Your SlideShare is downloading. ×
SEPLAN 2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
282
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO BÁSICO BASE CARTOGRÁFICA MUNICIPAL 1
  • 2. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário INDICE INTRODUÇÃO.............................................................................................................5 OBJETO...................................................................................................................... 5 JUSTIFICATIVA DA CONTRATAÇÃO.......................................................................6 DESENVOLVIMENTO DO PROJETO BÁSICO - MEMORIAL DESCRITIVO............7 1.1. QUANTITATIVOS..................................................................................................9 METODOLOGIA E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS................................................10 1.2. RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO...................................................................10 1.3. REFERENCIAIS GEODÉSICOS........................................................................11 1.4. EQUIPAMENTOS, ACESSÓRIOS E MATERIAIS..............................................11 1.4.1. AERONAVE PARA VÔO APOIADO................................................................11 1.4.2. A CÂMERA AEROFOTOGRAMÉTRICA DIGITAL .......................................12 1.5. EXECUÇÃO DA COBERTURA AEROFOTOGRAMÉTRICA............................13 1.5.1. PLANO DO VÔO..............................................................................................13 1.5.2. EXECUÇÃO DO VÔO FOTOGRAMÉTRICO...................................................14 1.5.3. RELATÓRIO DE BORDO................................................................................15 1.5.4. IMAGENS OBTIDAS POR CÂMERAS DIGITAIS..........................................16 1.5.5. MONTAGEM E REPRODUÇÃO DO FOTOÍNDICE........................................16 1.6. FOTOGRÁFIAS GEORREFERENCIADAS DAS FACHADAS DOS IMÓVEIS. 17 1.7. ALTIMETRIA - COBERTURA AÉREA COM PERFILAMENTO A LASER (LIDAR) ........................................................................................................................18 1.7.1. PLANEJAMENTO DO VÔO PARA O PERFILAMENTO A LASER...............19 1.7.2. EXECUÇÃO DO VÔO DO PERFILAMENTO A LASER.................................20 1.7.3. DADOS DO PERFILAMENTO A LASER........................................................20 1.7.4. APOIO DE CAMPO.........................................................................................21 1.7.5. APOIO DE CAMPO SUPLEMENTAR.............................................................22 1.7.6. APOIO SUPLEMENTAR PLANIMÉTRICO.....................................................23 1.7.7. APOIO SUPLEMENTAR ALTIMÉTRICO........................................................24 1.7.7.1 CARTA GEOIDAL LOCAL..................................................................24 2
  • 3. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário 1.7.7.2 NIVELAMENTO GEOMÉTRICO..........................................................25 1.7.8. PONTOS DE CONTROLE DE QUALIDADE..................................................25 1.8. AEROTRIANGULAÇÃO......................................................................................27 1.8.1. PLANEJAMENTO DA AEROTRIANGULAÇÃO............................................27 1.8.2. EXECUÇÃO DA AEROTRIANGULAÇÃO .....................................................27 1.8.3. MEDIÇÃO DE PONTOS FOTOGRAMÉTRICOS............................................28 1.8.4. RESULTADOS DO AJUSTAMENTO DA AEROTRIANGULAÇÃO..............29 1.8.5. MODELO DIGITAL DE SUPERFÍCIE E DE TERRENO.................................29 1.8.6. GERAÇÃO DE LINHAS DE QUEBRA DO TERRENO...................................29 1.8.7. GERAÇÃO DO MODELO DIGITAL DE SUPERFÍCIE...................................30 1.8.8. MDS A PARTIR DO PERFILAMENTO A LASER..........................................30 1.9. GERAÇÃO DO MODELO DIGITAL DO TERRENO..........................................31 1.9.1. MDT A PARTIR DO PERFILAMENTO A LASER...........................................31 1.9.2. GERAÇÃO DE CURVAS DE NÍVEL...............................................................31 1.10. GERAÇÃO DE ORTOFOTOS DIGITAIS..........................................................32 1.11. GERAÇÃO DE ORTOMOSAICOS....................................................................32 1.12. GERAÇÃO DE ORTOFOTOCARTAS..............................................................33 1.13. RESTITUIÇÃO ESTEREOFOTOGRAMÉTRICA DIGITAL – ESCALA 1:1.00034 GRUPO DE NÍVEIS DE INFORMAÇÃO ..................................................................34 1.14. ESPECIFICAÇÕES PARA OS NÍVEIS DE INFORMAÇÃO.............................37 REAMBULAÇÃO E GEORREFERENCIAMENTO ..................................................39 GEORREFERENCIAMENTO DE QUADRA/LOTE SEM MATERIALIZAÇÃO.........39 1.15. REVISÃO E EDIÇÃO.........................................................................................40 ARQUIVOS DIGITAIS- PREPARAÇÃO PARA GEOPROCESSAMENTO..............41 GERENCIAMENTO...................................................................................................44 1.16. PLANEJAMENTO DE ATIVIDADES.................................................................44 1.17. RESPONSABILIDADE......................................................................................45 1.18. CONTROLE DE QUALIDADE...........................................................................45 1.19. RECURSOS A SEREM DISPONIBILIZADOS PELA SEPLAN........................46 1.20. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES DA CONTRATADA.....................46 3
  • 4. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário PRODUTOS DE ENTREGA......................................................................................47 1.21. ENTREGA EM 30 DIAS APÓS O VÔO:...........................................................48 1.22. PRODUTOS FINAIS DE ENTREGA.................................................................48 1.22.1. COBERTURA AEROFOTOGRAMÉTRICA ..................................................48 1.22.2. APOIO DE CAMPO E AEROTRIANGULAÇÃO............................................49 1.22.3. COBERTURA COM PERFILADOR A LASER AEROTRANSPORTADO....49 1.22.4. RESTITUIÇÃO ESTEREOFOTOGRAMÉTRICA...........................................49 1.22.4.1 GERAÇÃO DE ORTOFOTOS DIGITAIS (Formato GeoTIFF com cabeçalho incluso no formato TFW)................................................50 1.22.5. GERAÇÃO DE CARTAS (FORMATO DXF E SHP)......................................50 1.22.6. GEOCODIFICAÇÃO e GEORREFERENCIAMENTO DE LOTES, QUADRAS E LOGRADOUROS....................................................................................................50 1.22.7. FOTOGRAFIAS GEORREFERENCIADAS DAS FACHADAS DOS IMÓVEIS EDIFICADOS E TERRITORIAIS................................................................................50 1.22.8. RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO DOS TRABALHOS DESENVOLVIDOS......................................................................................................51 VISITA TÉCNICA...................................................................................................... 51 PRODUTOS RELACIONADOS NO CRONOGRAMA FÍSICO.................................52 PRODUTOS A SEREM ENTREGUES......................................................................53 ANEXO I....................................................................................................................53 ANEXO II...................................................................................................................54 ANEXO III...................................................................................................................56 ANEXO IV..................................................................................................................57 4
  • 5. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário INTRODUÇÃO O presente termo de referência, destina-se a promover a descrição detalhada do objeto que a Prefeitura Municipal de Campinas pretende contratar através de licitação, que servirá como base para a elaboração das propostas por parte das licitantes. A execução da Base Cartográfica, os outros produtos advindo de sua constituição e os especificados neste Termo de Referência devem obedecer as Normas Técnicas que regem o assunto, bem como os instrumentos a serem utilizados. OBJETO Contratação de empresa de engenharia especializada na execução de Base Cartográfica Digital para todo o Município de Campinas, a partir de cobertura aerofotogramétrica, compreendendo as seguintes atividades: • Relatório de planejamento • Elaboração de Base Cartográfica Digital a partir de cobertura aerofotogramétrica na escala 1:1.000 • Restituição estereofotogramétrica digital • Perfilamento aéreo a laser • Ortofotocarta digital colorida • Carta cadastral planialtimétrica • Fornecimento e preparação do material para uso em sistema de informações geográficas (SIG) 5
  • 6. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário • Georreferenciamento e geocodificação • Fotos das fachadas dos imóveis e demais serviços complementares. JUSTIFICATIVA DA CONTRATAÇÃO Constituem justificativas para a elaboração da Base Cartográfica digital do município: 1. O artigo 99 da lei complementar nº 15 - Plano Diretor do Município – aprovada em dezembro de 2006, estabelece como um dos instrumentos de gestão a base cartográfica digital georreferenciada; 2. A SEPLAN tem sob sua responsabilidade, conforme atribuições estabelecidas na lei nº 10.248/99, a manutenção e atualização do Cadastro Técnico Imobiliário do Município; 3. Na construção de uma base cartográfica para fins cadastrais deve ser elaborado conforme o estabelecido nas normas técnicas e jurídicas aplicáveis às atividades da cartografia quanto à precisão dimensional e posicional compatíveis com a destinação do Cadastro Técnico Multifinalitário - CTM; 4. A partir do CTM são elaboradas, dentre outros documentos, as certidões e as fichas informativas destinadas ao processo de licenciamento urbanístico e ambiental e também no registro imobiliário; 5. A utilização de uma base cartográfica com precisão adequada é de grande valia para o planejamento urbano e elaboração de projetos de infraestrutura e saneamento básico; 6. A nova base cartográfica digital, que será gerenciada pela SEPLAN, será disponibilizada para todos os órgãos da administração servindo como instrumento para a espacialização das demandas na gestão das políticas públicas, assim como pela comunidade técnica e sociedade em geral; 6
