Universidade Federal do Ceará
                  Projeto LSF
           Equipe César Cals
Introdução
  Realizado no interior do RS;

 Prevenir acidentes domésticos com
  crianças;
 Alta relevância frente a pot...
Metodologias
    PCA – Pesquisa Convergente-

    Assistencial;

    Sete teses sobre a educação sanitária

    para a p...
Metodologias - PCA
  Abordagem inovadora de investigação

  científica;
 Processo associativo da abordagem de
  pesquisa...
Metodologias - PCA
  Interesses em inserir-se no campo de

  prática assistencial;
 Construção de um conhecimento novo e...
Metodologias - PCA
  O contexto da prática assistencial

  suscita inovação, alternativas de
  solução, renovando prática...
Metodologias - “Sete Teses”
    Princípios:

     “É necessário conhecer e contar com o ser
      humano.”
     Premiss...
Metodologias - “Sete Teses”
    Teses:

    ○ “I - Não há um que sabe e outro que não sabe, mas dois
        que sabem co...
Metodologias - Aplicação
  Abordagem qualitativa;

 Aprovação em comitê de Ética;
 Apoio da gestão de saúde;
 Desenvol...
Oficinas - Crianças
    Linhas gerais:

     Momento de interação com as crianças;
     Mobilização de discussões sobre...
Oficinas - Crianças
    Música “A lição do Sapeca” (1º Momento):

     Acidentes domésticos mais freqüentes (tema):
    ...
Oficinas - Crianças
    Dinâmica “O que é isto?” (3º Momento):

     Utilização de embalagens;
     Percepção das crian...
Oficinas - Crianças
    Avaliação (4º Momento):

     Reflexão sobre a oficina;
     Tecer relações com vivências anter...
Oficinas - Pais

    Foi planejada e desenvolvida pela equipe de

    saúde;
    Objetivo de refletir sobre o papel dos p...
Oficinas - Pais
    A equipe de saúde, ao analisar os resultados,

    constatou que é possível estabelecer a
    constru...
Conclusão
“Construção e aplicação de    Sensibilização – Reflexão;
  estratégias educativas
                             C...
“...desenvolvimento não é
dinheiro, nem máquinas, é o
ser humano, é uma
sociedade forjando um
destino conforme seus
valore...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Apresentação de Artigo sobre Prevenção de acidentes infantis

6,443 views

Published on

Apresentação baseada no artigo: Construção da Participação Comunitária para a prevenção de acidentes domésticos infantis

Published in: Health & Medicine, Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
6,443
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
55
Actions
Shares
0
Downloads
56
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação de Artigo sobre Prevenção de acidentes infantis

