• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Palestra_Ulisses
 

Palestra_Ulisses

on

  • 1,290 views

Palestra realizada no 1 Seminário de pecuária da serra catarinense: Produção de pasto para uma pecuária rentável.

Palestra realizada no 1 Seminário de pecuária da serra catarinense: Produção de pasto para uma pecuária rentável.

Statistics

Views

Total Views
1,290
Views on SlideShare
1,290
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
32
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Palestra_Ulisses Palestra_Ulisses Presentation Transcript

    • Eng-agr. M.Sc. Ulisses de Arruda Córdova Pesquisador Equipe Forrageiras – Epagri/EEL Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • 1 CARACTERIZAÇÃO DAS FORRAGEIRAS TEMPERADAS  Adaptadas a climas mais frios: inverno, geadas, neves, ventos de altitude  Variável em sua resistência a calor e seca segundo espécies ou cultivares  Alta qualidade de forragem  Demandam fertilidade em geral  Menor potencial de produção total  Grande progresso genético e desenvolvimento de sementes  Uso de tecnologias estabelecidas  Menos exigentes em horas luz  Plantio no outono/invernoFonte: Adaptado de Wrigtson Past Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • 2 CONSÓRCIO DE GRAMÍNEAS E LEGUMINOSAS • Melhor aproveitamento dos nutrientes do solo • Intensificação da captação da energia solar • Melhor distribuição da produção ao longo do ano • Dieta mais completa e equilibrada • Não há necessidade de aplicação de nitrogênio • Redução do risco de timpanismo • Utilização de espécies de diferentes grupos funcionais Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • CFa CFb Melhor região do Brasil para se utilizar forrageiras temperadas CFa CFb ATLAS CLIMÁTICO DO SUL DO BRASIL SEGUNDO CLASSIFICAÇÃO DE KÖPPEN Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • TEMPERATURAS PARA O CRESCIMENTO DE FORRAGEIRAS Temperatura ºC Grupo de Forrageiras Mínima Ótima Máxima Gramíneas e leguminosas tropicais 15 30-35 50 Gramíneas e leguminosas temperadas 5-10 20-25 35 Fonte: Rodrigues et al. 1993 (Adaptado) Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • Caracterização geral de forrageiras perenes de clima temperado quanto a produção, digestibilidade e proteína bruta de acordo com as estações do ano.Descrição Outono Inverno Primavera VerãoProdução Média Baixa Máxima BaixaDigestibilidade Muito alta Muito alta Média Média/baixaProteína Máxima Muito alta Alta Média(ADAPTAÇÃO) “A qualidade nutritiva das forrageiras temperadas é incomparável com as tropicais. É possível tê-las no Sudeste ou no Centro-Oeste em regiões de altitude e/ou com pouco déficit hídrico”. (Prof. Paulo Cesar de Faccio Carvalho, UFRGS, Revista Leite DPA, set./2010). Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da PescaGoverno do Estado Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri
    • 3 FORRAGEIRAS TEMPERADAS: MOTIVOS DE INSUCESSOS... • Uso de cultivares sem critérios ou não adaptadas ao ambiente • Uso de material genético comum • Densidade abaixo da recomendação • Fertilização e correção do solo insuficientes • Manejo inadequado • Utilização antes do estabelecimento completo das pastagens (perenes) • Plantio fora da época recomendada (muito tarde) • Ausência de inoculação/peletização ou ineficiente Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da PescaGoverno do Estado Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri
    • Fonte: Epagri/EEL/Laboratório de Biotecnologia. Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da PescaGoverno do Estado Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri
    • Comparação entre área com leguminosas e somente gramíneas, em função do nitrogênio fornecido às forrageiras . Fornecimento de N pelas leguminosas. Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • Efeito da introdução de leguminosas em pastagem de hemártria Hemártria extreme Hemártria + leguminosas (cornichão e trevo-branco) Hemártria extreme Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • Azevém-anual: produção x em função da época de plantio 4.000 k 3.500 g 3.000 2.800 d 2.500 e 2.000 M 1.500 S / 1.000 800 h 500 a 200 0 Mar/abril Maio/jun Jul/ago Época de plantio Fonte: Facultad de Agronomía, eng-agr. R. Zanoniani, Uruguai Em muitas situações é mais indicado adiar um ano a implantação de uma pastagem do que implantar fora de época! Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • 5 SEMENTE COMUM OU CULTIVARES... DESCRIÇÃO SEMENTE COMUM CULTIVAR Características agronômicas Desconhecidas Conhecidas  Germinação, pureza, VC Normalmente menor ...maior  Risco de doenças e pragas Maior Menor  Planejamento forrageiro Imprevisível Previsível  Aptidão Grãos/forragem (?) Forrageira  Densidade (kg/ha) Maior Menor  Exigência em fertilidade Desconhecida Conhecida  Tolerância a frio Desconhecida Conhecida  Custo da semente Menor Maior  Custo/benefício Menor Maior  Procedência/origem Sem identificação Identificada  Produção de matéria seca Normalmente menor ...maior PASTAGEM TEM QUE TER NOME E SOBRENOME = FESTUCA CULTIVAR EPAGRI 312 LAGES! SEMENTES CRIOULAS SEMENTES COMUNS! Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina - EpagriGoverno do Estado
    • EFEITOS DA GEADA DO DIA 15/07/2010 EM DIVERSAS CULTIVARES DE AVEIAS NA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE LAGES FUNDACEP 43Fonte: Epagri/EEL (Pesquisa em andamento) Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da PescaGoverno do Estado Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri
    • COMPORTAMENTO DE CULTIVARES DE AZEVÉM-ANUAL NAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE SÃO JOAQUIM 1º E 2º ANO DE AVALIAÇÃO Matéria Seca Kg/ha¹ Azevém-anual 1º Corte 2º Corte 3º Corte 4º Corte 5º Corte 6º Corte 7º Corte 8º Corte(Lolium multiflorum) Total 14/10/09 28/10/09 11/11/09 25/11/09 11/12/09 05/01/10 28/01/10 24/02/101 - Empasc 304 775 611 236 645 590 682 0 0 35392 - ESCORPIO 346 517 287 844 969 910 683 385 49413 - CAMARO 677 530 310 934 440 758 384 103 41364 - INIA TITAN 395 580 221 914 655 792 411 263 42315 - WINTER STAR 444 650 224 598 744 675 233 21 35896 - KLM 138 346 480 241 740 862 853 800 874 51967 - BAKARAT 583 610 326 838 536 626 0 271 3790Fonte: Epagri/EEL (Pesquisa em andamento) Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • DIFERENÇAS DE CICLO DE CULTIVARES DE AZEVÉM-ANUAL SÃO JOAQUIM 20/07/2010 02/12/2009 Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da PescaGoverno do Estado Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri
    • GRAMÍNEAS PERENES EM SÃO JOAQUIM (SC) EM 20/07/2010 - 1.412m a.n.m. • Produtividade no outono-inverno .../07/10 °C Relva 13 -6,7 Campo nativo 14 -6,2 15 -10,2 Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • 4 AZEVENS-ANUAIS E CAPIM-LANUDO • Características azevens-anuais  Excelente palatibilidade  Teor elevado de proteína  Alta digestibilidade  Capacidade de competição com outras plantas  Exigente em fertilidade  Grande diferença agronômica dentro da própria espécie  Dois grupos bem distintos: o Tipo tradicional (ciclo curto a médio): Empasc 304, LE 284, INIA Camaro, Winter Star.... - Produzem grande quantidade de semente (ressemeadura natural) o Tipo italiano (ciclo longo): KLm 138, INIA