  • 7. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário 7. A Portaria Nº 511 de 07 de dezembro de 2009 do Ministério das Cidades estabelece as “Diretrizes para a criação, instituição e atualização do Cadastro Territorial Multifinalitário (CTM) nos municípios brasileiros”; 8. O decreto federal 6666/08 que institui a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais - INDE e estabelece as diretrizes para o compartilhamento das informações espaciais pelos entes públicos; 9. A única Base Cartográfica disponível do município já conta com mais 30 anos, não retrata a realidade da cidade, inviabilizando o planejamento urbano e tomadas de decisões rápidas; 10. A Secretaria de Planejamento não possui todos os recursos humanos e equipamentos necessários à realização desses trabalhos, necessitando, portanto, contratar esses serviços de engenharia cartográfica com empresa especializada. DESENVOLVIMENTO DO PROJETO BÁSICO - MEMORIAL DESCRITIVO O objetivo deste Projeto Básico é o estabelecimento de normas, metodologia e especificações técnicas para a execução de serviços técnicos especializados para geração de produtos cartográficos, compatíveis com a escala 1:1.000, padrão de exatidão cartográfica (PEC) Classe A, conforme estabelecido no Decreto n° 89.817/84, e resolução do pixel no terreno, Ground Sample Distance (GSD) de 10cm, conforme segue: 1. Imagens aéreas digitais da cobertura aerofotogramétrica com resolução espacial (GSD) de 10cm, sobreposição estereoscópica longitudinal de 60% e lateral de 30%, compreendendo a área total do município e a faixa de municípios limítrofes onde houver conurbação, totalizando aproximadamente 900 km²; 2. Imagens aéreas digitais da cobertura aerofotogramétrica com resolução espacial (GSD) de 10cm, sobreposição estereoscópica longitudinal de 80% e 7
  • 8. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário lateral de 40%, compreendendo a área central do município, totalizando aproximadamente 60km²; 3. Perfilamento a laser com densidade mínima de 2 pontos por metro quadrado, em área de aproximadamente 900km²; 4. Restituição estereofotogramétrica digital na escala 1:1.000, da área urbana do município, com todo o grupo de nível de informação indicados no item 6, tendo aproximadamente 420 km2; 5. Restituição estereofotogramétrica digital na escala 1:1.000, da área rural do município (caminhos, estradas, rodovias, vegetação, hidrografia, ferrovia, linhas de transmissão de energia elétrica de alta tensão, obra de arte, cemitérios, escolas, área construída e demais itens relevantes) com aproximadamente 380 km2; 6. Ortofotocartas digitais coloridas reamostradas com GSD de 10 cm, na escala de 1:1.000 da área de 900km2; 7. Preparação dos arquivos digitais para a utilização em Sistemas de Informação Geográfica - SIGs; 8. Codificação de quadras, lotes, glebas, sistema viário e espaços públicos com a vinculação da chave de banco de dados existentes, ou definidos pela CONTRATANTE; 9. Fotografias georreferenciadas das fachadas dos imóveis do município vinculada a chave de banco de dados existente; 10. Demais serviços complementares detalhados nesse projeto. Os serviços deverão ser executados conforme Cronograma Físico indicado no ANEXO I, seguindo a metodologia e especificações técnicas deste projeto básico, com utilização de câmera digital, sendo obrigatório o perfilamento aéreo a laser para obtenção dos dados altimétricos do terreno, com precisão PEC-A. (melhor que 25cm, ideal <= 15cm de precisão altimétrica) para geração de curvas de nível na ordem de 0,50m sistema LIDAR (Light Detection And Ranging) ou ALTM (Airborne Laser Terrain Mappers). 8
  • 9. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário 1.1. QUANTITATIVOS O proponente deverá apresentar o preço unitário, total por item e global conforme a tabela abaixo e indicados no ANEXO II (planilha de preços): Subitem I II III IV V VI VII VIII IX X XI XII XIII XIV XV XVI XVII XVIII ETAPA Autorização de aerolevantamento e o plano de vôo do Ministério da Defesa e Mobilização das Equipes Vôo 1 – GSD de 10 cm com sobreposição de 60% longitudinal e 30% lateral. Vôo 2 – GSD de 10 cm com sobreposição de 80% longitudinal e 40% lateral. Perfilamento a Laser Aerotransportado Apoio Terrestre Revisão dos marcos geodésicos existentes da Rede de Referência Cadastral Municipal Aerotriangulação Geração de Ortofotocartas com GSD de 10 cm – Escala 1:1000 – referente ao Vôo 1 Geração de Ortofotocartas – Escala 1:1000 – referente ao Vôo 2 Restituição Digital área urbana - Escala 1:1.000, com contorno das áreas construídas Restituição Digital área rural - Escala 1:1.000 Reambulação de campo Edição da Restituição Geração do eixo (segmentos) de Logradouro Geocodificação e inserção da chave de banco de dados das quadras existentes Geocodificação e inserção da chave de banco de dados existente dos Imóveis (construídos e terrenos livres) Geocodificação dos eixos (segmentos) de Logradouros Fotografias das fachadas dos imóveis e vinculação com a chave de banco de dados existente UNIDADE QUANTIDADE Unidade 1 Km² 900 Km² 60 Km² Km² 900 900 Unidade 24 Km² 900 Km² 900 Km² 60 Km² 420 Km² Km² Km² Unidade 380 800 420 40.000 Quadras 17.000 Imóveis 312.000 Unidade 40.000 Construção 312.000 Observação: Os quantitativos indicados na tabela acima são meramente indicativos. Os pagamentos serão liberados com base nos relatórios de produção que indicarão os quantitativos efetivamente entregues. 9
  • 10. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário METODOLOGIA E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS A áreas de interesse na realização deste trabalho compreende todo o território do Município de Campinas, Estado de São Paulo bem como as áreas de influências, em torno de 900km2, sendo a área urbanizada em torno de 420km 2. A Figura a seguir apresenta a localização da área de interesse. 1.2. RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO Após a assinatura do contrato a CONTRATADA deverá elaborar um Relatório de Planejamento, contendo todos os serviços a serem realizados, com a finalidade de planejar as ações de execução e definir a forma de relacionamento com a CONTRATANTE. O início das atividades deverá ocorrer em até 10 dias após o recebimento da Ordem de Início dos Serviços. A execução dos serviços deverá levar em consideração as discussões prévias com a CONTRATANTE e os representantes da CONTRATADA, a fim de definir as metodologias a serem utilizadas no desenvolvimento dos trabalhos. Deverá ser detalhada toda as atividades previstas em cada etapa dos serviços, indicando os coordenadores responsáveis por cada atividade e as respectivas equipes. 10
  • 11. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário 1.3. REFERENCIAIS GEODÉSICOS Para a execução dos serviços objeto desse Projeto Básico, quando não especificado em contrário, deverão ser utilizadas as coordenadas plano-retangulares com representação no Sistema de Projeção U.T.M. ( Universal Transversa de Mercator) e deverão ser calculadas no Sistema Geodésico Brasileiro (SGB), definido pelo Elipsóide de Referência SIRGAS2000 e também calculadas no: a) Sistema de Referência: Plano Topográfico Local - PTL – vinculado à Rede de Referência Cadastral do Município (existente). b) Sistema de Referência Geodésico: SAD 69/96; c) Sistema de Referência Geodésico: Córrego Alegre; d) Datum vertical: Marégrafo de Imbituba/SC; Os produtos finais e intermediários deverão ser entregues nas versões: SIRGAS 2000, PTL, SAD-69/96 e Córrego Alegre. 1.4. EQUIPAMENTOS, ACESSÓRIOS E MATERIAIS Os equipamentos a serem utilizados na execução da cobertura aerofotogramétrica deverão satisfazer as seguintes condições: 1.4.1. AERONAVE PARA VÔO APOIADO A aeronave para vôo apoiado deverá: a) ser homologada para a tomada de fotografias aéreas métricas, junto ao Ministério da Defesa (Decreto Lei n° 243/67 e Decreto n° 89.817/84); b) Possuir piloto automático; 11
  • 12. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário c) possuir sistema GPS para a orientação da aeronave de acordo com o plano de vôo; d) Estar equipada com câmera aerofotogramétrica digital de grande formato, com todos os acessórios; e) Estar equipada com o planejamento do vôo em meio digital; f) Estar equipada com perfilador a laser; g) Possuir sistema GPS de dupla frequência, para vôo apoiado integrado a câmera aerofotogramétrica para registro do evento no momento da tomada da imagem; h) Possuir sistema inercial (INS/IMU) e GPS/GNSS integrado à câmera e aeronave para registros dos dados de atitude da câmera e aeronave; i) Possuir instalações de antena GPS e INS/IMU, integrados a câmera, para vôo apoiado; j) Possuir sistema de gerenciamento, registro e armazenamento dos dados do vôo; k) Estar equipada com sistema de gerenciamento de vôo (FMS) e apresentar plano de vôo, dados e informações das estações de base GPS de dupla frequência L1 e L2, utilizados na cobertura aérea. 1.4.2. A CÂMERA AEROFOTOGRAMÉTRICA DIGITAL A câmera aerofotogramétrica digital deverá: a) Possuir certificado de calibração expedido em data não anterior a dois anos da abertura da licitação. Este certificado deverá ser datado e assinado por órgão técnico reconhecido nacionalmente ou internacionalmente. b) Possuir grande formato, com cobertura de área equivalente a área de uma câmera grande angular, quadro 23x23cm. Possuir resolução espectral que atendam o intervalo espectral de 0,4 a 0.7µm (faixa do visível); 12
