• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Cultivo limão ricardo costa
 

Cultivo limão ricardo costa

on

  • 2,861 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,861
Views on SlideShare
2,861
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
18
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Cultivo limão ricardo costa Cultivo limão ricardo costa Document Transcript

    • Universidade Federal de Mato Grosso Campus Universitário do AraguaiaInstituto de Ciências Exatas e da Terra Curso de Agronomia Fruticultura Barra do Garças-MT Março de 2013
    • Universidade Federal do Mato Grosso Campus Universitário do AraguaiaInstituto de Ciências Exatas e da Terra Curso de Agronomia Cultivo de limão Discente: Ricardo Costa Trabalho realizado sob orientação do Professor Dr. Devanir Murakami Barra do Garças-MT Março de 2013
    • SUMÁRIO1- INTRODUÇÃO _____________________________________________________________________________________________________ 52- OBJETIVOS _________________________________________________________________________________________________________ 63- BOTÂNICA _________________________________________________________________________________________________________ 64- PRODUÇÃO DE MUDAS CERTIFICADAS ________________________________________________________________________ 74.1 FORMAÇÃO DE PORTA-ENXERTOS __________________________________________________________________________________ 74.1.1 RECIPIENTES PARA SEMEADURA__________________________________________________________________________________ 84.1.2 SUBSTRATOS PARA SEMEADURA _________________________________________________________________________________ 84.1.3 SEMEADURA ________________________________________________________________________________________________________ 104.1.4 IRRIGAÇÃO __________________________________________________________________________________________________________ 104.1.5 CONDUÇÃO DOS PORTA-ENXERTOS ____________________________________________________________________________ 104.1.6 RECIPIENTE DEFINITIVO _________________________________________________________________________________________ 114.1.7 TRANSPLANTIO ____________________________________________________________________________________________________ 114.2 FORMAÇÃO DE MUDAS ______________________________________________________________________________________________ 124.2.1 ENXERTIA ___________________________________________________________________________________________________________ 124.2.2 ADUBAÇÃO E IRRIGAÇÃO _________________________________________________________________________________________ 124.2.3 CONTROLE DE PRAGAS E DE DOENÇAS _________________________________________________________________________ 134.2.4 CONDUÇÃO DO ENXERTO E FORMAÇÃO DA MUDA ___________________________________________________________ 134.2.5 PADRÃO DE QUALIDADE DAS MUDAS CERTIFICADAS _______________________________________________________ 144.2.6 ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE_____________________________________________________________________________ 154.2.7 CONTROLE DE QUALIDADE DURANTE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DAS MUDAS ________________________ 155- SELEÇÃO DE CLONES ___________________________________________________________________________________________ 16
    • 5.1 PORTAS-ENXERTO ___________________________________________________________________________________________________ 176- INSTALAÇÃO DO POMAR ______________________________________________________________________________________ 196.1 TEMPERATURA_______________________________________________________________________________________________________ 196.2 SOLOS __________________________________________________________________________________________________________________ 196.3 TIPOS DE MUDAS_____________________________________________________________________________________________________ 196.4 PREPARO DA ÁREA __________________________________________________________________________________________________ 206.5 MARCAÇÃO DAS COVAS, ESPAÇAMENTO E ADUBAÇÃO DE FUNDAÇÃO ______________________________________ 206.6 PLANTIO _______________________________________________________________________________________________________________ 217- MANEJO DA CULTURA__________________________________________________________________________________________ 237.1 TRATOS CULTURAIS _________________________________________________________________________________________________ 237.2 DESBROTA ____________________________________________________________________________________________________________ 247.3 PODA DE LIMPEZA ___________________________________________________________________________________________________ 247.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ______________________________________________________________________________ 247.5 IRRIGAÇÃO ____________________________________________________________________________________________________________ 247.6 CULTURAS INTERCALARES _________________________________________________________________________________________ 257.7 ADUBAÇÃO ____________________________________________________________________________________________________________ 257.7.1 ADUBAÇÃO DE FORMAÇÃO (ATÉ PRIMEIRA PRODUÇÃO) ___________________________________________________ 257.7.2 ADUBAÇÃO DE PRODUÇÃO _______________________________________________________________________________________ 267.7.3 ADUBAÇÃO FOLIAR COM MICRONUTRIENTES ________________________________________________________________ 267.7.4 ADUBAÇÃO ORGÂNICA _____________________________________________________________________________________ 288- PRINCIPAIS PRAGAS ___________________________________________________________________________________________ 298.1 ORTÉZIA (ORTHEZIA PRAELONGA) ________________________________________________________________________________ 298.2 ESCAMA FARINHA (PINNASPSIS ASPIDISTRAE) __________________________________________________________________ 30 2
    • 8.3 ÁCARO DA FALSA FERRUGEM (PHYLLOCOPTRUTA OLEIVORA) _______________________________________________ 318.4 LARVA MINADORA DOS CITROS (PHYLLOCNISTIS CITRELLA) _________________________________________________ 318.5 PULGÃO-PRETO (TOXOPTERA CITRICIDUS) ______________________________________________________________________ 328.6 COCHONILHA CABEÇA-DE-PREGO (CHRYSOMPHALUS FICUS) _________________________________________________ 328.7 ÁCARO-BRANCO (POLYPHAGOTARSONEMUS LATUS) ___________________________________________________________ 338.8 COLEOBROCA _________________________________________________________________________________________________________ 338.9 FORMIGAS CORTADEIRAS __________________________________________________________________________________________ 348.10 BROCA DA LARANJEIRA (CRATOSOMUS FLAVOFASCIATUS) __________________________________________________ 348.11 CONCEITOS GERAIS ________________________________________________________________________________________________ 359- PRINCIPAIS DOENÇAS __________________________________________________________________________________________ 379.1 GOMOSE DE PHYTOPHTHORA DOS CITROS_______________________________________________________________________ 379.2 PODRIDÃO FLORAL DE COLLETOTRICHUM OU “ESTRELINHA” ________________________________________________ 389.3 TRISTEZA-DOS-CITROS _____________________________________________________________________________________________ 399.4 EXOCORTE ____________________________________________________________________________________________________________ 399.5 PODRIDÃO FOLIAR __________________________________________________________________________________________________ 409.6 ESTIOLAMENTO DAMPING-OFF ____________________________________________________________________________________ 409.7 VERRUGOSE ___________________________________________________________________________________________________________ 409.8 RUBELOSE _____________________________________________________________________________________________________________ 419.9 MELANOSE ____________________________________________________________________________________________________________ 4110- COLHEITA E CLASSIFICAÇÃO __________________________________________________________________________________ 4111- PÓS-COLHEITA __________________________________________________________________________________________________ 4112- PRODUÇÃO FORA DE ÉPOCA __________________________________________________________________________________ 4213- PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO____________________________________________________________________________ 42 3
    • 14- PRODUÇÃO PARA EXPORTAÇÃO _____________________________________________________________________________ 4315- CUSTOS PRODUÇÃO ____________________________________________________________________________________________ 4316- PADRÃO MÍNIMO DE QUALIDADE PARA O CONSUMO DO LIMÃO _______________________________________ 4416.1 EMBALAGEM ________________________________________________________________________________________________________ 4516.2 ROTULAGEM ________________________________________________________________________________________________________ 4516.3 TRANSPORTE _______________________________________________________________________________________________________ 4516.4 FICHA DE CONTROLE ______________________________________________________________________________________________ 4517- CONCLUSÃO _____________________________________________________________________________________________________ 4618- REFERÊNCIAS ___________________________________________________________________________________________________ 47 4
    • 1- Introdução O limão é o fruto do limoeiro (Citrus x limon), uma árvore da família dasrutáceas. Também conhecido como limão verdadeiro é originário da regiãosudeste da Ásia. Desconhecido para os antigos gregos e romanos, a primeirareferência sobre este citrino encontra-se no livro de Nabathae sobre agricultura,datando do século III ou IV. Trazido da Pérsia pelos conquistadores árabes, disseminou-se na Europa. Hárelatos de limoeiros cultivados em Gênova em meados do século XV bem comoreferências à sua existência nos Açores em 1494. Séculos mais tarde, em 1742,os limões foram utilizados pela marinha britânica para combater o escorbuto, masapenas em 1928 se obteve a ciência sobre a substância que combatia tal doença,batizado ácido ascórbico ou vitamina C, na qual o limão proporciona em grandequantidade: o sumo do limão contém aproximadamente 500 miligramas devitamina C e 50 gramas de ácido cítrico por litro. Atualmente é uma das frutasmais conhecidas e utilizadas no mundo. Popularizou-se no Brasil durante achamada Gripe Espanhola (epidemia gripal de 1918), quando atingiu preçoselevados. Tudo no limão é aproveitável. Com seu suco preparam-se refrigerantes,sorvetes, molhos e aperitivos, bem como remédios, xaropes e produtos delimpeza. Da casca retira-se uma essência aromática usada em perfumaria e nopreparo de licores e sabões. Enfim, muitas são as utilidades deste cítrico fácil deachar durante o ano todo, nas suas diversas variedades. Em geral, todos os tipos de limão têm aspecto semelhante, embora mudem notamanho e na textura da casca, que pode ser lisa ou enrugada. Quanto à cor,variam do verde-escuro ao amarelo-claro, exceto uma das espécies, que seassemelha a uma mexerica. As variedades de limão mais conhecidas são:  Limão-galego: pequeno e suculento, de casca fina, cor verde-clara ou amarelo-clara;  Limão-siciliano grande, de casca enrugada e grossa, menos suculento e mais ácido que o galego, de cor verde. 5
    •  Limão-cravo: parecido com uma mexerica, tem casca e suco avermelhados e sabor bem forte, tem boa quantidade de suco, mas é sempre preferível escolher os maduros, pois têm maior valor nutritivo.  Limão-tahiti: de tamanho médio, casca verde e lisa, muito suculento e pouco ácido e quando maduro deve ceder à pressão dos dedos. O limão é uma excelente fonte de vitamina C, muito importante para combateras infecções, pois aumenta a resistência do organismo. Contém ainda vitamina Ae vitaminas do complexo 13, além de sais minerais, como cálcio, fósforo e ferro. Em Fitoterapia, é utilizado para diversas patologias, tais como reumático,infecções e febres, aterosclerose, combate ateromas (remove placas gordurosasdas artérias), constipações, gripes, dores de garganta, acidez gástrica e úrica(alcaliniza o sangue), frieiras, caspas, cicatrizações, ajuda a manutenção decolágeno, hemoglobina, atua como anti-séptico entre outras. O limão possui umasubstância própria denominada limoneno capaz de combater os radicais livres. É,fundamentalmente, um remédio tônico que ajuda a manter a boa saúde. Os limões contêm uma grande quantidade de ácido cítrico, o que lhes confereum gosto ácido. No suco de limão, essa acidez chega a um pH de 2 a 3, emmédia.2- Objetivos Informações sobre plantio e cultivo do limão, bem como suas pragas edoenças, comercialização e importância econômica do fruto.3- Botânica O limoeiro é uma árvore de porte médio, atingindo 4 m de altura, possui troncoreto, com copa densa e arredondada. Suas flores apresentam botõesavermelhados e pétalas com tonalidades brancas e amareladas, nascem emgrupos de 2 a 20 unidades. Os frutos possuem formato arredondado, com cascalisa ou ligeiramente rugosa e com coloração esverdeada, a polpa se apresenta naforma esbranquiçada, suculenta, que envolve um líquido translúcido. Algumasvariedades não possuem sementes Propaga-se preferencialmente por enxertia, 6
    • preferindo clima e solos semelhantes ao da laranja. A colheita pode ser feita aolongo do ano, dependendo da época de plantio. No Brasil, o limão com maior importância comercial é o ‘Tahiti’, estimando-seque sua área plantada é de aproximadamente 40 mil ha. Contudo o ‘Tahiti’ ou‘Taiti’ (Citrus latifolia Tanaka) Dicotyledonae, Rutaceae. na realidade não é umlimão verdadeiro, sendo considerado lima ácida. Dentre as várias espéciescítricas, o ‘Tahiti’ é considerado um dos mais precoces, iniciando sua produção apartir do segundo ano de plantio. O Estado de São Paulo é o primeiro produtorbrasileiro, representando quase 73% de toda a produção nacional, seguido do Riode Janeiro e Rio Grande do Sul. Com porte variando de médio á grande a planta é expansiva, curvada,vigorosa; as folhas adultas apresentam cor verde e são lanceoladas, as folhasnovas e os brotos apresentam cor purpúrea. A floração ocorre ao longo do ano(principalmente setembro e outubro); os frutos são ovais, oblongos ou levementeelípticos, apresentando casca fina, superfície lisa e coloração amarelo-pálida namaturação, chegando ao estágio final de maturação em torno de 120 dias após afloração, as sementes são raras ou ausentes. O suco representa 50% do peso dofruto; tem teores médios de 9% (brix), acidez em torno de 6% e 20 a 40 mg deácido ascórbico (Vitamina C).4- Produção de mudas certificadas A muda de limão, assim como de uma série de outras fruteiras, é compostapela combinação de uma variedade porta-enxerto com uma variedade copa,sendo exigidos critérios específicos em relação à formação dos porta-enxertos eda muda propriamente dita. 4.1 Formação de porta-enxertos Em se tratando de mudas certificadas, os porta-enxertos devem serproduzidos no interior de ambiente protegido, a partir de sementes de plantas-matrizes ou de sementeiras registradas. As matrizes devem apresentarcaracterísticas genéticas e sanitárias bem definidas, podendo ser cultivadas emcondições de campo. Recomenda-se que sejam indexadas para viroses e declínio 7
    • a cada cinco anos e, anualmente, para CVC, antes da retirada das sementes. Osporta-enxertos podem ser adquiridos, em tubetes prontos para o transplantio emembalagens definitivas, ou ser produzidos no próprio viveiro. Normalmente, osviveiristas têm optado por produzir seus próprios porta-enxertos. Nos casos decompra, o viveirista deve obter um documento que comprove a procedência domaterial, especificando a origem, variedade e quantidade de porta-enxertosadquiridos. Este documento deve ser uma nota fiscal ou fatura. Geralmente, aprodução de porta-enxertos tem sido realizada no mesmo telado utilizado para aprodução das mudas. Visando uniformizar os tratos culturais e utilizar condiçõesde temperatura e de umidade mais favoráveis à germinação e aodesenvolvimento inicial das plântulas, alguns viveiristas têm produzido os porta-enxertos em telados separados das mudas enxertadas. 4.1.1 Recipientes para semeadura Os porta-enxertos podem ser semeados em tubetes plásticos, bandejas ouembalagens definitivas. Os tubetes de 50 cm3, em forma cônica, com quatro aseis estrias longitudinais, são os recipientes mais recomendados pela facilidadede manipulação, permitindo a distribuição das plântulas em lotes homogêneos, epor proporcionarem uma melhor circulação de ar entre as plântulas. Nesse tipo derecipiente, as raízes crescem em direção ao orifício basal, havendo a morte domeristema da raiz pivotante com conseqüente emissão de raízes secundárias.Os tubetes devem ser dispostos em bandejas plásticas perfuradas, as quaisdevem ser mantidas suspensas sobre cabos, com esticadores ou telas metálicasgalvanizadas, fixados sobre mourões de madeira ou cimento. Após o uso, ostubetes e as bandejas devem ser desinfetados via tratamento térmico ou comprodutos químicos, como o hipoclorito de sódio a 1%. 4.1.2 Substratos para semeadura O substrato deve apresentar propriedades físicas e químicas adequadas parao desenvolvimento das plantas, sendo as físicas determinantes por serem dedifícil correção. O substrato deve ser leve para facilitar o manuseio e o transporte,apresentar boa porosidade, drenagem e capacidade de retenção de água, ser 8
    • suficientemente consistente para fixar as plantas, isento de patógenos de solo,não conter sementes ou propágulos de plantas daninhas, não contercomponentes de fácil decomposição, possuir composição uniforme para facilitar omanejo das plantas e apresentar um custo compatível com a atividade.Segundo as normas e padrões da Secretaria da Agricultura e Abastecimento,osubstrato deve estar isento dos fungos Armillaria sp., Phytophthora spp.,Rhizoctonia solani, Rosellinea sp. e Sclerotinia sp. e dos nematóides Meloidogynespp., Pratylenchus spp. e Tylenchulus semipenetrans, devendo ser analisado emlaboratório credenciado pela Entidade Certificadora e Fiscalizadora do Estado.Conhecendo as propriedades de um substrato ideal, o viveirista pode optar pelaprodução própria ou aquisição junto a empresas especializadas, analisandosempre a qualidade, o custo e a facilidade de obtenção. Os principaiscomponentes utilizados pelos viveiristas para a produção própria de substratosão: terra tratada, areia e esterco curtido. A desinfestação desses componentespode ser feita por solarização em coletor solar ou em sacos plásticostransparentes. A desinfecção química, com fumigantes, e a térmica, porautoclavagem (110-120ºC) não são recomendadas por prejudicarem odesenvolvimento da microflora benéfica do substrato. A maioria dos viveiros decitros tem utilizado substratos comerciais constituídos de casca de pinos, palha dearroz, serragem, bagacilho de cana, vermiculita, perlita, argila expandida, húmusou turfa. Cada substrato exige um manejo diferente, desde a fertilização até airrigação, em função de propriedades específicas. Por isso, é muito importantetrabalhar com um mesmo substrato, o qual, obrigatoriamente, tem que apresentarlotes uniformes. Antes da distribuição nos recipientes, recomenda-se que sejarealizada a análise de fertilidade do substrato, seguida de correção química. Estaé essencial para maximizar o desenvolvimento das plantas. Nessa fase,normalmente é necessário acrescentar nitrogênio, fósforo e cálcio ao substrato. Ofósforo deve ser adicionado antes da semeadura, enquanto que os demaisnutrientes podem ser aplicados em cobertura, por meio de formulações deliberação lenta, ou semanalmente, via fertirrigação. A salinização do substrato éum dos problemas mais freqüentes no cultivo de plantas em recipientes. Por isso,deve-se tomar bastante cuidado com a aplicação de fertilizantes em excesso. Atoxidez por sais provoca necrose de folhas, desidratação, redução do 9