Escórpio, INIA Titan, Barjumbo, Potro... - Podem perenizar em regiões de altitude (conforme regime hídrico e fertilidade do solo) - Produzem pouco semente • Tetraplóide x diplóide  Não tem relação com o ciclo de produção (persistência)  Existem azevéns tetraplóides: anuais tradicionais, ciclo longo, híbridos e perenes Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • • Recomendações de utilizaçãoAzevém-anual Utilização Para formação de pastagem em regiões de altitude ou com irrigaçãoItaliano utilizando dosagens altas de fertilizante. Preferencialmente plantar no outono, admitindo plantio em pouco mais tarde. Pastagem anual de inverno, sucessão lavoura-pecuária, melhoramento deTradicional campo nativo e em áreas de pastagens de subtropicais e tropicais no inverno. Época de plantio definida: março a abril. • Características do capim-lanudo  Rusticidade; PASTAGEM DE AZEVÉM-ANUAL  Tolerância ao frio; PRODUTIVA É AQUELA  Grande capacidade de ressemeadura natural PLANTADA NA ÉPOCA  Pereniza em regiões de altitude RECOMENDADA!  Bom teor de proteína ( + 17%)  Cultivar disponível no mercado: La Magnólia  Vegeta espontânea em muitos ambientes de baixas temperaturas. • Principal recomendação  Melhoramento de pastagens naturais (principal gramínea) ou naturalizadas. Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • Rendimento de matéria seca de cultivares de azevém-anual na Estação Experimental de São Joaquim, SC. Período: 14/10/2009 a 16/09/2010. 10.000 9.247 9.000 k 8.000 g 7.000 d 6.000 e 4.941 4782 5.000 4.231 4.136 M 3.790 4.000 3.589 3.539 S / 3.000 h a 2.000 1.000 0 KLm 138 Escorpio Inia Titan Camaro Bakarat Winter Star Empasc 304 Média Azevém-anual – São JoaquimFonte: Epagri/EEL (Dados não publicados) Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • Produção de matéria seca de diversos acessos e uma cultivar de capim-lanudo(Holcus lanatus) em São Joaquim (Epagri/Estação Experimental de São Joaquim) 8000 7201 7000 k g 6000 4968 4924 4858 d 5000 4704 4487 e 4000 3371M 3001 3000S 2292/ 2000ha 1000 0 Morro da La Magnolia Santa Cecília Hipódromo Raposo Painel Urubici Urupema Coxilha Rica Igreja Cultivar e genótipos avaliadosFonte: Epagri/EEL (Dados não publicados) Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado Programa Pecuária
    • 4 AVEIAS E CENTEIO• Características das aveias  Três espécies: o Aveia-preta (Avena strigosa) o Aveia-branca (A. sativa) o Aveia-amarela (A. bizantina)  Tolerância ao frio: baixa a alta  Exigência em fertilidade média  Bom teor de proteína Novilhas em pastejo de consórcio de azevém-anual, aveia-branca e centeio.  Tolerância a estiagem: baixa• Recomendações de espécies/cultivares  Até 1.000m de altitude: aveias-pretas (Iapar 61 e BRS 139)  Superior a 1.000m: Fapa 2, Fundacep 43 e IPR 126 NORMALMENTE AS SEMENTES COMUNS APRESENTAM BAIXA TOLERÂNCIA AO FRIO! Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • • Características do centeio  Alta tolerância ao frio  É a espécie mais precoce entre as de “inverno”  Exigência média em fertilidade  Alto teor de proteína  Não suporta pastejos muito pesados Fonte: Nabinger, C.; Paim, N. R. Alternativas de uso das espécies forrageiras de produção hibernal. Lavoura Arrozeira, Porto Alegre, agosto, 1985.  Encerra o ciclo cedo, necessidade de consórcio  Produz forragem em pleno inverno  Indicado para regiões de altitude (frias).• Recomendações de espécies/cultivares  Cultivar BRS Serrano  Observação: não utilizar material comum como semente, pois normalmente são destinados a produção de grãos e não pastejo. Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri Governo do Estado
