Curso de português erros mais comuns - aula 3

2,541 views
2,289 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,541
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
91
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Curso de português erros mais comuns - aula 3

  1. 1. Noções de Língua Portuguesa Profª Deise Mugnaro
  2. 2. O Caso “ Obrigado / Obrigada ” <ul><ul><ul><ul><ul><li> Do ponto de vista de quem agradece — A palavra “obrigado” é, na verdade, a parte que aparece de uma frase bem maior, que geralmente fica subentendida quando agradecemos a quem nos atendeu ou nos fez um favor. Quando eu agradeço dizendo obrigado a alguém, estou dizendo, na verdade, que eu me sinto obrigado para com ele, isto é, que passei a ter uma obrigação de gratidão para com o outro .   </li></ul></ul></ul></ul></ul>
  3. 3. O Caso “ Obrigado / Obrigada ” <ul><ul><ul><ul><ul><li> Obrigado funciona, pois, como um adjetivo, flexionando em gênero: obrigado, obrigada . Assim sendo, um homem fica obrigado , uma mulher fica obrigada . Isso fica bem claro quando usamos outras fórmulas de agradecimento que também deixam subentendida parte da frase. Homem falando : fico-lhe grato, fico-lhe agradecido ; mulher falando : fico-lhe grata, fico-lhe agradecida . </li></ul></ul></ul></ul></ul>
  4. 4. O Caso “ Obrigado / Obrigada ” <ul><li> Do ponto de vista de quem responde ao agradecimento — Quando respondo, posso dizer: “ por nada ”, “ de nada ”, “ não há de quê ” — que são, na verdade, respostas à frase completa, pois estou afirmando que o outro não me deve nada pelo que fiz, ou seja, ele não tem por que se sentir obrigado a mim.   Outros preferem acrescentar que eles próprios é que tem de agradecer — como os americanos e britânicos, que dizem “ thank you ”. </li></ul>
  5. 5. O Caso “ Obrigado / Obrigada ” <ul><li> Parece um pouco sem lógica, mas esse costume, que certamente torna o convívio social mais agradável, já chegou em nosso país. Nesse caso, diremos “ obrigado a você ” (subentenda-se: “eu é que fico obrigado a você”), ou ainda “ obrigado, eu ” (subentenda-se: “obrigado fico eu”). Acho que não preciso lembrar que obrigado sempre vai concordar com o sexo de quem está falando; portanto, uma mulher diria: “ obrigada a você ” ou “ obrigada, eu ”. </li></ul>
  6. 6. A Crase <ul><li>A Crase é a fusão de duas vogais da mesma natureza. No português assinalamos a crase com o acento grave (`). </li></ul><ul><li> Obedecemos ao regulamento . (a + o) </li></ul><ul><li>Não há crase, pois o encontro ocorreu entre duas vogais diferentes. Mas, </li></ul><ul><li> Obedecemos à norma . (a + a) </li></ul><ul><li>Há crase pois temos a união de duas vogais iguais (a + a = à) </li></ul>
  7. 7. A Crase <ul><li>Regra Geral: </li></ul><ul><li>Haverá crase sempre que : </li></ul><ul><li>I. o termo antecedente exija a preposição a; </li></ul><ul><li>II. o termo consequente aceite o artigo a. </li></ul><ul><li> Fui à cidade. (a + a = preposição + artigo) </li></ul>
  8. 8. A Crase <ul><li>Nunca ocorrerá crase: </li></ul><ul><li>Antes de masculino. </li></ul><ul><li>Caminhava a passo lento. </li></ul><ul><li>Antes de verbo. </li></ul><ul><li>Estou disposto a falar. </li></ul><ul><li>Antes de pronomes em geral. </li></ul><ul><li>Eu me referi a esta menina. </li></ul><ul><li>Eu falei a ela . </li></ul><ul><li>Antes de pronomes de tratamento. </li></ul><ul><li>Dirijo-me a Vossa Senhoria. </li></ul>
  9. 9. A Crase <ul><li>Com expressões formadas de palavras repetidas. </li></ul><ul><li>Venceu de ponta a ponta. </li></ul><ul><li>Antes dos nomes de cidade. </li></ul><ul><li>Cheguei a Curitiba. </li></ul><ul><li>Quando um a (sem o s de plural) vem antes de um nome plural. </li></ul><ul><li>Falei a pessoas estranhas. </li></ul><ul><li>Observação: </li></ul><ul><li>Se o mesmo “a” vier seguido de “s” haverá crase. </li></ul><ul><li>Falei às pessoas estranhas. </li></ul>
