O Cineclube de História comoinstrumento de prática pedagógicaLicencianda Renata Cardoso de SousaProf.ª Alessandra Carvalho...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

O Cineclube de História como instrumento de prática pedagógica

99

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
99
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O Cineclube de História como instrumento de prática pedagógica

  1. 1. O Cineclube de História comoinstrumento de prática pedagógicaLicencianda Renata Cardoso de SousaProf.ª Alessandra CarvalhoProf. Emilio di BernardiO Cineclube: como um dos instrumentos para o aprimoramento e a dinamização doprocesso de ensino e aprendizagem de História, o Cineclube visa incorporar, cada vez mais, essaprática audiovisual nas salas de aula, tratando de assuntos que tangem a realidade do cotidianosocioescolar. Além disso, com o crescente avanço tecnológico da atualidade, faz-se necessárioincluir essas novas tecnologias no ensino, a fim de dialogar com elas e de utilizá-las para ajudar noprocesso cognitivo dos alunos.O antropólogo Marc Augé nos mostra como os meios audiovisuais são loci importantes depercepção do “paradoxo da modernidade” (crescente globalização e crescente individualização) ede identidade/alteridade, visto que “a ficção pode ser, portanto, para a imaginação e a memóriado indivíduo, a oportunidade de experimentar a existência de outras imaginações e outrosimaginários” (AUGÉ, 1998, p. 106). E justamente por acreditarmos ser o ensino de História umlugar de discussão desse binômio que o Cineclube, por sua vez, vem a fomentar essas questões,trabalhando com as múltiplas identidades existentes dentro do cotidiano escolar e com oexercício da tolerância, da compreensão do próximo e da cidadania. Também é mister para nossaatividade que trabalhemos os aspectos constitutivos do filme (não só quem o compõe, em queano, mas de que maneira os enquadramentos, a trilha sonora, enfim, aquilo que constrói o filme,dá sentido a ele), visto que ele é uma fonte histórica (não do período que ele trata, mas doperíodo em que ele foi feito). Desse modo, as considerações de Jean-Claude Carrière em seu livroA Linguagem Secreta do Cinema se fazem muito profícuas para nosso trabalho.Um exemplo disso foi a exibição do filme Desaparecido – Um Grande Mistério (1982), dodiretor grego Costa-Gavras. Vejamos algumas considerações:• O filme, o qual trata da ditadura de Augusto Pinochet, foi lançado na época em que o seu regimeestava ainda no seu auge;• A história de vida de Costa-Gavras imiscui-se com o tema;• Cinco temas comuns, quando se trata de ditaduras, estão presentes no filme: a violênciaexacerbada, o moralismo, a resistência ao regime, o controle das ideias e o envolvimento dosEstados Unidos;• Questão do relato: os vizinhos deCharlie dão várias versões diferen-tes do mesmo fato (sua prisão);• Ao encontrar Babcock (RichardBradford), um oficial da Marinhanorte-americana, Charlie obtém a informação de que ele está indo para a Bolívia: questão dainstabilidade política boliviana;• Um dos embaixadores dos Estados Unidos no Chile fala que o país não é mau, mas que ele agoraquer ir para o Brasil: milagre econômico e ditadura militar;• Situação do filme através da primeira sequência de imagens;Referências bibliográficas mencionadas:AUGÉ, Marc. A guerra dos sonhos: exercícios de etnoficção. Campinas:Papirus, 1998.CARRIÈRE, Jean-Caude. A Linguagem Secreta do Cinema. Rio de Janeiro:Nova Fronteira, 2005.Universidade Federal do Rio de JaneiroCentro de Filosofia e Ciências HumanasFaculdade de EducaçãoColégio de AplicaçãoSetor Curricular de HistóriaPrograma Institucional de Iniciação Artística e Cultural16 de setembro de 1973. Beth (Sissy Spacek) eCharles (John Shea) moram em Santiago, noChile, e presenciam o golpe de AugustoPinochet.Várias pessoas começam a desaparecer, o quepreocupa o casal e seus amigos, até que opróprio Charles desaparece.Seu pai (Jack Lemmon), que mora em NovaYork, vai até o Chile para acompanhar asinvestigações junto de Beth e os doisempreendem sozinhos uma verdadeira sagaem busca de Charles, já que a embaixada dosEstados Unidos parece não querer ajudar.Baseado no livro A Execução de CharlesHorman: Um Sacrifício Americano (1978), deThomas Hauser, é o primeiro filme americanode Costa-Gavras.Direção: Costa-GavrasData: 26/10/2012Horário: 15:30hPara alunos do 9º ano doEnsino Fundamental ao 3ºano do Ensino Médio,professores, licenciandose funcionárioseDireção: Costa-GavrasData: 26/10/2012Horário: 15:30hPara alunos do 9º ano doEnsino Fundamental ao 3ºano do Ensino Médio,professores, licenciandose funcionárioseAo tratar de um tema intrinsecamente ligado àintolerância (uma das propostas principais doCineclube, com a qual temos trabalhado nosúltimos anos), estimulamos os alunos: a) aestabelecer essa relação entre ditaduras eintolerância; b) a refletir sobre as implicaçõesdas “intolerâncias múltiplas” no período; c) arelacionar o conteúdo histórico com a linguagemcinematográfica; d)a refletir sobre as analogiaspresentes nessa linguagem, bem como aperpetuação delas; e) a compreender aimportância do filme para a compreensão darealidade em que se vive.

×