• Like
Litosfera 110419124325-phpapp02
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Litosfera 110419124325-phpapp02

  • 427 views
Published

 

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
427
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
15
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. LITOSFERA RESUMO: Identificar as características internas e externas que influenciam a crosta terrestre. Geologia: Estuda a constituição e a evolução física da Terra.
  • 2. Evolução Geológida Terra:ca     Originou-se cerca de 4,5 Bilhões de Anos. O tempo Geológico é dividido em: Eons →Eras →Períodos→Épocas → Idades → Fases As eras geológicas servem para mostrar a evolução da Terra até o aparecimento do homem.
  • 3. Era: Pré-Cambriana.       Proterozóico – Arqueozóico – Azóico Formação dos Escudos Cristalinos ou núcleos cratônicos; Formação das jazidas minerais terrenos do proterozóico; Dobramentos antigos: Ex.: Serras do mar e da mantiqueira (Mov. Laurenciano) Arqueozóico; A chapada de Diamantina (BA) e Serra do Espinhaço. (Mov. Huroniano) Proterozóico.
  • 4. Era: Paleozóica.       Permiano – Carbonífero – Devoniano – Siluriano – Ordoviciano – Cambriano Origem das bacias sedimentares; Rochas sedimentares; Surgimento de Pangéia; Jazidas carboníferas. Brasil.: Região permocarbonífera(PR,SC e RS); Mar do Devoniano.
  • 5. Mesozóico :        Cretáceo – Jurássico – Triássico Divisão da Pangéia (Laurasia e Godwana); Divisão dos grandes répteis (dinossauros); Intensa atividade vulcânica(sul do Brasil)Região de Poços de Caldas e Araxá em MG; Arquipélago de Fernando de Noronha; Bacias Petrolíferas(Cretáceo); Era dos dinossauros.
  • 6. Cenozóico Dobramentos Modernos Terciário Surgimento de Aves, mamíferos e Primatas Atuais Continentes Surgimento do homem. Quartanário Últimas glaciações.
  • 7. litosfera     Elementos quimicos → Minerais →Rochas →solos; É também chamada de Crosta terrestre; O planeta Terra é um corpo dinâmico. Na Litosfera encontram-se os recursos minerais e energéticos que alimentam as complexas organizações econômicas.
  • 8. Estrutura Interna da Terra     O conhecimento sobre o interior da terra baseia-se em observações indiretas; O Grau geotérmico, a cada 33m de profundidade aumenta 1°C; As lavas (porções líquidas de magma); Analise de tremores que ocorrem no interior da terra. Camadas da Terra: Crosta Terrestre → Manto → Núcleo
  • 9. Divisão do interior da Terra  Crosta terrestre   Sial = 5 a 15 km (silício+ alumínio) Sima= 30 a 60 km (silício+ magnésio) Manto Material mais denso, constituído principalmente por magnésio, ferro e silício. Na parte externa do manto → Astenosfera ou manto → e seu movimento de convecção. Núcleo Formado por Níquel e Ferro. Estima-se da superfície ao núcleo 6.370 km.
  • 10. Camadas da Terra
  • 11. Crosta Terrestre em Movimentos Deriva dos continentes • Teoria de Alfred Wegener em 1912; • No período carbonífero do paleozóico havia uma única massa continental que ele denominou de Pangéia; • Prova: As formas dos Continentes, vegetação e animais parecidos. Pangéia Laurásia – Norte Gondwana – Sul
  • 12. Alfred Wegener - 1910 Livro: A origem dos continentes e dos oceanos P angea Cientista alemão Teoria da deriva continental
  • 13. Evidências de Wegener GEOGRÁFICAS : As linhas da costas de alguns continentes se encaixam perfeitamente
  • 14. PALEONTOLÓGICAS: Fósseis de animais e vegetais
  • 15. Tectônica de Placas      Em 1967, Janson Morgam, criou a teoria das placas tectônicas, apoiada teoria de Wegener (deriva continental) na teoria de Homes (expansão do fundo dos oceanos). Movimentos ou Diastrofismo das Placas Convergência  Processo de Fricção que pressiona as placas a outra; Divergência  Processo de Afastamento entre placas; Suducção  Quando uma placa (mais densa) “mergulha” sob a continental (menos densa); Obducção ou colisão  de duas placas na porção continental.
