Your SlideShare is downloading. ×
0
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Convergência e interoperabilidade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Convergência e interoperabilidade

836

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
836
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
42
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. NPA810 – Sistema de Informação
    Prof. Mateus T. S. Cozer
    03/09/2011
    Convergência e Interoperabilidade
    Amanda Aragão – 12.206.582-4
    André Capareli – 12.107.023-9
    Diego Peroni – 12.107.046-0
    Raquel Umbelina – 12.107.187-2
  • 2. História da tecnologia: Computadores e Internet
    Internet / Intranet / Extranet
    Rede Wireless / Internet Móvel
    IPTV (arquitetura e padrões)
    Tecnologia de Redes
    Abrangencia e Comunicações
    Tecnologias viabilizadoras (WWW, HTTP, URL)
    TCP / IP
    Infra-estruturas de Informação
    @genda
    03/09/2011
    Convergência e Interoperabilidade
    2
  • 3. História da TecnologiaComputadores
    Convergência e Interoperabilidade
    1981:
    IBM PC
    1984:
    Mac
    1976: Apple I
    Fonte: http://www.computerhistory.org/internet_history
    03/09/2011
  • 4. História da TecnologiaComputadores
    27/08/2011
    Convergência e Interoperabilidade
    Voz e TV sobre IP, Internet, aplicações, jogos, interatividade, mobilidade, etc.
    R:
    Convergir
    1990: Windows
    Fonte: http://www.computerhistory.org/internet_history
  • 5. Convergência e Interoperabilidade
    História da TecnologiaInternet
    • 1958: A ARPA foi fundada pelo departamento de defesa dos EUA com a missão de mobilizar recursos de pesquisa, particularmente do mundo universitário, com o objetivo de alcançar superioridade tecnológica militar em relação aos URSS.
    • 6. 1969: Surge a ARPANET, com o objetivo de conectar os departamentos de pesquisa e militares sem um centro definido.
    Fonte: Castells, The Internet Galaxy.
    03/09/2011
  • 7. Convergência e Interoperabilidade
    História da TecnologiaInternet
    • 1980s: A Arpanet passa a se chamar ARPA-INTERNET, deixa de ter uso militar e é destinada exclusivamente para pesquisa. Os diferentes ramos das forças armadas adotam uma outra rede, a MILNET.
    • 8. Ainda nesta década, a internet passa a ser uma série de redes conectadas entre si, especificamente as que utilizam o protocolo TCP/IP.
    • 9. Em 84, NationalScience Foundation (NSF) montou sua própria rede de comunicação entre computadores, a NSFNET e 88 começou a usar a ARPA-INTERNET como seu backbone.
    ARPANET
    (militares e civis)
    MILNET ARPA - INTERNET
    (Militares) (Civis)
    Fonte: Castells, The Internet Galaxy.
    03/09/2011
  • 10. Convergência e Interoperabilidade
    História da TecnologiaInternet
    • 1990s: Tim Berners-Lee, lança o WWW (World Wide Web), que foi a base para que Marc Andreesen, lança-se em o Mosaic (primeiro navegador a combinar gráficos e texto em uma única página, abrindo a web para o mundo com um software fácil de usar);
    • 11. Criado o Netscape – Primeiro Navegador Comercial; Amazon; Google; Napster.
    Fonte: Castells, The Internet Galaxy.
    03/09/2011
  • 12. Convergência e Interoperabilidade
    História da TecnologiaInternet
    03/09/2011
  • 13. Convergência e Interoperabilidade
    História da TecnologiaInternet
    • De acordo com Castellsa ARPANET, principal fonte do que viria a ser afinal a internet, não foi consequência fortuita de um programa de pesquisa que corria em paralelo. Foi prefigurada, deliberadamente projetada e subsequentemente administrada por um grupo determinado de cientistas da computação que compartilhavam uma missão que pouco tinha a ver com estratégia militar.
    Fonte: Castells, The Internet Galaxy.
