanitz e o estipulador do limite de crédito para uma empresa proposto por Morante. Vamos ver, portanto, inicialmente estas dois componentes. Termômetro de insolvência de Kanitz O tema previsão de falências já foi objeto de estudo de muitos autores. Morante1 , cita os mais importantes, desde William H. Beaver até Stephen Kanitz, passando por Edward Altman, Roberto Elizabetsky e Alberto Borges Matias. Quanto ao trabalho de Kanitz sobre o tema, Morante afirma2 : Stephen Charles Kanitz, primeiro na tese apresentada à Faculdade de Economia de Administração da USP para obtenção do título de Livre Docente em 1976, denominada Indicadores Contábeis e Financeiros de Previsão de Insolvência: A Experiência da Pequena e Média Empresa Brasileira, e, posteriormente, em 1978 em seu livro Como Prever Falências, legou-nos preciosos ensinamentos para a previsão de falências. Embora reconheça as dificuldades a um modelo absolutamente perfeito, Kanitz desenvolveu uma fórmula que julgamos bastante eficiente, à qual denominou de termômetro de insolvência FI= 0,05 x1 + 1,65 x2 + 3,55 x3 - 1,06 x4 - 0,33 x5 FI é a somatória dos pontos obtidos [onde]: x1=Lucro Líquido / Patrimônio Líquido; x2=(Ativo Circulante + Realizável L. Prazo) / Exigível Total; x3=(Ativo Circulante - Estoques) / Passivo Circulante x4=Ativo Circulante / Passivo Circulante x5=Exigível Total / Patrimônio Líquido O ponto crítico do modelo indica: 1 Op. cit. p.195-207 2 Idem p.200-201.
  • 114. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO SELECIONAR AÇÕES PELO INDICADOR KM Se FI estiver entre !% A empresa 0e7 0 e -3 é solvente Estará indefinida -3 e -7 Estará insolvente Este modelo de Kanitz, constituirá um dos fatores do indicador KM, como você verá adiante. O estipulador do Limite de Crédito de Morante Morante, no trabalho mencionado, ao abordar a questão da limitação do crédito faz menção a algumas fórmulas conhecidas, mas acaba propondo a sua3: O analista de crédito percorre pelo sistema convencional de informações comerciais e pela análise de balanços, um caminho árduo de buscar a segurança que lhe indique, ou não, a certeza de, uma vez concedido o crédito, não vir a empresa ou a instituição a ter problemas futuros com o cliente. As informações comerciais pelo sistema convencional nos propõem parâmetros de risco muito elásticos, em virtude da potencialidade diversa dos fornecedores e bancos. A análise de balanços preocupa-nos, no Brasil, pela fidelidade dos números apresentados nas demonstrações. É evidente que, se os dados não forem fiéis, qualquer análise será distorcida, podendo levar-nos a difíceis conclusões, muitas vezes até totalmente diferentes da realidade, para melhor ou para pior. Outro aspecto que é também muito relevante, é o das modificações econômicas do país, alterada aos quatro ventos nos últimos anos. Os parâmetros tornam-se diferenciados, principalmente quando os indexadores da economia alternamse a cada reforma econômica. O que se pretende é demonstrar que, para empresas 3 Ibidem p.220-222
  • 115. MANUEL MEIRELES ! COMO SELECIONAR AÇÕES PELO INDICADOR KM com balanços diferenciados ou manipulados, é possível limitar-lhes o crédito, quando merecido, bastando apenas que tenhamos à disposição, pelo menos realisticamente, algumas informações extraídas da contabilidade. O objetivo do presente trabalho é contribuir para o estudo de indicadores de limite de crédito, pela propositura de um modelo prático, segundo o qual se possa atribuir o valor do limite de crédito através da apresentação pura e simples de oito informações ponderadas, extraídas ou não dos balanços patrimoniais das empresas. Tem ainda, a pretensão de comprovar que independentemente da análise de balanços, o modelo apresenta condições isoladamente de conceder o crédito ou de simplesmente negá-lo. O crédito que se pretende limitar neste trabalho, é aquele que irá provocar um melhor equilíbrio no ciclo operacional das empresas, e não aquele de investimentos em ativos fixos típicos de projetos de implantação ou ampliação de negócios. Deseja-se, também, eliminar os atritos hoje existentes entre os setores creditícios e comerciais, quando na maioria das vezes os clientes encaminham compras superiores ao que tem como segurança fornecer-lhes, auxiliando na melhoria da qualidade das decisões. Justificando, o modelo foi assim formulado: LC = ( 0,10 PL + 0,05 EST + 0,08 DR + 0,02 DISP) ( 0,10 FORN + 0,02 SAL + 0,10 EBCP + 0,03 OCP ) À primeira somatória de informações denominou-se Fontes Positivas de Crédito e os significados de abreviação são os seguintes: PL — Patrimônio Líquido; EST — Estoques; DR — Duplicatas a Receber; DISP — Disponibilidades. À segunda somatória de informações denominou-se de Fontes Negativas de Crédito, e os significados de abreviação são os seguintes:
  • 116. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO SELECIONAR AÇÕES PELO INDICADOR KM !' FORN — Fornecedores; SAL — Salários, Contribuições e Tributos; EBCP — Empréstimos Bancários de Curto Prazo; OCP —Outras Contas a pagar. [...] Os itens componentes do modelo, exceção ao Patrimônio Líquido, são extraídos exclusivamente dos Ativo Circulante e Passivo Circulante. Este modelo de estipular limites de crédito, devidamente adaptado, constitui o segundo fator constituinte do indicador KM. Limite de Crédito de Morante A partir de análise de balanços, Morante propôs um modelo que demonstrou ser confiável para atribuição de crédito a uma empresa - em caso de grandes montantes. O modelo foi comparado com outros mecanismos de Análise de Crédito e foi considerado correto quanto aos resultados atingidos. Morante, comparou sistematicamente os resultados dos Limites de Crédito estabelecidos pela sua equação com outros modelos de Análise de Crédito - que se utilizam de outras ferramentas - de outros autores renomados e conhecidos, usados tradicionalmente pelos Bancos, pelo SERASA e por outras empresas. A equação de Morante é mais funcional e atende mais rapidamente e com maior confiabilidade. A fórmula proposta e testada por ele leva em conta alguns aspectos positivos e negativos do balanço. Podemos dizer, desta forma, que, aplicando-se a equação Morante sabemos definir o Limite de Crédito (LC) máximo que uma empresa poderia obter de um dado investidor que estivesse disposto a emprestar dinheiro a tal empresa. Porém, o que a fórmula de Morante dá é um valor absoluto já que estabelece o Limite de Crédito máximo que se pode dar a uma empresa. O limite de crédito - quando absoluto - não é um número que interessa a quem está analisando um conjunto de
  • 117. MANUEL MEIRELES COMO SELECIONAR AÇÕES PELO INDICADOR KM empresas. Mas, já é um indicador expressivo quando se coteja com o porte da empresa. O porte de uma empresa é representado quase sempre pelo Total do Ativo4. Se dividirmos o Limite de Crédito pelo Total do Ativo, temos o indicador LCM/AT que nada mais é do que o Limite de Crédito que a empresa pode ter em relação ao seu Ativo Total. No caso da Perdigão, como mostra a figura 6.1, considerando o Balanço de 30-09-99, o Limite de Crédito é de $11831 mil, o que significa 0,69% do Patrimônio Líquida da empresa. Ao aplicar este método para a seleção das empresas, se adota o pressuposto de que as empresas que merecerem proporcionalmente mais crédito estarão numa condição mais vantajosa de produzir melhores resultados nos períodos subsequentes. Planilha 2: Cálculo do LCM/AT B 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 C D Fator 0,10 do 0,05 do 0,08 de 0,02 de Empresa: Código 2.05 1.01.03 1.01.02 1.01.01 0,10 de 0,02 de 0,02 de 0,10 de 0,03 de 2.01.03 2.01.04 2.01.08 2.01.01 2.01.02 1 E F PERDIGÃO Processo Morante: Patrimonio líquido Estoques Duplicatas a receber Disponibilidades Total positivo Fornecedores Impostos, Taxas, Contr. Outros (Salários/ Obrig) Empréstimos/Financiam. Outras contas Total negativo Limite de Crédito Morante Total do Ativo INDICADOR Balanço 30-Set-99 493709 215540 115481 340924 93743 21079 23379 538745 7851 G LCM 30-Set-99 49371 10777 9238 6818 76205 9374 422 468 53875 236 64373 11831 1722109 0,0069 Figura 6.1 Desta forma, basta calcular o índice LCM/AT para todas as empresas constituintes do Ibovespa, listar os valores em ordem decrescente e acompanhar a primeira dezena do ranking. Periodicamente — idealmente a cada três meses — deve-se produzir idêntica listagem com base nos balanços divulgados pelas empresas. Você não precisa ser um Contador para fazer estes cálculos. Fazendo uso dos códigos usados nas demonstrações 4 Muitas vezes se expressa pelo seu Faturamento.
  • 118. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO SELECIONAR AÇÕES PELO INDICADOR KM contábeis da CVM, você pode facilmente calcular o indicador LCM/ AT. Veja, abaixo, como isso é fácil. Em primeiro lugar, você deve obter as demonstrações contábeis das empresas no website da CVM. Você já viu como se obtém essas informações no capítulo 3. Quando você obtém tais demonstrações, vai perceber que o Balanço Patrimonial é emitido em duas páginas: numa você tem o Ativo; noutra você tem o Passivo. Tanto para o Ativo, quanto para o Passivo há uma série de contas, tais como: Disponibilidades, Impostos a Realizar, Créditos diversos, Obrigações tibrutárias, etc. Não se preocupe com isso. Você só precisa localizar o código da conta. Veja o exemplo da figura 6.1, em que se calcula o valor LCM/AT: Limite de Crédito Morante/Ativo Total. Planilha 2: Algoritmo do LCM/AT B 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 C D Fator 0,10 do 0,05 do 0,08 de 0,02 de Empresa: Código 2.05 1.01.03 1.01.02 1.01.01 0,10 de 0,02 de 0,02 de 0,10 de 0,03 de 2.01.03 2.01.04 2.01.08 2.01.01 2.01.02 1 E F G PERDIGÃO Processo Morante: Patrimonio líquido Estoques Duplicatas a receber Disponibilidades Total positivo Fornecedores Impostos, Taxas, Contr. Outros (Salários/ Obrig) Empréstimos/Financiam. Outras contas Total negativo Limite de Crédito Morante Total do Ativo INDICADOR Balanço 30-Set-99 493709 215540 115481 340924 LCM 30-Set-99 0,1*F5 0,05*F6 0,08*F7 0,02*F8 SOMA(G5:G8) 0,1*F10 0,02*F11 0,02*F12 0,1*F13 0,03*F14 SOMA(G10:G14) G9-G15 93743 21079 23379 538745 7851 1722109 G16/F17 Figura 6.2 Observe que você só tem que procurar o valor correspondente ao código descrito. Você procura o código da conta 2.05 (Patrimônio Líquido) e verifica o valor que lhe corresponde. Faz o mesmo para os demais códigos. Observe que o código de Ativo Total é 1. A pequena planilha 2 deve ser reproduzida para cada LCM/AT que você for calcular. Você só tem que alterar o nome da empresa, em E2, e os valores correspondentes na coluna F. O algoritmo, mostrado na figura 6.2 lhe dará o valor LCM/AT em G17:
  • 119. MANUEL MEIRELES COMO SELECIONAR AÇÕES PELO INDICADOR KM • Em E2, coloque o nome da empresa e em F3, a data do Balanço. • Os valores obtidos no Balanço são introduzidos na coluna F, de F4 a F16. • O algoritmo para o cálculo do LCM/AT é dado na coluna G. • O valor desejado, isto é, o Indicador LCM/AT surge na célula G17 Planilha 2: Cálculo do LCM/AT B 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 C D Fator 0,10 do 0,05 do 0,08 de 0,02 de Empresa: Código 2.05 1.01.03 1.01.02 1.01.01 0,10 de 0,02 de 0,02 de 0,10 de 0,03 de 2.01.03 2.01.04 2.01.08 2.01.01 2.01.02 1 E F Perdigão Processo Morante: Patrimonio líquido Estoques Duplicatas a receber Disponibilidades Total positivo Fornecedores Impostos, Taxas, Contr. Outros (Salários/ Obrig) Empréstimos/Financiam. Outras contas Total negativo Limite de Crédito Morante Total do Ativo INDICADOR Balanço 30-Jun-99 492538 222612 108836 366293 67345 19014 26582 531431 128 G LCM 30-Jun-99 49254 11131 8707 7326 76417 6735 380 532 53143 4 60793 15624 1651111 0,0095 Figura 6.3 Você deve ter depreendido que um investidor poderia emprestar com segurança relativa, à Perdigão, segundo Morante, um crédito que representa 0,69% do seu Ativo Total. Este é um número relativo - que pode ser comparado entre várias empresas ou com a mesma empresa ao longo do tempo. Se se considerar o Balanço do trimestre anterior (30-06-99) o LCM/AT, da Perdigão era de 0,95% — o que representa uma diferença significativa. Ou seja: pelo Balanço de junho de 1999, o LCM/AT da perdigão era de 0,95% — como mostra a figura 3 — e, pelo Balanço de setembro era de 0,69%. Não nos interessa agora cotejar as planilhas para verificar possíveis causas, mas dá para perceber que o indicador LCM/AT da perdigão modificou-se significativamente. Como você percebeu pelos exemplos dados, o indicador LCM/AT é obtido com base no Limite de Crédito de Morante, dividindo-se, este valor, depois pelo Ativo Total da empresa. Isto deve ser feito para o maior número possível de empresas — idealmente todas as componentes do Ibovespa.
  • 120. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO SELECIONAR AÇÕES PELO INDICADOR KM ! Elementos das Contas Para o cálculo do indicador LCM/AT, é necessário fazer uso de um Balanço completo - os sintéticos na maioria das vezes não destacam as contas adequadamente. As contam também não aparecem nos Balanços sempre com os mesmos nomes - por isso você precisa ter o cuidado de buscar os valores que devem compor a mesma. Fazendo-se uso dos Balanços padronizados da CVM, pelo código da conta é fácil obter o valor correspondente. As contas do sistema Morante, com os respectivos códigos da CVM, são as seguintes: 2.05—Patrimônio Líquido: Não existe dúvida alguma em obter este valor dos balanços ou balancetes. Inclui geralmente o capital Social Realizado, as Reservas de Capital e de Lucro. 1.01.03—Estoques: É uma conta do Ativo Circulante. Geralmente aparece com este nome. Outras vezes vem decomposta em: Produtos Prontos, Produtos em Elaboração, Mercadorias, Mercadorias em Estoque, Mercadorias em Trânsito. Todas estas contas constituem o valor de Estoques. 1.01.02—Duplicatas a receber (Créditos): É uma conta do Ativo Circulante e engloba tudo o que a empresa tem a receber dos clientes em virtude das vendas dos produtos ou serviços. Pode surgir com o nome de Clientes. Se as Provisões para Riscos de Créditos estiverem destacadas, deve-se subtrair este valor das Duplicatas a Receber. Pode surgir também com os nomes de Clientes e Provisão para Devedores Duvidosos. Na maioria dos balanços o valor expresso já processou o desconto das Provisões para Devedores Duvidosos ou das Duplicatas Descontadas. Caso isto não ocorra, e estas contas apareçam listadas, é preciso proceder a este ajuste. 1.01.01—Disponibilidades: É uma conta do Ativo Circulante, e representa todos os valores que a empresa tem em grande liquidez. Aparece com o nome de Disponibilidades ou Disponível ou pode estar desdobrada em algumas contas: Bancos, Aplicações Financeiras, ou Aplicações de Liquidez Imediata ou Títulos e Valores Mobiliários. Deve-se somar estes dois valores se eles estiverem listados separadamente.
  • 121. MANUEL MEIRELES COMO SELECIONAR AÇÕES PELO INDICADOR KM 2.01.03—Fornecedores: É uma conta do Passivo Circulante e inclui tudo o que se deve aos Fornecedores devido, basicamente, às compras de matérias primas. 2.01.04—Impostos, taxas e contribuições: É uma conta do Passivo Circulante e representa tudo o que ela deve ao Governo devido a Impostos e Contribuições. As contas referentes a este conjunto surgem geralmente com os nomes de: Obrigações Sociais e Trabalhistas , Obrigações Fiscais e Empregatícias, Impostos e Contribuições, Obrigações Tributárias, Provisão para Imposto de Renda e Contribuição Social. 2.01.08—Salários e outras obrigações: É um grupo de contas também do Passivo Circulante. Seus valores devem ser somados, já que, usualmente são listadas em separado. Este conjunto de contas representa tudo o que se deve aos empregados incluindo outras obrigações não classificadas em contas específicas. As contas referentes a este conjunto surgem geralmente com os nomes de: Salários a pagar e Outras obrigações. 2.01.01—Empréstimos Bancários de Curto Prazo (Empréstimos e Financiamentos): É uma conta do Passivo Circulante e representa o que a empresa deve aos Bancos, com data de vencimento dentro dos próximos 12 meses. Pode aparecer com o nome de Instituições Financeiras. Pode surgir com o nome de Bancos, Empréstimos Bancários, Empréstimos e Financiamentos ou Instituições Financeiras. 2.01.02—Outras Contas a Pagar: Também é uma conta do Passivo Circulante. Pode surgir com o nome de Outras Contas a Pagar ou Outras Obrigações. Uma vez obtidos os valores acima indicados, deve-se proceder ao cálculo do Limite de Crédito, multiplicando-se cada um dos valores por um determinado fator, fator este que está indicado na coluna C (Figura 6.1). Os resultados referentes ao Patrimônio Líquido, Estoques, Duplicatas a Receber e Disponibilidades constituem valores positivos para o Limite de Crédito; os resultados referentes a Fornecedores, Salários, Contribuições e Tributos, Bancos e Outras Contas constituem valores negativos para o Limite de Crédito. O Limite de Crédito é a diferença entre estes valores, e aparece sob o título de Limite de Crédito de Morante. Uma vez obtido o Limite de Crédito de Morante (LCM), basta dividi-lo pelo Ativo Total (AT) da empresa para se ter o indica-
  • 122. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO SELECIONAR AÇÕES PELO INDICADOR KM # dor LCM/AT. Este indicador mostra a proporção do Ativo Total da empresa que um investidor poderia emprestar a tal empresa, com certa segurança. Termômetro de Insolvência de Kanitz. Uma vez obtido o valor LCM/AT, você necessita calcular o Termômetro de Insolvência de Kanitz (TIK). O processo também é simples como ilustra a figura 6.4.Observe que os dados são retirados do Balanço. Para facilitar a busca, forneceu-se o código da CVM. O exemplo da figura 6.4 mostra que o TIK da Perdigão pelo balanço de junho de 1999 era de 2,221. Este valor deve ser interpretado como mostra o quadro abaixo: Se TIK estiver entre... ...a empresa 0 0 e e 7 -3 é solvente estará indefinida -3 e -7 estará insolvente Planilha 4: Cálculo do TIK B C D 2 Empresa: Perdigão 3 Código Processo Kanitz: 1.01 1.01.03 1.02 2.01 2.02 2.05 2.05.05 Fator 0,05 1,65 3,55 1,06 0,33 Figura 6.4 AC (Atico circulante) Estoques RLP (Realizável L. Prazo) PC (Passivo Circulante) PELP (Passivo L. Prazo) PL (Patrimônio Líquido) Lucros/Prej. acumulados E Balanço 30-Jun-99 746815 222612 237671 670926 487647 492538 10366 LL/PL 0,021 (AC+RLP) / ET 0,850 (AC-Est) / PC 0,781 AC / PC 1,113 ET / PL 2,352 Termômetro Insolvência Kanitz = F TIK 0,001 1,402 2,774 1,180 0,776 2,221
  • 123. MANUEL MEIRELES $ COMO SELECIONAR AÇÕES PELO INDICADOR KM Planilha 4: Cálculo do TIK B C 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 D Empresa: Código 1.01 1.01.03 1.02 2.01 2.02 2.05 2.05.05 Fator 0,05 1,65 3,55 1,06 0,33 Perdigão Processo Kanitz: AC (Atico circulante) Estoques RLP (Realizável L. Prazo) PC (Passivo Circulante) PELP (Passivo L. Prazo) PL (Patrimônio Líquido) Lucros/Prej. acumulados E F Balanço 30-Set-99 723932 215540 281960 708020 520380 493709 11537 0,023 0,819 0,718 1,022 2,488 0,001 1,351 2,549 1,084 0,821 Termômetro Insolvência Kanitz = 19 LL/PL (AC+RLP) / ET (AC-Est) / PC AC / PC ET / PL TIK 1,996 Figura 6.5 Segundo Kanitz, a Perdigão é uma empresa solvente, já que seu indicador TIK tinha o valor positivo de 2,221. Mas, análise semelhante é possível com os dados do Balanço do trimestre seguinte (setembro de 1999). O resultado aparece na figura 6.5. Veja que no trimestre seguinte o TIK da perdigão baixou para 1,996. Ainda continua solvente, é óbvio, mas apresenta um grau de solvência menor do que o anterior. O que recomendei para a planilha LCM/AT recomendo para a planilha TIK. O algoritmo desta planilha é bem simples como mostra a figura 6.6. Planilha 4: Cálculo do TIK (Algoritmo) B 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 C Empresa: Código 1.01 1.01.03 1.02 2.01 2.02 2.05 2.05.05 Fator 0,05 1,65 3,55 1,06 0,33 19 Figura 6.6 D Perdigão Processo Kanitz: AC (Atico circulante) Estoques RLP (Realizável L. Prazo) PC (Passivo Circulante) PELP (Passivo L. Prazo) PL (Patrimônio Líquido) Lucros/Prej. acumulados LL/PL (AC+RLP) / ET (AC-Est) / PC AC / PC ET / PL E F Balanço 30-Set-99 723932 215540 281960 708020 520380 493709 11537 0,023 0,819 0,718 1,022 2,488 TIK 0,05*E14 1,65*E15 3,55*E16 1,06*E17 0,33*E18 F14+F15+F16 Termômetro Insolvência Kanitz = -F17-F18
  • 124. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO SELECIONAR AÇÕES PELO INDICADOR KM % • Em D4, coloque o nome da empresa e em E5, a data do Balanço. • Os valores obtidos no Balanço são introduzidos na coluna E, de E6 a E12. • O algoritmo para o cálculo do TIK é dado na coluna F. • O valor desejado, isto é, o Indicador TIK surge na célula F19. Indicador KM O Indicador KM deriva, como sabe, da junção dos dois indicadores vistos acima: o TIK — Termômetro de Insolvência de Kanitz e o LCM/AT — Limite de Crédito de Morante/Ativo Total. Numa primeira abordagem pode-se afirmar que o Indicador KM é igual ao produto de TIK pelo LCM/AT .De uma forma genérica pode-se dizer que, para uma dada empresa: Indicador KM = 100*( LCM / AT)*TIK Empresas com LCM/AT ou TIK negativos são descartadas. Você já percebeu quão fácil é calcular o indicador KM de uma empresa tendo seus valores LCM/AT e TIK. Para a empresa Perdigão, dada aqui como exemplo, considerando as datas-base dos seus balanços, temos: Perdigão Data 30/06/99 LCM/AT 0,0095 TIK 2,221 KM 2,11 30/09/99 0,0069 1,996 1,38 É possível determinar, portanto, o valor do indicador KM para um conjunto de empresas. Este indicador é calculado periodicamente. Você pode, assim, ter para cada empresa um gráfico da evolução do seu KM — mas, o importante, é acompanhar de perto as empresas que tiverem o índice KM maior. Para isso basta montar a Planilha 5, cujo layout é dado abaixo, com um exemplo.
  • 125. MANUEL MEIRELES COMO SELECIONAR AÇÕES PELO INDICADOR KM A planilha 5, fundamentalmente é constituída por 4 colunas: • Na coluna C, insere-se o nome da empresa; na coluna seguinte o valor do seu LCM/AT e do seu TIK; • Na coluna F, calcula-se o indicador KM, cujo algoritmo pode ser visto na figura 6.8. Observe que para as empresas com LCM/AT negativo ou TIK negativo (ou ambos os casos) não se calcula o KM. As empresas são, depois de feito o cálculo do indicador KM, ordenadas decrescentemente. As 10 empresas com maior índice KM devem ser acompanhadas de perto. Os dados constantes da figura 6.7 referem-se a período anterior a 1999. Nem todas as empresas pertencem ao Ibovespa. D C E F B Data-Base= 2 Planilha 5: Cálculo do indicador KM Dez/xx LCM/AT TIK KM 3 Empresa 4 Arno 0,087 6,56 57,14 5 Semp Thoshiba Amazonas 0,078 6,65 52,00 6 Guararapes - Confeccões 0,089 4,34 38,65 7 Copesul - Petroquímica 0,068 4,77 32,35 8 Avipal Agricultura e Pecuária 0,082 3,91 32,20 9 Dixie Toga 0,075 3,58 26,71 10 Duratex 0,070 3,45 24,21 11 Alpargatas, São Paulo 0,065 3,66 23,86 12 La Fonte 0,057 4,10 23,49 13 Lojas Renner 0,059 3,90 22,86 14 Klabin 0,068 3,28 22,33 15 Usiminas 0,070 2,65 18,58 0,068 2,44 16,50 16 Agroceres, Sementes 17 Metal Leve 0,058 2,37 13,76 18 Copel - Cia Paranaense de Energia 0,066 1,89 12,47 19 Perdigão Agroindustrial 0,054 2,09 11,31 0,043 1,89 8,18 20 Freios Varga 21 Inepar- Indústria e construções 0,034 2,41 8,16 22 Cofap 0,042 1,75 7,36 23 Tilibra - Indústria Gráfica 0,032 2,12 6,83 0,028 2,16 6,04 24 Sadia Concordia 25 Brahma 0,030 1,85 5,48 26 Braspérola - Ind e Comércio 0,048 1,04 4,96 27 Ceval Alimentos 0,033 1,42 4,74 0,023 1,62 3,66 28 IAP 29 Artex 0,015 1,34 1,96 30 Rhodia-Ster 0,043 0,40 1,71 31 Sharp Equipamentos Eletronicos 0,015 0,95 1,44 0,002 0,18 0,04 32 Hering, Cia 33 Polibrasil Polímeros -0,008 -0,72 34 Tupy AS -0,002 -0,97 35 Varig -0,004 -1,23 Figura 6.7 G Acomp S S S S S S S S S S S
  • 126. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO SELECIONAR AÇÕES PELO INDICADOR KM ' Você, neste capítulo, viu que há um método coerente que o leva a selecionar empresas. Se as empresas selecionadas pertencerem ao Ibovespa, você passa a dispor de uma lista de empresas potencialmente lucrativas, solventes e de boa liquidez. Aconselho-o a fazer o cálculo do Indicador KM para todas as empresas nas quais aplique dinheiro — escolhidas por um outro critério qualquer. Deve ter percebido que a análise dos indicadores LCM/AT, TIK e KM, ao longo do tempo, é muito ilustrativa da qualidade da empresa para o investidor. D C E F B Data-Base= 2 Planilha 5: Indicador KM (Algoritmo) Dez/xx LCM/AT TIK KM 3 Empresa 4 Arno 0,087 6,56 100*D4*E4 5 Semp Thoshiba Amazonas 0,078 6,65 100*D5*E5 6 Guararapes - Confeccões 0,089 4,34 repete 7 Copesul - Petroquímica 0,068 4,77 repete 8 Avipal Agricultura e Pecuária 0,082 3,91 repete 9 Dixie Toga 0,075 3,58 repete 10 Duratex 0,070 3,45 repete 11 Alpargatas, São Paulo 0,065 3,66 repete 12 La Fonte 0,057 4,10 repete 13 Lojas Renner 0,059 3,90 repete 14 Klabin 0,068 3,28 repete Figura 6.8 G Acomp S S S S S S S S S S S Selecionadas as empresas, veja no capítulo seguinte, como as deve acompanhar. Outras técnicas para selecionar ações são mostradas no capítulo 8.
