Gabarito   2º ano - global - literatura - 1ª etapa
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Gabarito 2º ano - global - literatura - 1ª etapa

on

  • 4,910 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,910
Views on SlideShare
4,906
Embed Views
4

Actions

Likes
1
Downloads
32
Comments
0

2 Embeds 4

http://www.profaxavier.blogspot.com 3
http://profaxavier.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Gabarito   2º ano - global - literatura - 1ª etapa Gabarito 2º ano - global - literatura - 1ª etapa Document Transcript

    • AVALIAÇÃO GLOBAL DE LITERATURA – 1ª ETAPA – 2011 Nome: GABARITO OFICIAL Nº: TE: 51 EO: NOTA: Série: 1º Turma: Turno: Data: ___/___/___ Prof: Rebeca  CONTEÚDO DA AVALIAÇÃO: O Romantismo / Paradidático: Memórias Póstumas de Brás Cubas.  OBSERVAÇÕES SOBRE A PROVA: A prova é um documento de sua vida estudantil, portanto, NÃO a amasse ou rasure. Leia ATENTAMENTE os enunciados antes de passar sua resposta para caneta, lembramos que só serão corrigidas as provas respondidas à caneta de tinta AZUL ou PRETA tradicionais, não sendo aceitas tintas de outras cores. As questões de múltipla escolha que estiverem rasuradas NÃO serão corrigidas, nessas questões, o uso do corretivo NÃO é aceito.Leia:“Não me Deixes! E das águas que fogem incessantesDebruçada nas águas dum regato À eterna sucessãoA flor dizia em vão Dizia sempre a flor, e sempre embalde:A corrente, onde bela se mirava... „Ai, não me deixes, não!„Ai, não me deixes, não! Por fim desfalecida e a cor murchada,„Comigo fica ou leva-me contigo Quase a lamber o chão,„Dos mares à amplidão, Buscava inda a corrente por dizer-lheLímpido ou turvo, te amarei constante Que a não deixasse, não.„Mas não me deixes, não!‟ A corrente impiedosa a flor enleia,E a corrente passava; novas águas Leva-a do seu torrão;Após as outras vão; A afundar-se dizia a pobrezinha:E a flor sempre a dizer curva na fonte: „Não me deixaste, não!‟”„Ai, não me deixes, não!‟DIAS, Gonçalves. In: MOISÉS, Massaud. A Literatura Brasileira através de textos.01 O lamento da flor representa fielmente o sentimento romântico de:a) evasão no tempo;b) amor incondicional ao outro;c) supervalorização da natureza;d) exaltação do sonho, da fantasia;e) desejo de morte pelo amor não correspondido.02 Observa-se a inversão, como recurso estilístico, no verso:a) “A flor dizia em vão”b) “Mas não me deixes, não.”c) “E a corrente passava”d) “Dizia sempre a flor, e sempre embalde”e) “Leva-a do seu torrão”03 Assinale o fragmento que não corresponde ao indianismo romântico:a) “As leis da cavalaria no tempo em que floresceu em Europa não excediam por certo empundonor e brios à bizarria dos selvagens brasileiros.” (José de Alencar).
    • b) “Não há hoje a menor razão porque desconheçamos a importância da parte indígena napopulação do Brasil; e menos ainda para que apaixonados declamemos contra selvagensque por direito natural defendiam a sua liberdade, independência e as terras queocupavam.” (Gonçalves de Magalhães).c) “Imaginei um poema... como nunca ouviste falar de outro: guerreiros diabólicos,mulheres feiticeiras, sapos e jacarés sem conta: enfim, um gênesis americano, uma IlíadaBrasileira, uma criação recriada.” (Gonçalves Dias).d) “É certo que a civilização brasileira não está ligada ao elemento indiano nem delerecebeu influxo algum; e isto basta para não ir buscar entre as tribos vencidas os títulosda nossa personalidade literária.” (Machado de Assis).e) “O maravilhoso, tão necessário à poesia, encontrar-se-á nos antigos costumes dessespovos [indígenas], como na força incompreensível de uma natureza constantementemutável em seus fenômenos.” (Ferdinand Denis).04 A corrente hugoana formou a terceira geração do Romantismo e, funcionando comouma vertente dentro de uma escola literária, veio para se opor ao ultrarromantismo, queformou a segunda geração. Informe em que aspectos essas duas vertentes se distanciamuma da outra.Os ultrarromânticos eram egocêntricos, tétricos e mórbidos, exaltavam a mulher onírica einacessível e o platonismo amoroso e valorizavam a fuga da realidade, através do sonho,da loucura ou da morte. Já os condoreiros posicionavam-se lírica, política e socialmente,enfrentando a realidade e buscando compreendê-la, exaltavam a pátria, a infância e oamor consumado.05 A que movimento literário o Romantismo veio se opor? Justifique sua resposta,citando características que a comprovem.Ao Arcadismo, através da valorização de uma cultura nacional, deixando, assim, de lado acultura Greco-romana e do subjetivismo e do lirismo amoroso em oposição à razão, dentreoutras coisas.06 Enquanto Álvares de Azevedo é conhecido por sua antítese pessoal e Casimiro deAbreu por seu bom comportamento nos versos, Fagundes Varela é conhecido como umpoeta em transição. Julgue se a afirmativa é verdadeira ou falsa. Justifique-se.