• Save
Inovação: O caminho para o crescimento sustentável.
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Inovação: O caminho para o crescimento sustentável.

on

  • 13,541 views

Neste eBook, discutimos uma visão de como a inovação, pode ser utilizada como uma ferramenta para gerar valor e ajudar no crescimento da empresa.

Neste eBook, discutimos uma visão de como a inovação, pode ser utilizada como uma ferramenta para gerar valor e ajudar no crescimento da empresa.

Statistics

Views

Total Views
13,541
Views on SlideShare
13,488
Embed Views
53

Actions

Likes
4
Downloads
492
Comments
1

3 Embeds 53

http://rildosan.blogspot.com 50
http://www.rildosan.com 2
http://www.rildosan.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Inovação: O caminho para o crescimento sustentável. Inovação: O caminho para o crescimento sustentável. Document Transcript

    • Rildo F Santos rildosan@uol.com.br rildo.santos@companyweb.com.br Twitter: http://twitter.com/rildosan Blog: http://rildosan.blogspot.com/ Inovação: o caminho para o crescimento sustentável Gestão da Inovação Rildo Santos Rildo F Santos (rildosans@companyweb.com.br) {/inicio} (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Sobre o autor: Coach e Consultor de Gestão de Negócios, Inovação e Tecnologia para a Gestão 2.0, a Gestão Ágil. A Gestão Ágil ajuda as empresas a responder mais rápido as demandas de negócio e mudanças. A Gestão 2.0, abrange Planejamento Estratégico, Gestão por Processos Ágeis, Gestão de Projetos Ágeis, Tecnologia da Informação (Métodos Ágeis), Inovação e Liderança. Minha Experiência: Tenho mais de 10.000 horas de experiência em Gestão de Negócios, Gestão de Inovação, Governança e Engenharia de Software. Formado em Rildo Santos Administração de Empresas, Pós-Graduado em Didática do Ensino Superior e Mestre em Engenharia de Software pela Universidade Mackenzie. Fui instrutor de Tecnologia de Orientação a Objetos, UML e Linguagem Java na Sun Microsystems e na IBM. Conheço Métodos Ágeis (SCRUM, Lead, FDD e XP), Arquitetura de Software, SOA (Arquitetura Orientado a Serviço), RUP/UP - Processo Unificado, Business Intelligence, Gestão de Risco de TI entre outras tecnologias. Sou professor de curso de MBA da Fiap e fui professor de pós-graduação da Fasp e IBTA. Possuo fortes conhecimentos de Gestão de Negócio (Inteligência de Negócio, Gestão por Processo, Inovação, Gestão de Projetos e GRC - Governance, Risk and Compliance), SOX, Basel II e PCI; E experiência na implementação de Governança de TI e Gerenciamento de Serviços de TI. Conhecimento dos principais frameworks e padrões: ITIL, Cobit, ISO 27001 e ISO 15999; Desempenhei diversos papéis como: Estrategista de Negócio, Gerente de Negócio, Gerente de Projeto, Arquiteto de Software, Projetista de Software e Analista de Sistema em diversos segmentos: Financeiro, Telecomunicações, Seguro, Saúde, Comunicação, Segurança Pública, Fazenda, Tecnologia, Varejo, Distribuição, Energia e Petróleo e Gás. Possuo as certificações: CSM - Certified SCRUM Master, CSPO - Certified SCRUM Product Owner , SUN Java Certified Instrutor, ITIL Foundation e sou Instrutor Oficial de Cobit Foundation e Cobit Games; Sou membro do IIBA-International Institute of Business Analysis (Canada) Onde estou: Twitter: http://twitter.com/rildosan Blog: http://rildosan.blogspot.com/ Rildo F Santos 2 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Prefácio: Nós últimos anos estou trabalhando com gestão de negócio, é uma busca pelo conhecimento e entendimento de como promover uma melhor performance para o negócio através da inovação. A responsabilidade pela geração de inovação, não exclusividade do departamento de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento), mas de todas as pessoas da empresa. Contudo, as empresas precisam criar um ambiente favorável para que a cultura da inovação dê resultados. É fundamental criar oportunidades de geração de idéias e incentivar o lado empreendedor das pessoas. Outra coisa, que ficou claro, que qualquer empresa, independente do seu porte, pode se beneficiar da inovação para criar um modelo de crescimento sustentável, empresas médias e pequenas também podem usar a inovação como um caminho para crescer. O governo (governo estadual e federal) mantêm diversas linhas de créditos e fomentos para a projetos inovadores, apesar de todas as dificuldades, como a burocracia. Este trabalho é uma base para quem quer conhecer a inovação e saber como pode usá-la para promover o crescimento empresarial. Rildo F Santos 3 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Conteúdo: Introdução, 5 O que é inovação, 7 . Definição da Inovação . As Ondas da Inovação . Destruição Criativa . As empresas mais inovadoras . Como inovar ? . Pense fora do quadrado . Inovação precisa de ambiente favorável Modelos de Inovação, 21 . Closed Innovation . Open Innovation . Risco e Resultado . Framework de Inovação Empresas Inovadoras, 29 Como implementar um Programa de Inovação, 36 . Principais elementos do Programa de Inovação . Barreiras à inovação Implementado a Gestão da Inovação, 39 . Fonte de Inspiração: Thomas Edison e Steve Jobs . As pessoas precisam de liberdade para Inovar . As pessoas precisam de liberdade para arriscar . Quem INOVA são as pessoas e não as empresas Incentivo à Inovação, 47 . Quem fomenta a inovação ? . A Lei da Inovação . Propriedade Intelectual . Instrumento Financeiros para Inovação . Lei da Inovação . Lei do Bem . Lei de Incentivos à Inovação na MPE . Leis de Fundos Setoriais Mensagem final, 56 Rildo F Santos 4 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Introdução: A inovação é o caminho para criar um crescimento sustentável: Toda empresa, seja uma grande multinacional, seja uma empresa iniciante, enfrenta o mesmo desafio: como fazer o negócio prosperar, de modo que os lucros cresçam e as ações se valorizem? Com muita freqüência, porém, as empresas têm dificuldade em manter o crescimento, porque se tornam avessas ao risco, optando pelo aumento incremental mais seguro do produto e por melhorias de serviços, em vez de se lançarem em projetos mais compensadores, de grande envergadura, porém mais arriscados. O caso Praxair Uma empresa com uma estratégia notável de crescimento orgânico é a Praxair, produtora global de gases industriais de Danbury, Connecticut, listada na Fortune 300. Em 2003, a empresa decidiu que chegaria a 2 bilhões de dólares em receitas por volta de 2008. Metade desse valor adviria de aquisições; a outra metade exigia um crescimento orgânico na casa dos dois dígitos da ordem de 200 milhões de dólares anuais. Isto excedia em muito o crescimento anual que se poderia obter com o recondicionamento do hélio, hidrogênio, oxigênio e outros gases. A empresa decompôs então seu