Técnicas de medição arterial

10,932 views
10,244 views

Published on

Aula proferida à FAMINAS - Bh, curso de medicina para ensino da técnica para medição da pressão arterial

Published in: Health & Medicine
1 Comment
17 Likes
Statistics
Notes
  • Olá Ricardo...como consigo esta planilha podendo baixar?
    Tem custos?

    sandro@ginasium.com.br
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
10,932
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
31
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
1
Likes
17
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Técnicas de medição arterial

  1. 1. *
  2. 2. *HISTÓRIA ... *1733 - Stephen Hales *canulou artéria de uma égua verificou que a coluna atingiu cerca de 290 cm de altura. *1896 - Scipione Riva- Rocci ( Torino - Itália) *idealizou o primeiro esfigmomanômetro de coluna de mercúrio com 4-5 cm de largura
  3. 3. *HISTÓRIA ... *1905 - Nicolas Sergievic Korotkoff- associou ao esfigmomanômetro de Riva- Rocci a possibilidade de auscultar os sons, culminando com o método utilizado até hoje.
  4. 4. *SONS DE KOROTKOFF
  5. 5. SONS DE KOROTKOFF Fase Qualidade dos sons Base teórica I ou K1 Som súbito, forte, bem definido, que aumenta em intensidade A pressão da bolsa iguala-se a pressão sistólica, ocorre passagem parcial da onda de pulso arterial. II ou K2 Sucessão de sons soprosos, mais suaves e prolongados (qualidade de sopro intermitente) Decorre de mudança no calibre arterial (de estreito para mais largo) com criação de fluxo turbilhonado - o qual produz vibração do sangue e da parede arterial - produzindo sopros. III ou K3 Desaparecimento dos sons soprosos e surgimento de sons mais nítidos e intensos (semelhantes ao da fase I), que aumentam em intensidade. À medida que a pressão na bolsa em adicionalmente diminuída, a artéria permanece aberta na sístole mas permanece fechada na telediástole (diástole tardia). IV ou K4 Os sons tornam-se abruptamente mais suaves e abafados, são menos claros. A pressão da bolsa encontra-se no nível da pressão diastólica intra-arterial. V ou K5 Desaparecimento completo dos sons A artéria permanece aberta durante todo o ciclo cardíaco. Tabela cedida por Caio Nunes
  6. 6. *Considerações adicionais * O ideal é que sejam feitas duas aferiçoes e que a média seja anotada. Caso as diastólicas apresentem diferencas acima de 5 mmHg, fazer novas medidas até se obter menor diferença.* * A aferição da PA na posição ortostática é indicada periodicamente, especialmente naqueles pacientes que apresentem risco de hipotensão postural.** * Cuidado com o Hiato Auscultatório (desaparecimento dos sons, durante a última parte da Fase I e na Fase II, podendo ser silencioso em até 40 mmHg), um componente que pode fazê-lo subestimar a PAS ou superestimar a PAD. Uma medida de evitá-lo é através da realização do método palpatório antes do auscultatório.*** * IV Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial – Arq Bras Cardiol, volume 82, (suplemento IV), 2004 * * The seventh report of the Joint National Committee on prevention, detection, evaluation, and treatment of High Blood Pressure * * * Semiologia Médica – 4ª edição – Celmo Celeno Porto
  7. 7. *Utilidade da aferição da PA Hipertensão Arterial IV Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial – Arq Bras Cardiol, volume 82, (suplemento IV), 2004 Choque Circulatório O diagnóstico dessa condição clínica requer a identificação de HIPOTENSÃO ARTERIAL: •PAS < 90 mmHg ou •PAM < 60 mmHg ou •Queda maior que 40 mmHg da PAD Siqueira BG e Schimidt A. Choque circulatório: definição, classificação, diagnóstico e tratamento. Medicina, Ribeirão Preto, 36: 145-150 abr./dez 2003
