Mediunidade o que é isso apostila 031

  • 40 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
40
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. 11 LAR ASSISTENCIAL RUBATAIANA CENTRO ESPIRITUALISTA DE APOIO E ORIENTAÇÃO Facilitador: RICARDO PLAÇA ricardo_placa@medicinachinesa.com APOSTILA 031 ORIENTAÇÃO DO MENTOR RAMA SCHAIN(CONTINUAÇÃO DA ANTERIOR) Clarividência e clariaudiência Clarividência é a faculdade pela qual a pessoa vê os Espíritos com grande clareza. A própria palavra indica: é a vidência clara. Clariaudiência é a faculdade pela qual a pessoa ouve os Espíritos com nitidez. É, por conseguinte, a audição clara. Qualquer pessoa estudiosa dos assuntos espíritas saberá que o médium clarividente ou clariaudiente vê e ouve pela mente, sem necessidade do concurso dos olhos e dos ouvidos corporais. Quantas vezes, tentando sustar uma visão desagradável, produzida por um Espírito menos esclarecido, o médium fecha os olhos e, quanto mais os aperta, a visão se torna mais nítida e melhor se definem os contornos da entidade? Quantas vezes, também, fecha os ouvidos para não ouvi-la, comprimindo-os fortemente, sem, contudo, deixar de ouvir (a voz dos Espíritos»? Bastaria isso, pensamos nós, para a comprovação plena da tese de que não se vê nem se ouve com os olhos e os ouvidos corporais. Entretanto, acrescentemos outro exemplo: durante o sono a nossa alma, libertando-se algumas horas do corpo, inicia nova atividade, durante a qual vê, ouve e sente sem a cooperação dos órgãos físicos, o que confirma, pacificamente, a realidade já bastante conhecida dos espíritas: a visão e a audiência independem dos órgãos visuais e auditivos. O médium vê e ouve através da mente, que, nesse caso, funciona à maneira de um prisma, de um filtro que reflete, diversamente, quadros e impressões, idéias e sentimentos iguais na sua origem. Uma ocorrência supranormal produzida pelos Espíritos, em recinto fechado ou em qualquer parte, pode ser vista e ouvida diferentemente por dois, três ou quatro médiuns. Cada um vê-la-á a seu modo, de acordo com o seu próprio estado mental e, em última análise, com os seus próprios recursos psíquicos. Respondendo a uma indagação de Hilário sobre este assunto, o Assistente Áulus esclarece: “O círculo de percepção varia em cada um de nós.” E, mais adiante, acrescenta, à guisa de exemplo: FRATERNIDADE ESPIRITUALISTA: Rua Manoel Penellas 536 – Santa Rosa Guarujá - SP
  • 2. 11 LAR ASSISTENCIAL RUBATAIANA CENTRO ESPIRITUALISTA DE APOIO E ORIENTAÇÃO Facilitador: RICARDO PLAÇA ricardo_placa@medicinachinesa.com APOSTILA 031 «Uma lâmpada exibirá claridade lirial, em jato contínuo, mas, se essa claridade for filtrada por focos múltiplos, decerto estará submetida à cor e ao potencial de cada um desses filtros, embora continue sendo sempre a mesma lâmpada a fulgurar em seu campo central de ação... O fenômeno psíquico é como a claridade da lâmpada: sendo o mesmo, pode ser observado e interpretado de vários modos, segundo a filtragem mental de cada medianeiro. O gráfico ilustrativo deste capítulo objetiva comprovar a tese exposta: assim como a claridade da lâmpada, ao atravessar focos de cores diferentes, faz que a luz tenha alterada a coloração original, da mesma forma três médiuns (três mentes diferentes) obviamente registram a seu modo o mesmo fenômeno. As variações auditivas e visuais são demonstráveis através da observação seguinte: três são os médiuns presentes ao grupo visitado por André Luiz e Hilário, sob o comando do Assistente Áulus. André Luiz pondera que, «sutilmente ligados à faixa fluídica de Clementino (supervisor espiritual da reunião), os três médiuns, cada qual a seu modo, lhe acusavam a presença», no tocante à vidência e à audiência. Quanto à vidência, acompanhemos as variações: a) — Dona Celina o vê perfeitamente. b) — Dona Eugênia o vê como se estivesse envolvido num lençol. c) — Castro o vê com nitidez. No tocante à audição, a mesma diversidade: d) — Dona Celina ouve-o perfeitamente. e) — Dona Eugênia ouve-o “em forma de intuição.” f) — Castro nada ouve. Porque tal divergência no registro da presença do Espírito amigo? Clementino não estava sintonizado com os três médiuns? Não deveria, por conseguinte, ser visto e ouvido em igualdade de condições? FRATERNIDADE ESPIRITUALISTA: Rua Manoel Penellas 536 – Santa Rosa Guarujá - SP
