Your SlideShare is downloading. ×
0
Powerpoint   musica antiga - barroco i
Powerpoint   musica antiga - barroco i
Powerpoint   musica antiga - barroco i
Powerpoint   musica antiga - barroco i
Powerpoint   musica antiga - barroco i
Powerpoint   musica antiga - barroco i
Powerpoint   musica antiga - barroco i
Powerpoint   musica antiga - barroco i
Powerpoint   musica antiga - barroco i
Powerpoint   musica antiga - barroco i
Powerpoint   musica antiga - barroco i
Powerpoint   musica antiga - barroco i
Powerpoint   musica antiga - barroco i
Powerpoint   musica antiga - barroco i
Powerpoint   musica antiga - barroco i
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Powerpoint musica antiga - barroco i

2,904

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,904
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
129
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ– CCSE – DART
    LICENCIATURA PLENA EM MÚSICA
    Disciplina: Música Antiga
    Prof. Ricardo Catete – rcatete@gmail.com
    A Música
    Barroca
    Entre o excesso e a austeridade.
  • 2. Barroco
    A palavra Barroco significa pérola de formato irregular. De início era usada para designar o estilo da arte do século XVII, caracterizado pelo excesso de ornamentos. Mais tarde, o termo passou a ser empregado para indicar o período da história da música que vai do aparecimento da ópera e do oratório até a morte de J. S. Bach.
  • 3. Modos
    Foi durante o século XVII que o sistema de modos acabou por ruir de vez. Os compositores foram se acostumando a sustenizar e bemolizar as notas, resultando na perda de identidade dos modos, que, por fim, ficaram reduzidos a apenas dois: o Jônio e o Eólio. Daí se desenvolveu o sistema tonal maior-menor sobre o qual a harmonia iria se basear nos dois séculos seguintes.
  • 4. Monodia
    Monodia: uma única linha vocal, sustentada por uma linha de baixo instrumental, sobre a qual os acordes eram construídos.
  • 5. Recitativo
    A linha melódica vocal ondulava de acordo com o significado do texto e acompanhava de perto o ritmo da pronúncia natural das palavras. Foi esse estilo (meio cantado, meio recitado) que ficou conhecido como Recitativo.
  • 6. Baixo Continuo
    O acompanhamento era extremamente simples. Tudo que o compositor escrevia sob a melodia, resumia-se a uma linha do baixo que deveria ser tocada por algum instrumento grave de corda, como o Cello, por exemplo.
  • 7. Baixo Cifrado
    Estes acordes deveriam ser improvisados, deixando a música na dependência do talento do instrumentista. Naturalmente, as notas do baixo contínuo forneciam algumas pistas, e o compositor anotava, às vezes, sob estas, números que expressavam os acordes que tinha em mente. Por isso que essa linha do baixo é também chamada de Baixo Cifrado..
  • 8. A Opera
    A princípio, a música escrita no estilo monódico foi chamada de La NuoveMusiche. Em 1597, essas novas idéias foram aplicadas a todo um drama musical. O Orfeo de Claudio Monteverdi (1567-1643), composto em 1607, é de fato, a primeira grande ópera, com uma música que acentua o impacto dramático da história.
  • 9. Opera Italiana
    Na Itália, a ópera alcançou um enorme desenvolvimento, e dentre os seus compositores, o mais popular no final do século XVII, foi Alessandro Scarlatti (1660-1725). Suas óperas (ele compôs 115), iniciavam com uma peça dividida em três partes (rápida-lenta-rápida). Esse esquema tornou-se conhecido como Abertura Italiana, e sua importância reside no fato de que a partir dele se desenvolveria a Sinfonia Clássica.
  • 10. Opera Francesa
    Na França, os principais compositores de ópera eram Jean-BaptisteLully (1632- 1687) e Jean-Philippe Rameau (1682-1764). Lully tornou-se músico da corte de Luís XIV (1638-1715). Suas óperas iniciavam com a Abertura Francesa: um início lento e majestoso, de ritmo incisivo e pontuado, levando a uma seção mais rápida, com o emprego da imitação.
  • 11. Opera Inglesa
    A Inglaterra mostrou-se lenta na adoção do gênero operístico. A única ópera inglesa do século XVII é Dido e Enéias, de Henry Purcell (1659-1695), por sinal, uma pequena obra-prima. Depois de Purcell, seguiu-se o compositor alemão Georg Friedrich Haendel (1685-1759) que compôs cerca de 30 ou mais óperas à italiana. Sendo Theodora (1750) um desses melhores exemplos.
  • 12. Musica Sacra
    Na música, contudo, o barroco estendeu-se por toda a Europa marcando profundamente as composições sacras, quer sejam católicas ou protestantes, produzindo inúmeras formas que se tornaram célebres na história da música, dentre elas, uma das mais influentes, foi certamente o Oratório.
  • 13. O Oratorio
    Oratório é outra importante forma de música vocal. Compunham-se de recitativos, árias e coros, e apresentavam cenários e fantasias. A principal diferença é que os oratórios se baseavam em histórias sacras, geralmente tiradas da Bíblia. Com o decorrer dos anos, porém, deixaram de ser representados, constituindo-se apenas apresentações musicais, realizadas em igrejas ou salas de concerto.
  • 14. O Oratorio
    Os principais compositores de oratórios no século XVII foram o italiano Carissimi (1605-1674) e o alemão Schütz (1585-1672), mas os maiores oratórios do período barroco são os de Haendel e J.S. Bach.
  • 15. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ– CCSE – DART
    LICENCIATURA PLENA EM MÚSICA
    Disciplina: Música Antiga
    Prof. Ricardo Catete – rcatete@gmail.com
    A Música
    Barroca
    Entre o excesso e a austeridade.

×