crescimento orgânico em categorias de ação: os primeiros 15% viriam do crescimento incremental do seu negócio principal e de novos canais de atendimento nos mercados atuais; o restante viria de novos serviços, como injeção de nitrogênio em poços de petróleo e de gás, fornecimento do líquido refrigerante de hélio usado nos ímãs das máquinas de imagens por ressonância magnética e pelo desenvolvimento de um novo sistema de refrigeração para reatores, além de métodos de resfriamento por injeção de nitrogênio para a indústria de biociências. “Esses projetos nasceram do conhecimento íntimo das mudanças operadas nas necessidades dos clientes e que podiam ser atendidas pelos recursos de que dispunha a Praxair”, observa Day. “O setor de marketing ficou incumbido de explorar o mercado, de fazer as articulações necessárias, filtrar as oportunidades e orquestrar projetos específicos, sendo que para isso contaria com o respaldo e a supervisão constantes da alta direção. Numa clara demonstração do seu comprometimento, o CEO da Praxair dedicou um dia em cada três meses para revisar as perspectivas de crescimento dos negócios.” Day acrescenta que o retorno foi imediato: a meta de crescimento de 200 milhões foi excedida em 30 milhões em 2004. Rildo F Santos 5 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Introdução: A inovação é o caminho para criar um crescimento sustentável, veja como as empresas estão usando a inovação para crescer: A Southwest criou um modelo de negócio que foi copiado por diversas empresas, como EasyJet e Gol. Southwest descobriram a fórmula para viajar barato. A Wall Mart soube crescer com a promessa de vender mais barato do que qualquer outra empresa e, para isso, aperfeiçoaram a cadeia de suprimentos. A Starbucks e a Haagen Dazs podem cobrar mais caro por seus produtos quando comparado com a concorrência porque não vendem um café ou um sorvete, mas sim um estilo de vida. A Google demonstrou como fazer negócio na Internet, a venda de publicidade por dar dinheiro e revolucionou a rede. A Amazon mostrou que é possível uma empresa sobreviver e dar lucro na Internet. A Apple, um empresa inovadora por natureza, criou um modelo de venda de música e filmes pela internet ancorado pelo famoso iPod e depois com iPhone... A GE é um exemplo de empresa que atingiu o equilíbrio ideal em seus esforços de crescimento orgânico ao expandir suas atividades em vários frontes distintos. Ao assumir o lugar do lendário Jack Welch na direção da empresa, Jeff Immelt ampliou a meta de crescimento orgânico de 5% para 8% ao ano. Houve diversas iniciativas dentro da GE para incentivar o pensamento novo. Cirque du Soleil reinventou o espetáculo do circo e criou uma experiência inédita para público. P&G, mais de 50% do faturamento vem de inovação. No Brasil, empresas como Petrobrás, Natura, Vale do Rio Doce, 24x7 Cultural, Embraco, Casas Bahia são exemplo de empresas que utilizam a ―inovação‖ para aumentar seus negócios. Rildo F Santos 6 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • O que é inovação ? Rildo F Santos 7 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Definição de inovação ? O que é inovação ? Inovação significa novidade ou renovação. A palavra é derivada do termo latino innovatio, e se refere a uma idéia, método ou objeto que é criado e que pouco se parece com padrões anteriores. “Inovação” é a implementação de um produto, bem ou serviço novo ou significativamente melhorado. Segundo “Manual de Oslo”, publicado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) Inovação é adotar novas tecnologias que permitem aumentar a competitividade da companhia. C.K.Prahalad "Inovar significa, em essência, a capacidade de criar e capturar novos valores, de maneiras diferentes“ – Hitendra Patel “O que constatei é que as empresas não terão êxito se não basearem suas estratégias na melhoria e na inovação, numa disposição de competir e no conhecimento realista de seu ambiente nacional e de como melhorá-lo. “ (Michael Porter, A Vantagem Competitiva das Nações: 1989) “Inovação é um esforço para criar alterações úteis ao potencial econômico e social da empresa” (Peter Drucker). Segundo Gary Hamel: “ Inovação é um processo estratégico de reinvenção contínua do próprio negócio e de criação de novos conceitos de negócios” Segundo David Neeleman (fundador da JetBlue): “Inovação é tentar descobrir um jeito de fazer algo melhor do que tudo o que já se fez” “Inovação é melhorar alguma coisa ou criar algo novo que gere valor” Rildo F Santos 8 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Definição de inovação ? O que é inovação ? What is "Innovation" ? Joseph Alois Schumpeter called it in 1939 "a process of Schumpeter (1883-1950) creative destruction" Como Schumpeter define inovação? Origem em um impulso que é interno ao sistema capitalista e transformador da vida econômica, gerador de desenvolvimento: „ impulso fundamental que inicia e mantém ―O o movimento da máquina capitalista decorre dos novos bens de consumo, dos novos métodos de produção ou transporte, dos novos mercados, das novas formas de organização industrial que a empresa capitalista cria‖ (CSD, p.112) Segundo Schumpeter: capitalismo se renova, sendo que a inovação é o motor do desenvolvimento econômico. Caminhos para inovação: 1. Introdução de um novo bem ou de uma nova qualidade em um bem já existente; 2. Introdução de um novo método de produção; 3. Abertura de um novo mercado; 4. Conquista de uma nova fonte de oferta de matérias-primas ou de bens semimanufaturados; 5. Estabelecimento de uma nova organização em qualquer indústria. Rildo F Santos 9 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • As ondas de Inovação: As Ondas de Inovação e a Destruição Criativa: Segundo Schumpeter, a economia evolui por meio da "destruição criativa". Quando um conjunto de novas tecnologias encontra aplicação produtiva, as tecnologias tradicionais são "destruídas", isto é, deixam de criar produtos capazes de competir no mercado e acabam sendo abandonadas. As idéias de Schumpeter permitem identificar as ―Ondas de Inovação”, desde da Era Industrial até a Era do Conhecimento. ~Era Industrial ~Era Conhecimento Força hidráulica Vapor Eletricidade Petroquímicos Software Têxteis Ferrovias Químicos Eletrônicos Redes Sociais Ferro Aços Motor a combustão Aviação Novas Midias Quinta Primeira onda segundo onda terceira onda quarta onda onda Lendo o gráfico podemos deduzir que com passar do tempo as ―ondas‖ ficam cada mais curtas, isto significa que a inovação é cada vez mais intensa e seu ciclo de riqueza também é menor, um exemplo disto é que atualmente os produtos rapidamente se transformam em ―commodity‖. Cada vez será necessário as empresas inovarem para continuar existindo ou elas poderão ficar