  • 13. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário c) Possuir dispositivos eletrônicos para o gerenciamento e controle da câmera para manter a conformidade da cobertura aérea do objeto do trabalho; d) Possuir sensor com resolução geométrica melhor ou igual 10µm; e) Possuir resolução radiométrica mínima de 12 bits (4.096 tons de cinza) por banda RGB; f) ser dotada com dispositivo para correção do arrasto da imagem, tipo FMC (Forward Motion Compensation); g) Possuir sistema de filtros; h) Possuir plataforma giro-estabilizada para minimizar os efeitos dos movimentos de rotação da aeronave; i) Possuir GPS e sistema inercial (IMU) integrado a câmera apto para vôo apoiado. j) Possuir unidades e sistemas de captura, registro, armazenamento, transferência e processamento de imagens; k) 1.5. Não serão admitidos degraus ou distorções nas edificações EXECUÇÃO DA COBERTURA AEROFOTOGRAMÉTRICA 1.5.1. PLANO DO VÔO A cobertura aerofotogramétrica deverá ser executada a partir de um plano de vôo previamente aprovado pela CONTRATANTE, devendo possuir no mínimo os seguintes aspectos: a) Indicador da direção do vôo de cada faixa de imagens; b) Altitude do vôo; c) Altura do vôo, máxima e mínima; d) Quantidades de faixas do vôo; e) Numeração das faixas do vôo; f) Quantidades de Fotografias; 13
  • 14. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário g) Disposição planejada com a formação das faixas de vôo e dos modelos, com indicação das coordenadas geográficas-geodésicas nas extremidades das faixas; h) Quantidade e tipo de filme a ser utilizado, no caso de câmera analógica; i) Aeroporto base das operações de vôo; j) A localização da área a ser mapeada com as faixas e fotos sobrepostos graficamente; k) Em cada faixa, em seus extremos, os pontos principais das duas primeiras e das duas últimas exposições deverão encontrar-se fora dos limites fixados para a área de trabalho; l) Apresentar planejamento do posicionamento das estações de base GPS no solo para o caso do vôo apoiado. 1.5.2. EXECUÇÃO DO VÔO FOTOGRAMÉTRICO A execução do vôo deverá seguir as seguintes prescrições: a) A superposição longitudinal entre fotografias não deverá apresentar variação superior a ± 5%; b) A superposição lateral entre faixas de vôo contíguas não deverá apresentar variação superior a ± 5%; c) A deriva do vôo não deverá exceder 3° (três graus) em relação à linha de vôo projetada; d) Em cada faixa, os pontos principais das duas primeiras e das duas últimas exposições deverão encontrar-se fora dos limites fixados para a área de trabalho; e) A tomada das fotografias deverá ser feita quando o sol estiver situado acima do círculo de altura de 30° (trinta graus), em horário que garanta o máximo aproveitamento; 14
  • 15. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário f) O tempo de exposição das fotografias deverá garantir que o arrastamento das imagens fotográficas não seja superior a 12,5 micrômetros; g) Será admitida uma variação na escala de vôo de ± 5%, em relação à escala planejada; h) Quando houver interrupção na faixa de vôo, a retomada da execução da faixa de vôo deverá ser feita de modo a haver uma superposição de, no mínimo, dois modelos fotogramétricos; i) A tomada das fotografias deverá ser feita em dias claros, sem brumas, com céu limpo e condições atmosféricas favoráveis. Não será admitida a obtenção de fotografias com superexposição e subexposição; j) A incidência de nuvens, fumaça e sombras delas derivadas não serão aceitas. Casos excepcionais deverão ser submetidos para aprovação pela CONTRATANTE; k) A cobertura aérea deverá ser realizada em condições apropriadas (lentes, luz, filtros e tempo de exposição entre outros) que evitem os efeitos de vinhete (vignette); 1.5.3. RELATÓRIO DE BORDO O Relatório e planilhas de Bordo, bem como o relatório do controle de qualidade do recobrimento aéreo, deverão ser entregues juntamente com os produtos da cobertura aérea, e deverão ser submetidos e aprovados pela CONTRATANTE e terá que apresentar os seguintes dados: a) Nome da empresa responsável pelo vôo; b) Tipo de aeronave e respectivo prefixo; c) Relação de nomes da tripulação; d) Condições meteorológicas do dia do vôo; e) Tipo, modelo e número de série da câmera utilizada; f) Distância focal nominal e calibrada; g) período do vôo; 15
  • 16. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário h) Número da Autorização de Aerolevantamento do Ministério da Defesa; i) Número de identificação das faixas de vôo aprovadas; j) Número de identificação das fotografias aprovadas; k) Número de identificação das faixas de vôo rejeitadas; l) Número de identificação das fotografias rejeitadas m) Superposição lateral de cada faixa de vôo (mínima, média e máxima); n) Superposição longitudinal de cada faixa de vôo (mínima, média e máxima); o) Horário de início e término da execução de cada faixa de vôo; p) Escala média da faixa de vôo, avaliada pela CONTRATADA; q) Altura do vôo executada da faixa; r) Altitude de vôo executada; s) Deriva máxima executada; 1.5.4. IMAGENS OBTIDAS POR CÂMERAS DIGITAIS a) As imagens digitais obtidas por câmeras digitais deverão ser coloridas com intervalo espectral de 400nm a 700nm; b) As imagens de aquisição deverão possuir resolução radiométrica de 12bits por banda (4.096 níveis de cinza); c) As imagens deverão apresentar uniformidade de cor e de densidade e devem estar isentas de ruídos, presenças de manchas, riscos, elementos distorcidos da cena original causados por problemas de processamento ou de aquisição da imagem; d) A resolução das imagens digitais processadas deverá ser suficiente para atender a geração de ortofotos com GSD de 10cm. 1.5.5. MONTAGEM E REPRODUÇÃO DO FOTOÍNDICE 16
  • 17. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário O fotoíndice digital deverá ser elaborado com as imagens digitais, reamostradas para uma resolução inferior, adequada para a função de índice de imagens. O fotoíndice deverá apresentar: a) Numeração de todas as faixas; b) Números das fotos podendo ser de forma alternada se a numeração for sequencial. Nos casos, em que numeração das imagens não for sequencial, indicar números; c) Indicação das coordenadas geográficas nas extremidades do canto direito superior e canto esquerdo inferior; d) Toponímia principal: rios, rodovias, represas, aeroportos, reservas e principais parques. 1.6. FOTOGRÁFIAS GEORREFERENCIADAS DAS FACHADAS DOS IMÓVEIS • Deverá ser apresentado o levantamento fotográfico das fachadas dos imóveis de forma contínua, sem interrupções, ao longo do eixo do logradouro, representado no mapa por pontos justapostos e alinhados aos eixos. • O levantamento fotográfico deverá ser georreferenciado as coordenadas UTM. • Os pontos de captação deverão distar até 5 metros uns dos outros, de forma a permitir a sobreposição de informações das fachadas. • As fotos deverão ser captadas com ângulo e distância padronizados em relação aos imóveis e sobreposição lateral de, no mínimo, 50% entre fotos. • A resolução das fotografias deverá ser suficiente para garantir a visualização do imóvel e interpretação do número, de forma clara. 17
  • 18. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário • Todas as fotografias deverão ser associadas aos respectivos pontos de captação e associada à localização cartográfica (chave de banco de dados existente), através do nome do arquivo da fotografia. • Metodologia alternativa à apresentada para a obtenção das fotografias das fachadas dos imóveis poderá ser utilizada, desde que contemple os itens descritos e seja aceita pela CONTRATANTE. 1.7. ALTIMETRIA - COBERTURA AÉREA COM PERFILAMENTO A LASER (LIDAR) Os dados altimétricos do terreno deverão ser obtidos através da tecnologia de perfilamento a laser aerotransportado. A cobertura aérea com o perfilador a laser deverá ser realizada com as seguintes condições: a) Aeronave homologada para esta finalidade, com certificado de aeronavegabilidade válido na data de apresentação da proposta bem como formulário SEGVÔO contendo a homologação do sensor a ser utilizado. b) Apresentar equipamentos e sistemas embarcados na aeronave compatíveis com a execução e atendimento ao objeto deste Termo; c) Utilizar marcos da rede geodésica de primeira ordem do IBGE (tipo SAT e RRNN) disponíveis na localidade. Se a distribuição, disposição e qualidade destes marcos não forem adequadas ao propósito, a CONTRATADA deverá se encarregar de levantar os pontos de base necessários para o perfilamento a laser. Este levantamento deverá ser realizado com GPS de dupla frequência. As coordenadas dos pontos de apoio deverão ser determinadas por levantamento GPS, com receptores GPS de dupla frequência, através de posicionamento diferencial, método estático ou estático rápido. As coordenadas finais dos pontos de apoio não deverão apresentar erro superior a 10cm por ponto. 18
  • 19. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário 1.7.1. PLANEJAMENTO DO VÔO PARA O PERFILAMENTO A LASER Antes de iniciar as atividades de cobertura aérea para a execução do perfilamento a laser, a CONTRATADA deverá apresentar um planejamento da cobertura aérea com os seguintes requisitos: a) Obtenção de uma malha de pontos com densidade mínima de dois pontos por metro quadrado (2 pts./m²); b) Altura de vôo condicionada a obtenção da precisão e exatidão necessária para atendimento ao objeto deste Projeto; c) Largura das faixas de perfilamento (varredura); d) Comprimento das faixas de perfilamento; e) Velocidade do vôo; f) Ângulo de abertura (swath wide) para varredura do sistema; g) Ângulo de incidência; h) Superposição lateral, que deverá ser de no mínimo 20%; i) Número de faixas; j) Número de pontos medidos (perfilados) numa linha de varredura laser; k) Frequência de varredura (scan); densidade de pontos (espaçamento de pontos em x e em y); largura da faixa de varredura longitudinal; largura da faixa de varredura (perfilamento) lateral; l) Apresentação gráfica das linhas de vôo planejadas com coordenadas iniciais e finais de cada faixa; m) Indicação da localização das estações de base GPS no solo; n) Indicação da localização das estações de base e áreas de calibração; o) Configurações dos equipamentos e componentes: GPS para estações de base, GPS/INS integrados ao sistema de perfilamento a laser; softwares e hardwares a serem utilizados na cobertura aérea; p) Indicar a precisão de cada equipamento a ser utilizado; 19
