Diagnostico e propostas_cafe_da_bahia

  • 766 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
766
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
27
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Diagnóstico e Propostaspara a Cadeia Produtiva do Café da Bahia
  • 2. DIAGNÓSTICO E PROPOSTASPARA A CADEIA PRODUTIVA DO CAFÉ DA BAHIA Renato Hortélio Fernandes Salvador – Bahia 2011
  • 3. GOVERNO DA BAHIAGovernador do Estado da BahiaJAQUES WAGNERSecretário da Agricultura, Irrigação e Reforma AgráriaEDUARDO SALLESChefia de GabineteJAIRO ALFREDO OLIVEIRA CARNEIRODiretoria GeralJUCIMARA RODRIGUES DOS SANTOSSuperintendência de Política do Agronegócio - SPAJAIRO VAZSuperintendência de Irrigação - SIRMARCELLO NUNES DE ABREUSuperintendência de Desenvolvimento Agropecuário - SDARAIMUNDO SAMPAIO DE CARVALHOSuperintendência de Agricultura Familiar – SUAFWILSON JOSÉ VASCONCELOS DIASEmpresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola – EBDAEMERSON JOSÉ OSÓRIO PIMENTEL LEALAgência Estadual de Defesa Agropecuária – ADABPAULO EMÍLIO LANDULFO MEDRADO DE VINHAES TORRESBahia Pesca S.A.ISAAC ALBAGLI DE ALMEIDA FICHA TÉCNICACoordenação de Desenvolvimento Agrário – CDA ELABORAÇÃOLUIS ANSELMO PEREIRA DE SOUZA Renato Hortélio Fernandes renato.h.fernandes@gmail.com PRODUÇÃO EDITORIAL Coordenação de Informação - SPA/SEAGRI Rosangela Barbosa Machado - Coordenação/Editoração/Revisão Diogo Cardoso de Oliveira - Programação visual Fernanda Sousa / Geiziane Santos - Revisão FOTOS Heckel Júnior - SEAGRI Sílvio Ávila - Ed. Gazeta Arquivo Agricafé Renato Fernandes / Paulo Saliba CAPA Foto Sílvio Ávila (agradecimento especial à Editora Gazeta Santa Cruz pela gentileza no fornecimento da imagem) IMPRESSÃO Press Color Bahia. Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária. Diagnóstico e propostas para a cadeia produtiva do café da Bahia. Salvador: SEAGRI, 2011. 40 p il. 1. Café - Diagnóstico Bahia 2. Agricultura - Planejamento - Bahia. I. Título CDU 633.73 (814.2) Avenida Luiz Viana Filho, 4ª Avenida, nº 405 - CAB CEP: 41745-002 -Salvador - Bahia Tel.: (71) 3115-2783 / 2862 www.seagri.ba.gov.br - agronews@seagri.ba.gov.br
  • 4. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da BahiaSUMÁRIOAPRESENTAÇÃO 051 INTRODUÇÃO 072 CONDICIONANTES PARA O DESEMPENHO DA CADEIA PRODUTIVA 11 Ÿ Comportamento do mercado de café verde nos últimos anos Ÿ Aumento do custo da mão de obra Ÿ Estratificação da produção de café na Bahia Ÿ Valorização de aspectos de sustentabilidade e de rastreabilidade Ÿ Reposicionamento da bebida café e expansão do mercado mundial Ÿ Valorização cambial Ÿ Concentração na indústria brasileira de café3 COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA: ANÁLISE DOS AMBIENTES INTERNO E EXTERNO 19 Ÿ Pontos positivos Ÿ Pontos de estrangulamento Ÿ Oportunidades Ÿ Ameaças4 ESTRATÉGIAS DE DESENVOLVIMENTO 31 Ÿ Governança da cadeia e desenvolvimento de inteligência competitiva Ÿ Assistência técnica e, principalmente, gerencial Ÿ Programa de melhoria da qualidade do café da Bahia Ÿ Reestruturação da pesquisa cafeeira Ÿ Zoneamento agroecológico e econômico das regiões produtoras de café Ÿ Incremento do uso de irrigação e evolução do seu manejo Ÿ Redução dos picos sazonais de demanda de mão de obra e facilitação da formalização das relações de trabalho Ÿ Fomento ao estabelecimento de relacionamentos comerciais duradouros e ao uso dos mecanismos de venda futura Ÿ Marketing institucional do Café da Bahia Ÿ Fomento à industrialização e exportação do café5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 37ANEXOS 38 I - Tabela dos municípios que compõem as regiões produtoras II – Listas dos participantes nas entrevistas e no Workshop Estratégias para o Café da Bahia
  • 5. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da BahiaAPRESENTAÇÃOEu estou secretário de Agricultura, mas sou engenheiro agrônomo, e nessacondição dediquei muitos anos de minha vida à agricultura, e em especial àcafeicultura. Tive a honra de ser diretor, vice-presidente e presidente duas vezes daAssociação dos Produtores de Café da Bahia, e a oportunidade de trabalhardurante anos em diversas empresas do setor, inclusive na segunda maiorprodutora de café do mundo, a Fazenda Lagoa do Morro, em Brejões.Assim, aprendi um pouco sobre a cafeicultura baiana, que é bastante diferenciada,com regiões distintas, cada uma com suas características.No Oeste, a cafeicultura é moderna, com irrigação, tecnologia de ponta, altaprodutividade, porém com custos mais elevados que em outras regiões. O caféproduzido na Chapada e no Planalto, é de qualidade excepcional, mas acafeicultura dessas regiões é tradicional, com pouca mecanização e utilizaçãointensiva de mão de obra. A cafeicultura do Baixo Sul, Sul e Extremo Sul apresenta características de modernidade,e tem avançado muito, mas também possui suas dificuldades.Todas essas regiões têm características específicas e problemas distintos, necessitando portanto de tratamentostambém diferenciados.Quando ingressamos na Secretaria da Agricultura verificamos que faltava um diagnóstico do que seriam osproblemas em cada uma dessas regiões para que pudéssemos atacá-los pontualmente e elaborarmos umplanejamento estratégico para o setor.Não poderíamos dar respostas aos problemas sem conhecer as dificuldades de cada região especificamente.Assim, o primeiro passo seria diagnosticar as necessidades inerentes a cada uma delas.E foi o que fizemos.Por meio da Assocafé e do engenheiro agrônomo Renato Fernandes, profundo conhecedor da cafeicultura daBahia, fizemos este diagnóstico com o comprometimento dos grupos representativos de cafeicultores,exportadores, torrefadores e cafeterias, enfim, de todo o segmento regionalizado.O trabalho resultou neste documento “Diagnóstico e Propostas Para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia”. Destaforma, hoje, possuímos em mãos um Raio X completo da cafeicultura baiana e, assim, poderemos avaliar qual omelhor caminho para esse setor que representa a geração de milhares de empregos e a sustentabilidade deregiões muito importantes para a Bahia.Cabe agora à Câmara Setorial do Café, que recriamos com toda representatividade da cadeia do café, elaborar umPlano Diretor para a Cafeicultura Baiana, utilizando esta importante ferramenta, e estabelecer os caminhos aserem seguidos nas diversas regiões produtoras do Estado, tendo sem dúvida a cumplicidade e o apoio necessáriodo Governo da Bahia, na minha pessoa como secretário da Agricultura e do governador Jaques Wagner. Eduardo Salles Secretário da Agricultura 5
  • 6. DIAGNÓSTICO E PROPOSTAS PARA A CADEIA PRODUTIVA DO CAFÉ DA BAHIA ** Foto: Sílvio Ávila - Ed. Gazeta Renato Hortélio Fernandes*1 INTRODUÇÃOA Bahia, produzindo uma média de cerca de 2,5 milhões de sacas anuais, oscila entre os postos de quarto e quintoEstado maior produtor de café do Brasil. Entretanto, devido à sua dimensão geográfica e às diferentes condiçõesedafo-climáticas que apresenta, é possível dizer que a Bahia contém uma boa amostra de todo o mundo cafeeiro.O Estado produz desde os lavados da Chapada Diamantina, do Planalto da Conquista e da região de Itiruçu/Vale doJiquiriçá/Brejões, aos cafés naturais finos do Oeste Baiano e mesmo ao conilon das regiões costeiras do BaixoSul/Sul e do Extremo Sul (Figura 1). A Bahia é hoje reconhecida como uma boa origem para desde os cafés especiaissuper premium até para cafés comerciais de valor mais competitivo.* Agrônomo, Especialista em Gestão do Agronegócio, Consultor nas áreas de planejamento estratégico e marketing para agronegócios, comênfase no diagnóstico de competitividade de cadeias produtivas e na gestão de relacionamento (Business Liaison) entre os diferentes elosdas cadeias.**O presente trabalho é o resultado de uma pesquisa qualitativa realizada em visitas às seis regiões produtoras de café da Bahia, nas quaisse entrevistou agentes-chave para análise da competitividade da cadeia produtiva do café da Bahia.O autor agradece a todos os entrevistados nas regiões cafeeiras e, em especial, àqueles que se deslocaram para Vitória da Conquista paraparticipar do Workshop Estratégias Para o Café da Bahia. Se há inteligência acumulada neste trabalho, ela nada mais é do que oriunda datentativa de aglutinar o conhecimento que compartilharam. E, agradece, também de forma especial, a Amúlio Loureiro, Antônio MarcelinoSantos, César Néri, Claudionor Dutra, Dalmar Fernandes, Fábio Lúcio Neto, Gianno Brito, Idalício Viana, Ivanir Maia, José Fontes Junior,Jovino Neto, Leonir Sossai, Luciana Pires Gomes, Ramiro Amaral e Silvio Leite, cuja boa vontade e apoio tornaram possível a realização dasentrevistas nas diferentes regiões cafeeiras da Bahia e a organização do Workshop, em Vitória da Conquista. 7
  • 7. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia Em quatro das regiões produtoras apontadas na Figura 1, mais distantes do litoral e com altitudes mais elevadas, é produzido café arábica. Itiruçu/ V. do Jiquiriçá Chapada Brejões Oeste Salvador Planalto Sul e Bx. Sul Ext. Arábica Sul Conilon Figura 1 - Regiões produtoras de café da Bahia. Elaborado pelo autor. No Gráfico 1, vê-se a evolução das médias móveis da produção nos três últimos biênios (uma safra pequena e uma safra grande do café arábica) para os quais há dados na Pesquisa Agropecuária Municipal do IBGE, safras 2003/04 e 2004/05; 2005/06 e 2006/07; e 2007/08 e 2008/09. A análise pela média móvel é feita visando corrigir o efeito da bienalidade da produção do café arábica. Houve recuperação gradual na produção das regiões da Chapada Diamantina (incluindo municípios da Serra Geral, cujas lavouras de café estão em áreas mais próximas da Chapada Diamantina e cujos negócios com café se desenvolvem tanto em Vitória da Conquista quanto em cidades da Chapada) e no Planalto da Conquista, estabilidade com oscilação negativa, no Oeste Baiano, e declínio significativo, na região de Itiruçu, Vale do Jiquiriçá e Brejões. 8
  • 8. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da BahiaNas regiões litorâneas, do Baixo Sul/Sul e do Extremo Sul, é cultivado café conilon. Como se vê no Gráfico 2, desde2003, houve crescimento em ambas as regiões, com predominância da região Extremo Sul. Gráfico 1 Regiões produtoras de arábica. Evolução entre 2003 e 2008Fonte: IBGE, PAM. Gráfico 2 Regiões produtoras de conilon. Evolução entre 2003 e 2008Fonte: IBGE, PAM. 9
  • 9. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia É preciso ressaltar que a composição das regiões cafeeiras aqui citadas foi baseada em aspectos edafo-climáticos e na forma de cultivo predominante. Apesar da unidade base de planejamento do Governo do Estado da Bahia ser o Território de Identidade, há casos em que as regiões citadas englobam municípios de mais de um Território. Também há municípios cuja produção de café se concentra em parcelas da sua zona rural próximas de municípios vizinhos, sendo as relações comerciais da cadeia produtiva desenvolvidas nessas cidades polos. A lista dos municípios que compõem cada uma das regiões citadas, relacionadas com os Territórios de Identidade, está no final deste trabalho. A citação dos nomes dos municípios durante o transcorrer do texto se deve à sua tradição na produção de café, não espelhando destaque atual em volume produzido. Devido ao pequeno volume produzido e às semelhanças nas condições edafo-climáticas e no manejo da cultura o Baixo Sul e o Sul Baiano são tratados neste trabalho como uma única região produtora. Para embasar o presente trabalho, foi realizada uma pesquisa qualitativa em visitas às seis regiões produtoras de café da Bahia, nas quais se entrevistou agentes-chave da cadeia produtiva (produtores em maior número, mas também corretores de café, agentes de empresas exportadoras e torrefadores). Além disso, foram entrevistados empresários do setor de cafeterias em Salvador. Para análise da competitividade da cadeia produtiva do café da Bahia, foi montada uma análise SWOT (na sigla, em inglês, forças, fraquezas, oportunidades e ameaças), a qual foi validada no Workshop Estratégias para o Café da Bahia realizado na sede da COOPMAC, em Vitória da Conquista, no dia 21 de julho de 2010. Além da validação da matriz SWOT, os agentes-chave da cadeia presentes no evento validaram proposições de ações e estratégias para a cadeia. Como base para o roteiro das entrevistas a ser realizadas com os agentes-chave da cadeia produtiva foi feito um levantamento de condicionantes do desempenho da cadeia, os quais são listados e caracterizados a seguir.Foto: Heckel Júnior - SEAGRI 10