  • 16. Placas Tectônicas
  • 17. Regiões de instabilidades tectônicas  Círculo do Fogo: Maior  ocorrência de vulcões, que se estende pelo oceano Pacífico, Atlântico e pelo mar mediterrâneo Pode ser: Círculo do Pacífico e do Atlântico
  • 18. Tectonismo endógeno) (Agente  Orogênese: Movimento horizontal provoca dobramentos devido plasticidade;  Epirogênese: Movimento provoca rebaixamento e (consequência esostásica) regressão marinha Tipos:  que a vertical que soergmento transgressão
  • 19. Movimento Horizontal  OROGÊNESE: Movimento horizontal das camadas das placas tectônicas que provocam dobramentos devido sua plasticidade.
  • 20. Dobramentos Modernos  orogênese  limites de placas convergentes
  • 21. Movimento Vertical  Epirogênese: Movimento vertical que provoca rebaixamento, soergmento e transgressão regressão marinha
  • 22. Epirogênese  Região foi alçada à altitude atual por epirogênese, que deram origem a um sistema de falhas na direção ENE-WSW.(Vale do Paraíba, entre as Serras do Mar e Mantuqueia)
  • 23. Movimento Transformante Falha de San Andreas
  • 24. Vulcanismo endógeno) (Agente
  • 25. Atividade vulcânica Consiste na saída do magma e os gases a ele associados a partir do interior da Terra;  Vulcanologia: Ramo da Geologia que se dedica ao estudo do Vulcanismo. Área de ocorrência:  No ponto em que uma placa tectônica se superpõe a uma outra (subducção);  Ao longo das cristas médio-oceânicas, onde as placas se afastam umas das outras Aparelho vulcânico  É a estrutura vulcânica que forma um vulcão. Tipos Principais: 
  • 26. tsunami (ONDA DE PORTO)  ocorrem após perturbações abruptas que pode deslocar no sentido vertical uma coluna de água devido a um sismo, vulcanismo e a um tectonismo dentro ou perto do mar.
  • 27. Causas na Crosta Oceânica  Erupções vulcânicas;  Sismos submarinos;  bolha de gás no fundo do oceano.
  • 28. Profundidade dos sismos Podem ser classificados de três formas:  Superficiais – ocorrem entre a superfície e os 70km de profundidade (85%);  Intermédios – ocorrem entre os 70 e os 350km de profundidade (12%);  Profundos – ocorrem entre os 350 e os 670km de profundidade (3% dos sismos);  Em profundidades superiores a 700km são muito raros. OBS.:Na crosta continental, a maior parte dos sismos ocorrem entre os 2 e os 20 km.
  • 29. Escala Richter
  • 30. Agentes internos (Lembretes)     Resultam de pressões vindas do interior da Terra e que agem na crosta terrestre.As pressões são verticais e horizontais. Vulcanismo. Formas pelas quais o magma do interior da Terra chega até a superfície. Abalos sísmicos ou terremotos .É uma vibração que se origina nas profundezas da crosta terrestre. O ponto do interior da Terra onde se inicia o terremoto é o hipocentro . O epicentro é o ponto da superfície terrestre onde ele se manifesta. Tectonismo.Os movimentos tectônicos
  • 31. Rochas São agregados de minerais. De acordo com sua origem, podem ser :  Rochas Magmáticas ou Ígneas: Extrusiva ou Vulcânica; Intrusiva ou Plutônica;  2. Rochas Sedimentares: Detríticas; Orgânicas; Químicas;  Metamórficas:  São formadas pela transformação de rochas pré-existente devido a elevada pressão e temperatura da terra.
