CEFALÉIAS Dr Rafael Higashi Neurologista www.estimulacaoneurologica.com.br
Porque estudar cefaléia? <ul><li>Qual o percentual  de casos com cefaléia  no atendimento do seu dia a dia? </li></ul><ul>...
<ul><li>Cefaléia  Primárias </li></ul><ul><li>Cefaléia  Secundárias </li></ul><ul><li>Neuralgias Cranianas. </li></ul>SIC ...
<ul><li>Parte Um:  Cefaléias Primárias </li></ul><ul><li>Parte Dois:  Cefaléias Secundárias </li></ul><ul><li>Parte Três: ...
Parte   1   Cefaléias   Primárias <ul><li>1. Migrânea </li></ul><ul><li>2. Cefaléia Tipo Tensional </li></ul><ul><li>3. Ce...
Outras   Cefaléias   Primárias <ul><li>Cefaléia primária (idiopática) em facadas </li></ul><ul><li>Cefaléia primária da to...
Parte   2   Cefaléias   Secundárias <ul><li>Cefaléia atribuída à trauma de cabeça e/ou pescoço </li></ul><ul><li>Cefaléia ...
Parte   3   Neuralgias Cranianas, Dor facial  primária e central e outras cefaléias  <ul><li>Neuralgias cranianas e causas...
Cefaléia primária ou secundária? O primeiro desafio é  identificar ou excluir as cefaléias secundárias baseado na anamnese...
Sinais de Alerta  (Red Flags) <ul><li>Pistas levantadas à anamnese e ao exame  clínico-neurológico  que sugerem natureza s...
<ul><li>Demográficos </li></ul><ul><li>Exame físico </li></ul><ul><li>Cronológico </li></ul>Sinais de Alerta  (Red Flags)
Demográficos <ul><li>-  Idade > 50 anos (artrite temporal) </li></ul><ul><li>- Fatores de Risco (câncer, HIV, doença sistê...
Exame Clínico <ul><li>-  Febre </li></ul><ul><li>- Sinais meníngeos </li></ul><ul><li>- Papiledema </li></ul><ul><li>- Sin...
<ul><li>Tempo de surgimento   </li></ul><ul><li>Tempo de instalação </li></ul><ul><li>Tempo de evolução </li></ul>Cronológ...
Aguda emergente sem febre <ul><li>Hemorragia subaracnóidea (HSAE) </li></ul><ul><li>Migrânea </li></ul><ul><li>TCE </li></...
Aguda Emergente com febre <ul><li>Rinossinusite </li></ul><ul><li>Otite  </li></ul><ul><li>Meningite </li></ul><ul><li>Inf...
Conduta <ul><ul><li>Aguda Emergente </li></ul></ul><ul><ul><li>Crônica Progressiva </li></ul></ul>TCC    LCR     RNM sem...
Parte   1   Cefaléias   Primárias <ul><li>1. Migrânea </li></ul><ul><li>2. Cefaléia Tipo Tensional </li></ul><ul><li>3. Ce...
Prevalência da Migrânea fonte: Jano Alves de Souza * Prevalência ao longo da vida Internacional 12% * Canadá 16% Reino Uni...
Epidemiologia <ul><li>Idade e Sexo </li></ul>2 a 3 vezes mais freqüente em mulheres - Mulheres - Homens fonte: Jano Alves ...
Impacto da migrânea MENKEN, MATTHEW MD; MUNSAT, THEODORE L. MD; TOOLE, JAMES F. MD . The Global Burden of Disease Study: I...
Custo da Migrânea <ul><li>(limitações na carreira, aposentadoria precoce) </li></ul><ul><li>Diretos </li></ul><ul><li>Medi...
Migrânea sem aura <ul><li>Pelo menos 5 crises  </li></ul><ul><li>Duração: 4 a 72 horas  </li></ul><ul><li>Caracterizada po...
As fases da Crise de Migrânea  <ul><li>1 . Pródromos  </li></ul><ul><li>2. Aura </li></ul><ul><li>3. A cefaléia </li></ul>...
Aura   <ul><li>Sintomas neurológicos inequivocamente localizados no córtex ou tronco cerebral que se desenvolvem gradualme...
Tipos de Aura <ul><li>Córtex visual:   escotomas, espectros de fortificação, hemianopsias </li></ul><ul><li>Córtex motor: ...
 
Aura Visual fonte: Jano Alves de Souza
Aura Visual fonte: Jano Alves de Souza
Freqüência dos Fatores  desencadeantes numa Casuística fonte: Jano Alves de Souza Fatores Desencadeantes Emoções Alimentos...
Classificação da Migrânea <ul><li>Migrânea sem aura </li></ul><ul><li>Migrânea com aura </li></ul><ul><li>Síndromes periód...
TRATAMENTO AGUDO E PROFILÁTICO DA MIGRÂNEA
MODALIDADES DE TRATAMENTO <ul><li>Tratamento não farmacológico </li></ul><ul><li>Tratamento farmacológico </li></ul><ul><l...