  • 10. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia2 CONDICIONANTES PARA O DESEMPENHO DA CADEIA PRODUTIVAŸ Comportamento do mercado de café verde nos últimos anosA cadeia produtiva do café na Bahia, assim como em todo o Brasil, se caracteriza como um ambiente altamentecompetitivo, principalmente desde a desregulamentação da oferta internacional do produto, no início dos anosnoventa. Por ser o café uma cultura perene, exigente quanto à imobilização de ativos (especialmente máquinas eequipamentos de beneficiamento) e com início da fase produtiva se dando apenas de dois a três anos após oplantio, a elasticidade de oferta é baixa, o que tende a magnificar as discrepâncias entre as menores cotações e ospicos de preço, já que há um retardo entre a ocorrência de um estímulo ou desestímulo ao cultivo e sua expressãoem termos de oferta do produto.Seria formado assim o conhecido “ciclo de preços do café”, no qual alternar-se-iam, por volta de a cada cinco anos,picos e pisos do preço nominal do produto. Analisando os últimos quatorze anos, tal ciclo aparentemente reduz,inicialmente, sua duração, para, em seguida, se amenizar, já nesta última década. Fazendo-se sua deflação peloIGPDI da Fundação Getúlio Vargas, o que se verifica é a tendência de queda dos preços do café arábica no mercadointerno brasileiro, paradoxalmente acompanhada pela tendência de aumento na produção brasileira de café(Gráfico 3). Gráfico 3 Queda de preço e aumento na produção?Fontes: CEPEA/USP, CONAB e FGV.O aumento da produção não faria sentido. Mesmo porque, passados os efeitos das grandes safras colhidas em2001 e 2002, têm sido recorrentes, principalmente por parte das lideranças dos produtores de café arábica, asreclamações de que a renda da atividade estaria sendo deprimida e de que seria iminente forte queda deprodução. 11
  • 11. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia Limitando a análise ao período de 2003 a 2010 e apenas ao café arábica (Gráfico 4), nota-se que, enquanto os preços deflacionados pelo IGP-DI apresentaram ligeira queda, a tendência da produção foi de alta. Tal quadro sugere que o modelo decisório dos produtores contempla mais fortemente os preços nominais que os preços reais e que, pelo menos para parte dos produtores, os níveis de preço foram satisfatórios a ponto de estimular o aumento de sua produção. A tendência de aumento na produção foi maior que a tendência de aumento dos preços nominais, no referido período. A média móvel de duas safras saiu de 25,9 milhões de sacas, para 2003/04 e 2004/05, chegando a 32,1 milhões, média das safras 2009/10 e 2010/11. Gráfico 4 Comportamento dos preços internos e da produção brasileira de café arábica, desde 2003. Fontes: CEPEA/USP, CONAB e FGV.Foto: Sílvio Ávila - Ed. Gazeta 12
  • 12. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da BahiaPara o conilon (Gráfico 5), o aumento nos preços nominais (de 241%, no seu pico) foi mais intenso, porém tambémhouve aumento nos preços reais e o crescimento da produção se situou entre as duas tendências. Vale ressaltarque, desde meados de 2009, houve uma inflexão na curva de preços ainda não acompanhada por redução naprodução. Caso a queda de preços já seja decorrente de sobreoferta, o quadro pode se agravar, com queda aindamais acentuada nas cotações. Gráfico 5 Comportamento dos preços internos e da produção brasileira de café conilon, desde 2003.Fontes: CEPEA/USP, CONAB e FGV.Ÿ Aumento do custo da mão de obraA tendência de aumento na produção poderia levar a crer que os produtores teriam sido “iludidos” pela evoluçãodos preços nominais, o que é pouco plausível para um período de mais de oito anos. Outra hipótese seria de que oscustos de produção teriam se ajustado de maneira a manter a rentabilidade do negócio e sua atratividade, mesmocom a queda nos preços. A mão de obra é o maior fator de custo da cafeicultura, sendo responsável por até 48% docusto, no caso do arábica, e 42% do custo no caso do conilon. Uma análise da variação no seu custo não aponta nadireção da manutenção da rentabilidade. Desde janeiro de 2003, o salário mínimo subiu 64,8% acima da inflação,como mostrado no Gráfico 6.Acontece que os diferentes sistemas de produção, as especificidades do café arábica e do robusta e a própriaescala dos empreendimentos fazem com que os impactos das variações em determinados fatores de custo nãoatinjam os produtores de maneira uniforme. Produtores com maior grau de mecanização das lavouras estariam setornando cada vez mais competitivos. 13
  • 13. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia Gráfico 6 Variação do salário mínimo, desde 2003. Fontes: BACEN e FGV. Ÿ Estratificação da produção de café na Bahia A tabulação dos dados do Censo Agropecuário de 2006 permite identificar forte concentração na produção de café na Bahia. Para estes resultados foram desconsiderados municípios cuja produção total era menor que 500 sacas. No caso do arábica, produzido por mais de 18.500 produtores no Estado, mais de 46% da produção era obtida por 0,6% dos produtores, os quais possuem área maior que 100 hectares, enquanto os quase 93% dos produtores com lavouras menores que 10 hectares, produziam apenas 23% do total da produção. É importante ressaltar que a produtividade dos produtores de maior porte, de 33,3 sacas por hectare, era mais do que o dobro da obtida pelos pequenos produtores, apenas 14,3 sacas por hectare (Gráfico 7).Foto: Heckel Júnior - SEAGRI 14
  • 14. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia Gráfico 7 Concentração na produção de café arábica na Bahia.Fonte: IBGE, Censo Agropecuário 2006, tabulado pelo autor.A produção de conilon também é concentrada. Do total de pouco mais de 2.400 produtores, a parcela de 1,2%destes que exploram áreas maiores que 100 hectares produzia, em 2006, 51,7% da produção baiana e em média37 sacas por hectare. Produtividade mais do que 50% maior que as 23,5 sacas produzidas pelos produtores comlavouras menores que 10 hectares, os quais são 85,1% do total de produtores e respondem por apenas 14,5% daprodução do Estado (Gráfico 8). Gráfico 8 Concentração na produção de café conilon na Bahia.Fonte: IBGE, Censo Agropecuário 2006, tabulado pelo autor. 15
  • 15. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia Ÿ Valorização de aspectos de sustentabilidade e de rastreabilidade Apesar de ainda não ser o fator determinante para a aquisição de café pela grande maioria dos consumidores, a valorização dos conceitos de sustentabilidade está presente no mercado de café mundial e, como não poderia deixar de ser, no mercado brasileiro. A pesquisa ABIC sobre tendências para o consumo de café de 2009 aponta que apesar de mais de 70% dos consumidores não conhecerem o conceito de sustentabilidade, uma vez informados sobre o tema, mais de 57% dos consumidores afirmaram que optariam por cafés sustentáveis e estariam dispostos a pagar em média 5% a mais por tais produtos. Episódios como a contaminação de carnes por dioxina, a contaminação de latas de refrigerante, as manifestações da doença da vaca louca, e mesmo contaminação de café com ocratoxina e com defensivos impulsionaram a crescente preocupação dos consumidores com a segurança dos alimentos. Com os adventos da tecnologia de informação, a possibilidade de rastreamento da produção, com caracterização dos aspectos da sustentabilidade em todas as suas vertentes tornou-se um diferencial importante para uma parcela significativa dos consumidores, notadamente nos níveis de preço mais altos. Ÿ Reposicionamento da bebida café e expansão do mercado mundial Nesta última década, impulsionada principalmente pelo vertiginoso crescimento da rede norte-americana Starbucks, se solidificou a nível mundial a cultura do consumo do café em cafeterias de alto padrão, notadamente na forma de expresso (do italiano caffè espresso, que significa retirado sob pressão). O café (bebida) é cada vez menos visto com um acompanhamento, que até era oferecido de graça, passando a motivar a presença dos consumidores nos estabelecimentos, ou, noutros casos, a atrair clientes para estabelecimentos comerciais, nem sempre do setor de alimentos. Surgiu uma parcela de público que conhece os atributos do café de qualidade e os demanda inclusive para seu consumo diário, o que motivou o lançamento das máquinas domésticas de expresso. Apesar de ainda ser um nicho de mercado, os cafés especiais têm apresentado taxas de crescimento de consumo muito elevadas e a valorização da qualidade da bebida tem, em maior ou menor grau, também se refletido nos demais estratos do mercado. Tal tendência abre espaço para agregação de valor ao café, mesmo na fase de produção, por meio de processamento pós-colheita adequado, e, principalmente, por ações de marketing e estratégias de comercialização. Outra vertente da expansão do mercado mundial de café é a crescente penetração da bebida em regiões onde seu consumo ainda não está consolidado, tais como o leste europeu e o sudeste asiático, inclusive a China com a maior população do mundo. O café se expande em países cuja população tem mais arraigado o hábito de consumo do chá, o que explica o fato de que a penetração inicial seja feita pelo café solúvel e por bebidas prontas a base de café. O consumo mundial vem crescendo a taxas de 1,5% a 2% ao ano, o que representa um incremento de cerca de dois milhões de sacas. Os estoques mundiais de passagem têm se apresentado em níveis considerados baixos, desde 2005, não há perspectiva a curto-médio prazo de sobreoferta de café e mesmo eventuais picos na safra mundial poderiam ser absorvidos para recomposição de estoques, amenizando seu impacto negativo sobre os preços. Ÿ Valorização cambial Dentre os principais países produtores de café, o Brasil foi o que apresentou maior valorização de sua moeda frente ao dólar, desde 2003. Em tal período, o real se valorizou 96,17%, enquanto moedas, como a rúpia indonésia e a rúpia indiana, tiveram pequenas variações e outras, como o dongue vietnamita ou o birr etíope, se desvalo- rizaram expressivamente. 16
