Macumbeiros e neopentecostais   27-ari-oro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Macumbeiros e neopentecostais 27-ari-oro

on

  • 1,995 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,995
Views on SlideShare
1,988
Embed Views
7

Actions

Likes
0
Downloads
45
Comments
0

2 Embeds 7

http://bibliotecadabarca.blogspot.com 5
http://barcaparaavalon.blogspot.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Macumbeiros e neopentecostais   27-ari-oro Macumbeiros e neopentecostais 27-ari-oro Document Transcript

  • O“ neo ma pen AR I te PED RO OR O osta cumb lism AR o é p I PED r Ant ofess RO O o Un ropolo r de RO i Rio versid gia d Gra ade a nde Fed do e Sul ral do eiro . ”
  • EParte substancial deste texto foiapresentada na XXIV Reunião ste texto versa sobre duas ca- do dinheiro, entre outras características,Brasileira de Antropologia, rea- racterísticas da Igreja Universal como veremos mais à frente.lizada em Recife, de 12 a 15de junho de 2004, no Simpósio do Reino de Deus (Iurd) que A Iurd, segundo pesquisa recente reali-Intolerância Religiosa: Conflitos contribuem para torná-la, em zada pelo Instituto DataFolha e publicadaentre Pentecostalismo e ReligiõesAfro-brasileiras, coordenado por certo sentido, uma igreja neopen- no jornal Folha de S. Paulo (4/1/2004), éVagner Gonçalves da Silva. tecostal “macumbeira”. São elas: percebida pela população brasileira como sua “religiofagia”, em que ela se apropria a instituição que mais ganhou poder de e reelabora elementos de crenças de outras influência no Brasil entre os anos 1995 e igrejas e religiões, mormente das afro- 20033.1 Edir Macedo nasceu em 1945, numa família de migrantes brasileiras (candomblé, umbanda, quim- É uma igreja que tem suscitado grande nordestinos. Converteu-se ao pentecostalismo, mais especifi- banda, macumba); e sua “exacerbação” interesse não somente no meio religioso camente à Igreja Nova Vida, em desses elementos de crenças e das práticas mas também jornalístico e acadêmico do 1963, aos 18 anos de idade. Antes disso, freqüentou a igreja ritualísticas tomadas dessas organizações Brasil e do exterior. católica e a umbanda. religiosas. Juntas, ambas vão revelar a “face De fato, quantas vezes ela não esteve2 De fato, a Universal do Reino de macumbeira” da Iurd, que aparece sobretudo presente nas páginas das revistas Veja, Deus é uma igreja da terceira onda pentecostal surgida no em determinados rituais, como nas Sessões Época, Isto é, ou outras importantes revis- Brasil, denominada de neo- pentecostal, ao lado de igrejas Espirituais de Descarrego, em que se obser- tas brasileiras? No meio universitário um como Renascer em Cristo, Sara va que, quanto mais ela constrói um discurso indício de sua importância pode ser visto Nossa Terra, Internacional da Graça de Deus. Cada uma e procede a uma ritualística de oposição às no alto número de teses e dissertações das ondas contém suas próprias religiões afro-brasileiras, paradoxalmente produzidas sobre ela nos últimos anos. marcas teológicas, eclesiais, sociais e culturais, embora não mais delas se aproxima e se assemelha. Segundo o Banco de Teses constante no haja fronteiras claras entre elas já que elas não se sobrepõem site da Capes, somente no período que no tempo (Freston, 1993). É o compreende os anos 1995 a 2001, foram segmento religioso pentecostal que está fazendo aumentar a defendidas 11 teses e 40 dissertações em cada novo censo as cifras dos evangélicos no país. Atingiam O FENÔMENO IGREJA UNIVERSAL diferentes programas de pós-graduação 1% da população em 1900 e do país, tais como sociologia, antropolo- de acordo com o Censo de 2000 alcançam 15,4%, ou DO REINO DE DEUS gia, comunicação, letras e administração. seja, 26 milhões de pessoas. No exterior, um levantamento provisório Os pentecostais somavam cerca de 50% do conjunto dos A Igreja Universal do Reino de Deus, mostrou que já foram defendidas três teses evangélicos em 1980 e hoje alcançam exatos 67,6% do ou simplesmente Universal, ou Iurd, como sobre a Universal nos Estados Unidos, uma universo evangélico. A maior também é conhecida, consiste num dos mais na França e uma na Suécia4. Ao menos cinco igreja pentecostal no Brasil é a Assembléia de Deus, com impressionantes fenômenos religiosos do livros dedicados exclusivamente à Igreja cerca de 8 milhões de fiéis, seguida da Igreja Congregação Brasil dos últimos anos. Fundada em 1977 Universal já foram publicados no Brasil5 e Cristã, com cerca de 3 milhões, por Edir Macedo1, essa igreja neopentecostal quatro no exterior6. da Igreja Universal, com mais de 2 milhões, e da Quadran- brasileira2 alcançou um crescimento espan- Como se vê, a Igreja Universal não é gular, com quase 2 milhões toso na última década. De 269.000 adeptos uma igreja como outra qualquer, e o seu de seguidores. Além delas há centenas de diferentes igrejas em 1991, atingiu 2 milhões em 2000, um surgimento até certo ponto contribuiu, ao pentecostais de pequeno porte que compõem o que Marion crescimento anual de 25,7%. Está presente lado de outras instituições religiosas, para Aubrée (1998) chamou de uma em 80 países de todos os continentes, tendo recompor o campo religioso brasileiro. Ou “constellation pentecôtiste”. cerca de 600 mil fiéis no exterior. Implantou seja, se até algumas décadas atrás todas as3 A pesquisa ouviu 2.950 pessoas em cinco capitais (São Paulo, 7.000 templos e possui 14.000 pastores, igrejas e religiões até certo ponto “sabiam Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador e Porto Alegre) entre 17 catedrais estão sendo construídas no qual era o seu lugar”, dentro de um mode- os dias 8 e 12 e no dia 15 de Brasil por grandes construtoras como a lo religioso sincrético hierárquico – “o dezembro de 2003. Queiroz Galvão e a Odebrecht (Folha de qual combina a relação não-exclusiva com4 A lista completa das teses e dissertações se encontra em: S. Paulo, 7/12/2003, seção Dinheiro). Sua a aceitação da hegemonia institucional Oro et al., 2003. visibilidade é enorme, por ser detentora da católica” (Freston, 1993, p. 20) –, sobretudo5 São eles: Justino, 1995; Oliva, terceira maior rede de televisão do país, a após 1977 houve um relativo rompimento 1997; Campos, 1999; Bonfa- tti, 2000; e Oro et al., 2003. Rede Record, mas também pela sua diver- desse modelo, posto que a Iurd em certo6 São eles: Ruuth, 1995; Rosa sidade administrativo-econômica, pela sua sentido se insurgiu contra o lugar ocupado & Martins, 1996; Ruuth & Ro- presença na política, pelos seus métodos ar- pelo pentecostalismo no campo religioso drigues, 1999; Mafra, 2002; Corten et al., 2003; rojados de evangelização, pelo uso explícito brasileiro.320 REVISTA USP, São Paulo, n.68, p. 319-332, dezembro/fevereiro 2005-2006