fora do mercado. Elas serão destruídas, por assim dizer, caso permaneçam resistentes às mudanças. A fase inicial de cada onda de inovação é a época de ouro dos empreendedores. Adaptando pioneiramente as novidades tecnológicas à produção, empreendedores ousados conquistam vastos mercados Fonte: this graphic is from The Economist's special survey "Innovation in Industry" (20 February 1999) Rildo F Santos 10 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Destruição Criativa Segundo Schumpeter a “Destruição criativa" é processo de transformação constante que fomenta o progresso por meio da eliminação de agentes e produtos defasados, em um cenário de seleção em que só os inovadores conseguem sobreviver. "Destruição criativa" "Destruição criativa" HP 11C Régua de Cálculo "Destruição criativa" na forma de inovação, portanto, se dá na substituição do "walkman" pelo "discman" e deste pelos MP3 players; Da substituição da régua de cálculo pela calculadora. A empresas que não estão preparadas para inovar, podem desaparecer do mercado. Rildo F Santos 11 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Você sabe dizer que estas empresas têm em comum ? Elas são consideradas as empresas mais inovadoras Fonte: FastCompany Rildo F Santos 12 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Você sabe dizer que estas empresas têm em comum ? Fonte: http://promais.com/blog/wp-content/uploads/2009/05/tabela-bw.jpg Rildo F Santos 13 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Você sabe dizer que estas empresas têm em comum ? Xerox, Palm e Kodak perderam mercado (market share), a GM pediu concordata, agora na GM é para sobreviver. Polaroid faliu* Rildo F Santos 14 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Como inovar ? “Pense fora do quadrado...” “Tenha a mente aberta para novo...” “Pense diferente...” “Quebre paradigmas...” “Seja empreendedor...” “Ouse fazer as coisas de modo diferente...” “Não tenha medo de correr riscos..” “Trabalhe com paixão...” ―Gênio: 1% de inspiração e 99% de transpiração‖ (Thomas Edison) Rildo F Santos 15 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Pense fora do quadrado: Câmara fotográfica Filmadora Fato e-mail / sms As funcionalidades criaram uma nova MP3 Playwer fonte de receita para operadoras de Ring Tones telefonia Agenda celular. Atualmente estima-se que de Torpedos 3% a 5% da receita das empresas são GPS decorrentes dos serviços. Adicione novas funcionalidades Função primária do celular: Voz (falar e escutar) Pensar fora da quadrado Oportunidade Rildo F Santos 16 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Pense fora do quadrado: Venda de Produtos /Serviços: Fato - Venda de seguro pessoal ATM representa um novo de - Empréstimo pessoal atendimento e venda de produtos - Pagamento de impostos (IPVA) e serviços ao cliente. - Venda de recarga de celular Outra vantagem dos Caixas - Impressão de talão de cheque Eletrônico é baixo custo do valor -- venda de espaço para de suas transações. anúncio/publicidade O custo médio de uma transação na agência é de R$ 2,00, já no caixa eletrônico é por volta de R$ 0,50. Adicione novas funcionalidades e novos produtos e serviços Função primária: Prover Serviços Bancários, tais como: saque, depósito, impressão de extrato, pagamento de contas de consumo, solicitação e impressão de talão de cheques etc O primeiro caixa eletrônico do foi fabricado pela empresa britânica De La Rue e foi Caixa ATM instalado (em um bairro de Londres) em 27 de junho de 1967 pelo Barclays Bank. A invenção é creditada à John Shepherd- Barron, apesar de Luther George Simjian ter registrado patentes em Nova York, EUA nos anos 30 e Donald Wetzel e dois Pensar fora da quadrado outros engenheiros da Docutel também terem registrado uma patente em 4 de junho de 1973. Os primeiros caixas eletrônicos aceitavam apenas uma ficha ou cupom de uso único, que era retida pelo caixa. Essas trabalhavam em vários princípios como radiação e magnetismo de baixa Oportunidade coercitividade que era retirado pelo leitor de cartão para tornar fraudes mais difíceis. A idéia de um número de identificação pessoal (PIN) armazenado no cartão em si ao invés de ser digitado quando se queria retirar o dinheiro foi desenvolvido pelo engenheiro britânico James Goodfellow em 1965, que ainda possui patentes internacionais cobrindo esta tecnologia. Rildo F Santos 17 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Pense fora do quadrado: GPS por aplicado: Fato Logística e Distribuição O Sistema de Posicionamento Segurança (localização Global - GPS, na sigla em inglês - de veículos) é tão eficiente que virou febre: só Navegação de automóvel em 2003, a venda de receptores Navegação náutica movimentou 15 bilhões de dólares Ferramenta topográfica Operações de busca e salvamento Adicione novas funcionalidades O sistema GPS (Sistema Global de Posicionamento) foi criado e é controlado GPS Náutico pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD), ele foi criado com objetivos militares (fornecer dados sobre Pensar fora da quadrado localização, velocidade e tempo, 24 horas por dia, sob quaisquer condições atmosféricas e em qualquer ponto do globo terrestre) O GPS começou a ser desenvolvido na década de 1960 com o nome de “Projeto NAVSTAR”, mas só foi declarado Oportunidade totalmente operacional em 1995. Devido à suas inúmeras vantagens, acabou se disseminando entre os civis (assim como a Internet, que também tem origem militar). GPS foi utilizado na Guerra do Golfo (1990-1991), Sem um seguro sistema de navegação, as forças norte americanas não poderiam realizar a Operação tempestade do deserto... Como funciona: Esse eficiente sistema de localização funciona com uma rede de satélites com órbitas previsíveis. Como o aparelhinho receptor, aquele que você carrega aqui na Terra, sabe exatamente onde estão os tais satélites, ele apenas calcula a distância entre você e esses veículos espaciais Rildo F Santos 18 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Pense fora do quadrado: E você...pensa fora do quadrado ? Você já pensou um forma diferente de fazer suas atividades do dia-a-dia ? Rildo F Santos 19 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Inovação precisa de ambiente favorável ? Pode ser serendipidade... (Quando acontece por acaso...) Pode ser um processo sistêmico... Contudo, Inovação precisa de pessoas... Inovação necessita de um ambiente favorável Os 108 funcionários do laboratório de desenvolvimento de produtos da 3M do Brasil, em Sumaré (SP), têm todas as semanas 15% do horário de trabalho para exercitar a criatividade. Nesse período, ficam proibido as tarefas burocráticas. ―Tempo livre é essencial para a criatividade‖, segundo diretor técnico da empresa, ele garante que a estratégia