  • 16. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da BahiaA valorização do real “encareceu” o café brasileiro em dólar e, graças à significativa parcela ocupada pelo Brasil nomercado mundial, chegou a limitar o aumento das cotações da bolsa de Nova Iorque, que entre 2008 e o primeirosemestre de 2010 tiveram correlação negativa com o câmbio no Brasil. A bolsa subia quando o câmbio caía e vice-versa. Tal correlação foi rompida, apenas neste segundo semestre de 2010, quando a escassez de cafés dequalidade tem puxado para cima as cotações de Nova Iorque.A valorização do real também limita o potencial de industrialização do café no Brasil, pois, cada vez mais, a mão deobra brasileira encarece em dólar (mais detalhes no item Aumento do Custo da Mão de obra, p. 13). Asexportações brasileiras de café solúvel declinaram fortemente, enquanto se sucediam as notícias de instalações defábricas no leste europeu, abastecidas principalmente por café robusta do Vietnã, da Índia e da Indonésia.Recentemente, foi anunciada a instalação no México de uma indústria de café solúvel, cuja construção era previstapara ocorrer no Estado do Espírito Santo. No Gráfico 9, vê-se a variação cambial em alguns dos principais paísesprodutores de café, do início de 2003 até junho de 2010. Gráfico 9 Variação cambial frente ao dólar nos principais países produtores de café. jan. 2003 a jun. 2010.Fonte: Banco Central do Brasil, tabulado pelo autor.Ÿ Concentração na indústria brasileira de caféNa última década, a indústria brasileira de torrefação tem passado por uma concentração bastante forte. Relatórioda ABIC de 2009 aponta que as dez maiores torrefadoras brasileiras ocupam uma parcela de 72,9% do mercado.O mercado interno de café solúvel é ainda mais concentrado, com a empresa líder tendo mais de 70% departicipação. 17
  • 17. Foto: Renato Fernandes / Paulo Saliba18
  • 18. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia3 COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA: ANÁLISE DOS AMBIENTES INTERNO E EXTERNO Pontos positivosBahia replica o mundo cafeeiro por produzir tipos diferentes de café - Extensão do Estado e diferentes ambientesedafo-climáticos propiciam a produção de praticamente todos os tipos de café produzidos no mundo. Indústriabaiana tem potencial para trabalhar com blends para os mais variados mercados consumidores, se abastecendocom matéria-prima local.Produtores competitivos mesmos com preços supostamente não-remuneradores - Há exemplos de produtores,em praticamente todas as regiões, com estruturas de produção, de irrigação e administrativa, e também comescala de produção, que lhes permitiram serem competitivos mesmo nos níveis de preço vigentes entre 2003 e2009. Além dos benefícios diretos dos fatores citados, há a possibilidade, exercida por boa parte deles(principalmente de café arábica), de utilização de esquemas de trava de preço, mitigando o risco de preço de formabastante satisfatória. Alguns deles aliam as travas de preço a bons sistemas de controle de custos. Os dadossecundários e as entrevistas realizadas apontam para o fato de que tais produtores estariam sendo responsáveispela maior fatia do total da produção baiana e, com isso, “ditando” novos limites de competitividade.Há também, casos, mais esparsos, de produtores que partiram para a especialização explorando nicho específicos,como cafés super premium ou mesmo cafés orgânicos, e que conseguiram se posicionar competitivamente,mesmo nos períodos de baixa dos preços do café. A menor escala exigida nos nichos de mercado facilita a atuaçãode produtores que dispõem de áreas menores, mas, ainda assim, boa produtividade, uso irrigação e bomprocessamento têm sido muito determinantes para a competitividade.Bons resultados com sistemas de processamento por via úmida de baixo custo - Em locais como, por exemplo,Barra do Choça e Piatã, houve significativas melhorias na qualidade do café, além de incrementos tambémsignificativos nos resultados econômicos e na qualidade de vida de pequenos produtores através da disseminaçãode sistemas de processamento de café por via úmida de baixo custo. Há grande potencial para a replicação dessesexemplos, pois nas regiões do Planalto da Conquista e da Chapada Diamantina, o desafio a ser enfrentado nopreparo dos cafés é a ocorrência de fermentação.Irrigação como mitigador do risco climático e também do risco de preço - Boa parte das regiões produtoras doEstado, notadamente Oeste Baiano, parte da Chapada, parte (mais restrita) do Planalto da Conquista e o ExtremoSul apresentam disponibilidade de água para irrigação, o que pode elevar a produtividade, mitigar o risco climáticoe também mitigar o risco de preço, por propiciar a comercialização via sistemas de trava de preço. No Extremo Sul eno Planalto, o uso da irrigação é feito, na maior parte dos anos, quase que apenas no período de granação e háfazendas tendo bons resultados com sistemas de custo mais baixo de implantação.Sul Baiano produz bem, sem irrigação – A condição de pluviosidade extremamente bem distribuída propicia aosprodutores do Sul Baiano a possibilidade de produção sem irrigação, com risco climático bastante pequeno.Café Washed Bahia - Conceito de qualidade do café Washed Bahia (lavado da Bahia) já tem reconhecimentointernacional, há um bom tempo, e pode ser utilizado como ponta-de-lança de um programa de promoção evalorização da qualidade do café do Estado, inclusive com possibilidade futura de criação de marcas regionais oumesmo de processos visando obtenção de identidade geográfica. 19
  • 19. Foto: Renato Fernandes / Paulo SalibaNaturais finos do Oeste e algumas áreas da Chapada – O Oeste Baiano tem se posicionado como uma fonteconfiável, com escala e regularidade de oferta, de cafés naturais finos, muito demandados para blends deexpresso. A condição de inverno seco, propiciando condições desfavoráveis à fermentação do café; a bienalidadede produção não tão acentuada; o uso intensivo de mecanização e irrigação e o maior porte das fazendas têmpermitido à região atrair compradores e fazem com que os contratos de venda para entrega futura se disseminem.Produtores grandes de áreas mais secas da Chapada Diamantina também têm produzidos bons cafés naturais,juntamente com os lavados, mais típicos daquela região.Consolidação do mercado baiano de cafés especiais – A fatia de mercado dos cafés especiais já está bemestruturada na Bahia, inclusive com algumas exportadoras atuando voltadas especificamente para este estrato. Oconcurso de Qualidade dos Cafés da Bahia, já na sua nona edição, tem trazido destaque para os cafés especiais doEstado, tanto lavados quanto naturais. Cafés baianos, oriundos de tal concurso, se destacam no concurso nacionalpromovido pela Associação Brasileira da Indústria de Café - ABIC. No ano de 2009, cafés lavados de Piatã,dominaram a premiação do concurso Cup of Excellence, promovido pela Associação Brasileira de Cafés Especiais -BSCA. Os produtores baianos de cafés arábica especiais têm a segurança de que há valorização de seu produto e deque há mercado compensador para a sua produção.Bom grau de mecanização da cafeicultura - Regiões como o Extremo Sul, para conilon, o Oeste Baiano, parte daChapada Diamantina e parte do Planalto da Conquista apresentam topografia plana que propicia a mecanizaçãode boa parte das atividades realizadas na lavoura. No Oeste, a colheita mecanizada está bastante disseminada ealguns produtores sequer fazem repasse manual de colheita. No Planalto e na Chapada, produtores maiorestambém têm mecanizado a colheita com sucesso.Primeiros exemplos de integração da cadeia - Começam a surgir os primeiros exemplos de integração na cadeia ede relacionamentos comerciais mais duradouros. São os casos das permutas de insumos por produto e de outrosmecanismos de trava de preço, os quais estão intimamente ligados a uma escala mínima de produção, a padrõesespecíficos de qualidade e à utilização de irrigação, que permite maior segurança no cumprimento dos contratospelos produtores, nos volumes pré-comercializados e nos demais parâmetros contratados. Travas de preçoatraentes oferecidas para padrões de qualidade específicos tem tido o papel de direcionar a produção para oatendimento da demanda futura.Produtores inovadores – Em todas as regiões do Estado há produtores que tem se destacado pela capacidade deinovação e por desenvolver e adaptar tecnologias que, por meio do boca a boca, acabam se disseminandoregionalmente. Como exemplos, temos o plantio de café em pivôs centrais com alinhamento circular, no OesteBaiano, ou mesmo um produtor do Sul Baiano que está aparentemente tendo sucesso no controle de broca com adisseminação e preservação das condições para desenvolvimento do fungo Bauveria bassiana. Tais produtorestêm claro potencial para atuar como demandadores, parceiros e validadores da pesquisa cafeeira do Estado,inclusive cedendo áreas de suas fazendas para pesquisas de campo.Realização do Agrocafé – Já na 11ª edição, o Simpósio Nacional do Café - AGROCAFÉ, se firmou como um dosprincipais eventos da cadeia produtiva do café do Brasil. Também por ser o primeiro evento de nível nacional a serrealizado no início de cada ano, o Agrocafé tem conseguido trazer à Bahia representantes dos diferentes elos dacadeia das mais variadas regiões do país. O evento também se caracteriza pela oferta de cursos voltadosprincipalmente para os produtores. É importante fortalecer o Agrocafé como momento de aglutinação dosrepresentantes dos diferentes elos da cadeia na Bahia, bem como, é importante que na sua programação passe ahaver momentos dedicados à avaliação da competitividade da cadeia e ao seu planejamento. 20
  • 20. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia Pontos de estrangulamentoAcesso restrito à tecnologia - A maior parte dos produtores, notadamente os pequenos, não utiliza as tecnologiasmais modernas disponíveis para a cafeicultura, especialmente no tocante ao processamento do café, e não temacesso a assistência técnico-gerencial efetiva. Produtores assistidos por ATER (assistência técnica e extensão rural)pública e mesmo produtores assistidos por profissionais ligados a revendas de insumos não estabelecem relaçãode confiança e comprometimento com os técnicos, o que limita fortemente a efetividade de tais modelos deassistência.Desconhecimento do custo de produção - A grande maioria dos produtores, inclusive boa parte dos médios ealguns grandes, não dispõem de sistemas estruturados de controle de custos de produção. Com isso, não há oconhecimento de indicadores que possam parametrizar (benchmarking) o desempenho dos produtores comrelação aos variados fatores determinantes da competitividade econômica. A avaliação dos empreendimentosainda é quase que estritamente baseada na produtividade por área, que é um indicador bastante importante, masque, por si só, nem sempre espelha a competitividade econômica do empreendimento.Oscilação da produção por bienalidade do arábica e ciclo de poda do conilon – Por característica fisiológica o caféarábica tende a apresentar oscilação bienal na sua produção, alternando uma safra grande e uma menor. No casodo conilon, não há tal bienalidade, mas, com a poda em ciclo preconizada pelo Instituto Capixaba de Pesquisa eExtensão Rural - INCAPER e utilizada pela maioria dos produtores, há variação significativa na produção entre osquatro anos que compõem o ciclo. A conjunção de um momento de mercado com preços ruins e uma safra baixa édifícil de ser enfrentada pelos produtores.Sazonalidade na demanda por mão de obra - A cafeicultura apresenta picos muito fortes na demanda de mão deobra, notadamente na colheita, para ambas as espécies, e, no caso do conilon, também na desbrota e na poda,dificultando a formalização da contratação de trabalhadores pelas regras vigentes.Lavouras antigas e com stand desuniforme – Há lavouras antigas, com potencial produtivo comprometido,espaçamento muito largo e stand desuniforme em todas as regiões produtoras, com exceção do Oeste Baiano e doBaixo Sul/Sul Baiano, embora nesta última região haja lavouras com stand e espaçamento desuniformes por teremsido formadas substituindo cacau em áreas de cabruca. No Extremo Sul há boa parte das lavouras de conilon aindaformada por meio de mudas advindas de sementes, materiais que possuem limitada capacidade produtiva,desuniformidade de produção, maturação e qualidade dos frutos, principalmente se comparados às variedadesclonais mais recentemente lançadas pelo INCAPER.Adoção restrita de colheita semimecanizada na Chapada Diamantina, no Planalto e na região de Itiruçu/Vale doJiquiriçá/Brejões – O uso de colhedoras manuais costais ainda é muito restrito nas regiões citadas onde há claropotencial para sua utilização, com restrições ora sendo determinadas pelo inverno chuvoso e pela baixaprodutividade por planta de parte das lavouras.Uso restrito de irrigação e manejo deficiente - Muitos produtores que têm água disponível para irrigação nãofazem uso da tecnologia, quer por desconhecimento ou por falta de capital para implantação, continuandosujeitos aos riscos climáticos e também sem acesso à possibilidade de utilização de travas de preço advinda pelamaior segurança quanto aos volumes produzidos propiciada pela irrigação. Por outro lado, mesmo entre osprodutores que utilizam irrigação, ainda há carência de conhecimento de seu manejo, havendo tanto subirrigaçãocomo desperdício de água e energia.Desconhecimento sobre classificação e degustação de café - Poucos produtores têm conhecimentos sobreclassificação e, principalmente, degustação de café e sua grande maioria não tem real noção do que efetivamenteproduz, portanto não tem como vislumbrar as potenciais oportunidades de comercialização. 21
