• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
As funções da literatura
 

As funções da literatura

on

  • 63,517 views

 

Statistics

Views

Total Views
63,517
Views on SlideShare
63,410
Embed Views
107

Actions

Likes
2
Downloads
177
Comments
0

5 Embeds 107

http://profaxavier.blogspot.com 84
http://profaxavier.blogspot.com.br 19
http://www.profaxavier.blogspot.com.br 2
http://www.google.com.br 1
http://profaxavier.blogspot.pt 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    As funções da literatura As funções da literatura Presentation Transcript

    • A Literatura é uma linguagem especial, carregada de sentidos e capaz de provocar emoções e reflexão no leitor!
    • As funções da Literatura
    • As funções hedonística e catártica
      Para os gregos...
      Hedonística:
      hedon= prazer
      Catártica:
      (Aristóteles) Tragédia - mímese (imitação) e catárse (efeito moral e purificador)
    • Na modernidade...
      Proporcionar prazer
      Aliviar as tensões da alma humana
      Chlovski:
      estranhamento
      desautomatização
    • Comunicação, Interlocução, Recriação
      Literatura é linguagem!
      Influencia e é influenciada....
      O leitor NUNCA é passivo.
      O escritor nem sempre é alheio à sua realidade.
    • Humanização do homem
      “A poesia é conhecimento, salvação, poder, abandono. Operação capaz de transformar o mundo, a atividade poética é revolucionária por natureza; exercício espiritual, é um método de libertação interior. A poesia revela este mundo; cria outro. Pão dos eleitos; alimento maldito. Isola, une.”
      Octávio Paz
    • Estilo de época
    • O adeus de Teresa
      A vez primeira que eu fitei Teresa,
      Como as plantas que arrasta a correnteza,
      A valsa nos levou nos giros seus...
      E amamos juntos... E depois na sala
      “Adeus” eu disse-lhe a tremer co’a fala...
       
      E ela, corando, murmurou-me: “adeus”.
       
      Uma noite... entreabriu-se um reposteiro...
      E da alcova saiu um cavaleiro
      Inda beijando uma mulher sem véus...
      Era eu... Era a pálida Teresa!
      “Adeus” lhe disse conservando-a presa...
       
      E ela entre beijos murmurou-me: “adeus!”
      Castro Alves
    • TeresaA primeira vez que vi TeresaAchei que ela tinha pernas estúpidasAchei também que a cara parecia uma perna 
      Quando vi Teresa de novoAchei que os olhos eram muito mais velhos que o resto do corpo(Os olhos nasceram e ficaram dez anos esperando que o resto do corpo nascesse) 
      Da terceira vez não vi mais nadaOs céus se misturaram com a terraE o espírito de Deus voltou a se mover sobre a face das águas.
      Manuel Bandeira
    • www.profaxavier.blogspot.com