  • 127. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO ACOMPANHAR AÇÕES PELO SMI # COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 4 CAPÍTULO 7
  • 128. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO ACOMPANHAR AÇÕES PELO SMI #! Acompanhando as ações selecionadas Acompanhar as ações previamente selecionadas significa dar a tais ações uma atenção diária — apenas diária e não mais do que isto — e atuar de acordo com o método escolhido, método este que indica o momento de comprar ou de vender. Evite a postura neurótica de ficar continuamente olhando as cotações: estabeleça uma rotina adequada e siga-a. Na verdade você precisa atualizar apenas uma dezena de ações, no seu banco de dados, e atuar de acordo com os sinais emitidos pelo algoritmo. Esses sinais dizem se você deve manter a sua posição (comprado ou não comprado) ou alterar tal posição (vender / comprar). Para atualizar seu banco de dados, você deve aguardar o fechamento do pregão. Eu costumo fazer isso pela manhã: entro no website da Bovespa, www.bovespa.com.brþINFORMAÇÕES DO MERCADOþCOTAÇÕESþHORÁRIO REGULAR, seleciono toda a linha referente a uma ação que controlo, copio-a e colo-a na planilha correspondente. Faço a mesma coisa para as demais ações. Uma vez atualizadas as planilhas, aplico a fórmula do algoritmo aos novos dados e vejo o sinal emitido. Dependendo do sinal posso ter que atuar (comprar ou vender) ou posso me manter na mesma posição — o que implica, obviamente, em não fazer nada. Há muitos métodos de acompanhamento de ações, como você pode ver no Capítulo 9, mas eu dou preferência ao oscilador SMI, que é detalhado neste capítulo. Fica a seu critério escolher e seguir o método. Este método de supervisão de ações que adoto e recomendo é extremamente dinâmico, pois você pode aproveitar todas as oscilações que os preços oferecem na Bolsa.
  • 129. MANUEL MEIRELES # COMO ACOMPANHAR AÇÕES PELO SMI Oscilador SMI O oscilador SMI tem uma estrutura semelhante aos osciladores mais comuns da Escola Técnica e o seu uso ainda é recente. No Brasil tem sido usado desde 1980, com razoável sucesso. Veja qual a lógica que presidiu à construção deste indicador. A figura 7.1, mostra a estrutura típica de preços de uma ação: preços mínimo, máximo e de fechamento; ofertas de compra e de venda. O preço de fechamento (Fech) fica, obviamente, entre os valores Máx e Min — podendo ser até igual a um deles. Tipicamente as ofertas de venda (OV) tendem a estar acima do Max; as ofertas de compra (OC) tendem a estar abaixo do Min. n Oferta de Venda Máximo g Fechamento nOV Máxi nOV Máx g Fech g Fech. Mínimo n Oferta de Compra Mín nOC Pressão de Compra Mín nOC Pressão de Venda Figura 7.1 O oscilador SMI considera unitária a distância que separa OV de OC, isto é: OV-OC=1. Partindo disto, ele situa a posição do Fech ao longo dessa distância. É o que se denomina Pressão do Pregão (PP). Se Fech estiver exatamente no meio de OV e OC, PP=0,5; se Fech coincidir com OC, então PP=0; se Fech coincidir com OV, então PP=1. Entre 0 e 1, PP pode assumir quaisquer valores. Na figura 7.1, as pressões de pregão ilustradas correspondem a 0,5 (à esquerda), 0,8 e 0,2 (à direita). Quanto maior for o valor de PP maior é a pressão exercida pelos investidores para comprar a ação: eles estão dispostos a pagar o máxi-
  • 130. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO ACOMPANHAR AÇÕES PELO SMI ## mo por ela. Valores de PP acima de 0,5, indicam pressão compradora; valores de PP abaixo de 0,5, indicam pressão vendedora. É claro que o objetivo do oscilador é antecipar tendências. Ele trabalha com valores médios. Eu uso a média de cinco pregões. A operacionalização é feita da seguinte forma: • As ordens de compra são dadas sempre que SMI 0,5; • As ordens de venda são dadas sempre que SMI0,50; • Uma vez compradas (D+0) as ações só podem ser vendidas no mínimo no terceiro dia (D+3). Para facilitar a interpretação, o algoritmo contém uma fórmula que coloca o sinal ($) referente ao holding periodo — tempo durante o qual a ação deve ser mantida em carteira. Assim: • As ordens de compra são dadas sempre que surge $; • As ordens de venda são dadas sempre termina $; Fech 1,50 1,50 1,49 1,54 1,56 1,57 1,56 1,57 OC 1,49 1,50 1,49 1,50 1,55 1,56 1,55 1,56 OV 1,51 1,51 1,50 1,54 1,57 1,57 1,57 1,57 PP 0,50 0,00 0,00 1,00 0,50 0,99 0,50 0,99 SMI 0,60 0,40 0,30 0,30 0,40 0,50 0,60 0,79 Operacionalização $ $ compra $ $ $ venda 1,49 1,57 Figura 7.2 Eis alguns exemplos que podem facilitar a sua compreensão para o momento de compra ou de venda. Na figura 7.2, você pode observar uma formação típica. A ordem de compra é dada após o primeiro sinal $; e a de venda é dada quando a série termina. Muitas vezes uma ordem de compra é dada imediatamente a seguir a uma ordem de venda, como mostra a figura 7.3:
  • 131. MANUEL MEIRELES #$ Fech 2,85 2,82 2,85 2,85 2,81 2,82 3,05 COMO ACOMPANHAR AÇÕES PELO SMI OC 2,85 2,80 2,82 2,81 2,81 2,85 3,00 OV 2,89 2,90 2,85 2,90 2,85 2,90 3,10 PP 0,00 0,20 1,00 0,44 0,00 -0,60 0,50 SMI 0,33 0,37 0,57 0,53 0,33 0,21 0,27 Operacionalização $ $ vende $ $ compra $ 2,85 2,82 Figura 7.3 Ordens de compra podem ser frustradas. A venda, entretanto, só deve ocorrer se não aparecer, por dois pregões seguidos, nenhum sinal de confirmação, como mostra a figura 7.4. Fech 4,05 4,05 4,05 4,00 4,00 3,90 3,70 3,70 3,65 OC 4,01 4,00 3,95 3,70 3,90 3,90 3,70 3,50 3,55 OV 4,05 4,08 4,05 4,05 4,00 4,00 3,75 3,69 3,65 PP 1,00 0,62 1,00 0,86 1,00 0,00 0,00 1,05 1,00 SMI Operacionalização 0,54 0,47 $ 0,67 compra 4,05 0,84 0,90 0,70 vende 3,90 0,57 0,58 0,61 Figura 7.4 O sinal de compra surgiu com o SMI a 0,47. No dia seguinte, a ordem de compra foi dada (compra a $4,05). Ao término do pregão observou-se o não surgimento do sinal, confirmando a operação. Deve-se aguardar mais dois dias antes de se vender. O método SMI é extremamente dinâmico e o investidor realiza constantemente operações com as ações que estão sob a sua supervisão. Portanto, é um método altamente especulativo. A listagem de alguns pregões mostra isso:
  • 132. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO ACOMPANHAR AÇÕES PELO SMI F ech OC OV PP SMI Operacionaliz ação 2,15 2,19 2,23 -1,00 2,21 2,30 2,30 2,21 2,29 2,28 2,24 0,00 2,30 1,00 2,30 1,00 2,35 2,36 2,33 2,38 2,40 0,29 0,26 2,40 -1,00 0,26 $ $ 2,35 2,20 2,20 2,01 2,00 2,16 2,35 1,00 2,35 0,57 2,20 1,00 0,46 0,37 0,37 $ $ $ 2,19 2,10 2,19 1,00 0,51 2,20 2,20 2,19 2,15 2,15 2,00 2,20 1,00 2,20 1,00 2,19 1,00 0,91 0,91 1,00 2,19 2,19 2,19 2,25 2,19 2,19 2,19 2,20 2,19 2,20 2,35 2,50 0,00 0,00 0,00 0,17 0,80 0,60 0,40 0,23 $ $ 2,25 2,21 2,21 2,21 2,30 2,24 2,21 2,21 2,21 2,25 2,30 2,30 2,30 2,30 2,40 0,17 0,00 0,00 0,00 0,33 0,07 0,07 0,07 0,07 0,10 $ $ $ $ $ 2,50 2,60 2,70 2,82 2,80 2,75 2,75 2,75 2,75 2,70 2,71 2,71 2,80 2,80 2,81 2,85 2,85 2,90 2,45 2,53 2,70 2,80 2,70 2,75 2,75 2,70 2,70 2,70 2,70 2,71 2,79 2,80 2,80 2,82 2,86 2,86 2,50 2,60 2,80 2,85 2,80 2,78 2,80 2,80 2,90 2,80 2,80 2,75 2,90 2,90 2,90 2,90 3,00 2,90 1,00 1,00 0,00 0,40 1,00 0,00 0,00 0,50 0,25 0,00 0,10 0,00 0,09 0,00 0,10 0,37 -0,07 1,00 0,27 0,47 0,47 0,55 0,68 0,48 0,28 0,38 0,35 0,15 0,17 0,17 0,09 0,04 0,06 0,11 0,10 0,28 $ $ $ vende compra 2,25 vende $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ 2,20 2,80 compra 2,75 #%
  • 133. MANUEL MEIRELES # COMO ACOMPANHAR AÇÕES PELO SMI 2,90 2,81 2,90 1,00 0,48 $ 2,90 2,90 2,95 0,00 0,46 $ 2,90 2,90 2,90 0,00 0,39 $ 2,95 2,95 3,00 2,91 2,95 2,95 3,00 0,44 3,00 0,00 3,00 1,00 0,49 0,29 0,29 $ $ $ 2,90 2,92 2,90 2,91 3,00 0,00 2,99 0,12 0,29 0,31 $ $ 2,95 2,95 2,95 2,91 2,95 2,95 2,95 1,00 2,95 0,00 3,00 0,00 0,42 0,42 0,22 $ $ $ 2,91 2,91 2,95 0,00 0,22 $ 2,90 2,90 2,90 2,90 2,70 2,80 2,95 0,00 3,00 0,67 2,90 1,00 0,20 0,13 0,33 $ $ $ 2,85 2,82 2,85 2,80 2,89 0,00 2,90 0,20 0,33 0,37 $ $ 2,85 2,85 2,82 2,81 2,85 1,00 2,90 0,44 0,57 0,53 2,81 2,82 3,05 3,00 2,81 2,85 3,00 3,05 2,85 2,90 3,10 3,10 0,00 -0,60 0,50 -1,00 0,33 0,21 0,27 -0,13 $ $ $ $ 2,95 3,05 2,95 3,05 3,10 3,35 3,10 3,25 3,25 3,30 3,30 3,30 3,30 3,30 3,32 3,56 3,56 3,55 2,95 2,95 2,95 3,05 3,00 3,35 3,15 3,20 3,22 3,25 3,25 3,20 3,20 3,25 3,31 3,56 3,56 3,50 3,00 3,05 3,05 3,10 3,15 3,40 3,40 3,25 3,40 3,44 3,30 3,30 3,30 3,40 3,35 3,60 3,60 3,60 0,00 1,00 0,00 0,00 0,67 0,00 -0,20 1,00 0,17 0,26 1,00 1,00 1,00 0,33 0,25 0,00 0,00 0,50 -0,22 -0,02 0,10 0,00 0,33 0,33 0,09 0,29 0,33 0,25 0,45 0,68 0,69 0,72 0,72 0,52 0,52 0,42 $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ vende compra 2,82 vende $ 2,85 3,30
  • 134. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO ACOMPANHAR AÇÕES PELO SMI 3,55 3,40 3,50 1,50 0,52 3,40 3,40 3,55 0,00 0,45 $ 3,50 3,50 3,59 0,00 0,40 $ 3,60 3,75 3,70 3,60 3,75 3,70 3,65 0,00 3,75 0,00 3,85 0,00 0,40 0,30 0,00 $ $ $ 3,75 3,85 3,70 3,85 3,85 0,33 3,85 0,00 0,07 0,07 $ $ 3,90 3,90 3,90 3,90 3,90 3,95 3,96 3,93 4,05 4,05 4,05 4,00 4,00 3,90 3,70 3,70 3,65 3,64 3,65 3,50 3,50 3,35 3,30 3,45 3,78 3,69 3,69 3,67 3,67 3,67 3,67 3,36 3,36 3,80 3,83 3,85 3,80 3,70 3,95 3,96 3,80 4,01 4,00 3,95 3,70 3,90 3,90 3,70 3,50 3,55 3,50 3,58 3,50 3,45 3,00 3,30 3,30 3,78 3,69 3,69 3,40 3,40 3,40 3,40 3,37 3,37 3,90 3,90 3,90 3,90 3,90 3,98 3,99 3,98 4,05 4,08 4,05 4,05 4,00 4,00 3,75 3,69 3,65 3,64 3,64 3,54 3,50 3,39 3,45 3,45 3,76 3,70 3,69 3,67 3,60 3,66 3,67 3,67 3,61 0,27 0,47 0,67 0,80 1,00 0,80 0,60 0,54 0,54 0,47 0,67 0,84 0,90 0,70 0,57 0,58 0,61 0,61 0,84 0,84 0,83 0,81 0,61 0,58 0,58 0,38 0,20 0,40 0,47 0,68 0,88 0,87 0,66 $ $ 1,00 1,00 1,00 1,00 1,00 0,00 0,00 0,72 1,00 0,62 1,00 0,86 1,00 0,00 0,00 1,05 1,00 1,00 1,16 0,00 1,00 0,90 0,00 1,00 0,00 0,00 0,00 1,00 1,35 1,04 1,00 -0,03 -0,04 compra 3,55 vende 3,90 $ compra 4,05 vende $ $ $ $ 3,90 compra 3,69 vende 3,67 #'
  • 135. MANUEL MEIRELES $ COMO ACOMPANHAR AÇÕES PELO SMI 3,36 3,37 3,61 -0,04 0,38 $ 3,69 3,69 3,69 0,00 0,18 $ 3,69 3,69 3,64 0,00 -0,02 $ 3,55 3,50 3,65 3,55 3,45 3,30 3,67 0,00 3,58 0,38 3,70 0,87 -0,02 $ 0,07 $ 0,25 $ 3,70 3,71 3,70 3,70 3,76 0,00 3,76 0,17 0,25 0,29 $ $ 3,73 3,70 3,70 3,80 3,90 4,05 4,05 4,05 4,10 4,29 4,45 4,50 4,50 4,45 4,47 4,50 4,50 4,60 4,65 4,99 4,90 4,90 4,74 4,75 4,50 4,39 4,45 4,45 4,39 4,35 4,35 4,35 4,40 3,73 3,70 3,70 3,80 3,90 4,05 3,91 3,90 4,08 4,30 4,45 4,50 4,50 4,30 4,47 4,50 4,50 4,60 4,65 4,94 4,80 4,90 4,70 4,75 4,50 4,00 4,00 4,00 4,00 4,00 4,35 4,30 4,36 3,74 3,76 3,76 3,85 3,95 4,10 4,05 4,05 4,12 4,40 4,49 4,50 4,50 4,49 4,49 4,60 4,60 4,60 4,70 4,99 5,00 4,90 4,90 4,75 4,69 4,39 4,45 4,44 4,39 4,35 4,40 4,39 4,45 0,29 0,21 0,03 0,03 0,00 0,00 0,20 0,40 0,50 0,48 0,48 0,28 0,08 0,14 0,16 0,16 0,16 0,16 0,00 0,20 0,30 0,30 0,34 0,34 0,14 0,24 0,44 0,60 0,80 1,00 0,80 0,72 0,60 $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1,00 1,00 0,50 -0,10 0,00 0,00 0,00 0,79 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1,00 0,50 0,00 0,20 0,00 0,00 1,00 1,00 1,02 1,00 1,00 0,00 0,55 0,44 compra 3,69 vende 4,39
  • 136. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO ACOMPANHAR AÇÕES PELO SMI 4,50 4,45 4,52 0,71 4,59 4,55 4,60 0,80 0,50 4,55 4,55 4,55 0,00 0,50 4,50 4,45 4,70 4,35 4,45 4,65 4,50 1,00 4,58 0,00 4,70 1,00 0,59 0,50 0,56 4,65 4,60 4,70 0,50 0,50 $ 0,54 $ A figura 7.5 resume as sete operações realizadas. Das sete,duas produziram resultados negativos ( o que significa 71% de ordens com resultado positivo). Em média, cada operação dura cerca de 15 pregões –o que corresponde a três semanas corridas. Cada operação, em média, produziu um resultado positivo de 9,96%. Compra 2,25 2,75 2,82 3,55 4,05 3,69 3,69 Figura 7.5 Venda 2,80 2,85 3,30 3,90 3,90 3,67 4,39 Médias= Resultado % 24,44 3,64 17,02 9,86 -3,70 -0,54 18,97 9,96 Qtde Pregõ gões 10 30 15 11 4 4 35 15,57 Para cada ação que você acompanha com o oscilador SMI, você deve ter uma planilha. Para facilitar a inclusão dos dados obtidos via Internet, as colunas desta planilha devem seguir a mesma ordem: • A—:Código; • B—: Pregão (Empresa); • C—:Ação; • D—:Abert.; • E—:Min.; • F—:Máx.; • G—:Med.; • H—:Fech.;
  • 137. MANUEL MEIRELES $ • I—:Oferta Compra; • J—:Oferta Venda; • K—:Negs Realizados; • L—:Qtde Títulos; Depois destas colunas reserve mais duas: uma para a coluna M (MF$) e outra para para a coluna N (INDAÇ). Após isso coloque as colunas referentes ao oscilador SMI. • O—:PP (pressão do pregão) • P—:SMI (Stress Market Index) • Q—:$ (sinal) A construção da planilha é feita como mostra a figura 7.6. Muitas das colunas mostradas acima estão ocultas —na medida em que apenas contêm valores. Para a construção do indicador são relevantes as colunas apresentadas na figura citada. De qualquer forma o conteúdo de todas as colunas é o seguinte: Planilha 6: SMI (Algoritmo) H FEC 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 I OC 2,15 2,19 2,21 2,30 2,29 2,30 2,28 2,35 2,33 2,36 2,38 2,35 2,01 2,20 2,00 2,20 2,16 2,19 2,10 2,20 2,15 ·2,21 J OV 2,23 2,24 2,30 2,30 2,40 2,40 2,35 2,35 2,20 2,19 2,20 O PP (H4-I4)/ (J4-I4+0,0001) repete repete repete repete repete repete repete repete repete repete P SMI Q $ MÉDIA(O4:O8) SE(P80,5; ; $) repete repete repete repete repete repete repete repete repete repete repete repete Figura 7.6 Coluna A: Código da empresa. É importado via Internet. Recomendo que tenha esta coluna pois ajuda a perceber erros. Você se surpreenderá com o número de vezes que copiou ação indevida. • Coluna B: Pregão: Inicialmente é importada com o nome da empresa. Delete o nome e introduza a data do pregão. • Coluna C: Ação. É o tipo da ação, uma informação importada também via Internet. Embora você saiba qual é o tipo (PN ou ON) este campo pode trazer informações adicionais referentes à ocorrência de proventos.
  • 138. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO ACOMPANHAR AÇÕES PELO SMI $! • Colunas D, E, F, G, H: São os preços que a ação atingiu no pregão: abertura, mínimo, máximo, médio e fechamento. • Coluna I: Oferta de Compra. Contém o valor da Oferta de Compra (OC) registrada. Caso não conste da listagem a Oferta de Compra considere como indicado abaixo. • Coluna J: Oferta de Venda. Contém o valor da Oferta de Venda (OV) registrada. Caso não conste da listagem a Oferta de Venda considere como indicado abaixo. • Coluna K: Negócios realizados. • Coluna L: Quantidade de títulos. • Coluna M: Valor da sua moeda forte (MF$) referente à data do pregão. • Coluna N: INDAÇ da ação. Veja que para as colunas M e N deve ver o que foi considerado no capítulo 4. • Coluna O: PP (pressão do pregão). Veja a figura 7.6 a fórmula a usar. Repita depois continuamente essa fórmula. • Coluna P: SMI (Stress Market Index). É uma média móvel simples dos cinco últimos valores da pressão do pregão. • Coluna Q: $ (sinal). Veja na figura 7.6 a fórmula a usar. Preste atenção que os valores correspondentes às ofertas de compra e de venda devem constar obrigatoriamente da planilha. Ocorre, entretanto, que muitas vezes, no fechamento do pregão, pode não haver oferta para compra ou venda da ação. Assim, considere o seguinte: q se na listagem não aparece o valor correspondente a OC: toma-se como valor da OC o preço de Fechamento ou da OC anterior - o menor dos dois. q se na listagem não aparece a OV: toma-se como valor da OV o preço do Fechamento ou da OV anterior- o menor dos dois. Para indicar que tais valores foram estimados, use tipo negrito na célula. Cabe observar que acompanhar uma ação através de um método significa exatamente operar de acordo com o que preconiza tal método. Muitas vezes você verá que não tem ação alguma para adquirir. fique fora do mercado. Aproveite a lista abaixo
  • 139. MANUEL MEIRELES $ COMO ACOMPANHAR AÇÕES PELO SMI para se exercitar: verifique se determinaria corretamente os momentos de compra ou de venda. Observe, também, que o sistema não acerta todas. F ech OC OV PP SMI Operacionaliz ação 1,77 1,74 1,78 0,75 1,75 1,70 1,62 1,75 1,62 1,60 1,76 0,00 1,70 1,00 1,62 1,00 1,55 1,55 1,53 1,54 1,55 1,00 1,56 0,50 0,75 0,70 1,52 1,53 1,50 1,51 1,53 1,49 1,52 0,99 1,54 0,00 1,51 0,50 0,90 0,70 0,60 1,50 1,50 1,51 0,00 0,40 $ 1,49 1,54 1,56 1,49 1,50 1,55 1,50 0,00 1,54 1,00 1,57 0,50 0,30 0,30 0,40 $ $ $ 1,57 1,56 1,57 1,56 1,56 1,55 1,56 1,55 1,57 1,57 1,57 1,56 0,99 0,50 0,99 0,99 0,50 0,60 0,79 0,79 $ 1,52 1,52 1,55 1,61 1,51 1,51 1,55 1,61 1,53 1,53 1,56 1,63 0,50 0,50 0,00 0,00 0,79 0,69 0,60 0,40 1,55 1,72 1,72 1,60 1,60 1,60 1,61 1,60 1,61 1,61 1,61 1,69 1,72 1,75 1,77 1,74 1,75 1,81 1,75 1,55 1,70 1,70 1,60 1,59 1,59 1,58 1,59 1,60 1,60 1,61 1,68 1,70 1,75 1,76 1,73 1,74 1,81 1,74 1,56 1,72 1,72 1,61 1,63 1,63 1,61 1,63 1,61 1,64 1,61 1,69 1,72 1,76 1,77 1,75 1,75 1,82 1,75 0,00 1,00 1,00 0,00 0,25 0,25 1,00 0,25 0,99 0,25 0,00 0,99 1,00 0,00 0,99 0,50 0,99 0,00 0,99 0,20 0,30 0,40 0,40 0,45 0,50 0,50 0,35 0,55 0,55 0,50 0,50 0,64 0,45 0,60 0,69 0,69 0,50 0,69 compra 1,49 venda 1,57 $ $ $ $ $ $ $ $ $ compra 1,55 venda $ $ 1,61 compra 1,69 $ venda 1,74 $ compra 1,75
  • 140. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO ACOMPANHAR AÇÕES PELO SMI 1,85 1,83 1,86 0,66 0,63 1,88 1,86 1,88 1,00 0,73 1,86 1,82 1,77 1,85 1,80 1,76 1,86 0,99 1,82 1,00 1,77 0,99 0,73 0,93 0,93 1,74 1,74 1,73 1,72 1,74 0,99 1,74 1,00 0,99 0,99 1,74 1,70 1,62 1,73 1,69 1,61 1,75 0,50 1,70 0,99 1,62 0,99 0,89 0,89 0,89 1,57 1,56 1,57 0,99 0,89 1,53 1,57 1,51 1,53 1,56 1,51 1,54 0,00 1,57 0,99 1,52 0,00 0,69 0,79 0,59 1,45 1,41 1,48 1,38 1,43 1,41 1,48 1,38 1,45 1,42 1,50 1,40 1,00 0,00 0,00 0,00 0,60 0,40 0,40 0,20 $ $ $ 1,46 1,55 1,55 1,47 1,46 1,53 1,55 1,47 1,48 1,55 1,56 1,48 0,00 1,00 0,00 0,00 0,20 0,20 0,20 0,20 $ $ $ $ 1,43 1,45 1,51 1,52 1,57 1,52 1,62 1,65 1,63 1,59 1,64 1,61 1,59 1,59 1,59 1,58 1,58 1,62 1,61 1,43 1,43 1,51 1,51 1,55 1,52 1,61 1,64 1,63 1,59 1,64 1,60 1,58 1,59 1,58 1,57 1,57 1,62 1,60 1,44 1,45 1,52 1,51 1,58 1,53 1,62 1,65 1,64 1,61 1,65 1,61 1,59 1,61 1,59 1,58 1,59 1,63 1,61 0,00 1,00 0,00 100,00 0,66 0,00 0,99 0,99 0,00 0,00 0,00 0,99 0,99 0,00 0,99 0,99 0,50 0,00 0,99 0,20 0,40 0,20 20,20 20,33 20,33 20,33 20,53 0,53 0,40 0,40 0,40 0,40 0,40 0,59 0,79 0,69 0,50 0,69 $ $ $ venda compra 1,48 venda $ $ $ $ $ 1,86 1,57 compra 1,64 venda 1,58 $ compra 1,61 $#
  • 141. MANUEL MEIRELES $$ COMO ACOMPANHAR AÇÕES PELO SMI 1,61 1,60 1,59 1,60 1,60 1,57 1,61 0,99 1,61 0,00 1,59 1,00 0,69 0,50 0,50 $ $ compra 1,61 1,55 1,55 1,57 0,00 0,40 $ 1,63 1,61 1,65 1,80 1,78 1,77 1,74 1,61 1,61 1,63 1,80 1,78 1,77 1,74 1,63 1,63 1,65 1,82 1,79 1,79 1,75 1,00 0,00 1,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,60 0,40 0,60 0,40 0,40 0,20 0,20 1,77 1,77 1,74 1,78 1,77 1,76 1,74 1,77 1,78 1,77 1,76 1,79 0,00 0,99 0,00 0,50 0,00 0,20 0,20 0,30 $ $ $ $ 1,83 1,83 1,80 1,77 1,80 1,79 1,77 1,75 1,80 1,77 1,78 1,77 1,79 1,80 1,76 1,77 1,76 1,76 1,80 1,78 1,80 1,78 1,78 1,79 1,79 1,79 1,78 1,83 1,79 1,78 1,76 1,80 1,79 1,77 1,75 1,77 1,77 1,77 1,77 1,78 1,79 1,76 1,75 1,76 1,75 1,78 1,77 1,77 1,75 1,78 1,77 1,78 1,79 1,77 1,85 1,82 1,80 1,77 1,81 1,80 1,78 1,77 1,80 1,78 1,78 1,78 1,80 1,80 1,78 1,78 1,77 1,76 1,80 1,78 1,80 1,77 1,79 1,79 1,79 1,80 1,78 0,00 1,33 1,00 0,99 0,00 0,00 0,00 0,00 1,00 0,00 0,99 0,00 0,50 0,99 0,00 0,66 0,00 0,99 1,00 0,99 1,00 1,49 0,00 0,50 0,99 0,00 0,99 0,30 0,56 0,56 0,76 0,66 0,66 0,40 0,20 0,20 0,20 0,40 0,40 0,50 0,50 0,50 0,43 0,43 0,53 0,53 0,73 0,79 1,09 0,89 0,30 0,89 0,70 0,40 $ $ venda 1,61 compra 1,65 $ $ $ $ venda $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ 1,80 compra 1,75 venda 1,80 $ $ compra 1,78
  • 142. A arte de operar na Bols@ pela Internet COMO ACOMPANHAR AÇÕES PELO SMI 1,77 1,77 1,79 0,00 0,40 $ 1,78 1,77 1,78 0,99 0,40 $ 1,78 1,76 1,72 1,73 1,77 1,78 1,78 1,77 1,76 1,72 1,71 1,77 1,77 1,77 1,78 1,78 1,72 1,74 1,79 1,78 1,78 0,99 0,00 0,00 0,66 0,00 0,99 0,99 0,59 0,59 0,40 0,53 0,40 0,40 0,59 1,76 1,72 1,73 1,78 1,76 1,72 1,71 1,76 1,78 1,72 1,74 1,78 0,00 0,00 0,66 1,00 0,59 0,40 0,53 0,53 1,83 1,89 1,84 1,87 1,89 1,91 1,97 1,94 1,93 1,89 1,87 1,90 1,93 1,91 1,89 1,85 1,88 1,87 1,82 1,84 1,84 1,86 1,87 1,90 1,97 1,90 1,92 1,87 1,87 1,90 1,91 1,89 1,85 1,85 1,87 1,85 1,84 1,89 1,86 1,87 1,89 1,91 1,98 1,94 1,93 1,89 1,88 1,95 1,93 1,91 1,89 1,87 1,90 1,87 0,50 1,00 0,00 0,99 1,00 0,99 0,00 1,00 0,99 1,00 0,00 0,00 1,00 1,00 1,00 0,00 0,33 1,00 0,43 0,63 0,63 0,70 0,70 0,79 0,60 0,79 0,79 0,79 0,60 0,60 0,60 0,40 0,60 0,60 0,46 0,66 $ 1,85 1,84 1,83 1,79 1,76 1,77 1,80 1,80 1,80 1,76 1,85 1,83 1,82 1,79 1,75 1,77 1,78 1,77 1,78 1,76 1,87 1,85 1,84 1,80 1,80 1,79 1,82 1,81 1,79 1,77 0,00 0,50 0,50 0,00 0,20 0,00 0,50 0,75 1,98 0,00 0,46 0,36 0,46 0,40 0,24 0,24 0,24 0,29 0,69 0,65 $ $ $ $ $ $ $ $ venda 1,76 $ compra 1,73 $ $ venda 1,76 $ compra 1,73 venda 1,84 $ compra 1,91 $ venda 1,88 compra 1,87 venda 1,76 $%
  • 143. MANUEL MEIRELES $ COMO ACOMPANHAR AÇÕES PELO SMI 1,70 1,67 1,70 1,00 0,84 1,69 1,72 1,69 1,72 1,70 0,00 1,72 0,00 0,75 0,60
  • 144. A arte de operar na Bols@ pela Internet OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES % COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 4 CAPÍTULO 8
  • 145. A arte de operar na Bols@ pela Internet OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES %! Mais técnicas para selecionar ações As técnicas para selecionar as empresas que devem ter suas ações acompanhadas atentamente pelo investidor são dados, principalmente, pela Escola Fundamentalista. cujo fundamento repousa na tese de que existe uma correlação lógica entre o valor intrínseco de uma ação e seu preço de mercado. Os investidores fundamentalistas, acompanham as empresas que possuem as melhores previsões de lucros futuros, e procuram localizar no mercado as que, tendo boas perspectivas, tenham cotações baixas à luz dos resultados esperados. São seguros os métodos que os investidores usam? No meu entender todos os métodos — incluindo o KM e o SMI — são tão seguros quanto os métodos de previsão do tempo. Previsões são previsões; só a realidade poderá mostrar, com o passar do tempo, se tais previsões estavam certas ou não. Mas, indiscutivelmente, costumam ser melhores do que investir sem qualquer orientação. Eis alguns dos métodos: 1. Índice Preço-Lucro-PL; 2. Cash-yield; 3. Cotação / Valor patrimonial; 4. Análise Estrutural da Indústria; 5. Índice Sharpe; 6. Capital Asset Pricing Model (CAPM) e 7. Indicador KM (já apresentado no capítulo 6). Veja os princípios nos quais tais métodos se fundamentam. 1.—PL: Índice Preço / Lucro O PL, decorre da divisão entre o preço de mercado de um
  • 146. MANUEL MEIRELES % OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES determinado papel, em certo momento, pelo lucro líquido anualizado1 da ação. O método consiste em dividir o lucro líquido por ação, obtido em um dado balanço, e dividi-lo pelo preço da ação. Para que o cálculo seja mais preciso, é conveniente que os valores sejam em moeda forte. Exemplo: Num Relatório Financeiro da Copesul, podemos ver na Demonstração do Resultado, que o lucro líquido por lote de 1000 ações foi de $5,98. Considerando a mesma data de fechamento desse relatório, a nossa moeda forte MF$ valia $1,0386. Portanto, podemos dizer que o lucro líquido da Copesul, por lote de 1000 ações, $5,98/1,0386= MF$5,7578. Em uma altura posterior, observou-se que o lote de 1000 ações da Copesul ON (CPS3) era negociado ao preço médio de $39,03. Nesta data a MF$l valia 1,0730 Desta forma, o lote de 1000 ações da Copesul custava $39,03/1,0730= $36,3747. Temos os dois valores, lucro líquido e preço de custo médio da ação, na mesma moeda forte. Podemos agora calcular o P/L da ação: PL= Preço / Lucro PL = $36,3747/$5,7578 PL = 6,3175 anos. Teoricamente, o PL indica em quantos anos o Lucro Líquido - permanecendo no mesmo nível - pagaria a ação que estamos adquirindo. No caso, só ao fim de 6,375 anos a Copesul pagaria o nosso lote de 1000 ações, se o adquirirmos ao preço médio de MF$36,3747 - desde que continue a dar um lucro líquido de MF$5,7578 por lote de 1000 ações nos próximos anos - tal como deu referente ao ano passado. Por este método deve-se escolher as ações das empresas com o PL menor, isto é: cujo retorno ocorre mais rapidamente. Observe-se, contudo que um Lucro Líquido anual de MF$5,7578 1 Anual ou anualizado por alguma técnica adequada. Você pode usar um deflator como o IGP-M ou algo equivalente, como a MF$.