  • 21. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia Produção de café em áreas marginais para café - A estrutura de mercado da produção de café se aproxima da competição perfeita. Já que não têm o controle sobre o preço, os produtores buscam elevar a produtividade com redução de custos, o que gera a tendência, no longo prazo, de queda nos preços por saca. Isso determina que áreas com limitação no potencial de aumento da produtividade, mesmo que tradicionais, tornem-se marginais para a produção. Ou seja, na medida em que o patamar mínimo de produtividade para obtenção de lucratividade aumenta a ponto de não poder ser alcançado em tais regiões, passa a ocorrer o gradativo abandono das lavouras e se instala um ciclo vicioso de contínua redução da produtividade e queda na rentabilidade do negócio. Essa situação está presente em algumas áreas do Planalto da Conquista e da Chapada Diamantina e é bastante preocupante na região de Itiruçu/Vale do Jiquiriçá/Brejões, mais tradicional produtora do Estado. Nessa última região, a combinação da baixa pluviosidade com a salinidade das fontes de água para irrigação tem levado à situação de declínio generalizado, claramente percebida nas visitas às propriedades e nas entrevistas com agentes da cadeia realizadas na região. Dados do Censo Agropecuário 2006 apontam uma produtividade média de 12,3 sacas por hectare nessa região, quase que 50% abaixo da média da Chapada Diamantina, região da qual mais se aproxima. As entrevistas realizadas na região, no presente trabalho, apontam para uma média de produtividade ainda menor que a verificada em 2006. Já no Oeste Baiano, há lavouras que foram implantadas em áreas de solo com teor de argila muito baixo e que estão sofrendo mais intensamente os problemas de depauperamento precoce de lavouras, ainda não esclarecidos. Desconhecimento sobre qualidade potencial - A grande maioria dos produtores não conhece a qualidade potencial de sua produção. Muitos acreditam que não há espaço para melhoria significativa e simplesmente se contentam em produzir no padrão que reconhecem como tradicional. Por outro lado, alguns vislumbram e focam em possibilidades que, na realidade, estão acima do potencial edafo-climático de sua região ou muito próximo do potencial máximo, para cuja obtenção, principalmente em maior escala, são necessários esforços e investimentos nem sempre recompensados pelo mercado. Infraestrutura de processamento pós-colheita necessitando incrementos - Crenças como a de que o café conilon “aceita” ser preparado por via seca com secagem a altíssimas temperaturas ou a de que o transporte de café arábica cereja por distâncias de até 100 quilômetros para secagem na caatinga não prejudica significativamente a qualidade ainda levam muitos produtores a não acreditarem em possíveis ganhos por melhoria de qualidade. O uso de alternativas como as citadas fazem com que a estrutura de processamento e secagem de café ora existente em todas as regiões produtoras do Estado, com exceção do Oeste Baiano, necessite ser incrementada, caso os padrões de processamento sejam alterados no sentido da busca de maior qualidade do produto. Na Chapada Diamantina, principalmente na região de Bonito, ainda se pratica comércio de café em cereja. Pragas, doenças, desuniformidade de maturação e sombreamento no Baixo Sul/Sul Baiano – As lavouras do Baixo Sul/Sul Baiano, na sua maioria, foram estabelecidas, em área de topografia mais amorrada do que no Extremo Sul. Com isso, a mecanização de atividades como controle do mato e pulverizações para controle fitossanitário são bastante dificultadas. Com o agravante de que a ocorrência de ferrugem é mais frequente devido à predominância do clima úmido. Frágil integração entre os diferentes elos da cadeia - A grande maioria dos relacionamentos comerciais é pontual ou de curto prazo (o chamado mercado spot). Mesmo as cooperativas que atuam comercializando café na Bahia não têm qualquer sistema estruturado de monitoramento da qualidade e direcionamento da produção, visando atender as especificidades da demanda. O preço é o único estímulo à melhoria da qualidade. Tal estímulo é pouco tangível e efetivo, já que a maior parte dos produtores tem contato com os compradores apenas no momento da venda física da produção já colhida. É patente entre os produtores a sensação de que a melhor remuneração por qualidade é uma promessa com fracas garantias de cumprimento. É rara a comercialização direta entre produtores e indústrias. A comercialização é feita mais comumente para intermediários ou corretores que fazem triagem do café para exportação ou para consumo interno. Principal- mente no caso do conilon, os produtores têm pouca noção da demanda das indústrias baianas. 22
  • 22. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da BahiaCom relação a aspectos político-institucionais, também não há um fórum estruturado no qual os representantesdos diferentes elos da cadeia do café no Estado se reúnam e busquem traçar os caminhos para seudesenvolvimento ou para demandar do governo ações que impulsionem sua competitividade.Atuação limitada de associações de produtores e cooperativas – Há carências na organização dos produtores decafé da Bahia. Houve um processo de fomento à formação de associações de pequenos produtores por parte debancos oficiais e de órgãos governamentais, buscando viabilizar liberação de financiamentos coletivos. Háhonrosas exceções, mas a grande maioria dessas entidades tem pouca representatividade e presta pouco serviçoaos produtores. Não há qualquer estrutura que as aglutine para uma representação efetiva a nível estadual, a qualtambém poderia ter maior espaço nos fóruns nacionais do setor. As associações que têm alguma atuação serestringem ao âmbito local e trabalham de forma muito pontual. Por outro lado, a Associação de Produtores deCafé da Bahia - Assocafé carece de penetração nas regiões produtoras.Poucas são as unidades comunitárias de processamento de café que realmente funcionam e, mesmo nessas, nãoexiste, via de regra, padronização dos processos, muito menos da qualidade dos lotes de café dos associados. Comisso, são também pontuais os exemplos de comercialização conjunta de café na Bahia (sem escala não há travas depreço).Mesmo as cooperativas existentes no Estado têm número de associados proporcionalmente bem mais baixo que opadrão nacional (no Brasil, entre 25 e 30% da produção de café é comercializada via cooperativas). Na cooperativaque tem sede no Espírito Santo e filial em Teixeira de Freitas é baixa a participação dos produtores baianos nosprocessos decisórios.Carência de marketing institucional do café da Bahia – Não há programa de marketing institucional do café doEstado. As ações de marketing que são realizadas, como, por exemplo, caravanas de compradores internacionaisàs regiões produtoras, são pontuais e realizadas quase que individualmente por agentes que vislumbramoportunidades de negócios. Resultados importantes, como o recente desempenho excepcional dos cafés de Piatãno concurso da BSCA, não têm sido objetos de nenhuma ação de divulgação mais sistematizada.Valorização da qualidade pela indústria e consumidores ainda incipiente – São esparsos os exemplos devalorização da qualidade quer pela indústria torrefadora baiana, pelos varejistas e também pelas cafeterias,inclusive de Salvador. O preço ainda é o principal argumento de venda do café industrializado na Bahia e a culturado consumo de café de qualidade ainda é pouco difundida na sociedade baiana.Seguindo a tendência internacional, o café passa cada vez mais a ser reconhecido como um atrativo emestabelecimentos comerciais, mesmo não ligados ao ramo de alimentação. Em Salvador e na Bahia como um todo,tal tendência começa se expressar, mas ainda são mais frequentes os casos em que estabelecimentos de bom níveldeixam em segundo plano a preocupação com a qualidade do café servido.Além disso, ainda está presente no Estado, principalmente nos mercados locais do interior, um nível considerávelde clandestinidade no setor de torrefação de café (há exemplos significativos no eixo Barra do Choça-Vitória daConquista). Fraudes na composição e informalidade fiscal, trabalhista e sanitária tornam difícil para as indústriasformais competir com os clandestinos. Também houve queixas de que haveria fraudes na composição do cafémesmo entre as indústrias formais.Carência de mão de obra capacitada para trabalhar com café no varejo – Há pouca disponibilidade de mão deobra que conheça os atributos de um café de qualidade e que esteja preparada para explicá-los aos clientes, quernas cafeterias de Salvador, quer nos pontos de venda de café no varejo. Por outro lado, a falta de reconhecimentodo valor do café de qualidade superior também contribui para o não reconhecimento do valor dos profissionaisque o servem. 23
  • 23. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia Concentração da comercialização de arábica no polo de Vitória da Conquista – As regiões da Chapada Diamantina, de Itiruçu/Vale do Jiquiriçá/Brejões e do Oeste Baiano se ressentem da falta de uma melhor rede de compradores de café, já que a comercialização de café de arábica na Bahia tornou-se muito concentrada em Vitória da Conquista. Principalmente para o caso dos pequenos produtores das duas primeiras regiões citadas, tal concentração gera a atuação de intermediários desnecessários ao processo, os quais, para se remunerar, absorvem parte da renda potencial dos produtores. Indústria baiana perdendo competitividade no processo de concentração do mercado brasileiro – No processo de concentração do mercado brasileiro de café torrado e moído, ocorrido na última década, as principais marcas de café da Bahia tiveram sua produção descontinuada. Não há nenhuma empresa baiana dentre as 10 maiores indústrias brasileiras pelo ranking da ABIC, as quais concentram 72,9% da produção. A primeira indústria baiana ocupa apenas o vigésimo sexto posto do referido ranking. Principais exportadoras mais estruturadas noutras regiões do país - Dentre as exportadoras de maior porte, apenas uma embarca todo o café que compra na Bahia via Salvador e outras o fazem de forma parcial. O porto de Salvador é mais utilizado por exportadoras que trabalham com café fino, cujos embarques são um pouco mais espaçados e programados que os de café commodity. Além do que é tocante ao próprio porto, a maior parte das exportadoras têm estrutura comercial e administrativa mais concentrada noutras regiões e acaba lhes sendo mais conveniente levar o café do que montar nova estrutura em Salvador. Oportunidades Integrar instituições de crédito ao programa de ATGER – A carência no conhecimento para controle de custos e gestão financeira da fazenda, além do desatrelamento da assistência técnica prestada dos principais fatores de competitividade são causas importantes de inadimplência em financiamentos para a cafeicultura. Faz todo sentido integrar as instituições de crédito ao programa de assistência técnico gerencial e de extensão rural, pois este será um redutor importante do risco de concessão do crédito. Tais entidades podem participar como mantenedoras do núcleo gestor do programa, como financiadoras da parte do pagamento dos técnicos que caiba aos produtores e também direcionando suas linhas de crédito para fatores efetivamente determinantes da competitividade.Foto: Arquivo Agricafé 24