  • 32. Distribuição e abundância   Em extensão, as rochas sedimentares predominam Em volume, são as rochas ígneas e metamórficas as mais abundantes. 80 70 60 ígneas 50 40 30 20 10 0 sedime ntares metamó rficas
  • 33. Rochas Magmáticas ou Ígneas    São formadas pelo resfriamento do magma. Intrusiva ou Plutônica: Resfriamento no interior da terra; Lento. Por isso, formas cristais; Ex.: Granito, sienito, diorito, gabro. Extrusiva ou Vulcânica: Resfriamento do magma fora da litosfera; Rápido, não formas cristais, e sim uma massa homogênea (Massa Afanítica). Ex.: Basalto → Terra roxa
  • 34. INTEMPERISMO Solidificaçã o = Rocha Ígnea Intrusiva ou plutônica Extrusiva ou vulcânica Magma
  • 35. Rochas Sedimentares: Resultam da decomposição e acumulação de detritos de outras rochas  Detríticas: Ocorre em camadas horizontais Acumulação de Fragmentos de outras rochas. Ex: Areia, Arenito, Argila.  Orgânicas: Formada pela acumulação dos dejetos de animais e vegetais Ex: Calcário, Carvão Mineral, Petróleo.  Químicas: Transformações químicas que algumas matérias em suspensão sofrem na água. Ex: Sal-Gema (Cloreto de Sódio), Estalactite e Estalagmite (Bicarbonato de Cálcio) 
  • 36. METAMORFISM O Os processos Metamórficos ocorrem, em geral , associados aos processos tectônicos. (intimamente associadas a rochas plutônicas). Fatores condicionantes Temperatura e pressão Presença de fluídos e tempo de duração dos processos
  • 37. Metamórficas  Resultam do metamorfismo sofrido pelas rochas magmáticas, sedimentares devido à pressão e ao calor. Ex: Gnaisse deriva do granito; Ardósia deriva do xisto; Mármore deriva do calcário; Quartzito deriva do arenito; Obs.: Ciclo das Rochas: As rochas estão se formando e se modificando constantemente.
  • 38. CICLO DAS ROCHAS
  • 39. Relevo Ciência: Geomorfologia É a ciência que estuda as formas de relevo.  Estrutura Geológica: Conjunto de rochas que formam o subsolo e como elas se encontram dispostas. Tipos Bacias Sedimentares →Maciços Antigos → Dobramentos Modernos  As formas de relevo e os demais elementos naturais (climas, vegetação, hidrografia) resultam da dinâmica processada e comandada pela própria natureza ao longo do tempo. 
  • 40. Bacias Sedimentares Datam do Paleozóico, Mesozóico e Cenozóico; São formadas do acumulo de sedimentos das rochas; Estão associados à ocorrência de combustíveis fosseis;  Crátons ou Maciços Antigos ou Escudos Cristalinos Datam da Era Pré-Cambriana; Formado por rochas magmáticas e metamórficas; Ocorrem jazidas minerais (manganês, alumínio, estanho)  Dobramentos Modernos Trechos da crosta de formação recente; Situados próximos a bordas das placas, que devido à pressão, formam montanhas. Ex: Alpes, Andes, rochosas, Himalaia. 
  • 41. A Origem do Himalaia
  • 42. Definições de Relevo         Planaltos Áreas +ou- planas com altitudes acima de 200m do nível do Mar; Dispersora de sedimentos. Planícies Áreas aplainadas com altitudes inferiores a 200m do nível do mar; Receptoras de sedimentos. Depressões São áreas rebaixadas processos erosivos nos limites das bacias com os maciços antigos.
  • 43. Relevo Brasileiro       Características principais: É bastante antigo; É bastante erodido; Apresenta boa variedade de formas; É de baixa altitude; EX. 92,56% são inferiores a 900 metros. Planaltos e Depressões.(predominantes); As planícies geralmente apresentam altitudes inferiores a 200 metros.
  • 44. Tipos de Depressões Periféricas: Contatos entre estruturas cristalinas e periféricas. Ex: Depressão periférica Sul-Rio-Grandense.  Marginais: Margeiam as bordas das Bacias sedimentares, esculpidas em estruturas cristalinas. Ex: Depressão Sul - Amazônica.  Interplanálticas: São áreas mais baixas em ralação aos planaltos que as circundam. Ex: Depressão sertaneja e do São Francisco. 
  • 45. Classificação de Aroldo de Azevedo  Década de 1940; É classificação mais tradicional;  O critério utilizado é o altimétrico;  Há Planaltos e planícies.
  • 46. Classificação de aziz Ab’Saber  Década de 1960;  Critério: processos Geomorfológicos;  Planície é uma área de sedimentação.  Planalto e uma área em desgastes.
  • 47. Classificação de Jurandyr Ross     Anos 1980; Participou do projeto Radambrasil, realizado entre 1970 e 1985. Há 28 unidades de relevo no terrítório; Critérios:Morfoclimáti cos, geoestrutura e geoescultura;
  • 48.          AGENTES DO RELEVO O relevo terrestre é o resultado da ação de forças que agiram no decorrer de milhões de anos. Agentes do relevo: Agentes internos (Forças endógenas) Tectonismo; Vulcanismo e os abalos sísmicos. Agentes externos (Força exógenas) Ação das águas; Ação do vento; Ação da Geleira; Do intemperismo (Físico e Químico).