  • 3. 11 LAR ASSISTENCIAL RUBATAIANA CENTRO ESPIRITUALISTA DE APOIO E ORIENTAÇÃO Facilitador: RICARDO PLAÇA ricardo_placa@medicinachinesa.com APOSTILA 031 Isso é o que nos parece; entretanto, considerando que o círculo de percepção varia em cada um de nós» e que a luz, atravessando filtros de várias cores, projeta focos de coloração diferente, a resposta àquelas indagações é simples e lógica. Cada mente tem uma capacidade peculiar de percepção dos fenômenos, registrando-os, assim, de modo variado. O médium que estuda e começa a entender esses delicados matizes do mediunismo, dificilmente fará juízos temerários quanto à vidência de outrem, ante a certeza de que os fenômenos por ele não observados podem, indubitavelmente, ser percebidos por outro companheiro. Conjugar, pois, o conhecimento da Doutrina e do Evangelho significa caminhar para a compreensão e o entendimento. O médium esclarecido saberá que os fenômenos espíritas, por transcendentes, estão ainda muito longe de ser por nós integralmente compreendidos. E recordará, além disso, que a palavra do Senhor permanece: «Com a mesma medida com que medirdes o vosso irmão, sereis também medidos...» Sonhos: O Espiritismo não podia deixar de interessar-se pelo problema dos sonhos, dando também, sobre eles, a sua interpretação. Não podia o Espiritismo fugir a esse imperativo, eis que as manifestações oníricas têm acentuada importância em nossa vida de relação, uma vez que os chamados «sonhos espíritas» resultam, via de regra, das nossas próprias disposições, exercidas e cultivadas no estado de vigília. A Doutrina dos Espíritos não pode estar ausente de qualquer movimento superior, de fundo espiritual, que vise a amparar o Espírito humano na sua rota evolutiva. Não é a Doutrina um movimento literário, circunscrito a gabinetes. É um programa para ajudar o homem a crescer para Deus, a fim de que, elevando-se, corresponda ao imenso sacrifício daquele que, sendo o Cristo de Deus, se fez Homem para que os homens se tornassem Cristos. FRATERNIDADE ESPIRITUALISTA: Rua Manoel Penellas 536 – Santa Rosa Guarujá - SP
  • 4. 11 LAR ASSISTENCIAL RUBATAIANA CENTRO ESPIRITUALISTA DE APOIO E ORIENTAÇÃO Facilitador: RICARDO PLAÇA ricardo_placa@medicinachinesa.com APOSTILA 031 Os sonhos, em sua generalidade, não representam, como muitos pensam, uma fantasia das nossas almas, enquanto há o repouso do corpo físico. Todos eles revelam, em sua estrutura, como fundamento principal, a emancipação da alma, assinalando a sua atividade extracorpórea, quando então se lhe associam, à consciência livre, variadas impressões e sensações de ordem fisiológica e psicológica. Estudemos o assunto, que se reveste de singular encanto, à luz do seguinte gráfico: CLASSIFICAÇÃO DOS SONHOS = Comuns. = Repercussão de nossas disposições, Físicas ou psicológicas. Reflexivos. = Exteriorização de impulsos e imagens arquivadas no cérebro. Espíritas = Atividade real e efetiva do Espírito durante o sono. Feita a classificação no seu tríplice aspecto, façamos, agora, a devida especificação: Comuns: O Espírito é envolvido na onda de pensamentos que lhe são próprios, bem assim dos outros. Reflexivos: A modificação vibratória, resultante do desprendimento pelo sono, faz o Espírito entrar em relação com fatos, imagens, paisagens e acontecimentos remotos, desta e de outras vidas. Espíritas: Por «sonhos espíritas», situamos aqueles em que o Espírito se encontra, fora do corpo, com: a) — parentes b) — amigos c) — instrutores d) — inimigos, etc. Outras denominações poderão, sem dúvida, ser-lhes dadas, o que, supomos, não alterará a essência do fenômeno em si mesmo. Estamos ainda no plano muito relativo das coisas. Assim sendo, tendo cada palavra o seu lugar e a sua propriedade, cabia-nos o imperativo da nomenclatura. FRATERNIDADE ESPIRITUALISTA: Rua Manoel Penellas 536 – Santa Rosa Guarujá - SP