  • 24. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da BahiaFomento, financiamento e/ou distribuição de pequenas estruturas de processamento de café – O exemplo dePiatã demonstra que, para pequenos e micro produtores, unidades de processamento por via úmida e secagem depequeno porte, inclusive até lavadores manuais, têm grande potencial para a melhoria dos resultados econômicose da qualidade de vida dos produtores. O processamento inadequado, por via seca, com secagem em terreirodescoberto, em regiões de inverno chuvoso, como o Planalto, a Chapada e Itiruçu/Vale do Jiquiriçá/Brejões chegaa reduzir o valor da produção em mais de 30%. Mesmo para pequenos produtores de conilon, há potencial paraagregação de valor com a produção de café cereja descascado. Vale salientar, que assistência à comercialização emarketing do produto ampliam significativamente o potencial de avanço.Posicionar a Bahia como fonte de cafés de qualidade – A Bahia não tem potencial para assumir posição deliderança em volume na produção de café no Brasil. Porém pode buscar se diferenciar dentre os estadosprodutores pela produção de café de qualidade. Exemplos como o do lavado baiano e dos naturais do Oeste Baianoou mesmo o fato de que o conilon do Espírito Santo carrega uma imagem negativa por conta do mauprocessamento, abrem espaço para um programa de melhoria da qualidade do café baiano integrado a umprograma de marketing que reposicione o produto no mercado. Além da padronização do processamento, um pré-requisito crucial para o deslanche de tal programa é o esclarecimento de dúvidas que muitos produtores ainda têmsobre a viabilidade econômica da produção de café de qualidade – especialmente no caso do conilon cerejadescascado.Governo do Estado atuar no fomento à adequação à legislação trabalhista – Apesar da legislação trabalhista serde âmbito federal, o Governo da Bahia poderia montar programas que visem fomentar a adequação dacafeicultura a seu cumprimento. Podem ser programas de mutirões para emissão de documentos nos momentosque antecedem os picos de demanda, como a colheita. Também seriam oportunos programas de visitas portécnicos do governo estadual para indicar formas de adaptação e validar as adaptações realizadas, previamente àfiscalização federal.Legislação de PIS/COFINS favorece a comercialização via cooperativas – Pela legislação vigente (IN635/2006 daReceita Federal), as cooperativas de produtores podem absorver créditos presumidos de PIS/COFINS oriundos deoperações de compra de cafés de associados e, mesmo sem ter efetivamente recolhidos os valores, fornecercrédito de 9,25% para as indústrias adquirentes de seu produto. As cooperativas podem, então, se apropriar departe dos 9,25% e ainda assim o café vendido custará mais barato para o comprador do que o adquirido de umprodutor pessoa física, que não fornece crédito, ou de uma pessoa jurídica que tenha recolhido os 9,25% dePIS/COFINS e inclua o valor no seu preço de venda. Para melhor ilustrar, veja o exemplo: Uma saca de café vendidaa R$ 200,00 pela cooperativa entra na contabilidade do comprador valendo 9,25% a mais, R$ 218,50. 1-(200/218,25) = 0,847, ou seja, se com o crédito de PIS/COFINS, o produto vale 109,25% para o comprador, acooperativa pode vendê-lo com desconto de até 8,47% ou pode não dar todo o desconto e aumentar seu preço devenda sem onerar o comprador.Programa de pequenos barramentos para irrigação – Em algumas regiões da Chapada Diamantina e do Planaltoda Conquista, cujo principal exemplo é Barra do Choça, há possibilidade de construção de pequenos barramentosvisando acúmulo de água para irrigação, já que o déficit hídrico é concentrado apenas na fase de granação. Comojá foi dito, o acesso à irrigação tem sido um fator crucial para a competitividade dos produtores, por mitigar, alémdo risco climático, o risco de preço do café.Convênios para pesquisa conjunta com instituições de outros estados – A própria existência do ConsórcioPesquisa Café indica a possibilidade de, ao invés de, reestruturar a pesquisa cafeeira baiana partindo quase que dozero, montar um sistema baseado em convênios com instituições localizadas em outros estados. Seria montadauma equipe de pesquisadores contratados pela instituição de pesquisa baiana, a qual, ao trabalhar em conjuntocom pesquisadores líderes nacionais em cada área, absorveria conhecimentos e se desenvolveria, até que apesquisa baiana atingisse a maturidade para caminhar independentemente. Exemplo nesse sentido é o recenteprotocolo de intenções assinado entre a SEAGRI, a CEPLAC e o INCAPER para pesquisa de café conilon no ExtremoSul da Bahia. 25
  • 25. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia Posição geográfica da Bahia favorecendo o abastecimento do Norte e Nordeste – Dentre os principais estados produtores de café do país, a Bahia, por sua posição geográfica, e também por produzir tanto arábica quanto conilon, desponta como fornecedor preferencial para os estados do Nordeste e do Norte, o que pode ser feito com café verde, mas, desde que haja escala para implantação de indústrias competitivas, com café industrializado, cujo custo de transporte é menor. Aproveitar o potencial turístico da Bahia como indutor do consumo do café do Estado – Estão na Bahia alguns dos destinos turísticos mais visitados do Brasil, como Salvador e Porto Seguro. Servir ao público visitante café de boa qualidade, devidamente identificado como baiano e divulgado com “orgulho” tem grande potencial de divulgar o produto nas regiões de origem dos turistas e de fidelizar clientes para o café da Bahia. Ameaças Desestruturação da pesquisa cafeeira baiana e adoção de tecnologias sem validação local – Nas últimas décadas foi dado pouco impulso à pesquisa cafeeira da Bahia. Apesar da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola - EBDA ser membro fundador do Consócio Pesquisa Café e de haver instituições como a Universidade Estadual do Sudoeste - UESB, em Vitória da Conquista, e a Fundação Bahia, em Luiz Eduardo Magalhães, que atuam na pesquisa cafeeira, o número de trabalhos publicados e tecnologias desenvolvidas ficou aquém do potencial. E não há nenhuma linha de pesquisa cafeeira na qual a Bahia tenha posição de liderança. Com isso, o que tem sido visto nos últimos anos é que a cafeicultura baiana tem importado tecnologias desenvolvidas em unidades de pesquisa localizadas fora do Estado e os produtores as tem implantado sem que haja validação local. Há uma série de questões que ameaçam significativamente a competitividade da cafeicultura baiana ou, pelo menos, limitam a expressão de seu potencial e estão esperando por respostas da pesquisa cafeeira da Bahia. Podem ser citados: o esgotamento precoce em lavouras no Oeste Baiano; o limite para o uso de águas salobras na irrigação (Itiruçu/Vale do Jiquiriçá/Brejões); a adaptabilidade de clones de conilon produzidos no ES; a colheita semimecanizada do arábica; a colheita mecânica do conilon e viabilidade de produção de conilon CD.Foto: Arquivo Agricafé 26
  • 26. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da BahiaRestabelecimento da produção de lavados na Colômbia e na América Central – Os cafés lavados baianos estãoobtendo preços muito atraentes neste ano de 2010, devido, além da sua qualidade, à escassez de cafés suavesgerada pelas seguidas quebras de safra nos principais países produtores. A Colômbia implantou um programa derenovação de lavouras, previsto para recompor a produção e as quebras nos países centrais se deveram a excessode chuvas, que não ocorrem em todos os anos. Com a volta da produção em tais países a níveis normais, osdiferenciais de preço para os cafés lavados tenderão a cair e a demanda tenderá a refluir para os produtores maistradicionais. É premente a necessidade de posicionar os lavados baianos no mercado, especificando seus atributose fortalecendo os canais para sua comercialização de forma a fidelizar os compradores que passaram a adquiri-losneste momento de escassez.Sistema de ATER pública inoperante e que não gera inteligência competitiva – Em geral, os produtorescaracterizaram o sistema de assistência técnica e extensão rural da Bahia como de baixíssima efetividade. Ospoucos resultados positivos estão mais ligados à dedicação pessoal de alguns técnicos que possuem maiorafinidade com a cafeicultura.Por outro lado, como não há acompanhamento gerencial, os produtores que recebem assistência não como têmavaliar a situação econômica de seu empreendimento. Atuam apenas voltados para aumento da produtividade eesperam que os preços remunerem a atividade, ao invés de procurar fazer a gestão do custo de produção, que temsido o caminho mais efetivo para obtenção de resultados compensadores.Não há um programa estruturado de assistência, logo não há qualquer tipo de meta ou de indicador dedesempenho da assistência técnica. Isso faz com que o Estado não se aproprie da inteligência competitiva quepoderia ser construída e retroalimentada pela avaliação dos resultados dos produtores assistidos e das metas doprograma.A EBDA tem uma imagem muito ruim dentro da cadeia. No workshop realizado em Vitória da Conquista foi quaseque unânime a manifestação de que qualquer tentativa de restabelecimento da assistência técnica que envolva talempresa mereceria pouco crédito e teria pouca chance de sucesso.Aumento de custo e escassez de mão de obra – Do ponto de vista socioeconômico, a política de recomposição dovalor do salário mínimo através de reajustes maiores que a inflação é extremamente benéfica e tudo indica quedeve manter-se nos anos vindouros. No entanto, tem forte impacto na competitividade de atividades com usointensivo de mão de obra, caso do café, principalmente o arábica de regiões montanhosas e o conilon, que nãomecanizam colheita, sendo que este último ainda apresenta demanda concentrada também para operações depoda e desbrota.Com o crescimento da economia – especialmente da construção civil, que absorve mão de obra não qualificada, amontagem do sistema de garantia de renda mínima para populações carentes (bolsas do governo) e a tendência deurbanização do país, a oferta de mão de obra sazonal diminuiu fortemente e os indícios atuais (p.ex. grande déficithabitacional e de infraestrutura do país) apontam para a continuidade de tal tendência. Há também casos, como oque ocorre em relação à silvicultura de eucalipto no Extremo Sul, em que a competição com outras atividadesrurais limita a oferta de mão de obra para o café.Em todas as regiões produtoras ficou evidente a preocupação com a escassez de mão de obra, mesmo no OesteBaiano, onde apenas o repasse da colheita é manual, ou no Sul Baiano, onde supostamente haveriadisponibilidade de trabalhadores desempregados pela crise do cacau. Até pequenos produtores com áreasmenores que 10 hectares relataram ter dificuldade de encontrar mão de obra avulsa para auxiliar na colheita.Muitos produtores relataram que a possibilidade de falta de mão de obra é um fator que pesa bastantenegativamente quando analisam a possibilidade de expansão de sua atividade. 27