  • 49. OS AGENTES EXTERNOS   O relevo terrestre sofre a ação conjunta e simultânea de agentes externos , que o modificam, com tendência a aplainar os terrenos lenta e constantemente. A ação erosiva engloba três fases: erosão , transporte e deposição . Erosão Ventos Eólica Rios Fluvial Oceanos e mares Marinha Chuvas Pluvial Gelo Glacial
  • 50. Eólica O deslocamento do ar e as partículas soltas transportadas promovem desagregação da rocha  O transporte eólico: 1- Arrastamento 2- Saltitação 3- Suspensão ou Deflação 
  • 51. Fluvial    Ex:Delta. É formado por vários canais ou braços do leito do rio; Esse tipo de foz é comum em rios de planície que favorece o acúmulo de areia e aluviões na foz do rio.
  • 52. Abrasão marinha    Ex: Falésia É uma forma geográfica litoral, caracterizada por um abrupto encontro da terra com o mar. Formam-se escarpas na vertical que terminam ao nível do mar
  • 53. Voçoroca    É um fenômeno que consiste na formação de grandes buracos, causados pela chuva e intempéries É um fenômeno colabora para o assoreamento de rios O responsável por este tipo de erosão acelerada, é o homem
  • 54. Fiordes   formaram-se, originalmente, devido a ação de imensas placas de gelo chamadas geleiras A sua origem remonta a aproximadamente 12 mil anos, durante a última Era glacial.
  • 55. SOLOS O solo é a camada mais superficial da litosfera resultante da decomposição e desagregação química, física e orgânica de uma rocha.  É composto de ar, água, matéria orgânica e mineral. O solo pode ser visto sobre diferentes óticas:  Engenharia civil: material escavável, que perde sua resistência quando em contato com a água.  Agronomia: camada de terra arável, possuidora de vida microbiana.  Geologia: produto do intemperismo físico e químico das rochas. OBS.: Um solo é o produto de uma ação combinada e concomitante de diversos fatores. 
  • 56. fatores da formação de solo É produto do intemperismo sobre uma Rocha      Matriz. Clima - O fator mais importante, principalmente em países tropicais; Rocha mãe - É a rocha que origina o solo; Tempo - O mais abstrato dos fatores, porém não menos importante; Organismos vivos - podem destruir o solo mecanicamente, abrindo poros, e quimicamente, criando ácidos em sua decomposição; Relevo - O relevo influência nos caminhos de drenagem da água e no clima.
  • 57. Parte Mineral Três frações principais: Areia - A parte mais grosseira;  Silte - Não se agrega como a argila e suas partículas são muito pequenas e leves;  Argila - Material proveniente da decomposição das rochas feldspáticas. A textura do solo depende da proporção destas frações na sua composição. Podem influenciar na:  Taxa de infiltração e armazenamento da água;  Facilidade de mecanização;  Fertilidade do solo. 
  • 58. INTEMPERISMO Físico Químico PEDOGÊNES E Solos produtos resultante da decomposição e Depósitos desagregação de lateríticos uma rocha
  • 59. Classificação dos solos Em três ordens:    Zonal: São aqueles em relevos, climas estáveis e de formação antiga. Ex: Latossolos e Podzólicos Azonal: São aqueles solos em ambientes instáveis. Ex: aluviões; Intrazonal: São aqueles que o relevo local ou material de origem prevalece. Ex: Halomórfico e Hidromórfico.
  • 60. TIPOS DE SOLO  Latossolos Esses solos têm uma coloração que varia do avermelhado ao amarelado, por causa da maior ou menor quantidade de óxido de ferro e de alumínio que os compõem. Por aparecerem em áreas úmidas e quentes, sofrem um intenso processo de lixiviação .  Latossolo terra roxa Embora considerado um latossolo, apresenta alto grau de fertilidade, pois sua origem é vulcânica, ou seja, é formado por rochas eruptivas básicas (basalto) ou magmáticas.  Massapé De coloração escura e bastante argiloso, é formado pela decomposição do granito em clima tropical.  Löess O löess é um solo formado por sedimentos de fina granulação trazidos pelos ventos. É também bastante argiloso, com alto teor de quartzo e cálcio.  Tchernozion Trata-se de um solo negro, extremamente fértil, rico em húmus, com uma espessura média de um metro, típico de locais de clima temperado continental, coberto pro gramíneas e forma as estepes ou pradarias.