  • 147. A arte de operar na Bols@ pela Internet OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES %# para um investimento de MF$36,3747 representa uma rentabilidade de 15,83%. Isto deve ser tomado em conta quando se considera outras alternativas de investimento. Cabe também notar que neste método falamos de Lucro Líquido e não de Dividendos distribuídos ao investidor. Já tive a oportunidade de lhe mostrar — com o exemplo da Batatix SA — que mesmo que a empresa não distribua dividendos o valor patrimonial da ação aumenta2 , afetando o preço da ação na Bolsa. 2.— Cash-yield O cash-yield é a relação do dividendo anualizado pelo preço de mercado da ação. É semelhante ao PL, em termos de cálculo, mas baseia-se num conceito diferente: o que importa não é o lucro apurado, mas o dividendo distribuído. Embora seja um dos indicadores mais usados pelos investidores tradicionais, o método, como se vê, é incoerente, pois não leva em conta que o lucro retido também é um ganho do acionista, e que este ganho acaba por se expressar através da elevação do preço da ação no mercado. Mas, o conceito que está por detrás dele é a sobrevivência do investidor típico, aquele que vive dos dividendos das ações que possui. Neste sentido, não lhe interessa ser acionista de empresas altamente rentáveis mas pouco voltadas para os seus interesses. O pressuposto deste método é o seguinte: o investidor deve adquirir e manter no seu portfólio3 ações cujos dividendos anuais representem pelo menos 6% do custo da ação. Para comprar hoje uma ação, o investidor deve observar se os dividendos distribuídos correspondem a pelo menos 6% do valor dela; para manter a ação em carteira, o investidor deve observar se os dividendos distribuídos correspondem a pelo menos 6% do valor pelo qual a ação foi comprada — não interessa quando. Por exemplo: um investidor observa que uma ação ABC, tem o preço de mercado (custa) MF$100,00 e recebeu, no 2 Pelo valor dos dividendos retidos. 3 Carteira de ações ou de títulos.
  • 148. MANUEL MEIRELES %$ OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES último exercício, MF$12,00 de dividendos. Ótimo: o cash-yield desta ação é de MF$12,00 / MF$100,00= 12,00%. É um bom cash-yield. O investidor compra, portanto a ação. No ano seguinte a ação sobe, no mercado, para MF$300,00 e os dividendos distribuídos são de MF$13,00. Para o nosso investidor que adquiriu a ação ABC a MF$100,00, os MF$13,00 recebidos a título de dividendos, correspondem a uma remuneração de 13,00% do capital investido. Ótimo, para quem se contenta com 6%. Portanto, nosso investidor, feliz, mantém a ação ABC em sua carteira. Agora vejamos um outro investidor que pretende usar este método para selecionar suas ações e que não tem a ABC na sua carteira. Ele observa que a ação ABC tem um preço de MF$300,00 no mercado, mas distribuiu dividendos de apenas MF$13,00. Calculando o cash-yield ele obtém o valor de: Cash-yieldABC= MF$13,00 / MF$300,00 Cash-yieldABC=0,0433 ou 4,33% Como o cash-yield não é pelo menos de 6%, este nosso investidor não adquire a ação ABC. Se uma empresa remunera seus acionistas durante o ano, diversas vezes, por meio de distribuição de juros ou antecipando dividendos, é necessário calcular o valor total recebido pelo acionista. Tais valores devem estar, obviamente deflacionados. Por este método selecionam-se, inicialmente, as ações com maior cash-yield que superem um determinado valor — normalmente considerado de 6%. Nos anos subsequentes, tira-se da carteira qualquer ação cujos dividendos recebidos não representem pelo menos 6% do valor efetivamente pago pela ação, e coloca-se, em troca, uma que possua o cash-yield igual ou superior a 6%. A revista Investidor Profissional publica nas suas edições os cash-yields das empresas que analisa. Olhando a lista, você ficará abismado com a quantidade de empresas com cash-yields nulos ou muito baixos. Mas preste atenção: ter um cash-yield baixo pode não ser um demérito da administração da empresa — mas uma decorrência das forças de mercado. No exemplo da empresa ABC, apresentado acima, a administração obteve lucros — tanto que distribuiu num ano MF$12,00 e no ano seguinte MF$13,00. E tão boas eram as expectativas dos investidores
  • 149. A arte de operar na Bols@ pela Internet OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES %% que a ação, no mercado, passou de $100,00 para $300,00. Ocorre que, para a técnica do cash-yield, a ação passa a não ser boa: seu preço de mercado está muito alto. Os investidores — aqueles que administram capitais objetivando dividendos — como os administradores de grandes fundos, precisam continuamente de ampliar sua carteira. Num mercado que tenha subido persistentemente, é possível que os investidores não encontrem ação comprável — ação que, pelo menos, ofereça 6% de dividendos a cada ano. O que é que você imagina que ocorre? O que é que você faria se tivesse o problema deles: dinheiro na mão e mercado sem ações compráveis? Se respondeu, — derrubaria a Bolsa, respondeu muito bem. E provocar uma queda na Bolsa, para um investidor ou um conjunto de investidores de porte não é nada difícil: compram meia dúzia de ABC a MF$300,00 e vendem por MF$280;00; depois recompram a MF$280,00 e vendem a MF$260,00. O pânico dos especuladores instala-se e a ação acaba por atingir o valor que possuia há um ano: MF$100,00. Nesta altura — quando todo mundo lamenta a crise na Bolsa — eles, investidores, felizes, compram de baciada. A ABC incorpora agora as suas carteiras, prometendo dividendos em níveis excelentes: MF$13,00 / MF$100,00 = 13,00%. Como você pode ver, o termo crise na Bolsa é sempre um termo relativo. Você, se tiver paciência, pode construir um indicador especial que lhe mostrará a tendência da Bolsa. Pegue na carteira teórica do Ibovespa, onde cada ação tem um certo peso (Qtde), e multiplique o peso de cada ação pelo cash-yield (CY) atualizado. Faça a somatória tanto da quantidade das ações (Qtde) quanto dos resultados dos produtos (Qtde*CY). Dividindo a somatória dos produtos Qtde*CY pela somatória das Qtdes, você tem um precioso indicador do cash-yield médio do mercado. Este valor é preditivo do comportamento geral do mercado: quanto mais alto o valor melhor para a estabilidade do mercado. Isso significa que os investidores possuem ações compráveis; se o indicador estiver baixo, é possível que o mercado venha a ser derrubado. Se você pesquisar as grandes crises nas Bolsas, vai perceber que nada mais ocorreu do que um ajuste de cash-yield. Em agosto de 98, o cash-yield Ibovespa era inferior a 2,8% — com empresas de porte oferecendo cash-yields nulos ou próximos disso. Para voltar a um patamar de cash-yield considerado mínimo (de 6%), os preços das ações precisavam cair cerca de 53% [100- (2,8%/
  • 150. MANUEL MEIRELES % OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES 0,06) =53,3]. E foi o que ocorreu: no pregão de 11 de setembro de 1998, os indicadores da evolução dos fechamentos, da Bovespa, oferecia o seguinte quadro: Periódo Variação Na semana No mês -7,5% -16,5% No ano -47,0% Há uma semana Há um mês Há um ano -7,5% -38,6% -51,% Máximo no ano (15/4) Mínimo no ano (10/9) 12299 4760 O pregão de 10 de setembro de 1998, foi realmente atípico: por volta das onze horas a desvalorização já tinha atingido 10% e o circuit breaker — uma espécie de limitador de insensatez — foi acionado pela primeira vez. No final da tarde foi acionado novamente. Os tolos, como vê, estavam agindo. Mas, o pior, eram as justificativas apresentadas para a histeria dos especuladores: a tentativa dos investidores estrangeiros em vender suas ações, a qualquer preço foi apontada como uma das principais causas da queda de 15,82% que a Bolsa de Valores de São Paulo registrou nesta data. Os investidores estavam conscientemente fazendo o seu trabalho de colocar a Bolsa no seu devido lugar, mas levavam a culpa da atuação insensata dos especuladores. 3.—Cotação / Valor Patrimonial Este indicador representa o quociente entre o preço de mercado da ação e o valor patrimonial da mesma. O preço do mercado, é o preço médio da ação negociada na data em que estamos procedendo à análise - representa o preço mais provável que deveremos pagar por tal ação se decidirmos adquiri-la. O valor patrimonial da ação, é o resultado da divisão do patrimônio líquido pelo número total de ações. O Patrimônio Líquido reflete todo o Ativo da empresa menos o que ela deve. Portan-
  • 151. A arte de operar na Bols@ pela Internet OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES %' to, o valor patrimonial de uma ação expressa, teoricamente, o quanto o acionista receberia se a empresa fosse liquidada em determinada data. A revista Investidor Profissional publica, também semanalmente, uma relação de Cotação/Valor Patrimonial. Mas, você pode facilmente calcular este indicador, servindo-se dos Balanços das empresas. Lá você encontra o número de ações que a empresa possui e o Patrimônio Líquido da Empresa. Por exemplo, em 30/9/99, a Perdigão SA tinha um Patrimônio Líquido (PL) de $493709000, e um total de 222544717996 ações. Dividindo-se o PL pelo número de ações, obtém-se o valor de $2,22 por lote de mil ações. Este era o Valor Patrimonial de cada ação. Nessa mesma data as ações estavam sendo negociadas, ou seja, eram cotadas, a $2,67 por lote de mil. O indicador Cotação / Valor Patrimonial nada mais é do que, no exemplo, a divisão de $2,67 por $2,22 — o que resulta em 1,20. O que significa isto? Que no mercado acionário a ação da Perdigão pode ser comprada por 20% acima do seu valor patrimonial. Este indicador é apenas orientativo, não tendo uma aplicabilidade maior, embora seu pressuposto seja de que o investidor deva escolher as ações das empresas com a menor relação Preço/Patrimônio Líquido. O equívoco deste método é considerar que o PL expressa o real patrimônio de uma empresa — o que está distante de ser verdade. 4.—Análise Estrutural da Indústria Estamos vendo alguns métodos que se destinam a apontar as melhores ações — ou, falando de outra forma — que se destinam a predizer quais empresas tenderão a gerar mais lucros. Isso mesmo: lucros. O que nos interessa é antever empresas potencialmente lucrativas. O indicador KM, o índice PreçoLucro, o cash-yield e a relação Cotação/Valor Patrimonial, são métodos relativamente fáceis — principalmente se comparados ao modelo CAPM. O método que você vai ver nesta seção, é um método que não costuma ser listado como método típico das Escola
  • 152. MANUEL MEIRELES OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES Fundamentalista — até porque não foi desenvolvido para tal — mas cumpre facilmente o objetivo que se pretende alcançar. E é um método que tem a vantagem de ser relativamente simples de aplicar. O que é que você quer saber como investidor? Quer saber de bons negócios, não é verdade? Bons negócios devem gerar bons lucros e, por conseguinte, bons dividendos. Então, porque não considerar o método da Análise Estrutural da Indústria, idealizado por Porter? Veja como você pode, então, usar Porter para selecionar as empresas de uma indústria rentável. Michael Porter4 identificou seis fatores determinantes, cuja atuação, em conjunto, resulta em uma mesma base para o nível de lucratividade (baixa, média ou alta) das empresas no negócio. Um negócio ideal é aquele que apresenta: altas barreiras para a entrada; inexistência de barreiras para a saída; pequeno grau de rivalidade; inexistência de produtos substitutos; maior poder de negociação que os clientes e maior poder de negociação que os fornecedores. À análise para verificar a qualidade de um negócio, Porter deu o nome de Análise Estrutural da Indústria. Portanto, Análise Estrutural da Indústria é um procedimento destinado a diagnosticar a qualidade de um negócio, com base em seis fatores determinantes que mensuram os componentes de sucesso e de insucesso de um negócio de uma empresa e dos seus concorrentes. Para se fazer cuidadosamente uma Análise Estrutural do negócio deve-se avaliar os possíveis componentes de cada um dos seis determinantes do sucesso (ou insucesso) do negócio5 4 Porter é, reconhecidamente, o mais importante teórico de estratégia no mundo. Editou, em 1980, o primeiro livro notável com desenvolvimento de conceitos próprios de estratégia: Estratégia Competitiva, pela editora Campus. Em 1990 editou Vantagem Competitiva das Nações , pela mesma editora. Nesta obra ampliou os conceitos de estratégia para problemas macro-econômicos. Porter, no livro Vantagem competitiva das nações propôs que os países fossem classificados de acordo com as vantagens competitivas que suas empresas têm . 5 Indispensável a leitura das revistas Mercado de Capitais, da Abamec, e Informe Financeiro, da Adinvest, com as suas análises setoriais. Você também pode encontrar preciosas informações nos relatórios de Análise Setorial da Gazeta Mercantil, contendo estudos completos dos mais destacados setores da economia.
  • 153. A arte de operar na Bols@ pela Internet OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES indicados por Porter. Um bom negócio possibilita que todas as empresas que estejam nele sejam bem sucedidas. Existe uma tendência para que todas as empresas de um negócio tenham o mesmo nível de sucesso. Todas as cervejarias de um país, todas as franquias de fast-food, todas as editoras de livros, etc. têm lucratividade semelhante entre si. Isso indica que existem determinantes para o sucesso (ou insucesso) que são comuns a todas as empresas do negócio ou ramo industrial. Eles afetam simultaneamente todas as empresas de um mesmo negócio. Se unirmos os dois primeiros fatores - que se referem a barreiras - e os dois últimos - que se referem a poder de negociação - temos quatro básicos fatores determinantes do sucesso de um negócio: 1. altas barreiras para a entrada e inexistência de barreiras para a saída; 2. pequeno grau de rivalidade; 3. inexistência de produtos substitutos; 4. maior poder de negociação que os clientes e maior poder de negociação que os fornecedores Veja cada um destes quatro conceitos separadamente: I—Barreiras: Barreiras são dificuldades para o ingresso ou saída de empresas de uma determinada indústria. A existência de barreiras para a entrada dificultam o surgimento de novos competidores para dividir o mercado. A inexistência de barreiras para a saída, especialmente nos momentos de crise, facilitam o fechamento de empresas, deixando as remanescentes com a maior fatia do mercado. O fechamento de um concorrente, facilita a sobrevivência e o sucesso das empresas que resistiram às dificuldades do mercado. As barreiras de entrada têm uma importância alternativa em relação às de saída, já que as primeiras são mais importantes num mercado em crescimento e, as últimas, são decisivas num mercado em crise. Constituem barreiras de entrada, em especial:
  • 154. MANUEL MEIRELES OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES A) tamanho mínimo do empreendimento: quanto maior for o volume de capital para iniciar um negócio típico, maior é barreira. Uma indústria química tem um tamanho mínimo de empreendimento maior do que uma papelaria; B) sofisticação tecnológica: quanto maior o grau de tecnologia que o negócio requer (tanto em máquinas quanto em pessoal), maior é a barreira. Uma indústria química tem uma sofisticação tecnológica maior do que uma sapataria; C) complexidade da distribuição: quanto maior for a complexidade da distribuição do produto ou do serviço, maior é a barreira. Distribuir medicamentos é mais complexo do que distribuir sapatos; D) fontes de insumos: quanto maior for a complexidade para a obtenção de insumos, maior é a barreira. Os insumos químicos são mais difíceis de obter do que insumos para uma padaria; E) normas governamentais: quanto mais exigentes ou abundantes forem as normas governamentais pertinentes ao negócio, maiores são as barreiras. As normas governamentais de uma industria química são mais complexas que as normas que regem uma sorveteria. São típicas barreiras de saída: F) número de concorrentes no mercado: quanto menor o número de concorrentes maior é a barreira à saída da empresa (ela tenta resistir, pois se um outro concorrente sair a fatia de mercado crescerá substancialmente para ela); G) recuperação de investimentos: quanto menor for a possibilidade de se recuperar o que foi investido, maior é a barreira de saída; H) restrições legais e sociais: quanto maiores e mais complexas forem as restrições legais para uma empresa encerrar suas atividades, maior é a barreira de saída. Uma faculdade tem muitas restrições ao seu fechamento. II—Rivalidade: É mais difícil ter sucesso quando os concorrentes disputam palmo a palmo sua posição no mercado atual e futuro. Para
  • 155. A arte de operar na Bols@ pela Internet OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES ! Zaccarelli (1996), o grau de rivalidade é determinado, principalmente, pelas características da indústria, e, em menor grau, pela personalidade dos executivos: a rivalidade praticamente não envolve fatores pessoais dos executivos que comandam as organizações. São os seguintes os fatores impessoais da rivalidade entre as empresas: I) concorrentes todos equilibrados: quanto mais equilibrados em porte e em faturamento forem os concorrentes, maior é o grau de rivalidade entre as empresas; J) taxa de crescimento do negócio: quanto menor for a taxa de crescimento do negócio, maior é a rivalidade. A rivalidade entre os provedores da Internet não será muita se a adesão à rede se ampliar a taxas significativamente elevadas; K) custos fixos elevados: a rivalidade é alta se os custo fixos, em relação aos custos variáveis, forem altos. É preciso lutar por vendas para gerar uma boa receita para pagar os custos fixos; L) excesso crônico de capacidade instalada: a rivalidade é maior entre as empresas se houver capacidade instalada superior à demandada. Se todas as empresas do setor estiverem sem capacidade ociosa, não buscarão novos clientes — que não poderão atender; M) módulo de acréscimo da capacidade: é maior a rivalidade entre as empresas se a ampliação do negócio requerer pequenos módulos. O módulo de crescimento de uma siderúrgica é um alto-forno — algo dispendioso; para uma faculdade o módulo de crescimento é de uma ou duas salas, capazes de acomodar mais uma ou duas turmas. III–Produtos/Serviços Substitutos: O negócio ideal não possui produtos/serviços substitutos, que diminuem o tamanho e a natureza do mercado, dando outras opções aos clientes. Um bom produto/serviço substituto pode significar a extinção de todas as empresas, que não se adaptarem no devido prazo. A esferográfica substituiu a caneta; o computador substituiu as máquinas de escrever; os softwares CAD estão substituindo as pranchetas e as réguas T.
  • 156. MANUEL MEIRELES OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES Quanto menor for o grau de substituíbilidade do produto ou do serviço, melhor é para a indústria. Quanto à substituíbilidade deve-se considerar, pelo menos: N) preço / benefício relativos: quanto melhor for esta relação, para o produto substituto, maior é o grau de substituíbilidade. O gás encanado tem um preço menor do que o gás em botijão — oferecendo o mesmo benefício; O) custo da mudança: os consumidores que fazem uso de gás em botijão pensarão no custo que significa mudar para o gás encanado — o que exigirá algum custo inicial. Quanto menor o custo da mudança, maior é o grau de substituíbilidade; P) confiabilidade do substituto: o gás encanado é tão confiável quanto o em botijão — mas se o serviço de distribuição de gás encanado apresentasse problemas crônicos a substituíbilidade seria reduzida. Quanto maior for a confiabilidade do produto substituto maior é o grau de substituíbilidade. IV—Poder de Negociação: Um maior poder de negociação que os clientes, resulta em bons preços de venda; um maior poder de negociação que os fornecedores, resulta em bons preços de compra. Se as empresas de uma indústria não tiverem maior poder de negociação na cadeia de suprimentos, o lucro que poderiam gerar por sua atividade vai ser transferido para os clientes ou para os fornecedores, ou para ambos. Aumentam o poder de negociação da empresa: Q) ter alternativas de fornecedores dos seus insumos. Poucas alternativas indicam pouco poder de negociação; R) operar com volumes relativamente elevados. Volumes elevados aumentam o poder de negociação; S) ter custos de estocagem reduzidos. Custos reduzidos de estoques elevam o poder de negociação; T) lidar com produtos não perecíveis — ou que não perdem rapidamente a validade após a fabricação aumenta o poder de negociação; U) ter muitos clientes — especialmente consumidores finais — aumenta o poder de negociação.
  • 157. A arte de operar na Bols@ pela Internet # OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES Avaliação da Qualidade do negócio6 Você pode fazer a análise da qualidade de qualquer indústria, ou de qualquer setor, tendo presente os conceitos acima listados. A ténica consiste em avaliar a qualidade de diversas indústrias e adquirir ações de empresas pertencentes a tais indústrias. Para cada indústria analisada, você precisa estabelecer uma nota quanto aos quesitos : barreiras, rivalidade, substituíbilidade dos produtos e poder de negociação. Barreiras de Entrada L ucro s A ltas B aixas B aixas baix os e c ons tantes altos e c ons tantes Barreiras de saída A ltas altos e inc ontantes baix os e inc ons tantes Os lucros da indústria estão muito associados ao composto das barreiras de entrada e de saída. Segundo Porter, empresas com altas barreiras de entrada e baixas barreiras de saída tendem a produzir lucros altos e constantes. Para você fazer uma avaliação das barreiras de entrada e de saída, oriente-se pelo quadro abaixo: Análise Estrutrural da Industria Quesito ou Critério 0 1 2 3 4 5 (Barreiras de entrada e de saída) A:Tamanho mínimo do empreendimento 4 entrada Barreiras de B:Sofisticação tecnológica 5 C:Complexidade da distribuição do produto 4 D:Dificuldade na obtenção de insumos E:Complexidade das normas governamentais 3 9 5 6 de saída Barreiras F:Quantidade de concorrentes no mercado 21 3 G:Possibilidade de recuperação dos investimentos H:Restrições legais e sociais para fechamento Pontos Indústria analisada: 4 1 8 Para um melhor estudo do assunto ver: ZACCARELLI, Sérgio B. Estratégia moderna nas empresas. São Paulo: Zarco, 1996..
  • 158. MANUEL MEIRELES $ OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES Faça depois uma análise dos demais quesitos, como mostra o quadro seguinte. Observe muito bem a pontuação que atribui a cada quesito. Oriente-se pelo texto acima, para que a atribuição seja correta. 0 1 2 3 4 5 negociação) I:Grau de equilíbrio dos concorrentes 4 Rivalidade J:Taxa de crescimento do negócio 3 K:Relação custos fixos/ custos variáveis 5 L:Relação capacidades ociosa / instalada 3 M:Tamanho do módulo de acréscimo 4 bilidade Substitui- N:Relação preço / benefício O:Custo da mudança 5 5 Q: Alternativa de fornecedores 13 4 R: Volume elevado de compras Poder de 19 3 P:Confiabilidade do substituto negociação Pontos Quesito ou Critério (Rivalidade, substituibilidade e poder de 5 S: Custos de estocagem reduzidos 1 T: Produtos não-perecíveis 1 U: Muitos clientes 4 15 Uma vez obtida a pontuação, complete o quadro abaixo. Observe que os pontos obtidos em cada quesito são multiplicados por um fator (peso), mostrando a importância relativa de cada critério de julgamento. Às barreiras de entrada foi dado um peso maior, podendo uma indústria ou um setor totalizar 50 pontos. Análise Estrutural da Indústria Resumo da Pontuação Indústria ou Setor: Pontos Critérios (Qtde.) Pontos Peso atribuídos Barreiras de entrada (5) Barreiras de saída (3) Rivalidade (5) Substituibilidade (3) Poder de negociação (5) 21 8 19 13 15 Total de pontos= ponderados +10 -2 -3 -5 +3 210 -16 -57 -65 45 117 Uma análise estrutural de uma indústria exige que você conheça razoavelmente as características das empresas pertencentes a ela — mas certamente o esforço produzirá bons resultados. Veja o exemplo abaixo.