TRATAMENTO NÃO FARMACOLÓGICO <ul><li>Fatores deflagradores da crise </li></ul><ul><li>Abuso de analgésicos </li></ul><ul><...
FISIOPATOLOGIA DA MIGRÂNEA NEJM 2002
Importância da inflamação neurogênica na fisiopatologia da migrânea . Neurology 2005
TRATAMENTO FARMACOLÓGICO NA CRISE AGUDA DE MIGRÂNEA: não específicos <ul><li>ANALGÉSICOS :  paracetamol, aspirina, dipiron...
TRATAMENTO FARMACOLÓGICO NA CRISE AGUDA DE MIGRÂNEA: específicos <ul><li>TRIPTANOS:  sumatriptano, rizatriptano, naratript...
MECANISMO DE AÇÃO DOS TRIPTANOS: NEJM 2002 Triptans have three potential mechanisms of action: cranial vasoconstriction,[8...
Crise aguda de migrânea associado a  vômitos intensos <ul><li>Sumatriptano 10 mg intra nasal </li></ul><ul><li>Sumatriptan...
Crise aguda de migrânea associado a prodrômos e náuseas intensas (hipersensibilidade dopaminérgica)  <ul><li>Domperidona 1...
COMBINAÇÕES POSSÍVEIS NO TRATAMENTO AGUDO DE ENXAQUECA <ul><li>Sumatriptano  + naproxeno  </li></ul><ul><li>Rizatriptano +...
Complicações da migrânea <ul><li>Migrânea crônica </li></ul><ul><li>Estado migranoso </li></ul><ul><li>Aura persistente se...
STATUS MIGRANOSO <ul><li>Metoclopramida 10 mg EV + Diidroergotamina 1 mg EV (EUA) </li></ul><ul><li>Metoclopramida 10 mg E...
TRATAMENTO DA AURA PROLONGADA <ul><li>Hidratação venosa </li></ul><ul><li>Prometazina 25 mg EV (hipersensibilidade dopamin...
FATORES DE RISCO PARA MIGRÂNEA CRÔNICA <ul><li>Sexo feminino – não modificável </li></ul><ul><li>Nível educacional baixo (...
TRATAMENTO MEDICAMENTOSO  PREVENTIVO DA MIGRÂNEA <ul><li>INDICAÇÃO </li></ul><ul><li>CONTRAINDICAÇÕES </li></ul><ul><li>CO...
CRITÉRIOS PARA PREVENÇÃO: indicação <ul><li>2 ou mais crises no mês com incapacidades que duram de 3 a mais dias </li></ul...
COMORBIDADES <ul><li>NEUROLÓGICAS : epilepsia e AVC isquêmico </li></ul><ul><li>PSIQUIÁTRICAS : depressão, bipolaridade, t...
MEDICAÇÕES PREVENTIVAS <ul><li>BETA BLOQUEADORES :  propranolol, atenolol e metoprolol. </li></ul><ul><li>ANTIDEPEPRESSIVO...
PROCEDIMENTOS INTERVENCIONISTAS <ul><li>Bloqueios ( facetas, nervos, espaço epidural, ligamento interespinhoso e músculos ...
CAUSAS DE REFRATARIEDADE  : <ul><li>Uso excessivo de medicação e toxicidade </li></ul><ul><li>Diagnóstico incorreto </li><...
Cefaléia   do Tipo Tensional <ul><li>Pelo menos 10 crises de cefaléia com: </li></ul><ul><li>Duração de 30 minutos a 7 dia...
<ul><li>CEFALÉIAS TRIGÊMINO-AUTONÔMICAS </li></ul><ul><li>Cefaléias em Salvas  </li></ul><ul><li>Hemicrania paroxística  <...
<ul><li>A cefaléia em salvas, a  mais dolorosa  dentre as cefaléias primárias, é uma  dor  estritamente unilateral  que oc...
Cefaléias em Salvas Critérios diagnósticos <ul><li>Pelo menos 5 crises de dor forte ou muito forte com: </li></ul><ul><li>...
Um homem em crise de cefaléia em Salvas . CEFALÉIA EM SALVAS – Maria Eduarda Nobre – editora lemos 2001 pag.24.
Cefaléia em Salvas-Epidemiologia <ul><li>Rasmussen encontrou uma prevalência de 0,1 % na população dinamarquesa. </li></ul...
Patofisiologia   <ul><li>Não é totalmente conhecida </li></ul><ul><li>Semelhanças com migrânea </li></ul><ul><li>Envolvime...
Tratamento abortivo da crise <ul><li>Oxigênio a 100 % com máscara facial com 7 a 8 l / minuto. </li></ul><ul><li>Sumatript...
Tratamento profilático <ul><li>Verapamil 120-480 mg/dia </li></ul><ul><li>Ergotamina 0,7 a 1 mg 1 hora antes de deitar </l...
Hemicrania Paroxística Descrição <ul><li>Crises similares às da cefaléia em salvas quanto à dor e os sintomas e sinais ass...
Cefaléia de curta duração, unilateral neuralgiforme com hiperemia conjutival e lacrimejamento (SUNCT) <ul><li>Esta síndrom...