  • 5. 11 LAR ASSISTENCIAL RUBATAIANA CENTRO ESPIRITUALISTA DE APOIO E ORIENTAÇÃO Facilitador: RICARDO PLAÇA ricardo_placa@medicinachinesa.com APOSTILA 031 Geralmente temos sonhos imprecisos, desconexos, frequentemente interrompidos por cenas e paisagens inteiramente estranhas, sem o mais elementar sentido de ordem e sequência. Serão esses os sonhos comuns? Aqueles em que o nosso Espírito, desligando-se parcialmente do corpo, se vê envolvido e dominado pela onda de imagens e pensamentos, seus e do mundo exterior, uma vez que vivemos num misterioso turbilhão das mais desencontradas ideias. O mundo psíquico que nos cerca reflete as vibrações de bilhões de pessoas encarnadas e desencarnadas. Deixando o corpo em repouso, o Espírito ingressa no plano espiritual com apurada sensibilidade, facultando ao campo sensório o recolhimento, embarafustado, de desencontradas imagens antes não percebidas, em face das limitações impostas pelo cérebro físico. Ao despertarmos, guardaremos imprecisa recordação de tudo, especialmente da ausência de conexão nos acontecimentos que, em forma de incompreensível sonho, povoaram a nossa vida mental. A esses sonhos chamaríamos sonhos comuns, por serem eles os mais frequentes. Por reflexivos, categorizamos os sonhos em que a alma, abandonando o corpo físico, registra as impressões e imagens arquivadas no subconsciente e plasmadas na organização perispiritual. Tal registro é possível de ser feito em virtude da modificação vibratória, que põe o Espírito em relação com fatos e paisagens remotos, desta e de outras existências. Ocorrências de séculos e milênios gravam-se indelevelmente em nossa memória, estratificando-se em camadas superpostas. A modificação vibratória, determinada pela liberdade de que passa a gozar o Espírito, no sono, fá-lo entrar em relação com acontecimentos e cenas de eras distantes, vindos à tona em forma de sonho. A esses sonhos, na esquematização de nosso singelo estudo, daremos a denominação de «reflexivos», por refletirem eles, evidentemente, situações anteriormente vividas. Cataloguemos, por último, os sonhos espíritas: Esses se revestem de maior interesse para nós, por atenderem com mais exatidão e justeza à finalidade deste livro, qual seja a de, sem FRATERNIDADE ESPIRITUALISTA: Rua Manoel Penellas 536 – Santa Rosa Guarujá - SP
  • 6. 11 LAR ASSISTENCIAL RUBATAIANA CENTRO ESPIRITUALISTA DE APOIO E ORIENTAÇÃO Facilitador: RICARDO PLAÇA ricardo_placa@medicinachinesa.com APOSTILA 031 fugir à feição evangélica, fazer com que todos os capítulos nos sejam um convite à reforma interior, como base para a nossa felicidade e meio para, em nome da fraternidade cristã, melhor servirmos ao próximo. Nos sonhos espíritas a alma, desprendida do corpo, exerce atividade real e afetiva, facultando meios de encontrarmo-nos com parentes, amigos, instrutores e, também, com os nossos inimigos, desta e de outras vidas. Quando os olhos se fecham, com a visitação do sono, o nosso Espírito parte em disparada, por influxo magnético, para os locais de sua preferência: O viciado procurará os outros. O religioso buscará um templo. O sacerdote do Bem irá ao encontro do sofrimento e da lágrima, para assisti-los fraternalmente. Enquanto despertos, os imperativos da vida contingente nos conservam no trabalho, na execução dos deveres que nos são peculiares. Adormecendo, a coisa muda de figura. Desaparecem, como por encanto, as conveniências. A atividade extracorpórea passará a refletir, sem dissimulações ou constrangimentos, as