Embriologia da Face

41,758 views
41,114 views

Published on

Face, arcos faringeos, arcos braquiais,

Published in: Health & Medicine
1 Comment
15 Likes
Statistics
Notes
  • Olá Raquel!
    Adorei a apresentação da aula de vocês. Estão de parabéns!
    Sou Fonoaudióloga, especialista em Deformidades congenitas da face e em Neonatologia e Pediatria, e mestranda em Genética. Minha dissertação é sobre as fissuras lábiopalatinas.
    Gostaria de saber qual a bibliografia foi utilizada.

    att,

    Marcela
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
41,758
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
813
Comments
1
Likes
15
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Embriologia da Face

  1. 1. Universidade Presidente Antônio CarlosMedicina – 1° Período<br />Seminário de Embriologia<br />Desenvolvimento da Face <br />Docente: Juliana Correia do Carmo<br />Alunos: Isadora Maluf<br /> Ludmylla Lobato<br />Mariana Rennó<br />Raiane Miranda<br />Raquel Rennó<br />Roberto Rennó<br />Rodrigo Covre<br />
  2. 2. Introdução<br />
  3. 3. Desenvolvimento<br />4-5 Semanas<br />6 Semanas<br />7 Semanas<br />
  4. 4. PROEMINÊNCIAS<br />QUE FORMAM A<br />FACE:<br /><ul><li>FRONTONASAL Med e Lat
  5. 5. MAXILAR
  6. 6. MANDIBULAR
  7. 7. PLACÓDIOS NASAIS</li></li></ul><li>ARCOS FARÍNGEOS<br />
  8. 8. ARCOS e BOLSAS<br />Componente endodérmico<br />Mesênquima de cada arco<br />Componente ectodérmico<br />
  9. 9. Componentes dos arcos faringeos<br />Obs.: Cada arco possuiseu componente muscular, nervoso e arterial. <br />endoderme<br />ectoderme<br />nervo<br />cartilagem<br />vaso aórtico<br />
  10. 10. Migração das células da Crista Neural<br />
  11. 11. ARCOS FARÍNGEOS <br />VISTA LATERAL <br />CORTE FRONTAL<br />ARCOS AÓRTICOS<br /> ASSOCIADOS<br />
  12. 12. Comparação do ser humano com os animais<br />
  13. 13. • 1º arco (Arco Mandibular) – forma<br />duas saliências:<br /> 1.Processo maxilar – dá origem ao maxilar, ao zigomático e à porção escamosa do osso temporal<br /> 2. Processo mandibular – maior,<br />forma a mandíbula<br />ARCOS FARÍNGEOS<br />
  14. 14. Primeiro e Segundo Arcos Branquiais e a <br />Placódioótico<br />
  15. 15. Do 1° Arco, ProcessoMaxilar e Proceso Mandibular<br />Processo<br />maxilar°<br />Processo<br />mandibular<br />
  16. 16. 1º ARCO (MANDIBULAR) – (V p.n.c.)<br /><ul><li>CARTILAGEM (de Meckel)</li></ul>Porção dorsal da cartilagem martelo,<br /> bigorna e ligamentos lateral do martelo e<br />esfenomandibular<br />Porção ventral da cartilagem <br /> mandíbula, (se desenvolve em duas<br /> metades)<br /><ul><li>MESÊNQUIMA músculos: da</li></ul> mastigação, tensor do tímpano, tensor do<br /> véu palatino, ventre anterior do digástrico<br /> e milo-hióideo<br />
  17. 17. 2º ARCO (HIÓIDE) – (VII p.n.c.)<br /><ul><li>CARTILAGEM (de Reichert )</li></ul>Porção dorsal estribo e processo<br />estilóide.<br />Porção média regride ligamento<br /> estilo-hióideo<br />Porção ventral corno menor e porção<br /> superior do corpo do osso hióide<br /><ul><li>MESÊNQUIMAmúsculos: da mímica,</li></ul> ventre posterior do digástrico,<br />estilohióideoe estapédio<br />
  18. 18. <ul><li>3º ARCO (HIÓIDE) – (IX p.n.c..)</li></ul> • CARTILAGEM: Porção ventral corno maior e<br /> porção inferior do corpo do osso hióide<br /> • MESÊNQUIMA m. estilofaríngeo<br /><ul><li>4º. e 6º. ARCOS - (X p.n.c.)</li></ul> • CARTILAGENS: desses arcos se fundem <br /> cartilagens da laringe (exceto a epiglote)<br /> • MESÊNQUIMA músculos: constritores da<br /> faringe, intrínsecos da laringe, elevador do véu<br /> palatino, cricotireóideo e da porção superior do<br /> esôfago<br /><ul><li>5º ARCO - REGRIDE</li></li></ul><li>1°, 2°, 3° e 4° ARCOS BRANQUIAIS<br />
  19. 19. FORMAÇÃO DAS ESTRUTURAS RÍGIDAS(OSSOS, CARTILAGENS E LIGAMENTOS)<br />