    03/09/2011
  • 14. 10
    Convergência e Interoperabilidade
    INTERNET, INTRANET E EXTRANETA INTERNET – A rede mundial
    A Internet (Internet Society, 1999) é uma rede de sistemas heterogêneos, interligados através de uma família de protocolos básica e comum a todos,
    chamada TCP/IP.
    A Internet implementa um sistema cliente/servidor de âmbito universal, hoje disseminado em praticamente todos os países do mundo.
    Fonte: Ciberespaço por Jorge Henrique C. Fernandes.
    O mundo em um Click
    03/09/2011
  • 15. 11
    Convergência e Interoperabilidade
    INTERNET, INTRANET E EXTRANETA INTERNET – A rede mundial
    INTERNET CRIADA A PARTIR DE 4 CULTURAS INDEPENDENTES:
     TECNOMERITOCRÁTICA;
     HACKER;
     COMUNITÁRIA VIRTUAL;
     EMPREENDEDORA.
    “A cultura é uma construção coletiva que transcende preferências individuais, ao mesmo tempo em que influencia as práticas das pessoas no seu âmbito, neste caso os produtores/usuários da Internet”
    Fonte: Castells, Manuel: The Internet Galaxy
    03/09/2011
  • 16. 12
    Convergência e Interoperabilidade
    INTERNET, INTRANET E EXTRANETA INTERNET – Aplicações
    As aplicações básicas existentes na Internet são:
    correio eletrônico (e-mail);
    terminal remoto (telnet) e
     transferência de arquivos (ftp).
    Fonte: Ciberespaço por Jorge Henrique C. Fernandes.
    03/09/2011
  • 17. 13
    Convergência e Interoperabilidade
    INTERNET, INTRANET E EXTRANETA INTERNET – Expansão da Internet
    Globalização de mercados
    produtividade progressivamente mais elevada
    transformação da lógica social:
     da inovação
     da produtividade
     do crescimento econômico
    Fonte: Castells, Manuel: The Internet Galaxy
    03/09/2011
  • 18. 14
    Convergência e Interoperabilidade
    INTERNET, INTRANET E EXTRANETA INTRANET – a rede da sua empresa
    INTRANET é uma rede de computadores privada que assenta sobre a suite de protocolos da Internet. Consequentemente, todos os conceitos da última aplicam-se também numa intranet, como, por exemplo, o paradigma de cliente-servidor.
    Resumidamente, o conceito de intranet pode ser interpretado como "uma versão privada da Internet", ou uma mini-Internet confinada a uma organização.
    Fonte: Artigo: Como definir a tecnologia de desenvolvimento de aplicações em uma intranet por Eduardo Fagundes
    03/09/2011
  • 19. 15
    Convergência e Interoperabilidade
    INTERNET, INTRANET E EXTRANETA INTRANET – a rede da sua empresa
    “Uma INTRANETproporciona uma comunicação instantânea a milhões de empregados, tanto dentro da fábrica como no mundo inteiro(...) A informação flui de acordo com as necessidades de cada departamento e de cada funcionário”
    Fonte: Castells, The Internet Galaxy
    03/09/2011
  • 20. 16
    Convergência e Interoperabilidade
    INTERNET, INTRANET E EXTRANETA EXTRANET - Interligando as INTRANETS
    O conceito de Extranet tem sido adotado para denominar um ou mais conjuntos de intranets interligadas através da Internet, desde que por uma maneira segura.
    Compreende uma estrutura de rede integrada, interligando as diversas organizações com interesses comuns – distribuidores, fornecedores, parceiros, revendedores, consumidores; e permitindo aos seus participantes a explorarem suas relações comerciais e tecnológicas, com a mesma tecnologia e estruturas fornecidas pelas intranets e a Internet.
    Fonte: Dissertação “ Intranet e Extranet conceitos, objetivos, benefícios e tendências” por Renato Schumacher.
    03/09/2011
  • 21. 17
    Convergência e Interoperabilidade
    INTERNET, INTRANET E EXTRANETA EXTRANET - Aplicações
     Acesso a banco de dados;
     Acesso a sistemas corporativos de qualquer parte do mundo;
     Fornecimento de produtos, via sistema, sem intervenção humana.