nossas reais e efetivas inclinações, superiores ou inferiores. Buscamos sempre, durante o sono, companheiros que se afinam conosco e com os ideais que nos são peculiares. Para quem cultive a irresponsabilidade e a invigilância, quase sempre os sonhos revelarão convívio pouco lisonjeiro, cabendo, todavia, aqui a ressalva doutrinária, exposta na caracterização dos sonhos reflexivos, de que, embora tendo no presente uma vida mais ou menos equilibrada, poderemos, logicamente, reviver cenas desagradáveis, que permanecem virtualmente gravadas em nosso molde perispiritual. Quem exercite, abnegadamente, o gosto pelos problemas superiores, buscará durante o sono a companhia dos que lhe podem ajudar, proporcionando-lhe esclarecimento e instrução. O tipo de vida que levarmos, durante o dia, determinará invariavelmente o tipo de sonhos que a noite nos ofertará, em resposta às nossas tendências. As companhias diurnas serão, quase sempre, as companhias noturnas, fora do vaso físico. O esforço de evangelização das nossas vidas e a luta incessante pela modificação dos nossos costumes, objetivando a purificação dos FRATERNIDADE ESPIRITUALISTA: Rua Manoel Penellas 536 – Santa Rosa Guarujá - SP
  • 7. 11 LAR ASSISTENCIAL RUBATAIANA CENTRO ESPIRITUALISTA DE APOIO E ORIENTAÇÃO Facilitador: RICARDO PLAÇA ricardo_placa@medicinachinesa.com APOSTILA 031 nossos sentimentos, dar-nos-ão, sem dúvida, o prêmio de sonhos edificantes e maravilhosos, expressando trabalho e realização. Com instrutores devotados nos encontraremos e deles ouviremos conselhos e reconforto. Dessas sombras amigas, que acompanham a migalha da nossa boa vontade, receberemos estímulo para as nossas sublimes esperanças. ORIENTAÇÃO DO MENTOR RAMASCHAIN: EXERCÍCIO DE CONSCIENTIZAÇÃO Respirando... procurando relaxar o corpo e a mente. Inspirem... falando a palavra OM até o final da respiração. Aquietando a mente nós apelamos: Pedimos auxilio, orientação e iluminação à Fraternidade da Luz em toda parte. Pedimos a nossos irmãos e irmãs de Luz a nossos próprios EUS SUPERIORES e a nossos amigos ANJOS para nos conduzirem. Buscamos conhecer todos vocês de modo que possamos trabalhar em associação, em harmoniosa cooperação para a iluminação de todos. Buscamos encarnar a LUZ e conhecer o CRIADOR nos níveis mais elevados da verdade e do amor e em profunda integração. Agora, veja-se dentro de um tubo de luz branca, de luz protetora, luz branca em volta de você.. Sinta a luz, permita-se sentir. Acenda a chama em seu coração... permita que todo o seu peito, o seu coração esteja iluminado com o mais profundo amor e um sentimento de profunda gratidão para com esta LUZ. A partir do coração permita que essa luz amorosa a luz branca ilumine todo o seu corpo, juntamente com a música que a luz, o som e a cor alimentem sua alma. Durante o toque da música, trabalhem com a respiração e permitam a fraternidade da luz o auxilio necessário. Como tudo no Universo é sete e derivado de sete, a grande explosão (Big-Bang) originou sete planos (níveis ou camadas). Nós estamos em Consciência, na ultima camada, na sétima, no planeta Terra, por FRATERNIDADE ESPIRITUALISTA: Rua Manoel Penellas 536 – Santa Rosa Guarujá - SP
  • 8. 11 LAR ASSISTENCIAL RUBATAIANA CENTRO ESPIRITUALISTA DE APOIO E ORIENTAÇÃO Facilitador: RICARDO PLAÇA ricardo_placa@medicinachinesa.com APOSTILA 031 enquanto, mas os nossos outros seis corpos estão sintonizados aos outros seis planos. Tudo que existe originou-se do Um: as estrelas, os planetas, todos os seres que habitam o Universo, pois tudo que existe somente pode ter-se originado da mesma matéria prima, aquela Energia Primordial. Um é Deus. Se tudo originou-se de uma só energia, nós somos essa energia, e tudo que existe é essa energia. E isso é comprovado facilmente, pois basta colocarmos, em microscópios, um fragmento do nosso corpo, um pedaço de outro animal, de um vegetal, de um mineral