    • crescimento, e, até mesmo, a morte de plantas. A correção do nível de sais podeser feita lixiviando-os, por meio de irrigação em excesso. 4.1.3 Semeadura Primeiramente, as sementes devem ser submetidas a um tratamento térmico a52ºC por 10 minutos. Alguns viveiristas têm retirado o tegumento externo dassementes com a finalidade de melhorar a sanidade, acelerar e uniformizar agerminação, embora seja uma atividade bastante trabalhosa. A semeadura podeser feita utilizando-se de 1 a 3 sementes por tubete, dependendo da variedade eda porcentagem de germinação do lote de sementes. Pode-se utilizar aprofundidade de 2 a 3 cm. 4.1.4 Irrigação Durante a germinação e o desenvolvimento inicial dos porta-enxertos, airrigação deve ser feita manualmente ou por meio de aspersores, de forma a nãodescobrir as sementes. A água de irrigação deve ser tratada com cloro ativo ouser proveniente de poço artesiano. No caso de tratamento da água, recomenda-se a adição de cloro na concentração de 3 a 5 ppm.Nessa concentração ocorre ainativação dos zoósporos de Phytophthora. Deve-se tomar cuidado para nãoutilizar uma concentração excessiva de cloro, o que pode causar toxidez àsplantas. No caso da utilização de água de poço artesiano, deve-se avaliar apresença e a quantidade de sais. 4.1.5 Condução dos porta-enxertos A área do viveiro deve ser livre de detritos vegetais, inclusive aquelesdecorrentes do processo de produção das próprias mudas. Os porta-enxertosdevem ser conduzidos em haste única, sendo realizada desbrota semanal.Normalmente, as plantas atípicas e de crescimento debilitado apresentamnatureza híbrida, devendo ser eliminadas. A taxa de ocorrência destes híbridosdepende da espécie do porta-enxerto, sendo inversamente proporcional a suataxa de poliembrionia. Para facilitar o manejo, as plantas de cada variedade 10
    • devem ser separadas em lotes mais homogêneos, normalmente aos 70-80 diasda semeadura. 4.1.6 Recipiente definitivo O recipiente definitivo das mudas deve apresentar dimensões mínimas de 10cm de largura por 30 cm de altura. Esse recipiente desempenha um papeldeterminante no desenvolvimento do sistema radicular das mudas, influindo naformação e na configuração das raízes. No caso de mudas de citros, osrecipientes podem ser de plástico rígido ou de polietileno. Os vasos de plásticorígido são comercialmente denominados de citrovasos ou citropotes. Possuem avantagem de apresentar estrias longitudinais, como os tubetes, para direcionar ocrescimento das raízes para o fundo do recipiente, evitando o seu enovelamento.A suspensão dos vasos em bancadas é essencial para esse comportamento dasraízes. Os vasos de plástico rígido apresentam um custo maior do que os depolietileno, porém são reutilizáveis. Os recipientes de polietileno, tambémchamados de sacolas plásticas, apresentam um custo menor, não ocupamespaço quando vazios e são descartáveis, não havendo necessidade de retorno,realização de lavagens e riscos de contaminação com patógenos de outras áreas,porém podem rasgar com certa facilidade e estão sujeitos à ocorrência deenovelamento de raízes, devido às superfícies lisas do recipiente, principalmentese houver atraso no plantio das mudas. Com relação ao substrato, valem asmesmas observações efetuadas na fase de semeadura e de desenvolvimentoinicial dos porta-enxertos. 4.1.7 Transplantio Dependendo da variedade e das condições de cultivo, os porta-enxertosapresentam 10 a 15 cm de altura, após 3 a 5 meses de cultivo, estando aptos aserem transplantados para os recipientes definitivos, onde será completada aformação das mudas. Por ocasião do transplantio, deve-se evitar o enrolamentode raízes na região do colo das plantas, o que diminui o vigor dos porta-enxertos.O transplantio das plantas deve ser feito com o torrão, de forma a não lesionar osistema radicular, evitando a interrupção do crescimento dos porta-enxertos. 11
    • 4.2 Formação de mudas 4.2.1 Enxertia Dependendo da variedade e condições de cultivo, os porta-enxertos estãoaptos para a enxertia 3 a 6 meses após o transplantio. Para a produção de mudascertificadas, as borbulhas devem ser obtidas de plantas matrizes ou deborbulheiras registradas, cultivadas em ambiente protegido e inspecionadas,periodicamente, com relação a mutações e à sanidade, principalmente clorosevariegada dos citros, cancro cítrico, tristeza e outras viroses. O viveirista devepossuir um comprovante de origem das borbulhas, que pode ser uma nota fiscalou fatura que especifique a origem, a espécie, a cultivar e a quantidade dematerial adquirido. As borbulhas são fornecidas em ramos chamados de porta-borbulhas. Trata-se de ramos desfolhados de aproximadamente 30 a 40 cm,contendo borbulhas maduras. A enxertia deve ser realizada a uma altura de 10 a20 cm a partir do colo da planta para a maioria das variedades. Somente para oslimões verdadeiros e para a lima ácida Tahiti, a altura da enxertia deve ser entre20 e 30 cm. Para a enxertia, devem ser retiradas as folhas e os espinhos até 30cm do colo do porta-enxerto. Esta operação deve ser realizada no dia da enxertia,pois se feita anteriormente dificulta o desprendimento da casca. O aumentoprogressivo da irrigação nos dias que antecedem a enxertia é recomendado paramelhorar o desprendimento da casca. A enxertia deve ser feita por borbulhia, emT normal ou invertido, sendo fixada com fita plástica normal ou degradável. 4.2.2 Adubação e irrigação A formulação dos adubos e a frequência de adubação variam em função davariedade e da composição do substrato. De uma forma geral, recomenda aaplicação semanal, via água de irrigação, de nitrato de potássio, nitrocálcio ou defosfato monoamônico, na proporção de 2 a 4 g por planta, e a aplicação foliar denitrogênio, zinco, manganês, boro e ferro, quinzenalmente, juntamente com ostratamentos fitossanitários. No entanto, para uma adubação equilibrada,recomenda-se o monitoramento do estado nutricional das plantas por meio de 12
    • análise foliar e do substrato, procedendo-se as correções em cobertura, via águade irrigação ou da forma convencional, de acordo com a necessidade denutrientes. A irrigação pode ser feita manualmente, por aspersão ou de formalocalizada em cada recipiente. A irrigação localizada por gotejo, vaso a vaso, évantajosa para a produção de mudas sadias, por evitar a umidade excessiva notronco, ramos e folhas e a lavagem de defensivos, além de possibilitar a adiçãode fertilizantes solúveis. As desvantagens desse sistema referem-se ao maiorcusto e ao encharcamento de alguns recipientes devido ao consumo diferenciadode água pelas plantas em diferentes fases de desenvolvimento e em função daespécie de porta-enxerto. 4.2.3 Controle de pragas e de doenças O manejo de pragas e de doenças deve ser preventivo e rigoroso, evitandoprejuízos à qualidade e ao desenvolvimento das mudas. Deve-se realizar,quinzenalmente, pulverizações com combinações de produtos de ação inseticida,acaricida e fungicida, alternando os princípios ativos para evitar a proliferação depatógenos e de pragas resistentes. A tela citros, de 1 mm2, controla a entrada damaioria dos insetos-praga e vetores de doenças. Porém, fungos e ácaros podementrar pelos orifícios da tela e algumas espécies de cigarrinhas, pulgões,cochonilhas e insetos adultos de minador pela própria porta do telado. Por isso,além das pulverizações preventivas, o viveiro deve ser inspecionadopermanentemente, procedendo-se, caso necessário, um controle químicoadicional com produtos específicos para a praga ou patógeno encontrado. O usode armadilhas amarelas com cola adesiva na antecâmara e no interior do telado éessencial para o monitoramento e controle de insetos, principalmente decigarrinhas, que são atraídas por essa coloração. 4.2.4 Condução do enxerto e formação da muda A remoção do fitilho não degradável deve ser realizada 15 a 20 dias após aenxertia, quando se verifica o pegamento. Caso este não ocorra, pode-se enxertarnovamente no lado oposto do caule, cinco dias após o corte do fitilho. Para forçar 13
    • a brotação, pode ser feito o encurvamento do porta-enxerto, segurando com umadas mãos a 10 cm acima do enxerto e curvando com a outra a parte superior daplanta até prender na base da muda. Outra técnica utilizada para forçar abrotação, consiste em proceder o corte do porta-enxerto 5 cm acima da enxertia,no momento da retirada do fitilho. O pedaço de ramo remanescente deve sercortado, 15 dias antes da expedição das mudas. A região do corte deve sertratada com pasta cúprica. Uma única brotação deve ser conduzida de formatutorada até o amadurecimento do ramo. O tutoramento pode ser feito commateria galvanizado ou não. O tutor deve ser fino, firme e estreito, para evitarlesões no sistema radicular das mudas no momento em que é introduzido nosubstrato. Neste sistema de produção de mudas não são formadas "pernadas"ou ramos laterais, como no sistema tradicional em campo. Para tanto, as plantasteriam que permanecer por mais tempo nos recipientes, o que poderia provocarenovelamento do sistema radicular. Desta forma, as mudas são produzidas ecomercializadas em haste única, sendo chamadas de muda vareta, pavio oupalito. A haste principal da muda vareta deve ser podada a 50-70 cm para aslimas ácidas e limões verdadeiros, medidos a partir do colo da planta, devendoapresentar tecido já amadurecido. Para facilitar a identificação e evitar a troca demateriais, recomenda-se a utilização de um código de cores para as variedadescopa e porta-enxerto, com aplicação de tinta na região abaixo e acima do pontode enxertia. A idade máxima para o plantio é de 18 meses após a semeadura dosporta-enxertos para as mudas de haste única. Este critério é fundamental paraevitar o enovelamento das raízes. De forma geral, as mudas tipo palito,produzidas em ambiente protegido, apresentam um pegamento e vigor superioràs mudas produzidas em viveiros a céu aberto, em virtude, principalmente, daqualidade do sistema radicular. Após a retirada de cada lote de mudas do viveiro,deve-se realizar a desinfecção dos pisos, paredes e bancadas com hipoclorito desódio a 5% ou formaldeído a 1%. 4.2.5 Padrão de qualidade das mudas certificadas O enxerto e o porta-enxerto devem constituir uma haste única, ereta e vertical,tolerando-se um desvio de no máximo 15 graus. As mudas certificadas devem 14
    • apresentar um diâmetro mínimo de 0,7 cm, 5 cm acima do ponto de enxertia. Asmudas devem apresentar sistema radicular bem desenvolvido, com raiz principalreta com pelo menos 20 cm de comprimento, sem raízes enoveladas, retorcidasou quebradas. As mudas não devem apresentar ramos quebrados ou lascados.Após o recebimento de parecer favorável nas inspeções de pós-semeadura, pós-transplantio, pós-enxertia e de liberação, e das análises laboratoriais, a muda oulote de mudas aprovados pela entidade certificadora receberão as etiquetas e ocertificado de garantia, podendo ser comercializadas. As mudas devem receberetiquetas, nas quais devem constar o nome e o número de registro do produtor, oendereço do viveiro e a identificação das variedades porta-enxerto e copautilizadas. As mudas produzidas para certificação que não atenderem os padrõesmorfológicos, mas que se enquadrarem nos demais padrões de qualidade,poderão ser comercializadas como "Mudas Fora de Padrão Morfológico". 4.2.6 Armazenamento e transporte As mudas certificadas poderão ser armazenadas fora do viveiro, em bancadascom altura mínima de 30 cm do solo, por um período não superior a 15 dias,devendo permanecer protegidas do ataque de insetos vetores em áreas deincidência de CVC e de tristeza. Os caminhões utilizados para o transporte dasmudas devem ser lavados e desinfetados com amônia quaternária antes docarregamento. Estes devem ser preferencialmente fechados ou cobertos com telacom malha inferior a 1 mm2. 4.2.7 Controle de qualidade durante o processo de produção das mudas Independentemente das inspeções oficiais, os viveiristas devem realizar umcontrole próprio para aprimorar a qualidade das mudas. É aconselhável arealização de inspeções visuais e de análises laboratoriais periódicas para osprincipais patógenos durante todo o processo de produção, para que, no caso deser encontrado algum patógeno, o lote seja eliminado antes do final do ciclo e deforma a não contaminar os demais. Para o diagnóstico de patógenos do gêneroPhytophthora e de nematóides nocivos aos citros, deve-se amostrar pelo menos 15
    • 10 mudas por lote de mil plantas. As amostras devem ser retiradas em fasesdistintas de desenvolvimento das mudas. Na primeira, antes do transplantio dosporta-enxertos, deve-se coletar amostras do substrato, que será utilizado noenchimento dos recipientes definitivos, e amostras de substrato e de radicelas dostubetes onde se encontram os porta-enxertos prontos para transplantio. Caso sejadetectado algum patógeno, o lote de substrato ou de porta-enxertos deve sereliminado, evitando os custos de enchimento dos recipientes definitivos. Na fasefinal, 20 dias antes da expedição das mudas, deve-se coletar amostras desubstrato e radicelas a uma profundidade de 20 cm do colo das plantas. Para isto,pode-se utilizar amostradores semelhantes aos utilizados para a amostragem desementes ou de solo, porém de tamanho menor. Durante a coleta das amostras,deve-se evitar lesões nas radicelas, devendo o equipamento amostrador serdesinfestado com álcool hidratado a cada mudança de lote. O viveirista tambémpode realizar amostragens intermediárias, caso deseje maior segurança. Para odiagnóstico da bactéria Xylella fastidiosa, causadora da clorose variegada doscitros, devem ser amostrados lotes de mil plantas, coletando-se, no mínimo, 20folhas de cada lote. Deve-se retirar uma folha por muda, escolhida aleatoriamentedentro do lote. Esta amostragem deve ser realizada somente na fase final deprodução das mudas, sendo escolhidas as folhas maduras de coloração verde-oliva. A realização de testes para o cancro cítrico e para a mancha-preta emlaboratórios credenciados também é recomendada.5- Seleção de clones O plantio de mudas de boa qualidade garante o sucesso de um pomar no quese refere a sua produtividade, menor incidência de doenças, longevidade dasplantas e um pomar economicamente viável. Sendo assim, deve-se sempreprocurar adquirir mudas produzidas sob telado de viveiros certificados.Os principais clones utilizados no Brasil são o ‘IAC-5’ ou ‘Peruano’ e o ‘Quebra-galho’. a) ‘ Peruano’ ou ‘IAC-5’ Apresenta copa vigorosa, o que proporciona menor incidência de luz 16
    • no interior da copa. Os frutos são redondos, com casca bem rugosa e commaior durabilidade pós-colheita, em comparação ao clone ‘Quebra-galho’.A produção desse clone é em torno de 200 Kg/planta/ano. b) ‘Quebra-galho’ Esse clone pode ser contaminado com o complexo de viróides da exocorte, oque proporciona menor porte, rachaduras no tronco (motivo do nome ‘Quebra-galho’) e grande variação entre as árvores de um mesmo talhão. Esse clone é omais preferido pelos citricultores do Estado de São Paulo, pelo fato de ocorrer devárias floradas durante o ano, benefício adquirido devido à presença da exocorte. A copa é menos vigorosa, permitindo, assim, maior arejamento e incidência deluz no interior da copa. Os frutos são alongados e com casca lisa. As plantasapresentam hipertrofia do cálice (ocasionando queda dos frutos). Sua produçãovaria de 120 a 150 Kg/planta/ano. A muda utilizada deve sempre ser de indiscutível qualidade e obedecer àsseguintes exigências:  Ter procedência e sanidade garantidas;  Enxertia feita a 25-30 cm de altura;  Possuir três a quatro galhos a cerca de 60 cm do solo;  O sistema radicular deve ser bem desenvolvido, sem raízes enoveladas;  Copa e porta-enxerto não deverão apresentar uma diferença de diâmetro maior do que 0,5cm;  O corte do porta-enxerto deve estar cicatrizado e a planta não deve apresentar ramos quebrados, ou lascados. As mudas podem ser de torrão, ou raiz nua, sendo que estas últimas devemestar amarradas em feixes. 5.1 Portas-enxerto O limão ‘Cravo’ é o porta-enxerto utilizado na quase totalidade dos pomares,muito mais pela tradição do uso deste cavalo e pela falta de estudos de porta-enxertos alternativos do que por razões técnicas. Apesar de induzir boasproduções logo nos primeiros anos e mantê-las durante a vida útil da planta, a 17
    • combinação do garfo, por exemplo o “Tahiti’ sobre limão ‘Cravo’ tem vida útil curtapor ser muito atacada pela gomose de Phytophthora, o que foi comprovado numexperimento de porta-enxertos conduzido na EECB, onde aos nove anos doplantio, 100% das plantas sobre limão ‘Cravo’ estavam mortas, principalmentedevido à gomose. Outros cavalos indutores de boa produtividade apresentaramno máximo 40% de plantas mortas. Entre estes porta-enxertos pode-se destacar,em ordem decrescente, o citrange ‘Morton’, o tangelo ‘Orlando’, o citrumelo‘Swingle’ ou 4475, o Trifoliata, e o limão ‘Volcameriano’. Neste estudo, astangerinas confirmaram seu mau desempenho como porta-enxertos para ‘Tahiti’.A tangerina ‘Cleópatra’, que é um porta-enxerto recomendado para ‘Tahiti’,induziu uma produtividade muito inferior à dos melhores cavalos (mais de meiacaixa), entretanto, quando a copa é o clone microenxertado do CNPMF, a suaprodutividade é boa e o tamanho das plantas, aos nove anos de idade, é maior(altura média de 4,5 m e diâmetro da copa de 6,1 m) com apenas 20% de plantasmortas. Possivelmente, estas diferenças existam devido aos clones, que são deorigens distintas. O citrumelo ‘Swingle’, além da boa produtividade e nula mortalidade deplantas, possui boa tolerância à seca, e, induz menor altura das plantas e menordiâmetro da copa, o que facilita a colheita e permiti a instalação de pomaresligeiramente mais adensados que os porta-enxertos citrange ‘Morton’ e tangelo‘Orlando’ e com a mesma densidade do limão ‘Cravo’. O Trifoliata, entre os porta-enxertos que se destacaram, é o que permiti maior aumento da densidade deplantio, além de ser o que induzi menor altura de plantas. Para se obter maior redução do porte das plantas de limão, como por exemploo ‘Tahiti’, uma das alternativas é o uso de porta-enxertos ananicantes, como oPoncirus trifoliata cv. Flying Dragon.(FD). Esses tipos de citros estão sendotestado como cavalo para ‘Tahiti’. A primeira safra pode ser colhida aos dois anosdo plantio, enquanto o padrão (Macrophylla) só produz no terceiro ano, quando amédia de produtividade é de 12 t/ha para a combinação ‘Tahiti’/ FD, plantada comdensidade de 1000 plantas/ha, contra 4,4 da combinação ‘Tahiti’ /Macrophylla,plantada na densidade usual. O FD está sendo testado como porta-enxerto paraTahiti num experimento da EECB, onde o plantio foi feito em novembro de 1994,com quatro espaçamentos: 4 x 1, 4 x 1,5, 4 x 2 e 4 x 2,5. As principais 18
    • constatações são: produção de alguns frutos no segundo ano de plantio e boaqualidade externa dos frutos. A produtividade em toneladas por hectare alcançadaé muito boa, mas deve-se ter em mente que são informações preliminares, poucose sabe sobre a longevidade das plantas e que o FD apresenta extremasensibilidade à seca, o que torna obrigatório o uso de irrigação para pomarescomerciais. Em outros países, foram estudados muitos porta-enxertos para o‘Tahiti’. Entre os que apresentaram melhores produções de frutos de boaqualidade, na maioria dos experimentos, foram: Citrus macrophylla, laranja‘Azeda’ e limão ‘Volcameriano’. Um segundo grupo alternou bons e mausresultados, dependendo das condições. Entre eles estiveram: citrange, citrumelo,pomelo, kalpi (Citrus excelsa), limão ‘Cravo’, limão ‘Rugoso’, shekwasha (Citrusdepressa) e “sweet lime”.6- Instalação do pomar 6.1 Temperatura Dentre os fatores climáticos, a temperatura é o de maior importância,recomendando-se para o melhor desenvolvimento da cultura temperaturasmédias em torno de 25 a 31ºC. A região deve apresentar chuvas bem distribuídasao longo do ano, com precipitações que variam de 1.000 a 2.000 mm anuais. Emregiões onde ocorrem ventos fortes, recomenda-se a utilização de quebra-ventos,com espécies de eucalipto, gravilea, bananeira e capim napier, realizando otutoramento no plantio das mudas. 6.2 Solos Os solos mais adequados para o cultivo de limão são os solos arenosos alevemente argilosos, bem drenados, arejados, profundos e sem impedimento parapenetração das raízes. O pH ideal para a cultura deve variar de 5,5 a 6,5. Atopografia do local deve ser plana a levemente ondulada. 6.3 Tipos de mudas Devem resultar de enxertos sobre limão Cravo ou limão Rugoso queproporcionam crescimento rápido, boa produção, frutos de qualidade e maior 19