  • 20. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário q) Indicação posicional de cada marco geodésico que será utilizado como estações de base durante a cobertura aérea; r) Apresentar dados de calibração do sistema de perfilamento a laser por órgão técnico reconhecido nacionalmente ou internacionalmente; 1.7.2. EXECUÇÃO DO VÔO DO PERFILAMENTO A LASER O relatório de bordo deverá fornecer os resultados atingidos em relação ao planejado. As condicionantes são: a) Os resultados da execução da cobertura aérea com a finalidade do perfilamento a laser não deverá divergir em até 5% do apresentado no planejamento, não sendo admissível apresentar valores inferiores que sejam prejudiciais ao atendimento do objeto deste Termo; b) Planilha comparativa dos dados de vôo planejados com os dados adquiridos. c) Relatórios dos arquivos GPS e IMU/INS da aeronave/câmera, informando as condições de levantamento e precisões atingidas durante a cobertura aérea; d) Arquivos das estações base e “rover” dos receptores GPS/GNSS ou GPS/GNSS e IMU registrados no perfilamento a laser; 1.7.3. DADOS DO PERFILAMENTO A LASER A CONTRATADA deverá apresentar: a) Dados pré-processados do perfilamento a laser sem filtragem devem ser entregues no formato ‘LAS’ (ASPRS LIDAR Data Exchange Format Standard versão 1.1 ou superior), formato ‘ASCII’ (X, Y, Z) e DXF; b) Dados tratados e classificados de modo a obter os seguintes produtos: Modelo Digital de Terreno (MDT), correspondente aos pontos ao nível do solo e Modelo Digital de Superfície (MDS), correspondente a superfície do terreno, incluindo 20
  • 21. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário os objetos de interesse a ele superpostos. Os arquivos de MDT e MDS deverão ser entregues em formatos DXF; c) Testes de qualidade demonstrando que 90% das cotas altimétricas bem definidas não apresentam erro maior que a metade da equidistância das curvas de nível. Quanto à qualidade horizontal, a CONTRATADA deverá garantir o atendimento ao padrão de exatidão cartográfica (PEC) Classe A. d) Relatórios técnicos do planejamento dos processos de controle de qualidade e dos resultados alcançados com planilhas demonstrando a verificação e validação da qualidade. 1.7.4. APOIO DE CAMPO A finalidade do apoio de campo é a obtenção de coordenadas planialtimétricas, devidamente referenciadas ao Sistema Geodésico Brasileiro, com o objetivo de determinar as coordenadas do apoio suplementar, o qual é necessário para a realização dos trabalhos de aerotriangulação e os subsequentes. Devido à quantidade, distribuição e localização de marcos geodésicos existentes na área de mapeamento, não será obrigatório o levantamento do apoio básico com a implantação de novos marcos geodésicos, devendo ser utilizados com esse fim os marcos geodésicos pertencentes à Rede de Referência Cadastral do Município de Campinas. Entretanto, existe a possibilidade de se encontrar marcos geodésicos da rede destruídos ou que podem não atender diretamente ao objeto deste Termo. Neste caso, serão consideradas duas soluções: a) Se a quantidade de marcos destruídos (ou que não atenderem diretamente ao objeto deste Termo) não ultrapassar 25% do total de marcos da rede:  Os marcos destruídos (ou que não atenderem diretamente ao objeto deste Termo) deverão ser substituídos e rastreados novamente por levantamento utilizando receptores GPS ou GNSS. O rastreamento dos marcos que forem substituídos deverá ser realizado seguindo a mesma 21
  • 22. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário metodologia executada na implantação da Rede de Referência Cadastral do Município de Campinas; esta metodologia será fornecida pela Prefeitura de Campinas. b) Se a quantidade de marcos destruídos (ou que não atenderem diretamente o objeto deste Termo) ultrapassar 25% do total de marcos da rede:  Deverão ser substituídos os marcos destruídos (ou que não atenderem diretamente o objeto deste Termo) e rastreados todos os marcos que compõem a rede (incluindo os existentes em bom estado e os que foram substituídos);  O rastreamento da rede deverá ser realizado utilizando receptores GPS ou GNSS, no modo estático, com período ocupação de 2 horas, seguindo as recomendações para levantamentos relativos estáticos – GPS do IBGE de abril de 2008, utilizando a técnica de vetores independentes, sendo as coordenadas dos marcos, processadas e ajustadas a partir de 2 (duas) estações base, homologadas pelo IBGE, com período de ocupação de 1 hora para linha de base (tamanho de vetor) de no máximo 20km. Em relação à altimetria, poderá existir a necessidade de inclusão de novos marcos, cujas coordenadas altimétricas deverão ser transportadas a partir de RN’s de primeira ordem do IBGE, que deverá ser executada pela CONTRATADA. 1.7.5. APOIO DE CAMPO SUPLEMENTAR O apoio de campo suplementar deverá fornecer os pontos necessários à realização da aerotriangulação, devendo: a) Apresentar planejamento detalhado do apoio de campo contendo: 22
  • 23. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário  Esquema gráfico da rede de pontos de apoio suplementares em formato DXF;  Descrição das metodologias de planimetria e de altimetria para a coleta de pontos de apoio suplementares e para o controle de qualidade;  Certificados de calibração dos equipamentos topográficos com validade não superior a 1 (um) ano do início e finalização da obra, no caso da necessidade do emprego de topografia clássica. b) Possuir no mínimo 2 (dois) pontos HVs (Horizontal/Vertical) por modelo nas extremidades do bloco, tanto em sentido transversal como longitudinal, seja para o vôo convencional, seja para o vôo apoiado. Na região interior do bloco poderá ser adotada uma distribuição a critério da CONTRATADA, devendo atender o objeto deste Termo de Referência; c) Serem escolhidos pontos de apoio em coincidência com acidentes artificiais do terreno, nítidos, identificáveis, preferencialmente no solo, tais como faixas de pedestre e cantos de calçada bem definidos e compatíveis com a escala final 1:1.000 e em áreas relativamente planas. Outra opção é a utilização de pontos pré-sinalizados, principalmente, em regiões periféricas; d) Possuir monografia específica para cada ponto levantado em campo, contemplando as seguintes informações:  Identificação do ponto;  Identificação do ponto base oficial do IBGE (tipo SAT) utilizado como referência;  Croquis gerais;  Croquis detalhados. 1.7.6. APOIO SUPLEMENTAR PLANIMÉTRICO 23
  • 24. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário Em termos de planimetria, para cada ponto de apoio suplementar, a CONTRATADA deverá seguir as seguintes especificações: a) As coordenadas planimétricas deverão ser determinadas por receptores GPS e/ou GNSS de dupla frequência e/ou simples frequência, pelos métodos estático diferencial ou semi-cinemático; b) Todas as estações base utilizadas deverão ser vértices homologados pelo IBGE, ou marcos implantados; c) No posicionamento GPS/GNSS todos os vetores deverão ter solução fixa das ambiguidades; d) Observar no mínimo 5 (cinco) satélites que apresentem boa configuração geométrica e PDOP (Positional Dilution of Precision) igual ou inferior a 6; e) os satélites deverão ser rastreados com máscara de elevação de 15º (quinze graus) ou superior; f) A medição da altura do centro de fase da antena sobre o marco deverá ser efetuada antes e depois de cada sessão, com precisão nominal milimétrica. A determinação das coordenadas planimétricas dos pontos de controle (apoio suplementar) deverá seguir especificações mínimas no que se refere aos modos de levantamento GPS/GNSS: 1.7.7. APOIO SUPLEMENTAR ALTIMÉTRICO A altitude ortométrica do apoio suplementar poderá ser obtida por meio do emprego de um geóide local que atenda a finalidade deste projeto, ou por nivelamento geométrico. As especificações voltadas para cada uma dessas metodologias são apresentadas a seguir: 1.7.7.1 CARTA GEOIDAL LOCAL a) Utilização de referências de nível oficiais do IBGE; 24
  • 25. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário b) Densificação de RRNN por meio de nivelamento geométrico se for o caso, a ser realizada pela CONTRATADA. c) O atendimento da qualidade da carta geoidal com precisão de 10 cm é de inteira responsabilidade da CONTRATADA. 1.7.7.2 NIVELAMENTO GEOMÉTRICO O nivelamento geométrico deverá: a) Utilizar no levantamento Nível com certificado de calibração válido por pelo menos 1 ano do início da obra; b) Realizar o levantamento em circuitos fechados, com nivelamento e contra nivelamento; c) Utilizar referências de nível de partida e de chegada distintas e oficiais do IBGE, sendo realizado o transporte de coordenadas altimétricas; d) Estacionar o nível sempre equidistante das miras, em visadas nunca superiores a 80m, sendo tolerada uma variação de ± 10m, a ser compensada no lance seguinte; e) Utilizar sempre sapatas como suporte das miras; f) Efetuar visadas nas miras acima de 50cm do solo com leituras do fio médio; g) Usar extensão máxima do nivelamento de até 5km, em distâncias superiores deverá ser autorizada pela CONTRATANTE; h) Adotar tolerância de fechamento: 20mm √k, sendo k a distância nivelada, medida em km. 1.7.8. PONTOS DE CONTROLE DE QUALIDADE A finalidade destas medições é a obtenção de coordenadas planialtimétricas devidamente referenciadas ao Sistema Geodésico Brasileiro, com o objetivo de determinar as coordenadas para a obtenção dos pontos de controle de qualidade da aerotriangulação. Para isto poderão ser utilizados os marcos geodésicos 25
  • 26. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário homologados pelo IBGE no Município de Campinas, considerando que as distâncias máximas destes marcos não ultrapassam 20 Km entre eles. Este controle de qualidade deverá fornecer os pontos necessários devendo: a) Ser escolhidos em coincidência com acidentes artificiais do terreno, nítidos, identificáveis, preferencialmente no solo, tais como faixas de pedestre e cantos de calçada bem definidos e compatíveis com a escala final 1:1.000 e em áreas relativamente planas. Outra opção é a utilização de pontos pré-sinalizados, principalmente, em regiões periféricas; b) Possuir monografia específica para cada ponto levantado em campo, contemplando as seguintes informações:  Identificação do ponto;  Identificação do ponto base oficial do IBGE (tipo SAT) utilizado como referência;  Croquis gerais;  Croquis detalhado; Em termos de planimetria, para cada ponto, a CONTRATADA deverá seguir as seguintes especificações: a) As coordenadas planimétricas deverão ser determinadas por receptores GPS, e/ou GNSS de dupla frequência e/ou simples frequência, pelos métodos: estático diferencial ou semi-cinemático; b) Todas as estações base utilizadas deverão ser vértices homologados pelo IBGE ou marcos implantados; c) No posicionamento GPS/GNSS todos os vetores deverão ter solução fixa das ambiguidades; d) Observar, no mínimo, 5 (cinco) satélites que apresentem boa configuração geométrica e PDOP (Positional Dilution of Precision) igual ou inferior a 6; e) Os satélites deverão ser rastreados com máscara de elevação de 15º (quinze graus) ou superior; 26