etc. E começarmos a ampliar. Chega um momento em que se torna impossível saber quem é quem, pois se chega ao átomo e, continuando a ampliar, chega-se a um “vazio”, em um “nada”, que é o Imanifestado, é o Todo. Então um ser humano, um outro animal, um vegetal, um mineral, são intrinsecamente iguais, mas manifestam-se de maneira diferentes, por diferença de evolução consequencial e função. A civilização Oriental tem uma visão energética do Todo e suas partes, que tudo se originou de uma só energia, mas a Ocidental, em sua ignorância e superficialidade, por necessidade de um Pai, e pela influencia das religiões autodeclaradas “representantes de Deus”, deu ao Imanifestado, ao Todo, uma forma humana. O ser humano precisa entender que Deus não tem forma, pois não é um Alguém, um Ele, um Senhor e sim, a Consciência Primaria, o Imanifestado que se manifesta. E sendo o Todo onipresente e onisciente, está em todo Universo, é o próprio Universo, todos os planetas, todas as estrelas, todos os seres vivos, os não vivos, enfim tudo o que existe! Tudo é Deus. Deus é tudo. Nós somos Deus, Deus é nós, o Universo e seus sete planos, nós e nossos sete corpos, a Consciência Universal e a nossa Consciência, tudo é uma coisa só, absolutamente tudo! Mas um dia, alguns homens resolveram que Deus é um ser, exclusivo do nosso planeta e esses homens resolveram que eram seus intermediários, e o resultado ai está: uma humanidade infantilizada, manipulada e infeliz, vivendo às tontas, sem rumo, sem direção, como cegos guiados por cegos. Na verdade, nós, os “filhos” de Deus, somos uma mônada originada da explosão, “expulsos” do Paraíso e, como tudo que existe, estamos em uma viagem que um dia terminará, quando voltarmos ao “Pai”, que é o núcleo do Universo. O Universo é um grande átomo, constituído de um núcleo e de sete camadas (ou planos) e nos somos um Ser (uma Consciência) FRATERNIDADE ESPIRITUALISTA: Rua Manoel Penellas 536 – Santa Rosa Guarujá - SP
  • 9. 11 LAR ASSISTENCIAL RUBATAIANA CENTRO ESPIRITUALISTA DE APOIO E ORIENTAÇÃO Facilitador: RICARDO PLAÇA ricardo_placa@medicinachinesa.com APOSTILA 031 constituído de um núcleo e de sete corpos (ou veículos da Consciência). A Terra, o planeta com o qual estamos sintonizados atualmen-te, encontra-se na sétima camada, a mais externa. E isso nos diz da nossa inferioridade consciencial, da nossa ignorância, da nossa distancia do centro, do núcleo de “Deus”, e da nossa distorcida frequência, que nos faz míopes. A energia do núcleo do Universo é perfeita, mas, a partir dai, a energia vai distorcendo-se, a medida que se afasta. E com isso vai criando formas e realidades cada vez mais distantes das da Perfeição, cada camada (Plano) sendo uma energia mais distorcida que a anterior. Imaginem então, nós, habitando em Consciência a sétima camada, como estamos longe! E por isso o modo de vida aqui na Terra é como é, um atestado do esquecimento. A nossa constituição energética é de sete corpos, eles servem para sintonizarmos com os sete planos do Universo. E, então, o nosso corpo físico serve para podermos vivenciar a Terra, o corpo astral serve para podermos vivenciar o Plano Astral, e assim por diante. Para a nossa Consciência retornar ao núcleo (a volta ao Paraíso), necessita, gradativamente, não mais vivenciar o Plano Físico, depois o Plano Astral, o Plano Mental, etc. E com isso ir perdendo corpos, inicialmente o físico, depois o astral etc. Mas isso somente vai acontecendo pela elevação da nossa frequência vibratória. Quando nosso corpo físico morre, a nossa Consciência vai automaticamente para nosso corpo astral, e acessamos o Plano Astral da Terra, mas permanecemos sintonizados neste planeta pela nossa ainda baixa frequência vibratória. Mas um dia, quando nos tornarmos perfeitos para o padrão deste planeta, não precisamos mais retornar, estaremos livres e passaremos, então, a vivenciar o Plano Astral, com a