  10. 10. A Crase <ul><li>Observações: </li></ul><ul><li>1) Há três pronomes de tratamento que aceitam o artigo e, obviamente, a crase: senhora, senhorita e dona . </li></ul><ul><li>Dirijo-me à senhora. </li></ul><ul><li>2) Haverá crase antes dos pronomes que aceitarem o artigo, tais como: mesma, própria . </li></ul><ul><li>Eu me referi à mesma pessoa . </li></ul>
  11. 11. A Crase <ul><li>Sempre ocorre crase: </li></ul><ul><li>1) Na indicação pontual do número de horas. </li></ul><ul><li>Às duas horas chegamos. </li></ul><ul><li>Para comprovar que, nesse caso, ocorre preposição + artigo, basta confrontar com uma expressão masculina correlata. </li></ul><ul><li>Ao meio-dia chegamos. </li></ul>
  12. 12. A Crase <ul><li>Sempre ocorre crase: </li></ul><ul><li>2) Com a expressão à moda de e à maneira de . </li></ul><ul><li>A crase ocorrerá obrigatoriamente mesmo que parte da expressão (moda de) venha implícita. </li></ul><ul><li>Escreve à (moda de) Alencar. </li></ul><ul><li>Vou à (editora) Melhoramentos. </li></ul><ul><li>Fez alusão à (revista) Época. </li></ul>
  13. 13. A Crase <ul><li>Sempre ocorre crase: </li></ul><ul><li>3) Nas expressões adverbiais femininas. </li></ul><ul><li>Expressões adverbiais femininas são aquelas que se referem a verbos, exprimindo circunstâncias de tempo, de lugar, de modo... </li></ul><ul><li>Chegaram à noite. </li></ul><ul><li>(expressão adverbial feminina de tempo) </li></ul><ul><li>Caminhava às pressas. </li></ul><ul><li>(expressão adverbial feminina de modo) </li></ul><ul><li>Ando à procura de meus livros. </li></ul><ul><li>(expressão adverbial feminina de fim) </li></ul>
  14. 14. A Crase <ul><li>Uso facultativo da crase </li></ul><ul><li>Antes de nomes próprios de pessoas femininos e antes de pronomes possessivos femininos pode ou não ocorrer a crase. </li></ul><ul><li>Falei à Maria. </li></ul><ul><li>Falei a Maria. </li></ul><ul><li>Falei à sua classe. </li></ul><ul><li>Falei a sua classe. </li></ul><ul><li> Note que os nomes próprios de pessoa femininos e os pronomes possessivos femininos aceitam ou não o artigo antes de si. Por isso mesmo é que pode ocorrer a crase ou não. </li></ul>
  15. 15. A Crase <ul><li>Casos especiais: </li></ul><ul><li>1) Crase antes de casa . </li></ul><ul><li>A palavra “casa”, no sentido de lar, residência própria da pessoa, se não vier determinada por um adjunto adnominal não aceita o artigo, portanto não ocorre a crase. </li></ul><ul><li>Por outro lado, se vier determinada por um adjunto adnominal, aceita o artigo e ocorre a crase. </li></ul><ul><li>Volte a casa cedo. </li></ul><ul><li>Volte à casa dos seus pais. </li></ul>
  16. 16. A Crase <ul><li>Casos especiais: </li></ul><ul><li>2) Crase antes de terra . </li></ul><ul><li>A palavra “terra”, no sentido de chão firme, tomada em oposição a mar ou ar, se não vier determinada, não aceita o artigo e não ocorre a crase. </li></ul><ul><li>Já chegaram a terra. </li></ul><ul><li>Se, entretanto, vier determinada, aceita o artigo e ocorre a crase . </li></ul><ul><li>Já chegaram à terra dos antepassados. </li></ul><ul><li>(preposição + artigo) </li></ul><ul><li>(adjunto adnominal) </li></ul>
  17. 17. A Crase <ul><li>Casos especiais: </li></ul><ul><li>3) Crase antes dos pronomes relativos. </li></ul><ul><li>Antes dos pronomes relativos “quem ” e “cujo” não ocorre crase. </li></ul><ul><li>Achei a pessoa a quem procuravas. </li></ul><ul><li>Compreendo a situação a cuja gravidade você se referiu. </li></ul><ul><li>Antes dos relativos qual ou quais ocorrerá crase se o masculino correspondente for “ ao qual”, “aos quais”. </li></ul><ul><li>Esta é a festa à qual me referi. </li></ul><ul><li>Este é o filme ao qual me referi. </li></ul><ul><li>Estas são as festas às quais me referi. </li></ul><ul><li>Estes são os filmes aos quais me referi. </li></ul>
  18. 18. A Crase <ul><li>Casos especiais: </li></ul><ul><li>4) Crase com os pronomes demonstrativos aquele (s), aquela (s), aquilo . </li></ul><ul><li>Sempre que o termo antecedente exigir a preposição “a” e vier seguido dos pronomes demonstrativos: aquele, aqueles, aquela, aquelas, aquilo , haverá crase. </li></ul><ul><li>Falei àquele amigo. </li></ul><ul><li>Dirijo-me àquela cidade. </li></ul><ul><li>Aspiro a isto e àquilo. </li></ul><ul><li>Fez referência àquelas situações. </li></ul>