  • 27. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia Legislação trabalhista e dificuldade de relacionamento com órgãos que a aplicam – Segundo os produtores, há dificuldade para cumprimento da legislação trabalhista, principalmente com relação à mão de obra sazonal (mesmo por que muitos trabalhadores não têm os documentos necessários à formalização da relação de emprego). Teria havido também aumento abrupto nas exigências quanto a alojamentos e estruturas de proteção em maquinários, às quais a adaptação de estruturas e máquinas antigas é difícil. Além disso, não haveria padronização na interpretação e aplicação dos normativos pelos representantes tanto do Ministério do Trabalho e Emprego, quanto do Ministério Público do Trabalho, a postura de tais órgãos é meramente punitiva e não há qualquer espécie de fomento à adequação. Vários produtores relataram que chegam a ter dificuldade de mensurar o risco de punição por inadequação às exigências trabalhistas e, mesmo aqueles que acreditaram ter se adaptado, relatam a carência de uma validação prévia das melhorias feitas, pois quando recebem a fiscalização isto já ocorre no momento da utilização das instalações e com intuito punitivo. Carências na atuação do Estado na governança da cadeia – As estatísticas disponíveis sobre a cadeia produtiva do Café da Bahia são, via de regra, produzidas a nível nacional e não há estrutura a nível estadual voltada para a tabulação dos dados da Bahia e para construção de inteligência competitiva e sua apropriação pelo Estado para direcionamento das políticas públicas. Nos últimos anos, o crescimento da Cadeia Produtiva, e também os seus problemas, têm se desenrolado quase que a revelia do Estado. Casos claros, são a descontinuidade de algumas das principais indústrias de café da Bahia e o evidente declínio da produção na região de Itiruçu/Vale do Jiquiriçá/Brejões. Insuficiência e ineficácia do crédito oficial – Os projetos mais estruturados e mais competitivos são de grandes produtores que não dependem do crédito nem da pretensa assistência técnica a ela associada. Foram recorrentes as alegações de que o crédito oficial para a cafeicultura é insuficiente e descompassado do calendário agrícola da atividade. Também foi alegado que há burocracia excessiva para a liberação do crédito e que os bancos não têm pessoal suficiente para analisar os processos com a celeridade requerida. Principalmente no caso dos pequenos produtores, que dela dependeriam, a pretensa assistência técnica incluída nos financiamentos funciona mais como um condicionante burocrático, na execução dos projetos, e como um fiscalizador da alocação dos recursos financiados, tendo pouquíssima efetividade para o sucesso dos empreendimentos. Os variados elos da cadeia não enxergam o financiamento oficial como um alavancador da sua competitividade. Carências na logística para exportação via Salvador – Nas entrevistas realizadas com exportadores e fazendas que fazem exportação direta, foram comuns as alegações de que há problemas de infraestrutura no porto de Salvador e de que o desembaraço das exportações é lento. Imagem ruim associada ao arábica natural baiano e também ao conilon – Devido às falhas no processamento, foi estabelecida a imagem de que o arábica natural baiano seria de baixa qualidade. Tal preconceito se refere mais fortemente aos cafés do Planalto, de Itiruçu/Vale do Jiquiriça/Brejões e da Chapada, mas também é usado comercialmente na tentativa de depreciar até o café do Oeste, região cujo inverno é seco. No caso do conilon, também devido às práticas inadequadas de processamento, há o conceito de que os cafés dessa espécie só entrariam nos blends como matéria-prima de baixo custo, com forte potencial para estragar a bebida. Derrocada da indústria brasileira de solúvel e não-absorção do conilon pelo mercado interno brasileiro – A indústria brasileira de café solúvel perdeu, mais por fatores conjunturais (vide Valorização cambial, p. 16) que intrínsecos, a competitividade internacional, nos últimos anos, e sofre um contínuo processo de encolhimento. Existiam 11 indústrias de café solúvel no Brasil, hoje reduzidas a apenas cinco. No período de 2005 a 2009, o mercado mundial de café solúvel cresceu cerca de 6%. No mesmo período, as exportações brasileiras de café solúvel caíram de 4 milhões de sacas, em 2005, para 2,8 milhões em 2009, com perda de participação no mercado mundial, de 14 para 9%. 28
  • 28. Foto: Arquivo AgricaféA maior parcela do café conilon brasileiro é escoado no mercado interno de torrado e moído. Sua adição nos blendsdas torrefadoras brasileiras cresceu significativamente na última década, o que tem mantido as cotações no Brasilmais altas que no mercado internacional. Com o declínio da indústria de solúvel e das exportações de conilonverde, há grande chance de ocorrer sobreoferta de conilon no mercado interno, principalmente nos momentosem que houver aumento na produção de arábicas baixos, sendo importante levar tal possibilidade em conta comocondicionante ou mesmo fator limitante da expansão dos plantios de conilon.Impacto de questões fiscais na comercialização e na industrialização – A comercialização de café paraindustrialização tem sido afetada por questões fiscais. No caso do PIS/COFINS, o produto adquirido de pessoasfísicas não gera crédito. Com isso, indústrias de maior porte que trabalham em regime de lucro real têm priorizadofortemente a compra de pessoas jurídicas (inclusive cooperativas), visando obter o crédito de 9,25%, percentualbastante significativo. Por exemplo, uma torrefadora cuja indústria fica no estado de Sergipe, montou uma ótimaestrutura de classificação e armazenamento no Polo industrial Vitória da Conquista e já chegou a adquirir até 25%da produção da Bahia. Hoje compra apenas 10% da produção baiana, tudo oriundo do Oeste, nenhuma saca doPlanalto. Acrescente-se a isso o fato da citada indústria ter adquirido, apenas no primeiro semestre de 2010, 500mil sacas de café em Minas Gerais.Outro fator que estimula a compra em Minas Gerais da matéria-prima para torrefação por indústrias de outrosestados, é o fato de que naquele Estado a alíquota de ICMS para saída de café é de 7% contra 12% na Bahia. Isso fazcom que o torrefador de outro estado que adquira café na Bahia tenha que imobilizar 5% a mais do valor de suamatéria-prima enquanto aguarda, por até seis meses, a concessão do crédito de ICMS.Tais distorções limitam o canal de venda de café para as torrefadoras de maior porte em regiões como o Planalto daConquista, a Chapada Diamantina e Itiruçu/Vale do Jiquiriçá/Brejões, onde não há cooperativas que atuem nacomercialização do produto. Mesmo no caso do conilon, as torrefadoras maiores buscam adquirir produto dacooperativa e de empresas comerciais do Espírito Santo, evitando comprar diretamente de produtores.Conceito de que o cultivo do conilon poderia levar à destruição da Mata-Atlântica no Baixo Sul/Sul Baiano – Taisregiões têm importante parcela de suas áreas sob florestas remanescentes do sistema de cultivo do cacau nacabruca. Há possibilidade de que, ao ser o conilon apresentado com alternativa de substituição ao cacau, se tenteimpingir à atividade o potencial de degradadora ambiental. 29
  • 29. Foto: Arquivo Agricafé30
  • 30. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia4 ESTRATÉGIAS DE DESENVOLVIMENTO Governança da cadeia e desenvolvimento de inteligência competitivaO ponto de maior consenso nas discussões do workshop foi a necessidade de se efetivar a Câmara Setorial do Cafécomo o centro de coordenação da governança da cadeia produtiva do café da Bahia. Para tal, foi salientado que aCâmara necessariamente terá que conter representatividade de todos os elos da cadeia e que os seus membrosdeverão ter canais diretos com agentes-chave nas seis regiões produtoras, para levantamento de demandas eavaliação dos resultados dos programas que vierem a ser implantados. O braço operacional da Câmara seria umnúcleo de coordenação, que teria como principais funções: - facilitar a interlocução entre os agente-chave regionais e os membros da Câmara; - montar as pautas das reuniões da Câmara e fazer a convocação dos participantes; - implementar o programa de reestruturação da pesquisa cafeeira do Estado, inclusive prospectando e indicando fontes de recursos e possibilidade de convênios de cooperação; - coordenar; criar programa de capacitação dos técnicos; definir metas e indicadores locais e estaduais; e tabular os dados obtidos pelo programa de assistência técnico-gerencial e extensão rural (ATGER); - construir, com base nos dados oriundos do programa de ATGER, indicadores regionais de desempenho da cadeia produtiva e, em conjunto com dados secundários, construir inteligência competitiva, que embasará a Câmara Setorial na busca de políticas públicas ou mesmo na formatação e execução de ações conjuntas da cadeia produtiva; - dar apoio a ações de fortalecimento da competitividade, como, por exemplo, programas de comercialização conjunta e estabelecimento de relacionamentos comerciais de longo prazo, cuja oportunidade seja explicitada pelas informações advindas do programa de ATGER; - subsidiar os representantes dos diferentes elos da cadeia com informações para embasar sua participação nos fóruns nacionais do setor.A estrutura do núcleo seria custeada pelo Estado, em parceria com entidades representativas dos diferentes elosda cadeia produtiva (FAEB, Assocafé, Sindicafé, Centro de Comércio de Café, OCEB), com entidades de fomento ecapacitação (SEBRAE e SENAR) e com instituições de crédito (Banco do Nordeste e Banco do Brasil). Poderia serapresentada proposta de convênio ao Funcafé, visando a obtenção de parte dos recursos para custeio do núcleo. Onúcleo seria subordinado à Câmara Setorial do Café. Foto: Renato Fernandes / Paulo Saliba 31