    Fonte: Dissertação “ Intranet e Extranet conceitos, objetivos, benefícios e tendências” por Renato Schumacher.
    03/09/2011
  • 22. 18
    Convergência e Interoperabilidade
    REDE WIRELESSA Comunicação sem FIO
    A palavra wireless provém do inglês: wire (fio, cabo); less (sem); ou seja: sem fios. Wireless então caracteriza qualquer tipo de conexão para transmissão de informação sem a utilização de fios ou cabos. Uma rede sem fio é um conjunto de sistemas conectados por tecnologia de rádio através do ar. Pela extrema facilidade de instalação e uso, as redes sem fio estão crescendo cada vez mais. Dentro deste modelo de comunicação, enquadram-se várias tecnologias, como Wi-Fi, InfraRed(infravermelho), bluetooth e Wi-Max.
    REDES SEM FIO: Usada em Laptops, aviões, celulares, entre outros e possuem emprego específico.
    Fonte: Tanenbaum, A. S.: Redes de Computadores
    03/09/2011
  • 23. Convergência e Interoperabilidade
    REDE WIRELESSTipos de Conexões
    Soluções Wireless Indoor (Rede Interna)
    Soluções Wireless Outdoor Ponto A Ponto
    Soluções Outdoor Multiponto
    Disponível em http://www.wirelessconnect.com.br/aplicacoes/index.cfm
    03/09/2011
    19
  • 24. Convergência e Interoperabilidade
    IPTV (Arquitetura e Padrões)O que é IPTV?
    • A convergência entre a programação televisiva e as capacidades de interatividade da Internet apresentam uma nova realidade, uma real convergência digital chamada IPTV.
    • 25. A televisão por meio do protocolo Internet ou Internet ProtocolTelevision– IPTV - é uma tecnologia para entrega de serviços de televisão digital e outras mídias por meio de uma conexão banda larga.
    Fonte: Hartman, A. Producing Interactive Television (Internet Series). Charles River Media, New York, 2001.
    03/09/2011
  • 26. Convergência e Interoperabilidade
    IPTV (Arquitetura e Padrões)Por que IPTV?
    • “A IPTV é definida como serviços multimídia tais quais televisão/vídeo/áudio/texto/gráficos/dados entregues por redes baseadas em IP gerenciadas para prover os níveis de QoS (Qualityof Service) / QoE (Qualityof Experience),segurança, interatividade e confiabilidade requeridos”. (InternationalTelecommunications Union (ITU))
    • 27. A IPTV é completamente digital, uma via de mão dupla, com um número ilimitado de canais e alto grau de interatividade.
    Fonte: Hartman, A. Producing Interactive Television (Internet Series). Charles River Media, New York, 2001.
    03/09/2011
  • 28. Convergência e Interoperabilidade
    IPTV (Arquitetura e Padrões)Arquitetura
    • Será descrita uma arquitetura de rede IPTV definindo os seguintes elementos:
    • 29. Headend centralizado ou descentralizado;
    • 30. Core IP;
    • 31. Rede de acesso;
    • 32. Ambiente de usuário.
    Fonte: DSL FORUM - “IPTV Architeture Overview”, Disponível em: <http://www.dslforum.org/arciteture>,
    03/09/2011
  • 33. Convergência e Interoperabilidade
    IPTV (Arquitetura e Padrões)Padrões
    • ATSC (AdvancedTelevision Systems Committee), adotado pelos EUA, Canadá, México e Coréia do Sul;
    • 34. ISDB-T (Integrated Services Digital Broadcasting Terrestrial), adotado pelo Japão;
    • 35. DVB-T (Digital Video Broadcast Terrestrial), adotado pelos demais países que já decidiram qual padrão seguir, em especial os países da Europa, Ásia, África e Oceania.
    • 36. SBTVD – (Sistema Brasileiro de TV Digital), foi baseado no padrão japonês.