  • 27. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário f) A medição da altura do centro de fase da antena sobre o ponto deverá ser efetuada com precisão nominal milimétrica. 1.8. AEROTRIANGULAÇÃO O adensamento dos pontos de apoio, para a orientação absoluta planimétrica e altimétrica dos modelos estereoscópicos, deverá ser realizado através de aerotriangulação digital, por blocos, em estações fotogramétricas digitais preparadas adequadamente para o prosseguimento do objeto deste Termo. Todos os pontos de apoio utilizados, deverão ser materializados com pino de aço. 1.8.1. PLANEJAMENTO DA AEROTRIANGULAÇÃO O planejamento da aerotriangulação deverá ser apresentado em forma de relatório e deverá atender às seguintes regras: a) Apresentar um arquivo com a identificação e coordenadas do apoio suplementar aprovado pela CONTRATANTE; b) Fornecer esquemas gráficos dos blocos de aerotriangulação georreferenciados, com o posicionamento e distribuição dos pontos do apoio suplementar. Nestes esquemas gráficos, deverão ser identificadas as faixas e os limites dos modelos; c) Apresentar a codificação dos pontos fotogramétricos (passagem de modelos e ligação de faixas), pontos de controle (horizontal e vertical), pontos de verificação, pontos de nível d’água, entre outros; d) Descrever o processo de controle de qualidade a ser efetuado, informando os resultados esperados. 1.8.2. EXECUÇÃO DA AEROTRIANGULAÇÃO A aerotriangulação deverá atender as seguintes regras: 27
  • 28. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário a) Os pontos fotogramétricos deverão ser medidos de modo automático ou semiautomático ou manual, de modo a permitir uma precisão de subpixel (melhor que ½ pixel). O refinamento de leitura e medição dos pontos deverá ser realizado no modo estéreo (tridimensional); b) Em cada modelo deverão ser distribuídos, no mínimo, 6 (seis) pontos fotogramétricos conforme distribuição de Von Grüber; c) Nas ligações de modelos adjacentes deverá ter, no mínimo, 3 (três) pontos fotogramétricos distribuídos conforme região de Grüber; d) Nas regiões de sobreposição entre faixas, deverá ser garantida a existência de, no mínimo, 2 (dois) pontos de ligação distribuídos conforme região de Grüber; e) Para processos de medição automática, a distribuição mínima dos pontos fotogramétricos deverá ser dobrada em todas as posições de Grüber, ficando 2 (dois) pontos por região de Grüber, totalizando, no mínimo, 12 (doze) pontos fotogramétricos por modelo; f) Deverá ser feita uma inspeção visual dos pontos fotogramétricos obtidos por correlação (passagem e ligação), para eliminar falsas correspondências em regiões de sombra, objetos em movimento, padrões repetitivos, dentre outras; g) Os refinamentos de leitura e medições dos pontos deverão ser realizados no modo estéreo (tridimensional). 1.8.3. MEDIÇÃO DE PONTOS FOTOGRAMÉTRICOS Os requerimentos dos resultados na medição de pontos fotogramétricos (orientação relativa), ou de cada bloco aerotriangulado e ajustado, são: a) Os resíduos de paralaxe-y, na formação dos modelos, não deverão exceder 20 (vinte) µm, e o erro médio quadrático não deverão exceder 10 (dez) µm, considerando a escala da foto; b) O erro médio quadrático, para o conjunto de coordenadas dos pontos fotogramétricos, não deverá exceder 20 (vinte) µm em X e em Y; 28
  • 29. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário c) O erro médio quadrático, para o conjunto de coordenadas medidas dos pontos fotogramétricos em Z, não deverá exceder 25 (vinte e cinco) µm; d) A redundância média (número de graus de liberdade e superabundância) para blocos regulares deverá ser maior ou igual a 0,50, para que o resultado obtido apresente confiabilidade. 1.8.4. RESULTADOS DO AJUSTAMENTO DA AEROTRIANGULAÇÃO O ajustamento final da aerotriangulação deverá ser alcançado, com um máximo de discrepâncias (na escala do terreno) a seguir requerido: a) O erro médio quadrático dos pontos de controle ajustados não deverá ultrapassar 15 (quinze) cm; b) O erro residual máximo dos pontos fotogramétricos ajustados não deverá exceder 20 (vinte) cm em X e Y e 25 (vinte e cinco) cm em Z; c) As diferenças entre as coordenadas em X e Y (componentes) dos pontos ajustados, comparadas aos pontos de verificações (check), não deverão exceder 20 (vinte) cm e 25 (vinte e cinco) cm em Z; d) As discrepâncias de pontos de ligação de blocos ajustados adjacentes não deverão exceder 25 (vinte e cinco) cm em X e Y, e 30 (trinta) cm em Z (altitude). 1.8.5. MODELO DIGITAL DE SUPERFÍCIE E DE TERRENO A geração do Modelo Digital do Terreno (MDT) e do Modelo Digital de Superfície (MDS) deverá ser realizada a partir do perfilamento a laser. Na geração do MDT e do MDS deverão ser inclusas as linhas de quebra do terreno, conforme as especificações do item 9.8.1. 1.8.6. GERAÇÃO DE LINHAS DE QUEBRA DO TERRENO As linhas de quebra do terreno e linhas estruturais deverão ser coletadas e usadas no processo de geração de MDT e ortofotos. As linhas de quebra e 29
  • 30. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário estruturais, podem ser penhascos, paredes de retenção, terraplenagens, pontes, viadutos, divisores de água, rios, fundos de vale, rodovias, cortes, aterros, hidrografia, sistema viário e enfim, todas as mudanças abruptas na elevação do terreno. As linhas de quebras e estruturais deverão: a) Ser coletadas de modo a garantir a caracterização do terreno no MDT e de evitar manchas ou distorções na retificação das imagens para a geração de ortofotos e, em atendimento ao objeto deste Termo; b) Se necessário, em regiões de pontes e viadutos, gerar polígonos tridimensionais para evitar problemas de distorções na geração de ortofotos. Esses polígonos, deverão ser apresentados, em nível de informação distinto, ao nível de linhas de quebras e estruturais. 1.8.7. GERAÇÃO DO MODELO DIGITAL DE SUPERFÍCIE O Modelo Digital de Superfície deverá ser gerado a partir da nuvem de pontos do perfilamento a laser. 1.8.8. MDS A PARTIR DO PERFILAMENTO A LASER A geração do MDS, a partir da nuvem de pontos do perfilamento a laser, deverá: a) Apresentar dados de pontos classificados do solo e objetos de interesse: solo exposto, edificações, maciço vegetal, hidrografia (cursos d'água, lagoas, lagos, represas); b) Contemplar todas as linhas de quebra necessárias para melhoria de qualidade do MDT, em atendimento ao objeto deste Termo; c) Apresentar MDS com precisão compatível com a escala do mapeamento 1:1000; d) Precisão na altimetria melhor que 25cm, conforme PEC-A para curvas de nível 0,50m, ideal inferior a 15cm 30
  • 31. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário e) Fornecer arquivos de MDS em malha regular de pontos com espaçamento horizontal de 1 metro, em formato DXF. 1.9. GERAÇÃO DO MODELO DIGITAL DO TERRENO O Modelo Digital de Terreno, usado para a geração de ortofotos deverá contemplar as linhas de quebra e somente pontos localizados no nível do solo. 1.9.1. MDT A PARTIR DO PERFILAMENTO A LASER O MDT, a partir dos dados tratados e classificados do perfilamento a laser, deverá apresentar as seguintes especificações: a) Apresentar somente pontos no nível do solo isentos de vegetação e elementos não pertencentes ao solo, como veículos, placas, postes, edificações, entre outros; b) Deverá ser composto por malha de pontos irregular e triangular (TIN), com as linhas de quebra do terreno. O espaçamento nominal entre os pontos do TIN deverá ser de 1 (um) metro. O espaçamento entre os pontos poderá variar, desde que não ultrapasse 3 (três) metros, pois prejudicará a modelagem do terreno, influenciando na qualidade final das ortofotos. 1.9.2. GERAÇÃO DE CURVAS DE NÍVEL A partir dos pontos do MDT deverão ser geradas curvas de nível, com equidistância vertical de 0,5m (meio metro) e curvas mestras com equidistância vertical de 5m (cinco metros), com as seguintes especificações: a) As curvas de nível deverão ter traçado contínuo (sem interrupção), devendo compor um nível de informação específico, com os respectivos valores altimétricos incorporados como atributos; b) A edição das curvas de nível deverá ser feita para eliminação do excesso de pontos e resíduos de curvas. 31
  • 32. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário 1.10. GERAÇÃO DE ORTOFOTOS DIGITAIS O processo de geração de ortofotos deverá atender às seguintes especificações: a) As ortofotos deverão ser geradas para área de 900km², a partir das imagens e MDT obtidos; b) O algoritmo de ortorretificação das imagens deverá ser bilinear ou bicubico (convolution cubic). A CONTRATADA escolherá aquele que apresentar melhor qualidade geométrica no processamento; c) Utilizar somente as partes centrais das imagens, evitando deslocamento radial maiores do que 0,5mm; d) O GSD deverá ser de 10cm; e) Deverão ser aplicados ajustes radiométricos nas imagens, visando a eliminar mudanças de luminosidade entre imagens adjacentes e uniformizar o contraste e tonalidade do produto final, sem perda de informações visuais; f) As ortofotos deverão estar isentas de ruídos, manchas, riscos e deformações. 1.11. GERAÇÃO DE ORTOMOSAICOS As ortofotos coloridas em 24-bit (16 milhões de combinações de cores) deverão ser mosaicadas, conforme as especificações a seguir: a) Aplicar linhas ou polígonos de “junção” (seamlines) de forma a reduzir as diferenças radiométricas e geométricas durante a mosaicagem; não será admitida descontinuidade de áreas e de elementos da imagem decorrente do processo de junção das ortoimagens. Deverão ser evitadas presenças de pontos hiper-luminosos (hot-spot) e os fenômenos de vinhetes nas imagens; b) Aplicar, se forem necessários, processamentos para homogeneização da tonalidade das imagens a fim de garantir uma transição contínua das cores. Deve-se atentar para utilizar uma imagem de referência com melhor contraste e valores de brilho; c) Nas áreas de junções de imagens a radiometria deverá ser contínua; 32