 
Outras Cefaléias Primárias <ul><li>Cefaléia primária (idiopática) em facadas </li></ul><ul><li>Cefaléia primária da tosse ...
Cefaléia Primária (idiopática) em Facadas <ul><li>Dor restrita a cabeça e ocorrendo como uma única pontada (facada) ou com...
Cefaléia Primária da Tosse <ul><li>Cefaléia de início súbito, com duração entre 1 segundo a 30 minutos , precipitada por o...
Cefaléia Primária do Esforço <ul><li>Cefaléia pulsátil, com duração entre 5 minutos e 48 horas, precipitada por ou ocorren...
Cefaléia Primária do Esforço <ul><li>Cefaléia pulsátil, com duração entre 5 minutos e 48 horas, precipitada por ou ocorren...
Cefaléia   Hípnica <ul><li>Cefaléia em peso que aparece somente durante o sono e acorda o paciente. Ocorre >  15 x por mês...
Hemicrania   Contínua <ul><li>Dor unilateral sem mudança de lado, diária e contínua, sem intervalos livres de dor. A inten...
Cefaléia nova diária persistente (CNDP) <ul><li>Cefaléia que, dentro de 3 dias do seu surgimento  torna-se presente diaria...
Cefaléia em trovoada primária Cefaléia intensa com início abrupto que simula a da ruptura de um aneurisma cerebral, atingi...
Cefaléia Pré Orgásmica e Pós Orgásmica <ul><li>Dor em peso na cabeça e pescoço associada a sensação de contração da muscul...
 
Obrigado a todos pela atenção ! www.estimulacaoneurologica.com.br
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Introdução ao Estudo da Cefaléias

6,087

Published on

Aula sobre Introdução do Estudo das Cefaléias para os alunos de medicina do internato da Universidade Federal Fluminese. Aula ministrado por Dr. Rafael Higashi, médico neurologista. www.estimulacaoneurologica.com.br

Published in: Health & Medicine, Education
0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
6,087
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
168
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Use este modelo para criar páginas da Web de intranet para o seu grupo de trabalho ou projeto. Você pode modificar o conteúdo do exemplo para adicionar suas próprias informações e ainda poderá alterar a estrutura do site da Web adicionando e removendo slides. Os controles de navegação ficam no slide mestre. Para alterá-los, no menu Exibir , aponte para Mestre , em seguida, escolha Slide mestre . Para adicionar ou remover hyperlinks em um texto ou em objetos, ou para alterar hyperlinks existentes, selecione o texto ou o objeto e, em seguida, escolha Hyperlink no menu Inserir . Quando tiver terminado de personalizar, exclua estas anotações para liberar espaço nos seus arquivos HTML finais. Para obter mais informações, pergunte ao &apos;Assistente de resposta&apos; sobre: O slide mestre Hyperlinks
  • Clique para adicionar texto
  • Clique para adicionar texto
  • Transcript of "Introdução ao Estudo da Cefaléias"

    1. 1. CEFALÉIAS Dr Rafael Higashi Neurologista www.estimulacaoneurologica.com.br
    2. 2. Porque estudar cefaléia? <ul><li>Qual o percentual de casos com cefaléia no atendimento do seu dia a dia? </li></ul><ul><li>Quantos tipos de cefaléia existem? </li></ul><ul><li>Qual tipo de cefaléia é a mais comumente tratada entre os neurologistas ? </li></ul>
    3. 3. <ul><li>Cefaléia Primárias </li></ul><ul><li>Cefaléia Secundárias </li></ul><ul><li>Neuralgias Cranianas. </li></ul>SIC 2004
    4. 4. <ul><li>Parte Um: Cefaléias Primárias </li></ul><ul><li>Parte Dois: Cefaléias Secundárias </li></ul><ul><li>Parte Três: Neuralgias Cranianas, Dor facial primária e central e outras cefaléias </li></ul>Classificação
    5. 5. Parte 1 Cefaléias Primárias <ul><li>1. Migrânea </li></ul><ul><li>2. Cefaléia Tipo Tensional </li></ul><ul><li>3. Cefaléia em Salvas e outras Trigeminalgias Autonômicas </li></ul><ul><li>4. Outras Cefaléias Primárias </li></ul>
    6. 6. Outras Cefaléias Primárias <ul><li>Cefaléia primária (idiopática) em facadas </li></ul><ul><li>Cefaléia primária da tosse </li></ul><ul><li>Cefaléia primária do exercício </li></ul><ul><li>Cefaléia primária associada à atividade sexual </li></ul><ul><li>Cefaléia hípnica </li></ul><ul><li>Cefaléia primária em trovoada </li></ul><ul><li>Hemicrania contínua </li></ul><ul><li>Cefaléia nova diária persistente </li></ul>
    7. 7. Parte 2 Cefaléias Secundárias <ul><li>Cefaléia atribuída à trauma de cabeça e/ou pescoço </li></ul><ul><li>Cefaléia atribuída à desordem vascular de crânio ou cervical </li></ul><ul><li>Cefaléia atribuída à desordem intracraniana não vascular </li></ul><ul><li>Cefaléia atribuída a uma substância ou sua retirada </li></ul><ul><li>Cefaléia atribuída à infecção </li></ul>
    8. 8. Parte 3 Neuralgias Cranianas, Dor facial primária e central e outras cefaléias <ul><li>Neuralgias cranianas e causas centrais da dor facial </li></ul><ul><li>Outras cefaléias, Neuralgias cranianas, dor facial primária ou central </li></ul>
    9. 9. Cefaléia primária ou secundária? O primeiro desafio é identificar ou excluir as cefaléias secundárias baseado na anamnese e no exame clínico- neurológico.