dá resultado. Fonte: Revista Você S/A edição 124 – out/2008 Rildo F Santos 20 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Modelos de Inovação Rildo F Santos 21 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Modelos de Inovação: Conceito “Closed Innovation” Principais Características: O modelo fechado de inovação foi o que prevaleceu durante quase todo o século XX; Nesse modelo, as empresas alcançavam vantagens competitivas investindo em grandes laboratórios de P&D; ƒ Essa integração vertical da atividade de P&D indicava que empresas que não poderiam arcar com esses investimentos, ficariam em desvantagemƒ . No ―Closed Innovation‖ as vantagens competitivas eram alcançadas com investimentos em grandes laboratórios de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) e toda a pesquisa sendo desenvolvida internamente Rildo F Santos 22 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Modelos de Inovação: Conceito “Open Innovation” Principais Características: Nesse conceito, outras companhias capazes de internalizar as tecnologias desenvolvidas, podem licenciá-las, criando uma situação em que todos saem ganhando; Da mesma forma, a empresa pode licenciar tecnologias desenvolvidas por outras empresas ou laboratórios de pesquisa; E ƒ ste ―novo‖ conceito cria novas oportunidades e novos desafios. O conceito de ―Open Innovation‖ se baseia na utilização de caminhos internos ou externos para avançar no desenvolvimento de novas tecnologias Rildo F Santos 23 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Modelos de Inovação: Open Innovation: Henry Chesbrough, professor e diretor executivo do Center for Open Innovation da Universidade Berkeley, da Califórnia, EUA. Chesbrough é o criador do termo Open Innovation e principal promotor Ao analisar o comportamento histórico das grandes empresas americanas ao longo do séc. XX, Chesbrough percebeu que o modelo de gestão da inovação utilizados nessas empresas foi bastante fechado no que se refere ao surgimento das idéias e sua aplicação no mercado. Duas premissas fundamentais mantiverem esse modelo: “nós detemos os melhores talentos e portanto nossas idéias são melhores que a dos demais” e “se nós inventamos ninguém melhor do que nós para comercializar”. Contudo, essas premissas começam a ruir a medida que passamos por mudanças sociais profundas na disseminação do conhecimento e portanto na divisão do trabalho para a inovação. Entre esse fatores destacam-se a crescente mobilidade de mão-de- obra, o surgimento de centros de formação de excelência em todo o mundo, a perda de hegemonia dos EUA, Europa e Japão para outras regiões emergentes e o crescente investimento em capital de risco (Venture Capital). Se uma boa idéia é rejeitada por uma empresa, está cada vez mais fácil para aquele funcionário ou equipe responsável pela criação dessa idéia sair e buscar alternativas externas para viabilizá-la. A idéia central por trás do modelo Open Innovation é que num mundo com mundo informações distribuídas, empresas não aplicam inteiramente a confiança de seus recursos em suas pesquisas, mas ao invés disso compram ou licenciam processos de inovação (como patentes) de outras empresas. Além disso, as todas as inovações internas que não forem usadas pela empresa devem ser licenciadas para fora, de forma que outras empresas tenham a oportunidades de utilizá-las. De maneira oposta ao modelo, Closed Innovation, refere-se ao processo de limitar o conhecimento ao uso interno da empresa e não fazer uso ou somente um pequeno uso do conhecimento exterior. Rildo F Santos 24 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Modelos de Inovação: Open Innovation (Co-creation) A Lego, por sua vez, entendeu que as modificações realizadas pelos hackers, representavam o entusiasmo de milhares de pessoas por seu produto, ao ponto de formarem comunidades e quererem enriquecê-lo. Os integrantes dessas comunidades se reúnem para jogar e para desenvolver inovações. Em vez de confiar exclusivamente em seus departamentos de P&D, a Lego decidiram aproveitar as inovações dos usuários e criaram o Lego Factory, um site no qual oferece ferramentas de programação aos interessados em criar seus próprios modelos 3D. Algumas empresas que utilizam o modelo Open Innovation: Natura; Sony (playstation 2); Procter & Gamble; Xerox; IBM; HP; Petrobras entre outras. Rildo F Santos 25 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Inovação: Risco Lançamento de novo produto ou serviço inédito no mercado (geralmente a inovação radical cria um novo mercado) Maior Risco Inovação Dimensão da Inovação Disruptiva ou Radical Inovação Substancial É a nova geração Melhoria de um produto ou serviço continua de (já existente). um produto/ Inovação Exemplo: Mudança de serviço incremental design do produto Menor Risco Impacto da Mudança Rildo F Santos 26 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Inovação: Resultado A Inovação Radical pode criar um novo nicho de mercado totalmente inexplorado fazendo que a empresa Para mitigar o risco ou como ganhe muito dinheiro parte da estratégia, é comum que a empresa fazer Spin-off* a partir de uma inovação. Maior Resultado Dimensão da Inovação Inovação Disruptiva ou Radical Exemplo "Spin-off" instalada no Avepark lança sistema inovador de videovigilância Inovação A empresa tecnológica EXVA, uma "spin-off" da Substancial Universidade do Minho instalada no Parque de Ciência e Tecnologia de Guimarães, anunciou hoje o lançamento, em Março, do «HVR - Hybrid Video Inovação Recorder», um sistema inovador de análise de incremental vídeo e processamento de imagem aplicado à vídeovigilância. Menor Resultado Valor *Spin-off é um termo utilizado para descrever uma nova empresa que nasceu a partir de um grupo de pesquisa de uma empresa, universidade ou centro de pesquisa público ou privado, normalmente com o objetivo de explorar um novo produto ou serviço de alta tecnologia. É comum que estas se estabeleçam em incubadoras de empresas ou áreas de concentração de empresas de alta tecnologia. Rildo F Santos 27 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Framework de Inovação: Nosso framework de Inovação possibilita implementar modelo de inovação (Open ou Closed), tipo (Tecnológica, Modelo de Negócio, Produto, Processo Serviço, Sustentabilidade Ambiental ou Social) e qualquer dimensão de inovação (Incremental, substancial ou radical). Rildo F Santos 28 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Empresas inovadoras... Rildo F Santos 29 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Exemplos de Inovação: Inovação do Modelo de Negócio Dimensão: Radical Aviação de Baixo Custo: O que faz com que a Southwest Airlines continue operando Qual é o segredo da Southwest Airlines para continuar