    • tolerância à seca, embora sensíveis à podridão radicular. Os enxertos sobretangerina Cleopatra são aceitáveis. A muda, de indiscutível qualidade, deve terprocedência e sanidade garantidas, enxertia feita a 25-30 cm de altura, possuirtrês a quatros ramos (galhos) a 60 cm do solo e raízes desenvolvidas, semestarem enoveladas. 6.4 Preparo da área Selecionada a área, as atividades de implantação consistem na roçagem,destoca e enleiramento do mato. Essas operações devem ser realizadas cinco aseis meses antes do plantio. Em seguida, efetuar a aração e a gradagem, quedevem ser realizadas três meses antes do plantio. A aplicação de corretivos aosolo (calcário) deve ser realizada em área total, elevando-se a saturação debases a 70%, calculando-se a quantidade de calcário a ser aplicada segundo umaanálise do solo realizada em área total, e aplicando-se a primeira metade daquantidade recomendada antes da aração e a segunda metade, antes dagradagem. 6.5 Marcação das covas, espaçamento e adubação de fundação Nivelado o terreno, efetua-se a marcação das covas. Os espaçamentos maisutilizados são de 7 x 6 m (238 plantas/ha) e 7 x 5 m (285 plantas/ha).Essesespaçamentos permitem a utilização de plantios intercalares. O cultivo intercalar éuma prática efetuada em pequenas e médias propriedades, devendo escolherculturas de baixo porte e ciclo curto, distantes de 1,5-2 m da linha de plantio do’Tahiti’. Uma boa opção é o uso de leguminosas (feijão ‘carioca’, feijão-de-porco,leucena, crotalaria e soja), pelo fato de essas plantas fixarem nitrogênioatmosférico, contribuindo para a redução dos adubos nitrogenados, normalmentefornecidos via solo, ou outras culturas, como abacaxi, amendoim, batata-doce,mandioca e milho. As covas devem ser preparadas 2 meses antes do plantio, com dimensões de60 x 60 x 60 cm. Cada cova deve receber 20 litros de esterco de curral, 250 g decalcário dolomítico, 300 g de superfosfato simples e 50 g de micronutrientes (FTEou Fritas). Em geral, invertem-se as camadas do solo da superfície e do fundo da 20
    • cova, aplicando-se metade do calcário dolomítico com esterco de curral na parteinferior, e a outra metade com adubo mineral, na porção superior da cova. Todosesses insumos devem ser bem misturados e colocados nas covas. Em plantios extensos recomenda-se dividir o pomar em talhões comcorredores para a melhor circulação de caminhões. O plantio deve ser feito em horas frescas do dia ou em dias nublados com osolo úmido. 6.6 Plantio Deve-se usar régua de plantio para bom alinhamento. Ajusta-se a muda nacova de modo que o colo da planta fique ligeiramente acima do nível do solo e osespaçamentos entre raízes cheios com terra. Após o plantio faz se necessáriofazer uma "bacia" em torno da muda, regando com abundância sem encharcar ecobrir solo com capim seco (sem sementes) ou com palha. No plantio definitivo, a abertura das covas pode ser feita manualmente ouutilizando-se trados, e estas devem ter 60 x 60 x 60 cm. Separa-se a terra dacamada superficial e da inferior e inverter sua posição no enchimento, utilizandoprimeiro a camada superficial misturada com adubos e calcário dolomítico (autilização do calcário é feita somente se for necessário corrigir o pH do solo, o quegeralmente ocorre) e completando o enchimento com a terra retirada da parteinferior da cova. É recomendado que se prepare a cova com bastanteantecedência para que o calcário possa agir. O plantio deve ser efetuado no período chuvoso ou em outra época desde queexista água suficiente para irrigação. Deve-se evitar o plantio nos dias de muitosol, outro cuidado que se deve ter é deixar o colo da muda em torno de 5 cmacima do nível do solo. É necessário comprimir a terra sobre as raízes e ao redordas plantas para dar maior fixação a planta e maior contato das raízes com osolo. Faz-se, também, uma bacia em torno da muda e rega-se com 10 a 20 litros deágua, depois é necessário cobrir com palha, capim seco ou maravalhas paraevitar a incidência direta do sol na cova, evitando assim a evaporação da água deirrigação. 21
    • Alguns fatores determinam o espaçamento a ser adotado no pomar: porte daplanta, textura e níveis de nutrientes do solo, tratos culturais, culturas intercalarese o sistema de irrigação a ser utilizado. Para os limoeiros var. tahiti e galego usa-se o espaçamento de 6 x 8m ou 9 x 5m; para as var. siciliano e eureca érecomendado o espaçamento de 7 x 9m. Os limoeiros são formados pelo conjunto de dois indivíduos diferentes: o porta-enxerto e a copa. Esta combinação deve ser harmônica, pois o uso indiscriminadode uma única combinação possibilita o surgimento de doenças do porta-enxerto.Convém plantar mudas vigorosas enxertadas em cavalos de limão-cravo, laranja-caipira ou trifoliata, livres de vírus. As melhores variedades para exportação sãoas var. siciliano e var. eureca; para o mercado interno e indústria as variedadestahiti, galego, siciliano e eureca são as mais indicadas. É necessário sempre fazer análise química do solo para saber como e em quequantidade se deve colocar os adubos na cultura, principalmente se for adubosquímicos. Os adubos orgânicos aplicados na cova, além de fornecer nutrientes àplanta melhora a capacidade de retenção de água pelo solo. Geralmente ocorrem nos primeiros dois anos algumas brotações nas plantasabaixo da copa. Essas brotações devem ser eliminadas bem novas bem comoefetuar também a retirada dos frutos, pois os mesmos não têm significaçãoeconômica e atrasam o crescimento e as safras futuras. Uma boa prática consiste em plantar culturas intercalares nos primeiros trêsanos, tais como feijão, amendoim, batata-doce, inhame, abóbora, melancia oufruteiras como abacaxi, mamão e maracujá. O cultivo intercalar deve ser mantidoa uma distância mínima de 1,5m do limoeiro Esta prática assegura uma rendainicial ao citricultor, já que o retorno do capital empregado no plantio do pomar delimão só inicia após o segundo ano. O manejo inadequado do controle de plantasdaninhas tem contribuído para reduzir a disponibilidade de água para as plantascítricas. A adoção dessa prática cultural permite aumentar os teores de matériaorgânica e a capacidade de retenção de água pelo solo. 22
    • 7- Manejo da cultura 7.1 Tratos culturais A capina pode ser manual, mecânica ou química. A capina manual diminui aconcorrência do mato. O emprego de herbicidas deve ser feito com muitocuidado, e com orientação técnica. A capina mecânica deve ser feita com gradede discos e roçadeira, em épocas diferentes. Deficiências de zinco, manganês ou boro, são corrigidas, na primavera-verão,com duas pulverizações foliares contendo, na primeira aplicação, sulfato de zincoa 0,25%, sulfato de manganês a 0,15% + cal a 0,15%, e bórax a 0,05%. Nasegunda aplicação deve-se substituir a cal por uréia a 0,5%. Uma tecnologia alternativa de manejo que proporcione aumento dacapacidade produtiva do solo, pela utilização de leguminosas como cobertura nasentrelinhas dos citros vem se destacando como uma das formas mais eficientesno controle do processo erosivo e no melhoramento das condições físicas,químicas e biológicas do solo. O feijão-de-porco, guandú, crotalárias, aopenetrarem na camada adensada descompacta o solo, permitindo maiorinfiltração da água, intensificando a vida biológica, enriquecendo-o com nitrogêniofixado na atmosfera por meio de uma bactéria, o rizóbio, que forma nódulos emsuas raízes. Sua massa verde, deixada na superfície como cobertura morta,permite reduzir as perdas de água por evaporação, mantendo assim a umidadepor mais tempo disponível para a cultura. Tratos culturais adequados são de fundamental importância para o equilíbrioentre os insetos alvo e seus inimigos naturais (insetos úteis) As plantas novas deaté quatro anos são as mais afetadas e sofrem mais com o ataque das pragas. Nessa faixa de idade, é praticamente impossível se dispensar o controlequímico, no entanto não se deve abusar dos agrotóxicos. Só aplicar o inseticidanas plantas com ataque intenso, e assim mesmo, sob orientação técnica. Ainspeção periódica do pomar é de fundamental importância, pois permite detectara presença das pragas e o seu grau de infestação. 23
    • 7.2 Desbrota A desbrota tem a função de eliminar as brotações surgidas abaixo do ponto deenxertia e o excesso de brotos nos ramos e tronco. Devem ser retiradas logo noinício, facilitando sua eliminação e não causando ferimentos a planta. Osferimentos que porventura ocorram devem ser tratados com produtos à base decobre, como a calda bordalesa. Na fase de implantação, as mudas devem servistoriadas quinzenalmente, até o final do período das águas. 7.3 Poda de limpeza A poda de limpeza tem o objetivo de eliminar os ramos secos, doentes oupraguejados da planta, devendo ser realizada no período de inverno. Sempreapós a realização da poda de limpeza, deve-se pincelar pasta bordalesa no localdo corte, para evitar o aparecimento de doenças que possam prejudicar ocrescimento e desenvolvimento da planta. 7.4 Controle de plantas daninhas Recomenda-se manter sob controle o mato no pomar, visando afacilitar a colheita e os tratos fitossanitários, além de evitar a concorrênciapor água, nutrientes e luz com a cultura. O controle das plantas daninhas podeser feito com roçadeira nas entrelinhas de plantio na época das chuvas. Naprojeção da copa, deve-se utilizar herbicidas, sendo uma boa opção para acultura. Caso não queira utilizar herbicidas, as plantas devem ser "coroadas" comenxada, evitando-se cortar o tronco da planta e danificar as raízes, o que podefavorecer a contaminação por patógenos, principalmente por Phytophthora sp.,causador da “Gomose” e da “Podridão radicular”. 7.5 Irrigação O uso da irrigação na citricultura tem se intensificado nos últimos anos. Essaprática aumenta a produção e melhora a qualidade dos frutos. Os sistemas deirrigação mais utilizados são os de aspersão e localizada (gotejamento emicroaspersão), que aplica água, em geral, abaixo da copa da planta, evitando-se, assim, o aparecimento de doenças na copa. Sulcos e bacias de inundação 24
    • temporária são outros métodos que podem ser utilizados. Nos cerrados maioresprodutividades foram obtidas utilizando-se sistema de gotejo a cada metro (120 lágua/planta em turnos de rega de 4 dias). Em regiões úmidas a irrigação podeelevar a produção em 35% a 75%. 7.6 Culturas intercalares O cultivo intercalar é praticado principalmente em pequenas/médiaspropriedades; pode-se usar leguminosas (feijão de porco, leucena, crotalária) ouabacaxi, amendoim, batata doce, feijão, mandioca, milho, no pomar jovem dolimão Tahiti. As culturas intercalares devem ter baixo porte e ciclo curto, e situar-se a distância de 1,5 – 2 m da linha de plantio do limoeiro. 7.7 Adubação As exigências nutricionais do limão são semelhantes às demais espéciescítricas comerciais. Para adubar corretamente o pomar, é indispensável fazer asanálises de solo e foliar, por meio das quais se pode conhecer as disponibilidadesdos nutrientes no solo e o estado nutricional da planta, devendo ser realizadas,preferencialmente, no mês de agosto. Os adubos a serem fornecidos para aplanta devem conter todos os nutrientes necessários para a mesma de formaequilibrada e balanceada. As adubações devem ser realizadas preferencialmentecom solo úmido, procurando parcelar a dosagem recomendada de cada aduboem 4 aplicações bem distribuídas. 7.7.1 Adubação de formação (até primeira produção) A adubação de formação deve ser realizada nos primeiros três anos de idade.Do plantio até o 1° ano, recomenda-se aplicar os fertilizantes ao redor da coroa,em toda a volta da planta, num raio de aproximadamente 0,5 m. No 2° e 3° ano,recomenda-se aplicar os fertilizantes ao redor da coroa, em toda a volta da planta,na projeção da copa, num raio de aproximadamente 0,6 m de largura. A partir do4° ano, recomenda-se aplicar os adubos na projeção da copa. A recomendação das quantidades de nutrientes a serem aplicados naadubação de formação está apontada na Tabela 1: 25
    • Tabela 1: Adubação de crescimento e formação para o cultivo de limão. 7.7.2 Adubação de produção Deve ser realizada quando as plantas estiverem em plena época de produção.Nesse período, a adubação visa a atender às exigências nutricionais, tanto para amanutenção da planta como para a exportação de nutrientes para os frutos. Aadubação deve-se fundamentar nas exigências nutricionais da planta, avaliadaspor meio de análises anuais de solo e foliar. As quantidades a serem fornecidasas plantas levam em conta as características do pomar, tais como: idade dasplantas, tipo de solo, índice pluviométrico e produção esperada. A recomendaçãodas quantidades da adubação de produção para o cultivo de limão está descritana tabela 2. Tabela 2: Adubação de produção para o cultivo de limão. 7.7.3 Adubação foliar com micronutrientes Para adubação foliar, deve-se primeiramente realizar a análise foliar. As folhascoletadas para a amostra devem:  ter idade entre 6-7 meses, apresentar tamanho médio e estarem livres de pragas e doenças; 26
    •  ser coletadas nos horários mais frescos do dia;  ser coletadas ao redor da planta, na parte mediana da copa;  ser coletadas de ramos frutíferos da brotação mais nova, na 3° ou 4° folha a partir do fruto, ou de ramos novos que não contenham fruto;  ser condicionadas em sacos de papel ou plástico e, se as folhas não forem levadas no mesmo dia para o laboratório de análise foliar, armazenar em geladeira até o dia seguinte;  ser coletadas cerca de 40 folhas a cada 1 ha.Figura 1: Esquema de coleta de folhas para análise foliar (3° ou 4° folha a partir do fruto e/ou dabrotação mais nova). Os micronutrientes mais importantes para a cultura do limão são o boro, zincoe o manganês, podendo ser fornecidos pelas pulverizações foliares. A época maisadequada para a adubação foliar é no período de vegetação da planta.Recomendam-se três aplicações, normalmente no período de setembro a março,sendo a primeira na época de florescimento, logo após a queda das pétalas, asegunda durante o fluxo de vegetação e terceira após 45 a 60 dias desta. 27
    • Recomendam-se pulverizações foliares com solução composta de 100 g de ácidobórico, 300 g de sulfato de zinco, 300 g de sulfato de manganês e 300 g de cal,diluídos em 100 litros de água ou produtos comerciais comprovadamenteeficientes.Tabela 3: Composição da solução de micronutrientes para aplicação via foliar em citros. 7.7.4 Adubação orgânica A adubação orgânica traz inúmeros benefícios em propriedades químicas,físicas e biológicas do solo. Além de fornecer nutrientes, principalmentenitrogênio, proporciona a quelatização de micronutrientes evitando que osmesmos sejam precipitados e consequentemente tornando-se insolúveis. Estaprática também melhora as propriedades físicas do solo, melhorando retenção deumidade e a aeração. 28
    • Tabela 4: Quantidade de adubos orgânicos a serem fornecidos às plantas de De limão.8- Principais pragas Até o quarto ano, as plantas cítricas estão sujeitas ao ataque severo depragas, sendo indispensável o controle químico. Entretanto, é recomendávelaplicar inseticidas de forma seletiva, somente nas plantas que estão sofrendoataque severo, evitando com isso o desequilíbrio populacional dos insetos, pragase inimigos naturais. Desta forma, a inspeção periódica do pomar, a fim de identificar focos depragas é indispensável para o manejo integrado de pragas. A aplicação apenaspoderá ser realizada se a praga tiver atingido o nível de dano e com a supervisãode técnicos, seguindo todas as normas de segurança. 8.1 Ortézia (Orthezia praelonga) A Ortézia é a principal cochonilha que ataca a cultura do limão. Suaimportância tem crescido consideravelmente nos últimos anos, pois seu controle édifícil, tem que ser realizado sistematicamente, resultando em aumentoconsiderável nos custos de produção. Tanto as fêmeas adultas como as ninfas deOrtézia podem mover-se sobre a planta. Esta cochonilha, além de um excelentesugador, ao alimentar-se injeta toxinas que contribuem para o enfraquecimento daplanta. Além disto, durante este processo, a exsudação eliminada pelo insetodesenvolve a fumagina, que impede a realização plena da fotossíntese pelasplantas. A época de maior incidência desta praga é no período mais seco do ano,pois sua disseminação ocorre, principalmente, pelo vento. O controle deve serefetuado com a aplicação alternada de inseticidas sistêmicos, granulados 29
    • aplicados no solo e pulverizados via foliar. O recomendado é o uso do acephate,na dosagem de 50 gramas/ 100 litros de água, repetindo-se a pulverização depoisde 15 dias.Figura 2: Ortézia nas folhas. 8.2 Escama farinha (Pinnaspsis aspidistrae) São cochonilhas cujas carapaças (escamas) aparentam pequenos pontos,assemelhando-se à farinha de trigo. Desenvolvem-se, principalmente, no tronco enos ramos das plantas. A sucção intensa da seiva causada pelo inseto, além doenfraquecimento da planta, causa rachadura na casca ramos do tronco,facilitando a entrada de fungos, como Phytophthora, causador da gomose.Seu controle deve ser feito com pulverização com jato dirigido sobre a cochonilhacom produtos como methidethion (125 mL/ 100 litros), ethion (150 L/ 100 litros) oudimethoate (190 mL/ 100 litros), adicionados a 0,5% de óleo vegetal ou mineral,apresentam um controle bastante eficiente sobre a praga.Figura 3: Escama-farinha nas folhas. 30
    • 8.3 Ácaro da falsa ferrugem (Phyllocoptruta oleivora) O ácaro da falsa ferrugem infesta folhas, ramos e frutos. Nestes últimos, o seuataque causa danos às células epidérmicas, que adquirem coloração prateada easpecto áspero, causando depreciação do produto para comercialização “innatura”. Além do dano no aspecto, os frutos atacados pelos ácaros apresentam,em geral, tamanho, porcentagem de suco e peso reduzidos. Seu controle éefetuado, principalmente, com produtos a base de enxofre pó molhável (350 g/100 L) e bromopropylate (40 mL/ 100 L) ou pyridaphenthion (100 – 175 mL/ 100L).Figura 4: ácaro da falsa ferrugem nas folhas. 8.4 Larva minadora dos citros (Phyllocnistis citrella) O adulto é uma mariposa (2 mm) de coloração branco-prateada, com manchase pontuações marrom no par de asas anteriores; as larvas são pequenas ( 2mm),de cor verde- amarela brilhante. A incidência desta praga geralmente ocorre emmudas novas, devido a sua intensa vegetação, que devido ao seu hábitoalimentar, nota-se uma destruição do limbo foliar em forma de “mina”, diminuiçãoda capacidade fotossintética da planta, brotações em mudas e até queda defolhas novas, quando estão presentes de 4 a 8 larvas por folha. Seu controle deveser efetuado na constatação de 30 a 40% dos brotos na presença de uma oumais larvas vivas (nível de ação) com abamectin (30 mL/ 100 L), adicionados a0,5% de óleo vegetal ou lufenuron (75 mL/ 100 L). 31
    • Figura 5: Galeria feita por larva minadora nas folhas. 8.5 Pulgão-preto (Toxoptera citricidus) É um inseto sugador, de coloração marrom quando jovem e preta na faseadulta. Ocorre com mais freqüência na primavera e verão, em brotações novas ebotões florais, provocando prejuízos ao florescimento. A grande preocupação comesse inseto é o fato de ser transmissor da “Tristeza dos citros”. Seu controle éfeito naturalmente por das chuvas e o controle químico, em ataques mais severos,pode ser realizado com inseticidas.Figura 6: Presença de pulgão –preto na planta. 8.6 Cochonilha Cabeça-de-Prego (Chrysomphalus ficus) Possui forma circular, convexa e coloração violácea, surgindo em períodossecos com altas temperaturas. São encontrados na face inferior das folhas e nosfrutos, sugando a seiva e líquidos, depreciando os frutos e tornando-os inviáveis 32