    10. 10. Sinais de Alerta (Red Flags) <ul><li>Pistas levantadas à anamnese e ao exame clínico-neurológico que sugerem natureza secundária da cefaléia, impondo a necessidade de investigação com exame complementar. </li></ul>
    11. 11. <ul><li>Demográficos </li></ul><ul><li>Exame físico </li></ul><ul><li>Cronológico </li></ul>Sinais de Alerta (Red Flags)
    12. 12. Demográficos <ul><li>- Idade > 50 anos (artrite temporal) </li></ul><ul><li>- Fatores de Risco (câncer, HIV, doença sistêmica ,TCE) </li></ul>
    13. 13. Exame Clínico <ul><li>- Febre </li></ul><ul><li>- Sinais meníngeos </li></ul><ul><li>- Papiledema </li></ul><ul><li>- Sinal focal </li></ul>
    14. 14. <ul><li>Tempo de surgimento </li></ul><ul><li>Tempo de instalação </li></ul><ul><li>Tempo de evolução </li></ul>Cronológicos “ A Primeira ou a Pior Dor” Quando sua dor de cabeça começou? Como a dor começou (foi subitamente)? Já teve dor semelhante a esta ? Esta é a pior dor que você já teve?
    15. 15. Aguda emergente sem febre <ul><li>Hemorragia subaracnóidea (HSAE) </li></ul><ul><li>Migrânea </li></ul><ul><li>TCE </li></ul><ul><li>Hidrocefalia </li></ul><ul><li>AVC hemorrágico </li></ul><ul><li>Neoplasia </li></ul><ul><li>Trombose de seio venoso </li></ul>
    16. 16. Aguda Emergente com febre <ul><li>Rinossinusite </li></ul><ul><li>Otite </li></ul><ul><li>Meningite </li></ul><ul><li>Infecção Sistêmica </li></ul>
    17. 17. Conduta <ul><ul><li>Aguda Emergente </li></ul></ul><ul><ul><li>Crônica Progressiva </li></ul></ul>TCC  LCR  RNM sem febre TCC  RNM  LCR Infecção Sistêmica? Sinais de HIC  LCR  TCC  RNM sem febre com febre - +
    18. 18. Parte 1 Cefaléias Primárias <ul><li>1. Migrânea </li></ul><ul><li>2. Cefaléia Tipo Tensional </li></ul><ul><li>3. Cefaléia em Salvas e outras Trigeminalgias Autonômicas </li></ul><ul><li>4. Outras Cefaléias Primárias </li></ul>
    19. 19. Prevalência da Migrânea fonte: Jano Alves de Souza * Prevalência ao longo da vida Internacional 12% * Canadá 16% Reino Unido 8% EUA 8-12% França 12% Noruega 12% Dinamarca 10% Holanda 9% *Alemanha 28% Etiópia 3% Arábia Saudita 3% Malásia 9% Hong Kong 1.5% Japão 8%
    20. 20. Epidemiologia <ul><li>Idade e Sexo </li></ul>2 a 3 vezes mais freqüente em mulheres - Mulheres - Homens fonte: Jano Alves de Souza 0 5 10 15 20 25 30 0 20 30 40 50 60 70 80 100 Prevalência (%) Idade (anos )
    21. 21. Impacto da migrânea MENKEN, MATTHEW MD; MUNSAT, THEODORE L. MD; TOOLE, JAMES F. MD . The Global Burden of Disease Study: Implications for Neurology . Archives of Neurology , volume 57(3), March 2000, pp 418-420
    22. 22. Custo da Migrânea <ul><li>(limitações na carreira, aposentadoria precoce) </li></ul><ul><li>Diretos </li></ul><ul><li>Medicamentos </li></ul><ul><li>Consultas </li></ul><ul><li>Exames complementares </li></ul><ul><li>Hospitalização </li></ul>Indiretos Ausência ao trabalho ● Perda de produtividade ● Comprometimento de ganhos potenciais ● fonte: Jano Alves de Souza
    23. 23. Migrânea sem aura <ul><li>Pelo menos 5 crises </li></ul><ul><li>Duração: 4 a 72 horas </li></ul><ul><li>Caracterizada por ≥2 dos seguintes aspectos da cefaléia </li></ul><ul><ul><li>Unilateral </li></ul></ul><ul><ul><li>Pulsátil ou latejante </li></ul></ul><ul><ul><li>Moderada a intensa </li></ul></ul><ul><ul><li>Agravada por movimentos </li></ul></ul><ul><li>1 dos seguintes </li></ul><ul><ul><li>Náusea </li></ul></ul><ul><ul><li>Vômitos </li></ul></ul><ul><ul><li>fotophobia e fonophobia </li></ul></ul><ul><li>Não atribuível a outra doença </li></ul>(SIC 2004)