faturando? Afinal das contas, o setor das companhias aéreas em geral está caindo aos pedaços. A US Airways e a United Air Lines estão se reorganizando depois de falirem e a mesma sorte espera a American Airlines. Em conjunto, as maiores empresas aéreas do país perderam dez milhões de dólares durante os últimos anos, sem esperança de recuperação imediata à vista. Segundo o presidente da Southwest, Herb Kelleher, o segredo do sucesso dessa empresa pode ser percebido por quem quiser ver, inclusive seus concorrentes. É a obsessão em manter preços baixos, tratar bem os funcionários e o empenho em gerenciar a empresa em tempos de vacas gordas, com um olho nos tempos de vacas magras que inevitavelmente virão. Os custos baixos deram à Southwest seu nicho de mercado (inovação radical – modelo de negócio chamado Aviação de Baixo Custo) – e uma vantagem competitiva: o de ter as tarifas mais baixas do país. E isso, por sua vez, criou um fenômeno conhecido no setor de companhias aéreas como o ―efeito Southwest‖. Empresas como JetBlue, EasyJet, Gol (Brasil) e Air-Berlin são algumas empresas adeptas do modelo criado pela Southwest. Rildo F Santos 30 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Exemplos de Inovação: Inovação do Modelo de Negócio Building experience breakthroughs Cirque du Soleil’s competence Dimensão: Radical Cirque du Soleil é um grande sucesso. Em pouco mais de 20 anos ( a Companhia foi criada em 1984), conquistou uma posição única na indústria do entretenimento, visitou cidades em todo o mundo e recebeu críticas espetaculares. O Cirque também está muito bem financeiramente: seus ganhos estão estimados em US$ 1 bilhão, as vendas anuais de ingressos ultrapassaram US$ 450 milhões, e mais de 40 milhões de pessoas ao redor do mundo já assistiram a pelo menos um de seus espetáculos. Rildo F Santos 31 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Exemplos de Inovação: Inovação Tecnológica A Petrobras é referência internacional na exploração de petróleo em águas profundas, para a qual desenvolveu tecnologia própria, pioneira no mundo, sendo a líder mundial deste setor. O seu projeto Roncador recebeu, em março de 2001, o "Distinguished Achievement Award - OTC'2001‖, tornando-se uma referência tecnológica para o mundo do petróleo e confirmando a liderança da Petrobras em águas profundas. Rildo F Santos 32 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Exemplos de Inovação: Inovação do Modelo de Negócio Dimensão: Radical Rildo F Santos 33 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Exemplos de Inovação: Inovação Processo Dimensão: Radical O ―Toyota Production System― (TPS) é legendário – sua ―customização de massa‖ permite fabricar 8 modelos diferentes, na mesma linha de produção Rildo F Santos 34 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Exemplos de Inovação: Inovação Produto Rildo F Santos 35 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Como implementar um Programa de Inovação Rildo F Santos 36 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Principais elementos do Programa de Inovação: Crie a Cultura da Inovação Estimule a Inovação Filtre as Idéias Classifique todas as idéias. Filtre aquelas que tem potencial. Guarde as restantes... Rildo F Santos 37 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Barreiras à Inovação: Vença as Barreiras (internas) a Inovação: Aversão a risco Cultura de punir os erros Baixo capacidade ou potencial para inovação Síndromes: NIH, Não sou uma pessoa criativa,.. Falta da disseminação da cultura da inovação Falta de incentivo ou programa de recompensa Excesso de Zona de Conforto Falta de “feedback” Organização extremamente burocrática Organização extremamente conservadora Falta de Liderança (para fazer mudança) Rildo F Santos 38 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Implementando a Gestão da Inovação Rildo F Santos 39 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Fonte de Inspiração Galileu Galilei Isaac Newton Graham Bell Santos Dumont Da Vinci Thomas Edison Henry Ford Thomas Edison (Um grande Inventor, Um grande Empreendedor): Thomas Alva Edison (Milan, 11 de Fevereiro de 1847 — West Orange, 18 de Outubro de 1931) foi um inventor e empresário dos Estados Unidos que desenvolveu muitos dispositivos importantes de grande interesse industrial. Foi um dos primeiros inventores a aplicar os princípios da produção maciça ao processo da invenção. Entre as suas contribuições mais universais para o desenvolvimento tecnológico e científico encontra-se a lâmpada elétrica incandescente, o www.ge.com/company/history/edison.html gramofone, o cinescópio ou cinetoscópio, o ditafone e o microfone de grânulos de carvão para o telefone. Edison é um dos precursores da revolução tecnológica do século XX. Teve papel determinante na indústria do cinema. Edison é considerado um dos inventores mais prolíficos do seu tempo, registrando 1093 patentes em seu nome. A maioria desses inventos não é completamente original, mas as patentes compradas por Edison são melhoradas. Thomas Edison é o fundador da GE. Rildo F Santos 40 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Fonte de Inspiração 2 Sergey Brin e Larry Page Mark Zuckerberg (Facebook) Art Fry (3M) Steven Paul Jobs, mais conhecido como Steve Jobs (San Francisco, 24 de fevereiro de 1955) é um empresário americano co-fundador das empresas Apple, da NeXT e do estúdio Pixar. Criou alta notoriedade em torno de seu nome por levar a cabo uma política industrial que valoriza a inovação e o design de seus produtos. Sob a orientação de Jobs, a Apple aumentou suas vendas significativamente depois destas inovações implantadas por ele e sua equipe. O iMac foi o primeiro computador introduzido no mercado com várias características avançadas, principalmente pelo seu design inovador e pelo material utilizado, basicamente o plástico translúcido e colorido, o que decretou a morte da cor padrão para PCs (o bege), e a partir de então muitos deles passaram a usar este tipo de material nos produtos de informática em geral. Desde então, Jobs vem trabalhando muito em idéias criativas deste nível e obtendo sucesso de vendas com elas. (continua...) Rildo F Santos 41 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Fonte de Inspiração 2 Sergey Brin e Larry Page Mark Zuckerberg (Facebook) Art Fry (3M) Steve Jobs Uma de suas inovações foi ramificar a Apple para além de seu mercado restrito da informática, passando a atuar na área de eletrônica e músicas digitais (AAC e MP3), com a introdução em 2001 do tocador portátil de música iPod, integrado com sua loja de vendas de música legal pela internet através do iTunes, um software dedicado para reprodução de áudio, vídeo, CDs e de rádios online. O iPod conquistou o público