    • para o comércio. O controle é feito por pulverizações com produtos químicos àbase de óleo mineral a 1% ou óleo mineral + inseticidas fosforados. 8.7 Ácaro-branco (Polyphagotarsonemus latus) O principal ácaro que prejudica a cultura do ‘Tahiti’. Seu ataque se concentra,principalmente, em folhas novas, ponteiros de brotações e frutos novos,depreciando os frutos pela manifestação opaca, como um prateamento nasuperfície da casca. O controle pode ser feito com utilização de produtos à basede enxofre pó molhável (350 g/100 L) ou pyridaphenthion (175 ml/100 L).Figura 7: Prateamento ocasionado pelo ácaro-branco em frutos de limão. 8.8 Coleobroca O inseto adulto é um besouro preto com faixas amarelas no tórax e asas,sendo seus ovos depositados no tronco e ramos da planta de ‘Tahiti’, queeclodem formando-se as lagartas de coloração esbranquiçada que penetram nosmesmos, cavando galerias no sentido longitudinal, expelindo serragem em formade pétalas pelo orifício de entrada. Como controle, recomenda-se injetar caldainseticida via orifício utilizando-se formicida líquido, gasolina, querosene, sendomais efetiva a pasta de fosfeto de alumínio (que libera gás), fechando o orifícioapós a aplicação com cera de abelha, argila ou sabão. 33
    • 8.9 Formigas cortadeiras Destroem principalmente as mudas recém-plantadas no campo, mas tambématacam pomares adultos. O controle pode ser feito com a utilização de iscasgranuladas como Mirex ou com termonebulizador.Figura 8: Mirex utilizado para o controle de formigas. 8.10 Broca da Laranjeira (Cratosomus flavofasciatus) (Cratosomus flavofasciatus) A larva (forma jovem) desse inseto ao sealimentar, destrói internamente parte do tronco e ramos comprometendo acirculação da seiva, e em alguns casos provocando a queda de galhos mais finos.Os adultos são besouros grandes, causam estragos pois destroem as gemas deramos novos. O controle da larva é efetuado com o auxílio de um arame, atinge-se a larva no interior da galeria; utilizando-se uma seringa, injeta-se querosene ouum inseticida fosforado no orifício; introduz-se no orifício 2 a 3 gramas degastoxim pasta (sulfeto de alumínio). Este método elimina 100% das larvas nointerior da galeria. O controle do inseto adulto é efetuado com o a utilização deuma planta armadilha, a "Maria Preta" (Cordia verbenacea). Ela deve ser plantadanum espaçamento de 100 a 150m, de preferência no contorno do pomar e emlocal não sombreado. É importante que a catação do besouro sob a "Maria preta"seja iniciada logo que apareçam os primeiros besouros nas plantas armadilhas. 34
    • 8.11 Conceitos gerais As cochonilhas e mosca branca causam maiores danos em plantas de atéquatro anos de idade. O manejo adequado de plantas daninhas é um forte aliadono controle destas e de outras pragas. Durante o período das chuvas o mato deveser apenas ceifado em toda a área dos limoeiros. No período seco uma aplicaçãode glifosate na área é suficiente para reduzir a ocorrência do mato. Essa práticacontribui para a manutenção dos inimigos naturais das pragas. O monitoramento é uma prática valiosa contra a moscas-das-frutas pois indicao momento em que deve ser iniciado o controle; para isto utilizam-se armadilhasou frascos caça-moscas. Os frascos devem ser colocados na periferia do pomarsob a copa das árvores, bem antes do início da maturação dos frutos, contendouma solução com melaço de cana ou proteína hidrolizada e água. Tabela 5: Recomendações de controle químico para as principais pragas dos citrus 35
    • 36
    • 9- Principais doenças Entre as variedades de limão, o ´Tahiti’ apresenta como diferencial tolerância aalgumas das principais doenças que afetam atualmente a cultura dos citros,causando sérios problemas. É considerado tolerante ao “Declínio dos citros”,“CVC” (Clorose Variegada dos Citros) e “Pinta - preta”. 9.1 Gomose de Phytophthora dos citros A gomose é uma doença presente em todas as regiões produtoras de citros domundo. Várias espécies de fungos do gênero podem causá-la. No Brasil,Phytophthora parasitica e Phytophthora citrophthora são as espécies maisencontradas nas regiões produtoras. No Estado de São Paulo, Phytophthoraparasitica é a principal espécie responsável pela doença em viveiros e pomarescomerciais. Sua ocorrência é muito elevada em plantios novos devido,principalmente, à utilização de mudas contaminadas na implantação de pomares.Portanto, a primeira e fundamental medida de controle deve ser o uso de mudassadias. O manejo ou controle da gomose deve ser feito de maneira integrada, oque quer dizer que devem ser adotadas uma série de medidas de controle que,empregadas ao mesmo tempo ou em seqüência, conseguem manter a doençanum nível tolerável. Estas medidas, ligeiramente modificadas, são: 1) evitar solos rasos, pesados e com problemas sérios de drenagem; 2) no caso de renovação de pomares velhos e/ou muito afetados por gomose,proceder uma boa limpeza da área, com enleiramento e queima dos resto dopomar anterior, e plantar culturas anuais por pelo menos dois anos; 3) adotar as práticas de conservação do solo; 4) preparar bem o solo, com a incorporação a pelo menos 20 cm doscorretivos (calcário) e adubos (químicos e orgânicos); 5) fazer adubação orgânica com estercos bem curtidos; nos pomares adultosnão incorporar a matéria orgânica com equipamentos pesados, e sim distribuí-lapela superfície; 6) uso de porta-enxertos resistentes ou tolerantes, como o citrumelo ´Swingle´e o Trifoliata; 37
    • 7) uso de mudas de boa qualidade e sadias, com altura de enxertia entre 20 e30 cm; 8) plantar alto, isto é, o cavalo não deve ficar enterrado, uma vez que o ‘Tahiti’é mais sensível à gomose devendo, portanto, ficar o mais longe possível do solo; 9) evitar ferimentos causados por pragas (larvas de Naupactus e dePantomorus , cupins e cochonilhas de raiz e do tronco), implementos agrícolas(grades e enxadas, principalmente) e agroquímicos (fertilizantes nitrogenados,principalmente) que serviriam como “porta de entrada”; 10) fazer, durante os meses frios e secos do ano, os seguintes tratamentos: a)descalçamento de plantas muito enterradas ou com acúmulo de terra e detritosjunto ao tronco; b) poda de ramos doentes (30 cm abaixo das lesões), secos,improdutivos ou mal posicionados; c) pincelamento dos cortes com tinta plástica(esmalte sintético ou tinta a óleo) ou com calda preparada com produto à base decobre; d) pulverização do tronco e das raízes principais descalçadas, e dasuperfície do solo com produtos cúpricos em concentração elevada. 11) aplicação de fungicidas sistêmicos.Figura 9: Característica causada pela gomose no ramo de limão. 9.2 Podridão floral de Colletotrichum ou “estrelinha” Entre ao variedades de limão para produção comercial, o ´Tahiti´ é uma dasvariedades cítricas mais sujeitas à queda prematura dos frutos jovens, causadapelo fungo Colletotrichum gloeosporioides. Alta umidade e temperaturas amenasna época da florada são as condições ideais para o estabelecimento da doença, 38
    • notando-se no início um necrosamento dos botões florais e, posteriormente, aspétalas apresentam manchas róseas sobre sua superfície. Após a queda ousecamento das pétalas verifica-se o amarelecimento dos frutinhos com posteriorqueda. O cálice da flor fica retido por, aproximadamente, um ano na planta, dandoo aspecto de “estrelinhas”, o que originou o nome popular da doença. Otratamento é bastante oneroso, sendo recomendada a aplicação de benomyl (100g/ 100 L) em três aplicações com intervalos de 15 em 15 dias.Figura 9: Sintomas causados pelo Colletotrichum . 9.3 Tristeza-dos-citros A tristeza-dos-citros é causada por um vírus transmitido por afídeos (pulgões).As plantas contaminadas apresentam problemas que afetam o crescimento já nafase de viveiro. Retirando-se a casca dos ramos, observam-se caneluras (estrias)em toda a extensão, ocasionando a formação de folhas novas com nervuraspolidas e frutos com diâmetros reduzidos. Como medida de prevenção, deve-seusar mudas produzidas em viveiros certificados e telados (ambiente protegido),formadas com porta-enxertos resistentes ou tolerantes a essa virose. 9.4 Exocorte É uma doença causada por vírus, apresentando como sintomas: crescimentolimitado, vegetação esparsa e folhas com coloração com pouco brilho. Essadoença é transmitida por enxertia ou ferramentas contaminadas (canivete etesoura de poda). Como medidas de controle, deve-se utilizar as mesmas usadasna prevenção-da-tristeza dos citros. 39
    • 9.5 Podridão foliar Ocorre nos frutos maduros logo após a colheita, formando-se uma lesão pardana casca do fruto, deteriorando-o rapidamente. Para prevenção, recomenda-se acolheita no ponto de maturação e nas horas mais frescas do dia, enviando-osrapidamente para o mercado consumidor. 9.6 Estiolamento Damping-Off As sementes apodrecem e não germinam. As plantinhas ficam amarelecidas,com o colo apodrecido na linha do solo; tombam e morrem. 9.7 Verrugose Causa lesões salientes, corticosas irregulares que se agrupam recobrindoextensas áreas da folha e dos brotos. Figura 10: A. Ramos de limão Cravo com sintomas da doença Verrugose. B. Fungo Elsinöefawcettii, causador da verrugose, cultivado em meio de cultura Agar Água. C. Sinais do fungoElsinöe fawcettii observados na lupa. D. Sintomas da doença Verrugose em frutos de limão Cravo.E. Sintomas da doença Verrugose nas hastes do limão Cravo. F. Sintomas da doença Verrugosena folha – parte adaxial – do limão Cravo. G. Sintomas da doença Verrugose na folha – parteabaxial – do limão Cravo. 40
    • 9.8 Rubelose Os galhos ficam revestidos pelo fungo que a princípio é branco, tornando-seamarelo róseo com o avanço da doença. O galho seca, a casca parte e selevanta. A doença começa na bifurcação dos ramos e caminha para asextremidades. 9.9 Melanose Causa pequenas lesões arredondadas, ligeiramente salientes, de coloraçãoescura, recobrindo grandes áreas dos frutos, folhas e ramos. Os frutos atacadossão de baixo valor comercial.10- Colheita e classificação A colheita deve ser realizada quando os frutos estiverem com a coloraçãoverde-oliva, casca lisa e brilhante e com tamanho aproximado de 47 a 65 mm dediâmetro. A coloração verde-clara e opaca significa que a fruta está madura, nãosendo recomendada para o comércio. O material de colheita deve ser compostode sacola de colheita (20 kg), feita de lona com fundo falso, cestos e caixasplásticas de 27,2 kg. No momento da colheita devem ser tomados certoscuidados, como: evitar a retirada de frutos com varas ou ganchos, frutosmolhados ou orvalhados, derrubar frutos no solo e principalmente, evitar acolheita dos excessivamente maduros ou verdes. Deve-se sempre usar tesouracortando o pedúnculo, rente ao cálice, evitando-se machucar os frutos na colheitae no transporte.11- Pós-colheita A manutenção da coloração verde da casca dos frutos é importante no períodopós-colheita, pois proporcionam a obtenção de melhores preços nacomercialização dos frutos. Os frutos devem ser colhidos maduros, apresentandocoloração da casca esverdeada e armazenados à temperatura de 4-5°C eumidade relativa de 90-95%. Vale ressaltar que o aparecimento da coloraçãoamarelada reduz a aceitação pelo mercado consumidor. Para permitir que osfrutos mantenham-se com a coloração esverdeada da casca, recomenda-se 41
    • mergulhar os mesmos em uma solução de ácido giberélico de 10 mg.L-1 por 10segundos. Com essa prática os frutos podem ser armazenados por até 45 dias,sem ocorrer alterações na coloração da casca.12- Produção fora de época A maior oferta de limão concentra-se, basicamente, no primeiro semestre,quando os preços pagos por essa fruta caem. Já no segundo semestre do ano, ospreços são maiores em consequência da escassez dessa fruta no mercado.Sendo assim, o interessante é buscar a produção no segundo semestre, mas porcausa das nossas condições climáticas, essa prática torna-se inviável. A época ea intensidade de florescimento são reguladas pela temperatura e ocorrência dechuva. A indução das flores começa na época de baixas temperaturas, quando aplanta entra em “repouso vegetativo” devido à presença de temperaturas menoresque 12,5°C, paralisando, assim, seu crescimento. O “repouso vegetativo” podeser iniciado ou induzido por déficit hídrico, ou seja, falta d’água. Em condições decampo, período de seca (ausência de chuvas ou irrigações) maior que 30 dias eposteriormente à retomada das chuvas ou irrigações é suficiente para induzir oflorescimento e, posteriormente, a produção de frutos. Essa técnica de produçãona entressafra pode ser aplicada em regiões áridas e semi-áridas. No Estado deSão Paulo e sul de Minas Gerais, onde predominam os verões úmidos e invernossecos, essa técnica não proporciona bons resultados, pois o período de secavaria de maio a julho, ocorrendo retomada das chuvas em setembro. Outra formade se conseguir produção fora de época é pelo uso de reguladores decrescimento, mas esse método ainda está em fase de estudos e aperfeiçoamento.13- Produção e comercialização Entre os limões cultivados no Brasil, o limão Tahiti é o “limão” de maior valorcomercial no Brasil, com excelente potencial de exportação. O seu valor demercado está relacionado à ausência de sementes, ao seu aroma intenso eagradável, ao elevado volume de suco e à sua capacidade de produzir o anointeiro, apesar de ser mais produtivo de dezembro a junho. Os maiores produtoresde Limão Tahiti no mundo são o México e o Brasil, e, a cada ano que passa, o 42
    • Brasil vem despontando com um potencial crescente de produção de frutos dequalidade superior, para atender o consumo interno como também de frutos tipoexportação, seja da fruta “in natura” como de produtos derivado de elevado valoragregado. A área de maior concentração de produção do Limão Tahiti encontra-se no estado de São Paulo, localizado na região sudeste, representando 80% dototal produzido em todo o país em 2003. Outros estados como Bahia e Piauí têmsurgido como importantes produtores potenciais de cítricos, em função daspossibilidades climáticas mais adequadas à produção de frutas de qualidadesuperior, portando com alto valor de mercado, além da logística de rápido e fácilescoamento do produto via portos marítimos de maior proximidade aos países dohemisfério norte. A produtividade média brasileira dos pomares de Limão Tahiti écerca de 20t/ha, embora propriedades que adotam estratégias adequadas deprodução, como manejo nutriconal, irrigação, tratamento fitossanitário eprocedimentos de colheita, têm obtido níveis superiores a 40t/ha. As exportaçõesbrasileiras do Limão Tahiti “in natura” aumentaram significativamente nas últimasdécadas, passando de 0,9 mil t em 1971 para cerca de 34 mil t em 2003.14- Produção para exportação No caso da produção de limão para exportação, deve -se conseguir frutos decasca rugosa e de coloração bem esverdeada, por causa das exigências domercado internacional. Os frutos devem estar livres de pragas e doenças e comtamanho adequado. Devem possuir ausência de barriga-branca (mancha brancana casca dos frutos, ocorrida em virtude do contato entre eles). Recomenda-se aoprodutor candidato a exportador que procurar os órgãos competentes para fazerum planejamento adequado às suas condições para sucesso no empreendimento.15- Custos produção A tabela desenvolvida pela Embrapa na Região do Recôncavo da Bahia(Anexo 1) mostra quais são os custos de implantação da cultura do limão “Tahiti”no período de Julho/2008. 43
    • 16- Padrão mínimo de qualidade para o consumo do limão O comprador poderá escolher entre três tamanhos: Graúdo, Médio e Miúdo. Amedida do tamanho do limão é o seu maior diâmetro equatorial em milímetros. Olote deve apresentar homogeneidade visual de tamanho: a diferença máxima detamanho entre o maior e o menor fruto deve ser no máximo de 4%. Um lote de limão deve obedecer a um padrão mínimo de qualidade. Não sãotolerados os defeitos externos e internos que prejudiquem o consumo ou orendimento como: baixa suculência, podridão, dano que atinja o albedo (partebranca) do fruto ou que cause dano à polpa, fruto passado, murcho, e nãosuculento. Os frutos devem apresentar Porcentagem Mínima de Suco“Rendimento” ((massa do suco/massa do fruto) x 100), igual ou no mínimo 40%,caso contrário, serão considerados frutos imaturos e não permitidos paracomercialização. Além dessas exigências são apresentadas outras, tais como: O produto deverá estar fresco, isento de substâncias terrosas, sujidades oucorpos estranhos aderidos à superfície externa e no ponto de consumo. O produto deverá estar de acordo com a legislação vigente, em especial, nasesferas a seguir: − Lei Federal nº. 8.078, de 11/09/90 (Código de Defesa do Consumidor). − Resolução - RDC nº 12, de 2 de janeiro de 2001 – ANVISA. −Decreto nº. 4.074, de 04 de janeiro de 2002 (MAPA – Ministério daAgricultura, Pecuária e Abastecimento e ANVISA – Agência Nacional deVigilância Sanitária). − Portaria INMETRO nº. 157 de 19/08/2002. −Instrução Normativa Conjunta SARC/ANVISA/INMETRO nº. 009, de12/11/02. − Resolução ANVISA RDC nº. 259/02; − Portaria INMETRO nº. 157 de 19/08/2002 − Portaria nº 06, de 10 de março de 1999 – CVS-SP (âmbito estadual: SP) − Resolução - RDC n° 216, de 15 de setembro de 2004 - MS; −Portaria n. 1210, de 03 de agosto de 2006 (âmbito municipal: SP – SãoPaulo). 44
    • A obediência às regras legais de sanidade microbiológica e aos limites detolerância de resíduos poderá ser monitorada ao longo do período defornecimento e seus custos serão pagos pelo fornecedor. 16.1 Embalagem O produto deverá estar acondicionado em embalagem de medidas submúltiplas de 1m x 1,20 m (paletizável), de fácil empilhamento. A embalagemdeverá conter a inscrição do nome e do CNPJ do fabricante e a informação dacapacidade máxima de empilhamento e do conteúdo máximo em quilos daembalagem. A embalagem poderá ser retornável (plástico) ou descartável(papelão ou plástico). A embalagem retornável deverá ser lavada e higienizada acada uso e a descartável deverá ser nova. 16.2 Rotulagem A embalagem deverá portar rótulo com a identificação do responsável peloproduto (nome, endereço e CNPJ), informações sobre o produto (produto,variedade, classificação, peso líquido do produto, quantidade de frutos e data doembalamento). 16.3 Transporte O veículo e a carroceria de transporte devem ser mantidos em perfeito estadode conservação e higiene. Não é permitido transportar alimentos com pessoas eanimais (a cabine do condutor deve ser isolada da parte que contém osalimentos). O transporte, a carga e a descarga devem garantir a integridade e aqualidade do produto e impedir a contaminação e a deterioração do produto Osveículos de transporte de produtos sob controle de temperatura devem serprovidos permanentemente de termômetros adequados e de fácil leitura. 16.4 Ficha de controle O fornecedor deverá apresentar em cada local de entrega para cada lote decada produto uma ficha de controle (Anexo 2). 45
    • 17- Conclusão No Brasil, o cultivo de limão tem grande importância comercial, entre asespécies frutíferas se destaca pela quantidade de tecnologia de manejodisponível e pela grande aceitação por parte da população, sendo utilizado desdeculinária até na indústria. Seguindo as recomendações adequadas de manejo épossível obter alta produtividade e boa rentabilidade. 46
    • 18- Referências BRASIL. Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária. Lima ácida ‘tahiti’ para exportação: aspectos técnicos da produção. Brasília: EMBRAPA-SPI, 1993. 35 p. (EMBRAPA-SPI. Publicações Técnicas FRUPEX, 1). BRASIL. Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Mapeamento da Fruticultura Brasileira. Brasília: EMBRAPA-SPI, 2000. 110 p. (Publicação Técnica). COELHO, Y. da S.; CUNHA SOBRINHO, A. P. da; MAGALHÃES, A. F. de J.; PASSOS, O. S.; NASCIMENTO, A. S. do; SANTOS FILHO, H. P.; SOARES FILHO, W. dos S. Limão ‘Tahiti’. Brasília: EMBRAPA - SPI, 1994. 79 p. ( EMBRAPA-SPI. Coleção Plantar). CUNHA SOBRINHO, A. P. da; MAGALHÃES, A. F. de J.; NASCIMENTO, A. S. do; SANTOS FILHO, H. P.; SOUZA, L. D.; PASSOS, O. S.; SOARES FILHO, W. dos S.; COELHO, Y. da S. Cultivo dos citros. Cruz das Almas: EMBRAPA - CNPMF, 1996. 43 p. (EMBRAPA - CNPMF. Circular Técnica, 26). GRUPO PAULISTA DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CITROS (GPACC). Recomendação para adubação para citros no Estado de São Paulo. 3. ed. Cordeirópolis: Laranja, 1994. 27 p. SPÓSITO, M. B.; MOURÃO FILHO, F. de A. A.; KLUGE, R. A.; JACOMINO, A. P. Armazenamento refrigerado de frutos de limeira ácida ‘Tahiti’ tratados com ácido giberélico. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 22, n. 3, p. 345-348, 2000. STUCHI, E. S.; CYRILLO, F. L. L. Lima ácida ‘Tahiti’. Jaboticabal: FUNEP, 1998. 35 P. (Boletim Citrícola, 6). 47
    • VITTI, G. C.; CABRITA, J. R. Nutrição e adubação dos citros.Bebedouro: Estação Experimental de Citricultura de Bebedouro – EECB,1998. 31 p. (Boletim técnico, 4).YAMAMOTO, P.T.; GRAVENA, S.; PAIVA, P.E.B.; SILVA, J.L. Ácaros chavesdos citros no Brasil: biologia, controle biológico e seletividade de agrotóxicos.In: Manejo integrado de pragas dos citros. Anais do III Seminário internacionalde citros – MIP. Fundação Cargill, Campinas, SP. p.85-100. 1994. 48