  • Uma importante característica dessa deglutido; e R. de Almeida (2003, p. 341),igreja, que em certo sentido constitui um referindo-se especificamente à Universal,marco na história das religiões no Brasil, é o dizia que essa igreja, “no seu processo defato de ela construir seu sistema doutrinário constituição, elaborou, pela guerra, umae ritualístico mediante a apropriação e antropofagia da fé inimiga”.reelaboração de elementos simbólicos to- Vejamos alguns exemplos do processomados de outras igrejas e religiões, como religiofágico iurdiano.veremos a seguir. A Iurd prega a Teologia da Prosperi- dade, que foi desenvolvida nos Estados Unidos, sobretudo por Kenneth Hagin, e implementada no Brasil pela igreja VidaUMA IGREJA RELIGIOFÁGICA Nova (Freston, 1993; Mariano, 1995). Mas além de enfatizar tal teologia a Iurd A Igreja Universal se autoproclama pen- vai dedicar todos os cultos das segundas-tecostal. No entanto, e de forma semelhante, feiras a expressá-la, no que chama hoje deembora com mais ênfase, a outras igrejas Congresso Empresarial10.da terceira onda pentecostal, ela se coloca Além disso, a Iurd faz uso extensivonuma relativa situação de fronteira inter- de símbolos e objetos mediadores com oreligiosa, que é explicitada de formas dife- sagrado, que são práticas correntes nasrentes por alguns autores. Por exemplo, para religiões mediúnicas e no catolicismo. OsP. Freston (1993), ela é a mais católica das fiéis iurdianos são mesmo aconselhadosigrejas evangélicas; para R. Valle e I. Sarti pelos pastores a levarem tais símbolos para(1994, p. 11), ela é “uma reedição urbana casa, que, dependendo de sua natureza, serãodo catolicismo popular tradicional”; para P. dispostos em certos locais da mesma, ouSanchis (1994, p. 63), um fenômeno que, misturados à comida, ou, então, carregadosalém de desafiar uma tradição cultural (a da na carteira, na bolsa, no corpo. A própriacultura católico-brasileira), sabe reencon- Bíblia entra nessa mesma lógica já que,trar algumas das suas linhas mestras; para segundo Bittencourt Filho (1994, p. 32),R. Mariano (1995, p. 127), uma igreja que ela é pouco lida e mais usada como recurso“rearticula sincreticamente no seu próprio mágico nos atos de exorcismo e outros ri-interior crenças e práticas rituais dos ad- tuais, algo “impensável em qualquer igrejaversários”7; para R. de Almeida (2003, p. de tradição protestante…”.340), uma igreja que se situa “a um meio Na Iurd é também importante a rea- 7 Sanchis (1994, p. 43) recordacaminho entre os evangélicos e as religiões lização de “correntes” e o pagamento do que “qualquer religião, ao se implantar num espaço social,afro-brasileiras”; e, enfim, para P. Birman dízimo. Ora, isso também preexiste ao adquire alguma propriedade sincrética…”.(2001), uma igreja da “bricolagem”. neopentecostalismo e à Iurd (Mariano, 8 Segundo o Dicionário Aurélio, De minha parte, considero-a, sem ne- 1995, p. 31). O dízimo consiste numa marca fagocitose significa a “ingestãonhuma conotação pejorativa, uma igreja evangélica, retornando agora também em e destruição de uma partícula sólida ou de um microorganismoreligiofágica; literalmente, “comedora de muitas dioceses católicas. As “correntes” e por uma célula”.religião”, ou, como diz R. de Almeida (2003, “sessões” também fazem parte das religiões 9 Ressemantização ocorre quan-p. 341), uma igreja que procedeu a uma mediúnicas, assim como do repertório do do conteúdos das religiões de origem, vindas de fora, são“fagocitose religiosa”8. Isto é, uma igreja catolicismo popular e seu regime de promes- alterados por conteúdos das localidades e dos grupos que osque construiu seu repertório simbólico, suas sas e novenas. adotam; ressimbolização ocorrecrenças e ritualística, incorporando e res- Do catolicismo, além disso, a Iurd quando conteúdos tradicionais de um grupo adquirem novasemantizando9 pedaços de crenças de outras incorporou as noções de milagre, inferno, expressão através de formas simbólicas importadas, vindasreligiões, mesmo de seus adversários. pecado e demônio. Assumiu, também, a sua de fora (Segato, 1997). Esta idéia não é nova. Por exemplo, P. forma organizacional episcopal, igualmente 10 Nesses cultos, denominados deSanchis (1994, p. 52) se indagava acerca presente na igreja anglicana, consagrando- “congressos”, os participantes recebem uma pasta (comodo pentecostalismo em geral: “Quem, do se Edir Macedo o seu primeiro bispo em ocorre nos congressos) conten-Brasil ou do pentecostalismo, vai comer 1981. Da católica, ainda, sugere Mariano, do folhas internas destinadas ao registro de desejos e graças queo outro?”. E respondia que o Brasil seria em razão do crescimento do número de pretendem alcançar. REVISTA USP, São Paulo, n.68, p. 319-332, dezembro/fevereiro 2005-2006 321
  • empresas, patrimônio imobiliário e volume cas, e mesmo consagrou as terças-feiras à de recursos, a Iurd, “[…] talvez tendo por “libertação dos demônios”, nas concorridas referência o Vaticano, resolveu ingressar Sessões Espirituais de Descarrego, sempre no mercado financeiro”11. embasada na Teologia da Guerra Espiritual, Também da católica, para justificar também desenvolvida nos Estados Unidos o próprio uso e eficácia da Teologia da e por ela adaptada à realidade cultural e Prosperidade, Edir Macedo assumiu aber- religiosa brasileira. tamente o alto padrão de vida que leva e a Além disso, um importante elemento do preferência por carros luxuosos como Mer- exorcismo iurdiano é a entrevista com os cedes e BMW, comparando-se ao “Papa que demônios12. Nesse caso, segundo Mariano mora e utiliza um palácio em representação (1995, pp. 30-1), a Iurd também não inova, da sua igreja” (Mariano, 1995, p. 58). pois dá continuidade a uma prática iniciada Do catolicismo/cristianismo, ainda, a pela igreja pentecostal Nova Vida. Iurd defende abertamente o adágio francis- A Iurd também realiza hoje em dia cano “é dando que se recebe”, e reconhece rituais de “fechamento de corpo” e a “cor- os feriados nacionais da Sexta-Feira Santa e rente da mesa branca”13, práticas específicas de Nossa Senhora Aparecida, promovendo, do campo religioso mediúnico brasileiro. nessas datas, grandes concentrações de fé. Ainda do campo religioso mediúnico os No Dia de Finados, é também comum os pregadores da Universal usam todo um con- obreiros evangelizarem nos cemitérios. junto de termos próprios àquele segmento Também reconhece o dia de São Cosme religioso. Por exemplo: “Esta pessoa está e São Damião, ocasião em que costuma com a vida amarrada; o demônio amarrou oferecer “balas ungidas” para as crianças os negócios dele; está tudo amarrado”; “Tá que vão aos cultos, lembrando, nesse caso, amarrado, em nome de Jesus”; “O problema a prática de dar doces aos erês na umbanda financeiro se deve a um trabalho”; “Foi feito (Mariano, 1995, p. 127). um trabalho de bruxaria”; “Foi pago no Além disso, como sublinha P. Birman cemitério, na cachoeira”; “Este óleo santo (2001, p. 60), a própria forma de operar da é para ‘fechar o corpo’”; “Fazer a corrente Iurd é “católica”, “isto é, buscando alianças da saúde, da libertação”. e mediadores religiosos para reforçar um Evidentemente que a lista da fagocitose projeto de integração social e política de iurdiana não está completa; mas ela é su- seus adeptos […]”. ficiente para reforçar a hipótese de que a Mas, especialmente, como se sabe, a Iurd alimenta-se dos elementos de crenças11 “[…] adquiriu por três milhões Iurd é uma igreja em que o exorcismo e a existentes no pluralismo religioso brasileiro. de dólares o Banco Dime, em demonização das entidades afro-brasileiras Importa também frisar que toda essa apro- novembro de 1991, que se transformou em Banco de Cré- ocupam um lugar central no seu discurso e priação é “intencional, estudada, encerra dito Metropolitano, dirigido por um pastor” (Mariano, 1995, p. em sua ritualística quotidiana. Ora, como claro propósito proselitista. A liderança tem 53). observa Mariano (1995, p. 98), plena consciência da eficácia desta estra-12 As entrevistas com os demônios tégia” (Mariano, 1995, p. 127). Exemplo constam, fundamentalmente de três questões: “Qual é o teu “[…] há muito tempo os rituais, as crenças, disso é esta frase, escrita pelo próprio Edir nome”, “O que você tem feito os deuses e guias dos cultos afro-brasileiros Macedo: “Aconselha-se no uso na prática do na vida dela [da pessoa]” e “como você entrou na vida dela e espíritas são percebidos e classificados ‘exorcismo’, de linguagem e ações familiares [da pessoa]” (Almeida, 2003, pp. 323-5). como demoníacos pelos evangélicos e até ao indivíduo da ação. Isto funciona como13 Nesse último caso, “coloca-se por alguns expoentes da Igreja Católica. um código de comunicação com a pessoa” uma mesa branca em frente ao Os rituais de exorcismo também não são (Macedo, 1995, p. 55 – grifos meus). púlpito com um copo de água benzida em seu centro. Em fila novidade nos meios pentecostais”. É de se perguntar até que ponto todo indiana, os fiéis caminham e passam as mãos sobre a mesa esse caráter mimético da Iurd não tem a untada de óleo e depois em suas Porém, enquanto outras igrejas se ver com a própria trajetória pessoal de seu cabeças, ou sobre a parte do corpo enferma, para retirar os mostram relativamente discretas na ex- fundador, que conheceu e transitou por maus ‘fluidos’ ou libertar-se de pressão das práticas exorcistas, a Iurd faz diferentes igrejas e religiões antes de fundar seus males” (Mariano, 1995, p. 126). disso o centro de suas atividades ritualísti- a sua própria igreja.322 REVISTA USP, São Paulo, n.68, p. 319-332, dezembro/fevereiro 2005-2006
  • Mas, é claro, a Iurd não somente se apro- então ser expurgado, mas sempre de formapria de elementos simbólicos preexistentes provisória (Segato, 1997).na relação com o sobrenatural (Soares, Por essas reelaborações nota-se que na1990). Ou, então, segundo a metáfora que Iurd não ocorre a negação do afro-brasileirovenho empregando, ela não somente “en- – terreiro, rituais, poder das entidades – masgole” as crenças apreendidas de outros seg- “uma alteração do sentido imbuído a suamentos religiosos. Ela também as “digere” prática religiosa pelos atuais adeptos pen-e transforma de acordo com o seu próprio tecostais e antigos freqüentadores do seu“aparelho digestivo”. Ou seja, além de terreiro” (Birman, 1997, p. 107 – grifos“reencontra[r] linhas do universo simbólico meus).brasileiro tradicional […]” (Sanchis, 1994, Porém, a Iurd não vai somente se apro-p. 53), a Iurd vai proceder a sua resseman- priar e ressemantizar pedaços de crenças etização, sobretudo daquelas concernentes de concepções procedentes de outras igrejasàs religiões afro-brasileiras14. e religiões que, com ela, estão em disputa Assim, por exemplo, no que tange às no campo religioso pela conquista de fiéis.entidades afro-brasileiras, a Iurd não as Como veremos a seguir, ela vai tambémnega, mas muda o seu significado. Como efetuar um movimento contrário de grandelembra M. C. Soares (1990, p. 87), “seria envergadura, a saber: exacerbar a presençabastante ineficaz chegar para uma pessoa do religioso no espaço público (templos eque durante anos recebeu um determinado catedrais, na mídia, na política, grandesguia dizendo que tais coisas não existem. O espaços públicos); superdimensionar oque o pastor faz é mostrar que elas existem, poder do demônio; hipertrofiar os rituaismas que ele tem poder sobre elas”. Assim de exorcismo; redimensionar o significadoprocedendo, recorda L. E. Soares (1993, do dinheiro, etc.p. 50), a Iurd segue semelhante prática docatolicismo medieval que, relativamenteà aparição de entidades espirituais aosacusados de feitiçaria, não as colocava em UMA IGREJA DA EXACERBAÇÃOdúvida mas as renomeava e submetia “aoutro crivo valorativo, a partir da aplicação Um olhar panorâmico e retrospectivodo código católico”. sobre o campo religioso brasileiro dos úl- Também o exorcismo é ressemantizado. timos anos permite perceber a importânciaAo invés de ser concebido como ponto cul- nele detida principalmente, embora nãominante de extrema sacralização do ritual, exclusivamente, pela Igreja Universal.como ocorre no candomblé, ele passa a ser Vejamos alguns exemplos:o “pólo negativo extremo da manifestaçãodo sagrado por tratar-se da irrupção do • Relativamente aos templos. Sobretudomal” (Almeida, 1996, p. 76-7)15. Da mesma até a década de 70, as igrejas católicas 14 A importância desse fenômeno éforma, ele não será mais visto somente como ocupavam os lugares centrais das cidades, tal que há autores que atribuemo momento de expulsão de uma entidade com suas matrizes e catedrais, sendo esses a ele o sucesso e promoção de conversões da Iurd em particularmaligna do corpo de uma pessoa, como os espaços sagrados de maior presença e e do neopentecostalismo em geral em regiões onde asocorre na concepção católica, mas tam- visibilidade pública. Os templos evangéli- religiões afro-brasileiras estãobém como um “mecanismo para bloquear cos, sobretudo os de igrejas pentecostais, implantadas (Corten, 1997).a circulação do Mal […]” (Birman, 1997, eram geralmente acanhados e se situavam 15 Por isso mesmo diz, acertada- mente, esse autor que “o cultop. 55), revelando, em primeiro lugar, que nas periferias das cidades, tendo pouco de libertação pode ser lidoo médium possuído, de respeitado agente destaque. Não era muito diferente a situa- como uma inversão simbólica dos rituais encontrados nos ter-nos terreiros, torna-se uma marionete nas ção dos espaços sagrados das religiões reiros” (Almeida, 1996, p. 77).mãos dos pastores nos templos (Boyer, mediúnicas. Ora, a Iurd surgiu e impôs 16 Essa autora efetua uma boa análise dos elementos que apro-1996)16, e, em segundo lugar, que o cenário outra lógica nesse processo. Primeiramente, ximam entre si os dois sistemasdo culto afro-brasileiro é trazido para den- nessa igreja a implantação de um templo religiosos, neopentecostais e cultos de possessão (Boyer,tro do culto pentecostal (leia-se Iurd) para obedece a um estudo prévio de mercado de 1996). REVISTA USP, São Paulo, n.68, p. 319-332, dezembro/fevereiro 2005-2006 323
  • possíveis consumidores de bens religiosos, in Action e City News, na Inglaterra; Stop contrariamente ao procedimento usual das Suffering, na África do Sul; Pare de Sufrir, igrejas em que a instalação de um templo no Chile e na Bolívia; Tribune Universelle, ocorre em razão da demanda de fiéis. Em na França. Além disso, é proprietária de segundo lugar, ao invés de espaços reli- uma gravadora (Line Records, que, com giosos modestos e retirados dos espaços dez anos de existência, vendeu cerca de nobres das cidades, a Iurd vai alugar grandes 900 mil CDs somente no ano de 2000) e espaços físicos – cinemas, garagens ou uma produtora de vídeos (Frame) (Mariano, fábricas desativadas – ou erguer templos 2003; Fonseca, 2003)19. e, ultimamente, catedrais, de dimensões Além disso, na Iurd a mídia não é so- impressionantes, que se situam em locais es- mente um elemento de evangelização, mas, tratégicos das cidades, geralmente ao longo também, e sobretudo, um instrumento de de grandes avenidas e vias movimentadas. marketing e de propaganda, visando a atrair Além disso, os templos oferecem conforto as pessoas para seus templos, diferente- para os freqüentadores, contendo