  • 159. A arte de operar na Bols@ pela Internet % OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES Análise Estrutrural da Industria Quesito ou Critério 0 1 2 3 4 Pontos Indústria analisada: 5 (Barreiras de entrada e de saída) A:Tamanho mínimo do empreendimento 4 entrada Barreiras de B:Sofisticação tecnológica 5 C:Complexidade da distribuição do produto 4 D:Dificuldade na obtenção de insumos E:Complexidade das normas governamentais 3 9 5 de saída Barreiras F:Quantidade de concorrentes no mercado 21 3 G:Possibilidade de recuperação dos investimentos 4 H:Restrições legais e sociais para fechamento 1 8 0 1 2 3 4 5 negociação) I:Grau de equilíbrio dos concorrentes 4 Rivalidade J:Taxa de crescimento do negócio 3 K:Relação custos fixos/ custos variáveis 5 L:Relação capacidades ociosa / instalada 3 M:Tamanho do módulo de acréscimo 4 bilidade Substitui- N:Relação preço / benefício O:Custo da mudança 5 P:Confiabilidade do substituto 5 13 4 R: Volume elevado de compras negociação 19 3 Q: Alternativa de fornecedores Poder de Pontos Quesito ou Critério (Rivalidade, substituibilidade e poder de 5 S: Custos de estocagem reduzidos 1 T: Produtos não-perecíveis 1 U: Muitos clientes 4 Análise Estrutural da Indústria Resumo da Pontuação Indústria ou Setor: Pontos Critérios (Qtde.) Pontos Peso atribuídos Barreiras de entrada (5) Barreiras de saída (3) Rivalidade (5) Substituibilidade (3) Poder de negociação (5) 21 8 19 13 15 Total de pontos= ponderados +10 -2 -3 -5 +3 210 -16 -57 -65 45 117 15
  • 160. MANUEL MEIRELES OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES 5.—Índice Sharpe: O índice Sharpe mede o grau de risco de um título (uma ação ou uma carteira de ações) em relação à sua rentabilidade. O índice é calculado pela diferença entre a rentabilidade da ação Ra e de um ativo Ri utilizado como comparação, dividido pelo desvio padrão da ação. Ou seja: é a média da rentabilidade real dividida pelo desvio padrão. O ativo i pode ser um certificado de depósito bancário (CDB-over), uma caderneta de poupança ou algo semelhante. Quanto maior a relação, melhor. O índice foi desenvolvido por William Sharpe, em 1966, e considera a variabilidade do retorno real (por exemplo, ganho sobre a poupança) como sendo o risco da ação. Este método, embora fácil, não tem sido muito aplicado para a seleção de ações. Tendo-se o INDAC da ação ou o preço de fechamento pode-se calcular facilmente o índice Sharp: • calcula-se o desvio padrão de uma série de preços — geralmente de 30 pregões — usando-se a função =DESVPAD(B2:B31); • calcula-se a média dessa mesma série de preços: = MÉDIA(B2:B31); • divide-se o primeiro valor pelo segundo, multiplicando-se por 100 para o índice Sharp se expressar em %: =100*C31/D31 6.— CAPM: Capital Asset Pricing Model Não é meu intuito fazer uma descrição deste método, mas apenas abordar o princípio geral sobre o qual ele se estrutura. Com o objetivo de reduzir o risco do portfólio, os investidores repartem ao máximo a sua aplicação entre as alternativas oferecidas. Com isto, eles conseguem redução do risco sistemático, mas está provado que não há um número ótimo de ativos que devem ser incluídos num portfólio com este objetivo. Hélio de
  • 161. A arte de operar na Bols@ pela Internet OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES ' Paula Leite7 ,dá a conhecer que J.H. Evans e S.H. Archer8 , determinaram o impacto da diversificação simples sobre a redução do nível do risco. Nessa pesquisa, os autores simularam portfólios randomicamente selecionados entre as 470 ações ordinárias negociadas na Bolsa de Nova York. Esse estudo demonstrou que portfólios construídos apenas com 10 a 15 ações,são suficientes para reduzir a variabilidade total ao nível da variabilidade media atribuível ao risco sistemático. Com isso os autores demonstraram que, simplesmente, ao buscar uma diversificação máxima se pode incorrer em uma diversificação supérflua. Outro estudo de Fisher e Lorie, conforme relata Leite9 , demonstrou que os resultados da diversificação por setores ou simples (randômica) são equivalentes. Ambos os estudos, no entanto, demonstraram que a diversificação simples poderá reduzir o retorno da carteira de investimentos. Daqui se deduz que é importante saber escolher os ativos que devem compor os portfólios. Para se constituir uma carteira de títulos que satisfaça os interesses do investidor em relação à otimização do binomio Máximo Retorno versus Menor Risco, desenvolveu-se uma teoria da seleção de carteiras. Essa teoria objetiva combinar vários ativos disponíveis no mercado de modo a obter uma carteira que prometa o maior retorno para um dado nível de risco ou que prometa o menor nível de risco para um dado nivel de retorno. Foi Harry Markowitz10 quem desenvolveu um sistema para a determinação de carteiras eficientes. Mas o problema da metodologia desenvolvida por Markowitz reside no número de elementos que devem ser determinados para se selecionar o conjunto de carteiras eficientes, pois é necessário estimar-se a correlação entre os retornos de vários títulos dois a dois. Assim, 7 LEITE, Hélio de Paula. Introdução à administração financeira. São Paulo: Atlas, 1991, p.410 8 Num trabalho publicado no Jornal of Finance, dez. 1968, intitulado Diversification and the Reduction of Dispersion: an empirical analysis 9 10 Idem. No Journal of Finance, de março de 1952, num artigo intitulado Portfolio Selection apud SÁ, Geraldo Tosta de. Investimentos no mercado de capitais. p.226
  • 162. MANUEL MEIRELES ' OUTRAS TÉCNICAS DE SELEÇÃO DE AÇÕES num conjunto de 50 ativos, além de 50 retornos médios esperados e dos 50 desvios-padrões (riscos);se deveria calcular 1225 coeficientes de correlação.11 Alem disso, a determinação do conjunto de carteiras eficientes, resultantes da combinação dos diferentes títulos em vários percentuais, é feita através de programação quadrática que torna a determinação longa e onerosa. Foi devido a estas dificuldades que Sharpe12 usou um modelo de índices que prescinde da estimativa da correlação entre os retornos dos diversos títulos i considerados. 0 modelo de Sharpe, já visto acima, admite como hipótese básica que o retorno associado a cada ação é linearmente relacionado com o nível de um índice geral, tal como o nível do mercado como um todo (IBV por exemplo). 11 O número de coeficientes que devem ser calculados é de (n2-n)/ 2, onde n é o número de ações ou de títulos. 12 SHARPE, apud SÁ, Geraldo Tosta de. Investimentos no mercado de capitais. p.226
  • 163. A arte de operar na Bols@ pela Internet MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES '! COMO OPERAR COM AÇÕES by Internet Prepare-se para operar Entenda os métodos PARTE 1 PARTE 2 Adquira Conceitos Básicos Cadastrese numa Corretora Capítulo 1 Capítulo 5 Tenha postura adequada Saiba ler os Relatórios da Bolsa Capítulo 2 Capítulo 3 Aprenda a construir os índices das suas ações Como selecionar ações pelo indicador KM Como acompanhar ações pelo oscilador SMI Capítulo 6 Capítulo 7 Por meio de outras técnicas Por meio de outras técnicas Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 4 CAPÍTULO 9
  • 164. A arte de operar na Bols@ pela Internet MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES '# Quando comprar e vender ações? O acompanhamento de ações - das empresas previamente selecionadas - requer que o investidor use um método adequado. Neste capítulo, dou um resumo dos principais métodos, mas, em especial, destaco dois importantes métodos para os investidores: o oscilador IFR e o Estocástico. Não significa que estes métodos sejam os melhores. Já viu que o investidor em ações, que é cuidadoso, via de regra segue três recomendações básicas: 1.seleção cuidadosa; 2.ampla diversificação; 3.supervisão constante. A supervisão, para o investidor, consiste em seguir atentamente a evolução das ações previamente selecionadas. Não estou falando do método buy and put away que é o método usado pelos investidores que seguem o princípio de que; a melhor forma de investir, é comprar ações e guardá-las. Este seria um processo para longo prazo. Neste caso, o investidor faz apenas uma seleção cuidadosa dos títulos e compra-os beneficiando-se dos dividendos e da valorização dos mesmos na Bolsa. Neste caso, convém adquirir títulos que tenham uma relação boa entre seu preço no mercado e o seu valor patrimonial. As ações de empresas concordatárias também podem ser objeto de atenção para quem deseja seguir este método. Neste capítulo, você vai ver alguns métodos de supervisão ou de acompanhamento de ações, e, por meio deles, você poderá acompanhar ações previamente selecionadas ou ter uma noção da tendência da Bolsa. -Acha que a Bolsa vai cair? Esta é uma pergunta que me fazem com freqüência. Nunca soube satisfazer o meu interlocutor - porque nunca soube se ela iria subir ou cair. Tenho alguma no-
  • 165. MANUEL MEIRELES '$ MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES ção do seu status; mas nunca tive meios para poder dizer qual o seu direcionamento. Posso dizer é que fico muito preocupado quando o porteiro do restaurante ou o motorista de táxi me perguntam: - E aí, doutor? Dá para vender meu carrinho e apostar tudo na Bolsa? Para mim este é o sinal derradeiro de que é a hora de estar fora da Bolsa. Como diz meu pai: — Bolsa, virou manchete, caia fora. O investidor técnico deve sempre saber como está a Bolsa, pois deve acompanhar o desenvolvimento desta; além das ações sob o seu controle. Estima-se que o impacto do mercado como um todo sobre qualquer ação corresponda a 80%. Ou seja: a Bolsa despencando ou subindo afeta o desenvolvimento de qualquer ação, esteja ela fazendo ou não parte do Ibovespa. Há dois bons indicadores para acompanhar o mercado como um todo: a média móvel de 200 dias (200 D) e a LAD. Vejaos, respectivamente, nos itens 5.1 e 6.2. 1.—Teoria de Dow Charles Dow, é considerado o fundador da Escola Técnica, que afirma que, antes de um movimento significativo de alta ou de baixa nas cotações de um determinado papel, ocorrem formações que sinalizam previamente a movimentação que deverá ocorrer. Dow afirmava, com base nas suas observações, que as ações costumam seguir tendências. E passou a elaborar um conjunto de princípios. Os principais são os seguintes: 1. O mercado tem três tendências: a primária, a secundária e a terciária. A primária é a mais importante e a de maior duração - é uma tendência a longo prazo. Seu percurso pode ser temporariamente interrompido por uma tendência secundária, e esta, por sua vez, pode ser quebrada por uma tendência terciária. Daqui surgiu basicamente a escola grafista que se ocupa em desenhar gráficos da ação e procurar, nesses gráficos: a tendência da ação; formações peculiares e níveis de suporte ou resistência 2. Os indicadores refletem tudo. As mudanças diárias nos preços refletem o julgamento e as emoções do todos os investidores. Assim, os indicadores de mercado (Ibovespa, etc) re-
  • 166. A arte de operar na Bols@ pela Internet MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES '% fletem isso a qualquer momento. 3. Há uma relação entre preços e volumes. O volume cresce com o aumento dos preços e decresce com a caída destes. Comportamentos diferentes podem indicar a proximidade de reversão da tendência. 4. Os preços indicam tendências. Quando os preços rompem níveis de suporte indicam tendência de baixa; quando os preços rompem níveis de resistência indicam tendência de alta. 5. Os índices de Mercado comandam o Mercado. Se os indicadores de mercado (Ibovespa, etc) caem, a probabilidade de alguma ação subir -contra a tendência do mercado - é reduzida. Se o mercado indica tendência de alta a probabilidade de uma ação descer se reduz. 6. Há uma relação entre preços e volumes. Quando os preços e os volumes estão subindo, os preços tendem a aumentar mais ainda. Quando os preços estão subindo mas o volume está diminuindo deve haver uma reversão da tendência em breve. Quando os preços estão caindo e o volume está subindo, a tendência é de diminuição de preços. Quando os preços e o volume estão caindo deve haver uma reversão de tendência em breve. A Teoria de Dow faz uso de gráficos nos quais se plotam os preços e volumes e deles o investidor tenta extrair certas informações. Há toda uma complexa teoria que envolve uma série de configurações denotadoras de tendências - como triângulos, flâmulas e bandeiras, ombro-cabeça-ombro, etc - mas isso foge ao escopo desta obra. 2.—Teoria de Elliot ou Teoria das Vagas A Teoria de Elliot- ou Teoria das Vagas- se fundamenta teoricamente nas propriedades de uma série numérica estudada no século XIII pelo matemático italiano Leonardo Fibonacci. Segundo Elliot os preços avançam num determinado sentido até que surgem forças que temporariamente se opõem a esse avanço; vencidas essas forças os preços retornam o movimento anterior mas sem tanto vigor, e assim sucessivamente. As linhas traçadas parecem ondas, vagas, cada vez com amplitude menor. Uma série completa de movimentos de alta e de baixa forma o que Elliot chamou de movimento inteiro. Um movimento de alta inteiro é
  • 167. MANUEL MEIRELES ' MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES constituído de 5 vagas, sendo 3 de impulso e duas de sentido contrário; um movimento de baixa inteiro é constituído de duas de impulso e uma de correção. Desta forma, segundo Elliot, os preços nas Bolsas de valores se comportariam como mostra a figura 9.1. Figura 9.1 As vagas ocorrem sempre obedecendo à mesma regra. A primeira vaga em um processo de alta é sempre composta de cinco ondas (três para cima e duas para baixo) geralmente numeradas de 1 a 5. A segunda vaga é de correção e compõe-se de 3 ondas (duas para baixo e uma para cima) geralmente indicadas por A,B,C. Há softwares especiais que determinam o início e término das vagas. Alguns softwares chegam a plotar os preços das ações a cada 30 minutos de pregão. 3.—Gráfico de Barras O Gráfico de Barras, no qual se faz análise das linhas e se identificam configurações denotadoras da tendência dos preços é o instrumento técnico através do qual os seguidores de Dow atuam. Portanto, o gráfico de Barras nada mais é do que a ferramenta de Dow, cujos princípios você viu acima. 4.—Gráfico Ponto-Figura O Gráfico Ponto-Figura é um instrumento muito simples e
  • 168. A arte de operar na Bols@ pela Internet MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES '' razoavelmente eficiente. É um gráfico atemporal, na medida em que nele não se indica o tempo. É constituído por colunas alternadas de pontos (•) e figuras (5). Os pontos (•) indicam movimentos de baixa e as figuras (5) movimentos de alta. Para se traçar adequadamente um gráfico Ponto-Figura dois requisitos são fundamentais: a) ter o INDAÇ da ação — isto é, ter o valor ajustado da ação expresso numa moeda forte (MF$). Você pode fazer o gráfico ponto-figura com o preço de fechamento da ação, por exemplo, mas em caso de direitos é necessário proceder a um ajuste; b) ter os valores no gráfico com incrementos de 3% - isto é: o preço da linha superior corresponde a 1,03 do preço da linha inferior. A figura 9.2 mostra um gráfico ponto-figura contruído a partir do preço de fechamento considerando a listagem do final do capítulo 7. Como se pode ver, 164 pregões foram reduzidos a apenas 9 colunas em tal gráfico. O gráfico mostrado obedece às exigências mínimas: os preços colocados à margem esquerda diferem, de linha para linha, em 1,03; e referem-se, neste exemplo, ao preço de fechamento da ação. gura Gráfico Ponto-Figu Fech 2,00 1,94 1,89 1,83 1,78 1,73 O 1,67 O 1,63 O 1,58 O 1,53 O 1,49 O 1,44 1,40 1,36 1,32 Figura 9.2 X X X X X X X O O O O O O O O O O X X X X X X X X X X X O X O X O X X X O X O X O O O O O O
  • 169. MANUEL MEIRELES MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES Como valor inicial da listagem, escolhi, arbitrariamente o valor $2,00 para a coluna de preços de fechamento. O valor constante na linha imediatamente inferior corresponde ao valor de $2,00 / 1,03. Isso foi feito para as demais linhas. Ou seja: cada valor apresentado, difere do anterior e do posterior, em 3%. Para iniciar a construção do gráfico ponto-figura precisamos ter cotações de alguns dias. O primeiro valor era 1,77 e o quinto 1,55, pelo que foram postos alguns sinais (•) frente aos valores 1,73 a 1,53. Observe que a linha que contém o preço 1,73. comporta todos os valores compreendidos entre 1,73 e 1,77: o valor 1,78, já pertence à linha seguinte. Ocorre uma reversão quando o preço que ação atingiu permite que coloquemos três sinais diferentes acima ou abaixo da linha base. Observe-se que a primeira coluna de pontos (•) desceu de 1,77 até 1,49. A segunda coluna — uma coluna ascendente com sinais de alta (5) só começa quando é possível colocar pelo menos três sinais. Isto é: tendo atingido o valor de 1,49, só se considera reversão da baixa se o preço atingir pelo menos 1,63. Uma reversão no sentido oposto é feita do mesmo jeito. Só há reversão da alta quando é possível colocar pelo menos três sinais diferentes, na coluna seguinte - não contando a linha de base - o ponto mais alto ou mais baixo que a ação tiver atingido na coluna que se está trabalhando. As reversões indicam momentos de compra e de venda. Quando a ação reverte a baixa, começando a subir, deve-se comprar; quando ela reverte a alta começando a descer, deve-se vender. Resumindo: a) para que se dê uma reversão - uma mudança de movimento de alta para baixa ou vice-versa - é necessário uma variação de pelo menos 3 quadrados; b) movimentos de alta são assinalados por (5); c) movimentos de baixa são assinalados por (•); d) não existe correspondência temporal entre as colunas. Os investidores também consideram particularmente a formação de certas figuras:
  • 170. A arte de operar na Bols@ pela Internet MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES a) TOPO DUPLO (formação de alta) que é formada por: - duas colunas de alta; - intercaladas por uma coluna de baixa; - o topo da segunda coluna de alta alcança níveis superiores ao primeiro topo de alta; -o movimento deve ser de alta quando o segundo topo de alta ultrapassa o primeiro topo de alta em pelo menos um quadrado. A este quadrado damos o nome de ponto de rompimento. Recomenda-se a compra. Ver figura 9.3. Topo dup opo duplo O O O X X X X X X X X X O O O X X X X Ponto de rompimento Figura 9.3 b) FUNDO DUPLO (formação de baixa) é constituído por: -duas colunas de baixa; -intercaladas por uma coluna de alta; -a segunda coluna de baixa alcança preços inferiores ao primeiro fundo; -tradicionalmente esta formação antecede uma baixa e é confirmada quando a segunda coluna de baixa ultrapassa a primeira coluna de baixa em pelo menos um quadrado. Este ponto é considerado ponto de rompimento, pelo que se recomenda a venda. A formação é semelhante à mostrada na figura 9.3 — mas invertida, obviamente. 5.— Médias Móveis
  • 171. MANUEL MEIRELES MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES As Médias móveis são usadas para determinar reversões de tendências e pontos de compra ou venda. Duas destas importantes médias móveis simples são a linha dos 200 dias (L200 D) e a de 21 dias (L21D). As médias móveis podem ser de três tipos: simples, ponderadas ou exponenciais. 1. Médias simples: são as médias móveis compostas pelos preços de n dias. 2. Médias ponderadas: estas médias dão aos últimos preços um peso maior. Por exemplo, numa médias de 9 dias, somam-se os valores dos últimos 9 dias, depois soma-se mais 2 vezes o valor referente ao último pregão e mais uma vez o valor referente ao penúltimo pregão. Como entram 12 valores na soma, o total deve ser dividido por 12. O último pregão, o mais importante, entra com peso 3; o penúltimo com peso 2 e os demais com peso 1. 3. Médias móveis ponderadas com alisamento exponencial: as mais comuns são as de 9 e 21 dias, mas pode-se construir uma média com os dias que desejarmos. Quanto mais curto for o período mais dinâmica é a média. Uma média móvel ponderada com alisamento exponencial considera um fator chamado constante de alisamento. Essa constante de alisamento é obtida pela fórmula: α = ( 2 / (n+1)) onde n é o número de dias da média. Por exemplo, se a média for de 9 dias, a constante de alisamento será: α = (2 / (9+1) ) = 2 /10 = 0,2 Se a média for de 21 dias a constante de alisamento será: α = (2 / (21+1)) = 2 / 22 = 0,0909 A figura 9.4 mostra como a média móvel exponencial com constante de alisamento é construída. No caso trata-se da média móvel exponencial de 9 dias. A média é construída idealmente com os valores do INDAÇ, (coluna G) mas pode ser construída, obviamente, com os valores de fechamento.
  • 172. A arte de operar na Bols@ pela Internet MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES ! Média móvel ponderada com alisamento exponencial G 3 209,41 4 215,23 5 223,91 6 223,91 7 228,79 8 229,75 9 228,60 10 213,86 11 213,32 12 212,56 13 213,57 Figura 9.4 H Algoritmo Alfa= 0,2; 1-alfa = 0,8 220,75 MÉDIA(H3:H11) 219,11 (0,2*H12)+(0,8*I11) 218,01 (0,2*H13)+(0,8*I12) Em H11 é calculada a média simples dos primeiros nove valores. O segundo valor da média (219,11) e os demais fazem uso da constante de alisamento. No caso, esta constante é igual a 0,2. Portanto a média móvel exponencial é dada pela fórmula: MMEXP= α . Xt + (1-α ) Mt-1 Com esta média é possível calcular a tendência dos preços e a previsão para o dia seguinte. a) tendência é dada por: Tt = α (Mt - M t-1) + ( 1-α ) Tt-1 b) previsão é dada por: Pt+1= Mt + [ (1-α )/ α ] Tt Você já viu uma aplicação da média móvel com alisamento exponencial no capítulo 4: INDAÇ de uma ação. 5.1—Linha dos 200 dias: L200D A linha média móvel dos 200 dias tem sido considerada pelos investidores tradicionais como uma linha informativa e confiável. A L200D deve ser usada com outra de curtíssimo pra-
  • 173. MANUEL MEIRELES MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES zo: a linha média móvel de 21 dias. O cálculo da linha média móvel L200D exige, obviamente, o lançamento de pelo menos 200 pregões. Tendo os dados disponíveis numa planilha é possível construir duas importantes linhas médias móveis: a de 21 dias e a de 200 dias. Os valores de a são diferentes para cada série: α de 21 dias = 2 / (21+1) = 0,09091 α de 200 dias = 2 / (200+1) = 0,00995 Estas duas linhas devem ser usadas em conjunto para se determinar épocas para atuar na Bolsa e épocas de atuar mais cautelosamente ou simplesmente ficar fora do mercado: • comprar: quando a L21D penetra a L200D de baixo para cima - estando a L200D estável ou ligeiramente ascendente; • vender: quando a L21D dias penetrar a L200D de cima para baixo - estando esta estável ou ligeiramente descendente. Atenção: reconsidere os sinais de compra de ações estando a L21D acima da L200D mas inclinando-se em direção a esta. O inverso também é válido: reconsidere os sinais de venda de ações estando a L21D abaixo da L200D mas inclinando-se em direção a esta. Neste caso indica que, pelo menos nos próximos pregões, a Bolsa se elevará arrastando, com grande probabilidade, também os preços das ações que você possui em carteira. 6.—Osciladores Os osciladores permitem detectar o enfraquecimento ou fortalecimento do mercado antes que as mudanças ocorram. Os mais comuns deste método são: q os osciladores do momento, relacionados à velocidade com que ocorrem as variações dos preços de uma ação; q a LAD — Linha de Avanços e Declínios, que mede os avanços e declínios do mercado, através da acumulação da diferença entre o número de ações em alta e o
  • 174. A arte de operar na Bols@ pela Internet # MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES número de ações em queda. A LAD é muito usada para prognosticar a tendência do mercado como um todo; q osciladores de pressão do pregão que se baseiam nas forças dos compradores e dos vendedores. O oscilador SMI, já visto, é um exemplo típico. 6.1—Oscilador do momento O oscilador do momento está relacionado à velocidade de subida ou queda do valor de uma ação. Para entender o conceito ligado a este método, imagine-se uma bola jogada para o alto. Ela está subindo e cada vez com uma velocidade menor; em certo momento pára. O s c ila d o r d e M o m e n to L a y o u t 4 5 6 7 8 9 1 0 1 1 1 2 1 3 1 4 1 5 1 6 1 7 1 8 F ig u ra P r 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 9 .5 e 0 1 2 2 2 2 2 1 1 1 1 1 1 1 1 ç 9 5 3 3 8 9 8 3 3 2 3 4 5 6 9 o ,4 ,2 ,9 ,9 ,7 ,7 ,6 ,8 ,3 ,5 ,5 ,5 ,8 ,5 ,2 M o m 1 3 1 1 9 5 0 6 2 6 7 0 6 8 6 -1 -1 -1 - 3 2 0 9 2 3 9 , , , , , , , 9 6 3 4 9 1 3 M o m .% 1 7 4 1 3 7 4 - 1 3 5 5 5 , , , , , 4 4 0 4 3 2 8 5 7 9 Pode-se medir o momento, medindo a velocidade que a bola percorre num certo espaço de tempo. O mesmo ocorre com as ações: o momento expressa a diferença entre os preços (velocidade) num certo período de tempo. Temos, portanto: MOMENTO= preçot- preçot-n onde n é o número de dias (geralmente 9 ou 21). A figura 9.5 mostra a aplicação deste método. A planilha é construída da seguinte forma: a coluna Mom. indica o momento de 9 dias (a diferença do preço do último pregão com a do preço
  • 175. MANUEL MEIRELES $ MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES e do pregão de há 9 dias atrás,coluna Mom.% contém uma média de 3 dias apenas para suavizar a coluna anterior e exprime o momento numa porcentagem do último preço. Ver o algoritmo na figura 9.6. Oscilador de Momento Algoritmo 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Figura 9.6 H I 209,41 215,23 223,91 223,91 228,79 229,75 228,60 213,86 213,32 H12-H4 212,56 H13-H5 213,57 H14-H6 214,50 repete 215,86 repete 216,58 repete 219,26 repete J 100*(MÉDIA(I12:I14)/H14) repete repete repete repete Este método recomenda que as compras sejam feitas quando o momento for negativo e as vendas quando a ação estiver perdendo seu momento positivo. 6.2—LAD: Linha de Avanços e Declínios Um popular oscilador de fôlego do mercado é a LAD - Linha de Avanços e Declínios. O oscilador do fôlego do mercado mede os avanços e declínios do mercado, através da acumulação da diferença entre o número de ações em alta e o número de ações em queda. Na figura 9.7 é mostrado o layout de uma planilha típica para o cálculo do índicador LAD. Os dados para tal planilha são
  • 176. A arte de operar na Bols@ pela Internet MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES % encontrados em www.bovespa.com.br þ INFORMAÇÕES DO MERCADO þ ÍNDICES, como você viu no capítulo 3. LAD - Linha de Avanços e Declínios (layout) Pregão 14/12/99 15/12/99 20/12/99 21/12/99 22/12/99 23/12/99 27/12/99 28/12/99 29/12/99 30/12/99 03/01/00 04/01/00 05/01/00 06/01/00 07/01/00 10/01/00 11/01/00 12/01/00 13/01/00 14/01/00 17/01/00 18/01/00 19/01/00 20/01/00 21/01/00 24/01/00 26/01/00 27/01/00 Ibovespa Fec. 14497 14788 15110 15591 15916 15953 16011 16376 16772 17091 16930 15851 16245 16106 16309 17022 16572 16616 17298 17657 18053 17903 17470 17176 17034 16971 17105 17081 Figura 9.7 Altas Baixas 34 8 31 36 32 19 25 18 31 27 39 18 6 29 18 32 37 10 21 21 23 30 18 4 10 18 21 18 27 8 7 9 19 15 17 10 14 9 27 37 15 25 13 6 35 23 21 13 12 24 38 33 25 23 24 14 Carteira Ibovespa 44 44 44 44 44 44 44 44 44 44 46 46 46 46 46 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 Altas% Baixas% 77,27 70,45 81,82 72,73 43,18 56,82 40,91 70,45 61,36 88,64 39,13 13,04 63,04 39,13 69,57 82,22 22,22 46,67 46,67 51,11 66,67 40,00 8,89 22,22 40,00 46,67 40,00 60,00 18,18 18,18 15,91 20,45 43,18 34,09 38,64 22,73 31,82 20,45 58,70 80,43 32,61 54,35 28,26 13,33 77,78 51,11 46,67 28,89 26,67 53,33 84,44 73,33 55,56 51,11 53,33 31,11 I-LAD 70,28 70,49 66,00 58,11 56,79 55,83 56,87 60,58 54,60 52,65 48,75 51,19 57,53 54,96 51,39 45,91 40,90 43,92 43,35 45,07 Essencialmente extraímos desse quadro o Fechamento em pontos e a quantidade de ações Altas e Baixas bem como a quantidade Total de ações que constituem o Ibovespa. No exemplo podemos ver que o Ibovespa dia 27 janeiro 2000 fechou em 17081 pontos e que 27 ações, das 45 do índice, tiveram alta e 14 fecharam em baixa. Quando a Bolsa encontra-se em alta o indicador I-LAD é maior do que 50. É recomendável acompanhar o I-LAD com um gráfico. Considera-se que uma reversão ocorre quando três pontos consecutivos superam a baixa (caso mostrado na figura 9.8) ou ficam abaixo do máximo.