    24. 24. As fases da Crise de Migrânea <ul><li>1 . Pródromos </li></ul><ul><li>2. Aura </li></ul><ul><li>3. A cefaléia </li></ul><ul><li>4. Resolução </li></ul><ul><li>5. Sintomas pós-resolução </li></ul>fonte: Jano Alves de Souza
    25. 25. Aura <ul><li>Sintomas neurológicos inequivocamente localizados no córtex ou tronco cerebral que se desenvolvem gradualmente </li></ul><ul><li>Geralmente ocorre antes da cefaléia, porém, pode acompanhar ou suceder a dor </li></ul><ul><li>Duração : 5 – 60 minutos </li></ul><ul><li>Totalmente reversível </li></ul>fonte: Jano Alves de Souza
    26. 26. Tipos de Aura <ul><li>Córtex visual: escotomas, espectros de fortificação, hemianopsias </li></ul><ul><li>Córtex motor: déficits motores ou sensitivos unilaterais </li></ul><ul><li>Tronco cerebral: vertigem, disartria, zumbidos, déficits motores ou sensitivos bilaterais </li></ul>fonte: Jano Alves de Souza
    27. 28. Aura Visual fonte: Jano Alves de Souza
    28. 29. Aura Visual fonte: Jano Alves de Souza
    29. 30. Freqüência dos Fatores desencadeantes numa Casuística fonte: Jano Alves de Souza Fatores Desencadeantes Emoções Alimentos Odores Esforço Físico Repouso Prolongado Esforço Visual Emoções Positivas Trauma Craniano Outros: - Exposição ao sol - Cinetose - Dor Abdominal 22 5 5 3 2 2 1 1 6 6 2 33,8 7,7 7,7 4,6 3,1 3,1 1,5 1,5 9,2 9,2 3,1 n %
    30. 31. Classificação da Migrânea <ul><li>Migrânea sem aura </li></ul><ul><li>Migrânea com aura </li></ul><ul><li>Síndromes periódicas da infância que são precursores freqüentes da migrânea </li></ul><ul><li>Migrânea retiniana </li></ul><ul><li>Complicações da migrânea </li></ul>
    31. 32. TRATAMENTO AGUDO E PROFILÁTICO DA MIGRÂNEA
    32. 33. MODALIDADES DE TRATAMENTO <ul><li>Tratamento não farmacológico </li></ul><ul><li>Tratamento farmacológico </li></ul><ul><li>( agudo e preventivo ) </li></ul><ul><li>Procedimentos intervencionistas </li></ul>
    33. 34. TRATAMENTO NÃO FARMACOLÓGICO <ul><li>Fatores deflagradores da crise </li></ul><ul><li>Abuso de analgésicos </li></ul><ul><li>Parar o tabagismo </li></ul><ul><li>Regularizar o sono e alimentação </li></ul><ul><li>Exercícios regulares </li></ul><ul><li>Obesidade </li></ul><ul><li>Controle do stress : Biofeedback e terapia cognitiva comportamental </li></ul><ul><li>Psicoterapia </li></ul>
    34. 35. FISIOPATOLOGIA DA MIGRÂNEA NEJM 2002
    35. 36. Importância da inflamação neurogênica na fisiopatologia da migrânea . Neurology 2005
    36. 37. TRATAMENTO FARMACOLÓGICO NA CRISE AGUDA DE MIGRÂNEA: não específicos <ul><li>ANALGÉSICOS : paracetamol, aspirina, dipirona </li></ul><ul><li>AINES : indometacina, ácido mefenâmico, diclofenaco de sódio , ibuprofeno, naproxeno e rofecoxib </li></ul><ul><li>ANTIEMÉTICOS : metoclopramida, domperidona </li></ul><ul><li>NEUROLÉPTICOS : clopromazina, haldol </li></ul><ul><li>CORTICÓIDES : dexametasona </li></ul>
    37. 38. TRATAMENTO FARMACOLÓGICO NA CRISE AGUDA DE MIGRÂNEA: específicos <ul><li>TRIPTANOS: sumatriptano, rizatriptano, naratriptano, zolmitriptano, eletriptano, flavotriptano, almotriptano </li></ul><ul><li>DERIVADOS DO ERGOT : ergotamina e diidroergotamina </li></ul>
    38. 39. MECANISMO DE AÇÃO DOS TRIPTANOS: NEJM 2002 Triptans have three potential mechanisms of action: cranial vasoconstriction,[88] peripheral neuronal inhibition, [48] and inhibition of transmission through second-order neurons of the trigeminocervical complex. [102] Which mechanism is the most important is as yet unclear. [103] These actions inhibit the effects of activated nociceptive trigeminal afferents and, in this way, control acute attacks of migraine (Figure 2).