estacio- mente de outras igrejas, mesmo as eletrôni- namento, ar-condicionado, sonorização, cas norte-americanas, nas quais, segundo recreacionistas para crianças17. Edir Macedo, “o pastor fica no vídeo e as pessoas o assistem em casa, distraindo-se • A presença na mídia. Historicamente com a campainha da porta que toca ou com as igrejas católica e evangélica se faziam o gato que mia” (Veja, 14/11/1990). presentes na mídia radiofônica, impressa e mesmo televisiva. Mas hoje, olhando para • A presença na política. A Igreja Católica trás, e tomando como ponto de comparação a teve historicamente uma importante partici- Iurd, pode-se afirmar que tudo ocorria dentro pação na vida política nacional. Durante o de padrões relativamente modestos. Império, entre os anos 1835 e 1837, o padre De fato, a Universal surgiu como uma Diogo Feijó tornou-se regente do Império; igreja midiática, e hoje seus números nesse por ocasião da Constituinte de 1823, 15 domínio impressionam: é detentora de entre os 93 eleitos eram sacerdotes. Mas, duas redes de televisão: a Record, com 63 a partir da separação oficial entre igreja emissoras, sendo 21 de sua propriedade, católica e Estado, instituída na primeira17 Como já disse, a Iurd é deten- e a Mulher, presente em 85% das capitais constituição republicana de 1891, a igreja tora hoje, somente no Brasil, de brasileiras e em cerca de 300 municípios. foi se afastando do político propriamente cerca de sete mil templos. Exporta seus programas para vários países dito sendo hoje a inserção de sacerdotes na18 No site da Universal consta que a Folha Universal é o maior (especialmente México, Chile, Panamá, política um tema bastante controvertido e semanário da América Latina, Equador, Venezuela, Colômbia e Porto polêmico no âmbito dessa instituição. com mais de 1,7 milhão de exemplares. Rico). É também proprietária de 62 emis- Os evangélicos, por seu turno, detêm19 Todo esse complexo midiático soras de rádio no país. No exterior, possui também uma histórica, embora modesta, reveste-se de múltiplos sentidos, entre os quais: o de marketing, emissoras de rádio e TV em vários países, presença na vida política brasileira. Fres- propaganda da igreja; mostrar- entre os quais Portugal, Argentina, Moçam- ton (1993) divide essa presença em quatro se, expor publicamente os seus produtos e resultados (daí o bique e África do Sul. No que tange à mídia fases: a primeira é a metodista (de 1946 a lugar fundamental ocupado impressa, difunde o jornal Folha Universal 1951), seguida da presbiteriana (de 1951 a pelos exorcismos e sobretudo pelos testemunhos, depoimen- (cuja tiragem semanal supera a cifra de 1,5 1975), da batista (de 1975 a 1987) e, após tos, que são a prova da eficácia da igreja, os “resultados”, como milhão de exemplares)18; edita as revistas 1987, pela primeira vez, o predomínio de dizem, “uma igreja de resulta- Ester, Mão Amiga e Plenitude; é proprietária uma igreja pentecostal, a Assembléia de dos”; “o povo está cansado de blablablá”); e de apelo aos de uma gráfica (Editora Gráfica Universal) Deus. Porém, segundo Flávio C. dos Santos futuros consumidores de bens simbólicos para freqüentar os e de uma editora (Universal Produções, Conrado (2000), a partir de 1990 a Igreja templos da igreja (endereços, pela qual Edir Macedo publicou seus 34 Universal dá início à quinta fase20. horários de reuniões). livros). No exterior, é proprietária dos A Iurd debutou na política em 1986 ele-20 Para uma análise histórica e atual da inserção evangélica na jornais: Tribuna Universal, em Portugal; gendo um deputado federal. A partir daí sua política brasileira ver: Freston, Universal News e Pare de Sufrir (destinado progressão foi constante: elegeu três depu- 1993; Campos, 2002; e Oro, 2003. aos hispânicos), nos Estados Unidos; Faith tados federais e seis deputados estaduais324 REVISTA USP, São Paulo, n.68, p. 319-332, dezembro/fevereiro 2005-2006
  • em 1990; seis deputados para o Congresso Ou seja, contrariamente a uma mentalidadeNacional e oito nas Assembléias Legisla- laica, assumida por certas igrejas e religiões,tivas dos estados em 1994; 17 deputados em seu processo de secularização interna,federais (sendo 14 pastores egressos da segundo a qual é possível contribuir com asprópria igreja de várias unidades federativas finanças das instituições religiosas sem pagare três deputados apoiados pela igreja), e 26 pelos serviços religiosos, a Iurd introduziu adeputados estaduais em 1998; dezenas de monetarização na relação com o sagrado evereadores em 2000; nas últimas eleições escolheu o dinheiro como a principal medidade 2002 elegeu 16 deputados federais e 19 da fé e mediação com o sagrado, dentro dedeputados estaduais – todos egressos da uma lógica sacrificial, inserindo-o, também,própria igreja –, representantes de 10 esta- na perspectiva da Teologia da Prosperidadedos da federação, além do bispo Marcelo (Oro & Semán, 1999)21.Crivella, eleito senador da República pelo Por outro lado, como já vimos, o uso deRio de Janeiro, com mais de 3 milhões de bens e objetos na mediação com o sagradovotos, que nas eleições de outubro de 2004 é também recorrente no catolicismo, nasconcorreu à prefeitura do Rio de Janeiro, religiões mediúnicas e nos grupos e movi-obtendo o segundo lugar. mentos esotéricos. No entanto, a Universal extrapolou o uso dos tradicionais e reco-• O empreendimentismo econômico. Até o nhecidos símbolos religiosos, como velas,advento da Iurd, o investimento financeiro imagens, cálices, sal, flores, água, óleo,das igrejas católica e evangélicas circunscre- arruda, enxofre, ervas, mel, giz, retratos,via-se sobretudo ao campo da educação, das roupas, etc., e introduziu em seus rituaismídias e da assistência social. A Iurd vai dar novos mediadores com o sagrado, retiradoscontinuidade a esses investimentos, menos do quotidiano das pessoas, tais como sham-no educacional formal, e, além disso, ampli- poo, sabonete, brinquedos, garrafas, sabãoar e diversificar as áreas de empreendimento em pó, saco de lixo, travesseiro, etc., reve-econômico. Por isso, hoje ela é proprietária lando, assim, o alto grau de “imaginação”da Ediminas S/A (que edita o jornal secular detido por essa igreja. Isso porque, segundoHoje em Dia, de Belo Horizonte); de uma Patrícia Birman (2001, p. 69),empresa de processamento de dados (UniLine), de uma construtora (Unitec), de uma “[…] a Universal parte do princípio deseguradora (Uni Corretora), de uma agên- que todos os artefatos humanos e todos oscia de viagens (New Tour) e das empresas elementos da natureza podem servir para seUnimetro, Cremo Empreendimentos, LM conectar com o mundo divino: podem ser 21 Evidentemente que esse fato pro-Consultoria Empresarial, além de duas utilizados como mediadores eficazes com a duz debates e questionamentos éticos, sobretudo em relaçãoinstituições financeiras, Invest Holding e esfera extramundana, desde que consagra- ao abuso econômico dasCable Invest, com sedes em paraísos fiscais dos, ‘ungidos’ por seus pastores”. igrejas. Mas, como já escrevi em outro lugar, por um lado,do Reino Unido: Ilhas Cayman e Jersey “A monetarização da relação(Channel Islands) (Mariano, 2003). Assim sendo, acrescenta essa autora, o com o sagrado não deveria surpreender se levarmos em efeito desse procedimento aponta para uma conta duas situações conver- gentes: a