por sua leveza, praticidade, modernidade e simplicidade. Em 2007 a Apple passou a comercializar telefones celulares, chamados de iPhone e que tem tecnologia de toque (batizada de multi touch), no ano de 2008 lançou a versão de tecnologia 3G do aparelho, iPhone 3G e mais recentemente o novo iphone 3gs (speed) ,que sera lançado em julho, com comando de voz e muito mais rápido. Rildo F Santos 42 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • As pessoas precisam de liberdade para Inovar: A Regra dos 15% Observar: Aprenda a enxergar valor nas pequenas coisas Explorar: Exercite sua criatividade, explore, experimente... Questionar: Não tenha medo de perguntar Simplificar: Busque a simplicidade como meta... Tempo livre para criar, gerar idéias e tocar um projeto pessoal faz que a que inovação aconteça. Inovação exige ambiente favorável. A regra dos 15% não comum na maioria das empresas, geralmente essas coisas acontecem em empresas jovens ou de alta tecnologia, como no caso da Genentech, empresa de biotecnologia, pioneira deste setor, onde os cientistas dispõem de 20% do seu tempo para pesquisar livremente). Na 3M ficou conhecida como a regra dos 15% (uma percentagem de tempo de trabalho pode ser alocada a projetos de pessoais, de que nem os chefes têm de ser informados), e a ela se tem devido muitas das inovações criadas pelos talentos da 3M, fora - e, por vezes, à revelia - do planejamento estratégico da empresa. O Post-it, que é produto da 3M, foi concebido originalmente fora da empresa e depois transformado em produto de fato. Rildo F Santos 43 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • As pessoas precisam de liberdade para arriscar: A maior barreira contra inovação é o medo. Medo de errarmos, medo de medo de fazer diferente, medo de arriscar e/ou ousar, medo de perder o emprego... A inovação é parte das atividades do dia-a-dia do empreendedor e o empreendedor é aquela pessoa que não tem medo de arriscar e que aprende com os erros, além de estar sempre desafiando o status quo. O pessoas inovadoras preferem o Risco a viver em Zona de Conforto. Mas o medo de inovar pode ser apenas um efeito, as causas podem ser outras como, por exemplo: - A cultura de punir erros. Segundo o filosofo Mario Sergio Cortella, o erro é para ser corrigido e não para ser punido. - Aversão a risco. Algumas empresas ou pessoas não querem sair da zona de conforto. Thomas Edison inventou a lâmpada elétrica após 1.430 experiências sem sucesso. Ele aprendeu que o fracasso não acontece quando se erra, mas quando se desiste face ao erro, o que nos leva a concluir que não se aprende com os erros, mas sim com a correção dos erros. A liberdade para inovar é entender que inovação envolve risco, saber lidar com eles e transformar erros em aprendizado pode criar um ambiente plenamente favorável a cultura da inovação. Referência: http://hsm.updateordie.com/inovacao/2009/03/inovacao-na-gestao-combatendo-o-medo/ Rildo F Santos 44 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Quem INOVA são as pessoas e não as empresas: Art Fry. A idéia, a inovação e o produto: Quando eu comecei a falar de no Post- it® , ninguém me entendeu. As pessoas nunca tinham ouvido falar em ―recadinhos‖ autocolantes que podiam mudar de um lugar para outro. Ninguém conseguia conceber essa idéia e muito menos acreditar que havia mercado para ela. As primeiras pesquisa sobre o Post-it® indicavam que ele tinha potencial de apenas de 750 mil dólares. Bem, tive de começar uma campanha sozinho para fazer a inovação decolar. Distribuí os bloquinhos de recado para as secretárias e outras pessoas estratégicas dentro da empresa e me mantive informado sobre como elas os estavam usando. Em pouco tempo as pessoas perceberam que realmente estavam usando os bloquinhos. Melhor: já tinham se viciado neles. Banco de Tivemos que passar pelo mesmo Idéias Avaliar processo quando o Post-it® foi Experiência lançando no mercado. No inicio, as do usuário campanhas publicitárias não Avaliar o funcionaram, porque as pessoas não potencial Planejar e tinham idéia da utilidade do produto. de lançar o Precisei brigar com a equipe para que mercado Produto a inovação não morresse na praia. Então consegui que distribuíssem Monitorar amostras. o resultado Fico claro que as pessoas precisavam experimentar o produto para conhecê- Fazer lo e aprender a usá-lo. ajustes Post-it® é produto com mais de 20 anos de mercado Rildo F Santos 45 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Cases: Inovação como caminho para o crescimento A Petrobrás investe sistematicamente em Pesquisa e Desenvolvimento ─ 1500 empregados (22% mestres e doutores) ─ 30 unidades pilotos ─ 137 laboratórios ─ 950 pedidos de patentes internacionais (média de 10 patentes/ano nos EUA) ─ 500 patentes nacionais (média de 50 patentes/ano no Brasil) ─ 500 novos projetos de P&D em andamento (várias parcerias com universidades brasileiras) Em 1994, cada real investido em inovação pela Petrobrás implicou em R$ 4,50 de aumento no faturamento da empresa. Em 2004 esse valor chegou a R$ 8,50. Fonte: Petrobrás A Siemens desenvolve projetos de pesquisa com entidades de todo o Brasil . Com uma política de constante investimento em P&D, o percentual em 2005 chegou a 2.1% do seu faturamento no Brasil. E ƒ m 2003, cerca de 80% do seu faturamento mundial advinha de produtos lançados nos últimos 5 anos. ─ Em 1980 não passava de 48%. Fonte: Siemens. P&G, a baixa produtividade do P&D gerou queda nas ações de 118 para 52 dólares. Adoção do Modelo ―Open Innovation‖ em 2002/2003 no negócio ―Pringles‖. - Encontrado uma padaria na Itália através de um brief tecnológico. Contribuição para um crescimento de 2 dígitos do negócio nos EUA. A P&G possui hoje 35% dos novos produtos com alguma contribuição externa. ƒRedução do tempo de lançamento em mais de 50% e diminuição dos custos em P&D (de 4,8% do faturamento em 2000 para 3,4% em 2005). ƒ P&G possui hoje 35% dos novos produtos com alguma contribuição A externa. Fonte: Havard Business Review, Site da P&G internacional. Rildo F Santos 46 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Você está pronto para Inovar ? Incentivo à inovação Rildo F Santos 47 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Quem fomenta a inovação ? O Governo estadual e federal (mais o federal) tem criado Leis de Incentivo a Inovação, o melhor exemplo é a Lei de Inovação que em maio de 2009, fez cinco anos de existência. O como toda lei tem coisas boas e coisas ruins como a burocracia por exemplo. Principais focos da Lei: 1. Medidas para a construção de ambientes especializados e cooperativos de inovação; 2. Mecanismos autorização que estimulem a participação das ICT no processo de inovação; 3. Medidas de estímulo à inovação nas empresas 