nossa Consciência no nosso corpo astral, o segundo corpo. Estaremos libertos da sintonia com este planeta e com outras pessoas (carma) e seremos, então, um ser de seis corpos. Ao seu tempo, nos tornaremos perfeitos para o nível do Plano Astral e poderemos, então, passar a vivenciar o Plano Mental, terceiro plano. Seremos, então, um ser de cinco corpos. E assim iremos, gradativamente, elevando a nossa frequência, eliminando corpos, vivenciando planos cada vez mais elevados, como filho prodigo que à casa vai retornando. Mas quando isso vai ocorrer? Podemos sonhar com esse caminho evolutivo, mas antes devemos nos purificar aqui, onde estamos, FRATERNIDADE ESPIRITUALISTA: Rua Manoel Penellas 536 – Santa Rosa Guarujá - SP
  • 10. 11 LAR ASSISTENCIAL RUBATAIANA CENTRO ESPIRITUALISTA DE APOIO E ORIENTAÇÃO Facilitador: RICARDO PLAÇA ricardo_placa@medicinachinesa.com APOSTILA 031 nesta “vida atual”, eliminando nossas imper-feições, clareando nossos pensamentos e sentimentos, ampliando nossa capacidade de amar, nos libertando deste planeta. Estamos “presos” aqui (na Terra) por afinidade vibra-tória, e a nossa missão é elevarmos nossa frequência para libertarmos! E só existe uma maneira: libertando-nos do egoísmo, dos nossos desejos, do nosso egocentrismo, da ilu-são de sermos nós mesmos. Para essa limpeza e nossa evolução precisamos saber quem realmente somos. A nossa estrutura é de uma Consciência, originada da Consciência Universal, que anima um ser constituído de sete corpos, dos quais o nosso primeiro (corpo físico) é o único vi-sível e, ao mesmo tempo, o mais descartável deles, pois tem uma única função, viabilizar a nossa passagem pela Terra. A maior parte de nós acredita, erroneamente, ser o seu Eu encarnado, o seu corpo, a sua “casca”, quando, na verdade, ela está apenas servindo de veiculo para a sua real identidade, a Essência, durante uma encarnação. A questão é saber quem realmente somos, e a ilusão dos rótulos das “cascas” é o maior obstáculo na obtenção do sucesso encantatório. As informações de antes de encarnarmos não estão ao nosso acesso, quando encarnados, pois a nossa Consciência, aqui, encontra-se em todo o seu tempo de vigília no corpo físico, e as informações estão nos corpos sutis. A isso tem-se chamado de “esquecimen-to”, mas é apenas uma dificuldade natural de acesso da nossa Consciência às informa-ções. Muitíssimas informações estão no corpo astral, mas fazer a nossa Consciência chegar até ele, em vigília, é muito difícil. Imaginem, então, acessar os demais corpos! A finalidade da reencarnação é continuarmos o caminho evolutivo, liberando-nos do egoísmo, do ódio, da cólera, interrompido na ultima encarnação. Mas no dia-a-dia, poucas pessoas sabem como atingir essa meta, pois não sabem quem são, não tem claro o que fazem aqui, o que vieram melhorar, do que vieram curar-se, libertar-se, quais as características imperfeitas que estão aqui trabalhando, enfim, o que realmente oportunizará a sua evolução nesta atual passagem. Uma questão importante que precisa ficar bem clara é que a nossa Consciência (que as religiões chamam de Espírito) veio do Plano Astral para o Plano Terreno, visando continuar a sua busca de evolução. FRATERNIDADE ESPIRITUALISTA: Rua Manoel Penellas 536 – Santa Rosa Guarujá - SP
  • 11. 11 LAR ASSISTENCIAL RUBATAIANA CENTRO ESPIRITUALISTA DE APOIO E ORIENTAÇÃO Facilitador: RICARDO PLAÇA ricardo_placa@medicinachinesa.com APOSTILA 031 Quando estamos em ambientes elevados, em locais tranquilos, sem conflitos, nos sentimos muito bem, até parece que não temos problemas, nem defeitos. Lá no Astral Superior é assim. Quando estamos em ambiente mais hostil, mais desagradável, ai é que emergem as nossas imperfeições, os nossos conflitos, as nossas impurezas. Aqui na Terra é assim. Lá podemos evoluir teoricamente, mas concretamente, apenas aqui, passando pelas dificuldades, pelos obstáculos, pelos