  • 177. MANUEL MEIRELES MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES I-LAD Ibovespa 80,00 70,00 . 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 1 3 5 7 9 11 13 15 17 19 Figura 9.8 O algoritmo referente ao I-LAD pode ser visto na figura 9.9: • a coluna C contém a data do pregão; • a coluna D contém o Fech do Ibovespa; • a coluna E contém o número de Altas e a F a de Baixas; • a coluna G informa quantas ações constituem o Ibovespa — um número que se mantém constante por um quadrimestre, salvo ajustes esporádicos; • As colunas H e I calculam, percentualmente quantas ações do índice subiram e quantas desceram; • A coluna J faz o cálculo do I-LAD como mostrado. Neste caso o I-LAD foi calculado com médias de 9 dias. São comuns os I-LADs de 21 dias. A fórmula usada, em I45, é: 100-(100/ ((MÉDIA(H37:H45)/MÉDIA(I37:I45))+1)).
  • 178. A arte de operar na Bols@ pela Internet MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES B C D E F G H I ' J LAD - Linha de Avanços e Declínios (algoritmo) Pregão 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 14/12/99 15/12/99 20/12/99 21/12/99 22/12/99 23/12/99 27/12/99 28/12/99 29/12/99 30/12/99 03/01/00 Figura 9.9 Ibovespa Fec. 14497 14788 15110 15591 15916 15953 16011 16376 16772 17091 16930 Altas Baixas 34 8 31 36 32 19 25 18 31 27 39 18 8 7 9 19 15 17 10 14 9 27 Carteira Altas% Baixas% I-LAD Ibovespa 100*(E37/G37) 100*(F37/G37) 44 repete repete 44 repete repete 44 repete repete 44 repete repete 44 repete repete 44 repete repete 44 repete repete 44 repete repete 100-(100/((MÉDIA(H37:H45)/MÉDIA(I37:I45))+1)) 44 repete repete repete 44 46 repete repete repete 6.3—IFR: Índice de Força Relativa Um oscilador tipo pressão do pregão relaciona os preços praticados no mercado com os de oferta e procura. São típicos osciladores de pressão do pregão o SMI (que já viu em detalhe) e o IFR—Índice de Força Relativa. Este é um oscilador de grande popularidade e intensa aplicação. Este número indica se um papel está excessivamente comprado ou excessivamente vendido. Este índice é também conhecido como indicador da opinião contrária. Este oscilador foi concebido por um dos teóricos da análise técnica: Welles Wilder. O indicador IFR, oscila entre um mínimo de zero e um máximo de 100. Nos níveis 20 e 80 traçam-se duas linhas de referência. Quando o IFR está entre zero e 20 diz-se que ele está oversold (supervendido) sugerindo a compra pelo investidor; quando o IFR está acima de 80 diz-se que ele está overbought (supercomprado), recomendando a venda. A fórmula geral do IFR é: IFR= MOSC.Positivas / MOSC.Negativas onde MOSC. Positivas é a média das oscilações positivas de n dias, e MOSC.Negativas é a média das oscilações negativas dos mesmos n dias. Recomenda-se usar o INDAÇ para a construção deste índice, pois não está sujeito a quebras por altura de benefícios (bonificações, subscrições ou dividendos). A tabela seguinte mostra o IFR da Aracruz PNB num determinado período. Foi usado o INDAÇ da ação. A coluna Altas (oscilações positivas), contém um valor diferente de zero se a diferença entre o preço do pregão do dia e o do anterior for positiva; o mesmo ocorre para a coluna Baixas, (oscilações negati-
  • 179. MANUEL MEIRELES MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES vas), em caso de diferença negativa. O investidor deve comprar quando o IFR estiver abaixo de 20 - indicado pelo sinal ($), e deve vender se o IFR estiver acima de 80 (indicado pelo sinal #). Recomendo: a) que se compre ao término dos sinais de $; b) que se venda quando o sinal # se extingue. IFR - Índice de Força R elativa F ec D ir LOTE Altas B aixas IFR Operaci onali zação 1,77 1,75 1,70 183,1 181,0 179,0 $ 0,00 0,00 2,07 2,09 1,62 1,55 168,6 160,4 0,00 0,00 10,34 8,26 1,55 1,52 1,53 162,4 156,2 157,2 2,05 0,00 0,99 0,00 6,22 0,00 1,50 1,50 1,49 156,1 155,0 155,0 0,00 0,00 0,00 1,03 1,10 0,02 8,89 9,46 $ $ 1,54 1,56 1,57 1,56 1,57 1,56 1,52 1,52 1,55 1,61 1,55 1,72 1,72 1,60 1,60 1,60 1,61 1,60 1,61 1,61 1,61 1,69 1,72 1,75 1,77 1,74 155,0 160,0 162,0 161,9 161,8 161,7 158,6 158,4 160,4 164,5 160,4 174,8 174,8 167,6 163,5 163,5 163,3 163,5 166,6 165,5 165,5 169,5 176,5 178,2 180,2 177,8 0,00 5,02 1,91 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 2,04 4,11 0,00 14,38 0,02 0,00 0,00 0,00 0,00 0,12 3,10 0,00 0,00 4,06 6,94 1,69 1,99 0,00 0,00 0,00 0,00 0,10 0,03 0,12 3,14 0,21 0,00 0,00 4,11 0,00 0,00 7,20 4,11 0,00 0,13 0,00 0,00 1,05 0,03 0,00 0,00 0,00 0,00 2,32 10,12 32,64 54,36 48,31 77,63 74,30 60,62 65,72 71,36 78,42 51,12 72,69 72,96 58,17 52,26 56,79 56,91 54,49 53,10 58,51 20,54 36,75 72,75 92,91 93,65 84,04 # $ Preço C # # # C /V 1,57
  • 180. A arte de operar na Bols@ pela Internet MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES 1,75 178,8 0,95 0,00 84,64 # 1,81 1,75 182,9 178,8 4,11 0,00 0,00 4,07 85,30 75,44 # 1,85 1,88 187,0 191,1 8,17 4,09 0,00 0,00 81,37 81,39 # # 1,86 1,82 1,77 191,1 187,0 183,9 0,00 0,00 0,00 0,02 4,07 3,10 76,61 64,83 56,05 1,74 1,74 1,74 1,70 1,62 1,57 1,53 1,57 1,51 1,45 1,41 1,48 1,38 1,46 1,55 1,55 1,47 1,43 1,45 1,51 1,52 1,57 1,52 1,62 1,65 1,63 1,59 1,64 1,61 1,59 1,59 1,59 1,58 175,7 175,7 178,8 175,4 165,1 160,7 156,6 157,8 156,6 151,2 145,6 150,2 146,0 149,1 155,3 158,4 151,2 146,0 147,1 151,1 157,3 160,1 154,8 160,9 167,1 167,1 163,7 166,9 163,9 162,8 161,7 161,7 160,7 0,00 0,00 3,08 0,00 0,00 0,00 0,00 1,15 0,00 0,00 0,00 4,55 0,00 3,09 6,18 3,07 0,00 0,00 1,05 4,08 6,14 2,87 0,00 6,13 6,15 0,00 0,00 3,20 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 8,16 0,02 0,00 3,41 10,32 4,42 4,04 0,00 1,20 5,33 5,60 0,00 4,15 0,00 0,00 0,00 7,15 5,23 0,00 0,00 0,00 0,00 5,34 0,00 0,00 0,03 3,30 0,00 3,07 1,08 1,05 0,03 0,98 47,14 45,72 44,12 44,98 19,78 8,43 7,59 11,22 11,82 12,83 10,97 14,23 13,97 26,21 42,41 52,55 41,88 38,07 44,77 57,12 58,83 68,14 56,90 56,85 59,86 71,37 75,28 76,71 67,58 58,85 52,72 64,34 49,44 ed ed ed ed ed ed ed V 1,85 C 1,55 $ $ $ $ $ $ $ $ $
  • 181. MANUEL MEIRELES MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES 1,58 160,7 0,00 0,98 49,44 1,58 1,62 160,7 164,9 0,02 4,19 0,00 0,00 25,19 43,74 1,61 1,60 165,0 163,0 0,10 0,00 0,00 2,02 54,68 34,30 1,59 1,55 1,63 159,9 158,7 162,6 0,00 0,00 3,91 3,07 1,20 0,00 34,29 33,99 52,91 1,65 1,80 1,78 1,77 1,74 1,77 1,77 1,74 1,78 1,83 1,83 1,80 1,77 1,80 1,79 1,77 1,75 1,80 1,77 1,78 1,77 1,79 1,80 1,76 1,77 1,76 1,76 1,80 1,78 1,80 1,78 1,78 1,79 166,6 185,0 178,8 181,9 177,9 179,6 179,6 175,5 178,6 182,6 186,6 182,4 179,4 182,6 181,5 180,5 178,5 180,5 181,3 180,1 180,1 180,9 183,0 179,8 179,9 177,9 179,0 179,9 180,9 180,8 179,8 180,8 179,8 2,08 18,39 0,00 3,10 0,00 1,69 0,00 0,00 3,03 4,04 3,96 0,00 0,00 3,15 0,00 0,00 0,00 2,01 0,81 0,00 0,00 0,85 2,06 0,00 0,13 0,00 1,05 0,97 0,94 0,00 0,00 1,03 0,00 0,00 0,00 6,17 0,00 3,99 0,00 0,00 4,06 0,00 0,00 0,00 4,13 3,02 0,00 1,03 1,01 2,05 0,00 0,00 1,14 0,09 0,00 0,00 3,16 0,00 2,02 0,00 0,00 0,00 0,11 0,97 0,00 1,01 65,84 82,90 67,87 70,18 67,01 73,19 75,31 65,58 66,55 68,02 52,66 56,50 45,55 58,60 53,67 51,68 55,77 53,93 46,91 32,54 41,72 56,17 51,83 43,47 47,64 47,73 43,28 44,08 53,20 53,11 45,10 39,65 50,00 ed ed ed ed ed ed # V 1,77
  • 182. A arte de operar na Bols@ pela Internet ! MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES 1,79 181,7 1,91 0,00 58,91 1,79 1,78 180,5 179,4 0,00 0,00 1,24 1,04 63,86 52,54 1,77 1,78 179,4 179,4 0,02 0,00 0,00 0,04 47,06 40,09 1,78 1,76 1,72 178,4 178,2 176,0 0,00 0,00 0,00 1,04 0,16 2,15 35,58 39,44 22,37 1,73 1,78 1,83 1,89 1,84 1,87 1,89 1,91 1,97 1,94 1,93 1,89 1,87 1,90 1,93 1,90 1,91 1,89 1,85 1,88 1,87 1,85 1,84 1,83 1,79 1,76 1,77 1,80 1,80 1,80 1,76 1,70 1,69 174,0 177,1 184,9 185,9 184,9 185,8 187,8 189,7 194,9 196,7 194,5 189,6 187,4 189,4 192,3 192,3 189,3 189,3 185,3 186,2 189,2 185,2 184,2 183,1 183,0 178,0 177,9 177,8 180,8 179,6 176,6 171,6 169,4 0,00 3,05 7,86 0,99 0,00 0,93 1,92 1,91 5,18 1,86 0,00 0,00 0,00 1,99 2,87 0,02 0,00 0,02 0,00 0,89 2,97 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 2,94 0,00 0,00 0,00 0,00 2,03 0,00 0,00 0,00 1,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 2,20 4,96 2,16 0,00 0,00 0,00 2,97 0,00 4,03 0,00 0,00 3,99 1,00 1,11 0,05 5,02 0,09 0,07 0,00 1,14 3,01 5,07 2,11 20,00 28,48 62,83 68,73 64,93 66,75 73,38 76,25 87,80 95,93 86,56 61,04 53,36 59,69 62,81 59,77 49,26 35,50 23,09 29,09 48,89 44,36 36,10 22,93 22,77 20,32 20,15 25,39 34,28 19,10 20,38 15,90 15,08 # # # $ $ $ C 1,70
  • 183. MANUEL MEIRELES MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES 1,72 168,3 0,00 1,13 14,29 1,71 171,2 2,90 0,00 31,64 $ As fórmulas a usar, para o cálculo do IFR são: • Coluna Altas : =SE(P4P3; (P4-P3); 0,0000001) • Coluna Baixas: =SE(P4P3; (P3-P4); 0,0000001) • =100- (100/((MÉDIA(Q4:Q12)/MÉDIA(R4:R12))+1)) é a fórmula que se coloca na coluna IFR . Reparar que as médias referem-se a 9 dias; • Coluna $ (oversold) : =SE(S1320; $; ) • Coluna # (overbought): =SE(S1380; #; ) 7.—Estocástico O método Estocástico foi elaborado por George Lane sob o pressuposto de que, quando os preços sobem, os valores de fechamento devem estar próximos dos valores máximos alcançados no período e, quando os preços descem, os valores de fechamento devem estar próximos aos valores mínimos alcançados no período. É muito usado pelos investidores dos mercados futuros e de opções. O indicador possui uma escala de 0 a 100 e duas marcas em 20 e em 80 - indicando, tal como no IFR, um mercado supervendido ou supercomprado. A operação deste método é semelhante ao método SMI. A lista abaixo mostra uma aplicação deste método. Os dados considerados foram os mesmos para o oscilador SMI. Compare os resultados.
  • 184. A arte de operar na Bols@ pela Internet MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES # ESTOC ÁSTIC O Min Max F ech 1,74 1,74 1,70 1,78 1,75 1,74 1,77 1,75 1,70 Mmin Mmax Fe-Mi Max-Fe EST 1,60 1,53 1,70 1,59 1,62 1,55 1,55 1,50 1,50 1,58 1,53 1,54 1,55 1,52 1,53 1,50 1,50 1,49 1,50 1,49 1,48 1,78 1,75 1,52 1,51 1,51 1,54 1,50 1,50 1,49 1,54 1,49 1,49 1,49 1,48 1,74 1,70 1,59 1,58 0,06 0,05 0,02 0,07 1,53 1,56 1,56 1,56 1,57 1,58 1,59 1,57 1,56 1,57 1,56 1,57 0,72 0,66 0,54 0,34 1,48 1,48 1,48 1,48 1,57 1,58 1,59 1,59 0,14 0,23 0,25 0,26 1,56 1,51 1,51 1,52 1,58 1,56 1,56 1,56 0,15 0,06 0,05 0,06 1,56 1,52 1,52 1,55 1,48 1,48 1,51 1,51 1,59 1,59 1,59 1,59 0,25 0,21 0,13 0,09 0,08 0,12 0,17 0,18 1,58 1,52 1,67 1,67 1,60 1,57 1,57 1,57 1,57 1,61 1,60 1,60 1,60 1,68 1,71 1,74 1,72 1,72 1,76 1,72 1,80 1,84 1,85 1,78 1,76 1,70 1,65 1,56 1,72 1,72 1,66 1,61 1,61 1,61 1,61 1,64 1,62 1,62 1,69 1,73 1,77 1,78 1,75 1,76 1,82 1,76 1,86 1,89 1,88 1,86 1,82 1,75 33,33 41,81 49,84 57,39 1,61 1,55 1,72 1,72 1,60 1,60 1,60 1,61 1,60 1,61 1,61 1,61 1,69 1,72 1,75 1,77 1,74 1,75 1,81 1,75 1,85 1,88 1,86 1,82 1,77 1,74 1,51 1,51 1,51 1,51 1,51 1,52 1,52 1,52 1,57 1,57 1,57 1,57 1,57 1,57 1,57 1,60 1,60 1,60 1,60 1,68 1,71 1,72 1,72 1,72 1,72 1,70 1,65 1,65 1,72 1,72 1,72 1,72 1,72 1,72 1,72 1,72 1,66 1,64 1,69 1,73 1,77 1,78 1,78 1,78 1,82 1,82 1,86 1,89 1,89 1,89 1,89 1,89 0,15 0,18 0,35 0,46 0,51 0,38 0,25 0,25 0,20 0,16 0,11 0,12 0,20 0,31 0,45 0,50 0,49 0,46 0,50 0,43 0,42 0,37 0,44 0,40 0,29 0,19 0,15 0,18 0,14 0,10 0,12 0,24 0,36 0,35 0,35 0,34 0,28 0,19 0,08 0,04 0,03 0,04 0,07 0,08 0,08 0,11 0,09 0,09 0,05 0,11 0,22 0,34 62,64 62,50 62,33 63,80 65,27 63,73 60,39 59,01 57,84 55,69 53,94 51,15 48,55 47,03 50,37 57,50 64,14 70,89 77,92 82,78 85,84 86,18 86,38 84,78 80,85 74,95 $ # # # # # # # CV Preço
  • 185. MANUEL MEIRELES $ MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES 1,70 1,74 1,74 1,70 1,89 0,13 0,42 67,74 1,74 1,68 1,60 1,57 1,75 1,75 1,69 1,62 1,74 1,70 1,62 1,57 1,70 1,68 1,60 1,57 1,89 1,88 1,86 1,82 0,12 0,10 0,08 0,04 0,45 0,48 0,57 0,67 59,74 52,23 43,71 35,10 V 1,52 1,51 1,57 1,57 1,53 1,57 1,52 1,51 1,75 1,75 0,03 0,07 0,71 0,65 25,79 18,88 $ 1,49 1,45 1,41 1,56 1,51 1,44 1,51 1,45 1,41 1,49 1,45 1,41 1,75 1,75 1,69 0,09 0,08 0,02 0,64 0,72 0,82 14,71 12,23 9,94 $ $ $ 1,42 1,38 1,43 1,49 1,52 1,48 1,50 1,55 1,48 1,38 1,46 1,55 1,41 1,38 1,38 1,38 1,62 1,57 1,57 1,56 0,07 0,07 0,15 0,25 0,72 0,61 0,44 0,31 8,84 8,26 9,39 12,87 $ $ $ $ 1,52 1,47 1,40 1,42 1,57 1,51 1,46 1,46 1,55 1,47 1,43 1,45 1,38 1,38 1,38 1,38 1,57 1,57 1,57 1,57 0,42 0,43 0,31 0,21 0,14 0,13 0,26 0,36 19,46 25,86 30,25 33,74 $ 1,45 1,51 1,53 1,50 1,52 1,56 1,60 1,55 1,51 1,52 1,57 1,52 1,40 1,40 1,40 1,40 1,57 1,57 1,60 1,60 0,23 0,30 0,40 0,41 0,32 0,23 0,14 0,16 39,41 45,84 53,68 59,08 1,52 1,61 1,63 1,59 1,61 1,61 1,58 1,57 1,59 1,57 1,57 1,58 1,61 1,58 1,56 1,55 1,57 1,61 1,62 1,80 1,66 1,75 1,73 1,76 1,76 1,71 1,62 1,65 1,68 1,63 1,66 1,64 1,65 1,60 1,60 1,59 1,58 1,63 1,62 1,60 1,60 1,59 1,63 1,64 1,65 1,84 1,79 1,80 1,76 1,78 1,78 1,76 1,62 1,65 1,63 1,59 1,64 1,61 1,59 1,59 1,59 1,58 1,58 1,62 1,61 1,60 1,59 1,55 1,63 1,61 1,65 1,80 1,78 1,77 1,74 1,77 1,77 1,74 1,40 1,42 1,45 1,50 1,50 1,50 1,52 1,57 1,57 1,57 1,57 1,57 1,57 1,57 1,56 1,55 1,55 1,55 1,55 1,55 1,55 1,55 1,57 1,61 1,62 1,66 1,62 1,65 1,68 1,68 1,68 1,68 1,68 1,68 1,68 1,66 1,66 1,65 1,65 1,63 1,63 1,63 1,63 1,64 1,65 1,84 1,84 1,84 1,84 1,84 1,84 1,84 0,51 0,57 0,63 0,50 0,41 0,34 0,32 0,20 0,11 0,05 0,04 0,07 0,10 0,12 0,10 0,06 0,11 0,14 0,24 0,41 0,58 0,70 0,62 0,55 0,48 0,39 0,11 0,08 0,05 0,14 0,18 0,20 0,20 0,25 0,27 0,26 0,25 0,19 0,15 0,10 0,11 0,15 0,12 0,11 0,03 0,07 0,10 0,17 0,23 0,24 0,24 0,24 63,51 65,31 67,61 70,28 73,74 75,93 76,45 73,95 70,81 65,76 59,09 51,26 45,68 41,93 38,41 32,95 32,20 35,43 44,75 56,72 66,43 71,93 73,09 73,65 74,51 74,19 1,70 C 1,43
  • 186. A arte de operar na Bols@ pela Internet % MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES 1,70 1,74 1,74 1,70 1,89 0,13 0,42 67,74 V 1,74 1,68 1,60 1,57 1,75 1,75 1,69 1,62 1,74 1,70 1,62 1,57 1,70 1,68 1,60 1,57 1,89 1,88 1,86 1,82 0,12 0,10 0,08 0,04 0,45 0,48 0,57 0,67 59,74 52,23 43,71 35,10 1,52 1,51 1,57 1,57 1,53 1,57 1,52 1,51 1,75 1,75 0,03 0,07 0,71 0,65 25,79 18,88 $ 1,49 1,45 1,41 1,56 1,51 1,44 1,51 1,45 1,41 1,49 1,45 1,41 1,75 1,75 1,69 0,09 0,08 0,02 0,64 0,72 0,82 14,71 12,23 9,94 $ $ $ 1,42 1,38 1,43 1,49 1,52 1,48 1,50 1,55 1,48 1,38 1,46 1,55 1,41 1,38 1,38 1,38 1,62 1,57 1,57 1,56 0,07 0,07 0,15 0,25 0,72 0,61 0,44 0,31 8,84 8,26 9,39 12,87 $ $ $ $ 1,52 1,47 1,40 1,42 1,57 1,51 1,46 1,46 1,55 1,47 1,43 1,45 1,38 1,38 1,38 1,38 1,57 1,57 1,57 1,57 0,42 0,43 0,31 0,21 0,14 0,13 0,26 0,36 19,46 25,86 30,25 33,74 $ 1,45 1,51 1,53 1,50 1,52 1,56 1,60 1,55 1,51 1,52 1,57 1,52 1,40 1,40 1,40 1,40 1,57 1,57 1,60 1,60 0,23 0,30 0,40 0,41 0,32 0,23 0,14 0,16 39,41 45,84 53,68 59,08 1,52 1,61 1,63 1,59 1,61 1,61 1,58 1,57 1,59 1,57 1,57 1,58 1,61 1,58 1,56 1,55 1,57 1,61 1,62 1,80 1,66 1,75 1,73 1,76 1,76 1,71 1,62 1,65 1,68 1,63 1,66 1,64 1,65 1,60 1,60 1,59 1,58 1,63 1,62 1,60 1,60 1,59 1,63 1,64 1,65 1,84 1,79 1,80 1,76 1,78 1,78 1,76 1,62 1,65 1,63 1,59 1,64 1,61 1,59 1,59 1,59 1,58 1,58 1,62 1,61 1,60 1,59 1,55 1,63 1,61 1,65 1,80 1,78 1,77 1,74 1,77 1,77 1,74 1,40 1,42 1,45 1,50 1,50 1,50 1,52 1,57 1,57 1,57 1,57 1,57 1,57 1,57 1,56 1,55 1,55 1,55 1,55 1,55 1,55 1,55 1,57 1,61 1,62 1,66 1,62 1,65 1,68 1,68 1,68 1,68 1,68 1,68 1,68 1,66 1,66 1,65 1,65 1,63 1,63 1,63 1,63 1,64 1,65 1,84 1,84 1,84 1,84 1,84 1,84 1,84 0,51 0,57 0,63 0,50 0,41 0,34 0,32 0,20 0,11 0,05 0,04 0,07 0,10 0,12 0,10 0,06 0,11 0,14 0,24 0,41 0,58 0,70 0,62 0,55 0,48 0,39 0,11 0,08 0,05 0,14 0,18 0,20 0,20 0,25 0,27 0,26 0,25 0,19 0,15 0,10 0,11 0,15 0,12 0,11 0,03 0,07 0,10 0,17 0,23 0,24 0,24 0,24 63,51 65,31 67,61 70,28 73,74 75,93 76,45 73,95 70,81 65,76 59,09 51,26 45,68 41,93 38,41 32,95 32,20 35,43 44,75 56,72 66,43 71,93 73,09 73,65 74,51 74,19 1,70 C 1,43
  • 187. MANUEL MEIRELES MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES 1,74 1,78 1,78 1,66 1,80 0,35 0,19 74,10 1,78 1,80 1,75 1,76 1,84 1,85 1,81 1,80 1,83 1,83 1,80 1,77 1,71 1,71 1,71 1,71 1,84 1,85 1,85 1,85 0,32 0,36 0,33 0,27 0,13 0,05 0,08 0,15 73,21 73,23 72,31 70,31 1,79 1,79 1,81 1,81 1,80 1,79 1,71 1,74 1,85 1,85 0,24 0,20 0,18 0,19 68,68 66,97 1,77 1,75 1,77 1,80 1,78 1,80 1,77 1,75 1,80 1,75 1,75 1,75 1,85 1,85 1,81 0,16 0,07 0,07 0,19 0,24 0,19 65,17 62,16 59,06 1,77 1,77 1,77 1,78 1,79 1,78 1,79 1,80 1,77 1,78 1,77 1,79 1,75 1,75 1,75 1,75 1,81 1,81 1,81 1,80 0,07 0,10 0,07 0,09 0,15 0,08 0,11 0,08 55,49 51,01 45,79 43,15 1,79 1,76 1,77 1,76 1,83 1,79 1,79 1,77 1,80 1,76 1,77 1,76 1,75 1,76 1,76 1,76 1,83 1,83 1,83 1,83 0,11 0,09 0,06 0,01 0,08 0,11 0,16 0,20 41,78 40,29 37,82 36,61 1,75 1,74 1,78 1,76 1,78 1,82 1,80 1,80 1,76 1,80 1,78 1,80 1,75 1,74 1,74 1,74 1,83 1,83 1,83 1,82 0,02 0,07 0,11 0,16 0,20 0,17 0,15 0,10 34,64 34,25 33,33 36,55 1,78 1,77 1,78 1,79 1,79 1,76 1,77 1,77 1,77 1,76 1,72 1,72 1,74 1,79 1,82 1,84 1,84 1,85 1,87 1,94 1,94 1,92 1,85 1,87 1,88 1,91 1,78 1,80 1,79 1,80 1,80 1,78 1,78 1,78 1,78 1,77 1,77 1,74 1,80 1,90 1,89 1,88 1,87 1,89 1,91 2,00 1,99 1,94 1,92 1,89 1,90 1,93 1,78 1,78 1,79 1,79 1,79 1,78 1,77 1,78 1,78 1,76 1,72 1,73 1,78 1,83 1,89 1,84 1,87 1,89 1,91 1,97 1,94 1,93 1,89 1,87 1,90 1,93 1,74 1,74 1,74 1,74 1,76 1,76 1,76 1,76 1,76 1,76 1,72 1,72 1,72 1,72 1,72 1,72 1,72 1,72 1,74 1,79 1,82 1,84 1,84 1,85 1,85 1,85 1,82 1,82 1,82 1,82 1,80 1,80 1,80 1,80 1,80 1,80 1,80 1,78 1,80 1,90 1,90 1,90 1,90 1,90 1,91 2,00 2,00 2,00 2,00 2,00 2,00 2,00 0,14 0,14 0,13 0,14 0,13 0,10 0,06 0,05 0,05 0,04 0,02 0,01 0,07 0,18 0,34 0,40 0,44 0,44 0,49 0,52 0,47 0,39 0,26 0,16 0,12 0,15 0,11 0,10 0,11 0,10 0,07 0,06 0,06 0,07 0,07 0,08 0,14 0,17 0,15 0,14 0,10 0,14 0,10 0,10 0,04 0,04 0,09 0,16 0,24 0,31 0,34 0,30 37,56 38,10 39,25 42,59 48,37 53,59 56,35 57,38 55,62 53,85 48,65 42,25 37,86 38,16 45,56 52,25 58,71 63,40 68,88 74,68 78,82 80,13 78,78 74,53 69,85 64,94 # V 1,87
  • 188. A arte de operar na Bols@ pela Internet MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES 1,90 1,94 1,90 1,85 1,99 0,18 0,26 60,62 1,88 1,87 1,83 1,84 1,92 1,90 1,88 1,88 1,91 1,89 1,85 1,88 1,85 1,85 1,83 1,83 1,94 1,94 1,94 1,94 0,19 0,15 0,12 0,11 0,19 0,17 0,17 0,20 55,84 50,12 44,56 39,78 1,87 1,85 1,90 1,87 1,87 1,85 1,83 1,83 1,94 1,94 0,11 0,11 0,22 0,22 37,39 37,46 1,83 1,82 1,79 1,86 1,84 1,85 1,84 1,83 1,79 1,83 1,82 1,79 1,92 1,90 1,90 0,07 0,04 0,02 0,24 0,24 0,26 37,66 36,12 32,51 1,75 1,76 1,78 1,80 1,84 1,79 1,80 1,83 1,76 1,77 1,80 1,80 1,75 1,75 1,75 1,75 1,90 1,90 1,87 1,86 0,02 0,03 0,08 0,12 0,32 0,38 0,34 0,26 26,88 21,88 19,60 19,48 ' $ $ A construção da planilha para o cálculo do Estocástico é feita da seguinte maneira: Coluna A:Min B:Max Linha 3 3 Fórmula Contém o valor Mínimo da ação no pregão Contém o valor Máximo da ação no pregão C:Fech 3 Contém o preço de Fechamento da ação D:Mmin E:Mmax F: Fe-Mi 9 9 12 = MÍNIMO(A3:A9) = MÁXIMO(B3:B9) = (C11-D11)+(C10-D10)+(C9-D9) G:Max-Fe H: EST I: $ 12 19 19 = (E11-C11)+(E10-C10)+(E9-C9) =100-(100/((MÉDIA(F11:F19)/MÉDIA(G11:G19))+1)) = SE(H1920; $; ) J: # K: C/V 19 = SE(H1980; #; ) Pontos de Compra e Venda Tal como no caso do IFR o investidor deve comprar quando o Estocástico estiver abaixo de 20 - indicado pelo sinal ($), e deve vender se o Estocástico estiver acima de 80 (indicado pelo sinal #). Recomendo: a) que se compre ao término dos sinais de $; b) que se venda quando o sinal # se extingue.