  8. 8. *IMPORTÂNCIA... *PROCESSO DE DIAGNOSTICAR *HIPERTENSÃO ARTERIAL *VALORES CONFIÁVEIS *CONSEQÜÊNCIAS *ERROS DIAGNÓSTICOS * HIPERTENSO *FALSO HIPERTENSO
  9. 9. *VARIABILIDADE PA *CICLO CARDÍACO *MÁXIMA ESVAZIAMENTO VENTRICULAR *MÍNIMA NO FINAL DIÁSTOLE *ENTRE DIFERENTES CICLOS CARDÍACOS *ATIVIDADES FÍSICAS *SITUAÇÕES EMOCIONAIS VIVIDAS *ESTADO DE VIGÍLIA / SONO
  10. 10. *EFEITO E HIPERTENSÃO DO AVENTAL BRANCO- SHIMADA et al.1990
  11. 11. *EFEITO E HIPERTENSÃO DO AVENTAL BRANCO MANCIA et al. (Alerting reaction and rise in blood pressure during measurement by physician and nurse. Hypertension, 9:209-215,1987) . As mudanças ocorridas na pressão intra arterial na presença do médico e da enfermeira, sendo mais altas quando verificadas pelos médicos.
  12. 12. *MÉTODOS *DIRETO - Oxford *INDIRETO - CONTÍNUO FOTOPLETISMOGRAFIA - dedo - INTERMITENTE AUSCULTATÓRIO / OSCILOMÉTRICO - CASUAL AUSCULTARÓRIO / OSCILOMÉTRICO
  13. 13. *Instrumentos *Esfigmomanômetro de Coluna de Mercúrio e Aneróide
  14. 14. *Instrumentos • Esfigmomanômetro oscilométrico
  15. 15. *Instrumentos * Esfigmomanômetro oscilométrico- * Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (MAPA)
  16. 16. *Aferição do Manômetro Aneróide *Aferição do esfigmomanômetro aneróide através do esfigmomanômetro de coluna de mercúrio
  17. 17. *PROCEDIMENTO
  18. 18. • A- Interação com o cliente, • explicar o procedimento, • certificar-se de que o indivíduo : • não está com a bexiga cheia, não praticou exercícios físicos antes da medida, não ingeriu bebidas alcoólicas, café , não fumou nos 30 minutos que antecede a medida da PA. • Estabelecer um período de repouso de 5 a 10 minutos *PROCEDIMENTO
  19. 19. *PROCEDIMENTO *B- Localizar as artérias por palpação. • Poplítea • Pediosa • Cubital
  20. 20. *PROCEDIMENTO *C- Centralizar o meio da bolsa do manguito sobre a artéria.
  21. 21. *PROCEDIMENTO *D- Colocar o manguito acima do local da ausculta.
  22. 22. *PROCEDIMENTO *E- Determinar a PAS- Palpatória • Palpar a artéria do local de escolha a ser verificada a PA, inflar o manguito até desaparecimento do pulso para estimação do nível da PAS- Palpatória. Desinsulflar o manguito, aguardar 30 segundos e reinsulflá-lo novamente acrescentando 30 mm Hg ao valor da PAS -
  23. 23. *PROCEDIMENTO *F- Determinar a posição: • 1- Sentado *com o tronco elevado, recostado e relaxado no encosto da cadeira, as pernas relaxadas e não cruzadas, com o braço ao nível do coração. A escala do manômetro deve estar visível aos olhos, claridade.
  24. 24. *PROCEDIMENTO *2- deitado *2.1.Membros Superiores • procurar manter-se relaxado, decúbito dorsal, braço ao nível do coração, com abertura 45 graus . A escala do manômetro deve estar visível aos olhos. Luz adequada.
  25. 25. *PROCEDIMENTO *2.2-Membros Inferiores - coxa •procurar manter-se relaxado, decúbito ventral ou dorsal, perna ao nível do coração. A escala do manômetro deve manter-se visível aos olhos. Local com luminosidade adequada.
  26. 26. *PROCEDIMENTO * 2.2-Membros Inferiores - panturrilha •procurar manter-se relaxado, decúbito ventral ou dorsal, perna ao nível do coração. A escala do manômetro deve manter-se visível aos olhos. Local com luminosidade adequada.
  27. 27. *PROCEDIMENTO *3- Em Pé - *procurar manter-se relaxado, braço ao nível do coração. *Abertura de 45 graus, manter a escala do manômetro visível aos olhos. Luz adequada.
  28. 28. *G - Utilização do esteto . • Colocá-los nos ouvidos c/ olivas p/frente • Posicionar a campânula sobre a artéria (cubital, poplítea , pediosa) anteriormente definida e localizada através da palpação, evitar compressão excessiva, solicitar que o indivíduo não converse durante a verificação da PA. Inflar rapidamente o manguito e desinsulflar lentamente de 2 a 4 mm Hg/seg. Determinar a PAS e a PAD em mmHg PROCEDIMENTO