    Fonte: Introdução à Televisão Digital Interativa: Arquitetura, Protocolos, Padrões e Práticas (Jorge Fernandes, Guido Lemos e Gledson Silveira)
    03/09/2011
  • 37. Convergência e Interoperabilidade
    IPTV (Arquitetura e Padrões)Padrões
    03/09/2011
  • 38. Convergência e Interoperabilidade
    IPTV (Arquitetura e Padrões)Padrões
    Algumas diferenças entre o ISDB-T (Japonês) e o ISDB-TB ou SBTVD (Brasileiro).
    Foram acrescentadas novas tecnologias ao ISDB-TB:
    • MPEG-4 para compressão de vídeo (permite maior aproveitamento da faixa de transmissão, contra o MPEG-2 do ISDB-T);
    • 39. Máscara de transmissão especialmente adaptada para evitar interferências de outras estações;
    • 40. 30 quadros por segundo nas transmissões para aparelhos móveis e portáteis;
    • 41. Transmissão aberta. O sistema original contém proteção de cópias (impossibilidade de gravar as transmissões
    03/09/2011
  • 42. “Redes são as autoestradas da informação de uma economia baseada em tecnologia.” (Lucas, H - 2006)
    “Em uma rede típica, diversos componentes de hardware e software precisam trabalhar juntos para transmitir informações.” (Laudon, K. C. – 2009)
    26
    Convergência e Interoperabilidade
    Tecnologia de RedesUma tecnologia sem fronteiras
    03/09/2011
  • 43.  Cliente/Servidor
     Ponto-a-Ponto (Peer-to-Peer)
    27
    Convergência e Interoperabilidade
    Tecnologia de RedesTipos de Redes
    Fonte: LAUDON, Kenneth C. Sistemas de Informação Gerenciais.
    03/09/2011
  • 44. 28
    Convergência e Interoperabilidade
    Tecnologia de RedesTipos de Redes
    Cliente/Servidor
    Ponto-a-Ponto
    Fonte: LAUDON, Kenneth C. Sistemas de Informação Gerenciais.
    03/09/2011
  • 45.
    • LAN
    (Local Área Network);
    • MAN
    (Metropolitan Área Network);
    • WAN
    (Wide Área Network).
    29
    Convergência e Interoperabilidade
    Tecnologia de RedesClassificação
    Fonte: LAUDON, Kenneth C. Sistemas de Informação Gerenciais.
    03/09/2011
  • 46. 30
    Convergência e Interoperabilidade
    Tecnologia de RedesClassificação
    LAN (Local Area Network)
    Fonte: LAUDON, Kenneth C. Sistemas de Informação Gerenciais.
    MAN (Metropolitan Area Network)WAN (Wide Area Network)
    03/09/2011
  • 47. 31
    Convergência e Interoperabilidade
    Tecnologia de RedesNovas Tecnologias
    Fonte: LAUDON, Kenneth C. Sistemas de Informação Gerenciais.
    03/09/2011
  • 51. 32
    Convergência e Interoperabilidade
    Tecnologia de RedesHardware
    • Placas de rede, receptadores, hubs, switchs, roteador, gateway, modem, fios e cabos de rede.
    Fonte: LAUDON, Kenneth C. Sistemas de Informação Gerenciais.
    03/09/2011
  • 52. 33
    Convergência e Interoperabilidade
    Tecnologia de RedesRede Digital de Serviços Integrados
    • ISDN (Integrated Service Digital Network);
    • 53. ATM (Asynchronous Transfer Mode);
    • 54. ADSL (Asymmetric Digital Subscriber Line);
    • 55. SDSL (Symmetric Digital Subscriber Line);
    • 56. Firewire.
    Fonte: LAUDON, Kenneth C. Sistemas de Informação Gerenciais.
    03/09/2011
  • 57.
    • A World Wide Web é o mais conhecido serviço de Internet.
    • 58. Possui padrões universais aceitos para armazenar, recuperar, formatar e apresentar a arquitetura de conexão.
    34
    Convergência e Interoperabilidade
    Tecnologias ViabilizadorasO que é a Web (www)
    Como funciona?
    • São formatadas por hipertexto;
    • 59. Links que vinculam documentos como objetos, vídeos, arquivos...
