Your SlideShare is downloading. ×
0
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Implantação da TV Digital Terrestre
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Implantação da TV Digital Terrestre

503

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
503
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Implantação da TV Digital Terrestre1. Considerações legais2. Aspectos tecnológicos que influenciam na  cobertura de sinal e no valor do investimento  em equipamentos de transmissão.3. Exemplos básicos de configurações de  sistemas 
  • 2. 1. Considerações cronológicas legais• Implantação regulamentada pelo Decreto nº 5.820 da   Presidência da República de 29 de junho de 2006.O cronograma de implantação observa o limite de até 7 anos, observando a ordem:1. Estações geradoras de TV nas Capitais dos Estados e  no Distrito Federal;2. Estações geradoras nos demais municípios; 3. Serviços de retransmissão de TV nas Capitais dos  Estados e no Distrito Federal;4. Serviços de retransmissão de TV nos demais  municípios.
  • 3. 1. Considerações cronológicas legais• Estabelecimento de critérios, procedimentos e prazos para a consignação de canais    de radiofreqüência definidos pela portaria MC 652 de 10 de outubro de 2006. Cronograma para apresentação do requerimento de consignação ao MC:I. Geradoras das capitais dos Estados e DF:a) Até 29‐dez‐2006: cidade de São Paulo;b) Após 29‐jun‐2007: 1. Até 30‐nov‐2007: BH, Brasília, Fortaleza, RJ, Salvador; 2. Até 31‐mar‐2008: Belém, Curitiba, Goiânia, Manaus, Porto Alegre e  Recife; 3. Até 31‐jul‐2008: Campo Grande, Cuiabá, João Pessoa, Maceió, Natal,  São Luiz e Teresina; 4. Até 30‐nov‐2008: Aracaju, Boa Vista, Florianópolis, Macapá, Palmas,  Porto Velho, Rio Branco e Vitória
  • 4. 1. Considerações cronológicas legaisII. Geradoras situadas nos demais municípios: De 1º de outubro de 2007 até 31 de março de 2009.III. Retransmissoras situadas nas capitais dos Estados e no Distrito  Federal: De 1º de outubro de 2007 até 30 de abril de 2009.IV. Retransmissoras situadas nos demais municípios: De 1º de outubro de 2007 até 31 de março de 2011.
  • 5. 1. O resultado pratico do ponto de vista da recepção da TV digital é  bastante diferente da recepção da TV analógica.  Enquanto que na TV analógica podemos fazer uma avaliação visual  do nível do sinal recebido pela simples observação da imagem, a  qualidade da recepção da TV digital se mantém inalterada para uma  gama bastante grande de níveis de sinais, interferências externas e  reflexões (fantasmas na TV analógica).2. Um sinal analógico interfere destrutivamente em um sinal digital não  acontecendo o mesmo no caso inverso (canais analógicos adjacentes  a canais digitais podem interferir destrutivamente nestes).3. Uma medida de sinal digital em nível satisfatório não é suficiente  para uma recepção de qualidade.4. Um bom projeto de instalação deverá levar em consideração a  localização do sistema irradiante, a inclinação de feixe se esta se fizer  necessária, a linearidade do equipamento transmissão e a qualidade  técnica do sistema irradiante.
  • 6. As informações mostradas a seguir foram obtidas do site da Anatel (Sitarweb) ‐ amostragem de 30 Geradoras:Classe Emissora Quant. ERP Cont. Prot. A 08 8,0 kW 42 km B 18 0,8 kW 29 km C 03 0,08 kW 18 km Nid 01 Nid Nid
  • 7. Classe Quant Potências de Transmissor 50 W 100 W 250 W 500 W 1 kW A 8 1 7 B 18 4 3 4 2 5 C 3 1 1 1 Vlr. Unit 30.000,00 33.000,00 43.000,00 75.000,00 120.000,00 Vlr. Total 180.000,00 132.000,00 473.000,00 225.000,00 600.000,00 Vlr. Total de todos os equipamentos de transmissão 1.610.000,00
  • 8. Antenas de TransmissãoEsta análise de TV Digital considerou na maioria dos casos, umaAntena Slot de 4 fendas com ganho de 8,3 dBd, canal 36.O tipo e o valor da antena só poderá ser definido pelo projeto definitivo.Os preço de cada sistema de transmissão poderá variar de R$ 5.000,00 aR$ 50.000,00 dependendo da potência, do tipo de sistema irradiante e dofornecedor.
  • 9. Estúdios TransmissoresSituação atual:Em  várias instalações de televisão analógica, o link ST de microondas é substituído por  equipamento de UHF de mais baixo custo com a consequente perda de qualidade do sinal.Em sistemas de transmissão digital temos várias opções de enlace ST.A Rede Minas está pesquisando sistema alternativo de baixo custo que poderá ser utilizado para esta aplicação e também aplicações de Externas.
  • 10. Rede Minas Transmissores Digitais
  • 11. Rede Minas Antenas de transmissão (Digital e Analógica)
  • 12. Rede Minas NoBreak e distribuição elétrica
  • 13. Rede Minas DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO ANEXADOS A REDE E ARQUIVAMENTO

×