permanência da• A mediação do dinheiro e outros bens. desqualificação dos mediadores religiosos lógica sacrificial (própria daTradicionalmente, as igrejas e religiões tradicionais e para o estabelecimento de no- mentalidade cosmológica) e a generalização da moeda,instaladas no Brasil procediam, de forma vas “conexões” com o sagrado, geralmente ambas podendo conduzir logi- camente à oferta em dinheiro”variada segundo elas, a coletas financeiras, retiradas ou associadas com passagens bíbli- (Oro & Semán, 1999, p. 43);realizavam campanhas de arrecadação, cas, realizadas por pastores “bricoleurs”, e, por outro lado, os embates éticos ocorrem em razão de lógi-recebiam doações, efetuavam cobranças em em seu processo de banalização e de exac- cas culturais diferenciadas quetroca de serviços religiosos e arrecadavam erbação dos mediadores do contato com o se encontram, se contrapõem e se combatem: uma, cosmológi-o dízimo. Porém, sobretudo a Universal, invisível (Birman, 2001, pp. 70-1). ca, que utiliza o dinheiro como oferta na lógica do sacrifício, emas não só, introduziu no Brasil a noção de outra, secularizada e laica, quereligião paga (Pierucci & Prandi, 1996) e • O diabo e o exorcismo. O que mais nos interpreta a oferta financeira às igrejas como subsistência doprocedeu a uma ressemantização do dinheiro. interessa aqui, porém, é discorrer sobre as poder opressor das igrejas. REVISTA USP, São Paulo, n.68, p. 319-332, dezembro/fevereiro 2005-2006 325
  • representações acerca do demônio nessa igreja e o ritual do exorcismo. Novamente, como já indicamos acima, a Iurd não está inovando mas exacerbando um sistema preexistente. De fato, a representação de uma figura invisível associada ao mal – o demônio – ocupou um lugar importante no imaginário cristão medieval, como o mal absoluto, bem como nos tempos modernos e atuais. No Brasil, a imagem do diabo cristão tra- zida pelos portugueses se encontrou com noções próximas de entidades cultuadas pelas religiões não-européias, não se re- cobrindo, porém. Mesmo assim, deu-se um compartilhamento de crenças segundo o qual o mundo se encontra em constante tensão entre forças invisíveis: de um lado, os demônios causadores do mal e da desor- dem, e, de outro lado, os deuses associados ao bem e à ordem22. A teologia católica, no entanto, desde o século XVIII, “[…] tornou-se cada vez mais econômica nas questões demonológicas, as quais foram, por sua vez, apropriadas pelas forças periféricas: ocultistas, satanistas, amadores, grupos sectários marginais, algumas perso- nalidades […]. A teologia liberal, católica e protestante, simplesmente evita o mundo demoníaco, ou menciona-o apenas como uma metáfora, um símbolo tradicional, uma abstração” (Kolakowski, 1985, p. 20). Ainda no âmbito católico, principal- mente após o Concílio Vaticano II, “[…] não existe mais uniformidade na doutrina sobre satanás e os demônios. Mui- tos teólogos colocam em dúvida a existência do diabo ou se manifestam positivamente contra ela. Outros procuram interpretar de maneira nova a tradição demonológica da Igreja Católica […]. Parte dos teólogos ain- da mantém a doutrina tradicional e muitos católicos ainda estão sob sua influência ou se confessam abertamente adeptos dela” (Wenisch, 1992, p. 41).22 Sobre a noção de “forças invisíveis”, a partir do contexto religioso africano e latino-ame- No catolicismo popular, porém, segundo ricano, ver: Corten & Mary, 2000. E. D. B. de Menezes (1981, p. 4), o diabo,326 REVISTA USP, São Paulo, n.68, p. 319-332, dezembro/fevereiro 2005-2006
  • implícita ou declaradamente, constitui um dos personagens centrais e é o móvel fun- damental na explicação dos eventos, das situações e dos comportamentos. Relativamente aos evangélicos, porém, no dizer de Wenisch (1992, pp. 42 e segs.), se, por um lado, os teólogos liberais distan- ciaram-se da tradicional demonologia cristã bem mais cedo do que os teólogos católicos, de outro lado os fundamentalistas sempre mantiveram a crença de que os espíritos demoníacos se imiscuem diretamente na história do mundo. É este último, também, o posiciona- mento doutrinário do pentecostalismo e do neopentecostalismo brasileiros. De fato, para eles, “[…] tanto é o diabo que causa as doenças, conflitos, desempregos, alcoolismo, leva ao roubo ou a qualquer crime, como é Jesus e o Espírito Santo que cura, acalma, dá saúde, dá prosperidade material e liberta do vício e do pecado. Nesta visão se nega assim por um lado a ação de outros seres espirituais como se nega a responsabilidade humana e conseqüentemente as origens históricas do mal e do bem” (Mariz, 1997, p. 231). Ora, a Universal também reconhece a importância dos demônios como causadores dos males e problemas de toda ordem que afetam as pessoas e a sociedade. Eles são tidos como os perturbadores da “ordem ‘natural’ das coisas (‘natural’ no sentido daquilo que está conforme a vontade divina), cujo objetivo é distrair Deus’” (Gomes, 1994, pp. 233-4). A esse respeito escreveu Edir Macedo, em seu livro Orixás, Caboclos e Guias: Deuses ou Demônios”23: “Tudo o que existe de ruim neste mundo tem sua origem em satanás e seus demônios. São eles 23 Trata-se de um livro escrito em os causadores de todos os infortúnios que 1987, dedicado “a todos os pais-de-santo e mães-de-santo atingem o homem direta ou indiretamente” de nossa pátria”, e que já (Macedo, 1987, p. 103). Em outro livro ele vendeu mais de dois milhões de exemplares. Esse mesmo livro se questiona e responde: “Qual a origem foi também editado em CD-Rom, de todos os males que afligem a humani- pela Universal Produções. Edir Macedo escreveu, em 1995, dade? Doenças, misérias, desastres e todos mais um livro sobre o tema dos demônios: O Diabo e os problemas que têm afligido o homem Seus Anjos. Nele sustenta a desde que este iniciou sua vida na terra, têm mesma acusação demoníaca em relação ao panteão religioso uma origem: o diabo” (Macedo, 1995, p. afro-brasileiro.REVISTA USP, São Paulo, n.68, p. 319-332, dezembro/fevereiro 2005-2006 327
  • 24 Por isso mesmo são recorrentes 43)24. Portanto, para a Universal, “o diabo procedeu à demonização sobretudo das nos templos universais afirma- ções como estas por parte dos não é somente a antítese (o arquiinimigo) religiões não-cristãs (Wynarczyk, 1995)26. pastores: “tu, demônio que de Deus. Ele é a encarnação do Mal; uma Esse procedimento também não é novo amarrou os negócios; demônio que atua no trabalho dele; de- presença constante (e ameaçadora) na vida e pois, ao longo da Idade Média e da Idade mônio que amarrou a empresa; demônio da dívida; demônio da no cotidiano das pessoas” (Barros, 1995, p. Moderna cristã européia, bem como na falência; demônio da doença; 146). Disso resulta que as representações do Judéia vetero-testamental, já ocorria a iden- demônio que vem atuando sobre esta pessoa causando diabo “constituem o eixo a partir do qual o tificação dos deuses dos “pagãos”, ou seja, toda espécie de problema; demônio que está destruindo a universo simbólico desta igreja é construído das religiões dos outros, com os demônios. saúde, a finança, a família; é o […]” (Barros, 1995, p. 1). Nesse caso, porém, como destaca Mariz demônio que está alojado nesta pessoa; nenhum médico resolve Porém, e como nos itens acima referidos, (1997, pp. 35-6), a acusação demoníaca o problema dele, só a libertação a