  • 189. MANUEL MEIRELES MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES 8.—OBV: On-Balance-Volume O método On-balance-volume foi desenvolvido por J. Granville, que associou o volume negociado com a evolução do preço do mercado. Também é conhecido por OBV ou CVI-Cumulative Volume Indicator. Granville dedicou muito do seu tempo a este método, que combina o preço com o volume (quantidade) de títulos negociados. O gráfico OBV é calculado da seguinte forma: a) Parte-se de um volume inicial ( volume do primeiro pregão que estamos considerando); b) no pregão seguinte: I- se o preço de fechamento tiver sido maior do que o fechamento do dia anterior soma-se o volume negociado ao volume acumulado anterior; II- se o preço de fechamento tiver sido menor do que o fechamento do dia anterior subtrai-se o volume negociado ao volume acumulado anterior. O resultado é um saldo acumulado (OBV). Portanto, este indicador é fácil de se traçar; a cada dia que o preço da ação fechar em alta adiciona-se o volume correspondente, ao saldo anterior (OBV); caso contrário subtrai-se o volume do saldo anterior. Se a cotação tiver fechado estável o saldo OBV permanece o mesmo. Desta forma o OBV pode assumir uma série de valores positivos e negativos, série esta que os investidores usam para captar sinais de compra ou de venda. Por esta teoria certos momentos são relevantes, como mostra a figura 9.10: Cotação OBV Status + + + + UP - - DOWN Figura 9.10
  • 190. A arte de operar na Bols@ pela Internet MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES a) cotação sobe durante dois pregões e OBV dos dois últimos pregões é crescente: UP b) cotação desce durante dois pregões e OBV dos dois últimos pregões é decrescente: DOWN. É assim que se forma o conceito de Up ou Down. São necessários quatro agrupamentos consecutivos, intercalando-se Up e Down para indicar a tendência da ação - semelhante, neste caso às vagas de Elliot. Por exemplo admitamos que temos a seguinte série de Ups e Downs: Up com OBV a 240.000.000 Down com OBV a 150.000.000 Up com OBV a 270.000.000 Down com OBV a 220.000.000 Estes valores indicam uma tendência altista pois cada Up tem um valor superior ao anterior (270.000.000 240.000.000) e cada Down também (220.000.000 150.000.000) Um exemplo oposto representaria uma tendência baixista. Não se apresentando os campos Up e Down nesta forma tem-se uma situação duvidosa: o investidor deve aguardar para poder formular sua opinião1 . 9—Clandstick ou Teoria das Velas O Candlestick é um método que data de 1750- usado pelos japoneses nas suas transações com arroz. Este método pretende antecipar a oscilação dos preços dos títulos. É conhecido, também, pelo nome de Teoria das Velas2. Este método foi precursor da teoria de Dow, e passou a ser empregado nos Estados Unidos no início da década de 90. Seu 1 Informações complementares encontram-se no artigo de Paulo Dehner Jr: Investidor profissional, N 108, out. 1991, p.24-6. 2 Um bom desenvolvimento da teoria encontra-se no artigo de Sérgio Pequeno e Elaine Restier Gonçalves: Investidor Profissional, N 115, nov. 1991, p.29-31
  • 191. MANUEL MEIRELES MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES nome deriva da apresentação das cotações - que se assemelham a uma vela, como pode ser vista na figura 9.11. Uma vela bem constituída, como mostra a figura 9.12, compõe-se de corpo e sombra: o corpo expressa a diferença entre ofechamento (último) e abertura. Através da sombra se marca os valores máximo e mínimo. Figura 9.11 Se o preço de fechamento é maior do que o de abertura a vela tem corpo branco. Uma vela negra significa que o preço de fechamento (último) foi menor do que o de abertura. O gráfico que usa clandsticks, tem a aparência mostrada na figura 9.13, e segue os mesmos princípios da Teoria de Dow, inclusive com as mesmas formações gráficas - linhas de suporte, de resistência, bandeiras, triângulos, etc. Figura 9.12 Figura 9.13 10 — Regras de Donchian As regras de Donchian orientam o investidor, que não necessita de fazer cálculos complicados. São as seguintes as regras: 1. Compre quando o preço superar o mais alto preço das quatro semanas anteriores; 2. Venda quando o preço cair abaixo do mínimo das quatro semanas anteriores.
  • 192. A arte de operar na Bols@ pela Internet MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES ! Este método é muito usado pelos investidores de commodities, e baseia-se no pressuposto de que, se o preço do título tiver força para vencer a resistência (ou romper o suporte) dos preços das últimas 4 semanas continuará a tendência. 11.—Esotéricos O mundo está mesmo cheio de técnicas - digamos, um pouco esotéricas. A Gazeta Mercantil3 no artigo Os astros ajudam as empresas de Wall Street, relacionava uma extensa bibliografia sobre astrologia e finanças. que ia desde Planetary Effects on Stock Market Prices4 , até An Astrological Analysis of the Dow Jones Averages5 . Obviamente não abordarei aqui qualquer método esotérico, mas recomendo que esteja aberto para possíveis relações que possam existir entre certos índices, por mais estranhas que tais relações possam parecer. Edward Dewey, na sua obra Ciclos- as forças misteriosas que guiam os fatos6 , mostra inúmeras relações entre diversos ciclos e estuda os ciclos das Bolsas. Dewey mostra, por exemplo, que os ciclos dos preços combinados de ações, no período de 1871 a 1956, eram os mesmos dos ciclos de abundância de galos silvestres ou de manchas solares; os preços de ações de estradas de ferro acompanham os dos preços do açúcar, da pressão barométrica ou da precipitação pluviométrica; e muito mais. Isto faz lembrar outra história, que ocorreu em 1960, na Universidade de Harvard7 : Tendo sido convidado para proferir uma palestra so3 Relatório Gazeta Mercantil - A Bolsa do Rio, de 14.6.1995 4 Os efeitos planetários nos preços das Bolsas, de LANGHAM, James Mars, The Maghnal Publishing, Los Angeles, 1932, 178 páginas. 5 Úma análise astrológica do Índice Dow Jones , de WATTERS, Barbara H., Valhalla, Washington, 1982, 301 páginas. 6 7 Editada no Brasil pela Editora Record. MONROE, Rafael. O caos e a Bolsa de Valores. Revista Limite, Número 10, 1993, Nova Sampa Diretriz Editora, p.42
  • 193. MANUEL MEIRELES MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES bre a distribuição de rendas nos EUA, dentro de um ciclo de conferências econômicas, um palestrante, ao entrar na sala, foi tomado por uma irritação profunda.No quadro negro, encontrou desenhado o mesmo gráfico que iria apresentar como resultado de seus estudos. Sua raiva era justificada. O gráfico indicava não só que alguém tinha feito um trabalho similar, tornando seu estudo não original, como também que a Universidade tinha convidado outro colega para falar do mesmo assunto, para a mesma platéia, sem lhe informar. Chamou o coordenador do evento e perguntou: Como pode o meu diagrama aparecer antes da minha palestra? Ouviu, então, que o gráfico na lousa representava a variação dos preços do algodão nos últimos 8 anos, e nada tinha a ver com a distribuição de rendas. Seu nome era Benoit Mandelbrot. E a cena não saiu mais de sua mente. Não podia ser apenas coincidência. Ele voltou para casa e continuou a pesquisar não só os preços do algodão, mas também as cheias do Nilo, os ruídos em linhas telefônicas... e assim começou a formular a chamada Matemática dos Fractais: um conjunto novo de abordagens cujos princípios parecem se encaixar à grande maioria dos fenômenos naturais. Mandelbrot foi um dos pioneiros da chamada Ciência do Caos. Desde então, muitos outros pesquisadores têm seguido seus passos, na tentativa de encontrar formulações matemáticas que expliquem o funcionamento dos mercados financeiros. O Ciclo da Lua Este esotérico método baseia-se na mudança das fases da lua, e recomenda comprar por ocasião da lua cheia e vender na lua nova. É evidente que não há qualquer pressuposto metodológico para este método que é citado pela sua forma curiosa. Certa vez, em 1996, testei este método — sobre a Aracruz PNB — e fiquei surpreendido com os resultados: das 10 ordens,
  • 194. A arte de operar na Bols@ pela Internet MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES # 7 foram boas e 3 ruins - o que é uma excelente taxa de acerto. Teria ganho um total de 11,40%. É um método que recomendo para se discutir à mesa de um bar, jogando conversa fora. 12.—Opinião contrária O pressuposto desta teoria é que o público está geralmente errado — o que é uma grande verdade. Para acertar basta fazer exatamente o oposto. Mas como se sabe se o público está comprando ou vendendo - para que o investidor faça exatamente o oposto? É o IFR - Índice da Força Relativa que nos diz se o título está supercomprado (IFR 80) ou supervendido (IFR 20). Portanto, esta teoria da opinião contrária estriba-se no seguimento do IFR. Centímetros de cotações Um amigo meu8 aplicava este método e com muitos bons resultados. Ele é um tipo muito especial de investidor que compra e vende ações sempre com um horizonte longo. Mas não administrava as ações individualmente: selecionava algumas ações e comprava-as e vendia-as sempre todas ao mesmo tempo. O momento de comprar e vender era baseado na opinião contrária — mas é muito curioso como ele determinava a hora de comprar e vender: era com uma régua. Para saber se a Bolsa estava boa para comprar ou vender ele media quantos centímetros tinha a listagem da Gazeta Mercantil das ações que começavam por A: uma lista com poucos centímetros, indicava que ninguém estava comprando — e ele comprava de uma só vez; uma lista com muitos centímetros indicava que todo mundo estava comprando. tudo, punha o dinheiro em alguma aplicação, e aguardava a lista diminuir. Certa vez perguntei-lhe: — Já compraste? E ele respon8 Desculpe-me Edmar Figeiroa, mas não resisti a revelar seu segredo. Foi Edmar quem, em 1975, me ensinou a apostar na Bolsa e em corridas de cavalos. 9 Não há dúvida que este método — conquanto um tanto estranho quanto à sua operacionalização — é baseado na operação contrária.
  • 195. MANUEL MEIRELES $ MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES deu: — Ainda não: vou esperar a lista encolher mais dois centímetros9 . 13.—Teoria das Caixas de Nicolas Darvas A teoria das Caixas, de Nicolas Darvas - o bailarino - baseia-se no princípio de que as ações possuem uma tendência definida, para cima ou para baixo, e que, uma vez estabelecida essa tendência, as ações movem-se dentro de diversas molduras ou caixas - limites inferiores e superiores. Quando ocorrer um movimento súbito, brusco, com energia para a próxima caixa é a altura da compra ou da venda. A ação deve ser vendida ou comprada quando as caixas começam a mover-se em sentido contrário. A negociação deve ser feita no momento em que a ação é atraída para o limite (máximo ou mínimo) da Caixa. 14.—Buy-and-Hold Esta é uma técnica muito simples: consiste em comprar ações e guardá-las. Não é, portanto, uma técnica para especulador, mas sim a técnica que se ajusta à teoria do cash-yield. Se você adotar o cash-yield como selecionador de ações você só pode adotar buy-and-hold10 como a técnica complementar de acompanhamento. Conclusão Você viu neste capítulo os princípios básicos e gerais de alguns indicadores que especuladores e investidores usam para orientar as suas operações nas Bolsas. Tal como o SMI — que 9 Não há dúvida que este método — conquanto um tanto estranho quanto à sua operacionalização — é baseado na operação contrária. 10 Compre e guarde.
  • 196. A arte de operar na Bols@ pela Internet MÉTODOS PARA ACOMPANHAR AÇÕES % eu adoto —nenhum deles é totalmente confiável, mas posso afirmar seguramente que sua aplicação produz resultados melhores do que o uso da intuição, do palpite ou outro método11 . Para os métodos que reputo mais importantes — e que você pode adotar — forneci os algoritmos que lhe permitirão construir a base de dados necessária às suas operações. 11 Excluídos os esotéricos, é claro.
  • 197. A arte de operar na Bols@ pela Internet GLOSSÁRIO ' GLOSSÁRIO
  • 198. MANUEL MEIRELES ! GLOSSÁRIO A ABAMEC: Associação Brasileira dos Analistas de Mercado de Capitais ABRASCA: Associação Brasileira das Companhias Abertas. Ação: 1. Menor parcela de capital social de uma sociedade anônima, e representa um título patrimonial sem data de resgate e, geralmente, sem valor facial. 2. Unidade de constituição do capital social das sociedades anônimas. 3. Título negociável, geralmente em Bolsas de Valores. 4. Título negociável, geralmente sem valor nominal, sem data de vencimento, representativo de propriedade de uma fração do capital social de uma sociedade anônima. Ação cheia: 1. Título negociável, geralmente em Bolsas de Valores, com direito a benefícios. (Ver Benefícios) 2. Ação que ainda não recebeu ou exerceu direitos concedidos pela empresa emissora. Ação de segunda linha: Ação com menos liquidez do que as blue-chips. Ver blue chip. Ação de terceira linha: ação liquidez ainda menor do que as ações de segunda linha. Ação escritural: ação mantida em contas de depósito, em nome do titular, sem emissão de certificado. Ação listada na Bolsa: ação de empresa de capital aberto, que pode ser negociada no recinto da Bolsa de Valores, por intermédio de Corretoras. Ação nominativa: ação que identifica o nome do proprietário. Na empresa há o Livro de Registro de Ações Nominativas que indica o nome de todos os acionistas. Ação ordinária: ação que concede ao proprietário direito a voto nas reuniões dos acionistas. O controle da empresa é feito pela posse das ações ordinárias. Ação preferencial: ação que dá ao seu proprietário prioridade
  • 199. A arte de operar na Bols@ pela Internet GLOSSÁRIO ! no recebimento de dividendos ou, em caso de dissolução da empresa, prioridade no reembolso de capital. Excepcionalmente dá direito a voto nas assembléias dos acionistas - quando a empresa deixa de distribuir dividendos por 4 ou mais anos consecutivos. Ação registrada: ação controlada pela empresa emitente, ou por terceiros, com corrrespondente (ou não) certificado de emissão. Ação vazia: 1. Título negociável, geralmente em Bolsas de Valores, que já exerceu direito de benefícios. (Ver Benefícios). 2. Ação que já exerceu os direitos concedidos pela empresa emissora. Acionista: proprietário de uma ou mais ações representativas do capital social de uma sociedade anônima. Acionista majoritário: acionista que detém ações com direito a voto que lhe permite controlar - indicar o presidente e diretores - a empresa. Acionista minoritário: acionista proprietário de ações com direito a voto, mas cuja quantidade não garante o controle da sociedade. ADEVAL: Associação das Empresas Distribuidoras de Valores ADR (American Depositary Receipt) Recibo de ações de uma companhia, sediada fora dos Estados Unidos, custodiado por um banco dos Estados Unidos e outorgando aos acionistas o direito sobre todos os dividendos e ganhos de capital. Em vez de comprar ações de companhias estrangeiras nos mercados externos, os norte-americanos podem comprá-las nos Estados Unidos sob a forma de um ADR. Os ADRs também são conhecidos como American Depositary Shares.Os ADRs são divididos em níveis . O nível 3 permite que sejam listados nas Bolsas. After-market: 1.Programa lançado pela Bovespa em 20/09/99 permitindo negociações fora do horário regular. 2. Negociação de ações, que tiverem sido transacionadas no pregão regular (11:00 às 18:00 h), no mercado à vista. 3. A variação máxima permitida, nos preços das ações negociadas after-market é de 2% positiva ou negativamente em relação ao preço de fechamento do período diurno. Algoritmo: fórmulas a que se sujeitam dados para que produ-
  • 200. MANUEL MEIRELES ! GLOSSÁRIO zam um certo resultado. Por exemplo, dado n números, a média desses números é obtida é obtida através do seguinte algoritmo: Sn /n. AMEX: (American Stock Exchange) Bolsa de Valores que registra o segundo maior volume de negócios dos Estados Unidos. Está localizada no centro comercial de Manhattan. Até 1921 era conhecida como Curb Exchange, a ainda hoje é designada por Curb. A maioria das ações e títulos negociados na Amex pertence a pequenas e médias empresas. As ações das grandes companhias norte-americanas são negociadas na NYSE. Inúmeras companhias de petróleo e gás têm suas ações negociadas na Amex. ANA: (Aviso de Negociação de Ações) - comprovante de operação enviado pela Bolsa de Valores ao comitente (investidor). ANAAI: Associação nacional dos Agentes Autônomos de Investimentos. ANBID: Associação Nacional dos Bancos de Investimento ANCOR: Associação Nacional das Corretoras de Valores, Câmbio e Mercadorias. Ativo: Conta do Balanço patrimonial, compreendendo bens e direitos que são apresentados em ordem de liquidez, iniciando com o disponível (caixa e bancos), contas a receber, estoques e assim sucessivamente. B Balancete: demonstrativo contábil do estado patrimonial e da situação econômico-financeira de uma empresa, referente à parte do período do exercício social. Balanço: Demonstrativo contábil do estado patrimonial ou situação econômico-financeira de uma empresa, referente a um dado exercício social. BBF: Bolsa Brasileira de Futuros, foi a primeira bolsa de futuros a ser criada no país, fundada em 1983. A compensação das operações da BBF ficou a cargo de uma empresa criada especialmente para este fim: a Câmara Brasileira de Compensação, similar à ICCH: International Commodities Clearing House. Em 1989 a BBF foi incorporada pela Bolsa de Valores do Rio de Janeiro.
  • 201. A arte de operar na Bols@ pela Internet GLOSSÁRIO !! BDI: Boletim Diário de Informações sobre as operações realizadas na Bovespa. O BDI pode ser visto na Gazeta Mercantil ou no site da Bovespa. Benefícios: 1. Dividendos, bonificações, direitos de subscrição, juros sobre o capital ou quaisquer outras vantagens atribuídas aos portadores ou titulares de ações. 2. Bonificações, dividendos, juros e direitos de subscrição distribuídos aos acionistas. Beta (ß): Medida do risco de um ativo baseada na covariância de sua taxa de retorno com a do mercado (normalizado pela divisão desta covariância pela variância da taxa de retorno de mercado). Blue chip: 1. ação com grande liquidez e procura no mercado. 2. Ação de primeira linha. BMF: Bolsa de Mercadorias de Futuros. Boleta: documento no qual os operadores registram os negócios de compra e venda de ações no Recinto de Negociações das Bolsas de Valores. Bolsa Brasil: Fusão patrimonial das Bolsas de valores de São Paulo e do Rio de Janeiro ocorrida em 27 de janeiro de 2000. A Bovespa passa a ser o centro de negócio de ações e a BVRJ de títulos públicos. Bolsa de Valores: associação civil sem fins lucrativos com o objetivo básico de manter local adequado para encontro de seus membros e à realização, entre eles, de transações de compra e venda de títulos de valores mobiliários, em mercado livre e aberto, especialmente organizado e fiscalizado por seus membros e pelas autoridades monetárias. Bolsahoje: Boletim oficial da BVRJ publicado no caderno de Economia do jornal O Globo. Bonificação: Ações distribuídas gratuitamente aos acionistas, em decorrência de aumento de capital realizado por incorporação de reservas. Bônus de subscrição: título nominativo, negociável em bolsa, que confere ao seu titular o direito de subscrever ações. Bovespa: Bolsa de Valores de São Paulo: associação civil sem fins lucrativos com o objetivo básico de manter local adequado ao encontro de seus membros e à realização, entre eles, de transações de compra e venda de títulos e valores mobiliários.