  • 33. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário d) As feições lineares como estradas, pontes, ferrovias, viadutos, túneis, entre outros, deverão ser retificadas e sem ondulações; e) Incongruências geométricas nas junções das imagens, causadas por incoerências de modelagem do terreno não serão admitidas; f) Deverá ser criado um mosaico com recortes das fotos de 1km², de forma a facilitar as manipulações em softwares tipo CAD. 1.12. GERAÇÃO DE ORTOFOTOCARTAS a) A partir da composição das ortofotos digitais já mosaicadas e com perfeita coincidência geométrica e radiométrica, deverão ser geradas as ortofotocartas na escala 1:1.000, em área de 900km²; b) As ortofotocartas deverão ser recortadas por folhas do Sistema Cartográfico Convencional (definido em conjunto com a CONTRATANTE), destinados à plotagem; c) Cada recorte do arquivo (folha SCC) deverá ser inserido numa máscara padrão onde constem as seguintes informações:  dados dos sistemas de projeção (UTM);  datum horizontal e vertical;  escalas gráfica e numérica;  período do vôo;  articulação das folhas;  declinação magnética e data;  convergência meridiana e coeficiente de deformação linear para o centro da folha;  coordenadas geográficas geodésicas dos cantos da folha;  coordenadas plano-retangulares UTM do reticulado; 33
  • 34. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário  coordenadas planas do PTL do reticulado;  classificação da carta: "Classe A";  fotos utilizadas na elaboração da folha: vôo, faixa e número das fotos;  número de codificação da folha;  entidade contratante;  entidade executora. 1.13. RESTITUIÇÃO ESTEREOFOTOGRAMÉTRICA DIGITAL – ESCALA 1:1.000 a) A restituição estereofotogramétrica digital (numérica) “on-line” deverá ser executada através do registro de dados, em meio magnético, obtido diretamente dos sistemas fotogramétricos digitais. O registro das coordenadas (x,y,z) deverá ser em metros, com precisão de duas casas decimais; b) A restituição estereofotogramétrica deverá ser realizada em níveis de informações, a fim de possibilitar sua utilização em um Sistema de Informação Geográfica - SIG, em polígonos fechados quando for o caso, conforme segue: GRUPO DE NÍVEIS DE INFORMAÇÃO Os seguintes elementos serão identificados:  Relevo o Curvas de Nível a cada metro e curvas mestras cotadas a cada cinco metros, para todo município.  Meio Ambiente o Formações rochosas, cortes, aterros, taludes e erosão; 34
  • 35. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário o Vegetação (matas nativas, cerrados, reflorestamentos e árvores de grande porte); o Hidrografia (cursos d'água e calhas, lagos e represamentos, brejos e planície de inundação).  Unidades Territoriais o Glebas; o Lotes visíveis; o Eixos de logradouros, por segmento; o Quadras; o Praças; o Áreas verdes; o Áreas Institucionais.  Divisão Territorial o Divisas do município; o Distritos; o Perímetro Urbano; o Loteamentos; o Favelas e ocupações (contorno).  Infraestrutura 35
  • 36. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário o Sistema viário pavimentado; o Sistema viário não pavimentado; o Estradas Rurais; o Caminhos; o Meio-fio; o Obras de Arte: pontes, viadutos, etc; o Canais de drenagem; o Rodovias Estaduais e Federais; o Ferrovias e leitos desativados; o Linhas de transmissão de energia elétrica de alta tensão; o Postes; o Bueiros; o Bocas de lobo.  Equipamentos e Mobiliários Urbanos o Edificações/Contorno das áreas construídas; o Estações ferroviárias e rodoviárias; o Prédios públicos; o Escolas, faculdades e creches; o Aeroportos; o Cemitérios; 36
  • 37. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário o Templos; o Estações de tratamento de água e de esgoto; o Reservatórios de água; o Subestações; o Antenas de telecomunicações.  Grupos de Informações Complementares o Coordenadas geográficas; o Legendas das convenções cartográficas; o Marcos geodésico; o Referências de nível. 1.14. ESPECIFICAÇÕES PARA OS NÍVEIS DE INFORMAÇÃO a) As polilinhas que representam os níveis de informações deverão ser traçadas exclusivamente usando-se segmentos de reta, não sendo permitida a utilização de arcos, círculos ou elipses. Os polígonos devem ser fechados, quando for o caso (exemplo: área construída, lotes sem construção, etc); b) Quando houver polilinhas ou pontos que forem comuns de elementos diferentes, estes deverão coincidir analiticamente e constar do registro de todas as entidades e "layers" participantes da coincidência; c) A restituição digital na escala 1:1.000, deverá ser realizada em sistemas fotogramétricos digitais. Seus elementos constituintes deverão ser agrupados segundo os níveis de informação e representados por traços e/ou simbologia compatíveis com a escala da planta; 37
  • 38. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário d) As curvas de nível serão geradas a partir de perfilamento a laser. A inserção das cotas deverá ser feita sobreposta à curva de nível, não sendo admitida qualquer interrupção; e) As linhas de transmissão deverão observar o mesmo procedimento das curvas de nível; f) A altimetria deverá ser representada por curvas de nível de metro em metro, com curvas mestras de cinco em cinco metros; g) Pontos cotados deverão ser lançados nos lugares onde o relevo do terreno não tiver sido definido suficientemente pelas curvas de nível, assim como em: - Bifurcação e interseção de ruas, término de ruas sem saída, avenidas e outros; - Passagens de nível; - Mudanças de greide; - Picos de elevações; - Depressões; - Níveis d'água em rios principais, lagos, lagoas e represas; - Canais; - Cabeceiras de pontes; - Barragens. h) Deverão constar da restituição, ainda, os pontos de apoio terrestre materializados bem como, os vértices de primeira ordem existentes na área; i) A hidrografia deverá ser representada obedecendo-se os seguintes critérios: - Os rios principais, tributários de I a, 2a e 3a ordens, deverão ser representados por polilinhas independentes, apresentando-se analiticamente coincidentes nos pontos de confluência de uns com os outros, com coordenadas tridimensionais (X,Y,Z); - Os lagos, lagoas, represas, diques e açudes deverão se representados por polilinhas com nós nos pontos de entrada e saída do curso d'água formador. 38
  • 39. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário REAMBULAÇÃO E GEORREFERENCIAMENTO A reambulação deverá ser feita no campo, tendo como base as plotagens preliminares das restituições digitais dos mapeamentos visando a: a) Classificar os acidentes naturais e artificiais compatíveis com a escala de planta, que tenham que constar nos produtos finais dos mapeamentos; b) Esclarecer as dúvidas sobre detalhes visíveis nas fotografias e de difícil interpretação durante a restituição; c) Coletar a toponímia oficial de acidentes naturais, de cursos d'água e de logradouros públicos; d) Identificar omissões de detalhes e retificar os erros de interpretação do operador durante a restituição; e) Classificar linhas de transmissão (energia elétrica, telefonia e outras) e torres retransmissoras (radiofonia, microondas); f) Identificar as principais edificações como edifícios públicos, hospitais, escolas, aeroportos, centros esportivos, loteamentos, templos religiosos, cemitérios, adutoras, shopping centers e outros; g) A Prefeitura Municipal de Campinas fornecerá a localização dos prédios públicos municipais e dos edifícios tombados para fins de constar na restituição digital. GEORREFERENCIAMENTO DE QUADRA/LOTE SEM MATERIALIZAÇÃO Em loteamentos onde não há materialização de quadras, e, a SEPLAN possua arquivo digital, deverá ser realizado apenas o georreferenciamento do arquivo digital, obedecendo ao critério abaixo definido: 39
  • 40. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário  Em cada arquivo digital do “loteamento” deverá ser coletado pontos georreferenciados comuns entre o arquivo e o local, coletando no mínimo três pontos distribuídos sobre a área. A escolha desses pontos deverá ser aprovada pela CONTRATANTE; As quadras a serem georreferenciadas deverão ser definidas pela SEPLAN e deverão ser distribuídas em lotes/grupos sempre obedecendo ao critério de loteamento. Caso seja necessária a adequação das polilinhas para constituir polígonos fechados, bem como a vinculação com a chave de banco de dados, a mesma deverá ser realizada pela CONTRATADA. 1.15. REVISÃO E EDIÇÃO Na inserção de informações complementares ou correções de toponímia, resultantes da reambulação, os arquivos digitais gerados na operação de restituição deverão ser complementados a partir dos dados reambulados no campo, utilizandose para isso estações gráficas computadorizadas e software apropriado. Os arquivos digitais dos modelos restituídos e revisados deverão ser editados em dois tipos de recortes, a saber: Plantas de Referência Cadastral (PRCs) visando sua utilização em aplicações SIG, e em recortes por folhas do Sistema Cartográfico Convencional (SCC) na escala 1:1.000, destinados à plotagem. Os recortes deverão ser aprovados pela CONTRATANTE. No caso dos recortes do SCC, os arquivos digitais revisados serão editados segundo uma seleção de níveis a ser fornecida pela contratante. Cada recorte do arquivo (folha SCC) deverá ser inserido numa máscara-padrão onde constem as seguintes informações: 40
  • 41. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário  dados dos sistemas de projeção (UTM);  datum horizontal e vertical;  escalas gráfica e numérica;  período do vôo;  data da restituição, da reambulação e da edição;  articulação das folhas;  quadro das convenções cartográficas;  declinação magnética e data;  convergência meridiana e coeficiente de deformação linear para o centro da folha;  coordenadas geográficas geodésicas dos cantos da folha;  coordenadas plano-retangulares UTM do reticulado;  coordenadas planas do PTL do reticulado;  classificação da carta: "Classe A";  fotos utilizadas na elaboração da folha: vôo, faixa e número das fotos;  número de codificação da folha;  entidade contratante;  entidade executora. Para as plotagens finais deverá ser utilizado papel sulfite 120 e deverão ser realizadas em plotter de alta precisão, a jato de tinta, com resolução mínima de 300 dpi e 16 milhões de cores. ARQUIVOS DIGITAIS- PREPARAÇÃO PARA GEOPROCESSAMENTO 41
