Rio Info 2010 - Negócios em Fórum - Responsabilidade Socioambiental - Luiz Bursztyn

  • 759 views
Uploaded on

Rio Info 2010 - Fórum de Negócios - Negócios em Fórum - Responsabilidade Socioambiental - 02/09/2010

Rio Info 2010 - Fórum de Negócios - Negócios em Fórum - Responsabilidade Socioambiental - 02/09/2010

More in: Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
759
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
22
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Reciclagem do Lixo Eletrônico Luiz Bursztyn IDG Now! » Central de Álbum de Fotos » Homem de lixo
  • 2. Resíduos sólidos são um grande problema para a humanidade
  • 3. Resíduos sólidos são um grande problema para a humanidade
  • 4. Lixo eletrônico também. Fonte: http://www.metarec.com.br/e-lixo-e-o-ciclo-das-chuvas/ “ imagine que as chuvas caem em cima de milhares de toneladas de lixo eletrônico que contem chumbo, mercúrio e vários outros metais pesados e essa sopa radiativa corre pela água para, rios, córregos, açudes e por ai vai.”
  • 5. http://www.youtube.com/watch?v=sl2j83LCHss&feature=related
  • 6.
    • regulamenta a reciclagem de materiais descartados, bem como as formas de manejo e aterramento de dejetos, proibindo a manutenção de lixões em todo o país;
    • - prevê a responsabilidade compartilhada pela gestão dos resíduos sólidos, envolvendo fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes e consumidores no monitoramento do ciclo de vida dos produtos.
    LEI Nº 12.305 , DE de 2 de agosto de 2010: Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)
  • 7.
    • Art. 33.  São obrigados a estruturar e implementar sistemas de logística reversa, mediante retorno dos produtos após o uso pelo consumidor, de forma independente do serviço público de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos, os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes de: 
    • § 3 o   Sem prejuízo de exigências específicas fixadas em lei ou regulamento, em normas estabelecidas pelos órgãos do Sisnama e do SNVS, ou em acordos setoriais e termos de compromisso firmados entre o poder público e o setor empresarial, cabe aos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes dos produtos a que se referem os incisos II, III, V e VI ou dos produtos e embalagens a que se referem os incisos I e IV do  caput  e o § 1 o  tomar todas as medidas necessárias para assegurar a implementação e operacionalização do sistema de logística reversa sob seu encargo, consoante o estabelecido neste artigo, podendo, entre outras medidas: 
    • I - implantar procedimentos de compra de produtos ou embalagens usados; 
    • II - disponibilizar postos de entrega de resíduos reutilizáveis e recicláveis ; 
    • III - atuar em parceria com cooperativas ou outras formas de associação de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis, nos casos de que trata o § 1 o .
    LEI Nº 12.305 , DE de 2 de agosto de 2010: Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)
  • 8. No Brasil, um problema a mais...
    • M esmo que a lei seja aplicada com todo o rigor, boa parte do lixo eletrônico nosso, ao contrário dos pneus e eletrodomésticos, não tem etiqueta de marca. São máquinas montadas, órfãs de fabricantes e de corresponsáveis por sua coleta pós vida útil.
  • 9. Reciclagem de lixo-e _______ PROCESSO PROPOSTO (PC-Vida, CEDIR (USP), outros)
  • 10. 1 Pedidos de descarte de equipamentos inutilizados ou doações de equipamentos em funcionamento; Sistema para registrar pedidos, descrever as doações ,localizar pontos de coleta e e mitir recibos de entrega;
  • 11. 2 O doador pode entregar seu lote no Ponto de Coleta ou simplesmente pedir que seja buscado em seu endereço. Caso tenha que ser buscado, este é um problema a ser resolvido . Caso seja entregue, deve ser conferido com o declarado, um recibo deve ser emitido e o equipamento deve ser guardado em depósito do Ponto de Coleta. O Ponto de Coleta deve ser recompensado por meio de trocas ou moeda complementar. Deve ser criado um sistema de pontuação associado a prêmios. Estes equipamentos devem ser reunidos até que estejam em quantidade que compense o transporte até o depósito.
  • 12. 3 Transporte Deve ser criado um serviço que recolha os equipamentos recebidos nos Pontos de Coleta e os leve até o depósito mais próximo. A ferramenta web acompanha o movimento dos equipamentos entre Pontos de Coleta e Depósito.