  • 31. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia Assistência técnica e, principalmente, gerencial Ficou muito clara nas entrevistas e discussões do presente trabalho a carência de assistência técnica e principalmente gerencial aos produtores de café. Exemplos como o Projeto Educampo Café, do SEBRAE, ou o Programa Certifica Minas, da SEAPA/MG, são reconhecidos como o que há de mais moderno nesse campo no país. A grande virtude de tais programas está em não apenas indicar tecnologias que visem aumentar a produtividade, esperando que a condição de mercado as remunere satisfatoriamente. A assistência gerencial neles contida foca na apuração dos custos de produção e no estabelecimento de metas e indicadores de desempenho que permitem aos produtores ter um balizamento para que sejam competitivos dentro das condições vigentes no mercado. Essa premissa favorece os técnicos prestadores da assistência, cuja efetividade do trabalho passa a gerar reconhecimento; os governos, que deixam de serem colocados na posição de corresponsáveis pela não rentabilidade da produção; os agentes de crédito, cujo risco de inadimplência e de solicitação de prorrogações de prazo se reduzem; e os demais elos da cadeia, que passam a ter uma segurança maior na regularidade da oferta, já que a produção se torna menos sujeita às oscilações do mercado. As diretrizes do programa de ATGER serão dadas pela Câmara Setorial, definindo metas e indicadores que permitam à produção atender às demandas do mercado. A coordenação do programa, subordinada à Câmara, conforme exposto no item anterior, fará a capacitação dos técnicos, a definição das metas e indicadores de desempenho locais, regionais e estaduais, e a tabulação dos dados oriundos de cada grupo de produtores assistidos. Cada grupo de produtores será assistido por um profissional com dedicação exclusiva. O número de produtores em cada grupo será determinado pelo seu porte e pela correspondente capacidade de atendimento do técnico para que haja assistência efetiva com pelo menos uma visita mensal (por exemplo, um técnico tem capacidade de atender 10 produtores de 4 ha num dia, mas não há como atender 5 de 40 ha). A composição de cada grupo será determinada por aspectos dentre os quais se destacam semelhanças no sistema de produção e a proximidade entre as propriedades. A aglutinação dos produtores será feita pela entidade parceira na montagem do grupo, que pode ser uma prefeitura, uma cooperativa, associação de produtores, uma agroindústria ou mesmo uma firma exportadora que adquira a produção. Haverá também a possibilidade de que profissionais autônomos que tenham um grupo de clientes para os quais já prestem serviço façam a adesão ao programa, recebam capacitação para assistência gerencial e passem tanto a fornecer dados de seus clientes como receber os resultados dos indicadores. No modelo do Projeto Educampo, os profissionais são autônomos com empresas registradas e prestam serviços diretamente aos produtores, havendo em muitos casos subsídio dos custos por parte das entidades parceiras. Acreditamos ser interessante manter aberta a possibilidade das entidades contratarem os profissionais, mas os resultados de outros estados indicam que, mesmo que haja subsídio, a assistência técnica não deve ser fornecida de forma gratuita e, se o for de início, o subsídio deve ser reduzido e eliminado na medida em que o produtor obtenha capacidade de custeá-lo. A consciência pelos produtores de que a assistência técnica é um insumo básico para o negócio rural no qual vale a pena investir, tem sido crucial para o sucesso do modelo de assistência técnico-gerencial e isso é demonstrado pela evolução dos indicadores de desempenho. O subsídio pode então ser direcionado para novos grupos que sejam montados usando os resultados positivos dos primeiros assistidos como atrativos à adesão.Foto: Sílvio Ávila - Ed. Gazeta 32
  • 32. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da BahiaFoi mostrado no presente trabalho que uma parcela dos produtores baianos vem determinando os padrões decompetitividade da produção de café no Estado, nos últimos anos. Padrões esses baseados em assistência técnicaeficiente; gestão financeira; uso de irrigação; e processamento adequado à produção de cafés na qualidadealmejada pelo mercado e com a escala requerida, possibilitando a comercialização em bases mais sólidas,inclusive com uso de venda futura. O programa de ATGER proposto tem o poder de disseminar tais fatores decompetitividade para um número muito maior de produtores (incluído os pequenos), melhorando sua qualidadede vida e, concomitantemente, a competitividade de toda a cadeia produtiva. A Figura 2 é um fluxograma doprograma proposto. Câmara Setorial Coordenação para núcleos: Capacitação Diretrizes Indicadores de desempenho de técnicos e produtores, diretrizes, dados tabulados, metas e indicadores. Metas Inteligência competitiva Demandas de pesquisa Núcleos para coordenação: Dados Demandas do mercado primários, demandas (inclusive de Demandas de políticas pesquisa), feedback e avaliação do programa. Coordenação do Núcleo 1 programa de ATGER Ligado a prefeitura Núcleo 5 Núcleo 2 Núcleo 4 Ligado a Núcleo 3 exportadora Ligado a Ligado a Ligado a associação de Agroindústria cooperativa produtores Figura 2 - Fluxograma do programa estadual de ATGER. Programa de melhoria da qualidade do café da BahiaPropõe-se um mapeamento da qualidade potencial do café nas seis regiões produtoras para embasar umprograma de melhoria da qualidade.O programa poderá constar de fomento e financiamento à montagem de estruturas de processamento de baixocusto para pequenos produtores, podendo inclusive contemplar o fornecimento para micro produtores deequipamentos individuais como lavadores manuais de café.Deverá haver um programa de capacitação para boas práticas de processamento de café, atrelado ao programaestadual de ATGER.Também deve haver um programa de apoio e capacitação para a adaptação das torrefações baianas à InstruçãoNormativa 16 do MAPA, em vias de entrar em vigência e que determinará novos padrões mínimos para a qualidadedo café industrializado, bem acima dos hoje praticados por algumas indústrias. 33
  • 33. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia Reestruturação da pesquisa cafeeira Para que a adoção de tecnologias geradas noutras regiões sem a devida validação local deixe de ser a praxe na cafeicultura baiana é vital a reestruturação da pesquisa cafeeira da Bahia. Há que se contratar novos pesquisadores (possivelmente para uma EBDA saneada ou uma nova empresa exclusivamente de pesquisa) e apoiar os centros de pesquisa que já trabalham com café, como a UESB e a Fundação Bahia. As linhas de pesquisa seriam demandadas pela Câmara Setorial e é importante que haja uma estrutura de captação de recursos para projetos, que podem advir, além do Funcafé, de parcerias com instituições de fomento e mesmo bancos que investem na cafeicultura (vide FUNDECI do Banco do Nordeste). Um ponto crucial, que foi consenso no workshop de Vitória da Conquista, é que, no início desta nova etapa, o melhor caminho a seguir é celebrar convênios com as instituições que detêm expertise nas diferentes áreas da pesquisa cafeeira (ex., INCAPER no café conilon) para que as equipes baianas trabalhem em conjunto com suas equipes. Zoneamento agroecológico e econômico das regiões produtoras de café Deve ser feito zoneamento agroecológico e econômico das regiões produtoras de café, visando identificar o grau de aptidão das regiões produtoras e, principalmente, regiões onde, nas condições atuais, a competitividade da cafeicultura é marginal. Tal mapeamento indicará de forma mais clara as ações específicas a serem tomadas para incremento da competitividade da cafeicultura nas regiões mais aptas; para seu resgate, nas regiões ora marginais, onde ainda haja potencial; e indicará também as regiões que se tornaram inaptas, para as quais deverão ser buscadas outras alternativas econômicas. No mapeamento serão também levantadas as fontes de água para irrigação, visando embasar a montagem de um programa de construção de barramentos. Deverá ser mapeado também o estado das lavouras, para estabelecer qual a necessidade de sua renovação e possibilitar o dimensionamento de um programa estadual com tal objetivo. Por outro lado, o zoneamento indicará as áreas com aptidão para as quais devem ser direcionados os futuros programas de financiamento para implantação de novos cultivos. Isto evitará plantios em áreas marginais ou mesmo equívocos como os plantios que foram feitos em áreas de cabruca relativamente densa no Sul/Baixo Sul, sendo que em tais regiões há áreas disponíveis, nas quais havia sido feita conversão anterior para pastagens. Incremento do uso de irrigação e evolução do seu manejo Conforme claramente evidenciado no diagnóstico regionalizado, o uso de irrigação tem sido um fator crucial para a competitividade, pois, à exceção da região do Sul/Baixo Sul, todas as regiões produtoras da Bahia estão sujeitas, em menor ou maior grau, à ocorrência de veranicos no período de granação do café. A irrigação tem propiciado a mitigação tanto do risco climático, quanto do risco de preço, pois a garantia de segurança na oferta é um dos pré-requisitos básicos para o acesso aos mecanismos de venda futura e trava de preços. O mapeamento das fontes de água previsto no item anterior permitirá montar um programa de fomento ao uso de irrigação para pequenos produtores. É importante também que os projetos de financiamento para implantação de cafeicultura, com exceção do Baixo Sul/Sul Baiano, passem ter a inclusão de irrigação como uma premissa básica, inclusive contemplando recursos para o custeio de seu manejo, pois este é deficiente em boa parte dos cultivos irrigados do Estado. 34
  • 34. Foto: Sílvio Ávila - Ed. Gazeta Redução dos picos sazonais de demanda de mão de obra e facilitação da formalização das relações de trabalhoCom as tendências de urbanização e crescimento do país e de aumento da remuneração da mão de obra, os picossazonais de demanda de mão de obra apresentados pela cafeicultura tendem a ter ampliados seus impactosnegativos pela dificuldade de captação e aumento de custo da mão de obra sazonal.A redução da demanda sazonal por mão de obra pode ser buscada mais diretamente pelo fomento à mecanizaçãoda colheita. Para tal haverá necessidade de capacitação de mão de obra e dos produtores para uso de colheitasemimecanizada, com colhedoras costais, principalmente nas áreas mais amorradas das regiões do Planalto, daChapada e de Itiruçu/Vale do Jiquiriçá/ Brejões. Também serão necessários testes e adaptações das referidascolhedoras e mesmo das colheitadeiras automotrizes para utilização no conilon. Podem vir a ser necessáriasmodificações nos espaçamentos das lavouras – o que já ocorre no Planalto da Conquista com as lavouras antigasde café arábica.Sistemas de poda, conhecidos como safra zero, têm sido utilizados noutros estados produtores de arábica combons resultados na redução do peso do custo da colheita no custo de produção do café.A dificuldade de captação de mão de obra exacerba as dificuldades atuais para a formalização da mão de obrasazonal. O governo estadual pode buscar sua amenização através de ações como convênios para mutirões deemissão documentos nas regiões cafeeiras no período pré-colheita; a busca pela cadeia produtiva, apoiada pelogoverno estadual, de modificações na legislação para melhor contemplação do trabalho sazonal; e convênios como MTE para validação/fiscalização prévia por agentes do governo estadual da adequação de instalações eequipamentos das fazendas às normas vigentes. Fomento ao estabelecimento de relacionamentos comerciais duradouros e ao uso dos mecanismos de venda futuraPor conta do retardo na resposta da produção aos estímulos de preço, a cafeicultura se notabiliza como uma dasatividades rurais nas quais o risco de preço é mais acentuado e suas variações, às vezes abruptas, causam danosmais intensos à produção.A cadeia do café também foi caracterizada, até bem pouco tempo, pela quase que inexistência de relacionamentoscomerciais estruturados e pela predominância das vendas pontuais (mercado spot).Ferramentas de travas de preço via permuta por insumos e vendas futuras têm propiciado aos produtores que asutilizam mitigar o risco de preço de forma bastante satisfatória e isso tem sido um fator importante para suacompetitividade. Têm sido também um canal de comunicação da demanda futura por parte dos compradores.Apoiar a disseminação de tais ferramentas e estruturar a oferta de produtores de menor porte (via cooperativas eassociações) de forma a propiciar sua utilização tem grande potencial para fortalecer a competitividade da cadeiado café da Bahia. 35