  • 42. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário Os arquivos digitais gerados nas operações de restituição estereofotogramétrica deverão passar por uma fase de preparação, a fim de tornar possível seu uso em Sistema de Informação Geográfica, observando-se as seguintes prescrições: a) As entidades quadras, praças, açudes, lagos, alagados e outras, identificáveis pelo processo aerofotogramétrico ou obtidas dos elementos do cadastro, deverão ser formadas por polilinhas dando como resultado polígonos fechados, tendo necessariamente fechamento analítico, apresentando coordenadas iniciais e finais numericamente idênticas; b) As entidades não completamente definidas fisicamente, não se aplica a exigência de coincidência analítica das coordenadas iniciais e finais, devendo as mesmas constar em nível diferenciado; c) Os polígonos, as polilinhas e pontos comuns de objetos diferentes deverão coincidir analiticamente e constar do registro de todas as entidades participantes da coincidência; d) Considera-se quadra o polígono fechado que tem como limites os lados dos lotes, edificados ou não, com frente para o logradouro público, distinguindo-se assim a propriedade pública (rua) da propriedade privada (lote); e) Todos os detalhes planimétricos e altimétricos deverão ser registrados em suas três dimensões (X, Y, Z); f) Todos os arcos e feições circulares ou elípticas deverão ser representados através de segmentos de reta; g) Os pontos isolados deverão apresentar coordenadas X, Y, Z; h) O eixo dos logradouros ou corredores deverá ser representado por polilinhas; i) Quando, para um mesmo nível de entidade, existirem polígonos internos a outro polígono, deverá ser feita a divisão deste polígono externo de modo a não existirem polígonos internos; j) Geração dos eixos e objetos logradouros entre as quadras; k) Os eixos e objetos de logradouros serão definidos obedecendo aos critérios abaixo: 42
  • 43. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário l) O eixo de logradouro deverá ter inicio e fim nos cruzamentos de logradouros, sendo adotado o ponto central do cruzamento referência; m) Caso haja alguma mudança de direção no logradouro sem cruzamento, deverá ser adotada uma defleção para representar essa mudança de direção; n) O objeto logradouro, que constitui um polígono fechado, deverá ser definido pelas correspondentes faces das quadras e pelos pontos centrais dos cruzamentos dos logradouros contíguos; o) Todas as quadras constantes no arquivo digital da planta da área urbana do município deverão ser geocodificadas, obedecendo aos critérios abaixo definidos; p) O geocódigo será numérico e formado pela composição das coordenadas planimétricas do plano topográfico local do município, sendo os 6 primeiros dígitos da abscissa mais os 6 primeiros dígitos da ordenada, ex: 150000250000; q) As coordenadas para elaboração do geocódigo serão obtidas levando se em conta o centróide do objeto quadra; r) Todos os imóveis (edificados ou não) constantes no arquivo digital da planta da área urbana do municipio, obtida da restituição aerofotográmetrica, bem como os não materializados, deverão ser geocodificado e os mesmos vinculados ao geocódigo, obedecendo aos critérios dos itens e os abaixo definidos:  O geocódigo será numérico e formado pela composição das coordenadas planimétricas, sendo os 6 primeiro dígitos da abscissa mais os 6 primeiros dígitos da ordenada, ex: 150000250000;  As coordenadas para elaboração do geocódigo serão obtidas levando se em conta o centroide do imóvel. No caso de regiões irregulares, onde o centroide fique fora do imóvel, o mesmo deve ser deslocado dentro do polígono de forma que fique visualmente no centro.  Deverá ser feita a vinculação do geocódigo do imóvel com o código cartográfico (chave de banco de dados) existente, ou seja, a criação de um 43
  • 44. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário arquivo em formato TXT com colunas separadas, onde a primeira coluna será o geocódigo e a segunda o código cartográfico correspondente. s) Todos os eixos de segmentos de logradouro, constantes no arquivo da planta da área urbana do município deverão ser codificados, conforme tabela de logradouros oficiais fornecidos pela SEPLAN. GERENCIAMENTO A SEPLAN gerenciará os serviços quanto ao escopo, qualidade, observância das normas técnicas, prazos, recebimento dos serviços e encaminhamento dos pagamentos. Poderá, contudo, contratar empresa ou instituição para auxiliá-la nos trabalhos de gerenciamento. Deverá ser assegurado à SEPLAN o acesso aos trabalhos de campo e aos materiais produzidos em todas as suas fases e estágios. A CONTRATADA deverá sistematizar o planejamento das atividades com a utilização de software adequado à gestão de projetos, gerando os relatórios gerenciais necessários. A SEPLAN indicará técnico coordenador dos trabalhos e coordenará as reuniões de planejamento, convocando-as na periodicidade adequada ao andamento dos serviços. 1.16. PLANEJAMENTO DE ATIVIDADES O planejamento das etapas de trabalho para a geração dos produtos requeridos neste objeto de contrato deverá ser entregue com no mínimo 10 (dez) dias de antecedência antes do início dos trabalhos para ser aprovado pela CONTRATANTE. Deverão constar minimamente, neste documento, denominado RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO GERAL, os seguintes itens: a) Descrição das atividades a serem desenvolvidas; 44
  • 45. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário b) Descrição da equipe técnica e sua alocação nas atividades a serem executadas; c) Descrição dos recursos materiais a serem alocados nas atividades: instalações, equipamentos, acessórios e programas (softwares); d) Descrição dos processos de controle de qualidade a serem efetuados em cada etapa de trabalho; e) Cronograma físico de desenvolvimento das atividades e entrega dos produtos intermediários e entrega dos produtos finais. 1.17. RESPONSABILIDADE A responsabilidade pelo planejamento, execução, qualidade dos produtos, cronograma e outros itens necessários à execução dos trabalhos é da CONTRATADA. 1.18. CONTROLE DE QUALIDADE Todos os serviços deverão ser executados de acordo as disposições do Decreto–lei nº 1.177, de 21 de Junho de 1971, regulamentado pelo Decreto nº 2.278, de 17 de julho de 1997, e demais legislação pertinente. Somente serão aceitos os mapeamentos, com seus respectivos produtos, que atenderem às especificações de precisão aplicáveis a uma carta Classe A, definidas no Decreto n.º 89.817, de 20 de Junho de 1984. A CONTRATADA deverá utilizar-se de mecanismos de controle de qualidade de forma a evitar informações imprecisas, inconsistentes ou incorretas, devendo informar a natureza destes mecanismos em sua proposta técnica. A CONTRATADA deverá realizar o controle de qualidade das diversas fases do projeto, no decorrer das atividades, com a finalidade de evitar informações imprecisas somente na conclusão da etapa. 45
  • 46. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário 1.19. RECURSOS A SEREM DISPONIBILIZADOS PELA SEPLAN A SEPLAN disponibilizará os seguintes recursos:  Planta de localização contendo a delimitação das áreas a serem levantadas;  Arquivos com código cartográfico (chave de banco de dados) e ou códigos numéricos sequenciais das unidades territoriais;  Plantas de loteamentos e de bairros, além das demais informações disponíveis.  Informações complementares e orientações que se fizerem necessárias; 1.20. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES DA CONTRATADA a) Responsabilizar-se pela guarda e conservação, das plantas e demais informações que lhe forem disponibilizadas, devolvendo-os nas condições em que as tenha recebido. b) Gerar relatórios gerenciais e cronogramas demonstrando os serviços já executados e o planejamento das etapas futuras; c) Permitir e facilitar a fiscalização da execução dos serviços contratados; d) Participar, sempre que solicitado, de reuniões de trabalho para o planejamento, controles e definições de ações corretivas para o bom andamento dos trabalhos; e) Disponibilizar e manter o efetivo de pessoal necessário à execução dos serviços, assegurando o cumprimento dos prazos parciais estabelecidos no cronograma físico; f) Substituir funcionários que apresentem comportamento inadequado aos trabalhos, quando solicitado pela contratante; g) Comprovar o cumprimento das responsabilidades trabalhistas e tributárias; h) Manter sigilo sobre as informações disponibilizadas e produzidas; 46
  • 47. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário i) Designar responsável técnico e emitir Anotação de Responsabilidade Técnica – ART correspondente aos serviços. j) Apresentar currículo dos profissionais envolvidos na execução dos trabalhos. PRODUTOS DE ENTREGA A CONTRATADA deverá entregar os produtos e informações descritos a seguir, durante cada etapa de trabalho, elaborados conforme as especificações deste projeto. A disponibilização das informações ao longo da execução visa subsidiar o gerenciamento do projeto por parte de SEPLAN, possibilitando controlar qualidade, prazos, conformidade com as especificações e as normas técnicas e jurídicas aplicáveis; a forma como as informações serão disponibilizadas será definida nas reuniões de planejamento. Os produtos intermediários deverão ser entregues como especificado no Cronograma Físico (Anexo I), e são os seguintes:  Plano de trabalho;  Autorização de vôo concedida pelo Ministério da Defesa;  Certificado de calibração da câmera aerofotogramétrica e do equipamento LIDAR/ALTM;  Certificado de Aeronavegabilidade e Formulário SEGVÔO;  Planos de vôo de todas as áreas com os respectivos relatórios técnicos;  Disponibilização da Aeronave (Aeroporto Amarais) para inspeção dos equipamentos descritos na metodologia e a apresentação de toda equipe como responsável geral, tripulação da aeronave e equipes de apoio em campo; 47
  • 48. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário  Relatório completo de todos os vôos depois de realizados, apontando as discrepâncias, caso existam, conforme os planos de vôos;  Localização e relatório técnico das bases de apoio em campo se for o caso, quando aplicáveis;  Apresentação de todos os locais com as devidas monografias dos pontos de apoio realizados para a aerotriangulação; 1.21. ENTREGA EM 30 DIAS APÓS O VÔO:  Fotoíndice digital;  Imagens obtidas pelo vôo e da nuvem de pontos;  georreferenciamento e ortoretificação das fotos e os pontos processados e georreferenciados nos data SIRGAS2000, Córrego Alegre, SAD69 e PTL 1.22. PRODUTOS FINAIS DE ENTREGA A CONTRATADA deverá entregar os produtos descritos abaixo, ao final de cada etapa de trabalho, elaborados conforme especificados neste Projeto Básico. A escolha da mídia digital dos produtos será indicada pela CONTRATANTE. 1.22.1. COBERTURA AEROFOTOGRAMÉTRICA a) Uma (1) cópia gravada, em mídia(s) compatível(s), dos arquivos digitais das fotografias aéreas coloridas, no formato ‘TIFF’ não comprimido; b) Uma (1) cópia gravada, em mídia compatível, dos arquivos digitais do 48