    • Universidade Federal de Mato Grosso Campus Universitário do AraguaiaInstituto de Ciências Exatas e da Terra Curso de Agronomia Fruticultura Barra do Garças-MT Março de 2013
    • Universidade Federal do Mato Grosso Campus Universitário do AraguaiaInstituto de Ciências Exatas e da Terra Curso de Agronomia Cultivo de limão Discente: Ricardo Costa Trabalho realizado sob orientação do Professor Dr. Devanir Murakami Barra do Garças-MT Março de 2013
    • SUMÁRIO1- INTRODUÇÃO _____________________________________________________________________________________________________ 52- OBJETIVOS _________________________________________________________________________________________________________ 63- BOTÂNICA _________________________________________________________________________________________________________ 64- PRODUÇÃO DE MUDAS CERTIFICADAS ________________________________________________________________________ 74.1 FORMAÇÃO DE PORTA-ENXERTOS __________________________________________________________________________________ 74.1.1 RECIPIENTES PARA SEMEADURA__________________________________________________________________________________ 84.1.2 SUBSTRATOS PARA SEMEADURA _________________________________________________________________________________ 84.1.3 SEMEADURA ________________________________________________________________________________________________________ 104.1.4 IRRIGAÇÃO __________________________________________________________________________________________________________ 104.1.5 CONDUÇÃO DOS PORTA-ENXERTOS ____________________________________________________________________________ 104.1.6 RECIPIENTE DEFINITIVO _________________________________________________________________________________________ 114.1.7 TRANSPLANTIO ____________________________________________________________________________________________________ 114.2 FORMAÇÃO DE MUDAS ______________________________________________________________________________________________ 124.2.1 ENXERTIA ___________________________________________________________________________________________________________ 124.2.2 ADUBAÇÃO E IRRIGAÇÃO _________________________________________________________________________________________ 124.2.3 CONTROLE DE PRAGAS E DE DOENÇAS _________________________________________________________________________ 134.2.4 CONDUÇÃO DO ENXERTO E FORMAÇÃO DA MUDA ___________________________________________________________ 134.2.5 PADRÃO DE QUALIDADE DAS MUDAS CERTIFICADAS _______________________________________________________ 144.2.6 ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE_____________________________________________________________________________ 154.2.7 CONTROLE DE QUALIDADE DURANTE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DAS MUDAS ________________________ 155- SELEÇÃO DE CLONES ___________________________________________________________________________________________ 16
    • 5.1 PORTAS-ENXERTO ___________________________________________________________________________________________________ 176- INSTALAÇÃO DO POMAR ______________________________________________________________________________________ 196.1 TEMPERATURA_______________________________________________________________________________________________________ 196.2 SOLOS __________________________________________________________________________________________________________________ 196.3 TIPOS DE MUDAS_____________________________________________________________________________________________________ 196.4 PREPARO DA ÁREA __________________________________________________________________________________________________ 206.5 MARCAÇÃO DAS COVAS, ESPAÇAMENTO E ADUBAÇÃO DE FUNDAÇÃO ______________________________________ 206.6 PLANTIO _______________________________________________________________________________________________________________ 217- MANEJO DA CULTURA__________________________________________________________________________________________ 237.1 TRATOS CULTURAIS _________________________________________________________________________________________________ 237.2 DESBROTA ____________________________________________________________________________________________________________ 247.3 PODA DE LIMPEZA ___________________________________________________________________________________________________ 247.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ______________________________________________________________________________ 247.5 IRRIGAÇÃO ____________________________________________________________________________________________________________ 247.6 CULTURAS INTERCALARES _________________________________________________________________________________________ 257.7 ADUBAÇÃO ____________________________________________________________________________________________________________ 257.7.1 ADUBAÇÃO DE FORMAÇÃO (ATÉ PRIMEIRA PRODUÇÃO) ___________________________________________________ 257.7.2 ADUBAÇÃO DE PRODUÇÃO _______________________________________________________________________________________ 267.7.3 ADUBAÇÃO FOLIAR COM MICRONUTRIENTES ________________________________________________________________ 267.7.4 ADUBAÇÃO ORGÂNICA _____________________________________________________________________________________ 288- PRINCIPAIS PRAGAS ___________________________________________________________________________________________ 298.1 ORTÉZIA (ORTHEZIA PRAELONGA) ________________________________________________________________________________ 298.2 ESCAMA FARINHA (PINNASPSIS ASPIDISTRAE) __________________________________________________________________ 30 2
    • 8.3 ÁCARO DA FALSA FERRUGEM (PHYLLOCOPTRUTA OLEIVORA) _______________________________________________ 318.4 LARVA MINADORA DOS CITROS (PHYLLOCNISTIS CITRELLA) _________________________________________________ 318.5 PULGÃO-PRETO (TOXOPTERA CITRICIDUS) ______________________________________________________________________ 328.6 COCHONILHA CABEÇA-DE-PREGO (CHRYSOMPHALUS FICUS) _________________________________________________ 328.7 ÁCARO-BRANCO (POLYPHAGOTARSONEMUS LATUS) ___________________________________________________________ 338.8 COLEOBROCA _________________________________________________________________________________________________________ 338.9 FORMIGAS CORTADEIRAS __________________________________________________________________________________________ 348.10 BROCA DA LARANJEIRA (CRATOSOMUS FLAVOFASCIATUS) __________________________________________________ 348.11 CONCEITOS GERAIS ________________________________________________________________________________________________ 359- PRINCIPAIS DOENÇAS __________________________________________________________________________________________ 379.1 GOMOSE DE PHYTOPHTHORA DOS CITROS_______________________________________________________________________ 379.2 PODRIDÃO FLORAL DE COLLETOTRICHUM OU “ESTRELINHA” ________________________________________________ 389.3 TRISTEZA-DOS-CITROS _____________________________________________________________________________________________ 399.4 EXOCORTE ____________________________________________________________________________________________________________ 399.5 PODRIDÃO FOLIAR __________________________________________________________________________________________________ 409.6 ESTIOLAMENTO DAMPING-OFF ____________________________________________________________________________________ 409.7 VERRUGOSE ___________________________________________________________________________________________________________ 409.8 RUBELOSE _____________________________________________________________________________________________________________ 419.9 MELANOSE ____________________________________________________________________________________________________________ 4110- COLHEITA E CLASSIFICAÇÃO __________________________________________________________________________________ 4111- PÓS-COLHEITA __________________________________________________________________________________________________ 4112- PRODUÇÃO FORA DE ÉPOCA __________________________________________________________________________________ 4213- PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO____________________________________________________________________________ 42 3
    • 14- PRODUÇÃO PARA EXPORTAÇÃO _____________________________________________________________________________ 4315- CUSTOS PRODUÇÃO ____________________________________________________________________________________________ 4316- PADRÃO MÍNIMO DE QUALIDADE PARA O CONSUMO DO LIMÃO _______________________________________ 4416.1 EMBALAGEM ________________________________________________________________________________________________________ 4516.2 ROTULAGEM ________________________________________________________________________________________________________ 4516.3 TRANSPORTE _______________________________________________________________________________________________________ 4516.4 FICHA DE CONTROLE ______________________________________________________________________________________________ 4517- CONCLUSÃO _____________________________________________________________________________________________________ 4618- REFERÊNCIAS ___________________________________________________________________________________________________ 47 4
    • 1- Introdução O limão é o fruto do limoeiro (Citrus x limon), uma árvore da família dasrutáceas. Também conhecido como limão verdadeiro é originário da regiãosudeste da Ásia. Desconhecido para os antigos gregos e romanos, a primeirareferência sobre este citrino encontra-se no livro de Nabathae sobre agricultura,datando do século III ou IV. Trazido da Pérsia pelos conquistadores árabes, disseminou-se na Europa. Hárelatos de limoeiros cultivados em Gênova em meados do século XV bem comoreferências à sua existência nos Açores em 1494. Séculos mais tarde, em 1742,os limões foram utilizados pela marinha britânica para combater o escorbuto, masapenas em 1928 se obteve a ciência sobre a substância que combatia tal doença,batizado ácido ascórbico ou vitamina C, na qual o limão proporciona em grandequantidade: o sumo do limão contém aproximadamente 500 miligramas devitamina C e 50 gramas de ácido cítrico por litro. Atualmente é uma das frutasmais conhecidas e utilizadas no mundo. Popularizou-se no Brasil durante achamada Gripe Espanhola (epidemia gripal de 1918), quando atingiu preçoselevados. Tudo no limão é aproveitável. Com seu suco preparam-se refrigerantes,sorvetes, molhos e aperitivos, bem como remédios, xaropes e produtos delimpeza. Da casca retira-se uma essência aromática usada em perfumaria e nopreparo de licores e sabões. Enfim, muitas são as utilidades deste cítrico fácil deachar durante o ano todo, nas suas diversas variedades. Em geral, todos os tipos de limão têm aspecto semelhante, embora mudem notamanho e na textura da casca, que pode ser lisa ou enrugada. Quanto à cor,variam do verde-escuro ao amarelo-claro, exceto uma das espécies, que seassemelha a uma mexerica. As variedades de limão mais conhecidas são:  Limão-galego: pequeno e suculento, de casca fina, cor verde-clara ou amarelo-clara;  Limão-siciliano grande, de casca enrugada e grossa, menos suculento e mais ácido que o galego, de cor verde. 5
    •  Limão-cravo: parecido com uma mexerica, tem casca e suco avermelhados e sabor bem forte, tem boa quantidade de suco, mas é sempre preferível escolher os maduros, pois têm maior valor nutritivo.  Limão-tahiti: de tamanho médio, casca verde e lisa, muito suculento e pouco ácido e quando maduro deve ceder à pressão dos dedos. O limão é uma excelente fonte de vitamina C, muito importante para combateras infecções, pois aumenta a resistência do organismo. Contém ainda vitamina Ae vitaminas do complexo 13, além de sais minerais, como cálcio, fósforo e ferro. Em Fitoterapia, é utilizado para diversas patologias, tais como reumático,infecções e febres, aterosclerose, combate ateromas (remove placas gordurosasdas artérias), constipações, gripes, dores de garganta, acidez gástrica e úrica(alcaliniza o sangue), frieiras, caspas, cicatrizações, ajuda a manutenção decolágeno, hemoglobina, atua como anti-séptico entre outras. O limão possui umasubstância própria denominada limoneno capaz de combater os radicais livres. É,fundamentalmente, um remédio tônico que ajuda a manter a boa saúde. Os limões contêm uma grande quantidade de ácido cítrico, o que lhes confereum gosto ácido. No suco de limão, essa acidez chega a um pH de 2 a 3, emmédia.2- Objetivos Informações sobre plantio e cultivo do limão, bem como suas pragas edoenças, comercialização e importância econômica do fruto.3- Botânica O limoeiro é uma árvore de porte médio, atingindo 4 m de altura, possui troncoreto, com copa densa e arredondada. Suas flores apresentam botõesavermelhados e pétalas com tonalidades brancas e amareladas, nascem emgrupos de 2 a 20 unidades. Os frutos possuem formato arredondado, com cascalisa ou ligeiramente rugosa e com coloração esverdeada, a polpa se apresenta naforma esbranquiçada, suculenta, que envolve um líquido translúcido. Algumasvariedades não possuem sementes Propaga-se preferencialmente por enxertia, 6
    • preferindo clima e solos semelhantes ao da laranja. A colheita pode ser feita aolongo do ano, dependendo da época de plantio. No Brasil, o limão com maior importância comercial é o ‘Tahiti’, estimando-seque sua área plantada é de aproximadamente 40 mil ha. Contudo o ‘Tahiti’ ou‘Taiti’ (Citrus latifolia Tanaka) Dicotyledonae, Rutaceae. na realidade não é umlimão verdadeiro, sendo considerado lima ácida. Dentre as várias espéciescítricas, o ‘Tahiti’ é considerado um dos mais precoces, iniciando sua produção apartir do segundo ano de plantio. O Estado de São Paulo é o primeiro produtorbrasileiro, representando quase 73% de toda a produção nacional, seguido do Riode Janeiro e Rio Grande do Sul. Com porte variando de médio á grande a planta é expansiva, curvada,vigorosa; as folhas adultas apresentam cor verde e são lanceoladas, as folhasnovas e os brotos apresentam cor purpúrea. A floração ocorre ao longo do ano(principalmente setembro e outubro); os frutos são ovais, oblongos ou levementeelípticos, apresentando casca fina, superfície lisa e coloração amarelo-pálida namaturação, chegando ao estágio final de maturação em torno de 120 dias após afloração, as sementes são raras ou ausentes. O suco representa 50% do peso dofruto; tem teores médios de 9% (brix), acidez em torno de 6% e 20 a 40 mg deácido ascórbico (Vitamina C).4- Produção de mudas certificadas A muda de limão, assim como de uma série de outras fruteiras, é compostapela combinação de uma variedade porta-enxerto com uma variedade copa,sendo exigidos critérios específicos em relação à formação dos porta-enxertos eda muda propriamente dita. 4.1 Formação de porta-enxertos Em se tratando de mudas certificadas, os porta-enxertos devem serproduzidos no interior de ambiente protegido, a partir de sementes de plantas-matrizes ou de sementeiras registradas. As matrizes devem apresentarcaracterísticas genéticas e sanitárias bem definidas, podendo ser cultivadas emcondições de campo. Recomenda-se que sejam indexadas para viroses e declínio 7
    • a cada cinco anos e, anualmente, para CVC, antes da retirada das sementes. Osporta-enxertos podem ser adquiridos, em tubetes prontos para o transplantio emembalagens definitivas, ou ser produzidos no próprio viveiro. Normalmente, osviveiristas têm optado por produzir seus próprios porta-enxertos. Nos casos decompra, o viveirista deve obter um documento que comprove a procedência domaterial, especificando a origem, variedade e quantidade de porta-enxertosadquiridos. Este documento deve ser uma nota fiscal ou fatura. Geralmente, aprodução de porta-enxertos tem sido realizada no mesmo telado utilizado para aprodução das mudas. Visando uniformizar os tratos culturais e utilizar condiçõesde temperatura e de umidade mais favoráveis à germinação e aodesenvolvimento inicial das plântulas, alguns viveiristas têm produzido os porta-enxertos em telados separados das mudas enxertadas. 4.1.1 Recipientes para semeadura Os porta-enxertos podem ser semeados em tubetes plásticos, bandejas ouembalagens definitivas. Os tubetes de 50 cm3, em forma cônica, com quatro aseis estrias longitudinais, são os recipientes mais recomendados pela facilidadede manipulação, permitindo a distribuição das plântulas em lotes homogêneos, epor proporcionarem uma melhor circulação de ar entre as plântulas. Nesse tipo derecipiente, as raízes crescem em direção ao orifício basal, havendo a morte domeristema da raiz pivotante com conseqüente emissão de raízes secundárias.Os tubetes devem ser dispostos em bandejas plásticas perfuradas, as quaisdevem ser mantidas suspensas sobre cabos, com esticadores ou telas metálicasgalvanizadas, fixados sobre mourões de madeira ou cimento. Após o uso, ostubetes e as bandejas devem ser desinfetados via tratamento térmico ou comprodutos químicos, como o hipoclorito de sódio a 1%. 4.1.2 Substratos para semeadura O substrato deve apresentar propriedades físicas e químicas adequadas parao desenvolvimento das plantas, sendo as físicas determinantes por serem dedifícil correção. O substrato deve ser leve para facilitar o manuseio e o transporte,apresentar boa porosidade, drenagem e capacidade de retenção de água, ser 8
    • suficientemente consistente para fixar as plantas, isento de patógenos de solo,não conter sementes ou propágulos de plantas daninhas, não contercomponentes de fácil decomposição, possuir composição uniforme para facilitar omanejo das plantas e apresentar um custo compatível com a atividade.Segundo as normas e padrões da Secretaria da Agricultura e Abastecimento,osubstrato deve estar isento dos fungos Armillaria sp., Phytophthora spp.,Rhizoctonia solani, Rosellinea sp. e Sclerotinia sp. e dos nematóides Meloidogynespp., Pratylenchus spp. e Tylenchulus semipenetrans, devendo ser analisado emlaboratório credenciado pela Entidade Certificadora e Fiscalizadora do Estado.Conhecendo as propriedades de um substrato ideal, o viveirista pode optar pelaprodução própria ou aquisição junto a empresas especializadas, analisandosempre a qualidade, o custo e a facilidade de obtenção. Os principaiscomponentes utilizados pelos viveiristas para a produção própria de substratosão: terra tratada, areia e esterco curtido. A desinfestação desses componentespode ser feita por solarização em coletor solar ou em sacos plásticostransparentes. A desinfecção química, com fumigantes, e a térmica, porautoclavagem (110-120ºC) não são recomendadas por prejudicarem odesenvolvimento da microflora benéfica do substrato. A maioria dos viveiros decitros tem utilizado substratos comerciais constituídos de casca de pinos, palha dearroz, serragem, bagacilho de cana, vermiculita, perlita, argila expandida, húmusou turfa. Cada substrato exige um manejo diferente, desde a fertilização até airrigação, em função de propriedades específicas. Por isso, é muito importantetrabalhar com um mesmo substrato, o qual, obrigatoriamente, tem que apresentarlotes uniformes. Antes da distribuição nos recipientes, recomenda-se que sejarealizada a análise de fertilidade do substrato, seguida de correção química. Estaé essencial para maximizar o desenvolvimento das plantas. Nessa fase,normalmente é necessário acrescentar nitrogênio, fósforo e cálcio ao substrato. Ofósforo deve ser adicionado antes da semeadura, enquanto que os demaisnutrientes podem ser aplicados em cobertura, por meio de formulações deliberação lenta, ou semanalmente, via fertirrigação. A salinização do substrato éum dos problemas mais freqüentes no cultivo de plantas em recipientes. Por isso,deve-se tomar bastante cuidado com a aplicação de fertilizantes em excesso. Atoxidez por sais provoca necrose de folhas, desidratação, redução do 9