4 . Autorização para criação de Fundos de Investimento para inovação Rildo F Santos 48 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Lei da Inovação Os cinco anos da Lei Nº 10.973, também conhecida como Lei de Inovação, estão sendo comemorados em 2009. Sancionada em dezembro de 2004, a Lei representa um marco no país, ao regulamentar as relações entre universidade e empresas, incentivando estas a investirem em inovação, vislumbrando um modo de desenvolvimento que permite aliar produção científica à atividade industrial. O conhecimento gerado em universidades e institutos de pesquisa é revertido em benefício à sociedade de várias maneiras. Inclusive, na possibilidade de geração de novos produtos e serviços que representem melhoria na qualidade de vida das pessoas. O edital de Subvenção Econômica à Em 2006, o total de recursos, entre Inovação, chamada pública realizada contratos com exclusividade, sem pelo MCT/Finep, dispunha, em 2006, exclusividade e outras formas, foi de de R$ 300 milhões para apoiar o R$ 810 mil. Em 2007, passou para desenvolvimento de produtos, R$ 4.952.199 e, em 2008, para R$ serviços e processos inovadores em 13.163.989. empresas brasileiras. A chamada O repasse de informações também é recebeu 1,1 mil propostas, totalizando um resultado da Lei de Inovação, uma demanda de R$ 1,9 bilhão. O que no seu artigo 17 determina que montante repassado foi de R$ 272,5 "a ICT, por intermédio do Ministério milhões, beneficiando 145 projetos. ou órgão ao qual seja subordinada No ano seguinte, o edital dispôs R$ ou vinculada, manterá o Ministério 450 milhões (valor mantido nas de Ciência e Tecnologia informando edições de 2008 e 2009), com quanto: à política de propriedade crescimento registrado na demanda intelectual na instituição; às criações (2.567 propostas, no valor de R$ 4,9 desenvolvidas no âmbito da bilhões, em 2007, e 2.664 propostas, instituição; às proteções requeridas totalizando R$ 6 bilhões, em 2008) e e concedidas; e aos contratos de também nos resultados do programa. licenciamento ou de transferência de Pelo edital, foram repassados R$ tecnologia firmados". Em 2006, 43 313,7 milhões a 174 projetos, em instituições, entre públicas 2007, e, em 2008, o montante superou (municipal, estadual, federal) e R$ 450 milhões, atendendo a 245 privadas, responderam ao projetos aprovados. questionário. No ano seguinte, a Conforme os dados do MCT, participação aumentou para 72 baseados nas informações que as instituições e, em 2008, 101 Instituições de Ciência e Tecnologia enviaram as informações. (ICT) repassam ao Ministério, houve um crescimento nos recursos obtidos com contratos de transferência de tecnologia e licenciamento. Rildo F Santos 49 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Propriedade Intelectual: Segundo definição da Organização Mundial da Propriedade Intelectual, esta modalidade de propriedade tem a ver com as criações, tais como invenções, obras artísticas, símbolos e nomes. A propriedade industrial é protegida através de marcas, patentes e desenhos industriais. O sistema busca incentivar o investimento em inovações, pois permite o uso exclusivo de uma marca, produto ou embalagem por um período de tempo, garantindo ao detentor um instrumento jurídico para mover ações judiciais contra concorrentes desleais, além de proteção contra possíveis contestações de terceiros. Os registros de marcas, patentes e desenhos industriais devem ser feitos junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial – INPI (www.inpi.gov.br). Marca: A definição para marca é todo sinal distintivo, Desenho Industrial: visualmente Patente: perceptível, que O desenho industrial é a forma identifica e distingue É um título de plástica ornamental de um produtos e serviços propriedade objeto ou o conjunto ornamental de outros análogos, temporária sobre de linhas e cores que possa ser de procedência uma invenção ou aplicado a um produto, diversa, bem como modelo de utilidade proporcionando resultado visual certifica a outorgado pelo novo e original na sua conformidade dos Estado aos configuração externa e que mesmos com inventores ou possa servir de tipo de determinadas autores ou outras fabricação industrial. O Registro normas ou pessoas físicas ou de Desenho Industrial é um especificações jurídicas detentoras título de propriedade temporária técnicas de direitos sobre a sobre um desenho industrial, criação. outorgado pelo Estado aos A patente é uma autores ou outras pessoas forma de proteção físicas ou jurídicas detentoras do investimento de direitos sobre a criação. Rildo F Santos 50 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Lei da Inovação: A Lei 10.973, de 2 de dezembro de 2004, denominada Lei da Inovação, e regulamentada pelo decreto 5.663/2005 é um primeiro passo no sentido de incentivar uma cultura de inovação tecnológica no Brasil. Este dispositivo legal vem ao encontro de uma tendência mundial que associa utilização de conhecimento na indústria como fonte de riqueza e de melhoria de vida. O artigo 19 da Lei da Inovação reforça a meta do Governo Federal com a atual Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE). Este programa tem como objetivo melhorar a competência produtiva do país, promovendo a capacitação tecnológica com vistas à competição internacional de bens e serviços pelo mecanismo da subvenção econômica. A Lei da Inovação incentiva a colaboração entre universidades, Instituições de Ciência e Tecnologia (ICTs), pesquisadores e empresas brasileiras no desenvolvimento de projetos tecnológicos cujo objetivo é o aprimoramento de produtos competitivos no mercado exterior. A Lei prevê também, em seu artigo 20, suporte à Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) de interesse da sociedade, mas com risco tecnológico, através da encomenda do Estado, para solução de problema técnico específico ou obtenção de produto ou processo inovador. Outra novidade é a possibilidade de transferência de tecnologia e de licenciamento de patentes de propriedade das ICTs para ambientes produtivos. A idéia é que cada ICT tenha o seu Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) e com isto as instituições e seus pesquisadores possam estar resguardados legalmente da exploração indevida de suas invenções ou inovações. Modalidades de incentivos: O apoio financeiro pode ser tanto como subvenção econômica, financiamento ou participação societária. No caso da subvenção econômica, o Governo destina recursos a partir do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) e exige uma contrapartida da empresa beneficiada. A parceria entre indústrias e instituições pode ser efetivada mediante contrato ou convênio. A verba para o desenvolvimento de pesquisa deverá ser ajustada de acordo com as partes