  1. 1. Universidade Federal do Ceará Projeto LSF Equipe César Cals
  2. 2. Introdução Realizado no interior do RS;   Prevenir acidentes domésticos com crianças;  Alta relevância frente a potencialidade dos resultados;  Atuar de forma diferenciada utilizando- se da participação comunitária;  Abordagem de metodologias participativas e inovadoras.
  3. 3. Metodologias PCA – Pesquisa Convergente-  Assistencial; Sete teses sobre a educação sanitária  para a participação comunitária; Plano do trabalho estudado. 
  4. 4. Metodologias - PCA Abordagem inovadora de investigação  científica;  Processo associativo da abordagem de pesquisa e prática;  Pesquisa como parte integrante na vida profissional;  Interpretar e descrever a complexidade da vida social no seu contexto subjetivo histórico, cultural e interacional;  Envolvimento do pesquisador também na assistência;
  5. 5. Metodologias - PCA Interesses em inserir-se no campo de  prática assistencial;  Construção de um conhecimento novo e que renove práticas assistenciais no campo estudado;  Forte a contribuição da PCA na humanização da assistência à saúde;  Implica o compromisso de beneficiar o contexto assistencial durante o processo investigativo,ao mesmo tempo em que se beneficia;
  6. 6. Metodologias - PCA O contexto da prática assistencial  suscita inovação, alternativas de solução, renovando práticas;  Comprometimento dos profissionais em incluir a pesquisa nas suas atividades assistenciais, pela união do saber- pensar ao saber-fazer.
  7. 7. Metodologias - “Sete Teses” Princípios:   “É necessário conhecer e contar com o ser humano.”  Premissas: ○ quot;Só conhecendo o indivíduo e suas circunstâncias é possível uma ação eficiente e permanente em saúde“; ○ quot;Ninguém pode cuidar da saúde de outro se este não quer fazê-lo por si próprio”.
  8. 8. Metodologias - “Sete Teses” Teses:  ○ “I - Não há um que sabe e outro que não sabe, mas dois que sabem coisas distintas”; “II - A educação não ocorre só nos programas ○ educacionais, mas em toda o ação sanitária”; “III - A ignorância não é um vazio a ser preenchido, mas ○ um cheio a ser transformado”; “IV - A educação deve ser dialogada e participativa”; ○ “V - A educação deve reforçar a confiança das pessoas em ○ si mesmas”; “VI - A educação deve procurar reforçar o modelo de ○ conhecimento: esforço – recompensa”; “VII - A educação deve fomentar a responsabilidade ○ individual e a cooperação coletiva”. Retirado de Sete teses sobre a educação sanitária para a participação comunitária de Roberto Briceño-León
  9. 9. Metodologias - Aplicação Abordagem qualitativa;   Aprovação em comitê de Ética;  Apoio da gestão de saúde;  Desenvolvido em duas Etapas;  Subdivididas em quatro encontros;  Abrangendo: ○ Profissionais de Saúde (elaboração); ○ Comunidade (aplicação); Uso de Diário de Campo. 
  10. 10. Oficinas - Crianças Linhas gerais:   Momento de interação com as crianças;  Mobilização de discussões sobre a prevenção de acidentes infantis (objetivo);  Realizado em quatro momentos. Ferramentas Educacionais:  Música “a lição do Sapeca”;   Dramatização da música; Dinâmica da “Casa Simulada”;  Dinâmica “O que é isto?”. 
  11. 11. Oficinas - Crianças Música “A lição do Sapeca” (1º Momento):   Acidentes domésticos mais freqüentes (tema): ○ Quedas; ○ Queimaduras; ○ Intoxicações. Interpretação da Música (2º Momento):   Realizada pelos membros da equipe de saúde que observaram nas crianças: ○ Indícios de aprendizado; ○ Estabelecimento de relações com suas vivências.
  12. 12. Oficinas - Crianças Dinâmica “O que é isto?” (3º Momento):   Utilização de embalagens;  Percepção das crianças do risco de acidentes. Conclusões:  ○ Freqüência do contato com produtos perigosos; ○ Intenso desejo de colocar na boca as coisas pequenas; ○ Vulnerabilidade quando estão com fome; ○ Uso de embalagens descartáveis para armazenar produtos tóxicos aumenta o risco de intoxicação exógena;
  13. 13. Oficinas - Crianças Avaliação (4º Momento):   Reflexão sobre a oficina;  Tecer relações com vivências anteriores;  Desenhos: ○ Associam os dizeres da música à prevenção de acidentes; ○ Demonstram situações rotineiras de perigo em domicílio.
  14. 14. Oficinas - Pais Foi planejada e desenvolvida pela equipe de  saúde; Objetivo de refletir sobre o papel dos pais na  construção da prevenção de acidentes domésticos; A equipe de saúde construiu um ambiente  acolhedor para recepcionar os pais; Primeiro foi desenvolvido a dinâmica “O que  é isto?”; No segundo momento da oficina foi  realizada a dinâmica da “Casa simulada”;
  15. 15. Oficinas - Pais A equipe de saúde, ao analisar os resultados,  constatou que é possível estabelecer a construção da participação comunitária por meio da educação em saúde; Foram revelados indícios de aprendizagem;  Interação dos participantes nas reflexões;  Comunicação dos profissionais de saúde e  participantes; Identificação de potencialidades individuais e  coletivas; Sem participação de pais(homens);  Houve consenso de que esta realidade  domiciliar pode ser transformada.
  16. 16. Conclusão “Construção e aplicação de Sensibilização – Reflexão; estratégias educativas Compartilhamento de sabres; criativas”; Construção de novas “Mobilização e concepções; comprometimento dos Participação e co- participantes”; responsabilização gerando “Componente lúdico”; protagonismo. Educação em Saúde. Superação do modelo rígido verticalizado pelo modelo de
  17. 17. “...desenvolvimento não é dinheiro, nem máquinas, é o ser humano, é uma sociedade forjando um destino conforme seus valores, seus gostos e suas possibilidades históricas.” (Briceño-León, 1991)

×