  • 49. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário fotoíndice da cobertura aerofotogramétrica contendo o respectivo arquivo vetorial nos formatos ‘SHP’ e ‘DXF’ e as imagens raster no formato ‘GeoTIFF’, com cabeçalho incluso no formato ‘TFW’. 1.22.2. APOIO DE CAMPO E AEROTRIANGULAÇÃO a) Relatório das sessões de observações GPS dos pontos ocupados e dos marcos implantados, se for o caso; b) Relatório dos nivelamentos geométricos utilizados para a determinação das altitudes ortométricas dos pontos de apoio, se for o caso; 1.22.3. COBERTURA COM PERFILADOR A LASER AEROTRANSPORTADO a) Uma (1) cópia gravada, em mídia compatível, dos arquivos digitais do conjunto de pontos (nuvem de pontos filtrada) utilizados para a geração do MDT, em formato ‘LAS’ e ‘ASCII’; b) Uma (1) cópia gravada, em mídia compatível, dos arquivos digitais do conjunto de pontos (nuvem de pontos bruta) utilizados para a geração do MDS, em formato ‘LAS’ e ‘ASCII’; c) Uma (1) cópia gravada, em mídia compatível, dos arquivos digitais do Modelo Digital de Terreno (MDT) e Modelo Digital de Superfície (MDS); d) Duas (2) licenças de software para manipulação de dados brutos resultantes do perfilamento a laser; e) Capacitação e treinamento de 2 técnicos, por 60 horas para utilização do software com recursos de manuseio dos dados do perfilamento a laser. 1.22.4. RESTITUIÇÃO ESTEREOFOTOGRAMÉTRICA a) Uma (1) cópia gravada, em mídia compatível, dos arquivos digitais gerados na restituição estereofotogramétrica, contendo os níveis de informação especificados; 49
  • 50. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário 1.22.4.1 GERAÇÃO DE ORTOFOTOS DIGITAIS (Formato GeoTIFF com cabeçalho incluso no formato TFW) a) Uma (1) cópia gravada, em mídia(s) compatível(s), dos arquivos digitais das ortofotos coloridas, articuladas conforme definição da SEPLAN, na escala predefinida de 1:1000; b) Uma (1) cópia gravada, em mídia compatível, dos arquivos digitais das ortofotocartas na escala 1:1000; c) Uma (1) cópia gravada, em mídia compatível, do ortofotomosaico. 1.22.5. GERAÇÃO DE CARTAS (FORMATO DXF E SHP) a) Uma (1) cópia gravada, em mídia compatível, dos arquivos digitais das cartas planialtimétricas na escala 1:1000; b) Uma (1) cópia gravada, em mídia compatível, dos arquivos digitais das cartas planimétricas na escala 1:1000; c) Uma (1) plotagem colorida das cartas planimétricas na escala 1:1000, articuladas conforme definição da SEPLAN. 1.22.6. GEOCODIFICAÇÃO e GEORREFERENCIAMENTO DE LOTES, QUADRAS E LOGRADOUROS. a) Uma (1) cópia gravada, em mídia compatível, do nível de informação em formato ‘SHP’. 1.22.7. FOTOGRAFIAS GEORREFERENCIADAS DAS FACHADAS DOS IMÓVEIS EDIFICADOS E TERRITORIAIS. a) Uma (1) cópia gravada, em mídia compatível, contendo as fotografias digitais em formato JPG ou PNG das fachadas dos imóveis, cujos nomes deverão coincidir com o código de localização cartográfica imobiliária (chave de banco 50
  • 51. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário de dados existente) até o lote, devidamente organizados em pastas e subpastas para cada setor e quadra fiscal, respectivamente. 1.22.8. RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO DOS TRABALHOS DESENVOLVIDOS. VISITA TÉCNICA • Antes de apresentar sua proposta, o licitante deverá analisar todos os documentos do Edital, realizar à Visita Técnica do local a que se referem os serviços, verificando as condições e executando todos os levantamentos necessários ao desenvolvimento de seus trabalhos, de modo a não incorrer em omissões, as quais não poderão ser alegadas em favor de eventuais pretensões de acréscimo de preços. • A vistoria deverá ser realizada por profissional credenciado pela empresa licitante. O representante credenciado deverá portar a Carteira de Identidade (ou outro documento equivalente). Não será permitido que um mesmo preposto represente 02 (duas) ou mais empresas distintas. • A visita tem como objetivo a análise do local e dos dados disponíveis, para conhecimento de peculiaridades que possam vir a influenciar nos preços ofertados pelos licitantes. • A empresa deverá trazer uma Declaração em duas vias, em papel que identifique a empresa, elaborada de acordo com o Anexo IV deste Termo de Referência, que será visada pelo Coordenador de Engenharia (ou por outro Técnico da Coordenação de Engenharia), e constituirá documento a constar da documentação do envelope de Habilitação da licitante. 51
  • 52. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário PRODUTOS RELACIONADOS NO CRONOGRAMA FÍSICO 1. Plano de trabalho, autorização de vôo concedida pelo Ministério da Defesa, certificado de calibração da câmera aerofotogramétrica, certificado de Aeronavegabilidade, formulário SEGVOO, planos de vôo de todas as áreas com os respectivos relatórios técnicos, disponibilização da Aeronave (Aeroporto dos Amarais) para inspeção dos equipamentos descritos na metodologia e a apresentação de toda a equipe, com responsável geral, tripulação da aeronave e equipes de apoio de campo; 2. Imagens digitais brutas do recobrimento aerofotogramétrico e relatório do vôo; 3. Dados brutos do perfilamento a laser e relatório de vôo; 4. Monografias dos pontos de apoio; 5. Reambulação e fotografias digitais das fachadas dos imóveis; 6. Reambulação e fotografias digitais das fachadas dos imóveis; 52
  • 53. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário 7. Reambulação e fotografias digitais das fachadas dos imóveis; 8. Relatório da Aerotriangulação; 9. Cartas planialtimétricas; 10. Ortofotocartas, edição e geocodificação; 11. Reambulação e fotografias digitais das fachadas dos imóveis; 12. Reambulação e fotografias digitais das fachadas dos imóveis; 13. Cartas planialtimétricas; 14. Ortofotocartas, edição e geocodificação; 15. Reambulação e fotografias digitais das fachadas dos imóveis; 16. Reambulação e fotografias digitais das fachadas dos imóveis; 17. Cartas planialtimétricas; 18. Ortofotocartas, edição e geocodificação; 19. Reambulação e fotografias digitais das fachadas dos imóveis; 20. Reambulação e fotografias digitais das fachadas dos imóveis; 21. Cartas planialtimétricas, Ortofotocartas, Ortomosaico digital, fotografias digitais das fachadas do imóveis e relatório final. PRODUTOS A SEREM ENTREGUES Ite m 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7 8 9. 10. 11. Produto Plano de trabalho Autorização do Ministério da Defesa Plano de vôo Imagens digitais brutas Dados brutos do recobrimento a laser Monografias dos pontos de apoio 44.000 fotografias digitais 44.000 fotografias digitais 44.000 fotografias digitais Relatórios 200 folhas de cartas coloridas em escala 1:1.000 Ite m Produto 15. 400 folhas de cartas coloridas em escala 1:1.000 16. 800 folhas de ortofotocartas 17. 18. 44.000 fotografias digitais 44.000 fotografias digitais 19. Relatórios 21. 22. 23. 24. 400 folhas de cartas coloridas em escala 1:1.000 800 folhas de ortofotocartas 44.000 fotografias digitais Relatórios 44.000 fotografias digitais 25 Relatórios 20. 53
  • 54. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário 12. 600 folhas de ortofotocartas 26. 13. 44.000 fotografias digitais 26. 14. 44.000 fotografias digitais 26. 400 folhas de cartas coloridas em escala 1:1.000 800 folhas de ortofotocartas e Ortomosaico digital 44.000 fotografias digitais e Relatórios Obs.: As informações descritas acima são estimativas, que poderá variar no conteúdo final a ser entregue. APENDICE I CRONOGRAMA FÍSICO 54
  • 55. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário APENDICE II DETALHAMENTO DOS MÓDULOS INSERIDOS NO CRONOGRAMA FÍSICO MÊS 1º MÓDULOS Apresentação do plano de trabalho. DURAPONTOS DE PRODUTOS ÇÃO HOMOLOGAÇÃO A SEREM (dias) Parciais Totais ENTREGUES 15 100% 1 55
  • 56. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário Obtenção da autorização do Ministério da Defesa e mobilização da aeronave e equipes. Planos de vôo. Recobrimento aerofogramétrico Recobrimento a laser 15 15 15 15 50% 50% 2º Recobrimento aerofotogramétrico Recobrimento a laser Apoio de campo Reambulação e fotografias das fachadas dos imóveis 15 15 30 30 3º Apoio de campo Aerotriangulação Reambulação e fotografias das fachadas dos imóveis 100% 100% 2 3 50% 50% 50% 10% 100% 100% 4 5 30 30 30 50% 25% 10% 100% 6 Aerotriangulação Restituição 1:1000 Reambulação e fotografias das fachadas dos imóveis 30 30 30 25% 14% 10% 100% Aerotriangulação Restituição 1:1000 Ortofotos e ortomosaico Reambulação e fotografias das fachadas dos imóveis 30 30 30 30 25% 14% 16% 10% 100% 30 30 30 30 30 25% 14% 16% 10% 13% 100% 6º Aerotriangulação Restituição 1:1000 Ortofotos e ortomosaico Reambulação e fotografias das fachadas dos imóveis Edição e geocodificação 7º Restituição 1:1000 Ortofotos e ortomosaico Reambulação e fotografias das fachadas dos imóveis Edição e geocodificação Produtos finais 30 30 30 30 30 14% 16% 10% 13% 16% 4º 5º 7 8 9 10 11 12 13 14 CONTINUA NA PÁGINA SEGUINTE Restituição 1:1000 Ortofotos e ortomosaico 8º Reambulação e fotografias das fachadas dos imóveis Edição e geocodificação Produtos finais 30 30 30 30 30 14% 16% 10% 13% 16% 15 16 17 56
  • 57. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano - SEPLAN Gabinete do Secretário Restituição 1:1000 Ortofotos e ortomosaico 9º Reambulação e fotografias das fachadas dos imóveis Edição e geocodificação Produtos finais 30 30 30 30 30 15% 18% 10% 13% 16% Restituição 1:1000 Ortofotos e ortomosaico 10º Reambulação e fotografias das fachadas dos imóveis Edição e geocodificação Produtos finais 30 30 30 30 30 15% 18% 10% 13% 16% 20 21 22 Reambulação e fotografias das fachadas dos imóveis 11º Edição e geocodificação Produtos finais 30 30 30 10% 13% 18% 24 15 30 9% 18% 12º Edição e geocodificação Produtos finais 18 23 25 100% 100% 26 57

×