É verdadeira, pois Fagundes Varela, embora guardasse traços ultrarromânticos, como asubjetividade mórbida, já apresentava características condoreiras, como o posicionamentosocial e a preocupação em usar a poesia para analisar e criticar e não apenas como ummeio de desabafo pessoal.07 Segundo o livro Literatura Brasileira, de William Cereja e Thereza Cochar, _______ (1847 – 1871), o ‘poeta dos escravos’, é considerado a principal expressão condoreira da poesia brasileira. [...] ________ cultivou a poesia lírica e social, de que são exemplos as obras Espumas Flutuantes e A cachoeira de Paulo Afonso; a poesia épica, em Os escravos; e o teatro em Gonzaga e a Revolução de Minas.,a opção que completa as lacunas é: a) Sousândrade b) Castro Alves
    • c) José de Alencar d) Manuel Antônio de Almeida e) Álvares de Azevedo08 Justifique o fato de Sousândrade ser considerado “o precursor da modernidade”. Porque ele demorou tanto tempo para ser aceito e compreendido pelos críticos?Ele antecipou características modernas, tanto na estética quanto na temática de suasobras, o que, aliado a um lirismo reflexivo, tornou difícil o seu enquadramento em ummomento literário, fato que se deu muitos anos depois, com o surgimento do Modernismo,que modificou um pouco o pensamento dos críticos.09 Em que época os romancistas passaram a sentir mais forte a necessidade deidentificar a literatura local como uma Literatura Brasileira. Justifique-se.Durante o processo de Independência do Brasil, por acreditarem ser necessário o resgatede uma cultura por muitos anos negada, algo que não tivesse vínculos com a Europa,mostrando, assim, que a nova nação tinha uma identidade própria.10 A partir desse desejo, surgiram três tipos de romance: quais foram e como cada um seapresentava?Os romances são o indianista, que buscava relatar a idade média pré-cabralina brasileirae instituir um herói medieval (o índio), o regionalista, que não compactuava com osmoldes europeus de heróis e aventuras e buscava compreender a realidade de cada regiãodo país, e o urbano, que relatava a vida e as intrigas nas sociedades paulista e carioca.Sobre o paradidático Memórias Póstumas de Brás Cubas, responda:11 “A Transação Vaguei pelas ruas e recolhi-me às nove horas. Não podendo dormir, atirei-me a ler eescrever. Às onze horas estava arrependido de não ter ido ao teatro, consultei o relógio, quisvestir-me, e sair. Julguei, porém, que chegaria tarde; demais, era dar prova de fraqueza.Evidentemente, Virgília omeçava a aborrecer-se de mim, pensava eu. E esta idéia fez-mesucessivamente desesperado e frio, disposto a esquecê-la e a matá-la. Via-a dali mesmo,reclinada no camarote, com os seus magníficos braços nus, – braços que eram meus, –fascinando os olhos de todos, com vestido soberbo que havia de ter, o colo de leite, oscabelos postos em à maneira do tempo, e os brilhantes, menos luzidios que os olhos dela...Via-a assim, e doía-me que a vissem outros. Depois, começava a despi-la, a pôr de lado asjóias e sedas, a despenteá-la com as minhas mãos sôfregas e lascivas, a torná-la, – não seise mais bela, se mais natural, – torná-la minha, somente minha, unicamente minha.”(ASSIS, Machado de. Memórias Póstumas de Brás Cubas. 18 ed. São Paulo: Ática, 1992,p. 96.)Marque com V as características comprováveis com o texto e com F, as demais.(V) Atitude reflexiva do narrador em face da realidade.(V) Ser humano revelado como contraditório.(V) Relação amorosa caracterizada pela possessividade.(F) Sublimação do amor.(F) Imagem da mulher amada envolvida pelo tom irônico.
    • 12 Com esse romance, Machado de Assis muda totalmente o panorama da literaturabrasileira, por que isso acontece?Com esse romance, Machado rompe com os costume literários românticos, tanto no quediz respeito à estrutura, quanto à temática, e introduz o Realismo.13 O que leva o pai de Brás a mandá-lo para a Europa?O pai de Brás o envia a Europa para dar um basta na relação dele com Marcela, comquem o jovem gastou a fortuna da família em presentes e mimos. Boa prova!!!