Iurd, além de assumir essa representação consistia num instrumento dos poderosos em nome do Senhor Jesus”. relativamente generalizada do poder do para desqualificar a cultura oprimida, o que25 Como recorda R. Mariano (1995, p. 98), “há muito tempo demônio, vai exacerbar uma concepção já não é o caso nos dias atuais. os rituais, as crenças, os deuses e guias dos cultos afro-brasileiros presente nas igrejas católica, evangélicas Identificados os demônios e seus ter- e espíritas são percebidos e e pentecostais, embora ali ocorra de forma ritórios, a Iurd vai se atribuir a missão de classificados como demoníacos pelos evangélicos e até por mais branda25, qual seja, a identificação combatê-los para libertar as pessoas27. É alguns expoentes da Igreja demoníaca das entidades das religiões novamente Edir Macedo (1987, p. 16) quem Católica”. Também C. Mariz (1999, p. 34) escreve que afro-brasileiras. No dizer de Edir Macedo escreve: “[…] nossa igreja foi levantada “[…] a crença de que existem religiões demoníacas e de que (1987, p. 113), “a Umbanda, Quimbanda, para um trabalho especial […] a libertação as religiões espíritas e afro-brasi- Candomblé e o espiritismo de um modo de pessoas endemoninhadas”. E completa: leiras são demoníacas, além de ser geral no universo evangélico geral, são os principais canais de atuação “Lidamos com esse tipo de coisa há alguns brasileiro, está também presente no catolicismo, especialmente dos demônios, principalmente em nossa anos e três ou quatro vezes por dia, de se- entre os grupos carismáticos”. pátria”. Não é por outra razão, segundo seu gunda a segunda, estamos preocupados em26 Para Wynarczyk (1995, p. dizer, que “essa religião (afro-brasileira) que libertar as pessoas de toda a obra do diabo” 120), o principal protagonista da guerra espiritual é o pastor está tão popular no Brasil é uma fábrica de (Macedo, 1987, p. 46). Em outras palavras, o norte-americano Peter Wag- loucos e uma agência onde se tira o pas- fundador da Iurd está dizendo que sua igreja ner, da igreja congregacional. Segundo este, bem como os saporte para a morte e uma viagem para o nasceu para a “guerra espiritual”28. E mais, pastores Sehrman e Danson, não se pode separar “a guerra inferno” (Macedo, 1987, p. 86). a sua estratégia é não ficar na defensiva, na espiritual da evangelização Além disso, acrescenta, seus centros se- retaguarda, esperando que os inimigos, os mundial. Necessitamos entrar no território do inimigo e para riam “moradas de demônios”; seus deuses, demônios ataquem, mas agir na ofensiva, isso precisamos expulsá-lo”. O raciocínio embutido nessa “espíritos malignos”; seus cultos, “rituais do na vanguarda, antecipando-se à ação dos teologia é que ela conduz à li- demônio”; seus líderes religiosos, “serviçais inimigos. Escreve Macedo (s/d, p. 114): bertação que por sua vez conduz à saúde, cura e prosperidade. do diabo”; seus fiéis e clientes, “pessoas Ainda segundo Wynarczyk, a ignorantes que caíram na armadilha de “Muitos cristãos vivem pedindo oração guerra espiritual é uma moda que atravessa boa parte dos grupos satanás”. Em outro momento do livro men- porque estão sendo perseguidos pelo diabo. neopentecostais argentinos e se constitui numa estratégia de cionado, o fundador da Iurd acrescenta: É de estarrecer, porque a realidade deveria evangelização. A difusão dessa ser outra. Os cristãos é que devem perseguir corrente teológica na Argentina ocorre desde 1989, a partir de “Com nomes bonitos e cheios de aparatos, os demônios. Nossa luta é muito mais de campanhas de evangelização e seminários – liderados por os demônios vêm enganando as pessoas com combate do que de defesa; devemos nos ar- pastores estrangeiros, sobretudo doutrinas diabólicas. Chamam-se orixás, mar de toda a armadura de Deus para libertar norte-americanos – e de um importante material bibliográfico caboclos, pretos-velhos, guias, espíritos de os oprimidos. A igreja deve ser triunfante de apoio. luz, etc. Dizem-se ser exus, erês, espíritos de e estar sempre na ofensiva”.27 O termo “libertar”, ou “liberta- crianças, médicos famosos, poetas famosos, ção”, é fundamental, mas ambí- guo, na Universal. D. Lehmann etc., mas na verdade são anjos decaídos” É justamente a ausência da luta contra (1996, p. 139) assinala que ele tem um duplo significado: (Macedo, 1987, p. 32). os demônios que E. Macedo vai recriminar “libertar os indivíduos dos diabos às outras denominações evangélicas que, que os possuem mas também libertar o mau espírito que está Como já frisei, a demonização iurdiana segundo ele, “pregam apenas o evangelho dentro do indivíduo cujo corpo das religiões afro-brasileiras se inscreve na ‘chocolate’, ou ‘água com açúcar’, e não em certo sentido o aprisiona”. Por seu turno, as denominações chamada Teologia da Guerra Espiritual, libertam verdadeiramente as pessoas da evangélicas históricas e mesmo algumas pentecostais criticam surgida na década de 80 no meio evan- influência dos demônios” (Macedo, 1987, a Universal, não somente pela gélico norte-americano, que, por sua vez, p. 113). Por isso, continua o fundador da328 REVISTA USP, São Paulo, n.68, p. 319-332, dezembro/fevereiro 2005-2006
  • Universal: “temos de sair da mera pregação mediante um processo de entrevista compentecostal, que está na moda, para a prega- os “demônios”, que obedece, basicamente,ção plena” (Macedo, 1987, p. 131). a “três perguntas-chave, que revelam a Na prática isso significa que a Iurd, origem, os males causados e a maneiradesde a sua fundação, conduz um ataque pela qual o demônio entrou no corpo dosem trégua, contumaz, radical, contra endemoninhado” (Almeida, 2003, p. 326).as religiões afro-brasileiras, a tal ponto Esse ritual, reconhece Edir Macedo (1995,que esse combate “tornou-se um de seus p. 36), constitui o “lugar central no culto”.principais pilares doutrinários” (Mariano, Nele, “os demônios são humilhados e até1995, p. 103). mesmo achincalhados” (Macedo, 1987, p. De fato, os vilipêndios contra os afro- 134). É Deus, continua o fundador da Iurd,brasileiros aparecem desde a fundação que “permite que os demônios se mani-da igreja. Menciono, por exemplo, essa festem para que sejam envergonhados e,declaração que ouvi num templo em Porto principalmente, desmascarados” (Macedo,Alegre, no início dos anos 80: 1987, p. 136). A ridicularização ocorre de várias formas. A mais usual é o ordenamento“Tu, espírito imundo, que foi pago no para que a “entidade” se ajoelhe diante docemitério, na cachoeira. Isto é obra de ma- pastor. Outra é que ela “bata cabeça” para ocumbaria, feitiçaria. Omolu está aqui de pastor, ou bispo. Mas pode, também, quemjoelho […]. Você que vai consultar Maria preside o ritual convocar toda a assembléiaMulambo, olha ela aqui de joelhos na Igreja para repetir com ele um refrão comum nosUniversal […]. A Macumba é uma porcaria jogos infantis, como este: “O Exu Caveirae nós vamos lutar contra esta porcaria até é um bobão, olha a cara dele”.o fim […]. Na Macumba tem uma legião Embora manifestações demoníacasde demônios; estes demônios da macumba ocorram quase que diariamente nos templossó querem roubar, matar, destruir […]. Ele iurdianos, é especialmente nas terças-feiras,é um exu em forma de caboclo”. nas Sessões Espirituais de Descarrego, e nas sextas-feiras, nas Reuniões, ou correntes, Ronaldo de Almeida (1996, p. 55) tam- de