  • 35. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia Marketing institucional do café da Bahia Por produzir praticamente todos os tipos de café, a Bahia tem potencial para ser um fornecedor mais estratégico para os compradores, principalmente internacionais, do seu café. Há que se criar conceitos para os cafés da Bahia, utilizando seus atributos principais, como, por exemplo, o perfil sensorial do lavado baiano e a possibilidade de oferta em grande escala dos naturais finos do Oeste. Além disso, aspectos como a tradição de produção dos lavados ou mesmo a riqueza cultural e natural da Bahia têm grande potencial de sensibilização dos consumidores e mesmo para embasar projetos de busca de reconhecimento de identidade geográfica. A divulgação da existência na Bahia de cafés diferenciados, tais como os super premium ou mesmo cafés orgânicos de qualidade, atrairia a demanda dos compradores de tais nichos, fazendo com que mais pequenos produtores, que não têm condições de ampliar sua escala, tenham acesso a canais de venda de boa ou ótima remuneração para escoar sua produção. Um programa estadual estruturado amplificaria os resultados positivos obtidos nos últimos anos em exemplos como o de Piatã, que foram frutos de esforços isolados de agentes da cadeia que vislumbraram as oportunidades e buscaram aproveitá-las. Fomento à industrialização e exportação do café A maior parte do café da Bahia é direcionada para outros estados, parte para ser industrializada, parte para ser exportada por outros portos. Pela sua posição geográfica, a Bahia tem potencial para ser um fornecedor preferencial de café industrializado para o Norte e Nordeste do Brasil e para que uma parcela maior da exportação do café baiano seja feita pelo porto de Salvador. Como parte do processo visando impulsionar a industrialização de café na Bahia, é importante que o Governo combata, veemente, as fraudes na composição do café e a atuação das torrefações informais, principalmente no interior do Estado. Isto possibilitaria melhores condições de atuação para as torrefadoras legalizadas de menor porte, ora sujeitas a competir em desvantagem com os agentes de mercado que atuam à margem da legislação. Indústrias que poderiam vir a se tornar grupos importantes a nível estadual têm tido dificuldades para se manter no mercado.Foto: Arquivo Agricafé 36
  • 36. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia5 CONSIDERAÇÕES FINAISO presente trabalho, mais do que um projeto de consultoria, emana das percepções dos agentes-chave da cadeiaprodutiva ouvidos nas entrevistas do processo regionalizado de diagnóstico e cuja presença no WorkshopEstratégias para o Café da Bahia foi de suma importância para a validação das conclusões do referido processo.Um dos principais pontos de consenso entre os agentes da cadeia foi a falta de conhecimento efetivo da cadeia porparte do Estado e a carência de estatísticas confiáveis e bem estruturadas sobre os seus mais diferentes elos. Aproposição da criação de uma estrutura de governança e de desenvolvimento de inteligência competitiva,capitaneada pelo Estado e alicerçada pela participação de todos os elos da cadeia foi o ponto apontado comobásico e crucial pelos presentes no Workshop.O desafio que se impõe à Cadeia Produtiva do Café da Bahia, com o devido apoio do Estado, é dotar a sua estruturade governança das condições e recursos necessários para a concepção de um plano diretor com base nas linhasestratégicas compiladas no Workshop e/ou sugeridas no presente trabalho.De tal plano diretor, deverão constar as ações estratégicas a serem implementadas, com metas e indicadores dedesempenho, designação de responsáveis por sua condução, parâmetros e pré-requisitos para implantação,fontes financiadoras e prazos para execução. Foto: Heckel Júnior - SEAGRI 37
  • 37. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia ANEXOS I - Tabela dos municípios que compõem as regiões produtoras REGIÃO DA CHAPADA DIAMANTINA Municípios Territórios de Identidade Barra do Mendes. Irecê Andaraí, Barra da Estiva, Bonito, Ibicoara, Iraquara, Itaeté, Lençóis, Morro do Chapéu, Mucugê, Nova Redenção, Palmeiras, Piatã, Rio de Contas, Seabra, Souto Soares, Utinga e Wagner. Chapada Diamantina Caetité, Contendas do Sincorá e Tanhaçu. Sertão Produtivo Ruy Barbosa, Piritiba, Mundo Novo, Tapiramutá e Miguel Calmon. Piemonte do Paraguaçu Jacaraci. Vitória da Conquista REGIÃO DO PLANALTO DA CONQUISTA Municípios Territórios de Identidade Caatiba, Iguaí, Itambé, Nova Canaã. Itapetinga Barra do Choça, Encruzilhada, Planalto, Poções, Ribeirão do Largo e Vitória da Conquista. Vitória da Conquista Boa Nova, Dário Meira. Médio Rio das Contas REGIÃO DO OESTE BAIANO Municípios Territórios de Identidade São Desidério, Barreiras e Luiz Eduardo Magalhães. Oeste Baiano Cocos e Correntina. Bacia do Rio Corrente REGIÃO DE ITIRUÇU/VALE DO JIQUIRIÇA/BREJÕES Municípios Territórios de Identidade Amargosa, Brejões, Cravolândia, Irajuba, Iramaia, Itaquara, Itiruçu, Jaguaquara, Jiquiriçá, Lafayete Coutinho, Lagedo do Tabocal, Maracás, Mutuípe, Nova Itarana, Planaltino, Santa Inês, São Miguel Vale do Jiquiriçá das Matas e Ubaíra. Itagi, Jequié e Jitaúna. Médio Rio das Contas REGIÃO DO BAIXO SUL/SUL BAIANO Municípios Territórios de Identidade Almadina, Arataca, Buerarema, Camacã, Canavieiras, Coaraci, Floresta Azul, Ilhéus, Itacaré, Itajuípe, Itapitanga, Jussari, Maraú, Mascote, Pau Brasil e Santa Luzia. Litoral Sul Camamu, Gandu, Igrapiúna, Presidente Tancredo Neves, Taperoá, Valença e Wenceslau Baixo Sul Guimarães. Belmonte. Extremo Sul Laje. Vale do Jiquiriçá Ibirataia, Nova Ibiá e Itamari. Médio Rio das Contas REGIÃO EXTREMO SUL Municípios Territórios de Identidade Alcobaça, Caravelas, Eunápolis, Guaratinga, Ibirapuã, Itabela, Itamaraju, Itanhém, Jucuruçu, Medeiros Neto, Nova Viçosa, Porto Seguro, Prado, Santa Cruz Cabrália, Teixeira de Freitas, Vereda. Extremo Sul 38
  • 38. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da BahiaII – Listas dos participantes nas entrevistas e no Workshop Estratégias para o Café da BahiaAlber Bastos, Fazenda Bela Vista, Itabela/BAAlberto Vieira de Novaes, Armazéns Gerais Maratá, Vitória da Conquista/BAAlexandre Cristii Magalhães, ASSOCAFÉ, Salvador/BAÁlvaro Brechbueler, Fazenda Viçosa, Alcobaça/BAAmúlio L. P. Loureiro, - SEADE - Prefeitura Municipal de Camacan/BAAnderson Carlos Riva, COOABRIEL, Teixeira de Freitas/BAAntônio Guerreiro, consultor, Luís Eduardo Magalhães/BAAntônio Joaquim de Souza Neto, COOABRIEL, São Gabriel da Palha/ESAssentamento Córrego do Ouro, Camacan/BABarbara Gomes, Tecon, Salvador/BACesar Neri, MAPA, Vitória da Conquista/BAClaudionor Dutra, COOPMAC, Vitória da Conquista/BADalmar G. Fernandes, EBDA, Vitória da Conquista/BADanilo Kumagai, Fazenda Vale do Urso, Luís Eduardo Magalhães/BADonato Tenisi, Café Tenisi, Itiruçu/BAEdimar Margotto, Fazenda Duas Barras, Itabuna/BAEdnardo de M. Oliveira, Viveiro São Francisco, Itabela/BAEdney Souza Figueiredo, FETAG, Piatã/BAÉmerson Bronzon, Bronzon Agropecuária, Itamaraju/BAEvair Vieira de Melo, INCAPER, Vitória/ESEvaristo Viana, Fazenda Graciosa, Itabela/BAFabiano Borré, Fazenda Progresso, Mucugê/BAFabio Lúcio Martins Neto, EBDA, Seabra/BAFabricio M. Bastos, Fazenda Bom Retiro, Arataca/BAGeraldo Pitton, Produtor de Café, Vitória da Conquista/BAGeraldo Sinay, Fazenda Quixadá/COOPMAC, Encruzilhada/BAGianno Brito, Fazenda Viçosa, Barra do Choça/BAGilson Luiz, COOPMAC, Vitória da Conquista/BAGisvaldo de Souza Maciel, Assentamento Guarani II, Bonito/BAGlauber de Castro, Fazenda Café Rio Branco/ABACAFÉ, Luís Eduardo Magalhães/BAGláucia Fontes, Fazenda Grão de Ouro, Vitória da Conquista/BAHermínio Junior de Martins, Fazenda Conjunto Vista Alegre, Itabela/BAIdimar Barreto, ADAB, Vitória da Conquista/BAIrineu L. Freitas, Secretaria de Agricultura de Barra da Estiva/BAJardel Xavier, Prefeitura Municipal de Barra do Choça/BAJoão Cordeiro, Fazenda Bela Vista, Bonito/BAJoão Paulo R. Pina, Prefeitura Municipal de Piatã/BADhone Dognani, Fazenda Santa Maria, Luís Eduardo Magalhães/BAJorge Esteve Jorge, EISA Empresa Interagrícola S/A, Santos/SPJosé Alberto de Martins, Fazenda Piracicaba, Eunápolis/BAJosé Carlos Novaes, JC Corretagem, Vitória da Conquista/BAJosé Henrique Tinôco, Secretaria de Agricultura de Barra da Estiva/BAJose Luciano Fernandes, Fazenda Alcoprado, Teixeira de Freitas/BAJosé Marcos S. Rocha, Secretaria de Agricultura de Barra do Choça/BAJosé Nildo Rodrigues Chaves, Associação dos Pequenos Produtores Rurais de Boa Nova, Barra do Choça/BAJosé Rogério Thomes, Fazenda Bom Retiro, Arataca/BAJosé Valmir de Martins, Fazenda Coqueirinho, Itabela/BAJosé Willis Grassi, Fazenda Mariana, Itabela/BAJovino de Almeida Neto, Secretaria de Desenvolvimento e Agricultura de Itiruçu/BA 39
  • 39. Diagnóstico e Propostas para a Cadeia Produtiva do Café da Bahia Juarez Silva Araujo Fazenda Tangará, Encruzilhada/BA Jumahil M Oliveira Filho, Agropecuária Arakatu, Luís Eduardo Magalhães/BA Juracy Pires, Grupo Brandão e Filhos, Itiruçu/BA Leonir Sossai, Fazenda Bom Jesus, Sindicato Rural/FAEB, Itabela/BA Lessivan Pacheco, Fazenda Lagoa do Morro e Café Mainha, Brejões/BA Libanilson B. Oliveira, COTEBA/MLT, Salvador/BA Lindomar Lembranci, Fazenda Lembrança, Eunápolis/BA Lucas Favaro Garcia, ABACAFÉ, Luís Eduardo Magalhães/BA Luciano G. de Lima, Banco do Brasil, Vitória da Conquista/BA Luís Fernando Tostes, Fazendas Reunidas Ideal, Caravelas/BA Manoel Carlos Rocha Filho, BNB, Vitória da Conquista/BA Marcelo Rocha, AMDES/ Prefeitura Municipal de Barra do Choça/BA Marcial Spagnol, Fazenda Serra da Gente, Itabela/BA Marco Antônio R. SantAna, Café Brasil, Alfenas/MG Marco Túlio Guimarães Freire, Fertilizantes Heringer, Vitória da Conquista/BA Marcos Antônio Pimenta Menezes, consultor, Luís Eduardo Magalhães/BA Maria Aparecida de Roussan, Lucca Cafés Especiais, Salvador/BA Mark Hillmann, Fazenda Agronol, Luís Eduardo Magalhães/BA Maurício Magalhães Pacheco, EISA Empresa Interagrícola S/A, Vitória da Conquista/BA Michael Freitas de Alcântara, Café Gourmet Piatã, Piatã/BA Nelson Pires Cordeiro, Fazenda Floresta, Ibicoara/BA Nelson Pires Cordeiro Júnior, SEMUDES-BA Ibicoara/BA Nivaldo Silva Cruz, Cooperbac, Barra do Choça/BA Oberdan Rocha, AMIRS, Barra do Choça/BA Osvaldo Gagari. Banco do Brasil, Vitória da Conquista/BA Paulo Carilo, EBDA, Itabuna/BA Paulo Cesar Afonso Jr., Embrapa Café, Brasília/DF Paulo Rodrigues Tavares, Associação dos Pequenos Produtores Rurais da Região do Barreiro, Barra do Choça/BA Paulo Sérgio Brito Saliba, Fazenda Paraíso Teixeira de Freitas/BA Paulo Tadeu M. Barros, Banco do Brasil, Salvador/BA Ramiro Amaral, EBDA, Salvador/BA Roberto Almeida, Café Tangará/SINDICAFE, Salvador/BA Roberto Cangussu, Fazenda Santa Lúcia, Itabela/BA Rodrigo Haum, FETAG-BA, Vitória da Conquista/BA Rogério Bassete, Fazenda São José, Itabela/BA Rosabis Rocha Dias, Associação dos Pequenos Produtores Rurais da Baixa dos Taquaras, Barra do Choça/BA Rosalvo Gomes de Oliveira, produtor e comerciante de café, Bonito/BA Sandra Elizabeth, UESB, Vitória da Conquista/BA Sérgio de Oliveira, COOPMAC, Vitória da Conquista/BA Sérgio Pitt, AIBA, Luís Eduardo Magalhães/BA Silvana Leite, Bahia Bourbon Coffee, Salvador/BA Silvestre Gomes de Oliveira, Secretaria de Agricultura de Bonito/BA Sílvio Leite, Agricafé, Salvador/BA Thiago Khouri, Café Bahia, Vitória da Conquista/BA Valério Almeida, OCEB, Salvador/BA Valter Rodrigues Santos, Associação dos Pequenos Produtores Rurais de Santo Antônio, Barra do Choça/BA Wagner Correia , Fazenda Fermaco, Vitória da Conquista/BA Wanderlino Bastos, Fazenda Bom Retiro, Arataca/BA Wedson Marques de Souza, Associação dos Hortifrutigranjeiros da Ressaca, Piatã/BA 40