Renata Cardoso de SousaUniversidade Federal do Rio de JaneiroCentro de Filosofia e Ciências HumanasInstituto de HistóriaLa...
 Problema: por que Páris é representadodesse modo por Homero? Recorte temporal: c. século VIII a.C. Fontes:HOMERO. Ilía...
Nossos objetivos são:Denotar a importânciadas obras de Homero e doherói para se expressartodo um código deconduta adotad...
A poesia como instrumento depaideía: as epopeias encerram mitos;o mito “possui o espantoso poder deengendrar as noções fu...
 Sociedade em foco: “oherói da epopeia nunca é, arigor, um indivíduo. [...] seuobjeto não é um destinopessoal, mas o de u...
 “As pessoas vivenciam o ‘indivíduo’ e a‘sociedade’ como coisas distintas efrequentemente opostas [...] Uma dascondições ...
 “Penso, com efeito, que nãopodemos falar dos homens forado grupo nos quais esseshomens estão inseridos, forade seu conte...
Devemos ter em mente o que a sociedade espera deum herói, a fim de compreender as suas ações comoum meio de paideía.
SOCIEDADEHOMÉRICA
Odisseu“astucioso guerreiro” (v. 200); “em toda sorte de ardis entendidoe varão prudentíssimo” (v. 203); “o astucioso” (v....
 As obras homéricas, uma vezdifusora dos mitos, constitui-senum instrumento profícuo depaideía. Como a sociedade e o ind...
Sociedade Homérica, Sociedade Grega: Noções Importantes para o Estudo da “Paideía”
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Sociedade Homérica, Sociedade Grega: Noções Importantes para o Estudo da “Paideía”

801 views
606 views

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
801
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Sociedade Homérica, Sociedade Grega: Noções Importantes para o Estudo da “Paideía”

  1. 1. Renata Cardoso de SousaUniversidade Federal do Rio de JaneiroCentro de Filosofia e Ciências HumanasInstituto de HistóriaLaboratório de História AntigaIniciação Científica – Conselho Nacionalde Desenvolvimento Científico eTecnológicoOrientador: Prof. Dr. Fábio de SouzaLessa
  2. 2.  Problema: por que Páris é representadodesse modo por Homero? Recorte temporal: c. século VIII a.C. Fontes:HOMERO. Ilíada. Tradução, Carlos AlbertoNunes. São Paulo: Ediouro, 2009.HOMERO. Odisséia. Tradução, CarlosAlberto Nunes. São Paulo: Ediouro, 2009. Método:CARDOSO, Ciro Flamarion. Narrativa,Sentido, História. Campinas: Papirus,1997.
  3. 3. Nossos objetivos são:Denotar a importânciadas obras de Homero e doherói para se expressartodo um código deconduta adotado para aformação dos “belos ebons”, da aristocracia;Mostrar como isso é feitoao longo dessas epopeias;Imiscuir, adotando asconcepções de NorbertElias, as ideias de indivíduoe sociedade, possibilitandouma pesquisa quecontemple ambos.
  4. 4. A poesia como instrumento depaideía: as epopeias encerram mitos;o mito “possui o espantoso poder deengendrar as noções fundamentaisda ciência e as principais formas dacultura” (DETIENNE, 2008, p. 34) epor isso a sua difusão constitui umaprática de paideía.Do mesmo modo, a condutaexpressa pelos heróis também seconstitui em modelo.DETIENNE, Marcel. Os Gregos eNós: Uma Antropologia Comparada da GréciaAntiga. São Paulo: Edições Loyola, 2008.
  5. 5.  Sociedade em foco: “oherói da epopeia nunca é, arigor, um indivíduo. [...] seuobjeto não é um destinopessoal, mas o de umacomunidade” (LUKÁCS,2007, p. 67). Indivíduo em foco: “[...] ahonra do herói erapuramente individual, poisvivia por ela e por ela lutavatão só em defesa dela e nointeresse próprio” (FINLEY,1982, p. 111).
  6. 6.  “As pessoas vivenciam o ‘indivíduo’ e a‘sociedade’ como coisas distintas efrequentemente opostas [...] Uma dascondições fundamentais da existênciahumana é a presença simultânea dediversas pessoas interrelacionadas. [...]Não existe um grau zero devinculabilidade social do indivíduo, um‘começo’ ou ruptura nítida em que eleingresse na sociedade como que vindode fora, como um ser não afetado pelarede, e então comece a se vincular aoutros seres humanos. [...] Somenteatravés de um processo social demoldagem, no contexto decaracterísticas sociais específicas, é quea pessoa desenvolve as características eestilos comportamentais que adistinguem de todos os demaismembros da sociedade. A sociedadenão apenas produz o semelhante e otípico, mas também o individual (ELIAS,1994, p. 75, 27, 31, 55 e 56).ELIAS, Norbert. A Sociedade dos Indivíduos. Rio deJaneiro: Jorge Zahar Ed., 1994.
  7. 7.  “Penso, com efeito, que nãopodemos falar dos homens forado grupo nos quais esseshomens estão inseridos, forade seu contexto social preciso;[...]. Não encontramos, de umlado, indivíduos humanosisolados que poderiam sersubmetidos a um estudopsicológico e, de outro,realidades sociais que seriamcoisas inertes, submetidas emsua evolução a uma espécie dedeterminismo exterior, e quepoderíamos estudar comoobjetos. Uma sociedade é umsistema de relações entre oshomens, [...]. E, na concretudede sua existência, os homensdefinem-se também pela rededas práticas que os ligam unsaos outros” (VERNANT, 2009,p. 54). VERNANT, Jean-Pierre. Entre Mito e Política. SãoPaulo: EDUSP, 2009.
  8. 8. Devemos ter em mente o que a sociedade espera deum herói, a fim de compreender as suas ações comoum meio de paideía.
  9. 9. SOCIEDADEHOMÉRICA
  10. 10. Odisseu“astucioso guerreiro” (v. 200); “em toda sorte de ardis entendidoe varão prudentíssimo” (v. 203); “o astucioso” (v. 216) -> astúcia,inteligência estratégica.Menelau “de Ares forte discípulo” (v. 206) -> belicosidade.Ájax Telamônio“de bem maior estatura e de espaldas mais largas que os outros”(v. 227); “gigante” (v. 229) -> força corporal, imponência.Páris“Páris funesto, de bela forma, louco por mulheres, sedutor” (v.39); “Esses cabelos, a cítara, os dons de Afrodite, a beleza” (v. 55)-> beleza, habilidade musical, habilidade de sedução.
  11. 11.  As obras homéricas, uma vezdifusora dos mitos, constitui-senum instrumento profícuo depaideía. Como a sociedade e o indivíduosão partes de um parcomplementar, que seinterrelacionam, é misterconsiderar o que a sociedadeespera de um indivíduo a fim deanalisarmos a paideía dentro dostextos de Homero. Contudo, cada herói mantém suaindividualidade: esse grupo não éuma “massa indistinta” de pessoas,mas, como em toda sociedade,cada um se difere por umahabilidade diferente.

×