envolvidas. A Lei prevê também que as agências de fomento criem programas especialmente dirigidos à promoção da inovação nas micro e pequenas empresas. Vale observar que, no inciso IV do seu artigo 27, a Lei estipula tratamento preferencial nas compras do Poder Público para empresas que desenvolvam atividades de P&D no País. Rildo F Santos 51 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Lei do Bem: A lei 11.196, mais conhecida pela Lei do Bem, foi alterada pela lei 11.487, de 15 de junho de 2007. O capítulo III da lei trata de incentivos fiscais para pessoas jurídicas que realizam pesquisa e desenvolvimento de inovação tecnológica. Na legislação brasileira, inovação tecnológica significa concepção de novo produto ou processo de fabricação que inclua funcionalidades que configurem melhorias e ganho de qualidade ou produtividade. Os incentivos fiscais se desdobram em deduções tanto no Imposto de Renda como na Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL). Há também dedução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para as empresas que investirem na compra de equipamentos para P&D. Além da dedução de impostos, a Lei do Bem permite subvenções financeiras por parte de órgãos governamentais de fomento à pesquisa. As empresas de comprovada atuação em pesquisa e desenvolvimento tecnológico poderão contratar pesquisadores com mestrado ou doutorado para dedicação à inovação tecnológica. A alteração na lei, através da inclusão do artigo 19-A, vem, por um lado, privilegiar as instituições de ensino e pesquisa, que desenvolvem trabalhos aplicados que podem levar mais de dez anos para se concretizarem. Por outro, a mudança atinge as empresas que passam a dividir com as instituições em questão a escassa verba destinada à inovação. As indústrias têm finalidade diferente já que devem ser estimuladas a inovar para agregar valor a sua produção e aumentar a competitividade nos mercados interno e externo. Benefícios fiscais: As empresas que investirem em P&D podem abater gastos operacionais do IR e do CSLL. Outra vantagem é a redução do IPI na compra de máquinas e equipamentos. Há também a possibilidade de considerar a depreciação dos equipamentos ou a amortização de bens intangíveis. Está prevista também a dedução do IR retido na fonte para remessas efetuadas para o exterior com o objetivo de registro ou manutenção de marcas e patentes de produtos brasileiros. A Lei do Bem prevê mais benefícios para as pessoas jurídicas que apuram em Lucro Líquido. Porém, elas constituem apenas 6% das empresas brasileiras. Por esta razão, no caso de quem paga IR em regime de Lucro Presumido, vale a pena avaliar se os incentivos fiscais são a melhor opção para a empresa. É bom lembrar que o Governo, através dos Fundos Setoriais e órgãos de fomento à pesquisa e desenvolvimento, oferece outras modalidades de benefício como subvenções e financiamento a longo prazo e baixos juros. Rildo F Santos 52 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Lei de Incentivos à Inovação na MPE Incentivos à Inovação na Micro e Pequena Empresa (MPE) A Lei Complementar No. 123/2006, de 14 de dezembro de 2006, chamada de "Estatuto da Empresa de Pequeno Porte", traz avanços importantes para as micro e pequenas empresas, em que pequenas são aquelas com faturamento bruto anual de até R$ 2,4 milhões e as micro, com faturamento bruto anual de até R$ 240 mil. O estímulo à inovação, no (link para o anexo) capítulo X, determina que pelo menos 20% dos recursos destinados à inovação de órgãos e entidades públicas, agências de fomento e núcleos de inovação tecnológica deverão ser destinados às micro e pequenas empresas. Além disso, o Ministério da Fazenda fica autorizado a reduzir a zero a alíquota do IPI, da Cofins e da Contribuição para o PIS/Pasep incidentes na aquisição de equipamentos, máquinas, aparelhos, instrumentos, adquiridos por microempresas ou empresas de pequeno porte que atuem no setor de inovação tecnológica. Rildo F Santos 53 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Leis de Fundos Setoriais: Os Fundos Setoriais de Ciência e Tecnologia, criados a partir de 1999 por um conjunto de Leis, são fontes de financiamento com objetivo de promover desenvolvimento e pesquisa tecnológica no País em áreas específicas da indústria. Foram instituídos também fundos transversais como o Fundo Verde-Amarelo, que rege a interação universidade- empresa, e o Fundo de Infra-Estrutura, que gera recursos para a melhoria nos Institutos de Ciência e Tecnologia (ICTs). Fundos: Fundo para o Setor Aeronáutico (CT-Aeronáutico) Fundo Setorial de Agronegócio (CT-Agronegócio) Fundo Setorial da Amazônia (CT-Amazônia) Fundo para o Setor de Transporte Aquaviário e Construção Naval (CT- Aquaviário) Fundo Setorial de Biotecnologia (CT-Biotecnologia) Fundo Setorial de Energia (CT-Energ) Fundo Setorial Espacial (CT-Espacial) Fundo Setorial de Recursos Hídricos (CT-Hidro) Fundo Setorial de Tecnologia da Informação (CT-Info) Fundo de Infra-Estrutura (CT-Infra) Fundo Setorial Mineral (CT-Mineral) Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural (CT-Petro) Fundo Setorial de Saúde (CT-Saúde) Fundo Setorial de Transportes Terrestres (CT-Transportes) Fundo Verde Amarelo (CT-FVA) Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel) Rildo F Santos 54 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Mensagem final: Rildo F Santos 55 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Notas: Marcas Registradas: Todos os termos mencionados e reconhecidos como Marca Registrada e/ou comercial são de responsabilidade de seus proprietários. O autor informa não estar associada a nenhum produto e/ou fornecedor apresentado neste material. No decorrer deste, imagens, nomes de produtos e fabricantes podem ter sido utilizados, e desde já o autor informa que o uso é apenas ilustrativo e/ou educativo, não visando ao lucro, favorecimento ou desmerecimento do produto/fabricante. Melhoria e Revisão: Este material esta em processo constante de revisão e melhoria, se você encontrou algum problema ou erro envie um e-mail. Criticas e Sugestões: Nós estamos abertos para receber criticas e sugestões que possam melhorar o material, por favor envie um e-mail. Rildo F dos Santos (rildosan@uol.com.br) rildo.santos@companyweb.com.br Rildo F Santos 56 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Licença: Rildo F Santos 57 (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0
    • Rildo F Santos rildosan@uol.com.br rildo.santos@companyweb.com.br Twitter: http://twitter.com/rildosan Blog: http://rildosan.blogspot.com/ Inovação: o caminho para o crescimento sustentável Gestão da Inovação Rildo Santos Rildo F Santos (rildo.santos@companyweb.com.br) {/fim} (rildo.santos@Companyweb.com.br) Versão 7.0