    • crescimento, e, até mesmo, a morte de plantas. A correção do nível de sais podeser feita lixiviando-os, por meio de irrigação em excesso. 4.1.3 Semeadura Primeiramente, as sementes devem ser submetidas a um tratamento térmico a52ºC por 10 minutos. Alguns viveiristas têm retirado o tegumento externo dassementes com a finalidade de melhorar a sanidade, acelerar e uniformizar agerminação, embora seja uma atividade bastante trabalhosa. A semeadura podeser feita utilizando-se de 1 a 3 sementes por tubete, dependendo da variedade eda porcentagem de germinação do lote de sementes. Pode-se utilizar aprofundidade de 2 a 3 cm. 4.1.4 Irrigação Durante a germinação e o desenvolvimento inicial dos porta-enxertos, airrigação deve ser feita manualmente ou por meio de aspersores, de forma a nãodescobrir as sementes. A água de irrigação deve ser tratada com cloro ativo ouser proveniente de poço artesiano. No caso de tratamento da água, recomenda-se a adição de cloro na concentração de 3 a 5 ppm.Nessa concentração ocorre ainativação dos zoósporos de Phytophthora. Deve-se tomar cuidado para nãoutilizar uma concentração excessiva de cloro, o que pode causar toxidez àsplantas. No caso da utilização de água de poço artesiano, deve-se avaliar apresença e a quantidade de sais. 4.1.5 Condução dos porta-enxertos A área do viveiro deve ser livre de detritos vegetais, inclusive aquelesdecorrentes do processo de produção das próprias mudas. Os porta-enxertosdevem ser conduzidos em haste única, sendo realizada desbrota semanal.Normalmente, as plantas atípicas e de crescimento debilitado apresentamnatureza híbrida, devendo ser eliminadas. A taxa de ocorrência destes híbridosdepende da espécie do porta-enxerto, sendo inversamente proporcional a suataxa de poliembrionia. Para facilitar o manejo, as plantas de cada variedade 10
    • devem ser separadas em lotes mais homogêneos, normalmente aos 70-80 diasda semeadura. 4.1.6 Recipiente definitivo O recipiente definitivo das mudas deve apresentar dimensões mínimas de 10cm de largura por 30 cm de altura. Esse recipiente desempenha um papeldeterminante no desenvolvimento do sistema radicular das mudas, influindo naformação e na configuração das raízes. No caso de mudas de citros, osrecipientes podem ser de plástico rígido ou de polietileno. Os vasos de plásticorígido são comercialmente denominados de citrovasos ou citropotes. Possuem avantagem de apresentar estrias longitudinais, como os tubetes, para direcionar ocrescimento das raízes para o fundo do recipiente, evitando o seu enovelamento.A suspensão dos vasos em bancadas é essencial para esse comportamento dasraízes. Os vasos de plástico rígido apresentam um custo maior do que os depolietileno, porém são reutilizáveis. Os recipientes de polietileno, tambémchamados de sacolas plásticas, apresentam um custo menor, não ocupamespaço quando vazios e são descartáveis, não havendo necessidade de retorno,realização de lavagens e riscos de contaminação com patógenos de outras áreas,porém podem rasgar com certa facilidade e estão sujeitos à ocorrência deenovelamento de raízes, devido às superfícies lisas do recipiente, principalmentese houver atraso no plantio das mudas. Com relação ao substrato, valem asmesmas observações efetuadas na fase de semeadura e de desenvolvimentoinicial dos porta-enxertos. 4.1.7 Transplantio Dependendo da variedade e das condições de cultivo, os porta-enxertosapresentam 10 a 15 cm de altura, após 3 a 5 meses de cultivo, estando aptos aserem transplantados para os recipientes definitivos, onde será completada aformação das mudas. Por ocasião do transplantio, deve-se evitar o enrolamentode raízes na região do colo das plantas, o que diminui o vigor dos porta-enxertos.O transplantio das plantas deve ser feito com o torrão, de forma a não lesionar osistema radicular, evitando a interrupção do crescimento dos porta-enxertos. 11
    • 4.2 Formação de mudas 4.2.1 Enxertia Dependendo da variedade e condições de cultivo, os porta-enxertos estãoaptos para a enxertia 3 a 6 meses após o transplantio. Para a produção de mudascertificadas, as borbulhas devem ser obtidas de plantas matrizes ou deborbulheiras registradas, cultivadas em ambiente protegido e inspecionadas,periodicamente, com relação a mutações e à sanidade, principalmente clorosevariegada dos citros, cancro cítrico, tristeza e outras viroses. O viveirista devepossuir um comprovante de origem das borbulhas, que pode ser uma nota fiscalou fatura que especifique a origem, a espécie, a cultivar e a quantidade dematerial adquirido. As borbulhas são fornecidas em ramos chamados de porta-borbulhas. Trata-se de ramos desfolhados de aproximadamente 30 a 40 cm,contendo borbulhas maduras. A enxertia deve ser realizada a uma altura de 10 a20 cm a partir do colo da planta para a maioria das variedades. Somente para oslimões verdadeiros e para a lima ácida Tahiti, a altura da enxertia deve ser entre20 e 30 cm. Para a enxertia, devem ser retiradas as folhas e os espinhos até 30cm do colo do porta-enxerto. Esta operação deve ser realizada no dia da enxertia,pois se feita anteriormente dificulta o desprendimento da casca. O aumentoprogressivo da irrigação nos dias que antecedem a enxertia é recomendado paramelhorar o desprendimento da casca. A enxertia deve ser feita por borbulhia, emT normal ou invertido, sendo fixada com fita plástica normal ou degradável. 4.2.2 Adubação e irrigação A formulação dos adubos e a frequência de adubação variam em função davariedade e da composição do substrato. De uma forma geral, recomenda aaplicação semanal, via água de irrigação, de nitrato de potássio, nitrocálcio ou defosfato monoamônico, na proporção de 2 a 4 g por planta, e a aplicação foliar denitrogênio, zinco, manganês, boro e ferro, quinzenalmente, juntamente com ostratamentos fitossanitários. No entanto, para uma adubação equilibrada,recomenda-se o monitoramento do estado nutricional das plantas por meio de 12
    • análise foliar e do substrato, procedendo-se as correções em cobertura, via águade irrigação ou da forma convencional, de acordo com a necessidade denutrientes. A irrigação pode ser feita manualmente, por aspersão ou de formalocalizada em cada recipiente. A irrigação localizada por gotejo, vaso a vaso, évantajosa para a produção de mudas sadias, por evitar a umidade excessiva notronco, ramos e folhas e a lavagem de defensivos, além de possibilitar a adiçãode fertilizantes solúveis. As desvantagens desse sistema referem-se ao maiorcusto e ao encharcamento de alguns recipientes devido ao consumo diferenciadode água pelas plantas em diferentes fases de desenvolvimento e em função daespécie de porta-enxerto. 4.2.3 Controle de pragas e de doenças O manejo de pragas e de doenças deve ser preventivo e rigoroso, evitandoprejuízos à qualidade e ao desenvolvimento das mudas. Deve-se realizar,quinzenalmente, pulverizações com combinações de produtos de ação inseticida,acaricida e fungicida, alternando os princípios ativos para evitar a proliferação depatógenos e de pragas resistentes. A tela citros, de 1 mm2, controla a entrada damaioria dos insetos-praga e vetores de doenças. Porém, fungos e ácaros podementrar pelos orifícios da tela e algumas espécies de cigarrinhas, pulgões,cochonilhas e insetos adultos de minador pela própria porta do telado. Por isso,além das pulverizações preventivas, o viveiro deve ser inspecionadopermanentemente, procedendo-se, caso necessário, um controle químicoadicional com produtos específicos para a praga ou patógeno encontrado. O usode armadilhas amarelas com cola adesiva na antecâmara e no interior do telado éessencial para o monitoramento e controle de insetos, principalmente decigarrinhas, que são atraídas por essa coloração. 4.2.4 Condução do enxerto e formação da muda A remoção do fitilho não degradável deve ser realizada 15 a 20 dias após aenxertia, quando se verifica o pegamento. Caso este não ocorra, pode-se enxertarnovamente no lado oposto do caule, cinco dias após o corte do fitilho. Para forçar 13
    • a brotação, pode ser feito o encurvamento do porta-enxerto, segurando com umadas mãos a 10 cm acima do enxerto e curvando com a outra a parte superior daplanta até prender na base da muda. Outra técnica utilizada para forçar abrotação, consiste em proceder o corte do porta-enxerto 5 cm acima da enxertia,no momento da retirada do fitilho. O pedaço de ramo remanescente deve sercortado, 15 dias antes da expedição das mudas. A região do corte deve sertratada com pasta cúprica. Uma única brotação deve ser conduzida de formatutorada até o amadurecimento do ramo. O tutoramento pode ser feito commateria galvanizado ou não. O tutor deve ser fino, firme e estreito, para evitarlesões no sistema radicular das mudas no momento em que é introduzido nosubstrato. Neste sistema de produção de mudas não são formadas "pernadas"ou ramos laterais, como no sistema tradicional em campo. Para tanto, as plantasteriam que permanecer por mais tempo nos recipientes, o que poderia provocarenovelamento do sistema radicular. Desta forma, as mudas são produzidas ecomercializadas em haste única, sendo chamadas de muda vareta, pavio oupalito. A haste principal da muda vareta deve ser podada a 50-70 cm para aslimas ácidas e limões verdadeiros, medidos a partir do colo da planta, devendoapresentar tecido já amadurecido. Para facilitar a identificação e evitar a troca demateriais, recomenda-se a utilização de um código de cores para as variedadescopa e porta-enxerto, com aplicação de tinta na região abaixo e acima do pontode enxertia. A idade máxima para o plantio é de 18 meses após a semeadura dosporta-enxertos para as mudas de haste única. Este critério é fundamental paraevitar o enovelamento das raízes. De forma geral, as mudas tipo palito,produzidas em ambiente protegido, apresentam um pegamento e vigor superioràs mudas produzidas em viveiros a céu aberto, em virtude, principalmente, daqualidade do sistema radicular. Após a retirada de cada lote de mudas do viveiro,deve-se realizar a desinfecção dos pisos, paredes e bancadas com hipoclorito desódio a 5% ou formaldeído a 1%. 4.2.5 Padrão de qualidade das mudas certificadas O enxerto e o porta-enxerto devem constituir uma haste única, ereta e vertical,tolerando-se um desvio de no máximo 15 graus. As mudas certificadas devem 14
    • apresentar um diâmetro mínimo de 0,7 cm, 5 cm acima do ponto de enxertia. Asmudas devem apresentar sistema radicular bem desenvolvido, com raiz principalreta com pelo menos 20 cm de comprimento, sem raízes enoveladas, retorcidasou quebradas. As mudas não devem apresentar ramos quebrados ou lascados.Após o recebimento de parecer favorável nas inspeções de pós-semeadura, pós-transplantio, pós-enxertia e de liberação, e das análises laboratoriais, a muda oulote de mudas aprovados pela entidade certificadora receberão as etiquetas e ocertificado de garantia, podendo ser comercializadas. As mudas devem receberetiquetas, nas quais devem constar o nome e o número de registro do produtor, oendereço do viveiro e a identificação das variedades porta-enxerto e copautilizadas. As mudas produzidas para certificação que não atenderem os padrõesmorfológicos, mas que se enquadrarem nos demais padrões de qualidade,poderão ser comercializadas como "Mudas Fora de Padrão Morfológico". 4.2.6 Armazenamento e transporte As mudas certificadas poderão ser armazenadas fora do viveiro, em bancadascom altura mínima de 30 cm do solo, por um período não superior a 15 dias,devendo permanecer protegidas do ataque de insetos vetores em áreas deincidência de CVC e de tristeza. Os caminhões utilizados para o transporte dasmudas devem ser lavados e desinfetados com amônia quaternária antes docarregamento. Estes devem ser preferencialmente fechados ou cobertos com telacom malha inferior a 1 mm2. 4.2.7 Controle de qualidade durante o processo de produção das mudas Independentemente das inspeções oficiais, os viveiristas devem realizar umcontrole próprio para aprimorar a qualidade das mudas. É aconselhável arealização de inspeções visuais e de análises laboratoriais periódicas para osprincipais patógenos durante todo o processo de produção, para que, no caso deser encontrado algum patógeno, o lote seja eliminado antes do final do ciclo e deforma a não contaminar os demais. Para o diagnóstico de patógenos do gêneroPhytophthora e de nematóides nocivos aos citros, deve-se amostrar pelo menos 15
    • 10 mudas por lote de mil plantas. As amostras devem ser retiradas em fasesdistintas de desenvolvimento das mudas. Na primeira, antes do transplantio dosporta-enxertos, deve-se coletar amostras do substrato, que será utilizado noenchimento dos recipientes definitivos, e amostras de substrato e de radicelas dostubetes onde se encontram os porta-enxertos prontos para transplantio. Caso sejadetectado algum patógeno, o lote de substrato ou de porta-enxertos deve sereliminado, evitando os custos de enchimento dos recipientes definitivos. Na fasefinal, 20 dias antes da expedição das mudas, deve-se coletar amostras desubstrato e radicelas a uma profundidade de 20 cm do colo das plantas. Para isto,pode-se utilizar amostradores semelhantes aos utilizados para a amostragem desementes ou de solo, porém de tamanho menor. Durante a coleta das amostras,deve-se evitar lesões nas radicelas, devendo o equipamento amostrador serdesinfestado com álcool hidratado a cada mudança de lote. O viveirista tambémpode realizar amostragens intermediárias, caso deseje maior segurança. Para odiagnóstico da bactéria Xylella fastidiosa, causadora da clorose variegada doscitros, devem ser amostrados lotes de mil plantas, coletando-se, no mínimo, 20folhas de cada lote. Deve-se retirar uma folha por muda, escolhida aleatoriamentedentro do lote. Esta amostragem deve ser realizada somente na fase final deprodução das mudas, sendo escolhidas as folhas maduras de coloração verde-oliva. A realização de testes para o cancro cítrico e para a mancha-preta emlaboratórios credenciados também é recomendada.5- Seleção de clones O plantio de mudas de boa qualidade garante o sucesso de um pomar no quese refere a sua produtividade, menor incidência de doenças, longevidade dasplantas e um pomar economicamente viável. Sendo assim, deve-se sempreprocurar adquirir mudas produzidas sob telado de viveiros certificados.Os principais clones utilizados no Brasil são o ‘IAC-5’ ou ‘Peruano’ e o ‘Quebra-galho’. a) ‘ Peruano’ ou ‘IAC-5’ Apresenta copa vigorosa, o que proporciona menor incidência de luz 16
    • no interior da copa. Os frutos são redondos, com casca bem rugosa e commaior durabilidade pós-colheita, em comparação ao clone ‘Quebra-galho’.A produção desse clone é em torno de 200 Kg/planta/ano. b) ‘Quebra-galho’ Esse clone pode ser contaminado com o complexo de viróides da exocorte, oque proporciona menor porte, rachaduras no tronco (motivo do nome ‘Quebra-galho’) e grande variação entre as árvores de um mesmo talhão. Esse clone é omais preferido pelos citricultores do Estado de São Paulo, pelo fato de ocorrer devárias floradas durante o ano, benefício adquirido devido à presença da exocorte. A copa é menos vigorosa, permitindo, assim, maior arejamento e incidência deluz no interior da copa. Os frutos são alongados e com casca lisa. As plantasapresentam hipertrofia do cálice (ocasionando queda dos frutos). Sua produçãovaria de 120 a 150 Kg/planta/ano. A muda utilizada deve sempre ser de indiscutível qualidade e obedecer àsseguintes exigências:  Ter procedência e sanidade garantidas;  Enxertia feita a 25-30 cm de altura;  Possuir três a quatro galhos a cerca de 60 cm do solo;  O sistema radicular deve ser bem desenvolvido, sem raízes enoveladas;  Copa e porta-enxerto não deverão apresentar uma diferença de diâmetro maior do que 0,5cm;  O corte do porta-enxerto deve estar cicatrizado e a planta não deve apresentar ramos quebrados, ou lascados. As mudas podem ser de torrão, ou raiz nua, sendo que estas últimas devemestar amarradas em feixes. 5.1 Portas-enxerto O limão ‘Cravo’ é o porta-enxerto utilizado na quase totalidade dos pomares,muito mais pela tradição do uso deste cavalo e pela falta de estudos de porta-enxertos alternativos do que por razões técnicas. Apesar de induzir boasproduções logo nos primeiros anos e mantê-las durante a vida útil da planta, a 17
    • combinação do garfo, por exemplo o “Tahiti’ sobre limão ‘Cravo’ tem vida útil curtapor ser muito atacada pela gomose de Phytophthora, o que foi comprovado numexperimento de porta-enxertos conduzido na EECB, onde aos nove anos doplantio, 100% das plantas sobre limão ‘Cravo’ estavam mortas, principalmentedevido à gomose. Outros cavalos indutores de boa produtividade apresentaramno máximo 40% de plantas mortas. Entre estes porta-enxertos pode-se destacar,em ordem decrescente, o citrange ‘Morton’, o tangelo ‘Orlando’, o citrumelo‘Swingle’ ou 4475, o Trifoliata, e o limão ‘Volcameriano’. Neste estudo, astangerinas confirmaram seu mau desempenho como porta-enxertos para ‘Tahiti’.A tangerina ‘Cleópatra’, que é um porta-enxerto recomendado para ‘Tahiti’,induziu uma produtividade muito inferior à dos melhores cavalos (mais de meiacaixa), entretanto, quando a copa é o clone microenxertado do CNPMF, a suaprodutividade é boa e o tamanho das plantas, aos nove anos de idade, é maior(altura média de 4,5 m e diâmetro da copa de 6,1 m) com apenas 20% de plantasmortas. Possivelmente, estas diferenças existam devido aos clones, que são deorigens distintas. O citrumelo ‘Swingle’, além da boa produtividade e nula mortalidade deplantas, possui boa tolerância à seca, e, induz menor altura das plantas e menordiâmetro da copa, o que facilita a colheita e permiti a instalação de pomaresligeiramente mais adensados que os porta-enxertos citrange ‘Morton’ e tangelo‘Orlando’ e com a mesma densidade do limão ‘Cravo’. O Trifoliata, entre os porta-enxertos que se destacaram, é o que permiti maior aumento da densidade deplantio, além de ser o que induzi menor altura de plantas. Para se obter maior redução do porte das plantas de limão, como por exemploo ‘Tahiti’, uma das alternativas é o uso de porta-enxertos ananicantes, como oPoncirus trifoliata cv. Flying Dragon.(FD). Esses tipos de citros estão sendotestado como cavalo para ‘Tahiti’. A primeira safra pode ser colhida aos dois anosdo plantio, enquanto o padrão (Macrophylla) só produz no terceiro ano, quando amédia de produtividade é de 12 t/ha para a combinação ‘Tahiti’/ FD, plantada comdensidade de 1000 plantas/ha, contra 4,4 da combinação ‘Tahiti’ /Macrophylla,plantada na densidade usual. O FD está sendo testado como porta-enxerto paraTahiti num experimento da EECB, onde o plantio foi feito em novembro de 1994,com quatro espaçamentos: 4 x 1, 4 x 1,5, 4 x 2 e 4 x 2,5. As principais 18
    • constatações são: produção de alguns frutos no segundo ano de plantio e boaqualidade externa dos frutos. A produtividade em toneladas por hectare alcançadaé muito boa, mas deve-se ter em mente que são informações preliminares, poucose sabe sobre a longevidade das plantas e que o FD apresenta extremasensibilidade à seca, o que torna obrigatório o uso de irrigação para pomarescomerciais. Em outros países, foram estudados muitos porta-enxertos para o‘Tahiti’. Entre os que apresentaram melhores produções de frutos de boaqualidade, na maioria dos experimentos, foram: Citrus macrophylla, laranja‘Azeda’ e limão ‘Volcameriano’. Um segundo grupo alternou bons e mausresultados, dependendo das condições. Entre eles estiveram: citrange, citrumelo,pomelo, kalpi (Citrus excelsa), limão ‘Cravo’, limão ‘Rugoso’, shekwasha (Citrusdepressa) e “sweet lime”.6- Instalação do pomar 6.1 Temperatura Dentre os fatores climáticos, a temperatura é o de maior importância,recomendando-se para o melhor desenvolvimento da cultura temperaturasmédias em torno de 25 a 31ºC. A região deve apresentar chuvas bem distribuídasao longo do ano, com precipitações que variam de 1.000 a 2.000 mm anuais. Emregiões onde ocorrem ventos fortes, recomenda-se a utilização de quebra-ventos,com espécies de eucalipto, gravilea, bananeira e capim napier, realizando otutoramento no plantio das mudas. 6.2 Solos Os solos mais adequados para o cultivo de limão são os solos arenosos alevemente argilosos, bem drenados, arejados, profundos e sem impedimento parapenetração das raízes. O pH ideal para a cultura deve variar de 5,5 a 6,5. Atopografia do local deve ser plana a levemente ondulada. 6.3 Tipos de mudas Devem resultar de enxertos sobre limão Cravo ou limão Rugoso queproporcionam crescimento rápido, boa produção, frutos de qualidade e maior 19