  20. 20. FORMAÇÃO DOS MÚSCULOS DA CABEÇA E DO PESCOÇO<br />
  21. 21. RELAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ORIGENS BRANQUIAIS COM NN. CRANIANOS SENSITIVOS<br />
  22. 22.
  23. 23. Nariz<br />O engrossamento do ectodermo de superficie, chamado de plácodesnasais, se desenvolvema cada lado da prominencia frontonasal. <br />Se desenvolvempontescomaparenciade ferradurasalrededor de estas plácodes, Chamadas de prominencia nasal e lateral (engrosamento).<br />Como resultado disto, as plácodesfazem o piso de depressõesconhecidascomo fossasnasais.<br />
  24. 24. Quinta a oitavasemana<br />As proeminênciasmaxilares aumentamde tamanho e crescememdireçãomedial, desplacando as proeminênciasnasaismediais até o plano medial.  <br /> Osulcoentre a proêminencianasal lateral e a maxilar, desaparece quandoestas se mesclam e então…<br />
  25. 25. Formação do lábio superior<br /> As proeminênciasnasaislateraisnãoformamparte do lábio superior, constituem os lados do nariz. Quando as prominencias nasaismediaisse mesclam, formam um  segmento intermaxilar  compostode trêspartes: <br />Um componente labial  que forma ofiltro do lábiosuperior <br />Um componente maxilar que terárelaçãocom os quatodentesincisivos<br />Um componente palatino  que se transforma em paladar primário<br />
  26. 26.
  27. 27. Mandíbula<br />As proeminênciasmandibulares crescememdireçãomedial e começama mesclar um com o outro até o final da quarta semana.<br />Dãoforma aolabio inferior, queixo e mandíbula<br />
  28. 28. DESENVOLVIMENTO DO PALATO<br />A partir de 3 PRIMÓRDIOS<br />Processo palatino mediano (Palato primário) –<br />porção anterior<br />Processos palatinos laterais (Palato secundário) –<br />porção posterior, mais extensa<br />• O palato secundário cresce durante a 7ª. Semana<br /> • Crescimento medial e fusão no plano mediano adiante<br /> do processo palatino mediano<br /> • Concomitante, o septo nasal cresce caudalmentee<br /> funde-se ao palato<br /> • O canal incisivo definitivo marca a separação do<br /> crescimento entre os palatos primário e secundário<br />
  29. 29. Estomodeo<br />
  30. 30.
  31. 31. DESENVOLVIMENTO DO PALATO <br />PROCESSO PALATINO<br />MEDIANO<br /> (PALATO PRIMÁRIO)<br />PORÇÃO ANTERIOR<br />PROCESSOS PALATINOS LATERAIS<br />(PALATO SECUNDÁRIO) <br />PORÇÃO POSTERIOR MAIS EXTENSA<br />
  32. 32. DESENVOLVIMENTO DO PALATO<br />
  33. 33. PALATOGêNESe<br />
  34. 34.
  35. 35.
  36. 36.
  37. 37.
  38. 38.
  39. 39.
  40. 40. Desenvolvimento da Face<br />  Anomalias na formação da face: período de maior risco<br />
  41. 41. Classificação das fissuras<br />Labio-Palatais<br />
  42. 42. ANOMALIA CONGÊNITA:<br />LÁBIO LEPORINO<br />ANTES<br />ANTES<br />DEPOIS<br />DEPOIS<br />
  43. 43. ANOMALIA CONGÊNITA:Maior distância entre orbitas<br />
  44. 44. Anomalia Congênita:síndrome de goldenhar<br />Podem apresentar-se as seguintes manifestações: - Desenvolvimento incompleto da região malar, maxilar ou mandibular, do lado afetado, - Desenvolvimento incompleto da musculatura do lado afetado, - Mandíbula pequena e lábio leporino, - Orelhas muito pequenas ou ausência de partes delas, - Oclusão do canal auditivo e surdez, - Diversas manifestações oculares, - Outras <br />
  45. 45. Epítome do Desenvolvimento Embrionário<br />
  46. 46. 28 dias<br />
  47. 47. 32 dias<br />
  48. 48. 40 dias<br />
  49. 49. 42 dias<br />
  50. 50. 44 dias<br />
  51. 51. 48 dias<br />
  52. 52. 51días<br />
  53. 53. 54 dias<br />
  54. 54. 56 dias<br />
  55. 55. Este documento demonstrou as principais etapas do desenvolvimento da face, a ordem cronológica das mesmas, a importância de compreender os Arcos Faríngeos nesta formação, a interação, formação e particularidades das principais estruturas. Foi possível ver também anormalidades ocorrida neste período.<br /> <br />CoNclusão<br />
  56. 56. Obrigado<br />

×