    39. 40. Crise aguda de migrânea associado a vômitos intensos <ul><li>Sumatriptano 10 mg intra nasal </li></ul><ul><li>Sumatriptano 6 mg SC </li></ul><ul><li>Indometacina 100 mg supositório retal </li></ul>
    40. 41. Crise aguda de migrânea associado a prodrômos e náuseas intensas (hipersensibilidade dopaminérgica) <ul><li>Domperidona 10 mg 2 comp VO </li></ul><ul><li>Metoclopramida 10 mg VO </li></ul><ul><li>Trimebutina 200 mg VO </li></ul><ul><li>Haldol </li></ul><ul><li>Clorpromazina </li></ul>
    41. 42. COMBINAÇÕES POSSÍVEIS NO TRATAMENTO AGUDO DE ENXAQUECA <ul><li>Sumatriptano + naproxeno </li></ul><ul><li>Rizatriptano + refecoxib </li></ul><ul><li>Sumatriptano + acido tolfenâmico </li></ul><ul><li>Rizatriptano + trimebutina </li></ul><ul><li>Rizatriptano + acido tolfenâmico </li></ul><ul><li>Sumatriptano + metoclopramida </li></ul>
    42. 43. Complicações da migrânea <ul><li>Migrânea crônica </li></ul><ul><li>Estado migranoso </li></ul><ul><li>Aura persistente sem infarto </li></ul><ul><li>Infarto migranoso </li></ul><ul><li>Crise epiléptica desencadeada por migrânea </li></ul><ul><li>The International Classification of Headache Disorders, 2nd Edition-ICHD II </li></ul>
    43. 44. STATUS MIGRANOSO <ul><li>Metoclopramida 10 mg EV + Diidroergotamina 1 mg EV (EUA) </li></ul><ul><li>Metoclopramida 10 mg EV + Dexametasona 4 mg EV + Diazepam 10 mg (opcional) </li></ul><ul><li>Clorpromazina 0.4 mg/kg EV diluídos em 100 ml SF 0.9% após hidratação </li></ul>
    44. 45. TRATAMENTO DA AURA PROLONGADA <ul><li>Hidratação venosa </li></ul><ul><li>Prometazina 25 mg EV (hipersensibilidade dopaminérgica) </li></ul><ul><li>Sulfato de Magnésio 1 g EV (deficiência de Mg) </li></ul><ul><li>Prometazina 25 mg + Sulfato de Magnésio 1 g </li></ul><ul><li>Furosemida intravenosa 20 mg (diminui o acúmulo de potássio extra-celular na depressão cortical alastrante) </li></ul>
    45. 46. FATORES DE RISCO PARA MIGRÂNEA CRÔNICA <ul><li>Sexo feminino – não modificável </li></ul><ul><li>Nível educacional baixo (baixa renda) – não modificável </li></ul><ul><li>Trauma de crânio – não modificável </li></ul><ul><li>Freqüência das crises – modificável - prevenção </li></ul><ul><li>Sensibilização central – modificável – tratar crises cedo </li></ul><ul><li>Obesidade – modificável – drogas que emagreçam </li></ul><ul><li>Eventos estressantes – modificável – dentro do possível </li></ul><ul><li>Ronco – modificável – apnéia do sono - tratar </li></ul><ul><li>Bigal, Lipton Headache 2005;45(suppl 1):S3-S13 </li></ul>
    46. 47. TRATAMENTO MEDICAMENTOSO PREVENTIVO DA MIGRÂNEA <ul><li>INDICAÇÃO </li></ul><ul><li>CONTRAINDICAÇÕES </li></ul><ul><li>COMORBIDADES </li></ul>
    47. 48. CRITÉRIOS PARA PREVENÇÃO: indicação <ul><li>2 ou mais crises no mês com incapacidades que duram de 3 a mais dias </li></ul><ul><li>Contra-indicação ou ineficiência das medicações sintomáticas </li></ul><ul><li>Uso de medicação abortiva mais de 2 x na semana </li></ul><ul><li>Circunstâncias especiais como a migrânea hemiplégica ( a crise pode levar lesões neurológicas permanentes ) </li></ul><ul><li>Início da crises previsíveis </li></ul>
    48. 49. COMORBIDADES <ul><li>NEUROLÓGICAS : epilepsia e AVC isquêmico </li></ul><ul><li>PSIQUIÁTRICAS : depressão, bipolaridade, transtorno ansioso, síndrome do pânico, transtornos da personalidade </li></ul><ul><li>OUTROS : fenômeno de Raynaud’s, síndrome do colón irritável, asma e outros transtornos dolorosos </li></ul>