    • 60. Hiperlinks “disfarçados” de elementos gráficos, clicamos e somos redirecionados para algum ponto da rede.
    Fonte: Fernandes, José Henrique Cabral. Ciberespaço , 2000.
    03/09/2011
  • 61. 35
    Convergência e Interoperabilidade
    Tecnologias ViabilizadorasO hipertexto
    • As páginas são acessíveis por softwares de navegação;
    HTTPS
    • É uma combinação entre os protocolos HTTP e o SSL (segurança);
    • 62. Realiza a codificação de dados, autenticação do servidor, integridade de mensagem e autenticação de cliente.
    • 63. Comum nos acessos a servidores de contas bancárias e e-mails corporativos.
    • 64. Páginas são armazenadas em servidores hospedeiros de internet;
    • 65. O protocolo de transferência de hipertexto é denominado HTTP.
    Fonte: Fernandes, José Henrique Cabral. Ciberespaço , 2000.
    03/09/2011
  • 66. 36
    Convergência e Interoperabilidade
    Tecnologias ViabilizadorasO URL
    • HTTP é o primeiro conjunto de letras no início de qualquer endereço Web;
    • 67. O caminho do diretório e o nome do documento são duas outras informações no endereço;
    • 68. O endereço é denominado Localizador uniforme de recursos (uniformresourcelocator – URL).
    Por exemplo:
    • http://www.elearning.fei.edu.br (requisição de conexão à home page do moodle - HTTP);
    • 69. http://www.elearning.fei.edu.br/moodle/mod/resource/view.php?inpopup=true&id=15988 ( localizador do arquivo – URL)
    Fonte: Fernandes, José Henrique Cabral. Ciberespaço , 2000.
    03/09/2011
  • 70. 37
    Convergência e Interoperabilidade
    ComunicaçãoO Fundamento
    Digital
    • Meios digitais de comunicação permitem a transmissão, captação, transformação e armazenagem de dados; Os dados são analisados, interpretado e após a cognição (atualização do “modelo mental”) obtém-se a informação como resultado;
    Analógico
    • Não há a representação simbólica dos dados;
    • 71. Dificulta a transformação, manipulação e conservação dos dados;
    • 72. Há distorções durante as transmissões devido à restrições temporais e espaciais.
    Fonte: Fernandes, José Henrique Cabral. Ciberespaço , 2000.
    03/09/2011
  • 73. 38
    Convergência e Interoperabilidade
    ComunicaçãoOs Modelos - HCI - Interação Humano-Máquina .
    Interação Humano-Máquina (Human-Computer Interaction – HCI)
    • É o estudo de como as pessoas concebem, implementam e usam sistemas interativos de computador;
    • 74. É a mais desconhecida das áreas que compõem a “Disciplina de Computação;
    • 75. Atua na construção de softwares de interação com o usuário;
    • 76. redução de custos e o aumento de produtividade através de Engenharia de Usabilidade.
    Fonte: Fernandes, José Henrique Cabral. Ciberespaço , 2000.
    03/09/2011
  • 77. 39
    Convergência e Interoperabilidade
    ComunicaçãoOs Modelos - HCI - Interação Humano-Máquina .
    Interação Humano-Máquina (Human-Computer Interaction – HCI)
    • A disseminação da internet na sociedade criou uma perspectiva estratégica à HCI;
    • 78. Surge um modelo que enfatiza o elemento humano em grupos na interação com máquinas e programas (CSCW – Computer SupportedCollaborativeWork);
    • 79. É no momento em que são enfatizadas a natureza e as implicações da interação em grupo, que a HCI começa a necessitar de inter-disciplinaridade.
    Fonte: Fernandes, José Henrique Cabral. Ciberespaço , 2000.
    03/09/2011
  • 80. 40
    Convergência e Interoperabilidade
    ComunicaçãoOs Modelos – Vida Artificial.
    • Busca compreender a vida através da construção de fenômenos biológicos utilizando componentes artificiais;
    • 81. Em Vida Artificial, a vida está presente em qualquer elemento de interação que possua: Adaptação, reprodução, autonomia e cooperação;
    • 82. Difundiu-se nos últimos 20 anos, por três abordagens distintas: Wetware (moléculas auto-replicantes); Software (simulam células, organismos, sociedades e ecossistemas); Hardware (elementos físicos).