    • tolerância à seca, embora sensíveis à podridão radicular. Os enxertos sobretangerina Cleopatra são aceitáveis. A muda, de indiscutível qualidade, deve terprocedência e sanidade garantidas, enxertia feita a 25-30 cm de altura, possuirtrês a quatros ramos (galhos) a 60 cm do solo e raízes desenvolvidas, semestarem enoveladas. 6.4 Preparo da área Selecionada a área, as atividades de implantação consistem na roçagem,destoca e enleiramento do mato. Essas operações devem ser realizadas cinco aseis meses antes do plantio. Em seguida, efetuar a aração e a gradagem, quedevem ser realizadas três meses antes do plantio. A aplicação de corretivos aosolo (calcário) deve ser realizada em área total, elevando-se a saturação debases a 70%, calculando-se a quantidade de calcário a ser aplicada segundo umaanálise do solo realizada em área total, e aplicando-se a primeira metade daquantidade recomendada antes da aração e a segunda metade, antes dagradagem. 6.5 Marcação das covas, espaçamento e adubação de fundação Nivelado o terreno, efetua-se a marcação das covas. Os espaçamentos maisutilizados são de 7 x 6 m (238 plantas/ha) e 7 x 5 m (285 plantas/ha).Essesespaçamentos permitem a utilização de plantios intercalares. O cultivo intercalar éuma prática efetuada em pequenas e médias propriedades, devendo escolherculturas de baixo porte e ciclo curto, distantes de 1,5-2 m da linha de plantio do’Tahiti’. Uma boa opção é o uso de leguminosas (feijão ‘carioca’, feijão-de-porco,leucena, crotalaria e soja), pelo fato de essas plantas fixarem nitrogênioatmosférico, contribuindo para a redução dos adubos nitrogenados, normalmentefornecidos via solo, ou outras culturas, como abacaxi, amendoim, batata-doce,mandioca e milho. As covas devem ser preparadas 2 meses antes do plantio, com dimensões de60 x 60 x 60 cm. Cada cova deve receber 20 litros de esterco de curral, 250 g decalcário dolomítico, 300 g de superfosfato simples e 50 g de micronutrientes (FTEou Fritas). Em geral, invertem-se as camadas do solo da superfície e do fundo da 20
    • cova, aplicando-se metade do calcário dolomítico com esterco de curral na parteinferior, e a outra metade com adubo mineral, na porção superior da cova. Todosesses insumos devem ser bem misturados e colocados nas covas. Em plantios extensos recomenda-se dividir o pomar em talhões comcorredores para a melhor circulação de caminhões. O plantio deve ser feito em horas frescas do dia ou em dias nublados com osolo úmido. 6.6 Plantio Deve-se usar régua de plantio para bom alinhamento. Ajusta-se a muda nacova de modo que o colo da planta fique ligeiramente acima do nível do solo e osespaçamentos entre raízes cheios com terra. Após o plantio faz se necessáriofazer uma "bacia" em torno da muda, regando com abundância sem encharcar ecobrir solo com capim seco (sem sementes) ou com palha. No plantio definitivo, a abertura das covas pode ser feita manualmente ouutilizando-se trados, e estas devem ter 60 x 60 x 60 cm. Separa-se a terra dacamada superficial e da inferior e inverter sua posição no enchimento, utilizandoprimeiro a camada superficial misturada com adubos e calcário dolomítico (autilização do calcário é feita somente se for necessário corrigir o pH do solo, o quegeralmente ocorre) e completando o enchimento com a terra retirada da parteinferior da cova. É recomendado que se prepare a cova com bastanteantecedência para que o calcário possa agir. O plantio deve ser efetuado no período chuvoso ou em outra época desde queexista água suficiente para irrigação. Deve-se evitar o plantio nos dias de muitosol, outro cuidado que se deve ter é deixar o colo da muda em torno de 5 cmacima do nível do solo. É necessário comprimir a terra sobre as raízes e ao redordas plantas para dar maior fixação a planta e maior contato das raízes com osolo. Faz-se, também, uma bacia em torno da muda e rega-se com 10 a 20 litros deágua, depois é necessário cobrir com palha, capim seco ou maravalhas paraevitar a incidência direta do sol na cova, evitando assim a evaporação da água deirrigação. 21
    • Alguns fatores determinam o espaçamento a ser adotado no pomar: porte daplanta, textura e níveis de nutrientes do solo, tratos culturais, culturas intercalarese o sistema de irrigação a ser utilizado. Para os limoeiros var. tahiti e galego usa-se o espaçamento de 6 x 8m ou 9 x 5m; para as var. siciliano e eureca érecomendado o espaçamento de 7 x 9m. Os limoeiros são formados pelo conjunto de dois indivíduos diferentes: o porta-enxerto e a copa. Esta combinação deve ser harmônica, pois o uso indiscriminadode uma única combinação possibilita o surgimento de doenças do porta-enxerto.Convém plantar mudas vigorosas enxertadas em cavalos de limão-cravo, laranja-caipira ou trifoliata, livres de vírus. As melhores variedades para exportação sãoas var. siciliano e var. eureca; para o mercado interno e indústria as variedadestahiti, galego, siciliano e eureca são as mais indicadas. É necessário sempre fazer análise química do solo para saber como e em quequantidade se deve colocar os adubos na cultura, principalmente se for adubosquímicos. Os adubos orgânicos aplicados na cova, além de fornecer nutrientes àplanta melhora a capacidade de retenção de água pelo solo. Geralmente ocorrem nos primeiros dois anos algumas brotações nas plantasabaixo da copa. Essas brotações devem ser eliminadas bem novas bem comoefetuar também a retirada dos frutos, pois os mesmos não têm significaçãoeconômica e atrasam o crescimento e as safras futuras. Uma boa prática consiste em plantar culturas intercalares nos primeiros trêsanos, tais como feijão, amendoim, batata-doce, inhame, abóbora, melancia oufruteiras como abacaxi, mamão e maracujá. O cultivo intercalar deve ser mantidoa uma distância mínima de 1,5m do limoeiro Esta prática assegura uma rendainicial ao citricultor, já que o retorno do capital empregado no plantio do pomar delimão só inicia após o segundo ano. O manejo inadequado do controle de plantasdaninhas tem contribuído para reduzir a disponibilidade de água para as plantascítricas. A adoção dessa prática cultural permite aumentar os teores de matériaorgânica e a capacidade de retenção de água pelo solo. 22
    • 7- Manejo da cultura 7.1 Tratos culturais A capina pode ser manual, mecânica ou química. A capina manual diminui aconcorrência do mato. O emprego de herbicidas deve ser feito com muitocuidado, e com orientação técnica. A capina mecânica deve ser feita com gradede discos e roçadeira, em épocas diferentes. Deficiências de zinco, manganês ou boro, são corrigidas, na primavera-verão,com duas pulverizações foliares contendo, na primeira aplicação, sulfato de zincoa 0,25%, sulfato de manganês a 0,15% + cal a 0,15%, e bórax a 0,05%. Nasegunda aplicação deve-se substituir a cal por uréia a 0,5%. Uma tecnologia alternativa de manejo que proporcione aumento dacapacidade produtiva do solo, pela utilização de leguminosas como cobertura nasentrelinhas dos citros vem se destacando como uma das formas mais eficientesno controle do processo erosivo e no melhoramento das condições físicas,químicas e biológicas do solo. O feijão-de-porco, guandú, crotalárias, aopenetrarem na camada adensada descompacta o solo, permitindo maiorinfiltração da água, intensificando a vida biológica, enriquecendo-o com nitrogêniofixado na atmosfera por meio de uma bactéria, o rizóbio, que forma nódulos emsuas raízes. Sua massa verde, deixada na superfície como cobertura morta,permite reduzir as perdas de água por evaporação, mantendo assim a umidadepor mais tempo disponível para a cultura. Tratos culturais adequados são de fundamental importância para o equilíbrioentre os insetos alvo e seus inimigos naturais (insetos úteis) As plantas novas deaté quatro anos são as mais afetadas e sofrem mais com o ataque das pragas. Nessa faixa de idade, é praticamente impossível se dispensar o controlequímico, no entanto não se deve abusar dos agrotóxicos. Só aplicar o inseticidanas plantas com ataque intenso, e assim mesmo, sob orientação técnica. Ainspeção periódica do pomar é de fundamental importância, pois permite detectara presença das pragas e o seu grau de infestação. 23
    • 7.2 Desbrota A desbrota tem a função de eliminar as brotações surgidas abaixo do ponto deenxertia e o excesso de brotos nos ramos e tronco. Devem ser retiradas logo noinício, facilitando sua eliminação e não causando ferimentos a planta. Osferimentos que porventura ocorram devem ser tratados com produtos à base decobre, como a calda bordalesa. Na fase de implantação, as mudas devem servistoriadas quinzenalmente, até o final do período das águas. 7.3 Poda de limpeza A poda de limpeza tem o objetivo de eliminar os ramos secos, doentes oupraguejados da planta, devendo ser realizada no período de inverno. Sempreapós a realização da poda de limpeza, deve-se pincelar pasta bordalesa no localdo corte, para evitar o aparecimento de doenças que possam prejudicar ocrescimento e desenvolvimento da planta. 7.4 Controle de plantas daninhas Recomenda-se manter sob controle o mato no pomar, visando afacilitar a colheita e os tratos fitossanitários, além de evitar a concorrênciapor água, nutrientes e luz com a cultura. O controle das plantas daninhas podeser feito com roçadeira nas entrelinhas de plantio na época das chuvas. Naprojeção da copa, deve-se utilizar herbicidas, sendo uma boa opção para acultura. Caso não queira utilizar herbicidas, as plantas devem ser "coroadas" comenxada, evitando-se cortar o tronco da planta e danificar as raízes, o que podefavorecer a contaminação por patógenos, principalmente por Phytophthora sp.,causador da “Gomose” e da “Podridão radicular”. 7.5 Irrigação O uso da irrigação na citricultura tem se intensificado nos últimos anos. Essaprática aumenta a produção e melhora a qualidade dos frutos. Os sistemas deirrigação mais utilizados são os de aspersão e localizada (gotejamento emicroaspersão), que aplica água, em geral, abaixo da copa da planta, evitando-se, assim, o aparecimento de doenças na copa. Sulcos e bacias de inundação 24
    • temporária são outros métodos que podem ser utilizados. Nos cerrados maioresprodutividades foram obtidas utilizando-se sistema de gotejo a cada metro (120 lágua/planta em turnos de rega de 4 dias). Em regiões úmidas a irrigação podeelevar a produção em 35% a 75%. 7.6 Culturas intercalares O cultivo intercalar é praticado principalmente em pequenas/médiaspropriedades; pode-se usar leguminosas (feijão de porco, leucena, crotalária) ouabacaxi, amendoim, batata doce, feijão, mandioca, milho, no pomar jovem dolimão Tahiti. As culturas intercalares devem ter baixo porte e ciclo curto, e situar-se a distância de 1,5 – 2 m da linha de plantio do limoeiro. 7.7 Adubação As exigências nutricionais do limão são semelhantes às demais espéciescítricas comerciais. Para adubar corretamente o pomar, é indispensável fazer asanálises de solo e foliar, por meio das quais se pode conhecer as disponibilidadesdos nutrientes no solo e o estado nutricional da planta, devendo ser realizadas,preferencialmente, no mês de agosto. Os adubos a serem fornecidos para aplanta devem conter todos os nutrientes necessários para a mesma de formaequilibrada e balanceada. As adubações devem ser realizadas preferencialmentecom solo úmido, procurando parcelar a dosagem recomendada de cada aduboem 4 aplicações bem distribuídas. 7.7.1 Adubação de formação (até primeira produção) A adubação de formação deve ser realizada nos primeiros três anos de idade.Do plantio até o 1° ano, recomenda-se aplicar os fertilizantes ao redor da coroa,em toda a volta da planta, num raio de aproximadamente 0,5 m. No 2° e 3° ano,recomenda-se aplicar os fertilizantes ao redor da coroa, em toda a volta da planta,na projeção da copa, num raio de aproximadamente 0,6 m de largura. A partir do4° ano, recomenda-se aplicar os adubos na projeção da copa. A recomendação das quantidades de nutrientes a serem aplicados naadubação de formação está apontada na Tabela 1: 25
    • Tabela 1: Adubação de crescimento e formação para o cultivo de limão. 7.7.2 Adubação de produção Deve ser realizada quando as plantas estiverem em plena época de produção.Nesse período, a adubação visa a atender às exigências nutricionais, tanto para amanutenção da planta como para a exportação de nutrientes para os frutos. Aadubação deve-se fundamentar nas exigências nutricionais da planta, avaliadaspor meio de análises anuais de solo e foliar. As quantidades a serem fornecidasas plantas levam em conta as características do pomar, tais como: idade dasplantas, tipo de solo, índice pluviométrico e produção esperada. A recomendaçãodas quantidades da adubação de produção para o cultivo de limão está descritana tabela 2. Tabela 2: Adubação de produção para o cultivo de limão. 7.7.3 Adubação foliar com micronutrientes Para adubação foliar, deve-se primeiramente realizar a análise foliar. As folhascoletadas para a amostra devem:  ter idade entre 6-7 meses, apresentar tamanho médio e estarem livres de pragas e doenças; 26
    •  ser coletadas nos horários mais frescos do dia;  ser coletadas ao redor da planta, na parte mediana da copa;  ser coletadas de ramos frutíferos da brotação mais nova, na 3° ou 4° folha a partir do fruto, ou de ramos novos que não contenham fruto;  ser condicionadas em sacos de papel ou plástico e, se as folhas não forem levadas no mesmo dia para o laboratório de análise foliar, armazenar em geladeira até o dia seguinte;  ser coletadas cerca de 40 folhas a cada 1 ha.Figura 1: Esquema de coleta de folhas para análise foliar (3° ou 4° folha a partir do fruto e/ou dabrotação mais nova). Os micronutrientes mais importantes para a cultura do limão são o boro, zincoe o manganês, podendo ser fornecidos pelas pulverizações foliares. A época maisadequada para a adubação foliar é no período de vegetação da planta.Recomendam-se três aplicações, normalmente no período de setembro a março,sendo a primeira na época de florescimento, logo após a queda das pétalas, asegunda durante o fluxo de vegetação e terceira após 45 a 60 dias desta. 27
    • Recomendam-se pulverizações foliares com solução composta de 100 g de ácidobórico, 300 g de sulfato de zinco, 300 g de sulfato de manganês e 300 g de cal,diluídos em 100 litros de água ou produtos comerciais comprovadamenteeficientes.Tabela 3: Composição da solução de micronutrientes para aplicação via foliar em citros. 7.7.4 Adubação orgânica A adubação orgânica traz inúmeros benefícios em propriedades químicas,físicas e biológicas do solo. Além de fornecer nutrientes, principalmentenitrogênio, proporciona a quelatização de micronutrientes evitando que osmesmos sejam precipitados e consequentemente tornando-se insolúveis. Estaprática também melhora as propriedades físicas do solo, melhorando retenção deumidade e a aeração. 28
    • Tabela 4: Quantidade de adubos orgânicos a serem fornecidos às plantas de De limão.8- Principais pragas Até o quarto ano, as plantas cítricas estão sujeitas ao ataque severo depragas, sendo indispensável o controle químico. Entretanto, é recomendávelaplicar inseticidas de forma seletiva, somente nas plantas que estão sofrendoataque severo, evitando com isso o desequilíbrio populacional dos insetos, pragase inimigos naturais. Desta forma, a inspeção periódica do pomar, a fim de identificar focos depragas é indispensável para o manejo integrado de pragas. A aplicação apenaspoderá ser realizada se a praga tiver atingido o nível de dano e com a supervisãode técnicos, seguindo todas as normas de segurança. 8.1 Ortézia (Orthezia praelonga) A Ortézia é a principal cochonilha que ataca a cultura do limão. Suaimportância tem crescido consideravelmente nos últimos anos, pois seu controle édifícil, tem que ser realizado sistematicamente, resultando em aumentoconsiderável nos custos de produção. Tanto as fêmeas adultas como as ninfas deOrtézia podem mover-se sobre a planta. Esta cochonilha, além de um excelentesugador, ao alimentar-se injeta toxinas que contribuem para o enfraquecimento daplanta. Além disto, durante este processo, a exsudação eliminada pelo insetodesenvolve a fumagina, que impede a realização plena da fotossíntese pelasplantas. A época de maior incidência desta praga é no período mais seco do ano,pois sua disseminação ocorre, principalmente, pelo vento. O controle deve serefetuado com a aplicação alternada de inseticidas sistêmicos, granulados 29
    • aplicados no solo e pulverizados via foliar. O recomendado é o uso do acephate,na dosagem de 50 gramas/ 100 litros de água, repetindo-se a pulverização depoisde 15 dias.Figura 2: Ortézia nas folhas. 8.2 Escama farinha (Pinnaspsis aspidistrae) São cochonilhas cujas carapaças (escamas) aparentam pequenos pontos,assemelhando-se à farinha de trigo. Desenvolvem-se, principalmente, no tronco enos ramos das plantas. A sucção intensa da seiva causada pelo inseto, além doenfraquecimento da planta, causa rachadura na casca ramos do tronco,facilitando a entrada de fungos, como Phytophthora, causador da gomose.Seu controle deve ser feito com pulverização com jato dirigido sobre a cochonilhacom produtos como methidethion (125 mL/ 100 litros), ethion (150 L/ 100 litros) oudimethoate (190 mL/ 100 litros), adicionados a 0,5% de óleo vegetal ou mineral,apresentam um controle bastante eficiente sobre a praga.Figura 3: Escama-farinha nas folhas. 30
    • 8.3 Ácaro da falsa ferrugem (Phyllocoptruta oleivora) O ácaro da falsa ferrugem infesta folhas, ramos e frutos. Nestes últimos, o seuataque causa danos às células epidérmicas, que adquirem coloração prateada easpecto áspero, causando depreciação do produto para comercialização “innatura”. Além do dano no aspecto, os frutos atacados pelos ácaros apresentam,em geral, tamanho, porcentagem de suco e peso reduzidos. Seu controle éefetuado, principalmente, com produtos a base de enxofre pó molhável (350 g/100 L) e bromopropylate (40 mL/ 100 L) ou pyridaphenthion (100 – 175 mL/ 100L).Figura 4: ácaro da falsa ferrugem nas folhas. 8.4 Larva minadora dos citros (Phyllocnistis citrella) O adulto é uma mariposa (2 mm) de coloração branco-prateada, com manchase pontuações marrom no par de asas anteriores; as larvas são pequenas ( 2mm),de cor verde- amarela brilhante. A incidência desta praga geralmente ocorre emmudas novas, devido a sua intensa vegetação, que devido ao seu hábitoalimentar, nota-se uma destruição do limbo foliar em forma de “mina”, diminuiçãoda capacidade fotossintética da planta, brotações em mudas e até queda defolhas novas, quando estão presentes de 4 a 8 larvas por folha. Seu controle deveser efetuado na constatação de 30 a 40% dos brotos na presença de uma oumais larvas vivas (nível de ação) com abamectin (30 mL/ 100 L), adicionados a0,5% de óleo vegetal ou lufenuron (75 mL/ 100 L). 31
    • Figura 5: Galeria feita por larva minadora nas folhas. 8.5 Pulgão-preto (Toxoptera citricidus) É um inseto sugador, de coloração marrom quando jovem e preta na faseadulta. Ocorre com mais freqüência na primavera e verão, em brotações novas ebotões florais, provocando prejuízos ao florescimento. A grande preocupação comesse inseto é o fato de ser transmissor da “Tristeza dos citros”. Seu controle éfeito naturalmente por das chuvas e o controle químico, em ataques mais severos,pode ser realizado com inseticidas.Figura 6: Presença de pulgão –preto na planta. 8.6 Cochonilha Cabeça-de-Prego (Chrysomphalus ficus) Possui forma circular, convexa e coloração violácea, surgindo em períodossecos com altas temperaturas. São encontrados na face inferior das folhas e nosfrutos, sugando a seiva e líquidos, depreciando os frutos e tornando-os inviáveis 32
    • para o comércio. O controle é feito por pulverizações com produtos químicos àbase de óleo mineral a 1% ou óleo mineral + inseticidas fosforados. 8.7 Ácaro-branco (Polyphagotarsonemus latus) O principal ácaro que prejudica a cultura do ‘Tahiti’. Seu ataque se concentra,principalmente, em folhas novas, ponteiros de brotações e frutos novos,depreciando os frutos pela manifestação opaca, como um prateamento nasuperfície da casca. O controle pode ser feito com utilização de produtos à basede enxofre pó molhável (350 g/100 L) ou pyridaphenthion (175 ml/100 L).Figura 7: Prateamento ocasionado pelo ácaro-branco em frutos de limão. 8.8 Coleobroca O inseto adulto é um besouro preto com faixas amarelas no tórax e asas,sendo seus ovos depositados no tronco e ramos da planta de ‘Tahiti’, queeclodem formando-se as lagartas de coloração esbranquiçada que penetram nosmesmos, cavando galerias no sentido longitudinal, expelindo serragem em formade pétalas pelo orifício de entrada. Como controle, recomenda-se injetar caldainseticida via orifício utilizando-se formicida líquido, gasolina, querosene, sendomais efetiva a pasta de fosfeto de alumínio (que libera gás), fechando o orifícioapós a aplicação com cera de abelha, argila ou sabão. 33