    • Rendimento de matéria seca de gramíneas anuais de clima temperado em São Joaquim, SC 8.000 7.216 7.156 7.090 Produção primaveril 7.000 k Produção hibernal g 6.000 5.716 4.888 d 5.000 4.570 e 4.000 3.373 M 3.000 S / 2.000 h a 1.000 0 C-L La Magnólia Az-A Empasc 304 A-P Iapar 61 Centeio BR 1 A-B Fapa 2 Cevadilha Média Gramíneas anuais avaliadasFonte: Rosa, Córdova & Prestes, 2008. Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri Governo do Estado
    • 5 FESTUCAS• Características das festucas  Alta tolerância a geadas, ventos de altitude, neves, etc.  Suporta bem solos compactados e úmidos  Boa tolerância a estiagens  Tolera sombreamento  Boa resistência a ataque de insetos e doenças  Exigência média em fertilidade Festuca Rizomat, Irani, SC.  Adapta-se ao consórcio com trevo-branco e cornichão• Seis (6) regras básicas para implantar pastagens com festuca 1. Não consorciar com trevo-vermelho e gramíneas anuais (principalmente aveias e azevéns) 2. Evitar áreas que o azevém-anual tenha ressemeadura natural 3. Sempre implantar em março-abril, evitar plantios em pleno inverno 4. Consorciar apenas com trevo-branco e cornichão 5. Não implantar em áreas contaminadas por plantas invasoras/indicadoras 6. Somente utilizar depois de completamente estabelecida (90 a 120 dias) Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • Principais cultivares de festuca  Resultados experimentais e observações de “campo” Cultivar Característica Ambiente de plantio Produção intermediária; rápida Solos de média fertilidade; tolera áreas com Rizomat implantação; compete bem com algumas invasoras/indicadoras que venham se (Seleção outras plantas; suporta pastoreio e estabelecer; não é exigente em sistema de natural) pisoteio pesados, muito rústica, manejo, porém deve ser pastejada sempre possui rizomas. baixa. Uma das mais produtivas; rápida Muito semelhante a cultivar Rizomat; não exige implantação; boa capacidade de muita fertilidade e nem muita exigência de Epagri 312 competir com outras plantas; boa manejo. Manter resíduo baixo na saída dos Lages tolerância a pisoteio e pastoreio; animais da pastagem para preservar a pastagem densa; boa produção qualidade. outonal. Boa produtividade; rápida Preferencialmente solos bem fertilizados e Quantum II implantação; boa qualidade em livre de inços, principalmente azevém-anual. todo o ciclo Muito palatável; produz bem em Áreas de boa fertilidade; totalmente livre de todas as estações do ano; alto Aurora inços; exigente em manejo; em consórcio não vigor inicial; não compete bem exagerar na densidade de trevo-branco. com outras espécies. Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • Germinação de festuca e azevém-anual em função da temperatura de solo T 10 15°C E 8 M P Festuca cultivar Quantum II E 13 + trevo-branco 10°C R 11 Festuca A T Azevém-anual U 29 R 5-10 °C 13 A 0 5 10 15 20 25 30 35 DIAS PARA ALCANÇAR 75% DE GERMINAÇÃO Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • Rendimento de matéria seca de festucas e dátilo na Estação Experimental de São Joaquim, SC. Tempo de avaliação: 303 dias. 10000 9000 8597 k g 8000 7449 7000 6555 6626 d 5722 6000 e 5000 4605 M 4000 S 3000 / h 2000 a 1000 0 Aurora Dátilo PG 68 Quantum II Epagri Rizomat Média Dátilo e festuca – São Joaquim Fonte: Epagri/EEL (Pesquisa em andamento) Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da PescaGoverno do Estado Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri
    • Rendimento de matéria seca de festucas e dátilo na Estação Experimental de Campos Novos, SC. Período de avaliação: 03/2010 a 02/2011 10000 9078 9022 k 9000 8390 8258 g 8000 7690 7108 d 7000 e 6000 M 5000 S 4000 / h 3000 a 2000 1000 0 Aurora Epagri 312 Dátilo PG 68 Rizomat Quantum II Média Dátilo e festuca – Campos Novos Fonte: Epagri/EEL (Pesquisa em andamento) Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • 5 AZEVÉM-PERENE E HÍBRIDO • Características  Ciclo muito longo (perene ou no mínimo dois anos)  Persiste por vários anos em regiões de altitude  Alta digestibilidade  Alto teor de proteína  Boa produção de matéria seca  Indicado para sistemas intensivos  Alta tolerância a baixas temperaturas  Não tolera temperaturas altas no verão  Sensível a estiagens Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da PescaGoverno do Estado Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri
    • • Cultivar, implantação e manejo  Cultivar disponível no mercado: Banquet II  Altitudes superiores a 1.000m ou inferiores com sistema de irrigação  Consórcio: trevo-branco e cornichão  Bom manejo (pastoreio rotativo) Azevém-perene Banquet II consorciado com trevo- branco (Fazenda São Sebastião, Bom Retiro, SC) Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • Rendimento total de matéria seca de gramíneas temperadas nas condições ambientais de São Joaquim, SC. Período de avaliação: 03/2010 a 02/2011 12000 11123 11000 k 10000 9417 g 9000 8699 8485 8338 8181 8000 d 7000 e 6000 M 5000 S 4000 / 3000 h a 2000 1000 0 Epagri 312 Aveia-perene Banquet II Delish Extreme Média Forrageiras temperadas avaliadas Fonte: Epagri/EEL (Pesquisa em andamento) Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da PescaGoverno do Estado Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri
    • 6 LEGUMINOSAS • Características  Utilizadas em consórcio com gramíneas  Necessidade de inoculação e peletização  Fixam em torno de 26 a 34 kg de nitrogênio por tonelada de leguminosa produzida (matéria seca)  5t de MS = 150kg de N = 330kg de ureia  Tolerância média a baixas temperaturas, com exceção do cornichão  Trevo-branco e vermelho podem causar timpanismo, o cornichão não induz ao timpanismo;  Trevo-vermelho é bianual, necessita de ressemeadura natural  O cornichão tem florescimento em dezembro/janeiro e precisa de diferimento ou utilização em pastoreio rotativo Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri Governo do Estado
    • • Recomendações de utilização Espécie Utilização Melhoramento de pastagens naturais e naturalizadas; Trevo-vermelho consórcio com gramíneas subtropicais e tropicais Formação de pastagens perenes; melhoramento de Trevo-branco pastagens naturais e naturalizadas Mesma utilização do trevo-branco, indicado para solos Cornichão leves e bem drenados, alta tolerância a estiagens e baixas temperaturas. Exigente em manejo. • Principais cultivares  Trevo-branco: Zapican  Trevo-vermelho: Quiniquelli, E 116  Cornichão: São Gabriel Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • Rendimento de matéria seca de leguminosas perenes na Estação Experimental de Lages, SC. Tempo de avaliação: 317 dias. 6000 5544 5485 5003 k 5000 g 4212 4034 4000 3674 d 3637 3304 e 3018 3000 M S 2000 / h 1000 a 0 TB Jacuí S2 TB Zapican LT Larranaga LU Serrano TB Trophi TB Kopu II TB Tribute LU Trojan Média Leguminosas avaliadasFonte: Epagri/EEL (Pesquisa em andamento) Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri Governo do Estado Programa Pecuária
    • Produção de leguminosas perenes na Estação Experimental de Canoinhas, SC. Período de avaliação/cortes: 03/2011 a 02/2012 16000 14292 14000 k g 12000 10000 d 8505 e 8000 7682 7671 7511 6899 6494 6273 6000 M S 4000 / 2000 h a 0 Lt Larranaga TB Zapican TB Kopu Lu SCS 313 LuTrojan TB Jacuí S2 TB Trophy TB Tribute Serrano Leguminosas avaliadas - 03/2011 a 02/2012Fonte: Epagri/EEL (Pesquisa em andamento) Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri Governo do Estado Programa Pecuária