    49. 50. MEDICAÇÕES PREVENTIVAS <ul><li>BETA BLOQUEADORES : propranolol, atenolol e metoprolol. </li></ul><ul><li>ANTIDEPEPRESSIVOS TRICICLICOS: amitriptilina, nortriptilina </li></ul><ul><li>ANTISEROTONINÉRGICOS : pizotifeno e metisergida </li></ul><ul><li>ANTAGONISTAS DOS CANAIS DE CÁLCIO : verapamil e flunarizina </li></ul><ul><li>ANTICONVULSIVANTES : divalproato e topiramato </li></ul><ul><li>AINES : naproxeno </li></ul>
    50. 51. PROCEDIMENTOS INTERVENCIONISTAS <ul><li>Bloqueios ( facetas, nervos, espaço epidural, ligamento interespinhoso e músculos somáticos) </li></ul><ul><li>Procedimentos de radiofrequência </li></ul><ul><li>Neuroestimulação </li></ul><ul><li>Outros </li></ul>
    51. 52. CAUSAS DE REFRATARIEDADE : <ul><li>Uso excessivo de medicação e toxicidade </li></ul><ul><li>Diagnóstico incorreto </li></ul><ul><li>Medicação ineficaz ou dosagem inadequada </li></ul><ul><li>Uso incorreto da medicação </li></ul><ul><li>Comorbidades não tratada corretamente </li></ul><ul><li>Não abolir fatores deflagradores </li></ul><ul><li>Cefaléia fisiologicamente intratável </li></ul>
    52. 53. Cefaléia do Tipo Tensional <ul><li>Pelo menos 10 crises de cefaléia com: </li></ul><ul><li>Duração de 30 minutos a 7 dias. </li></ul><ul><li>Pelo menos duas das seguintes características: </li></ul><ul><ul><li>localização bilateral </li></ul></ul><ul><ul><li>caráter em pressão/ aperto( não pulsátil) </li></ul></ul><ul><ul><li>intensidade leve ou moderada </li></ul></ul><ul><ul><li>não é agravada por atividade física rotineira como caminhar ou subir degraus. </li></ul></ul><ul><li>Ausência de náusea ou vômito </li></ul><ul><li>Auseência concomitante de fotofobia ou fonofobia. </li></ul>Critérios diagnósticos
    53. 54. <ul><li>CEFALÉIAS TRIGÊMINO-AUTONÔMICAS </li></ul><ul><li>Cefaléias em Salvas </li></ul><ul><li>Hemicrania paroxística </li></ul><ul><li>Cefaléia de curta duração, unilateral, neuralgiforme com hiperemia conjuntival e lacrimejamento (SUNCT) </li></ul>
    54. 55. <ul><li>A cefaléia em salvas, a mais dolorosa dentre as cefaléias primárias, é uma dor estritamente unilateral que ocorre associada a manifestações disautonômicas e na maioria dos pacientes, tem uma notável periodicidade circanual e circadiana. </li></ul>Cefaléia em Salvas
    55. 56. Cefaléias em Salvas Critérios diagnósticos <ul><li>Pelo menos 5 crises de dor forte ou muito forte com: </li></ul><ul><li>Localização unilateral, orbitária, supra-orbitária e/ou temporal </li></ul><ul><li>Frequência média de 1 crise a cada dois dias até 8 x dia </li></ul><ul><li>Duração de 15 a 180 minutos se não tratada </li></ul><ul><li>Presença de pelo menos uma das seguintes alterações: </li></ul><ul><ul><li>Injeção conjuntival ipsilateral e/ou lacrimejamento </li></ul></ul><ul><ul><li>Congestão nasal ipsilateral e/ou rinorréia </li></ul></ul><ul><ul><li>Edema palpebral ipsilateral </li></ul></ul><ul><ul><li>Sudorese frontal e facial ipsilateral </li></ul></ul><ul><ul><li>Miose e/ou ptose ipsilateral </li></ul></ul><ul><ul><li>Sensação de inquietude ou agitação </li></ul></ul>
    56. 57. Um homem em crise de cefaléia em Salvas . CEFALÉIA EM SALVAS – Maria Eduarda Nobre – editora lemos 2001 pag.24.