    Fonte: Fernandes, José Henrique Cabral. Ciberespaço , 2000.
    03/09/2011
  • 83. 41
    Convergência e Interoperabilidade
    ComunicaçãoOs Modelos – Vida Artificial.
    • A emergência de complexibilidade é o principal item da vida artificial, possibilita a criação de processos paralelos e tolerantes a falhas;
    • 84. São Fenômenos sinérgicos, onde o todo é maior que as partes;
    • 85. Classe de problemas investigados: Inteligência Artificial Corporificada (agentes físicos) e Ecossistemas Artificiais (simulação de ambientes).
    Vida Artificial e o Ciberespaço
    • Através de simulações e criações podemos compreender os fenômenos inteligentes que estão presentes em sistemas naturais.
    Fonte: Fernandes, José Henrique Cabral. Ciberespaço , 2000.
    03/09/2011
  • 86. 42
    Convergência e Interoperabilidade
    ComunicaçãoOs Modelos – Agentes Inteligentes.
    • Nos modelos de agentes inteligentes, parte-se do princípio de que a inteligência deve estar presente nos elementos.
    • 87. Agentes são noções de indivíduo e comunidade (Sociologia, Economia, Comportamento, Robótica, Softwares, etc);
    • 88. Agentes Físicos: Autonomia, Habilidade social, Reatividade, Pró-Atividade, Mobilidade e Continuação Temporal;
    • 89. Agentes Inteligentes em Software: Inteligência, Agência e Mobilidade;
    • 90. Inteligência de Agentes: Redes Neurais, Algoritmos Genéticos e Inteligência Artificial.
    Fonte: Fernandes, José Henrique Cabral. Ciberespaço , 2000.
    03/09/2011
  • 91. 43
    ComunicaçãoOs Modelos – Construcionismo Distribuído.
    • Este conceito foi proposto como um modelo pedagógico derivado da Cognição Distribuída e do Construcionismo.
    • 92. Cognitivo: o aprendizado se dá por experiências diferentes, é um processo ativo e faz parte de um processo social.
    • 93. Distribuído: este item, agrega além dos itens anteriores, a cognição e computação distribuídas. Leva em consideração fatores humanos e tecnológicos pertinentes à internet e da Web.
    • 94. Resultado: O ciberespaço torna-se parte integrante da sociedade, pois o elemento humano é quem contribui para o desenvolvimento através de programas, agentes e realidades virtuais.
    Fonte: Fernandes, José Henrique Cabral. Ciberespaço , 2000.
    Convergência e Interoperabilidade
    03/09/2011
  • 95. 44
    AbrangênciaMeios de Comunicação e sua Abrangência.
    Fonte: www.w3c.br – Palestra de Vagner Diniz e Carlos Cecconi
    Convergência e Interoperabilidade
    03/09/2011
  • 96. 45
    AbrangênciaA Evolução.
    • A evolução da última fase da tecnologia da informação está presente na evolução da Web, como:
    • 97. Web 1.0 (passado): Tim Berners inventou a Web em 1989, juntando e criando três simples tecnologias (URL, HTML e HTTP).
    • 98. Web 2.0 (presente): A Web cresceu rapidamente, atingindo mais de 100 milhões de sites ativos, 1 bilhão de pessoas acessando e conteúdo dinâmico.
    • 99. Web 3.0 (futuro): será uma linkagem de dados de dispositivos, tornando a Web Semântica, Móvel e Ubíqua.
    Fonte: www.w3c.br – Palestra de Vagner Diniz e Carlos Cecconi
    Convergência e Interoperabilidade
    03/09/2011
  • 100. Convergência e Interoperabilidade
    TCP/IPO que é?
    • TCP significa TransmissionControlProtocol (Protocolo de Controle de Transmissão) e o IP Internet Protocol (Protocolo de Internet)..
