Your SlideShare is downloading. ×
0
Horas mortas...Curvada aos pés do Monte A planície é um brasido....e, torturadas, As árvores sangrentas, revoltadas, Grita...
E quando, manhã alta, o sol posponte A oiro a giesta, a arder, pelas estradas, Enfíngicas, recortam desgrenhadas Os trágic...
Árvores! Corações, almas que choram, Almas iguais à minha, almas que imploram Em vão remédio para tanta mágoa!
Árvores! Não choreis! Olhai e vede: - Também ando a gritar, morta de sede, Pedindo a Deus a minha gota de água!
"ÉVORA" FLORBELA ESPANCA
Évora! Ruas ermas sob os céus Cor de violetas roxas... Ruas frades Pedindo em triste penitência a Deus Que nos perdoe as m...
Tenho corrido em vão tantas cidades! E só aqui recordo os beijos teus, E só aqui eu sinto que são meus Os sonhos que sonhe...
Évora!... O teu olhar... o teu perfil... Tua boca sinuosa, um mês de Abril, Que o coração no peito me alvoroça!
...Em cada viela o vulto dum fantasma... E a minh'alma soturna escuta e pasma... E sente-se passar menina e moça...
FOTOS: OLHARES.COM Formatação: Gina SF
Florbela Espanca (1894-1930)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Florbela Espanca

1,505

Published on

poems of a portuguese female poet

Published in: Automotive, Education, Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,505
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
31
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Florbela Espanca"

  1. 1. Horas mortas...Curvada aos pés do Monte A planície é um brasido....e, torturadas, As árvores sangrentas, revoltadas, Gritam a Deus a benção duma fonte! "ÁRVORES DO ALENTEJO" Florbela Espanca
  2. 2. E quando, manhã alta, o sol posponte A oiro a giesta, a arder, pelas estradas, Enfíngicas, recortam desgrenhadas Os trágicos perfis no horizonte!
  3. 3. Árvores! Corações, almas que choram, Almas iguais à minha, almas que imploram Em vão remédio para tanta mágoa!
  4. 4. Árvores! Não choreis! Olhai e vede: - Também ando a gritar, morta de sede, Pedindo a Deus a minha gota de água!
  5. 5. "ÉVORA" FLORBELA ESPANCA
  6. 6. Évora! Ruas ermas sob os céus Cor de violetas roxas... Ruas frades Pedindo em triste penitência a Deus Que nos perdoe as míseras vaidades!
  7. 7. Tenho corrido em vão tantas cidades! E só aqui recordo os beijos teus, E só aqui eu sinto que são meus Os sonhos que sonhei noutras idades!
  8. 8. Évora!... O teu olhar... o teu perfil... Tua boca sinuosa, um mês de Abril, Que o coração no peito me alvoroça!
  9. 9. ...Em cada viela o vulto dum fantasma... E a minh'alma soturna escuta e pasma... E sente-se passar menina e moça...
  10. 10. FOTOS: OLHARES.COM Formatação: Gina SF
  11. 11. Florbela Espanca (1894-1930)
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×