  • 61. PROBLEMAS DO SOLO solo por A perda de produtividade do • causa do manejo inadequado das culturas, do uso excessivo de fertilizantes e da destruição da cobertura vegetal é responsável hoje pela desertificação de extensas áreas do globo. Desertificação •15% da superfície terrestre está sob risco de desertificação em algum grau. As áreas mais afetadas são o oeste da América do Sul, o nordeste do Brasil, o norte e o sul da África, o Oriente Médio, a Ásia Central, o noroeste da China, a Austrália e o sudoeste dos Estados Unidos (EUA). • O processo de desertificação e diferente da expansão dos desertos.
  • 62. Erosão: prejudica grandemente a fertilidade do solo pela retirada da camada de humo, deixando o solo pobre e improdutivo. É causada pela ação das águas da chuva, rios, mares, geleiras, pelo vento e pela ação do homem.
  • 63. RELEVO MARANHENSE Estrutura Geológica  É um espaço constituí por diferentes tipos de conjuntos rochosos, formado ao longo do tempo geológico;  O terreno maranhense é oriundo de diferentes Eras e Períodos. Núcleos cristalinos (10% do território) Era: Pré-Cambriano  Gurupi: Noroeste do estado;  Perizes: Entre o Baixo Munim e Baixo Itapecuru
  • 64. Bacias sedimentares (90%do território)  São Farenozóicas ;  As Bacias sedimenta- res mais antigas estão situadas no centro-sul e as mais recentes ,na direção Centronorte do território;  São áreas onde há
  • 65. Relevo Maranhense Características:  Apresenta feições típicas das litologias sedimentares dominantes;  De acordo com Aziz Nacib Ab`Saber, é formado duas unidades morfológicas: Planaltos e Planícies;  De acordo com Jurandir Ross é formado por três unidades morfológicas: Depressões, tabuleiros e Planícies;
  • 66. Perfil do Relevo Maranhense
  • 67. Planícies  Cerca de 60% do território maranhense são de Planícies; Processo Geomorfológicos: Planície sublitorânea:  Prolongamento da faixa costeira em direção ao oceano;  Abrange a Plataforma continental;  É larga a oeste (250 Km) e estreito a leste, com profundidade de até 200 metros.
  • 68. Planície Litorânea:  Modelada pelo fluxos das marés;  Da origem ao relevo litorâneo;  Compreende o Litoral ocidental, o Golfão maranhense e o Litoral Oriental; Planície Fluvial:  Morfoescultura modelada pelos rios nos baixos cursos;  A convergência dos rios Mearim, Pindaré, Grajaú e os movimentos de transgressão e regressão marínha moldou a Baixada maranhense.
  • 69. Planaltos A Porção centro-sul (Planalto maranhense) do território possui três classificações:  Planalto Central: De Aroldo de Azevedo;  Baixos Planaltos sedimentares completados pelo Planalto Meio-norte: De Aziz Ab`Saber;  Planaltos e Chapadas da Bacia sedimentar do Parnaíba: De Jurandir Ross. Características principais:  Compreende cerca de 40% do território;  Apresenta altitudes entre 200 a 800 metros. São subdivididos em:
  • 70. PLANALTO CENTRAL  Localiza-se na poção do Planalto maranhense;  Predomina formas dissecadas com tópos tabulares com bordas abruptas. Destaques: Serras: Sinta, Negra (686 metros), Branca, Alpercatas e Itapecuru.
  • 71. PLANALTO ORIENTAL  Morfoescultura do Leste em direção ao Nordeste;  Apresenta formas tabulares com cotas altimétricas máximas em torno de 460 metros; Destaque: Serra: Do Valentim, entre Timon e Caxias.
  • 72. PLANALTO OCIDENTAL  Morfoescultura do Oeste Maranhense com direção Nordeste-sudoeste;  Altitudes máximas em Torno de 350 metros; Destaques: Serras: De Gurupí, Tiracambu e Desordem.
  • 73. PLANALTO MERIDIONAL  Estão agrupadas maiores altitudes;  Localizadas no extremo Sul do maranhense; as planalto Destaques: Serras: Gado Bravo, separa os rios Manuel Alves Grande do Balsa; Penintente, separa o rio
  • 74. DEPRESSÕES DE BALSAS  São morfoesculturas rebaixadas;  Modelada pela drenagem fluvial (Rio Balsas);  É dominada por formas amplas e baixas com maiores altitudes a montante rio;  Cotas altimétricas em torno de 350 metros