  29. 29. Posicionar a campânula sobre a artéria anteriormente definida (cubital, poplítea , pediosa) e localizada através da palpação, evitar compressão excessiva, solicitar que o indivíduo não converse durante a verificação da PA. Inflar rapidamente o manguito e desinsulflar lentamente de 2 a 4 mm Hg/seg. Determinar a PAS e a PAD em mmHg PROCEDIMENTO
  30. 30. * H - Anotação • Registrar valores PAS / PAD, • posição do paciente, • largura do manguito , • membro em que foi realizado medida, • registrar valores segundo escala do esfigmomanômetro de 2/2 mmHg. * Aguardar de 1 a 2 minutos para realizar outras medidas... PROCEDIMENTO
  31. 31. ERROS... iNSTRUMENTO iNDIVÍDUOOBSERVADOR AMBIENTE
  32. 32. *ERROS... * dígitos finais zero/pares • posiciona/ adequado da escala de valores. • Pressão excessiva do diafragma sobre a artéria. • Inflação excessiva • deflação muito rápida • mãos e equipamentos excessivamente frios • interação OBSERVADOR
  33. 33. *ERROS ... • BRAÇO AO NÍVEL DO CORAÇÃO • REPOUSO 5-10m • Indagar sobre ingestão de drogas que possam vir a interferir com os mecanismos de regulação da PA. • EVITAR : Fumo, alimentação, álcool, café conversar , dor ,tensão , ansiedade durante o procedimento, bexiga cheia. Indivíduo
  34. 34. *ERROS ... * POSIÇÃO * SENTADA * DECÚBITO LAT. ESQ PARA GESTANTES. * PALMA DA MÃO PARA CIMA * COTOVELO LIGEIRAMENTE FLETIDO * EM PÉ- •CALMO •TEMPERATURA AGRADÁVEL AMBIENTE Indivíduo
  35. 35. *ERROS ... •É fundamental que estejam calibrados- *recomenda-se calibração semestral (Mion et al.1998) •Estudos tem evidenciado as más condições de uso dos equipamentos *Bailey et al. Arch. Intern. Med.151:1409-1412, 1991. *Burke et al. Br.Med J 285: 469-471, 1982. *Conceição et al. Br. Med.J. 1: 886-888,1976. INSTRUMENTOS:
  36. 36. • Brasil 60% aneróides e 21 % coluna Hg descalibrados Mion Jr & Pierin Am. J. Hypertension 9:106A, 1996. ERROS ... INSTRUMENTOS:
  37. 37. • Portaria n°24, de 22/02/96 - Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO * Publicada no D. O . Seção I , n°39,p. 3207 , 27/02/96: • Art. 5° - Todos os esfigmomanômetros mecânicos do tipo aneróide, fabricados ou importados a partir de 01/07/96, deverão estar de acordo com o Regulamento Técnico Metrológico INMETRO. ERROS ... INSTRUMENTOS:
  38. 38. • Largura do Manguito ( MLC= CB x 0,4 ) *hipoestimação / hiperestimação • Largura = 40% CB • Comprimento=80% CB *Tabelas de Correções - Mion et al. J.Hypertension 4 ( supl - 15) : S 581, 1986. • ??? ( podem provocar mais erros do que corrigir ) ERROS ... INSTRUMENTOS:
  39. 39. *ERROS ... *INSTRUMENTOS : • observar periodicamente sistemas de válvulas (vazamentos). • e tubos de borrachas ( integridade).
  40. 40. Duas medidas / consulta duas ou mais consultas 1° consulta ambos MMSS sentada e / ou deitada * Número ideal de medidas ???? III CBHA-1998
  41. 41. CONDIÇÕES ESPECIAIS • Ausência da Fase V dos sons de Korotkoff • Hiato Auscultatório • Arritmias Cardíacas • Pseudo Hipertensão • Choque
  42. 42. *Conhecimento *ARAÚJO,T.L. Medida Indireta da pressão arterial :caracterização do conhecimento o enfermeiro. São Paulo,USP.1994. Tese (Doutorado).EEUSP.
  43. 43. Veiga et al.- Avaliação do conhecimento das etapas da medida da pressão arterial em diferentes profissionais da área de saúde e graduandos em enfermagem em Ribeirão Preto.VII CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO- GOIÂNIA 5-8 de agosto de 1998. VEIGA et al. A medida da pressão arterial por profissionais e estudantes da área da saúde. VII CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO- GOIÂNIA 5-8 de agosto de 1998. Conhecimento

×