    57. 58. Cefaléia em Salvas-Epidemiologia <ul><li>Rasmussen encontrou uma prevalência de 0,1 % na população dinamarquesa. </li></ul><ul><li>Kudrow, encontrou prevalência de 0,08% nas mulheres e de 0,4% nos homens na população norte americana. </li></ul><ul><li>Karl Ekbom encontrou em 9.803 recrutas do exército sueco uma prevalência de 0,09%; </li></ul><ul><li>Roberto D’Alessandro, em 21.972 habitantes da Repúblicade San Marino, encontrou uma prevalência de 0,07%. </li></ul>
    58. 59. Patofisiologia <ul><li>Não é totalmente conhecida </li></ul><ul><li>Semelhanças com migrânea </li></ul><ul><li>Envolvimento do I ramo do trigêmeo </li></ul><ul><li>Mecanismo inflamatório ou vasculítico ao redor do seio cavernoso (divisão simpática e parasimpática) </li></ul><ul><li>Disfunção simpática e e super atividade parasimpática </li></ul><ul><li>Espasmo pela arteriografia da a. carótida interna </li></ul><ul><li>Ritmo circadiano envolvimento da região retroquiasmática </li></ul><ul><li>Ativação unilateral da substância cinzenta do hipotálamo ipsilateral a dor </li></ul>
    59. 60. Tratamento abortivo da crise <ul><li>Oxigênio a 100 % com máscara facial com 7 a 8 l / minuto. </li></ul><ul><li>Sumatriptano a 6 mg SC </li></ul><ul><li>Diidroergotamina 1 mg IM ou EV </li></ul><ul><li>Lidocaína nasal ( 4-6%) </li></ul>
    60. 61. Tratamento profilático <ul><li>Verapamil 120-480 mg/dia </li></ul><ul><li>Ergotamina 0,7 a 1 mg 1 hora antes de deitar </li></ul><ul><li>Lítio 300 mg de 12/12h </li></ul><ul><li>Metissergida 4 a 12 mg divido em 3 tomadas. </li></ul><ul><li>Valproato 600 a 2.000 mg /dia </li></ul><ul><li>Prednisona 60 mg dose decrescente </li></ul>
    61. 62. Hemicrania Paroxística Descrição <ul><li>Crises similares às da cefaléia em salvas quanto à dor e os sintomas e sinais associados, porem mais freqüentes (superior a 5 por dia em mais da metade dos casos) e de duração mais curta (2 a 30 minutos) , ocorre mais comumente em mulheres e respondem de maneira absoluta a indometacina . </li></ul>
    62. 63. Cefaléia de curta duração, unilateral neuralgiforme com hiperemia conjutival e lacrimejamento (SUNCT) <ul><li>Esta síndrome se caracteriza por crises de dor unilateral de curta duração, muito mais breve (5 a 240 s) que aquelas vistas em qualquer outra cefaléia trigêmino-autônomica e freqüentemente é acompanhada de lacrimejamento proeminente e vermelhidão no olho ipsilateral , freqüência de 3 a 200 vezes por dias. </li></ul>
    63. 65. Outras Cefaléias Primárias <ul><li>Cefaléia primária (idiopática) em facadas </li></ul><ul><li>Cefaléia primária da tosse </li></ul><ul><li>Cefaléia primária do exercício </li></ul><ul><li>Cefaléia primária associada à atividade sexual </li></ul><ul><li>Cefaléia hípnica </li></ul><ul><li>Cefaléia primária em trovoada </li></ul><ul><li>Hemicrania contínua </li></ul><ul><li>Cefaléia nova diária persistente </li></ul>
    64. 66. Cefaléia Primária (idiopática) em Facadas <ul><li>Dor restrita a cabeça e ocorrendo como uma única pontada (facada) ou como uma série de pontadas na distribuição da primeira divisão do nervo trigêmio , com duração de até alguns segundos e recorrendo com freqüência irregular de uma a várias vezes ao dia. </li></ul>
    65. 67. Cefaléia Primária da Tosse <ul><li>Cefaléia de início súbito, com duração entre 1 segundo a 30 minutos , precipitada por ou ocorrendo somente em associação com tosse, valsalva ou contração da musculatura abdominal. </li></ul>
    66. 68. Cefaléia Primária do Esforço <ul><li>Cefaléia pulsátil, com duração entre 5 minutos e 48 horas, precipitada por ou ocorrendo somente durante ou após esforço físico. </li></ul>
    67. 69. Cefaléia Primária do Esforço <ul><li>Cefaléia pulsátil, com duração entre 5 minutos e 48 horas, precipitada por ou ocorrendo somente durante ou após esforço físico. </li></ul>
    68. 70. Cefaléia Hípnica <ul><li>Cefaléia em peso que aparece somente durante o sono e acorda o paciente. Ocorre > 15 x por mês, com duração  15 minutos após acordar e início após 50 anos. </li></ul>
    69. 71. Hemicrania Contínua <ul><li>Dor unilateral sem mudança de lado, diária e contínua, sem intervalos livres de dor. A intensidade é moderada, porém com exacerbações de dor severa. Características autonômicas ocorrem durante as exarcebações e ipsilaterais ao lado da dor. Há resposta completa à terapêutica com indometacina. </li></ul>
    70. 72. Cefaléia nova diária persistente (CNDP) <ul><li>Cefaléia que, dentro de 3 dias do seu surgimento torna-se presente diariamente, e sem remissão, por mais de 3 meses, com características de cefaléia tensional </li></ul>
    71. 73. Cefaléia em trovoada primária Cefaléia intensa com início abrupto que simula a da ruptura de um aneurisma cerebral, atingindo intensidade máxima < 1 minuto dura ção de 1 hora a 10 dias.
    72. 74. Cefaléia Pré Orgásmica e Pós Orgásmica <ul><li>Dor em peso na cabeça e pescoço associada a sensação de contração da musculatura do pescoço e/ou mandíbula, durante a atividade sexual e aumenta com a excitação sexual. </li></ul><ul><li>Cefaléia severa (“explosiva”) </li></ul>
    73. 76. Obrigado a todos pela atenção ! www.estimulacaoneurologica.com.br

    ×