testes, pelas provas. Nós retornamos para um plano inferior, porque estamos sintonizados com ele e para que nos confrontemos com pessoas e situações que façam vir à tona o que devemos melhorar, ou curar, em nós, as nossas inferioridades. E por paradoxal que pareça, tudo que não for agradável, tudo que não gostarmos, estará atuando em nosso beneficio, pois os fatos “negativos” que aqui encontramos, de que não gostamos, são justamente os gatilhos que farão vira à tona as nossas imperfeições. Os fatos desagradáveis, traumáticos, da vida terrena estão potencialmente a nosso favor, pois podem nos fazer evoluir, melhorar, crescer, mas, claro, se a “casca” souber disso e não cair na raiva, na magoa, nos pensamentos e sentimentos negativos que veio curar. Uma pessoa de baixa estatura, provavelmente, veio curar o orgulho. Uma situação de pobreza pode ser cenário para a cura da preguiça, da leviandade, do orgulho ou da vaidade. Nascermos em uma família muito rica pode significar a tentativa de cura de uma tendência de desonestidade e materialismo. Um rosto e um corpo belíssimo podem encaixar-se em um projeto de cura da superficialidade, da futilidade. Um pai ou uma mãe agressivos podem servir para curar a nossa própria agressividade ou o nosso medo e insegurança. A falta de pai ou da mãe pode visar curar a nossa tristeza, sentimento de rejeição e abandono, e assim por diante. Os fatos negativos que vão acontecendo conosco durante a nossa encarnação devem ser focados no que surge de negativo dentro de nós, pois aí está a possibilidade de crescimento, purificação. Mas, em geral, as pessoas apegam-se aos fatos “negativos”, o externo, e não olham para o que aflorou de negativo de si, o interno. Para isso precisamos nos auto-observar constantemente, para detectarmos quando as nossas imperfeições vem à tona, no enfrentamento dos fatos e das dificuldades da “vida”. É um trabalho que deve ser realizado todos os dias, na nossa casa, no trabalho e no FRATERNIDADE ESPIRITUALISTA: Rua Manoel Penellas 536 – Santa Rosa Guarujá - SP
  • 12. 11 LAR ASSISTENCIAL RUBATAIANA CENTRO ESPIRITUALISTA DE APOIO E ORIENTAÇÃO Facilitador: RICARDO PLAÇA ricardo_placa@medicinachinesa.com APOSTILA 031 transito; e não apenas quando estamos em contato com ideias espiritualistas. O momento de curarmos nossas imperfeições é quando elas aparecem. A raiva deve ser curada quando estamos com raiva. A impaciência quando nos impacientamos. O orgulho quando nos orgulhamos. A tristeza quando ficamos tristes. A mágoa quando estamos magoados. A rejeição quando nos sentimos rejeitados. A timidez quando nos escondemos. O medo quando nos encolhemos. Por termos sido submetidos, no ultimo século, a uma visão psicológica que analisa ape-nas esta vida, e então trabalha em cima da formação da personalidade, uma concepção equivocada, costumamos pensar que temos certas características negativas de personalidade, problemas emocionais e dificuldades existenciais, devido aos conflitos com nossos pais, aos fatos da nossa infância, as circunstâncias da vida, aos traumas, etc. Então passamos a nos vitimar e a culpar alguém (geralmente pai e mãe) pela existência dos nossos defeitos de personalidade e nossas imperfeições, esquecendo que somos Reencarnacionista, que acreditamos que tudo é uma continuação e que, evidentemente, a nossa personalidade não pode ser formada nesta vida, pois já existíamos antes, em muitas outras vidas, e então ela é nossa, congênita. Nós somos continuação de nós mesmos. A personalidade está no nosso corpo astral e mental (sentimentos e pensamentos) que são os mesmos das encarnações passadas. As nossas imperfeições, quando intensas, começam a revelar-se desde a nossa infância ou no decorrer da “vida”, no convívio com “vilões”, com as situações que a fazem emergir, mas não foram criadas por eles! FRATERNIDADE ESPIRITUALISTA: Rua Manoel Penellas 536 – Santa Rosa Guarujá - SP