    • 101. IP é um protocolo responsável pela entrega de pacotes para todos os outros protocolos TCP/IP e oferece um sistema de entrega de dados sem conexão. O TCP garante a entrega e garante o seqüenciamento dos pacotes. No caso da rede perder ou corromper um pacote TCP/IP durante a transmissão, é tarefa do TCP repassar estes dados.
    Fonte: Tanenbaum, A. S.: Redes de Computadores
    03/09/2011
  • 102. Convergência e Interoperabilidade
    TCP/IPCaracterísticas
    • Conectividade no nível de rede: A tarefa de conectar as redes entre si foi delegada às camadas inferiores da arquitetura, e não às aplicações. Para isso, basta que o TCP-IP rode apenas nos aparelhos emissor e receptor.
    • 103. Controle de fluxo fim a fim: A responsabilidade do controle de fluxo de dados entre os computadores que trocam informações é delegada apenas a eles.
    • 104. Endereçamento lógico universal: Feita através da associação de um identificador de formato universal (independente da tecnologia) para cada interface de rede dos equipamentos componentes de uma internet.
    Fonte: Tanenbaum, A. S.: Redes de Computadores
    03/09/2011
  • 105. 27/08/2011
    Convergência e Interoperabilidade
    TCP/IPOSI x TCP/IP
    O modelo TCP/IP foi desenvolvido para solucionar um problema pontual e acabou se tornando um padrão entre os fabricantes de hardware. Enquanto o modelo OSI foi desenvolvido para se tornar um padrão e solucionar o problema comunicação entre máquinas heterogêneas.
    Algumas semelhanças:
    • ambos são divididas em camadas;
    • 106. ambos têm camadas de aplicação, embora incluam serviços muito diferentes;
    • 107. ambos têm camadas de transporte e de rede comparáveis;
    • 108. a tecnologia de comutação de pacotes (e não comutação de circuitos) é presumida por ambos;
    • 109. os profissionais da rede precisam conhecer ambos.
    Fonte: Tanenbaum, A. S.: Redes de Computadores
  • 110.
    • Sistemas cada vez mais complexos e heterogênios;
    • 111. Redes locais e a Internet;
    • 112. IIS (Internet Information Services);
    • 113. Supply Chain Systens (SAP).
    49
    Convergência e Interoperabilidade
    Infra-Estrutura da InformaçãoUma Sociedade Sempre Conectada
    Fonte: Hanseth, Oe Monteiro, E. IT Infrastructures
    03/09/2011
  • 114. 50
    Convergência e Interoperabilidade
    Infra-Estrutura da InformaçãoProblemas e Dificuldades
    Internet / Intranet
    Diferentes usuários com objetivos divergentes
    +
    Crescimento e Evolução da rede de informação
    (Infraestrutura da Informação)
    Complexidade Dinâmica:
    Dificuldades
    Fonte: Hanseth, Oe Monteiro, E. IT Infrastructures
    Dificuldade em transformar informações empíricas em
    princípios que promovam
    a evolução do IIS.
    • Perda de dinheiro com investimentos;
    • 119. Custos de oportunidade;
    • 120. Problemas políticos e sociais.
    PROBLEMAS
    03/09/2011
  • 121. “Sistema partilhado, aberto e sem limites, heterogêneo e evolução sócio técnica constituída por um conjunto de recursos de T.I. e seus usuários, operações e comunidades de design”.
    Fonte: Hanseth, Oe Monteiro, E. IT Infrastructures
    51
    Convergência e Interoperabilidade
    Infra-Estrutura da InformaçãoUma Possível Definição
    03/09/2011
  • 122.
    • Comunidade organizada através de um recurso de TI;
    • 123. Demanda por inovação;
    • 124. Necessidade de flexibilidade de uso;
    • 125. Atraente e funcional.
    27/08/2011
    52
    Convergência e Interoperabilidade
    Infra-Estrutura da InformaçãoDiversidade de Tecnologias e Gerenciamento
    Fonte: Hanseth, Oe Monteiro, E. IT Infrastructures
  • 126. Dúvidas e Perguntas...
    Obrigado!

×