Libertação, que os rituais de exorcismobém recorda que são fartamente reproduzidos. Nesses casos, como lembra Ronaldo de Almeida (2003,“A primeira publicação da Igreja Univer- p. 332), a libertação acaba assumindo nasal foi a revista Plenitude, criada pouco Iurd estruturalmente o papel de um con-tempo depois da sua fundação e, desde o trafeitiço diante do feitiço das religiõesseu primeiro número, o ataque à Umbanda afro-brasileiras, que ela reconhece e aceitae ao Candomblé imperaram como matérias a veracidade.principais. A Folha Universal, que substi- Nessas situações, porém, como veremostuiu posteriormente a revista, traz todas as a seguir, a Iurd revela a sua face que maissemanas diversas reportagens a respeito dos nos interessa explorar neste texto.males causados por estas religiões”. demonização das religiões afro- Com o passar dos anos, porém, tais brasileiras como também pelaacusações diretas diminuíram na mídia UMA IGREJA NEOPENTECOSTAL própria ênfase no demônio, que deixa Jesus em segundoiurdiana em razão de pressões exercidas plano.por setores da sociedade contra essa igreja, MACUMBEIRA 28 Segundo R. Mariano (1995, pp. 103-4), a Iurd não é a únicamas continuam nos templos, mediante o igreja evangélica implicadaritual performático do exorcismo, em que Ricardo Mariano (1995, p. 117) in- na “guerra santa”. Além dela, pode-se citar a Igreja Internacio-as entidades das religiões afro-brasileiras daga: nal da Graça de Deus, Igreja do Espírito Santo (dissidênciasão invocadas a “se manifestarem” para, da Iurd no Nordeste), Cristoentão, serem humilhadas e, posteriormente, “Ao combater a umbanda, o candomblé, o Vive, Comunidade Evangélica, Casa da Bênção e Igreja Deusexorcizadas. Isso ocorre, como já disse, espiritismo e o catolicismo até que ponto é Amor. REVISTA USP, São Paulo, n.68, p. 319-332, dezembro/fevereiro 2005-2006 329
  • as igrejas neopentecostais, sobretudo a Iurd pastor ou bispo para interpretar e explicar […] não são influenciadas e trazem para o os seus comportamentos e termos usados. interior de seus cultos e doutrinas elementos Isso revela que os “ex-pais/mães-de-santo” da crença, da lógica e da visão de mundo detêm um status especial e cumprem um das religiões inimigas? Não é necessária papel importante nos cultos que ocorrem a realização de observações sistemáticas nas terças-feiras nos templos da Iurd. anos a fio para perceber que é significativa É importante frisar que em tais Sessões a influência que sofrem. Isto pode ser visto, Espirituais de Descarrego tanto os pastores desde logo, no fato de que a eficácia da quanto os ditos “ex-pais-de-encosto” se experiência religiosa do adversário acaba vestem totalmente de branco, como ocorre sendo legitimada, assumida como real”. nos rituais da umbanda. Algumas vezes os próprios fiéis são também solicitados a Também Ronaldo de Almeida (2003, comparecerem vestidos de branco. Além p. 340) sublinha que “paradoxalmente, disso, da mesma forma como nos terreiros a Igreja Universal ficou parecida com pode ocorrer a “chamada” coletiva das enti- sua inimiga” (isto é, as religiões afro- dades, na “balança do Xangô” (no batuque brasileiras). gaúcho), também nas sessões de descarrego Mas não são somente os iurdólogos geralmente ocorre a invocação coletiva para que percebem uma face “macumbeira” os demônios se manifestarem. na Iurd. O seu próprio fundador o admite Igualmente, pode também o pastor ou quando escreve: “Se uma pessoa chegar à bispo que preside o culto/sessão, quando Igreja no momento em que as pessoas estão pretende acelerar os trabalhos, proceder à sendo libertas, poderá pensar que estão em “libertação” conjunta dos fiéis exorcizando um centro de macumba, e parece mesmo” coletivamente os demônios, também de (Macedo, 1987, p. 135 – grifos meus). forma semelhante ao que às vezes ocorre Vejamos como isso ocorre. nos terreiros quando as entidades são “des- Em certas Sessões Espirituais de Des- pachadas” juntas. carrego, os que já “pisaram nas casas dos Nas mencionadas sessões, as entidades encostos” – esse termo genérico sendo que ali se manifestam reproduzem uma hoje usado para se referir ao conjunto das performance similar ao que ocorre nos entidades das religiões afro-brasileiras29 terreiros, em termos de comportamento – são convidados a formarem um grande corporal. Por exemplo, exus e pombagiras círculo na igreja, chamado de “círculo ficam com o corpo retorcido e mãos nos da divindade”, reproduzindo, assim, as quadris em forma de garras. “correntes” dos terreiros. Em tais rituais, Também nessas sessões os pastores além dos pastores, participam ativamente podem fazer uso de galhos de arruda, de os, assim chamados na Iurd, “ex-pais e uso comum nos terreiros, com os quais29 “Encosto”, “pai-de-encosto”, “ex-pai-de-encosto” são termos mães-de-encosto”. Antes do início do culto aspergem seus fiéis. Nesse caso são “ga- incorporados há pouco tempo na Iurd, juntamente com a das mencionadas Sessões Espirituais de lhos de arruda, molhados em bacias com implantação das “sessões de Descarrego um certo número daqueles água benzida e sal, para que manifestem os descarrego”. “Encosto” é um termo utilizado no espiritismo “ex”, vestidos de branco e sentados diante demônios e deles sejam libertos” (Mariano, para se referir aos espíritos de uma pequena mesa, coberta com uma 1995, p. 126). obsessores de “desencarnados” que se recusam a abandonar toalha branca, tal como ocorre nos ter- Além disso, em tais sessões, mas não este mundo. Para tanto, ne- cessita da energia dos vivos. reiros, dão “consultas” às pessoas que os só nelas, são utilizados vários termos em- A umbanda também assume procuram, evidentemente, agora demoni- pregados nas religiões afro-brasileiras, e nas essa concepção mas também acrescenta a concepção do zando as entidades que defenderam durante mediúnicas em geral, como “trabalho”, “en- campo afro, segundo o qual o encosto é associado ao “egun”, anos e colocando-se do lado das forças e costo”, “carrego”, “descarrego”, “amarrar”, espírito de um morto que, poderes divinos. Posteriormente, durante “amarrado”, “despacho”, “despachar”, etc. sentindo-se só, procura levar consigo outras pessoas. Tudo os cultos, por ocasião das “manifestações Mas, principalmente, nessas sessões, e indica que a Iurd incorpora os dos encostos”, é comum algum “ex-pai- em outras, é de tal importância a presença dois sentidos mencionados do termo “encosto”. ou-mãe-de-encosto” ser chamado pelo de entidades do panteão religioso afro-330 REVISTA USP, São Paulo, n.68, p. 319-332, dezembro/fevereiro 2005-2006