  • 13. 4 Armazenamento/Depósito: Espaço organizado com os equipamentos doados que aguardam avaliação/triagem do Laboratório.
  • 14. 5 Triagem: classificação e avaliação Os laboratórios, anexos aos depósitos, fazem a triagem dos equipamentos recebidos, separando aqueles que ainda podem ser reutilizados dos que não podem mais e que, por isso, são encaminhados para a reciclagem.
  • 15. 6 Reciclagem Desmontagem: extração de componentes (placas, hd’s, drive’s, etc...); Beneficiamento dos componentes que funcionam; Descaracterização (trituração ou destruição) quando solicitada; Segregação dos diferentes materiais para comercialização.  
  • 16. 7 Reutilização Testes: equipamento ainda “em funcionamento” deve ser examinado em bancada, identificar necessidade de reparos e da eliminação de eventuais dados dos doadores. Preparar equipamento para a nova vida útil.   Montagem / Reparos: melhoria do estado geral de equipamentos pela troca de componentes..   Cessão de uso: a ferramenta web deve gerir uma lista de solicitantes de equipamentos com as características desejadas por cada um. 
  • 17. Pontos de Coleta: Lan Houses
  • 18. Pontos de Coleta | Depósitos | Laboratórios
  • 19. Questões a discutir
    • Remuneração dos Pontos de Coleta com base em trocas (economia solidária);
    • Necessidade de governança;
    • Ferramenta web para anunciar ofertas, coordenar coleta, coordenar pedidos de equipamentos para uso social, contabilizar pontos, comunicação entre os participantes;
  • 20.
    • Conclusão ?
  • 21.
    • Obrigado.
  • 22.
    • Art. 1 o   Esta Lei institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, dispondo sobre seus princípios, objetivos e instrumentos, bem como sobre as diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, incluídos os perigosos, às responsabilidades dos geradores e do poder público e aos instrumentos econômicos aplicáveis.
    •  
    • § 1 o   Estão sujeitas à observância desta Lei as pessoas físicas ou jurídicas , de direito público ou privado, responsáveis, direta ou indiretamente, pela geração de resíduos sólidos e as que desenvolvam ações relacionadas à gestão integrada ou ao gerenciamento de resíduos sólidos
    LEI Nº 12.305 , de 2 de agosto de 2010: Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)
  • 23.
    • Art. 9 o   Na gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, deve ser observada a seguinte ordem de prioridade: não geração, redução, reutilização, reciclagem, tratamento dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos.
    • Art. 30.  É instituída a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos, a ser implementada de forma individualizada e encadeada, abrangendo os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, os consumidores e os titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos, consoante as atribuições e procedimentos previstos nesta Seção.  
    LEI Nº 12.305 , DE de 2 de agosto de 2010: Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)
  • 24.
    • Art. 33.  São obrigados a estruturar e implementar sistemas de logística reversa, mediante retorno dos produtos após o uso pelo consumidor, de forma independente do serviço público de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos, os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes de: 
    • § 3 o   Sem prejuízo de exigências específicas fixadas em lei ou regulamento, em normas estabelecidas pelos órgãos do Sisnama e do SNVS, ou em acordos setoriais e termos de compromisso firmados entre o poder público e o setor empresarial, cabe aos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes dos produtos a que se referem os incisos II, III, V e VI ou dos produtos e embalagens a que se referem os incisos I e IV do  caput  e o § 1 o  tomar todas as medidas necessárias para assegurar a implementação e operacionalização do sistema de logística reversa sob seu encargo, consoante o estabelecido neste artigo, podendo, entre outras medidas: 
    • I - implantar procedimentos de compra de produtos ou embalagens usados; 
    • II - disponibilizar postos de entrega de resíduos reutilizáveis e recicláveis ; 
    • III - atuar em parceria com cooperativas ou outras formas de associação de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis, nos casos de que trata o § 1 o .
    LEI Nº 12.305 , DE de 2 de agosto de 2010: Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)