    • 7 PERSISTÊNCIA /CICLO X PRECOCIDADE LE 284 (m)- Empasc 304 (m) WINTER STAR (m) + CAMARO, BAKARAT (m) CICLO/PERSISTÊNCIA INIA TITAN (m), CONCORD (m) PRECOCIDADE ESCÓRPIO, BARJUMBO (m) KLm 138 (m) DELISH, BANQUET II (h) PG 150, HORIZON, EXTREME (p) RIZOMAT, AURORA, QUANTUM II, FORTUNA, Empasc 312 (f)+ - Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • 9 QUALIDADE NUTRICIONAL Teor de proteína bruta (PB), digestibilidade in vitro da matéria orgânica (DIVMO) e nutrientes digestíveis totais (NDT) de forrageiras de clima temperado. Média de primavera, verão e outono. 80,0 68,2 70,0 60,1 60,0 50,0 40,0 30,0 22,7 20,0 10,0 0,0 %PB %DIVMO % NDT Fonte: Epagri/ELL/LNA, 2010 (Pesquisa em andamento). Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado Programa Pecuária
    • 9 MANEJO Bacharis e outras indicadoras Campo limpo MANEJO Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • PRÁTICAS FUNDAMENTAIS PARA A PERSISTÊNCIA E PRODUTIVIDADE  PASTOREIO ROTATIVO  ALTURA DE ENTRADA E SAÍDA DOS PIQUETES  SUBDIVISÃO  AJUSTE DE LOTAÇÃO  CONTROLE DE PLANTAS INDICADORAS/INVASORAS  ADUBAÇÃO  DIFERIMENTO (É o descanso estratégico das pastagens)  INTRODUÇÃO DE GRAMÍNEAS ANUAIS EM ÁREAS DE LEGUMINOSAS PRINCÍPIOS DE MANEJO DE PASTAGENS 1º Equilibrar o melhor possível a produção com a demanda 2 º Formar uma pastagem de composição que atenda as necessidades do rebanho 3º Assegura uma pastagem densa e de cobertura foliar 4º Manter a qualidade nutricional do pasto 5º Ser flexível no manejo das pastagens Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado
    • 9 PASTAGENS IMPLANTADASKLm 138 (Az-a) + trevo-branco (São Joaquim, SC, 19/03/2012, implantação em 2012 )Governo do Estado
    • Banquet II (Az-h) + trevo-branco (São Joaquim, SC, 19/03/2012, implantação em 2012 )Governo do Estado
    • KLm 138 (Az-a) + trevo-branco (Bom Retiro, SC, 15/11/2012)Governo do Estado
    • Governo do Estado KLm 138 (Az-a) + trevo-branco (Irani, SC, 15/12/2012)
    • Azevém-anual KLm 138 em 27/02/2012 plantado em abril de 2011.Governo do Estado
    • Área de 75Festuca Rizomat + trevo-branco (Irani, 15/12/2012) 30/07/12) ha de festucas: Empasc 312, Rizomat e Quantum II (Mafra, SC,Governo do Estado
    • Governo do Estado Festuca Rizomat + trevo-branco (Irani, 15/12/2012)
    • Festuca Rizomat estabelecida em MCN (Lages, Projeto Cajurú, 03/03/2013)Governo do Estado
    • Governo do Estado Festuca INIA Aurora + trevo-branco (Irani, 15/12/2012)
    • Festuca INIA Aurora + trevo-branco (Itaiópolis, SC, 02/2012)Governo do Estado
    • Governo do Estado Festuca INIA Fortuna + trevo-branco (Irani, 15/12/2012)
    • Governo do Estado Festuca INIA Fortuna + trevo-branco (Irani, 15/12/2012)
    • Festuca Quantum II + trevo-branco (Bom Retiro, SC, 15/11/2012)Governo do Estado
    • Festuca Quantum II + trevo-branco (Bom Jesus, RS, 26/01/2012)Governo do Estado
    • Festuca Quantum II + trevo-branco (Itaiópolis, SC, 18/08/2012) – Área sombreadaGoverno do Estado
    • Festuca Quantum II + trevo-branco (Itaiópolis, SC, 18/08/2012) – Área sombreadaGoverno do Estado
    • Vaqueiro + leguminosas (Itaiópolis, SC, 15/01/2012)Governo do Estado
    • Vaqueiro + leguminosas (Itaiópolis, SC, 15/01/2012)Governo do Estado
    • Braquiária brizantha MG – 5 + leguminosas (Ventania, PR, 18/01/2012) Governo do Estado
    • Governo do Estado Azevém-anual INIA Titan em 27/02/2012 plantado em abril de 2011.