  • 202. MANUEL MEIRELES ! GLOSSÁRIO BOVMESB: (Bolsa de Valores Minas-Espírito Santo-Brasília, opera interligada à Bolsa do Rio de Janeiro pelo SENN. Foi fundada em 1947 e reúne os estados de Minas, Espírito Santo e Distrito federal, com jurisdição em Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Roraima e Tocantins. Briefing: Ver prospecto Buy and put away: Filosofia de investimento: a melhor maneira de ganhar é comprar ações e guardá-las. Buy side: analista responsável pela escolha dos títulos que devem compor a carteira de uma instituição financeira. Buy-and-Hold: Técnica ou filosofia de investimento que consiste em comprar e guardar ações. O mesmo que Buy and Put Away. BVES: (Bolsa de Valores do Extremo Sul) Bolsa onde são negociadas as ações das companhias abertas do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina., através dos sistemas SENN e CATS. BVRJ: Bolsa de valores do Rio de Janeiro. C Cadastro de clientes: conjunto de dados e informações gerais sobre a qualificação dos clientes das sociedades corretoras. Capital: 1. Soma de todos os recursos, bens e valores mobilizados para a constituição de uma empresa. 2. Numerário disponível para investimento. Carteira de ações: conjunto de ações (títulos de renda variável) de propriedade de uma pessoa física ou jurídica. Carteira de títulos: conjunto de títulos de renda fixa ( obrigações governamentais, debêntures, letras imobiliárias, etc) e de renda variável (ações) de propriedade de uma pessoa física ou jurídica. Carteira Eficiente: Conjunto de títulos constituindo uma carteira que pertence ao conjunto de carteiras que se situam sobre a linha Cb-Cd (ver figura 2.7) que oferecem a maior taxa de retorno para um dado risco. Carteira Teórica Bovespa: Ver Ibovespa. Cash-yield : indicador que mede o retorno financeiro de uma ação. CATS: (Computer Aided Trade System) Sistema de computação
  • 203. A arte de operar na Bols@ pela Internet GLOSSÁRIO !# que prestava informações sobre o Mercado e permite realizar negócios fora do pregão de viva voz. Foi absorvido e substituído, em julho de 1997, pelo sistema Megabolsa. Cautela: certificado que materializa a existência de um número de ações. CBLC: Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia. Clearing criada em 1998 decorrente da reestruturação patrimonial da Bovespa. CDB: 1. Certificado de Depósito Bancário: título emitido por bancos para captar dinheiro do público. 2. Rendimento oferecido pelos Bancos aos compradores de CDB, cuja taxa média é calculada pela Associação nacional de Bancos de Investimento e Desenvolvimento (ANBID). CDB-over: Remuneração paga a um investidor de CDB para um dia útil e que a uma taxa exponencial 1/d, onde d corresponde ao número de dias corridos do mês. Chamada de capital: subscrição particular ou pública de ações novas pelo valor nominal ou outro valor, com ou sem ágio, para aumentar o capital social de uma empresa. CIB: 1. Curva de Indiferença Básica ¾gráfico que expressa a relação aceitável por um determinado investidor, entre risco e retorno. 2. Centro de Informações Bovespa, destinado a atender dúvidas do público em geral sobre o Mercado de Ações e sobre a Bolsa de valores de São Paulo. Circuit-breaker: 1. mecanismo de controle de oscilação da Bolsa, implantado pela Bovespa em 31/10/97: interrompe as negociações por trinta minutos quando o Ibovespa atinge baixa de 10% em relação ao índice de fechamento do dia anterior; reabre e interrompe por uma hora se o índice atingir o patamar de 15% negativo em relação ao dia anterior. 2. Mecanismo anti-pânico, que protege os investidores de grandes baixas. CIS: Curva de Indiferença Secundária — gráfico derivado da Curva de Indiferença Básica, por deslocamento paralelo desta. Clearing: Empresa que gerencia sistemas e garantias para a liquidação das operações realizadas em bolsa e para a custódia de valores mobiliários. Clube de investimento: conjunto de pessoas que se reúnem com o objetivo de aplicar suas economias em conjunto,
  • 204. MANUEL MEIRELES !$ GLOSSÁRIO em títulos negociados no mercado financeiro. Na BOVESPA os Clubes de Investimento foram regulamentados pelas resoluções 181/85-CA e 189-86-CA. Esta brilhante idéia não se tornou realidade porque a administração dos Clubes de Investimento deve ser exercida por sociedade corretora, sociedade distribuidora ou banco de investimento. Há pouquíssimos Clubes de Investimento. CNBV: Comissão Nacional de Bolsa de Valores. CODIMEC: Comitê de Divulgação do Mercado de Capitais. Organismo sem fins lucrativos composto por associações do mercado financeiro. Coeficiente angular: O mesmo que ß de um título. Ver Beta (ß). Comitente: pessoa que encarrega uma outra de comprar, vender ou praticar qualquer ato, sob suas ordens ou por sua conta, mediante certa remuneração a que se dá o nome de comissão ou corretagem. Commercial paper: obrigação de curto prazo, com vencimento que varia de 2 a 270 dias, emitida por banco, companhia ou outro tomador para subscrição por investidores cujos recursos estejam temporariamente desaplicados. O papel não é garantido e geralmente é negociado com deságio, embora haja commercial paper que renda juros. Commodities: (sing.: commodity) Mercadorias como grãos, metais e alimentos negociados em Bolsas de Mercadorias. Companhia: o mesmo que sociedade anônima. Uma sociedade anônima, ou companhia, pode ser aberta ou fechada. Ver Companhia aberta. Companhia aberta: 1. Empresa sociedade anônima cujos valores mobiliários são negociados nas Bolsas de Valores ou no mercado de balcão. 2. Sociedade anônima cujas ações são negociadas em Bolsa de Valores. para abrir o capital a empresa deve atender às exigências da CVM- Comissão de Valores Mobiliários - e da Bolsa de Valores onde se inscreve. Confirmação: aviso que o corretor dá ao cliente da efetivação de uma negociação com ações. Contas a receber: Conta do Ativo composta pelo valor dos títulos que a empresa tem a receber menos provisão para re-
  • 205. A arte de operar na Bols@ pela Internet GLOSSÁRIO !% duzi-los ao valor provável de realização. Corretagem: taxa de remuneração da sociedade corretora ao efetuar uma compra ou venda de ações em nome de uma pessoa física ou jurídica. Corretor: 1.Intermediário na compra e venda de títulos. 2. Funcionário de Corretora, que atende a pessoa física ou jurídica, nos assuntos referentes a ordens de compra ou venda de ações. Corretora: Ver Sociedade Corretora. Cotação: 1. Preço registrado em Bolsa de Valores na negociação de ações. 2. Preços relativos a dada ação em momentos específicos do pregão (abertura, fechamento) ou a determinadas características: máxima, média, mínima. Custódia de títulos: serviço de guarda de títulos e de exercício de direitos aos investidores. Custódia fungível: serviço de custódia onde os valores mobiliários retirados podem não ser os mesmos depositados, embora sejam das mesmas espécies, qualidade e quantidade. Deixa de existir a necessidade de se retirar exatamente o mesmo certificado depositado. Os depósitos de moeda nos bancos são fungíveis: a pessoa que deposita uma certa nota de R$100 mais tarde poderá retirar R$100 mas não necessariamente a mesma nota depositada. CVM: Comissão de Valores Mobiliários: autarquia especial, vinculada ao Ministério da fazenda, criada pela lei 6385 de 712-1976 com a função de disciplinar, fiscalizar e promover o mercado de valores. D DDM: (Discagem Direta ao Mercado) sistema de acesso às informações da BVRJ. Debênture: 1. título nominativo, representativo de um empréstimo, geralmente de longo prazo, feito por um debenturista a uma empresa. 2. Título que representa um empréstimo contraído por uma Sociedade Anônima mediante lançamento público ou particular, garantido pelo ativo da sociedade e com preferência para o resgate sobre quase todos os demais créditos. Debênture conversível em ações: debêntude cujo pagamen-
  • 206. MANUEL MEIRELES ! GLOSSÁRIO to pode ser feito em ações, em épocas e condições prédeterminadas. Derivativos: basicamente contratos cujo valor muda de acordo com movimentos de preços de determinado ou determinados instrumentos financeiros ou commodities. As peçaschave do mercado do mercado de derivativos são os contratos futuros, os contratos a termo, e os contratos de opções. O conceito de derivativo está intimamente ligado ao de hedge, ou proteção contra situações de risco. A expressão derivativo decorre do fato do valor do instrumento se basear em um outro tipo. Por exemplo, uma opção é um instrumento derivativo porque seu valor deriva do valor da ação à qual a opção está atrelada. Direito de subscrição: direito de preferência que um acionista tem de subscrever novas ações de uma Sociedade Anônima, quando do aumento do Capital mediante subscrição. O direito pode ser negociável ou não. Subscrever o Capital significa informar a companhia, mediante certa documentação que está interessado em adquirir certa quantidade de ações. A seguir vem a fase de integralização, isto é, a fase do pagamento das ações anteriormente subscritas. O direito de subscrição assegura que o acionista pode subscrever um percentual de ações igual à sua participação na empresa. Por exemplo, um acionista que tem 2,7% de ações, tem direito a subscrever 2,7% das novas ações. Disclosure: revelação de informações, por parte da empresa, aos acionistas; é um instrumento imprescindível não só para a tomada de decisão pelo investidor como para sua proteção. DISP: Disponibilidades: valores e títulos integrantes do ativo duma empresa, que podem ser prontamente convertidos em numerário. Diversificação: Técnica que consiste em constituir uma Carteira com diversos títulos que possam tornar nulo, a qualquer momento, o risco diversificável. Ver Risco diversificável. Dividendo: Valor distribuído aos acionistas, em proporção à quantidade de ações possuídas e com recursos oriundo dos lucros obtidos pela empresa num determinado período. A Lei das Sociedades Anônimas obriga a um dividendo míni-
  • 207. A arte de operar na Bols@ pela Internet GLOSSÁRIO !' mo de 25% do lucro líquido apurado no exercício social. Dow Jones Industrial Average: Índice da Bolsa de Valores semelhante ao Ibovespa. Foi inicialmente criado por Charles Henry Dow em 3 de julho de 1884 -e era a média aritmética de onze preços de fechamento de ações escolhidas por Dow; em 1896 passou para 12 ações; atualmente o Dow Jones é um índice composto de 30 ações. DR: 1. Depositary Receipts: certificado de depósito de ações emitido por um banco estrangeiro (Banco depositário ou emissor) e lastreado em ações brasileiras, custodiadas por um Banco brasileiro (Banco custodiante). Ver ADR. 2. Título de crédito formal, nominativo, emitido por negociante com a mesma data, valor global e vencimento da fatura, e representativo e comprobatório de crédito preexistente (venda de mercadoria a prazo), destinado a aceite e pagamento por parte do comprador, circulável por meio de endosso, e sujeito à disciplina do direito cambiário. 3. Abreviatura de Duplicatas a receber: 1.Conta do Ativo Circulante. E EBCP: Empréstimos Bancários de Curto Prazo: 1. Conta do Passivo Circulante. 2. Valores a pagar a Bancos dentro de 12 meses. Emissão: ato de emitir títulos ou dinheiro. Endividamento geral: Participação dos recursos financiados por terceiros; é considerado um indicador de risco da empresa. É aferido por: E= (ECP + ELP + Dd) / AT onde: ECP é o Exigível a curto prazo; ELP é o exigível a longo prazo; Dd é o valor das duplicatas descontadas; AT é o ativo total. Escola fundamentalista: corrente de pensamento, referente à análise de títulos, que baseia sua escolha nos dados econômico-financeiros da empresa (balanços, vantagens competitivas, etc.). Escola Grafista: Ver Escola Técnica. Escola Técnica: 1. Corrente de pensamento que se baseia, para gerir portfólios, do comportamento dos títulos no mercado, sendo os gráficos seu material de apoio principal. 2. O mesmo que Escola Grafista.
  • 208. MANUEL MEIRELES GLOSSÁRIO Especulador: Pessoa física ou jurídica que aplica recursos (não necessariamente suas economias ou disponibilidades) na aquisição de ações ou títulos no mercado financeiro, num horizonte de curto ou curtíssimo prazo, tendo por base uma expectativa na elevação de preços das ações. Est: Estoques: 1. Conta do Ativo Circulante constituída de mercadorias ou produtos, avaliados pelo custo de aquisição ou de fabricação, reduzidos de provisão para ajustá-los ao preço de mercado quando este for inferior. 2. Conta do Ativo Circulante compreendendo: produtos acabados, mercadorias para revenda, produtos em elaboração, matérias-primas, materiais de acondicionamento e embalagem, Execução de ordem: efetiva realização de uma ordem de compra ou de venda de valores mobiliários. Exercício operacional: período com início em 1/4/9x e 31/3/ 9x+1. F FGV-100: Índice de ações, criado em 1987 pela Fundações Getúlio Vargas composto por empresas não-estatais e não-financeiras. FIF: fundos de investimento financeiro. FORN: Fornecedores: Conta do Passivo Circulante constituída por valores a pagar a fornecedores nacionais ou estrangeiros dentro de 12 meses. Fundo de Ações: (ou Fundo Mútuo de Ações) 1. Conjunto de recursos administrados por uma Sociedade Corretora ou Banco de Investimento, que os aplica em uma carteira constituída no mínimo por 67% de ações negociadas nas Bolsas de Valores. 2. Fundo de renda variável. Fundos cambiais: fundos de investimento em ativos cujo rendimento está associado à variação cambial: swap de dólar, export notes, por exemplo. Fundos de carteira Livre: Aplicam em ações ou derivativos. Fundos de derivativos: fundos cuja carteira é predominantemente composta de derivativos, como contratos futuros, opções e operações a termo. Fundos garantidos: fundos que garantem, no mínimo, o retorno
  • 209. A arte de operar na Bols@ pela Internet GLOSSÁRIO do capital investido. G Gestão de portfólio: Análise, seleção, aquisição, acompanhamento e venda de títulos, de renda fixa e variável (ações) com o objetivo de obter ganhos. H Habilidade de seleção: 1. Capacidade de um método em selecionar ativos que, decorrido um determinado período estejam incluídos no ranking Classe A, segundo Nihans, de ativos mais rentáveis. 2. Proporção com que ativos selecionados previamente compunham a Classe A, segundo Nihans, dos ativos mais rentáveisnum dado período. Essa proporção pode ir de 0% a 100%. Dependendo do valor da proporção, pode-se rotular a habilidade: de 00,0% a 09,9% habilidade desprezível; de 10,0% a 29,9% habilidade baixa; de 30,0% a 49,9% habilidade moderada; de 50,0% a 69,9% habilidade substancial; acima de 69,9% habilidade muito forte. Hedge: (proteção) operação que tem por objetivo proteger uma outra contra riscos decorrentes de variações negativas. É, portanto, uma estratégia usada para compensar investimentos de risco. Um hedge perfeito é aquele que elimina a possibilidade de ganhos ou perdas futuras. Home Broker: 1.Sistema que permite o investimento direto na Bolsa de Valores de São Paulo através da Internet. 2. Sistema semelhante ao serviço Home Banking, implantado pela Bovespa, permitindo que investidor, previamente cadastrado numa corretora (que faça parte do sistema), envie, automaticamente, através da Internet, ordens de compra e venda de ações à vista I IAN: Informações anuais: documento mais detalhado do que o ITR, apresentado anualmente pelas companhias abertas, ao mercado. IBMEC: Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais.
  • 210. MANUEL MEIRELES GLOSSÁRIO Ibovespa: 1. Índice da Bolsa de Valores de São Paulo 2. Conjunto de ações que, numa certa proporção constituem tal índice. Fazem parte da carteira os títulos que representam 90% do total de dinheiro negociado na Bolsa de Valores de São Paulo nos últimos 12 meses. A carteira Ibovespa é revista de 4 em 4 meses. 3. Lucratividade de uma carteira de ações, hipotética e suposta como sendo a carteira pertencente ao Mercado. IBV- Índice da Bolsa de Valores do Rio de Janeiro .Fazem parte do IBV os títulos que representam 90% do total do dinheiro negociado na BVRJ nos últimos 12 meses. A composição da carteira do IBV é revista a cada 4 meses. O IBV, na sua estrutura, difere do Ibovespa e do I-Senn, pois pondera as ações pelo valor de mercado destas e não por sua participação no volume de negócios. O Índice composto da Bolsa de Nova York é de estrutura semelhante ao do IBV. A ponderação é feita segundo o valor de mercado das ações em circulação, ou seja, de acordo com o valor que custaria para alguém comprar em bolsa todas as ações de uma empresa que não estão nas mãos dos seus controladores. Este método evita que um determinado papel tenha uma participação inflada. Para que um papel seja incluído no IBV ele precisa atender a três critérios: o primeiro é ter sido negociado em pelo menos 80% dos pregões dos 12 meses anteriores; o segundo é que não tenha ficado mais de cinco vezes por período de cinco dias consecutivos sem negócios, também nos últimos 12 meses; o terceiro é que apresente um mínimo de 1000 negócios nos mesmos 12 meses anteriores. IBX: Índice Brasil, constituído pelas 100 ações mais negociadas. IEE: Índice setorial composto pelas ações do setor elétrico. INBV: Índice Nacional das Bolsas de Valores. Mede os ganhos do Mercado nacional referentes às bolsas de São Paulo e Rio de Janeiro. INDAÇ: Valor deflacionado de um lote de ações ao longo do tempo, incorporando todos os benefícios por esse lote obtidos pela ação nesse período . Índice de negociabilidade: indicador que mostra quão relativa é a presença de uma ação no mercado, levando em conta
  • 211. A arte de operar na Bols@ pela Internet GLOSSÁRIO ! as proporções do número e do volume de negócios feitos com a ação em relação ao número de negócios totais feitos na Bolsa. Informações das companhias abertas: Para terem suas ações negociadas em Bolsa, as companhias devem divulgar um conjunto de informações periódicas e eventuais, entre elas: a) Relatório da Administração, Demonstrações Financeiras Anuais e parecer de Auditoria independente; b) DFP: Demonstrações Financeiras Padronizadas; c) ITR: Informações trimestrais; d) IAN: Informações Anuais; e) Atas das Assembléias Gerais Ordinárias e Extraordinárias; f) Divulgação de Fatos Relevantes. Insider: [insaider] aquele que tem conhecimento dos acontecimentos de uma empresa, que nunca virão a público ou só virão mais tarde. O que está por dentro. Investidor: 1. Pessoa que faz aplicações no mercado financeiro. 2. Pessoa física ou jurídica que aplica suas economias ou disponibilidades na aquisição de ações ou títulos no mercado financeiro, num horizonte a longo prazo, objetivando auferir renda principalmente derivada dos benefícios de tais títulos: dividendos, bonificações. investidor técnico: investidor que segue um determinado método - qualquer que ele seja - para fazer suas ordens de compra e venda. Segue, obrigatoriamente uma ou mais técnicas das Escolas Grafista ou Fundamentalista. I-Senn: Índice do Sistema Eletrônico de Negociação Nacional. que se assemelha ao Ibovespa. É calculado a partir das 50 ações mais negociadas no pregão eletrônico nacional, ponderadas de acordo com o volume de negócios que representam. ISIN: Codificação de título brasileiro obedecendo ao padrão ISSO 6166. Por exemplo, o ISIN do Banco do Brasil é: BRBBASA. ITR: Informações trimestrais: documento legal por meio do qual a companhia aberta divulga ao mercado dados contábeis acompanhados de explicações sintéticas.
  • 212. MANUEL MEIRELES GLOSSÁRIO J Joint-venture: [djóint ventxâr] empreendimento formado por duas ou mais empresas existentes, com finalidade e duração limitadas. Juros do capital: 1. Prêmio de reembolso, pago ou creditado ao acionista. 2. Espécie de dividendo assegurado pelo estatuto societário. K Kanitz : Stephen Charles Kanitz (1946- ) é consultor de empresas, criador e responsável pela publicação Melhores e Maiores da revista Exame, professor titular da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, da Universidade de São Paulo. Fez Mestrado na Harvard Business School. É autor dos livros Como Prever Falências, e O Brasil que dá certo, e co-autor de Contabilidade Introdutória. Foi assessor para Assuntos de Dívida Externa do Ministério de Planejamento em 1986. Em 1985 recebeu o prêmio Analista Financeiro do Ano —Abamec e, em 1992, o prêmio Profissional do Ano — Anefac. Sua importância para este trabalho explica-se pela construção do termômetro ou índice de insolvência das empresas, que foi objeto da sua tese de livre docência, em 1976. Ver também Termômetro de insolvência. L Lance: preço oferecido pelos representantes das Sociedades Corretoras em público Pregão, para a compra ou venda de um lote de ações. Limite de Crédito: Valor calculado segundo fórmula de Morante, e que representa o máximo que se poderia emprestar a uma empresa, com base nos seus dados extraídos das demonstrações contábeis. Linha característica: (capital line) de uma carteira ou de um mercado — conjunto das carteiras eficientes, isto é, que oferecem o maior retorno para um dado risco. Linha de resistência: limite de preço máximo que uma ação não deve ultrapassar. Rompendo esse limite podemos di-
  • 213. A arte de operar na Bols@ pela Internet GLOSSÁRIO # zer que a ação está definindo uma tendência de alta. Linha de suporte: limite de preço mínimo que, teoricamente uma ação alcançará, segundo a teoria de Dow. Acredita-se que a ação não caia abaixo desse limite a não ser que esteja estabelecendo uma tendência de queda. Liquidez: Maior ou menor facilidade de conversão de um título em dinheiro. Liquidez geral: Indicador que mede quanto a empresa possui de recursos não imobilizados em ativos fixos em relação ao seu exigível. É aferida por: L= (Ac+RLP+Dd)/(ET+ Dd) onde: Ac é o ativo circulante; RLP é o realizável a longo prazo; Dd é o valor das duplicadas descontadas; ET é o exigível total. LL/PL: Lucro Líquido sobre o Patrimônio Líquido. Ver Lucratividade. Lote: quantidade de títulos com características idênticas. Lote padrão: lote de títulos de características idênticas e em quantidade prefixada pelas Bolsas de valores. Lote fracionário: quantidade de ações inferior ao lote padrão Lote redondo: lote totalizando um número inteiro de lotes padrão. Lucratividade: 1. Diferença, geralmente expressa de forma percentual, entre compra e venda de título ou semelhante. 2. Variação, geralmente expressa de forma percentual, no valor de um ativo, num dado período de tempo. 3. Mede o retorno do investimento aos acionistas. É calculada por: Rp= LL / PL onde: LL é o lucro líquido, ou seja, o resultado do exercício depois de descontada a provisão para o imposto de renda; PL é o patrimônio líquido, que é a soma do capital, das reservas e dos resultados futuros, menos a soma do capital a integralizar e dos prejuízos acumulados. É um indicador da riqueza da empresa. M Megabolsa: 1. Sistema eletrônico de negociação de ações da Bovespa, que absorveu, em julho de 1997 o CATS, e que permite realizar transferência de dados, fazer consultas, atualizar estatísticas, imprimir janelas do sistema, utilizar informações na forma gráfica entre outras funções. Mercado: Mercado financeiro (ver) cuja dinâmica é expressa e
  • 214. MANUEL MEIRELES $ GLOSSÁRIO representada por uma carteira teórica composta de n títulos, cada um com um dado peso na composição da carteira. A composição da Carteira Teórica Ibovespa é um exemplo. O índice Ibovespa, no caso espelha a dinâmica do mercado de ações negociadas na Bolsa de valores de São Paulo. Mercado aberto. 1. Local onde se efetuam as compras e vendas de títulos por parte do governo ou das instituições financeiras oficiais. [Tb. se usa o equiv. inglês, open market.] Mercado a termo. 1. Negociação de mercadorias ou de valores para entrega e pagamento em data futura, preestabelecida, mas ao preço do dia da transação. 2. Operações de compra e venda, em que a liquidação se faz ao fim de um determinado prazo, ou antecipadamente, por solicitação do liquidante. Mercado à vista: mercado no qual a liquidação (pagamento) é feito logo após a realização do negócio em pregão. No mercado à vista na verdade a liquidação é sempre feita no terceiro dia. Mercado futuro: operações de compra e venda de contratos para liquidação em data futura. Mercado secundário -1. Mercado de revenda de títulos. 2. Mercado no qual os investidores negociam a compra ou a venda de ações com outros investidores: neste caso um investidor vende para outro investidor. Ver: Mercado primário. Mercado de balcão. 1. O que vende maciça e indiscriminadamente títulos de novas empresas, ainda não registradas na Bolsa de Valores. Mercado de capitais. 1.Conjunto das operações financeiras çom qualquer horizonte temporal, normalmente efetuadas diretamente entre poupadores e Empresas, ou através de intermediários financeiros não bancários, geralmente destinadas ao financiamento de investimentos fixos. 2. O que opera com capitais para financiamentos. Mercado financeiro. 1. O que, operando com capitais para financiamento, se restringe à negociação de títulos e valores representados por operações monetárias. Morante: Antonio Salvador Morante (1945 - ) é Contabilista, Economista e Administrador de empresas, consultor e pro-
  • 215. A arte de operar na Bols@ pela Internet GLOSSÁRIO % fessor universitário. Sua dissertação de mestrado apresenta um indicador fácil de calcular que estipula o crédito máximo que se pode conceder a uma empresa. Mercado primário: local onde as empresas colocam seus títulos para serem adquiridos pelos investidores: neste caso a empresa é a vendedora e o investidor é o comprador. . Mercado secundário: local onde os investidores adquirem, trocam ou vendem títulos originários do mercado primário. O mercado secundário, por excelência, é o mercado de ações. N Nasdaq: (National Association of Securities Dealers Automated Quotations) Primeira bolsa eletrônica do mundo. Desde janeiro de 1992 a bolsa tornou-se pioneira dos Estados Unidos no exterior, abrindo uma extensão em Londres, que permite a negociação de suas ações durante o horário europeu. Negociação comum: operação realizada em pregão, entre dois representantes de diferentes sociedades corretoras, a um preço ajustado entre ambos. Negociação direta: operação realizada sob normas especiais por um mesmo representante de sociedade corretora para comitentes diversos. Os interessados nessa operação devem preencher o cartão de negociação ou digitar um comando específico -no caso de negociação eletrônica - indicando que estão atuando como comprador e vendedor ao mesmo tempo. Nikkey: Índice da Bolsa de Tóquio, criado em 1949 com o nome Nikkey Dow Jones Average. Em 1975 o jornal Nihon Keizai adquiriu os direitos para cálculo e divulgação e, em 1985, rebatizou-o de Nikkei Stock Average. Assemelha-se ao Dow Jones. Nota de corretagem: documento que a sociedade corretora apresenta ao seu cliente, registrando a operação realizada, com indicação da espécie, quantidade de títulos, preço, data do pregão, valor da negociação, da corretagem cobrada e dos emolumentos devidos.
  • 216. MANUEL MEIRELES GLOSSÁRIO NYSE: (New York Stock Exchnge) Bolsa de Valores de Nova York. É a mais antiga e a maior bolsa de valores dos Estados Unidos e localiza-se em Wall Street, em New York. O OC: Último e maior preço estabelecido por investidores que desejam comprar determinada ação, no pregão de uma Bolsa de Valores. OCP: Outras Contas a Pagar. Oferta de compra : Ver OC. Oferta de Venda: Ver OV. operador Cats: representante de uma sociedade corretora que executa ordens de compra e venda de ações ou de opções, através do sistema CATS Bovespa. operador de pregão: representante de uma sociedade corretora, que executa através de ordens de compra e de venda de ações no pregão de uma Bolsa de valores. ordem: instrução dada por um cliente a uma sociedade corretora, para a execução de compra ou venda de valores mobiliários. ordem a mercado: ordem em que o investidor só especifica a quantidade e as características do título. Deve ser efetuada desdo o momento de seu recebimento no pregão. Por exemplo, o investidor diz para o seu corretor: Compra 10000 Telepar PN. ordem limitada: ordem na qual o investidor estabelece um preço. A ordem deve ser executada por um preço igual ou melhor do que o especificado pelo investidor. OV: Oferta de venda — Último e menor preço estabelecido por investidores titulares de uma ação, para a vender no pregão de uma Bolsa de Valores. P Performance: Desempenho, quanto a lucratividade ou outra variável, de um portfólio num determinado período. Permissionária: sociedade corretora especialmente admitida no pregão de uma Bolsa de Valores, da qual não possui um título patrimonial.
  • 217. A arte de operar na Bols@ pela Internet GLOSSÁRIO ' Permissionária CATS: sociedade corretora que pode apenas executar ordens no sistema CATS. PL: Patrimônio Líquido — conta do Ativo e que é calculado como sendo a diferença entre direitos e obrigações da empresa, num dado momento. Potencial de lucratividade: Grau de certeza, derivado do LCM— Limite de Crédito de Morante, que o investidor tem de o valor invertido num investimento ser lucrativo. Potencial de segurança: Grau de certeza, derivado do TIK— Termômetro de insolvência de Kanitz, que o investidor tem de não perder o valor invertido num investimento em decorrência da falência da empresa. Preço do mercado de uma ação é o preço médio da ação negociada na data em que estamos procedendo à análise - representa o preço mais provável que deveremos pagar por tal ação se decidirmos adquiri-la. Preço de abertura: Cotação da ação na primeira transação realizada em determinado pregão. Preço de fechamento: Cotação da ação na última transação realizada em determinado pregão. Preço máximo: Maior cotação da ação nas transações realizadas em determinado pregão. Preço médio: Cotação ponderada da ação considerando todas as transações realizadas em determinado pregão. Preço mínimo: Menor cotação da ação nas transações realizadas em determinado pregão. Pregão: 1. Recinto de negociações nas Bolsas de Valores. 2. Negociações de compra e venda realizadas num determinado dia em local mantido por Bolsa de Valores. Prospecto: folheto contendo informações sobre a oferta ou lançamento de títulos de uma empresa. O prospecto deve conter informações completas sobre a situação e as perspectivas da empresa, bem como sobra a natureza dos títulos que estão sendo oferecidos. Q Q de Yule: 1. Método estatístico, proposto por G. Udny Yule utilizado para descrever o grau de relação entre duas variáveis. 2. Grau Q (em honra do estatístico Quételet) que va-
  • 218. MANUEL MEIRELES # GLOSSÁRIO ria de -1 a +1 e que exprime a relação entre duas variaáveis. R Razão Crítica: (RC) quociente entre a média µ e o Desvio Padrão da Média s x|. Recibo de subscrição: documento que comprova o exercício de direito de subscrição. Recompra de ações: ato pelo qual a própria empresa compra as suas ações para as manter em tesouraria. Registro em bolsa: condição necessária para que uma empresa de capital aberto seja negociada em determinada Bolsa de Valores. Para tal ela deve atender a uma série de exigências da própria Bolsa onde pretende ter suas ações negociadas. Rentabilidade: ver Lucratividade. Rentabilidade do patrimônio: ver Lucratividade. Retorno excessivo: Rentabilidade de um título acima de um outro tomado como paradigma e considerado de risco nulo. Risco: 1. Probabilidade de obtenção de retornos abaixo daqueles esperados. 2. Desvio padrão dos retornos ou um conceito derivado, como a variância dos retornos. Risco diversificável: 1. Probabilidade da lucratividade do título divergir da sua reta característica. 2. Risco que se anula com o risco diversificável dos outros títulos que constituem o portfólio, ou ao longo do tempo. 3. Risco que a rigor não existe. Risco não-diversificável: 1. Risco oferecido pelo mercado onde o título se insere, como um todo. 2. Risco que afeta igualmente todos os títulos de um dado mercado. 3. Componente não diversificável do risco. 4 b do título. Risco sistemático: O mesmo que risco não-diversificável ou coeficiente beta. S SAFEX: (The South African Futures Exchange): Bolsa de Futuros da África do Sul. SAL: Salários, Contribuições e Tributos — conta do passivo circulante que incorpora o total de salários, contribuições
  • 219. A arte de operar na Bols@ pela Internet GLOSSÁRIO # e tributos decorrentes do uso de recursos humanos, a pagar. Segurança: Ver Risco. Sell side: analista que indica para os investidores, quais os melhores papéis. SENN: (Sistema Eletrônico de Negociação Nacional): sistema eletrônico que integra oito Bolsas de Valores brasileiras. É um pregão virtual. As operações de compra e venda são feitas através de terminais de computadores. O indicador é o I-Senn. Foi constituído em 1991 e é administrado pela Comissão nacional de Bolsas de valores. Integram o SENN as Bolsas de Valores: 1. do Rio de Janeiro, 2. MinasEspíritoSanto-Brasília, 3.Bahia-Sergipe-Ala-goas, 4. do ExtremoSul, 5. Paraná, 6.Pernambuco, 7.Paraíba, 8.Regional (Ceará) 9. e a de Santos SMI: Stress Market Index — oscilador baseado na relação entre os preços de oferta e os preços reais de determinada ação, praticados no pregão, que propõe ao investidor, informar o momento de compra ou venda da ação. Sociedade Anônima: Empresa cujo capital social é representado por ações, que podem ser de dois tipos: ordinárias ou preferenciais. No mínimo deve haver 1/3 de ações ordinárias e 2/3 de ações preferenciais. Sociedade civil: empresa sem objetivos comerciais; pode seguir o modelo de qualquer sociedade, exceto o da Sociedade Anônima (SA). Sociedade corretora: instituição auxiliar do Sistema Financeiro que opera no mercado de capitais com títulos e valores mobiliários, em especial no mercado de ações. É o intermediário entre os investidores e as Bolsas de valores. Administram carteiras de ações, fundos mútuos, fundos fiscais de investimento e clubes de investimentos, entre outras atribuições. Sociedade distribuidora: Instituição auxiliar do Sistema Financeiro que participa do sistema de intermediação de ações e outros títulos no mercado primário, colocando-as à venda junto ao público. Sociedade limitada: sociedade em que o capital geralmente é dividido em cotas, e na qual os sócios respondem integral-
  • 220. MANUEL MEIRELES # GLOSSÁRIO mente pelas obrigações da empresa até ao valor total do capital. Sociedade membro: sociedade corretora filiada a uma Bolsa de Valores e que se subordina às exigências da Bolsa. Split: desdobramento de ações. Cada ação divide-se em um certo número de ações. Com isto eleva-se o número de ações representativas do capital social de uma empresa. O capital social permanece o mesmo, mas o número de ações que representam essa capital aumenta. Subscrição: Chamada de capital feita por uma empresa, via lançamento de novas ações, para serem subscritas pelos acionistas, com vistas a obter capital para fazer frente a seus investimentos. Swap: operações pelas quais as instituições financeiras e as empresas fazem hedge. Freqüentemente os swaps servem para casar ativos e passivos, isto é, para fazer com que ambos fiquem atrelados às mesmas taxas de juro ou aos mesmos indexadores. Os contratos de swap foram lançados em 1993 pela BMF. T Telepregão: sistema em que se fecham negócios na Bolsa através de terminais de computação. Ver CATS, SENN e Nasdaq. Termômetro de Insolvência de Kanitz: (TIK) Índice calculado por uma fórmula específica proposta por Stephen Kanitz, com dados extraídos das demonstrações financeiras de uma empresa, que varia de -7 a +7 e que indica o grau de insolvência da empresa. A empresa é considerada insolvente se obtiver valor entre -3 e -7; indefinida se obtiver valor entre 0 e -3; e solvente se obtiver valor entre 0 e +7. Título de renda fixa: Título para o qual se conhece, a priori, a lucratividade que vai proporcionar. Título de renda variável: título em que a lucratividade só é conhecida após o encerramento da operação. Títulos de dívida pública: obrigações federais, estaduais ou municipais. Tais títulos de crédito são emitidos e garantidos pela União, por um Estado ou por um Município. Normalmente, trazem indicados o prazo do resgate e a taxa
  • 221. A arte de operar na Bols@ pela Internet GLOSSÁRIO #! de juros. Título hipotético: Título sem qualquer risco, que proporciona uma lucratividade real específica. U Underwriters: instituições financeiras altamente especializadas em operações de lançamento de ações no mercado primário. No Brasil, tais instituições são, em geral: bancos de investimento, sociedades distribuidoras e as sociedades corretoras, que mantêm equipes formadas por analistas e técnicos capazes de orientar os empresários, indicandolhes as condições e a melhor oportunidade para que a Empresa abra seu capital ao público investidor, através de operações de lançamento. Underwriting: operação realizada por uma instituição financeira mediante a qual, sozinha ou organizada em consórcio, subscreve títulos de emissão por parte de uma empresa, para posterior revenda ao mercado. A Instituição financeira subscreve somente as sobras da emissão, nos casos em que a lei assegura aos acionistas o direito de preferência à subscrição das novas ações a serem emitidas. Underwriting firme: o intermediário subscreve integralmente a emissão para revendê-la posteriormente ao público. A Empresa emissora das ações não tem risco algum, pois tem a certeza da entrada de recursos, já que o intermediário subscreve por si só toda a emissão. Underwriting tipo best-eforts: a instituição financeira apenas se compromete a realizar os melhores esforços, no sentido de colocação junto ao Mercado, das sobras de subscrição. Não há nenhum comprometimento por parte do intermediário para a colocação efetiva de todas as ações do lançamento. Por outro lado, a empresa não tem a certeza de conseguir aumentar seu capital na proporção desejada. Underwriting tipo stand-by: reúne as características do bestefortse do under-writing firme. Neste caso, o intermediário se compromete a colocar as sobras junto ao público em determinado espaço de tempo, após o qual ele próprio subscreve o total de ações não colocadas.