  19. 19. A Crase <ul><li>Casos especiais: </li></ul><ul><li>5) Crase depois da preposição até . </li></ul><ul><li>Se a preposição “até” vier seguida de um nome feminino, poderá ou não ocorrer a crase. Isto porque essa preposição pode ser empregada sozinha (até) ou em locução com a preposição a ( até a ). </li></ul><ul><li>Chegou até à muralha. </li></ul><ul><li>(locução prepositiva = até a ) </li></ul><ul><li>Chegou até a muralha. </li></ul><ul><li>(preposição sozinha = até) </li></ul>
  20. 20. A Crase <ul><li>Casos especiais: </li></ul><ul><li>6) Há / a </li></ul><ul><li>Nas expressões indicativas de tempo, é preciso não confundir a grafia do “a” (preposição) com a grafia do “há” (verbo haver). </li></ul><ul><li>Para evitar enganos, basta lembrar que, nas referidas expressões : </li></ul><ul><li> “ a” (preposição) indica tempo futuro (a ser transcorrido); </li></ul><ul><li> “ há” (verbo haver) indica tempo passado (já transcorrido). </li></ul><ul><li>Daqui a pouco terminaremos a aula. </li></ul><ul><li>Há pouco recebi o seu recado. </li></ul>
  21. 21. A Crase <ul><li>Algumas locuções com crase: </li></ul><ul><li>à bala, à beça, à beira-mar, à busca (de), à custa (de), à disposição, à espera, à esquerda, à medida que, à flor da pele, à mostra, à mesa, à prestação, à parte, às mil maravilhas, à solta, à vontade, à toa, à risca, etc. </li></ul>
  22. 22. A Crase <ul><li>Algumas locuções sem crase: </li></ul><ul><li>a álcool, a diesel, a cargo de, a cavalo, a dedo, a ferro e fogo, a gasolina, a fundo, a lápis, a jato, a juros, a lenha, a par, a pé, a pedidos, a prazo, a rigor, a seco, a serviço, a sós, a valer, a zero, avião a jato, a toda, etc. </li></ul>
  23. 23. A Crase / Exercícios <ul><li>1) Agradeço ( _ ) Vossa Senhoria ( _ ) oportunidade para manifestar minha opinião ( _ ) respeito. a) a – a – a; b) à – à – a; c) à – a – a; d) a – à – a; e) à – a – à. </li></ul>
  24. 24. A Crase / Exercícios <ul><li>2) Peço __ senhora que estude, uma __ uma, as questões submetidas __ aprovação: a) à - a - à; b) a - a - à; c) a - à - à; d) à - à - à; e) à - à - a </li></ul>
  25. 25. A Crase / Exercícios <ul><li>3) Assinale a frase em que o “a” sublinhado deve receber o acento de crase: a) obedeça as regras de trânsito; b) encontraram-se face a face; c) dirijo-me agora a vossa excelência; d) é uma campanha digna, a cuja disposição me ponho; e) peço a você que não deponha o candidato. </li></ul>
  26. 26. A Crase / Exercícios <ul><li>4) Assinale a frase em que há o uso errado da crase: a) quando o navio chegou, ele desceu logo à terra; b) vou à cidade hoje; c) vou à reunião contigo; d) pagou tudo à vendedora; e) chegou tarde à missa. </li></ul>
  27. 27. A Crase / Exercícios <ul><li>5) “Foi obrigado ____ embarcar no trem que saía ____onze horas, mas mostrou ____ todos seu descontentamento”. a) a - as - à; b) às - as - a; c) a - às - a; d) à - às - a; e) a - às - à. </li></ul>
  28. 28. A Crase / Exercícios <ul><li>6) “ ___ hora prevista, todos se dirigiram ___ sala principal para assistir ___ cerimônia”. a) a - a - a; b) a - à - a; c) à - à - à; d) há - à - à; e) há – a – a . </li></ul>
  29. 29. A Crase / Exercícios <ul><li>7) Na frase: “Tende a satisfazer as exigências do mercado” , substituindo-se “satisfazer” por “satisfação”, tem-se a forma correta: a) tende à satisfação as exigências do mercado; b) tende a satisfação as exigências do mercado; c) tende a satisfação das exigências do mercado; d) tende a satisfação às exigências do mercado; e) tende à satisfação das exigências do mercado. </li></ul>
  30. 30. Narração <ul><li> Narrar é contar um fato, um episódio; todo discurso em que algo é CONTADO possui os seguintes elementos, que surgem conforme um fato vai sendo narrado: </li></ul><ul><li>onde? </li></ul><ul><li>quando? --- FATO --- com quem? </li></ul><ul><li>como? </li></ul>