    • 8.9 Formigas cortadeiras Destroem principalmente as mudas recém-plantadas no campo, mas tambématacam pomares adultos. O controle pode ser feito com a utilização de iscasgranuladas como Mirex ou com termonebulizador.Figura 8: Mirex utilizado para o controle de formigas. 8.10 Broca da Laranjeira (Cratosomus flavofasciatus) (Cratosomus flavofasciatus) A larva (forma jovem) desse inseto ao sealimentar, destrói internamente parte do tronco e ramos comprometendo acirculação da seiva, e em alguns casos provocando a queda de galhos mais finos.Os adultos são besouros grandes, causam estragos pois destroem as gemas deramos novos. O controle da larva é efetuado com o auxílio de um arame, atinge-se a larva no interior da galeria; utilizando-se uma seringa, injeta-se querosene ouum inseticida fosforado no orifício; introduz-se no orifício 2 a 3 gramas degastoxim pasta (sulfeto de alumínio). Este método elimina 100% das larvas nointerior da galeria. O controle do inseto adulto é efetuado com o a utilização deuma planta armadilha, a "Maria Preta" (Cordia verbenacea). Ela deve ser plantadanum espaçamento de 100 a 150m, de preferência no contorno do pomar e emlocal não sombreado. É importante que a catação do besouro sob a "Maria preta"seja iniciada logo que apareçam os primeiros besouros nas plantas armadilhas. 34
    • 8.11 Conceitos gerais As cochonilhas e mosca branca causam maiores danos em plantas de atéquatro anos de idade. O manejo adequado de plantas daninhas é um forte aliadono controle destas e de outras pragas. Durante o período das chuvas o mato deveser apenas ceifado em toda a área dos limoeiros. No período seco uma aplicaçãode glifosate na área é suficiente para reduzir a ocorrência do mato. Essa práticacontribui para a manutenção dos inimigos naturais das pragas. O monitoramento é uma prática valiosa contra a moscas-das-frutas pois indicao momento em que deve ser iniciado o controle; para isto utilizam-se armadilhasou frascos caça-moscas. Os frascos devem ser colocados na periferia do pomarsob a copa das árvores, bem antes do início da maturação dos frutos, contendouma solução com melaço de cana ou proteína hidrolizada e água. Tabela 5: Recomendações de controle químico para as principais pragas dos citrus 35
    • 36
    • 9- Principais doenças Entre as variedades de limão, o ´Tahiti’ apresenta como diferencial tolerância aalgumas das principais doenças que afetam atualmente a cultura dos citros,causando sérios problemas. É considerado tolerante ao “Declínio dos citros”,“CVC” (Clorose Variegada dos Citros) e “Pinta - preta”. 9.1 Gomose de Phytophthora dos citros A gomose é uma doença presente em todas as regiões produtoras de citros domundo. Várias espécies de fungos do gênero podem causá-la. No Brasil,Phytophthora parasitica e Phytophthora citrophthora são as espécies maisencontradas nas regiões produtoras. No Estado de São Paulo, Phytophthoraparasitica é a principal espécie responsável pela doença em viveiros e pomarescomerciais. Sua ocorrência é muito elevada em plantios novos devido,principalmente, à utilização de mudas contaminadas na implantação de pomares.Portanto, a primeira e fundamental medida de controle deve ser o uso de mudassadias. O manejo ou controle da gomose deve ser feito de maneira integrada, oque quer dizer que devem ser adotadas uma série de medidas de controle que,empregadas ao mesmo tempo ou em seqüência, conseguem manter a doençanum nível tolerável. Estas medidas, ligeiramente modificadas, são: 1) evitar solos rasos, pesados e com problemas sérios de drenagem; 2) no caso de renovação de pomares velhos e/ou muito afetados por gomose,proceder uma boa limpeza da área, com enleiramento e queima dos resto dopomar anterior, e plantar culturas anuais por pelo menos dois anos; 3) adotar as práticas de conservação do solo; 4) preparar bem o solo, com a incorporação a pelo menos 20 cm doscorretivos (calcário) e adubos (químicos e orgânicos); 5) fazer adubação orgânica com estercos bem curtidos; nos pomares adultosnão incorporar a matéria orgânica com equipamentos pesados, e sim distribuí-lapela superfície; 6) uso de porta-enxertos resistentes ou tolerantes, como o citrumelo ´Swingle´e o Trifoliata; 37
    • 7) uso de mudas de boa qualidade e sadias, com altura de enxertia entre 20 e30 cm; 8) plantar alto, isto é, o cavalo não deve ficar enterrado, uma vez que o ‘Tahiti’é mais sensível à gomose devendo, portanto, ficar o mais longe possível do solo; 9) evitar ferimentos causados por pragas (larvas de Naupactus e dePantomorus , cupins e cochonilhas de raiz e do tronco), implementos agrícolas(grades e enxadas, principalmente) e agroquímicos (fertilizantes nitrogenados,principalmente) que serviriam como “porta de entrada”; 10) fazer, durante os meses frios e secos do ano, os seguintes tratamentos: a)descalçamento de plantas muito enterradas ou com acúmulo de terra e detritosjunto ao tronco; b) poda de ramos doentes (30 cm abaixo das lesões), secos,improdutivos ou mal posicionados; c) pincelamento dos cortes com tinta plástica(esmalte sintético ou tinta a óleo) ou com calda preparada com produto à base decobre; d) pulverização do tronco e das raízes principais descalçadas, e dasuperfície do solo com produtos cúpricos em concentração elevada. 11) aplicação de fungicidas sistêmicos.Figura 9: Característica causada pela gomose no ramo de limão. 9.2 Podridão floral de Colletotrichum ou “estrelinha” Entre ao variedades de limão para produção comercial, o ´Tahiti´ é uma dasvariedades cítricas mais sujeitas à queda prematura dos frutos jovens, causadapelo fungo Colletotrichum gloeosporioides. Alta umidade e temperaturas amenasna época da florada são as condições ideais para o estabelecimento da doença, 38
    • notando-se no início um necrosamento dos botões florais e, posteriormente, aspétalas apresentam manchas róseas sobre sua superfície. Após a queda ousecamento das pétalas verifica-se o amarelecimento dos frutinhos com posteriorqueda. O cálice da flor fica retido por, aproximadamente, um ano na planta, dandoo aspecto de “estrelinhas”, o que originou o nome popular da doença. Otratamento é bastante oneroso, sendo recomendada a aplicação de benomyl (100g/ 100 L) em três aplicações com intervalos de 15 em 15 dias.Figura 9: Sintomas causados pelo Colletotrichum . 9.3 Tristeza-dos-citros A tristeza-dos-citros é causada por um vírus transmitido por afídeos (pulgões).As plantas contaminadas apresentam problemas que afetam o crescimento já nafase de viveiro. Retirando-se a casca dos ramos, observam-se caneluras (estrias)em toda a extensão, ocasionando a formação de folhas novas com nervuraspolidas e frutos com diâmetros reduzidos. Como medida de prevenção, deve-seusar mudas produzidas em viveiros certificados e telados (ambiente protegido),formadas com porta-enxertos resistentes ou tolerantes a essa virose. 9.4 Exocorte É uma doença causada por vírus, apresentando como sintomas: crescimentolimitado, vegetação esparsa e folhas com coloração com pouco brilho. Essadoença é transmitida por enxertia ou ferramentas contaminadas (canivete etesoura de poda). Como medidas de controle, deve-se utilizar as mesmas usadasna prevenção-da-tristeza dos citros. 39
    • 9.5 Podridão foliar Ocorre nos frutos maduros logo após a colheita, formando-se uma lesão pardana casca do fruto, deteriorando-o rapidamente. Para prevenção, recomenda-se acolheita no ponto de maturação e nas horas mais frescas do dia, enviando-osrapidamente para o mercado consumidor. 9.6 Estiolamento Damping-Off As sementes apodrecem e não germinam. As plantinhas ficam amarelecidas,com o colo apodrecido na linha do solo; tombam e morrem. 9.7 Verrugose Causa lesões salientes, corticosas irregulares que se agrupam recobrindoextensas áreas da folha e dos brotos. Figura 10: A. Ramos de limão Cravo com sintomas da doença Verrugose. B. Fungo Elsinöefawcettii, causador da verrugose, cultivado em meio de cultura Agar Água. C. Sinais do fungoElsinöe fawcettii observados na lupa. D. Sintomas da doença Verrugose em frutos de limão Cravo.E. Sintomas da doença Verrugose nas hastes do limão Cravo. F. Sintomas da doença Verrugosena folha – parte adaxial – do limão Cravo. G. Sintomas da doença Verrugose na folha – parteabaxial – do limão Cravo. 40
    • 9.8 Rubelose Os galhos ficam revestidos pelo fungo que a princípio é branco, tornando-seamarelo róseo com o avanço da doença. O galho seca, a casca parte e selevanta. A doença começa na bifurcação dos ramos e caminha para asextremidades. 9.9 Melanose Causa pequenas lesões arredondadas, ligeiramente salientes, de coloraçãoescura, recobrindo grandes áreas dos frutos, folhas e ramos. Os frutos atacadossão de baixo valor comercial.10- Colheita e classificação A colheita deve ser realizada quando os frutos estiverem com a coloraçãoverde-oliva, casca lisa e brilhante e com tamanho aproximado de 47 a 65 mm dediâmetro. A coloração verde-clara e opaca significa que a fruta está madura, nãosendo recomendada para o comércio. O material de colheita deve ser compostode sacola de colheita (20 kg), feita de lona com fundo falso, cestos e caixasplásticas de 27,2 kg. No momento da colheita devem ser tomados certoscuidados, como: evitar a retirada de frutos com varas ou ganchos, frutosmolhados ou orvalhados, derrubar frutos no solo e principalmente, evitar acolheita dos excessivamente maduros ou verdes. Deve-se sempre usar tesouracortando o pedúnculo, rente ao cálice, evitando-se machucar os frutos na colheitae no transporte.11- Pós-colheita A manutenção da coloração verde da casca dos frutos é importante no períodopós-colheita, pois proporcionam a obtenção de melhores preços nacomercialização dos frutos. Os frutos devem ser colhidos maduros, apresentandocoloração da casca esverdeada e armazenados à temperatura de 4-5°C eumidade relativa de 90-95%. Vale ressaltar que o aparecimento da coloraçãoamarelada reduz a aceitação pelo mercado consumidor. Para permitir que osfrutos mantenham-se com a coloração esverdeada da casca, recomenda-se 41
    • mergulhar os mesmos em uma solução de ácido giberélico de 10 mg.L-1 por 10segundos. Com essa prática os frutos podem ser armazenados por até 45 dias,sem ocorrer alterações na coloração da casca.12- Produção fora de época A maior oferta de limão concentra-se, basicamente, no primeiro semestre,quando os preços pagos por essa fruta caem. Já no segundo semestre do ano, ospreços são maiores em consequência da escassez dessa fruta no mercado.Sendo assim, o interessante é buscar a produção no segundo semestre, mas porcausa das nossas condições climáticas, essa prática torna-se inviável. A época ea intensidade de florescimento são reguladas pela temperatura e ocorrência dechuva. A indução das flores começa na época de baixas temperaturas, quando aplanta entra em “repouso vegetativo” devido à presença de temperaturas menoresque 12,5°C, paralisando, assim, seu crescimento. O “repouso vegetativo” podeser iniciado ou induzido por déficit hídrico, ou seja, falta d’água. Em condições decampo, período de seca (ausência de chuvas ou irrigações) maior que 30 dias eposteriormente à retomada das chuvas ou irrigações é suficiente para induzir oflorescimento e, posteriormente, a produção de frutos. Essa técnica de produçãona entressafra pode ser aplicada em regiões áridas e semi-áridas. No Estado deSão Paulo e sul de Minas Gerais, onde predominam os verões úmidos e invernossecos, essa técnica não proporciona bons resultados, pois o período de secavaria de maio a julho, ocorrendo retomada das chuvas em setembro. Outra formade se conseguir produção fora de época é pelo uso de reguladores decrescimento, mas esse método ainda está em fase de estudos e aperfeiçoamento.13- Produção e comercialização Entre os limões cultivados no Brasil, o limão Tahiti é o “limão” de maior valorcomercial no Brasil, com excelente potencial de exportação. O seu valor demercado está relacionado à ausência de sementes, ao seu aroma intenso eagradável, ao elevado volume de suco e à sua capacidade de produzir o anointeiro, apesar de ser mais produtivo de dezembro a junho. Os maiores produtoresde Limão Tahiti no mundo são o México e o Brasil, e, a cada ano que passa, o 42
    • Brasil vem despontando com um potencial crescente de produção de frutos dequalidade superior, para atender o consumo interno como também de frutos tipoexportação, seja da fruta “in natura” como de produtos derivado de elevado valoragregado. A área de maior concentração de produção do Limão Tahiti encontra-se no estado de São Paulo, localizado na região sudeste, representando 80% dototal produzido em todo o país em 2003. Outros estados como Bahia e Piauí têmsurgido como importantes produtores potenciais de cítricos, em função daspossibilidades climáticas mais adequadas à produção de frutas de qualidadesuperior, portando com alto valor de mercado, além da logística de rápido e fácilescoamento do produto via portos marítimos de maior proximidade aos países dohemisfério norte. A produtividade média brasileira dos pomares de Limão Tahiti écerca de 20t/ha, embora propriedades que adotam estratégias adequadas deprodução, como manejo nutriconal, irrigação, tratamento fitossanitário eprocedimentos de colheita, têm obtido níveis superiores a 40t/ha. As exportaçõesbrasileiras do Limão Tahiti “in natura” aumentaram significativamente nas últimasdécadas, passando de 0,9 mil t em 1971 para cerca de 34 mil t em 2003.14- Produção para exportação No caso da produção de limão para exportação, deve -se conseguir frutos decasca rugosa e de coloração bem esverdeada, por causa das exigências domercado internacional. Os frutos devem estar livres de pragas e doenças e comtamanho adequado. Devem possuir ausência de barriga-branca (mancha brancana casca dos frutos, ocorrida em virtude do contato entre eles). Recomenda-se aoprodutor candidato a exportador que procurar os órgãos competentes para fazerum planejamento adequado às suas condições para sucesso no empreendimento.15- Custos produção A tabela desenvolvida pela Embrapa na Região do Recôncavo da Bahia(Anexo 1) mostra quais são os custos de implantação da cultura do limão “Tahiti”no período de Julho/2008. 43
    • 16- Padrão mínimo de qualidade para o consumo do limão O comprador poderá escolher entre três tamanhos: Graúdo, Médio e Miúdo. Amedida do tamanho do limão é o seu maior diâmetro equatorial em milímetros. Olote deve apresentar homogeneidade visual de tamanho: a diferença máxima detamanho entre o maior e o menor fruto deve ser no máximo de 4%. Um lote de limão deve obedecer a um padrão mínimo de qualidade. Não sãotolerados os defeitos externos e internos que prejudiquem o consumo ou orendimento como: baixa suculência, podridão, dano que atinja o albedo (partebranca) do fruto ou que cause dano à polpa, fruto passado, murcho, e nãosuculento. Os frutos devem apresentar Porcentagem Mínima de Suco“Rendimento” ((massa do suco/massa do fruto) x 100), igual ou no mínimo 40%,caso contrário, serão considerados frutos imaturos e não permitidos paracomercialização. Além dessas exigências são apresentadas outras, tais como: O produto deverá estar fresco, isento de substâncias terrosas, sujidades oucorpos estranhos aderidos à superfície externa e no ponto de consumo. O produto deverá estar de acordo com a legislação vigente, em especial, nasesferas a seguir: − Lei Federal nº. 8.078, de 11/09/90 (Código de Defesa do Consumidor). − Resolução - RDC nº 12, de 2 de janeiro de 2001 – ANVISA. −Decreto nº. 4.074, de 04 de janeiro de 2002 (MAPA – Ministério daAgricultura, Pecuária e Abastecimento e ANVISA – Agência Nacional deVigilância Sanitária). − Portaria INMETRO nº. 157 de 19/08/2002. −Instrução Normativa Conjunta SARC/ANVISA/INMETRO nº. 009, de12/11/02. − Resolução ANVISA RDC nº. 259/02; − Portaria INMETRO nº. 157 de 19/08/2002 − Portaria nº 06, de 10 de março de 1999 – CVS-SP (âmbito estadual: SP) − Resolução - RDC n° 216, de 15 de setembro de 2004 - MS; −Portaria n. 1210, de 03 de agosto de 2006 (âmbito municipal: SP – SãoPaulo). 44
    • A obediência às regras legais de sanidade microbiológica e aos limites detolerância de resíduos poderá ser monitorada ao longo do período defornecimento e seus custos serão pagos pelo fornecedor. 16.1 Embalagem O produto deverá estar acondicionado em embalagem de medidas submúltiplas de 1m x 1,20 m (paletizável), de fácil empilhamento. A embalagemdeverá conter a inscrição do nome e do CNPJ do fabricante e a informação dacapacidade máxima de empilhamento e do conteúdo máximo em quilos daembalagem. A embalagem poderá ser retornável (plástico) ou descartável(papelão ou plástico). A embalagem retornável deverá ser lavada e higienizada acada uso e a descartável deverá ser nova. 16.2 Rotulagem A embalagem deverá portar rótulo com a identificação do responsável peloproduto (nome, endereço e CNPJ), informações sobre o produto (produto,variedade, classificação, peso líquido do produto, quantidade de frutos e data doembalamento). 16.3 Transporte O veículo e a carroceria de transporte devem ser mantidos em perfeito estadode conservação e higiene. Não é permitido transportar alimentos com pessoas eanimais (a cabine do condutor deve ser isolada da parte que contém osalimentos). O transporte, a carga e a descarga devem garantir a integridade e aqualidade do produto e impedir a contaminação e a deterioração do produto Osveículos de transporte de produtos sob controle de temperatura devem serprovidos permanentemente de termômetros adequados e de fácil leitura. 16.4 Ficha de controle O fornecedor deverá apresentar em cada local de entrega para cada lote decada produto uma ficha de controle (Anexo 2). 45
    • 17- Conclusão No Brasil, o cultivo de limão tem grande importância comercial, entre asespécies frutíferas se destaca pela quantidade de tecnologia de manejodisponível e pela grande aceitação por parte da população, sendo utilizado desdeculinária até na indústria. Seguindo as recomendações adequadas de manejo épossível obter alta produtividade e boa rentabilidade. 46
    • 18- Referências BRASIL. Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária. Lima ácida ‘tahiti’ para exportação: aspectos técnicos da produção. Brasília: EMBRAPA-SPI, 1993. 35 p. (EMBRAPA-SPI. Publicações Técnicas FRUPEX, 1). BRASIL. Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Mapeamento da Fruticultura Brasileira. Brasília: EMBRAPA-SPI, 2000. 110 p. (Publicação Técnica). COELHO, Y. da S.; CUNHA SOBRINHO, A. P. da; MAGALHÃES, A. F. de J.; PASSOS, O. S.; NASCIMENTO, A. S. do; SANTOS FILHO, H. P.; SOARES FILHO, W. dos S. Limão ‘Tahiti’. Brasília: EMBRAPA - SPI, 1994. 79 p. ( EMBRAPA-SPI. Coleção Plantar). CUNHA SOBRINHO, A. P. da; MAGALHÃES, A. F. de J.; NASCIMENTO, A. S. do; SANTOS FILHO, H. P.; SOUZA, L. D.; PASSOS, O. S.; SOARES FILHO, W. dos S.; COELHO, Y. da S. Cultivo dos citros. Cruz das Almas: EMBRAPA - CNPMF, 1996. 43 p. (EMBRAPA - CNPMF. Circular Técnica, 26). GRUPO PAULISTA DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CITROS (GPACC). Recomendação para adubação para citros no Estado de São Paulo. 3. ed. Cordeirópolis: Laranja, 1994. 27 p. SPÓSITO, M. B.; MOURÃO FILHO, F. de A. A.; KLUGE, R. A.; JACOMINO, A. P. Armazenamento refrigerado de frutos de limeira ácida ‘Tahiti’ tratados com ácido giberélico. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 22, n. 3, p. 345-348, 2000. STUCHI, E. S.; CYRILLO, F. L. L. Lima ácida ‘Tahiti’. Jaboticabal: FUNEP, 1998. 35 P. (Boletim Citrícola, 6). 47
    • VITTI, G. C.; CABRITA, J. R. Nutrição e adubação dos citros.Bebedouro: Estação Experimental de Citricultura de Bebedouro – EECB,1998. 31 p. (Boletim técnico, 4).YAMAMOTO, P.T.; GRAVENA, S.; PAIVA, P.E.B.; SILVA, J.L. Ácaros chavesdos citros no Brasil: biologia, controle biológico e seletividade de agrotóxicos.In: Manejo integrado de pragas dos citros. Anais do III Seminário internacionalde citros – MIP. Fundação Cargill, Campinas, SP. p.85-100. 1994. 48