Your SlideShare is downloading. ×
Dislexia: dificuldades, características e diagnóstico
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Dislexia: dificuldades, características e diagnóstico

637
views

Published on

Published in: Career

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
637
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Dislexia: dificuldades, características e diagnóstico Célia Regina Rodrigues1 , Cristina Magalhães1 , Edna Rodrigues1 , Flávia Sousa Pereira1 , Maria das Graças Andrade1 , Solange Silva1 , Olavo Egídio Alioto2 1 Alunas do terceiro semestre do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Faculdade Método de São Paulo. 2 Professor do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Faculdade Método de São Paulo. Resumo: A dificuldade na leitura e escrita a partir do século XIX começa a ser estudada por vários estudiosos como médicos e principalmente oftalmologistas, observando pessoas competentes em diferentes habilidades, com inteligência normal e com dificuldades na leitura e escrita. Após testes de vários profissionais, conclui-se que a causa provável para esse distúrbio de leitura seja um defeito congênito no cérebro, afetando a memória visual de palavras e letras. Oftalmologistas são os primeiros a auxiliar no reconhecimento da dislexia, mostrando que a dificuldade não está nos olhos, mas no funcionamento de áreas de linguagem no cérebro, além de falhas na memorização de sons, sequência, palavras compostas. Constatou-se também que, na dislexia visual, as crianças têm dificuldade em seguir e reter as informações visuais, ocorrendo inversões e reversões de letras. Não é considerada doença e sim um mau funcionamento peculiar do cérebro para processar a linguagem. Não tem cura, mas pode ter seus sintomas amenizados. Palavras-chave: Dislexia. Leitura. Escrita.
  • 2. Introdução A dislexia é a dificuldade na aprendizagem e na aquisição da leitura e da escrita. Foi constatada a partir do século XIX por vários estudiosos médicos – entre eles, oftalmologistas –, que concluíram que a provável causa para esse distúrbio seja um defeito congênito no cérebro, afetando a memória visual de palavras e letras (Pinto, 2010). Uma dificuldade importante envolvendo o diagnóstico da dislexia é que sua própria definição é contestada (Stanovich, 1994). Dessa forma, ela não é resultado da má alfabetização, desatenção, situação socioeconômica ou de pouca inteligência, e também são descartadas as hipóteses de perda na acuidade visual e de problema mental. Assim, apontam-se indícios de que seja uma condição hereditária com modificações genéticas (Massi, 2004). Em 1968, a Federação Mundial de Neurologia recomendou que o termo fosse aplicado às crianças “que não conseguem ler”, apesar de possuírem uma inteligência adequada e receberem instruções convencionais e oportunidades socioculturais. Um estudo prático foi elaborado na área da fonoaudiologia, no qual as crianças com sintomas de dislexia eram encaminhadas a um fonoaudiólogo. Entretanto, acabaram sendo diagnosticadas apenas como dificuldade na aprendizagem e escrita. Dessa forma, percebeu-se que não era um distúrbio, mas sim um problema fonético de segmentação inadequada de vocábulos, mostrando que a dislexia não se sustenta como um distúrbio vinculado à aquisição da escrita, e sim a concretização da aprendizagem dessa modalidade de linguagem (Massi, 2004).
  • 3. Sem dúvida, o quadro mais abrangente da dislexia está localizado na criança em idade escolar, mas é importante lembrar que é uma dificuldade vitalícia e que os sintomas presentes em um ponto do desenvolvimento não estão necessariamente evidente em outro. Para Piaget (1988 apud Zorzi, 2000), a criança despende os sete primeiros anos de sua vida para compreender princípios de invariância que se aplicam às noções de objeto, quantidade, número, espaço e tempo. São esses princípios que lhe permitem objetivar progressivamente a realidade. Metodologia Este estudo foi realizado por meio de revisão teórica, associando dislexia e alfabetização. Alguns estudos se utilizaram de ferramentas para lidar com alguns casos de dislexia como o espelhamento das letras. Escritos pelos alunos, podem ser interpretados pelos educadores como dificuldade de aprendizagem futura, e essa preocupação pode gerar ansiedade nos pais e motivar consultas a especialistas. Etiologia Entende-se que a dislexia é um distúrbio sem explicação etiológica e que acometeria aprendizes no momento em que estariam aprendendo a ler e a escrever. As crianças que não têm o padrão imposto pela escola são