  31. 31. Narração <ul><li> É por isso que numa narração predomina a AÇÃO : o texto narrativo é um conjunto de ações; assim sendo, a maioria dos VERBOS que compõem esse tipo de texto são os verbos de ação . O conjunto de ações que compõem o texto narrativo, ou seja, a história que é contada nesse tipo de texto, recebe o nome de ENREDO . </li></ul>
  32. 32. Narração <ul><li> As ações contidas no texto narrativo são praticadas pelas PERSONAGENS , que são justamente as pessoas envolvidas no episódio que está sendo contado (&quot;com quem?&quot;). As personagens são identificadas (nomeadas) no texto narrativo pelos substantivos próprios. </li></ul>
  33. 33. Narração <ul><li> Quando o narrador conta um episódio, às vezes (mesmo sem querer) ele acaba contando &quot;onde&quot; (=em que lugar) as ações do enredo foram realizadas pelas personagens. O lugar onde ocorre uma ação ou ações é chamado de ESPAÇO , representado no texto pelos advérbios de lugar* . </li></ul><ul><li>* abaixo, acima, lá, cá, aqui, ali, aí, acolá, além, aquém, atrás, fora, dentro, perto, longe, onde, aonde, através, diante, adiante, avante, defronte, etc. </li></ul>
  34. 34. Narração <ul><li> Além de contar onde, o narrador também pode esclarecer &quot;quando&quot; ocorreram as ações da história. Esse elemento da narrativa é o TEMPO , representado no texto narrativo através dos tempos verbais, mas principalmente pelos advérbios de tempo* . </li></ul><ul><li>* agora, hoje, amanhã, depois, ontem, anteontem, já, sempre, amiúde (frequentemente), nunca, jamais, ainda, logo, antes, cedo, tarde, ora, outrora (antigamente), então, brevemente, imediatamente, raramente, diariamente, etc. </li></ul>
  35. 35. Narração <ul><li> Toda narração apresenta uma INTRODUÇÃO (parte inicial da história, também chamada de prólogo ), um DESENVOLVIMENTO (a história propriamente dita, o meio, ou &quot;miolo&quot; da narrativa) e uma CONCLUSÃO , ou seja, o final ou epílogo . </li></ul><ul><li> Aquele que conta a história é o NARRADOR , que pode ser PESSOAL (narra em 1ª pessoa = EU) ou IMPESSOAL (narra em 3ª pessoa = ELE). </li></ul>
  36. 36. Narração / Exemplo <ul><li>“ Além do espelho, lembranças. </li></ul><ul><li>Um dia, quando encerrava meu trabalho, fixei a atenção em um simples objeto da minha sala. Caminhei , paulatinamente, ao seu encontro e, à medida que me aproximava, sentia meu ego explodir em sensações indescritíveis. </li></ul><ul><li>Ali, diante dele, parei . Meu reflexo testemunhava as marcas do passado e trazia, à tona, as lembranças da infância e da adolescência. As imagens, agora, misturavam-se , comprometendo minha lucidez. Senti meu corpo flutuar e minha visão apagar-se, de forma que eu me concentrava em recordações, apenas. </li></ul>
  37. 37. Narração / Exemplo <ul><li>Assim, momentos depois, revia meus irmãos e vizinhos correndo em volta da mesa, mamãe fazendo o jantar, papai lendo o jornal, os cães brincando no jardim e, também, meus amigos de colégio, antigos casos amorosos. </li></ul><ul><li>Recuperei o bom senso, por um instante, mas não durou mais que isso, pois, novamente, brotam outros pensamentos: o nascimento dos filhos e a ascensão profissional. </li></ul><ul><li>Minutos depois, tudo acabara. Diante de mim havia só um espelho, cujo reflexo já não era de um cenário fantasioso de minha mente.” </li></ul>
  38. 38. Narração / Exercício <ul><li>Encontre no texto os seguintes elementos: </li></ul><ul><li>O QUÊ? - o fato que determina a história; </li></ul><ul><li>QUEM? - a personagem ou personagens; </li></ul><ul><li>COMO? - o enredo, o modo como se tecem os fatos; </li></ul><ul><li>ONDE? - o lugar onde se passa a história; </li></ul><ul><li>QUANDO? - o momento em que se passa os fatos; </li></ul>
  39. 39. Narração / Exercício <ul><li>O QUÊ? = o espelho </li></ul><ul><li>QUEM? = “eu” (narrador/personagem) não identificado por nome próprio </li></ul><ul><li>COMO? = o reflexo do espelho vai trazendo as lembranças do passado </li></ul><ul><li>ONDE? = “ali” “diante do espelho” </li></ul><ul><li>QUANDO? = presente e passado </li></ul>

×