  • brasileiro, embora com sentido resseman- religiões afro-brasileiras – ultimamentetizado, que elas passam a integrar o próprio denominadas pelo termo genérico de “en-sistema de crenças da Iurd. O que significa, costos” – em seu panteão simbólico e no seucomo lembra R. de Almeida (2003, p. 337), corpo doutrinário, não sem atribuir a elasque “não só os ex-praticantes das religiões significações específicas, “relacionadas aafro-brasileiras comparecem aos cultos da males concretos da vida” (Almeida, 2003,Universal, mas também suas antigas divin- p. 39). Embora este não seja um fenômenodades, ainda que transformadas”30. exclusivo dessa igreja, nela tais entidades Disso decorre que ser bispo, pastor, são de tal maneira e com tal intensidadeobreiro e mesmo freqüentador da Univer- referidas, invocadas e exorcizadas em seussal, ao menos aqui no Brasil, implica não rituais, sobretudo nas performáticas Ses-somente conhecer a Bíblia e a doutrina pen- sões Espirituais do Descarrego, que estariatecostal, mas também dominar os códigos a revelar uma importante característica dasimbólicos, as crenças e o discurso das re- Universal, a sua semelhança com as religiões 30 Por exemplo, Ronaldo de Almei-ligiões afro-brasileiras, embora não só delas. afro-brasileiras, das quais paradoxalmente da (2003, pp. 339-40) lembra procura se opor e se distanciar. que, “segundo os pregadores (da Iurd), a Pombagira, por Esse fato mostra o alto grau de “brico- representar uma prostituta e porCONCLUSÃO lagem” religiosa e de “abrasileiramento” levar as pessoas ao homossexua- lismo, é a causadora da Aids; o cultural procedido por uma igreja que se Preto-Velho, por andar curvado, causa as dores da coluna; o Procurei mostrar neste texto que a Igreja quer pentecostal em nosso país. Ela resulta Exu Tranca-Rua gera a miséria;Universal do Reino de Deus procedeu à como uma igreja multifacetada, uma das os erês atingem fisicamente as crianças; o Exu da Morte, porfixação de determinadas entidades das suas faces sendo a “macumbeira”. sua vez, motiva o suicídio”.BIBLIOGRAFIAALMEIDA, Ronaldo de. A Universalização do Reino de Deus. Dissertação de mestrado em Antropologia Social. Campinas, Unicamp, 1996.________. “A Guerra das Possessões”, in A. P. Oro; A. Corten & J. P. Dozon. Igreja Universal do Reino de Deus. Os Novos Conquistadores da Fé. São Paulo, Paulinas, 2003, pp. 321-42.AUBRÉE, Marion. “La Vision de la Femme dans la ‘Constellation’ Pentecôtiste”, in Cahiers du Brésil Contemporain. n. 35-36. Paris, 1998, pp. 231-46.BARROS, Mônica do Nascimento. “A Batalha do Armagedom”. Uma Análise do Repertório Mágico-religioso Proposto pela Igreja Universal do Reino de Deus. Dissertação de mestrado. Belo Horizonte, UFMG, 1995.BIRMAN, Patrícia. “Médiation Féminine et Identités Pentecôtistes au Brésil”, in Problèmes d’Amérique Latine. n. 24. Paris, jan.-março, 1997, pp. 49-60.________. “Conexões Políticas e Bricolagens Religiosas: Questões sobre o Pentecostalismo a Partir de Alguns Contrapontos”, in Pierre Sanchis (org). Fiéis & Cidadãos. Percursos de Sincretismo no Brasil. Rio de Janeiro, Ed. UERJ, 2001, pp. 59-86.BITTENCOURT FILHO, José. “Remédio Amargo”, in Cecília Loreto Mariz & Alberto Antoniazzi (orgs.). Nem Anjos nem Demônios. Petrópolis, Vozes, 1994, pp. 24-33.BOMFATI, Paulo. Xô Satanás. São Paulo, Paulinas, 2000.BOYER, Véronique. “Possession et Exorcisme dans une Église Pentecôtiste au Brésil”, in Cahiers des Sciences Humaines. 32(2). Orstom, 1996, pp. 243-64.CAMPOS, Leonildo Silveira. Teatro, Templo e Mercado. Petrópolis, Vozes/Umesp, 1999.CONRADO, Flávio César dos Santos. Cidadãos do Reino de Deus (um Estudo da “Folha Universal” nas Eleições de 1998). Dissertação de mestrado. Rio de Janeiro, UFRJ, 2000.CORTEN, André. “Pentecôtisme et Politique en Amérique Latine”, in Problèmes d’Amérique Latine. n. 24, jan.-março, 1997, pp. 17-32. REVISTA USP, São Paulo, n.68, p. 319-332, dezembro/fevereiro 2005-2006 331
  • CORTEN, André & MARY, André. “Introduction”, in Imaginaires Politiques et Pentecôtismes. Paris, Karthala, 2000, pp. 11-33. CORTEN, André; DOZON, Jean-Pierre & ORO, Ari Pedro. Les Nouveaux Conquerants de la Foi. Paris, Karthala, 2003. FONSECA, Alexandre Brasil. “Igreja Universal: um Império Midiático”, in A. P. Oro, A. Corten & J. P. Dozon. Igreja Universal do Reino de Deus. Os Novos Conquistadores da Fé. São Paulo, Paulinas, 2003, pp. 259-80. FRESTON, Paul. Protestantismo e Política no Brasil: da Constituinte ao Impeachment. Tese de doutorado. Campinas, Unicamp, 1993. GIUMBELLI, Emerson. O Fim da Religião. Dilemas da Liberdade Religiosa no Brasil e na França. São Paulo, Attar Editorial/CNPq/Pronex, 2002. GOMES, Wilson. “Nem Anjos nem Demônios”, in Cecília Loreto Mariz & Alberto Antoniazzi (orgs.). Nem Anjos nem Demônios. Petrópolis, Vozes, 1994, pp. 225-70. JUSTINO, Mario. Nos Bastidores do Reino – a Vida Secreta da Igreja Universal do Reino de Deus. São Paulo, Geração Editorial, 1995. KOLAKOWSKI, L. “O Diabo”, in Religião e Sociedade. n. 12/2, 1985. LEHMANN, David. Struggle for the Spirit. Religious Transformation and Popular Culture in Brazil and Latin America. Cambridge, Polity Press, 1996. MACEDO, Edir. Orixás, Caboclos e Guias: Deuses ou Demônios?. Rio de Janeiro, Universal Produções, 1987. ________. O Diabo e seus Anjos. Rio de Janeiro, Gráfica Universal, 1995. ________. A Libertação da Teologia. Rio de Janeiro, Universal Produções, s/d. MAFRA, Clara. Na Posse da Palavra. Lisboa, Universidade de Lisboa, 2002. MARIANO, Ricardo. Neopentecostalismo: os Pentecostais Estão Mudando. Dissertação de mestrado. São Paulo, FFLCH-USP, 1995. ________. “O Reino de Prosperidade da Igreja Universal”, in A. P. Oro, A. Corten & J. P. Dozon. Igreja Universal do Reino de Deus. Os Novos Conquistadores da Fé. São Paulo, Paulinas, 2003, pp. 237-58. MARIZ, Cecilia. “Reflexões sobre a Reação Afro-brasileira à Guerra Santa”, in Debates do NER. n. 1, 1997, pp. 95-102. MENEZES, Eduardo Diatahy. A Quotidianidade do Demônio na Cultura Popular. Paper apresentado no V Encontro Anual da Anpocs, 1981. OLIVA, Margarida. O Diabo no “Reino de Deus”. Por que Proliferam as Seitas?. São Paulo, Musa, 1997. ORO, Ari Pedro & SEMÁN, Pablo. “Neopentecostalismo e Conflitos Éticos”, in Religião e Sociedade. v. 20, n. 1, 1999, pp. 39-54. ORO, Ari Pedro; CORTEN, André & DOZON, Jean-Pierre. Igreja Universal do Reino de Deus, os Novos Conquistadores da Fé. São Paulo, Paulinas, 2003. PIERUCCI, Antônio Flávio & PRANDI, Reginaldo. A Realidade Social das Religiões no Brasil. São Paulo, Hucitec, 1996. ROSA, G. & MARTINS, J. Igreja Universal do Reino de Deus – Tentáculos de um Polvo Monstruoso para a Tomada do Poder. Lisboa, Hugin, 1996. RUUTH, Anders. Igreja Universal do Reino de Deus. Uppsala, 1995. RUUTH, Anders & RODRIGUES, Donizete. Deus, o Demônio e o Homem. O Fenômeno Igreja Universal do Reino de Deus. Lisboa, Colibri, 1999. SANCHIS, Pierre. “O Repto Pentecostal à Cultura Católico-brasileira”, in Cecília Loreto Mariz & Alberto Antoniazzi (orgs.). Nem Anjos nem Demônios. Petrópolis, Vozes, 1994, pp. 34-66. SEGATO, Rita. “Formações de Diversidade: Nação e Opções Religiosas no Contexto da Globalização”, in Ari Pedro Oro & Carlos Alberto Steil. Globalização e Religião. Petrópolis, Vozes, 1997, p. 219-48. SOARES, Mariza de Carvalho. “Guerra Santa no País do Sincretismo”, in Sinais dos Tempos. Diversidade Religiosa no Brasil. Rio de Janeiro, Iser, 1990, pp. 75-104. SOARES, Luiz Eduardo. “A Guerra dos Pentecostais contra o Afro-brasileiro: Dimensões Democráticas do Conflito Religioso no Brasil”, in Comunicações do Iser. n. 44, 1993, pp. 43-50. VALLE, Rogério & SARTI, Ingrid. “Introdução”, in Cecília Loreto Mariz & Alberto Antoniazzi (orgs.). Nem Anjos nem Demônios. Petrópolis, Vozes, 1994, pp. 7-13. WENISCH, Bernhard. Satanismo. Petrópolis, Vozes, 1992. WYNARCZYK, Hilario. “La Guerra Espiritual en el Campo Evangélico”, in Sociedad y Religión. Buenos Aires, n. 13, março 1995, pp. 111-26.332 REVISTA USP, São Paulo, n.68, p. 319-332, dezembro/fevereiro 2005-2006
  • l i v r o sREVISTA USP, São Paulo, n.68, p. 319-332, dezembro/fevereiro 2005-2006 333