  • 222. MANUEL MEIRELES # GLOSSÁRIO V Valor mobiliário: título especial, referente a uma empresa de capital aberto, do tipo: ação, bônus de subscrição, debênture, parte beneficiária e nota promissória para distribuição pública. Valor nominal: valor de uma ação, no momento da sua emissão. Valor patrimonial de uma ação: é o quociente entre o patrimônio líquido da empresa e o número de ações da empresa. Atualmente este valor tem pouco sentido no entender dos analistas estratégicos, porquanto o valor real de uma empresa ultrapassa o valor contábil. O valor intangível - dado pelas vantagens competitivas - não é adequadamente expresso no balanço. desta forma o Valor patrimonial de uma ação pouco expressa. Cabe lembrar, a propósito, que o patrimônio contábil da Microsoft é de 30 bilhões de dólares e o seu patrimônio, envolvendo as vantagens competitivas, entre as quais está a marca, é de 110 bilhões de dólares. Valor de mercado: multiplicação do número total de ações pela cotação média da ação do tipo mais negociado. Value Line Index: Índice que envolve 1700 ações (das Bolsas: NYSE, AMEX e Nasdaq) representando 95% do valor de mercado total das empresas norte americanas. É uma média geométrica das variações de preços das ações componentes da carteira. Variabilidade: dispersão de uma variável, quantificada pelo desvio padrão dessa variável. Viva-voz: pregão tradicional, nos quais se realizam negócios com a participação do operador no recinto da Bolsa. Está perdendo sua importância em relação aos outros tipos de pregão.
  • 223. A arte de operar na Bols@ pela Internet BIBLIOGRAFIA ## A bibliografia sobre técnicas para selecionar e acompanhar títulos nas Bolsas de Valores não é muito grande. Há porém algumas obras que nos podem ajudar o leitor que está procurando uma abordagem inicial ao tema: OBRAS RECOMENDADAS BAZIN, Décio. Faça fortuna com ações - antes que seja tarde. São Paulo: JMJ, 1992. É um livro escrito por um jornalista que mostra como é a especulação no mercado acionário. Chama atenção para as épocas de crise. O autor é um apaixonado defensor da técnica cash-yield. No apêndice dá uma introdução excelente ao Mercado de Opções. BRITO, Ney Roberto O. O Mercado de Capitais e a estrutura Empresarial Brasileira. Rio de Janeiro: Guanabara Dois, 1981. O capítulo 5 traz uma introdução à constituição de carteiras ótimas e o capítulo 6 fala sobre risco, retorno e Betas ou seja, a técnica Capital Asset Pricing Model. CASTRO, Helio Portocarrero. Introdução ao Mercado de Capitais. Rio de Janeiro: IBMEC, 1979. Aborda a técnica grafista Ponto-Figura. CONTADOR, Cláudio. Os investidores institucionais no Brasil. Rio de Janeiro: IBMEC. 1975. No capítulo III aborda os fatores que determinam a performance de uma carteira em relação à média do mercado. DESCHATRE, Gil Ari. Ganhe nas bolsas com o seu micro. Rio de Janeiro, Ciência Moderna, 1994. Contém as principais técnicas de acompanhamento de ações. SÁ, Geraldo Tosta. Investimentos no Mercado de capitais. Rio de Janeiro: Livro Técnico, 1979. Seguramente um dos melhores livros sobre o assunto. Aborda de forma completa a técnica grafista incluindo Ponto-Figura. SANTANA, Genilson Fernandes. O poder de previsão da análise técnica. São Paulo: FGV. 1997 (Tese de Mestrado em Economia de Empresas) SMITH, Adam (psedônimo) O jogo do dinheiro. Rio de Janeiro; Expressão e Cultura, 1969. O autor discorre sobre o mer-
  • 224. MANUEL MEIRELES #$ GLOSSÁRIO cado acionário nos Estados Unidos e questiona as teorias dos grafistas. Reduz sua crítica a uma frase: Em suma, o mercado não subirá, a menos que desça e permanecerá estacionário, a menos que suba ou desça. ________________, Super Moeda, Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1974. É um best-seller sobre o mercado de capitais norte americano. Faz uma crítica à técnica Capital Asset Pricing Model. TREUHERZ, Rolf Mário. Como investir em ações no Brasil -estratégia de mercado e tática operacional. São Paulo: Edgard Blücher, 1972. Ocupa-se fundamentalmente da Análise Técnica por meio de gráficos de barras: tendências, formações peculiares, níveis de suporte e resistência. No capítulo 7 fala de alguns Indicadores de Mercado formulados por Joseph Granville. YO, Goan T. Operações a termo de mercadorias commodities. São Paulo, Brasimex, 1984. Uma abordagem às operações nas bolsas de mercadorias. Traz alguns métodos para especular: a média móvel, a regra donchian de 4 semanas; os ciclos da lua, a teoria da opinião contrária.
  • 225. A arte de operar na Bols@ pela Internet BIBLIOGRAFIA #% OUTRAS OBRAS ALVES, Herculano Anibal. Avaliação de performance de Fundos Mútuos de Ações. São Paulo: FGV. 1989 (Tese de Mestrado em Administração) AMORIM, Paulo Henrique. De olho no dinheiro. Rio de janeiro: Globo, 1988. APPEL, Gerald. Winning market systems. New York: Capital Reporter:1973. APPEL,Gerald e ZWEIG, Martin. New directions in technical analysis. NY: Signalert; 1976. ARMS Jr, Richard. Volume cycles in the stock market. New Jersey: Prentice Hall; 1975. BARROS, Benedicto Ferri. Mercado de capitais e ABC de investimentos. São Paulo: Atlas, 1970. BASSO, Thomas F. Investimento à prova de pânico — lições de investimentos lucrativos por um expert do mercado. São Paulo: Makron, 1997. BASTIANI, Ivoneti Catharina Rigão. Risco e taxa de retorno: agroindústria cooperativa versus propriedade rural. São Paulo: FGV. 1992. (Tese de Doutorado em Administração) BOTELHO, Fausto de Arruda. Manual de análise técnica. São Paulo: Enfoque Gráfico, 1986. BRIMELLOW, Peter. The Wall Street gurus. NY: Randon House; 1982. BRITO, Ney Roberto O. Mercados Futuros - sua relevância e experiência. Rio de Janeiro: Livro Técnico, 1984. CECCO, Nilo Marcos Mingroni. A estabilidade do coeficiente beta — uma ánálise empírica no mercado de ações de São Paulo. São Paulo: FGV. 1988 (Tese de Mestrado em Administração) CIBULARES, Maurício. Jogo aberto - a bússola no mercado de capitais. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1971. CNBV, Introdução ao mercado de ações. Rio de Janeiro: Comissão Nacional de Bolsas de Valores, 1985. DARVAS, Nicolas — How I made two million dollars in the Stock Market. NY, 1960. DEHNER, Paulo. Caderno de Análise Técnica. São Paulo: Investidor profissional, 1991.
  • 226. MANUEL MEIRELES # BIBLIOGRAFIA DINIZ JÚNIOR, Ary Avellar. Análise de desempenho de Fundos Mútuos de Ações. São Paulo: FGV. 1997 (Tese de Mestrado em Administração) EDWARDS e MAGEE. Tecnical analysis of stock trends. Massachusets: John Magee; 1966 EID JÚNIOR, William. A redução do risco das carteiras de investimento através da diversificação aleatória ¾ estudo de caso na Bovespa. São Paulo: FGV. 1991. (Tese de Mestrado em Administração). FERREIRA, Alcides e HORITA, Nilton. BMF - a história do mercado futuro no Brasil. São Paulo: Editores Associados, 1996. FOSBALK, Norman. Stock market logic. Florida: The Institute for Economic Research; 1985. GOMES, Francisco Carlos. O modelo de avaliação de ativos (Capital Asset Pricing Model). São Paulo: FGV. 1983 (Tese de Mestrado em Administração) GRANVILLE, J. Granville's new key to stock market profits.New Jersey, Prentice Hall, 1977. _____________. A strategy of daily stock market timing for maximum profit. N. Jersey: Prentice Hall; 1960. GROWALD, Ernest G. A arte de aplicar no mercado de ações. São Paulo: Edição do Autor. 1997. GUNTER, Max. Os axiomas de zurique - os conselhos dos banqueiros suíços para orientar os seus investimentos. Rio de Janeiro,: Record, 1985. HAZZAN, Samuel. Desempenho de ações da Bolsa de Valores de São Paulo e sua relação com o índice Preço-Lucro. São Paulo: FGV. 1992 (Tese de Mestrado em Administração). HURST, James. The profit magic of stock transaction timing. New Jersey: Prentice Hall; 1976. JENSEN, Edward. Stock market blueprints. Portland: Strother; 1967. JUCHEM, Peno Ari. Como administrar melhor seu dinheiro. Rio de Janeiro: Record, 1986. LEVY, Maria Bárbara. História da Bolsa de Valores do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IBMEC, 1977.
  • 227. A arte de operar na Bols@ pela Internet BIBLIOGRAFIA #' MANASSERO, Cláusio Augusto de Lima. Avaliação da performance dos Fundos Mútuos de Investimento. São Paulo: FGV. 1986 .(Tese de Mestrado em Administração) MANDARINO, Umberto. Análise de Balanço no mercado de capitais. São Paulo: 1970. MEIRELES, Manuel. Administração de Portfólios. São Paulo: Lambda, 1986. MOREIRA, Eunice Maria Sampaio. Análise de tendência do Índice Bovespa em Tempo real utilizando-se técnicas de inteligência artificial. São Paulo: FGV. 1992 (Tese de Mestrado em Administração) NAGAO, Carlos Hiroaki. Estratégia competitiva para os Fundos Mútuos de Ações — um enfoque na segmentação do mercado. São Paulo: FGV. 1989 (Tese de Mestrado em Administração) NEPOMUCENO, F. Ações e dividendos. São Paulo: Ipanema; 1978. PEIXOTO, João Francisco Freitas. A diversificação de risco no mercado acionário brasileiro: uma análise empírica na Bolsa de valores do Rio de Janeiro. São Paulo: FGV. 1994 (Tese de Mestrado em Administração) PEREIRA JUNIOR, Márcio Guedes. Redução de risco em um portfólio internacional. São Paulo: FGV. 1995 (Tese de Mestrado em Administração) PRING, Martin J. Investment psychology explaned — classic strategies. NY: John-Wiley, 1993. SALAZAR, José Nicolás Albuja. Avaliação empírica do comportamento das ações no contexto da reavaliação da Carteira Teórica do Índice Bovespa. São Paulo: FGV. 1997 (Tese de Mestrado em Administração) SILVA, José Oliveira da. CPAM—Capital Asset Pricing Model — o modelo de avaliação de ativos. Uma revisão da literatura e dos testes empíricos. São Paulo: FGV. 1985 (Tese de Mestrado em Administração) SILVA, José Pereira da. Modelos para classificação de empresas com vistas à concessão de crédito. São Paulo: FGV. 1982 (Tese de Mestrado em Administração) SLATER, Robert. Estratégias de investimento de George Soros.
  • 228. MANUEL MEIRELES $ BIBLIOGRAFIA São Paulo: Publifolha, 1999. SPÍNOLA, Noenio. O futuro do futuro. São Paulo: Futura, 1998. TAMER, Alberto. Os caminhos do dinheiro. São Paulo: Ática, 1988. TAVARES, Miguel R. Análise técnica: gráfico de barras, análise de investimentos em ações. Rio de janeiro: IBMEC, 1987. TONG, Chang J.Y. A bolsa é a bossa - guia prático do investidor. São Paulo: APEC, 1971. ZABEMBA, Victor. Cuidando do seu dinheiro. São Paulo: Saraiva, 1997.
  • 229. MANUEL MEIRELES $ BIBLIOGRAFIA REVISTAS E JORNAIS AMÉRICA ECONOMIA — publicação mensal da Editora Amec. DINHEIRO VIVO - publicação diária da Agência Dinheiro Vivo, de Luis Nassif. Boletin de 8 páginas trazendo indicadores diversos. EXAME —publicação quinzenal da Editora Abril: www.exame.com. br. GAZETA MERCANTIL - diário indispensável. Nos cadernos Finanças Mercados e Empresas Negócios entre outras coisas traz o Boletim da Bolsa de Valores de São Paulo e de outras Bolsas. www.gazetamercantil.com.br INDIVIDUAL INVESTOR: — publicação mensal da Individual Investor Group (Nova York): www.iionline.com INFORME FINANCEIRO: — publicação semanal da Adinvest: Consultoria e Administração de Investimentos. ISTO É DINHEIRO — publicação semanal da Editora Três. INVESTIDOR INDIVIDUAL — publicação mensal da Ponto de Vista Editorial: www.investidor-online.com.br INVESTIDOR INSTITUCIONAL — publicação mensal da Ponto de Vista Editorial: www.investidor-online.com.br INVESTIDOR PROFISSIONAL -publicação semanal da Investidor Profissional Editora Ltda. Semanalmente publica gráfico das ações negociadas nas Bolsas. Indicadores: Cotação/Valor Patrimonial; Cash Yield. Periodicamente traz artigos sobre técnicas de análise. www.investidorprofissional.com.br INVESTIMENTOS — Publicação semanal da Blue Chip. Gráficos dos precós semanais e diários. bluechip@domain.com.br INVESTORS CHRONICLE — Publicação semanal da Financial Times Business (Londres): www.investorschronicle.co.ku MERCADO DE CAPITAIS — Revista bimestral da ABAMEC: Associação Brasileira dos Analistas do Mercado de Capitais. E-mail: alonsortiz@tecepe.com.br.
  • 230. MANUEL MEIRELES $ BIBLIOGRAFIA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSIS, Luís Eduardo. A ansiedade mata. Exame, 697 (suplemento), p.32-3 BASSO, Thomas F. Investimento à prova de pânico. São Paulo: Maron, 1997. BAUTZER, Tatiana. A roleta com ações de concordatárias. Gazeta Mercantil, 13-10-1995, p.1. BAZIN, Décio. Faça fortuna com ações. São Paulo: JMJ; 1992. BESSASA, Octavio. O mercado futuro e de opções. Rio de Janeiro: Record, 1995. BITTENCOURT, Getúlio. Astros ajudam as empresas de Wall Street. Gazeta Mercantil, 14-6-1995, Relatório, p.13. BOTELHO, Fausto A. Manual de análise técnica. São Paulo: Enfoque Gráfico, 1985. BRITO, Ney R. O. O mercado de capitais e a estrutura empresarial brasileira. Rio de Janeiro: Guanabara Dois; 1981. ____________. Mercados Futuros. Rio de Janeiro: Livro Técnico; 1984. CAPARELLI, Estela. 'Private equity', um negócio para poucos bancos. Gazeta Mercantil. 31-10-1996, Caderno Fundos de Investimentos,p.6. __________________. Global hedge funds. Gazeta Mercantil. 3110-1996, Caderno Fundos de Investimentos, p.7 CASTRO, Hélio. Introdução ao Mercado de capitais. Rio de Janeiro: BMEC; 1979. CIBULARES, Mauricio. Jogo aberto. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura; 1971. COMISSÃO NACIONAL DE BOLSAS DE VALORES. Introdução ao mercado de ações. Rio de Janeiro: CNBV, 1985 CONTADOR, C. Os investidores institucionais no Brasil. Rio de Janeiro: IBMEC; 1975. COSTA, Roberto Batista da. A análise do risco em investimento.
  • 231. A arte de operar na Bols@ pela Internet BIBLIOGRAFIA $# São Paulo: FGV. 1976 (Tese de Mestrado em Administração) DAMODARAN, Aswath. Avaliação de investimentos: ferramentas e técnicas para determinação do valor de qualquer ativo. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1997. DANTAS, Fernando. Maior controle do risco. Gazeta Mercantil, 611-1995 p. A-11 _______________. Como funciona um sistema de gestão de riscos. Gazeta Mercantil, 6-11-1995 p. A-13. DESCHATRE, Gil Ari. Ganhe nas bolsas com seu micro. Rio de Janeiro: Ciência Moderna; 1994. BEAUD, Michel. Arte da tese. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 1997. BOLSA DE VALORES DO RIO DE JANEIRO. Dicionário do Mercado de Capitais e Bolsas de Valores. Rio de Janeiro; BVRJ; sd DAVIS, Morton S. Teoria dos jogos. São Paulo: Cultrix, 1973. DEHNER, Paulo. Bolsa de Mercadorias Futuros. Investidor Profissional, 10 fev 1992 p.30. _____________. Caderno de Análise Técnica. Investidor Profissional. Suplemento, sd. DEHNER Jr. Paulo. Oscilador Estocástico. Investidor Profissional, 25-11- 1991. _______________. On-balance-volume-OBV. Investidor Profissional, 7-10-1991 p.24. ________________. Gráficos Ponto Figura (I,II e III). Investidor Profissional, 26-8-1991, 2-9-1991 e 9-10-1991. ________________. Índices do mercado acionário. Investidor Profissional, 23-9-1991. EXAME. GUIA dos Fundos de Investimentos 1996. Revista Exame, nov 1966, Suplemento ao n. 622 nov 1996. FERREIRA, Alcides e HORITA, Nilton. BMF- A história do mercado futuro no Brasil. São Paulo: Cultura, 1996. GITMAN, Lawrence J. Princípios de administração financeira. 7 ed. São Paulo: Harbra, 1997. GUROVITZ, Hélio. Bolsas evitam cifras redondas. Folha de São Paulo, 3-7-1994 p.6.17. HESS, Geraldo. Investimentos e mercado de capitais. Rio de Janeiro: Forum; 1971.
  • 232. MANUEL MEIRELES $$ BIBLIOGRAFIA KANITZ, Stephen Charles. Como prever falências. São Paulo: McGraw-Hill, 1978. _____________. Indicadores contábeis e financeiros de previsão de insolvência: a experiência da pequena e média empresa brasileira. São Paulo: FEA-USP, 1976 (Tese de livre docência) KANNO, Shiguenori. Análise empírica de desempenho do mercado brasileiro de títulos de renda fixa. São Paulo: FGV. 1990. (Tese de Mestrado em Administração) KAUFMANN, Arnold. A ciência da tomada de decisão. Rio de Janeiro: Zahar, 1975. KRUGMAN, Paul. Internacionalismo pop. São Paulo: Publifolha, 1999. LE BOM, Gustave. As opiniões e as crenças. São Paulo: Brasil Editora. 1956. LEITE, Hélio de Paula. Introdução à administração financeira. São Paulo: Atlas, 1991. __________________. Risco. São Paulo: FGV. 1977. (Tese de Mestrado em Administração) __________________. Avaliação, decomposição e diversificação do risco no mercado paulista de ações. São Paulo: FGV. 1993. (Tese de Doutorado em Administração) LEVY, Maria Bárbara. História da Bolsa de Valores do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IBMEC; 1977. LIMURA, Herbert. Value-at-Risk. Revista Trevisan. Junho 1997 p.24 MATTOS, Elpidio. 150 anos de negócios no mercado de capitais. Gazeta Mercantil, 14-06-1995, Relatório especial. MOBIUS, Mark. O guia do investidor para mercados emergentes. São Paulo: Makron, 1996. MORANTE, Antonio Salvador. Uma contribuição ao estudo de Indicadores de limite de crédito. São Paulo: PUC-SP, 1991. (Tese de mestrado em Ciências Contábeis) PEQUENO, Sérgio e GONÇALVES, Elaine R. Candlestick. Investidor Profissional, 25-11-1991, p. 29. REBOUÇAS, Lúcia. A redenção dos especuladores. Gazeta Mercantil. 18-08-95, p.12 RODRIGUES, José. Subscrição de capital e avaliação de ações. Rio de Janeiro: Interciência; 1979.
  • 233. A arte de operar na Bols@ pela Internet BIBLIOGRAFIA $% RODRIGUES, José Honório. As primeiras bolsas: a bolsa de valores e a bolsa de Joseph de La Veja . Digesto Econômico, n. 223 Jan-fev 1972 ROSA, Fernando de. Sistemas especialistas para a análise de risco de concessão de crédito bancário — uma perspectiva de planejamento estratégico. São Paulo: FGV. 1992. (Tese de Mestrado em Administração) ROSS, Stephen A., WESTERFIELD, Randolph W. e JAFFE, Jeffrey F. Administração financeira. São Paulo: Atlas, 1995. SÁ, Geraldo Tosta de. Investimentos no mercado de capitais. Rio de Janeiro: Livro Técnico; 1979. SAMANEZ, Carlos Patricio. Análise técnica fundamentalista e mercados eficientes: o que são, o que supõe, para que servem? Investidor Profissional, 18-11-1991, p.6. SAMUELSON, Robert. J. Bando de ignorantes. Revista Exame, N 621, p.79. SANTI FILHO, Armando e OLINQUEVITCH, José Leônidas. Análise de Balanços para controle gerencial. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1995. SANTOS, José Amaro dos. Sobre a prática do gerenciamento de riscos por grandes empresas privadas do setor industrial — um estudo exploratório. São Paulo: FGV. 1989. (Tese de Mestrado em Administração) SCHEEL, Marion. Medidas de desempenho tradicionais e EVATM: uma descrição da evolução das principais medidas de desempenho tradicionais até o surgimento do EVATM, suas implicações e limitações. São Paulo: FGV. 1997. (Tese de Mestrado em Administração — MBA) SILVA, Afonso Simoens da. Bolsas de mercadorias a termo: teoria e evidências. São Paulo. FGV. 1979. (Tese de Mestrado em Administração) SILVA, Luiz O.C. Manual de estratégia operacional. São Paulo: Enfoque Gráfico; 1985 . SILVEIRA, José Augusto Giesbrecht da. Riscos versus retorno a partir de dados contábeis de empresas brasileiras. Uma contribuição empírica. São Paulo: FGV. 1990. (Tese de Doutorado em Administração) SOLOMON, Alexandre. Teoria da carteira. São Paulo: FGV. 1975 (Tese de Mestrado em Administração)
  • 234. MANUEL MEIRELES $ BIBLIOGRAFIA TAVARES, Miguel R. Análise técnica: gráfico de barras, análise de investimentos em ações. Rio de Janeiro: IBMEC; 1987. TEIXEIRA, M. e outros. Mercado de opções-estratégias de avaliação de prêmios. Teresópolis: Correio da Serra; 1984. THORSTENSEN, Vera Helena. A teoria da eficiência no mercado de capitais. São Paulo: FGV. 1977. (Tese de Mestrado em Administração) TRAJTENBROT, B. A. Los algotitmos y la resolución automática de problemas. Moscovo: MIR, 1977. TREUHERZ, Rolf Mário. Como investir em ações no Brasil. São Paulo: Edgard Blücher; 1972. TONG, John Yeh Chang. A bolsa é a bossa. Rio de Janeiro: APEC; 1971. VIANA, Mário Gonçalves . Psicologia das massas multitudinárias. Porto: Domingos Barreira. Sd. WEISZ, Rafael. Causas do risco sistemático — desenvolvimento de um modelo teórico. São Paulo: FGV. 1980. (Tese de Mestrado em Administração) WILDER Jr. J. Welles. New concepts in technical trading systems. NY: Trends Research; 1981. YO, Goan T. Operações a termo de mercadorias 'commodities'. São Paulo: Brasimex; 1984. ZACCARELLI, Sérgio B. A estratégia moderna nas empresas. São Paulo: Zarco, 1996. ZAREMBA, Victor. Cuidando do seu dinheiro. São Paulo: Saraiva, 1997.
  • 235. A arte de operar na Bols@ pela Internet WEBSITES $' WEBSITES
  • 236. MANUEL MEIRELES % WEBSITES Muitas home pages de instituições financeiras oferecem informações importantes para investidores. Eis alguns dos websites que você pode pesquisar: www.andima.com.br — site da Andima com prévias do mercado financeiro com o movimento das bolsas de valores. www.abamecrio.com.br — site da Abamec: acesso ao cronograma das reuniões das companhias abertas com os analistas de mercado; matérias da revista do órgão (Mercado de Capitais). www.bmf.com.br — site da Bolsa Mercantil e de Futuros (BMF): cotações, volumes e boletins de fechamento do mercado do dia anterior. Links com todas as Bolsas do mundo e também com as corretoras. www.bovespa.com.br — site da Bolsa de São Paulo: listagem das companhias abertas; cotações, informações. Links com as sociedades corretoras Home Brokers e com todas as Bolsas do mundo. www.cvm.gov.br — site da CVM : Comissão de Valores Mobiliários. Balanços e balancetes das companhias abertas; publicações, atos normativos, leis e medidas provisórias. www.exame.com.br — site da revista Exame. www.iionline.com — site da revista Individual Investor. www.ibge.com.br — site do IBGE. www.investidorprofissional.com.br — site da gestora de investi-
  • 237. A arte de operar na Bols@ pela Internet WEBSITES % mentos Investidor Profissional. www.smartmoney.com — site da revista americana Smart Money. www.somacesso.com.br —Normas, boletins e listagem das empresas que participam do mercado de balcão. Informações completas sobre formadores de mercado (market makers).

×