    • Azevém-anual Winter Star – Granja Quatro Irmãos, Rio Grande, RSGoverno do Estado
    • Azevém-anual Winter Star em 02/06/2012 plantado em final de março de 2012Governo do Estado
    • Governo do Estado Aveia-branca Fapa 2 (13/06/12, Bom Retiro,SC)
    • 11 PROPOSIÇÕES DE RECOMEDAÇÕES MELHORAMENTO DE CAMPO NATIVO Espécies Cultivar Quantidade Kg/ha Trevo-branco Zapican 2-3 Trevo-vermelho Quiniquelli 5 Cornichão São Gabriel 5 Azevém-anual Winter Star, Camaro, LE 284 25 Capim-lanudo La Magnólia 6 Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Governo do Estado Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Epagri
    • INTRODUÇÃO DE GRAMÍNEAS ANUAIS EM ÁREAS DE LEGUMINOSAS OU PASTAGEM ANUAL DE “INVERNO”  Regiões superior a 1000m a.n.m. Espécies Cultivar Quantidade - kg/ha Aveia-branca Fapa 2 ou Fundacep 43 80 ou 60 Azevém-anual KLm 138, Inia Titan, Escórpio, Barjumbo 25 Centeio BRS Serrano 60  Regiões inferior a 1000m a.n.m. Espécies Cultivar Quantidade - kg/ha Aveia-branca Iapar 61 ou Fapa 2 60 ou 80 Azevém-anual KLm 138, Inia Titan, Escórpio, Barjumbo 25 Centeio BRS Serrano 60 Recomendado ; “Opcional” Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado Programa Pecuária
    • INTRODUÇÃO DE GRAMÍNEAS ANUAIS EM ÁREAS DE LAVOURA  Regiões superior a 1.000m a.n.m. Espécies Cultivar Quantidade - kg/ha Aveia-branca Fapa 2 ou Fundacep 43 80 ou 60 Azevém-anual Winter Star, Camaro, Bakarat, LE 284 25 Centeio BRS Serrano 60  Regiões inferior a 1.000 a.n.m. Espécies Cultivar Quantidade - kg/ha Aveia-branca Iapar 61 ou Fapa 2 60 ou 80 Azevém-anual Winter Star, Camaro, Bakarat, LE 284 25 Centeio BRS Serrano 60 Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado Programa Pecuária
    • IMPLANTAÇÃO DE PASTAGEM PERENE DE CLIMA TEMPERADO Especificação Cultivar Quantidade - kg/ha Trevo-branco Zapican 2-3 Cornichão1 São Gabriel 5 Aurora, Quantum II, Rizomat, Festuca2 20 - 25 Epagri 312 OU Azevém-perene3 Banquet II 22 1 – Para locais com menos umidade (encostas) e solos mais leves; 2 - Implantação mais lenta, porém muito persistente depois de implantada; 3 - Para regiões de altitude com verão ameno. Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado Programa Pecuária
    • Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EpagriGoverno do Estado