  • 4. consideradas com dificuldade de aprendizagem, mas na verdade, o problema está na aquisição da leitura e da escrita e é apontado como dislexia. Os principais sintomas que evidenciam a dislexia em uma criança são fala tardia, dificuldade para aprender cores, formas etc., e esses sintomas as acompanham durante toda a sua fase escolar (Pinto, 2010). Características A dislexia pode ser observada já na educação infantil como a fala tardia, dificuldade para pronunciar alguns fonemas, demora para incorporar palavras novas ao vocabulário, dificuldade para rimas, dificuldade para aprender cores, formas, números e escrita do nome (Pinto, 2010). Na classe de alfabetização e segundo ano do ensino fundamental, há dificuldade em aprender o alfabeto, no planejamento motor de letras e números, em separar e sequenciar sons – como, por exemplo, p-a-t-o –; em soletrar; em se orientar espacialmente como direita e esquerda, embaixo, em cima; em copiar do quadro (Pinto, 2010). Por outro lado, a dificuldade encontrada no ensino fundamental evidencia-se na leitura; na sequência de letras e palavras, pois não lê em voz alta na turma; dificuldade na elaboração de textos; em memorizar a tabuada; dificuldade com figuras geométricas (Pinto, 2010).
  • 5. Espelhamento Entre os profissionais, as opiniões sobre o espelhamento são diversas e contraditórias. Para alguns, pode ser indícios de problemas neuropsicomotor (espaço-temporais). Para outros, pode ter origem emocional e, para outros grupos de profissionais, pode não significar nada (Zorzi, 2000). Outra dificuldade que o educador encontra para trabalhar com os disléxicos é que eles apresentam alguns sintomas parecidos com a dispraxia, hiperatividade, discalculia, entre outros. Diante disso, torna-se necessária uma parceria com outros profissionais para que se redobre atenção, criatividade e estratégia para que o disléxico saiba lidar e superar suas dificuldades escolares (Ladeira; Cabanas, 2009). Considerações Diante do exposto, ao diagnosticar que a criança apresenta sintomas da dislexia, como espelhamento das letras e dificuldade na leitura e escrita, a escola deve orientar a família a procurar ajuda de um profissional para orientá- la. É papel do educador observar, orientar e trabalhar o desenvolvimento do ensino e da aprendizagem das crianças que apresentarem esse diagnóstico e, assim, trabalhar de acordo com o seu caso.
  • 6. O presente artigo apresentou uma série de argumentos negativos em que diagnosticava um disléxico e mostrou alternativas para ter um bom resultado, dependendo de como trabalhar essas alternativas e podendo iniciar nos processos educacionais, pois qualquer distúrbio de linguagem apresentado pela criança é tachado como dislexia, tanto pelos pais como educadores. Entretanto, é necessário rever esse quadro para que haja uma parceria entre escola e família. Referências LADEIRA, M. S.; CABANAS, A. Educador: a dislexia e o que fazer em sala de aula?. In: ENCONTRO LATINO AMERICANO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVAP, 9, 2009. Anais... São José dos Campos: EPG, 2009. MASSI, G. Dislexia e o processo de aquisição da leitura. Revista Distúrbio da Comunicação, São Paulo, v. 16, n. 3, p. 11-21, dez. 2004. ______. Dislexia e o processo de aquisição da escrita. Revista Distúrbio da Comunicação, São Paulo, v. 16, n. 3, p. 365-369, dez. 2004. PINTO, M. B. Dislexia um jeito diferente de aprender. Publicado em: 18 maio 2010. Disponível em: http://www.webartigos.com/artigos/dislexia-um-jeito- diferente-de-aprender/38025. Acesso em: 12 jul. 2011. ZORZI, J. L. Dislexia. Fonotrade. Publicado em: 21 maio 2009. Disponível em: <http://www.fonotrade.com.br/page/entrevista.pdf>. Acesso em: 09 jul. 2009.